MB ASSOCIADOS. Cenário Macroeconômico e Setorial FENABRAVE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MB ASSOCIADOS. Cenário Macroeconômico e Setorial FENABRAVE"

Transcrição

1 MB ASSOCIADOS Cenário Macroeconômico e Setorial Encontro Regional FENABRAVE 15 de Julho de

2 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Cenário Setorial: Automóveis 2

3 Crescimento mundial mais moderado! Deterioração da situação das dívidas soberanas na Europa. EUA Recuperação da economia americana está acontecendo, porém em ritmo mais lento do que o imaginado no início do ano. Europa A situação das dívidas soberanas continua bastante complicada. Porém, crescimento dos países do norte da Europa continua bastante positivo. China O crescimento continua bastante acelerado, com uma mudança importante em andamento no mercado de trabalho Chinês. 3

4 Projeções Banco Mundial para o crescimento global (duas importantes revisões em relação ao início do ano) Mundo Desenvolvidos Zona do Euro Japão EUA Em desenvolvimento Ásia e Pacífico China Europa e Ásia Central América Latina e Caribe Oriente Médio e Norte da África Sul da Ásia India África subsariana Fonte: Banco Mundial (relatório 10/06/11). Elaboração: MB Associados. 4

5 Na Europa, deterioração no cenário em função: Cenário na Europa Alguma desaceleração nos indicadores de atividade econômica a partir de junho; Grande dificuldade na formulação do pacote de ajuda a Grécia; As divergências entre os líderes europeus se devem a visões conflitantes quanto a participação do setor privado: voluntária ou não, gerando ou não um evento de crédito. Forte divergência entre BCE e Governo Alemão; Rebaixamento do rating dos papéis de Portugal para grau especulativo; Negociação interna Itália. 5

6 ISM Indústria (índice dos gerentes de compras) Alemanha França , ,5 30 jun/07 jun/09 jun/11 Itália jun/07 jun/09 jun/11 Reino Unido 46 49, ,3 30 jun/07 jun/09 jun/11 30 jun/07 jun/09 jun/11 Fonte: Bloomberg/PMI Markit Survey. Elaboração: MB Associados. Nota: valores acima de 50 indicam expansão e abaixo contração.

7 Revisão nos Ratings soberanos de países selecionados Risco Itália. Por enquanto só ameaça de rebaixamento Fonte: BIS The impact of sovereign credit risk on bank funding conditions, July Nota: Average of Fitch, Moody s and Standard & Poor s foreign currency long-term sovereign ratings. 7

8 CDS: Credit Default Swap (em pontos base) Pontos Base 2400 Grécia Irlanda Itália Portugal Espanha /jan/11 11/mar/11 11/mai/11 11/jul/11 Fonte: Bloomberg. Elaboração: MB Associados. 8

9 Dívida pública países selecionados da Europa Dívida Pública (% do PIB) Dívida Pública (em bilhões de euros) Grécia 143 Grécia 329 Itália 119 Itália Bélgica 97 Bélgica 341 Irlanda 96 Irlanda 148 Portugal 93 Portugal 160 Espanha 60 Espanha 639 Fonte: Eurostat. Elaboração: MB Associados. 9

10 Europa: necessidades de financiamento (principal + juros) Bilhões de euros Soma das necessidades de recursos de Portugal, Espanha, Itália e Grécia Fonte: Bloomberg. Elaboração: MB Associados Evolução anual das necessidades de recursos de recursos por país Fonte: Bloomberg. Elaboração: MB Associados. Itália Grécia Espanha Portugal 10

11 Perspectivas para a China Mesmo com as preocupações de curto prazo, acreditamos que nos próximos 2 a 3 anos as perspectivas são ainda bastante positivas Elevação da inflação, impulsionada por pressões nos custos; Mercado de trabalho(salários); Mercado financeiro(taxa de juros e câmbio); Carga tributária Investimentos excessivos; Empréstimos bancários podres. Entretanto, no médio e longo prazo (5 a 10 anos) sugerimos cautela com o entusiasmo com a China

12 Economia americana: mudança no cenário O que prevíamos no Início de 2011 Recuperação robusta da economia americana (entre 3,5% e 4,0%) Mesmo com o crescimento fraco do mercado imobiliário e estados e municípios Consequências Ocorreu uma desaceleração mais forte do que o esperado no I/11, em função dos seguintes eventos: Rigoroso Inverno, problemas climáticos na primavera; O segundo trimestre também deverá sofrer uma desaceleração por conta: Terremoto no Japão; Aumento do preço da gasolina. Revisão no ritmo de crescimento da economia americana (entre 2,5% e 3,0%); Manutenção da política monetária. 12

13 Economia americana: mudança no cenário ao longo de ,5 Renda Disponível (var. em relação ao mesmo período do ano anterior -%) 0,5 0,6-1,5 set/08 jan/10 mai/11 4,2 Preço da Gasolina (Dólares/galão) 14 Vendas de veículos (milhões de unidades - dessaz. e anualizados ) 3,2 2,2 Fonte: EIA, BEA e Bloomberg. Elaboração: MB Associados. 3,57 04/07/10 04/07/ ,2 mai/07 mai/09 mai/11 13

14 EUA: criação de vagas de trabalho* (variação absoluta contra mês anterior mil pessoas) 600 Atual Expectativa Dado antes da revisão Junho Maio jun/06 jun/07 jun/08 jun/09 jun/10 jun/11 Fonte: BLS. Elaboração: MB Associados. * Dados dessazonalizados.

15 Principal implicação da revisão neste cenário O Fed manterá a politica monetária como está por mais tempo. Com isso, a atração de capitais pelos EUA provavelmente será menor do que projetávamos em 2011 e, consequentemente, a depreciação do Real será menor do que inicialmente projetado pela MB. Na visão da MB, a reversão na política monetária americana deverá acontecer agora mais para o final do primeiro semestre de 2012, quando esse movimento temporário no câmbio poderá ocorrer. Um stress mais forte nas negociações das dívidas Europeia pode provocar um movimento de fly to quality implicando em desvalorização do Real, mesmo com baixo crescimento nos EUA. 15

16 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Cenário Setorial: Automóveis 16

17 Inflação Queda na Inflação Nos meses de maio e junho os índices de inflação arrefeceram Principais Contribuições Agrícolas; Álcool. Cautela 1. Os preços agrícolas voltaram a subir; 2. Os núcleos e a difusão elevados, mostram que a demanda continua aquecida; 3. A desaceleração no credito, deve-se em parte às medidas macroprudenciais, mas acreditamos que resultam também da redução do poder de compra da população por conta da alta da inflação... 17

18 Nos últimos dois meses os índices de inflação arrefeceram... IPCA IPCA-15 0,9 1,0 0,5 0,15 0,4 0,23 0,0 jun/10 dez/10 jun/11 1,5 IGP-DI -0,2 jun/10 dez/10 jun/11 0,5-0,5 Fonte: IBGE e FGV. Elaboração: MB Associados. -0,13 jun/10 dez/10 jun/11 18

19 ...principais influências para esta queda Goiaba Cenoura Manga Batata-inglesa Laranja-pera Tangerina Peixe-dourada Álcool Coentro Peixe-espada Alface Feijão - fradinho IPCA (%) Junho/ ,1-16,3-11,4-11,4-11,4-10,8-9,0-8,8-7,9-7,6-6,9-6,9 Fonte: IBGE, FGV. Elaboração: MB Associados. IPA IPC IGP-DI (%) Junho/2011 Laranja Suínos Aves Café (grão) Bovinos -35,0-30,0-25,0-20,0-15,0-10,0-5,0 0,0 Cenoura Batata-Inglesa Laranja-pera Álcool Combustível Gasolina -16,2-12,6-4,9-3,9-2,2-50,0-40,0-30,0-20,0-10,0 0,0-30,7-18,7-16,6-7,4-3,4 19

20 Evolução do IPCA (crescimento acumulado em 12 meses -%) Crescimento acumulado em 12 meses -% IPCA Serviços Alimentação 14,0 10,0 6,0 8,9 8,7 6,7 2,0 jun/08 jun/09 jun/10 jun/11 Fonte: IBGE, Bacen. Elaboração: MB Associados. 20

21 Evolução do IPCA e do núcleo (Crescimento acumulado em 12 meses -%) Crescimento acumulado 12 meses-% 6,8 média dos núcleos novos IPCA 6,7 6,7 5,8 4,8 3,8 jun/08 jun/09 jun/10 jun/11 Fonte: Bacen. Elaboração: MB Associados

22 Projeção do rendimento médio real de empregados com carteira (em R$) 830 Rendimento real Projeção dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 Fonte: IBGE. Elaboração: MB Associados. Nota: Projeções elaboradas com base nas seguintes estimativas: crescimento mensal do rendimento médio nominal de 0,6% no período de junho a dezembro e inflação média de 0,37% no período de junho a dezembro de

23 IGP DI (Crescimento acumulado em 12 meses -%) INCC Materiais, Equipamentos e Serviços Mão-de-obra Variação do IGP-DI no mês: -0,13% 11,0 7,8 4,6 0 jun/07 jun/08 jun/09 jun/10 jun/11 Fonte: FGV. Elaboração: MB Associados. Nota: A partir de fev/09, a FGV mudou a abertura do INCC incorporando o sub-item equipamentos no anterior "materiais e serviços". 23

24 Projeções de inflação (%) IGP - M IGP - DI IPCA Mensal 12 meses mai/11 0,43 0,01 0,47 6,6 jun/11-0,18-0,13 0,15 6,7 jul/11 0,15 0,15 0,25 7,0 ago/11 0,30 0,35 0,24 7, ,3 11, F 6,3 6,1 5,9 6,5 Fontes: FIPE, FGV e IBGE. Projeções: MB Associados 07/07/

25 Principais pressões para o final de 2011 e início de 2012 Muitos dos itens que estão ajudando a conter a inflação neste momento deverão voltar a pressioná-la entre nov/11 e fev/12: Etanol; Carnes; Clima, que afetará a safra de grãos; Dissídios e salário mínimo; Petróleo? 25

26 Os preços do etanol deverão voltar a pressionar ÚNICA: Balanço Oferta de cana-deaçúcar Cana Açúcar Álcool total (mi de t) (mi de t) (bi de l) 2010/11 556,7 33,5 25,4 2011/12 568,5 34,6 25,5 Var (%) 2% 3% 1% Estimativa de crescimento da frota de automóveis flex fuel ,8 milhões Fonte: Anfavea e UNICA

27 Evolução do preço spot e futuro do Petróleo Brent (US$/barril) 130 atualizar ,8 118,3 117,7 117,6 117, /02/11 11/07/11 ago/11 set/11 out/11 jan/12 Fonte: Bloomberg. Elaboração: MB Associados. Nota: Valores referentes aos contratos firmados em 08/07/

28 Dissídios no 2º semestre e elevação no salário mínimo manterão inflação de serviços elevada... Dissídios 3 categorias importantes terão dissídios no 2º semestre: Metalúrgicos; Petroleiros; Bancários Salário Mínimo Considerando a regra de ajuste, devemos ter um aumento de 14% no salário mínimo, chegando a R$ 620 em

29 Caged: Salário nominal dos admitidos por setores (Crescimento acumulado em 12 meses -%) Evolução do salário total dos admitidos (cresc. acum. em 12 meses -%) Principais setores (cresc. acum. em 12 meses até ABRIL/11 -%) Indústria 12,0 10,5 10,1 Agricultura 10,6 9,0 Total 10,1 Serviço 9,3 7,5 Construção Civil 9,0 6,0 abr/07 abr/09 abr/11 Comércio Adm Pública 4,5 8,8 Fonte: Caged. Elaboração: MB Associados.

30 Conclusão Continuamos achando que é muito cedo para decretar vitória contra a inflação e que o melhor que as autoridades governamentais têm a fazer neste momento é continuar firme no seu combate, pois: Os núcleos de inflação deverão continuar pressionados; Ainflaçãocheiaficaráacimadameta. 30

31 IBC-BR: Índice de Atividade Econômica do Bacen 150 Índice (Base média 2002=100) Ajustado Sazonalmente 143, abr/08 abr/09 abr/10 abr/11 Var. Média móvel trimestral - % 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0 1,3 abr/07 abr/09 abr/11 Crescimento acumulando em 12 meses - % 8,0 4,0 0,0-4,0 5,7 abr/07 abr/09 abr/11 Fonte: Banco Central. Elaboração: MB Associados.

32 Revisão de crescimento do PIB para 2011 PIB a preços de mercado 7,5 4,2 Oferta Agropecuária 6,5 4,1 Indústria 10,1 3,9 Extrativa Mineral 15,7 3,0 Transformação 9,7 3,3 Construção Civil 11,6 6,1 Serviços 5,4 3,9 Demanda Consumo do Governo 3,3 2,2 Consumo das Famílias 7,0 5,4 Investimentos (FBCF) 21,8 7,6 Exportações 11,5 8,0 Importações 36,2 15,4 Fonte: IBGE. Elaboração e projeção: MB Associados. (03/06/11) P 1,6 Variação do tri contra o tri anterior (com ajuste sazonal) -% 0,4 0,8 1,3 1,1 1,5 0,9 II/10 IV/10 II/11 IV/11 32

33 Concessões reais de credito acumulada no mês (índice base dez/06=100: média móvel trimestral) Índice - média móvel trimestral Pessoa Jurídica Pessoa Física mai/08 mai/09 mai/10 mai/11 Fonte: Bacen. Elaboração: MB Associados. 33

34 Endividamento das famílias e nível de comprometimento da renda em % do total da renda Endividamento das famílias e nível de comprometimento da renda (em % do total da renda) Endividamento das famílias (% do total da renda) Endividamento Comprometimento 41,6 Reino Unido Canadá ,0 Japão França EUA Alemanha mar/07 mar/09 mar/11 Itália Brasil

35 Cenário base Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a.os países do G7 devem crescer por volta de 2% ao ano, a China em torno de 8,0% a.a e o Brasil por volta de 4,5% a.a; Alavancas do crescimento 1. Continuidade do aumento do consumo das classes C; Redução do efeito positivo de algumas forças que ajudaram o crescimento entre 2006 e 2010; 2. Crescimento das exportações da cadeia de recursos naturais; 3. Crescimento dos investimentos privados (inclusive a Petrobras, Copa do Mundo e Olimpíadas); Fatores limitantes do crescimento 1. Desequilíbrios macroeconômicos crescentes; 2. Redução da competividade 1. Aumento do chamado custo Brasil combinado a uma forte valorização do Real; 2. Redução da eficiência do setor público; 3. Ausência de reformas e avanços institucionais: exemplo da Previdência, piora na qualidade dos indicadores fiscais (contabilidade criativa), manutenção de inúmeras formas de indexação, etc. 35

36 Crescimento da massa salarial total* pela posição das famílias em classes de renda (preços de 2009) Participação da massa salarial por classe 50% 40% 30% 20% 10% Massa real total* (Bilhões de R$) Forecast Projeção % 20.4% 20.1% 15.0% 80% 60% 40% 20% Fonte: IBGE (PNAD). Elaboração: MB Associados. (*) Massa real total= Massa real por família e classe multiplicado pelo número de famílias por classe. 0 Forecast Projeção F 0% Massa real familiar salarial por mês Classe A: acima de R$ Classe B: de R$ 2,327 a R$ 9,300 Classe C: de R$ 1,395 a R$ 4,650 Classe DE: abaixo de R$ 1395 Participação do número de domicílios por classe Forecast Projeção % 44.1% 6.8% 3.1%

37 Taxa de investimento (% PIB) 25% é a taxa de investimento parasustentar crescimento de 5% sem pressão inflacionária que leve a aumento de juros , Fonte: IBGE. Elaboração e projeção: MB Associados. 37

38 Cenário base Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a.os países do G7 devem crescer por volta de 2% ao ano, a China em torno de 8,0% a.a e o Brasil por volta de 4,5% a.a; Alavancas do crescimento 1. Continuidade do aumento do consumo das classes C; Redução do efeito positivo de algumas forças que ajudaram o crescimento entre 2006 e 2010; 2. Crescimento das exportações da cadeia de recursos naturais; 3. Crescimento dos investimentos privados (inclusive a Petrobras, Copa do Mundo e Olimpíadas); Fatores limitantes do crescimento 1. Desequilíbrios macroeconômicos crescentes; 2. Redução da competividade 1. Aumento do chamado custo Brasil combinado a uma forte valorização do Real; 2. Redução da eficiência do setor público; 3. Ausência de reformas e avanços institucionais: exemplo da Previdência, piora na qualidade dos indicadores fiscais (contabilidade criativa), manutenção de inúmeras formas de indexação, etc. 38

39 Ranking de Competitividade º Hong Kong 2º 1º EUA 3º 3º Cingapura 1º 4º Suécia 6º 5º Suíça 4º 6º Taiwan 8º 7º Canadá 7º 8º Catar 15º 9º Austrália 5º 10º Alemanha 16º 11º Luxemburgo 11º 12º Dinamarca 13º 13º Noruega 9º 14º Holanda 12º 15º Finlândia 19º 16º Malásia 10º 17º Israel 17º 18º Áustria 14º 19º China 18º 20º Reino Unido 22º Fonte: World Competitiviness Yearbook. Elaboração: MB Associados.* Não estava na lista em º N. Zelândia 20º 22º Coréia 23º 23º Bélgica 25º 24º Irlanda 21º 25º Chile 28º 26º Japão 27º 27º Tailândia 26º 28º Emir. Árabes * 29º França 24º 30º Rep. Tcheca 29º 31º Islândia 30º 32º Índia 31º 33º Estônia 34º 34º Polônia 32º 35º Espanha 36º 36º Casaquistão 33 37º Indonésia 35º 38º México 47º 39º Turquia 48º 40º Portugal 37º 39

40 Ranking de Competitividade º Filipinas 39º 42º Itália 40º 43º Peru 41º 44º Brasil 38º 45º Lituânia 43º 46º Colômbia 45º 47º Hungria 42º 48º Rep. Eslovaca 49º 49º Rússia 51º 50º Romênia 54º 51º Eslovênia 52º 52º África do Sul 44º 53º Jordânia 50º 54º Argentina 55º 55º Bulgária 53º 56º Grécia 46º 57º Ucrânia 57º 58º Croácia 56º 59º Venezuela 58º Brasil passou para o 44º lugar em 2011 ante 38º no ano passado. A queda no ranking reflete o aumento do custo de vida das famílias e a queda na produtividade (piora na eficiência econômica). Fonte: World Competitiviness Yearbook. Elaboração: MB Associados.* Não estava na lista em

41 Deterioração da competitividade nos últimos anos Número de horas em que o consumidor ficou sem energia Custo da energia US$ por megawatt/hora (MWh) Fonte: Valor. Elaboração: MB Associados. Brasil Média Mundial Fonte: Commodities Research Union. Elaboração: MB Associados. 41

42 Principais ameaças do Congresso Eventuais mudanças na LRF(indexador das dívidas estaduais); PEC dos policiais; PEC da saúde; Obras da Copa e das Olimpíadas (estádios, aeroportos e outras obras de infraestrutura); Questões Federativas: Royalties do petróleo, Fundo de Participação dos Estados, reforma do ICMS; 42

43 Resumo das Projeções de Curto Prazo PIB (a preços de mercado) - % 7,5 4,2 4,0 Taxa de Desemprego (médio) - % 6,7 5,8 6,3 Massa Real de Rendimentos (PME) - % 7,3 5,1 5,3 Crédito total - % do PIB 46,4 50,8 52,5 Balança Comercial - US$ bi 20,3 17,4 9,7 Transações Correntes - US$ bi -47,6-60,9-69,3 Câmbio (final de período) - R$ / US$ 1,66 1,70 1,60 SELIC (final de período) - % aa 10,75 12,75 12,75 IPCA - % 5,9 6,5 5,3 IGP-M -% 11,3 6,3 5,0 Dívida Pública Bruta -% do PIB 54,7 56,6 57,3 Fonte: FGV, IBGE e Banco Central Projeções: MB Associados. 43

44 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Cenário Setorial: Automóveis 44

45 Pressões salariais na China irão alterar a posição das grandes montadoras em relação a sua produção local Fonte: Publicações Diversas. Elaboração: MB Associados Acirramento da concorrência internacional com o crescimento e a melhorada qualidade dos carros chineses que estão em busca da internacionalização. A Mudançada VW em termos mundiais com a associação com a Suzuki trouxe a montadora para o primeiro lugar do ranking mundial. Toyota dispõe de grande força financeira,de ativos e de uma grande presença no mercado Norte Americano. O terremoto do Japão irá alterar sua posição relativa em 2011 e Honda, Renault/Nissan. Grupo PSA Peugeot Citröen, Hyundai seguem mantendo sua participação no mercado aparecendo como vitoriosos no ranking. Fiat tem como grande desafio a penetração no mercado Norte Americano. Nesse sentido notificou o Tesouro Americano de sua intenção em exercer sua opção de compra de 6% da Chrysler atingindo 57% da empresa até o final de 2011.A empresa segue na briga pelo primeiro lugar no Brasil (com a VW). A GM recomprou 84 milhões de açõesdo Tesouro Americano no final de Após esta compra o Tesouro Americano ainda detém 33% do capital da GM (500 milhões de ações). O seu desafio é atualização em parte de seu portfólio de produtos. Ford surpreendeu positivamentecom uma reestruturação mais rápida que as demais concorrentes Norte Americanas anunciando a contratação de 7 mil pessoas no país nos próximos 45 dois anos. A empresa tem lançado produtos diferenciados.

46 Necessidade de mudanças tecnológicas para a adaptaçãodos veículos novos às exigências ambientalistas, principalmente nos carros híbridos que se utilizam de energia elétrica. Isto irá envolver um foco maior no desenvolvimento de novos produtos envolvendo toda a cadeia produtiva e não apenas as montadoras. Aquela que conseguir desenvolver esta tecnologia de maneira mais rápida para os vários portfólios, ganhando os consumidores, sairá mais forte. Além das mudançastecnológicas existe a busca de novo portfólio de modelos e padrões (Detroit 2010). Os americanos não gostaram dos modelos compactos apresentados e seguem buscando carros maiores. Inserção globalem escala competitiva. A busca de fusões e aquisições será uma meta a ser perseguida. Nesse sentido é esperado uma consolidação do setor. 46

47 A inserção da China no mercado mundialé outro desafio a ser vencido. A expectativa é de que o mercado interno daquele país seja de 25 milhões de automóveis em Nenhuma região do mundo terá este volume. O objetivo do Governo Chinês agora é consolidar a indústria chinesa e colocar pelo menos uma marca entre as 5 maiores do mundo, o que não significa uma das 5 melhores. O país ainda enfrenta problemas de qualidade, segurança, falta de acesso à tecnologia de ponta e o inevitável aumento do custo de mão de obra. (Vide Anexo) O Brasil perde nesteitem. Nossa competitividade é cada vez menor e, segundo o setor, a alíquota de importação de 35% perdeu o efeito em função da valorização do Real. Outra discussão presente no Brasil em relação ao mercado internacional é se nósvamos avançar tecnologicamente ou vamos seguir fabricando modelos antigos (tecnologia), visto que não existe nenhuma montadora de capital nacional. 47

48 As chinesas irão de fato se internacionalizar? A Geely atualmente na 15ª posição deve chegar em 2015 em 10º lugar, a Tata Motors, atualmente na 1ª posição deve chegar em 2015 em 11º lugar e a Chery Auto que está em 17º lugar vai chegar ao VW - Suzuki Toyota GM Group Renault-Nissan Hyundai Ford Group Fiat Honda Group PSA Group BMW Daimler Group Mazda Mitsubishi Group Chang'an Group Geely Fonte: PWC Automotive Elaboração: MB Associados 48

49 Condicionantes do Mercado Brasileiro de autos e comerciais leves 49

50 63,0 60,3 56,9 56,6 53,6 50,8 48,2 158,8 Quantidade de salários mínimos necessários para comprar um carro básico no Brasil 136,4 123,3 103,8 108,9 97,4 84,3 79,0 76, Fonte: MTE e DIEESE/PROCON. Elaboração e Projeção: MB Associados. 50

51 Crescimento da renda real em % Average Média do real crescimento growth real : = 6.1% 6, Source: IBGE, MB Associados. Prepared by MB Associados. 51

52 Crescimento da massa real de renda em %, por região Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Fonte: IBGE (PNAD). Elaboração: MB Associados. 52

53 40,5 44,4 46,7 50,8 52,5 58,5 Crédito (% do PIB 63,4 67,5 28,1 30,7 33, p 2013 p 2015 p Source: Banco Central. Prepared by: MB Associados. 53

54 Número de famílias e salário médio das pessoas que possuem e não possuem carro average income (R$ ) households (thousands) with car Source: PNAD. Prepared by MB Associados without car 54

55 Prazo dos financiamentos para veículos (meses) Meses Máxima Média jun/09 dez/09 jun/10 dez/10 jun/11 Fonte: ANEFAC. Elaboração: MB Associados.

56 Dados Industria Automotiva no Brasil 56

57 Industria automobilística Fonte: ANFAVEA. Elaboração: MB Associados Empresas: Fabricantes: 25 Autopeças: 500 Concessionários: Capacidade Produtiva: Atual: 4,3 milhões de unidades (para uma produção prevista de 3,68 milhões de unidades). 2012: 5 milhões. Plantas: Unidades Industriais: 50 Estados: 8 Municípios: 36 Capacidade Instalada: 4,3 milhões de veículos Posição Mundial: Produção: 6º Comercialização: 5º Geração de Emprego: 1,5 milhão de pessoas Participação no PIB: Industrial: 23,0% Total: 5,0% 57

58 Manaus: Mahindra/Bramont Pólo Duas Rodas Betim: Fiat Automóveis Contagem: Case Máquinas para construção New Holland agrícola Sete Lagoas: Iveco Juiz de Fora: Mercedes Benz Camaçari: Ford Horizonte: Troller(Ford) São José dos Pinhais: Volkswagen Nissan Renault Curitiba: IH Catalão: John Deere Mitsubishi Anápolis: Hyundai Caoa Porto Real: PSA Peugeot Citröen Resende MAN Fonte: ANFAVEA. Elaboração: MB Associados 58

59 Ônibus No segmento de autos, o crescimento da produção tem vindoabaixo do consumo em função das importações em especial da Argentina e México Automóveis Comerciais Leves Caminhões Fonte: ANFAVEA. Elaboração: MB Associados 59

60 O mercado automotivono Brasil vem crescendo fortemente nos últimos anos, acumulando entre 2006 e 2010 evolução de 94,2%. Somente em 2009 o setor não apresentou crescimento. Em 2011 este crescimento vai desacelerar. No segmento de auto e comerciais leves o aumento das vendas diretas (31% até maio) vem preocupando os concessionários. Automóveis Comerciais Leves Caminhões Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados Fonte: ANFAVEA. Elaboração: MB Associados

61 O segmento de motocicletas não conseguiu recuperar o nível précrise, o que deve ocorrer neste ano. O principal motivo para este comportamento foi a ausência de crédito. Os compradores de moto não têm disponibilidade nem para a entrada. Outro setor que ainda não se recuperou totalmente foi o de implementos. A crise agrícola de 2006 derreteu o mercado que mesmo com a ampliação de vendas em outros segmentos não se recuperou totalmente. Motos Implementos Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados Fonte: ANFAVEA. Elaboração: MB Associados 61

62 Comportamentodo mercado nos vários segmentos em 2011, até junho. Em mil unidades Autos 874, , , , ,9 Comerciais leves 153,0 228,6 242,8 306,8 364,2 Caminhões 44,2 57,7 46,1 70,8 82,8 Ônibus 9,1 11,6 10,0 13,2 16,4 Motos 1.080,7 951,2 765,7 831,2 918,2 Implementos rodoviários 36,2 25,2 18,7 26,6 28,8 Total % 7,2 18,7 17,0 24,2 10,5 8,3 10,4 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados 62

63 Vendas de automóveis e comerciais leves em 2011, até junho. Em mil unidades Montadora Jan/jun 2011 Jan/jun2010 Variação no ano Participação Mercado Fiat 289,3 275,8 4,9 23,5 VW 284,8 271,6 4,9 23,1 GM 255,1 253,7 0,5 20,7 Ford 120,6 119,9 0,5 9,8 Renault 75,7 61,2 23,7 6,2 Honda 43,9 51,1-14,0 3,6 Hyundai 30,2 20,5 47,7 2,5 Toyota 24,8 26,6-6,7 2,0 Citroen 45,2 35,4 27,5 3,7 Peugeot 37,6 37,3 0,8 3,0 Fonte: ANFAVEA. Elaboração: MB Associados 63

64 Mercado de Locadoras Frota das Locadoras, dezembro de 2010 Frota total = Maior parte da frota das locadoras é composta por modelos populares, com motorização 1.0. A média de reposição de cada carro é feita a cada 16 meses, o que representa aproximadamente 10% do mercado de automóveis. Nas estatísticas não aparecem os números das locadoras informais. Revenda via Leasing. Fonte: ABLA. Elaboração : MB Associados Frota das Locadoras, Sudeste Nordeste Sul Centro Oeste Norte 64

65 Mercado de Locadoras Faturamento, em R$ bilhões A idade médiada frota dos automóveis para locação em 2010 foi de 15 meses. Ototal do mercado das locadoras representou 9,4% dos automóveis comercializados no Brasil. As montadoras VW, Fiat e GM praticamente monopolizam este mercado com detendo no conjunto 82,0% do mercado das locadoras. Fonte: ABLA. Elaboração : MB Associados 65

66 Modalidade nas vendas de autos e comerciais leves (%) Modalidade nas vendas caminhões e ônibus (%) Fonte: ANEF. Elaboração: MB Associados 66

67 Modalidade nas vendas motos (%) Saldos Totais das Carteiras R$ bilhões Fonte: ANEF. Elaboração: MB Associados 67

68 Exportações e importações de veículos (Soma dos últimos 12 meses em unidades) Soma dos últimos 12 meses-em milhares Exportação Importação jun/08 jun/09 jun/10 jun/11 Fonte: Anfavea. Elaboração: MB Associados. 68

69 Mercado de importados Entre janeiro emaio foram comercializados no Brasil mil autos e comerciais leves. Deste total foram importados 318 mil unidades (23,5%). Montadoras respondem por 77,6% das importações e o restante são importações diretas. Como as montadoras trazem os seus carros onde o Brasil tem acordo Bi lateral (particularmente Argentina e México), não pagam 35% do imposto de importação. As importações diretas cresceram até maio 109,9% quando comparado com igual período do ano passado e totalizaram 71,2 mil carros. A expectativa é de importações encerrem o ano com um volume de 185 mil carros. Fonte: Abeiva Elaboração: MB Associados 69

70 Invasão dos chineses: vendas se aceleram fortemente em 2011 Países de Origem das 33 montadoras exportam para o Brasil (primeiro trimestre de 2011). Mercado de importados Destaque para a JAC Motors que já passou para segundo lugar entre as importadoras no mês de abril, ficando atrás apenas da Kia, que é a líder do segmento. Vendas abril: Kia = unidades JAC = unidades Vendas maio: Kia = unidades JAC = unidades Segmento Abeiva: Concessionárias = 771 Marcas Associadas: 30 Geração de emprego (abr/2011) = 27 mil Fonte: Abeiva Elaboração: MB Associados 70

71 Origem dos importados por país de Origem, 2010 em unidades mil e participação no total Argentina: 352,0 = 53,5% Japão: 16,0 = 2,4% Coréia do Sul: 114,1 = 21,9% França: 5,6 = 0,9% México: 70,7 = 10,8% Inglaterra: 5,3 = 0,8% Alemanha: 34,4 = 5,2% Estados Unidos: 3,5 = 0,5% China: 14,6 = 2,2% Uruguai: 2,7 = 0,4% Fonte: Fenabrave Elaboração: MB Associados Outros: 8,7 = 1,3% 71

72 Origem dos importados por país de Origem, até maio de 2011 em unidades mil e participação no total Argentina: 149,1 = 46,7% Japão: 11,9 = 3,7 Coréia do Sul: 67,9 = 21,3% França: 3,9 = 1,2% México: 36,3 = 11,4% Inglaterra: 3,8 = 1,2% Alemanha: 18,9 = 5,9 % Estados Unidos: 2,3 = 0,8% China: 17,9 = 5,6% Uruguai: 2,3 = 0,7% Fonte: Fenabrave Elaboração: MB Associados Outros: 4,4 = 1,4% 72

73 Importações brasileiras 2006 e Obs: ANFAVEA refere-se às importações das montadoras locais do México e da Argentina em especial 2006 = 91,5% 2010 = 83,6% 73

74 TOP 20 Importados: Autos e Comerciais Leves Acumulado até maio de 2011 Marca Volume (mil) Participação GM 38,9 12,2 Hyundai 34,4 10,8 Kia 33,3 10,4 Fiat 32,3 10,1 Ford 29,7 9,3 VW 20,0 6,3 Reanult 18,5 5,8 Toyota 17,8 5,6 Peugeot 14,7 4,6 Citroen 10,9 3,4 Marca Volume (mil) Participação Nissan 10,6 3,3 Mitsubishi 6,9 2,2 Hafei(Towner) 6,4 2,0 Honda 6,1 1,9 JAC 5,6 1,8 Chery 5,0 1,6 M. Benz 5,0 1,6 BMW 4,2 1,3 Land Rover 2,6 0,8 Suzuki 2,6 0,8 Fonte: Fenabrave Elaboração: MB Associados Outros: 13,7 = 4,3% 74

75 Mercadoautomotivo crescente nos últimos anos e com expectativas positivas em Taxa de crescimento desacelera. Segmentos com comportamentosdiferenciados em termos de velocidade mas basicamente todos na mesma direção. Autos e comerciais leves renda, crédito e prazo. Motos renda e crédito para 100% do financiamento. Caminhões crescimento econômico: agricultura, investimentos em infra estrutura, logística, aumento de importações e exportações, etc. Muita dependência de financiamento do BNDES Ônibus: depende de decisão de Governos (basicamente Prefeituras) e um pouco dos investimentos das empresas rodoviárias. Implementos: idem a caminhões A introdução do Euro5 em 2012 deve antecipar em 20% a aquisição de caminhões em

76 Crescimento da Frota de automóveis e comerciais leves por Região x Brasil, em % Dados de 2011 até abril Mesmo com crescimento superior, as Regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste somadas representam apenas 30% da frota nacional. Em 2004 totalizavam 25%. Região Crescimento da Frota a 2011 Automoveis Comerciais Norte Nordeste Sudeste Sul Centro Oeste Brasil Fonte: DENATRAN Elaboração: MB Associados 76

77 crescimento acumulado - 12 meses (%) Venda Regional de Automóveis (Crescimento acumulado em 12 meses -%) Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul jun/05 jun/07 jun/09 jun/11 26,5 25,2 18,7 16,4 12,3 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados. 77

78 crescimento acumulado - 12 meses (%) 70 Venda Regional de Comerciais Leves (Crescimento acumulado em 12 meses -%) Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul ,5 25,2 23,2 18,7 16,4-10 jun/05 jun/07 jun/09 jun/11 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados. 78

79 crescimento acumulado - 12 meses (%) 60 Venda Regional de Motos (Crescimento acumulado em 12 meses -%) Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul ,9 13,4 12,0 12,0 4,9-40 jun/05 jun/07 jun/09 jun/11 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados. 79

80 crescimento acumulado - 12 meses (%) 60 Venda Regional de Caminhões (Crescimento acumulado em 12 meses -%) Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul ,8 27,1 23,2 22,8 17, jun/05 jun/07 jun/09 jun/11 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados.

81 Venda Regional de Ônibus (Crescimento acumulado em 12 meses -%) crescimento acumulado - 12 meses (%) ,8 32,2 22,0 18,9 8,6-90 Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul jun/05 jun/07 jun/09 jun/11 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados. 81

82 Venda regional de implementos rodoviários (crescimento acumulado em 12 meses -%) crescimento acumulado - 12 meses (%) 60,0 Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul 40,0 20,0 0,0-20,0-40,0-13,5-17,1-28,6-34,0-36,0-60,0 jun/05 jun/07 jun/09 jun/11 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados.

83 Venda de automóveis e comercias leves por estados do Centro-Oeste (crescimento acumulado em 12 meses) 83

84 Venda de caminhões por estados do Centro-Oeste (crescimento acumulado em 12 meses) 84

85 Venda de motos por estados do Centro-Oeste (crescimento acumulado em 12 meses) 85

86 Venda de ônibus por estados do Centro-Oeste (crescimento acumulado em 12 meses) 86

87 Venda de implementos rodoviários por estados do Centro-Oeste (crescimento acumulado em 12 meses) 87

88 Venda de automóveis (crescimento em %) Total Auto e comerciais leves Caminhões 12,4 8,6 10,6 5,9 17,7 44, Ônibus 11,4 25, P Motos 12,1 12,1 Implementos 18,9 35,1 Fonte: Fenabrave. Elaboração: MB Associados. 88

89 A N E X O Mercado Chinês 89

90 Montadoras Chinesas Grandes estatais chinesas em associação com os parceiros internacionais detinham 86% do mercado em Entre elas: First Automiblie Works (FAW). Shangai Industrial Company(SAIC). Changan(Chana) Dongfeng Beijing AutomotiveIndustrial Company(BAIC). Estas empresas vendem seus carros com as marcas dos parceiros internacionais. Fonte: Conselho Empresarial Brasil China Elaboração: MB Associados Outro conjunto de empresas são consideradas independentes (ambos os grupos estatais) em relação a tecnologia e projeto de produto. Entre elas: Cherye JAC Negociam produtos com suas próprias marcas, possuem liberdade para buscar mercados no exterior 90

91 Participação de Mercado por marca (mil unidades) Colocação Montadora Vendas 2010 Vendas 2009 Crescimento % mercado 1 Shangai GM 1.038,9 708,0 46,7 9,4 2 Shangai VW 1.001,0 728,0 37,5 9,1 3 FAW VW 870,0 670,0 29,9 7,9 4 Beijing Hyundai 703,0 570,0 23,3 6,4 5 Dongfeng Nissan 661,0 519,0 27,4 6,0 6 Chery 618,0 500,0 23,6 5,6 7 BYD 520,0 448,0 16,1 4,4 8 FAW Toyota 506,0 417,0 21,3 4,6 9 Great Wall 397,3 225,0 76,6 3,6 10 Changan Ford 411,0 316,0 30,1 3,7 Independen. (Chery, BYD,etc) 1.535, ,0 30,9 14,0 Fonte: Conselho Empresarial Brasil China Elaboração: MB Associados 91

92 Principais Clusters de Produção de Automóveis na China Fonte: Conselho Empresarial Brasil China Elaboração: MB Associados 92

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS 74% Automóveis 10% exportação 90% mercado interno 18% importação COMPLEXO AUTOMOTIVO 21% Comerciais

Leia mais

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 Cenário Internacional: importante piora nas últimas semanas Zona do Euro

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico MB ASSOCIADOS Cenário Macroeconômico ABRAFATI 25 de Agosto de 2011 1 Existem hoje três questões chaves a responder 1. Teremos ou não um segunda recessão global? 2. Os preços de commodities em reais reduzirão

Leia mais

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive E a capacidade produtiva instalada? O Brasil enfrenta novamente o desafio

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil Stephan Keese, Sócio São Paulo, 22 de agosto de 2011 1 O Brasil Brasil oferece oferece forte forte perspectiva perspectiva de de crescimento

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência Henrique de Campos Meirelles Março de 2009 1 Panorama Internacional 2 2000 = 100 EUA: Índice de Preço das Residências 220 Entre 2000 a Jun/06, valor

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica Semanal

Conjuntura Macroeconômica Semanal Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal 27 de fevereiro de 2015 Dados de preço e quantum de exportações e importações

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

BBDTVM - Fundos de Investimentos

BBDTVM - Fundos de Investimentos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Fundos de Investimentos ECONOMIA INTERNACIONAL Atividade Global Contexto corrente não persistirá: Concomitante desaceleração EUA e China Índice de S urpresas Macroeconômicas

Leia mais

Associações de Marca filiadas à Fenabrave

Associações de Marca filiadas à Fenabrave Associações de Marca filiadas à Fenabrave AUTOS E COMERCIAIS LEVES ABBM Assoc. Bras. dos Concessionários BMW ABCN Assoc. Bras. dos Concessionários Nissan ABRAC Assoc. Bras. dos Concessionários Chevrolet

Leia mais

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011 Engº Fernando Iervolino Fontes de Informação: ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores http://www.anfavea.com.br/

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia?

Brasil: Potência ou Colônia? Brasil: Potência ou Colônia? Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006-07

Cenário Macroeconômico 2006-07 Cenário Macroeconômico 2006-07 Prof. Luciano Coutinho VIII Seminário Econômico Fundação CEEE Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 Cenários Alternativos Cenário Básico (70%) Moderada desaceleração global:

Leia mais

Panorama Econômico Agosto de 2015

Panorama Econômico Agosto de 2015 1 Panorama Econômico Agosto de 2015 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

As diretrizes de consumo no Brasil

As diretrizes de consumo no Brasil As diretrizes de consumo no Brasil A visão do consumidor Luiz Goes A GS&MD Gouvêa de Souza Consultoria Empresarial Canais de distribuição / Centrais e redes de negócios/ Controladoria e finanças / Crédito

Leia mais

12 de setembro de 2014

12 de setembro de 2014 Capacidade de promover mudanças Para o rating brasileiro a recuperação econômica conduzida por investimento e o rígido cumprimento das metas de superávit primário entre 2% e 3% são essenciais. Por outro

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais