RESULTADOS DE PESQUISA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESULTADOS DE PESQUISA"

Transcrição

1 RESULTADOS DE PESQUISA ALTA INFESTAÇÃO DE LAGARTAS NA CULTURA DO MILHO BT Eng. Agr. M. Sc. José Fernando Jurca Grigolli 1 ; Eng. Agr. Dr. André Luis Faleiros Lourenção 2 INTRODUÇÃO As tecnologias de milho Bt disponíveis no mercado, como Yieldgard, TL Herculex, Viptera, Pro, TL Viptera, Pro2, YieldGard VT, Power Core PW, incluem como pragas-alvo três espécies, a lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda, a lagarta-da-espiga do milho Helicoverpa zea e a broca da cana-de-açúcar Diatraea saccharalis. Sua eficiência para algumas espécies-alvo é bastante alta e pode dispensar completamente as aplicações de inseticidas. Para outras espécies, como a lagarta-do-cartucho, os dados indicam variações na proteção oferecida e, dependendo da infestação, são necessárias algumas estratégias de controle complementar, como o uso de inseticidas químicos (MENDES et al., 2009). Para o manejo da resistência das pragas-alvo desta tecnologia, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) recomenda o plantio de áreas de refúgio, que são áreas com híbridos de milho convencional (não Bt) e nelas utiliza-se inseticidas químicos para o controle das pragas (WAQUIL 2003; MARTI- NELLI e OMOTO, 2005; LEITE et al., 2011). Estas áreas são recomendadas em função do risco de se plantar milho Bt em grandes áreas, o que pode resultar na seleção de biótipos das pragas-alvo resistentes às toxinas Bt. Estas áreas de refúgio auxiliam no manejo da resistência das pragas-alvo retardando a evolução da resistência das pragas (MACHA- DO e FIUZA, 2011). No Brasil, a área de refúgio é 10% da área cultivada com milho Bt, utilizando híbridos não Bt, de iguais porte e ciclo, de preferência o seu similar não Bt, e esta área não deve estar a mais de 800 m de distância das plantas transgênicas (MENDES et al., 2009). Esses ajustes de distância, porte e ciclo dos materiais são fundamentais, pois possibilitam o cruzamento dos possíveis insetos adultos sobreviventes na área de milho Bt com suscetíveis emergidos nas áreas de refúgio, num esforço para preservar na descendência dos cruzamentos a suscetibilidade à proteína transgênica, com consequente manutenção dos benefícios da tecnologia Bt (BOURGUET et al., 2005). No caso dos híbridos de milho de segunda geração (Pro, Pro2, YieldGard VT, Power Core PW ), com duas proteínas Bt no mesmo híbrido, o refúgio necessário é de 5% (ZANCANARO et al., 2012). Esta estratégia de plantio do refúgio também comporta outros híbridos de segunda geração, com apenas uma proteína Cry com alta eficiência de controle ou com mais de duas proteínas Cry. Nos Estados Unidos da América, a mistura do refúgio no saco de sementes foi aprovada em 2012 pela US Environmental Protection Agency (EPA). No Brasil, esta estratégia não é liberada comercialmente. Nas embalagens de sementes de milho Bt, há uma recomendação através da qual o produtor, ao abri-las, assume a responsabilidade de seguir as normas de coexistência e as recomendações do manejo da resistência dos insetos, como as áreas de refúgio (MENDES et al., 2009). O principal risco do não uso da área de refúgio está na rápida seleção de raças das pragas-alvo resistentes às toxinas do Bt. Assim, o produtor que não utilizar a prática do manejo da resistência será, sem dúvida, a primeira vítima da quebra da resistência, não obtendo controle das pragas-alvo com os híbridos de milho Bt. 1 Pesquisador Fitossanidade, Fundação MS, 2 Pesquisador Fitotecnia Milho e Gerente Técnico-Científico, Fundação MS,

2 Registra-se, ainda, uma tendência de redução na disponibilidade de materiais convencionais no mercado. Muitas vezes, o produtor não tem encontrado sementes dos híbridos convencionais de melhor desempenho. A redução na disponibilidade destes materiais pode gerar prejuízos tão sérios quanto à não utilização das práticas de manejo de resistência dos insetos. OBJETIVO Este estudo de caso objetivou avaliar a infestação da lagarta-do-cartucho do milho, Spodoptera spp., em lavouras comerciais de milho transgênico na região de São Gabriel do Oeste, MS. trais em cada talhão. Em cada ponto, foram avaliadas 10 plantas subsequentes na linha de plantio. Posteriormente, foi calculado a porcentagem de infestação do talhão. Foi considerada planta atacada as plantas de milho com o cartucho danificado, pois apenas a desfolha de plantas é esperada, uma vez que as lagartas devem ingerir folhas para ingerir a proteína Cry de Bacillus thuringiensis, geneticamente inserida nas plantas, o que causará a morte das lagartas. Além das amostragens, foram levantadas informações sobre o manejo das culturas em cada propriedade, em particular a existência das áreas de refúgio e culturas anteriores, a fim de traçar um panorama sobre o sistema de cultivo na região. MATERIAL E MÉTODOS Foram visitadas quatro propriedades na região. Em cada propriedade foram visitados talhões com vários híbridos de milho plantados, inclusive com diferentes tecnologias Bt, como Herculex e VTPro. Em cada talhão, foram feitas amostragens a fim de determinar a infestação de Spodoptera spp. para cada talhão e híbrido de milho. Também foi documentado, com fotos, a situação de cada talhão e de cada híbrido de milho. Todas as propriedades visitadas apresentaram problemas de ataque do milho por lagartas. Entretanto, não é possível extrapolar as inferências para todas as propriedades da região, pois foram visitadas poucas propriedades e as informações são limitadas. Além dessas áreas, também foi visitado uma área experimental da Fundação MS, em São Gabriel do Oeste, MS. Esta área é de abertura, sendo o primeiro cultivo de milho no local. O plantio foi realizado com diversos materiais. Os materiais avaliados foram P3646H, RB9210VTPro, RB9110YG e P30S53H. É importante ressaltar que esta área experimental está próxima a áreas de milho comerciais, com distância inferior a 100 m. Cada amostragem foi baseada na porcentagem de plantas atacadas pela lagarta-do-cartucho. Foram realizados seis pontos amos- Propriedade 1 RESULTADOS Foram observados talhões com os híbridos 2B710Hx (200 ha) e RB9110VTPro (300 ha). Segundo relatos do proprietário, as áreas da propriedade são cultivadas com a tecnologia Herculex desde sua liberação comercial no Brasil, tanto na safra quanto na safrinha. A área de refúgio destinada na propriedade é de aproximadamente 3% da área, o que é inferior ao recomendado (10%). Na avaliação de infestação dos talhões, aquele com o material 2B710Hx apresentou, em média, 41,7% de plantas atacadas por lagartas de Spodoptera spp. (Tabela 1 e Figura 1). No talhão plantado com o híbrido RB9110V- TPro, observou-se média de 5,0% de plantas atacadas por lagartas do gênero Spodoptera (Tabela 1 e Figura 2). Esta infestação é aceitável e não ocasiona danos econômicos. Nesta mesma propriedade, foi observado um talhão com o híbrido 2B433Hx, no estádio V2/ V3. Estas áreas não apresentavam plantas com sintomas de ataque por lagartas do gênero Spodoptera. No entanto, pouco se pode inferir sobre este material, pois segundo o proprietário, foram realizadas aplicações preventivas com a mistura de inseticidas Lannate + Difluchem.

3 Figura 1. Sintomas de ataque de Spodoptera spp. em plantas de milho 2B710Hx na propriedade 1. São Gabriel do Oeste, MS, Figura 2. Plantas de milho híbrido RB9110VTPro sem (A) e com (B) sintomas de ataque de Spodoptera spp. na propriedade 1. São Gabriel do Oeste, MS, A Foram observados talhões cultivados com os híbridos de milho AG9040YG (340 ha), RB9110VTPro (24 ha), BG7049H (80 ha) e P3646H (200 ha, sendo 100 ha em V9 e 100 ha em V11). Nesta propriedade, houve plantio milho geneticamente modificado com a tecnologia Herculex durante a safra 2012/13 e safrinha 2013, inclusive com áreas de safra ainda não colhidas próximas às áreas de safrinha. A área de refúgio destinada na propriedade é de 30 ha, e a área plantada com milho safrinha é aproximadamente 800 ha. Com isso, observa-se que a área de refúgio da propriedade é aproximadamente 3,8% da área. Na avaliação de infestação dos talhões, o talhão com o material AG9040YG apresentou, em média, 15% de plantas atacadas por lagartas de Spodoptera spp. (Tabela 1 e Figura 3). Entretanto, foram realizadas duas aplicações curativas, sendo a primeira com o milho entre V1 e V2 e a segunda com o milho em V5. Os inseticidas utilizados foram Lannate + Rimon, nas dosagens de 800 e 200 ml ha -1 respectivamente em cada aplicação. O talhão com o material RB9110VTPro apresentou, em média, 1,7% de plantas atacadas por lagartas de Spodoptera spp. (Tabela 1 e Figura 4). Neste talhão não houve aplicações de inseticidas, evidenciando a baixa população da praga neste híbrido. Figura 3. Talhão cultivado com milho híbrido AG9040YG (A) e sintomas de ataque de Spodoptera spp. (B) no talhão, propriedade 2. São Gabriel do Oeste, MS, B Propriedade 2 A B

