RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso."

Transcrição

1 RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP: Fone: (65) Responsáveis Técnicos: PAULO SÉRGIO DE ASSUNÇÃO, Eng. Agrônomo, CREA PR-25355/D MT Nacional DANIEL BENNEMANN FRASSON, Eng. Agrônomo, CREA MT Nacional Agosto/2013

2 OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi avaliar as características agronômicas de híbridos de milho semeados em 3 épocas (Abertura, meio e fechamento de plantio) na região Parecis do Mato Grosso (Diamantino-MT). MATERIAL E MÉTODOS Condução experimental O ensaio foi conduzido na estação experimental da P.A Consultoria Agronômica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, localizada na Fazenda São Paulo, distrito de Deciolândia, no município de Diamantino-MT. Latitude ,9 S e longitude ,1 W, a uma altitude de 592 metros. O solo da área experimental caracteriza-se como argiloso (argila 60%) e de alta fertilidade. A adubação utilizada no sulco de plantio foi de 150 kg/ha da fórmula Como adubação de cobertura, 200 kg/ha de aplicados em V2 e mais 100 kg/ha em V4. A previsão inicial é que os híbridos fossem dispostos em condições de abertura (inicio fevereiro), meio (metade de fevereiro) e fim de plantio (inicio de março). No entanto, por questões de excesso de chuva foram dispostos da seguinte forma:

3 1ª Época Foi iniciada a semeadura em 04/02/2013 com 25 materiais. Por excesso de chuvas os demais híbridos só puderam ser semeados no dia 11/02/2013. Assim sendo, os resultados serão apresentados separadamente. 2ª Época Plantio em 15/02/2013; 3ª Época Plantio em 01/03/2013; As parcelas experimentais constituíram-se de faixas de plantio de 25 metros de comprimento x 12 linhas de plantio. Para controle de doenças, foram realizadas 2 aplicações de fungicidas, a primeira em V6 (Priori Xtra 300 ml/ha) e a segunda em Pré-Pendoamento (Shake 650 ml/ha). Na 1ª aplicação de fungicida foi adicionado o KINGFOL MANGANÊS. Para controle de pragas realizadas aplicações nos estádios iniciais (até V4) para controle de percevejos e lagartas desfolhadoras. A partir deste momento, 2 aplicações para lagartas. Em pré-pendoamento utilização de 250 ml/ha de EngeoPleno para controle de Pulgão. Para controle de plantas daninhas foi realizadas 1 aplicação de ACCENT(0,025kg/ha) + CALLISTO (0,100 l/ha) + ATRAZINA (2,5 lt/ha). Os demais tratos culturais de acordo com as especificações técnicas para a cultura na região central do Brasil.

4 Avaliações e parâmetros avaliados Foram avaliados em cada híbrido o estande aos 30 dias após a emergência (D.A.E), realizando-se 8 repetições de 5 metros de comprimento. Dias após o plantio necessários para o pleno florescimento, ou seja, 50 % das plantas com pendão emitido. Aos 60 D.A.E coletadas amostras para quantificação do número de nematóides presentes no solo e nas raízes de cada cultivar. Próximo a maturação fisiológica foram medidos: altura de planta (solo até ultima vagem), altura de inserção de 1ª vagem e diâmetro de caule de 15 plantas/parcela. Para produtividade final foram colhidas 4 repetições de 1 linha de plantio x 23 metros de comprimento. Para P.M.G (peso de 1000 grãos) realizadas 2 sub-amostras dentro de cada repetição. Os dados foram submetidos ao Teste de Scott-Knot ao nível de 5% de probabilidade.

5 RESULTADOS E DISCUSSÃO A segunda safra (Safrinha 2013) apresentou-se novamente átipica. No início de fevereiro além de alto índice pluviométrico (Anexo I), foram observados longos períodos de baixa luminosidade. Fato este que interfere diretamente na produtividade da cultura do Milho. Durante a condução experimental as doenças de maior importância foram Bipolaris maydis e Diplodia spp. nos estádios de desenvolvimento iniciais (a partir de V6). Nos estádios finais o aparecimento de Ferrugem polissora (Puccinia polysora) e Mancha foliar de Phaeosphaeria (Phaeosphaeria maydis). Os híbridos semeados no dia 04/02 apresentaram desenvolvimento inicial lento, com amarelecimento das folhas devido às condições de enxarcamento inicial. Já nos materiais do dia 11/02 isto não ocorreu de forma tão acentuada, motivo pelo qual os resultados estão apresentados separadamente. Nas demais épocas, o plantio de todos os híbridos ocorreu no mesmo dia. Alguns materiais apresentaram problema de germinação e/ou emergência, comprometendo de certa forma o desempenho e expressão do potencial produtivo. Na tabela 1 estão apresentados os estandes finais dos híbridos em cada época de semeadura. Os híbridos RB 9005, SHS7915, SHS7920 e CODIFICADO PIONEER apresentaram certa sensibilidade ao KINGFOL MANGANES aplicado em V6, resultando em fitotoxidade.

6 No anexo II podem ser observador os resultados de altura de planta (cm), altura de inserção de espiga, diâmetro de colmo, empalhamento e doença. A área experimental apresenta os nematoides Heterodera glicynes e Prathylenchus brachyurus. Assim sendo, foi realizada análise nematológica de cada híbrido e os resultados são apresentados na tabela 2. Nas tabelas 03.A e 03.B podem ser observados os resultados de produtividade e peso de 1000 grãos da 1ª Época de semeadura. Na 3.A (Hibridos semeados no dia 04/02/2013), já na 3.B (Hibridos semeados no dia 11/02/2013). Nas tabelas 04, 05 e 06 estão apresentados os resultados de produtividade e peso de 1000 grãos das 3 épocas de semeadura.

7 Tabela 1 Estande final de plantas (1ª, 2ª e 3ª época de semeadura) em ensaio de competição entre hibridos. Estação Experimental P.A Consultoria Agronomica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, Deciolândia, Diamantino-MT. 1ª época 2ª época 3ª época Hibrido metro hectare metro hectare metro hectare Media 1 2 B 810 PW 2, , , B 512 PW 2, , , B 433 PW 2, , , B 604 PW 2, , , B 587 PW 2, , , B 610 PW 2, , , A 37 PW 2, , , A 95 2, , , A 16 PW 2, , , B 339 HX 2, , , AS 1598 PRO 2, , , AS 1555 PRO 2 2, , , AS 1626 PRO 2, , , RB , , , RB , , , RB , , , LG 6304 YG 2, , , LG , , , LG , , , LG , , , AG , , , AG , , , BG 7032 H 2, , , BG 7037 H 2, , , BG , , , BG 7061 H 2, , , BG 7049 H 2, , , CELERON 2, , , FORMULA 2, , , FEROZ-SYN8A98 2, , , DKB 390 2, , , DKB 340 2, , , DKB 310 2, , , NS 50 2, , , NS 90 2, , , Pré-Com. PIONEER 2, , , P 30 F 53 YH 2, , , GNZ , , , GNZ , , , SHS , , , SHS , CD 333 HX 2, , , CD 384 HX 2, , , SEMPRE 32D , SEMPRE 22T ,

8 Tabela 2 Resultado nematológico em ensaio de competição entre híbridos. Estação Experimental P.A. Consultoria Agronômica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, Deciolândia, Diamantino-MT. Meloidogyne spp. P. brachyurus H. glycines Hibrido Solo Raiz Solo Raiz Solo Raiz 1 2 B 810 PW zero zero zero zero 2 2 B 512 PW zero zero zero zero 3 2 B 433 PW zero zero zero zero 4 2 B 604 PW zero zero zero 50 zero zero 5 2 B 587 PW zero zero zero zero 30 zero 6 2 B 610 PW zero zero zero zero 7 30 A 37 PW zero zero zero zero 8 30 A 95 zero zero zero 130 zero zero 9 30 A 16 PW zero zero zero 10 zero zero 10 2 B 339 HX zero zero zero zero 11 AS 1598 PRO zero zero zero zero 12 AS 1555 PRO 2 zero zero zero 160 zero zero 13 AS 1626 PRO zero zero zero 100 zero zero 14 RB 9005 zero zero zero zero 15 RB 9006 zero zero zero zero zero zero 16 RB 9210 zero zero zero zero 17 LG 6304 YG zero zero zero zero 18 LG 6030 zero zero zero 110 zero zero 19 LG 6036 zero zero zero 180 zero zero 20 LG 6038 zero zero zero zero 21 AG 7088 zero zero zero zero 22 AG 8580 zero zero zero zero 23 BG 7032 H zero zero zero zero 24 BG 7037 H zero zero 30 zero zero zero 25 BG 7046 zero zero zero 190 zero zero 26 BG 7061 H zero zero zero 200 zero zero 27 BG 7049 H zero zero zero zero 28 CELERON zero zero zero zero 29 FORMULA zero zero zero zero 30 FEROZ-SYN8A98 zero zero zero 170 zero zero 31 DKB 390 zero zero zero 130 zero zero 32 DKB 340 zero zero zero zero 33 DKB 310 zero zero zero 30 zero zero 34 NS 50 zero zero zero zero 35 NS 90 zero zero zero 60 zero zero 36 Pré-Com. PIONEER zero zero zero zero 37 P 30 F 53 YH zero zero 0 30 zero zero 38 GNZ 9626 zero zero zero zero 39 GNZ 9688 zero zero zero zero 40 SHS 7915 zero zero zero zero 41 SHS 7920 zero zero zero zero 42 CD 333 HX zero zero zero 70 zero zero 43 CD 384 HX zero zero zero 50 zero zero 44 SEMPRE 32D10 zero zero zero 100 zero zero 45 SEMPRE 22T10 zero zero zero 50 zero zero

9 Tabela 03.A - Peso de 1000 grãos e produtividade (sacas/ha) em ensaio de competição entre híbridos de milho semeados no dia 04/02/2013. Estação Experimental P.A, Deciolândia, Diamantino-MT. Umidade P.M.G Produtividade** Hibrido Data de Plantio Colheita (%) (gramas) Kg/ha sacas/ha 1 BG /02/ ,26 e 359,55 c 9.518,40 158,64 a 2 AG /02/ ,76 c 340,44 d 9.378,00 156,30 a 3 AS 1598 PRO 04/02/ ,00 e 323,56 e 8.980,20 149,67 a 4 2 B 810 PW 04/02/ ,83 h 302,32 g 8.907,00 148,45 a 5 LG /02/ ,80 c 337,24 d 8.814,60 146,91 a 6 30 A 95 04/02/ ,13 e 298,91 g 8.765,40 146,09 a 7 2 B 512 PW 04/02/ ,30 d 323,11 e 8.749,80 145,83 a 8 LG 6304 YG 04/02/ ,70 b 359,16 c 8.688,60 144,81 a 9 LG /02/ ,56 d 336,84 d 8.680,20 144,67 a 10 AS 1626 PRO 04/02/ ,93 c 377,06 b 8.637,00 143,95 a 11 AS 1555 PRO 2 04/02/ ,00 b 357,52 c 8.572,20 142,87 a 12 2 B 604 PW 04/02/ ,86 d 315,31 f 8.445,60 140,76 a 13 2 B 433 PW 04/02/ ,76 d 335,07 d 8.407,80 140,13 a 14 BG 7037 H 04/02/ ,56 d 368,58 b 8.405,40 140,09 a 15 2 B 587 PW 04/02/ ,56 c 338,53 d 8.401,20 140,02 a 16 AG /02/ ,50 e 300,95 g 8.381,40 139,69 a A 16 PW 04/02/ ,03 g 284,26 h 8.376,60 139,61 a 18 LG /02/ ,40 d 360,06 c 8.218,80 136,98 b A 37 PW 04/02/ ,23 c 343,64 d 8.153,40 135,89 b 20 2 B 610 PW 04/02/ ,66 e 349,85 c 8.130,00 135,50 b 21 BG 7032 H 04/02/ ,00 f 402,84 a 8.012,40 133,54 b 22 RB /02/ ,26 d 339,63 d 7.756,20 129,27 b 23 2 B 339 HX 04/02/ ,96 a 377,00 b 7.633,20 127,22 c 24 RB /02/ ,60 d 395,54 a 7.314,00 121,90 c 25 RB /02/ ,20 d 341,77 d 7.167,60 119,46 c Teste F (ANAVA) * * - * C.V.(%) 1,75 2,34-5,21 Médias seguidas de mesma letra colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade. C.V( %) Coeficiente de Variação; P.M.G Peso de 1000 grãos (gramas); * - Significativo ao nível de 5% de probabilidade; N.S* - Não significativo ao nível de 5% de probabilidade; ** Resultados de produtividade corrigidos à 13% de umidade; Umidade de colheita (%) Colheita realizada aos 150 dias após plantio (D.A.P);

10 Tabela 03.B - Peso de 1000 grãos e produtividade (sacas/ha) em ensaio de competição entre híbridos de milho semeados no dia 11/02/2013. Estação Experimental P.A, Deciolândia, Diamantino-MT. Hibrido Data de Plantio Umidade Colheita (%) P.M.G (gramas) Produtividade** Kg/ha sacas/ha 1 FORMULA 11/02/ ,53 c 298,44 e 9.618,60 160,31 a 2 NS 90 11/02/ ,96 e 298,08 e 9.454,20 157,57 a 3 P 30 F 53 YH 11/02/ ,06 e 350,82 d 9.422,40 157,04 a 4 DKB /02/ ,06 f 375,80 c 9.319,80 155,33 a 5 NS 50 11/02/ ,76 c 380,61 c 9.304,20 155,07 a 6 BG 7049 H 11/02/ ,33 e 343,62 d 9.106,80 151,78 a 7 CELERON 11/02/ ,00 b 360,65 c 8.953,20 149,22 a 8 SHS /02/ ,13 c 365,91 c 8.952,00 149,20 a 9 FEROZ-SYN8A98 11/02/ ,60 f 368,90 c 8.752,80 145,88 a 10 CD 333 HX 11/02/ ,60 f 403,63 b 8.711,40 145,19 a 11 GNZ /02/ ,16 e 367,09 c 8.655,00 144,25 a 12 CD 384 HX 11/02/ ,40 f 345,69 d 8.638,80 143,98 a 13 DKB /02/ ,90 d 359,38 c 8.592,60 143,21 a 14 GNZ /02/ ,16 c 435,55 a 8.588,40 143,14 a 15 DKB /02/ ,00 c 414,39 b 8.474,40 141,24 a 16 SHS /02/ ,73 c 385,98 c 8.458,80 140,98 a 17 BG 7061 H 11/02/ ,23 b 317,35 e 8.049,60 134,16 b 18 Pré-Com. PIONEER 11/02/ ,80 a 312,27 e 7.630,20 127,17 c Teste F (ANAVA) * * - * C.V.(%) 2,51 3,89-6,46 Médias seguidas de mesma letra colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade. C.V( %) Coeficiente de Variação; P.M.G Peso de 1000 grãos (gramas); * - Significativo ao nível de 5% de probabilidade; N.S* - Não significativo ao nível de 5% de probabilidade; ** Resultados de produtividade corrigidos à 13% de umidade; Umidade de colheita (%) Colheita realizada aos 143 dias após plantio (D.A.P);

11 Tabela 04 - Peso de 1000 grãos e produtividade (sacas/ha) em ensaio de competição entre híbridos de milho semeados no dia 15/02/2013. Estação Experimental P.A, Deciolândia, Diamantino-MT. Umidade P.M.G Produtividade** Hibrido Data de Plantio Colheita (%) (gramas) Kg/ha sacas/ha 1 BG /02/ ,77 c 357,17 f ,20 176,67 a 2 FORMULA 15/02/ ,92 c 323,88 g ,40 172,84 a 3 AS 1598 PRO 15/02/ ,07 c 340,77 g ,00 171,10 a 4 P 30 F 53 YH 15/02/ ,97 c 383,31 d ,20 167,87 a 5 AG /02/ ,50 c 356,43 f ,20 167,57 a 6 NS 50 15/02/ ,77 c 412,98 c ,00 167,50 a 7 LG /02/ ,27 c 373,42 e 9.828,60 163,81 a 8 NS 90 15/02/ ,17 c 319,34 h 9.712,80 161,88 b 9 CELERON 15/02/ ,62 b 394,08 d 9.624,60 160,41 b 10 AS 1555 PRO 2 15/02/ ,15 b 380,27 d 9.569,40 159,49 b A 37 PW 15/02/ ,32 b 370,87 e 9.523,80 158,73 b 12 CD 333 HX 15/02/ ,45 c 412,98 c 9.520,80 158,68 b 13 DKB /02/ ,15 c 387,82 d 9.487,80 158,13 b 14 2 B 810 PW 15/02/ ,50 e 306,86 h 9.425,40 157,09 b 15 BG 7049 H 15/02/ ,37 c 363,95 e 9.412,80 156,88 b 16 2 B 433 PW 15/02/ ,90 c 355,24 f 9.382,20 156,37 b 17 2 B 610 PW 15/02/ ,82 c 358,12 f 9.377,40 156,29 b 18 FEROZ-SYN8A98 15/02/ ,72 c 402,59 c 9.314,40 155,24 b 19 LG /02/ ,52 c 374,04 e 9.308,40 155,14 b 20 DKB /02/ ,67 c 399,59 c 9.303,60 155,06 b 21 GNZ /02/ ,55 c 407,54 c 9.187,80 153,13 c 22 BG 7037 H 15/02/ ,90 a 368,94 e 9.141,00 152,35 c 23 Pré-Com. PIONEER 15/02/ ,35 a 349,05 f 9.106,80 151,78 c 24 DKB /02/ ,20 c 439,81 b 9.102,60 151,71 c 25 AS 1626 PRO 15/02/ ,87 c 368,00 e 9.099,00 151,65 c 26 2 B 587 PW 15/02/ ,30 b 358,82 f 9.091,80 151,53 c 27 2 B 512 PW 15/02/ ,80 c 350,46 f 9.036,00 150,60 c A 16 PW 15/02/ ,95 d 323,31 g 9.010,20 150,17 c 29 AG /02/ ,25 c 331,72 g 8.985,60 149,76 c A 95 15/02/ ,22 c 312,84 h 8.965,80 149,43 c 31 CD 384 HX 15/02/ ,35 c 371,86 e 8.841,60 147,36 c 32 LG 6304 YG 15/02/ ,23 b 384,47 d 8.814,60 146,91 c 33 BG 7061 H 15/02/ ,85 b 358,43 f 8.791,20 146,52 c 34 2 B 339 HX 15/02/ ,00 b 391,77 d 8.791,20 146,52 c 35 LG /02/ ,52 c 360,85 f 8.766,60 146,11 c 36 BG 7032 H 15/02/ ,17 c 407,65 c 8.739,00 145,65 c 37 SHS /02/ ,00 c 388,59 d 8.656,80 144,28 c 38 GNZ /02/ ,30 c 463,31 a 8.381,40 139,69 d 39 2 B 604 PW 15/02/ ,22 c 350,60 f 8.376,00 139,60 d 40 RB /02/ ,35 c 378,96 d 8.191,80 136,53 d 41 RB /02/ ,55 c 412,02 c 8.120,40 135,34 d 42 RB /02/ ,25 c 329,67 g 7.840,80 130,68 d Teste F (ANAVA) C.V.(%) * * - * 10,24 3,11-5,09 Médias seguidas de mesma letra colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade. C.V( %) Coeficiente de Variação; P.M.G Peso de 1000 grãos (gramas); * - Significativo ao nível de 5% de probabilidade; N.S* - Não significativo ao nível de 5% de probabilidade; ** Resultados de produtividade corrigidos à 13% de umidade; Umidade de colheita (%) Colheita realizada aos 153 dias após plantio (D.A.P);

12 Tabela 05 - Peso de 1000 grãos e produtividade (sacas/ha) em ensaio de competição entre híbridos de milho semeados no dia 01/03/2013. Estação Experimental P.A, Deciolândia, Diamantino-MT. Hibrido Data de Plantio Umidade Colheita (%) P.M.G (gramas) Produtividade** Kg/ha sacas/ha 1 2 B 810 PW 01/03/ ,90 f 286,86 e 8.925,60 148,76 a 2 2 B 610 PW 01/03/ ,90 c 339,39 c 8.749,80 145,83 a 3 DKB /03/ ,00 b 345,32 c 8.633,40 143,89 a 4 2 B 512 PW 01/03/ ,73 b 322,05 d 8.596,80 143,28 a 5 30 A 16 PW 01/03/ ,43 f 273,13 e 8.566,80 142,78 a 6 CELERON 01/03/ ,33 a 337,68 c 8.564,40 142,74 a 7 FORMULA 01/03/ ,73 a 268,12 e 8.540,40 142,34 a 8 30 A 37 PW 01/03/ ,56 a 342,04 c 8.466,60 141,11 a 9 BG 7037 H 01/03/ ,60 c 350,97 c 8.458,80 140,98 a 10 2 B 433 PW 01/03/ ,33 c 313,53 d 8.458,80 140,98 a 11 2 B 587 PW 01/03/ ,13 b 343,56 c 8.374,20 139,57 a 12 BG /03/ ,20 c 298,69 e 8.362,80 139,38 a 13 DKB /03/ ,83 b 447,04 a 8.354,40 139,24 a 14 AS 1555 PRO 2 01/03/ ,63 a 337,44 c 8.310,60 138,51 a 15 NS 90 01/03/ ,60 c 293,66 e 8.289,60 138,16 a 16 P 30 F 53 YH 01/03/ ,23 b 320,73 d 8.254,80 137,58 a 17 AS 1598 PRO 01/03/ ,99 c 304,83 d 8.249,40 137,49 a 18 DKB /03/ ,53 d 348,51 c 8.245,20 137,42 a 19 AG /03/ ,26 c 299,24 e 8.202,00 136,70 a A 95 01/03/ ,43 c 296,30 e 8.187,00 136,45 a 21 BG 7049 H 01/03/ ,63 b 324,40 d 8.115,60 135,26 a 22 GNZ /03/ ,50 e 337,77 c 8.107,80 135,13 a 23 2 B 604 PW 01/03/ ,86 c 287,87 e 8.071,20 134,52 a 24 BG 7061 H 01/03/ ,00 a 300,76 e 8.048,40 134,14 a 25 CD 333 HX 01/03/ ,56 d 375,22 c 8.024,40 133,74 a 26 RB /03/ ,53 c 360,94 c 7.890,60 131,51 b 27 CD 384 HX 01/03/ ,63 d 315,09 d 7.826,40 130,44 b 28 FEROZ-SYN8A98 01/03/ ,43 d 332,99 c 7.763,40 129,39 b 29 GNZ /03/ ,76 c 424,10 a 7.729,80 128,83 b 30 AG /03/ ,06 b 316,73 d 7.698,60 128,31 b 31 LG /03/ ,43 b 316,96 d 7.676,40 127,94 b 32 SHS /03/ ,73 a 337,16 c 7.656,60 127,61 b 33 LG 6304 YG 01/03/ ,76 a 338,12 c 7.653,60 127,56 b 34 LG /03/ ,62 c 299,93 e 7.603,20 126,72 b 35 Pré-Com. PIONEER 01/03/ ,00 a 284,83 e 7.602,60 126,71 b 36 RB /03/ ,76 c 320,87 d 7.585,80 126,43 b 37 2 B 339 HX 01/03/ ,63 a 361,22 c 7.525,20 125,42 b 38 NS 50 01/03/ ,33 b 363,82 c 7.413,00 123,55 b 39 AS 1626 PRO 01/03/ ,06 b 347,05 c 7.318,80 121,98 b 40 LG /03/ ,90 c 317,68 d 7.249,80 120,83 c 41 BG 7032 H 01/03/ ,93 d 399,01 b 7.147,20 119,12 c 42 RB /03/ ,23 d 353,03 c 7.060,80 117,68 c 43 SEMPRE 32D10 01/03/ ,43 b 311,21 d 6.789,00 113,15 c 44 SEMPRE 22T10 01/03/ ,36 c 315,82 d 6.530,40 108,84 c Teste F (ANAVA) * * - * C.V.(%) 3,75 5,66-5,73 Médias seguidas de mesma letra colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade. C.V( %) Coeficiente de Variação; P.M.G Peso de 1000 grãos (gramas); * - Significativo ao nível de 5% de probabilidade; N.S* - Não significativo ao nível de 5% de probabilidade; ** Resultados de produtividade corrigidos à 13% de umidade; Umidade de colheita (%) Colheita realizada aos 158 dias após plantio (D.A.P);

13 Tabela 06 - Produtividade (sacas/ha) e dias para pendoamento de híbridos de milho. Estação Experimental P.A Consultoria Agronômica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, Deciolândia, Diamantino-MT. 1ª época 2ª época 3ª época Média Hibrido sacas/ha Pend. sacas/ha Pend. sacas/ha Pend. sacas/ha 1 2 B 810 PW 148,45 a ,09 b ,76 a , B 512 PW 145,83 a ,60 c ,28 a , B 433 PW 140,13 a ,37 b ,98 a , B 604 PW 140,76 a ,60 d ,52 a , B 587 PW 140,02 a ,53 c ,57 a , B 610 PW 135,50 b ,29 b ,83 a , A 37 PW 135,89 b ,73 b ,11 a , A ,09 a ,43 c ,45 a , A 16 PW 139,61 a ,17 c ,78 a , B 339 HX 127,22 c ,52 c ,42 b ,05 11 AS 1598 PRO 149,67 a ,10 a ,49 a ,75 12 AS 1555 PRO 2 142,87 a ,49 b ,51 a ,96 13 AS 1626 PRO 143,95 a ,65 c ,98 b ,19 14 RB ,46 c ,53 d ,51 b ,17 15 RB ,90 c ,34 d ,68 c ,97 16 RB ,27 b ,68 d ,43 b ,79 17 LG 6304 YG 144,81 a ,91 c ,56 b ,76 18 LG ,67 a ,81 a ,94 b ,47 19 LG ,91 a ,11 c ,83 c ,95 20 LG ,98 b ,14 b ,72 b ,61 21 AG ,69 a ,76 c ,70 a ,05 22 AG ,30 a ,57 a ,31 b ,73 23 BG 7032 H 133,54 b ,65 c ,12 c ,77 24 BG 7037 H 140,09 a ,35 c ,98 a ,47 25 BG ,64 a ,67 a ,38 a ,23 26 BG 7061 H 134,16 b ,52 c ,14 a ,27 27 BG 7049 H 151,78 a ,88 b ,26 a ,97 28 CELERON 149,22 a ,41 b ,74 a ,79 29 FORMULA 160,31 a ,84 a ,34 a ,50 30 FEROZ-SYN8A98 145,88 a ,24 b ,39 b ,50 31 DKB ,21 a ,06 b ,89 a ,39 32 DKB ,24 a ,71 c ,24 a ,06 33 DKB ,33 a ,13 b ,42 a ,29 34 NS ,07 a ,50 a ,55 b ,71 35 NS ,57 a ,88 b ,16 a ,54 36 Pré-Com. PIONEER 127,17 c ,78 c ,71 b ,22 37 P 30 F 53 YH 157,04 a ,87 a ,58 a ,16 38 GNZ ,25 a ,13 c ,13 a ,17 39 GNZ ,14 a ,69 d ,83 b ,22 40 SHS ,20 a ,28 c ,61 b ,36 41 SHS ,98 a ,98 42 CD 333 HX 145,19 a ,68 b ,74 a ,87 43 CD 384 HX 143,98 a ,36 c ,44 b ,59 44 SEMPRE 32D ,15 c ,15 45 SEMPRE 22T ,84 c ,84 Teste F (ANAVA) * - * - * - - C.V.(%) 6,46-5,09-5, Médias seguidas de mesma letra colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade. C.V( %) Coeficiente de Variação; P.M.G Peso de 1000 grãos (gramas); * - Significativo ao nível de 5% de probabilidade; N.S* - Não significativo ao nível de 5% de probabilidade; ** Resultados de produtividade corrigidos à 13% de umidade; Pend. Dias necessários após o plantio necessários para o pleno pendoamento (50% das plantas);

14 OBSERVAÇÕES FINAIS A partir das condições de condução do ensaio e com base nos resultados obtidos podemos inferir que: Alguns materiais ficaram com a população final abaixo da desejada em função da qualidade de sementes (germinação e/ou emergência), comprometendo de certa forma o desempenho e a expressão do potencial produtivo; Os híbridos RB 9005, SHS7915, SHS7920 e CODIFICADO PIONEER apresentaram certa sensibilidade ao KINGFOL MANGANES aplicado em V6, resultando em fitotoxidade e possível queda de produtividade; Ao observar a avaliação de doença deve ser levado em consideração que foram realizadas 2 aplicações de fungicida (visando a expressão do potencial produtivo de cada híbrido), podendo mascarar de certa forma a sanidade de cada material;

15 O objetivo do trabalho foi verificar o comportamento dos híbridos com relação à época de semeadura (abertura, meio e no fechamento) ajudando assim na tomada de decisão com relação ao melhor posicionamento de cada material; Tangará da Serra, 21 de agosto de Paulo Sérgio de Assunção Eng. Agrônomo CREA PR-25355/D Nacional Daniel Bennemann Frasson Eng. Agrônomo CREA MT Nacional

16 ANEXO I Pluviometria Estação Experimental P.A. Consultoria Agronômica, pesquisa & Agricultura de Precisao Faz. São Paulo, Deciolândia, Diamantino-MT, safrinha Dia/Mês FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO TOTAL

17 ANEXO II 1ª época 2ª época 3ª época Média Média Hibrido Altura I.espiga D.colmo Altura I.espiga D.colmo Altura I.espiga D.colmo Doença Empalham. 1 2 B 810 PW 203,40 c 81,40 d 24,60 a 231,00 b 115,60 b 20,00 b 215,80 c 99,80 c 20,00 b B 512 PW 185,00 d 88,80 c 20,40 b 208,40 d 118,00 b 22,20 b 208,40 d 95,00 c 20,80 b B 433 PW 187,00 d 84,80 c 22,40 a 207,40 d 112,80 b 20,80 b 200,80 d 94,20 c 21,20 a B 604 PW 190,60 d 89,20 c 21,80 b 218,40 c 117,20 a 20,40 b 218,40 c 104,00 c 17,80 b B 587 PW 177,60 e 78,80 d 22,40 a 193,80 e 103,40 c 21,00 b 197,00 d 83,20 e 20,80 b B 610 PW 186,80 d 83,20 c 22,40 a 212,40 d 132,00 a 21,60 b 195,20 d 96,80 c 21,80 a A 37 PW 172,60 e 81,40 d 21,80 b 199,00 e 108,80 b 21,60 b 193,80 d 91,00 d 20,20 b A ,20 d 93,80 c 20,80 b 213,80 d 91,80 c 21,40 b 211,00 c 101,40 c 19,80 b A 16 PW 194,00 d 84,20 c 19,80 b 224,60 b 114,40 b 20,40 b 229,60 b 103,80 c 20,60 b B 339 HX 196,40 d 93,40 c 21,20 b 213,00 d 119,60 a 21,00 b 213,80 c 102,20 c 21,40 a AS 1598 PRO 202,20 c 95,00 c 20,40 b 220,40 c 116,40 b 22,00 b 223,80 c 104,20 c 21,80 a AS 1555 PRO 2 180,20 e 77,60 d 22,60 a 213,60 d 106,80 c 20,40 b 207,00 d 84,80 e 22,60 a AS 1626 PRO 213,80 b 100,40 b 22,20 a 236,80 a 133,80 a 21,60 b 237,20 b 111,80 b 21,40 a RB ,20 e 72,00 d 18,80 b 218,80 c 108,00 b 23,80 a 211,00 c 90,60 d 20,00 b RB ,60 d 84,60 c 20,20 b 208,60 d 111,40 b 24,20 a 213,80 c 103,20 c 19,00 b RB ,60 e 88,60 c 21,60 b 210,60 d 119,60 a 21,40 b 208,80 d 98,80 c 21,40 a LG 6304 YG 184,80 d 85,20 c 21,20 b 213,00 d 113,80 b 20,40 b 212,00 c 92,80 d 21,20 a LG ,20 c 108,20 b 23,00 a 223,60 b 135,20 a 25,20 a 232,00 b 129,80 a 22,00 a LG ,00 b 109,00 b 20,60 b 221,60 b 115,40 b 21,40 b 241,00 b 122,00 a 22,20 a LG ,60 a 118,20 a 21,60 b 234,80 a 130,00 a 22,00 b 262,40 a 126,20 a 20,20 b AG ,60 d 108,60 b 20,60 b 220,40 c 123,80 a 22,60 b 249,00 a 126,20 a 22,40 a AG ,00 a 111,00 b 21,00 b 239,20 a 135,80 a 22,00 b 252,60 a 116,20 b 20,00 b BG 7032 H 223,80 a 113,80 b 23,60 a 236,20 a 125,60 a 23,80 a 250,40 a 127,40 a 22,20 a BG 7037 H 215,80 b 110,20 b 22,20 a 228,60 b 119,80 a 24,00 a 229,20 b 101,40 c 22,00 a BG ,20 a 105,80 b 21,00 b 236,80 a 124,00 a 22,80 a 255,40 a 119,60 a 22,20 a BG 7061 H 171,00 e 76,00 d 20,20 b 192,60 e 94,60 c 25,00 a 206,40 d 91,00 d 23,00 a BG 7049 H 205,60 c 108,40 b 20,60 b 228,80 b 126,20 a 22,80 a 228,20 b 109,20 b 21,20 a CELERON 213,60 b 102,40 b 22,20 a 231,40 b 117,80 b 21,00 b 232,80 b 98,60 c 22,40 a FORMULA 205,80 c 84,60 c 22,20 a 209,80 d 101,00 c 23,60 a 203,60 d 78,00 e 20,20 b FEROZ-SYN8A98 213,00 b 114,00 b 21,20 b 210,40 d 117,60 b 22,40 b 215,00 c 107,00 b 20,00 b DKB ,20 b 108,80 b 22,60 a 235,60 a 132,00 a 24,00 a 222,20 c 108,60 b 21,80 a DKB ,60 a 121,00 a 22,60 a 245,40 a 132,60 a 22,80 a 249,60 a 113,80 b 21,20 a DKB ,20 a 132,60 a 24,00 a 226,40 b 124,80 a 22,80 a 241,40 b 124,40 a 22,60 a NS ,00 a 121,40 a 21,60 b 238,20 a 128,20 a 24,20 a 236,60 b 114,00 b 21,60 a NS ,00 b 110,20 b 23,00 a 213,60 d 116,60 b 22,40 b 223,80 c 113,60 b 20,40 b Pré-Com. PIONEER 215,60 b 75,20 d 21,40 b 222,60 b 102,40 c 22,20 b 224,60 c 77,60 e 18,80 b P 30 F 53 YH 223,00 a 118,00 a 24,40 a 225,00 b 119,20 a 25,60 a 231,40 b 114,20 b 23,80 a GNZ ,40 a 124,80 a 22,60 a 227,00 b 129,20 a 23,80 a 227,80 b 114,60 b 19,80 b GNZ ,80 a 112,60 b 21,80 b 233,20 a 127,40 a 21,80 b 220,20 c 103,00 c 19,00 b SHS ,80 a 112,60 b 22,20 a 224,25 b 130,20 a 23,60 a 234,20 b 114,80 b 20,00 b SHS ,00 a 127,60 a 24,00 a CD 333 HX 219,40 a 118,20 a 22,20 a 210,20 d 110,40 b 24,20 a 202,20 d 102,00 c 20,20 b CD 384 HX 227,00 a 125,40 a 23,20 a 220,00 c 103,40 c 21,00 b 205,40 d 88,80 d 17,60 b SEMPRE 32D ,80 c 108,00 b 20,80 b SEMPRE 22T ,40 c 105,40 c 22,20 a 5 6 Teste F (ANAVA) * * * * * * * * * - - C.V.(%) 4,44 9,89 9,05 3,41 9,86 9,98 4,82 8,44 11, Médias seguidas de mesma letra colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade. C.V( %) Coeficiente de Variação; * - Significativo ao nível de 5% de probabilidade; N.S* - Não significativo ao nível de 5% de probabilidade; I. espiga Altura de inserção de espiga; D. Colmo Diâmetro de Colmo; Empalham. Empalhamento;

18 ANEXO III Figura 1 - Escala de avaliação de empalhamento em milho. Figura 2 - Escala de avaliação de doença em milho. R MR MS S Escala % de área foliar afetada 0 0, Resistente Moderadamente Resistente Moderadamente Sucetível Sucetível

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente foi verificar

Leia mais

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM 19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT OBJETIVO O objetivo neste trabalho foi avaliar a reação as principais doenças da cultura

Leia mais

Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense

Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense 228 ISSN 0104-7647 Dezembro, 2011 Teresina, PI Foto: Milton José Cardoso Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense Milton José Cardoso 1 Hélio Wilson

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

DUAS ADUBAÇÕES DIFERENTES, NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRINHA ( 2015, EM QUERÊNCIA - MT

DUAS ADUBAÇÕES DIFERENTES, NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRINHA ( 2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE HÍBRIDOS DE MILHO (Zea mays) EM DUAS ADUBAÇÕES DIFERENTES, NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRINHA 2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS

Leia mais

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO Christina Dudienas Instituto Agronômico (IAC) ESTADO DE SÃO PAULO Safra 2011/2012 DOENÇAS Ferrugem comum Manchas Foliares Phaeophaeria Diplódia Cercospora Turcicum

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA REUNIÃO TÉCNICA SOBRE A CULTURA DO MILHO CAMPINAS - Junho 2014 Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14 Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Leia mais

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho ISSN 1679-1150 Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho 167 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2011 A mancha branca (Pantoea ananatis) é considerada, atualmente, uma das principais doenças

Leia mais

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM 20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de híbridos de milho em segunda

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 09 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL PRODUTIVO DE HIBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM Objetivo Avaliar os atributos agronômicos e a produtividade de diferentes híbridos de milho cultivados em segunda safra em

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO ESTADO DE SÃO PAULO Safra 2013/2014 Christina Dudienas IAC/APTA DOENÇAS Ferrugem comum Manchas Foliares Phaeophaeria Diplódia Ferrugem Comum Puccinia sorghi

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Controle Químico da Mancha Branca na Cultura do Milho José Luiz de Andrade Rezende Pereira¹, Juliana Uzan ²,Elisa

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

Manejo de doenças em soja e milho para altos rendimentos. Carlos A. Forcelini forcelini@upf.br

Manejo de doenças em soja e milho para altos rendimentos. Carlos A. Forcelini forcelini@upf.br Manejo de doenças em soja e milho para altos rendimentos Carlos A. Forcelini forcelini@upf.br Assuntos principais Cenário das doenças Resistência aos fungicidas Sugestões de manejo Ferrugem Oídio Cercosporiose

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho de Híbridos Simples de Milho no Estado do Maranhão na Safra de 2010 1 Cinthia Souza Rodrigues 1, Hélio

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 16 POTENCIAL PRODUTIVO DE HÍBRIDOS DE MILHO EM DOIS NÍVEIS TECNOLÓGICOS Objetivo Avaliar o potencial produtivo de diversos híbridos de milho na segunda safra de 2015 em dois níveis de tecnologia em Lucas

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 05 INCIDÊNCIA DE GRÃOS ARDIDOS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar a incidência de grãos ardidos em híbridos de milho em dois níveis de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 Aildson Pereira Duarte (IAC, Campinas) Luiz Gustavo Nussio (USP/ESALQ, Piracicaba) Solidete

Leia mais

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul André Luis da Silva Introdução Situação da cultura do algodoeiro no estado do MS. Situação da cultura do algodoeiro no Grupo Schlatter. Principais desafios.

Leia mais

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 311 COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA, EM DOURADOS, MS (1) (2) (3) Gessi Ceccon, Giovani Rossi,

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2014/2015

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2014/2015 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2014/2015 Solidete de F. Paziani (APTA, Pindorama) Realização: Apoio: LOCAIS DA EXPERIMENTAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO Introdução SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Alessandro Aparecido Lopes (3), Cleverson

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA EMPRESA: RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA Assist Consultoria e Experimentação Agronômica LTDA ME Endereço: Avenida Brasília, 2711 Campo Real. Campo Verde - MT. CEP 78840-000.

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 10 AVALIAÇÃO DE DOSES D CULTURA DO MILHO SE LUCAS DO RIO VERDE M Objetivo Avaliar o efeito do emprego diferentes doses de nitrogênio aplicado via cobertura nos caracteres agronômicos e na produtividade

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas no Progresso da Ferrugem Comum em Híbridos Comerciais de Milho Murilo Viotto Del Conte²,

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP)

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Reunião do Consórcio Antiferrugem 26 de junho de 2008. Londrina, PR. Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Dulândula S. M. Wruck - Epamig Leila

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

RESISTÊNCIA DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA TRANSGÊNICO A MANCHAS FOLIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO

RESISTÊNCIA DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA TRANSGÊNICO A MANCHAS FOLIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO RESISTÊNCIA DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA TRANSGÊNICO A MANCHAS FOLIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Gisèle Maria Fantin (1), Aildson Pereira Duarte (2), Vera Lúcia Nishijima Paes de Barros (3), Edimilson

Leia mais

Bayer Sementes FiberMax

Bayer Sementes FiberMax Bayer Sementes FiberMax Coord. Desenvolvimento Técnico Sementes FiberMax Planta Forte Sementes ao Botão Floral Semente: É um chip que carrega as características genéticas. Indutor de Produtividade. Características

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Alberto Leão de Lemos Barroso 2, Lilian Gomes de Moraes Dan 3, Alaeste Diniz da Silva Júnior 3, Cleriston

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO MAURO BRAGA Pesquisador Sistemas agrícolas Insetos e ácaros na soja Insetos no milho Inseticidas: manejo melhor Sistemas agrícolas Sistemas agrícolas

Leia mais

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2014/15. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2014/15. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA REUNIÃO TÉCNICA SOBRE A CULTURA DO MILHO CAMPINAS - 18 /06/ 2015 Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2014/15 Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DE HERBICIDAS PÓS- EMERGENTES UTILIZADOS NA CULTURA DA SOJA SOBRE O MILHO SAFRINHA

EFEITO RESIDUAL DE HERBICIDAS PÓS- EMERGENTES UTILIZADOS NA CULTURA DA SOJA SOBRE O MILHO SAFRINHA EFEITO RESIDUAL DE HERBICIDAS PÓS- EMERGENTES UTILIZADOS NA CULTURA DA SOJA SOBRE O MILHO SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Lilian Gomes de Moraes Dan 2, Alberto Leão de Lemos Barroso 3, Antonio Mendes de

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO MILHO Bt

MANEJO DE PRAGAS DO MILHO Bt MANEJO DE PRAGAS DO MILHO Bt Rodolfo Bianco Eng. Agr. Dr. / Entomologia Ocorrência e manejo de pragas do milho: Situação Percevejo Barriga Verde Antes (± 5 anos) População de até 3 4 por metro TS Suficiente

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO)

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) Miguel Marques Gontijo Neto (1), André May (1), Álisson Vanin (2), Alexandre Ferreira da Silva (1), Eduardo de

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO E SORGO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2016/2017

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO E SORGO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2016/2017 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO E SORGO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2016/2017 Solidete de F. Paziani Franca - 9 de Agosto de 2017 Realização: Apoio: SORGO

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Gessi Ceccon 1, Leonardo M. P. Rocha 2, Islaine C. Fonseca 3, Antonio L. N. Neto 3 e Rodrigo C. Sereia 4 1 Embrapa Agropecuária Oeste,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Distância Entre as Linhas da Cultura e o Renque de Eucalipto Sobre o Rendimento de Grãos e Forragem do

Leia mais

EFEITO DA DESFOLHA DA PLANTA DO MILHO NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE

EFEITO DA DESFOLHA DA PLANTA DO MILHO NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE EFEITO DA DESFOLHA DA PLANTA DO MILHO NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE Anne Mellisse Diaz Oliveira (1), Tiago Calves Nunes (2), Luiz Carlos de Souza Ferreira (3), Lígia Maria Maraschi da Silva Piletti

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO Página 1275 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Eleusio Curvelo Freire 3 ;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

FERRUGEM DA SOJA. Perdas. sc/ha Estimativa Dez/03

FERRUGEM DA SOJA. Perdas. sc/ha Estimativa Dez/03 FERRUGEM DA SOJA Estado 22/3 Perdas sc/ha Estimativa Dez/3 Estimativa Abr/4 Perdas (%) A 3.5 4. 45. 12.5 MT 48.8 5. 47. -6. MS 48.3 47.8 31.6-33.9 GO 48.8 48.3 44.5-7.9 MG 44.5 43.8 43.3-1.2 mil toneladas

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT Alexandre Ferreira da Silva (1), Miguel Marques Gontijo Neto (2), Flávio Dessaune Tardin (3) Eduardo Lopes Filimberti (4),

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

BPUFs NA CULTURA DO MILHO NO PÓLO DE PARAGOMINAS PARÁ. BAZÍLIO WESZ CARLOTO ENG. AGRONÔMO DIRETOR - PRESIDENTE COOPERNORTE

BPUFs NA CULTURA DO MILHO NO PÓLO DE PARAGOMINAS PARÁ. BAZÍLIO WESZ CARLOTO ENG. AGRONÔMO DIRETOR - PRESIDENTE COOPERNORTE BPUFs NA CULTURA DO MILHO NO PÓLO DE PARAGOMINAS PARÁ. BAZÍLIO WESZ CARLOTO ENG. AGRONÔMO DIRETOR - PRESIDENTE COOPERNORTE CALENDÁRIO AGRÍCOLA DE MILHO MICROREGIÃO DE PARAGOMINAS PA EMBRAPA FORMULÁRIO

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Avaliação de Diferentes Produtos no Controle da Mancha Branca do Milho. CEP 35701-970, Sete Lagoas, MG, Brasil. email:eliseupedro@hotmail.

Avaliação de Diferentes Produtos no Controle da Mancha Branca do Milho. CEP 35701-970, Sete Lagoas, MG, Brasil. email:eliseupedro@hotmail. Avaliação de Diferentes Produtos no Controle da Mancha Branca do Milho Pedro, E.S 1., Gonçalves, R. M 1., Meirelles, W.F 2., Regina, M 1., e Paccola-Meirelles, L.D 1. 1 UEL, CP 6001, CEP 86051-990, Londrina,

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS

PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS MICHEL ALDRIGHI GONÇALVES 1 ; CARINE COCCO 1 ; LUCIANO PICOLOTTO 2 ; LETICIA VANNI FERREIRA 1 ; SARAH FIORELLI DE CARVALHO 3 ; LUIS EDUARDO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ /,-----------. (c;) EM.PRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECuARIA EMBRAPA ~ Vinculada ao M'nisté,io da Ag,iculMa ~., CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA - CNPSo Rodovia Carlos João Slrass (Londrina/Warta)

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

PORTFÓLIO DE VARIEDADES

PORTFÓLIO DE VARIEDADES PORTFÓLIO DE VARIEDADES SOJA ABRIL, 2015 SEEDCORP.COM.BR VARIEDADES SEEDCORP RR IPRO EXCLUSIVIDADES SEEDCORP RR IPRO NA 5909 RG Nidera Precocidade: possibilidade de segunda safra; Máxima estabilidade em

Leia mais