4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico"

Transcrição

1 NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos de reações e classes de substâncias Reação do grupo carbonila em derivados de ácido carboxílico, condensação de Dieckmann, reação de fechamento do anel éster de ácido carboxílico Técnicas de trabalho Trabalho com exclusão de umidade, aquecimento sob refluxo, agitação com agitador KPG, agitação com agitador magnético, adição em gotas com um funil de adição, extração, filtração, evaporação em rotaevaporador, destilação sob pressão reduzida, aquecimento em banho de óleo. Para a escala de bancada de 10 mmol: Agitação com agitador magnético em vez de agitador KPG Instruções (escala em batelada de 10 mmol) Materiais Balão de três bocais de 100 ml, funil de adição com equipamento de pressão, termômetro interno, condensador de refluxo (por medida de segurança prefira condensador de refluxo metálico), tubo de secagem, funil de separação, aparelho de destilação modelo Kugelrohr ou aparelho de microdestilação, aquecedor com agitador magnético, agitador magnético, rotaevaporador, bomba de vácuo, banho de óleo. Substâncias de Partida Éster dietílico do ácido adípico (pe 245 C) Sódio Tolueno (absoluto) (pe 111 C) Etanol (absoluto) (pe 78 C) Éter dietílico (pe 35 C) Ácido clorídrico (conc.) Sulfato de sódio anidro 2,02 g (2,00 ml, 10,0 mmol) 0,25 g (11 mmol) 40 ml 0,030 g (0,038 ml, 0,65 mmol) 60 ml 5 ml aproximadamente 1 g 1

2 NP Reação 20 ml de tolueno absoluto são colocados em um balão de três bocais de 100 ml com agitador magnético, funil de adição com equipamento de pressão, termômetro interno e condensador de refluxo acoplado a um tubo de secagem. 0,25 g (11 mmol) de sódio grosseiramente dividido e livre de crostas são adicionados. A mistura é aquecida sob agitação vigorosa com agitador magnético sob refluxo e até que o sódio seja convertido em uma suspensão. Assim que a suspensão estiver formada, a agitação é desligada e a suspensão é resfriada até aproximadamente 80 C. A seguir, uma mistura de 2,02 g (2,00 ml, 10 mmol) de éster dietílico do ácido adípico e 0,030 g de etanol absoluto é adicionada gota a gota sob intensa agitação em 10 minutos. Em seguida a mistura reacional é aquecida sob refluxo. Após aproximadamente 10 minutos, um precipitado volumoso é formado. Após adição de 20 ml de tolueno absoluto, a mistura é agitada por 1,5 horas adicionalmente sob refluxo. Etapa final A mistura reacional é resfriada, colocada dentro de 5 g de água gelada e acidificada com 5 ml de ácido clorídrico concentrado. A fase orgânica é separada com um funil de separação e armazenada. A fase aquosa é agitada três vezes com 20 ml de éter etílico. A seguir, as fases orgânicas combinadas são lavadas duas vezes com 10 ml de água e secas sobre sulfato de sódio. Após a filtração do agente secante, o solvente é evaporado em rotaevaporador. Um líquido resulta como resíduo. Rendimento bruto: 1,34 g produto bruto é destilado à pressão reduzida em um aparelho de destilação modelo Kugelrohr ou em aparelho de microdestilação. Rendimento: 1,17 g (7,49 mmol, 75%); PE 110 C (25 hpa), líquido incolor; n 20 D = 1,4520 Comentários No experimento número 4024 o produto deste experimento é utilizado com reagente. Gerenciamento dos resíduos Disposição dos resíduos Resíduo fase aquosa mistura de solvente orgânico evaporado resíduo da destilação sulfato de sódio Disposição mistura de solvente aquoso contendo halogênios solvente orgânico livre de halogênios dissolver em uma pequena quantidade de acetona e eliminar como solvente orgânico livre de halogênios resíduo sólido livre de mercúrio Tempo 5-6 horas Possível Intervalo Após agitação 2

3 NP Grau de dificuldade Médio Instruções (escala em batelada de 100 mmol) Materiais Balão de três bocais de 500 ml, funil de adição com ajuste de pressão, termômetro interno, condensador de refluxo (por medida de segurança prefira condensador de refluxo metálico), tubo de secagem, funil de separação, aparelho de destilação, agitação com agitador KPG, aquecedor com agitador magnético, agitador magnético, rotaevaporador, bomba de vácuo, banho de óleo. Substâncias de Partida Éster dietílico do ácido adípico (PE 245 C) Sódio Tolueno (absoluto) (PE 111 C) Etanol (absoluto) (PE 78 C) Éter etílico (PE 35 C) Ácido clorídrico (conc.) Sulfato de sódio anidro 20,2 g (20,0 ml, 100 mmol) 2,5 g (110 mmol) 300 ml 0,30 g (0,38 ml, 6,5 mmol) 210 ml 15 ml aproximadamente 5 g Reação 150 ml de tolueno absoluto são colocados em um balão de três bocais de 500 ml com agitador KPG, funil de adição com ajuste de pressão e condensador de refluxo acoplado a um tubo de secagem. 2,5 g (110 mmol) de sódio grosseiramente dividido e livre de crostas são adicionados. A mistura é aquecida sob agitação vigorosa com agitador sob refluxo e até que o sódio seja convertido em uma suspensão. Assim que a suspensão estiver formada, a agitação é desligada e a suspensão é resfriada até aproximadamente 80 C. A seguir, uma mistura de 20,2 g (20,0 ml, 100 mmol) de éster dietílico do ácido adípico e 0,30 ml de etanol absoluto é adicionada gota a gota em 10 minutos, sob intensa agitação. Em seguida, a mistura reacional é aquecida sob refluxo. Após aproximadamente 10 minutes um precipitado volumoso é formado. Após adição de 150 ml de tolueno absoluto, a mistura é agitada adicionalmente por 2,5 horas sob refluxo. Etapa final A mistura reacional é resfriada, colocada dentro de 40 g de água gelada e acidificada com 15 ml de ácido clorídrico concentrado. A fase orgânica é separada com um funil de separação e armazenada. A fase aquosa é agitada três vezes com 70 ml de éter etílico. A seguir, as fases orgânicas reunidas são lavadas duas vezes com 50 ml de água e secas sobre sulfato de sódio. Após a filtração do agente secante, o solvente é evaporado em rotaevaporador. Um líquido resulta como resíduo. Rendimento bruto: 14,2 g produto bruto é destilado a pressão reduzida, sem coluna. 3

4 NP Rendimento: 11,8 g (75,5 mmol, 75%); PE 113 C (36 hpa, banho de 130 C), líquido incolor; n 20 D = 1,4524 Comentários No experimento número 4024 o produto deste experimento é utilizado com reagente. Gerenciamento dos resíduos Disposição dos resíduos Resíduo fase aquosa mistura de solvente orgânico evaporado resíduo da destilação sulfato de sódio Disposição mistura de solvente aquoso contendo halogênios solvente orgânico livre de halogênios dissolver em uma pequena quantidade de acetona e eliminar como solvente orgânico livre de halogênios resíduo sólido livre de mercúrio Tempo 6 horas Possível Intervalo Após agitação Grau de dificuldade Médio Caracterização Monitoramento da reação por CG Preparação da amostra a partir da solução reacional: Usando uma pipeta de Pasteur, 5 gotas são tomadas da solução reacional, diluídas com 10 ml de diclorometano e agitadas com 3 gotas de água. A fase aquosa é separada da fase orgânica por secagem sobre sulfato de sódio. 0,2 µl da solução é injetada. Preparação da amostra a partir do produto isolado: 1 gota do produto é dissolvido em 10 ml de diclorometano. 0,2 µl da solução é injetada. Condições CG: Coluna: DB-1, 28 m, diâmetro interno de 0,32 mm, Filme de 0,25 µm Injeção Injeção direta na coluna Gás carreador: hidrogênio (40 cm/s) Forno: 90 C (5 min), 10 C/min até 240 C (30 min) Detector: FID, 270 C Concentração percentual foi calculada a partir das áreas dos picos. 4

5 NP CG do produto bruto Tempo de retenção Substância (min) 6,4 produto (éster etílico do ácido carboxílico da 2- Área do pico % ciclopentanona) outros impurezas desconhecidas < 0,7 por pico 98,7 CG do produto puro Tempo de retenção Substância (min) 6,6 produto (éster etílico do ácido carboxílico da 2- ciclopentanona) Área do pico % 99,7 5

6 NP Espectro de RMN 1 H do produto bruto (300 MHz, CDCl 3 ) Espectro de RMN 1 H do produto puro (300 MHz, CDCl 3 ) δ (ppm) Multiplicidade Número de H Atribuição 1,28 t 3 -CH 2 CH 3 1,84 m 1 5-H a 2,14 m 1 5-H b 2,25 m 4 3-H, 4-H 3,15 dd 1 1-H 4,19 q 2 -CH 2 CH 3 6

7 NP Espectro de RMN 13 C do produto bruto (75,5 MHz, CDCl 3 ) Espectro de RMN 13 C do produto puro (75,5 MHz, CDCl 3 ) δ (ppm) Atribuição 13,8 CH 3 20,6 C-4 27,1 C-5 37,7 C-3 54,4 C-1 60,9 -CH 2 CH 3 169,1 C- 211,9 C-2 76,5-77,5 solvente 7

8 NP Espectro de Infravermelho do produto puro (filme) cm -1 (cm -1 ) Atribuição 2980, 2886 Estiramento C-H, alcano 1756 Estiramento C=, éster 1725 Estiramento C=, cetona 8

3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno

3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno 00 Síntese de,-diclorobiciclo [..0] heptano (,- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno + CHCl NaOH tri-n-propylamine CCl + HCl C H 0 (8.) (9.) NaOH C 9 H N C H 0 Cl (0.0) (.) (.) (.) Classificação Tipos

Leia mais

4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila

4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila 4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila Classificação Tipos de reações e classes de substâncias. Reação do grupo carbonila de derivados do ácido carboxílico, trans-esterificação,

Leia mais

2017 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia

2017 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia 217 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia O O Cl NH 3 NH 2 C 9 H 7 ClO (166.6) (17.) C 9 H 9 NO (147.2) Classificação Tipos de reação e classes de

Leia mais

1011 Síntese do 1,4-di-terc-butil benzeno a partir do terc-butil benzeno e cloreto de terc-butila.

1011 Síntese do 1,4-di-terc-butil benzeno a partir do terc-butil benzeno e cloreto de terc-butila. 1011 Síntese do 1,4-di-terc-butil benzeno a partir do terc-butil benzeno e cloreto de terc-butila. + Cl AlCl 3 C 10 H 14 (134.) C 4 H 9 Cl C 14 H (9.6) (133.3) (190.3) Classificação Tipos de Reações e

Leia mais

2004 Redução diastereosseletiva de benzoina com boro-hidreto de sódio a 1,2-difenil-1,2-etanodiol

2004 Redução diastereosseletiva de benzoina com boro-hidreto de sódio a 1,2-difenil-1,2-etanodiol 24 Redução diastereosseletiva de benzoina com boro-hidreto de sódio a 1,2-difenil-1,2-etanodiol OH O NaBH 4 H HO OH meso H + H OH H OH racemic C 14 H 12 O 2 (212.3) (37.8) C 14 H 14 O 2 (214.3) Referência

Leia mais

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína 57 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína CH H H + 2 + 2 H 2 H C 8 H 4 3 C 6 H 6 2 C 2 H 12 5 (148.1) (11.1) (332.3) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

MATERIAL SUPLEMENTAR. Benzamidoxima

MATERIAL SUPLEMENTAR. Benzamidoxima MATERIAL SUPLEMENTAR Benzamidoxima Em um erlenmeyer de 125 ml, adicionou-se 2,0 g de cloridrato de hidroxilamina (29,1 mmol), 2,4 g de carbonato de sódio (29,1 mmol) e 25 ml de água destilada a temperatura

Leia mais

QUÍMICA FARMACÊUTICA

QUÍMICA FARMACÊUTICA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA ROTEIRO PARA S PRÁTICAS DISCIPLINA: QUÍMICA FARMACÊUTICA Título da Aula: Determinação do coeficiente de partição óleo-água (P) do ácido benzóico 1 Demonstrar

Leia mais

EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS

EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS 1 - INTRODUÇÃO O processo de extração com solventes é um método simples, empregado na separação e isolamento de substâncias componentes de uma mistura, ou

Leia mais

Extração e Purificação do Óleo de Amendoim

Extração e Purificação do Óleo de Amendoim Extração e Purificação do Óleo de Amendoim Determinação do Índice de Saponificação e Íodo Objetivo Extração e purificação do Óleo de Amendoim Introdução Teórica. O processo de extração com solventes é

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO AULA PRÁTICA Nº - 05 31 / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS FUNDAMENTO: Os lipídios constituem uma classe grande de compostos que

Leia mais

Seminário de Química Orgânica Experimental I. Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002

Seminário de Química Orgânica Experimental I. Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002 Seminário de Química Orgânica Experimental I Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002 Recristalização da Acetanilida Introdução Cristalização Precipitação Recristalização Cristalização

Leia mais

Química Orgânica Experimental

Química Orgânica Experimental Química Orgânica Experimental Destilação Simples para Purificação do Cloreto de Terc-butila e do Acetato de Isopentila Discentes: Ana Carolina Boni Eliana Alves Arxer Fernanda Maciel Barbosa Gubbiotti

Leia mais

Síntese do Biodiesel a partir de óleo vegetal Procedimento experimental (adaptado de 1 )

Síntese do Biodiesel a partir de óleo vegetal Procedimento experimental (adaptado de 1 ) Síntese do Biodiesel a partir de óleo vegetal Procedimento experimental (adaptado de 1 ) O biodiesel é atualmente um combustível em fase de desenvolvimento no nosso país, estando algumas fábricas já em

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente

Leia mais

Mistura: material formado por duas ou mais substâncias, sendo cada uma destas denominada componente.

Mistura: material formado por duas ou mais substâncias, sendo cada uma destas denominada componente. SOLUÇÕES Mistura: material formado por duas ou mais substâncias, sendo cada uma destas denominada componente. Fase: numa mistura, é cada uma das porções que apresenta aspecto homogéneo ou uniforme. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS OLIMPÍADA BRASILEIRA DE QUÍMICA 2004 FASE VI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS OLIMPÍADA BRASILEIRA DE QUÍMICA 2004 FASE VI UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS OLIMPÍADA BRASILEIRA DE QUÍMICA 2004 FASE VI Questão 1 Em uma análise química desejava-se determinar o teor percentual de zinco em 96,57g de uma amostra

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Prof. Ms. George Verçoza

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Prof. Ms. George Verçoza PROCESSOS DE SEPARAÇÃO Prof. Ms. George Verçoza Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas e é atraído por um ímã. Ex: Ferro e areia.

Leia mais

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações.

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. EXPERIMENTO 2 Preparação e Padronização de Soluções OBJETIVOS Rever os conceitos de concentração de soluções. Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. Exercitar

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): QUIMICA DAIANE LIMA Conteúdo: Referência para estudo: Propriedades da matéria, densidade, mudanças de fase da matéria, substâncias

Leia mais

Prática de Laboratório 1

Prática de Laboratório 1 Prática de Laboratório 1 12 pontos Preparação do ácido 2-iodobenzóico [Tempo aprox: 1 hr] Essa prática de laboratório envolve a preparação do acido 2-iodobenzóico a partir do acido 2-aminobenzóico. O procedimento

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob DIAGRAMA DE FASES 1) O gráfico abaixo apresenta a variação das pressões de vapor do sulfeto de carbono, metanol, etanol e água em função da temperatura. De acordo com o gráfico, assinale a afirmativa INCORRETA.

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016 INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 1º Ano: C11 Nº Professora: Lúcia Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

Experimento 2: SÍNTESE DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO

Experimento 2: SÍNTESE DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO Universidade Federal do Paraná Departamento de Química Disciplina: Química Inorgânica e Experimental CQ071 Curso: Licenciatura e Bacharelado em Química Professor: Shirley Nakagaki Experimento 2: SÍNTESE

Leia mais

purificação de solventes

purificação de solventes purificação de solventes éter dietílico, tetraidrofurano, diclorometano, hexanos, etanol, acetona,acetato de etila e tolueno objetivos: grau de pureza adequado ao uso é diferente de recuperação de solventes

Leia mais

Prof. José Valter SEPARAÇÃO DE MISTURAS

Prof. José Valter SEPARAÇÃO DE MISTURAS 1 Separação de misturas heterogêneas: LEVIGAÇÃO É usada para componentes de misturas de sólidos, quando um dos componentes é facilmente arrastado pelo líquido. Separação do ouro das areias auríferas Separação

Leia mais

01- (UFRRJ 2001) O hidróxido de lítio (LiOH), usado na produção de sabões de lítio para a

01- (UFRRJ 2001) O hidróxido de lítio (LiOH), usado na produção de sabões de lítio para a 01- (UFRRJ 2001) O hidróxido de lítio (LiOH), usado na produção de sabões de lítio para a fabricação de graxas lubrificantes a partir de óleos, é obtido pela reação do carbonato de lítio (Li COƒ) com o

Leia mais

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE 1. Objetivos SOLUBILIDADE No final dessa experiência, o aluno deverá ser capaz de: - Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. - Utilizar técnicas simples de separação de misturas. 2. Introdução

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração

Leia mais

32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code. 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático

32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code. 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático 32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático Problema 1 30 Pontos Este experimento inclui uma preparação de um sal

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Classifique as transformações

Leia mais

Tratamento de água. Adaptado de Luciana de Araújo

Tratamento de água. Adaptado de Luciana de Araújo Tratamento de água Adaptado de Luciana de Araújo A Química está presente no tratamento da água que chega nas nossas casas? Se sim, como? Estados físicos da água Mudança de estado físico No vídeo... Ouvimos

Leia mais

Destilação Fracionada (água e acetona)

Destilação Fracionada (água e acetona) Destilação Fracionada (água e acetona) INTRODUÇÃO: A destilação fracionada serve para separar uma mistura homogênea composta por dois líquidos, com ponto de ebulição próximos. Quando se destila uma mistura

Leia mais

Relatório do 1º Trabalho de Química Orgânica

Relatório do 1º Trabalho de Química Orgânica Relatório do 1º Trabalho de Química Orgânica Isolamento e purificação do (+)-Limoneno a partir do óleo de laranja (2 sessões) 1ª sessão: Isolamento do (+)-Limoneno 2ª sessão: Purificação e caracterização

Leia mais

QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 4ª aula /

QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 4ª aula / QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 4ª aula / 2016-2 Prof. Mauricio X. Coutrim (disponível em: http://professor.ufop.br/mcoutrim) REAÇÃO EM SOLUÇÃO AQUOSA São reações envolvendo compostos iônicos

Leia mais

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração de O 2 as concentrações de NO 2 e de NO são

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA MANHÃ

PROVA DE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA MANHÃ PROVA DE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - MANHÃ QUESTÃO 01 Durante a preparação do popular cafezinho brasileiro, são utilizados alguns procedimentos de separação de misturas. A alternativa que apresenta

Leia mais

Lista de Exercícios Volumetria de Precipitação ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Volumetria de Precipitação ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Calcule o pag 2% antes do PE, no PE e 2% após o ponto de equivalência na titulação de 10,0 ml de solução 0,05

Leia mais

1 a Lista de Exercícios de Técnicas Cromatográficas (2 a parte)

1 a Lista de Exercícios de Técnicas Cromatográficas (2 a parte) 1 a Lista de Exercícios de Técnicas Cromatográficas (2 a parte) Prof. Mauricio Xavier Coutrim 1. Explique porquê apenas um dentre os seguintes procedimentos a ser adotados para a melhora da separação de

Leia mais

O que se pode fazer com amoníaco?

O que se pode fazer com amoníaco? Nome :.. 11º Ano Turma: Classificação: Professora:... Disciplina de Física e Química A Ano 2 (Susana Vieira) AL 1.2 Síntese do sulfato de tetraminocobre(ii) mono-hidratado Questão - problema O que se pode

Leia mais

Prof. Willame Bezerra

Prof. Willame Bezerra 1. Os feromônios são compostos emitidos por animais para atrair outros da mesma espécie e sexo oposto. Um dos tipos de feromônios são os chamados atraentes sexuais de insetos, que facilitam sua reprodução.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2015.1 EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1. Densidade Densidade (d) é uma grandeza expressa pela

Leia mais

Faculdade de Engenharia Química (FEQUI) Operações Unitárias 2 4ª Lista de Exercícios (parte B Extração Líquido-Líquido)

Faculdade de Engenharia Química (FEQUI) Operações Unitárias 2 4ª Lista de Exercícios (parte B Extração Líquido-Líquido) Faculdade de Engenharia Química (FEQUI) Operações Unitárias 2 4ª Lista de Exercícios (parte B Extração Líquido-Líquido) Profº Carlos Henrique Ataíde (novembro de 2013) 1ª) Concurso Petrobras Químico (a)

Leia mais

MONITORAMENTO E CONTROLE DE UM PROCESSO DE DESTILAÇÃO

MONITORAMENTO E CONTROLE DE UM PROCESSO DE DESTILAÇÃO MONITORAMENTO E CONTROLE DE UM PROCESSO DE DESTILAÇÃO Ederson Luis Posselt, Eloy Maury Metz edersonlp@yahoo.com.br, eloy@softersul.com.br 1. Introdução Destilação é um processo de separação de líquidos

Leia mais

4 Materiais e métodos

4 Materiais e métodos 40 4 Materiais e métodos 4.1. Reagentes O fenol (C 6 H 5 OH) utilizado foi fornecido pela Merck, com pureza de 99,8%. O peróxido de hidrogênio (H 2 O 2 ) 50% P/V foi fornecido pela Peróxidos do Brasil

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO Usar guarda-pó abotoado; Usar preferencialmente calças compridas; Sapatos fechados; Cabelos presos; Não pipetar produto algum com a boca; Não usar produto que não esteja

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É uma Mistura Homogênia de 2 ou mais substâncias. Na Solução não ocorre uma reação química, porque não há formação de novas substâncias e não há alterações

Leia mais

PROVA K. Questão 81. Resolução

PROVA K. Questão 81. Resolução RES_17_10_ALICE 29/09/10 14:01 Página 32 - Questão 81 Considere o fluxograma abaixo, relativo à separação dos componentes de uma mistura constituída de biodiesel e de frutose totalmente dissolvida em água.

Leia mais

III PARTE EXPERIMENTAL. III.1 Sínteses. III.1.1 Síntese da porfirina de base livre (TMPP) 16

III PARTE EXPERIMENTAL. III.1 Sínteses. III.1.1 Síntese da porfirina de base livre (TMPP) 16 III Parte experimental 30 III PARTE EXPERIMENTAL III.1 Sínteses III.1.1 Síntese da porfirina de base livre (TMPP) 16 Método 1: Inicialmente, a síntese da meso-tetrakis(4-metóxifenil)porfirina (TMPP) 16

Leia mais

Química. Xandão (Renan Micha) Soluções

Química. Xandão (Renan Micha) Soluções Soluções Soluções 1. (FUVEST) Sabe-se que os metais ferro (Fe 0 ), magnésio (Mg 0 ) e estanho (Sn 0 ) reagem com soluções de ácidos minerais, liberando gás hidrogênio e formando íons divalentes em solução.

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

Deborah Vilhagra Faria Guilherme Pires de Campos Rafael Carbone Cintra Rafael Rovatti Pupin

Deborah Vilhagra Faria Guilherme Pires de Campos Rafael Carbone Cintra Rafael Rovatti Pupin Deborah Vilhagra Faria Guilherme Pires de Campos Rafael Carbone Cintra Rafael Rovatti Pupin São substâncias que dissolvem outras sem se alterarem quimicamente ou modificar as substâncias dissolvidas; São

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Uma mistura de hidrogênio, H 2 (g), e oxigênio, O 2 (g), reage, num recipiente hermeticamente fechado, em alta temperatura e em presença de um catalisador, produzindo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVESIDADE DE SÃ PAUL INSTITUT DE QUÍMICA PPSTA DE ATIVIDADES DIDÁTICAS DISCIPLINA DE QUÍMICA GÂNICA EXPEIMENTAL (QFL 0314) IENTADA: Prof. Dr. João Valdir Comasseto MNIT: Patrícia Bulegon Brondani São

Leia mais

PETRÓLEO Métodos Analíticos empregados em PETRÓLEO

PETRÓLEO Métodos Analíticos empregados em PETRÓLEO Resíduo de Carbono indicação de constituintes com alto ponto de ebulição; aplicado a amostras não voláteis que se decompõe no processo de destilação atmosférica; pode apresentar erros para as amostras

Leia mais

Experiência 04 - Solubilidade

Experiência 04 - Solubilidade Experiência 04 - Solubilidade 01. OBJETIVOS: No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. Utilizar técnicas simples de extração, recristalização

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE IDENTIFICAÇÃO POR CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE IDENTIFICAÇÃO POR CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE

Leia mais

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas 1º Ciclo Enologia Química rgânica I TRABALH PRÁTIC Nº2 SÍNTESE DE ÉSTERES CM ARMA INTRDUÇÃ s ésteres são compostos extremamente comuns. Por exemplo, os óleos vegetais, como o azeite, são misturas de diversos

Leia mais

Seminário de Química Orgânica Experimental n 7. Destilação Fracionada do Sistema Limoneno - Hexano

Seminário de Química Orgânica Experimental n 7. Destilação Fracionada do Sistema Limoneno - Hexano Seminário de Química Orgânica Experimental n 7 Destilação Fracionada do Sistema Limoneno - Hexano Responsáveis: Prof. Dr. José Eduardo de Oliveira (docente) Profª. Amanda Coelho Danuello (docente) Rafael

Leia mais

Cromatografia em Coluna: Dicas

Cromatografia em Coluna: Dicas Cromatografia em Coluna: Dicas A cromatografia em coluna é comumente utilizada para purificação de substâncias orgânica ou, para remover o material de partida ou isolar o produto desejado de uma reação.

Leia mais

Observe a equação química que corresponde ao processo de obtenção descrito no texto.

Observe a equação química que corresponde ao processo de obtenção descrito no texto. Utilize o texto abaixo para responder às questões de números 01 e 02. Uma das experiências realizadas em aulas práticas de Química é a obtenção do 2-cloro 2-metil propano, usualmente denominado cloreto

Leia mais

EXPERIÊNCIA 03 EXTRAÇÃO DA CAFEÍNA

EXPERIÊNCIA 03 EXTRAÇÃO DA CAFEÍNA EXPERIÊNCIA 03 EXTRAÇÃO DA CAFEÍNA 1- INTRODUÇÃO Alcalóides são substâncias orgânicas nitrogenadas de caráter básico, geralmente de origem vegetal, e que provocam efeitos fisiológicos característicos nos

Leia mais

Diagramas de Fase. Objetivos:

Diagramas de Fase. Objetivos: 1 Diagramas de Fase Objetivos: Interpretar diagramas de fases de substâncias puras Deslocamento da fronteira entre as fases Interpretar diagramas de fases de compostos Diagramas de misturas líquidas Diagramas

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO O que se pretende Realizar laboratorialmente a síntese do sal sulfato de tetraaminacobre (II) monohidratado, uma substância usado como fungicida

Leia mais

Produção de Açúcar. Processos Químicos Industriais II

Produção de Açúcar. Processos Químicos Industriais II Produção de Açúcar Processos Químicos Industriais II Energia Brasil Moagem de cana de açúcar da safra 2013/2014 acumulada até 01/06/2013 somou aproximadamente 105 milhões de toneladas. Ainda de acordo

Leia mais

BALANÇO DE MASSA E ENERGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS LISTA DE EXERCÍCIOS CORRESPONDENTES ÀS AULAS 2 E 3

BALANÇO DE MASSA E ENERGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS LISTA DE EXERCÍCIOS CORRESPONDENTES ÀS AULAS 2 E 3 BALANÇO DE MASSA E ENERGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS LISTA DE EXERCÍCIOS CORRESPONDENTES ÀS AULAS 2 E 3 Pág. 2/6 4. Trezentos galões americanos de uma mistura contendo 75,0% em massa de etanol e 25% de água

Leia mais

O gráfico abaixo representa a pressão de vapor, em atm, em função da temperatura, em ºC, de três amostras, I, II e III.

O gráfico abaixo representa a pressão de vapor, em atm, em função da temperatura, em ºC, de três amostras, I, II e III. Educador: Cristina Disciplina:Química Data: _/ /2011 Estudante: 3ª Série Questão 1 O gráfico abaixo representa a pressão de vapor, em atm, em função da temperatura, em ºC, de três amostras, I, II e III.

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/04/03

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/04/03 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/04/03 Nome: Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: GABARITO Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,0 2 a 2,0 3 a 2,0 4 a 2,0 5 a 2,0 Total 10,0 R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 K =

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA Folha 01 João Roberto Mazzei

ESTEQUIOMETRIA Folha 01 João Roberto Mazzei 01. (UFC 2009) O principal componente da cal, importante produto industrial fabricado no Ceará, é o óxido de cálcio (CaO). A produção de CaO se processa de acordo com a seguinte reação química: CaCO 3(s)

Leia mais

Mary Santiago Silva 05/05/2010

Mary Santiago Silva 05/05/2010 Preparação de Amostras Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Departamento de Química - UFS Introdução Amostra (Sólida, Líquida ou Gasosa) 1. Deve ser representativa do ambiente/sistema que se deseja estudar

Leia mais

SOLUÇÕES PREPARO DE SOLUÇÕES. 1. Concentração (C) 3. Percentagem em massa ou em volume. 2. Concentração molar (M)

SOLUÇÕES PREPARO DE SOLUÇÕES. 1. Concentração (C) 3. Percentagem em massa ou em volume. 2. Concentração molar (M) PREPARO DE SOLUÇÕES SOLUÇÕES (a) (b) (c) 1. Concentração (C) C = massa de soluto / volume da solução A unidade usual para concentração é gramas por litro (g/l). 2. Concentração molar (M) M = mol de soluto

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL

DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL Nome dos participantes: Ana Brígido, Chen Lin, João Costa e Tiago Inácio Professor responsável: Filipa Batalha Escola: Colégio Vasco

Leia mais

Exercícios Equilíbrio Iônico

Exercícios Equilíbrio Iônico Exercícios Equilíbrio Iônico 1. O ph tem uma importância significativa nos processos de laboratório, da indústria e dos organismos vivos. Ele pode ser avaliado de forma simples, usando-se substâncias chamadas

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

01) (USF-SP) Considerando-se as aparelhagens esquematizadas: Dessas afirmações, apenas:

01) (USF-SP) Considerando-se as aparelhagens esquematizadas: Dessas afirmações, apenas: 01) (USF-SP) Considerando-se as aparelhagens esquematizadas: Dessas afirmações, apenas: a) I é correta. d) I e II são corretas. b) II é correta. e) II e III são corretas. c) III é correta. 05) (UFPE-PE)

Leia mais

Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química

Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química Questão 1 Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química Dentre as substâncias presentes nessa mistura, apenas o bromo possui cor e, quando

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 PREPARAÇÃO DE UM CORANTE: ALARANJADO DE METILA

EXPERIÊNCIA 5 PREPARAÇÃO DE UM CORANTE: ALARANJADO DE METILA EXPERIÊCIA 5 PREPARAÇÃ DE UM CRATE: ALARAJAD DE METILA 1 - ITRDUÇÃ a região de Blumenau a química está fortemente relacionada com a Indústria Têxtil, desde a limpeza e tratamento da matéria-prima com agentes

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE MONÔMERO DE ESTIRENO RESIDUAL

DETERMINAÇÃO DE MONÔMERO DE ESTIRENO RESIDUAL MERCOSUL/GMC/RES. N 86/93 DETERMINAÇÃO DE MONÔMERO DE ESTIRENO RESIDUAL TENDO EM VISTA: o Art. 13 do Tratado de Assunção, o Art. 10 da Decisão N 4/91 do Conselho do Mercado Comum, a Resolução N 56/92 do

Leia mais

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA 1. Objetivos Após a realização desta aula experimental, espera-se que o graduando do curso de Química

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

Equilíbrio Químico Folha 2.1 Prof.: João Roberto Mazzei

Equilíbrio Químico Folha 2.1 Prof.: João Roberto Mazzei 01. A cisteína é um aminoácido que contém enxofre e é encontrada na feijoada, devido às proteínas da carne e derivados. A reação de conversão da cisteína em cistina ocorre de acordo com a seguinte equação

Leia mais

Propriedades físicas dos reagentes e produtos da prática EXTRAÇÕES COM SOLVENTE

Propriedades físicas dos reagentes e produtos da prática EXTRAÇÕES COM SOLVENTE Propriedades físicas dos reagentes e produtos da prática EXTRAÇÕES COM SOLVENTE densidade Nomenclatur a 2,152 cloreto de cálcio 0,789 álcool etílico fórmula Mol (g/ml) P.F.( 0 C) P.E.( 0 C) toxidade solubilidade

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA - USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DESTILAÇÃO DIFERENCIAL. Prof. Sérgio R. Montoro

ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA - USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DESTILAÇÃO DIFERENCIAL. Prof. Sérgio R. Montoro ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA - USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DESTILAÇÃO DIFERENCIAL Prof. Sérgio R. Montoro INTRODUÇÃO ETAPAS DE UM PROCESSO QUÍMICO INDUSTRIAL DIAGRAMA OPERAÇÕES UNITÁRIAS E

Leia mais

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr.

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA Método usado para separar, identificar e quantificar componentes de uma mistura; Método físico-químico

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. 2. PROCESSOS HIDROMETALÚRGICOS Ocorrem na interface entre as fases sólida e líquida Temperaturas entre 10 e 300ºC São divididos em diferentes

Leia mais

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo,

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, VESTIB LAR Gabarito Química Grupo J 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, I) 2-clorobutano II) hidroxi benzeno III) tolueno a) Escreva

Leia mais

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A GABARITO - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor O teor do íon Cl - existente nos fluidos corporais pode ser determinado através de uma analise volumétrica do íon Cl - com o íon

Leia mais

Determinação cromatográfica de riboflavina em leite

Determinação cromatográfica de riboflavina em leite CROMATOGRAFIA Determinação cromatográfica de riboflavina em leite Marcela Segundo & Marcelo Osório FFUP MCQ MIA 2013/2014 Pág. 1 Introdução As vitaminas são nutrientes essenciais para a manutenção de uma

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA - USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DESTILAÇÃO DIFERENCIAL PROF. DR. FÉLIX MONTEIRO PEREIRA

ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA - USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DESTILAÇÃO DIFERENCIAL PROF. DR. FÉLIX MONTEIRO PEREIRA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA - USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DESTILAÇÃO DIFERENCIAL PROF. DR. FÉLIX MONTEIRO PEREIRA INTRODUÇÃO ETAPAS DE UM PROCESSO QUÍMICO INDUSTRIAL DIAGRAMA OPERAÇÕES UNITÁRIAS

Leia mais

Operações Unitárias Experimental II Filtração. Professora: Simone de Fátima Medeiros

Operações Unitárias Experimental II Filtração. Professora: Simone de Fátima Medeiros Operações Unitárias Experimental II Filtração Professora: Simone de Fátima Medeiros Lorena SP-2014 Conceito Separação sólido-fluido: Separação de partículas sólidas contidas em um fluido (líquido ou gás)

Leia mais

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química:

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química: Química Avaliação Mensal 3 os anos Décio e Vivian mar/12 Nome: Nº: Turma: GABARITO PROVA MENSAL 1º BIMESTRE 1. (Fuvest 2012 - modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação

Leia mais

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCAV/UNESP ASSUNTO: Forças Intermoleculares Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 2 FLUXOGRAMA PARA RECONHECER OS PRINCIPAIS TIPOS DE FORÇAS INTERMOLECULARES 3 ENERGIA TÍPICA REQUERIDA PARA O ROMPIMENTO

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 03 SOLUÇÕES: INTRODUÇÃO - PARTE 3

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 03 SOLUÇÕES: INTRODUÇÃO - PARTE 3 QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 03 SOLUÇÕES: INTRODUÇÃO - PARTE 3 Fixação 1) (PUC) No preparo de solução alvejante de tinturaria, 521,5g de hipoclorito de sódio são dissolvidos em água suficiente para 10,0 litros

Leia mais

Análise gasométrica volumétrica ou eudiométrica dos gases

Análise gasométrica volumétrica ou eudiométrica dos gases Análise gasométrica volumétrica ou eudiométrica dos gases A análise volumétrica gasométrica também é conhecida como análise eudiométrica, devido ao aparelho utilizado neste processo que é chamado de eudiômetro.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA 1. Objetivo Determinar as dimensões das partículas e suas proporções relativas de ocorrência de forma a se obter o traçado da curva granulométrica de um determinado solo.

Leia mais

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952 Analítica V: Aula 22-05-12 No início da cromatografia Mistura de substâncias coloridas (caroteno, clorofila e xantofila) foi separada : Cromatografia Gasosa Éter de petróleo (solvente) CaCO 3 (s) (adsorvente)

Leia mais