Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja"

Transcrição

1 Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011.

2 TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010 MAI/2011 JUL/2011 Publicação de anúncio informativo nos principais jornais do País com diversos dados de mercado O mais completo estudo sobre a cadeia citrícola brasileira, publicado em out/10 durante evento em São Paulo, organizado pelo jornal Valor Econômico Uma série de eventos nas principais cidades citrícolas para discutir o estudo e o Consecitrus com produtores Primeira estimativa de safra anunciada em maio de 2011 juntamente com os níveis de estoque Atualização dos níveis de estoque anunciada em julho de 2011 AGO-SET/2011 Atualização do pacote de dados de consumo e do estudo O Retrato da Citricultura Brasileira em inglês SET/ Publicação de um novo anúncio informativo nos principais jornais do País com diversos dados Portal de dados e notícias CitrusBR + publicação do Brazilian Citrus Reference Book

3 MERCADO MUNDIAL DE BEBIDAS 35% Consumo Mundial de Bebidas em 2010 (estimativa) Cerveja 10,8% Café Quente 9,5% Vinho 1,7% TOTAL Bilhões de litros Chá Quente 20,9% Leite Aromatizado 0,9% 29% Sucos & Néctares 2,4% Refrescos 2,4% Bebidas Carbonatadas 12,3% Bebidas à Base de Leite 3,9% Outros 7,2% Leite Branco 12,7% Água 15,3% Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Euromonitor e Tetra Pak O suco de laranja representa 1,5% do consumo total de bebidas (0,7% na categoria de refrescos e 0,8% na de sucos & néctares)

4 MERCADO MUNDIAL DE BEBIDAS CONSUMO MUNDIAL DE BEBIDAS em bilhões de litros TOTAL E Bilhões de litros E 2010 Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Euromonitor e Tetra Pak Leite Branco Leite Aromatizado Sucos & Néctares Refrescos Bebidas Carbonatadas Água Cerveja Vinho Chá Quente Café Quente Outros Bebidas à Base de Leite

5 MERCADO MUNDIAL DE BEBIDAS CONSUMO MUNDIAL DE BEBIDAS POR CATEGORIA E 2010 em bilhões de litros Bebidas à Base de Leite Outros Café Quente Chá Quente Vinho Cerveja Água Bebidas Carbonatadas Refrescos Sucos & Néctares Leite Aromatizado Leite Branco Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Euromonitor e Tetra Pak

6 CONSUMO MUNDIAL DE SUCO DE LARANJA Análise dos 40 principais mercados consumidores CONSUMO MUNDIAL DE SUCO DE LARANJA em milhões de litros TOTAL E milhões de litros Refrescos Néctares Suco 100% E2010 Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Euromonitor e Tetra Pak

7 CONSUMO MUNDIAL DE SUCO DE LARANJA Análise dos 40 principais mercados consumidores Valores em US$ = 2010 / Renda disponível per capita SUCO 100% NÉCTARES REFRESCOS AUSTRÁLIA $ CHILE $ ARGENTINA $9.067 ÁUSTRIA $ ITÁLIA $ BRASIL $ BÉLGICA $ RÚSSIA $ CHINA $4.443 CANADÁ $ ÁFRICA DO SUL $7.288 COLÔMBIA $6.202 DINAMARCA $ UCRÂNIA $3.012 FINLÂNDIA $ FRANÇA $ ÍNDIA $1.359 ALEMANHA $ INDONÉSIA $3.040 GRÉCIA $ ISRAEL $ IRLANDA $ MÉXICO $9.543 JAPÃO $ MARROCOS $2.848 HOLANDA $ FILIPINAS $2.009 NOVA ZELÂNDIA $ POLÔNIA $ NORUEGA $ ROMÊNIA $7.564 COREIA DO SUL $ ARÁBIA SAUDITA $ ESPANHA $ TAIWAN $ SUÉCIA $ TURQUIA $ SUÍÇA $ REINO UNIDO $ EUA $ Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Euromonitor e Tetra Pak

8 CONSUMO MUNDIAL DE SUCO DE LARANJA RESUMO DO CONSUMO DE SUCO DE LARANJA NOS 20 PRINCIPAIS MERCADOS MUNDIAIS* a 2010 Mil Tons de FCOJ Equiv. 66 Brix Variação RANK PAÍSES SELECIONADOS ,9% 1 ESTADOS UNIDOS ,3% 2 ALEMANHA ,8% 3 FRANÇA ,9% 4 REINO UNIDO ,5% 5 CANADÁ ,3% 6 CHINA ,0% 7 RÚSSIA ,8% 8 JAPÃO ,0% 9 ESPANHA ,9% 10 BRASIL ,3% 11 POLÔNIA ,4% 12 AUSTRÁLIA ,5% 13 COREIA DO SUL ,7% 14 HOLANDA ,2% 15 MÉXICO ,7% 16 ITALIA ,2% 17 ÁFRICA DO SUL ,8% 18 ARÁBIA SAUDITA ,9% 19 SUÉCIA ,6% 20 BÉLGICA ,6% * Inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas e vendido congelado no varejo Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Euromonitor e Tetra Pak Entre 2003 e 2010, 156 mil toneladas de suco de laranja em FCOJ equivalente deixaram de ser consumidas nos 20 principais mercados consumidores.

9 CONSUMO POR REGIÃO EVOLUÇÃODO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA NOS 40 PRINCIPAIS MERCADOS, PORREGIÃO (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) ÁFRICA OCEANIA Aumento de 40,3%% Aumento de 5,6%% TOTAL -5,2% Quedade 127 mil tons AMÉRICA LATINA ÁSIA Aumento de 22,9% Aumento de 15,5% EUROPA AMERICA DO NORTE Quedade 1,1% Quedade 16,6% Inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo 1 Incluindo países do Oriente Médio: Arábia Saudita e Israel Fonte: Markestrat a partir de dados da Tetra Pak e Euromonitor

10 PAÍSES CONSOLIDADOS vs. EMERGENTES EVOLUÇÃODO CONSUMO DE SUCO DE LARANJA NOS 4 PRINCIPAIS MERCADOS em mil toneladas de FCOJ equivalente 66 Brix EVOLUÇÃODO CONSUMO DE SUCO DE LARANJA NOS BRICs + MÉXICO em mil toneladas de FCOJ equivalente 66 Brix REINO UNIDO FRANÇA ALEMANHA Quedade 2,5% Aumento de 14,9% Quedade 22,8% Quedade 19,3% ÍNDIA MÉXICO BRASIL RÚSSIA Quedade 1,0% Aumento de 4,1% Aumento de 0,2% Aumento de 63,6% ESTADOS UNIDOS CHINA Aumento de 99,0% Inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo Fonte: Markestrat a partir de dados da Tetra Pak e Euromonitor Nos 4 principais mercados consumidores de suco de laranja, o consumo caiu 15% mil toneladas a menos. No grupo dos BRICs +México, o consumo cresceu 41%, porém esse volume adicional em FCOJ equivalente significou apenas 78 mil toneladas.

11 ESTADOS UNIDOS EVOLUÇÃODO CONSUMO DEBEBIDAS SABOR LARANJA -ESTADOS UNIDOS (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR (11% A 99%) 1 SUCO (100%) Percentagem de suco na bebida Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 55% 55% 0% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Mix de frutas Mix de frutas % Participação do sabor laranja - 25% - (% e milhões de litros) Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % 27% 23% -15% Participação do sabor laranja (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

12 MERCADO AMERICANO CONSUMO E EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE SUCO DE LARANJA ESTADOS UNIDOS (em mil toneladas de FCOJ Equivalente 66 BRIX) Volume exportado (mil toneladas) FCOJ Equivalente CONSUMO * * Até Julho/2011 Fonte: Aliceweb/MDIC e Markestrat a partir de Tetra Pak e Euromonitor Dados de consumo incluem suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo Consumo (mil toneladas) PARTICIPAÇÃO DO SUCO DE LARANJA BRASILEIRO NAS IMPORTAÇÕES DOS ESTADOS UNIDOS Safra 2002/ / / / / / / /10 Part. 78% 70% 65% 67% 65% 61% 54% 56%

13 MERCADO AMERICANO VARIAÇÃO ENTRE PREÇO E CONSUMO DE SUCO DE LARANJA NOS ESTADOS UNIDOS CONSUMO ESTIMADO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX $1,25 $1,22 $1,23 $1,26 $1,30 $1,26 $1,37 $1,44 $1,43 $1,39 $1,37 $1,35 $0,90 $0,90 $0,91 $0,96 $1,00 $0,99 $1,11 $1,15 $1,17 $1,17 $1,18 $1,17 $1,19 $1,41 $1,45 $1,26 $0,85 $0,84 $0,83 $0,89 $0,93 $0,91 $1,01 $1,03 $1,04 $1,03 $1,03 $0,99 $0,99 $1, $1,74 $1,80 $1,76 $1,72 $1,54 $1,59 $1,50 $1,46 $1,33 $1,34 $1,14 $1,17 $2,90 $2,40 $1,90 $1,40 $0,90 $0,40 PREÇO POR LITRO INFORMADO POR NIELSEN/FDOC Consumo em mil tons FCOJ Equiv. 66 Brix Preço do NFC Preço do Suco Reconstituído Preço Total Preço do suco de laranja vs. volume por ano safra Safra 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 Preço 0% 1% 6% 4% -1% 12% 4% 1% 0% 1% -1% 2% 6% 22% 3% -6% -3% Volume 33% 9% -9% 9% 8% -9% 11% -7% -3% -1% 3% -4% -6% -4% -6% 3% -5% Fonte: FDOC (Nielsen) e CitrusBR O consumo equivalente a FCOJ 66º Brix foi calculado a partir de dados de estoque inicial e final de safra (nas datas de 30 de setembro) e dados de produção, importação e exportação (entre outubro do ano 1 e setembro do ano 2), reportados pelo FDOC (Florida Department of Citrus). Os preços foram elaborados a partir de dados da Nielsen, também reportados pelo FDOC.

14 ALEMANHA REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR SUCO EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - ALEMANHA (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL (11% A 99%) 1 (100%) Percentagem de suco na bebida Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Maçã Maçã % Participação do sabor laranja 36% 34% -6% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Mix de frutas Mix de frutas % Participação do sabor laranja 22% 19% -14% (% e milhões de litros) % Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Maçã Maçã % 24% 21% -13% Participação do sabor laranja (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

15 REINO UNIDO REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR SUCO EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - REINO UNIDO (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL (11% A 99%) 1 (100%) 1 1 Percentagem de suco na bebida Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 65% 57% -12% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Cranberry Cranberry % Participação do sabor laranja 13% 13% 0% (% e milhões de litros) % Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % 31% 34% 10% Participação do sabor laranja (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

16 FRANÇA REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR (11% A 99%) 1 SUCO (100%) 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - FRANÇA (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL Percentagem de suco na bebida Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 56% 55% -2% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Laranja Outros % Participação do sabor laranja 43% 36% -16% (% e milhões de litros) % Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 43% 33% -23% (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

17 BRASIL REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR SUCO (100%) 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - BRASIL (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 Brix) TOTAL (11% A 99%) Percentagem de suco na bebida Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Laranja Côco % Participação do sabor laranja 76% 29% -62% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Pêssego Outros % Participação do sabor laranja 16% 10% -38% (% e milhões de litros) % Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 93% 90% -3% (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

18 BRASIL CONSUMO DE SUCO DE LARANJA NO BRASIL em milhões de litros TOTAL E milhões de litros 600 Refrescos 500 Néctares 400 Suco 100% E2010 Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Euromonitor e Tetra Pak

19 RÚSSIA REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR SUCO (100%) 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - RÚSSIA (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL (11% A 99%) 1 0,3 15 0,5 0, Percentagem de suco na bebida 0,4 21 0,5 0,6 0, Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor 0, CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Mix de frutas Maçã % Participação do sabor laranja 15% 18% 20% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Mix de frutas Laranja % Participação do sabor laranja 16% 23% 44% (% e milhões de litros) % Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Outros Outros % Participação do sabor laranja 15% 18% 20% (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

20 ÍNDIA REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR SUCO (100%) 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - ÍNDIA (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL (11% A 99%) 1 0,2 18 0, Percentagem de suco na bebida 0,2 0, Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Laranja Manga % Participação do sabor laranja 40% 29% -28% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Maçã Maçã % Participação do sabor laranja (% e milhões de litros) Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Manga Manga % 1% 6% 500% Participação do sabor laranja (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

21 CHINA REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR SUCO (100%) 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - CHINA (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL (11% A 99%) Percentagem de suco na bebida Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 55% 49% -11% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 55% 55% 0% (% e milhões de litros) % Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 55% 38% -31% (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

22 MÉXICO REFRESCO (10%) 1 NÉCTAR SUCO (100%) 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BEBIDAS SABOR LARANJA - MÉXICO (em mil toneladas de FCOJ Equiv. 66 BRIX) TOTAL (11% A 99%) 1 1 Percentagem de suco na bebida Fonte: Markestrat a partir de dados Tetra Pak e Euromonitor CONSUMO DE SUCOS, NÉCTARES E REFRESCOS Consumo total do sabor Var. % laranja* (em mil toneladas de FCOJ equivalente a 66 Brix) % Toda a categoria % Sucos (100%) Total % Sabor preferido Laranja Laranja % Participação do sabor laranja 52% 49% -6% (% e milhões de litros) % Néctares (99-10%) Total % Sabor preferido Pêssego Manga % Participação do sabor laranja (% e milhões de litros) Refrescos (abaixo de 10%) Total % Sabor preferido Uva Manga % 14% 16% 14% Participação do sabor laranja (% e milhões de litros) % * Não inclui suco de laranja utilizado em mix de frutas ou vendido congelado no varejo

23 5 MAIORES VAREJISTAS DO MUNDO PODER DE COMPRA DO VAREJO EM 2010 VAREJISTA Walmart Carrefour Tesco Metro Group AEON POOLS OU ORGANIZAÇÕES DE COMPRA DOS VAREJISTAS NA EUROPA ORGANIZAÇÃO E PAÍSES EM QUE OPERAM MAS - 19 países COOPERNIC - 23 países ALADIS - 10 países EMD - 19 países BIGS - 14 países BLOC - 4 países VAREJO FATURAMENTO TOTAL (US$ milhões) $ $ $ $ $ FATURAMENTO AGREGADO DOS MEMBROS EM 2010 (US$ milhões) $ $ $ $ $ $32 Fonte: Elaborado por Markestrat a partir de Planet Retail(Ago/2011) CONCENTRAÇÃO NA VENDA DE ALIMENTOS DOS 5 PRINCIPAIS VAREJISTAS PAÍSES PARTICIPAÇÃO DE MERCADO SELECIONADOS Israel 99,3% 99,5% 100,0% Suíça 80,7% 85,1% 92,1% Coreia do Sul 58,5% 72,3% 84,4% Áustria 72,5% 71,9% 84,4% Alemanha 66,4% 72,9% 80,0% França 70,0% 64,8% 74,7% Rússia 60,9% 55,1% 74,4% Canadá 60,6% 54,8% 73,7% Japão 66,6% 63,4% 66,5% Espanha 52,7% 56,7% 69,2% Reino Unido 50,6% 59,8% 67,9% Itália 69,6% 67,5% 67,1% Polônia 51,4% 41,6% 53,2% Estados Unidos 42,7% 45,3% 46,3% Brasil 41,0% 40,5% 43,0% Dados são referentes a grandes redes de varejo. Pequenos supermercados e lojas de baixo não são cobertos pelos dados. Dados do Brasil são da ABRAS e referem-se à participação das 5 maiores redes varejistas no mercado de auto-serviço. Por causa da concentração do varejo e seu poder de compra, o suco de laranja deve ter preços baixos para não ser substituído por outros produtos do portfólio desses grandes grupos.

24 THE ORANGE JUICE BUSINESS A Brazilian Perspective Atualização e tradução para o inglês do mais completo estudo já realizado sobre a cadeia citrícola. O material será distribuído nos eventos World Juice (out/11 em Madri, na Espanha) e ANUGA (out/11 em Colônia, Alemanha). Também será enviado aos clientes das indústrias brasileiras de suco de laranja no âmbito internacional e demais interessados no setor.

25 Obrigado Christian Lohbauer Presidente Executivo

Mercado Global de Bebidas 2010

Mercado Global de Bebidas 2010 Mercado Global de Bebidas 2010 Pontos Chave dessa apresentação: Suco de laranja é ainda o principal sabor na categoria de sucos no mundo Suco de laranja 100% com desafio de voltar a crescer Outras bebidas

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 1. Setor de Sucos Exportações em US$ 1.000 Produtos 2010 Part% 2013 2014 Part% 2014 2014/ 13 Var % anual 14/10 Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 43.005.652 41.136.370

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial São Paulo, 09 de junho de 2011. CONSUMO QUADRO GERAL O suco de laranja representa

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL.

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. Três em cada cinco copos de suco de laranja bebidos no mundo são produzidos no Brasil. Nos países com inverno rigoroso, os consumidores não

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010 Exportação Brasileira de Laranjas por País de Destino 2010 ESPANHA 5.293.450 12.795.098 PAISES BAIXOS (HOLANDA) 4.669.412 10.464.800 REINO UNIDO 2.015.486 5.479.520 PORTUGAL 1.723.603 3.763.800 ARABIA

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial

Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial Limeira, 24 de Junho de 2010 Christian Lohbauer www.citrusbr.com O SEGMENTO NÉCTARES, QUE CONTÉM EM MÉDIA

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

605 EAST MAIN STREET/P.O. BOX 9010/BARTOW, FL 33831-9010 (863) 537-3999

605 EAST MAIN STREET/P.O. BOX 9010/BARTOW, FL 33831-9010 (863) 537-3999 STATE ESTADO OF DA FLORIDA FLÓRIDA DEPARTMENT DEPARTAMENTO OF DE CITRUS CITROS 605 EAST MAIN STREET/P.O. BOX 9010/BARTOW, FL 33831-9010 VENDAS DO VAREJO - NIELSEN SUCO DE LARANJA, GRAPEFRUIT E DEMAIS BEBIDAS

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008 O Mercado de Frutas na Alemanha Débora Creutzberg São Paulo, 9 de dezembro de 2008 Informações Gerais sobre Alemanha Condições econômicas e políticas (Dados ano 2008) Área População Capital 357.104 km²

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

ESTADO DA FLÓRIDA DEPARTAMENTO DE CITROS 605 EAST MAIN STREET/P.O. BOX 9010/BARTOW, FL 33831-9010 (863) 537-3999

ESTADO DA FLÓRIDA DEPARTAMENTO DE CITROS 605 EAST MAIN STREET/P.O. BOX 9010/BARTOW, FL 33831-9010 (863) 537-3999 ESTADO DA FLÓRIDA DEPARTAMENTO DE CITROS 605 EAST MAIN STREET/P.O. BOX 9010/BARTOW, FL 33831-9010 VENDAS DO VAREJO - NIELSEN SUCO DE LARANJA, GRAPEFRUIT E DEMAIS BEBIDAS COM LARANJA/GRAPEFRUIT Relatório

Leia mais

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália.

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália. ICC 115-8 18 agosto 215 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 215 Milão, Itália O café na Federação Russa Antecedentes Cumprindo o disposto no Artigo 34

Leia mais

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos:

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos: Nestlé S.A. 1. Principais Características Matriz: Nestlé S.A. Localização: Vevey, Suíça Ano de fundação: 1866 Internet: www.nestle.com Faturamento (2000): US$ 47.092 mi Empregados (1999): 230.929 1.a.

Leia mais

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 Perfil elaborado en octubre de 2008 TRATAMIENTO ARANCELARIO E IMPOSITIVO 1) IMPUESTOS Y TASAS: 1.1) ARANCELES DE IMPORTACIÓN

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Sérgio Barbi - ABF

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Sérgio Barbi - ABF Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo Sérgio Barbi - ABF Histórico do Franchising no Brasil 1960 Yázigi abre a primeira franquia no Brasil; Na década seguinte, o McDonald s abre o

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr.

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Amazônia legal 350 Milhões ha 41% Área útil 350 Milhões hectares

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

Motorola Incorporation

Motorola Incorporation Motorola Incorporation 1. Principais Características Matriz: Motorola Incorporation Localização: Illinois, Estados Unidos Ano de fundação: 1928 Internet: www.motorola.com Faturamento (2000): US$ 37.580

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 EXPORTAÇÕES (POR CAPÍTULO) 2013 2014 50 Artigos de seda 462 282-38,9% 51 Artigos de lã 60.801 63.996 5,3% 52 Artigos de algodão 145.006 154.454 6,5% 53 Outras fibras têxteis vegetais 4.839 4.169-13,8%

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão CHAVES DE FIM DE CURSO Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão Índice Importância das Normas Técnicas página 3 Produtos Especiais página 4 Chaves de Emergência Linha 500 página 5 Chaves de

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

Indicadores de avaliação Mercado de suco de uva; Foco: suco de uva natural/integral; Posicionamento; Evolução: produção, comercialização (mercado interno e exportações); Diferença básica entre suco, néctar

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal.

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Brasília, 07 de abril de 2010. Espectro para telefonia móvel:

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC-60 Torre Luminosa Compacta Desenvolvida para ser a melhor opção em custo/benefício, a Torre Luminosa Compacta - TLC-60 combina tecnologia e performance na medida ideal

Leia mais

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo O Setor em Grandes Números Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo I - CADEIA PRODUTIVA NÚMERO ESTIMADO DE EMPRESAS EM 2012 Lapidação / Obras de pedras 350 INDÚSTRIA Joalheria ouro e

Leia mais

17º Estudo Anual Marcas Próprias 2011. 17º Estudo Anual de Marcas Próprias

17º Estudo Anual Marcas Próprias 2011. 17º Estudo Anual de Marcas Próprias 17º Estudo Anual Marcas Próprias 2011 Agenda Qual o desempenho da marca própria no mundo? Marca Própria, produto de qualidade e preço? Qual o desempenho da marca própria no Brasil? Quem é o shopper de

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

Exercícios sobre BRICS

Exercícios sobre BRICS Exercícios sobre BRICS 1. (ENEM) O G-20 é o grupo que reúne os países do G-7, os mais industrializados do mundo (EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Canadá), a União Europeia e os principais

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil Relação Econômica Bilateral e Ⅰ.Comércio Exterior e Os principais parceiros de intercâmbio comercial brasileiro são os, a e a. A presença do não é significativa comparando a esses países. As exportações

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011 Engº Fernando Iervolino Fontes de Informação: ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores http://www.anfavea.com.br/

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais