Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas"

Transcrição

1 Agenda Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas

2 Agenda Pergunta a responder... Para onde vão a economia, o ambiente de negócios e a gestão empresarial em? Economia Investimentos Metodologia: Questionário eletrônico com perguntas fechadas Aplicação para a base de contatos da Firma + relacionamentos diretos do Grupo Executivo Disrupturas Gestão Insert text here This Agenda is dummy text it is not here to be read. This is dummy text it is not here to be read. Infraestrutura Capitalização Abrangência nacional Cenário externo M&A

3 Amostra da pesquisa 746 empresas de todo o País 5% 3% 18% Respondentes 32% são controladas por estrangeiros 30% 18% têm participação de fundos de investimento R$ 1,6 trilhão 44% de receita líquida () Equivalente a ¼ do PIB* *Acumulado de 12 meses desde set/ (BCB)

4 Amostra da pesquisa Distribuição regional (sedes das empresas respondentes) Distribuição setorial Infraestrutura Norte 1% 9% 14% Serviços de tecnologia Máquinas e equipamentos Nordeste 8% 12% Alimentos e bebidas 11% Serviços de saúde e farmacêuticos 5% Atividades financeiras 6% 8% Construção civil Centro-Oeste 5% Sudeste 68% 6% 7% 7% 7% 8% Comércio Industria química Veículos e autopeças Sul 18% SP 57% Demais serviços Demais manufaturas Observações sobre setores: Classificações originadas do CNAE 2.0, com ajustes de combinação para classes com perfis de atividades e resultados de respostas próximas. Demais serviços: serviços de educação, serviços de limpeza e segurança, serviços prestados às empresas, turismo hotelaria e lazer. Demais manufaturados: papel e celulose, têxtil e calçados, eletroeletrônicos, perfumaria e cosméticos, vidros e embalagens.

5 Sumário executivo Empresas revelam inflexão nas expectativas sobre seus negócios e o País Aumento Receitas Investimentos Alto impacto Retomada econômica, variação cambial e do preço do petróleo Baixo impacto Cenário externo Recuperação Infraestrutura Construção civil Bens de consumo Fontes de recursos Empréstimos em bancos de fomento e varejo Aportes próprios Em alta IPOs no radar M&A ainda em alta Gestão Foco administrativo-financeiro continua Pessoas Emprego melhora, mas com busca por qualificação Prioridade Lançamentos de produtos e serviços Substituição de máquinas e equipamentos Tecnologias Alto desconhecimento sobre movimentos de transformação digital Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 5

6 Sumário Expectativa executivo de desempenho Previsões para trilhão é a previsão de crescimento das receitas em + que inflação projetada pelo BCB (5%) Soma das receitas líquidas previstas para o final de Empresas com expectativa de crescer mais de * *Entre as empresas respondentes Visão captada dos tomadores de decisão reflete uma inflexão clara sobre as expectativas que envolvem os seus próprios negócios e o País Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 6

7 Sumário Expectativa executivo de desempenho Previsões para Setores em retomada Mantendo ascensão Regiões Variação anual das receitas* Norte 5% 5% Nordeste 6% Centro-oeste São Paulo 5% Sudeste (sem SP) 5% Sul 5% * Variações em R$; mediana das respostas das empresas de cada região que responderam a essa questão Crescimento Infraestrutura 5% Construção civil - 5% Crescimento Serviços Financeiros Tecnologia Bens de consumo 5% Saúde e farmacêuticos Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 7

8 Sumário Investimentos executivo Previsões para Variação anual dos investimentos* Prioridades em As empresas preveem uma retomada gradual e consistente * Em relação ao ano anterior Por que investir em? 6% Preços baixos de ativos e empresas 8% Expectativa de expansão de uma região 11% Expectativa de expansão global Lançamento de novos produtos e serviços 13% Expectativa de queda dos juros Substituição de máquinas e equipamentos 62% Expectativa de melhora da economia 66% Oportunidade ligada ao negócio da empresa Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 8 16% Oportunidade de vendas no exterior

9 Sumário Investimentos executivo Previsões para Setores mantendo ascensão Setores em retomada Infraestrutura Segmentos que devem receber mais investimentos Investimento Investimento Rodovias 38% Serviços financeiros Infraestrutura Tecnologia 5% Saúde e farmacêuticos 9% 5% Construção civil 0% Bens de consumo 3% 5% 5% Obras de urbanização Educação e formação técnica * Percentual de empresas que indicaram cada segmento de infraestrutura Gestão de energia elétrica Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 9 29% 30% 35% Portos 33%

10 Sumário Economia executivo x negócios, na visão das empresas Fatores que mais impactarão os negócios em Relevância dos fatores externos sobre as empresas que atuam no Brasil Retomada da economia Aumento dos juros nos EUA Desaceleração da China Variação cambial Variação do preço do petróleo Conflitos no Oriente Médio Saída do Reino Unido da UE Impacto baixo ou muito baixo

11 Capitalização Como as empresas pretendem captar recursos* * Maior parte de pequeno porte das empresas não vão se capitalizar em * Fusões e aquisições das empresas que irão adquirir outras organizações pretendem buscar empréstimos com bancos de varejo ou de fomento IPOs no radar: empresas indicam intenção de utilizar essa modalidade (especialmente entre as maiores de R$ 1 bilhão) Empréstimos em bancos de fomento Empréstimos em bancos de varejo * Entre aquelas que vão se capitalizar Aporte dos proprietários Aporte do grupo controlador Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 11

12 Gestão Prioridades gerenciais em As empresas vão continuar priorizando a gestão administrativo-financeira: foco em resultados e produtividade Gestão financeira 65% Gestão de processos 61% Gestão orçamentária 55% Gestão de riscos e controles internos figuram entre as grandes preocupações para, mas ainda não estão hoje em um nível avançado de implementação Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 12

13 Gestão Geração de vagas de emprego Necessidade urgente de empresas e pessoas priorizarem a qualificação profissional Vão criar Vão manter Vão diminuir Entre os que vão criar e manter vagas, 40% admitem substituir o quadro por mão de obra mais qualificada Empresas x investimentos em treinamento e qualificação em Aumentar Manter Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 13

14 Transformações disruptivas Frentes tecnológias prioritárias Analytics 36% Internet das Coisas 29% Cyber security 22% Grande potencial de negócios para empresas que desenvolvem tecnologias e abordagens disruptivas Outras assinaladas Indústria % Saúde digital 12% Plataformas autônomas 12% Tecnologias exponenciais 7% Realidade virtual aumentada 6% Impressão 3D 7% Smart cities 5% Bitcoins 2% Blockchain 2% Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 14

15 Transformações disruptivas Empresas que desconhecem totalmente cada tema abaixo: 61% Block chain 40% Indústria % Tecnologias exponenciais As organizações precisam planejar seriamente como conhecer melhor, investor e incorporar as novas tecnologias e seus processos: questão de sobrevivência Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. 15

16 A Deloitte refere-se a uma ou mais entidades da Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada, de responsabilidade limitada, estabelecida no Reino Unido ("DTTL"), sua rede de firmas-membro, e entidades a ela relacionadas. A DTTL e cada uma de suas firmas-membro são entidades legalmente separadas e independentes. A DTTL (também chamada "Deloitte Global") não presta serviços a clientes. Consulte para obter uma descrição mais detalhada da DTTL e suas firmas-membro. A Deloitte oferece serviços de auditoria, consultoria, assessoria financeira, gestão de riscos e consultoria tributária para clientes públicos e privados dos mais diversos setores. A Deloitte atende a quatro de cada cinco organizações listadas pela Fortune Global 500, por meio de uma rede globalmente conectada de firmas-membro em mais de 150 países, trazendo capacidades de classe global, visões e serviços de alta qualidade para abordar os mais complexos desafios de negócios dos clientes. Para saber mais sobre como os cerca de profissionais da Deloitte impactam positivamente nossos clientes, conecte-se a nós pelo Facebook, LinkedIn e Twitter. Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

63% Pesquisa de Natal 2016 Revelações sobre os hábitos de consumo do brasileiro. O que influencia o consumidor na hora da compra 73% D/E 63% C 56% A/B

63% Pesquisa de Natal 2016 Revelações sobre os hábitos de consumo do brasileiro. O que influencia o consumidor na hora da compra 73% D/E 63% C 56% A/B Pesquisa de Natal 2016 Revelações sobre os hábitos de consumo do brasileiro A Pesquisa de Natal 2016, realizada pela Deloitte, revela os hábitos e preferências dos brasileiros nas compras de presentes

Leia mais

Entendendo a. Recuperação Judicial e. as alternativas para a. solução da crise. empresarial

Entendendo a. Recuperação Judicial e. as alternativas para a. solução da crise. empresarial Entendendo a Recuperação Judicial e as alternativas para a solução da crise empresarial Associação Comercial e Industrial de Joinville Outubro de 2016 Mudança de perspectivas Maturidade Crescimento Declínio

Leia mais

Mercado de Venture Capital aposta no crescimento do País

Mercado de Venture Capital aposta no crescimento do País Mercado de Venture Capital aposta no crescimento do País Edição 2011 da pesquisa Tendências Globais em Venture Capital, da Deloitte, mostra que o foco dos investimentos se concentra em duas áreas: infraestrutura

Leia mais

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Dilemas da era da economia digital Descompasso envolvendo culturas e estruturas na maior parte das empresas Tecnologias do século

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Termômetro tributário

Termômetro tributário Termômetro tributário Tendências e desafios do profissional no Brasil Dezembro, 2015 O estudo traz indicadores que demonstram que o gestor tributário tem se mostrado cada vez mais multifacetado, qualificado,

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Estratégias para a retomada dos negócios Oportunidades para além da crise. Outubro, 2016

Estratégias para a retomada dos negócios Oportunidades para além da crise. Outubro, 2016 Estratégias para a retomada dos negócios Oportunidades para além da crise Outubro, 2016 Índice Grandes mudanças potenciais 3 Setor automotivo: principais vetores de mudança 4 Tecnologia 5 Meio ambiente

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit COLETIVA DE IMPRENSA Rafael Cervone Presidente da Abit RESULTADOS 2014 Var.% em relação ao mesmo período do ano anterior 2013 2014* Perfil 2014* Emprego +7.273-20.000 1,6 milhão Produção Vestuário -1,3%

Leia mais

Educação Corporativa no Brasil Habilidades para uma nova era do conhecimento

Educação Corporativa no Brasil Habilidades para uma nova era do conhecimento Educação Corporativa no Brasil Habilidades para uma nova era do conhecimento Pesquisa 2016 A importância da educação em todos os momentos A Deloitte, por meio de sua prática de Educação Empresarial e em

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS Sumário BALANÇO DE 2016 SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PERSPECTIVAS 2 Como começamos 2016 BALANÇO 2016 Inflação de preços livres se manteve

Leia mais

Market Sentiment 3 a Edição

Market Sentiment 3 a Edição Market Sentiment 3 a Edição 1. Como perceciona a evolução do volume de transações de ativos imobiliários, para os próximos 3 meses? Variação da evolução global do volume de transações Análise dos principais

Leia mais

Fichas técnicas das fontes de informação

Fichas técnicas das fontes de informação Fichas técnicas das fontes de informação Inquérito a Turistas Abril de 2015 Inquérito referente ao Período de Inverno, elaborado pelo Turismo de Portugal. Universo Constituído pelos turistas residentes

Leia mais

> Premiações Valor 2016

> Premiações Valor 2016 Premiações 2016 > Premiações Valor 2016 Prêmio Inovação: 285 presentes. Entrega do prêmio às 10 empresas mais inovadoras do país. Valor Carreira: 310 presentes. Reconhecimento às 35 melhores empresas

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 01 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES Prof. Leonardo Herszon Meira, DSc DEFINIÇÕES

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte Jornada do CFO 2015 O papel do executivo financeiro na crise Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte A jornada do CFO O panorama econômico brasileiro mudou ao longo das décadas... 2016-2018:???????

Leia mais

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011 Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para 2012 6/12/2011 Desempenho e perspectivas A revisão do PIB Desempenho da cadeia em 2011 Perspectivas Revisão dos números do PIB 2009 Destaque: Os

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

Produto Interno Bruto por setor de atividade

Produto Interno Bruto por setor de atividade Dezembro de 2011 Um ano de crescimento em meio a uma nova crise internacional A economia brasileira fechou o terceiro trimestre com crescimento acumulado no ano de 10,6%. Isso equivale a uma taxa de expansão

Leia mais

Exceeding expectations Estudo de Natal Consumer Products & Retail

Exceeding expectations Estudo de Natal Consumer Products & Retail Exceeding expectations Estudo de Natal 2016 Consumer Products & Retail Onde obter ideias e conselhos Onde encontra ideias e conselhos sobre as seguintes categorias de presentes? Em, a fonte mais utilizada

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

Mudança Climática e Impacto nos Negócios

Mudança Climática e Impacto nos Negócios Mudança Climática e Impacto nos Negócios GESTÃO DE FUTURO Negócios sistêmicos, íntegros, rentáveis Uma análise setorial de riscos e oportunidades relacionadas aos aspectos físicos da mudança climática.

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos

Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos Brochura - Panorama ILOS Condomínios Logísticos no Brasil A visão dos operadores logísticos - 2013 - Apresentação Impulsionado pelo aumento do consumo e pela necessidade das empresas em investirem na atividade

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

O desafio da produtividade

O desafio da produtividade O desafio da produtividade 21º Seminário Dia da Qualidade Caxias CIC Renato da Fonseca Caxias do Sul, RS, 20/07/2015 Roteiro 1. O estado da indústria e da economia brasileira 2. Baixa competitividade:

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA O investimento direto estrangeiro e o Brasil Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

Analytics total Ciência de dados para monetizar o negócio

Analytics total Ciência de dados para monetizar o negócio Analytics total Ciência de dados para monetizar o negócio Organizações do conhecimento O aumento da disponibilidade dados e a sofisticação de ferramentas analíticas oferecem uma oportunidade para as empresas

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL REUNIÃO APIMEC BH BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DA ABIT PRESIDENTE DA CEDRO TÊXTIL Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE?

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? Ligia Amorim Diretora geral da NürnbergMesse Brasil 1ª vice-presidente do capítulo América Latina da UFIthe Global Association of the Exhibition Industry. Vice-presidente

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

Prof. Cristiano M. Costa. Entraves e perspectivas econômicas para a economia da Bahia

Prof. Cristiano M. Costa. Entraves e perspectivas econômicas para a economia da Bahia Prof. Cristiano M. Costa Entraves e perspectivas econômicas para a economia da Bahia Introdução A economia brasileira está em um período de incertezas. Inflação + baixo crescimento. Quais as causas e consequências

Leia mais

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Quantidade de MPEs por Regional - Dados da RFB Setor Campanha Centro Metropolitana Noroeste Norte Planalto Serra Sinos

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Na Matemática financeira temos também: Fluxo de Caixa, montante, capital, juros e juros simples/juros composto.

Na Matemática financeira temos também: Fluxo de Caixa, montante, capital, juros e juros simples/juros composto. A Matemática financeira estuda o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor aumentado no futuro. Inversamente, valores disponíveis no futuro,

Leia mais

A Dinâmica e Características do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

A Dinâmica e Características do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro A Dinâmica e Características do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Cabo Verde 8 de julho de 2009 Rubens Rosental GESEL-IE-UFRJ rubens@nuca.ie.ufrj.br Sumário 1. Características do SE 2. Evolução Física

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa REFEIÇÃO MAIO 2.013 A Carreira Muller ESTUDO REFEIÇÃO MAIO 2013 As melhores soluções para sua empresa A Carreira Muller é uma empresa de consultoria empresarial que desenvolve e implanta soluções em Recursos

Leia mais

CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global

CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global Impactos para empresas de capital intensivo As normas do CPC 27 afetam uma série de empresas, em especial,

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam

17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam Menos de 17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam ao ensino superior NO BRASIL, A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AINDA É ESCOLHA DE POUCOS 76,8% Áustria 44,3% França 69,7% Finlândia 51,5% Alemanha 38,8% Portugal

Leia mais

18 de agosto de 2011 Leonardo Salgado Renato Luzzi

18 de agosto de 2011 Leonardo Salgado Renato Luzzi Top Executive Compensation 2011 18 de agosto de 2011 Leonardo Salgado Renato Luzzi Agenda 1 2 3 Top Executive Compensation Brasil 2011 2010 / 2011 Um Ciclo de Expansão Principais Movimentações 4 O Perfil

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr.

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr. 98 5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA Álvaro Alves de Moura Jr. O principal destaque na análise do nível de atividade econômica se refere à mudança na metodologia do cálculo do PIB, que passou a incluir informações

Leia mais

Relatório de Resultado de Vendas do Natal 2015

Relatório de Resultado de Vendas do Natal 2015 Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Relatório de Resultado de Vendas do Natal 2015 O perfil do empresário e resultado de vendas para o período de Natal em Santa Catarina

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Para entender o déficit orçamentário do Governo 1 Proposta de Orçamento para 2016 Diante

Leia mais

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima A oportunidade A computação em nuvem e os recursos inovadores liberam o potencial para impulsionar o crescimento econômico significativo

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 São Paulo, 06 de outubro de 2015 AGOSTO DE 2015 Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 Até agosto de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$ 36,8 bilhões.

Leia mais

Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria

Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria João Emilio P. Gonçalves Gerente Executivo Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial CNI - Confederação Nacional da Indústria Competitividade

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

EXPECTATIVA DE EMPREGO

EXPECTATIVA DE EMPREGO EXPECTATIVA DE EMPREGO Dihego Pansini de Souza Nívia Cavatti Maciel Em maio de 2011, foi publicado pelo Instituto Jones Santos Neves os investimentos previstos para os próximos 05 anos no estado do Espírito

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro Squadra Participações SQUADRA INVESTIMENTOS 2008 Fundação da Squadra Investimentos Gestora independente de recursos com foco em ações de

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios

MPE INDICADORES Pequenos Negócios MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 2º trimestre/2013 Julho 2013 Objetivo Aferir, por meio de um índice, as expectativas dos empresários das empresas de micro e

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

Concorrência com produtos da China afeta uma em cada quatro empresas industriais brasileiras

Concorrência com produtos da China afeta uma em cada quatro empresas industriais brasileiras Ano 5, Nº.1, março de 2007 Concorrência com produtos da China afeta uma em cada quatro empresas industriais brasileiras Principais resultados 26% das empresas brasileiras concorrem com produtos chineses

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

Internacionalização da Economia Brasileira

Internacionalização da Economia Brasileira ASPECTOS TÉCNICOS DO ACORDO BRASIL ARGENTINA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL Internacionalização da Economia Brasileira Paulo Vieira da Cunha São Paulo, Agosto/2007 1 Agenda 1. Internacionalização da Economia

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA Prof. Esp. Claudimar Fontinele ATIVIDADE ECONÔMICA PRIMÁRIA OU SETOR PRIMÁRIO DA ECONOMIA Denomina-se como Setor

Leia mais

COM IMPACTO DO CARNAVAL, VAREJO TEM RETRAÇÃO DE 2,4% EM FEVEREIRO, APONTA ICVA

COM IMPACTO DO CARNAVAL, VAREJO TEM RETRAÇÃO DE 2,4% EM FEVEREIRO, APONTA ICVA CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado COM IMPACTO DO CARNAVAL, VAREJO TEM RETRAÇÃO DE 2,4% EM FEVEREIRO, APONTA ICVA O desempenho das vendas do comércio varejista brasileiro, medido

Leia mais

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Correção dos rumos da política econômica. Muito mais do que necessidade: É inevitável. Sem ajustes:

Leia mais

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009 As exportações chinesas e o impacto na Zona Franca de Manaus FIAM 2009 Modelo econômico de desenvolvimento chinês P d Produção para exportação China A retração do mercado americano e europeu As alternativas

Leia mais

Panorama do Setor de HPPC 2016

Panorama do Setor de HPPC 2016 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto próximo a 11,4% aa nos últimos 20 anos, tendo passado de um faturamento

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Recomendação de políticas Alfabetização digital

Recomendação de políticas Alfabetização digital Recomendação de políticas A oportunidade O conhecimento de informática e a alfabetização, a familiaridade com software de produtividade, a fluência no uso de uma ampla gama de dispositivos digitais, estas

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Reservas Petrolíferas do Pré-Sal Audiência Pública

Leia mais

PANORAMA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS NA INDÚSTRIA CATARINENSE - CENÁRIO 2013 Apresentação: Prof. Carlos Taboada e Marisa Nilson LDL /UFSC Florianópolis, 20

PANORAMA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS NA INDÚSTRIA CATARINENSE - CENÁRIO 2013 Apresentação: Prof. Carlos Taboada e Marisa Nilson LDL /UFSC Florianópolis, 20 PANORAMA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS NA INDÚSTRIA CATARINENSE - CENÁRIO 2013 Apresentação: Prof. Carlos Taboada e Marisa Nilson LDL /UFSC Florianópolis, 20 de novembro de 2014. Realização: FIESC Câmara de Assuntos

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

OLHO D' AGUA DOS BORGES

OLHO D' AGUA DOS BORGES 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/10/1938 - Distância da capital: 321 km - Área: 141 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 4.442 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação

Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação Gráfico 1 CE e PI da Indústria de transformação e taxa de câmbio real CE e PI(%) 20 A taxa média de câmbio efetiva real

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação

Leia mais

Perfil do Empreendedor

Perfil do Empreendedor 2015/2016 Perfil do Empreendedor de Caxias do Sul Descrição da pesquisa O empreendedorismo é um tema bastante presente no cotidiano político e econômico do país. Você pode ser um empreendedor corporativo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Reunião Pública com APIMEC - SP Resultados 2010 e 4T10 06 de Abril de 2011 Destaques 2010 Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Receita Bruta

Leia mais

Agenda Tributária: de 01 a 04 de maio de 2016

Agenda Tributária: de 01 a 04 de maio de 2016 Agenda Tributária: de 01 a 04 de maio de 2016 Até: Segunda -feira, dia 2 Histórico: Substituição tributária Recolhimento do imposto retido por substituição tributária nas operações com água natural, mineral,

Leia mais

Cidadãos Inteligentes

Cidadãos Inteligentes Cidadãos Inteligentes Senador Walter Pinheiro Março/2015 Agenda O panorama brasileiro Oportunidades Smart People 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Panorama 8.00 6.00 4.00

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação Federação das Indústrias do Estado do Ceará Sistema FIEC Fortaleza, 18 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação João Carlos Ferraz Vice-Presidente 1 Mundo 2 Crise de longa

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Setembro de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

POR QUE PARTICIPAR? SETORES GTDC. Equipamentos. Eletrônica. Automação. Industriais. Gerar novas oportunidades de negócios;

POR QUE PARTICIPAR? SETORES GTDC. Equipamentos. Eletrônica. Automação. Industriais. Gerar novas oportunidades de negócios; 29ª FEIRA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA ELÉTRICA, ELETRÔNICA, ENERGIA E AUTOMAÇÃO. ENERGIA PARA GERAR RESULTADOS 25 A 28 JULHO 2017 NOVO LOCAL WWW. FIEE.COM.BR Organização e Promoção SÃO PAULO EXPO A FEIRA

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais