AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013"

Transcrição

1 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 Aildson Pereira Duarte (IAC, Campinas) Luiz Gustavo Nussio (USP/ESALQ, Piracicaba) Solidete de F. Paziani (APTA, Pindorama) APTA Regional Centro Norte

2 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM ESALQ/IAC/APTA - Safra 2012/2013 Coordenação Solidete de F. Paziani APTA Centro Norte, Pindorama Programa Milho IAC/APTA Luiz Gustavo Nussio USP / ESALQ Departamento de Zootecnia Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas Programa Milho IAC/APTA Equipe Antonio Lucio M. Martins APTA Centro Norte, Pindorama Everton L. Finoto APTA Centro Norte, Pindorama Gustavo Pavan Mateus APTA Extremo Oeste, Andradina Paulo Boller Gallo APTA Nordeste Paulista, Mococa Rogério Soares de Freitas APTA Noroeste Paulista, Votuporanga Waldo A. R. L. Cabezas APTA Sudoeste Paulista, Tatuí Apoio Operacional Carlos César Alves José Carlos Pugliezi José Geraldo de Figueiredo José Maria Michailuc Julio Cesar Bevilaqua Nelson Osmar de F. Carrega Obede Pires Correa Rogério dos Santos Marques Ronaldo Eduardo da Silva Wilson Luiz Strada USP / ESALQ, Piracicaba APTA Médio Paranapanema, Assis APTA Nordeste Paulista, Mococa APTA Extremo Oeste, Andradina APTA Extremo Oeste, Andradina APTA Centro Norte, Pindorama APTA Sudoeste Paulista, Tatuí APTA Extremo Oeste, Andradina APTA Nordeste Paulista, Mococa APTA Noroeste Paulista, Votuporanga

3 LOCAIS DA EXPERIMENTAÇÃO Safra 2012/2013 Votuporanga Andradina Pindorama Mococa Tatuí

4 PLANO EXPERIMENTAL Delineamento Experimental Delineamento Experimental - Blocos ao acaso com 4 repetições -Delineamento Blocos ao acaso Experimental com 4 repetições -- Blocos 15 Cultivares ao acaso (Andradina, com 4 repetições Mococa, Tatuí, Votuporanga) - 15 Cultivares (Andradina, Mococa, Tatuí, Votuporanga) Cultivares - Pindorama - 10 Cultivares - Pindorama - - Andradina, Parcela experimental: Mococa, Pindorama,Tatuí, 6 linhas de 5 metros Votuporanga - - Parcela Parcela experimental: experimental: 6 linhas 6 linhas de de 5 metros 5 metros - Espaçamento: 0,80 0,90 m - -Espaçamento: 0,80 0,80 0,90 0,90 m m - - Linhas laterais: bordaduras (2) -Linhas laterais: bordaduras (2) (2) -- -Linhas centrais centrais (úteis): (úteis): 2 para 2 para silagem silagem e 2 e para 2 para grãos grãos Área Área Experimental Experimental Solo Solo representativo da região de Preparo Preparo de de solo: solo PD ou convencional do Instalação Instalação do do ensaio: ensaio: semi-mecanizado semi-mecanizado

5 PLANO EXPERIMENTAL Adubação de semeadura -Tabela IAC milho para silagem (Tabela 3) Adubação de cobertura (Tabela 3) Semeadura -Sementes tratadas com inseticida CropStar -Densidade: 2 sementes por cova = 25 plantas/5 m Desbaste plantas/ha

6 Plano Experimental Colheita para silagem - Parâmetros Agronômicos e Valor Nutritivo - Momento da colheita: Teor de MS ~ 35% ¼ linha de leite 1/2 linha de leite ¾ linha de leite

7 PLANO EXPERIMENTAL Parâmetros Agronômicos - Planta toda -População, Massa verde (MV) -Massa seca (MS) - 65 o C -Altura da planta e de espiga -Porcentagem de folhas verdes e secas - Fracionamento da planta/espiga Valor Nutritivo -Colmo e planta toda - coleta de espectros pelo NIRS -Estimativa de parâmetros por equações -Critério de decisão: DIVMO -PMS x DIVMO = MSDigestível/ha Colheita de grãos após maturidade

8 Parâmetros de Valor Nutritivo PB - Proteína bruta NFDA - Nitrogênio no FDA FDA - Fibra em detergente ácido FDN - Fibra em detergente neutro CEL - Celulose HEMI Hemicelulose Amido Amido DIVMO Digestibilidade in vitro da MO

9 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO SILAGEM ESALQ/IAC/APTA Safra 2012/13 Cultivar Empresa Tipo (1) Anos avaliados até 2012/13 número 1 AG 1051 Agroceres HD 9 2 Al Piratininga CATI V 9 3 IAC 8390 IAC HSs 6 4 2B688 Hx Dow HT 4 5 BM 3063 Biomatrix HT 3 6 2B604 Hx Dow HSm A91HX Morgan HSm 2 8 AG 8676 PRO Agroceres HS 2 9 AS 1573 YG Agroeste HS 2 10 DKB 340 PRO Dekalb HS 2 11 AG 5055 PRO Agroceres HT 1 12 AG 8088 PRO Agroceres HS 1 13 AS 1581 PRO Agroeste HS 1 14 AS 1633 PRO Agroeste HS 1 15 DKB 390PRO2 Dekalb HS 1 16 DKB 175 PRO Dekalb HS K90007PW Dow HS 1 18 SG 6030 YG Limagrain HS 1 (1) HS = híbrido simples, HSm = híbrido simples modificado, HT = híbrido triplo, HD = híbrido duplo, V = variedade, HSs = híbrido simples de sintético

10 Resultados Agronômicos

11 Tabela 1. Médias da massa e densidade dos grãos na maturidade em experimentos desenvolvidos no Estado de São Paulo na safra 2012/13 (1,3) Cultivar Massa 100 sementes Peso Volumétrico Grãos Boiantes (2) g g.l -1 % AS 1573 YG 34,1 f-h 770 j 73 a AG ,2 c-e 773 j 64 ab BM ,8 a-c 787 ij 52 a-c 2B688 Hx 33,9 f-h 786 ij 42 a-d SG 6030 YG 37,2 c-e 802 gi 39 b-e Al Piratininga 35,0 e-g 795 hi 30 c-f DKB 390PRO2 36,1 d-f 830 de 27 c-f 30A91HX 32,2 gh 818 eg 22 d-g 2B604 Hx 31,9 h 821 ef 20 d-h DKB 340 PRO 39,6 a-c 841 b-d 19 d-h IAC ,7 d-f 834 c-e 19 d-h 8K90007PW 32,8 gh 808 fh 17 e-h DKB 175 PRO 40,3 ab 819 e-g 16 e-h AS 1633 PRO 41,6 a 843 b-d 11 f-h AS 1581 PRO 33,9 f-h 835 c-e 10 f-h AG 5055 PRO 36,6 d-f 855 b 9 gh AG 8676 PRO 37,8 b-d 851 bc 7 gh AG 8088 PRO 33,9 f-h 874 a 5 h Média 36, C.V % 5,4 1,2 36,7 (1) Médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5%. (2) Dados transformados em raiz de (x + 0,5). (3) Andradina, Pindorama e Votuporanga

12 Tabela 2. Caracterização dos experimentos de milho para silagem desenvolvidos pela ESALQ/APTA na safra 2012/13 Local Altitude Solo Semeadura Manejo solo Adubação Colheita Silagem Produtividade (kg.ha -1 ) Ciclo m Data Espaç. População Histórico Método** Semeadura Cobertura Milho Silagem Grãos dias*** Tipo pl/ha kg ha -1 NPK kg ha -1 Fonte* Data MS Ensilagem Maturidade Mococa 665 Pva 07/11/12 0, pousio C Uréia 19/02/ Tatuí 610 LVd 06/11/12 0, pousio PD S.A. 18/02/ Pindorama 516 Nve 21/11/12 0, pousio C S.A. 22/02/ Votuporanga 480 Lve 03/12/12 0, pousio C S.A. 05/03/ Andradina 360 LV 14/12/12 0, pousio PD /03/ * S.A. = Sulfato de amônio ** Método de plantio: C = convencional; PD = plantio direto *** Número de dias da semeadura à colheita

13 Tabela 3. Valores médios dos parâmetros agronômicos do milho para silagem nos experimentos ESALQ/APTA na safra 2012/13. Local População Altura Massa Seca Produção de Massa g MS/planta Grãos na Grãos Planta Espiga Relativo Verde Seca Colmo Espigas Planta Espiga Ensil plantas.ha (cm)... % M. S.... kg ha % kg/ha Mococa Tatuí Pindorama Votuporanga Andradina

14 Tabela 4. Parâmetros agronômicos das cultivares de milho colhidas para silagem na safra 2012/13 em Andradina (SP). Cultivar População Altura Massa Seca Produção de Massa g MS/planta Grãos na Grãos Planta Espiga Relativo Verde Seca Colmo Espigas Planta Espiga Ensil 1 plantas.ha (cm)... % M. S.... kg ha % kg/ha AS 1581 PRO B604 Hx DKB 175 PRO AG 8088 PRO AG 8676 PRO AS 1573 PRO DKB 390PRO DKB 340 PRO K90007PW AS 1633 PRO B688 Hx A91HX BM SG 6030 YG AG 5055 PRO IAC Al Piratininga AG Média CV (%) 5,9 9,8 17,4 6,4 9,5 10,2 17,2 15,2 9,6 3,7 15,7 dms (Tukey a 5%) seco em estufa 2 dms = diferença mínima significativa

15 Tabela 5. Parâmetros agronômicos das cultivares de milho colhidas para silagem na safra 2012/13 em Mococa (SP). Cultivar População Altura Massa Seca Produção de Massa g MS/planta Grãos na Grãos Planta Espiga Relativo Verde Seca Colmo Espigas Planta Espiga Ensil 1 plantas.ha (cm)... % M. S.... kg ha % kg/ha AS 1581 PRO DKB 340 PRO AG 8088 PRO AS 1633 PRO B604 Hx K90007PW AG 8676 PRO DKB 175 PRO SG 6030 YG AG 5055 PRO A91HX DKB 390PRO B688 Hx AS 1573 PRO Al Piratininga IAC AG BM Média CV (%) 2,8 7,1 8,9 6,6 8,3 9,3 14,6 9,1 9,8 10,9 9,1 dms (Tukey a 5%) seco em estufa 2 dms = diferença mínima significativa

16 Tabela 6. Parâmetros agronômicos das cultivares de milho colhidas para silagem na safra 2012/13 em Pindorama (SP). Cultivar População Altura Massa Seca Produção de Massa g MS/planta Grãos na Grãos Planta Espiga Relativo Verde Seca Colmo Espigas Planta Espiga Ensil 1 plantas.ha (cm)... % M. S.... kg ha % kg/ha AS 1581 PRO DKB 175 PRO AS 1633 PRO DKB 340 PRO K90007PW DKB 390PRO SG 6030 YG A91HX AG 5055 PRO AG 8676 PRO AG 8088 PRO B604 Hx AG AS 1573 PRO IAC Al Piratininga B688 Hx BM Média CV (%) 1,9 4,1 12,8 4,0 8,30 8,30 10,8 12,1 8,5 5,4 13,9 dms (Tukey a 5%) seco em estufa 2 dms = diferença mínima significativa

17 Tabela 7. Parâmetros agronômicos das cultivares de milho colhidas para silagem na safra 2012/13 em Tatuí (SP). Cultivar População Altura Massa Seca Produção de Massa g MS/planta Grãos na Grãos Planta Espiga Relativo Verde Seca Colmo Espigas Planta Espiga Ensil 1 plantas.ha (cm)... % M. S.... kg ha % kg/ha IAC A91HX AS 1633 PRO DKB 340 PRO SG 6030 YG B688 Hx K90007PW DKB 175 PRO AG 5055 PRO AG BM AS 1581 PRO AG 8676 PRO AS 1573 PRO Al Piratininga B604 Hx AG 8088 PRO DKB 390PRO Média CV (%) 7,2 3,6 3,9 7,5 6,4 7,1 13,2 11,2 10,1 4,2 11,3 dms (Tukey a 5%) seco em estufa 2 dms = diferença mínima significativa

18 Toxicidade por fluor na cv DKB 390 PRO2 em Tatui

19 DKB 390 PRO2 em Tatui

20 Nota 1 = 0% de área foliar afetada Nota 9 = > 75% de área foliar afetada

21 Tabela 8. Parâmetros agronômicos das cultivares de milho colhidas para silagem na safra 2012/13 em Votuporanga (SP). Cultivar População Altura Massa Seca Produção de Massa g MS/planta Grãos na Grãos Planta Espiga Relativo Verde Seca Colmo Espigas Planta Espiga Ensil 1 plantas.ha (cm)... % M. S.... kg ha % kg/ha DKB 175 PRO DKB 340 PRO AS 1633 PRO K90007PW AG 8676 PRO SG 6030 YG A91HX B604 Hx AS 1581 PRO AS 1573 PRO AG 8088 PRO AG 5055 PRO AG IAC B688 Hx DKB 390PRO BM Al Piratininga Média CV (%) 3,9 4,4 6,0 8,9 7,5 10,0 10,4 12,5 9,6 4,8 14,8 dms (Tukey a 5%) seco em estufa 2 dms = diferença mínima significativa

22 Tabela 9. Caracteres agronômicos de cultivares de milho grão na maturidade avaliadas em Andradina /13 Cultivar Índice de Plantas (1) Floresc. População Produtividade* espigas Acam. Queb. d.a.s. (2) plantas ha -1 kg ha -1 AS 1581 PRO 1, B688 Hx 1, DKB 175 PRO 1, AG 8088 PRO 1, AG 5055 PRO 1, B604 Hx 1, A91HX 1, K90007PW 1, AS 1633 PRO 1, DKB 340 PRO 1, SG 6030 YG 0, AG 8676 PRO 0, AS 1573 PRO 1, IAC , DKB 390PRO2 1, BM , AG , Al Piratininga 0, Média 1, CV (%) 5,3 1,7 9,0 9,9 dms (Tukey a 5%)** 0,13 2, (1) Plantas acamadas e quebradas; (2) Dias após semeadura * Corrigida para 13% de umidade ** dms = diferença mínima significativa

23 Tabela 10. Caracteres agronômicos de cultivares de milho grão na maturidade avaliadas em Mococa /13 Cultivar Índice de Rend. de Plantas (1) Floresc. População Produti espigas espigas acam. queb. masculino vidade*... %... d.a.s. (2) plantas.ha -1 kg.ha -1 AS 1633 PRO 1, B688 Hx 1, K90007PW 1, DKB 175 PRO 1, DKB 340 PRO 1, A91HX 1, AS 1581 PRO 1, DKB 390PRO2 1, SG 6030 YG 1, AG 8088 PRO 1, AS 1573 PRO 1, AG 8676 PRO 1, B604 Hx 1, AG 5055 PRO 1, BM , AG , IAC , Al Piratininga 1, Média 1, CV (%) 9,5 4,9 7,5 10,0 dms (Tukey a 5%)** 0, (1) Plantas acamadas e quebradas; (2) Dias após semeadura * Corrigida para 13% de umidade ** dms = diferença mínima significativa

24 Tabela 11. Caracteres agronômicos de cultivares de milho grão na maturidade avaliados-pindorama-2012/13 Cultivar Índice de Rend. de Plantas (1) Floresc. População Produtiespigas espigas Acam. Queb. vidade*... %... d.a.s. (1) plantas ha -1 kg ha -1 DKB 175 PRO 1, DKB 390PRO2 1, DKB 340 PRO 1, AS 1573 PRO 1, AG 8088 PRO 1, AS 1633 PRO 1, B604 Hx 1, SG 6030 YG 1, B688 Hx 1, AG 8676 PRO 1, A91HX 0, AG 5055 PRO 1, AS 1581 PRO 1, K90007PW 1, AG , BM , IAC , Al Piratininga 0, Média 1, CV (%) 7,5 2,0 10,0 10,7 dms (Tukey a 5%) (2) 0, (1) Dias após semeadura (2) dms = diferença mínima significativa * Corrigida Teor para médio 13% de umidade. do grão em Pindorama 15%

25 AVALIAÇÃO DE GRÃOS NA MATURIDADE EM TATUÍ NÃO FOI AVALIADO

26 Tabela 13. Caracteres agronômicos de cultivares de milho na maturidade avaliadas em Votuporanga /13 Cultivar Índice de Rend. de Plantas (1) Floresc. População Produtiespigas espigas Acam. Queb. vidade*... %... d.a.s. (2) plantas ha -1 kg ha -1 8K90007PW 1, A91HX 1, DKB 175 PRO 1, AS 1581 PRO 1, AS 1633 PRO 1, AG 8088 PRO 1, SG 6030 YG 1, B604 Hx 1, AG 5055 PRO 1, AG 8676 PRO 1, B688 Hx 1, AS 1573 PRO 1, DKB 340 PRO 1, BM , IAC , DKB 390PRO2 1, AG , Al Piratininga 1, Média 1, CV (%) 4,5 1,5 1,1 4,5 7,4 dms (Tukey a 5%)** 0, (1) Plantas acamadas e quebradas; (2) Dias após semeadura * Corrigida para 13% de umidade ** dms = diferença mínima significativa

27 Resultados Qualidade Planta Toda

28 Tabela 14. Predição da composição química de planta de milho - Andradina (2012/2013) Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % AG 5055 PRO 8,4 5,2 29,7 48,5 24,3 18,8 26,7 62,7 DKB 340 PRO 8,5 5,3 29,4 47,2 23,5 17,8 27,3 62,7 AS 1633 PRO 8,3 6,2 31,2 49,2 24,8 18,0 26,1 61,9 AG ,4 6,2 32,0 50,3 25,4 18,3 26,1 61,0 2B604 Hx 8,3 5,4 29,1 47,0 23,2 17,9 26,7 61,1 AG 8676 PRO 8,3 5,7 30,0 48,7 24,5 18,7 25,3 60,1 IAC ,0 6,6 32,7 51,8 25,8 19,1 26,4 59,3 AG 8088 PRO 8,3 6,3 31,3 51,0 24,6 19,8 26,5 58,7 30A91HX 8,3 6,2 32,4 51,4 25,8 19,0 25,9 58,7 Al Piratininga 8,1 6,5 31,6 51,3 25,3 19,7 26,0 58,4 BM ,7 6,6 33,8 53,0 26,9 19,2 24,1 58,3 AS 1573 YG 8,6 6,4 31,8 52,0 25,3 20,2 25,1 57,6 2B688 Hx 8,7 6,6 31,6 51,8 25,1 20,2 23,1 57,5 AS 1581 PRO 8,4 7,6 33,5 53,4 26,7 19,9 24,8 57,1 DKB 175 PRO 8,5 7,4 32,2 52,7 25,5 20,5 25,0 56,2 SG 6030 YG 8,0 7,6 33,7 54,9 26,9 21,2 23,9 56,1 8K90007PW 8,5 8,2 30,7 52,5 24,3 21,9 25,5 55,6 DKB 390PRO2 8,8 7,3 32,8 54,4 25,9 21,6 23,4 54,7 Média 8,3 6,5 31,6 51,2 25,2 19,5 25,4 58,8 CV (%) 7,3 19,1 6,8 6,7 6,3 8,9 9,9 5,6 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

29 Tabela 15. Predição da composição química de planta de milho - Mococa (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % DKB 175 PRO 7,9 5,6 31,8 51,0 25,8 19,2 23,3 62,9 AS 1581 PRO 7,7 5,5 31,2 50,3 25,4 19,1 25,2 62,8 30A91HX 7,7 6,1 32,7 53,5 26,6 20,8 22,2 62,6 AG 8676 PRO 8,1 6,6 34,7 55,1 28,2 20,4 21,5 62,1 BM ,4 6,3 33,5 52,9 27,1 19,4 23,4 61,6 Al Piratininga 7,4 6,3 34,3 52,8 27,4 18,5 24,7 61,5 AG ,2 6,1 33,3 52,4 26,6 19,2 24,3 61,3 2B604 Hx 8,2 5,9 34,5 55,1 28,4 20,7 21,4 61,2 DKB 390PRO2 7,3 6,9 33,6 55,0 27,4 21,4 21,0 61,0 AS 1633 PRO 7,7 5,9 34,1 54,8 27,9 20,6 22,5 60,9 SG 6030 YG 8,4 6,1 35,6 57,0 29,0 21,4 21,3 60,7 AG 8088 PRO 7,5 6,3 34,3 55,0 28,2 20,7 22,6 60,6 AS 1573 YG 7,6 6,6 35,4 56,0 28,6 20,6 20,8 60,5 DKB 340 PRO 7,9 6,4 35,0 54,6 28,3 19,6 22,7 60,4 2B688 Hx 6,9 6,9 35,5 55,5 28,8 20,0 22,2 60,4 AG 5055 PRO 7,2 6,9 35,9 56,2 29,2 20,3 21,4 60,1 8K90007PW 7,7 6,1 33,9 55,0 27,9 21,1 21,8 60,0 IAC ,1 6,4 36,1 56,4 29,3 20,3 21,6 59,9 Média 7,6 6,3 34,2 54,4 27,8 20,2 22,4 61,1 CV (%) 8,8 13,3 6,9 6,4 6,7 8,1 12,8 3,0 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

30 Tabela 16. Predição da composição química de planta de milho Pindorama (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % BM ,1 5,0 24,9 48,1 22,0 23,2 26,4 64,1 IAC ,5 4,9 26,4 50,9 23,1 24,5 23,7 63,8 AG 5055 PRO 8,1 5,1 26,8 50,9 23,8 24,1 22,9 63,6 DKB 175 PRO 8,1 5,2 26,6 51,3 23,5 24,7 23,7 63,5 AS 1633 PRO 7,8 5,1 27,7 51,2 24,0 23,5 24,3 63,4 30A91HX 8,0 4,9 24,3 47,5 21,5 23,2 26,8 63,3 Al Piratininga 8,0 5,1 26,6 50,3 23,3 23,7 24,5 63,1 DKB 390PRO2 8,4 4,8 25,3 50,5 22,2 25,2 23,9 62,9 AG ,4 5,0 26,6 51,1 23,3 24,5 23,4 62,7 AS 1581 PRO 8,5 5,4 27,6 52,2 23,6 24,6 23,2 62,6 8K90007PW 8,1 5,5 26,3 50,9 23,4 24,6 23,9 62,6 SG 6030 YG 7,4 5,5 27,2 51,2 23,9 24,0 24,3 62,5 AG 8676 PRO 7,8 5,4 26,4 50,8 23,3 24,4 24,1 62,1 2B688 Hx 7,9 5,5 26,6 50,4 23,3 23,8 25,4 62,1 AG 8088 PRO 7,5 5,9 27,1 50,6 23,4 23,4 25,4 62,0 AS 1573 YG 8,0 5,4 26,8 50,6 23,3 23,7 25,1 61,9 2B604 Hx 7,8 5,7 28,1 53,7 24,8 25,6 21,3 61,3 DKB 340 PRO 8,1 5,4 27,0 52,0 23,7 25,0 24,8 60,7 Média 8,0 5,3 26,6 50,8 23,3 24,2 24,3 62,7 CV (%) 6,0 9,7 6,5 5,9 6,0 7,1 11,2 3,6 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

31 Tabela 17. Predição da composição química de planta de milho Tatuí (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % 2B688 Hx 6,5 6,2 30,7 48,4 24,9 17,7 27,9 59,6 2B604 Hx 7,0 6,4 34,5 53,4 27,7 18,9 24,9 59,2 AG 8088 PRO 6,6 7,3 36,7 54,1 29,2 17,4 23,2 58,3 30A91HX 7,2 6,9 32,7 51,9 26,0 19,2 24,0 57,7 AS 1573 YG 7,6 8,9 39,2 58,2 30,8 19,0 23,6 57,5 IAC ,7 7,0 32,4 50,6 25,4 18,1 21,8 57,4 AS 1633 PRO 7,3 7,3 38,6 57,3 30,4 18,7 21,7 57,1 AG 8676 PRO 7,1 6,8 35,1 53,2 28,2 18,1 21,6 57,0 DKB 340 PRO 6,8 8,5 40,2 59,7 32,0 19,5 22,5 56,7 SG 6030 YG 6,9 7,1 36,7 55,4 29,5 18,7 23,2 56,6 AS 1581 PRO 7,1 6,8 35,8 54,1 28,6 18,3 24,0 56,6 AG 5055 PRO 7,0 7,1 35,1 55,3 28,3 20,2 22,5 56,5 DKB 390PRO2 7,0 7,3 34,8 53,0 27,4 18,1 25,8 56,5 AG ,1 7,7 34,5 54,4 27,8 20,0 21,0 55,8 BM ,4 7,3 35,5 55,7 28,5 20,2 21,6 55,5 Al Piratininga 6,8 9,9 40,1 61,4 31,8 21,3 21,2 54,7 8K90007PW 7,3 8,1 38,0 58,2 30,2 20,2 22,5 54,6 DKB 175 PRO 6,5 8,2 40,1 61,8 31,9 21,7 20,9 53,5 Média 7,0 7,5 36,2 55,3 28,8 19,2 23,0 56,7 CV (%) 9,0 22,6 14,5 12,1 14,1 11,6 18,8 6,0 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

32 Tabela 18. Predição da composição química de planta de milho Votuporanga (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % SG 6030 YG 7,5 5,1 29,0 45,9 24,4 16,9 24,5 67,5 AS 1581 PRO 7,4 4,9 28,7 44,8 24,3 16,1 22,8 66,8 DKB 340 PRO 7,3 4,9 28,6 45,1 24,3 16,5 24,7 66,5 AS 1633 PRO 7,1 5,1 28,5 46,3 24,7 17,8 26,6 66,4 DKB 390PRO2 7,2 5,2 29,9 47,8 25,5 17,9 26,9 66,2 AG 8088 PRO 7,4 5,4 30,3 47,4 25,4 17,1 26,0 65,1 AS 1573 YG 7,1 5,3 30,5 47,6 25,8 17,1 27,6 65,0 IAC ,3 5,1 30,0 47,6 25,2 17,6 25,0 64,6 AG 8676 PRO 7,2 5,3 30,2 48,6 25,1 18,4 25,2 64,2 DKB 175 PRO 7,4 5,7 32,8 51,4 27,8 18,6 25,0 63,8 BM ,5 5,4 30,3 48,2 25,3 18,0 26,8 63,8 AG 5055 PRO 7,2 5,2 31,1 48,2 26,2 17,2 24,7 63,6 Al Piratininga 7,0 5,6 31,0 48,4 25,9 17,4 24,2 63,3 AG ,9 6,6 34,9 53,2 28,6 18,3 26,9 62,1 2B688 Hx 7,7 5,7 32,9 52,6 27,3 19,7 24,0 62,1 30A91HX 7,3 5,8 32,3 51,3 27,5 19,0 27,2 61,9 2B604 Hx 7,4 5,7 30,4 48,8 25,6 18,4 23,8 61,7 8K90007PW 6,9 6,5 34,0 53,4 27,9 19,5 25,0 59,6 Média 7,3 5,5 30,8 48,7 25,9 17,9 25,4 64,1 CV (%) 9,9 17,6 13,6 11,8 12,9 12,4 14,7 6,3 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

33 Resultados Qualidade Colmo

34 Tabela 19. Predição da composição química de colmo de milho Andradina (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % DKB 340 PRO 5,5 9,6 49,2 71,1 40,2 21,9 5,3 48,2 AG 5055 PRO 4,6 9,2 46,8 70,2 39,1 23,4 5,4 48,0 AS 1633 PRO 5,9 9,9 49,6 70,7 40,9 21,1 6,0 47,9 AG 8088 PRO 5,3 9,7 50,0 71,8 41,1 21,9 5,5 47,7 BM ,9 10,0 48,8 70,8 40,6 21,9 5,3 47,5 AG ,5 9,6 48,5 71,5 40,3 23,0 5,5 47,5 IAC ,3 10,4 49,4 71,8 40,8 22,4 5,7 47,0 2B688 Hx 5,1 10,1 49,6 72,0 41,1 22,4 5,0 46,9 Al Piratininga 5,0 10,1 48,7 71,1 40,5 22,5 5,2 46,8 SG 6030 YG 5,4 9,8 49,4 73,1 41,2 23,6 5,3 46,7 AS 1573 YG 5,4 9,6 48,4 71,8 40,7 23,5 5,7 46,3 AG 8676 PRO 5,3 9,6 48,4 71,2 40,3 22,8 6,1 46,1 30A91HX 5,9 9,8 49,5 72,2 41,3 22,8 5,0 45,8 AS 1581 PRO 5,8 10,0 52,8 75,0 43,4 22,1 3,9 45,8 DKB 390PRO2 4,6 10,4 50,6 73,7 41,8 23,1 5,9 44,3 DKB 175 PRO 4,9 10,0 51,0 74,5 41,9 23,5 5,2 44,3 2B604 Hx 4,6 10,8 51,6 74,7 42,8 23,1 4,4 43,9 8K90007PW 4,8 11,0 53,3 77,1 44,3 23,8 4,3 43,2 Média 5,2 10,0 49,8 72,5 41,2 22,7 5,3 46,3 CV (%) 12,4 10,2 7,9 5,8 7,2 5,7 22,9 7,6 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

35 Tabela 20. Predição da composição química de colmo de milho - Mococa (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % DKB 340 PRO 4,3 9,9 47,5 67,4 39,6 19,9 6,8 52,4 SG 6030 YG 3,8 10,5 46,7 66,6 38,8 20,0 7,0 52,4 AG 8676 PRO 4,2 9,8 48,2 67,3 39,5 19,2 5,8 52,1 2B688 Hx 3,8 9,9 46,5 66,0 38,4 19,6 7,2 51,8 DKB 175 PRO 4,0 9,5 47,2 66,7 39,5 19,6 6,3 51,7 30A91HX 4,1 9,6 47,7 66,7 39,4 19,0 6,5 51,7 AS 1573 YG 3,6 9,8 47,6 67,0 39,4 19,4 6,9 51,2 BM ,9 10,3 48,0 68,1 39,6 20,0 7,0 51,1 IAC ,8 9,9 48,6 68,7 40,6 20,2 6,3 50,9 AG 8088 PRO 3,8 10,7 48,5 69,6 40,6 21,1 6,8 50,3 DKB 390PRO2 3,5 10,0 47,7 68,6 39,3 20,9 6,4 49,9 2B604 Hx 4,2 9,8 48,1 69,3 39,9 21,2 7,0 49,8 8K90007PW 3,9 10,0 47,7 67,7 39,6 19,9 7,2 49,5 Al Piratininga 4,1 10,1 51,0 70,8 41,7 19,8 5,3 49,4 AG 5055 PRO 4,1 9,8 50,4 70,5 41,8 20,1 5,1 49,3 AG ,4 10,2 48,4 68,6 39,6 20,2 6,5 49,2 AS 1581 PRO 4,0 10,7 50,6 70,7 41,6 20,1 4,8 48,7 AS 1633 PRO 4,0 10,3 50,1 71,0 41,1 20,9 6,2 46,9 Média 3,9 10,0 48,4 68,4 40,0 20,0 6,4 50,5 CV (%) 10,8 5,0 6,7 5,3 5,7 8,3 20,8 5,7 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

36 Tabela 21. Predição da composição química de colmo de milho Pindorama (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % 8K90007PW 3,1 9,8 43,0 65,7 36,3 22,7 6,7 51,6 AS 1633 PRO 3,1 10,4 45,8 67,5 37,3 21,7 8,0 50,8 AG ,2 10,6 45,4 68,1 37,6 22,8 7,0 50,1 DKB 390PRO2 3,5 11,3 46,4 68,1 37,9 21,7 7,9 49,9 SG 6030 YG 3,2 11,2 45,1 68,3 37,7 23,2 7,1 49,9 AG 5055 PRO 3,6 10,2 46,2 69,0 38,8 22,7 5,7 49,8 2B604 Hx 3,1 10,1 46,3 69,4 38,9 23,0 7,0 49,6 DKB 340 PRO 3,2 10,8 46,8 70,1 39,1 23,3 6,6 49,4 BM ,5 10,0 46,6 69,7 39,4 23,1 7,4 49,3 DKB 175 PRO 3,2 10,7 46,0 69,4 38,5 23,4 7,0 49,2 IAC ,9 9,8 45,6 67,9 37,3 22,2 8,2 48,9 AG 8676 PRO 3,5 10,9 46,4 69,2 38,2 22,9 6,4 48,7 AG 8088 PRO 3,2 10,4 46,7 69,6 38,7 22,9 6,7 48,0 Al Piratininga 4,0 9,8 48,5 70,5 40,0 22,0 5,7 47,8 AS 1581 PRO 3,3 11,4 46,6 69,5 37,6 22,9 6,8 47,8 AS 1573 YG 3,5 10,5 49,2 71,9 41,1 22,7 5,4 47,1 30A91HX 3,5 11,5 47,1 70,5 38,8 23,4 6,3 47,0 2B688 Hx 3,5 10,4 49,6 72,4 41,3 22,8 6,2 46,7 Média 3,5 10,6 46,5 69,3 38,6 22,7 6,8 49,0 CV (%) 13,4 9,1 6,0 4,5 5,7 5,6 19,8 5,3 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

37 Tabela 22. Predição da composição química de colmo de milho Tatuí (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % DKB 340 PRO 4,3 10,0 59,3 76,5 48,2 17,2 3,2 46,2 AG 8088 PRO 3,8 9,5 57,1 74,3 46,8 17,2 3,4 46,0 AS 1633 PRO 4,2 9,7 53,3 73,0 43,7 19,7 3,9 45,5 2B604 Hx 3,8 9,5 53,7 74,5 44,3 20,8 3,6 44,4 DKB 175 PRO 3,6 10,0 53,3 74,5 43,8 21,2 3,2 43,8 AS 1573 YG 4,4 10,2 58,7 75,5 47,3 16,9 3,4 43,5 AS 1581 PRO 3,7 9,9 53,8 74,3 44,5 20,5 3,1 43,5 BM ,5 9,9 54,2 74,2 44,7 20,1 3,7 43,1 AG 5055 PRO 3,4 10,6 51,6 74,2 42,9 22,5 3,5 43,0 8K90007PW 3,9 10,7 55,5 73,5 45,6 18,0 3,3 42,8 Al Piratininga 4,1 11,1 55,5 75,3 45,0 19,8 3,7 42,3 2B688 Hx 3,5 10,2 53,6 75,7 44,0 22,1 3,4 41,7 AG ,5 10,4 54,4 76,4 44,8 22,0 3,8 41,6 SG 6030 YG 4,3 12,0 57,7 77,7 46,9 20,0 3,5 41,5 AG 8676 PRO 4,0 10,6 54,3 74,4 45,0 20,2 3,7 40,8 30A91HX 4,0 11,0 54,3 75,5 44,2 21,1 3,2 40,1 IAC ,2 11,4 56,2 76,4 45,6 20,3 3,0 39,8 DKB 390PRO2 3,8 11,3 57,3 77,8 46,7 20,5 2,8 39,4 Média 3,9 10,5 55,2 75,2 45,2 20,0 3,4 42,7 CV (%) 15,9 7,9 8,7 3,4 7,2 19,4 27,9 6,5 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

38 Tabela 23. Predição da composição química de colmo de milho - Votuporanga (2012/2013). Cultivar PB NFDA FDA FDN CEL HEMI Amido DVIVMO % % % % % % % % BM ,7 9,3 49,6 67,6 42,7 18,0 5,0 55,1 AG 8676 PRO 3,7 10,9 51,4 70,9 43,7 19,6 6,1 53,7 30A91HX 3,6 10,7 51,1 68,9 43,9 17,8 4,6 53,6 AS 1573 YG 4,0 10,0 49,8 68,5 42,6 18,6 6,2 53,6 AG ,8 11,2 49,3 67,8 40,8 18,5 5,5 52,5 AG 5055 PRO 3,5 9,5 52,7 72,3 45,9 19,6 4,6 52,2 AS 1633 PRO 3,3 10,3 53,8 73,8 46,5 20,0 3,6 52,1 SG 6030 YG 3,6 10,6 54,0 72,0 45,2 18,0 4,4 51,9 Al Piratininga 3,1 10,2 51,2 69,6 43,6 18,5 5,1 51,7 AS 1581 PRO 3,5 10,5 54,3 73,9 46,2 19,6 4,0 50,9 8K90007PW 3,4 10,6 51,1 69,3 42,4 18,2 4,9 50,9 DKB 390PRO2 3,3 10,9 53,5 73,6 46,0 20,1 4,6 50,7 2B688 Hx 3,7 10,3 50,7 71,0 43,0 20,3 5,7 50,4 DKB 340 PRO 3,4 9,7 53,4 72,8 45,6 19,4 4,1 50,4 IAC ,4 10,0 52,2 71,3 44,6 19,1 4,6 50,0 AG 8088 PRO 3,8 10,2 53,8 73,5 45,4 19,7 4,2 49,0 DKB 175 PRO 3,4 11,0 53,7 73,9 44,9 20,3 4,8 48,8 2B604 Hx 3,5 10,5 53,3 72,1 44,1 18,8 4,0 48,4 Média 3,5 10,3 52,2 71,3 44,3 19,1 4,8 51,5 CV (%) 17,3 11,1 7,8 6,7 7,5 8,7 34,6 8,6 dms (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa

39 VALORES MÉDIOS

40 Tabela 24. Valor Nutritivo da planta de milho no Estado de São Tabela 25. Valor Nutritivo do colmo de milho no Estado de São Paulo, safra 2012/13 Paulo, safra 2012/13 Cultivar PB FDN FDA DVIVMO Cultivar PB FDN FDA DVIVMO % % % % % % % % AS 1633 PRO 7,7 51,8 32,6 61,9 DKB 340 PRO 4,1 71,8 51,2 49,3 DKB 340 PRO 7,8 51,7 32,1 61,4 BM ,9 70,4 49,5 49,2 AG 5055 PRO 7,6 51,8 31,7 61,3 AS 1633 PRO 4,1 71,3 50,5 48,6 AS 1581 PRO 7,9 51,0 31,4 61,2 AG 5055 PRO 4,0 71,2 49,6 48,5 AG 8676 PRO 7,8 51,3 31,3 61,1 SG 6030 YG 4,1 71,6 50,6 48,5 2B604 Hx 7,7 51,6 31,3 61,0 AS 1573 YG 4,3 71,4 50,7 48,4 IAC ,7 51,5 31,5 61,0 AG 8676 PRO 4,1 71,2 49,7 48,3 AG 8088 PRO 7,5 51,6 31,9 60,9 AG ,1 70,5 49,2 48,2 30A91HX 7,8 51,1 30,9 60,8 AG 8088 PRO 3,9 72,2 51,2 48,2 BM ,4 51,6 31,6 60,7 30A91HX 4,2 70,9 49,9 47,6 SG 6030 YG 7,6 52,9 32,5 60,7 Al Piratininga 4,1 71,7 50,9 47,6 AG ,6 52,3 32,2 60,6 DKB 175 PRO 3,8 71,8 50,2 47,6 AS 1573 YG 7,8 52,9 32,8 60,5 8K90007PW 3,8 71,3 50,1 47,6 2B688 Hx 7,5 51,7 31,5 60,3 2B688 Hx 3,9 71,4 50,0 47,5 DKB 390PRO2 7,9 52,1 31,3 60,3 IAC ,1 71,5 50,4 47,3 Al Piratininga 7,5 52,9 32,7 60,2 AS 1581 PRO 4,1 72,7 51,6 47,3 DKB 175 PRO 7,7 53,7 32,7 60,0 2B604 Hx 3,9 72,0 50,6 47,2 8K90007PW 7,8 54,0 32,6 58,5 DKB 390PRO2 3,8 72,5 51,1 46,9 Média 7,7 52,1 31,9 60,7 Média 4,0 71,5 50,4 47,9 cv (%) 11,1 10,4 15,2 6,9 cv (%) 22,8 6,7 9,6 9,6 dms (Tukey 5%)* 0,9 6,0 5,4 4,7 dms (Tukey 5%)* 1,0 5,3 5,4 5,1 * dms = diferença mínima significativa * dms = diferença mínima significativa

41 Conclusões

42 Tabela 26. Produção de matéria seca digestível de milho por hectare (kg/ha), safra 2012/13 Andradina Mococa Pindorama Tatui Cultivar PMSDig/há Cultivar PMSDig/há Cultivar PMSDig/há Cultivar PMSDig/há Cultivar PMSDig/há 2B604 Hx AS 1581 PRO AS 1581 PRO IAC DKB 175 PRO AS 1581 PRO DKB 340 PRO DKB 175 PRO B688 Hx DKB 340 PRO AG 8676 PRO AG 8088 PRO AS 1633 PRO A91HX AS 1633 PRO DKB 340 PRO AS 1633 PRO DKB 390PRO AS 1633 PRO SG 6030 YG AG 8088 PRO AG 8676 PRO K90007PW DKB 340 PRO AG 8676 PRO AS 1633 PRO B604 Hx DKB 340 PRO SG 6030 YG AS 1581 PRO DKB 175 PRO DKB 175 PRO A91HX AG 5055 PRO AG 8088 PRO AS 1573 YG K90007PW AG 5055 PRO K90007PW AS 1573 YG AG 5055 PRO A91HX SG 6030 YG AG K90007PW K90007PW SG 6030 YG AG 8676 PRO DKB 175 PRO A91HX DKB 390PRO DKB 390PRO AG 8088 PRO AG 8676 PRO AG 5055 PRO B688 Hx AG 5055 PRO AG AS 1581 PRO IAC A91HX B688 Hx B604 Hx BM B604 Hx BM Al Piratininga AS 1573 YG B604 Hx AG IAC AS 1573 YG IAC AS 1573 YG DKB 390PRO AG IAC Al Piratininga AG 8088 PRO B688 Hx Al Piratininga AG BM Al Piratininga BM SG 6030 YG BM B688 Hx DKB 390PRO Al Piratininga Média Média Média Média Média CV (%) 11,2 CV (%) 9,28 CV (%) 9,10 CV (%) 9,3 CV (%) 12,2 DMS DMS DMS DMS DMS (Tukey a 5%)* (Tukey a 5%)* (Tukey a 5%)* (Tukey a 5%)* (Tukey a 5%)* * dms = diferença mínima significativa Votuporanga

43 SECRETARIA DE AGRICULTURA, E ABASTECIMENTO AGRADECIMENTOS Empresas participantes FUNDAG Departamento de Zootecnia - USP/ESALQ Unidades APTA: IAC, Andradina, Mococa, Tatuí, Pindorama, Votuporanga

44 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO Obrigada!

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14. Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA REUNIÃO TÉCNICA SOBRE A CULTURA DO MILHO CAMPINAS - Junho 2014 Resultados da Avaliação de Cultivares de Milho IAC/APTA/CATI/Empresas Safra de Verão 2013/14 Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA

Leia mais

CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM

CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM Solidete de Fátima Paziani, Pólo APTA Centro Norte, Pindorama/SP Aildson Pereira Duarte, Programa Milho IAC/APTA, Assis/SP Luiz Gustavo Nussio, USP/ESALQ, Piracicaba/SP

Leia mais

Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem

Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem Avaliação de diferentes híbridos de milho com aptidão para silagem Renato SOARES OLIVEIRA¹; Antônio Augusto ROCHA ATHAYDE²; Felipe EVANGELISTA PIMENTEL 3 ; Fabíola Adriane CARDOSO SANTOS 4 1 Estudante

Leia mais

AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS. Resultados 2014/2015

AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS. Resultados 2014/2015 AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS Resultados 2014/2015 Instituto Agronômico - IAC Campinas (SP), 18/06/2015 INSTITUIÇÕES E EMPRESAS PARTICIPANTES Secretaria

Leia mais

AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS. Resultados 2014

AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS. Resultados 2014 AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS Resultados 2014 APTA - Pólo Regional do Médio Paranapanema Assis (SP), 23/10/2014 RESPONSÁVEIS E EQUIPE

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS. Resultados 2015

AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS. Resultados 2015 AVALIAÇÃO REGIONAL DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO ESTADO DE SÃO PAULO IAC/APTA/CATI/EMPRESAS Resultados 2015 APTA - Pólo Regional do Médio Paranapanema Assis (SP), 05/11/2015 EQUIPE TÉCNICA COORDENAÇÃO

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas no Progresso da Ferrugem Comum em Híbridos Comerciais de Milho Murilo Viotto Del Conte²,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM 19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT OBJETIVO O objetivo neste trabalho foi avaliar a reação as principais doenças da cultura

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense

Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense 228 ISSN 0104-7647 Dezembro, 2011 Teresina, PI Foto: Milton José Cardoso Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense Milton José Cardoso 1 Hélio Wilson

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Controle Químico da Mancha Branca na Cultura do Milho José Luiz de Andrade Rezende Pereira¹, Juliana Uzan ²,Elisa

Leia mais

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max)

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) Autor(es): Apresentador: Rodrigo Ciotti Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOTTA, Marcelo;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho de Híbridos Simples de Milho no Estado do Maranhão na Safra de 2010 1 Cinthia Souza Rodrigues 1, Hélio

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL ISBN 978-85-609-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 0 de outubro de 009 EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL Ricardo Gava ;

Leia mais

SORGO FORRAGEIRO : OPÇÃO CERTA PARA O SEMI-ÁRIDO JOSE AVELINO SANTOS RODRIGUES EMBRAPA MILHO E SORGO

SORGO FORRAGEIRO : OPÇÃO CERTA PARA O SEMI-ÁRIDO JOSE AVELINO SANTOS RODRIGUES EMBRAPA MILHO E SORGO SORGO FORRAGEIRO : OPÇÃO CERTA PARA O SEMI-ÁRIDO JOSE AVELINO SANTOS RODRIGUES EMBRAPA MILHO E SORGO Introdução Vocação Forrageira do Sorgo Rações Ruminantes Grãos Rações Monogástricos Alimentação humana

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Produtividade, composição morfológica e valor nutritivo de cultivares de milho (Zea mays L.) para produção de silagem sob os efeitos

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

PLANTAS DE COBERTURA NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

PLANTAS DE COBERTURA NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS PLANTAS DE COBERTURA NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Wander Luis Barbosa Borges Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Noroeste Paulista/APTA wanderborges@apta.sp.gov.br Rogério Soares de Freitas Eng. Agr.,

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Distância Entre as Linhas da Cultura e o Renque de Eucalipto Sobre o Rendimento de Grãos e Forragem do

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO A ADUBOS VERDES NO PLANTIO DIRETO

AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO A ADUBOS VERDES NO PLANTIO DIRETO AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO A ADUBOS VERDES NO PLANTIO DIRETO Leandro Sechim de Oliveira (1), Arejacy Antonio Sobral Silva (2), Maria José do Amaral e Paiva (3), Welington

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente Marcio Pelegrini Engenheiro Agrônomo, Ms. Tecnologia de Sementes. Consultor de silagem da Santa Helena Sementes. 1 Os avanços tecnológicos cada vez mais presentes

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patos de Minas

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patos de Minas Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patos de Minas José Humberto dos Santos Junior (1), Leonardo de Oliveira

Leia mais

Avaliação de cultivares de milho para silagem: resultados do ano agrícola 2004/2005

Avaliação de cultivares de milho para silagem: resultados do ano agrícola 2004/2005 ISSN 1517-4816 Avaliação de cultivares de milho para silagem: resultados do ano agrícola 2004/2005 87 Apresentação No Brasil, o milho é a gramínea mais usada para produção de silagem em virtude de: facilidade

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923 Página 923 DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA E CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DO ALGODOEIRO EM SEMEADURA DIRETA Carlos Eduardo Rosa 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; Samuel Ferrari 3 ; Ana Paula Portugal

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Gessi Ceccon 1, Leonardo M. P. Rocha 2, Islaine C. Fonseca 3, Antonio L. N. Neto 3 e Rodrigo C. Sereia 4 1 Embrapa Agropecuária Oeste,

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

OCORRÊNCIA DA MOSCA-DA-ESPIGA EM DIFERENTES HÍBRIDOS DE MILHO

OCORRÊNCIA DA MOSCA-DA-ESPIGA EM DIFERENTES HÍBRIDOS DE MILHO OCORRÊNCIA DA MOSCA-DA-ESPIGA EM DIFERENTES HÍBRIDOS DE MILHO Marcos Doniseti Michelotto (1), Aildson Duarte Pereira (2), Rogério Soares de Freitas (3), Melina Zacarelli Pirotta (4), Tamiris Marion de

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Protocolo nº005 /2012 FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO 1. Instruções 1 Deverá ser entregue 1 (uma) cópia impressa e 1 (uma) cópia via e-mail (na extensão.doc), encaminhados para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira % 60 50 40 30 20 10 0 Prof. Thiago Bernardes DZO/UFLA Ciclo de Palestras em Bovinocultura de Leite e Corte Terra Jr Consultoria 31 de Janeiro de 2013 Utilização

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

DESEMPENHO DE OITO CULTIVARES DE MILHO VERDE NA SAFRINHA, NO ESTADO DE SÃO PAULO

DESEMPENHO DE OITO CULTIVARES DE MILHO VERDE NA SAFRINHA, NO ESTADO DE SÃO PAULO DESEMPENHO DE OITO CULTIVARES DE MILHO VERDE NA SAFRINHA, NO ESTADO DE SÃO PAULO ANDREA ROCHA ALMEIDA DE MORAES 1, EDISON ULISSES RAMOS JUNIOR 2, PAULO BOLLER GALLO 3, MARIA ELISA AYRES GUIDETTI ZAGATTO

Leia mais

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Gerson Sander 1, Antonio Carlos Torres da Costa 2, Jose Barbosa Junior Duarte 3 1 Eng. Agrôn., Mestrando

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO)

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) Miguel Marques Gontijo Neto (1), André May (1), Álisson Vanin (2), Alexandre Ferreira da Silva (1), Eduardo de

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Adelina Azevedo BOTELHO ( 1 ); Wander Luis Barbosa BORGES ( 1 ); Rogério Soares de

Leia mais

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO Jackson Silva e Oliveira 1, Emerson José Dornelas de Almeida 2, Fausto de Souza Sobrinho 3, Éder Cristian Malta de Lanes 4, Sarita Gonçalves

Leia mais

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO Christina Dudienas Instituto Agronômico (IAC) ESTADO DE SÃO PAULO Safra 2011/2012 DOENÇAS Ferrugem comum Manchas Foliares Phaeophaeria Diplódia Cercospora Turcicum

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DE HERBICIDAS PÓS- EMERGENTES UTILIZADOS NA CULTURA DA SOJA SOBRE O MILHO SAFRINHA

EFEITO RESIDUAL DE HERBICIDAS PÓS- EMERGENTES UTILIZADOS NA CULTURA DA SOJA SOBRE O MILHO SAFRINHA EFEITO RESIDUAL DE HERBICIDAS PÓS- EMERGENTES UTILIZADOS NA CULTURA DA SOJA SOBRE O MILHO SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Lilian Gomes de Moraes Dan 2, Alberto Leão de Lemos Barroso 3, Antonio Mendes de

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

EFEITO DE DOSES DE NITROGÊNIO E MOLIBDÊNIO NA PRODUTIVIDADE DO MILHO HÍBRIDO EM CAMPO GRANDE-MS

EFEITO DE DOSES DE NITROGÊNIO E MOLIBDÊNIO NA PRODUTIVIDADE DO MILHO HÍBRIDO EM CAMPO GRANDE-MS Artigo Completo Campo Digit@l: Rev. Ciências Exatas e da Terra e Ciências Agrárias, v. 9, n. 2, p. 37-44, dez, 2014 ISSN:1981-092X EFEITO DE DOSES DE NITROGÊNIO E MOLIBDÊNIO NA PRODUTIVIDADE DO MILHO HÍBRIDO

Leia mais

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO GOMES, Onélio Marcos Teston Acadêmico do curso de Engenharia Agronômica da FAEF-Garça-SP nelio_agro@ibest.com.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato R elato de Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável Meneguetti, Gilmar Antônio* Girardi, Jordano Luís** Reginatto, João Carlos*** 1. Introdução Afirmar que o uso de variedades crioulas ou melhoradas

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Componentes de Produção de Seis Cultivares de Milho na Região de Pompéia - SP. Elvio Brasil Pinotti 1, Silvio José

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA

Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA Renato Barbosa Camargos 1, Amanda

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

Comunicado Técnico. Plantio de milho para silagem. Introdução. João Eustáquio Cabral de Miranda 1 Humberto Resende 2 José de Oliveira Valente 3

Comunicado Técnico. Plantio de milho para silagem. Introdução. João Eustáquio Cabral de Miranda 1 Humberto Resende 2 José de Oliveira Valente 3 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comunicado Técnico Dezembro, 27 ISSN 1678-3131 Juiz de Fora, MG 2002 Plantio de milho para silagem João Eustáquio Cabral de Miranda 1 Humberto Resende

Leia mais

por meio do uso sustentável de pastagens tropicais

por meio do uso sustentável de pastagens tropicais Intensificação da produção animal por meio do uso sustentável de pastagens tropicais Sila Carneiro da Silva Departamento de Zootecnia E.S.A. Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo (USP) Introdução *

Leia mais

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 STROJAKI, T. V. 2 ; MORAES, M. T. 2 ; ARNUTI, F. 2 ; TREVISOL, G. 2 ; JANDREY, W. F. 2 ; CANCIAN, L. C. 2 ; PESSOTTO, P. P. 2 ; SILVA, V. R. da 3

Leia mais

PRODUÇÃO DE SILAGEM DE HÍBRIDOS DE MILHO E SORGO SEM NITROGÊNIO DE COBERTURA EM SAFRA DE VERÃO 1

PRODUÇÃO DE SILAGEM DE HÍBRIDOS DE MILHO E SORGO SEM NITROGÊNIO DE COBERTURA EM SAFRA DE VERÃO 1 PRODUÇÃO DE SILAGEM DE HÍBRIDOS DE MILHO E SORGO SEM NITROGÊNIO DE COBERTURA EM SAFRA DE VERÃO 1 Roni Fernandes Guareschi 2, Rafaella Belchior Brasil 2, Adriano Perin 2, Jessika Mara Martins Ribeiro 2

Leia mais

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM 20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de híbridos de milho em segunda

Leia mais

Posicionamento de Cultivares Convencionais

Posicionamento de Cultivares Convencionais DIA DE CAMPO SOBRE MILHO CATI -MANDURI - 15/03/2017 Posicionamento de Cultivares Convencionais e Diferenças de Manejo em Relação às Transgênicas Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA Milho Safrinha

Leia mais

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE V Seminário de Agricultura de Precisão Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 9

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO E DE SORGO PARA SILAGEM

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO E DE SORGO PARA SILAGEM AVALIAÇÃO D CULTIVARS D MILHO D SORGO PARA SILAGM. Antônio Carlos Viana(1); João ustáquio Cabral de Miranda (1); José Carlos Cruz (1); José de Oliveira Valente (2) & José Joaquim Ferreira (3), (1) - mbrapa

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO Introdução SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Alessandro Aparecido Lopes (3), Cleverson

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais