3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno"

Transcrição

1 00 Síntese de,-diclorobiciclo [..0] heptano (,- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno + CHCl NaOH tri-n-propylamine CCl + HCl C H 0 (8.) (9.) NaOH C 9 H N C H 0 Cl (0.0) (.) (.) (.) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias adição a alcenos, eliminação, cicloadição alceno, carbeno, cloroalcano Técnicas de trabalho agitação com barra de agitação magnética, adição gota a gota com funil de adição, destilação sob pressão reduzida, evaporação com rotaevaporador, agitação, extração, filtração, uso de banho de resfriamento com gelo, aquecimento com banho de óleo Instruções (escala em batelada de 00 mmol) Materiais frasco de 00 ml de fundo redondo com três bocas, condensador de refluxo, funil de adição com equalização de pressão, agitador magnético com aquecimento, barra de agitação magnética, termômetro para o interior do frasco, funil de separação, sistema de destilação, rotaevaporador, banho de óleo, banho de gelo, bomba de vácuo Substâncias de Partida Ciclohexeno (pe 8 C) Clorofórmio (pe C) Hidróxido de sódio Tri-n-propilamina (pe C) Água Etanol (pe 8 C) n-pentano (pe C) Sulfato de sódio para secagem Cloreto de sódio 8, g (0, ml, 00 mmol) 8,0 g (, ml, 00 mmol),0 g (00 mmol) 0, g (0,9 ml,,0 mmol) ml ml 0 ml aproximadamente g aproximadamente 8 g Reação Em um frasco de 00 ml de fundo redondo com três bocas equipado com condensador de refluxo, funil de adição, termômetro para medir a temperatura interna e barra de agitação magnética, são adicionados 8, g (0, ml, 00 mmol) de ciclohexeno, 0, g (0,9 ml,,0

2 mmol) de tri-n-propilamina, 8,0 g (, ml, 00 mmol) de clorofórmio e ml de etanol. A mistura é resfriada a 0 ºC com banho de gelo, então uma solução de,0 g (00 mmol) de hidróxido de sódio em ml de água é adicionada com funil de adição, sob agitação e posterior resfriamento. A mistura deve ser agitada vigorosamente durante os 0 min seguintes, a 0 C. Após, a mistura é agitada durante hora à temperatura ambiente e por horas a 0 C. Etapa final O clorofórmio é evaporado em rotaevaporador e o resíduo é transferido com aproximadamente 0 ml de água e 0 ml de n-pentano para um funil de separação. A fase orgânica é separada e a fase aquosa é posteriormente extraída com 0 ml de pentano. Se uma emulsão se formar, a fase aquosa é saturada com NaCl. As fases orgânicas combinadas são secas com sulfato de sódio. A solução é filtrada e o solvente é evaporado em rotaevaporador, rendendo um líquido praticamente incolor como produto bruto. O rendimento bruto é, g. O produto bruto é destilado sob pressão reduzida. Rendimento:, g (8, mmol, 8%), líquido incolor; pe C ( hpa) Gerenciamento dos resíduos Disposição dos resíduos Resíduo clorofórmio evaporado (pode conter ciclohexeno) n-pentano evaporado (pode conter clorofórmio) fase aquosa, após extração resíduo da destilação sulfato de sódio Disposição mistura de solvente aquoso, contendo halogênios resíduo sólido, livre de mercúrio Tempo horas Possível Intervalo Antes da etapa final Grau de dificuldade Fácil Instruções (escala em batelada 0 mmol) Materiais Frasco de 00 ml de fundo redondo com três bocas, condensador de refluxo, funil de adição com equalização de pressão, agitador magnético com aquecimento, barra de agitação magnética, termômetro para inserção no frasco, funil de separação, sistema de destilação, rotaevaporador, banho de óleo, banho de gelo, bomba de vácuo

3 Substâncias de Partida Ciclohexeno (pe 8 C) Clorofórmio (pe C) Hidróxido de sódio Tri-n-propilamina (pe C) Água Etanol (pe 8 C) n-pentano (pe C) Sulfato de sódio para secagem Cloreto de sódio 0,8 g (,0 ml, 0,0 mmol), g (,0 ml, mmol),0 g (0,0 mmol) 0,0 g (0,0 ml, 0,0 mmol), ml 0, ml ml aproximadamente g aproximadamente g Reações Em um frasco de 00 ml de fundo redondo com três bocas equipado com condensador de refluxo, funil de adição, termômetro para medir a temperatura interna e barra de agitação magnética, são adicionados 0,8 g (,0 ml, 00 mmol) de ciclohexeno, 0,0 g (0,09 ml, 0, mmol) de tri-n-propilamina,,8 g (0, ml, mmol) de clorofórmio e 0, ml de etanol. A mistura é resfriada a 0 C com um banho de gelo e então, sob agitação e posterior resfriamento com banho de gelo, uma solução de, g (0,0 mmol) de hidróxido de sódio em, ml de água, é adicionada com um funil de adição. A mistura deve ser agitada vigorosamente durante os próximos 0 minutos a 0 C e após, a mistura é posteriormente agitada por hora à temperatura ambiente e por horas a 0 C. Etapa final O clorofórmio é evaporado em rotaevaporador e o resíduo é transferido com aproximadamente ml de água e ml de n-pentano para um funil de separação. A fase orgânica é separada e a fase aquosa é posteriormente extraída três vezes com 0 ml de pentano. Se uma emulsão se formar, a fase aquosa é saturada com NaCl. As fases orgânicas combinadas são secas com sulfato de sódio. A solução é filtrada e o solvente é evaporado em rotaevaporador, rendendo um líquido quase incolor como produto bruto. O rendimento bruto é, g. O produto bruto é destilado sob pressão reduzida. Rendimento:, g (8, mmol, 8%), líquido incolor; pe C ( hpa) Gerenciamento dos resíduos Disposição dos resíduos Resíduo clorofórmio evaporado (pode conter ciclohexeno) n-pentano evaporado (pode conter clorofórmio) fase aquosa, após extração resíduo da destilação sulfato de sódio Disposição mistura de solvente aquoso, contendo halogênios resíduo sólido, livre de mercúrio

4 Tempo horas Possível Intervalo Antes da etapa final Grau de dificuldade Fácil Instruções (escala em batelada mol) Materiais Frasco de 000 ml de fundo redondo com três bocas, condensador de refluxo, funil de adição com equalização de pressão, agitador magnético com aquecimento, barra de agitação magnética, termômetro para inserção no frasco, funil de separação, sistema de destilação, rotaevaporador, banho de óleo, banho de gelo, bomba de vácuo Substâncias de Partida Ciclohexeno (pe 8 C) Clorofórmio (pe C) Hidróxido de sódio Tri-n-propylamine (pe C) Água Etanol (pe 8 C) n-pentano (pe C) Sulfato de sódio para secagem Cloreto de sódio 8, g (0 ml,,00 mol) 80 g ( ml,,00mol) 0 g (,00 mol), g (.9 ml, 0 mmol) 0 ml 0 ml 0 ml aproximadamente g aproximadamente g Reação Em um frasco de 000 ml de fundo redondo com três bocas equipado com um condensador de refluxo, funil de adição, termômetro para medida da temperatura no interior do frasco e barra de agitação magnética, são adicionados 8, g (0, ml, mol) de ciclohexeno,, g (,9 ml, 0 mmol) de tri-n-propilamina, 80 g ( ml, 00 mmol) de clorofórmio e 0 ml de etanol. A mistura é resfriada a 0 C, em banho de gelo e após, sob agitação e posterior resfriamento com banho de gelo, é adicionada uma solução de 0 g ( mol) de hidróxido de sódio em 0 ml de água, com um funil de adição. A mistura deve ser agitada vigorosamente durante os próximos 0 minutos, a 0 C. Após, a mistura é adicionalmente agitada por hora à temperatura ambiente e por horas a 0 C. Etapa final O clorofórmio é evaporado em rotaevaporador e o resíduo é transferido para um funil de separação com aproximadamente 00 ml de água e 0 ml de n-pentano. A fase orgânica é separada e a fase aquosa é posteriormente extraída três vezes com 0 ml de pentano. Se uma emulsão se formar a fase aquosa é saturada com cloreto de sódio. As fases orgânicas são secas com sulfato de sódio. A solução é filtrada e o solvente é evaporado em rotaevaporador,

5 rendendo um líquido quase incolor como produto bruto. O rendimento bruto é,0 g. O produto bruto é destilado sob pressão reduzida. Rendimento: 9 g (0,8 mol, 8%), líquido incolor; pe C ( hpa) Gerenciamento dos resíduos Disposição dos resíduos Resíduo clorofórmio evaporado (pode conter ciclohexeno) n-pentano evaporado (pode conter clorofórmio) fase aquosa, após extração resíduo da destilação sulfato de sódio Disposição mistura de solvente aquoso, contendo halogênios resíduo sólido, livre de mercúrio Tempo horas Possível Intervalo Antes etapa final Grau de dificuldade Fácil Caracterização CG Preparo da amostra: Uma gota do composto é dissolvida em ml de éter metil terc-butílico, a partir do qual µl é injetado Condições (CG): Coluna: Macherey und Nagel, SE-, -MN-00-9, comprimento m, di 0, mm, filme 0, µm Injetor: Gerstel KAS, injetor 0 C; injeção split: :0, volume injetado µl Gás de arraste: nitrogênio, pressão pré-coluna kpa, fluxo,0 ml/min Forno: 80 C ( min), 0 C/min (0 C) (0 min) Detector: FID, C A concentração percentual calculada a partir das áreas de pico.

6 CG do produto bruto Tempo de retenção (min) Substância Área de pico % 8,,-dicloronorcarano 98, não identificado CG do produto puro Tempo de retenção (min) Substância Área de pico % 8,,-dicloronorcarano > 99

7 Espectro de RMN H do produto bruto (00 MHz, CDCl ) Espectro de RMN H do produto puro (00 MHz, CDCl ) δ (ppm) Multiplicidade Número de H Atribuição,, m -H, -H,, m -H, -H,88,98 m -H, -H, solvente CCl

8 Espectro RMN C do produto bruto ( MHz, CDCl ) Espectro de RMN C do produto purificado ( MHz, CDCl ) δ (ppm) Atribuição 8,9 C-, C- 0, C-, C-,8 C-, C-, C-,-, solvente CCl 8

9 Espectro de Infravermelho do produto bruto (filme) Espectro de Infravermelho do produto puro (filme) (cm - ) Atribuição 9, 89 estiramento C-H, alcano 9 estiramento C-Cl 9

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos

Leia mais

2008 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila

2008 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila 28 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila Classificação Tipos de reações e classes de substâncias Reação de carbonila de ácidos

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno 4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno C 6 H 10 (82,2) + tungstato de sódio dihidratado 4 H 2 H + 2 H + 4 H 2 + Aliquat 336. Na 2 W 4 2 H 2 (329,9) C 6 H 10 4 (34,0) C 25 H 54 ClN (404,2)

Leia mais

2028 Reação de brometo de magnésio de ciclohexila com dióxido de carbono para ácido ciclo-hexano carboxílico

2028 Reação de brometo de magnésio de ciclohexila com dióxido de carbono para ácido ciclo-hexano carboxílico 28 Reação de brometo de magnésio de ciclohexila com dióxido de carbono para ácido ciclo-hexano carboxílico Br + Mg éter etílico MgBr 1. CO 2 2. H 3 O O OH C 6 H 11 Br CO 2 (163,1) (24,3) (44,) C 7 H 12

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol 4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol OH + HCl Cl + H 2 O C 4 H 10 O C 4 H 9 Cl (74,1) (36,5) (92,6) Classificação Tipos de reações e classes de substâncias

Leia mais

http://www.oc-praktikum.de SO 4 O 2 (120.1) (138.1) (98.1) (180.2) (60.1)

http://www.oc-praktikum.de SO 4 O 2 (120.1) (138.1) (98.1) (180.2) (60.1) NP 5012 Síntese do ácido acetilsalicílico (aspirina) a partir do ácido salicílico e anidrido acético CH CH + H H 2 S 4 + CH 3 CH C 4 H 6 3 C 7 H 6 3 C 9 H 8 4 C 2 H 4 2 (120.1) (138.1) (98.1) (180.2) (60.1)

Leia mais

2013 Síntese do cloreto de cinamila a partir de ácido cinâmico e cloreto de tionila

2013 Síntese do cloreto de cinamila a partir de ácido cinâmico e cloreto de tionila 2013 Síntese do cloreto de cinamila a partir de ácido cinâmico e cloreto de tionila O O OH Cl + SOCl 2 + HCl + SO 2 C 9 H 8 O 2 (148.2) (119.0) C 9 H 7 ClO (166.6) Classificação Tipos de reações e classes

Leia mais

Métodos Clássicos de Separação

Métodos Clássicos de Separação Analítica V: Aula 15-05-12 Plano de aula Importância da extração química nos procedimentos de análise Etapasdeumprocesso deextração Métodos Clássicos de Separação O processo de destilação e exemplos para

Leia mais

1% de ácido acético em água ultrapura

1% de ácido acético em água ultrapura QUESTÃO 1 Os diuréticos são utilizados para controlar a pressão alta. Eles estimulam os rins a produzir mais urina, eliminando fluidos e minerais do corpo e diminuindo a pressão. Atletas podem utilizar

Leia mais

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE 1. Objetivos SOLUBILIDADE No final dessa experiência, o aluno deverá ser capaz de: - Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. - Utilizar técnicas simples de separação de misturas. 2. Introdução

Leia mais

Química Orgânica. Separação e Purificação de Compostos Orgânicos. Relatório 2. Instituto Superior Técnico. Trabalho realizado por:

Química Orgânica. Separação e Purificação de Compostos Orgânicos. Relatório 2. Instituto Superior Técnico. Trabalho realizado por: Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica 2ªano, 2º semestre de 2008/09 Química Orgânica Relatório 2 Separação e Purificação de Compostos Orgânicos Trabalho realizado por: Joana

Leia mais

EXTRAÇÃO COM SOLVENTES

EXTRAÇÃO COM SOLVENTES UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE QUÍMICA EXTRAÇÃO COM SOLVENTES Extração simples, múltipla e quimicamente ativa Química Orgânica Experimental Prof. José Eduardo de Oliveira Profa. Dra. Angela

Leia mais

Concentração de soluções e diluição

Concentração de soluções e diluição Concentração de soluções e diluição 1. Introdução Uma solução é uma dispersão homogênea de duas ou mais espécies de substâncias moleculares ou iônicas. É um tipo especial de mistura, em que as partículas

Leia mais

Atividade extra. Questão 1 Cecierj Questão 2 Cecierj Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química

Atividade extra. Questão 1 Cecierj Questão 2 Cecierj Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química Atividade extra Questão 1 Cecierj - 2013 Desenhe uma esfera de ferro e outra de chumbo que tenham massas iguais. Para isso, considere as seguintes densidades: densidade do ferro = 7,9 g/cm3 densidade do

Leia mais

IQ-UFG. Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica. Prof. Dr. Anselmo

IQ-UFG. Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica. Prof. Dr. Anselmo IQ-UFG Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica Aula 02 Reconhecimento de Vidrarias e Introdução às Técnicas de Laboratório Prof. Dr. Anselmo Vidrarias e equipamentos usuais em laboratórios de

Leia mais

Processos de Separação Misturas Para misturas Heterogêneas

Processos de Separação Misturas Para misturas Heterogêneas Ventilação: Sólido + Sólido O sólido menos denso é separado por uma corrente de ar. Catação: Sólido + Sólido Sólidos de aspectos diferentes são separados com as mãos ou uma pinça Levigação: Sólido + Sólido

Leia mais

Lista de Exercício. Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016. Concentração Comum

Lista de Exercício. Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016. Concentração Comum Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016 Lista de Exercício Concentração Comum 1- Num balão volumétrico de 250 ml adicionam-se 2,0g de sulfato de amônio sólido; o

Leia mais

Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas

Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 Sistemas Para facilitar a

Leia mais

EXPERIÊNCIA 02 DESTILAÇÃO

EXPERIÊNCIA 02 DESTILAÇÃO EXPERIÊNCIA 02 DESTILAÇÃO 1- INTRODUÇÃO Destilação é uma técnica utilizada, geralmente, para remover um solvente, purificar um líquido ou para separar os componentes de uma mistura de líquidos, ou ainda

Leia mais

Prof. José Valter SEPARAÇÃO DE MISTURAS

Prof. José Valter SEPARAÇÃO DE MISTURAS 1 Separação de misturas heterogêneas: LEVIGAÇÃO É usada para componentes de misturas de sólidos, quando um dos componentes é facilmente arrastado pelo líquido. Separação do ouro das areias auríferas Separação

Leia mais

5ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Lei de Raoult

5ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Lei de Raoult Pg. 1/6 1 a Questão Metanol, CH 4 O, e etanol, C 2 H 6 O, são dois álcoois voláteis a 25 C. Ambos podem ser usados como solvente ou combustível e muitas vezes a mistura dos dois é empregada em processos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE G. B. HERMSDORFF 1, V. P. de BRITO 1 e V. S. AGUIAR 1,2 1 Faculdade de Engenharia de Sorocaba, FACENS 2 Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Pretende-se com essa atividade dar ao aluno a oportunidade de fazer experiências que possibilitem calcular calores de reação e aplicação da Lei de Hess. Etapa

Leia mais

FÍSICO-QUÍMICA PROF. ALEXANDRE LIMA

FÍSICO-QUÍMICA PROF. ALEXANDRE LIMA FÍSICO-QUÍMICA PROF. ALEXANDRE LIMA 1. Uma solução contendo 14g de cloreto de sódio dissolvidos em 200mL de água foi deixada em um frasco aberto, a 30 C. Após algum tempo, começou a cristalizar o soluto.

Leia mais

Relatório do 2º Trabalho de Química Orgânica

Relatório do 2º Trabalho de Química Orgânica Relatório do 2º Trabalho de Química Orgânica Separação e purificação de compostos orgânicos (2 sessões) 1ª sessão: Separação da p-toluidina, ácido benzóico e naftaleno 2ª sessão: Purificação do ácido p-toluidina

Leia mais

Laboratório de Análise Instrumental

Laboratório de Análise Instrumental Laboratório de Análise Instrumental Prof. Renato Camargo Matos Tutora: Aparecida Maria http://www.ufjf.br/nupis PRÁTICA 8: Verificação da influência do ph na extração de Fe(III) com éter etílico Objetivo:

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas)

3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas) 3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas) Pretende-se reciclar PET, recuperar o ácido tereftálico correspondente, e usá-lo para sintetizar tereftalato

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO - o processo I sugere a evaporação (transformação física) dos componentes do medicamento. - a decomposição das substâncias (transformação química) que constituem o princípio

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II COLÉGIO META OPERAÇÕES UNITÁRIAS II Prof. ABEL SCUPELITI ARTILHEIRO SÃO PAULO 2012 1 OPERAÇÕES UNITÁRIAS II BALANÇO MATERIAL O Balanço Material é utilizado para projetos e análises de equipamentos de novas

Leia mais

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Escola Secundária José Saramago Marta Paulino e Ângela Patrício O que é um Material? É algo que tem massa e ocupa espaço. Classificação Materiais: Componentes Origem

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É uma Mistura Homogênia de 2 ou mais substâncias. Na Solução não ocorre uma reação química, porque não há formação de novas substâncias e não há alterações

Leia mais

Substâncias puras e misturas; análise imediata

Substâncias puras e misturas; análise imediata Segmento: Pré-vestibular Resoluções Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Química Volume: 1 Série: 5 Substâncias puras e misturas; análise imediata 1. C Considerando as ilustrações, temos: I. Mistura

Leia mais

3ªHumanas e Master - Química Prof os João Lins e Alexandre Estevão

3ªHumanas e Master - Química Prof os João Lins e Alexandre Estevão 3ªHumanas e Master - Química Prof os João Lins e Alexandre Estevão 1) Um sistema heterogêneo, S, é constituído por uma solução colorida e um sólido branco. O sistema foi submetido ao seguinte esquema de

Leia mais

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa.

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa. ALUNO(a): Nº: SÉRIE: ª TURMA: UNIDADE: VV JC JP PC DATA: / /06 Obs.: Esta lista deve ser entregue apenas ao professor no dia da aula de Recuperação Valor: 5,0. Uma solução contendo 4 g de cloreto de sódio

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

Química - Grupo J - Gabarito

Química - Grupo J - Gabarito 1 a QUESTÃ: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Considerando que a [Cr 4= ] em uma solução aquosa é 0.025 M, responda: a) haverá precipitação de cromato de prata se 1.0 x 10-6 M de Ag + é adicionado à solução

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Dispersão Definição: É colocar uma substância dentro de outra substância, onde a primeira substância se caracteriza por ser uma partícula, ou seja, a substância

Leia mais

Processos físicos de separação de misturas

Processos físicos de separação de misturas Processos físicos de separação de misturas Misturas heterogêneas sólido-sólido Catação Peneiração Flutuação Separação Magnética Dissolução Fracionada Sublimação CATAÇÃO Baseia-se na identificação visual

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações.

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. EXPERIMENTO 2 Preparação e Padronização de Soluções OBJETIVOS Rever os conceitos de concentração de soluções. Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. Exercitar

Leia mais

Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona

Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona Painel Setorial Biodiesel INMETRO Novembro de 2005 Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona Fátima Regina Dutra Faria PETROBRAS/CENPES/QUÍMICA fatima.dutra@petrobras.com.br

Leia mais

EQUIPAMENTO BÁSICO DE LABORATÓRIO

EQUIPAMENTO BÁSICO DE LABORATÓRIO 1 EQUIPAMENTO BÁSICO DE LABORATÓRIO MATERIAL DE VIDRO: TUBO DE ENSAIO Utilizado principalmente para efetuar reações químicas em pequena escala. 2 BÉQUER ou BÉCKER Recipiente com ou sem graduação, utilizado

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K) =

Leia mais

PURIFICAÇÃO DOS ÓLEOS ALIMENTARES USADOS

PURIFICAÇÃO DOS ÓLEOS ALIMENTARES USADOS PURIFICAÇÃO DOS ÓLEOS ALIMENTARES USADOS As moléculas que constituem os óleos e as gorduras são os triglicerídeos. Os triglicerídeos resultam de ligações do tipo éster entre a glicerina e ácidos gordos,

Leia mais

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros Página 1 de 5 1 Escopo Este método determina o teor de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros, cujo parâmetro está relacionado à qualidade do produto segundo a Instrução Normativa nº

Leia mais

4 Materiais e métodos

4 Materiais e métodos 40 4 Materiais e métodos 4.1. Reagentes O fenol (C 6 H 5 OH) utilizado foi fornecido pela Merck, com pureza de 99,8%. O peróxido de hidrogênio (H 2 O 2 ) 50% P/V foi fornecido pela Peróxidos do Brasil

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 31/03/07

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 31/03/07 1 - ROVA DE QUÍMICA GERAL 31/03/07 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados R 0,081 atm L mol -1 K -1 T (K) T ( C) + 73,15 1

Leia mais

O gráfico abaixo representa a pressão de vapor, em atm, em função da temperatura, em ºC, de três amostras, I, II e III.

O gráfico abaixo representa a pressão de vapor, em atm, em função da temperatura, em ºC, de três amostras, I, II e III. Educador: Cristina Disciplina:Química Data: _/ /2011 Estudante: 3ª Série Questão 1 O gráfico abaixo representa a pressão de vapor, em atm, em função da temperatura, em ºC, de três amostras, I, II e III.

Leia mais

Exercícios Aspectos Macroscópicos

Exercícios Aspectos Macroscópicos Exercícios Aspectos Macroscópicos 1. Observe atentamente os processos abaixo: I. Efervescência ocorrida ao se colocar água oxigenada sobre um ferimento. II. A imagem de uma célula é ampliada por um microscópio.

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional)

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional) Page 1 of 5 Olimpíada Brasileira de Química - 2001 Fase III (Etapa 1 nacional) Questão 1 (48 th Chemistry Olympiad - Final National Competition - 2001 - Estonia) Exame aplicado em 01.09.2001 Os compostos

Leia mais

SISTEMAS MATERIAIS. Conceitos Fundamentais, Classificação, Purificação. Reis, Oswaldo Henrique Barolli.

SISTEMAS MATERIAIS. Conceitos Fundamentais, Classificação, Purificação. Reis, Oswaldo Henrique Barolli. SISTEMAS MATERIAIS Conceitos Fundamentais, Classificação, Purificação Reis, Oswaldo Henrique Barolli. R375s Sistemas materiais : conceitos fundamentais, classificação, purificação / Oswaldo Henrique Barolli.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE QUÍMICA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE QUÍMICA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE QUÍMICA Nome: Nº Série: 9º EFII Data: / /2015 Professor: Gustavo/Priscila Anual I. Introdução Caro aluno, Neste ano de 2015 você não obteve o mínimo de pontos e, por isso

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto.

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto. Propriedades Coligativas 1. Introdução Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

TABELA 1) Constantes físicas, características e periculosidade dos reagente e produtos.

TABELA 1) Constantes físicas, características e periculosidade dos reagente e produtos. TABELA 1) Constantes físicas, características e periculosidade dos reagente e produtos. Substância e Fórmula molecular Etanol C 2 H 5 OH Massa molecular (g/mol) 46,07 P.F. (ºC) P.E. (ºC) 114,1 78,5 Clorofórmio

Leia mais

BALANÇO DE MASSA E ENERGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS LISTA DE EXERCÍCIOS CORRESPONDENTES ÀS AULAS 2 E 3

BALANÇO DE MASSA E ENERGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS LISTA DE EXERCÍCIOS CORRESPONDENTES ÀS AULAS 2 E 3 BALANÇO DE MASSA E ENERGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS LISTA DE EXERCÍCIOS CORRESPONDENTES ÀS AULAS 2 E 3 Pág. 2/6 4. Trezentos galões americanos de uma mistura contendo 75,0% em massa de etanol e 25% de água

Leia mais

Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Soluções...1 Exercícios... 5 Gabarito...7 Soluções Unidades de Concentração Concentração é determinada

Leia mais

SEMINÁRIO DA EXTRAÇÃO DA CAFEÍNA DO CHÁ PRETO

SEMINÁRIO DA EXTRAÇÃO DA CAFEÍNA DO CHÁ PRETO SEMINÁRIO DA EXTRAÇÃO DA CAFEÍNA DO CHÁ PRETO 1. INTRODUÇÃO: A cafeína (3,7-diidro-1,3,7-trimetil-1H-purina-2,6-diona) pura é uma substância branca, sem gosto, que constitui aproximadamente 5% do peso

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 1 o BIMESTRE DE 2016

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 1 o BIMESTRE DE 2016 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 1 o BIMESTRE DE 2016 Nome: N o 9 o Ano Data: / / 2016 Professor(a): Andreza / Priscila Nota: ( Valor: 1,0 ) I. Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0

Leia mais

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 22 SOLUÇÕES

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 22 SOLUÇÕES QUÍMICA - 3 o AN MÓDUL 22 SLUÇÕES ÁGUA + SAL Coeficiente de solubilidade (g de soluto/100g de água) 40 30 SAL A SAL B SAL C 20 10 20 40 60 80 T( C) Como pode cair no enem Devido ao seu alto teor de sais,

Leia mais

Alguns materiais utilizados no Laboratório de Química

Alguns materiais utilizados no Laboratório de Química Alguns materiais utilizados no Laboratório de Química 02 04 05 01 03 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 19 16 17 18 20 21 22 23 24 25 01. Suporte universal: utilizado para sustentar peças. 02. Tripé de ferro:

Leia mais

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática.

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática. 44 5 PARTE EXPERIMENTAL 5.1 Biota Todas as amostras foram liofilizadas (processo de secagem da amostra baseado no fenômeno da sublimação). Este processo apresenta as vantagens de manter a estrutura do

Leia mais

PROVA K. Questão 81. Resolução

PROVA K. Questão 81. Resolução RES_17_10_ALICE 29/09/10 14:01 Página 32 - Questão 81 Considere o fluxograma abaixo, relativo à separação dos componentes de uma mistura constituída de biodiesel e de frutose totalmente dissolvida em água.

Leia mais

Dependendo do diâmetro (Ø) das partículas que constituem o disperso, as dispersões podem ser:

Dependendo do diâmetro (Ø) das partículas que constituem o disperso, as dispersões podem ser: Soluções Químicas A mistura de dois ou mais materiais podem ser uma perfeita dissolução denominada mistura homogênea ou uma separação total das partes constituintes do sistema a qual chamamos mistura heterogênea.

Leia mais

Equipe de Química QUÍMICA

Equipe de Química QUÍMICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 12R Ensino Médio Equipe de Química Data: QUÍMICA Mistura de soluções que não reagem entre si: Misturas de soluções de mesmo soluto quando misturamos soluções de mesmo

Leia mais

09) Considere a tabela de pontos de fusão e ebulição das substâncias a seguir, a 1 atm de pressão:

09) Considere a tabela de pontos de fusão e ebulição das substâncias a seguir, a 1 atm de pressão: 01) Indique a alternativa que completa corretamente as lacunas do seguinte período: Um elemento químico é representado pelo seu..., é identificado pelo número de... e pode apresentar diferentes números

Leia mais

conhecida como molaridade é redefinida como concentração em quantidade de matéria. A quantidade de matéria do soluto (nsoluto anteriormente chamada nu

conhecida como molaridade é redefinida como concentração em quantidade de matéria. A quantidade de matéria do soluto (nsoluto anteriormente chamada nu SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 03: CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES TÓPICO 02: UNIDADES DE CONCENTRAÇÃO Uma solução é uma mistura homogênea de duas ou mais substancias. Uma destas substâncias é chamada

Leia mais

Título do vídeo: Síntese de sulfato de tetraminocobre (II) mono-hidratado

Título do vídeo: Síntese de sulfato de tetraminocobre (II) mono-hidratado Título do vídeo: Síntese de sulfato de tetraminocobre (II) mono-hidratado Nome dos participantes: Luís Amores; Melanie Matos; Miguel Sousa; Paulo Caldeira Professor responsável: Dina Albino E-mail: f188@esjd.pt

Leia mais

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS 2012 Natureza É raro encontrarmos substâncias puras, normalmente encontramos misturas de substâncias.

Leia mais

4. Reagentes e Metodologia Analítica

4. Reagentes e Metodologia Analítica 4. Reagentes e Metodologia Analítica 4.1. Reagente para os testes de oxidação Os reagentes P.A empregados durante os testes de oxidação foram: KCN (Merck) NaOH (Vetec) H 2 SO 4 (Vetec) H 2 O 2 (Peróxidos

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução SOLUBILIDADE Sabemos que um soluto altera as propriedades do solvente. Solução sólida: silício dopado com fósforo eletrônica. indústria Sal sobre o gelo abaixa o ponto e congelamento se a temperatura é

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 01

2005 by Pearson Education. Capítulo 01 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 1 Introdução: matéria & medida David P. White O estudo da química A perspectiva molecular da química A matéria é o material físico do universo. A matéria é

Leia mais

Curso de Engenharia Química. Prof. Rodolfo Rodrigues Lista 2 de Destilação Binária por Estágios

Curso de Engenharia Química. Prof. Rodolfo Rodrigues Lista 2 de Destilação Binária por Estágios Curso de Engenharia Química Operações Unitárias II 216/2 Prof. Rodolfo Rodrigues Lista 2 de Destilação Binária por Estágios Exercício 1* (Wankat, 212, Exemplo 4-2) Calcule o coeficiente angular da linha

Leia mais

III.1 Classificação das Misturas: Soluções e Dispersões.

III.1 Classificação das Misturas: Soluções e Dispersões. III SOLUÇÕES III.1 Classificação das Misturas: Soluções e Dispersões. Frequentemente as substâncias químicas (elementos e compostos) encontram-se misturadas umas às outras. O sangue, a água do mar, o solo

Leia mais

SINTESE E CARACTERIZAÇÃO DE DERIVADOS DE AMIDO II. BUTILALIL AMIDO RESUMEN

SINTESE E CARACTERIZAÇÃO DE DERIVADOS DE AMIDO II. BUTILALIL AMIDO RESUMEN SINTESE E CARACTERIZAÇÃ DE DERIVADS DE AMID II. BUTILALIL AMID Mara Zeni, Raul Riveros, Adriana E. Gower, Rosileia Paloschi*, Eliamara Faoro e Katia Rasera Departamento de Física e Química - Universidade

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

MF-0418.R-1 - MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL

MF-0418.R-1 - MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL MF-0418.R-1 - MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 042 de 04 de janeiro de 1979 Publicado no DOERJ de 16 de março de 1979 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II ESTRUTURA DA MATÉRIA O termo matéria refere-se a todos os materiais

Leia mais

Prof. Willame Bezerra

Prof. Willame Bezerra 1. Os feromônios são compostos emitidos por animais para atrair outros da mesma espécie e sexo oposto. Um dos tipos de feromônios são os chamados atraentes sexuais de insetos, que facilitam sua reprodução.

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Engenheiro Químico A separação de misturas de líquidos nos seus constituintes é uma das principais operações da indústria química e também da petrolífera. A destilação

Leia mais

DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES. É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO

DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES. É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO SOLUÇÃO INICIAL SOLUÇÃO FINAL SOLVENTE PURO VA V V C C

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS

SEPARAÇÃO DE MISTURAS TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Leia o texto, analise a figura a seguir e responda à(s) próxima(s) questão(ões). No início do século XVII, a química começou a despontar como ciência, com base na química

Leia mais

Química C Extensivo V. 2

Química C Extensivo V. 2 Química C Extensivo V. 2 Exercícios 01) Alternativa correta: A Agente emulsificador ou emulsificante é uma substância que pode estabilizar uma emulsão e que em geral provoca a redução da tensão interfacial

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob DIAGRAMA DE FASES 1) O gráfico abaixo apresenta a variação das pressões de vapor do sulfeto de carbono, metanol, etanol e água em função da temperatura. De acordo com o gráfico, assinale a afirmativa INCORRETA.

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO 1. (Uerj 2016) Para diferenciar os hidrocarbonetos etano e eteno em uma mistura gasosa, utiliza-se uma reação com bromo molecular: o etano não reage com esse composto, enquanto o eteno reage de acordo

Leia mais

AULA 1 FRENTE 1. Por causa do lançamento, na atmosfera, de grande quantidade de gás carbônico, causador do efeito estufa.

AULA 1 FRENTE 1. Por causa do lançamento, na atmosfera, de grande quantidade de gás carbônico, causador do efeito estufa. Exercícios propostos AULA 1 FRENTE 1 1 Assinale na coluna da esquerda para causa e na coluna da direita para consequência do efeito estufa: I I Queimadas nas florestas II II Degelo das calotas polares

Leia mais

AULA 1 SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS E MISTURAS

AULA 1 SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS E MISTURAS AULA 1 SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS E MISTURAS Para podermos adentrar no mundo da química existem alguns conceitos fundamentais que devemos saber para compreendermos corretamente os fenômenos. Conceitos como matéria,

Leia mais

Química Orgânica Experimental I

Química Orgânica Experimental I Química Orgânica Experimental I Preparação e Purificação do Acetato de Isopentila Ronan Geraldo Ferreira Introdução Neste experimento, será preparado um éster, o Acetato de Isopentila que freqüentemente

Leia mais

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36 1ª QUESTÃO Valor 1,0 Uma lâmpada é colocada no fundo de um recipiente com líquido, diretamente abaixo do centro de um cubo de cortiça de 10 cm de lado que flutua no líquido. Sabendo que o índice de refração

Leia mais

Introdução. Uma mistura éconstituída por duas ou mais substâncias puras, sejam simples ou compostas MISTURA

Introdução. Uma mistura éconstituída por duas ou mais substâncias puras, sejam simples ou compostas MISTURA SOLUÇÕES Introdução MISTURA MISTURA HETEROGÊNEA Uma mistura éconstituída por duas ou mais substâncias puras, sejam simples ou compostas A mistura seráheterogênea quando apresentar duas ou mais fases perceptíveis.

Leia mais

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental Práticas de Química Geral e Orgânica para Engenharia Ambiental INTRODUÇÂO A química é uma ciência experimental e se ocupa especialmente das transformações das substâncias, de sua composição e das relações

Leia mais

FICHA DE PREPARAÇÃO PARA O TESTE Nº5 FQ -7ºANO

FICHA DE PREPARAÇÃO PARA O TESTE Nº5 FQ -7ºANO FICHA DE PREPARAÇÃO PARA O TESTE Nº5 FQ -7ºANO -CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS - SUBSTÃNCIAS E MISTURAS - SOLUÇÕES -TRANSFORMAÇÕES QUÍMICAS E FÍSICAS 1. A Química é a ciência que estuda as propriedades e

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina.

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. O processo completo de produção de biodiesel partindo-se do óleo degomado é constituído

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado 1. Objectivo: Reutilizar os óleos vegetais rejeitados 2. O que se pretende: 2.1 Seleccionar material adequado

Leia mais

Grupo I 1. Os rótulos seguintes dizem respeito a alguns produtos alimentares.

Grupo I 1. Os rótulos seguintes dizem respeito a alguns produtos alimentares. Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2007 / 2008 Correcção do teste de avaliação sumativa Nome: N.º aluno: Turma: Classificação : Professor: Grupo I 1. Os

Leia mais

CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA

CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA SETEMBRO 2015 1 2 3 4 FE / FM 5 FM = LÍQUIDO CROMATOGRAFIA LÍQUIDA FM = GÁS CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) SÓLIDA CGS FE em CG LÍQUIDA CGL 6 VANTAGENS

Leia mais