PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES. sobre Private Equity e Venture Capital no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES. sobre Private Equity e Venture Capital no Brasil"

Transcrição

1 PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES sobre Private Equity e Venture Capital no Brasil

2

3 A Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital é uma entidade sem fins lucrativos, em atividade desde o ano 2000, que visa o desenvolvimento da atividade de investimento de longo prazo no país, nas modalidades abrangidas pelos conceitos de Private Equity, Venture e Seed Capital. Como entidade representativa da indústria de capital empreendedor, a ABVCAP defende os interesses dos integrantes da indústria junto a instituições públicas e privadas, nacionais e estrangeiras, em busca de políticas públicas cada vez mais favoráveis ao fomento desses investimentos no país. A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. Isso acontece através de ações diversificadas de promoção comercial que visam promover as exportações e valorizar os produtos e serviços brasileiros no exterior, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira entre outras plataformas de negócios que também têm por objetivo fortalecer a marca Brasil. A Apex-Brasil coordena os esforços de atração de investimentos estrangeiros diretos (IED) para o Brasil com foco em setores estratégicos para o desenvolvimento da competitividade das empresas brasileiras e do país.

4 O programa iniciado em 2009 através do primeiro convênio assinado entre a ABVCAP e Apex-Brasil tem como objetivo principal atrair capital estrangeiro para a indústria de PE/VC brasileira, fomentando investimentos em empresas brasileiras e apoiando o crescimento do capital empreendedor do país. Além disso, o programa, através de suas ações, promove o fortalecimento da indústria de PE/VC brasileira no cenário internacional, mantendo assim o posicionamento do Brasil como um mercado sólido e atraente para o aporte de investimentos. 4 PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES SOBRE PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL NO BRASIL

5 PESQUISA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DOS PARTICIPANTES A pesquisa coletou dados que traduzem as perspectivas dos investidores nacionais e internacionais sobre investimentos em Private Equity e Venture Capital no Brasil, com o objetivo de apresentar dados relevantes acerca dos desafios e oportunidades desse tipo de investimento no país. EUROPA 8% REINO UNIDO 5% OUTROS 5% BRASIL 50% Participaram da pesquisa 39 investidores de Private Equity e Venture Capital sendo 19 internacionais e 20 brasileiros. Dentre os principais grupos de investidores que participaram da pesquisa estão fundos de pensão, seguidos por agentes governamentais, fundos soberanos e fundos de fundos. EUA 32% TIPO DE INSTITUIÇÃO PARTICIPANTE AGENTES GOVERNAMENTAIS E FUNDOS SOBERANOS FUNDOS SECUNDÁRIOS FUNDOS DE PENSÃO CORPORAÇÕES E SEGURADORAS FUNDO DE FUNDOS FAMILY OFFICE / BANCOS PRIVADOS ENDOWMENT OU FUNDAÇÕES BANCOS OU FUNDOS DE INVESTIMENTO GESTÃO DE RECURSOS INTERNACIONAL NACIONAL 5

6 PERSPECTIVA DOS INVESTIDORES INTERNACIONAIS A AMÉRICA LATINA (INCLUINDO BRASIL) CONCENTRA A MAIOR PARTE DOS INVESTIMENTOS EM MERCADOS EMERGENTES Os dados a seguir mostram que os investimentos em mercados emergentes representam uma parcela bastante relevante na carteira dos investidores internacionais, próxima à metade dos investimentos totais (43%). Dentre os mercados emergentes, a América Latina (incluindo o Brasil), se mostrou o mercado mais atrativo, seguido por Ásia e África. Os recursos dos investidores estrangeiros alocados para PE/VC devem aumentar nos próximos anos. De acordo com a pesquisa, pelo menos 26% dos recursos destinados à esses mercados está sub-alocado e com planos de crescimento, além do percentual de 32% que já estão alocados atualmente e que possuem perspectivas de aumento. FOCO GEOGRÁFICO EM MERCADOS EMERGENTES CARTEIRA: MERCADOS EMERGENTES VS MERCADOS DESENVOLVIDOS DESENVOLVIDOS EUROPA CENTRAL E LESTE 11% ÁFRICA 13% 43% 57% ÁSIA 32% EMERGENTES 6 PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES SOBRE PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL NO BRASIL

7 ALOCAÇÃO PARA PE/VC EM MERCADOS EMERGENTES Totalmente alocado mas sem mudança prevista Totalmente alocado e com expectativa de aumentar Sub-alocado e com planos de aumentar Sem alocação para mercados emergentes 5% 26% 32% 37% ORIENTE MÉDIO 8% Apesar dos desafios sócioeconômicos na América Latina, para os investidores estrangeiros as principais razões para investir na região são a qualificação dos gestores e o risco retorno superior aos dos mercados desenvolvidos. PRINCIPAIS RAZÕES PARA INVESTIR EM PE/VC NO BRASIL DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA AMÉRICA LATINA 36% 29% 40% MELHOR RISCO X RETORNO DO QUE EM MERCADOS DESENVOLVIDOS 31% GRUPO DE GESTORES QUALIFICADOS 7

8 O CO-INVESTIMENTO APARECE COMO A MODALIDADE MAIS PROMISSORA NA ALOCAÇÃO DE PE/VC NO BRASIL PARA OS PRÓXIMOS 3 ANOS O investimento primário representa a maior parte da alocação para PE/VC dos investidores estrangeiros no Brasil (72%) e deve se manter predominante no futuro, uma vez que o crescimento esperado para os próximos três anos é de 65%. O co-investimento, que atualmente representa apenas 11% dos recursos alocados, por ser uma alternativa mais conservadora em que os riscos são compartilhados com outros investidores, se mostra bastante atrativo e com potencial de crescimento significante no médio prazo, de acordo com a pesquisa. Do total de investimentos primários, a maior parte está alocada em fundos regionais. PERCENTAGEM DE ALOCAÇÃO PARA PE/VC NO BRASIL POR TIPO DE INVESTIMENTO 7.1 PERCENTAGEM DE INVESTIMENTO PRIMÁRIO ALOCADA NO BRASIL POR TIPO DE FUNDO 72% 44% 29% 27% 11% 8% 7% 2% Primário Co-investimento Secundário Direto Fundo de fundos Local Regional Global PLANOS DE INVESTIMENTOS ESPERADOS NO BRASIL PARA OS PRÓXIMOS 3 ANOS DIRETO FUNDO DE FUNDOS CO-INVESTIMENTO SECUNDÁRIO PRIMÁRIO DIMINUIR AUMENTAR MANTER 8 PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES SOBRE PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL NO BRASIL

9 De toda a carteira de PE/VC no Brasil, as estratégias de investimento mais utilizadas são growth (44%) e buyout (29%), que também aparecem entre as que possuem maior potencial de crescimento nos próximos três anos. Outra estratégia que apresenta oportunidade de crescimento é a modalidade distressed, que pode ser beneficiada pela desaceleração da economia. 1% PIPE 2% REAL ESTATE 4% MEZANINO PERCENTAGEM DA CARTEIRA NO BRASIL POR TIPO DE ESTRATÉGIA DE FUNDO 44% GROWTH 4% DISTRESSED 6% VC/SEED 10% INFRAESTRUTURA 29% BUYOUT PLANOS DE INVESTIMENTOS ESPERADOS NO BRASIL POR TIPO DE ESTRATÉGIA DE FUNDO PARA OS PRÓXIMOS 3 ANOS PIPE REAL ESTATE INFRAESTRUTURA DISTRESSED MEZANINO VC/SEED GROWTH BUYOUT DIMINUIR AUMENTAR MANTER 9

10 SITUAÇÃO ECONÔMICA DO PAÍS É A PRINCIPAL RESPONSÁVEL PELA INSATISFAÇÃO DOS INVESTIDORES EM RELAÇÃO AO DESEMPENHO DA CARTEIRA Apesar do cenário econômico brasileiro se mostrar desfavorável em relação a anos anteriores, quase a metade dos investidores, ou 47% consideraram que os investimentos estão em linha com as expectativas. A pesquisa aponta que 53% dos investidores consideram que o resultado dos investimentos em PE/VC no Brasil foi pior do que o esperado. A principal razão apontada foi a situação econômica do país que se deteriorou em relação ao momento em que foram feitos os investimentos. Entretanto, números bem menos expressivos afirmaram ser devido ao desempenho da empresa investida ou do gestor X 1.6-2X 1-1.5X EXPECTATIVA DE RETORNO PARA ATUAL CARTEIRA NA REGIÃO DESEMPENHO DA CARTEIRA NO BRASIL EM RELAÇÃO ÀS EXPECTATIVAS PRINCIPAL RAZÃO POR ESSE DESEMPENHO 60% MACROECONOMIA 7% DESEMPENHO SETORIAL 47% 53% 15% PERFORMANCE DO GESTOR 0% 18% DESEMPENHO DA EMPRESA INVESTIDA EM LINHA PIOR MELHOR SETORES ATRAENTES NO BRASIL 12,0% 23,5% dos investidores afirmaram que todos os setores no Brasil são atraentes e que apresentam potencial para investimento. Os setores que se destacaram na pesquisa foram saúde e farmácia com 12% e agronegócio com 11,8%. 2,2% OUTROS NA MINHA OPINIÃO NÃO EXISTEM SETORES ATRATIVOS ÓLEO E GÁS 3,8% VAREJO / SHOPPING CENTERS 1,2% TRANSPORTE 4,2% 3,3% 2,4% TI TELECOMUNICAÇÃO SERVIÇOS FINANCEIROS SAÚDE E FARMÁCIA 2,2% REAL ESTATE PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES SOBRE 10 PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL NO BRASIL

11 APESAR DAS INCERTEZAS, INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM PE/VC NO BRASIL DEVE AUMENTAR NOS PRÓXIMOS 3 ANOS Apesar do cenário macroeconômico incerto, 88% dos investidores internacionais pretendem aumentar a alocação de PE/VC no Brasil nos próximos três anos e nenhum afirmou interesse em reduzir a alocação atual. Isso corrobora os dados apresentados anteriormente no gráfico com os planos de investimento para os próximos três anos, por tipo de investimento. Além disso, 82% dos investidores indicam interesse em aumentar o relacionamento com os gestores brasileiros. Em anos anteriores a tendência global era aumentar os aportes e manter ou reduzir os relacionamentos com gestores. A EXPECTATIVA DE 88% DOS INVESTIDORES É DE QUE O MERCADO DE PE/VC BRASILEIRO MELHORE NOS PRÓXIMOS 3 A 5 ANOS MUDANÇAS PREVISTAS PARA ALOCAÇÃO DE PE/VC NO BRASIL NOS PRÓXIMOS 3 ANOS EXPECTATIVA DE NOVOS RELACIONAMENTOS COM GESTORES NA REGIÃO NOS PRÓXIMOS 3 ANOS EXPECTATIVA SOBRE O MERCADO DE PE/VC BRASILEIRO PARA OS PRÓXIMOS 3 A 5 ANOS 88% 82% 88% 12% 0% 12% 6% 6% 6% 0% AUMENTAR MANTER DIMINUIR AUMENTAR MANTER DIMINUIR MELHORA NÃO SEI MANTÉM PIORA 23,4% 11,8% 0,5% 3,0% 5,3% 2,5% 1,7% 1,5% 6,0% 2,6% 1,2% 2,0% 7,2% INDUSTRIAL MULTISETORIAL MINERAÇÃO LOGÍSTICA E DITRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURA TURISMO / ENTRETENIMENTO ENERGIA EDUCAÇÃO CONSTRUÇÃO MÍDIA / COMUNICAÇÃO CLEAN TECH / ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOTECNOLOGIA ALIMENTOS E BEBIDAS AGRONEGÓCIOS TODOS OS SETORES 11

12 PERSPECTIVA DOS INVESTIDORES BRASILEIROS ENTRE OS INVESTIDORES NACIONAIS, DE ACORDO COM A PESQUISA, OS TIPOS DE ALOCAÇÃO DE PE/VC PREDOMINANTES SÃO O INVESTIMENTO PRIMÁRIO (81%) E DIRETO (16%) PERCENTAGEM DE ALOCAÇÃO PARA PE/VC POR TIPO DE INVESTIMENTO 79% 16% 3% 2% Primário Direto Co-investimento Secundário A carteira de PE/VC no Brasil é composta, em sua maior parte, por investimentos primários e diretos (95%). Conforme demonstrado no gráfico 20, estes recursos são destinados principalmente para as estratégias growth, Infraestrutura e buyout. Além da necessidade de diversificação de carteira, 29% dos investidores apontam melhor relação risco e retorno do que outros investimentos alternativos. Um total de 17% dos investidores brasileiros apontou a maturação da indústria no Brasil e dos gestores locais como um dos principais motivos para investir em PE/VC, dado importante quando se trata de uma indústria ainda em desenvolvimento no Brasil quando comparada aos EUA e Europa. PRINCIPAIS RAZÕES PARA INVESTIR EM PE/VC OUTROS 3% DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA MATURAÇÃO DA INDÚSTRIA NO BRASIL E DOS GESTORES LOCAIS 16% 48% MELHOR RISCO X RETORNO DO QUE OUTROS TIPOS DE INVESTIMENTO ALTERNATIVOS 33% PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES SOBRE 12 PRIVATE EQUITY E VENTURE CAPITAL NO BRASIL

13 PERCENTAGEM DA CARTEIRA POR TIPO DE ESTRATÉGIA DE FUNDO 29% GROWTH A ESTRATÉGIA DE GROWTH É A MAIS UTILIZADA NOS INVESTIMENTOS APONTADOS. INFRAESTRUTURA E VENTURE CAPITAL VEM EM SEGUIDA. 1% PIPE 1% DISTRESSED 7% MEZANINO 9% REAL ESTATE 15% BUYOUT SEGUNDO 58% DOS INVESTIDORES BRASILEIROS, NOS PRÓXIMOS 3 ANOS, A EXPECTATIVA É DE MANUTENÇÃO DA ALOCAÇÃO ATUAL. 16% VC/SEED 22% INFRAESTRUTURA MUDANÇAS PREVISTAS PARA ALOCAÇÃO DE PE/VC NO BRASIL NOS PRÓXIMOS 3 ANOS AUMENTAR MANTER DIMINUIR Segundo a pesquisa, 58% dos investidores brasileiros participariam de fundos sem comitê de investimentos composto pelo cotista. Dentre esses, 52% indicaram o track record comprovado do gestor e 32% a previsão de algum órgão de governança com participação dos investidores como condições para a ausência da participação dos cotistas no comitê de investimentos. AVALIAÇÃO DOS INVESTIDORES SOBRE PARTICIPAÇÃO EM FUNDOS SEM COMITÊ DE INVESTIMENTO COMPOSTO PELO COTISTA CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA INVESTIMENTO EM FUNDOS QUE NÃO PREVEJAM A PARTICIPAÇÃO DOS COTISTAS NO COMITÊ DE INVESTIMENTO Gestor com track record comprovado no(s) setor(es) de atuação do fundo 52% Previsão de orgão de governança com participação dos investidores 32% SIM NÃO Percentual máximo de participação nas cotas do fundo (ex. 10%) 10% A instituição já tem investimento prévio em fundos do mesmo gestor 6% Limite de valor absoluto de subscrição (ex. 50 milhões) 0% 13

14 METODOLOGIA A pesquisa foi iniciada em dezembro de 2015 e encerrada em julho de 2016 com a apresentação dos dados durante a Manhã dos Investidores realizada no dia 6 de julho no âmbito do Congresso ABVCAP. A pesquisa foi conduzida por meio de uma plataforma Web e contou com a participação de 39 investidores brasileiros e internacionais ativos na indústria de private equity e venture capital. A pesquisa contemplou perguntas de forma a traduzir as expectativas dos investidores nacionais e internacionais com o objetivo de apresentar dados relevantes acerca dos desafios e oportunidades desse tipo de investimento no país. CRÉDITOS ABVCAP Ângela Ximenes Superintendente Executiva Patricia Freitas Coordenadora do Comitê Executivo de Investidores Institucionais Cristiane Nascimento Relações Internacionais Marcio Sabalo Pesquisa Robert Linton Relacionamento com Investidores Gabriela Sant anna Assessora de Comunicação e Imprensa ESTUDIO CRU Diagramação e Texto KPMG Marco André Almeida Sócio-líder de Deal Advisory e do setor de Private Equity Raphael Vianna Diretor, FISC FINEP Renata Guinther Gerente, Departamento de Investimento em Fundos e Participações BNDES Diego Muller Área de Capital Empreendedor

15

16 PARCEIRO INSTITUCIONAL

Mercado de Venture Capital aposta no crescimento do País

Mercado de Venture Capital aposta no crescimento do País Mercado de Venture Capital aposta no crescimento do País Edição 2011 da pesquisa Tendências Globais em Venture Capital, da Deloitte, mostra que o foco dos investimentos se concentra em duas áreas: infraestrutura

Leia mais

EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS

EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos

Leia mais

IED PARTICIPACAO GUIDES ATUACAO CONJUNTA

IED PARTICIPACAO GUIDES ATUACAO CONJUNTA SUMARIO APEX-BRASIL ATRACAO DE INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS DIRETOS (IED) INVESTIMENTOS EM PARTICIPACAO INVESTMENT GUIDES PROPOSTA PARA UMA ATUACAO CONJUNTA PEX-BRASIL O MELHOR DO BRASIL PARA

Leia mais

A Indústria Brasileira de Private Equity e Venture Capital (PE&VC) como oportunidade de diversificação de carteira dos investidores institucionais

A Indústria Brasileira de Private Equity e Venture Capital (PE&VC) como oportunidade de diversificação de carteira dos investidores institucionais A Indústria Brasileira de Private Equity e Venture Capital (PE&VC) como oportunidade de diversificação de carteira dos investidores institucionais Fernando Cezar Borges Presidente da ABVCAP Agenda A ABVCAP

Leia mais

VISÃO DE LONGO PRAZO: INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS, EM INFRAESTRUTURA E PRIVATE EQUITY

VISÃO DE LONGO PRAZO: INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS, EM INFRAESTRUTURA E PRIVATE EQUITY VISÃO DE LONGO PRAZO: INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS, EM INFRAESTRUTURA E PRIVATE EQUITY Maurício Marcellini Pereira Diretor de Investimentos Fundação dos Economiários Federais - FUNCEF Agenda Visão Geral

Leia mais

Mercado de Capitais e o mercado de Tecnologia Financiando crescimento, inovação e internacionalização

Mercado de Capitais e o mercado de Tecnologia Financiando crescimento, inovação e internacionalização Mercado de Capitais e o mercado de Tecnologia Financiando crescimento, inovação e internacionalização QUEM SOMOS Uma Associação Civil, sem fins lucrativos, que tem por Missão estimular uma maior inserção

Leia mais

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro Squadra Participações SQUADRA INVESTIMENTOS 2008 Fundação da Squadra Investimentos Gestora independente de recursos com foco em ações de

Leia mais

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal 14:58 Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal Projeto Programa Brasileiro para a Expansão das Exportações das Farinhas e gorduras de origem animal Objetivo Identificar a situação encontrada

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO PLANO DE APRESENTAÇÃO Apex-Brasil Principais Soluções Programa de Internacionalização Ações de internacionalização e promoção para o México Juarez Leal Coordenador de Internacionalização A APEX-BRASIL

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

Consolidação dos dados da indústria de Private Equity/Venture Capital no Brasil 2013

Consolidação dos dados da indústria de Private Equity/Venture Capital no Brasil 2013 Consolidação dos dados da indústria de Private Equity/Venture Capital no Brasil 2013 Webcast 22 de janeiro de 2014 Introdução A ABVCAP acredita que é fundamental ter dados sobre a indústria de PE & VC

Leia mais

Capitalização de Empresas via Fundos de Private Equity e Venture Capital

Capitalização de Empresas via Fundos de Private Equity e Venture Capital Capitalização de Empresas via Fundos de Private Equity e Venture Capital Sidney Chameh, Conselheiro Deliberativo ABVCAP ABVCAP Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital Quem Somos A Associação

Leia mais

Fusões e Aquisições no Brasil

Fusões e Aquisições no Brasil Corporate Finance Fusões e Aquisições no Brasil O momento da indústria de Private Equity Junho de 2009 Ambiente de M&A O início do ano de 2009 é marcado por um ambiente de turbulências e incertezas, construído

Leia mais

ABEMEL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS EXPORTADORES DE MEL

ABEMEL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS EXPORTADORES DE MEL ABEMEL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS EXPORTADORES DE MEL A ABEMEL Associação Brasileira dos Exportadores de Mel, fundada em 15 de agosto de 2003, é a entidade com maior representatividade das empresas beneficiadoras

Leia mais

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL BPM Congress Brasília, 27 de novembro de 2012. Carlos Padilla, CBPP, Assessor da Gerência de Negócios. PANORAMA DA APEX-BRASIL

Leia mais

Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil

Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil 2011 2012 201 kpmg.com/br www.abvcap.com.br Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil

Leia mais

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS Premissas Importantes Os eventos têm importância significativa na área do turismo, além de ser a atividade que mais crescem nesse segmento. Segundo Zanella (2003),

Leia mais

Manual Básico: As Contrapartidas do BGD

Manual Básico: As Contrapartidas do BGD Manual Básico: As Contrapartidas do BGD Sobre os Projetos Setoriais Os Projetos Setoriais fazem parte das ações da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) que visam

Leia mais

Vice-Presidente da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio No Brasil

Vice-Presidente da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio No Brasil APRESENTAÇÃO CBP-CE - A Câmara Brasil Portugal no Ceará - Comércio, Indústria e Turismo (CBP-CE), fundada em junho de 2001, é uma associação civil sem fins lucrativos com atuação no estado do Ceará, Portugal

Leia mais

Estudo de Caso DHC. 3. Caso DHC Outsourcing

Estudo de Caso DHC. 3. Caso DHC Outsourcing Estudo de Caso DHC 3. Caso DHC Outsourcing Caso em desenvolvimento pela FGV-EAESP, por meio do GVcepe Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital para fins exclusivamente acadêmicos, com conteúdo

Leia mais

A Apex-Brasil. Como funciona a Agência?

A Apex-Brasil. Como funciona a Agência? A Apex-Brasil Como funciona a Agência? Fundação e Missão A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) é um Serviço Social Autônomo que atua para: Promover os produtos e

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES Luciano Coutinho Presidente do BNDES XXI Fórum Nacional Rio de Janeiro,19 de maio de 2009 1 O posicionamento dos países em desenvolvimento A crise econômica será severa

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

20 a 22 de setembro de 2015 JOINVILLE / SC

20 a 22 de setembro de 2015 JOINVILLE / SC 20 a 22 de setembro de 2015 JOINVILLE / SC APRESENTAÇÃO O Encontro Econômico Brasil-Alemanha corresponde ao evento mais importante da agenda bilateral dos dois países. Ele reúne autoridades governamentais

Leia mais

Brazilian Game Developers.

Brazilian Game Developers. www.braziliangamedevelopers.com.br BGD, Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers, completa seu 1º. ano em maio de 2014 e será renovado até junho de 2016. Programa sem fins lucragvos, criado

Leia mais

A IntegraçãoProdutivadaAméricaLatina e Caribe: Oportunidades para o Setor de Software e Serviços de TI

A IntegraçãoProdutivadaAméricaLatina e Caribe: Oportunidades para o Setor de Software e Serviços de TI A IntegraçãoProdutivadaAméricaLatina e Caribe: Oportunidades para o Setor de Software e Serviços de TI I Seminário Internacional sobre Software e Serviços de TI: Políticas Públicas e Estratégias Empresariais

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG "Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia para a retomada do desenvolvimento INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG BDMG: Foco em Inovação Novembro/14 Dezembro/15 O BDMG em resumo 2 O Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Prêmio Valor Inovação Brasil 2017

Prêmio Valor Inovação Brasil 2017 Prêmio Valor Inovação Brasil 2017 Inovação Inovação é a geração e desenvolvimento estruturado, de maneira recorrente, de novas ideias que geram valor significativo para as empresas Critérios de participação

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA INVESTIMENTOS

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA INVESTIMENTOS PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA INVESTIMENTOS Janeiro/2015 SUMÁRIO Em, menos indústrias paulistas investiram em relação a 2013. Dentre as que investiram, um percentual maior apenas continuou projetos

Leia mais

BRDE Soluções para o. Próprios. Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento

BRDE Soluções para o. Próprios. Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento BRDE Soluções para o Financiamento de Recursos Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento 2 Onde conseguir recursos UOL 03/09/2013 A resposta é a mais óbvia

Leia mais

Textos site Lux Brasil Revisado em 30/07/2014 Ana Maria Senatore

Textos site Lux Brasil Revisado em 30/07/2014 Ana Maria Senatore Textos site Lux Brasil Revisado em 30/07/2014 Ana Maria Senatore (ana@senatorecomunicacao.com) 1. Institucional Sobre a Abilux Entidade Executiva do Projeto Setorial Lux Brasil Criada em 1985, a Abilux

Leia mais

Conteúdo. 1 Institucional Serviços financeiros Atuação Credenciais Equipe 13

Conteúdo. 1 Institucional Serviços financeiros Atuação Credenciais Equipe 13 Conteúdo 1 Institucional 03 2 Serviços financeiros 05 3 Atuação 08 4 Credenciais 10 5 Equipe 13 2 1 Institucional Institucional A GlobalTrevo Consulting é uma empresa brasileira com expertise em consultoria

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Inovação. Nelson Akio Fujimoto Secretário de Inovação

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Inovação. Nelson Akio Fujimoto Secretário de Inovação Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Inovação Nelson Akio Fujimoto Secretário de Inovação Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer.

Leia mais

Os Desafios das Startups e o Investimento Anjo

Os Desafios das Startups e o Investimento Anjo Os Desafios das Startups e o Investimento Anjo Cassio Spina 23/04/2013 1 2 Vale da Morte das Empresas Inovação/ Protótipo Falta Capital Experiência Negócio/ Produto 3 Exemplos de STARTUPs No Brasil: Case

Leia mais

Arlon América Latina

Arlon América Latina 2016 Arlon América Latina Somos uma gestora de private equity formada por profissionais experientes e focada em investimentos de capital para crescimento em empresas emergentes de toda cadeia ligada ao

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

OFERTA PUBLICA DE AÇÕES Coletiva com a Imprensa. José Sergio Gabrielli Presidente Almir Barbassa - Diretor

OFERTA PUBLICA DE AÇÕES Coletiva com a Imprensa. José Sergio Gabrielli Presidente Almir Barbassa - Diretor OFERTA PUBLICA DE AÇÕES 2010 Coletiva com a Imprensa José Sergio Gabrielli Presidente Almir Barbassa - Diretor 1 Sumário da Oferta Oferta Total (US$ 69,9 bilhões) Inclui Hot Issue e GreenShoe Prioritária

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017

Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017 Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017 PANORAMA MUNDIAL Chegada de Turistas x Receita Cambial - Em 2015 6,3 milhões de turistas estrangeiros chegaram ao

Leia mais

Missão Empresarial Minas Gerais

Missão Empresarial Minas Gerais Faz negócio. Convite Missão Empresarial 3º Encontro Ourém 18 a 22 de Abril Belo Horizonte Brasil 29 de Junho a 2 de Julho Centro de Negócios de Ourém Portugal Missão Empresarial 3º Encontro Ourém / Convite

Leia mais

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004 José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores Julho de 2004 As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Disclaimer Apresentação preparada pela Iporanga Investimentos Ltda. A Iporanga Investimentos não comercializa nem distribui cotas de Fundos de Investimentos ou outro ativo financeiro.

Leia mais

Encadeamento Produtivo Estratégia de atuação do Sistema SEBRAE PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS TRABALHANDO JUNTAS PELA SUSTENTABILIDADE

Encadeamento Produtivo Estratégia de atuação do Sistema SEBRAE PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS TRABALHANDO JUNTAS PELA SUSTENTABILIDADE Encadeamento Produtivo Estratégia de atuação do Sistema SEBRAE PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS TRABALHANDO JUNTAS PELA SUSTENTABILIDADE Encadeamento Produtivo Estratégia para aumentar a competitividade, a

Leia mais

Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil

Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil 2011/2012 kpmg.com/br www.abvcap.com.br 2 Consolidação de Dados da Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil

Leia mais

Comunicação & Relações Governamentais

Comunicação & Relações Governamentais Plano de Ação Comunicação & Relações Governamentais Data: 06.dezembro.2013 Eng. Antonio E. F. Müller Presidente História Associação Brasileira de Engenharia Industrial Entidade civil sem fins lucrativos

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013 CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade Dezembro, 2013 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Fornecedores. Implementação nas empresas do Brasil. Instituto de Logística e Supply Chain

Programa de Desenvolvimento de Fornecedores. Implementação nas empresas do Brasil. Instituto de Logística e Supply Chain Programa de Desenvolvimento de Fornecedores Implementação nas empresas do Brasil 2011 Instituto de Logística e Supply Chain Apresentação Procurando entender em que estágio a prática de implementação de

Leia mais

Fórum. Financeiro. temas em discussão 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO

Fórum. Financeiro. temas em discussão 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO Fórum Financeiro temas em discussão 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO UM DEBATE C-LEVEL SOBRE OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR DE ÓLEO E GÁS NO BRASIL INVESTIDORES, BANCOS E GRANDES

Leia mais

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Pergunta a responder... Para onde vão a economia, o ambiente de negócios e a gestão empresarial em?

Leia mais

Workshop Alinhamento. Junho 2009

Workshop Alinhamento. Junho 2009 Workshop Alinhamento Junho 2009 Mini-censo Educação Atuar em parceria não é novidade para associados que praticam seu ISP na área da Educação na própria execução de seus programas recebendo aportes de

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Investimentos em Startups no Brasil. Andre Ghignatti Diretor Executivo

Investimentos em Startups no Brasil. Andre Ghignatti Diretor Executivo Investimentos em Startups no Brasil Andre Ghignatti Diretor Executivo andre@wow.ac Agenda A Indústria de Capital de Risco Startups & Aceleradoras no Brasil O que procuramos e como Investimos Qual é o Principal

Leia mais

Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro

Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro Reunião de Diretoria e Conselhos da Associação de Comércio Exterior do Brasil - AEB Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro Secretária de Comércio Exterior Ministério da Indústria, Comércio Exterior

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Mercado de Capitais

Coletiva de Imprensa. Mercado de Capitais Coletiva de Imprensa Mercado de Capitais MERCADOS DOMÉSTICO E EXTERNO Captação externa foi a única fonte de funding que cresceu em volume no ano de 2016 Total de Ofertas - Mercado Externo (RF) + Mercado

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTOS PRODUTIVOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO PRODUTIVIDADE CADEIA DE VALOR APRESENTAÇÃO O

Leia mais

Missão para Israel. 31 de Maio a 04 de Junho 2015

Missão para Israel. 31 de Maio a 04 de Junho 2015 Missão para Israel 31 de Maio a 04 de Junho 2015 Um programa de imersão e vivência na Startup Nation Conheça um dos ecossistemas mais dinâmicos para o empreendedorismo de inovação e capital de risco com

Leia mais

Documento de Referência para o Pólo de TIC de Maceió

Documento de Referência para o Pólo de TIC de Maceió Página 01 Empreendimentos de tecnologia da informação e inovação tecnológica contribuem significativamente para o desenvolvimento sustentável de forma sólida e perene. Entretanto, isto só se torna possível,

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indústria brasileira volta a reduzir seus investimentos 16 foi o terceiro ano consecutivo de grandes dificuldades para a indústria, o que comprometeu os planos

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0030_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - MARÇO DE

NOTA TÉCNICA Nº 0030_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - MARÇO DE NOTA TÉCNICA Nº 0030_V1_ CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - MARÇO DE - Jaraguá do Sul (SC), Abril de. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável,

Leia mais

Prezado Empresário, CeBIT Brasil, País Parceiro 06 a 10 de março de 2012, em Hannover, na Alemanha

Prezado Empresário, CeBIT Brasil, País Parceiro 06 a 10 de março de 2012, em Hannover, na Alemanha Prezado Empresário, A Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX), com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), do Ministério das Comunicações (MC), do Ministério

Leia mais

Empresários estão mais otimistas com o faturamento de seu negócio em 2010

Empresários estão mais otimistas com o faturamento de seu negócio em 2010 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 1º trimestre de 2010 Empresários estão mais otimistas com o faturamento de seu negócio em 2010 Pesquisa com 1012 executivos registra intenção generalizada

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO O SEBRAE-SP O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) - em SP, tem a missão de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos

Leia mais

Agenda ABGF FGE FGIE 2

Agenda ABGF FGE FGIE 2 1 Agenda ABGF FGE FGIE 2 Agenda ABGF FGE FGIE 3 ABGF Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias ABGF Breve histórico Lei 12.712, de 30 de agosto de 2012, entre outros atos, autoriza

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS Junho, 2016 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. COMITÊ DE RISCO e CONTROLES INTERNOS... 3 3. ORGANOGRAMA... 3 4. RISCO DE CRÉDITO... 4 5. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 6. RISCO DE CONTRAPARTE...

Leia mais

PLANO AQUARELA

PLANO AQUARELA PLANO AQUARELA 2007-2010 Evolução do Turismo no Mundo TABELA 1 TENDÊNCIAS DO TURISMO MUNDIAL - ENTRADA DE TURISTAS (MILHÕES) 2003 2004 2005 2006 Previsão 2010 Previsão 2020 MUNDO 694,0 764,0 806,0 842,0

Leia mais

Apresentação Institucional Incluindo resultados de 2015 JBS S.A. UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS

Apresentação Institucional Incluindo resultados de 2015 JBS S.A. UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS Apresentação Institucional Incluindo resultados de 2015 JBS S.A. UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS A JBS AT A GLANCE Receita Líquida de R$163 bilhões em 2015 Segunda maior empresa global de alimentos¹

Leia mais

HISTÓRIAS REAIS DE INVESTIDAS

HISTÓRIAS REAIS DE INVESTIDAS Foto: Osmar Paixão. HISTÓRIAS REAIS DE INVESTIDAS Cléber Manzoni, empreendedor da Enalta, investida pelo Fundo Criatec, co-gerido pela INSEED Investimentos. A INSEED Investimentos é uma gestora de recursos

Leia mais

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008 Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G Helena Tenório Chefe do Departamento de Programas e Políticas do 2 de julho de 2008 Parceria Petrobras INVESTIMENTO FINANCIAMENTO Desenvolvimento da

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação Federação das Indústrias do Estado do Ceará Sistema FIEC Fortaleza, 18 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação João Carlos Ferraz Vice-Presidente 1 Mundo 2 Crise de longa

Leia mais

V Fórum da UE-CPLP. 16 e 17 de Dezembro. Europarque - Santa Maria da Feira ORGANIZAÇÃO APOIO INSTITUCIONAL

V Fórum da UE-CPLP. 16 e 17 de Dezembro. Europarque - Santa Maria da Feira ORGANIZAÇÃO APOIO INSTITUCIONAL V Fórum da UE-CPLP 16 e 17 de Dezembro Europarque - Santa Maria da Feira ORGANIZAÇÃO APOIO INSTITUCIONAL PATROCINADORES APOIOS 1. CONCEITO 5º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP ESPAÇO MOSTRA GRANDE CONFERÊNCIA

Leia mais

Como estamos organizados

Como estamos organizados A nossa missão PROPORCIONAR AOS EMPRESÁRIOS PORTUGUESES E BRASILEIROS INFORMAÇÕES, SERVIÇOS E OPORTUNIDADES DE NETWORKING QUE RESULTEM NO ESTIMULO E CRESCIMENTO DOS NEGÓCIOS ENTRE AS SUAS EMPRESAS. Como

Leia mais

Principais atividades do Deconcic em 2015

Principais atividades do Deconcic em 2015 Principais atividades do Deconcic em 2015 18 de janeiro de 2016 Participações em reuniões de trabalho; Representações institucionais em eventos do setor; Encontros específicos para tratar do Sistema Integrado

Leia mais

A Startup Portugal é a estratégia do Governo da República para o Empreendedorismo

A Startup Portugal é a estratégia do Governo da República para o Empreendedorismo A Startup Portugal é a estratégia do Governo da República para o Empreendedorismo Pensada a quatro anos, foca-se em 3 áreas de atuação: I. Ecossistema II. Financiamento III. Internacionalização Mais do

Leia mais

Carta Mensal Dezembro 2016

Carta Mensal Dezembro 2016 Carta Mensal Dezembro 2016 Índice: Fundos Multimercados Fundos de Ações 2 4 Fundos Multimercados - Atribuição de Performance Safra Carteira Institucional FI Multimercado (CTI) (a)(2)(4)(10)(12)(24)(27)(33)(35)

Leia mais

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás 10º Encontro Anual PRH / ANP 18-19.06.2008 Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás Rogério Amaury de Medeiros Área de Planejamento medeiros@finep.gov.br

Leia mais

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010 FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro 22-26 de março, 2010 ESTUDO DE CASO: Projeto de Desenvolvimento Econômico Regional do Ceará (Cidades do Ceara Cariri Central) Emanuela Rangel Monteiro CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO

24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO UM DEBATE C-LEVEL SOBRE OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR DE ÓLEO E GÁS NO BRASIL INVESTIDORES, BANCOS E GRANDES EMPRESAS REUNIDAS PARA FALAR SOBRE O

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

21 a 24 de Junho. Post Show Report

21 a 24 de Junho. Post Show Report 2018 2017 21 a 24 de Junho Post Show Report 2018 ABF : Uma entidade de sonhos Ousamos sonhar num contexto de tantas dificuldades, porque os sonhos nos movem e conseguimos enxergar nas crises as oportunidades.

Leia mais

Estudo BNDES: diagnóstico e proposta de políticas públicas para IOT

Estudo BNDES: diagnóstico e proposta de políticas públicas para IOT Estudo BNDES: diagnóstico e proposta de políticas públicas para IOT Seminário a Internet na América Latina e a Contribuição Econômica do Ecossistema Digital Painel: Políticas Públicas: Tecnológica Ricardo

Leia mais

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 28 de Abril de 2016

Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 28 de Abril de 2016 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Informe Semanal de Investimentos Setoriais Anunciados 28 de Abril de 16 A francesa Sanofi investirá milhões até em Guarulhos (SP) A farmacêutica francesa

Leia mais

EDITAL DA SEGUNDA CHAMADA MULTISSETORIAL PARA A SELEÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

EDITAL DA SEGUNDA CHAMADA MULTISSETORIAL PARA A SELEÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EDITAL DA SEGUNDA CHAMADA MULTISSETORIAL PARA A SELEÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO 1. OBJETIVO A BNDES PARTICIPAÇÕES S.A. BNDESPAR, sociedade por ações constituída como subsidiária integral do BANCO NACIONAL

Leia mais

FINANCIAMENTO À INOVAÇÃO PROPOSTAS E RECOMENDAÇÕES

FINANCIAMENTO À INOVAÇÃO PROPOSTAS E RECOMENDAÇÕES 4ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 30 DE SETEMBRO DE 2016 FINANCIAMENTO À INOVAÇÃO PROPOSTAS E RECOMENDAÇÕES Bernardo Gradin GranBio A economia brasileira está perdendo competitividade Índice

Leia mais

Tiago Terra Apex-Brasil. Por que exportar?

Tiago Terra Apex-Brasil. Por que exportar? Tiago Terra Apex-Brasil Por que exportar? Apex-Brasil A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, atua há anos para promover os estudos e serviços brasileiros no exterior e atrair

Leia mais

VIII Seminário Internacional Lares

VIII Seminário Internacional Lares . Associação Brasileira de Shopping Centers Setembro / 2008 VIII Seminário Internacional Lares A indústria de Shoppings no Brasil Shopping Centers no Brasil A indústria de Shopping Centers vem demonstrando

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SÉRGIO PAUPÉRIO SÉRIO FILHO DEZEMBRO/2015 24 QUEM SOMOS De origem

Leia mais

Santander Global Multimercado

Santander Global Multimercado Fundo especial para O Fundo Canais de Atendimento 1. UMA ESPECIAL PARA CLIENTES SANTANDER SELECT. Assessoria na gestão do seu patrimônio feita com exclusividade para você. Um dos nossos principais objetivos

Leia mais

O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o

O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o APRESENTAÇÃO O PROJETO O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o desenvolvimento da cadeia logística do

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067 FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA COMANDANTE SANTIAGO davi.santiago@defesa.gov.br Tel: (61) 3312-4068 / 4067 SUMÁRIO PROPÓSITO O INTERESSE DA DEFESA NACIONAL PORTARIA MCT/MD Nº 750 PARCEIROS

Leia mais

Invest in Lombardy porta de entrada na Itália, ponte entre a Europa e o Mediterrâneo

Invest in Lombardy porta de entrada na Itália, ponte entre a Europa e o Mediterrâneo Invest in Lombardy porta de entrada na Itália, ponte entre a Europa e o Mediterrâneo 2 PORQUE A LOMBARDIA LOMBARDIA - PERFIL População: 9,7 milhões PIB: 300 bilhões Área: 24 mil Km 2 Quase um quarto do

Leia mais

Infraestrutura. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Infraestrutura. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Infraestrutura Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Eleito o melhor escritório da América Latina pelo Chambers & Partners Awards 2015

Leia mais

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 Apoio: Cooperação: SOBRE OS AUTORES Hugo Ferreira Braga Tadeu é Professor e Pesquisador da Fundação

Leia mais