Processo de Certificação. Grupo PMQ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Certificação. Grupo PMQ"

Transcrição

1 Processo de Certificação da Operadora RN 277 Grupo PMQ

2 UNIMED São José do Rio Preto Cooperados 1391 Clínicas 137 Hospitais 27 Sendo 14 Santa Casas e 13 Hospitais privados Serviços de Diagnose 111 Laboratórios Serv. Imagem Radiologia Beneficiários em 30/04/2014 Colaboradores 528

3 Histórico do Processo de Acreditação Convite/nomeação - 03/2011 Visita a todos Departamentos - 03/2011 Criação do setor da Qualidade e Grupo PMQ 04/2011 Palestra para Diretoria - 04/2011 Contratação Consultor ONA - 06/2011 Palestra para todos Colaboradores/ AQS (Assessoria e Consultoria de Serviços de Saúde) Dr. Quinto 06/2011 Implantação do Programa 5 S - 06/2011

4 Histórico do Processo de Acreditação Publicação da RN277 Após Consulta Pública 11/2011 Contratação Gestor Qualidade 01/2012 Lançamento da Política da Qualidade e Treinamentos - 01/2012 Homologação do Módulo da Gestão da Qualidade - Pesquisas da Unimed 06/2012 Implantação das Auditorias Internas 11/2012 Palestra CBA/Dr. Valverde 12/2012 Contratação da Enfermeira da Qualidade e incorporação da Ouvidoria 01/2013

5 Programa 5 S

6 PROGRAMA 5 S

7 Histórico do Processo de Acreditação Visita Diagnóstica 04/2013 Visita Certificadora Selo 11/2013

8 Programa de Melhoria da Qualidade - PMQ Setor da Qualidade Integrantes: Coordenação Médico, Gestora, Enfermeira e Analista da Qualidade Atribuição: Apoiar todos os departamentos a atenderem os requisitos e fazer a interação entre os comitês Comitê Executivo Integrantes: Superintendente e Gerentes Atribuição: Aprovar os requisitos técnicos Comitê Técnico Integrantes: Coordenadores e facilitadores Atribuição: Definir os requisitos técnicos

9 Sistema de Gestão da Qualidade 1º Pilar: Documentar os processos 3º Pilar: Definir indicadores 2º Pilar: Treinar as pessoas

10 Fases para Implantação do PMQ Manual da Qualidade Treinamento Gestão de Documentos - Tasy Ações Corretivas e Preventivas Sistema de Não Conformidades Tasy Auditorias Internas

11 Ciclo de Trabalho do PMQ Cronograma anual de trabalho Reunião de trabalho (Comitês, Diretoria e AG*) Monitoramento (Atas, Gestão de Pendências e Auditoria Interna) Relatório Anual de Atividades Feedback (Comitês, Reuniões e Módulo Gestão da Qualidade Indicadores *AG Reunião de Acompanhamento Gerencial entre Coordenadores e Gerentes toda quarta-feira.

12 Política da Qualidade

13 Divulgaçãoe Comunicação

14

15 ACREDITAÇÃO DE OPERADORAS CONFORME RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 277 DA ANS COMUNICAMOS QUE A VISITA OFICIAL REFERENTE À ACREDITAÇÃO SERÁ NOS DIAS 23 E 24/04/2013. OBS:- TODOS OS DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS REFERENTE A RN 277 DEVERÃO ESTAR DISPONIBILIZADOS NO SISTEMA TASY.

16 Índice de Propagação do PMQ

17 REF: ANO 2012

18 REF: ANO 2012

19 SISTEMA TASY MÓDULO GESTÃO DE DOCUMENTOS

20 SISTEMA TASY MÓDULO GESTÃO DE DOCUMENTOS F11 FILTRO PARA SELECIONAR DOCUMENTO DESEJADO

21 Gerenciamento de Requisitos: Prévia: Níveis de Complexidade

22 DIMENSÃO 01: PROGRAMA DE MELHORIA DA QUALIDADE PMQ

23 ITEM 01 Existe um grupo responsável pelo Programa de Melhoria da Qualidade (PMQ) da OPS? Sim. Quais são as evidências? Livro ata, devidamente constituído, com os dados de todos os membros, assinaturas e registros das ações acerca do PMQ. Atendeu ao requisito obrigatório da norma! Responsáveis Dr. Faria, Dr. Colturato, Célia e Surama. Conforme!

24 DIMENSÃO 02: DINÂMICA DA QUALIDADE E DESEMPENHO DA REDE PRESTADORA

25 ITEM 07 A OPS oferece incentivos à acreditação/certificação de rede prestadora e mantém registros atualizados periodicamente sobre o grau de qualidade de sua rede? Não. Ações para atingir a conformidade?. Dimensionamento;. Impacto financeiro;. Indicadores;. Monitoramento;. Revisão de contratos, etc... Responsáveis Dr. Faria, Célia, Fernanda, Luciana.

26 DIMENSÃO 05: PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE DOENÇAS E PROMOÇÃO DA SAÚDE 5.1 Programas de Gerenciamento de casos complexos: Identificação da população-alvo:

27 ITEM 01 A OPS utiliza as seguintes fontes de dados para identificar beneficiários potencialmente elegíveis: relatórios de altas hospitalares; medicamentos solicitados (caso ofereça benefício-farmácia); relatórios de utilização e de reclamações dos beneficiários? Parcial. Ações para atingir a conformidade?. Validar fonte de dados;. Descrever o processo de elegibilidade;. Plano de ação;. Estudo da utilização X Medicina Preventiva, etc. Responsáveis Dr. Faria, Célia, Rosângela e Fernanda.

28 Visita Diagnóstica - ISOPOINT Início: Processos ONA Dr. Antonio Quinto Neto Visita diagnóstica - ISOPOINT Após Visita Diagnóstica: Mudança Foco Registros/Documentos ISO BRISOT Visita Certificação - ISOPOINT

29 Visita Acreditação Apresentação da Equipe de Avaliadores ISOPOINT; Importante: Tranquilizar Colaboradores; Equipe Qualidade acompanhar todo processo de visita.

30 Relatório da Visita Relatório de não conformidades; Indicação para o Selo Qualidade; Nível de Acreditação; Continuidade dos trabalhos.

31

32 Selo de Acreditação

33 Não corrigir nossas falhas, é o mesmo que cometer novos erros. Confúcio, Filósofo Chinês, a.c.

34

35

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

IBES - Instituto Brasileiro Para Excelência em Saúde. Sistema Brasileiro de Acreditação Organização Nacional de Acreditação

IBES - Instituto Brasileiro Para Excelência em Saúde. Sistema Brasileiro de Acreditação Organização Nacional de Acreditação IBES - Instituto Brasileiro Para Excelência em Saúde Sistema Brasileiro de Acreditação Organização Nacional de Acreditação ONA - Organização Nacional de Acreditação Organização jurídica não governamental

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA 18 de Novembro de 2016 UNIMED VITÓRIA / ES 328.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 32.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.360 MÉDICOS COOPERADOS; 260 PRESTADORES DE SERVIÇO;

Leia mais

Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde

Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde Política Nacional de Sustentabilidade Lançada em 2001 como Política de Responsabilidade Social Comitê Nacional de Sustentabilidade

Leia mais

Boas Práticas de RH UnimedBH. Data: 3 de maio Local: OCEMG Júnia Marçal Rodrigues

Boas Práticas de RH UnimedBH. Data: 3 de maio Local: OCEMG Júnia Marçal Rodrigues Boas Práticas de RH UnimedBH Data: 3 de maio Local: OCEMG Júnia Marçal Rodrigues Unimed-BH em números 5.684 médicos cooperados Atuação 34 municípios na região metropolitana de BH 4.003 colaboradores diretos

Leia mais

DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO Normas NR: NO 1 Pág: 1/8 DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO 1. Objetivo Determinar as diretrizes do Sistema Brasileiro de Acreditação desenvolvido sob a égide e orientação da Organização Nacional

Leia mais

RN 277 Programa de Acreditação. de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde

RN 277 Programa de Acreditação. de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde RN 277 Programa de Acreditação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde Disposições Preliminares Objetivo da RN 277: Incentivar a melhoria continuada na qualidade assistencial da saúde suplementar.

Leia mais

Prestador PROGESERV. Unimed Filiada

Prestador PROGESERV. Unimed Filiada Prestador PROGESERV Unimed Filiada Avaliação da Rede Credenciada Clínicas de Oncologia SELO UNIMED DE AVALIAÇÃO RN 275 ANS/QUALISS; MOTIVAÇÃO RN 277 Certificação Operadora INMETRO (ISO 9.001); Como medir

Leia mais

RESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO DA UNIMED-BH. Área temática: Gestão pela Qualidade Total

RESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO DA UNIMED-BH. Área temática: Gestão pela Qualidade Total RESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO DA UNIMED-BH. Área temática: Gestão pela Qualidade Total Ana Cláudia Mendes ana.cmendes@unimedbh.com.br Francisco Junior francisco.junior@unimedbh.com.br

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL Estudo de Caso Sobre o Vitória Apart Hospital Institucional Desde a sua fundação, em 2001, o Vitória Apart Hospital atua com o objetivo de

Leia mais

QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012

QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012 Regulação e Qualidade QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012 Ações para melhoria da Qualidade Remuneração Qualificação Informação Qualidade Resolução Normativa n o 267 QUALIFICAÇÃO Programa de Divulgação

Leia mais

Resumo Profissional. Vivências em gestão de áreas administrativas em Hospital.

Resumo Profissional. Vivências em gestão de áreas administrativas em Hospital. Laurival Anjo da Silva CRA-SP 120688 38 Anos Casado, dois filhos. Reside em Cotia E-mail: contato@laurivalsilva.adm.br Rede social: https://br.linkedin.com/in/laurivalsilva Fone: 11-4242 0796 Celular:

Leia mais

SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA

SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA APRESENTAÇÃO COMERCIAL O NEGÓCIO SISTEMA UNIMED SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA Qualidade comprovada Top of Mind (Plano mais lembrado pela sociedade), Certificação ONA Nível 3 (Acreditação de Excelência

Leia mais

CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO

CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO Zona Norte Zona Leste Av. Água Fria, 135- Santana Av. Celso Garcia, 4974 -Tatuapé Para atender as necessidades de mercado e se tornar ainda mais competitiva, a Unimed adotou

Leia mais

Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade?

Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade? Gestão da Qualidade investimento ou Despesa? Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade? Heleno Costa Junior Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA) Assessor de Relações Institucionais

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2015 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

Auditoria Farmacêutica. Unimed Federação Minas

Auditoria Farmacêutica. Unimed Federação Minas Auditoria Farmacêutica Unimed Federação Minas Unimed Federação Minas REPRESENTATIVIDADE POLÍTICO-INSTITUCIONAL 3 Milhões de clientes 56% de participação de mercado 16.530 cooperados NÚMEROS 61 Cooperativas

Leia mais

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS A região da Serra Gaúcha está localizada no nordeste do estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Área de abrangência

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2016 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca Agenda Regulatória ANS Debates GVSaúde João Luis Barroca Secretário Executivo da ANS São Paulo, 05 de novembro de 2012 Evolução do Processo de Regulação Até 1997 1997 1998 1999 2000 Debates no Congresso

Leia mais

Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Organizacional. Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade

Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Organizacional. Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade MERIDIONAL DADOS DADOS 2012 2012 HOSPITAL PRIVADO COM FINS LUCRATIVOS 169 LEITOS 62 LEITOS DE UTI

Leia mais

Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017

Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017 Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017 Carla Sales Ingressou no sistema Unimed em 1995 Unimed do Brasil; Participou dos processos ligados ao atendimento durante a Criação da Central Nacional

Leia mais

PROPOSTA DE INOVAÇÃO NO MIN REEMBOLSO NA RELAÇÃO DE INTERCÂMBIO

PROPOSTA DE INOVAÇÃO NO MIN REEMBOLSO NA RELAÇÃO DE INTERCÂMBIO PROPOSTA DE INOVAÇÃO NO MIN REEMBOLSO NA RELAÇÃO DE INTERCÂMBIO APRESENTAÇÃO A Unimed Federação Minas é a instituição responsável por promover a cooperação e o fortalecimento da Unimed em Minas Gerais.

Leia mais

Resolução Normativa RN n 395/2016

Resolução Normativa RN n 395/2016 Resolução Normativa RN n 395/2016 Rodrigo Aguiar Gerente Geral de Assessoramento da Diretoria de Fiscalização Rio de Janeiro, janeiro de 2016. O que apresentamos aqui? Resolução Normativa RN n 395/2015,

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 267, DE 24 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 267, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 267, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 Institui o Programa de Divulgação da Qualificação de Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar. [Índice] [Correlações] A Diretoria Colegiada

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade na Farmácia Privativa Unimed Amparo

Implantação do sistema de gestão da qualidade na Farmácia Privativa Unimed Amparo Implantação do sistema de gestão da qualidade na Farmácia Privativa Unimed Amparo Edilene P. Camargo, Celso R.C. Martins farmacia@unimedamparo.com.br Histórico A Diretoria da Unimed Amparo, inspirada

Leia mais

Riscos e Controles Internos

Riscos e Controles Internos Riscos e Controles Internos Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Estrutura de gerenciamento do risco operacional 4 4. Agentes da Estrutura de GRO

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE Clique para editar Marizélia o nome Leão do Moreira autor Gerente da Gerência Executiva de Clique Padronização

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 267, DE 24 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 267, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 Página 1 de 5 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 267, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 Institui o Programa de Divulgação da Qualificação de Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar. [Índice] [Correlações] A Diretoria

Leia mais

Acreditação. Acreditação

Acreditação. Acreditação Acreditação Acreditação 1621132 - Produzido em Abril/2011 Acreditação Rumo ao processo de Acreditação Hospitalar e gestão da melhoria contínua, é importante salientar as principais diferenças entre licenciamento,

Leia mais

Competências de um auditor. Competências de um auditor. Competências de um auditor. Competências de um auditor 13/03/2017

Competências de um auditor. Competências de um auditor. Competências de um auditor. Competências de um auditor 13/03/2017 Professora: Janaide Nogueira E-mail: nogueirajanaide@gmail.com Materiais: https://janaide.wordpress.com Qual a formação de um auditor? Parâmetro Auditor Auditor Líder Educação Mínimo: Nível médio Idem

Leia mais

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 12/5/2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação

Leia mais

PROCEDIMENTO TRATAMENTO E PRAZO DAS NÃO CONFORMIDADES

PROCEDIMENTO TRATAMENTO E PRAZO DAS NÃO CONFORMIDADES Página 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os prazos para tratamento das não conformidades encontradas durante as auditorias de sistema de gestão. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Este procedimento é

Leia mais

24º. Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Jornada Nacional de Saúde Suplementar para Hospitais e Operadoras

24º. Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Jornada Nacional de Saúde Suplementar para Hospitais e Operadoras 24º. Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Jornada Nacional de Saúde Suplementar para Hospitais e Operadoras Tema: Conflitos: Desejos dos Clientes x Obrigações das Operadoras. Paulo

Leia mais

Reunião técnica GVsaúde 03/junho/2013

Reunião técnica GVsaúde 03/junho/2013 Desempenho de empresas que figuram no ranking regional Quem é Quem no Grande ABC : uma análise das causas do desempenho da SHAM Pesquisador: Eduardo Loebel Colaboradora: Valéria Terra Reunião técnica GVsaúde

Leia mais

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Focada na formação intelectual e no desenvolvimento de pessoas para integrarem e inovarem a nova cultura de negócios do XXI, a FAN oferece cursos para graduação e especialização

Leia mais

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos 15/03/2017 Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos Modelo Adotado Grupo São Lucas Ribeirania Ribeirão Preto Dr Pedro Antonio Palocci o Médico Pediatra formado pela XXIIIª Turma da FMRP-USP 1979

Leia mais

I - houver previsão contratual de livre negociação como única forma de reajuste; e

I - houver previsão contratual de livre negociação como única forma de reajuste; e Gerência/Diretoria: GEEIQ/DIDES Prot. nº. 33902.546580/2016-48 Data: 01/11/2016 Hora: 10h05min Assinatura: Ana Paiva Nota Técnica n.º 45/2016/GEEIQ/DIDES/ANS Assunto: Critérios de qualidade considerados

Leia mais

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial ATO, VSC, LAS 1 Objetivo Estabelecer uma comissão e um fluxo de trabalho para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional E AÇÃO PREVENTIVA PO. 09 10 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a forma como o produto ou serviço não conforme deve ser controlado, a fim de se prevenir a sua utilização ou entrega não intencional ao cliente.

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA DA COMPETITIVIDADE INDUSTRIAL Organização do layout de produção e melhoria do processo produtivo

PROGRAMA DE MELHORIA DA COMPETITIVIDADE INDUSTRIAL Organização do layout de produção e melhoria do processo produtivo PROGRAMA DE MELHORIA DA COMPETITIVIDADE INDUSTRIAL Organização do layout de produção e melhoria do processo produtivo A FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ, por sua Gerência de Relações Sindicais,

Leia mais

Exposição de Motivos da Revisão do Rol de Procedimentos da ANS Introdução

Exposição de Motivos da Revisão do Rol de Procedimentos da ANS Introdução Exposição de Motivos da Revisão do Rol de Procedimentos da ANS - 2007 Introdução A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) tem, dentre suas atribuições estabelecidas pela Lei 9.961, de 28 de janeiro

Leia mais

Ouvidoria Unimed Porto Alegre Março de 2016

Ouvidoria Unimed Porto Alegre Março de 2016 Ouvidoria Unimed Porto Alegre Março de 2016 Agenda Estrutura da Ouvidoria na Unimed Porto Alegre; Tratamento das Manifestações na Ouvidoria; Tratamento dos pedidos de Formalização de Negativa ; Tratamento

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo.

A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo. A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo. A DMA acredita que um profissional capacitado e potencializado

Leia mais

1ª Reunião Subgrupo Gestão do CSC

1ª Reunião Subgrupo Gestão do CSC 1ª Reunião Subgrupo Gestão do CSC 27 de Setembro de 2016 Empresas Participantes Equipe de Melhoria Contínua 80% das empresas respondentes possuem equipe de melhoria contínua no CSC. São elas: Biosev, Grupo

Leia mais

Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira

Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira Case: Instituto de Nefrologia de Mogi das Cruzes e Instituto de Nefrologia de Suzano Silvana Kesrouani XI Encontro Paulista de Nefrologia 2007 Campos do Jordão

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE PRÁTICAS, O MODELO COOPERATIVISTA PDGC

DISSEMINAÇÃO DE PRÁTICAS, O MODELO COOPERATIVISTA PDGC DISSEMINAÇÃO DE PRÁTICAS, O MODELO COOPERATIVISTA PDGC Cooperativismo É um sistema fundamentado na união voluntária de pessoas em torno de necessidades comuns. Busca prosperidade conjunta e se baseia no

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE RISCOS

GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE RISCOS FÓRUM DE PRESIDENTES DO SISTEMA UNIMED Central Nacional Unimed GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE RISCOS SÃO PAULO AGO/2012 UNIMED SANTA CATARINA Edevard J de Araujo Presidente SISTEMA UNIMED EM SANTA

Leia mais

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior.

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. PLANO GERAL DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO Com a entrada em vigor da Lei 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DAS OUVIDORIAS DO SISTEMA UNIMED

FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DAS OUVIDORIAS DO SISTEMA UNIMED FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DAS OUVIDORIAS DO SISTEMA UNIMED GPA GRUPO PERMANENTE DE ATENDIMENTO Origem do GPA Criado em 2004, no Encontro Nacional Unimed de Relacionamento com o Cliente São realizados

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: GESTÃO DOCUMENTAL SUBPROCESSO: Controle de Documentos do. 1. Objetivos do Processo. Principais benefícios e razão da existência do processo, vinculando-o à Política e Objetivos

Leia mais

Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial

Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial A busca da equipe Nefron pela Excelência Adm. Cristina Ferreira A EMPRESA NEFRON Ltda Sede: Rua PAULO D ASSUNÇÃO, 88 - JARDIM INDUSTRIAL - CONTAGEM

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES Estrutura Fundação: 1980 Estrutura: Matriz: Diadema/SP Pátio Estação de limpeza de tanques equipe com 12 operadores, 3 líderes, 3 turnos de

Leia mais

Eixo relacionado às ações de. Promoção à Saúde, Prevenção. de Riscos/Doenças e Atenção Domiciliar

Eixo relacionado às ações de. Promoção à Saúde, Prevenção. de Riscos/Doenças e Atenção Domiciliar CAS Comitê de Atenção Integral à Saúde Setembro /2012 Eixo relacionado às ações de G Promoção à Saúde, Prevenção T 1 de Riscos/Doenças e Atenção Domiciliar PRO 1 PRO 2 Qualidade & Segurança Comunicação

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento De Capital

Estrutura de Gerenciamento De Capital Estrutura de Gerenciamento De Capital Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo do documento 4 3. Aspectos regulamentares 5 4. Responsabilidades 6 4.1 Comitê

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE Primeira 1/7 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

Estimular o Desenvolvimento Sustentável da BASF e seus parceiros. Reconhecer Projetos Inovadores e iniciativas que agreguem valor para a BASF.

Estimular o Desenvolvimento Sustentável da BASF e seus parceiros. Reconhecer Projetos Inovadores e iniciativas que agreguem valor para a BASF. Prêmio BASF de Excelência aos Fornecedores 1. Objetivo 1.1. Do procedimento Sistematizar o processo de premiação dos Fornecedores BASF no Brasil por meio de critérios pré-estabelecidos conforme categorias

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar Padrão TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar

Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar Padrão TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar Padrão TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar Padrão Projeto TISS Sistema suplementar - Operadoras SIB, SIP,RPS,DIOPS Operadoras TISS -

Leia mais

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES Programa Gestão Estratégica de Pessoas Projeto Corporativo BNDES CONTEXTO Desafios novos e crescentes Produtividade 1950 1960 Infraestrutura Econômica - Siderurgia Indústrias de Base - Bens de Consumo

Leia mais

TECNÓLOGO EM GESTÃO HOSPITALAR

TECNÓLOGO EM GESTÃO HOSPITALAR TECNÓLOGO EM GESTÃO HOSPITALAR A FUNDAÇÃO UNIMED E A FACULDADE UNIMED Conexão entre teoria e prática aliada a um corpo docente de alta competência e experiência no mercado de saúde. É assim, há mais de

Leia mais

DICAS DE PLANEJAMENTO

DICAS DE PLANEJAMENTO DICAS DE PLANEJAMENTO 9/9/2014 www.sescoopsp.coop.br PROGRAMAS E PROJETOS SESCOOP/SP FORMATOS DE ATENDIMENTO Ações descentralizadas São ações solicitadas pelas Cooperativas em seu Planejamento e Replanejamento

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

Padrão de Terminologia/TISS

Padrão de Terminologia/TISS Padrão de Terminologia no âmbito da Saúde Suplementar Parte integrante da TISS Padrão de Terminologia/TISS Agência Nacional de Saúde Suplementar Autarquia vinculada ao Ministério da Saúde Finalidade institucional

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO 14.001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA O SGA é parte do Sistema de Gestão da IFSM Campus Inconfidentes-MG, englobando a estrutura organizacional, as atividades de

Leia mais

As novas tecnologias e seus impactos no mercado de Saúde Suplementar

As novas tecnologias e seus impactos no mercado de Saúde Suplementar As novas tecnologias e seus impactos no mercado de Saúde Suplementar Tecnologias em saúde: considerações iniciais O que é tecnologia em saúde? Medicamentos, equipamentos, dispositivos e procedimentos medico-cirúrgicos

Leia mais

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Viviane Lanunce Paes Supervisora da Gestão Integrada - CAP Carlos Eduardo Tavares de Castro Superintendente

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE RECONHECIMENTO PELA ANS DE PESSOAS JURÍDICA PARA ATUAR COMO ENTIDADE ACREDITADORA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO QUALISS

ANEXO I FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE RECONHECIMENTO PELA ANS DE PESSOAS JURÍDICA PARA ATUAR COMO ENTIDADE ACREDITADORA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO QUALISS ANEXO I FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE RECONHECIMENTO PELA ANS DE PESSOAS JURÍDICA PARA ATUAR COMO ENTIDADE ACREDITADORA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO QUALISS ACREDITADORA NO QUALISS reconhecimento para atuar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) /

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) / MESTRADO ACADÊMICO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E QUALIDADE DE VIDA CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19)-3623-3022 / 0800-173022 ISO

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL IMPACTO Auditoria em Saúde S/A Abril de 2016 +20 anos de mercado +100 colaboradores 4 escritórios (Curitiba, Belo Horizonte, Florianópolis e Campinas) + 50 Operadoras clientes

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Banco de Interpretação ISO 9001:2008. Responsabilidade da Direção Seção 5

Banco de Interpretação ISO 9001:2008. Responsabilidade da Direção Seção 5 5.1 a) RFI 102 A subseção 5.1 a) da ISO 9001:2008 é aplicável somente aos requisitos relacionados aos produtos e serviços de uma organização? 5.1 a) RSI 031 A norma requer que a organização deve divulgar

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

E se sua Operação... Treinasse melhor sua equipe? Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos clientes e franqueados?

E se sua Operação... Treinasse melhor sua equipe? Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos clientes e franqueados? E se sua Operação... Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos clientes e franqueados? Treinasse melhor sua equipe? Tivesse mais controle sobre a qualidade dos serviços? Estivesse mais padronizada?

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

D. (49) N, 2º

D. (49) N, 2º CONTROLLER (CÓDIGO 1896) Para empresa de médio porte Atividades a serem desenvolvidas: - Análise de produtividade da fábrica; - Elaborar e apresentar as análises de indicadores de resultados; - Análise

Leia mais

AUDITORIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

AUDITORIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PS 04 3 Gestão Diretor Administrativo 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Sistematizar o processo de planejamento, realização e análise das Auditorias Internas do Sistema de Gestão da Qualidade. 2. APLICAÇÃO Todos

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS 1 ÁREA DE CREDENCIAMENTO/SUBÁREA Área Planejamento Empresarial; Subáreas Planejamento Estratégico. 2 PROJETO/AÇÃO Linha

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO. REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 24/08/2010 Emissão do Documento

PROCEDIMENTO SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO. REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 24/08/2010 Emissão do Documento Página 1 de 6 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 24/08/2010 Emissão do Documento Cópia Controlada CÓPIA CONTROLADA 15/09/2010 Claudiane Freire de Oliveira Coordenador da Qualidade ELABORAÇÃO

Leia mais

Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista - 2012 Hemodinâmica

Leia mais

Principais alternativas para a otimização e a diminuição de falhas no Faturamento Hospitalar

Principais alternativas para a otimização e a diminuição de falhas no Faturamento Hospitalar Principais alternativas para a otimização e a diminuição de falhas no Faturamento Hospitalar AGENDA 1. A Qualirede 2. Cenário das cobranças e dos pagamentos 3. Dificuldades no faturamento hospitalar 4.

Leia mais

MANUAL PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DE QUALIDADE PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MANUAL PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DE QUALIDADE PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAÚDE Data: 13/07/2016 1. Objetivo O objetivo deste procedimento é detalhar a metodologia a ser utilizada para emitir o Certificado de Qualidade para Prestadores de Serviços de Saúde, conforme indicadores definidos

Leia mais

LIDERANÇA PARA NOVOS GESTORES DE MARKETING

LIDERANÇA PARA NOVOS GESTORES DE MARKETING LIDERANÇA PARA NOVOS GESTORES DE MARKETING Profa. Me Maria de Lurdes Zamora Damião Maria de Lurdes Zamora Damião é mestre em Administração - Gestão de Organizações e Pessoas pela Universidade Metodista

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Fórum de Presidentes do Sistema Unimed. Direção Fiscal. Viviane Vieira Malta Presidente da Unimed Maceió

Fórum de Presidentes do Sistema Unimed. Direção Fiscal. Viviane Vieira Malta Presidente da Unimed Maceió Fórum de Presidentes do Sistema Unimed Direção Fiscal Viviane Vieira Malta Presidente da Unimed Maceió UNIMED MACEIÓ Grande Porte com 111.917 clientes Área de Atuação: Capital e 50 Municípios Alagoanos

Leia mais