SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final"

Transcrição

1 SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final

2 2

3 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de Deliberação do Conselho de Administração da Eletrobras CAE - 104/2009, de Aviso GM/MME nº. 231/2009, Ofício MP/DEST nº. 18, de Ofício SE/MME nº. 51, de

4 4

5 APRESENTAÇÃO Este documento apresenta o Sistema de Gestão do Desempenho SGD como complemento ao Plano de Carreira e Remuneração PCR para as Empresas do Sistema Eletrobras, elaborado pelo Grupo de Trabalho constituído pela Resolução da Diretoria da Eletrobras RES-757/2008, a partir de agosto de Os Grupos de Trabalho foram compostos por representantes da área de gestão de pessoas das empresas que compõem o Sistema Eletrobras: ELETROBRAS ELETROBRAS CGTEE ELETROBRAS CHESF ELETROBRAS FURNAS ELETROBRAS ELETRONUCLEAR ELETROBRAS ELETROSUL ELETROBRAS ELETRONORTE ELETROBRAS CEPEL ELETROBRAS AMAZONAS ENERGIA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ACRE ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO PIAUÍ ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ALAGOAS ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RONDÔNIA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RARAIMA ITAIPU BINACIONAL O Plano de Carreira e Remuneração, com foco em Competências e Resultados, está estruturado em quatro dimensões: Carreira, Cargos, Remuneração e Desempenho, além das bases conceituais e de informação que sustentaram toda a concepção do modelo, seguido dos produtos desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho nesta Etapa do Projeto. 5

6 6

7 Sumário APROVAÇÕES... 3 APRESENTAÇÃO... 5 INTRODUÇÃO Conceitos Objetivos Metodologia Programa de Avaliação e Desenvolvimento de Competências PADC Programa de Avaliação e Melhoria de Resultados PAMR Conceitos e Escala de Pontuação Amplitude da Avaliação Etapas de Avaliação Planejamento Acompanhamento Avaliação Desenvolvimento Ciclo do Processo Avaliativo Matriz de Classificação do Desempenho Fluxograma do processo de avaliação de desempenho Requisitos de Participação no Processo Avaliativo Programa de Treinamento Disposições Gerais

8 8

9 INTRODUÇÃO O cenário atual do mercado de trabalho impõe novos paradigmas à Gestão de Pessoas, exigindo perfil profissional mais versátil, capaz de acompanhar as constantes mudanças, atuar em equipes, expressar-se com clareza, resolver problemas de forma fundamentada e atingir resultados, dentre outras competências. Neste contexto, o Setor Elétrico necessita buscar um perfil competitivo e, desta forma, qualificar e desenvolver o potencial de seus empregados, tornando-os comprometidos com os resultados desejados. Visando o fortalecimento do SISTEMA ELETROBRÁS e, de acordo com as diretrizes governamentais para a unificação do grupo, existe a necessidade de padronizar as políticas e práticas de Gestão de Pessoas, estabelecidas pelo Plano de Cargos e Remuneração com foco em competências e resultados. O modelo pressupõe o desenvolvimento do Sistema de Gestão de Desempenho SGD, integrado aos demais processos de Gestão de Pessoas, tais como remuneração, carreira, seleção interna, treinamento e desenvolvimento. O SGD é um mecanismo que irá permitir às organizações do Sistema Eletrobras desenvolver e administrar estrategicamente seus empregados, canalizando os esforços das pessoas para o alcance de objetivos e resultados que garantam a rentabilidade, a sustentabilidade, a competitividade e a geração de valor. O SGD é um processo de planejamento, acompanhamento, avaliação de metas e competências e criação de plano individual de desenvolvimento, comparando o desempenho alcançado com os resultados esperados. O SGD é composto por dois programas que ocorrem simultaneamente: Programa de Avaliação e Desenvolvimento de Competências PADC Utilizado para o desenvolvimento das competências profissionais previstas no Plano de Carreira e Remuneração PCR. Programa de Avaliação e Melhoria de Resultados PAMR Utilizado para o monitoramento do alcance dos resultados organizacionais nos níveis: Empresarial Equipe Individual Esses Programas, além de fornecerem subsídios para o planejamento e definição de ações de desenvolvimento, podem ser utilizados em cada empresa do Sistema Eletrobras como subsídio à progressão horizontal e vertical na carreira, conforme explicitado nos itens 6.2 e 6.3 do PCR. 9

10 1. CONCEITOS Desempenho Ação intencional, decorrente da aplicação de potenciais e competências, que permite o alcance de resultados. Competência Conjunto de características percebidas nas pessoas em termos de conhecimentos, habilidades e atitudes, que levam a um desempenho superior imediato, e que são expressos em comportamentos observáveis e mensuráveis relacionados ao trabalho. (Gerald E. Ledford Jr.) Competências Gerais As competências gerais são aquelas comuns a todos os profissionais pertencentes a um mesmo grupo, dentro do Sistema Eletrobras. Competências Específicas São relacionadas aos processos de trabalho, e direcionam os empregados ao desenvolvimento técnico necessário para atingir os resultados, permitindo melhor planejamento por parte das Empresas na alocação de seus quadros e diagnóstico de ações de desenvolvimento. As Competências Específicas serão objeto de detalhamento por parte de cada Empresa do Sistema, com o suporte de consultoria, visando manter uma uniformidade conceitual. Estas competências serão desenvolvidas após aprovação do novo Modelo de Carreira e Remuneração. Meta É o desafio pactuado para o ciclo de avaliação, conforme definido no Programa de Avaliação e Melhoria de Resultados PAMR, que indica o que se pretende alcançar naquele período. A meta deve ser mensurável por meio da utilização de indicadores. Indicador É o critério utilizado para medir o alcance da meta pactuada. Deve basear-se em aspectos quantificáveis e verificáveis (passíveis de apuração). Comitê Multidisciplinar de Ascensão CMA Comitê que fará o acompanhamento do SGD, a análise e a indicação em relação às progressões verticais, bem como fornecerá subsídios a Diretoria quanto à ocupação das funções especiais de Especialista e de Especialista Operacional, baseadas nos requisitos de acesso definidos no PCR. 10

11 2. OBJETIVOS Proporcionar o desenvolvimento das potencialidades dos empregados; Subsidiar processos de Gestão de Pessoas, tais como remuneração, carreira, seleção interna, treinamento e desenvolvimento e gestão da qualidade de vida no trabalho; Contribuir para aumentar os níveis de produtividade da Empresa e do Sistema Eletrobras. 3. METODOLOGIA O Sistema de Gestão do Desempenho está estruturado com base em dois programas, conforme abaixo: 3.1. Programa de Avaliação e Desenvolvimento de Competências PADC A avaliação das competências busca identificar o grau de desenvolvimento das pessoas em suas habilidades, conhecimentos e atitudes, comparando a relação destes aspectos com os comportamentos evidenciados no período avaliativo. Esta avaliação permite a identificação dos pontos fortes e dos aspectos a serem desenvolvidos pelo profissional, e será utilizada para fins de desenvolvimento. O resultado desta avaliação é também um dos pré-requisitos para a elegibilidade, subsidiando processos de progressão horizontal e vertical (remuneração fixa). As competências são utilizadas para avaliar os empregados em seu espaço ocupacional, e cada bloco de competências terá seu resultado ponderado pelos pesos estabelecidos, conforme abaixo: 11

12 Os empregados ocupantes das Funções de Gerente e de Assessor são avaliados exclusivamente nas competências gerais da função. Tendo em vista as características e as especificidades das Funções Especialista e Especialista Operacional estes profissionais são avaliados nas competências compostas pelas egressas do cargo de origem e as próprias da função (diferenciadoras). As competências egressas do cargo de origem têm peso de 40%, enquanto as próprias da função (diferenciadoras) têm peso de 60% Programa de Avaliação e Melhoria de Resultados PAMR O Programa de Avaliação e Melhoria de Resultados verifica se as metas pactuadas foram atingidas, com o intuito de comprovar, sistematicamente, se os resultados foram alcançados. O sistema permite a criação de metas individuais, de equipe e a inclusão de uma meta empresarial comum a todos os empregados de cada Empresa do Sistema Eletrobras, buscando o alinhamento com o previsto no planejamento estratégico. Metas Empresariais São os desafios pactuados para o conjunto de empregados de uma determinada Empresa do Sistema Eletrobras. Tem origem no Planejamento Estratégico do Sistema Eletrobras e no da Empresa que o integra. Metas de Equipe São os desafios pactuados com a equipe e que devem estar alinhadas com o processo de trabalho em que o empregado estiver inserido. Uma equipe pode ter mais de uma meta, condicionadas aos processos internos, e os empregados são avaliados pelo cumprimento de todas as metas. Metas Individuais São os desafios pactuados com cada um dos empregados de uma determinada equipe. 12

13 Na elaboração/planejamento das metas devem ser contemplados os aspectos abaixo: Identificação clara da Meta; Identificação de objetivos compatíveis: descrição detalhada e mensurável do que se pretende atingir; Definição dos prazos/cronograma para cumprimento da meta; Definição dos indicadores que serão utilizados para aferir o alcance da meta; Definição das condições e recursos necessários ao cumprimento da meta; Definição dos critérios de avaliação do empregado em relação ao cumprimento da meta, atribuindo conceitos considerando a matriz de classificação de desempenho; Identificação das estratégicas para atingir o desempenho esperado. Quantidade e Peso das Metas Ao definir a quantidade de metas, deve ser observada a viabilidade de implementação e acompanhamento, bem como as mudanças de prioridade ao longo do ciclo avaliativo. Além disso, as metas possuem pesos diferenciados no escopo da avaliação, conforme abaixo: 13

14 3.3. Conceitos e Escala de Pontuação A avaliação reflete o processo de evolução do empregado, com base em competências e metas previamente definidas, em busca de um padrão de desempenho ideal. Os conceitos e suas respectivas escalas estão apresentados abaixo: 14

15 3.4. Ponderação das Avaliações Em Competências Para o empregado Autoavaliação (utilizada como subsídio para a reunião de feedback e desenvolvimento). Avaliação da Gerência imediata (100%). Para o gerente Autoavaliação (utilizada como subsídio para a reunião do feedback e desenvolvimento). Avaliação da Equipe: os empregados avaliarão as competências da Função Gerencial. Desta avaliação será feita uma média das notas atribuídas pelos empregados pertencentes a sua equipe que equivalerá a 50%. Avaliação da Gerência imediata (50%). OBS.: A avaliação do gerente pelos empregados é opcional, e no caso de não ocorrer, a nota da Gerência Imediata equivalerá a 100%. Em resultados Para o empregado Gerência imediata (100%). Para o gerente Gerência imediata (100%). Tabela Resumida da Avaliação dos empregados e gerentes 15

16 3.5. Amplitude da Avaliação A amplitude da avaliação de desempenho contempla os seguintes processos: Avaliação Gestor-Empregado: é a avaliação que o Gestor faz da equipe sob sua coordenação em relação às competências e resultados, realizada no PADC e PAMR. Avaliação Empregado-Gestor: é a avaliação que o Empregado, detentor ou não de função, faz do seu Superior Imediato, somente em relação às competências gerenciais. Autoavaliação: é a análise do próprio avaliado quanto aos pontos fortes e aspectos a serem desenvolvidos que afetaram o desempenho, realizada no PADC. No momento em que ocorrerem as avaliações e auto-avaliações, são geradas as propostas para o Plano de Desenvolvimento do Empregado. As avaliações são realizadas de acordo com o esquema abaixo: 16

17 4 ETAPAS DE AVALIAÇÃO 4.1. Planejamento Caracteriza-se pela elaboração das metas, que devem ser construídas tendo por base o desdobramento das ações do Planejamento Estratégico da Empresa e/ou atribuições da área na qual o empregado atua. As metas individuais são pactuadas entre avaliador e avaliados, resultando na negociação de um Plano Individual de Trabalho por empregado e por equipe. É também, o momento em que o avaliado toma conhecimento da Meta Empresarial definida pela organização, além das competências nas quais será avaliado. Esta etapa é finalizada por meio da validação das metas pactuadas entre o Gerente e sua equipe junto ao Superior Imediato do Gerente Acompanhamento Visa monitorar periodicamente a realização das metas bem como observar as evidências relacionadas às competências definidas. Através do Formulário de Acompanhamento de Desempenho, o avaliador deve registrar qualquer informação relevante a fim de criar um histórico que o auxilie no processo de avaliação. Neste período, caso ocorra qualquer alteração nas metas de equipe e/ou individual estabelecidas, bem como nas condições e ferramentas de trabalho, o superior imediato deve atualizar o Plano Individual de Trabalho do empregado, submetendo-o a sua Gerência Superior e posteriormente repactuar com o(s) empregado(s) Avaliação Período em que a análise comparativa entre o desempenho esperado e o desempenho alcançado em cada meta definida no PAMR e as competências previstas no PADC é realizada Desenvolvimento Feedback A entrevista de feedback entre empregado e avaliador objetiva discutir o processo avaliativo e analisar os pontos fortes, identificando necessidades de melhorias e definindo o plano de desenvolvimento individual. Após o registro do feedback no sistema, a avaliação não pode mais ser alterada. Definição do Plano de Desenvolvimento O Plano de Desenvolvimento pode gerar as seguintes ações, disponíveis no Sistema Informatizado: Treinamento; Readaptação; Visitas Técnicas; Adequação das atividades desenvolvidas ao perfil do empregado; Enriquecimento das atividades desenvolvidas pelo empregado; Transferência/permuta de empregados; 17

18 Acompanhamento das atividades com orientações mais constantes; Acompanhamento bio-psico-social; Mudança de Layout; Outros. NOTA: O SGD deve encaminhar automaticamente as indicações de ações contidas no Plano de Desenvolvimento às áreas competentes dentro de cada Empresa do Sistema Eletrobras. Recurso Em caso de divergência, o empregado pode solicitar revisão de sua Avaliação. A etapa de recurso segue o seguinte rito: 1º) Recurso ao seu superior imediato (no momento da reunião de feedback). 2º) Recurso à Gerência Superior (caso não haja consenso na reunião de feedback). 3º) Recurso ao Comitê (caso não haja consenso na reunião com a Gerência Superior). 5. CICLO DO PROCESSO AVALIATIVO Este ciclo deve abranger um período de 12 meses conforme abaixo: Obs: A Definição do Plano de Desenvolvimento deve ocorrer antes da previsão orçamentária realizada anualmente pelos gerentes, garantindo a implementação das ações previstas. 18

19 6. MATRIZ DE CLASSIFICAÇÃO DO DESEMPENHO Após a realização da Avaliação de Desempenho, o resultado de cada empregado é evidenciado na Matriz de Classificação do Desempenho, onde há a possibilidade, dentro de 16 quadrantes prédefinidos, de visualização das ações que podem ser implementadas de acordo com os Programas de Avaliação e Desenvolvimento de Competências e Melhoria de Resultados. Quadrante 1 Verificação das avaliações efetuadas, visando a adequação do Plano de Desenvolvimento; Análise dos gaps de resultado identificados e proposição de ações de desenvolvimento; Análise de: Condições e recursos de trabalho; Eventuais problemas na área; Adequação funcional; Requer constante orientação do Gestor, visando avançar no alcance de resultados. 19

20 Quadrante 2 Análise dos gaps de resultado identificados e proposição de ações de desenvolvimento; Análise de: Condições e recursos de trabalho; Eventuais problemas na área; Requer orientação do Gestor, visando avançar no alcance de resultados. Elegível a progressão horizontal. Quadrante 3 Preparado para assumir novos desafios; Elegível a progressão horizontal; Elegível a progressão vertical, de acordo com os requisitos descritos no PCR. Quadrante 4 Preparado para assumir novos desafios; Elegível a progressão horizontal; Elegível a progressão vertical, de acordo com os requisitos descritos no PCR. Quadrante 5 Análise dos gaps de resultado identificados e proposição de ações de desenvolvimento; Análise de: Condições e recursos de trabalho; Eventuais problemas na área; Adequação funcional; Possibilidade de treinamento voltado para aprimoramento das competências. Requer constante orientação do Gestor, visando avançar no alcance de resultados. Quadrante 6 Análise dos gaps de resultado identificados e proposição de ações de desenvolvimento; Análise de: Condições e recursos de trabalho; Eventuais problemas na área; Adequação funcional; Possibilidade de treinamento voltado para aprimoramento das competências. Requer orientação do Gestor, visando avançar no alcance de resultados. 20

21 Quadrante 7 Anexo ao PCR Sistema de Gestão do Desempenho Versão Final Indicação para ações de desenvolvimento, visando assumir novos desafios; Indicação para atividades mais complexas, visando análise da performance em competências; Elegível a progressão horizontal; Quadrante 8 Indicação para ações de desenvolvimento, visando assumir novos desafios; Indicação para atividades mais complexas, visando análise da performance em competências; Elegível a progressão horizontal; Quadrante 9 Análise dos gaps de competências e resultado identificados; Prioridade de participação em Programas de Treinamento e Desenvolvimento específicos para solução dos problemas identificados; Acompanhamento funcional; Análise de: Condições e recursos de trabalho; Eventuais problemas na área; Adequação funcional; Requer forte monitoramento do Gestor, visando avançar no desenvolvimento de competências e no alcance de resultados. Quadrante 10 Análise dos gaps de competências e resultado identificados; Indicação para Programas de Treinamento e Desenvolvimento específicos para solução dos problemas identificados; Análise de: Condições e recursos de trabalho; Eventuais problemas na área; Adequação funcional; Requer monitoramento do Gestor, visando avançar no desenvolvimento de competências e no alcance de resultados. Quadrante 11 Análise dos gaps de competências identificados; Indicação para Programas de Desenvolvimento específicos para solução dos problemas identificados; Análise de eventuais problemas na área; Requer orientação do Gestor, visando avançar no aprimoramento de competências. 21

22 Quadrante 12 Anexo ao PCR Sistema de Gestão do Desempenho Versão Final Análise dos gaps de competências identificados e proposição de ações de desenvolvimento; Requer orientação do Gestor, visando avançar no aprimoramento de competências; Elegível a progressão horizontal. Quadrante 13 Análise dos gaps de competências e resultado identificados; Prioridade de participação em Programas de Treinamento e Desenvolvimento específicos para solução dos problemas identificados; Acompanhamento funcional; Análise de: Eventuais problemas na área; Adequação funcional; Requer intensivo monitoramento do Gestor, visando avançar no desenvolvimento de competências e no alcance de resultados. Quadrante 14 Análise dos gaps de competências e resultado identificados; Prioridade de participação em Programas de Treinamento e Desenvolvimento específicos para solução dos problemas identificados; Acompanhamento funcional; Análise de: Condições e recursos de trabalho; Eventuais problemas na área; Adequação funcional; Requer forte monitoramento do Gestor, visando avançar no desenvolvimento de competências e no alcance de resultados. Quadrante 15 Análise dos gaps de competências identificados; Indicação de treinamento voltado para aprimoramento das competências; Análise de eventuais problemas na área; Requer forte monitoramento do Gestor, visando avançar no desenvolvimento de competências. Quadrante 16 Verificação das avaliações efetuadas, visando a adequação do Plano de Desenvolvimento; Análise dos gaps de competências identificados; Indicação de treinamento voltado para aprimoramento das competências; Análise de eventuais problemas na área; Requer forte monitoramento do Gestor, visando avançar no desenvolvimento de competências. 22

23 7. FLUXOGRAMA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 23

24 24

25 8. REQUISITOS DE PARTICIPAÇÃO NO PROCESSO AVALIATIVO Estar presente na Empresa em pelo menos 50% do período de acompanhamento. Empregados novos são avaliados somente em competências desde que tenham o seu período de experiência concluído. Os mesmos deverão participar em pelo menos 50% do ciclo de acompanhamento. No primeiro ciclo, esta avaliação será utilizada somente para fins de desenvolvimento. Os empregados que estejam em afastamento superior ou igual a 50%, com um período mínimo de 90 dias do acompanhamento, são avaliados somente pelas competências para fins de desenvolvimento. Os empregados ou detentores de Função que estiverem exercendo suas atividades na ocupação atual por período igual ou superior a 50% de acompanhamento, serão avaliados conforme os itens 1 e 2: 1. nas competências do cargo/função no momento da Avaliação de Desempenho; e 2. no cumprimento das metas pactuadas no momento da transferência e/ou mudança de função ou retorno à Carreira Base. Os empregados ou detentores de Função que estiverem exercendo suas atividades na ocupação atual por período inferior a 50%, com um período mínimo de 90 dias do acompanhamento, são avaliados somente em competências. A avaliação poderá ser acordada entre o Gerente atual e o anterior e será utilizada para fins de construção de plano de desenvolvimento. Não haverá avaliação de competências e resultados para os empregados cedidos para fora do Sistema Eletrobras, exceto aqueles cedidos para o MME Ministério de Minas e Energia que são avaliados somente nas competências do sistema. Os empregados cedidos dentro do Sistema Eletrobras são avaliados na empresa cessionária, dentro dos mesmos critérios utilizados na avaliação de desempenho de sua empresa de origem. Anualmente a empresa de origem deve encaminhar formulário próprio para o superior imediato do empregado no MME para fins de avaliação. 9. PROGRAMA DE TREINAMENTO Antes do 1º Ciclo Avaliativo, os Empregados e Gestores devem participar de Programa de Treinamento Unificado a ser desenvolvido e ministrado pela UNISE Universidade Corporativa do Setor Elétrico. 10. DISPOSIÇÕES GERAIS O Sistema informatizado deve alertar os Gerentes acerca dos prazos, metas, número de avaliações pendentes, validações, bem como sobre a necessidade de registros de acompanhamento. O sistema também deve permitir a geração de diferentes tipos de relatórios que poderão ser acessados pelas áreas de Gestão de Pessoas, Gerentes e empregados, conforme descrito em anexo. O Sistema de Gestão do Desempenho deve ser revisado anualmente (percentuais, período de acompanhamento, quantidade de metas e atualização das competências, etc.) pela área gestora. 25

26 ANEXO 26

27 PESQUISA DE QUALIDADE DO CICLO DA GESTÃO DE DESEMPENHO Com o objetivo de fornecer elementos à área de Gestão de Pessoas que possibilitem a melhoria dos próximos ciclos da Gestão de Desempenho, apresentamos a seguir questões acerca da Qualidade do Processo Avaliativo. Sua opinião é fundamental, por isto responda aos itens abaixo: Etapa de Planejamento Houve reunião para o planejamento de metas e negociação de plano individual de trabalho? Sim Não As competências avaliadas foram informadas? Sim Não As metas estabelecidas eram viáveis? Sim Não Etapa de Acompanhamento Houve reuniões periódicas de acompanhamento? Sim Não O formulário de acompanhamento foi utilizado? Sim Não As condições para atingimento das metas foram providenciadas? Sim Não Etapa de Avaliação Ocorreu reunião de feedback? Sim Não Os aspectos positivos e pontos de melhoria foram abordados? Sim Não A auto-avaliação foi discutida com seu avaliador? Sim Não Etapa de Desenvolvimento Foi proposto o plano de desenvolvimento? Sim Não O plano de desenvolvimento está voltado para o aprimoramento de minhas competências? O plano de desenvolvimento viabiliza oportunidades de capacitação? Sim Sim Não Não 27

28 28

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará GUIA DO SGD Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará em vigor em todas as empresas do Sistema Eletrobrás ainda este ano. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS A T R A N S

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação março 2010 Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação Política Integrada da Tecnologia da

Leia mais

APRESENTAÇÃO GERENTES E EMPREGADOS

APRESENTAÇÃO GERENTES E EMPREGADOS Projeto IV.6 Plano de Gestão Integrada do Sistema Eletrobrás APRESENTAÇÃO GERENTES E EMPREGADOS Diretoria de Administração - DA Departamento de Gestão de Pessoas - DAG Divisão de Carreira e Remuneração

Leia mais

Case Eletrobras Implantação de políticas e práticas unificadas de Carreira e Remuneração

Case Eletrobras Implantação de políticas e práticas unificadas de Carreira e Remuneração Case Eletrobras Implantação de políticas e práticas unificadas de Carreira e Remuneração 33º Prêmio Ser Humano ABRH-RJ Edição 2013 a) Apresentação/Resumo Inicial do Release Informações Básicas sobre a

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Grupo Temático: Política Salarial. Empresa Coordenadora: Banco do Brasil S.A. Setembro 2014

Grupo Temático: Política Salarial. Empresa Coordenadora: Banco do Brasil S.A. Setembro 2014 Grupo Temático: Política Salarial Empresa Coordenadora: Banco do Brasil S.A. Setembro 2014 GT Política Salarial Empresas Participantes: (Coordenação) GT Política Salarial CONTEXTUALIZAÇÃO GT Política Salarial:

Leia mais

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação do Sistema Eletrobras

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação do Sistema Eletrobras Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação do Sistema Eletrobras Versão 2.0 Março/2010 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 3 3. Diretrizes Gerais... 3 4. Responsabilidades...

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 01/2010 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 2 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...3 3. CONTEXTO...4

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

PCR. Plano de Carreira & Remuneração Sistema Eletrobras. Versão Final

PCR. Plano de Carreira & Remuneração Sistema Eletrobras. Versão Final PCR Plano de Carreira & Remuneração Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 610/09, de 07.07.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Programa

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Qual a melhor técnica para auto-avaliação?

Qual a melhor técnica para auto-avaliação? técnicas Qual a melhor técnica para auto-avaliação? : Integração das ferramentas de auto-avaliação 1. Por meio de questionários aplicados às partes interessadas (docentes, discentes, funcionários e sociedade)

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Conteúdo para impressão Módulo 2: Fase de Diagnóstico:

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014.

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. Regulamenta a avaliação de desempenho funcional dos Servidores Técnico-Administrativos da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB prevista na

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Sistemática de Avaliação de Desempenho 5º Ciclo GDPGPE, GDPST, GDAPIB 3º CICLO GDACE, GDACT

Sistemática de Avaliação de Desempenho 5º Ciclo GDPGPE, GDPST, GDAPIB 3º CICLO GDACE, GDACT Sistemática de Avaliação de Desempenho 5º Ciclo GDPGPE, GDPST, GDAPIB 3º CICLO GDACE, GDACT REFERENCIAL LEGAL Decreto nº 7.133, de 19 de março de 2010 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para realização

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CERTIFICAÇÃO INTERMEDIÁRIA POR MÓDULOS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CERTIFICAÇÃO INTERMEDIÁRIA POR MÓDULOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CERTIFICAÇÃO INTERMEDIÁRIA POR MÓDULOS 2 CERTIFICAÇÃO INTERMEDIÁRIA POR MÓDULOS A estrutura curricular do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº 12.305, de

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SGP Manual de Políticas e Procedimentos PARAÍBA Outubro, 2004 ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO.... 04 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS... 05 3. ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007

Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007 Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas do PPA 2004-2007 Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento Manual de Elaboração do Plano Gerencial dos Programas

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais