4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila"

Transcrição

1 4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila Classificação Tipos de reações e classes de substâncias. Reação do grupo carbonila de derivados do ácido carboxílico, trans-esterificação, éster de ácidos carboxílico, triglicerídios, fontes renováveis, Técnicas de trabalho agitação com barra de agitação magnética, extração com funil, filtração, evaporação com rotaevaporador. Instruções (escala em batelada de 10 mmol) Materiais Balão bitubulado de 100 ml, barra de agitação magnética, agitação magnética, balão de fundo redondo, funil de separação, rotaevaporador Substâncias de Partida Óleo de mamona Metanol Solução de metóxido de sodio (16 %) em metanol Éter de petróleo (p.e C) Sulfato de sódio para secagem 10 g (cerca de 10 mmol) 32 g (40 ml, 1,0 mol) 0,3 ml 40 ml cerca de 1 g Reação Em um balão de duas bocas de 100 ml contendo uma barra de agitação magnética adicionamse 10,0 g (cerca de 10 mmol) de óleo de mamona e 32 g (40 ml, 1,0 mol) de metanol. Depois da adição de 0,3 ml da solução de metóxido de sódio, a mistura é mantida sob agitação por mais 45 minutos até que a reação de trans-esterificação se complete. O curso da reação é acompanhado por cromatografia de camada (veja análise). 1

2 Etapa final O metanol em excesso é evaporado através do evaporador rotatório. O produto bruto remanescente no balão é transferido com 40 ml de éter de petróleo (p.e C) para um funil de separação e após a adição de 20 ml de água faz se a agitação. A fase orgânica é separada e repetidamente lavada com 20 ml de água até que o valor do ph fique neutro. Em seguida, a fase orgânica é seca sob sulfato de sódio e o solvente evaporado através do rotaevaporador. Rendimento: 9,0 g (28 mmol, 93%); CG de 89% de pureza Gerenciamento dos resíduos Reciclagem éter de petróleo e o metanol são coletados e re-destilados. Disposição dos resíduos Resíduo sulfato de sódio fase aquosa do funil de separação Disposição resíduo sólido, livre de mercúrio mistura de solvente aquoso, livre de halogênio Tempo 3 horas Possível Intervalo Depois de complete trans-esterificação do óleo de mamona. Grau de dificuldade Fácil Instruções (escala em batelada de 100 mmol) Materiais Balão de duas bocas de 1L, barra de agitação magnética, agitação magnética, balão de fundo redondo, funil de separação, rotaevaporador Substâncias de Partida Óleo de mamona Metanol Solução de metóxido de sodio (16 %) em metanol Éter de petróleo (p.e C) Sulfato de sódio para secagem 100 g (cerca de 100 mmol) 320 g (400 ml, 10 mol) 3 ml 300 ml cerca de 5 g Reação Em um balão de duas bocas de 1L contendo uma barra de agitação magnética adicionam-se 100 g (cerca de 100 mmol) de óleo de mamona e 300 ml de metanol. Depois da adição de 3 ml da solução de metóxido de sódio, a mistura é mantida sob agitação por mais 45 minutos 2

3 até que a reação de trans-esterificação se complete. O curso da reação é acompanhado por cromatografia de camada (veja análise). Etapa final O metanol em excesso é evaporado através do evaporador rotatório e o produto bruto remanescente no balão é transferido com 300 ml de éter de petróleo (p.e C) para um funil de separação. Após a remoção da glicerina a fase orgânica é lavada repetidamente com 100 ml de água até que o valor do ph fique neutro. Em seguida da fase orgânica é seca sob sulfato de sódio, filtrado e o solvente evaporado através do roto evaporador. Rendimento: 100 g (0,300 mol, 100 %); CG de 88% de pureza Gerenciamento dos resíduos Reciclagem éter de petróleo e o metanol são coletados e re-destilados. Disposição dos resíduos Resíduo sulfato de sódio fase aquosa do funil de separação glicerina do funil de separação Disposição resíduo sólido, livre de mercúrio mistura de solvente aquoso, livre de halogênio solventes orgânicos, livre de halogênio Tempo 4 horas Possível Intervalo Depois da completa trans-esterificação do óleo de mamona. Grau de dificuldade Fácil Caracterização Controle de reação com CCD Preparação da amostra: Uma alíquota da fase superior da mistura reacional é removida com uma pipeta de Pasteur e adicionado 1ml de diclorometano. Condições de CCD: Adsorvente: placas de alumínio CCD- (silica gel 60) Eluente: éter de petróleo(60-80 C)/acetato de etila 7 : 3 Detecção: A placa de alumínio CCD é imerso em 2N H 2 SO 4 e em seguida seco com um secador de ar quente R f (insumo) 0,47 R f (produto) 0,64 3

4 CG Preparação da amostra: Uma gota do produto é diluida em 10 ml de diclorometano. 0,2 µl desta solução são injetados. Condições da análise: Coluna: DB-1, 28 m, diâmetro interno 0,32 mm, espessura 0,25 µm Injeção: Injeção direta na coluna Gás de arraste: hidrogênio (40 cm/s) Forno: 90 C (5 min), 10 C/min até 240 C (20 min) detector: FID, 270 C CG do produto tempo de retenção (min) substância área do pico % 17,93 palmitato de metila 0,9 19,61 estearato de metila 4,3 19,69 oleato de metila 2,7 19,97 linoleato de metila 1,0 21,69 ricinoleato de metila 89,4 4

5 Espectro de RMN 1 H do produto (300 MHz, CDCl 3 ) OMe OH O (ppm) Multiplicidade Número de H Atribuição 0,84 T 3 18-H 1,24 M 16 remanescente CH 2 1,41 M 2 13-H 1,59 M 2 3-H 2,02 M 2 8-H 2,09 S 1 -OH 2,19 M 2 11-H 2,28 T 2 2-H 3,59 M 1 12-H 3,61 S 3 -OCH 3 5,35 M 1 9-H 5,49 M 1 10-H 5

6 Espectro de RMN 13 C do produto (75.5 MHz, CDCl 3 ) OMe OH O (ppm) Atribuição 174,0 C=O 132,6 C ,3 C-9 71,2 C-12 51,1 O-CH3 36,7 C-11 35,2 C-13 33,8 C-2 22,4 C-17 13,8 C-18 76,5-77,5 solvente 6

4002 Síntese de benzil a partir da benzoína

4002 Síntese de benzil a partir da benzoína 4002 Síntese de benzil a partir da benzoína H + 1 / 2 2 VCl 3 + 1 / 2 H 2 C 14 H 12 2 C 14 H 10 2 (212,3) 173,3 (210,2) Classificação Tipos de reações e classes de substâncias oxidação álcool, cetona,

Leia mais

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno

3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno 00 Síntese de,-diclorobiciclo [..0] heptano (,- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno + CHCl NaOH tri-n-propylamine CCl + HCl C H 0 (8.) (9.) NaOH C 9 H N C H 0 Cl (0.0) (.) (.) (.) Classificação Tipos

Leia mais

4004 Síntese de γ-decalactona a partir de 1-octeno e éster etílico do ácido iodoacético

4004 Síntese de γ-decalactona a partir de 1-octeno e éster etílico do ácido iodoacético NP 4004 Síntese de γ-decalactona a partir de 1-octeno e éster etílico do ácido iodoacético + I CH 2 CH 3 Cu + CH 3 CH 2 I C 8 H 16 C 4 H 7 I 2 C 10 H 18 2 (112,2) (214,0) (63,6) (170,3) C 2 H 5 I (156,0)

Leia mais

2029 Reação do trifenilfosfano com o éster metílico do ácido bromoacético originando brometo de (carbometoximetil) trifenilfosfônio

2029 Reação do trifenilfosfano com o éster metílico do ácido bromoacético originando brometo de (carbometoximetil) trifenilfosfônio 229 Reação do trifenilfosfano com o éster metílico do ácido bromoacético originando brometo de (carbometoximetil) trifenilfosfônio CH 3 Br + P P Br C 3 H 5 Br 2 C 18 H 15 P (153,) (262,3) CH 3 C 21 H 2

Leia mais

2008 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila

2008 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila 28 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila Classificação Tipos de reações e classes de substâncias Reação de carbonila de ácidos

Leia mais

1011 Síntese do 1,4-di-terc-butil benzeno a partir do terc-butil benzeno e cloreto de terc-butila.

1011 Síntese do 1,4-di-terc-butil benzeno a partir do terc-butil benzeno e cloreto de terc-butila. 1011 Síntese do 1,4-di-terc-butil benzeno a partir do terc-butil benzeno e cloreto de terc-butila. + Cl AlCl 3 C 10 H 14 (134.) C 4 H 9 Cl C 14 H (9.6) (133.3) (190.3) Classificação Tipos de Reações e

Leia mais

3001 Hidroboração/oxidação de 1-octeno a 1-octanol

3001 Hidroboração/oxidação de 1-octeno a 1-octanol 3001 Hidroboração/oxidação de 1-octeno a 1-octanol 1. NaBH, I CH H 3 C C. H O /NaOH H 3 OH C 8 H 16 NaBH H O I NaOH C 8 H 18 O (11.) (37.8) (3.0) (53.8) (0.0) (130.) Referência Bibliográfica A.S. Bhanu

Leia mais

4013 Síntese de benzalacetofenona a partir de benzaldeído e acetofenona

4013 Síntese de benzalacetofenona a partir de benzaldeído e acetofenona NP 4013 Síntese de benzalacetofenona a partir de benzaldeído e acetofenona KSF/ + + H 2 C 8 H 8 C 7 H 6 C 15 H 12 (120.2) (106.1) (208.3) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias reação

Leia mais

2017 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia

2017 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia 217 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia O O Cl NH 3 NH 2 C 9 H 7 ClO (166.6) (17.) C 9 H 9 NO (147.2) Classificação Tipos de reação e classes de

Leia mais

3012 Síntese do adamantilideno (adamantanilideno) adamantano a partir de adamantanona

3012 Síntese do adamantilideno (adamantanilideno) adamantano a partir de adamantanona Síntese do adamantilideno (adamantanilideno) adamantano a partir de adamantanona O TiCl /Zn/THF C H O (.) TiCl Zn (9.) (.) C H (.) Referência Bibliográfica D. Lenoir, Synthesis, 99, -9 Classificação Tipos

Leia mais

2023 Redução da D-(+)-cânfora com hidreto de lítio e alumínio para uma mistura isomérica de (+)-borneol e ( )-isoborneol

2023 Redução da D-(+)-cânfora com hidreto de lítio e alumínio para uma mistura isomérica de (+)-borneol e ( )-isoborneol 223 Redução da D-(+)-cânfora com hidreto de lítio e alumínio para uma mistura isomérica de (+)-borneol e ( )-isoborneol Classificação Tipos de reações e classes de substâncias Reação de carbonila de cetonas,

Leia mais

2004 Redução diastereosseletiva de benzoina com boro-hidreto de sódio a 1,2-difenil-1,2-etanodiol

2004 Redução diastereosseletiva de benzoina com boro-hidreto de sódio a 1,2-difenil-1,2-etanodiol 24 Redução diastereosseletiva de benzoina com boro-hidreto de sódio a 1,2-difenil-1,2-etanodiol OH O NaBH 4 H HO OH meso H + H OH H OH racemic C 14 H 12 O 2 (212.3) (37.8) C 14 H 14 O 2 (214.3) Referência

Leia mais

3016 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4

3016 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4 6 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4 CH -(CH ) OH (CH ) -COOH KMnO 4 /KOH HOOC-(CH ) -COOH C H 4 O (.) KMnO 4 KOH (.) (6.) C H 6 O 4 (.) Classificação

Leia mais

1024 Eliminação de água do 4-hidroxi-4-metil-2-pentanona

1024 Eliminação de água do 4-hidroxi-4-metil-2-pentanona 1024 Eliminação de água do 4-hidroxi-4-metil-2-pentanona C H I 2 CH 3 CH 3 H 3 C CH 3 - H 2 H 3 + H 3 C CH 3 H 2 C CH 3 C 6 H 12 I 2 C 6 H 10 (116.2) (253.8) (98.2) Classificação Tipo de reação e classes

Leia mais

1023 Isolamento de hesperidina da casca da laranja

1023 Isolamento de hesperidina da casca da laranja NP 0 Isolamento de hesperidina da casca da laranja Classificação Tipos de reações e classes de substâncias. Isolamento de produto natural Produto natural Técnicas de trabalho Extração com extrator de Soxhlet,

Leia mais

5026 Oxidação do antraceno à antraquinona

5026 Oxidação do antraceno à antraquinona 506 xidação do antraceno à antraquinona KMn /Al C H 0 KMn C H 8 (78.) (58.0) (08.) Referência Bibliográfica Nüchter, M., ndruschka, B., Trotzki, R., J. Prakt. Chem. 000,, No. 7 Classificação Tipos de Reações

Leia mais

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno 4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno C 6 H 10 (82,2) + tungstato de sódio dihidratado 4 H 2 H + 2 H + 4 H 2 + Aliquat 336. Na 2 W 4 2 H 2 (329,9) C 6 H 10 4 (34,0) C 25 H 54 ClN (404,2)

Leia mais

4025 Síntese de 2-iodopropano a partir do 2-propanol

4025 Síntese de 2-iodopropano a partir do 2-propanol 4025 Síntese de 2-iodopropano a partir do 2-propanol OH I + 1/2 I 2 + 1/3 P x + 1/3 P(OH) 3 C 3 H 8 O (60,1) (253,8) (31,0) C 3 H 7 I (170,0) (82,0) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

3002 Adição de bromo ao ácido fumárico para formação de ácido meso-dibromo-succínico

3002 Adição de bromo ao ácido fumárico para formação de ácido meso-dibromo-succínico 32 Adição de bromo ao ácido fumárico para formação de ácido meso-dibromo-succínico H HOOC COOH H Br 2 HOOC H Br Br H COOH C 4 H 4 O 4 (116.1) (159.8) C 4 H 4 Br 2 O 4 (275.9) Referência Bibliográfica A.

Leia mais

3028 Rearranjo de pinacol a pinacolona

3028 Rearranjo de pinacol a pinacolona 3028 Rearranjo de pinacol a pinacolona H 2 S + H 2 H H 6 H 1 2 6 H 12 (118.2) (98.1) (100.2) Referência Bibliográfica. J. ollins, Quart. Rev. 1960, 1, 357 lassificação Tipos de reação e classes das substâncias

Leia mais

2028 Reação de brometo de magnésio de ciclohexila com dióxido de carbono para ácido ciclo-hexano carboxílico

2028 Reação de brometo de magnésio de ciclohexila com dióxido de carbono para ácido ciclo-hexano carboxílico 28 Reação de brometo de magnésio de ciclohexila com dióxido de carbono para ácido ciclo-hexano carboxílico Br + Mg éter etílico MgBr 1. CO 2 2. H 3 O O OH C 6 H 11 Br CO 2 (163,1) (24,3) (44,) C 7 H 12

Leia mais

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína 57 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína CH H H + 2 + 2 H 2 H C 8 H 4 3 C 6 H 6 2 C 2 H 12 5 (148.1) (11.1) (332.3) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol 4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol OH + HCl Cl + H 2 O C 4 H 10 O C 4 H 9 Cl (74,1) (36,5) (92,6) Classificação Tipos de reações e classes de substâncias

Leia mais

MATERIAL SUPLEMENTAR. Benzamidoxima

MATERIAL SUPLEMENTAR. Benzamidoxima MATERIAL SUPLEMENTAR Benzamidoxima Em um erlenmeyer de 125 ml, adicionou-se 2,0 g de cloridrato de hidroxilamina (29,1 mmol), 2,4 g de carbonato de sódio (29,1 mmol) e 25 ml de água destilada a temperatura

Leia mais

Material Suplementar. Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015

Material Suplementar. Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015 Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015 DESENVLVIMENT DE FÁRMACS PR HIBRIDAÇÃ MLECULAR: UMA AULA PRÁTICA DE QUÍMICA MEDICINAL USAND CMPRIMIDS DE PARACETAML E SULFADIAZINA E A FERRAMENTA VIRTUAL SciFinder

Leia mais

Cromatografia em Coluna: Dicas

Cromatografia em Coluna: Dicas Cromatografia em Coluna: Dicas A cromatografia em coluna é comumente utilizada para purificação de substâncias orgânica ou, para remover o material de partida ou isolar o produto desejado de uma reação.

Leia mais

http://www.oc-praktikum.de SO 4 O 2 (120.1) (138.1) (98.1) (180.2) (60.1)

http://www.oc-praktikum.de SO 4 O 2 (120.1) (138.1) (98.1) (180.2) (60.1) NP 5012 Síntese do ácido acetilsalicílico (aspirina) a partir do ácido salicílico e anidrido acético CH CH + H H 2 S 4 + CH 3 CH C 4 H 6 3 C 7 H 6 3 C 9 H 8 4 C 2 H 4 2 (120.1) (138.1) (98.1) (180.2) (60.1)

Leia mais

TRANSESTERIFICAÇÃO COM CATÁLISE ÁCIDA DE RESÍDUOS DE GORDURA DE FRANGO PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL: RESULTADOS PRELIMINARES

TRANSESTERIFICAÇÃO COM CATÁLISE ÁCIDA DE RESÍDUOS DE GORDURA DE FRANGO PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL: RESULTADOS PRELIMINARES TRANSESTERIFICAÇÃO COM CATÁLISE ÁCIDA DE RESÍDUOS DE GORDURA DE FRANGO PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL: RESULTADOS PRELIMINARES Paulo Giovanni de Abreu, Embrapa Suínos e Aves, pabreu@cnpsa.embrapa.br Martha

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Realização experimental a microescala (baseado no protocolo de Williamson 1 ) A reacção entre o butan-1-ol e o ácido acético glacial (ou ácido etanoico)

Leia mais

Síntese e purificação de um corante com potencial tratamento do cancro

Síntese e purificação de um corante com potencial tratamento do cancro Síntese e purificação de um corante com potencial tratamento do cancro Ocupação científica de jovens nas férias 23-27 de Julho de 2012 Professora: Lucinda Reis Aluna: Ana Sofia Costa Chaves Terapia fotodinâmica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIODIESEL DE ÓLEO DE RÍCINO PRODUZIDO POR BIOCATÁLISE COM ENZIMA LIPOZYME IM

CARACTERIZAÇÃO DO BIODIESEL DE ÓLEO DE RÍCINO PRODUZIDO POR BIOCATÁLISE COM ENZIMA LIPOZYME IM CARACTERIZAÇÃO DO BIODIESEL DE ÓLEO DE RÍCINO PRODUZIDO POR BIOCATÁLISE COM ENZIMA LIPOZYME IM Melissa Machado Rodrigues 1 Rosana de Cassia de Souza Schneider 2 Márcia Martinelli 3 Elina Bastos Caramão

Leia mais

III PARTE EXPERIMENTAL. III.1 Sínteses. III.1.1 Síntese da porfirina de base livre (TMPP) 16

III PARTE EXPERIMENTAL. III.1 Sínteses. III.1.1 Síntese da porfirina de base livre (TMPP) 16 III Parte experimental 30 III PARTE EXPERIMENTAL III.1 Sínteses III.1.1 Síntese da porfirina de base livre (TMPP) 16 Método 1: Inicialmente, a síntese da meso-tetrakis(4-metóxifenil)porfirina (TMPP) 16

Leia mais

2013 Síntese do cloreto de cinamila a partir de ácido cinâmico e cloreto de tionila

2013 Síntese do cloreto de cinamila a partir de ácido cinâmico e cloreto de tionila 2013 Síntese do cloreto de cinamila a partir de ácido cinâmico e cloreto de tionila O O OH Cl + SOCl 2 + HCl + SO 2 C 9 H 8 O 2 (148.2) (119.0) C 9 H 7 ClO (166.6) Classificação Tipos de reações e classes

Leia mais

PROCESSO DE CONVERSÃO À BAIXA TEMPERATURA - CBT

PROCESSO DE CONVERSÃO À BAIXA TEMPERATURA - CBT 7º SIMPÓSIO NACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS PROCESSO DE CONVERSÃO À BAIXA TEMPERATURA - CBT Prof. Dr. Francisco Ferreira Dantas Filho Universidade Estadual da Paraíba - UEPB 2014 Pirólise Definição: Degradação

Leia mais

Prof a. Dr a. Patrícia Bulegon Brondani. Cromatografia de Camada Delgada (CCD)

Prof a. Dr a. Patrícia Bulegon Brondani. Cromatografia de Camada Delgada (CCD) Cromatografia de Camada Delgada (CCD) A cromatografia de camada delgada é um exemplo de cromatografia de adsorção. Esta técnica consiste de uma fase estacionária fixada em uma placa (de vidro ou alumínio)

Leia mais

Tabela 14: Fluorescência (240/350 nm) da hidrocortisona e prednisolona após procedimento de derivação fotoquímica.

Tabela 14: Fluorescência (240/350 nm) da hidrocortisona e prednisolona após procedimento de derivação fotoquímica. 6 Resultados e discussão: Avaliação da viabilidade do uso do procedimento de derivação fotoquímica de glicocorticóides em cromatografia líquida, para fluidos biológicos. 6.1. Interferência da hidrocortisona

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

Ácidos,sais carboxílicos e ésteres. Karla Gomes Diamantina-MG

Ácidos,sais carboxílicos e ésteres. Karla Gomes Diamantina-MG Ácidos,sais carboxílicos e ésteres Karla Gomes Diamantina-MG ÁCIDOS CARBOXÍLICOS São compostos que possuem como grupo funcional a carbonila (C=O), ligada a uma hidroxila (-OH),e que se denomina grupo carboxila.

Leia mais

Síntese do Biodiesel a partir de óleo vegetal Procedimento experimental (adaptado de 1 )

Síntese do Biodiesel a partir de óleo vegetal Procedimento experimental (adaptado de 1 ) Síntese do Biodiesel a partir de óleo vegetal Procedimento experimental (adaptado de 1 ) O biodiesel é atualmente um combustível em fase de desenvolvimento no nosso país, estando algumas fábricas já em

Leia mais

Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona

Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona Painel Setorial Biodiesel INMETRO Novembro de 2005 Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona Fátima Regina Dutra Faria PETROBRAS/CENPES/QUÍMICA fatima.dutra@petrobras.com.br

Leia mais

EXPERIÊNCIA 01 CROMATOGRAFIA

EXPERIÊNCIA 01 CROMATOGRAFIA EXPERIÊNCIA 01 CROMATOGRAFIA 1 - INTRODUÇÃO Cromatografia é uma técnica utilizada para analisar, identificar ou separar os componentes de uma mistura. A cromatografia é definida como a separação de dois

Leia mais

Prof. Dr. José Eduardo de Oliveira Adriana Teixeira Machado Marcela Dias da Silva Matheus Gibbin Zanzini

Prof. Dr. José Eduardo de Oliveira Adriana Teixeira Machado Marcela Dias da Silva Matheus Gibbin Zanzini Prof. Dr. José Eduardo de Oliveira Adriana Teixeira Machado Marcela Dias da Silva Matheus Gibbin Zanzini Filtração Fonte de aquecimento Destilação Correção do ponto de ebulição OBJETIVO: Remover impurezas

Leia mais

PRODUÇÃO NÃO CATALITÍCA DE ETIL ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DO ÓLEO DE SOJA

PRODUÇÃO NÃO CATALITÍCA DE ETIL ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DO ÓLEO DE SOJA PRODUÇÃO NÃO CATALITÍCA DE ETIL ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DO ÓLEO DE SOJA Camila da Silva; Fernanda C. Corazza; Karina Fiametti; Marcos L. Corazza; José Vladimir de Oliveira. Departamento de Engenharia

Leia mais

ADITIVOS QUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DO ÓLEO DE CRAVO DA- ÍNDIA E SEU EFEITO SOBRE A INIBIÇÃO DA PRECIPITAÇÃO DOS ASFALTENOS

ADITIVOS QUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DO ÓLEO DE CRAVO DA- ÍNDIA E SEU EFEITO SOBRE A INIBIÇÃO DA PRECIPITAÇÃO DOS ASFALTENOS ADITIVOS QUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DO ÓLEO DE CRAVO DA- ÍNDIA E SEU EFEITO SOBRE A INIBIÇÃO DA PRECIPITAÇÃO DOS ASFALTENOS Willyam Róger Padilha. Barros 1 *(IC); Edileia Sousa Mendonça 1** (IC), Janaina

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina.

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. O processo completo de produção de biodiesel partindo-se do óleo degomado é constituído

Leia mais

QUÍMICA FARMACÊUTICA

QUÍMICA FARMACÊUTICA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA ROTEIRO PARA S PRÁTICAS DISCIPLINA: QUÍMICA FARMACÊUTICA Título da Aula: Determinação do coeficiente de partição óleo-água (P) do ácido benzóico 1 Demonstrar

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado 1. Objectivo: Reutilizar os óleos vegetais rejeitados 2. O que se pretende: 2.1 Seleccionar material adequado

Leia mais

Química Orgânica Experimental

Química Orgânica Experimental Química Orgânica Experimental Destilação Simples para Purificação do Cloreto de Terc-butila e do Acetato de Isopentila Discentes: Ana Carolina Boni Eliana Alves Arxer Fernanda Maciel Barbosa Gubbiotti

Leia mais

MF-1050.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE DERIVADOS DA CUMARINA, POR CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (CLAE)

MF-1050.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE DERIVADOS DA CUMARINA, POR CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (CLAE) MF-1050.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE DERIVADOS DA CUMARINA, POR CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (CLAE) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 1249, de 01 fevereiro de 1988 Publicado no DOERJ

Leia mais

1 Extração Líquido-Líquido

1 Extração Líquido-Líquido Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus de Curitiba Departamento de Química _ Extração Líquido-Líquido Disciplina: Práticas de Química Orgânica Materiais e Reagentes Mesa

Leia mais

Preparação do cloreto de t-butila. Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini

Preparação do cloreto de t-butila. Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini Preparação do cloreto de t-butila Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini Técnicas e Materiais Utilizados Funil de separação: serve para extrair duas soluções imiscíveis. A fase orgânica pode

Leia mais

EXERCÍCIOS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS

EXERCÍCIOS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS EXERCÍCIOS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS 1- Considere o sistema e responda as questões: A) Quantos átomos estão representados? B) Quantos elementos químicos há no sistema? C) Quantas moléculas estão representadas

Leia mais

EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS

EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS 1 - INTRODUÇÃO O processo de extração com solventes é um método simples, empregado na separação e isolamento de substâncias componentes de uma mistura, ou

Leia mais

A. Recuperação de n-hexano e de diclorometano a partir de resíduo constituído de mistura de n-hexano e diclorometano

A. Recuperação de n-hexano e de diclorometano a partir de resíduo constituído de mistura de n-hexano e diclorometano A. Recuperação de n-hexano e de diclorometano a partir de resíduo constituído de mistura de n-hexano e diclorometano Objetivo: Recuperar diclorometano e n-hexano de misturas de n-hexano/diclorometano.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CATALISADORES PARA A PREPARAÇÃO DE BIODIESEL UTILIZANDO ÁLCOOL NÃO-CONVENCIONAL.

AVALIAÇÃO DE CATALISADORES PARA A PREPARAÇÃO DE BIODIESEL UTILIZANDO ÁLCOOL NÃO-CONVENCIONAL. AVALIAÇÃO DE CATALISADORES PARA A PREPARAÇÃO DE BIODIESEL UTILIZANDO ÁLCOOL NÃO-CONVENCIONAL. Maria Cláudia Rodrigues Brandão 1 ; Juliana Kelly Dionísio de Souza 2, Wandson Lukas do Nascimento Amorim 3

Leia mais

32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code. 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático

32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code. 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático 32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático Problema 1 30 Pontos Este experimento inclui uma preparação de um sal

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE OS ESPECTROS DE RMN DE

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE OS ESPECTROS DE RMN DE ESTUD DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SBRE S ESPECTRS DE RMN DE 1 H E DE 13 C DE LACTNAS Anderson Barros Archanjo, André Kulitz Marins, Patrícia Fontes Pinheiro, Vagner Tebaldi de Queiroz, Adilson Vidal Costa

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE IDENTIFICAÇÃO POR CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE IDENTIFICAÇÃO POR CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO VEGETAL COMERCIAL IN-NATURA

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO VEGETAL COMERCIAL IN-NATURA PRDUÇÃ DE BIDIESEL A PARTIR DE ÓLE VEGETAL CMERCIAL IN-NATURA M. V.. Costa 1, F. F. S. Maia 2, L. M. Bertini 3 email: m_vini_doc@hotmail.com 1, felipe.maia@ifrn.edu.br 2, luciana.bertini@ifrn.edu.br 3

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952 Analítica V: Aula 22-05-12 No início da cromatografia Mistura de substâncias coloridas (caroteno, clorofila e xantofila) foi separada : Cromatografia Gasosa Éter de petróleo (solvente) CaCO 3 (s) (adsorvente)

Leia mais

Seminário de Química Orgânica Experimental I. Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002

Seminário de Química Orgânica Experimental I. Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002 Seminário de Química Orgânica Experimental I Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002 Recristalização da Acetanilida Introdução Cristalização Precipitação Recristalização Cristalização

Leia mais

Mary Santiago Silva 05/05/2010

Mary Santiago Silva 05/05/2010 Preparação de Amostras Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Departamento de Química - UFS Introdução Amostra (Sólida, Líquida ou Gasosa) 1. Deve ser representativa do ambiente/sistema que se deseja estudar

Leia mais

1% de ácido acético em água ultrapura

1% de ácido acético em água ultrapura QUESTÃO 1 Os diuréticos são utilizados para controlar a pressão alta. Eles estimulam os rins a produzir mais urina, eliminando fluidos e minerais do corpo e diminuindo a pressão. Atletas podem utilizar

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III

SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III Santa Helena PR 28 de março de 2006 TECNOLOGIAS PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL Dra. Roseli Aparecida Ferrari DEA UEPG O que é BioDiesel?

Leia mais

Lista de Exercícios Volumetria de Precipitação ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Volumetria de Precipitação ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Calcule o pag 2% antes do PE, no PE e 2% após o ponto de equivalência na titulação de 10,0 ml de solução 0,05

Leia mais

Exercícios Métodos de Separação. Professor (a): Cassio Pacheco Disciplina: Química Data da entrega: 01/06/2017

Exercícios Métodos de Separação. Professor (a): Cassio Pacheco Disciplina: Química Data da entrega: 01/06/2017 Exercícios Métodos de Separação Nome: nº: Ano: 1º E.M. Professor (a): Cassio Pacheco Disciplina: Química Data da entrega: 01/06/2017 Questões Objetivas 1- Para a separação das misturas: gasolina-água e

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE

EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE 1. OBJETIVOS No final desta experiência, espera-se que o aluno seja capaz de: Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. Utilizar técnicas simples de extração,

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Tópicos de Química Experimental. Débora Alvim/ Willian Miguel

MATERIAIS BÁSICOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Tópicos de Química Experimental. Débora Alvim/ Willian Miguel MATERIAIS BÁSICOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Tópicos de Química Experimental Débora Alvim/ Willian Miguel BÉQUER OU BECHER É de uso geral em laboratório: Serve para fazer reações entre soluções Dissolver

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL FUNDAMENTOS DE CROMATOGRAFIA. DOCENTE: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL FUNDAMENTOS DE CROMATOGRAFIA. DOCENTE: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL CURSO: Engenharia Agronômica FUNDAMENTOS DE CROMATOGRAFIA DOCENTE: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. CROMATOGRAFIA 1.1. Histórico A palavra cromatografia é de origem grega (kromatos

Leia mais

3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas)

3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas) 3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas) Pretende-se reciclar PET, recuperar o ácido tereftálico correspondente, e usá-lo para sintetizar tereftalato

Leia mais

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração de O 2 as concentrações de NO 2 e de NO são

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL DE ÁCIDOS GRAXOS DE SEMENTES OLEAGINOSAS Jatropha gossypifolia L. E Jatropha curcas L. DO CERRADO POR GC-FID

AVALIAÇÃO DO PERFIL DE ÁCIDOS GRAXOS DE SEMENTES OLEAGINOSAS Jatropha gossypifolia L. E Jatropha curcas L. DO CERRADO POR GC-FID AVALIAÇÃO DO PERFIL DE ÁCIDOS GRAXOS DE SEMENTES OLEAGINOSAS Jatropha gossypifolia L. E Jatropha curcas L. DO CERRADO POR GC-FID Francielly Julião da Silva ¹; Rogério Cesar de Lara da Silva²; Unidade Universitária

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016 INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 1º Ano: C11 Nº Professora: Lúcia Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

CAPÍTULO V. Parte Experimental

CAPÍTULO V. Parte Experimental CAPÍTULO V Parte Experimental Capítulo V 206 Parte experimental 5. Parte experimental Materiais: Todos os compostos comercialmente disponíveis foram usados conforme foram recebidos. Esteróides, fluoreno,

Leia mais

POQ 6 Determinação do teor de Lípidos

POQ 6 Determinação do teor de Lípidos POQ 6 Determinação do teor de Lípidos Elaboração: RQ Verificação: DT e RDQ Aprovação: DT e RQ Entidade Emissora: RQ POQ 6 E0 (18-10-2013) 1/7 Historial de Versões Edição Data Motivo da Emissão/Alterações

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 60

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 60 Página 60 DESENVOLVIMENTO DE CATALISADORES HETEROGÊNEOS PARA TRANSESTERIFICAÇÃO Juliana K. D. de Souza 1 (IC)*, Petrônio F. Athayde Filho 1 (PQ), Daniella Iris de O. Silva 1 (IC), Bruno Freitas Lira 1

Leia mais

Laboratório de Análise Instrumental

Laboratório de Análise Instrumental Laboratório de Análise Instrumental Prof. Renato Camargo Matos Tutora: Aparecida Maria http://www.ufjf.br/nupis PRÁTICA 8: Verificação da influência do ph na extração de Fe(III) com éter etílico Objetivo:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ETANOL E ÓLEO RESIDUAL DE FRITURAS EMPREGANDO CATÁLISE MISTA: EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CATALISADORES

OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ETANOL E ÓLEO RESIDUAL DE FRITURAS EMPREGANDO CATÁLISE MISTA: EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CATALISADORES OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ETANOL E ÓLEO RESIDUAL DE FRITURAS EMPREGANDO CATÁLISE MISTA: EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE CATALISADORES Louise A. Kuhl 1*, Gustavo O. Gugelmin 2, Adriana E.

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA AGITAÇÃO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR TRANSESTERIFICAÇÃO ETÍLICA

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA AGITAÇÃO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR TRANSESTERIFICAÇÃO ETÍLICA ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA AGITAÇÃO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR TRANSESTERIFICAÇÃO ETÍLICA E. G. LIMA 1, M. B. SATIRO 1, J. C. MARINHO 1, M. W. N. C. CARVALHO 1, A. A. CUTRIM 2 1 Universidade Federal de

Leia mais

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr.

CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA ( CCD) Bruno Henrique Ferreira José Roberto Ambrósio Jr. CROMATOGRAFIA Método usado para separar, identificar e quantificar componentes de uma mistura; Método físico-químico

Leia mais

8 GAB. 1 1 O DIA PROCESSO SELETIVO/2006 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30

8 GAB. 1 1 O DIA PROCESSO SELETIVO/2006 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 8 GAB. 1 1 O DIA PROCESSO SELETIVO/2006 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. Recentemente três brasileiros atingiram o cume do monte Everest. Todos usavam um suprimento extra de oxigênio. Se, durante a escalada,

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO DE SOJA E ETANOL POR REAÇÃO ASSISTIDA EM ULTRASSOM

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO DE SOJA E ETANOL POR REAÇÃO ASSISTIDA EM ULTRASSOM PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO DE SOJA E ETANOL POR REAÇÃO ASSISTIDA EM ULTRASSOM M.A. PRADO 1, F. HAMERSKI 2, A. ZANDONÁ 2, L.P. RAMOS 3 e M.L. CORAZZA 2 1 Universidade Federal do Paraná, Mestrando

Leia mais

1) A principal caracterís0ca de uma solução é:

1) A principal caracterís0ca de uma solução é: 1) A principal caracterís0ca de uma solução é: a) possuir sempre um líquido com outra substância dissolvida. b) ser um sistema com mais de uma fase. c) ser homogênea ou heterogênea, dependendo das condições

Leia mais

1º SIMULADO DISCURSIVO IME QUÍMICA

1º SIMULADO DISCURSIVO IME QUÍMICA QUÍMICA Questão 1 A partir do modelo da Repulsão por Pares Eletrônicos da Camada de Valência (RPECV), identifique as geometrias moleculares das espécies químicas abaixo e, com base nelas, classifique cada

Leia mais

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL Processos Químicos Industriais II POLPAÇÃO QUÍMICA Os cavacos são cozidos em licores ou lixívias, isto é, em soluções aquosas contendo

Leia mais

Experimentos de Química Orgânica

Experimentos de Química Orgânica Experimentos de Química Orgânica Conhecimento dos procedimentos experimentais Montagem dos equipamentos e execução da reação REAGENTES PRODUTO PRINCIPAL + PRODUTOS SECUNDÁRIOS SOLVENTES + CATALISADORES

Leia mais

FRACIONAMENTO DO ÓLEO DE COPAÍBA (Copaifera multijuga) UTILIZANDO DIFERENTES MÉTODOS

FRACIONAMENTO DO ÓLEO DE COPAÍBA (Copaifera multijuga) UTILIZANDO DIFERENTES MÉTODOS FRACIONAMENTO DO ÓLEO DE COPAÍBA (Copaifera multijuga) UTILIZANDO DIFERENTES MÉTODOS A. D. PEÇANHA 1, M.R.A. FERREIRA 2, M.A.M. GALVÃO 2, L.A.L. SOARES 2, L. STRAGEVITCH 1 e L. DANIELSKI 1 Universidade

Leia mais

PROVA K. Questão 81. Resolução

PROVA K. Questão 81. Resolução RES_17_10_ALICE 29/09/10 14:01 Página 32 - Questão 81 Considere o fluxograma abaixo, relativo à separação dos componentes de uma mistura constituída de biodiesel e de frutose totalmente dissolvida em água.

Leia mais

PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES. CH3COOCH2CH3 + H2O CH3COOH + CH3CH2OH (1) Acetato de etila água ácido acético etanol

PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES. CH3COOCH2CH3 + H2O CH3COOH + CH3CH2OH (1) Acetato de etila água ácido acético etanol PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES 1. Introdução Uma investigação experimental detalhada mostra que a maioria das reações químicas não avança até a realização completa, isto é, quantidades mensuráveis

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II COLÉGIO META OPERAÇÕES UNITÁRIAS II Prof. ABEL SCUPELITI ARTILHEIRO SÃO PAULO 2012 1 OPERAÇÕES UNITÁRIAS II BALANÇO MATERIAL O Balanço Material é utilizado para projetos e análises de equipamentos de novas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS DE PURIFICAÇÃO DO BIODIESEL ETÍLICO DE ÓLEO DE PALMA (Elaeis guineensis) REFINADO E BRUTO

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS DE PURIFICAÇÃO DO BIODIESEL ETÍLICO DE ÓLEO DE PALMA (Elaeis guineensis) REFINADO E BRUTO AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS DE PURIFICAÇÃO DO BIODIESEL ETÍLICO DE ÓLEO DE PALMA (Elaeis guineensis) REFINADO E BRUTO D. E. L. LHAMAS 1, S. A. P. da MOTA 1, E. C. COSTA 2, N. T. MACHADO 3, M. E. ARAÚJO 3,

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I INDÚSTRIAS DE CLORO-ÁLCALIS INTRODUÇÃO INDÚSTRIAS DE CLORO-ÁLCALIS: Na 2 CO 3 SODA CÁUSTICA NaOH CLORO Essas substâncias estão entre as mais importantes das indústrias

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS

SEPARAÇÃO DE MISTURAS TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Leia o texto, analise a figura a seguir e responda à(s) próxima(s) questão(ões). No início do século XVII, a química começou a despontar como ciência, com base na química

Leia mais

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Profª Simone Noremberg Kunz 2 Mol Medidas em química analítica É a quantidade de uma espécie química que contém 6,02x10 23 partículas

Leia mais

Cromatografia Planar. Analytical Chemistry - Robert V. Dilts, D. Van Nostrand, ISBN Departamento de Química.

Cromatografia Planar. Analytical Chemistry - Robert V. Dilts, D. Van Nostrand, ISBN Departamento de Química. Capítulo X-2X Cromatografia Planar Analytical Chemistry - Robert V. Dilts, D. Van Nostrand, ISBN 0-442-22158-4 1 Os métodos de Cromatografia Planar incluem: cromatografia em papel cromatografia em camada

Leia mais