Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2

3

4

5

6 Flávio Figueiredo Filho Vice-presidente da Apelmat/Selemat

7

8

9

10

11

12

13 VENHA PARA O MUNDO APELMAT Eventos Espaço exclusivo do associado Salão de eventos Auditório Estacionamento Palestras Feiras Apoio ao associado Divulgação em feiras Prêmios Valorização do associado Prêmios SEJA UM ASSOCIADO! Portal Responsivo Aplicativo Marketing Revista Digital Valores e Vantagens Imbatíveis Com 3 anúncios de página inteira, ganhe! (Edições 158,159 e 160) Revista Digital Aplicativo Portal Responsivo Marketing Para maiores informações, ligue! Tel. (11) ou cel. (11) Marcos Dechechi w w w. a p e l m a t. o r g. b r revista.apelmat.org.br Válido somente para contratos de TRÊS publicações na revista impressa.

14 Manutenção e Mercado Caso a caso A aplicação, a forma de operação e a qualidade da manutenção do equipamento são fatores determinantes não só para uma conservação adequada, como também no momento de pensar no valor de revenda a hora de comprar um equipa- Nmento, todos sabem que o melhor preço nem sempre é o mais barato. O valor ideal reúne a qualidade desejada e o melhor preço. Mas e no caso de uma máquina usada? Para quem quer vender, como chegar ao preço? Para quem está interessado em comprar, como saber se o equipamento vale o que está sendo pedido? Em entrevista para a Revista Apelmat/Selemat, Célio Ribeiro, diretor-proprietário da empresa Maxter Máquinas, deixa claro que as respostas a tais perguntas dependem de vários fatores. Não existe uma tabela de preços linear no mercado para avaliar uma máquina usada. O correto é se basear numa avaliação técnica, afirma o executivo, que assumiu a gestão da WebPesados em abril deste ano. Célio Ribeiro, da Maxter Não existe uma tabela de preços linear para avaliar uma máquina usada. O correto é se basear numa avaliação técnica Revista Apelmat/Selemat Quando é hora de pensar em revender uma máquina? Célio Ribeiro Geralmente uma máquina usada é colocada à venda quando já não atende às expectativas do proprietário. Algumas empresas têm, em seu programa de renovação de frota, a idade média do equipamento. Esse ciclo gira em torno de quatro a cinco anos e, no máximo, de 8 mil a 10 mil horas de uso. 14 APELMAT - SELEMAT Maio/Junho 2014

15

16 Manutenção e Mercado RAS Quais são os critérios para avaliar um equipamento depreciado? CR Quantidade de horas trabalhadas, histórico de manutenção, estado de conservação e manutenção, tipo de operação em que foi utilizado. Este último item influencia muito na vida útil dos equipamentos. RAS Como chegar ao valor de revenda? CR Não existe uma tabela de preços linear no mercado para avaliar uma máquina usada. O correto é se basear numa avaliação técnica, pois dois produtos do mesmo ano, marca e modelo, e com o mesmo número de horas, podem ter uma liquidez muito diferenciada. A aplicação, a forma de operação e a qualidade da manutenção são fatores determinantes para a conservação adequada dos equipamentos. RAS A Maxter desenvolveu uma ferramenta para avaliar esses ativos. Do que se trata? Como funciona? CR Na verdade, desenvolvemos uma tabela de avaliação técnica. Fizemos vários testes, com vários modelos, marcas e anos, e funcionou muito bem. A questão é que, para funcionar adequadamente, essa tabela precisa ser calibrada constantemente. Existe uma variação muito grande dos custos de vários componentes importados, e os preços são calculados com base nos componentes novos e no fator de depreciação. Desta forma, resolvemos, por enquanto, não colocá-la no mercado. Vamos pesquisar um pouco mais e fazer mais testes, mas acredito que achamos um caminho interessante que pode ser aplicado para todos os tipos de máquinas. RAS Como evitar erros no cálculo de revenda de um equipamento e na negociação da venda? CR Deve-se procurar a ajuda de profissionais especializados do mercado. Alguns clientes já se conscientizaram de que o equipamento tem de ser depreciado e vendido conforme a lei da oferta e da procura, mas a maioria dos usuários não tem canais de apoio para avaliar os seus produtos de forma séria e transparente. A aplicação, a forma de operação e a qualidade da manutenção são fatores determinantes para a conservação adequada dos equipamentos RAS Quais cuidados se deve ter na negociação de um equipamento usado? CR É muito importante saber da origem, da procedência dele, e ter os registros de manutenção. Quando essa parte está em ordem, quem vende passa mais segurança para quem compra. E, para quem está vendendo, agrega mais valor. RAS Na sua opinião, o que significa ter um bom retorno do investimento que foi feito? CR É quando você consegue depreciar o equipamento em um espaço máximo de 36 meses e trabalhar com ele por pelo menos mais dois anos depois de depreciado. 16 APELMAT - SELEMAT Maio/Junho 2014

17 A um clique A WebPesados. (www.webpesados.com.br) oferece, desde 2009, várias soluções de venda, desde classificados a campanhas, feirões e leilões. Já é referência para várias instituições financeiras, frotistas e seguradoras, aponta Célio Ribeiro, diretor-proprietário da Maxter Máquinas e um dos idealizadores do projeto. Desde 2006, Ribeiro busca aproveitar sua experiência de 26 anos no mercado, sendo 19 dedicados exclusivamente à comercialização de máquinas e equipamentos usados. Fomos os maiores compradores de grandes lotes de equipamentos em nosso País. Nos lotes havia de tudo um pouco, e isso nos ajudou a entender todas as opções de mercado existentes, principalmente construção, mineração, agrícola e industrial, conta. Em 2005, Ribeiro percebeu que o mercado estava mudando rapidamente. As máquinas usadas estavam perdendo valor ano a ano. Com a facilidade de comprar uma nova, o quadro foi piorando o negócio de usados. Quem tinha uma máquina usada para venda tinha um problema, e quem queria vender uma nova não conseguia viabilizar a venda por não conseguir absorver a usada como parte de pagamento, explica. Vi nisso uma oportunidade muito interessante de negócio. Foi aí que desenvolvemos a WebPesados, conta. De 2009 para cá, mais de 50 mil oportunidades de negócios foram geradas por meio das ferramentas de venda do site. Deram ótimos resultados tanto para quem vende quanto para quem compra, afirma. Segundo o executivo, os maiores desafios e também os maiores diferenciais da WebPesados são a qualidade e a transparência dos dados sobre os equipamentos divulgados tanto nos feirões como nos leilões. Para fazer frente à questão foi criado um serviço de avaliação técnica, que é conduzido por uma equipe preparada para analisar e certificar as informações. Como resultado dessa transparência, 90% dos compradores arremataram os seus lotes sem terem feito a vistoria presencial, conta Ribeiro. Em agosto deste ano será lançada a Venda Direta. Qualquer pessoa ou empresa que tiver alguma máquina ou caminhão para venda poderá recorrer a esse serviço, pelo qual a WebPesados divulga os bens, capta os compradores e desenvolve a negociação até o fechamento final. A WebPesados conta em seu mailing com mais de 150 mil clientes segmentados. A cada mês, o site recebe cerca de 200 mil visitas e mais de 4 mil anúncios ativos. Maio/Junho 2014

18 Obras A união faz a força Presente em 92 países e reunindo mais de 1 bilhão de pessoas associadas, o cooperativismo representa um grande agente econômico o Estado de São Paulo são mais Nde mil cooperativas que agregam quase 4 milhões de cooperados. No Brasil, cooperativas contam com mais de 11 milhões de associados. O modelo não visa ao lucro e por isso mesmo distribui melhor a renda, contribuindo para maior justiça social, afirma Paulo Gonçalves Lins Vieira, coordenador jurídico da Organização das Cooperativas no Estado de São Paulo (Ocesp). Em sua essência, o cooperativismo reúne pessoas que se organizam para exercer uma atividade econômica, tanto para oferecer como para adquirir coletivamente produtos e serviços. Baseada na adesão voluntária e gerida de forma democrática, a cooperativa é controlada por seus membros, que participam da formulação de políticas e da tomada de decisões. Todos têm direito a voz e voto, sintetiza Guilherme Santos e Campos, consultor do Sebrae SP. Todos têm os mesmos direitos, sejam eles fundadores ou não. Enfim, todos são donos, acrescenta Vieira. Guilherme Santos e Campos, do Sebrae SP "Todos têm direito a voz e voto" Caracterizada como sociedade simples, a cooperativa tem como principal objetivo a prestação de serviço aos associados para a melhoria do status econômico de cada um. Essa melhoria resulta do aumento dos ingressos do cooperado ou da redução das despesas. O lucro não é sua finalidade, ou seja, ela não visa remunerar o capital de seus sócios, esclarece o consultor jurídico da Ocesp. 18 APELMAT - SELEMAT Maio/Junho 2014

19

20 Obras O grande benefício é a eliminação dos intermediários nas relações econômicas, concentrando na figura do cooperado a dupla qualidade; ou seja, ele é dono e usuário da sociedade. O modelo no setor agrícola agrupa produtores rurais que têm dificuldades para conseguir acesso ao mercado de maneira individual. Eles se reúnem tanto para comprar insumos quanto para vender seus produtos, exemplifica Campos. O poder de negociação é o grande ganho. Todo benefício é revertido para o cooperado. Aproveitar essa vantagem e fazer com que a cooperativa seja bem-sucedida depende do perfil do grupo e da participação dos associados, completa. O principal objetivo da cooperativa é a prestação de serviço aos associados para a melhoria do status econômico de cada um E aí? As potencialidades de uma cooperativa poderiam ser exploradas pelo segmento de locação. No Brasil, a Lei 5.764/71, que rege as cooperativas brasileiras, permite a atuação em qualquer atividade econômica. De acordo com Vieira, na área de equipamentos, as cooperativas buscam atender às demandas dos cooperados com a compra de determinadas m á q u i n a s. P o r e x e m p l o, u m a colheitadeira de café tem um custo que dificilmente poderia ser arcado por apenas um associado. A compra via cooperativa é rateada entre todos, e o produto torna-se de uso comum. Atualmente, as cooperativas de transporte, formadas por donos de veículos, fazem a locação de seus bens. Acredito que a mesma lógica pode ser aplicada ao segmento de equipamentos pesados para construção, afirma o consultor jurídico da Ocesp. Paulo Gonçalves, da Ocesp "As cooperativas de transporte fazem a locação de seus bens. A mesma lógica pode ser aplicada ao segmento de equipamentos pesados para construção" Para sua constituição são necessárias 20 pessoas físicas. Depois, podem ser admitidas pessoas jurídicas que realizem a mesma atividade que as pessoas físicas, explica Vieira. Reunidos os interessados, o primeiro passo para a criação de uma cooperativa é procurar a instituição responsável pela organização delas em cada Estado brasileiro. Em São Paulo, a Ocesp é responsável pela formação dos empreendimentos paulistas. Além disso, antes de entrar ou contratar uma sociedade cooperativa, é importante verificar se ela tem registro e está regular na Ocesp. Nesse caso, o tomador de serviço terá mais segurança quanto à correta constituição da cooperativa, de acordo com a legislação brasileira, explica Vieira. A consulta pode ser feita pelo site 20 APELMAT - SELEMAT

21 Abrangência Não há fronteiras para a expansão dos empreendimentos cooperativos. Eles podem atender clientes em qualquer parte do Brasil e em outros países. Paulo Gonçalves Lins Vieira, coordenador jurídico da Organização das Cooperativas no Estado de São Paulo (Ocesp), exemplifica o fato comentando que uma das maiores cooperativas norte-americanas está investindo no mercado de fertilizantes no Brasil. Outro exemplo é o de uma grande cooperativa do Estado de São Paulo que exporta açúcar e álcool para diversos países, diz. A participação em processos de licitação pública também é permitida, conforme a Lei É vedado ao agente público admitir, prever, incluir ou tolerar, nos atos de convocação, cláusulas ou condições que comprometam, restrinjam ou frustrem o seu caráter competitivo inclusive nos casos de sociedades cooperativas e estabeleçam preferências ou distinções em razão da naturalidade, da sede ou domicílio dos licitantes ou de qualquer outra circunstância impertinente ou irrelevante para o específico objeto do contrato. Tal determinação legal também está validada pela Lei Estadual /06, enfatiza. Diferenças na essência A cooperativa é caracterizada como sociedade simples e tem como principal objetivo a prestação de serviço aos cooperados. O lucro não é sua finalidade, ou seja, ela não visa remunerar o capital de seus sócios. Além disso, todos têm os mesmos direitos, sejam fundadores ou não. Na sociedade empresária, que é classificada como uma sociedade de capital, o objetivo é a maximização dos lucros para os sócios. Quando há assembleias, o quórum é proporcional ao capital dos sócios. E o lucro é proporcional ao capital investido pelo sócio. Nos termos da lei As cooperativas brasileiras são regidas pela Lei nº 5.764/71. Os 13 ramos distintos do cooperativismo no País seguem os mesmos princípios e as mesmas regras. No que se refere à forma de estrutura e organização societária, o padrão é o mesmo; entretanto, conforme a atividade econômica desenvolvida é necessária uma adequação. Por exemplo, as cooperativas de crédito devem se adequar às normas do Banco Central, além de à Lei Complementar 130/2009, específica para o ramo. As cooperativas de trabalho devem observar a Lei Federal /2012, que estabelece normas de proteção e funcionamento para a atividade. As cooperativas educacionais seguem as normas do Ministério da Educação; as de infraestrutura, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel); as de saúde, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e assim acontece em cada caso. Maio/Junho 2014

22 Gestão e Negócios Ao seu dispor Soluções inteligentes para gestão de frotas, controle de máquinas, monitoramento on-line e gestão corporativa são algumas das apostas para elevar a produtividade e reduzir custos Por Tatiana Alcalde om o desenvolvimento da Cconstrução e da mineração no Brasil, as empresas que atuam nesses dois segmentos buscam maior produtividade, a fim de garantir a competitividade e a sustentabilidade de seus negócios. A saída tem sido investir em equipamentos mais modernos, novos métodos construtivos, controle de máquinas e sistemas inteligentes que contribuem para uma gestão mais efetiva da frota. A tecnologia não é um simples acessório ou uma corrente contra a qual não há como nadar contra. Aplicada às máquinas de construção, ela proporciona maior eficiência e qualidade ao trabalho. Além disso, torna o ofício do trabalhador mais seguro. Hoje, o operador comanda a máquina com o uso de joysticks e acionando botões. Não existe mais esforço físico, comenta Relton César, especialista de serviço da Case Construction Equipment. Já as soluções de monitoramento permitem acompanhar melhor o desempenho dos equipamentos, sua localização e necessidades de manutenção, evitando paradas inesperadas e aumentando seu rendimento e vida útil. Juliano Gewehr, especialista de produtos da Ciber Equipamentos Rodoviários, acrescenta que esse é um investimento importante para que se tenha a certeza de uma correta execução e para que haja controle de custos operacionais. As soluções atuais permitem que mesmo a distância, estando no Brasil ou fora do País, o executivo saiba onde a máquina está operando, se está sendo usada adequadamente e quanto está consumindo de combustível. É possível até mesmo receber de forma on-line o resultado da análise de fluidos, entre outras informações. Johan Arnberg, da Leica Geosystems Determinar a ferramenta correta não é uma tarefa fácil para uma empresa com pouca experiência na aquisição de soluções tecnológicas Além da tranquilidade e da facilidade de gerenciamento, a tecnologia possibilita evitar que problemas ocorram. Os benefícios ao negócio são inúmeros, desde redução de custos por não necessidade de deslocamento do gestor da frota para verificar a situação da máquina até a diminuição no valor de seguro por ter o sistema de monitoramento instalado, destaca Rafael Barbosa, especialista de produto da New Holland Construction. Segundo Thiago Cibim, gerente de suporte ao cliente da John Deere Construção, atualmente o usuário tem buscado equipamentos com tecnologia embarcada, que fazem com que a operação seja facilitada e barateada. Ele analisa todos os aspectos de uma máquina, e a questão tecnológica influencia muito no momento da compra, afirma. A aquisição bem planejada desses instrumentos torna a empresa mais preparada para enfrentar a concorrência e suprir, de maneira eficiente, as necessidades dos clientes. Espera-se a fidelização, fala Ana Almeida, gerente de marketing da JCB. 22 APELMAT - SELEMAT Maio/Junho 2014

23

24 Gestão e Negócios O poder de competividade, fundamental para qualquer organização, cresce, uma vez que gerenciar a empresa a partir de dados confiáveis faz com que as decisões sejam tomadas com mais rapidez e acerto. No entanto, tão importante quanto investir em tecnologia é optar pela oferta que mais se adapte às necessidades da companhia, pondera Marcel Corradi, gerente de negócios da Engecompany. Avaliar antes de investir Para poder escolher a melhor ferramenta tecnológica, o primeiro conselho é levantar as reais necessidades da empresa e o valor disponível para investimento. Na sequência, devem-se analisar as soluções oferecidas no mercado. Vale conversar com o concessionário e até mesmo com outros usuários. Eles podem indicar o que usar, pois já conhecem a operação e as necessidades que são atendidas pelos equipamentos. Leandro Yokoti, da BMC Hyundai "A área de cobertura de satélite é bem mais ampla" Para o presidente da Leica Geosystems Machine Control Division, Johan Arnberg, determinar a ferramenta correta para a aplicação desejada não é uma tarefa fácil para uma empresa com pouca experiência na aquisição de soluções tecnológicas. Ela tem de ser guiada, durante o processo, por um fornecedor competente até chegar ao sistema mais adequado às suas necessidades, comenta. Defina a melhor solução sempre tendo em vista a demanda da companhia, incluindo a redução de custo que se espera atingir, aconselha Corradi. Quando se trata de tecnologia aplicada a equipamentos de construção e terraplenagem, deve-se levar em consideração a forma com que ela irá afetar a produtividade da máquina, ajudar a reduzir os custos de operação e manutenção, e facilitar os controles e gestão de frota. Os sistemas de monitoramento com telemetria podem contribuir muito nesse aspecto. Os relatórios que eles geram ajudam a corrigir erros de operação e a evitar falhas catastróficas por meio de alertas, garante César, da Case Construction Equipment. A programação da manutenção passa a ser mais eficiente a partir da leitura remota dos horímetros. A gestão Claudio Rogério Duarte, da DN4 Tecnologia As soluções tecnológicas propiciam a tomada de decisões mais precisas das horas dos técnicos de oficina é mais bem controlada, aumentando a produtividade da equipe. E a área de manutenção atua nos períodos exatos das ações preventivas. Relatórios de consumo de combustível, ociosidade e produtividade colaboram para identificar gargalos na produção e oportunidades de redução de custo. Um software eficiente, programando e arquivando o histórico dos equipamentos, também facilita a gestão de frota, além de aumentar o valor de revenda dos equipamentos. Um detalhe importante: qual é a forma de comunicação da tecnologia embarcada? É via GPRS ou via satélite? Como grande parte dos equipamentos trabalha em pontos de difícil acesso e, muitas vezes, longe de grandes centros urbanos, existe o risco de não se ter cobertura GPRS. Ou seja, a tecnologia embarcada não ajudará, pois não haverá comunicação. Já quando falamos de comunicação via satélite, temos um cenário diferente, pois a área de cobertura de satélite é bem mais ampla, ressalta Leandro Yokoti, gerente nacional de suporte ao produto da BMC Hyundai. Para Gewehr, da Ciber Equipamentos Rodoviários, não basta conhecer as soluções existentes no mercado, mas entender quais são as inovações e não ter medo de adquirir um equipamento de alta tecnologia em função do receio de que os operadores não irão conseguir manejar adequadamente. Os avanços foram projetados justamente para facilitar, e não para atrapalhar a operação, ressalta. 24 APELMAT - SELEMAT Maio/Junho 2014

25

26 Gestão e Negócios Paulo Lima, gerente de vendas do Dimep Sat, completa: É importante saber da estrutura da empresa, se ela tem a preocupação de inovar, se tem um departamento de desenvolvimento, se conta com técnicos na região e se está comprometida em atender à necessidade do cliente ou simplesmente vender. Outros dois fatores que devem ser considerados antes da aquisição de qualquer solução tecnológica são a integração e a flexibilidade para customização. Samuel Albuquerque, gerente de marketing e vendas de peças da Volvo Construction Equipment Latin America, explica que os sistemas de monitoramento, por exemplo, geram uma grande quantidade de informações, códigos de falhas etc. Mas esses dados só terão utilidade prática se forem rapidamente analisados e transformados em material de valor agregado. Balanço Realizado o investimento, a melhor forma para conferir se uma solução tecnológica foi bem aplicada é fazer o comparativo com períodos anteriores à aplicação. Existem vários indicadores capazes de serem aferidos antes e depois, como índice de acidentes, consumo de combustível médio da frota (litros/hora ou litros por tonelada movimentada), horas disponíveis para produção, nível de disponibilidade mecânica, produção (toneladas por hora), custo da hora de manutenção e reparos. Rafael Barbosa, da New Holland Construction "Os benefícios ao negócio são inúmeros" Para obtermos a máxima eficiência na utilização dos recursos tecnológicos dos equipamentos atuais, é fundamental que as soluções para monitoramento remoto permitam a integração de informações disponíveis via diferentes sistemas, diz Albuquerque. E que também seja possível customizar a solução, por exemplo, gerando indicadores de desempenho e mapas gerenciais (KPIs/dashboards) que atendam às necessidades específicas de cada empresa, completa. Por último, elabore um planejamento com todas as etapas essenciais para aquisição e uso da ferramenta escolhida. É fundamental que se ponderem as horas de implantação, personalização, treinamento, funcionários envolvidos etc., detalha Corradi, da Engecompany. Thiago Cibim, da John Deere Construção "A questão tecnológica influencia muito no momento da compra" Por exemplo, com um sistema de telemetria é possível analisar as informações de consumo real e de uso de um equipamento que trabalha 30 dias no mês, oito horas por dia. Nesse período, porém, a máquina permanece com o motor ligado, sem produzir durante uma hora a cada dia. Ou seja, são 30 horas perdidas. Com uma máquina que consome em média 10 litros por hora, há um gasto desnecessário de 300 litros. Se utilizarmos um custo de litro do diesel de R$ 2, teremos um gasto extra de R$ 600 no mês e de R$ no ano, contabiliza Barbosa, da New Holland Construction. Essas informações permitem ver onde cortar despesas extras e, nesse caso, um treinamento com o operador pode ser uma boa solução, comenta. As metas a serem perseguidas também precisam ser mensuráveis, possibilitando o cálculo da redução de custo e do aumento da lucratividade. Lembre-se de definir ciclos de análise. Os objetivos, sempre claros e alcançáveis, precisam ser permanentemente analisados para adequação e definição de novos escopos, destaca Corradi, da Engecompany. Deve-se também levar em consideração a opinião de todos os afetados pela nova tecnologia, desde operadores até os responsáveis por uma frente de trabalho. Quando a tecnologia é bem aplicada, os benefícios são facilmente percebidos por meio da diminuição de 26 APELMAT - SELEMAT Maio/Junho 2014

27

28 Gestão e Negócios despesas de operação e aumento de produção, afirma César, da Case Construction Equipment. A redução de custo pode chegar à casa de 30%, acrescenta Lima, do Dimep Sat. Juliano Gewehr, da Ciber Equipamentos Rodoviários "Os avanços foram projetados para facilitar, e não para atrapalhar a operação" Há também ganhos intangíveis, como a melhora da imagem da empresa a partir do aperfeiçoamento da gestão e, consequentemente, da prestação de serviço. Além da possibilidade de tomada de decisões mais precisas, baseando-se em informações de qualidade e rapidamente disponíveis, conclui Claudio Rogério Duarte, diretorpresidente da DN4 Tecnologia. Veja + Na rota da inovação Confira no Portal de Notícias da Apelmat (www.apelmat.org.br) as soluções tecnológicas oferecidas por BMC Hyundai, Case Construction E q u i p m e n t, C a t e r p i l l a r, C i b e r Equipamentos Rodoviários, Dimep, DN4 Tecnologia, Engecompany, JCB, John Deere, Leica Geosystems Machine Control Solutions, New Holland Construction e Volvo Construction Equipment Latin America. Veja + Tecnologia sobre rodas Caminhão parado é prejuízo. Confira no Portal de Notícias da Apelmat (www.apelmat.org.br) as soluções de rastreamento e gestão da frota que Scania, Volkswagen, Iveco e Ford oferecem ao cliente. Experiência concreta: a tecnologia garante produtividade Na Loctrator, a gestão tecnológica garante produtividade. Em 2007, a empresa deu os primeiros passos no monitoramento dos equipamentos via GPS por meio de sistemas fornecidos pelos fabricantes. Começamos de maneira tímida e, conforme fomos ganhando experiência, participamos também dos processos de melhorias, lembra Rafael Briard, engenheiro de manutenção da empresa. Foi quando, em 2012, optamos por estender a cobertura para todos os equipamentos e viaturas, visando a um melhor acompanhamento, garantia de disponibilidade e menor custo de manutenção, completa. O monitoramento proporciona uma ampla supervisão das máquinas. Por exemplo, com o horímetro controla-se a agenda das intervenções necessárias. Acompanhamos o sistema diariamente. Nele, é possível inserir os tipos de alerta e definir intervalos, detalha. Há um alerta emitido a cada 250 horas trabalhadas para cada equipamento, o que permite fazer a programação das paradas com segurança. Além disso, existe o benefício de se obter, em tempo real, a localização dos equipamentos durante a jornada de trabalho ou transporte. Para as máquinas que podem se deslocar facilmente, como para obras de saneamento, aliase uma maior segurança contra roubos e deslocamentos indevidos. Isso, como já ocorreu, permite a fácil localização para socorros mecânicos, diz, satisfeito. A monitoria ainda favorece a conferência das medições para a checagem das horas produtivas ou paradas. O sistema permite relatórios diversos, seja para manutenção, seja para acompanhamento e verificações. Enfim, permite a total telemetria da máquina. Para Briard, é essencial realizar um rigoroso controle de manutenção e adotar ações no equipamento para assegurar a confiabilidade e retorno previstos quando de sua compra. Devido ao cenário atual, com preços muito competitivos, uma quebra que exija manutenção corretiva onerosa pode acabar com o lucro de um grande contrato. Existem poucas empresas que realmente põem na ponta do lápis o resultado gerado por cada máquina, e esse tipo de tecnologia é um grande aliado para garantir eficiência, produtividade e retorno com a sustentabilidade do negócio, destaca. Veja + Agenda lotada? Quais são os principais ladrões do tempo e como fugir de suas armadilhas? Confira a resposta no Portal de Notícias da Apelmat (www.apelmat.org.br). Conheça também os aplicativos que podem ajudar na organização das tarefas no dia a dia. 28 APELMAT - SELEMAT Maio/Junho 2014

29

30 Reportagem de Capa Vida longa! Caminhos para melhorar a rentabilidade e a gestão das finanças Por Tatiana Alcalde aúde financeira significa ter S condições de honrar seus compromissos, gerar recursos para futuros empreendimentos e remunerar de forma adequada o investidor, define Reginaldo Gonçalvez, coordenador do curso de ciências contábeis da Faculdade Santa Marcelina (Fasam). Administrar o dinheiro que está dentro da empresa para que ela mantenha a vitalidade é um alvo comum a todas as companhias, independentemente do ramo de atuação. Porém, cada segmento apresenta alguma particularidade, comenta. E aí está o x da equação. No caso do setor de locação de equipamentos pesados, muitas empresas têm um capital de giro pequeno. Basicamente, a sobrevida delas depende da locação de máquinas para terceiros. Quanto melhor o bem estiver locado, mais fácil será obter recursos para suprir a operação e investir, explica Gonçalvez. No entanto, existem os picos de locação, os bons momentos com o desenrolar de diversas obras. Há um vantajoso faturamento, recebimento dentro dos prazos e dinheiro para fazer o capital de giro. 30 APELMAT - SELEMAT

31 Mas e em tempos de vacas magras? É importante fazer e segurar caixa para dar continuidade ao negócio quando há baixa demanda do mercado e até mesmo quando um cliente se torna inadimplente. Depender da economia é complicado. Por e x e m p l o, o a t u a l contexto pré-eleitoral não deve mudar. A dúvida está em relação ao período posterior. O governo vai investir? As obras vão continuar ou veremos queda em virtude da restrição de mercado?, questiona. Marcio Gabrielli, professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV- Eaesp), ressalta outra particularidade do setor: o investimento inicial da empresa é grande e, portanto, apresenta um peso significativo. Ela não conta com estoque para vender, mas máquinas para locar. Se o equipamento ficar parado, obviamente perde dinheiro, diz. Podemos fazer um paralelo com as companhias aéreas, que têm muito custo fixo, o que sempre põe a empresa em uma condição delicada. Tudo sob controle Diante da competitividade no mercado e do cenário econômico, é vital dispor de uma administração financeira apurada e confiável. É preciso ter controle sobre os números. Conhecer os indicadores do negócio é o primeiro passo para conservar a saúde em dia. O segundo é conservar as contas organizadas. E para isso não é preciso desembolsar grandes quantias com softwares. Basta possuir as planilhas certas e saber analisá-las. Uma ferramenta básica, e importante, da administração financeira é o fluxo de caixa. Mesmo assim, ainda existem muitos casos de empresas que trabalham sem ela, afirma o contador Eduardo Sehnem Ferro, colaborador do escritório Giovani Duarte Oliveira Advogados Associados. Maio/Junho 2014

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Garrastazu Advogados

Garrastazu Advogados PROGRAMA DE INTEGRIDADE CORPORATIVA Garrastazu Advogados Constituída a partir de uma história profissional de trinta e cinco anos de experiência na advocacia, a Garrastazu Advogados foi criada em 1999

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações. São Paulo, 22/09/15

Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações. São Paulo, 22/09/15 Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações São Paulo, 22/09/15 Nossa Agenda 1. Preocupações atuais no ambiente corporativo 2. Gestão de riscos e controles internos 3. Terceiros

Leia mais

http://www.bovespa.com.br/investidor/juridico/070413nota.asp

http://www.bovespa.com.br/investidor/juridico/070413nota.asp Página 1 de 6 Página Inicial Legislação do Mercado Jurisprudência Tributação do Mercado Regulamentação da Bolsa Câmara de Arbitragem Notícias e Entrevistas Artigos Indicação de Leitura O Poder Judiciário

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção.

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014 Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. Entrou em vigor no dia 29 de janeiro a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013,

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Como preparar minha empresa para o esocial?

Como preparar minha empresa para o esocial? 1 Como preparar minha empresa para o esocial? SUMÁRIO Introdução Você sabe o que é o esocial? Como está sua empresa? Os pontos mais importantes para se adequar 3.1 - Criar um comitê 3.2 - Mapear os processos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? 10 REVISTA RI Abril 2014 Dois meses após a entrada em vigor da Lei de Combate à Corrupção (no 12.846), pesquisas de mercado

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Em 19 de março de 2015, foi publicado o Decreto Federal nº 8.420, de 18 de março de 2015 ( Decreto ), que regulamenta a Lei Federal nº 12.846, de 1º

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES [ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES D e s c u b r a c o m o m a n t e r o c a p i t a l d a e m p r e s a s o b c o n t r o l e p a r a f a z e r o n e g ó c i o c r e s c e r. Uma boa gestão

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados Breve panorama sobre a nova Lei Anticorrupção Giovani Agostini Saavedra Contexto da

Leia mais

Use bem o seu dinheiro

Use bem o seu dinheiro 1016323-6 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN - Treinar e capacitar os profissionais que cobram e atendem inadimplentes nas escolas; - Cadastrar os inadimplentes

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito

Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito Especialistas dão dicas para sair do vermelho. É fundamental planejar gastos e usar bem o crédito. Por Anay Cury e Gabriela Gasparin Do G1, em

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES No fascículo anterior tratamos da importância de desenvolver e treinar os profissionais que trabalham no consultório médico e o quanto são importantes para que a empresa seja

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico www.bethonico.com.br APRESENTAÇÃO Desde o ano 2000, a Bethonico Planejamento

Leia mais

Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015

Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015 Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015 Eduardo Nascimento (eduardo@morad.com.br) Antonio Carlos Morad (acmorad@morad.com.br) www.morad.com.br 2015 Outlook for Legal Issues

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014 A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE Agosto, 2014 Lei Anticorrupção Brasileira: Lei 12.846/2013 Aspectos Gerais: Vigência: Entrou em vigor em 29/01/2014; Será regulamentada. Objetivo: Responsabilizar

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO O Brasil vive momento determinante do seu futuro, em que a sociedade exige novos paradigmas nas relações comerciais entre o poder público e atores privados. Esse cenário

Leia mais

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Perfil A Ouro Verde Locação e Serviço S.A. é uma empresa paranaense com mais de 40 anos de mercado, trabalhando com gestão e terceirização

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP ÍNDICE Introdução Planejamento Financeiro Gestão do Fluxo de Caixa Gestão por Centros de Custo Otimizando o seu

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais