PALAVRAS-CHAVE Aprendizado contínuo. Educação corporativa. Desenvolvimento de lideranças.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS-CHAVE Aprendizado contínuo. Educação corporativa. Desenvolvimento de lideranças."

Transcrição

1 2 UNIBB UNIVERSIDADE CORPORATIVA BANCO DO BRASIL - PRINCÍPIOS E PERCEPÇÕES DOS USUÁRIOS. Ademar Rafael Ferreira RESUMO O objetivo central deste artigo é identificar os pontos convergentes entre os princípios norteadores da Universidade Corporativa Banco do Brasil em relação à literatura sobre o tema e, principalmente, perante a percepção dos usuários. Aborda inicialmente fatos motivadores para criação das Universidades Corporativas e expõe a metodologia utilizada para aplicação dos questionários aos 50 funcionários do Banco. Apresenta as razões que levaram o Banco do Brasil a criar sua Universidade Corporativa, compara estas razões com princípios defendidos por estudiosos do tema e analisa o resultado da pesquisa à luz dos conceitos e das expectativas do Banco do Brasil, enquanto mantenedor da UNIBB. ABSTRACT This article aims to identify the converging points among the principles of the Universidad Corporative Bank of Brazil (UNIBB) related to the literature regarding the subject and the perception of the users about it, as well. It explains the methodology used to submit questions to the 50 employees of the bank and also address the motivating facts for implementing Universities Corporative (Corporate Colleges). This study points the reasons why Bank do Brazil created its own Corporate College, compares such reasons with the principles supported by famous scholars and analyzes the result through the concepts and expectations from Bank of Brazil, as UNIBB maintainer PALAVRAS-CHAVE Aprendizado contínuo. Educação corporativa. Desenvolvimento de lideranças.

2 3 Introdução O acirramento da concorrência, a obrigatoriedade de atender cada vez mais os anseios dos clientes e as permanentes mudanças na economia global evidenciaram a necessidade de que seja repensada, numa expectativa mais ampla, a formação dos agentes ativos que atuam na atividade bancária. Para atender essa nova realidade, nas duas últimas décadas, os conceitos, princípios e técnicas para potencializar o desempenho das equipes, visando alta performance, passaram a figurar no cotidiano das organizações. A interdependência entre tais pressupostos e o aprendizado contínuo foi automática. Esta estratégia é defendida por Faissal, Passos, Mendonça & Almeida (2005, pg. 71): [...] a empresa deve apoiar o desenvolvimento de competências, por meio de programas de capacitação e de educação continuada, invertendo o paradigma tradicional de selecionar e treinar para o de treinar e selecionar. Tal fenômeno tem provocado a criação de Universidades Corporativas para suprir tais deficiências, principalmente nas grandes empresas. São, portanto, criadas unidades de educação com o objetivo de disponibilizar múltiplas alternativas de aprendizagem alinhadas às estratégias das entidades mantenedoras. Para Bertero (2007), os programas de formação de executivos estão longe de ser modismos e apresentam-se como instrumentos eficazes para atender uma demanda por conteúdos atuais, que abordem práticas fomentadoras do conhecimento cumulativo. Afirma, ainda, que a aceleração das mudanças, característica das sociedades contemporâneas, exige um método de aprendizagem sem interrupção. Tanure (2007) alerta para o fato das escolas de negócios do Brasil tradicionalmente basearem seus conteúdos em teorias e realidades diferentes das nossas, e sugere a união entre a realidade vivenciada pelas empresas locais e as estratégias de desenvolvimento das lideranças das corporações.

3 4 Algumas Universidades Corporativas são híbridas, ou seja: constituídas através de parcerias com entidades de ensino convencional, porém com conteúdo programático aderente às diretrizes das empresas. Outras são puras: criadas a partir de departamentos internos das empresas, dedicados à formação profissional dos funcionários. No repasse dos conteúdos serão utilizados os métodos de ensino a distância, vídeo conferência e provas presenciais. A Universidade Corporativa do Banco do Brasil, nosso universo de estudo, está inserida entre as que adotam o sistema híbrido. A pretensão deste artigo, de forma ampla é avaliar a interface entre os propósitos da UNIBB e a sua pertinência com as ponderações dos funcionários do banco acerca dos treinamentos recebidos, com os seguintes desdobramentos: a) Confrontar o conjunto de regras e valores que norteiam a funcionalidade das Universidades Corporativas, com os princípios organizacionais da Universidade Corporativa Banco do Brasil. b) Identificar se as informações recebidas estão contribuindo para elevar a massa crítica dos funcionários. c) Apurar se os conceitos são aplicáveis fora do Banco ou se limitam às atividades desenvolvidas no âmbito da empresa. A opção do Banco do Brasil com fechamento de alianças entre a UNIBB e Universidades convencionais é citada por Mundim (2002), como modelo adequado, ao defender que, apesar da educação corporativa ser vista como ameaça ao ensino tradicional, constata-se que as experiências de sucesso são as advindas das parcerias entre a universidade corporativa e instituições tradicionais. Ao defender as parcerias entre as universidades corporativas e as instituições tradicionais, para desenvolvimento de programas específicos, Meister (1999, p. 191), escreve: Esse conceito de educação sob medida refere-se às alianças que as corporações fazem com faculdades e universidades para criar um programa sob medida [...]. Este fundamento deu sustentação à parceira entre o Banco do Brasil e a AIEC Associação Internacional de Educação Continuada, percebida como exitosa.

4 5 O quadro a seguir, adaptado de Mundim (2002), indica mudanças de paradigmas e perspectivas com os programas de educação corporativa: Tradicional Educação corporativa Objetivo Habilidades Competências críticas Foco Aprendizado individual Aprendizado organizacional Escopo Tático Estratégico Ênfase Necessidades individuais Estratégias de negócio Público Interno Interno e externo Local Espaço real Espaço real e virtual Resultado Aumento das habilidades Aumento do desempenho Fonte: Mundim (2002, p. 67) Analisando a evolução qualitativa, é importante destacar que a educação corporativa não pode ser observada como treinamento. Mundim (2002, p. 66) destaca: Treinamento é uma atividade ocasional [...] Educação corporativa, por sua vez, é um processo contínuo de aprendizagem, realizado sempre. Metodologia Como pressuposto orientador deste trabalho, no primeiro momento, utilizamos o método do levantamento bibliográfico, defendido por Acevedo & Nohara (2006, p. 48), consiste na busca de estudos anteriores que já foram produzidos por outros cientistas... e lançamos nosso olhar sobre o pensamento de Marconi & Lakatos (2001, p. 84): Os artigos científicos são pequenos estudos, porém completos, que tratam de uma questão verdadeiramente científica, mas que não se constituem em matéria de um livro. Na seqüência foi utilizado o método de pesquisa de campo, que Acevedo & Nohara (2006, p. 52) defende como a metodologia que visa investigar os indivíduos em seu comportamento natural ou sua situação natural... com aplicação de entrevista semiestruturada, composta de três perguntas fechadas e duas abertas, aquelas relativas à aplicabilidade dos conteúdos, sua aderência com os conceitos pré-existentes e

5 6 crescimento enquanto cidadão e estas para indicação de no mínimo três pontos relevantes e irrelevantes para o desempenho das funções e encarreiramento. Utilizando o método presencial, em que entrevistado e entrevistador atuam em conjunto, sem que o segundo interfira nas respostas do primeiro, podendo, no máximo esclarecer dúvidas sobre as perguntas, foram entrevistados 50 funcionários do Banco do Brasil, usuários dos sistemas de ensino auto-instrucional (treinamentos em que os funcionários recebem o material físico ou virtual e isoladamente estudam a respondem os quesitos da avaliação, tudo sob coordenação de outro funcionário do mesmo ambiente de trabalho), e ensino presencial. Os funcionários entrevistados estão lotados em agências do Banco do Brasil, no Estado da Bahia, que atuam em filiais vinculadas a Gerência Regional de Vitória da Conquista. Por tratar de questões que envolvem críticas e avaliações sobre o modelo considerado ideal pela Empresa patrocinadora e empregadora do entrevistado, o Banco do Brasil, a identidade dos respondentes será preservada. Para as questões fechadas, trabalhamos a conformidade das respostas em relação aos estímulos recebidos e, para as questões abertas, fizemos uma análise comparativa entre as percepções, a literatura disponível e os objetivos da Universidade Corporativa do Banco do Brasil. Utilizamos o método analítico, com cruzamento dos dados oriundos da pesquisa de campo e da literatura pesquisada, com emissão de parecer sobre sua utilização para alcance dos objetivos. Razões para criação da UNIBB e modelo utilizado O artigo 47, do Capítulo IX (Disposições Especiais) do Estatuto do Banco do Brasil, define: O ingresso nos quadros de funcionários do Banco dar-se-á mediante aprovação em concurso público. Partindo deste preceito estatutário e visando criar um modelo para qualificação dos seus funcionários, o Banco do Brasil criou a Universidade Corporativa em para dar continuidade à evolução da educação corporativa que iniciou em 1965, através da criação do Departamento de Seleção e Desenvolvimento do Pessoal (DESED), com propostas de vanguarda

6 7 para a época: parcerias com instituições de ensino, escolas de inglês e bolsas no exterior. Ao comentar casos ilustrativos de educação corporativa no setor financeiro brasileiro, Eboli (2004, p. 101) assim descreve a experiência da UNIBB: O Banco do Brasil tem aproximadamente quarenta anos de história e tradição em educação corporativa [...] Implantada em julho de 2002, a Universidade Corporativa Banco do Brasil logo deu sinais de sucesso. Afirma Eboli (2004) que o Banco do Brasil criou a UNIBB para melhorar o desempenho organizacional, desenvolver o capital intelectual da organização e ser vista pelos funcionários como importante ambiente para desenvolvimento pessoal e profissional. Complementa que o planejamento dos cursos terá como base as competências críticas e a estratégia corporativa, ou seja, alinhará os negócios ao aprendizado proposto. Longo & Murashima (2007) ao defenderem o uso de tecnologias de informação e telecomunicação (TICs) atestam os acertos da estratégia da Universidade Corporativa do Banco do Brasil para capacitar seus funcionários, a partir de levantamentos internos, fornecendo um programa capaz de produzir resultados em curto, médio e longo prazo. Para atender simultaneamente todos os funcionários identificados, em todo território nacional, Longo & Murashima (2007) asseguram que a única alterna tiva viável é o uso de TICs aplicado à educação executiva. Maia (2007) aponta a pertinência do modelo com a utilização da tecnologia Educação a Distância (EAD) ao constatar que, em diversos locais onde estão os funcionários do Banco, não há disponibilidade de cursos convencionais. Sousa (2007, p. 57), ao abordar o investimento na formação dos funcionários, afirma: O BB reconhece a importância da educação do indivíduo para sua inserção na sociedade e busca capacitar seus funcionários além das necessidades do negócio. Registra, também, que a partir de 2005 o Banco instituiu como meta

7 8 organizacional de dedicação à aprendizagem contínua, no mínimo, 30 horas por funcionário em cada semestre. Este encaminhamento da UNIBB, de certa forma, inibe a preocupação de Barbosa (2005) ao alertar que o conhecimento proposto não pode transformar-se em adestramento, ou seja, que os conteúdos, oriundos da cultura dos negócios, não prevaleçam sobre o aprendizado transformador e criativo, direcionado para o crescimento profissional. As comparações, com os papéis dos dois modelos, indicadas no quadro a seguir, extraídas do pensamento de Mundim (2002) e Eboli (2004), permitem avaliar positivamente a interligação entre o pensar da UNIBB e as constatações dos estudiosos do assunto: Universidade tradicional Desenvolver competências essenciais para o mundo do trabalho. Aprendizagem baseada em sólida formação conceitual e universal. Sistema educacional formal. Ensinar crenças e valores universais. Desenvolver cultura acadêmica. Formar cidadãos competentes para gerar o sucesso das instituições e da comunidade. Fonte: Mundim (2002, p. 68) Educação corporativa Desenvolver competências essenciais para o sucesso do negócio. Aprendizagem baseada na prática dos negócios. Sistema de desenvolvimento de pessoas por competências. Ensinar crenças e valores da empresa e do ambiente de negócios. Desenvolver cultura empresarial. Formar cidadãos competentes para gerar o sucesso da empresa e dos clientes. Na modelação da sua Educação Corporativa, o Banco define sua ação a partir de quatro grandes momentos, cuja principal característica é a inter-relação: Avaliação de Necessidades, Planejamento Institucional, Distribuição dos Programas e Avaliação. A avaliação de necessidades, no nível macro, é de responsabilidade da Diretoria de Gestão de Pessoas. Contudo, leva em consideração os levantamentos feitos através das Gerências Regionais, espalhadas pelas capitais dos Estados.

8 9 O planejamento institucional ocorre após a identificação das carências, detectadas nas avaliações das necessidades, e contempla a definição dos objetivos, públicoalvo, conteúdos, técnicas instrucionais, modalidade e material de treinamento. A distribuição dos programas verifica-se quando o material chega ao público-alvo com indicação dos tutores, quando realizados a distância, ou do local de treinamento quando presencial. Destaca-se a abrangência da avaliação, entendida pela Universidade Corporativa do Banco do Brasil como o momento em que são fornecidas informações que levem ao aperfeiçoamento das ações educativas é realizada em quatro níveis. O primeiro nível, via avaliação da reação, consiste em ouvir os participantes, dandolhes oportunidade para opinar sobre o processo de aprendizagem, a atuação do tutor, os recursos disponibilizados, a expectativa de aplicação da aprendizagem e os resultados imediatos. O segundo nível acontece por meio da avaliação de aprendizagem, que mede o nível da obsorção dos conteúdos pelos participantes e ocorre através de avaliações objetivas, avaliação presumida e auto-avaliação, inserida no primeiro momento (avaliação de reação). No terceiro nível tem-se a avaliação de impacto do treinamento no trabalho, que se realiza pelo método de avaliação do funcionário treinado, em relação ao desempenho das atividades diárias, à luz da contribuição positiva dos conteúdos recebidos com o treinamento. O quarto e último nível promove a avaliação de impacto do treinamento na organização, identifica a contribuição dos treinamentos na melhoria dos resultados organizacionais, em termos de clima organizacional, conformidade dos processos e resultados financeiros.

9 10 Os treinamentos desenvolvidos pela Universidade Corporativa do Banco do Brasil apresentam-se nas seguintes modalidades: a) presencial repassados em ambientes específicos contando com a presença física de instrutor, palestrante ou orientador; b) auto-instrucional conduzido pelo próprio treinando, com orientador previamente escolhido, utilizando dentre outros os recursos: material impresso, vídeos, computador, TV e WEB; c) em serviço apresenta situações reais ou simuladas, através do programa denominado FAZAP Fazendo e Aprendendo, voltado para atender necessidades de treinamento em produtos, serviços e rotinas do cotidiano. A modalidade indicada na alínea c do tópico anterior encontra eco no enunciado de Mundim (2002, p. 59): A qualificação demanda essencialmente a capacidade de transferibilidade, ou seja, uma capacidade de realizar a aplicação da teoria à prática concreta do trabalho. Sob o ângulo da natureza da ação de desenvolvimento, os programas da UNIBB podem ser classificados como: a) qualificação voltados para desenvolvimento de habilidades inerentes ao exercício da função atual ou futura; b) aperfeiçoamento direcionados para a melhoria das habilidades profissionais; e. c) atualização dedicados à atualização de repertórios técnicos ou gerenciais, principalmente por meio de troca de experiências com executivos interno e externo. A visão da UNIBB, no tocante a natureza da ação de desenvolvimento, observados os pontos qualificação, aperfeiçoamento e atualização guarda perfeita sintonia com o pensamento de Freire & Lima (2007, p. 39): Para criar esse novo perfil as empresas precisam implantar programas educacionais que privilegiem o desenvolvimento de atitudes, posturas e habilidades e não apenas a aquisição de conhecimentos técnicos e instrumentais.

10 11 Se assim considerarmos, a educação corporativa deve contemplar novas formas de aprender e novas formas de se relacionar com o conhecimento. É preciso romper com o paradigma de que a aprendizagem só acontece em salas de aula. É necessário considerar que a aprendizagem ocorre de múltiplas formas e em todos os ambientes da organização, em momentos formais e informais. O perfil de que trata Freire & Lima (2007) deve ser entendido como o modelo que acompanha o profissional que aplica o modelo de gestão baseado na flexibilidade, compartilhando idéias e ações gerencias, e que cotidianamente abandona o modelo de administração tayorista-fordista. Análise dos resultados Os resultados da pesquisa de campo, coletados através de entrevistas semiestruturadas, respondem nossas inquietações acerca das percepções dos funcionários sobre os conteúdos recebidos e suas inter-relações com as atividades desenvolvidas e o ambiente externo, aí incluídas as ações do cidadão. As respostas destacam o compartilhamento de responsabilidades, citados por Goulart & Pessoa (2004), que sugerem uma co-responsabilidade entre gestores e empregados na efetividade dos programas educacionais, através dos quais os primeiros devem fornecer material capaz de ser visto pelos segundos como fator positivo para eles e para empresa. Em resposta à indagação Os temas desenvolvidos, quanto ao grau de profundidade, foram compatíveis com sua capacidade de absorção?, obtivemos 49 (98%) das respostas plenamente atendido e 01 (2%) resposta parcialmente atendido, precisa melhorar um pouco. Pode-se afirmar que a quase totalidade das respostas direcionada para a satisfação plena origina-se no fato de que a UNIBB implantou ao sistema o conceito de degraus para que o aluno participe de treinamentos que sirvam de pré-requisitos para etapas seguintes, ou seja, há uma preparação prévia para recepção de novos conteúdos. O sistema aplicado contempla premissas do construtivismo defendidas por Vila & Santander, ao explicarem as idéias de Jean Piaget, o grande pensador

11 12 suíço, (2003, pág. 20): [...] a aprendizagem ocorre através de assimilação (novo conhecimentos), acomodação (modificação dos anteriores) e adaptação (equilíbrio entre assimilação e acomodação)[...]. A pergunta: Os conteúdos abordados são aplicáveis em suas atividades diárias e guardam coerência com as atribuições de seu cargo?, recebeu 45 (90%) respostas plenamente atendido e 05 (10%) respostas parcialmente atendido, precisa melhorar um pouco. Com o aprofundamento do estudo sobre as respostas detecta-se que os respondentes que solicitam uma melhora nos conteúdos, trazendo-os para a prática diária, de certa forma cobram treinamentos classificados como de qualificação, isto é, direcionados para o desenvolvimento de habilidades inerentes ao exercício da função atual ou futura. Bahry & Tolfo (2007) atestam que o Banco procura estabelecer uma ligação entre os conhecimentos ofertados a sua aplicação nas atividades dos alunos. Constata-se, portanto, disposição do empregador em suprir a deficiência apontada por 10% dos entrevistados. Quando perguntados se O treinamento, de alguma forma, contribui para sua atuação como cidadão fora do Banco, 48 (96%) dos entrevistados optaram pela resposta plenamente atendido, 01 (2%) por parcialmente atendido, precisa melhorar um pouco e 01 (2%) por parcialmente atendido, precisa melhorar muito. Este conjunto de respostas vem atender uma das pretensões da UNIBB que entende o processo de aprendizagem como um conjunto de atividades que permite aos funcionários identificar as suas competências, os seus valores e os seus interesses, para tomar acertadas decisões em relação a sua vida profissional e gerir os seus projetos de vida, neste caso também no campo externo.

12 13 Neste grupo de questões fechadas observam-se ponderações que encaminham respostas para o problema - Os conteúdos repassados guardam compatibilidade com a formação acadêmica dos alunos e contribuem para sua formação dentro e fora do Banco do Brasil? - que este artigo busca responder. Os alunos tem percepções claras que os conteúdos trabalhados guardam consonâncias com a capacidade de absorção e geram conhecimentos capazes de gerar benefícios para o encarreiramento e contribuem para melhor desempenho do Banco, no mercado bancário. As ponderações seguem na direção dos apontamentos de Oliveira Jr. (2001, p. 135): A apreensibilidade em processos de transferência de conhecimento é também incrementada pela capacidade de absorção do receptor [...]. Afirma também, Oliveira Jr. (2001) que para compartilhar e disseminar o conhecimento pertencente a indivíduos, isoladamente, as empresas buscam codificar e simplificar esse conhecimento para torná-lo acessível para toda a organização. No grupamento das questões abertas 20 respondentes se manifestaram, sendo que 40% deles centralizaram suas respostas em dois pontos. No primeiro ponto, solicitaram que os conteúdos contemplem, sempre que possível, ações comportamentais com valorização da ética, da boa prática bancária e do respeito. Tais respostas, sob nosso entendimento, são revestidas de traços da cultura organizacional do Banco do Brasil e fazem parte da massa crítica e do posicionamento dos funcionários enquanto cidadãos. No segundo ponto os respondentes assinalam que em cursos realizados em sala de aula, com alunos ausentes do ambiente de trabalho, o aproveitamento é superior. Nos cursos realizados simultaneamente com as atividades diárias, no formato a distância (com material físico ou virtual), o nível de aprendizado é inferior. Percebe-se com este grupo de respostas que os alunos não estão plenamente adaptados com o compartilhamento das atividades normais do cotidiano com os estudos. Esta seqüela pode ser minimizada com uma gestão participativa do

13 14 monitor, que deve negociar um cronograma de estudo que compatibilize o tempo do aluno com a carga horária necessária para cumprimento da tarefa proposta. Julgamos que a maturidade, a motivação e a capacidade negocial dos envolvidos são ferramentas úteis para melhorar o nível de aprendizado, nos casos de compartilhamento dos estudos com o trabalho. Corroboram com este julgamento as sugestões de Goulart & Pessoa (2004, p. 108): As ações educacionais devem lavar em conta o respeito às diferenças pessoais e profissionais, considerando a multiplicidade de estilos de aprendizagem. Considerações finais Avaliamos que as hipóteses (i) a UNIBB está com seu direcionamento alinhado com os métodos sugeridos na literatura sobre o tema e (ii) o pensamento acadêmico da UNIBB tem aderência com a metodologia disponível para atividades da espécie foram confirmadas em sua totalidade. A hipótese (iii) os métodos de ensino convencional, mesmo deficientes, podem ser substituídos pelos pacotes de conteúdos desenvolvidos pela Universidade Corporativa Banco do Brasil foi confirmada parcialmente. A confirmação parcial para a última hipótese foi motivada pela ausência de respostas contundentes em relação ao tema, uma vez que optamos por não interferir nas respostas dos respondentes, ou seja, permitimos sua total liberdade de expressão. Ao compararmos o desempenho da UNIBB com o enunciado do quadro abaixo, podemos afirmar que a Universidade Corporativa do Banco do Brasil, enquanto ente educacional para a aprendizagem empresarial, está cumprindo o nobre dever de formar pessoas para promoção do bem estar na empresa e na sociedade.

14 15 Paradigma do treinamento Paradigma da aprendizagem do século XXI Prédio Local Aprendizagem disponível sempre que solicitado Atualizar qualificações técnicas Conteúdo Desenvolver competências básicas do ambiente de negócios Aprender ouvindo Metodologia Aprender agindo Funcionários internos Público-alvo Equipes de funcionários, clientes e fornecedores de produtos. Professores/consultores de Corpo docente Gerentes seniores interno e um universidades externas consórcio de professores universitários e consultores Evento único Freqüência Processo contínuo de aprendizagem. Desenvolver o estoque de Meta Melhorar o desempenho no trabalho qualificação do indivíduo Fonte: Cirilo (2004, p. 155) Os 50 alunos pesquisados representam uma confiável percepção dos funcionários do Banco? Pode-se afirmar que sim, extraídos os desvios presentes numa medição que envolva a diversidade e magnitude de uma empresa como o Banco do Brasil. Esta afirmativa ganha força ao considerar-se que foram ouvidos funcionários de vários grupamentos (escriturários e detentores de cargos de média e alta gerência), detentores de massa crítica suficiente para emissão de respostas confiáveis e participantes de treinamentos que abrangem todas as modalidades disponíveis. Avaliamos que a Universidade Corporativa do Banco do Brasil, observadas as condições propostas na pesquisa, está com o direcionamento compatível com o pensamento dos pesquisadores sobre o tema e que as percepções dos funcionários, acerca dos benefícios advindos dos conteúdos recebidos, atendem os anseios dos gestores da organização. Julgamos, contudo, ser imperiosa a necessidade de encontrar a harmonia entre as estratégias organizacionais e as expectativas dos funcionários na relação entre a aplicação dos conhecimentos em favor da empresa, das suas carreiras e das ações para geração de um ambiente mais justo e solidário.

15 16 Referências ACEVEDO, Cláudia Rosa & NOHARA, Jouliana Jordan. Monografia no Curso de Administração. 2. Ed. São Paulo: Atlas, BAHRY, Carla Patrícia & TOLFO, Suzana da Rosa. Mobilização de competências nas atividades profissionais dos egressos de um programa de formação e aperfeiçoamento. Revista da Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 41, n. 1, p , jan/fev BARBOSA, Lívia. Conhecimento ou adestramento? In. WOOD JR., Thomaz. Gestão Empresarial Comportamento organizacional. São Paulo: Atlas, parte II, cap. 10, p. 87/94. BERTERO, Calos Osmar. Mercado de esperanças Educação Executiva. Revista GVExecutivo, Rio de Janeiro, v. 6, n.5, p , set/out BEZZON, Lara Crivelaro. Guia prático de monografias, dissertações e teses: Elaboração e apresentação. 3 Ed. Campinas, Editora Alínea, CIRILO, Rogério. Caso Marinha do Brasil. In. In: MUNDIM, Ana Paula Freitas & RICARDO, Eleonora Jorge. Educação Corporativa - Fundamentos e prática. Rio de Janeiro: Qualitymark, parte 4, cap. 2, p. 149/161. EBOLI, Marisa. Educação corporativa no Brasil Mitos e verdades. São Paulo: Editora Gente, FAISSAL, Reinaldo, PASSOS, Antônio Eugênio Valverde Mariani, MENDONÇA, Márcia da C. Furtado de, & ALMEIDA, Walnice Maria da Costa de. Atração e seleção de pessoas. Rio de Janeiro: Editora FGV, FREIRE, Ana Cláudia & LIMA, Tatyana. A utilização de comunidade de prática no processo de educação corporativa. In: RICARDO, Eleonora Jorge (Org.) Gestão

16 17 da Educação Corporativa Cases, reflexões e ações em educação à distância. 1. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, cap. 4, p. 35/51. GOULART, Sônia & PESSOA, Eliana. Educação corporativa como base da estratégia organizacional. In: MUNDIM, Ana Paula Freitas & RICARDO, Eleonora Jorge. Educação Corporativa - Fundamentos e prática.rio de Janeiro: Qualitymark, parte 3, cap. 1, p. 95/110. JR. OLIVEIRA, Moacir de Miranda. Competências essenciais e conhecimento na empresa. In. FLEURY, Maria Tereza Leme e JR. OLIVEIRA, Moacir de Miranda. Gestão estratégica do conhecimento Integrando aprendizagem e competências. São Paulo: Atlas, parte II, cap. 1, p. 122/156. LONGO, Carlos Roberto Juliano & MURASHIMA, Mary. Novas fronteiras do ensino Educação Executiva. Revista GVExecutivo da FGV, Rio de Janeiro, v. 6, n.5, p , set/out MAIA, Marta de Campos. Educação a Distância - Educação Executiva. Revista GVExecutivo, Rio de Janeiro, v. 6, n.5, p , set/out MARCONI, Marina de Andrade & LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico. 5. ed. São Paulo: Atlas, MEISTER, Jeanne C. Educação Corporativa A gestão do capital intelectual através das Universidades Corporativas. São Paulo: Makron Books, MUNDIM, Ana Paula Freitas. corporativa. São Paulo: Atlas, Desenvolvimento de produtos e educação SOUSA, Luiz Osvaldo Sant lago Moreira de. Agenda 21 Banco da sustentabilidade. Brasília: UNIBB, TANURE, Betania. Formação de líderes Educação Executiva. Revista GVExecutivo, Rio de Janeiro, v. 6, n.5, p , set/out.2007.

17 18 VILA, Magda & SANTANDER, Marli. aprendizagem acelerada. Rio de Janeiro: Qualitymark, Jogos cooperativos no processo de Sites: Acesso em odigomenu=824> Acesso em

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional

Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional Painel Setorial - Inmetro Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos Xerém, 31 de julho de 2009 Tópicos Os Novos

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS E PESSOAS. Ingresso Agosto 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS E PESSOAS. Ingresso Agosto 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS E PESSOAS Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Liderança Estratégica de Negócios e Pessoas Preparar profissionais para liderar equipes com visão

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS 135 ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Curso: PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Objetivo: Capacitar profissionais para atuarem no segmento de Logística de Eventos,

Leia mais

O Papel da EAD na Educação Profissional

O Papel da EAD na Educação Profissional O Papel da EAD na Educação Profissional Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Foz do Iguaçu, 02 de setembro de 2010 Agenda Gestão do Conhecimento e Educação Profissional Perspectivas

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA QUALITY ASSURANCE Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA Viviane Souza Miranda CCSA Diretora de Auditoria Interna Telefônica Vivo Índice

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Pós-Graduação em COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

Pós-Graduação em COMUNICAÇÃO CORPORATIVA Pós-Graduação em COMUNICAÇÃO CORPORATIVA Ingresso Março 2016 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Comunicação Corporativa O Pós em Comunicação Corporativa é um curso de Pós-Graduação

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

C.E.S.A.R Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Regimento Interno do Mestrado Profissional em Engenharia de Software

C.E.S.A.R Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Regimento Interno do Mestrado Profissional em Engenharia de Software C.E.S.A.R Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Regimento Interno do Mestrado Profissional em Engenharia de Software Junho 005 Capítulo I DA ESTRUTURA E DO OBJETIVO Art. º Este Regimento estabelece

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO Ser reconhecido como o melhor tribunal para se trabalhar e de melhores resultados. Visão de Futuro do TRT da 8ª Região. INTRODUÇÃO Prática adotada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região que consiste

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

Público Alvo: Investimento. Disciplinas:

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: Profissionais graduados, que lidam ou estejam interessados em atuar com gestão e marketing de serviços.

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: Profissionais graduados, que lidam ou estejam interessados em atuar com gestão e marketing de serviços. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Serviços Jurídicos

Leia mais