SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P."

Transcrição

1 Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB, I.P. 21 e 22 Abril INIA Elvas, Portugal

2 VARIAÇÃO ANUAL DA PRODUÇÃO DE TRIGO 99/00 98/99 97/98 0 Precipitação Total = 246 mm /97 95/96 94/95 93/94 92/93 91/ Precipitação Total = 825 mm; Precipitação (Nov, Dez, Jan) = 587 mm / / Yield (kg/ha) 2

3

4 4

5

6 Variabilidade da média da quantidade de precipitação da Primavera no Alentejo no período Precipitação Primavera Média trinténio Linha de tendência Precipitação (mm) ,8 125, Anos

7 Variabilidade da temperatura máxima de Março a Julho no Alentejo, em três anos distintos 50,0 45,0 40, Temperatura Máxima ( C) 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0

8

9 Nos campos dos agricultores não tem sido fácil encontrar itinerários que permitam de forma consistente atingir elevados patamares de produção de trigo de qualidade em regadio. Controlar a produção de biomassa no Outono/Inverno searas extremamente densas apresentam: problemas de acama maior probabilidade de estabelecimento de doenças maior exposição ao risco de grandes perdas de água por transpiração em anos com temperaturas elevadas durante o enchimento do grão redução na produção por deficiente conformação dos grãos que se perdem durante o processo de ceifa e debulha e na qualidade. Para alcançar produções de grão na ordem dos kg/ha a experiência recolhida no INRB, I.P. / INIA em Elvas, aponta para espigas/m 2 à colheita. O estabelecimento de searas com valores adequados pode ser alcançado pela conjugação de vários factores: escolher a variedade adequada a data de sementeira a densidade de sementeira a distribuição das plantas (tipo de sementeira-linhas pareadas vs sementeira convencional) a gestão da aplicação de azoto a gestão da rega

10

11 O que já se sabe sobre as variedades adequadas: Resultados de projectos anteriores mostram que a escolha da variedade é um parâmetro de elevada importância para alcançar altas produtividades e qualidade em regadio. Características da variedade directamente ligadas à adaptação ao ambiente mediterrânico: serem resistentes ou tolerantes às temperaturas elevadas que ocorrem com frequência durante o período de enchimento do grão e que resultam na redução do peso do grão e na obtenção de grão mal conformado e de fraca qualidade; o balanço ideal entre as estruturas de produção da planta (source/sink, biomassa e distribuição de assimilados). ciclo vegetativo que se ajuste aos condicionalismos expostos escolher a variedade adequada para a data de sementeira o espigamento deve acontecer no período que se situa nos 10 dias à volta do dia 1 de Abril (entre 20 de Março e 10 de Abril) - deve evitar-se variedades com espigamento muito precoce (risco de geada no início da Primavera); variedades com espigamento que ultrapasse a 1ª / 2ª semana de Abril estarão sujeitas a temperaturas elevadas durante o período de enchimento do grão (redução do peso do grão, com consequente redução do IC (índice de colheita = produção de grão/produção de biomassa total e baixa eficiência do uso da água - WUE)

12

13 O que já se sabe sobre aspectos agronómicos: Ensaios realizados em Elvas, Beja e na Golegã mostram que a utilização de linhas pareadas, com redução de 1/3 na densidade de sementeira, pode ser um método eficaz de controlar a acama e o excesso de biomassa. A aplicação do fertilizante azotado à sementeira e nas primeiras fases do desenvolvimento das plantas deve ter em conta o azoto mineral presente no solo, a data de sementeira e o tipo de variedade. Resultados de ensaios conduzidos em Elvas (INRB, I.P./INIA, ex-enmp) mostraram que a aplicação de azoto nas fases iniciais (sementeira e afilhamento) conduziu a uma cultura muito densa mas menos eficiente na produção (índice de colheita mais baixo) comparativamente à situação de privilegiar a aplicação ao início do encanamento. Em regadio, o objectivo é obter colmos/m 2 na fase do início do encanamento.

14 Produção e componentes da produção em dois sistemas de sementeira PRODUÇÃO (kg/ha) Grãos/Espiga Peso de 1000 grãos (g) Espigas/m 2 Variedades Linhas Sementeira Linhas Sementeira Linhas Sementeira Linhas Sementeira Pareadas Convencional Pareadas Convencional Pareadas Convencional Pareadas Convencional JORDÃO ,47 31, NABÃO ,46 32, ROXO ,51 41, ALTER ,27 39,

15

16 Densidade sementeira Produção (kg/ha) GOLEGÃ Quinta da Labruja Nºgrãos/m2 Nº Espigas/m2 Grãos/esp. Massa Hectolitro (kg/hl) Peso 1000 grãos (g) 150kg/ha = grãos/m2 100kg/ha =250 grãos/m

17 Cevada Margret Regadio (Beja) 1 Aplicação de fungicida Produção Peso 1000 grãos Calibre (%) (kg/ha) (g) > 2,5 Pareadas com Regulador de Crescimento Normais com Regulador de Crescimento Pareadas sem Regulador de Crescimento ,32 90, ,44 91, ,33 93,6 Normais sem Regulador de Crescimento ,49 94,4 Linhas Pareadas S + A + E* ,30 91,7 Sementeira Normal S + A + E ,67 91,4 *S + A + E Fraccionamento da aplicação do Azoto (150 kg/ha) S Sementeira; A Afilhamento; E Principio do Encanamento

18 Subprograma 4 Promoção do conhecimento e desenvolvimento de competências Medida 4.1 Cooperação para a inovação Entidade gestora da parceria: CERSUL Entidades parceiras: - INRB, I.P. / INIA-Elvas - CERSUL / PROCEREAIS - COOP. BEJA e BRINCHES / COOP. BERINGEL - AGROCAMPREST - CEREALIS - CERES - GERMEN - ANPOC

19 OPERAÇÃO Novas tecnologias de produção de trigo de qualidade ( ) 1 Etapas Concepção ou Adaptação Encontrar as soluções genéticas e agronómicas para obter produções elevadas de trigo de qualidade em regadio 2010/2011, 2011/2012, 2012/ Divulgação ou demonstração de resultados Incorporação de resultados Workshops/dias abertos no campo /2011, 2011/2012, 2012/2013 Elaboração e distribuição do manual técnico de produção Introdução por parte dos produtores das novas tecnologias /2014

20 Operação Novas tecnologias de produção de trigo de qualidade ( ) Como obter produções elevadas de trigo de qualidade em regadio Qual é a inovação do projecto? A inovação será uma nova tecnologia para produzir trigo em regadio com elevadas produções de qualidade a 7500 Kg/ha. Esta tecnologia será constituída por um conjunto de informações técnicas, que englobam soluções genéticas (variedades adequadas) e agronómicas (itinerários técnicos) para aumentar as produções de trigo de qualidade em condições de regadio. Traduzir-se-á na disponibilidade para os agricultores de um manual técnico para produção de trigo de qualidade em regadio.

21 Etapa 1 Concepção ou Adaptação Encontrar as soluções genéticas e agronómicas para obter produções elevadas de trigo em regadio Anos 1, 2 e 3 Os trabalhos irão centrar-se na avaliação do comportamento de um conjunto alargado de variedades de trigo face a diferentes combinações de factores agronómicos. Este estudo tem como objectivo encontrar: 1) a combinação variedade x data de sementeira; 2) a oportunidade de aplicação de azoto mais eficaz; 3) o estabelecimento da população ideal; 4) o controlo da acama; 5) a melhor fase de desenvolvimento do trigo para aplicação da 1ª rega.

22 Instalação de ensaios em regadio em 3 locais: Alto Alentejo, Baixo Alentejo, Ribatejo 3 anos 20 variedades de trigo mole; 10 variedades de trigo rijo 2 datas de sementeira 3 densidades de sementeira Aplicação da 1ª rega 3 locais = 3 tipos de solos Aplicação de fungicidas Aplicação de regulador de crescimento Ensaios de variedades Instalação de ensaios de grandes parcelas (3ha) em regadio em 3 locais: Alto Alentejo, Baixo Alentejo, Ribatejo 3 anos 2 variedades de trigo mole (1 ciclo longo+1ciclo curto) ; 1 variedades de trigo rijo 2 densidades de sementeira linhas pareadas (com redução de 1/3 da densidade de sementeira) versus sementeira convencional (350 grãos viáveis/m 2 ) 5 tratamentos de oportunidade de aplicação de azoto (30Kg de azoto/tonelada de grão esperado) Quantidade de água aplicada em rega Aplicação de regulador de crescimento Ensaios de solução agronómica

23 Acção Descrição Ano Parceiros 1 Ensaio de trigo em regadio no Alto Alentejo 2 Ensaio de trigo em regadio no Alto Alentejo 3 Ensaio de trigo em regadio no Alto Alentejo 4 Ensaio de trigo em regadio no Baixo Alentejo 2010/2011 INRB, Cersul 2011/2012 INRB, Cersul 2012/2013 INRB, Cersul 2010/2011 INRB, Coop. Beja e Brinches / Coop. Beringel 5 Ensaio de trigo em regadio no Baixo 2011/2012 INRB, Coop. Beja e Brinches Alentejo / Coop. Beringel 6 Ensaio de trigo em regadio no Baixo Alentejo 2012/2013 INRB, Coop. Beja e Brinches / Coop. Beringel 7 Ensaio de trigo em regadio no Ribatejo 2010/2011 INRB, Agrocamprest 8 Ensaio de trigo em regadio no Ribatejo 2011/2012 INRB, Agrocamprest 9 Ensaio de trigo em regadio no Ribatejo 2012/2013 INRB, Agrocamprest 10 Análises Tecnológicas (qualidade) Cerealis, Ceres, Germen

24 Etapa 2 Divulgação ou demonstração de resultados Workshops/dias abertos no campo - Anos 1, 2 e 3 Manual técnico de Produção Ano 3 Como é que se vão divulgar, demonstrar e transferir os resultados? Organização de acções de formação sobre a forma de workshops no campo transferência de conhecimento. Organização de dias abertos nos campos de ensaios divulgação e demonstração de resultados. Elaboração de um Manual Técnico de Produção divulgação de resultados.

25 Acção Descrição Ano Parceiros 11 Workshop Alto Alentejo 2011 Procereais 12 Workshop Baixo Alentejo 2012 Coop. Beja e Brinches / Coop. Beringel 13 Workshop Ribatejo 2013 Agrocamprest 14 Dia aberto no campo aos agricultores - Elvas 15 Dia aberto no campo aos agricultores Elvas 16 Dia aberto no campo aos agricultores - Elvas 17 Elaboração do Manual Técnico de Produção 2011 Cersul, INRB 2012 Cersul, INRB 2013 Cersul, INRB 2013 INRB

26 Etapa 3 Incorporação de resultados Incorporação das novas tecnologias e variedades pelos produtores - Ano 4 Como é que os resultados obtidos se vão reflectir no sistema de produção de cereais de qualidade? R: Incorporação das novas tecnologias de produção de trigo de qualidade em regadio por parte dos produtores. Acção Descrição Ano Parceiros 18 Monitorização Técnica Alto Alentejo 2013/2014 Cersul, Cerealis, Ceres, Germen, INRB 19 Monitorização Técnica Baixo Alentejo 2013/ Monitorização Técnica Ribatejo 2013/2014 Coop. Beja e Brinches / Coop. Beringel, Cerealis, Ceres, Germen, INRB Agrocamprest, Cerealis, Ceres, Germen, INRB

27 MUITO OBRIGADO

Novas Tecnologias de Produção de Trigo de Qualidade em Regadio

Novas Tecnologias de Produção de Trigo de Qualidade em Regadio Medida 4.1 Cooperação para a inovação Novas Tecnologias de Produção de Trigo de Qualidade em Regadio Início: Setembro de 2010 Fim: Dezembro de 2014 Precipitação Elvas - Outubro 2010 a Janeiro 2011 (Total

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS CULTURA DA CEVADA DÍSTICA PARA MALTE

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS CULTURA DA CEVADA DÍSTICA PARA MALTE MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS CULTURA DA CEVADA DÍSTICA PARA MALTE Novembro 2009 1 RECOMENDAÇÕES BÁSICAS A oportunidade das intervenções culturais é fundamental. Elabore um plano de produção com as

Leia mais

Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010

Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010 Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010 Constituição de uma Reserva Estratégica de Água Garantia de Abastecimento de Água Alteração do Modelo Cultural

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DOS CEREAIS EM PORTUGAL COOPERACÇÃO INTERNACIONAL

MELHORAMENTO GENÉTICO DOS CEREAIS EM PORTUGAL COOPERACÇÃO INTERNACIONAL MELHORAMENTO GENÉTICO DOS CEREAIS EM PORTUGAL COOPERACÇÃO INTERNACIONAL Benvindo Maçãs INRB (L-INIA Elvas) Os dias do Desenvolvimento 2009 IICT 28 Abril Instituto Nacional dos Recursos Biológicos Unidade

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas

Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas PREVISÕES AGRÍCOLAS 31 de julho 2015 19 de agosto de 2015 Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas As previsões agrícolas,

Leia mais

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT ORGANIZAÇÃO O espaço AGRO I&DT, integrado na 1ª edição da feira Portugal Agro 2014, consistiu numa iniciativa conjunta da Rede INOVAR e da Direcção Regional de

Leia mais

Tecnologia e Conhecimento em Regadio

Tecnologia e Conhecimento em Regadio O Futuro dos Cereais Praganosos na Área de Influencia de Alqueva Elvas, 22.04.2010 1 FIM SOCIAL DE POTENCIAR O DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Promoção das actividades necessárias à criação e difusão do conhecimento

Leia mais

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Lusosem Milhos Híbridos A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem

Leia mais

Qualidade dos Trigos franceses 2014

Qualidade dos Trigos franceses 2014 Qualidade dos Trigos franceses 2014 Metodologia Parceria FranceAgriMer / ARVALIS Institut du végétal ~ 260 locais representativos da colheita nacional (tamanho, situação geográfica, ) ~ 527 amostras de

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES O que é COTR? O Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR - é uma Associação de direito privado sem fins lucrativos, criada no dia

Leia mais

M. Ângelo Rodrigues/J. Eduardo Cabanas Centro de Investigação de Montanha Escola Superior Agrária de Bragança

M. Ângelo Rodrigues/J. Eduardo Cabanas Centro de Investigação de Montanha Escola Superior Agrária de Bragança M. Ângelo Rodrigues/J. Eduardo Cabanas Centro de Investigação de Montanha Escola Superior Agrária de Bragança MANUTENÇÃO DO SOLO EM OLIVAIS DE SEQUEIRO Há dez anos a esta parte, iniciamos estudos de investigação

Leia mais

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t r o O p e r a t i v o e d e T e c n o l o g i a d e R e g a d i o 1 Introdução

Leia mais

INIAV, I.P. - Projetos em curso na Unidade Estratégica de Investigação e Serviços de Biotecnologia e Recursos Genéticos

INIAV, I.P. - Projetos em curso na Unidade Estratégica de Investigação e Serviços de Biotecnologia e Recursos Genéticos Biotecnologia e Recursos Genéticos 14 VITIS-GRAFTING: Uso da sequenciação em larga escala de pequenos RNAs e análise transcriptómica no estudo da incompatibilidade da enxertia em videira (vitis spp.) Instituto

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja Culturas alternativas e plantas para fins energéticos Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja SUMÁRIO Energias renováveis Energia da biomassa Culturas energéticas Bioetanol

Leia mais

Ensaios de variedades de cevada dística para malte na região do Vale do Tejo

Ensaios de variedades de cevada dística para malte na região do Vale do Tejo Ensaios de variedades de cevada dística para malte na região do Vale do Tejo Congresso UIIPS 8-98 9 Fevereiro 2012 Escola Superior Agrária ria de Santarém Artur José Guerra Amaral Índice Introdução Objectivos

Leia mais

Itinerário Técnico dos Cereais de Outono- Inverno

Itinerário Técnico dos Cereais de Outono- Inverno ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA Itinerário Técnico dos Cereais de Outono- Inverno Texto de apoio para as Unidades Curriculares de Sistemas e Tecnologias Agropecuários, Tecnologia

Leia mais

Fall Newsletter ANSEME

Fall Newsletter ANSEME Newsletter ANSEME PAC 2014-2020 - Encontro com Organizações do sector agroalimentar Auditório do INIAV Oeiras, 9 de A ANSEME esteve presente no encontro de parceiros do Sector Agroalimentar, promovido

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

ANEXO I RETIFICADO PROJETOS TÉCNICO PROPICIE 6 1. UNIVERSIDADE NACIONAL DE VILA MARIA ARGENTINA

ANEXO I RETIFICADO PROJETOS TÉCNICO PROPICIE 6 1. UNIVERSIDADE NACIONAL DE VILA MARIA ARGENTINA ANEXO I RETIFICADO PROJETOS TÉCNICO PROPICIE 6 1. UNIVERSIDADE NACIONAL DE VILA MARIA ARGENTINA Title: Objectives: Requirements: Supervisor: PROJECT 01 Biofilm forming ability of Staphylococcus aureus

Leia mais

de Sementeira Directa, Mobilização

de Sementeira Directa, Mobilização COTR (BEJA), de Dezembro de 6 SESSÃO TÉCNICA T REALIZADA NO ÂMBITO DO PROJECTO: Projecto AGRO 38 - Aplicação das técnicas de mobilização reduzida e da sementeira directa à cultura de beterraba sacarina

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Porto, 29 de novembro de 2014 Divisão de Variedades e Sementes PRINCÍPIOS BASE DO COMÉRCIO DE SEMENTE Inscrição de variedades Certificação de

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

Valorização Agrícola de Resíduos Orgânicos e Emissões de Gases com Efeito de Estufa

Valorização Agrícola de Resíduos Orgânicos e Emissões de Gases com Efeito de Estufa 45 Valorização Agrícola de Resíduos Orgânicos e Emissões de Gases com Efeito de Estufa João Paulo Carneiro Escola Superior Agrária, Quinta da Sra. de Mércules, 6001-909 Castelo Branco, Portugal CERNAS

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA Carlos Lopes Dep. Ciências e Engenharia de Biossistemas Instituto Superior de Agronomia/Univ. Lisboa Simp. Viticultura Sustentável,

Leia mais

1. Seminário internacional Investir no Potencial Agrícola do Alqueva.. 3

1. Seminário internacional Investir no Potencial Agrícola do Alqueva.. 3 Pag. 1 1. Seminário internacional Investir no Potencial Agrícola do Alqueva.. 3 2. Projeto Alqueva... 6 3. Agricultura em Portugal... 11 4. Ativos distintivos da agricultura portuguesa..... 14 5. Posicionamento

Leia mais

INIAV, I.P. - Projetos em curso/aprovados na Unidade Estratégica de Investigação e Serviços de Biotecnologia e Recursos Genéticos

INIAV, I.P. - Projetos em curso/aprovados na Unidade Estratégica de Investigação e Serviços de Biotecnologia e Recursos Genéticos Biotecnologia e Recursos Genéticos 13 MICROPROTECT - Uso de óleos essenciais encapsulados para proteção de cereais e leguminosas armazenados FEUP Maria Manuela Roldão de Oliveira FCT Faculdade de Engenharia

Leia mais

O homem foi feito para realizar. A maior satisfação da vida provém da realização. Alfred Montapert

O homem foi feito para realizar. A maior satisfação da vida provém da realização. Alfred Montapert O homem foi feito para realizar. A maior satisfação da vida provém da realização. Alfred Montapert Desde 2010 A Empresa A SysTerra-Engenharia e Gestão, Lda. é uma empresa portuguesa que presta serviços

Leia mais

Climate Change and Market Access: Challenges in Mozambique

Climate Change and Market Access: Challenges in Mozambique Climate Change and Market Access: Smallholder Market Challenges in Mozambique Introdução 1. Processo de Produção ao Mercado 2. Efeitos das Mudanças Climáticas na Agricultura e Acesso ao Mercado 3. Acções

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto Desenvolvimento de linhagens e de cultivares de trigo de ciclo precoce e médio, das classes Pão e Melhorador, adaptadas à Região Centro-Sul Subtropical (Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) Dionísio

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Plano Regional/ Nacional da produção para o controlo do Fogo Bacteriano

Plano Regional/ Nacional da produção para o controlo do Fogo Bacteriano Plano Regional/ Nacional da produção para o controlo do Fogo Bacteriano 02 de Outubro 2012 Oeiras A doença que PODE MATARtodos os Pomares da Região COLABORAR e AGIR ACTUAR para ERRADICAR a Doença Zonas

Leia mais

Parecer da Secção Autónoma do Conselho Científico do IPIMAR (CC IPIMAR) sobre o Relatório de Actividades 2009 do INRB, IP

Parecer da Secção Autónoma do Conselho Científico do IPIMAR (CC IPIMAR) sobre o Relatório de Actividades 2009 do INRB, IP 1 Parecer da Secção Autónoma do Conselho Científico do (CC ) sobre o Relatório de Actividades 2009 do INRB, IP Sendo chamado a pronunciar-se, no âmbito das suas competências, como órgão consultivo do INRB,

Leia mais

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade APRESENTAÇÃO - INFORMAÇÃO Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade A ATAHCA organiza nos dias 10 e 11 de Outubro em Vila Verde um encontro abordando o tema Agricultura Familiar e Comercialização

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014 KWS Inovação e Selecção Catálogo 2014 KWS, 158 anos dedicados em exclusivo à selecçâo, multiplicação e comercialização de semente Sabia que em 2013 foi de novo lider europeu de vendas de sementes para

Leia mais

Distribuição percentual do espaço agrário.

Distribuição percentual do espaço agrário. Espaço Agrário é o espaço que reflecte a ligação do homem com a terra e compreende o estudo da forma dos campos, sistemas de cultura e divisão da propriedade. Interessa essencialmente ao geógrafo pelo

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Um laboratório com 35 hectares!

Um laboratório com 35 hectares! Um laboratório com 35 hectares! Prof. José Oliveira Peça; Prof. Anacleto Cipriano Pinheiro; Prof. António Bento Dias Universidade de Évora, Departamento de Engenharia Rural - ICAM Apartado 94, 7002 554

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008 Presidente: Paul Temple (Inglaterra) Representante indicado pela CAP: Bernardo Albino Resumo reunião: 1- Aprovação ordem do dia ok 2- Aprovação de acta de última reunião ok 3- Trabalhos preparatórios de

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

Rotações de Culturas

Rotações de Culturas ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA Rotações de Culturas Texto de apoio para as Unidades Curriculares de Sistemas e Tecnologias Agro- Pecuários, Tecnologia do Solo e das Culturas

Leia mais

A Floresta é um recurso estratégico? RefCast. Reforço da cultura do castanheiro. José Gomes Laranjo. jlaranjo@utad.pt

A Floresta é um recurso estratégico? RefCast. Reforço da cultura do castanheiro. José Gomes Laranjo. jlaranjo@utad.pt A Floresta é um recurso estratégico? RefCast Reforço da cultura do castanheiro José Gomes Laranjo jlaranjo@utad.pt Espinhal, 4 Setembro 2010 O que é o RefCast? Proposta de investimento na fileira do castanheiro:

Leia mais

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Gerson Sander 1, Antonio Carlos Torres da Costa 2, Jose Barbosa Junior Duarte 3 1 Eng. Agrôn., Mestrando

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS

SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS Seminário Agricultura + Lisboa, 16.07.2013 SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS Tiago Domingos, Helena Martins tiago.domingos@terraprima.pt Sessão

Leia mais

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada Zona de Protecção Especial de Castro Verde: local de estudo em Portugal Projecto PRACTICE Prevention and

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG

A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG Paulo Oliveira (Engº Mecânico / Termodinâmica) 1. Introdução (situação actual e historial da rede) A nível mundial o funcionamento das redes

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA António Mantas am@sativa.pt A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou de um processo ou de um serviço) é um meio de garantir a sua conformidade com normas e outros documentos

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS POTENCIALIDADES PARA PRODUZIR MATÉRIAS PRIMAS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS ENVOLVENTE DO REGADIO DE ALQUEVA

IDENTIFICAÇÃO DAS POTENCIALIDADES PARA PRODUZIR MATÉRIAS PRIMAS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS ENVOLVENTE DO REGADIO DE ALQUEVA IDENTIFICAÇÃO DAS POTENCIALIDADES PARA PRODUZIR MATÉRIAS PRIMAS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS NA ENVOLVENTE DO REGADIO DE ALQUEVA Elaborado em 2004 Revisto em 2005 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ENQUADRAMENTO DA

Leia mais

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 3 Síntese

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 12 Outubro, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Chuvas intensas no mês de setembro atrasaram a colheita de cana-de-açúcar nas principais

Leia mais

ESPAÇOS VERDES ECOJARDINAGEM TECNOLOGIAS DE ÁGUA

ESPAÇOS VERDES ECOJARDINAGEM TECNOLOGIAS DE ÁGUA ESPAÇOS VERDES ECOJARDINAGEM TECNOLOGIAS DE ÁGUA A SUBSTRATO e a ENGENHARIALÍQUIDA actuam nas áreas dos espaços verdes e tecnologias da água, numa perspectiva de eficiência e de conservação da natureza.

Leia mais

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Região do Douro 16 de NOVEMBRO DIA DA INOVAÇÃO, UTAD O QUE É INOVAÇÃO? *Uma inovação é a implementação de um produto

Leia mais

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Seminário Boas Práticas Agrícolas para a Biodiversidade Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Santarém 14.06.2013, João Madeira Estrutura da Apresentação 1. situação de partida (demografia,

Leia mais

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional 11 de Maio de 2012 Carlos Trindade (Agro.Ges (Agro Ges / E.S.A.Santarém) E S A Santarém) João Ribeiro (Coop. Moura e Barrancos) Mª Dolores Humanes (Cotecnisur)

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 1. Síntese

Leia mais

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS:

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: BLOCO 11 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: PROBLEMA 1 O empresário do Monte da Ribeira pretende realizar uma

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

IRRICAMPO solidez organização interna saúde económico-financeira segurança estabilidade IRRICAMPO

IRRICAMPO solidez organização interna saúde económico-financeira segurança estabilidade IRRICAMPO A IRRICAMPO tem participado activamente no espectacular crescimento do mercado nacional da rega automatizada e desde sempre que as prioridades são a solidez, a organização interna e a saúde económico-financeira,

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE 1.1 A água no solo; 1.2 Monitorização da água no solo; 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Maria Isabel Valín Sanjiao Ponte de Lima 16 Maio- 2012 isabelvalin@esa.ipvc.pt

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

- escolha do terreno - Clima - Infra estruturas - existência água

- escolha do terreno - Clima - Infra estruturas - existência água - escolha do terreno - Clima - Infra estruturas - existência água PRODER - FRAMBOESAS PROFISSIONALIZAÇÃO DO SECTOR ÍNDICE 1. Planeamento inicial antes de empreender 2. Planeamento financeiro 3. Preparação

Leia mais

Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos

Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA CENTRO DE ESTUDOS FLORESTAIS Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos Projecto MODNET, Tarefa 2 Lisboa, 2010 INDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA...

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

Divisão de Apoio à Produção

Divisão de Apoio à Produção PRODUÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA VERSUS PRODUÇÃO EM AGRICULTURA CONVENCIONAL CULTURAS PRIMAVERA - VERÃO ANO 4 2012 Divisão de Apoio à Produção Isabel Barrote Fernando Miranda Com a realização deste quarto

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

Principais Técnicas da Produção Agrícola

Principais Técnicas da Produção Agrícola 1 Principais Técnicas da Produção Agrícola Disciplina de Produção Agrícola Licenciatura em Engenharia Alimentar Escola Superior de Biotecnologia Universidade Católica Portuguesa Domingos Almeida Formação

Leia mais

Newsletter ANSEME. Janeiro de 2012 31-01-2012 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES

Newsletter ANSEME. Janeiro de 2012 31-01-2012 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES Newsletter ANSEME Janeiro de 2012 31-01-2012 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES Joana Lopes Aleixo Secretário-Geral A Direcção da ANSEME decidiu retomar a edição de Newsletters

Leia mais

A Importância da Meteorologia na Agricultura

A Importância da Meteorologia na Agricultura Jornadas Técnicas A Importância da Meteorologia na Agricultura Beja, 28 de Março de 2008 A importância da meteorologia no uso eficiente da água na agricultura 1 - Introdução Jorge Maia 1 Marta Santos 2

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais