CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ"

Transcrição

1 CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

2 Definição x Conceito A palavra CONCEITO tem vários significados ou sinônimos Conceito = ideia, opinião, ponto de vista

3 Definição Germinação é um processo constituído por uma sequência ordenada de eventos metabólicos que resulta no reinício do desenvolvimento do embrião, originando uma plântula

4 Conceito Biologia: Germinação... que resulta no reinício do desenvolvimento do embrião, culminando com a protrusão da raiz primária Tecnologia de Sementes: Germinação... que resulta no reinício do desenvolvimento do embrião, originando uma plântula normal

5 Qualidade de sementes Conjunto de características que determinam o valor para a semeadura ou o potencial de desempenho de um lote de sementes Genético Fisiológico Físico Sanidade

6 OS ATRIBUTOS TÊM IMPORTÂNCIA EQUIVALENTE?

7 Padrão de Sementes Soja Parâmetros S. Básica S. Cert 1 S. Cert.2 S1 S. Puras (% mínima) S. outras espécies cultivadas (N o máx.) zero zero 1 2 Sementes silvestres (N o máximo) zero S. nocivas toleradas (N o máximo) zero S. nocivas proibidas zero zero zero zero S. outros cv. (Número máximo) Germinação (% mín.) Validade T. Germ. (máxima) 6 meses 6 meses 6 meses 6 meses

8 Componente Fisiológico da Qualidade: atenção especial da pesquisa produtor rural primeiro impacto ocorre no estabelecimento do estande IMPORTANTE BALISADOR DA EFICIÊNCIA E CREDIBILIDADE DA EMPRESA DE SEMENTES

9 POTENCIAL FISIOLÓGICO Potencial de desempenho deve considerar a capacidade das sementes originarem plântulas normais, a velocidade de emergência e de crescimento das plântulas em campo e o potencial de armazenamento (Hampton & TeKrony, 1995)

10 POTENCIAL FISIOLÓGICO Avaliação, em laboratório, da capacidade de germinação e identificação de amostras de sementes com maior probabilidade de apresentar desempenho eficiente em campo, durante o transporte e o armazenamento

11 POTENCIAL FISIOLÓGICO Informações obtidas em laboratório permitem comparar o potencial fisiológico das amostras examinadas Comportamento das sementes em campo ou durante o armazenamento permite constatar até que ponto se manifestou o potencial comparativo identificado em laboratório e a eficiência dos procedimentos utilizados para avaliá-lo

12 Auge do potencial fisiológico Maturidade Sementes maduras não conseguem preservar indefinidamente sua viabilidade: como todos os seres vivos, envelhecem e morrem A partir da maturidade Deterioração

13 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO REDUÇÃO DA VELOCIDADE DE GERMINAÇÃO DECLÍNIO DA VELOCIDADE DE CRESCIMENTO DESUNIFORMIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE PLÂNTULAS Fonte: Denise Dias

14 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO REDUÇÃO DA PORCENTAGEM DE EMERGÊNCIA DE PLÂNTULAS EM CAMPO Fonte: Denise Dias

15 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO REDUÇÃO DA RESISTÊNCIA À AÇÃO DE MICRORGANISMOS Fonte: Denise Dias

16 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO MENOR RESISTÊNCIA A ESTRESSES DO AMBIENTE DURANTE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DA PLÂNTULA REDUÇÃO DO POTENCIAL DE ARMAZENAMENTO MAIOR ESPECIFICIDADE DAS CONDIÇÕES DE AMBIENTE PARA A GERMINAÇÃO

17 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DE PLÂNTULAS / PLANTAS Fonte: Denise Dias

18 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO AUMENTO DA TAXA DE ANORMALIDADE DE PLÂNTULAS Fonte: Denise Dias PERDA DO PODER GERMINATIVO (MORTE DA SEMENTE)

19 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO MANIFESTAÇÕES FISIOLÓGICAS SÃO CONSEQUÊNCIAS DE ALTERAÇÕES METABÓLICAS - Atividade respiratória e síntese de ATP - Síntese e atividade de enzimas - Metabolismo de reservas - Taxas de síntese de novos tecidos - Estrutura do sistema de membranas - Danos aos cromossomos e ácidos nucleicos

20 Seed News 6 (6), 2002 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO

21 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO A velocidade e intensidade de deterioração variam sob a influência da espécie, cultivar, lotes do mesmo cultivar, sementes do mesmo lote e partes da mesma semente

22 Número de Sementes PROGRESSO DA DETERIORAÇÃO Todos os lotes são compostos por sementes com ampla variação de potenciais de desempenho 200 Início - Germinação não é perdida simultaneamente Proporção de vigorosas decresce Progresso - Ampliação da variação das proporções de sementes com diferentes potenciais fisiológicos, à medida que progride a deterioração Alto Médio Avançado Baixo Perda da viabilidade com o decorrer do tempo: simulação

23 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO Portanto, os lotes de sementes são compostos por indivíduos com potenciais fisiológicos variados e, como a deterioração não progride simultaneamente dentro da população, É POSSÍVEL AFIRMAR QUE NÃO HÁ LOTES CONSTITUÍDOS EXCLUSIVAMENTE POR SEMENTES DE ALTO OU DE BAIXO POTENCIAL FISIOLÓGICO, PRINCIPALMENTE QUANDO SÃO CONSIDERADOS OS LOTES APROVADOS PARA A COMERCIALIZAÇÃO.

24 MANIFESTAÇÕES DA DETERIORAÇÃO Isso deve ser considerado, COM MUITO CUIDADO, quando são efetuadas comparações entre o potencial fisiológico de lotes para definição da eficiência de testes de vigor e, PRINCIPALMENTE, para identificar diferenças no desempenho de sementes, plântulas e plantas. Comparar sementes de alto x baixo vigor?

25 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO Rotina teste de germinação Resultados fornecem informações incompletas Avaliação consistente do potencial fisiológico: incluir um mais testes de vigor

26 CONCEITOS DE VIGOR (ISTA E AOSA) Conjunto de propriedades das sementes que determinam o potencial de lotes, com germinação aceitável, para a emergência rápida e uniforme e desenvolvimento de plântulas normais, sob ampla variação de condições de ambiente

27 CONCEITO DE VIGOR (ISTA E AOSA) Conjunto de propriedades das sementes que determinam o potencial de lotes, com germinação aceitável, para a emergência rápida e uniforme e desenvolvimento de plântulas normais, sob ampla variação de condições de ambiente

28 Qual é a responsabilidade da semente? Teste de vigor deve predizer a porcentagem de emergência de plântulas em campo? Resultado de teste(s) de vigor deve(m) permitir estimar efeitos sobre o desenvolvimento de plantas e produção final?

29 OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO DO VIGOR Detectar diferenças no potencial fisiológico de lotes de sementes com germinação semelhante e superior à mínima estabelecida para a comercialização Separar (classificar) lotes em diferentes níveis de vigor, de maneira proporcional à emergência de plântulas em campo e potencial de armazenamento.

30 IMPORTANTE: AVALIAÇÃO DO VIGOR VIGOR É REFLEXO DE UM CONJUNTO DE CARACTERÍSTICAS: Que característica está em avaliação? Com o que se relaciona? EXPRESSÃO DOS RESULTADOS DE TESTES DE VIGOR? %, cm/plântula, mg/plântula, µs ou µmho /cm/g, índice de velocidade, dias, ppm/g

31 AVALIAÇÃO DO VIGOR SIGNIFICADO DE n % DE VIGOR? Nenhum, a não ser quando comparado com resultado (s) de outra (s) amostra (s) QUANTIFICAÇÃO VIGOR? RESULTADO (s) DE TESTE (s)? VALORES ABSOLUTOS NÃO TÊM SIGNIFICADO!!

32 TESTES DE VIGOR

33 TESTES DE VIGOR VÁRIOS PROCEDIMENTOS DISPONÍVEIS E CONFIÁVEIS UM TESTE OU UM CONJUNTO DE TESTES para avaliar potencial de desempenho em campo e durante o armazenamento? IMPORTANTE: INTERPRETAÇÃO CORRETA DO SIGNIFICADO DOS RESULTADOS

34 Recomendados: TESTES DE VIGOR - Envelhecimento acelerado - Tetrazólio - Frio - Condutividade elétrica - Crescimento de plântulas - Deterioração controlada

35 TESTES DE VIGOR Desenvolvidos mais recentemente: Protrusão da raiz primária: milho Semente embebida Fonte: Francisco G.Gomes-Junior Protrusão da raiz primária (MJGT) Raiz primária com > 2mm

36 TESTES DE VIGOR Desenvolvidos mais recentemente: Análise computadorizada de imagens de plântulas

37 R.A.S. da ISTA: Introdução em 2001 TESTES DE VIGOR ATUALMENTE (2017): - Condutividade elétrica: ervilha, soja, feijão, grão de bico, rabanete - Envelhecimento acelerado: soja - Deterioração controlada: brássicas - Protrusão da raiz primária: milho, canola, rabanete - Tetrazólio: soja

38 CONSIDERAÇÕES GERAIS Os efeitos do vigor de sementes sobre o estabelecimento do estande em campo, desenvolvimento inicial de plântulas e comportamento durante o armazenamento estão bem definidos Somente os efeitos sobre o estabelecimento do estande são suficientes para justificar a utilização de lotes de sementes com alto potencial fisiológico O esclarecimento de possíveis relações entre o vigor de lotes de sementes e o desempenho de plantas, incluindo a produção é tarefa mais complexa

39 CONSIDERAÇÕES GERAIS Há necessidade de identificar, com segurança: a) Até que ponto possíveis diferenças no desempenho devem ser realmente atribuídas ao vigor de lotes de sementes?

40 Diferenças de vigor de sementes?

41 Diferenças no vigor de sementes?

42 CONSIDERAÇÕES GERAIS Há necessidade de identificar, com segurança: b) O vigor geralmente é responsável por considerável impulso inicial ao crescimento das plantas. Até que ponto esse impulso se mantém significativo?

43 CONSIDERAÇÕES GERAIS Há necessidade de identificar, com segurança: c) Plantas com menor desenvolvimento inicial conseguem se recuperar e alcançar as originadas de sementes mais vigorosas?

44

45 CONSIDERAÇÕES GERAIS Há necessidade de identificar, com segurança: Até que ponto pode ter prosseguido a deterioração para que isso aconteça? O comportamento é o mesmo em plantas individuais e em populações? Ocorrem diferenças acentuadas entre lotes aprovados para a comercialização?

46 CONSIDERAÇÕES GERAIS ESSAS QUESTÕES SOMENTE PODEM SER ESCLARECIDAS COM A CONTINUIDADE DA PESQUISA SOBRE O ASSUNTO, QUE, COMO SERÁ VERIFICADO EM SEGUIDA, TEM PRODUZIDO VASTO CONJUNTO DE INFORMAÇÕES

47 MUITO OBRIGADO PELA ATENÇÃO F: (19)

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Qualidade de sementes de café produzidas na Fazenda Experimental de Três Pontas da EPAMIG Sul de Minas

Qualidade de sementes de café produzidas na Fazenda Experimental de Três Pontas da EPAMIG Sul de Minas Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Qualidade de sementes de café produzidas na Fazenda Experimental de Três Pontas da EPAMIG Sul de Minas Júlia Vaz Tostes Miluzzi

Leia mais

Teste de raios X: princípio e interpretação

Teste de raios X: princípio e interpretação Teste de raios X: princípio e interpretação Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Gleberson Guillen Piccinin 1, Lilian Gomes de Moraes

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS 69 SIMPAS Tangará da Serra-MT, 22 de novembro de 2016 Prof. ROGÉRIO DE A.COIMBRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATOGROSSO CÂMPUS DE A SEMENTE O QUE É? PL AN EJ AM EN

Leia mais

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ Disciplina i LPV 504 PLANTAS ESTIMULANTES ANA DIONISIA L. COELHO NOVEMBRE EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ COTILEDONES EIXO EMBRIÃO Novembre, 2003 FRUTO DE CAFÉ Novembre, 2003

Leia mais

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade José de Barros França Neto Embrapa Soja XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional Sobre a Cultura do Girassol 28/10/2015

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L)

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) Renato Augusto Alves 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Antônio Lucrécio dos

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL ATRIBUTOS PRODUTIVOS

Leia mais

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3. LABORATÓRIO CLIMÁTICO Doc Path: Z:\Qualidade\6 - Registros SQ\Rg012_Documentos\DMT - Doctos treinamento\dmt015 - Apresentação Lab Climatico\DMT015r3-0_Apresentacao_CLIM (TCL001).doc Este documento contém

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Crescimento, Desenvolvimento e Aprendizagem Motora. Profº Gil Oliveira

Crescimento, Desenvolvimento e Aprendizagem Motora. Profº Gil Oliveira Crescimento, Desenvolvimento e Aprendizagem Motora CONTEXTUALIZAÇÃO E TERMOS Comportamento Motor Comportamento Motor Para Go Tani: Estuda processos neuropsicológicos de organização motora em termos de

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES DA ÁGUA Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ PRESENTE EM TODOS OS PROCESSOS DINÂMICOS DA CÉLULA VIVA IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO 6 INTRODUÇÃO A seleção é uma das principais ferramentas do melhorista independente do tipo de método de melhoramento utilizado. A seleção é utilizada tanto

Leia mais

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS O QUE SÃO AS MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS? POSICIONAMENTO TÉCNICO COERENTE E CONSISTENTE Dessecação antecipada e uso de inseticidas para manejo de pragas residentes

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DO TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DE MILHO COM O EMPREGO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE IMAGENS

A INTERPRETAÇÃO DO TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DE MILHO COM O EMPREGO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE IMAGENS A INTERPRETAÇÃO DO TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DE MILHO COM O EMPREGO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE IMAGENS VIEIRA, P.A. 1; FARIA, L.A.2; JORGE, L.A.C.3; MANTOVANI, E.4 e ANDREOLI, C.5 1 e 2 Embrapa SNT,

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

AMOSTRAGEM SEQÜENCIAL NA CONDUÇÃO DO TESTE DO RAIOS X EM SEMENTES DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS)

AMOSTRAGEM SEQÜENCIAL NA CONDUÇÃO DO TESTE DO RAIOS X EM SEMENTES DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS) AMOSTRAGEM SEQÜENCIAL NA CONDUÇÃO DO TESTE DO RAIOS X EM SEMENTES DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS) Verônica Yumi Kataoa, Débora Gabriela Silva, Maria Laene Moreira Carvalho, Marcelo Silva de Oliveira, Adriana

Leia mais

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO Priscila Raiane Assunção de Andrade (1) ; Laura Rodrigues Araújo (2), Rodrigo Mendes de Oliveira

Leia mais

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS).

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). I - PARA EFEITOS DESTAS INSTRUÇÕES ENTENDE-SE POR: 1. Amostra:

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES

ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES Simone Aparecida de OLIVEIRA* Marco Eustáquio de SÁ Faculdade de Engenharia, UNESP - Câmpus

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

CONDICIONAMENTO DE SEMENTES

CONDICIONAMENTO DE SEMENTES CONDICIONAMENTO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ TECNOLOGIA DE SEMENTES Principal Missão da Pesquisa: desenvolvimento de tecnologia dirigida à produção

Leia mais

Biologia. Natália Aguiar Paludetto

Biologia. Natália Aguiar Paludetto Biologia Natália Aguiar Paludetto Aula de hoje: Introdução à Biologia O que é? O que estuda? Como se organiza? Referência bibliográfica: Bio Volume Único, Sônia Lopes, editora Saraiva. Biologia estudo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Testes Rápidos para Identificação de Danos Mecânicos em Sementes de Milho Doce Lilia Faria de Melo 1, Marco Eustáquio

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

Prova º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Prova º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO-PROVA BIOLOGIA 2016 Prova 302 12º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento visa divulgar as características da Prova de Equivalência à Frequência, do

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000 Q.01 a) Apesar de o predatismo ser descrito como uma interação positiva para o predador e negativa para a presa, pode-se afirmar que os predadores têm um efeito positivo sobre a população de presas. Explique

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DAG4097 - Análise Multivariada Aplicada à Agricultura Ementa: Distribuições multinormal, Wishart e T2 de Hotelling. Análise

Leia mais

Plano de Intervenção

Plano de Intervenção INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA GERMINAÇÃO Plano de Intervenção AUTOR: Luiz Felipe Ribeiro CONTEXTUALIZAÇÃO Em biologia chama-se germinação ao processo inicial do crescimento de uma planta a partir de um corpo

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA

DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA Profa. Dra. Cibele Chalita Martins Produção e Tecnologia de Sementes Departamento de Produção Vegetal - Prédio Fitotecnia FCAV - UNESP Jaboticabal

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO no uso das atribuições

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Ciências da Austrália K-10 Desenvolvimento curricular. Melanie Isaacs Gerente de Projeto - Currículo

Ciências da Austrália K-10 Desenvolvimento curricular. Melanie Isaacs Gerente de Projeto - Currículo Ciências da Austrália K-10 Desenvolvimento curricular Melanie Isaacs Gerente de Projeto - Currículo Um currículo nacional A Austrália é uma federação Os Estados são constitucionalmente responsáveis pela

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS SEMENTES DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS ANA D. L. C. NOVEMBRE adlcnove@usp.br

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1)

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1) TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA Milena Fontenele dos Santos (1) 1 Aluna de graduação do curso de Agronomia do Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

COTAÇÕES. I pontos pontos. 46 pontos pontos pontos. II pontos pontos pontos

COTAÇÕES. I pontos pontos. 46 pontos pontos pontos. II pontos pontos pontos COTAÇÕES I 1.... 6 pontos 2.... 6 pontos.... 6 pontos 4.... 8 pontos 5.... 10 pontos Subtotal... 6 pontos II 1.... 9 pontos 2.... 10 pontos.... 6 pontos 4.... 6 pontos 5.... 6 pontos 6.... 6 pontos 7....

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025:2005

NBR ISO/IEC 17025:2005 Competence Recognition Certificate Laboratório de e Fitopatologia LASFI/VACARIA UCS Seeds and Phytopathology Laboratory Rua Presidente Kennedy, 2020 Bairro Vitória - Vacaria - RS O laboratório citado acima

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05: Dose em Tomografia Agenda Introdução Dose absorvida, dose equivalente, e dose efetiva Definição das Medidas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia População de plantas para maximização de rendimentos em soja Lucio Zabot Santa Maria,

Leia mais

Incidência Severidade Intensidade

Incidência Severidade Intensidade AVALIAÇÃO DE DOENÇAS Objetivos: Avaliar a resistência de cultivares a patógenos em programas de melhoramento de plantas; Comparar a eficiência de fungicidas; Determinar o momento da aplicação dos fungicidas;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. Agrônomo MSc PROPAGAÇÃO Sexual ou gâmica Vegetativa ou assexuada REPRODUÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

Superlista núcleo 1.

Superlista núcleo 1. Superlista núcleo 1. (Unicamp) Em relação a um organismo diploide, que apresenta 24 cromossomos em cada célula somática, pode-se afirmar que a) seu código genético é composto por 24 moléculas de DNA de

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO

KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO NOVEMBRO 2016 OGM NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE 2º maior consumidor de sementes transgênicas > 40 mi ha plantados OGM NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE 2º maior

Leia mais

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II 2012/02 1 Diagrama de Ramo e Folhas 2 3 4 5 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Construir e interpretar disposições gráficas dos

Leia mais

Leguminosas. Sementes nutritivas para um futuro sustentável. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP

Leguminosas. Sementes nutritivas para um futuro sustentável. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP Leguminosas Sementes nutritivas para um futuro sustentável FAO, 2016 Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 14 de Abril de 2016 As leguminosas secas sempre

Leia mais

Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de milho e soja

Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de milho e soja Ciência Rural, Santa Maria, v.34, Envelhecimento n.3, p.715-721, acelerado mai-jun, 2004 como teste de vigor para sementes de milho e soja. ISSN 0103-8478 715 Envelhecimento acelerado como teste de vigor

Leia mais

Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental

Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental Novembro de 2014 Brasil (confidencial) RESOLUÇÃO 4.327 BACEN e SARB14 - Febraban Regulação sobre Responsabilidade Socioambiental Bacen Resolução

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.)

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) Washigton Cézar de ANDRADE (1), Fabio TEZORI (1), Edson Pereira GUIA (1), Ediane Abadia SILVA (1),

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Os produtores de Castro se reuniram no dia 27/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert;

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 1º ano Disciplina: Biologia 2. TEMA

Leia mais

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Marília Lessa de Vasconcelos Queiroz, José Antonio Delfino Barbosa Filho, Frederico Márcio Corrêa Vieira Núcleo de Estudos em

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE NO CULTIVO DO FEIJOEIRO EM RELAÇÃO À UMIDADE DO SOLO

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE NO CULTIVO DO FEIJOEIRO EM RELAÇÃO À UMIDADE DO SOLO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE NO CULTIVO DO FEIJOEIRO EM RELAÇÃO À UMIDADE DO SOLO Alexandre C. Salvestro 1, Diego Brandão 2, Paulo Sérgio L.

Leia mais

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L.

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L. MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Jatropha curcas L. Maria Regina G. Ungaro, Centro de Grãos e Fibras, IAC, ungaro@iac.sp.gov.br Amadeu Regitano Neto, Centro de Grãos e Fibras, IAC, regitano@iac.sp.gov.br

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DO FATOR S2 UTILIZADO NO CÁLCULO DA VELOCIDADE CARACTERÍSTICA DO VENTO, SEGUNDO A NORMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade Versão: 1 Pág: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 Dr. Renato

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM,

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há Milton Parron Padovan Rogério Ferreira da Silva Adubação Verde - Opções para Outono/Inverno, Primavera/Verão e Espécies Perenes 1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há milhares de

Leia mais

Ainda, de acordo com BAUMRIND & FRANTZ6, no ano 1971, os erros nas medidas angulares e lineares são de três tipos: 1) erros de projeção; 2) erros de localização dos pontos cefalométricos, e 3) erros mecânicos

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 CICLO: 2º ANO DE ESCOLARIDADE: 6º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS/BIOLOGIA/GEOLOGIA DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 10º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS...

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS/BIOLOGIA/GEOLOGIA DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 10º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS... ANO LETIVO 206/207 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS/BIOLOGIA/GEOLOGIA DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 0º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS... º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas I.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

ENVELHECIMENTO ACELERADO E DETERIORAÇÃO CONTROLADA EM SEMENTES DE TOMATE

ENVELHECIMENTO ACELERADO E DETERIORAÇÃO CONTROLADA EM SEMENTES DE TOMATE 525 ENVELHECIMENTO ACELERADO E DETERIORAÇÃO CONTROLADA EM SEMENTES DE TOMATE Maristela Panobianco 1,3 *; Júlio Marcos Filho 2,3 1 Pós-Graduanda do Depto. de Produção Vegetal, USP/ESALQ. 2 Depto. de Produção

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS

NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS Assunto: Síntese do 1º. Relatório contendo os Principais Resultados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do Bolsa Família 2ª Rodada AIBF II Data: 04 de agosto de 2010

Leia mais

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE 1 - INTRODUÇÃO 2 As alterações de sensibilidade no paciente portador de diabetes mellitus são responsáveis diretas pela considerável morbidade relacionada com as úlceras plantares e suas conseqüências.

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

Domínios Conteúdos Objetivos Cotação

Domínios Conteúdos Objetivos Cotação Agrupamento de Escolas de Samora Correia INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS 2016 Prova 02 2ºCiclo do Ensino Básico - 6º ano (Decreto-Lei n.º 17/2016 de 4 de abril e Despacho

Leia mais

CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO

CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO 182 CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO Neste trabalho foi proposta uma metodologia para a automação da resseção espacial de imagens digitais baseada no uso hipóteses

Leia mais

1. Objeto de avaliação

1. Objeto de avaliação INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Biologia Maio de 2015 Prova 302 Escrita e Prática Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Objeto de avaliação A prova de equivalência

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TAXA DE CRESCIMENTO DAS PLÂNTULAS NA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE SOJA 1

UTILIZAÇÃO DA TAXA DE CRESCIMENTO DAS PLÂNTULAS NA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE SOJA 1 90 S.R.P. SCHUAB et al. UTILIZAÇÃO DA TAXA DE CRESCIMENTO DAS PLÂNTULAS NA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE SOJA 1 SANDRA REGINA PELEGRINELLO SCHUAB 2, ALESSANDRO DE LUCCA E BRACCINI 3, JOSÉ DE BARROS

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Abril 2016 Prova 302 2016 12º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE LOTES COMERCIAS DE SEMENTES DE ABOBRINHA (Cucurbita pepo L).

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE LOTES COMERCIAS DE SEMENTES DE ABOBRINHA (Cucurbita pepo L). QUALIDADE FISIOLÓGICA DE LOTES COMERCIAS DE SEMENTES DE ABOBRINHA (Cucurbita pepo L). Juliana Zambon Holzmann (PIBIC/Araucária/UENP-CLM), Tamiris Tonderys Villela, Cristina Batista de Lima (orientadora.

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Os produtores de Cascavel se reuniram no dia 29/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril) INFORMAÇÃO-PROVA CIÊNCIAS NATURAIS 2ºciclo 2016 Prova: Código 02 2.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril) O presente documento divulga informação relativa à prova de

Leia mais

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Introdução: Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto com o meio que

Leia mais