Negociação Coletiva de. Eletrobras. Diretoria de Administração Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Negociação Coletiva de. Eletrobras. Diretoria de Administração Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais"

Transcrição

1 Negociação Coletiva de Trabalho no Sistema Eletrobras Diretoria de Administração Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais Brasília, 13 de dezembro de 2011

2 Apresentação Institucional Estrutura dos ACTs no Sistema Eletrobras Etapas do processo de Negociação

3 A Holding e suas Empresas

4 Sistema Eletrobras Somamos força e energia em todas as regiões do país... ~

5 Capacidade Instalada do Sistema Eletrobras 41,7 GW em operação 36,8% da Capacidade Instalada do Brasil Furnas Chesf Eletronorte Itaipu Eletronuclear CGTEE* Amazonas Total MW Próprio (MW) (a) SPEs (MW) (b) Agregação física em Total (a+b) Agregação Física 2010 Capacidade Instalada total (MW) Capacidade Instalada Eletrobras (MW) Serra do Facão Óleo e Gás = 9% Carvão = 1% Nuclear = 5% Retiro Baixo Foz do Chapecó Hidroelétrica 85% Total * A UTE Candiota III, fase C entrou em operação em teste em 2010, mas em operação comercial em 2011, por isto não está considerado no quadro.

6 Geração Em Construção Belo Monte MW Fev-15 Pedra Branca, São Pedro do Lago e Sete Gameleiras 86,4 MW Santo Antonio MW Dez-11 Casa Nova 180 MW Miassaba 3 50,4 MW Jirau MW Mar-12 Mangue Seco II 26 MW UHE Dardanelos 261 MW Fev MW R$ Bi 63, MW 9, MW 2,46 Soma MW 76,21 Rei dos Ventos 1 e 3 97,2 MW Batalha 52,5 MW Mai-12 São Domingos 48 MW Nov-11 Simplício 333,7 MW Ago-11 João Borges 19,5 MW Fev-12 Foz do Chapecó 855,2 MW Out-10 Angra MW Dez-15 Mauá 361 MW Mar-12 Passo São João 77 MW Out-11 Cerro Chato I, II e III 90 MW Barra do Rio Chapéu 15,15 MW Set-11

7 Linhas de Transmissão do Sistema Eletrobras Km 55,5% das Linhas de Transmissão do Brasil com tensão 230KV Furnas Chesf Eletronorte Eletrosul Amazonas Próprias (Km) (a) SPEs (Km) (b) Agregação física em Agregação física em 2010 SPEs Total (a+b) Total Km Agregação Física 2010 Próprias SPEs Furnas Chesf Eletronorte Eletrosul Adrianópolis - Venda das Pedras Macaé - Venda das Pedras Centroeste de Minas - 63 Km Participação Eletrobras - 31 Km Paraíso - Açu II São Luiz II - São Luiz III Presidente Médici - Santa Cruz RS Energia - 33 Km Participação Eletrobras - 33 Km 230 Kv; 48% 345 Kv; 12% 750Kv; 5% 600Kv; 3% 525/500 Kv; 32%

8 Distribuição do Sistema Eletrobras Descrição Unidade Acre Amazonas Alagoas Piauí Rondônia Roraima Total Extensão das Linhas de Distribuição Realizado em 2010 (crescimento) km Nº de Clientes clientes Nº de municípios atendidos municípios Nº de subestações subestações Acre Alagoas Amazonas Piauí Rondônia Roraima

9 Empreendimentos em avaliação pelo Sistema Eletrobras SUCURSAL PANAMÁ Plano de Negócios UHE TUMARÍN 253 MW Estudo de Viabilidade Nicarágua Panamá 4 UHE s MW UHE INAMBARI MW Peru Uruguai Argentina LT 500 kv 60 Km/BR (390 Km) LT 400/800kV km Moçambique Estudo de Pré- Viabilidade Escritórios no Exterior SUCURSAL LIMA UHE Binacional Garabi MW SUCURSAL MONTEVIDÉU

10 Sistema Eletrobras e sua Estrutura de Negócios

11 Estrutura de Capital Mar 2011 Ações Ordinárias Ações Preferenciais BNDESpar 16,6 % Residentes 7,1 % Fundos de Governo Residentes 27,5 % União* 55,1 % Outros 20,7 % Não Residentes 13,6% BNDES 6,9 % Outros 82,4% Não Residentes 54,9 % *Incluem as ações do extinto FND 44,3% Capital Total 21,7% 14,7% 7,4% 0,8% 0,7% 10,4% ELET3 ELET6 Índice de Sustentabilidade Empresarial

12 Outras Participações (%) CEMAR 33,55% CELPA 34,24% CEMAT 40,92% Distribuição CEEE-D 32,59% CELESC 10,75% LAJEADO CEEE-GT 32,59% TANGARÁ 25,47% *03 Empresas 40,07% em cada Geração Belo Monte 15% Mangue Seco 49% EMAE 39,02% CTEEP 35,29% EATE 32,41% ETEP 23,75% Transmissão OUTROS <10.0% 15 Empresas *CEB LAJEADO; EDP LAJEADO; PAULISTA LAJEADO; e REDE LAJEADO.

13 Eletrobras apoio ao MME Sistemas Isolados Gestão de Fundos RGR, CDE e CCC

14 Acordos Coletivos de Trabalho do Sistema Eletrobras

15 Síntese ACT 2002/2003 ACT 2011/2012 Representação Sindical ACT Nacional: Cláusulas Econômicas ACT Especifico: Cláusulas de natureza específica de cada Empresa (benefícios, Medicina e Segurança do Trabalho,Gestão de Recursos Humanos, relações sindicais etc) ACT Nacional: Cláusulas Econômicas, benefícios, Medicina e Segurança do Trabalho,Gestão de Recursos Humanos, relações sindicais. ACT Especifico: Redução das cláusulas de natureza específicas de cada Empresa (benefícios, Medicina e Segurança do Trabalho, Gestão de Recursos Humanos, relações sindicais etc) ACT Nacional 2002/2003 = 8 Cláusulas ACT Nacional 2011/2012 = 37 Cláusulas ACT Nacional: Federações = 5 Sindicatos = 7 Total = 12 ACT Especifico: Sindicatos = 73 FNU/CUT = 86,63% de empregados

16 Processo de Negociação Coletiva de Trabalho

17 Processo de Negociação Planejamento da Negociação Acompanhamento da Execução do ACT Negociação do ACT Avaliação do Processo

18 Planejamento da Negociação Análise da Pauta 1 Cenários das Negociações 2 Orientação dos Órgãos Governamentais 3 Principais Reivindicações Sindicais 4 Mobilização dos Sindicatos 5 Clima Organizacional nas Empresas 6 Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação 7 Diretrizes Estratégicas para a Negociação 8

19 Planejamento da Negociação Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação Situação da Cláusula? Nova Renovação Alteração Avaliação da Cláusula Técnica Econômica Jurídica Linhas de Argumentação sobre o posicionamento das Empresas

20 Planejamento da Negociação Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação Análise da Conjuntura: - Últimos anos - Atual - Futura

21 Planejamento da Negociação Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação Ministério Supervisor MME Ministério Controlador MPOG/ DEST Decreto N 3735/ Inciso IV do Art. 1. Decreto n 7.063/ Letra g do IV e item II do art. 6

22 Planejamento da Negociação Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Focar nos objetivos da Pauta Apresentada Analisar e não menosprezar os contornos que permanecem submersos, representando um enorme e silencioso perigo no processo Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação

23 Planejamento da Negociação Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Tipos e Probabilidades Análise de risco ao sistema; Aplicação do Plano de Contingência Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação

24 Planejamento da Negociação Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação Avaliação: Pesquisa de Clima Organizacional. Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais: Percepção das condições da organização, tendo em vista as demandas internas dos empregados e das Entidades Sindicais ao longo do ano.

25 Planejamento da Negociação 1 Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Identificar e analisar pontos que possam dificultar ou facilitar o processo de negociação Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação

26 Planejamento da Negociação Análise da Pauta Cenários das Negociações Orientação dos órgãos Governamentais Principais Reivindicações Sindicais Mobilização dos Sindicatos Clima Organizacional nas Empresas Pontos Inibidores e Facilitadores da Negociação Diretrizes Estratégicas para a Negociação CIASE: (Comitê de Integração das Áreas de Administração do Sistema Eletrobras) Aprovação do Protocolo Negocial: Calendário das negociações Quantidades de reuniões Locais Garantia da data base Definição das propostas a serem apresentadas em cada reunião. Análise dos Cenários após cada reunião. Estratégia de comunicação. Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais: Definição das táticas a serem empregadas em cada reunião.

27 Negociação do ACT Condições Básicas para Negociação Abordagem Comunicação Condutas Obstáculos/Superação Armadilhas Atenção Organização Estrutural Área de relações trabalhistas e sindicais: Profissionais treinados e conhecedores da corporação; A interação e a interlocução das questões que envolvem as relações sindicais no seio das organizações devem ser constantes no dia a dia credibilidade; Reuniões preparatórias; Equipe técnica de apoio (especialistas); A credibilidade da comissão deve ser preservada; Reunião dos sindicalistas com a Diretoria (ou Diretores) deverá sempre ser ajustada previamente com a Comissão e com a participação desta; Manter a coerência (sintonia dos discursos)

28 Negociação do ACT Condições Básicas para Negociação Abordagem Comunicação Condutas Obstáculos/Superação Armadilhas Atenção Classificar as cláusulas por blocos. Começar pelas mais fáceis e passíveis de serem atendidas, o que estabelece clima proativo. Não menosprezar cláusulas. - Nivelamento com a Diretoria; - Delegação expressa da Diretoria; - Diretoria, última instância; - Firmeza nas posições. - Respeito às Pessoas. (separar os problemas das pessoas) Evitar o não seco. Gastar algum tempo para explicar o óbvio. Nunca dizer não, porque não.

29 Negociação do ACT Condições Básicas para Negociação Abordagem Comunicação Condutas Obstáculos/Superação Armadilhas Atenção com a linguagem corporal. Precaução com os Informes. No decorrer da negociação, muitas situações podem se alterar. Nunca revidar por meio de Informes. Os objetivos dos Informes são distintos Sindicatos/Empresas. Enfatizar a evolução dos ganhos nos Informes da Empresa. 7 Atenção

30 Condições Básicas para Negociação Abordagem Comunicação Condutas Obstáculos/Superação Armadilhas Atenção Negociação do ACT Ignorar ameaças. Retomar os pontos de interesse. e Não acusar! Não ameaçar!! Não aceitar provocações! Controlar o tempo: (O cansaço compromete o sucesso da negociação)

31 Negociação do ACT Condições Básicas para Negociação Abordagem Comunicação Condutas Obstáculos/Superação Pré-disposições Negativas incidentes do passado. (perceber, identificar, esclarecer e conquistar a confiança); Evitar ataques pessoais; Valorizar a credibilidade pessoal (defender a integridade moral das pessoas); Jamais aproveitar-se da fraqueza, lapso momentâneo e colocações infelizes da outra parte, (todos percebem o oportunismo). 6 Armadilhas 7 Atenção

32 Condições Básicas para Negociação Abordagem Comunicação Condutas Obstáculos/Superação Armadilhas Atenção Negociação do ACT Emoções negativas Descontrole Despreparo Arrogância Mau Humor Ostentação de poder (Força) Apatia Raiva Dureza desnecessária Narcisismo

33 Negociação do ACT Condições Básicas para Negociação Abordagem Comunicação Condutas Obstáculos/Superação Armadilhas Atenção A falta de alternativas prévias é um erro; Sob emoção, evitar tomar decisões; Valorizar a auto-estima da outra parte, sua necessidade de afirmação e de reconhecimento. Elogiar sem ser sarcástico e sem perder o foco do ponto em discussão. Buscar sempre a sinceridade; Quando alguém irritado estiver a falar, deixe-o esgotar sua energia negativa. O silêncio pode colocar as coisas no lugar. Interrompê-lo pode fazê-lo retornar com mais agressividade; Importante: não pedir tempo para retornar com posições mais duras; Nunca abrir feridas já cicatrizadas. O dia seguinte inexoravelmente VIRÁ.

34 Avaliação do Processo de Negociação

35 Avaliação do Processo de Negociação Preparação para negociação Desempenho da equipe Clima da negociação Movimentos sindicais antes e durante as negociações Funcionamento do plano de contingência Comunicações com gerentes, emprega-dos e clientes Informações utilizadas Adequação e eficácia das estratégias e táticas Eficácia das linhas de argumentação Fatores facilitadores e inibidores da negociação Resultados da análise comparativa entre o planejado e o negociado Impacto sobre a situação financeira do Sistema Grau de satisfação dos empregados Compromissos assumidos para realização de estudos e o seu cumprimento Resíduos deixados para a próxima negociação Comparação com acordos de outras empresas

36 Acompanhamento da Execução do ACT Equipes exclusivas para acompanhamento das relações trabalhistas e sindicais em cada empresa. Reuniões ao longo do ano para acompanhamento do ACT em cada empresa e Nacional (Negociação Permanente). Solução de conflitos que venham a surgir durante o ano. Atendimento a empregados e entidades representativas dos empregados.

37 Obrigado. Maurício Joseph Marques Filho Maurício Joseph Marques Filho Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais (21)

Energia Elétrica Investimentos e Oportunidades. Junho 2011

Energia Elétrica Investimentos e Oportunidades. Junho 2011 Energia Elétrica Investimentos e Oportunidades Junho 2011 Agenda 1. O Sistema Eletrobras 2. Oportunidades no Brasil 3. Oportunidades no Exterior S/A A Eletrobras Maior empresa de energia elétrica da América

Leia mais

Energia para Novos Tempos. O papel da Eletrobras no Setor Elétrico

Energia para Novos Tempos. O papel da Eletrobras no Setor Elétrico Energia para Novos Tempos O papel da Eletrobras no Setor Elétrico MAIO 2011 Disclaimer Esta apresentação pode conter certas estimativas e projeções. Tais estimativas e projeções não são declarações de

Leia mais

Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais. IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11

Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais. IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11 Energia para Novos Tempos Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11 Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Atuacão

Leia mais

As empresas Eletrobras

As empresas Eletrobras Perfil da empresa As empresas Eletrobras atuam na geração, transmissão e distribuição de energia elétrica no território brasileiro. São apresentadas nesta seção as organizações que compõem o conjunto empresarial,

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

PROPOSTA I - PLR 2014

PROPOSTA I - PLR 2014 PROPOSTA A presente proposta, de acordo com o parágrafo 3º do artigo 614 da CLT, está estruturada em três módulos (i) PLR 2014; (ii) PLR 2015 e 2016; e (iii) Termo de Compromisso com Premissas Orientativas

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES QUADRO SINTESE POR ORGAO 32000 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 780.749.368 6.0.0.0.00.00 RECURSOS DE CAPITAL - ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO 677.449.495 6.1.0.0.00.00 RECURSOS PRÓPRIOS 167.672.207 6.1.1.0.00.00

Leia mais

Demonstrações Financeiras 2010. Relatório da Administração. Parecer dos Auditores Independentes. Parecer do Conselho Fiscal. Balanço Patrimonial

Demonstrações Financeiras 2010. Relatório da Administração. Parecer dos Auditores Independentes. Parecer do Conselho Fiscal. Balanço Patrimonial Demonstrações Financeiras 2010 Relatório da Administração Parecer dos Auditores Independentes Parecer do Conselho Fiscal Balanço Patrimonial Notas Explicativas Anexos RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO 1 MENSAGEM

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

FUNDAÇÃO COGE Maio 2000

FUNDAÇÃO COGE Maio 2000 FUNDAÇÃO COGE Maio 2000 AGENDA HISTÓRICO ORGANIZAÇÃO CREDO FOCOS ESTRATÉGICOS HISTÓRICO COGE NOVO CENÁRIO CRIAÇÃO DA FUNDAÇÃO COGE CRIAÇÃO DA FUNDAÇÃO JURÍDICA DIREITO PRIVADO CARÁTER TÉCNICO- CIENTÍFICO

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 01/2010 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 2 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...3 3. CONTEXTO...4

Leia mais

ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre

ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre Ação Autorizado Realizado IMPLANTAÇÃO DA USINA TERMONUCLEAR DE ANGRA III, COM 1.309 MW (RJ) 2.110.817.554,00 78.423.005,00 DE ENERGIA ELÉTRICA NA REGIÃO NORDESTE 629.144.814,00

Leia mais

APRESENTAÇÃO GERENTES E EMPREGADOS

APRESENTAÇÃO GERENTES E EMPREGADOS Projeto IV.6 Plano de Gestão Integrada do Sistema Eletrobrás APRESENTAÇÃO GERENTES E EMPREGADOS Diretoria de Administração - DA Departamento de Gestão de Pessoas - DAG Divisão de Carreira e Remuneração

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 ESTUDO ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO

Leia mais

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação março 2010 Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação Política Integrada da Tecnologia da

Leia mais

As análises realizadas abrangendo desde a carteira de negócios até o posicionamento mercadológico, com foco na natureza do negócio, são descritas

As análises realizadas abrangendo desde a carteira de negócios até o posicionamento mercadológico, com foco na natureza do negócio, são descritas 62 Relatório de Sustentabilidade do Sistema 2010 gestão A reorganização do modelo de gestão empresarial teve como maior objetivo tornar as empresas integradas, competitivas e rentáveis. As análises realizadas

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

isão visão visão visão visão visão visã

isão visão visão visão visão visão visã DE 2011 DAS EMPRESAS ELETROBRAS RELATÓRIO DE SUSTEN RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 20 O DE SUSTENTABILIDADE 2011 DAS EM O DE SUSTENTABILIDADE 2011 DAS EMPRESAS ELETROBRAS RE DADE 2011 DAS EMPRESAS ELETROBRAS

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO NACIONAL referente ao biênio 2016/2018 que entre si firmam, de um lado, Centrais Elétricas Brasileiras S/A ELETROBRAS, Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

BNDES e o apoio a Hidrelétricas

BNDES e o apoio a Hidrelétricas BNDES e o apoio a Hidrelétricas Alexandre Siciliano Esposito Gerente de Estudos de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Novembro 2011 O BNDES O BNDES na estrutura da União República Federativa do Brasil

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

isão visão visão visão visão visão visã

isão visão visão visão visão visão visã DE 2011 DAS EMPRESAS ELETROBRAS RELATÓRIO DE SUSTEN RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 20 O DE SUSTENTABILIDADE 2011 DAS EM O DE SUSTENTABILIDADE 2011 DAS EMPRESAS ELETROBRAS RE DADE 2011 DAS EMPRESAS ELETROBRAS

Leia mais

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008 Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE ABCE - Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica - 71 anos de fundação

Leia mais

Planejamento Integrado no Setor elétrico

Planejamento Integrado no Setor elétrico 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DEINFRA ENERGIA FIESP Planejamento Integrado no Setor elétrico Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL 12 de março de 2012 Sumário I. Planejamento no setor elétrico. II. Fontes

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 09 PREVIDÊNCIA SOCIAL 20.000.000 20 AGRICULTURA 2.118.000 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 867.840 25 ENERGIA 707.561.300 26 TRANSPORTE 112.420.091

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 20 AGRICULTURA 58.000 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 5.450.000 25 ENERGIA 288.428.769 26 TRANSPORTE 400.712.362 TOTAL - GERAL 694.649.131

Leia mais

Case Eletrobras Implantação de políticas e práticas unificadas de Carreira e Remuneração

Case Eletrobras Implantação de políticas e práticas unificadas de Carreira e Remuneração Case Eletrobras Implantação de políticas e práticas unificadas de Carreira e Remuneração 33º Prêmio Ser Humano ABRH-RJ Edição 2013 a) Apresentação/Resumo Inicial do Release Informações Básicas sobre a

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL Faculdade do Porto- Universidade do Porto INVESTIMENTOS, RISCOS E REGULAÇÃO PADRÃO DE FINANCIAMENTO - ENERGIAS RENOVÁVEIS Thereza Cristina Nogueira

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição

Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição 1 AC Eletrobrás Distribuição Acre - Pública (Empresa de Economia Mista) 2 AL Eletrobrás Distribuição Alagoas Economia Mista 3

Leia mais

JOÃO JOSÉ MAGALHÃES SOARES

JOÃO JOSÉ MAGALHÃES SOARES JOÃO JOSÉ MAGALHÃES SOARES ENGENHEIRO ELETRICISTA E DE SEGURANÇA DO TRABALHO GERENTE DE SEGURANÇA DO TRABALHO SAÚDE E BEM ESTAR DA CEMIG PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA CONSELHEIRO

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará GUIA DO SGD Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará em vigor em todas as empresas do Sistema Eletrobrás ainda este ano. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS A T R A N S

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica. Programa de Investimentos

CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica. Programa de Investimentos CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica Programa de Investimentos Geração de Energia Elétrica no RGS * 79 usinas em operação * Potência instalada de 6 GW * Representando 6,52 % da capacidade total

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS 9 1, 3 % 6, 2 % 2, 5 % MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Fonte Capacidade instalada (status: agosto/2005) Geração (setembro/2004 - agosto/2005)

Leia mais

1º Encontro de Fornecedores da Eletrosul. Novembro/2010 Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira - DG

1º Encontro de Fornecedores da Eletrosul. Novembro/2010 Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira - DG 1º Encontro de Fornecedores da Eletrosul Novembro/2010 Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira - DG Eletronorte Ceron Eletroacre Amazonas Energia Distribuição Roraima Chesf Cepisa Ceal Sistema

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Prezado (a) Senhor (a)

Prezado (a) Senhor (a) Prezado (a) Senhor (a) Temos a satisfação de informar a V.Sa. a realização do TI Energia Encontro de Tecnologia da Informação do Setor Elétrico Brasileiro de 2013, que acontecerá no período de 23 a 25

Leia mais

Principais Realizações para Modernização das empresas Eletrobras

Principais Realizações para Modernização das empresas Eletrobras Principais Realizações para Modernização das empresas Eletrobras Fev-2011 1 Introdução O Modelo Institucional do Setor Elétrico Brasileiro, implantado após a Constituição de 1988, provocou profundas mudanças

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO DE PESSOAS: ABORDAGEM SOBRE AS PRÁTICAS DE UMA EMPRESA LISTADA NA BOVESPA CASO ELETROBRÁS

RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO DE PESSOAS: ABORDAGEM SOBRE AS PRÁTICAS DE UMA EMPRESA LISTADA NA BOVESPA CASO ELETROBRÁS RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO DE PESSOAS: ABORDAGEM SOBRE AS PRÁTICAS DE UMA EMPRESA LISTADA NA BOVESPA CASO ELETROBRÁS Resumo Gardênia Mendes de Assunção Santos 1 O tema responsabilidade

Leia mais

Vilson D. Christofari pág. 1

Vilson D. Christofari pág. 1 Vilson D. Christofari pág. 1 CURRICULUM VITAE. VILSON DANIEL CHRISTOFARI I. FORMAÇÃO ACADÊMICA GRADUAÇÃO: Engenheiro Eletricista, formado pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Relatório de Clipping

Relatório de Clipping Relatório de Clipping V Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Coordenador Prof. Nivalde J. de Castro Rio de Janeiro 24 e 25 de agosto 2 ÍNDICE Matérias Página 1. De 24 de agosto... 4 a 10

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Relatório Anual e de Sustentabilidade

Relatório Anual e de Sustentabilidade 013 Relatório Anual e de Sustentabilidade Cataratas do Iguaçu, Foz do Iguaçu, Paraná. Eletrobras Relatório Anual e de Sustentabilidade 013 Presente no seu dia a dia APRESENTAÇÃO Cumprindo seu compromisso

Leia mais

SEMINÁRIO PRÁTICAS E GOVERNANÇA EM GESTÃO DE PESSOAS DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA DE PESSOAS

SEMINÁRIO PRÁTICAS E GOVERNANÇA EM GESTÃO DE PESSOAS DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA DE PESSOAS SEMINÁRIO PRÁTICAS E GOVERNANÇA EM GESTÃO DE PESSOAS DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA DE PESSOAS Empresa coordenadora: Simone EMPRESAS PARTICIPANTES Empresas participantes: Tatyana

Leia mais

Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de

Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de Oliveira O BNDES e o Financiamento ao Setor Elétrico 03 de

Leia mais

Socioambiental. Socioambiental

Socioambiental. Socioambiental Relatório 2007 2007 Relatório Socioambiental Socioambiental Mensagem do Presidente Relatório Socioambiental do Mensagem do Presidente 4 José Antonio Muniz Presidente da Eletrobrás A Eletrobrás vive um

Leia mais

Perspectivas da Comunidade Energética no Mundo e na América Latina

Perspectivas da Comunidade Energética no Mundo e na América Latina Perspectivas da Comunidade Energética no Mundo e na América Latina FURNAS, 29/08/2012 Desafios da Indústria Elétrica na América Latina É natural pensar na interligação da região! Sob o ponto de vista energético,

Leia mais

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7 O BNDES Indicadores do BNDES R$ bilhões Ativos Totais Carteira de Financiamentos Patrimônio Líquido Lucro Líquido Impostos e Taxas 2008 277,3 220,5 25,3 5,3 2,0 Jun/2009 309,0 230,3 24,7 0,7 0,9 Evolução

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Visão [GRI 4.8] Missão. Valores

Visão [GRI 4.8] Missão. Valores Visão [GRI 4.8] Em 2020, ser o maior sistema empresarial global de energia limpa, com rentabilidade comparável às das melhores empresas do setor elétrico. Missão Atuar nos mercados de energia de forma

Leia mais

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Maurício de Abreu Soares Diretor Executivo da ABRAGE Porto Alegre

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

Comissão sobre Gestão de Departamentos Jurídicos. Apresentação da Pesquisa do FDJUR sobre. Jurídico com os Objetivos da Empresa

Comissão sobre Gestão de Departamentos Jurídicos. Apresentação da Pesquisa do FDJUR sobre. Jurídico com os Objetivos da Empresa Apresentação da Pesquisa do FDJUR sobre Ferramentas para Alinhamento Estratégico do Jurídico com os Objetivos da Empresa O que é o FDJUR? O Fórum - FDJUR é uma associação criada com o escopo de debater

Leia mais

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica ILUMEXPO 2015 São Paulo, 1º de junho de 2015 George Alves Soares Sistema Eletrobras Geração e Transmissão Geração Geração Binacional (100,00%)

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida

Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida HISTÓRIA DA INDÚSTRIA DA ENERGIA ELÉTRICA Primórdios. O Código das Águas. Regulamentação. Reestruturação (RE/SEB). O Modelo Dilma. A MP 579/2012. PRIMÓRDIOS OS TRÊS GIGANTES EDISON Persistente, inflexível.

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa ano base 2009. Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. ano base 2009

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa ano base 2009. Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. ano base 2009 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa novembro 2010 1 Empresas Eletrobras INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA novembro 2010 Grupo de Trabalho Emissões de Gases de Efeito Estufa

Leia mais

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012 MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico 14 de novembro de 2012 Panorama Legal e Constitucional Constituição Federal de 1988 Artigo 175; Lei 8.987 de 1995 Lei das Concessões Artigos 42 Lei 9.074

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 MÓDULO I VISÃO GERAL Referências utilizadas: Leão, R. GTD Geração, Transmissão e Distribuição da Energia Elétrica, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará, Ceará, 2009. Demais/outros

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. ano base 2011

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. ano base 2011 Inventário de emissões de gases de efeito estufa ano base 2011 junho 2012 Empresas Eletrobras Inventário de emissões de gases de efeito estufa ano base 2011 junho 2012 Grupo de Trabalho Estratégia Climática

Leia mais

Corporates. Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras) e subsidiária Furnas Centrais Elétricas S.A. Energia Elétrica / Brasil

Corporates. Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras) e subsidiária Furnas Centrais Elétricas S.A. Energia Elétrica / Brasil e subsidiária Furnas Centrais Elétricas S.A. Relatório Analítico Corporates Energia Elétrica / Brasil Ratings Eletrobras Moeda Estrangeira (ME) IDR de Longo Prazo Notas Seniores sem Garantia Moeda Local

Leia mais

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 MME Ministério de Minas e Energia Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 Objetivo do Plano 1 1 2 3 Melhorar o suprimento de energia

Leia mais

PCR. Plano de Carreira & Remuneração Sistema Eletrobras. Versão Final

PCR. Plano de Carreira & Remuneração Sistema Eletrobras. Versão Final PCR Plano de Carreira & Remuneração Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 610/09, de 07.07.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

Vilson D. Christofari pág. 1 out//2011

Vilson D. Christofari pág. 1 out//2011 Vilson D. Christofari pág. 1 CURRICULUM VITAE. VILSON DANIEL CHRISTOFARI I. FORMAÇÃO ACADÊMICA GRADUAÇÃO: Engenheiro Eletricista, formado pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. ano base 2010

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. ano base 2010 Inventário de emissões de gases de efeito estufa ano base 2010 junho 2011 1 Empresas Eletrobras Inventário de emissões de gases de efeito estufa ano base 2010 junho 2011 Grupo de Trabalho Emissões de Gases

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. ano base 2010. Grupo de Trabalho Estratégia Climática GT 3 Subcomitê de Meio Ambiente SCMA

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. ano base 2010. Grupo de Trabalho Estratégia Climática GT 3 Subcomitê de Meio Ambiente SCMA INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA ano base 2010 Grupo de Trabalho Estratégia Climática GT 3 Subcomitê de Meio Ambiente SCMA Comitê de Operação, Planejamento, Engenharia e Meio Ambiente COPEM

Leia mais

Em 2013 completamos 25 anos de atividade empresarial, período no qual participamos da implantação de importantes projetos na área de energia elétrica

Em 2013 completamos 25 anos de atividade empresarial, período no qual participamos da implantação de importantes projetos na área de energia elétrica BEM-VINDOS A ELTMAN é uma empresa de engenharia atuando nas áreas de estudos elétricos, projetos básicos e executivos e serviços de campo, nos segmentos de energia elétrica e transporte. Nosso foco principal

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Combinação de Hidrelétricas Reversíveis Sazonais com Hidroelétricas em Cascata

Combinação de Hidrelétricas Reversíveis Sazonais com Hidroelétricas em Cascata Combinação de Hidrelétricas Reversíveis Sazonais com Hidroelétricas em Cascata Autor: Dr. Julian David Hunt Supervisores: Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas Prof. Amaro Olímpio Pereira Junior

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR III ENIN 28 de Novembro de 2013 Wilson Jorge Montalvão Assistente do Presidente SUMÁRIO CENTRAL NUCLEAR ALMIRANTE ÁLVARO ALBERTO (Hoje)

Leia mais

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS NO HORIZONTE DE CINCO ANOS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO ENCAMINHADO PELA EPE PARA O MME E ANEEL

Leia mais

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação do Sistema Eletrobras

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação do Sistema Eletrobras Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação do Sistema Eletrobras Versão 2.0 Março/2010 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 3 3. Diretrizes Gerais... 3 4. Responsabilidades...

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Visão [GRI 4.8] Missão. Valores

Visão [GRI 4.8] Missão. Valores Visão [GRI 4.8] Em 2020, ser o maior sistema empresarial global de energia limpa, com rentabilidade comparável às das melhores empresas do setor elétrico. Missão Atuar nos mercados de energia de forma

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

A Cooperação Energética Brasil-Argentina

A Cooperação Energética Brasil-Argentina 9 A Cooperação Energética Brasil-Argentina + Sebastião do Rego Barros + Rodrigo de Azeredo Santos Os atuais desafios brasileiros na área energética fizeram com que as atenções de técnicos, investidores,

Leia mais

Manifesto em Defesa da Renovação das Concessões do Setor de Energia Elétrica Já!

Manifesto em Defesa da Renovação das Concessões do Setor de Energia Elétrica Já! Nosso país possui um dos mais invejáveis sistemas elétricos do mundo, de dimensões continentais. Formado majoritariamente por usinas hidrelétricas, constituise numa das matrizes energéticas mais limpas

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AMÉRICA LATINA. Seminário Internacional Interconexões e Negócios em Geração e Transmissão

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AMÉRICA LATINA. Seminário Internacional Interconexões e Negócios em Geração e Transmissão 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA LATINA Seminário Internacional Interconexões e Negócios em Geração e Transmissão José Coimbra Chefe de Gabinete do Ministro de Estado de

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1

CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1 Volume 2 Número 2 Jul/Dez 2012 Doc. 7 Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN 2179-135X CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1 LUIZ AUGUSTO MARTITS luiz.martits@fgv.br Escola

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras 1 / 16 Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras Seminário Internacional de Automação de Processos Comerciais e Operacionais nas Empresas de Distribuição da

Leia mais