4 Figura 4. Talhão cultivado com milho híbrido RB9110V- TPro sem sintomas de ataque de Spodoptera spp. na propriedade 2. São Gabriel do Oeste, MS, O talhão com o material P3646H apresentou, em média, 28,3% de plantas atacadas por lagartas de Spodoptera spp. (Tabela 1 e Figura 6). Neste talhão as plantas estavam em V9 e houve três aplicações de inseticidas com os produtos Lannate + Rimon, nas doses de 800 e 200 ml ha -1 em cada aplicação. Figura 6. Talhão cultivado com milho híbrido P3646H com sintomas de ataque de Spodoptera spp. (A) e detalhe da lagarta (B) na propriedade 2. São Gabriel do Oeste, MS, O talhão com o material BG7049H apresentou, em média, 50% de plantas atacadas por lagartas de Spodoptera spp. (Tabela 1 e Figura 5). Neste talhão houve três aplicações de inseticidas com os produtos Lannate + Rimon, nas doses de 800 e 200 ml ha -1 em cada aplicação. Figura 5. Plantas de milho híbrido BG7049H com sintomas de ataque de Spodoptera spp. na propriedade 2. São Gabriel do Oeste, MS, O material P3646H também foi verificado em outro talhão, de área semelhante, que estava em V11, pouco mais desenvolvido que o talhão anterior. Neste talhão, as plantas de milho não apresentavam sintomas de ataque por lagartas de Spodoptera spp. (Tabela 1 e Figura 7). Foram realizadas três aplicações preventivas os inseticidas Lannate + Rimon, nas doses de 800 e 200 ml ha -1 em cada aplicação.

5 Figura 7. Talhão cultivado com milho híbrido P3646H sem sintomas de ataque de Spodoptera spp. na propriedade 2. São Gabriel do Oeste, MS, Figura 8. Talhão cultivado com milho híbrido P30S31H com sintomas de ataque de Spodoptera spp. na propriedade 3. São Gabriel do Oeste, MS, Propriedade 3 Foram observados talhões cultivados com os híbridos P30S31H (300 ha) e RB9110VTPro (80 ha). O híbrido P30S31H estava em V8 e foram realizadas duas aplicações com os inseticidas Lannate e Rimon em mistura nas doses de 1000 e 200 ml ha -1 respectivamente em cada aplicação. O talhão com o híbrido RB9110VTPro não foi pulverizado e estava em pré-pendoamento. Nesta propriedade, não foi verificado o plantio de área de refúgio. A infestação de Spodoptera spp. no talhão cultivado com P30S31H foi, em média, 33,3% (Tabela 1 e Figura 8) e do talhão com RB- 9110VTPro foi, em média, 3,3% (Tabela 1 e Figura 9). Figura 9. Talhão cultivado com milho híbrido RB9110VTPro e detalhe da planta de milho sem sintomas de ataque de Spodoptera spp. na propriedade 3. São Gabriel do Oeste, MS, 2013.

6 Propriedade 4 Foi observado um talhão com um híbrido da Pioneer com a tecnologia Herculex, que estava em V10. No entanto, não tivemos acesso às informações sobre o híbrido, a área plantada e sobre as aplicações de inseticidas na área. Na ocasião da visita, as plantas apresentavam, em média, 58,3% de ataque por Spodoptera spp. (Tabela 1 e Figura 10). Sobre as áreas de refúgio, não nos foi informado se havia ou não tal área, tampouco qual a porcentagem de material convencional estava sendo cultivado. Figura 10. Talhão cultivado com milho híbrido da Pioneer com tecnologia Herculex com sintomas de ataque de Spodoptera spp. (A) e detalhe da planta de milho atacada pela praga (B) na propriedade 4. São Gabriel do Oeste, MS, A B Área Experimental da Fundação MS Foram observados campos experimentais da Fundação MS, cultivados em parcelas experimentais (<0,5 ha cada material) com os híbridos P3646H, RB9210VTPro, RB9110YG e P30S31H. Nas áreas visitadas, o índice de infestação foi zero, pois não foram observadas plantas com sintomas de ataque de Spodoptera spp (Tabela 1 e Figura 11) e não foram realizadas aplicações com inseticidas. DISCUSSÃO Todos os dados coletados e expostos no presente documento podem ser observados de forma resumida na Tabela 1. Foi possível observar alto índice de infestação de lagartas do gênero Spodoptera sobre os materiais plantados nas propriedades visitadas em São Gabriel do Oeste, MS, principalmente sobre a tecnologia Herculex. Na área experimental da Fundação MS, onde não houve plantios de milho Bt anteriormente e a pressão de seleção da população daquela microrregião foi menor, não foi observado o ataque por pragas, evidenciando que o plantio sucessivo da mesma tecnologia Bt nas propriedades visitadas foi determinante no estabelecimento do cenário observado. Verificou-se que não há plantio de áreas de refúgio de maneira adequada, o que provoca o aumento considerável da pressão de seleção sobre a população de insetos da região, potencializado pelo uso contínuo de safras e safrinhas de milho com a mesma tecnologia Bt (Figuras 12 e 13). Os híbridos de milho de segunda geração (VTPro ) não apresentaram problemas de ataque por lagartas, apresentando uma infestação esperada e sem danos econômicos às lavouras.

7 Figura 11. Parcela cultivada com milho híbridos P3646H, RB9210VTPro, RB9110YG e P30S31H sem sintomas de ataque de Spodoptera spp. em área experimental da Fundação MS propriedade 4. São Gabriel do Oeste, MS, Todos os dados coletados e expostos no presente documento podem ser observados de forma resumida na Tabela 1. Foi possível observar alto índice de infestação de lagartas do gênero Spodoptera sobre os materiais plantados nas propriedades visitadas em São Gabriel do Oeste, MS, principalmente sobre a tecnologia Herculex. Na área experimental da Fundação MS, onde não houve plantios de milho Bt anteriormente e a pressão de seleção da população daquela microrregião foi menor, não foi observado o ataque por pragas, evidenciando que o plantio sucessivo da mesma tecnologia Bt nas propriedades visitadas foi determinante no estabelecimento do cenário observado. Verificou-se que não há plantio de áreas de refúgio de maneira adequada, o que provoca o aumento considerável da pressão de seleção sobre a população de insetos da região, potencializado pelo uso contínuo de safras e safrinhas de milho com a mesma tecnologia Bt (Figuras 12 e 13). Os híbridos de milho de segunda geração (VTPro ) não apresentaram problemas de ataque por lagartas, apresentando uma infestação esperada e sem danos econômicos às lavouras.

8 Tabela 1. Híbridos de milho, tecnologia Bt, área plantada e porcentagem de infestação nas propriedades visitadas e na área experimental da Fundação MS (FMS) em São Gabriel do Oeste, MS, Propriedade Híbrido Tecnologia/Gene Área Plantada (ha) Infestação (%) Aplicações Observações 1 2 2B710Hx Herculex/cry1F ,7 NI 3% de área de RB9110VTPro Pro/cry1A e cry2ab 300 5,0 NI refúgio AG9040YG Yield Gard/cry1Ab ,0 2 RB9110VTPro Pro/cry1A e cry2ab 24 1,7 0 BG7049H Herculex/cry1F 80 50,0 3 P3646H Herculex/cry1F ,3 3 P3646H Herculex/cry1F 100 0,0 3 3,8% de área de refúgio P30S31H Herculex/cry1F ,3 2 Área de refúgio 3 RB9110VTPro Pro/cry1A e cry2ab 80 3,3 0 não observada 4 NI 1 Herculex/cry1F NI 58,3 NI NI FMS 1 Não informado. P3646H Herculex/cry1F <0,5 0,0 0 RB9210VTPro Pro/cry1A e cry2ab <0,5 0,0 0 RB9110YG Yield Gard/cry1Ab <0,5 0,0 0 P30S53H Herculex/cry1F <0,5 0,0 0 Área de abertura, com o primeiro plantio de milho Figura 12. Talhões cultivados com milho durante a safra e a safrinha. São Gabriel do Oeste, MS, Figura 13. Talhões cultivados com soja e milho na safra e com milho safrinha. São Gabriel do Oeste, MS, Relatos feitos por produtores indicam que há dificuldade para adquirir sementes de híbridos convencionais com boas características agronômicas. Em função do cenário observado, há uma necessidade visceral de um esforço conjunto entre produtores e empresas, de modo que esta ação possibilite maior durabilidade das tecnologias Bt disponíveis no mercado. A partir desta conscientização, o manejo de resistência das pragas às toxinas Bt será realizado de forma adequada e sustentável. As opções de manejo da lavoura do milho safrinha no que tange o controle de pragas com a tecnologia Bt devem se iniciar imediatamente. Empresas devem fornecer híbridos convencionais no mercado, dando opções para os produtores no momento da compra das sementes, bem como orientá-los e auxiliá-los no plantio correto da área de refúgio e da rotação da tecnologia Bt a ser utilizada. Os produtores devem fazer o plantio do refúgio de forma correta, respeitando as proporções recomendadas, e cobrar das empresas fornecedoras ou das assistências técnicas o suporte no posicionamento dos híbridos e do refúgio. Estas estratégias não irão beneficiar uma parte específica e sim o todo da agricultura local. As tecnologias terão maior durabilidade, ou seja, serão eficientes por mais tempo. Com isso, as empresas poderão comercializar o material por mais tempo e os produtores se beneficiarão do controle das pragas -alvo proporcionado por estes híbridos. As ações aqui indicadas serão eficientes somente se forem utilizadas por todos os produtores da região e se houver um esforço conjunto. De nada adianta o produtor se dispor a plantar o refúgio e a empresa não disponibilizar o ma-

9 terial convencional. Da mesma forma, não resolverá o problema a empresa fornecer o material convencional e o produtor não utilizá-lo em sua área. No presente estudo de caso, todas as informações referentes ao híbrido de milho cultivado, aplicações de inseticidas e manejo dos talhões foram fornecidas pelos proprietários. A Fundação MS fez apenas um relato das condições observadas nos campos visitados e das informações fornecidas pelos produtores, não se comprometendo por equívocos nos materiais plantados ou pelas aplicações realizadas. Também é importante ressaltar que as inferências que constam no presente documento são válidas apenas para as áreas visitadas, e não para a região como um todo, visto que foram visitadas apenas quatro propriedades e uma área de pesquisa da Fundação MS em São Gabriel do Oeste, MS. CONCLUSÕES Nas propriedades visitadas e com as informações coletadas, pode-se concluir que: Há um alto índice de infestação de lagartas do gênero Spodoptera sobre os materiais plantados nas propriedades visitadas de São Gabriel do Oeste, MS, principalmente sobre a tecnologia Herculex. O uso desta tecnologia nas propriedades visitadas é aquém do recomendado, pois a área de refúgio é sub-utilizada e há plantio sucessivo na safra e na safrinha, inclusive em áreas próximas e que ainda não foram colhidas, com a mesma tecnologia. Os híbridos de milho de segunda geração (VTPro ) não apresentaram problemas de ataque por lagartas nas áreas visitadas, apresentando uma infestação esperada e sem danos econômicos às lavouras. Há necessidade de um levantamento detalhado com o monitoramento dos talhões de lavouras de milho (safra e safrinha) na região de São Gabriel do Oeste, MS. RECOMENDAÇÕES 1) Os produtores devem adotar o plantio de áreas de refúgio de forma adequada, com pelo menos 10% da área com material de milho convencional de porte e ciclo semelhante ao híbrido de milho Bt cultivado no talhão. Esta área de refúgio não deve estar a mais de 800 m da área Bt. 2) Os produtores devem adotar as táticas de coexistência, com o plantio de uma bordadura de pelo menos 100 m, isolando lavouras de milho transgênicos das de milho que se deseja manter sem contaminação de transgênico. Estes híbridos também devem ter porte e ciclo semelhantes. 3) As empresas fornecedoras de sementes devem fornecer híbridos convencionais com boas características agronômicas e similares aos híbridos Bt disponibilizados em cada região de atuação. Se possível, fornecer as isolinhas convencionais, pois o porte, ciclo e características agronômicas serão semelhantes, facilitando o manejo das lavouras para os produtores. Uma forma de dinamizar este processo poderia ser a comercialização de 10% da quantidade que o produtor deseja com materiais convencionais. Por exemplo, se o produtor comprar 100 sacos de milho, 10 sacos devem ser convencionais de mesmo porte e ciclo do híbrido Bt adquirido pelo produtor. Essa estratégia faz com que a tecnologia de cada material dure mais tanto para as empresas quanto para os produtores. 4) Evitar o plantio sucessivo na safra e na safrinha ou de várias safrinhas seguidas com híbridos de milho com a mesma tecnologia Bt, fazendo uma rotação de genes, em que cada ano se planta uma tecnologia. 5) Monitorar as áreas, pois algumas pragas, como a lagarta do cartucho do milho, não são eliminadas completamente por algumas tecnologias Bt.

10 REFERÊNCIAS LEITE, N.A.; MENDES, S.M.; WAQUIL, J.M.; PEREIRA, E.J.G. Milho Bt no Brasil: a situação e a evolução da resistência de insetos. Série Documentos, n.133, Embrapa Milho e Sorgo, 47p MENDES, S.M.; WAQUIL, J.M.; VIANA, P.A. Manejo integrado de pragas em lavouras plantadas com milho geneticamente modificado com gene Bt (Milho Bt). Embrap: Sete Lagoas. Disponível em < deproducao.cnptia.embrapa.br/fontesht- ML/Milho/CultivodoMilho_5ed/milhoBT.htm>. Acesso em 27 mar (Sistemas de Produção, 2). WAQUIL, J. M. Manejo de resistência em insetos-praga. In: PIRES, C. S. S.; FONTES, E. M. G.; SUJII, E. R. (Ed.). Impacto ecológico de plantas geneticamente modificadas: o algodão resistente a insetos como estudo de caso. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia: CNPq, p ZANCANARO, P.O.; BUCHWEITZ, E.D.; BOIÇA JUNIOR, A.L.; MORO, J.R. Avaliação de tecnologias de refúgio no cultivo de milho transgênico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.47, n.7, p , 2012 MARTINELLI, S.; OMOTO, C. Resistência de insetos a plantas geneticamente modificadas. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, v.34, p.67 77, MACHADO, V.; FIUZA, L.M. Manejo da resistência: na era das plantas transgênicas. Oecologia Australis, v.15, p , BOURGUET, D.; DESQUILBET, M.; LEMA- RIE, S. Regulating insect resistance management: the case of non Bt corn refuges in the US. Journal of Environmental Management, v.76, p , 2005.

O produtor pergunta, a Embrapa responde

O produtor pergunta, a Embrapa responde Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Milho e Sorgo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento O produtor pergunta, a Embrapa responde José Carlos Cruz Paulo César Magalhães Israel

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

Projeto LAC-Biosafety

Projeto LAC-Biosafety Projeto LAC-Biosafety AMÉRICA LATINA: CONSTRUÇÃ ÇÃO O DA CAPACIDADE DE VARIOS PAÍSES SEGUNDO O PROTOCOLO DE CARTAGENA EM BIOSSEGURANÇA (COLÔMBIA, PERU, COSTA RICA, BRASIL) Subprojeto: Desenvolvimento da

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 DESAFIOS FITOSSANITÁRIOS NO MANEJO DE LAVOURAS WORKSHOP APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS - FBA Engº Agrº EZELINO CARVALHO INTRODUÇÃO O objetivo desta apresentação é dialogar sobre os problemas fitossanitários

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Comunicado Técnico 49

Comunicado Técnico 49 Comunicado Técnico 49 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Pragas da Fase Vegetativa e Reprodutiva Ivan Cruz 1 Paulo Afonso Viana José Magid Waquil Os danos causados pelas pragas

Leia mais

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DANOS, POSTURAS E ÍNDICE DE PARASITISMO DE Spodoptera frugiperda (J.E. SMITH) (LEP.: NOCTUIDAE), RELACIONADOS AOS ESTÁDIOS

Leia mais

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas Paulo Augusto Vianna Barroso Experimentação com OGM Regulada pela Lei de Biossegurança (11.105/2005) Experimentação

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO MAURO BRAGA Pesquisador Sistemas agrícolas Insetos e ácaros na soja Insetos no milho Inseticidas: manejo melhor Sistemas agrícolas Sistemas agrícolas

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI)

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Samuel Martinelli Monsanto do Brasil Ltda 1 I WORKSHOP DE MILHO TRANSGÊNICO 07-09 DE MARÇO DE 2012 SETE LAGORAS,MG Conceito de resistência Interpretação

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Helicoverpa armigera Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Controle Biológico com ênfase a Trichogramma Postura no coleto Posturas nas folhas Trichogramma Manejo Integrado de Pragas com ênfase

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015. Clipping de notícias Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 11 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. 12/08/2015 USO INDISCRIMINADO

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Mesa de controvérsia sobre transgênicos

Mesa de controvérsia sobre transgênicos Mesa de controvérsia sobre transgênicos Transgênicos: questões éticas, impactos e riscos para a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável Posição

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 80 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ALERTA PARA O CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO A presença do bicudo foi relatada e identificada

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 Amanda Fantatto de Melo 2 ; Priscilla Gomes Welter 3 ; Sônia R. de S. Fernandes 4 INTRODUÇÃO O turismo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE REFÚGIO SEMEANDO O FUTURO

A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE REFÚGIO SEMEANDO O FUTURO A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE REFÚGIO INTRODUÇÃO Desde o início da atividade agrícola e da domesticação das plantas há cerca de 9 mil anos, o homem realiza o melhoramento genético das plantas cultivadas com

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR ROMEU SUZUKI ENGENHEIRO AGRONOMO UNIDADE MUNICIPAL DE MARILÂNDIA DO SUL Janeiro 2005 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Justificativa 3 4. Métodos

Leia mais

Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão. Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul

Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão. Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul Agenda Porque estamos tendo problemas com alta pressão inicial de pragas na

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino O que são OGM? Organismos que são manipulados geneticamente por técnicas de biotecnologia molecular com vista a introduzir-se ou suprimir-se

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda CURSO: Manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda 16 e 17/10/2012 infobibos.com.br Cenários

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

Audiência Pública Nº 02/2007

Audiência Pública Nº 02/2007 Audiência Pública Nº 02/2007 Requerimentos da CIBio da Monsanto do Brasil Ltda. para liberação comercial de algodão geneticamente modificado: Processo n o 01200.004487/04-48 - Algodão MON 1445 Processo

Leia mais

Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas

Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas Gestão operacional de lavouras transgênicas nas fazendas: Eficiência e Custos Aurelio Pavinato CEO SLC Agrícola S.A. Agenda 1

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição.

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição. ANÁLISE E IMPACTOS DO PROTOCOLO DE CARTAGENA PARA O BRASIL 41 Deise M. F. Capalbo* A análise de risco é um processo comparativo que deve ser conduzido, caso a caso, com embasamento cientifico e por processo

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 1 Pragas de solo 1.1 - Cupins Importância econômica -se alimentam de celulose e possuem hábitos subterrâneos. Sintomas de danos -Atacam as sementes, destruindo-as

Leia mais

Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil

Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil Edson Hirose Embrapa Soja 1 As principais pragas Da Soja? 2 Principais pragas x fase de desenvolvimento da

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras A distribuição das propriedades rurais O Instituto Brasileiro de

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Programa úmero de Ações 8 1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Objetivo Indicador(es) Incrementar a base de conhecimentos científicos e tecnológicos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Plano de Supressão da praga Helicoverpa armigera no Estado do Piauí (02/01/2014)

Plano de Supressão da praga Helicoverpa armigera no Estado do Piauí (02/01/2014) Plano de Supressão da praga Helicoverpa armigera no Estado do Piauí (02/01/2014) CONTEÚDO INTRODUÇÃO MEDIDAS EMERGENCIAIS PARA O MANEJO DE Helicoverpa armigera 1. Uso de plantas geneticamente modificadas

Leia mais

Documento Explicativo

Documento Explicativo Decisão de Preço do Suco de Laranja 13 de junho de 2013 Visão Geral O Comitê de Critérios tomou uma decisão em relação ao projeto de Revisão de Preços do Suco de Laranja. O resultado disso é que novos

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A COMPETIVIDADE DO AGRONEGÓCIO EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA LEGISLAÇÃO

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Segundo o Dicionário Aurélio, planejamento é o ato ou efeito de planejar (Fazer o plano ou planta de traçar); Trabalho de preparação

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO 7 INTRODUÇÃO Vimos no capítulo anterior a utilização da seleção no melhoramento de espécies autógamas. O requisito básico para utilizarmos essa técnica

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM 19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT OBJETIVO O objetivo neste trabalho foi avaliar a reação as principais doenças da cultura

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015.

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015. Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015. Núcleo 1: Matrinchã, Jussara e região (Artur Pagnoncelli).

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS)

Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS) Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS) Visibilidade global dos fornecedores Shell www.shell.com/supplier/qualification Nossa abordagem à pré-qualificação dos fornecedores O setor de contratos e aquisições

Leia mais

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim.

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. WINDER, A. R. S. da. 1, COUTO, L. P. P. 1, SILVA A. R. da. 2, BELLIZZI, N. C. 1 BARBOSA. E. S 1. 1 Docente e acadêmicos do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia!

O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia! O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia! Manejo da Resistência de Pragas a Inseticidas: Considere essa Alternativa A produção vegetal atual está anos-luz

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul PAULO E. DEGRANDE Universidade Federal da Grande Dourados O CONVITE versus FALAR

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas Associação Brasileira de Sementes e Mudas WORKSHOP AMOSTRAGEM, TESTES E ESTATÍSTICA SEMENTES, PLANTAS E GRÃOS Associação Brasileira de Sementes e Mudas A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL ILSI International

Leia mais

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA DIREÇÃO Data da Reunião: 15/03/2011 Data da Próima Reunião: março/2012 Folha: Total de 4 PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Perspectivas de uso de cultivares transgênicas na produção de milho no Brasil.

Perspectivas de uso de cultivares transgênicas na produção de milho no Brasil. Perspectivas de uso de cultivares transgênicas na produção de milho no Brasil. João Carlos Garcia Embrapa Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo Cx. Postal 151 35.700-001 - Sete Lagoas, MG garcia@cnpms.embrapa.br

Leia mais

HÁ DIFERENÇA DE COMPORTAMENTO ENTRE GENÓTIPOS DE MILHO TRANSGÊNICO E ISOGÊNICO?

HÁ DIFERENÇA DE COMPORTAMENTO ENTRE GENÓTIPOS DE MILHO TRANSGÊNICO E ISOGÊNICO? HÁ DIFERENÇA DE COMPORTAMENTO ENTRE GENÓTIPOS DE MILHO TRANSGÊNICO E ISOGÊNICO? Claudia Borsari Trevizan 1 ; William Leonello Estevão 2 ; Livia Maria Chamma Davide³; Emanoel Sanches Martins²; Rodrigo Suzuke²

Leia mais

ESTRATÉGIAS MAIS EFICIENTES PARA O MANEJO DE LEPIDÓPTEROS NOS SISTEMAS DO CERRADO. Walter Jorge dos Santos YEHOSHUA HAMASHIACH

ESTRATÉGIAS MAIS EFICIENTES PARA O MANEJO DE LEPIDÓPTEROS NOS SISTEMAS DO CERRADO. Walter Jorge dos Santos YEHOSHUA HAMASHIACH ESTRATÉGIAS MAIS EFICIENTES PARA O MANEJO DE LEPIDÓPTEROS NOS SISTEMAS DO CERRADO. Walter Jorge dos Santos CERRADO BRASILEIRO & CENÁRIOS > oportunidades e desafios! HOSPEDEIROS CULTIVADOS SIMULTANEOS E/OU

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin

BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin CUSTOMER SUCCESS STORY BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin PERFIL DO CLIENTE Setor: Serviços Financeiros Organização: BancoEstado de Chile Funcionários:

Leia mais

Impacto do Milho Bt na Lagarta-do-Cartucho, Spodoptera frugiperda. Camila S. F. Souza, Kátia G. B. Boregas, Fernando H. Valicente

Impacto do Milho Bt na Lagarta-do-Cartucho, Spodoptera frugiperda. Camila S. F. Souza, Kátia G. B. Boregas, Fernando H. Valicente Impacto do Milho Bt na Lagarta-do-Cartucho, Spodoptera frugiperda Camila S. F. Souza, Kátia G. B. Boregas, Fernando H. Valicente Introdução: A lagarta-do-cartucho, Spodoptera frugiperda, é considerada

Leia mais

8ºCongresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo

8ºCongresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo EFICIÊNCIA DE DIFERENTES EVENTOS TRANSGÊNICOS NO CONTROLE DE PRAGAS EM MILHO Leila Cristina Rizatti da Silva 1 ; Aildson Pereira Duarte 2 ; Rogério Soares de Freitas 3 ; Melina Zacarelli Pirotta 4 ; Marcos

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais