VISÃO DE LONGO PRAZO: INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS, EM INFRAESTRUTURA E PRIVATE EQUITY

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VISÃO DE LONGO PRAZO: INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS, EM INFRAESTRUTURA E PRIVATE EQUITY"

Transcrição

1 VISÃO DE LONGO PRAZO: INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS, EM INFRAESTRUTURA E PRIVATE EQUITY Maurício Marcellini Pereira Diretor de Investimentos Fundação dos Economiários Federais - FUNCEF

2 Agenda Visão Geral FUNCEF Estratégia Construção de Portfólio Desafios e oportunidades em Infraestrutura

3 Visão Geral - FUNCEF Recebimento de contribuições: R$ milhões; Patrimônio Líquido: R$ 54,9 bilhões Pagamento de benefícios e pensões: R$ milhões; Participantes: 135 mil ativos e assistidos. Ano RF RV Imóveis Oper. Com Part. Inv. Est FUNCEF Meta Atuarial IBOVESPA Selic ,5% -0,4% 20,5% 15,2% 12,0% 9,3% 12,0% 7,4% 8,5% ,8% -3,3% 23,4% 15,0% 20,2% 7,0% 11,4% -15,5% 8,2% ,0% 1,3% 4,4% 11,1% 4,5% 5,7% 8,9% 5,1% 7,9% 10 anos (*) 287,3% 527,4% 548,7% 217,0% 41,3% N/D 247,1% 158,1% 96,6% 163,7% 60 meses (**) 83,0% 39,7% 151,2% 98,6% 50,3% 69,9% 74,6% -12,0% 57,9% Data Base: Setembro/2014 (*) 2004 a 2013; (**) outubro/2009 a setembro/2014. Alocação Segmento 3.792/2009 (Setembro/2014). Renda Fixa Renda Variável Imóveis Op. Participantes Estruturados 45,3% 31,9% 8,6% 4,3% 10,0%

4 Estratégia de Investimentos em FIPs Tradicionais Por que investir por meio de um gestor de Private Equity? Acesso a empresas não listadas Governança Preparar a companhia para bolsa Maior número de empresas e setores disponíveis fora do ambiente de bolsa Influência na gestão para melhorar indicadores operacionais e acelerar crescimento Inserir a empresa em um ambiente de maior transparência e melhor governança Melhora de múltiplos Devido a uma gestão focada e especializada Acesso a outras geografias e segmentos da economia Controle da empresa Por meio de gestores especializados em certas regiões geográficas e setores específicos Gestores com estratégias de tomada de controle, possibilitando maior influência nas companhias

5 Por que investimos em Infraestrutura e Private Equity? A equipe de Private Equity busca investimentos em setores que se enquadrem em ao menos um dos pilares abaixo. Onde exista vantagem competitiva ocorrência de níveis de performance econômica acima da média de mercado em função das estratégias adotadas pelas empresas do setor. Que seja gargalo econômico são oportunidades geradas por demandas reprimidas cujo desenvolvimento acarrete melhorias em outros setores e para a economia como um todo. Com baixa penetração na economia segmentos com oportunidade de desenvolvimento e consolidação devido a sua baixa exploração pelo mercado.

6 Processo de Seleção de Investimentos Estruturados Cadastro da Oportunidade Habilitação Classificação e Seleção Negociação Aprovação Investimento Todas propostas são cadastradas em sistema próprio Triagem das propostas Critérios Eliminatórios Apresentação Notas de 0 a 5 Nota de corte: 4 Diligência Regulamento Boletim de Subscrição PA GT DE Assinatura Transferência DIPAR Ranking Termo de Adesão Compromisso de Investimento Critérios de Análise Tese de Investimento (25%) Potencial do Gestor (25%) Aderência à Estratégia da FUNCEF (20%) Comprometimento do Gestor (10%) Governança Corporativa (20%)

7 Posição Atual Vintage dos Fundos Total de 50 fundos investidos, sendo 18 de infraestrutura. Comprometido: R$ 6,0 bi sendo R$ 3,7 bi em infra (74%). 13 Integralizado: R$ 4,9 bi sendo R$ 1,5 em infra (26%).

8 Setores Priorizados / ano Energia Têxtil Energia Energia Logística Saneamento Serviços Serviços TI Alimentos Energia Logística Const. Civil Siderurgia Florestas Energia Educação Const. Civil Varejo Serviços Florestas Energia Alimentos Const. Civil Serviços Petróleo/Gás Portos TI Biotecnologia Serviços Petróleo/Gás Logística Floresta Infraestrutura Inovação Total de 15 setores investidos, sendo 5 de infraestrutura.

9 Capital comprometido / Setor 18 investimentos em infraestrutura sendo: 11 em fundos terceirizados; 7 em investimentos proprietários.

10 No Brasil, o setor de Infraestrutura se enquadrada como um gargalo econômico e, em alguns casos específicos, apresentando baixa penetração na economia. Rede de Fibra óptica no Brasil e EUA Portos e Rodovias Para citar alguns

11 Alinhamento com o passivo da fundação: Em sua maioria, são projetos com contratos atrelados à inflação e com previsível recorrência de receita, alinhado ao passivo, perfil de risco e necessidades de fundos de pensão. Elevado multiplicador do PIB: estudos indicam que cada aumento de R$ 1 no investimento em infraestrutura pode elevar em R$ 3 ou mais o crescimento do PIB no longo prazo. Aumento de produtividade da economia: estudos indicam que um aumento de 1% no capital investido em infraestrutura gera um incremento de 0,48 a 0,53% na produtividade da economia. Melhoria na qualidade de vida da população: serviços de melhor qualidade e com preços menores, maior mobilidade urbana, menos poluição, entre outros. Fonte: Ministério da Fazenda

12 Os desafios e oportunidades em Infraestrutura Desafios Alongamento da Curva J; Necessidade de capital Intensivo x Riscos de execução nos projetos; Seleção dos fundos de private equity e dos sócios estratégicos; Fontes de financiamentos; Mercado secundário em desenvolvimento. Oportunidades Relação risco x retorno atraente; Previsibilidade de retornos com contratos protegidos contra a inflação (indexados); Muitas oportunidades a serem exploradas em diversos setores; Diversificação da carteira de investimentos.

13 Os desafios de investir em Infraestrutura? Alongamento da Curva J O maior ciclo de construção de alguns projetos, implica em maior prazo de início da amortização de recursos, acentuando a curva J do investimento. Reforça-se a necessidade de um ALM bem programado e com investimentos periódicos, ancorados na Política de Investimentos. Adicionalmente faz-se necessário criar uma cultura organizacional dos investidores (Processo de Seleção de Investimentos, Equipe com expertise)

14 Os desafios de investir em Infraestrutura? Intensivo em Capital com risco de execução Os projetos de infraestrutura necessitam de uma grande quantidade de recursos a serem aportados ao longo dos anos, além de desafios de execução a serem superados e de estrutura de capital ideal. Entretanto, a relação risco X retorno é atraente e está em linha com o perfil do passivo das EFPC.

15 Nossa experiência em infraestrutura

16 FIP Caixa Logística Invest.: R$ 220 MM Part: 7,33% Foco: Logística Ano: 2014 Invest.: R$ 300 MM Part: 17,24% Foco: Saneamento Ano: 2013 FIP Pátria P2 Invest.: R$ 100 MM Part: 3,33% Foco: Infraestrutura Ano: 2013 Brasil Óleo e Gás Invest.: R$ 100 MM Part: 20% Foco: Óleo e Gás Ano: 2012 FIP Brasil Portos Invest.: R$ 120 MM Part: 21% Foco: Portos Ano: 2012 FIP Sondas Invest.: R$ 1.386MM Part: 19,21% Foco: Óleo e Gás Ano: 2011 FIP RG Estaleiros Invest.: R$ 141 MM Part: 25% Foco: Logística Ano: 2010 FIP Óleo e Gás Invest.: R$ 108 MM Part: 21,67% Foco: Óleo e Gás Ano: 2010 FIP Energia PCH Invest.: R$ 114 MM Part: 19,3% Foco: Energia Ano: 2008 FIP Multiner Invest.: R$ 187 MM Part: 23,3% Foco: Energia Ano: 2008 FIP BRZ ALL Invest.: R$ 77 MM Part: 22% Foco: Infraestrutura Ano: 2008 FIP Caixa Ambiental Invest.: R$ 100 MM Part: 25% Foco: Saneamento Ano: 2008 FIP Brasil Mezanino Invest.: R$ 80 MM Part: 20,65% Foco: Infraestrutura Ano: 2008 FIP Angra Infra Invest.: R$ 140 MM Part: 18,62% Foco: Infraestrutura Ano: 2006 FIP Logística Brasil Invest.: R$ 80 MM Part: 17,32% Foco: Logística Ano: 2006 FIP Infra Brasil Invest.: R$ 206 MM Part: 25% Foco: Energia Ano: 2006 FIP Brasil Energia Invest.: R$ 260 MM Part: 24,86% Foco: Energia Ano: 2005 FIP Inv. Inst. Invest.: R$ 157 MM Part: 13,47% Foco: Infraestrutura Ano: 1997

17 Reflexão Num cenário de juros declinantes no longo prazo, a construção de uma Politica de Investimentos diversificada que possibilite alcançar retornos superiores às metas atuariais deve incluir os investimentos alternativos. A visão de longo prazo e disciplina devem prevalecer, mesmo havendo desincentivo no curto prazo. Tais investimentos têm estruturas mais complexas, e necessitam de permanente capacitação do corpo funcional das EFPC. Importância de desenvolver programas de investimentos para alcançar a maturidade das carteiras e a expertise da área de gestão (ampla diversificação, disciplina em safras anuais, processos de seleção e avaliação de gestores)

18 Obrigado!

Seminário Obras Públicas - FGV Aportes de Recursos em FIPs em Infraestrutura para Reinício de Empreendimentos Paralizados 05/06/2017

Seminário Obras Públicas - FGV Aportes de Recursos em FIPs em Infraestrutura para Reinício de Empreendimentos Paralizados 05/06/2017 Seminário Obras Públicas - FGV Aportes de Recursos em FIPs em Infraestrutura para Reinício de Empreendimentos Paralizados 05/06/2017 Por que o BNDES apoia fundos de PE/VC? Apoio a MPMEs (Empreendedorismo)

Leia mais

Plano 1. Conheça a Composição do Resultado da PREVI - = Resultado

Plano 1. Conheça a Composição do Resultado da PREVI - = Resultado Plano 1 Conheça a Composição do Resultado da PREVI - = Resultado Balanço Patrimonial Ativo Onde estão aplicados todos os recursos do Plano 1 Passivo Renda Variável Investimentos em ações 50,83% Carteira

Leia mais

Estratégias para a elaboração da Política de Investimentos

Estratégias para a elaboração da Política de Investimentos Estratégias para a elaboração da Política de Investimentos 33º Encontro Regional APEPREM Marília - SP Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos;

Leia mais

Como a estrutura organizacional pode impactar no desempenho dos investimentos de seu fundo de pensão?

Como a estrutura organizacional pode impactar no desempenho dos investimentos de seu fundo de pensão? RH 2020: Valor e Inovação Como a estrutura organizacional pode impactar no desempenho dos investimentos de seu fundo de pensão? Luiz Mario Monteiro de Farias 7 de maio de 2015, São paulo A Estrutura Organizacional

Leia mais

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro Squadra Participações SQUADRA INVESTIMENTOS 2008 Fundação da Squadra Investimentos Gestora independente de recursos com foco em ações de

Leia mais

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Brasília 26/03/2015 2 Recebimento de contribuições: R$ 1.746 milhões; Pagamento de benefícios e pensões: R$ 2.086 milhões; Participantes: 137,0 mil ativos e assistidos;

Leia mais

PREVI futuro - Out / = Resultado

PREVI futuro - Out / = Resultado PREVI futuro - Out / 2017 - = Resultado Balanço Patrimonial Ativo Passivo Onde estão aplicados todos os recursos do Plano PREVI Futuro Estes são distribuídos em uma Carteira de Investimentos Distribuição

Leia mais

Fundo InfraPaulista, para apoiar concessões e PPPs nos Municípios

Fundo InfraPaulista, para apoiar concessões e PPPs nos Municípios Fundo InfraPaulista, para apoiar concessões e PPPs nos Municípios Agosto de 2017 QUEM SOMOS A Desenvolve SP é a instituição financeira do Estado de São Paulo que promove o desenvolvimento da economia por

Leia mais

COSAN DAY Ricardo Mussa

COSAN DAY Ricardo Mussa COSAN DAY 2012 Ricardo Mussa Disclaimer 2 Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

Painel I: Negócios não-financeiros no BB. José Maurício Pereira Coelho Diretor de Mercado de Capitais e Investimentos

Painel I: Negócios não-financeiros no BB. José Maurício Pereira Coelho Diretor de Mercado de Capitais e Investimentos Painel I: Negócios não-financeiros no BB José Maurício Pereira Coelho Diretor de Mercado de Capitais e Investimentos Banco do Brasil no mundo BB Securities Ltd (Londres) Banco do Brasil Securities LLC

Leia mais

Você espera o melhor. A gente faz. Dezembro / 2014

Você espera o melhor. A gente faz. Dezembro / 2014 Você espera o melhor. A gente faz. Dezembro / 2014 SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia História de Empreendedorismo e Crescimento Uma história de sucesso, crescimento e rentabilidade 2014 Fundação com 16

Leia mais

ALTERNATIVAS DE ALOCAÇÃO EM CENÁRIOS DE JUROS BAIXOS

ALTERNATIVAS DE ALOCAÇÃO EM CENÁRIOS DE JUROS BAIXOS ALTERNATIVAS DE ALOCAÇÃO EM CENÁRIOS DE JUROS BAIXOS Distribuição dos Recursos das EFPCs Ativos por Tipo de Investimento Renda Variável Investimentos Estruturados Investimentos no Exterior e Outros imóveis

Leia mais

Você espera o melhor. A gente faz. Locamerica Day

Você espera o melhor. A gente faz. Locamerica Day Você espera o melhor. A gente faz. Locamerica Day SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia História de Empreendedorismo e Crescimento 2015/16 1993 Fundação com 16 carros 2008 PRIVATE EQUITY Maior disciplina financeira

Leia mais

Estruturas de Fomento a Projetos de Inovação

Estruturas de Fomento a Projetos de Inovação Estruturas de Fomento a Projetos de Inovação Inovar para Competir Ampliar o investimento com eficiência, transparência e qualidade Agosto - 2013 Plano Inova Empresa Brasil: o que há de realmente novo?

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2013 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

Evento Investidor Institucional. 9º Fórum Cenários e Perspectivas de Investimentos para o 2º Semestre

Evento Investidor Institucional. 9º Fórum Cenários e Perspectivas de Investimentos para o 2º Semestre Evento Investidor Institucional 9º Fórum Cenários e Perspectivas de Investimentos para o 2º Semestre - 2014 1 CENÁRIO MACROECONÔMICO O cenário macroeconômico recente tem ensejado atenção dos investidores

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

CENÁRIO ECONOMICO COMPARATIVO FACEPI AGENDA MELHORIAS FACEPI

CENÁRIO ECONOMICO COMPARATIVO FACEPI AGENDA MELHORIAS FACEPI CENÁRIO ECONOMICO COMPARATIVO FACEPI AGENDA MELHORIAS FACEPI ECONOMIA INTERNACIONAL TAXAS DE JUROS 3 ECONOMIA INTERNACIONAL TAXAS DE JUROS 4 ECONOMIA INTERNACIONAL TAXAS DE JUROS 5 ECONOMIA INTERNACIONAL

Leia mais

PROGRAMA DE PERFIS DE INVESTIMENTO REGULAMENTO

PROGRAMA DE PERFIS DE INVESTIMENTO REGULAMENTO PROGRAMA DE PERFIS DE INVESTIMENTO REGULAMENTO 1. FINALIDADE 1.1. Este regulamento define as regras gerais do Programa de Perfis de Investimento da Odebrecht Previdência (ENTIDADE), disciplinando as modalidades

Leia mais

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão José Antonio Gragnani Patrimônio dos Fundos de Pensão como proporção do PIB em 2014 (%) Países membros da OCDE Países não membros da OCDE O Patrimônio

Leia mais

O papel da CAIXA na Estruturação e Modelagem de Parcerias Público Privadas. Roberto Derziê de Sant Anna Vice-Presidente de Governo

O papel da CAIXA na Estruturação e Modelagem de Parcerias Público Privadas. Roberto Derziê de Sant Anna Vice-Presidente de Governo E O papel da CAIXA na Estruturação e Modelagem de Parcerias Público Privadas Roberto Derziê de Sant Anna Vice-Presidente de Governo Cenário atual das Concessões e PPP no Brasil 101 Contratos de PPP assinados

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 Apoio do BNDES à Infraestrutura Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 BNDES Desembolsos do BNDES Infraestrutura representa mais de 1/3 R$ bilhões 168

Leia mais

Fundo de Investimento em Participações FIP

Fundo de Investimento em Participações FIP Renda Variável Fundo de Investimento em Participações FIP Fundo de Investimento em Participações O produto O Fundo de Investimento em Participações (FIP) é uma comunhão de recursos destinados à aplicação

Leia mais

A Indústria Brasileira de Private Equity e Venture Capital (PE&VC) como oportunidade de diversificação de carteira dos investidores institucionais

A Indústria Brasileira de Private Equity e Venture Capital (PE&VC) como oportunidade de diversificação de carteira dos investidores institucionais A Indústria Brasileira de Private Equity e Venture Capital (PE&VC) como oportunidade de diversificação de carteira dos investidores institucionais Fernando Cezar Borges Presidente da ABVCAP Agenda A ABVCAP

Leia mais

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa ANBIMA - Seminário Conta de Liquidação e Compromissada Intradia Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa Paulo Fontoura Valle Subsecretário da Dívida Pública Secretaria do Tesouro Nacional

Leia mais

Fundo de Investimento em Participações FIP

Fundo de Investimento em Participações FIP Renda Variável Fundo de Investimento em Participações FIP Fundo de Investimento em Participações O produto O Fundo de Investimento em Participações (FIP) é uma comunhão de recursos destinados à aplicação

Leia mais

Apresentação para. 04/12/2015 Confidencial. Confidencial

Apresentação para. 04/12/2015 Confidencial. Confidencial Apresentação para 04/12/2015 ABVCAP A associação representativa da indústria brasileira de capital de investimento produtivo, com a missão de promover e desenvolver os investimentos de longo prazo no Brasil

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

BOLETIM. Fundos de Investimento. Recuo dos juros favorece aplicações em renda fixa. Destaque do Mês. Indústria de Fundos em Números - Abr/12

BOLETIM. Fundos de Investimento. Recuo dos juros favorece aplicações em renda fixa. Destaque do Mês. Indústria de Fundos em Números - Abr/12 Fundos de Investimento BOLETIM Ano VII Nº 73 Maio/2012 Recuo dos juros favorece aplicações em renda fixa Indústria de Fundos em Números - Abr/12 MERCADO DOMÉSTICO R$ 2.032,4 bi de PL 0,3% Variação % do

Leia mais

PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR DE RENDA VARIÁVEL

PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR DE RENDA VARIÁVEL PRINCIPAIS PRODUTOS E PERFIL DO INVESTIDOR DE RENDA VARIÁVEL CONCEITOS PERFIL DO INVESTIDOR CONCEITOS Investimentos que representam a propriedade de um ativo (bem ou direito) A remuneração é a valorização

Leia mais

Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2015

Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2015 Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2015 SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia História de Empreendedorismo e Crescimento 2014 1993 Fundação com 16 carros 2008 PRIVATE EQUITY maior disciplina financeira

Leia mais

Alocação Atual x Limite Legal

Alocação Atual x Limite Legal Relatório de Avaliação da Política de Investimento Relatório Semestral 2º semestre de 2010 Relatório de Avaliação da Política de Investimento 2º semestre de 2010 O presente relatório tem por objetivo avaliar

Leia mais

INVESTIMENTO EM RENDA VARIÁVEL, O MOMENTO É OPORTUNO?

INVESTIMENTO EM RENDA VARIÁVEL, O MOMENTO É OPORTUNO? INVESTIMENTO EM RENDA VARIÁVEL, O MOMENTO É OPORTUNO? Gasto com Previdência (%PIB) Cenário Econômico Aprovação da Reforma da Previdência é essencial 30,0 25,0 Gastos com Previdência e Perfil Demográfico

Leia mais

Você espera o melhor. A gente faz. Novembro / 2015

Você espera o melhor. A gente faz. Novembro / 2015 Você espera o melhor. A gente faz. Novembro / 2015 SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia Estrutura Societária Controladores Pátria Investimentos DVG1 Banco Votorantim Empreendimentos e Participações Outros*

Leia mais

DESAFIOS E DILEMAS DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO HOMENAGEM A EDMAR BACHA. Fevereiro 2017 Luiz Chrysostomo

DESAFIOS E DILEMAS DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO HOMENAGEM A EDMAR BACHA. Fevereiro 2017 Luiz Chrysostomo DESAFIOS E DILEMAS DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO HOMENAGEM A EDMAR BACHA Fevereiro 2017 Luiz Chrysostomo HISTÓRICO No final de 2003 o IEPE/CdG e a ANBID (atual ANBIMA) elaboraram uma ampla agenda de

Leia mais

PREVI Futuro. Conheça o desempenho de Janeiro a Julho/2017. Resultado - =

PREVI Futuro. Conheça o desempenho de Janeiro a Julho/2017. Resultado - = Resultado PREVI Futuro Conheça o desempenho de Janeiro a Julho/ - = Balanço Patrimonial Ativo Onde estão aplicados todos os recursos do PREVI Futuro Passivo Renda Variável Investimentos em ações 29,39%

Leia mais

Apresentação institucional 27 de junho de 2013

Apresentação institucional 27 de junho de 2013 Apresentação institucional 27 de junho de 2013 1 Introdução 2 O setor de TI 3 A Senior Solution 4 Indicadores financeiros 5 Aquisição da Drive Introdução Pioneirismo e liderança na vertical financeira

Leia mais

Financiamento a Projetos: Mercado de Capitais. Seminário: Financiar para Crescer

Financiamento a Projetos: Mercado de Capitais. Seminário: Financiar para Crescer Financiamento a Projetos: Mercado de Capitais Seminário: Financiar para Crescer São Paulo 30 de Novembro, 2016 Financiamento a Infraestrutura O apoio de bancos comerciais ao financiamento de projetos de

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC A CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC FOI FUNDADA EM 1957 É A, REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T14 e 1S14

Apresentação de Resultados 2T14 e 1S14 Apresentação de Resultados 2T14 e 1S14 Destaques do Período Geração de caixa. Geração de caixa no semestre de R$ 82 milhões (proporcional) e R$ 64 milhões (IFRS). Redução de alavancagem no semestre. Dívida

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

RELATÓRIO RESUMIDO DAS OTIMIZAÇÕES DE ALM PARA O PLANO PP2 FLUXO LÍQUIDO DE BENEFÍCIOS (PASSIVO LÍQUIDO) PROJETADO PARA O PP2

RELATÓRIO RESUMIDO DAS OTIMIZAÇÕES DE ALM PARA O PLANO PP2 FLUXO LÍQUIDO DE BENEFÍCIOS (PASSIVO LÍQUIDO) PROJETADO PARA O PP2 RELATÓRIO RESUMIDO DAS OTIMIZAÇÕES ALM PARA O PLANO PP2 FLUXO LÍQUIDO BENEFÍCIOS (PASSIVO LÍQUIDO) PROJETADO PARA O PP2 Período de acumulação pelos próximos vinte e sete anos (2042), com pico de pagamentos

Leia mais

BOLETIM. Fundos de Investimento. Indústria registra captação líquida de R$ 97,6 bi no ano. Destaque do Mês. Indústria de Fundos em Números - Dez/12

BOLETIM. Fundos de Investimento. Indústria registra captação líquida de R$ 97,6 bi no ano. Destaque do Mês. Indústria de Fundos em Números - Dez/12 Fundos de Investimento BOLETIM Ano VIII Nº 81 Janeiro/2013 Indústria registra captação líquida de R$ 97,6 bi no ano Indústria de Fundos em Números - Dez/12 MERCADO DOMÉSTICO R$ 2.189,0 bi de PL 0,2% Variação

Leia mais

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA Fevereiro de 2016 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: GP/DEDIV/GATE 1. Aspectos Institucionais Apoio a infraestrutura no BNDES Os vários setores são

Leia mais

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial do índice médio de atendimento

Leia mais

Motivação e Alinhamento

Motivação e Alinhamento .03 Cooperacao Uma atuação em conjunto: a ação individual integrada às dos demais indivíduos da comunidade, visando ao bem ou aos objetivos comuns. Estratégia e Vantagens Competitivas GRI: 2 EC2 Usina

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundos de Investimento BALANÇO ANUAL 10/01/2012 1. Evolução do Patrimônio Líquido A Indústria de Fundos registra R$ 1,9 tri de PL sob gestão, o que representa US$ 1,0 trilhão. O PL da indústria apresentou

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10

Apresentação de Resultados 2T10 Apresentação de Resultados 2T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

ESPECIALISTA EM GESTÃO DE RECURSOS

ESPECIALISTA EM GESTÃO DE RECURSOS ESPECIALISTA EM GESTÃO DE RECURSOS BRADESCO ASSET MANAGEMENT MENU PRINCIPAL AGENDA Bradesco Asset Management Filosofia de Investimento Processo de Sustentabilidade Cases de Sustentabilidade Informações

Leia mais

PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES. sobre Private Equity e Venture Capital no Brasil

PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES. sobre Private Equity e Venture Capital no Brasil PERSPECTIVAS DOS INVESTIDORES sobre Private Equity e Venture Capital no Brasil A Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital é uma entidade sem fins lucrativos, em atividade desde o ano

Leia mais

S U M Á R I O. Após longo e intenso período de retração, a economia brasileira consolida o processo de recuperação gradual

S U M Á R I O. Após longo e intenso período de retração, a economia brasileira consolida o processo de recuperação gradual S U M Á R I O Após longo e intenso período de retração, a economia brasileira consolida o processo de recuperação gradual Perspectivas favoráveis para a inflação permitem com que a taxa Selic permaneça

Leia mais

Adiante, demonstração gráfica da rentabilidade dos investimentos.

Adiante, demonstração gráfica da rentabilidade dos investimentos. NOSSA LUTA CONTINUA Paulo Teixeira Brandão - Conselheiro Deliberativo da Petros Eleito pelos Participantes Relação entre Resultado dos Investimentos, Meta Atuarial, Equilíbrio Atuarial e Análise do Resultado

Leia mais

Resumo das Políticas de Investimentos

Resumo das Políticas de Investimentos Plano Promon MultiFlex O Conselho Deliberativo da Fundação Promon, em reunião ocorrida em 14 de dezembro de 2016, aprovou a revisão da Política de Investimentos do plano MultiFlex, válida para o período

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

Petrobras e Tereos Internacional: Um passo transformador para a indústria brasileira de cana-de-açúcar e biocombustíveis.

Petrobras e Tereos Internacional: Um passo transformador para a indústria brasileira de cana-de-açúcar e biocombustíveis. : Um passo transformador para a indústria brasileira de cana-de-açúcar e biocombustíveis 3 de maio de 2010 1 Aviso Importante O Grupo Tereos anunciou que considera uma oferta primária de ações da Tereos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES e o Apoio ao Setor de P&G André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento chave

Leia mais

Coletiva de imprensa. Estatísticas de Distribuição

Coletiva de imprensa. Estatísticas de Distribuição Coletiva de imprensa Estatísticas de Distribuição - 2016 Consolidado de Private e Varejo NÚMEROS GERAIS Para fins de compatibilização das informações do boletim consolidado Private + Varejo não foi incluído

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T16

Divulgação de Resultados 1T16 São Paulo - SP, 29 de Abril de 2016. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

SINTESE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2011/2015.

SINTESE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2011/2015. SINTESE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 0/05. Este Informativo apresenta, de forma resumida, a Política de Investimentos da que estabelece os princípios e diretrizes que devem reger os investimentos dos recursos

Leia mais

CARTA MENSAL: Abril/2010. Prezados Investidores,

CARTA MENSAL: Abril/2010. Prezados Investidores, Prezados Investidores, A partir do segundo semestre de 2009, os mercados futuros de juros no Brasil começaram a embutir um aumento relevante da Selic ao longo de 2010. Os investidores de bolsa, porém,

Leia mais

Seminário e Oficina Técnica ABDE-BID: Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFDs) no Financiamento de Infraestrutura Sustentável

Seminário e Oficina Técnica ABDE-BID: Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFDs) no Financiamento de Infraestrutura Sustentável Seminário e Oficina Técnica ABDE-BID: Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFDs) no Financiamento de Infraestrutura Sustentável Instrumentos Inovadores de IFDs no financiamento de Infraestrutura

Leia mais

Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2016

Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2016 Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2016 SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia História de Empreendedorismo e Crescimento 2015/16 1993 Fundação com 16 carros 2008 PRIVATE EQUITY Maior disciplina financeira

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

Earnings Release. Relações com Investidores. Destaques do 1T11. Brasil Insurance Anuncia Resultados do 1T11

Earnings Release. Relações com Investidores. Destaques do 1T11. Brasil Insurance Anuncia Resultados do 1T11 Relações com Investidores Bruno Padilha de Lima Costa Diretor de Relações com Investidores (55 21) 3433-5060 ri@brasilinsurance.com.br Teleconferência de Resultados 1T11 Terça-feira, 17 de maio de 2011

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Gestão Flexível de Renda Variável. Paulo Abreu

Gestão Flexível de Renda Variável. Paulo Abreu Gestão Flexível de Renda Variável Paulo Abreu Sumário A indústria de fundos long biased. Diferenciais e Pilares da estratégia flexível em ações. - Gestão Ativa - Alocação x Timing - Proteções Perspectivas

Leia mais

ATUAÇÃO INTEGRADA NA SAÚDE Novas Políticas Operacionais

ATUAÇÃO INTEGRADA NA SAÚDE Novas Políticas Operacionais ATUAÇÃO INTEGRADA NA SAÚDE Novas Políticas Operacionais FIESP São Paulo 07/02/2017 Estrutura da apresentação 1. Nova Estrutura de Atuação na Saúde 2. Orientações Estratégicas 3. Principais Mudanças 4.

Leia mais

GESTÃO ATIVA DE FUNDOS DE AÇÕES

GESTÃO ATIVA DE FUNDOS DE AÇÕES GESTÃO ATIVA DE FUNDOS DE AÇÕES CASE GERAÇÃO FUTURO FIA Mauro Giorgi giorgi@gerafuturo.com.br MERCADO DE AÇÕES NO BRASIL VISÃO DO INVESTIDOR - Dificil acesso - Compreensão reduzida - Pressões Externas

Leia mais

Linha do Tempo Previdenciária Secretaria do Ministério da Fazenda

Linha do Tempo Previdenciária Secretaria do Ministério da Fazenda Contextualizando Linha do Tempo Previdenciária 2016 Secretaria do Ministério da Fazenda Taxa de juros Rentabilidade dos Fundos de Pensão entre 1995 e 2012, em dezoito anos, apenas cinco apresentaram rentabilidades

Leia mais

RENTABILIDADE ANUAL (1987 até 2012)

RENTABILIDADE ANUAL (1987 até 2012) RENTABILIDADE ANUAL (1987 até 2012) 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 0 (500) (1.000) INPC IPCA INPC IPCA 87 89 91 93 95 97 99.01.03.05.07.09.11 Rentabilidade Inflação* * O índice utilizado até fevereiro

Leia mais

BOLETIM. Patrimônio Líquido da indústria doméstica ultrapassa R$ 2 trilhões 100% 30% 29% 27% 27% 31% 31% 80%

BOLETIM. Patrimônio Líquido da indústria doméstica ultrapassa R$ 2 trilhões 100% 30% 29% 27% 27% 31% 31% 80% Fundos de Investimento BOLETIM Ano VII Nº 72 Abril/2012 Patrimônio Líquido da indústria doméstica ultrapassa R$ 2 trilhões Indústria de Fundos em Números - Mar/12 MERCADO DOMÉSTICO R$ 2.027,7 bi de PL

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS I

PLANO DE BENEFÍCIOS I PLANO DE BENEFÍCIOS I Mensagem da Diretoria Transparência para um relacionamento positivo Quando falamos em administração de um plano de previdência é essencial a construção de um relacionamento duradouro

Leia mais

Carta Mensal Dezembro 2016

Carta Mensal Dezembro 2016 Carta Mensal Dezembro 2016 Índice: Fundos Multimercados Fundos de Ações 2 4 Fundos Multimercados - Atribuição de Performance Safra Carteira Institucional FI Multimercado (CTI) (a)(2)(4)(10)(12)(24)(27)(33)(35)

Leia mais

Fluxo de Recebimentos de Juros e Vencimentos

Fluxo de Recebimentos de Juros e Vencimentos PERFIL SUPER CONSERVADOR - 31/07/2017 2017 375.828,68 0,00 335.766.543,74 336.142.372,42 2018 901.988,83 0,00 49.752.876,09 50.654.864,92 2019 901.988,83 0,00 8.289.486,51 9.191.475,33 2020 901.988,83

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente A economia brasileira e o financiamento do investimento 24 de Maio 2012 Luciano Coutinho Presidente 1 Mundo: Incertezas continuam Brasil: Indústria afeta expectativa de crescimento em 2012 Europa: risco

Leia mais

ICVM 578 Fundos de Investimento em Participações

ICVM 578 Fundos de Investimento em Participações ICVM 578 Fundos de Investimento em Participações Leandro Salztrager Benzecry leandro@bpae.com.br www.bpae.com.br / www.advocaciaparagestores.com.br Telefone (21) 3802-9200 Nova Norma de Regência dos FIPs

Leia mais

ML DAY FREDERICO TRAJANO CEO

ML DAY FREDERICO TRAJANO CEO ML DAY FREDERICO TRAJANO CEO CICLOS ESTRATÉGICOS 1957 1º 1991 2º 2009 3º 2016 4º Dona Luiza Fundação Luiza Helena Crescimento Marcelo Silva Consolidação Frederico Trajano Transformação Digital VISÃO GERAL

Leia mais

Prezado(a) Participante,

Prezado(a) Participante, COMUNICADO INSTITUCIONAL CELOS Emissor: Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo Comunicado Nº: 00/06 Assunto: Mudanças Carteira de Investimentos Público Alvo: Participantes Ativos e Assistidos Data

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

Relatório de Acompanhamento e Enquadramento de Investimento. Fevereiro 2017

Relatório de Acompanhamento e Enquadramento de Investimento. Fevereiro 2017 Relatório de Acompanhamento e Enquadramento de Investimento Fevereiro 2017 1 Plano II CDI no mês: 0,86% Meta Atuarial no mês: 0,65% Rentabilidade da Cota no mês: 1,51% CDI no ano: 1,96% Meta Atuarial no

Leia mais

Infraestrutura e competitividade da economia

Infraestrutura e competitividade da economia São Paulo, 6 de Maio de 2013. 8º Encontro de Logistica e Infraestrutura Infraestrutura e competitividade da economia Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Programa de Estudos Pós-graduados em Economia Política

Leia mais

C A R L O S A L C Â N T A R A S E T E M B R O 2016

C A R L O S A L C Â N T A R A S E T E M B R O 2016 C A R L O S A L C Â N T A R A S E T E M B R O 2016 A C e t i p o f e r e c e Infraestrutura ao m e r c a d o f i n a n c e i r o: Unidade de Títulos e Valores Mobiliários Unidade de Financiamentos Renda

Leia mais

INVESTIMENTOS EM PRIVATE EQUITY FEITOS POR FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS Análises Insper-Spectra Fevereiro 2016

INVESTIMENTOS EM PRIVATE EQUITY FEITOS POR FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS Análises Insper-Spectra Fevereiro 2016 INVESTIMENTOS EM PRIVATE EQUITY FEITOS POR FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS Análises Insper-Spectra Fevereiro 2016 Preâmbulo Desde meados de 2015, diversos Fundos de Pensão Brasileiros começaram a expressar

Leia mais

Carta Mensal Janeiro 2016

Carta Mensal Janeiro 2016 Carta Mensal Janeiro 2016 Índice: Fundos Multimercados Fundos de Ações 2 4 Fundos Multimercados - Atribuição de Performance Safra Carteira Institucional FI Multimercado (CTI) (a)(2)(4)(10)(12)(24)(27)(33)(35)

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SÉRGIO PAUPÉRIO SÉRIO FILHO DEZEMBRO/2015 24 QUEM SOMOS De origem

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T de maio de 2017

Teleconferência de Resultados 1T de maio de 2017 Teleconferência de Resultados 1T17 09 de maio de 2017 Destaques Balanço líquido com caixa equivalente a R$ 1,1 bi, ou 26% dos depósitos a prazo. Folga de capital, com um Índice de Basileia de 15,1%, sendo

Leia mais

Luiz Augusto de Oliveira Candiota

Luiz Augusto de Oliveira Candiota Luiz Augusto de Oliveira Candiota Por que investir em ações agora?" Lacan Investimentos Índice Contexto Macroeconômico Por quê? Riscos Oportunidades Como? Gestão Ativa x Gestão Passiva [3] Contexto Macroeconômico

Leia mais

RENTABILIDADE DOS INVESTIMENTOS JUNHO / 2014 Macro alocação - PLANO BD ENQUADRAMENTO EM % DIVERSIFICAÇÃO

RENTABILIDADE DOS INVESTIMENTOS JUNHO / 2014 Macro alocação - PLANO BD ENQUADRAMENTO EM % DIVERSIFICAÇÃO RENTABILIDADE DOS INVESTIMENTOS Macro alocação - ENQUADRAMENTO EM % RENTABILIDADE DO DIVERSIFICAÇÃO DOS RECURSOS APLICADOS DOS LIMITE DA SEGMENTOS ATUAL 0 POLITICA DE +5,75% +5,75% INVESTIMENTO SEGMENTO

Leia mais

Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos

Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos PPI Governo Federal O que é PPI? O Programa de Parcerias de Investimentos ( PPI ) foi o 2º ato do Governo Temer em Maio de 2016, buscando coordenar os esforços

Leia mais

Coletiva Mercado de Capitais

Coletiva Mercado de Capitais Coletiva Mercado de Capitais 15 de dezembro de 2011 Classificação da Informação: Pública Agenda Mercado Total (Doméstico + Externo) Mercado Doméstico Consolidado Renda Variável Renda Fixa Mercado Externo

Leia mais

Política de Investimentos 2008/2012

Política de Investimentos 2008/2012 Política de Investimentos 28/212 Http:\\www.cbsprev.com.br Central de Atendimento: 8-268181 INFORMATIVO N.º 159 7-1-28 VOLTA REDONDA/RJ Plano de 35% da Média Salarial 1. EFPC : Caixa Beneficente dos Empregados

Leia mais

Café com TI. Vitória, 22 de Junho de 2016

Café com TI. Vitória, 22 de Junho de 2016 1 Café com TI Vitória, 22 de Junho de 2016 ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO FOCO EM EARLY STAGE FOCO DE ATUAÇÃO: Receita Anual de até R$ 40 milhões. P&D, Publicações, Laboratório e Piloto Desenvolvimento de

Leia mais

R$ 390 M +0,6% +R$ 32 M 85% (sobre EBITDA Ajust.)

R$ 390 M +0,6% +R$ 32 M 85% (sobre EBITDA Ajust.) RESULTADOS DO 2T17 DESTAQUES FINANCEIROS Vendas Mesmas Lojas¹ Receita Líquida¹ EBITDA¹ Total: -0,4% Brasil: +2,4% EUA: -6,1% Caribe: +1,5% R$ 390 M +0,6% R$ 39 M +67% Margem EBITDA 10,1% +400bps Cash Flow²

Leia mais

Você espera o melhor. A gente faz. Apresentação Institucional / Junho 2017

Você espera o melhor. A gente faz. Apresentação Institucional / Junho 2017 Você espera o melhor. A gente faz. Apresentação Institucional / Junho 2017 SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia História de Empreendedorismo e Crescimento 2017 1993 Fundação com 16 carros 2008 Consolidação

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

ALTERAÇÃO DE PERFIL E % DE CONTRIBUIÇÃO Dezembro/2015

ALTERAÇÃO DE PERFIL E % DE CONTRIBUIÇÃO Dezembro/2015 ALTERAÇÃO DE PERFIL E % DE CONTRIBUIÇÃO Dezembro/2015 PORQUE TER UM PLANO DE APOSENTADORIA PRIVADA? TETO ATUAL DO INSS ATUALIZADO SOMENTE PELO INPC: R$ 4.663,00 INDEPENDENTE DO SEU SALÁRIO NA ATIVA, O

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CONCLUSÃO DA VENDA DA UNIASSELVI

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CONCLUSÃO DA VENDA DA UNIASSELVI PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CONCLUSÃO DA VENDA DA UNIASSELVI Caro (a) aluno (a), Anunciamos que o Grupo UNIASSELVI foi oficialmente adquirido pelos fundos Carlyle Group e Vinci Partners. Por isso, preparamos

Leia mais

Monitoramento Estratégico e Plano de Negócios e Gestão

Monitoramento Estratégico e Plano de Negócios e Gestão Monitoramento Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2018-2022 Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2017 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras informa que seu Conselho de Administração aprovou, em reunião

Leia mais

Apresentação institucional Webinar XP Corretora 12 de julho de 2013

Apresentação institucional Webinar XP Corretora 12 de julho de 2013 Apresentação institucional Webinar XP Corretora 12 de julho de 2013 1 Introdução 2 O setor de TI 3 A Senior Solution 4 Indicadores financeiros 5 Aquisição da Drive 6 Mercado de capitais Introdução Pioneirismo

Leia mais