Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011"

Transcrição

1 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho primeira safra no Brasil, sofreu aumento de 0,6% da safra 2009/200 para safra 200/20. Um aumento de área semeada também foi observado nas regiões norte e nordeste. Entretanto, nas regiões sul, sudeste e centrooeste, houve redução neste quesito. No centrooeste, a redução de área semeada foi de 3,0%, impulsionada pelo estado de Mato Grosso (com redução de 27,0%) e Mato Grosso do Sul (com redução de 20,0%). Entretanto, neste último, as produtividades foram 2,5% maiores na safra 200/20, se comparadas as da safra 2009/200. A área semeada com milho primeira safra no estado de Mato Groso do Sul foi reduzida, mas o nível de investimento e as médias produtivas se mantiveram em patamares observados nas safras anteriores. A diminuição da área plantada no estado atribuise, de maneira geral, a fatores que reduzem a produtividade da cultura no período de safra. Temse como limitação produtiva na cultura do milho safra, a sucessão de culturas com soja na safra e milho na safrinha, que tende a provocar degradação físicoquímica e biológica dos solos. Esta sucessão também permite o estabelecimento de pragas, doenças e plantas daninhas. Também como entraves para a produção de milho safra, temse os veranicos, solos com altos teores de +3 alumínio (Al ) e baixos índices de matéria orgânica. Objetivando otimizar os sistemas de produção, o produtor tem á disposição no mercado, híbridos com altos potenciais produtivos, estáveis, com boa sanidade, baixo acamamento e quebramento e boa qualidade de grãos. Utilizando os resultados de pesquisas realizadas pela FUNDAÇÃO MS, o ajuste final na escolha dos híbridos a serem semeados fica a critério do produtor juntamente com seu assistente técnico, levando em consideração, alem do potencial produtivo, outros fatores como custo/benefício, disponibilidade de sementes e tipo de grão. Para que se consiga atingir maiores produtividades, o plantio deve ser realizado a partir do final de +3 setembro, em áreas férteis, com baixos teores de Al e bons índices de matéria orgânica, o que proporciona redução nos custos com fertilizantes nitrogenados e maior retenção de água. A tecnologia de plantio também precisa ser adequada, com profundidade e distribuição de sementes recomendadas. O estabelecimento inicial com um número de plantas próximo ao recomendado para cada híbrido utilizado é fundamental para que se atinja boas produtividades. A rotação de culturas a partir do milho é uma oportunidade para utilização de oleaginosas no outono/inverno que podem trazer boas relações custo/benefício, além de melhorar o desempenho produtivo das culturas sucessoras. Para isso, podese utilizar o milho safra em 5 a 20% da área, abrindo espaço para outras culturas, melhorando condições de solo e fitossanitárias, aumentando a eficiência produtiva das culturas neste sistema. Eng.º Agr.º Dr. Pesquisador da FUNDAÇÃO MS. 254

2 3.2. Objetivos Demonstrar em dias de campo a técnicos e produtores, o potencial e as características agronômicas de híbridos de milho conduzidos na safra verão, em sistema de plantio direto. Pesquisar e avaliar o potencial produtivo dos híbridos de milho disponíveis no mercado, principalmente os lançamentos. Divulgar informações sobre os híbridos, a fim de orientar produtores e técnicos sobre a escolha e exploração de seus potenciais genéticos, levandose em conta características correlatas como acamamento e quebramento, tolerância a doenças e queda de umidade Unidade Demonstrativa e Experimental de Maracaju Metodologia Local: Altitude: Data de plantio: Data de colheita: Dias para colheita: Sistema de plantio: Tecnologia de plantio: Sistema de colheita: Cultura anterior: Tamanho das parcelas: Tamanho das parcelas colhidas: Número de repetições: Adubação de base (sulco de plantio): Adubação de cobertura: Tratamento de sementes: Pragas controladas: Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos convencionais: Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos com tecnologia Bt: Controle de Doenças: Unidade Demonstrativa e Experimental Fazenda Alegria. 378 metros. 0/0/ /02/20. 4 dias. Plantio direto mecanizado. Semeadora com sistema de distribuição de sementes a vácuo. Manual. Trigo. 4 linhas de 50 m x 0,80 m de espaçamento. 2 2 linhas de 5 m x 0,80 m de espaçamento (8 m ). 4 repetições. 350 kg.ha (082020). 20 kg.ha de uréia a lanço. Tiametoxam 20 ml.ha + Fipronil 50 ml.ha. Percevejos e lagartadocartucho (Spodoptera frugiperda). Metomil 800 ml.ha > Metomil 800 ml.ha + Diflubenzuron 80 g.ha > Espinosade 80 ml.ha. Não foi realizado. Azoxistrobin + Ciproconazole 300 ml.ha em V8 > Azoxistrobin + Ciproconazole 300 ml.ha no prépendoamento 255

3 Análise de solo Prof. (cm) 3 ph M.O P P cmol c.dm CaCl 2 H O (%) Mehlich Resina K Ca Mg Al H+Al SB T 2 V% ,8 4,74 5,78 5,36 39,75 24,39 5,04,2 0,42 0,3 5,35,5 0,00 0,30 4,7 4,63 7,27 4,23 2,0 9,2 60,68 46,8 3 Prof. mg/dm (cm) S Fe Mn Cu Zn B Argila (%) ,3 42,0 73,7 3, 8,50 2,22 0,23 55 Metodologia: ph:2.5; MOK2Cr2O7; HAcetato de Cálcio (ph 7); P e KExtrator de Mehlich I; Ca e MgEDTA; SSoma de Bases; TCTC; VSaturação de Bases; Fe Mn Zn Cu Mehlich; BÁgua quente; Fosfato monocálcico; Condições climáticas durante o desenvolvimento da cultura 240 Set/200 Out/200 Nov/200 Dez/200 Jan/20 Fev/20 Mar/20 Precipitação Pluviométrica (mm) ,5 88,8 06,0 08,2 36,0 242,9 83,6 Total no Mês (mm) Tabela 3.. Produtividade de híbridos de milho Bt superprecoce ( ), em Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * FÓRMULATL 60,4 59,2 6,0 87,9 +6,6 Super CELERONTL AS555YG 62,0 60,3 58, 6,6 5, 74,4 63,7 +3, 7,6 AS55YG 62,0 59,6 4,7 59, 2,2 Média 7,3 0,0 * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 257

4 Tabela 3.2. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ), em Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * DKB390YG 52,0 50,8 6,8 78,6 ns +0,6 2B707Hx 58, 7,7 75,6 +7,6 2B70Hx 58,9 9,3 73,5 +5,5 AG8088YG 53,0 5, 49,3 6,9 72,6 +4,6 AG806YG 52,0 5,4 7,4 70,0 +2,0 STATUSTL 2B587Hx 60,4 6,9 59,3 8, 5,5 68,2 65,9 +0,2 2, AGN30A95Hx 59,7 58,9 7,2 64,4 3,6 AGN30A9Hx 58,6 8,0 64,4 3,6 AGN30A86Hx 59,6 58,6 9, 62,6 5,4 CD397Hx 54,7 6,2 60,5 7,5 CD386Hx 6,8 59,5 8,5 Média 68,0 0,0 C.V. (%) * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos a média do experimento em. ns Não significativo ao nível de 5% de probabilidade. 6,46 Tabela 3.3. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ), em Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * 2B604Hx M 59,5 8,2 75,4 +7,8 Média TRUCKTL CD384HX AGN20A55Hx 64,5 53,5 63,2 52,9 8, 8,8 6,4 67, 64,0 64,0 0,5 3,6 3,6 Média 0,0 67,6 * M Simples Modificado, Triplo. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 258

5 Tabela 3.4. Produtividade de híbridos de milho convencional precoce ( ), em Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * Ag ,0 53,3 8,4 7,7a +7,7 DKB399 5,2 50,6 8,8 62,6a +8,6 Média MS200 AG7098 6,3 52,4 60,5 5,7 8,0 9,6 5,3ab 47,6ab 2,7 6,4 DKB77 54,0 52,9 9,5 36,9b 7, Média 0,0 54,0 C.V. (%) * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade. 6,0 259

6 3.4. Unidade Demonstrativa e Experimental de Naviraí Metodologia Local: Altitude: Latitude Sul (S): Longitude Oeste (W): Data de plantio: Data de colheita: Dias para colheita: Sistema de plantio: Tecnologia de plantio: Sistema de colheita: Cultura anterior: Tamanho das parcelas: Tamanho das parcelas colhidas: Número de repetições: Adubação de base (sulco de plantio): Adubação de cobertura: Tratamento de sementes: Pragas controladas: Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos convencionais: Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos com tecnologia Bt: Controle de Doenças: Unidade Demonstrativa e Experimental Fazenda Santa Rosa. 380 metros. 22º º /0/200. 7/02/ dias. Plantio direto mecanizado. Semeadora com sistema de distribuição de sementes a vácuo. Manual. Aveia. 4 linhas de 50 m x 0,80 m de espaçamento. 2 2 linhas de 5 m x 0,80 m de espaçamento (8 m ). 4 repetições. 47 kg.ha (04255). 200 kg.ha de uréia a lanço. Tiametoxam 20 ml.ha + Fipronil 50 ml.ha. Percevejos, lagartadocartucho (Spodoptera frugiperda) e lagarta elasmo (Elasmopalpus lignosellus). Clorpirifós,5 l.ha > Metomil 800 ml.ha > Metomil 800 ml.ha + Lufenuron 300 ml.ha > Espinosade 80 ml.ha. Não foi realizado. Azoxistrobin + Ciproconazole 300 ml.ha em V Análise de solo Prof. (cm) 3 ph M.O P P cmol c.dm CaCl 2 H O (%) Mehlich Resina K Ca Mg Al H+Al SB T 2 V% ,66 4,86 6,28 5,49 5,56 8,93 32,73 2,72 0,2 0,09,85 0,90 0,00 0,5,62 2,06 2,87,44 4,49 3,50 63,92 4,4 3 Prof. mg/dm (cm) S Fe Mn Cu Zn B Argila (%) ,33 4,76 85,7 86,89 0,64 2,5 0,48 5 Metodologia: ph:2.5; MOK2Cr2O7; HAcetato de Cálcio (ph 7); P e KExtrator de Mehlich I; Ca e MgEDTA; SSoma de Bases; TCTC; VSaturação de Bases; Fe Mn Zn Cu Mehlich; BÁgua quente; Fosfato monocálcico; 26

7 Condições climáticas durante o desenvolvimento da cultura 240 Set/200 Out/200 Nov/200 Dez/200 Jan/20 Fev/20 Mar/20 Precipitação Pluviométrica (mm) ,0 04,0 67,5 252,0 228,0 9,0 Total no Mês (mm) Tabela 3.5. Produtividade de híbridos de milho Bt superprecoce ( ), em Naviraí/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * CELERONTL 58, 2,3 32,9 +5,6 Super FORMULATL AS55YG 62,0 59,7 58,4 58,2 2,3 23,2 28,5 24,6 +,2 2,7 AS555YG 62,0 56,7 55,9 24,5 23,2 4, Média 27,3 0,0 * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 262

8 Tabela 3.6. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ), em Naviraí/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * 2B70Hx 57,8 25,5 35,8 ns +3,0 2B587Hx 59,9 59, 22,0 34,3 +,5 2B707Hx 54, 25,4 29,3 +6,5 AGN30A9Hx 54,7 53,4 23,7 28,6 +5,8 AGN30A95Hx 53,0 5,3 22,7 22,8 0,0 STATUSTL CD386Hx 59,0 52, 58,4 50,4 23,4 22,9 20,8 20,8 2,0 2,0 AGN30A86Hx 5,4 49,6 2,5 20, 2,7 AG806Hx 56,0 55,9 25,0 6, 6,7 DKB390YG 57,7 57,2 24,2 5,8 7,0 AG8088YG 52,8 23,6 5,3 7,5 CD397Hx 53,0 5,0 20,7 4,0 8,8 Média 22,8 0,0 C.V. (%) * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos a média do experimento em. ns Não significativo ao nível de 5% de probabilidade. 9,69 Tabela 3.7. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ), em Naviraí/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * 2B604Hx M 57,5 22, 38,9 +4,5 Média AGN20A55Hx TRUCKTL CD384Hx 58,7 53,0 52,8 57,2 5,9 20,2 2,8 22,9 24,2 23,0,4 0,2,4 3,0 Média 0,0 24,4 * M Simples Modificado, Triplo. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 264

9 Tabela 3.8. Produtividade de híbridos de milho convencional precoce ( ), em Naviraí/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * Ag ,5 52,5 2,9 22,9 +9,3 Média DKB399 AG7088 DKB77 53,8 53,5 54,3 52,2 50,4 5,6 23,8 22,9 22,0 4,8 08,7 07,8 +,2 4,9 5,8 Média 0,0 3,6 * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 265

10 3.5. Unidade Demonstrativa e Experimental de Aral Moreira Metodologia Local: Altitude: Data de plantio: Data de colheita: Dias para colheita: Sistema de plantio: Tecnologia de plantio: Sistema de colheita: Cultura anterior: Tamanho das parcelas: Tamanho das parcelas colhidas: Número de repetições: Adubação de base (sulco de plantio): Adubação de cobertura: Tratamento de sementes: Pragas controladas: Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos convencionais: Unidade Demonstrativa e Experimental Faz. Santa Bárbara. 430 metros. 02/0/ /02/ dias. Plantio direto mecanizado. Semeadora com sistema de distribuição de sementes a vácuo. Manual. Aveia. 4 linhas de 50 m x 0,80 m de espaçamento. 2 2 linhas de 5 m x 0,80 m de espaçamento (8 m ). 4 repetições. 378 kg.ha (082020). 20 kg.ha de uréia a lanço. Tiametoxam 20 ml.ha + Fipronil 50 ml.ha. Percevejos e lagartadocartucho (Spodoptera frugiperda). Metomil 800 ml.ha > Metomil 800 ml.ha + Lufenuron 50 ml.ha. Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos com tecnologia Bt: Controle de Doenças: Não foi realizado. Azoxistrobin + Ciproconazole 300 ml.ha no prépendoamento Análise de solo Prof. (cm) 3 ph M.O P P cmol c.dm CaCl 2 H O (%) Mehlich Resina K Ca Mg Al H+Al SB T 2 V% ,64 4,52 4,64 4,52 32,45 32,27 30,54 2,92 0,34 0,22 3,65 3,65 0,64 0,89 7,58 7,4 5,04 4,07 2,6,2 39,94 36,3 3 Prof. mg/dm (cm) S Fe Mn Cu Zn B Argila (%) ,84 20,04 39,0 52, 7,40 5,2 0,35 62 Metodologia: ph:2.5; MOK2Cr2O7; HAcetato de Cálcio (ph 7); P e KExtrator de Mehlich I; Ca e MgEDTA; SSoma de Bases; TCTC; VSaturação de Bases; Fe Mn Zn Cu Mehlich; BÁgua quente; Fosfato monocálcico. 267

11 Condições climáticas durante o desenvolvimento da cultura 280 Set/200 Out/200 Nov/200 Dez/200 Jan/20 Fev/20 Mar/20 Precipitação Pluviométrica (mm) ,8 88,0 99,3 4,8 238,5 330,3 34,8 Total no Mês (mm) Tabela 3.9. Produtividade de híbridos de milho Bt superprecoce ( ), em Aral Moreira/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * CELERONTL 64,0 62,5 20,7 88,5 +6,6 Super FÓRMULATL AS55YG 62,0 6,5 58, 60,3 57,4 20,0 22,8 83,6 62, +,7 9,8 AS555YG 62,0 22,4 53,4 8,5 Média 7,9 0,0 * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 268

12 Tabela 3.0. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ), em Aral Moreira/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * 2B707Hx 59,6 58,4 23,0 8,5a +6,7 2B587Hx 57,6 22,5 8,2a +6,4 2B70Hx 56,0 24, 78,5a +3,7 AGN30A9Hx 56,0 55,6 22,3 76,0a +,2 AG8088YG 5,0 49,8 22,7 72,2a +7,4 STATUSTL AGN30A86Hx 64,0 55,2 62,2 54,7 22,9 25,2 68,9a 68,8a +4, +4,0 AGN30A95Hx 57, 56,9 27,0 62,2a 2,6 DKB390YG 58,7 58,4 23,6 48,b 6,7 AG806YG 57, 55,6 25,3 47,b 7,7 CD386Hx 52,0 50,7 24,9 46,7b 8, CD397YG 52,0 5,7 25,5 45,9b 8,9 Média 64,8 0,0 C.V. (%) * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos a média do experimento em. Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste de Scott Knott ao nível de 5% de probabilidade. 8,49 Tabela 3.. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ), em Aral Moreira/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * TRUCKTL 64,4 62,8 22,9 59,7 +3,0 Média 2B604Hx CD384Hx AGN20A55Hx M 57,4 54,0 56,7 56,6 52,5 55,3 2,8 26, 24,7 58,7 55,5 52,7 +2,0,2 4,0 Média 0,0 56,7 * Triplo; M Simples Modificado. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 269

13 Tabela 3.2. Produtividade de híbridos de milho convencional precoce ( ), em Aral Moreira/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * DKB399 54,8 24,2 79,9 +7,6 Média AG7098 AG7088 DKB77 54,0 56,4 56,2 52,3 55,6 2,6 2,6 22,2 76,2 67,8 65,2 +3,9 4,5 7, Média 72,3 0,0 * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 270

14 3.6. Unidade Demonstrativa e Experimental de São Gabriel do Oeste Metodologia Local: Altitude: Data de plantio: Data de colheita: Dias para colheita: Sistema de plantio: Tecnologia de plantio: Sistema de colheita: Cultura anterior: Tamanho das parcelas: Tamanho das parcelas colhidas: Número de repetições: Adubação de base (sulco de plantio): Tratamento de sementes: Pragas controladas: Controle de percevejos: Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos convencionais: Controle de Spodoptera frugiperda em híbridos com tecnologia Bt: Controle de doenças: Unidade Demonstrativa e Experimental Sindicato Rural. 662 metros. 02//200. 3/03/ dias. Plantio direto mecanizado. Semeadora com sistema de distribuição de sementes a vácuo. Manual. Nabo forrageiro. 4 linhas de 50 m x 0,80 m de espaçamento. 2 2 linhas de 5 m x 0,80 m de espaçamento (8 m ). 4 repetições. 347 kg.ha (025). Tiametoxam 20 ml.ha + Fipronil 50 ml.ha. Percevejos e lagartadocartucho (Spodoptera frugiperda). Imidacloprido + Betaciflutrina 750 ml.ha. Metomil 600 ml.ha > Metomil 800 ml.ha + Diflubenzuron 80 g.ha > Espinosade 80 ml.ha. Não foi realizado. Azoxistrobin + Ciproconazole 300 ml.ha com milho no estádio V8 e com milho no estádio de prépendoamento Análise de solo Prof. (cm) 3 ph M.O P P cmol c.dm CaCl 2 H O (%) Mehlich Resina K Ca Mg Al H+Al SB T 2 V% , 4,7 5,7 5,3 37, 26,6 2,2 0,9,4 0,09 3,2,2 0,0 0,4 3,9 3,7 4,5,5 8,4 5,2 53,6 28,8 3 Prof. mg/dm (cm) S Fe Mn Cu Zn B Argila (%) ,4 37,2 35,2 8,3,5 5,9 0,8 50 Metodologia: ph:2.5; MOK2Cr2O7; HAcetato de Cálcio (ph 7); P e KExtrator de Mehlich I; Ca e MgEDTA; SSoma de Bases; TCTC; VSaturação de Bases; Fe Mn Zn Cu Mehlich; BÁgua quente; Fosfato monocálcico. 27

15 Condições climáticas durante o desenvolvimento da cultura Set/200 Out/200 Nov/200 Dez/200 Jan/20 Fev/20 Mar/ Precipitação Pluviométrica (mm) ,6 205,0 88,0 83,0 70,0 256,0 554,0 Total no Mês (mm) Tabela 3.3. Produtividade de híbridos de milho Bt superprecoce ( ), em São Gabriel do Oeste/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * FÓRMULATL 62,8 22,2 57,4 +,4 Super AS555YG 56,9 22,8 4,8 4,2 SYN3234TL 59,5 58,6 20,3 38,7 7,3 Média 46,0 0,0 * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 272

16 Tabela 3.4. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ),em São Gabriel do Oeste/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * DKB390PRO 53,8 24,2 59,a +20,4 SYN620TL 56,7 55,5 22,6 53,7a +5,0 2B70Hx 56,2 26,6 50,2a +,5 DKB390YG 55,6 52,8 24, 49,3a +0,6 2B587Hx 2,2 48,0a +9,3 AG8088PRO 50,6 49,7 23,0 42,6b +3,9 AGN30A86Hx AGN30A95Hx 56,0 56,9 26, 24, 40,2b 35,9c +,5 2,8 2B707Hx 56,2 23,7 34,8c 3,9 CD397YG 53,6 22,7 34,6c 4, AG806PRO 5,2 50,6 23,2 33,4c 5,3 AGN30A9Hx 24,2 30,8c 7,9 CD386Hx 54,7 52, 22,7 7,8d 20,9 AG7000YG 6,6 60,9 22,2,5d 27,2 Média 38,7 0,0 C.V. (%) * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos a média do experimento em. Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste de Scott Knott ao nível de 5% de probabilidade. 4,95 Tabela 3.5. Produtividade de híbridos de milho Bt precoce ( ), em São Gabriel do Oeste/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * Média 2B604Hx AGN20A55Hx CD384Hx M 60, 6,5 56, * M Simples Modificado; Triplo. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 58,6 59,5 36,2 32, 27,0 Média 0,0 3,8 22,2 24,8 23,7 +4,4 +0,3 4,8 273

17 Tabela 3.6. Produtividade de híbridos de milho convencional precoce ( ), em São Gabriel do Oeste/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. * Ms200 22,8 38,4a +,8 DKB399 55,2 54,2 22,8 38,2a +,6 AG , 55,3 23,9 26,4ab 0,2 AG ,7 54, 25,0 6,6b 0,0 DKB77 56,8 55,7 22,9 3,2b 3,4 Média 26,6 0,0 C.V. (%) * Simples. *** Valores superiores (+) e inferiores () relativos a média do experimento em. Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste de Scott Knott ao nível de 5% de probabilidade. 6,93 Tabela 3.7. Produtividade de variedades de milho ( ), em São Gabriel do Oeste/MS. FUNDAÇÃO MS, safra 200/. Produtividade* Desemp.** Média IPR4 PC0402 BRS SOL DA MANHÃ 57,8 58,9 58,2 * Produtividade corrigida para 4% de umidade. ** Valores superiores (+) e inferiores () relativos à média do experimento em. 60,2 59,4 23,3 22,4 23,2 0,3 00,8 Média 95,4 0,0 84, +5,9 +5,4,3 274

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha ecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 9 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Características edafoclimáticas

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA REUNIÃO TÉCNICA SOBRE A CULTURA DO MILHO CAMPINAS - Junho 2014 Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14 Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO Introdução SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Alessandro Aparecido Lopes (3), Cleverson

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Amostragem do solo A recomendação de adubação e de calagem baseia-se principalmente na análise de solo

Leia mais

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO Instituição Executora: Fundaper Fundação de Amparo à Pesquisa, Assistência Técnica

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Como criar novos patamares de produtividade na cultura da soja. O que é necessário ser feito para aumentar a produtividade média

Leia mais

DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA

DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA O AMBIENTE AGRÍCOLA Fatores climáticos Plantas hospedeiras Pragas Práticas culturais MUDANÇA NAS PRÁTICAS CULTURAIS 1977 1987

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul André Luis da Silva Introdução Situação da cultura do algodoeiro no estado do MS. Situação da cultura do algodoeiro no Grupo Schlatter. Principais desafios.

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Circular. Técnica COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA BRANCA E AVEIA PRETA EM ARAXÁ, MG.

Circular. Técnica COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA BRANCA E AVEIA PRETA EM ARAXÁ, MG. 12 Circular Técnica Arejacy Antônio Sobral Silva 1 Paulo de Tarso Veloso Menezes Brando 2 Nayara Aparecida da Silva 2 Emanuely Torres Melo 2 1 Professor do Uniaraxá arejacysilva@uniaraxa.edu.br 2 Graduando

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO GOMES, Onélio Marcos Teston Acadêmico do curso de Engenharia Agronômica da FAEF-Garça-SP nelio_agro@ibest.com.br

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas no Progresso da Ferrugem Comum em Híbridos Comerciais de Milho Murilo Viotto Del Conte²,

Leia mais

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Gerson Sander 1, Antonio Carlos Torres da Costa 2, Jose Barbosa Junior Duarte 3 1 Eng. Agrôn., Mestrando

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

RESULTADOS DE PESQUISA

RESULTADOS DE PESQUISA RESULTADOS DE PESQUISA 02 2013 ALTA INFESTAÇÃO DE LAGARTAS NA CULTURA DO MILHO BT Eng. Agr. M. Sc. José Fernando Jurca Grigolli 1 ; Eng. Agr. Dr. André Luis Faleiros Lourenção 2 INTRODUÇÃO As tecnologias

Leia mais

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Área: Genética e Melhoramento RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Sonia Maria Botelho 1 ; João Elias Lopes Rodrigues 2 ; Raimundo Nonato Teixeira

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 STROJAKI, T. V. 2 ; MORAES, M. T. 2 ; ARNUTI, F. 2 ; TREVISOL, G. 2 ; JANDREY, W. F. 2 ; CANCIAN, L. C. 2 ; PESSOTTO, P. P. 2 ; SILVA, V. R. da 3

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem

Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem Renato SOARES OLIVEIRA¹; Antônio Augusto ROCHA ATHAYDE²; Felipe EVANGELISTA PIMENTEL 3 ; Fabíola Adriane CARDOSO SANTOS 4 1 Estudante

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Distância Entre as Linhas da Cultura e o Renque de Eucalipto Sobre o Rendimento de Grãos e Forragem do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Controle Químico da Mancha Branca na Cultura do Milho José Luiz de Andrade Rezende Pereira¹, Juliana Uzan ²,Elisa

Leia mais

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul PAULO E. DEGRANDE Universidade Federal da Grande Dourados O CONVITE versus FALAR

Leia mais

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo Sorgo de alta biomassa E( )pert em sorgo E( )periência de uma empresa sólida e focada. Com sede em Campinas/SP, a linha de produtos é comercializada sob a marca Blade, que tem autoridade quando o assunto

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 Aildson Pereira Duarte (IAC, Campinas) Luiz Gustavo Nussio (USP/ESALQ, Piracicaba) Solidete

Leia mais

ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES

ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES Pohlmann, R.A.C.* 1 ; Paulino, H.B. 2 ; Portugal, A.F. 3 ; Fernandes, M.S. 4 1 Mestranda da UFG

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas ISS 2316-119 I N F O R M AT I VO Casa Rural edição outubro 212 Agricultura Soja - Milho - Insumos Agrícolas SOJA Comportamento dos Preços Internos de Mato Grosso do Sul (R$/SC) 75, 74, 73, 72, 71, 7, 69,

Leia mais

Genética e Nutrição Florestal MDS

Genética e Nutrição Florestal MDS Melhoramento Genético e Manejo Florestal na Duratex MDS A DURATEX É UMA EMPRESA DO GRUPO ITAÚSA MDS PRODUTOS DA DIVISÃO MADEIRA PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUIDA: - MDF/HDF - MDP - CHAPA DURA DE FIBRA -

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO A ADUBOS VERDES NO PLANTIO DIRETO

AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO A ADUBOS VERDES NO PLANTIO DIRETO AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO A ADUBOS VERDES NO PLANTIO DIRETO Leandro Sechim de Oliveira (1), Arejacy Antonio Sobral Silva (2), Maria José do Amaral e Paiva (3), Welington

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA EMPRESA: RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA Assist Consultoria e Experimentação Agronômica LTDA ME Endereço: Avenida Brasília, 2711 Campo Real. Campo Verde - MT. CEP 78840-000.

Leia mais

Guia de Produtos 2014. Região Sul

Guia de Produtos 2014. Região Sul Guia de Produtos 2014 Sul Eleita em 2013 a melhor empresa brasileira de sementes * *Revista Globo Rural Supervisores regionais Índice Mato Grosso do Sul Nicolas Alves Cornacioni (67) 8118 6043 nicolas.cornacioni@coodetec.com.br

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

PRODUÇÃO DE FEIJÃO EM ÁREA COM TOXIDEZ DE ALUMÍNIO NA BAIXADA CAMPISTA

PRODUÇÃO DE FEIJÃO EM ÁREA COM TOXIDEZ DE ALUMÍNIO NA BAIXADA CAMPISTA ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 57 - agosto/2015 - Niterói - RJ PRODUÇÃO DE FEIJÃO EM ÁREA COM TOXIDEZ DE ALUMÍNIO NA BAIXADA CAMPISTA 1 1 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; Benedito Fernandes de Souza

Leia mais

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Leandro Zancanaro & Fábio Ono Barra do Garças, 26 de agosto de 2015. Biomas Brasileiros 2 o Fonte: IBGE/MMA (2004) Percentual Aproximado de Área Ocupada por Bioma

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS SISTEMS DE PREPRO DE SOLO E MNEJO DE COBERTUR MORT EM POMRES DE CITROS Pedro ntonio Martins uler Pesquisador - IPR Área de Fitotecnia aulerpe@iapar.br 35ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 5 de junho

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Engº. Agrº. Antônio Wander R. Garcia Engº. Agrº. Alysson Vilela Fagundes Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Por que adubar?

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

ESCRITÓRIO ROBERT DANIEL

ESCRITÓRIO ROBERT DANIEL Respondendo a consulta feita pelo senhor, segue o que apurei: Área - Produção - Produtividade - Algodão no Brasil Baseado nos relatórios dos principais órgãos responsáveis em apurar os números da safra

Leia mais

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do Utilização de Resíduos de Carvão Vegetal Associado a Fontes Orgânicas de Nutrientes no Manejo Sustentável do Solo e do Guaranazeiro (Paullinia cupana var. sorbilis (Mart.) Ducke) na Amazônia Central Murilo

Leia mais