PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO"

Transcrição

1 PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013

2 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial 09. Importação Mundial 10. Produção Agrícola e Pecuária Mundial 15. Cadeias Produtivas Base Agrícola 16. Grãos Arroz 21. Grãos Milho 26. Grãos Soja 31. Grãos Trigo 36. Café 41. Açúcar 46. Algodão 51. Fruticultura Laranja 55. Fruticultura Maçã 59. Fruticultura Uva 63. Cadeias Produtivas Base Pecuária 64. Bovinocultura Leite Fluido 68. Bovinocultura Leite em pó 73. Bovinocultura Carne Bovina 78. Suinocultura Carne Suína 83. Avicultura Carne de Frango

3 3 APRESENTAÇÃO O presente trabalho traz um conjunto de informações sobre os indicadores do Agronegócio Mundial. Os dados permitem ao usuário fazer uma avaliação da performance das atividades agropecuárias na economia global.

4 POPULAÇÃO MUNDIAL Milhões habitantes 6.446, , , , , , , , , , * 2012* PRINCIPAIS PAÍSES (2012*) População (milhões de habitantes) 1º China 1.343,2 19,1 2º Índia 1.205,1 17,2 3º Estados Unidos 313,8 4,5 4º Indonésia 248,6 3,5 5º Brasil 199,3 2,8 6º Paquistão 190,3 2,7 7º Nigéria 170,1 2,4 8º Bangladesh 161,1 2,3 9º Rússia 142,5 2,0 População (milhões de habitantes) 10º Japão 127,4 1,8 11º México 115,0 1,6 12º Filipinas 103,8 1,5 13º Vietnã 91,5 1,3 14º Etiópia 91,2 1,3 15º Egito 83,7 1,2 Demais países (183) 2.435,2 34,7 Mundo 7.021,8 100,0 * Estimativa onte: CIA WORLD FACTBOOK 4

5 POPULAÇÃO OCUPADA 3,3 BILHÕES DE PESSOAS (2011*) 3º 7º 3º 11º 5º 13º 10º 9º 2º 1º 6º 15º 12º 4º 14º 8º PRINCIPAIS PAÍSES (2011*) Pessoas (milhões) 1º China 795,5 24,4 2º Índia 487,6 14,9 3º Estados Unidos 153,6 4,7 4º Indonésia 117,4 3,6 5º Brasil 104,7 3,2 6º Bangladesh 75,4 2,3 7º Rússia 75,4 2,3 8º Japão 65,9 2,0 9º Paquistão 58,4 1,8 Pessoas (milhões) 10º Nigéria 52,2 1,6 11º México 49,2 1,5 12º Vietnã 46,5 1,4 13º Alemanha 43,6 1,3 14º Filipinas 40,0 1,2 15º Tailândia 39,6 1,2 Demais países (181) ,4 Mundo 3.264,0 100,0 * Estimativa Fonte: CIA WORLD FACTBOOK

6 PIB MUNDIAL US$ 80,3 TRILHÕES (2011*) 1º 14º 1º 11º 8º 5º 9º 13º 10º 3º 2º 6º 12º 4º 7º 15º PIB (US$ trilhões) PRINCIPAIS PAÍSES (2011) 1º Estados Unidos 15,3 19,0 2º China 11,4 14,2 3º Índia 4,5 5,6 4º Japão 4,5 5,6 5º Alemanha 3,1 3,9 6º Rússia 2,4 3,0 7º Brasil** 2,3 2,9 8º Reino Unido 2,3 2,9 9º França 2,2 2,8 * Estimativa. Dados a preços de onte: CIA WORLD FACTBOOK PIB (US$ trilhões) 10º Itália 1,9 2,3 11º México 1,7 2,1 12º Coreia do Sul 1,6 2,0 13º Espanha 1,4 1,8 14º Canadá 1,4 1,8 15º Indonésia 1,1 1,4 Demais países (182) 23,0 28,7 Mundo (182) 80,3 100,0 *Valores do PIB Paridade de Poder de Compra, que é o PIB desconsiderando a variação da taxa de câmbio dos diferentes países. ** Segundo estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI), em 2011, o Brasil ocupou a sexta posição, precedido por Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França.

7 Fonte: CIA WORLD FACTBOOK PIB PER CAPITA MUNDIAL * 2010* 2011* PRINCIPAIS PAÍSES US$** (2011*) PIB 1º Qatar º Luxemburgo º Mônaco º Cingapura º Ilhas Malvinas * Estimativa. Dados a preços de PIB 6º Noruega º Brunei º Hong Kong º Estados Unidos º Emirados Árabes Unidos PIB 11º Suíça º Ilhas Cayman º Holanda º Áustria º Kuwait º Brasil ** Valores do PIB Paridade de Poder de Compra, que é o PIB desconsiderando a variação da taxa de câmbio dos diferentes países.

8 EXPORTAÇÃO MUNDIAL US$ 17,97 TRILHÕES (2011*) 2º 9º 2º 7º 5º 3º 8º 1º 6º 4º 22º PRINCIPAIS PAÍSES EXPORTADORES US$ BILHÕES (2011)* 1º. China 2º. Estados Unidos 3º. Alemanha 4º. Japão 5º. França 6º. Coreia do Sul 7º. Holanda 8º. Itália 9º. Rússia... 22º. Brasil OUTROS (186 países) MUNDO , , , , , , , , , , , ,0 * Estimativa Fonte: CIA WORLD FACTBOOK 9 PAÍSES EXPORTAM 46 DO VALOR TOTAL

9 IMPORTAÇÃO MUNDIAL US$ 17,82 TRILHÕES (2011*) 1º 10 1º 6º 9º 3º 5º 7º 2º 8º 4º 21º PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES US$ BILHÕES (2011)* 1º. Estados Unidos 2º. China 3º. Alemanha 4º. Japão 5º. França 6º. Reino Unido 7º. Itália 8º. Coreia do Sul 9º. Holanda... 21º. Brasil OUTROS (186 países) MUNDO , , , , , , , , , , , ,0 * Estimativa onte: CIA WORLD FACTBOOK 9 PAÍSES EXPORTAM 50 DO VALOR TOTAL

10 PRODUÇÃO AGRÍCOLA E PECUÁRIA MUNDIAL

11 PRODUÇÃO AGRÍCOLA GRÃOS* Produção (milhões de t métricas) Estoque Final (milhões de t métricas) 1.983, , , , , , , , , , , , ,2 598,8 570,3 485,7 396,9 455,6 447,9 412,7 424,8 497,0 551,7 529,7 519,4 486,5 2000/ / / / / / / / / / / / /2013** ÁREA GRÃOS* 697,5 milhões de hectares 705,0 696,1 708,4 722,5 726,2 725,8 740,3 753,0 752,1 742,4 756,2 763,2 2000/ / / / / / / / / / / / /2013** Principais produtos () 26,5 Outros (aveia, centeio, cevada e sorgo) * Referente a arroz, aveia, centeio, cevada, milho, soja, sorgo e trigo. 10,9 9,1 19,0 34,6 Arroz Milho Soja Trigo VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () PRODUÇÃO 24,5 1,8 ESTOQUE -18,8-1,7 ÁREA 9,4 0,8 ** Estimativa. Safras 2000/2001 a 2012/2013

12 PRODUÇÃO AGRÍCOLA CAFÉ milhões de sacas de 60 Kg 117,2 111,6 127,0 110,9 121,6 117,6 133,6 123,9 136,2 128,5 140,9 144,4 151,3 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* PRODUÇÃO AGRÍCOLA FRUTAS** E AÇÚCAR Frutas** (milhões de t métricas) Açúcar (milhões de t métricas) 164,5 163,5 153,5 161,8 130,8 134,4 148,6 142,5 140,7 144,3 143,9 117,8 101,0 108,1 102,5 110,5 106,1 118,0 125,9 126,9 134,4 136,7 104,5 172,1 172,3 136,3 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* Safras 2000/2001 a 2012/2013 VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () PRODUÇÃO CAFÉ 29,1 2,1 FRUTAS** 34,9 2,5 AÇÚCAR 31,8 2,3 * Estimativa. ** Referente a laranja, maçã e uva.

13 PRODUÇÃO PECUÁRIA - BOVINOCULTURA Leite em pó (milhões de t métricas) Carne bovina (milhões de t eq. carcaça) Leite fluido (milhões de t métricas) 446,3 458,5 466,1 474,9 485,4 491,9 504,6 502,5 504,6 514,4 529,8 544,8 556,1 52,7 54,1 54,3 55,5 56,0 57,6 58,4 58,4 3,3 3,3 3,5 3,7 3,8 3,8 3,9 4,0 3,7 57,0 57,3 4,0 4,3 57,0 4,5 57,2 4,6 57, * REBANHO BOVINO Rebanho Bovino Total (milhões de cab.) Vacas em Lactação (milhões de cab.) 1.310, , , , , , , , , , , , ,2 130,6 131,1 130,9 130,1 130,3 129,4 128,7 126,5 129,6 129,7 132,4 134,9 137, * VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () LEITE FLUIDO 24,6 1,8 PRODUÇÃO LEITE EM PÓ 39,4 2,8 CARNE BOVINA 9,2 0,7 REBANHO BOVINO 0,2 0,02 VACAS EM LACTAÇÃO 5,2 0,4 * Estimativa.

14 PRODUÇÃO PECUÁRIA AVICULTURA E SUINOCULTURA Carne de frango (milhões de t métricas) Carne Suína (milhões de t eq. carcaça) 85,7 88,1 89,8 91,3 93,7 95,5 94,2 97,9 100,5 102,9 102,0 104,4 104,7 56,2 58,5 59,1 61,1 64,3 65,6 69,5 72,8 73,6 77,9 80,7 82,4 83, * REBANHO SUÍNO Rebanho Suíno (milhões de cab.) 1.891, , , , , , , , , , , , , * PRODUÇÃO VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () CARNE SUÍNA 22,2 1,7 CARNE DE FRANGO 48,7 3,4 REBANHO SUÍNO 7,7 0,6 * Estimativa. 14

15 15 CADEIAS PRODUTIVAS BASE AGRÍCOLA

16 GRÃOS ARROZ 16

17 Produção ( mil t métricas) Área Colhida (mil ha) ARROZ PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / /2013* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) Produção 1º Índia ,1 2º China ,1 3º Indonésia ,7 4º Bangladesh ,3 5º Tailândia ,9 6º Vietnã ,9 7º Birmânia ,0 8º Filipinas ,9 9º Camboja ,9 Demais es (80) ,1 Área Colhida Total ,0 1º China ,6 2º Índia ,6 3º Indonésia ,9 4º Bangladesh ,3 5º Vietnã ,9 6º Tailândia ,4 7º Filipinas ,3 8º Birmânia ,3 9º Brasil ,7 Demais es (80) ,0 Produção Total ,0 * Estimativa 17

18 ARROZ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º Índia ,4 2º Tailândia ,2 3º Vietnã ,6 4º Paquistão ,1 5º Estados Unidos ,1 6º Camboja 975 2,6 7º Uruguai 850 2,2 8º Egito 850 2,2 9º Brasil 750 2,0 Demais es (26) ,6 Exportação Total ,0 1º Nigéria ,4 2º China ,0 3º Irã ,2 4º Filipinas ,4 5º Iraque ,2 6º União Europeia** ,1 7º Arábia Saudita ,6 8º Costa do Marfim ,3 9º Malásia ,0 Demais es (100) ,8 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 18

19 Oferta ARROZ OFERTA E DEMANDA Demanda / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Consumo Estoque Final 1º China ,8 2º Índia ,3 3º Indonésia ,6 4º Bangladesh ,4 5º Vietnã ,3 6º Filipinas ,8 7º Tailândia ,3 8º Birmânia ,2 9º Japão ,8 Demais es (107) ,5 Consumo Total ,0 1º China ,6 2º índia ,3 3º Tailândia ,3 4º Indonésia ,7 5º Japão ,7 6º Vietnã ,1 7º Paquistão ,4 8º Filipinas ,3 9º Nigéria 980 0,9 Demais es (53) ,8 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa 19

20 ARROZ RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 37,3 32,2 25,4 19,8 18,2 18,6 18,0 19,0 21,2 21,9 22,2 23,1 22,1 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 136,0 117,6 92,6 72,4 66,5 68,0 65,8 69,3 77,4 79,8 81,2 84,4 80,8 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* * Estimativa onte: USDA 20

21 GRÃOS MILHO 21

22 Produção Área Colhida (mil ha) MILHO PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / /2013* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção 1º Estados Unidos ,2 2º China ,0 3º Brasil ,9 4º União Europeia** ,1 5º Índia ,1 6º México ,9 7º Nigéria ,0 8º Ucrânia ,5 9º Argentina ,0 Demais es (104) ,3 Área Colhida Total ,0 1º Estados Unidos ,1 2º China ,4 3º Brasil ,5 4º União Europeia** ,4 5º Argentina ,1 6º México ,5 7º Índia ,5 8º Ucrânia ,4 9º Canadá ,5 Demais es (104) ,6 Produção Total ,0 onte: USDA * Estimativa ** Composta por 27 países 22

23 MILHO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação Importação 1º Estados Unidos ,8 2º Brasil ,6 3º Argentina ,6 4º Ucrânia ,8 5º Índia ,4 6º África do Sul ,8 7º Rússia ,6 8º Paraguai ,4 9º Canadá ,7 Demais es (39) ,4 Exportação Total ,0 1º Japão ,7 2º União Europeia** ,5 3º México ,9 4º Coreia do Sul ,8 5º Egito ,7 6º Taiwan ,5 7º Irã ,7 8º Colômbia ,7 9º Estados Unidos ,3 Demais es (84) ,3 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países onte: USDA 23

24 Oferta Demanda MILHO OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final 1º Estados Unidos ,3 2º China ,9 3º União Europeia** ,5 4º Brasil ,1 5º México ,4 6º Índia ,1 7º Japão ,7 8º Canadá ,4 9º Egito ,3 Demais es (111) ,4 Consumo Total ,0 1º China ,2 2º Estados Unidos ,7 3º Brasil ,0 4º União Europeia** ,7 5º África do Sul ,6 6º Irã ,4 7º Coreia do Sul ,2 8º México ,2 9º Canadá ,2 Demais es (85) ,7 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 24

25 MILHO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 28,8 24,3 20,2 16,1 19,0 17,6 15,3 17,1 18,9 17,8 15,0 15,2 13,4 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 105,0 88,8 73,8 58,7 69,4 64,4 55,7 62,2 68,9 65,1 54,9 55,6 49,0 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* * Estimativa onte: USDA 25

26 GRÃOS SOJA 26

27 Produção Área Colhida (mil ha) SOJA PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / /2013* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) 1º Estados Unidos ,3 2º Brasil ,3 3º Argentina ,8 4º Índia ,9 5º China ,6 6º Paraguai ,9 7º Canadá ,5 8º Ucrânia ,3 9º Rússia ,2 Demais es (33) ,1 Área Colhida Total ,0 PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção 1º Brasil ,2 2º Estados Unidos ,6 3º Argentina ,2 4º China ,7 5º Índia ,3 6º Paraguai ,9 7º Canadá ,8 8º Ucrânia ,9 9º Bolívia ,9 Demais es (33) ,5 Produção Total ,0 * Estimativa onte: USDA 27

28 SOJA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação 1º Brasil ,8 2º Estados Unidos ,0 3º Argentina ,0 4º Paraguai ,5 5º Canadá ,5 6º Uruguai ,9 7º Ucrânia ,7 8º China 300 0,3 9º Rússia 120 0,1 Demais es (13) 276 0,3 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º China ,0 2º União Europeia** ,0 3º México ,5 4º Japão ,8 5º Taiwan ,5 6º Indonésia ,1 7º Tailândia ,0 8º Egito ,6 9º Vietnã ,3 Demais es (33) ,3 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 28

29 Oferta Demanda SOJA OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo 1º China ,5 2º Estados Unidos ,1 3º Brasil ,4 4º Argentina ,4 5º União Europeia** ,9 6º Índia ,4 7º México ,4 8º Japão ,1 9º Indonésia ,0 Demais es (46) ,9 Consumo Total ,0 ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final 1º Argentina ,0 2º Brasil ,2 3º China ,9 4º Estados Unidos ,6 5º União Europeia** 520 0,9 6º Turquia 491 0,8 7º Bolívia 458 0,8 8º Índia 315 0,5 9º Canadá 230 0,4 Demais es (31) ,0 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 29

30 SOJA RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 19,7 19,3 22,4 20,4 23,8 24,8 27,8 22,8 19,6 25,5 27,8 21,6 23,1 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 71,8 70,5 81,9 74,3 86,8 90,4 101,4 83,1 71,6 93,0 101,3 78,7 84,2 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* * Estimativa 30

31 GRÃOS TRIGO 31

32 Produção Área Colhida (mil ha) TRIGO PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / /2013* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção 1º Índia ,8 2º União Europeia** ,8 3º China ,2 4º Rússia ,9 5º Estados Unidos ,2 6º Austrália ,2 7º Cazaquistão ,7 8º Canadá ,4 9º Paquistão ,0 Demais es (66) ,9 Área Colhida Total ,0 1º União Europeia** ,2 2º China ,4 3º Índia ,5 4º Estados Unidos ,4 5º Rússia ,8 6º Canadá ,1 7º Paquistão ,6 8º Austrália ,4 9º Ucrânia ,4 Demais es (66) ,3 Produção Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 32

33 TRIGO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação Importação 1º Estados Unidos ,0 2º União Europeia** ,7 3º Canadá ,9 4º Austrália ,4 5º Rússia ,9 6º Ucrânia ,9 7º Cazaquistão ,9 8º Índia ,9 9º Argentina ,8 Demais es (50) ,8 Exportação Total ,0 1º Egypt ,0 2º Brasil ,5 3º Indonésia ,7 4º Japão ,3 5º União Europeia** ,3 6º Coreia do Sul ,9 7º Argélia ,9 8º Irã ,7 9º México ,0 Demais es (110) ,7 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 33

34 Oferta Demanda TRIGO OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Consumo 1º China ,0 2º União Europeia** ,8 3º Índia ,4 4º Estados Unidos ,6 5º Rússia ,0 6º Paquistão ,4 7º Egito ,7 8º Turquia ,6 9º Irã ,3 Demais es (110) ,2 Consumo Total ,0 Estoque Final 1º China ,3 2º Índia ,4 3º Estados Unidos ,9 4º União Europeia** ,3 5º Austrália ,2 6º Canadá ,2 7º Rússia ,2 8º Egito ,9 9º Irã ,7 Demais es (70) ,0 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 34

35 TRIGO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 35,4 34,8 28,1 23,4 25,8 24,9 21,7 20,9 26,4 30,9 30,3 28,5 26,2 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 129,2 127,0 102,7 85,3 94,2 90,9 79,0 76,2 96,3 112,8 110,4 104,0 95,5 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* * Estimativa 35

36 CAFÉ 36

37 * Estimativa. Refere-se à safra cultivada em CAFÉ PRODUÇÃO (Arábica e Robusta) Produção (mil sacas de 60 Kg) / / / / / / / / / / / / /2013* Produção (mil sacas de 60 kg) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º Brasil ,0 2º Vietnã ,5 3º Indonésia ,4 4º Colômbia ,0 5º Etiópia ,3 6º Honduras ,8 7º Índia ,5 8º Peru ,2 9º México ,1 Demais es (41) ,2 Produção Total ,0

38 CAFÉ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO (Café em grão, torrado e solúvel) Exportação (mil sacas de 60 Kg) Importação* (mil sacas de 60 Kg) / / / / / / / / / / / / /2013* * Nas safras 2000/2001 e 2001/2002, as importações mundiais foram baixas em decorrência da falta de registro do volume importado de café em grão por parte de alguns importantes países, dentre eles a União Europeia (UE) e os Estados Unidos. A partir de 2002/2003, a UE importou mais de 40 milhões de sacas de 60 kg, anualmente, e os Estados Unidos, mais de 20 milhões de sacas de 60 kg. EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação (mil sacas de 60 Kg) IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação (mil sacas de 60 Kg) 1º Brasil ,4 2º Vietnã ,4 3º Indonésia ,0 4º Colômbia ,1 5º Honduras ,7 6º Índia ,1 7º Peru ,0 8º Guatemala ,1 9º Etiópia ,0 Demais es (39) ,1 Exportação Total ,0 1º União Europeia** ,7 2º Estados Unidos ,7 3º Japão ,5 4º Rússia ,6 5º Canadá ,2 6º Filipinas ,3 7º Argélia ,2 8º Suíça ,1 9º Coreia do Sul ,8 Demais es (28) ,9 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 38

39 Oferta (mil sacas de 60 Kg) CAFÉ OFERTA E DEMANDA Demanda (mil sacas de 60 Kg) / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo (mil sacas de 60 Kg) ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final (mil sacas de 60 Kg) 1º União Europeia** ,7 2º Estados Unidos ,7 3º Brasil ,6 4º Japão ,0 5º Rússia ,8 6º Canadá ,4 7º Etiópia ,1 8º Filipinas ,1 9º Indonésia ,8 Demais es (58) ,8 Consumo Total ,0 1º União Europeia** ,4 2º Estados Unidos ,0 3º Brasil ,3 4º Japão ,9 5º Vietnã ,5 6º Índia 580 2,1 7º Uganda 493 1,8 8º Colômbia 284 1,0 9º Suíça 200 0,7 Demais es (30) ,4 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 39

40 CAFÉ RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 85,0 91,8 42,2 34,2 35,8 26,7 29,3 24,8 32,0 21,1 21,7 17,7 19,7 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 310,4 335,1 154,1 124,8 130,6 97,5 107,0 90,5 116,6 76,9 79,3 64,5 72,0 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* * Estimativa 40

41 AÇÚCAR 41

42 AÇÚCAR* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / /2013** * Refere-se à produção de açúcar de cana-de-açúcar e de beterraba. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º Brasil ,8 2º Índia ,9 3º União Europeia** ,5 4º China ,5 5º Tailândia ,8 6º Estados Unidos ,6 7º México ,5 8º Rússia ,8 9º Paquistão ,7 Demais es (87) ,0 Produção Total ,0 ** Estimativa ** Composta por 27 países 42

43 AÇÚCAR EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação Importação 1º Brasil ,3 2º Tailândia ,6 3º Austrália ,6 4º Índia ,0 5º Guatemala ,1 6º União Europeia** ,7 7º México ,5 8º Colômbia 875 1,6 9º Emirados Árabes Unidos 750 1,4 Demais es (77) ,2 Exportação Total ,0 1º União Europeia** ,9 2º Indonésia ,6 3º Estados Unidos ,1 4º China ,1 5º Malásia ,9 6º Bangladesh ,7 7º Emirados Árabes Unidos ,6 8º Coreia do Sul ,5 9º Argélia ,5 Demais es (105) ,1 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 43

44 Oferta Demanda AÇÚCAR OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final 1º Índia ,4 2º União Europeia** ,1 3º China ,4 4º Brasil ,2 5º Estados Unidos ,3 6º Rússia ,4 7º Indonésia ,1 8º México ,7 9º Paquistão ,7 Demais es (141) ,7 Consumo Total ,0 1º Índia ,3 2º China ,6 3º União Europeia** ,4 4º Tailândia ,0 5º Estados Unidos ,2 6º Paquistão ,4 7º México ,8 8º Ucrânia 707 1,8 9º Síria 693 1,8 Demais es (134) ,5 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 44

45 AÇÚCAR RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 30,6 27,3 29,4 27,4 24,5 21,4 24,7 28,8 19,9 18,8 19,4 22,7 23,5 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 111,8 99,5 107,3 100,0 89,5 78,1 90,2 105,0 72,7 68,7 70,9 82,9 85,9 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* * Estimativa 45

46 ALGODÃO 46

47 ALGODÃO PRODUÇÃO E ÁREA Produção (mil fardos de 480 lp) Área Colhida (mil ha) / / / / / / / / / / / / /2013* ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) 1º Índia ,2 2º China ,4 3º Estados Unidos ,2 4º Paquistão ,8 5º Uzbequistão ,0 6º Brasil 975 2,9 7º Turcomenistão 600 1,8 8º Burquina 525 1,5 9º Mali 500 1,5 Demais es (68) ,8 Área Colhida Total ,0 PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção (mil fardos de 480 lp) 1º China ,2 2º Índia ,3 3º Estados Unidos ,2 4º Paquistão ,8 5º Brasil ,3 6º Uzbequistão ,8 7º Austrália ,5 8º Turquia ,2 9º Turcomenistão ,3 Demais es (68) ,6 Produção Total ,0 * Estimativa 47

48 ALGODÃO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação (mil fardos de 480 lp) Importação (mil fardos de 480 lp) / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação (mil fardos de 480 lp) 1º Estados Unidos ,4 2º Índia ,1 3º Brasil ,0 4º Austrália ,0 5º Uzbequistão ,2 6º Grécia ,6 7º Burquina 975 2,3 8º Turcomenistão 950 2,3 9º Mali 900 2,1 Demais es (60) ,0 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação (mil fardos de 480 lp) 1º China ,8 2º Turquia ,1 3º Bangladesh ,8 4º Paquistão ,6 5º Indonésia ,4 6º Vietnã ,1 7º Tailândia ,9 8º Índia ,6 9º Coreia do Sul ,9 Demais es (75) ,7 Importação Total ,0 * Estimativa 48

49 Oferta (mil fardos de 480 lp) Demanda (mil fardos de 480 lp) ALGODÃO OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Consumo (mil fardos de 480 lp) Estoque Final (mil fardos de 480 lp) 1º China ,6 2º Índia ,3 3º Paquistão ,8 4º Turquia ,7 5º Brasil ,7 6º Bangladesh ,5 7º Estados Unidos ,2 8º Indonésia ,1 9º Vietnã ,0 Demais es (105) ,2 Consumo Total ,0 1º China ,0 2º Índia ,2 3º Brasil ,1 4º Estados Unidos ,1 5º Austrália ,0 6º Paquistão ,6 7º Uzbequistão ,8 8º Turquia ,7 9º Turcomenistão 899 1,1 Demais es (106) ,4 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa 49

50 ALGODÃO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 54,4 58,2 48,8 49,6 56,2 53,6 51,7 51,2 57,1 39,6 42,9 67,0 76,4 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 198,7 212,4 178,2 181,2 205,1 195,8 188,6 186,9 208,3 144,5 156,7 244,6 278,7 2000/ / / / / / / / / / / / /2013* * Estimativa onte: USDA 50

51 FRUTICULTURA LARANJA 51

52 LARANJA* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / /2013** * Refere-se a laranjas frescas. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º Brasil ,2 2º Estados Unidos ,6 3º China ,6 4º União Europeia*** ,9 5º México ,6 6º Egito ,8 7º África do Sul ,9 8º Turquia ,7 9º Marrocos 784 1,5 Demais es (9) ,1 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 27 países 52

53 Exportação Importação* LARANJA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO / / / / / / / / / / / / /2013** * Nas safras 2000/2001 a 2005/2006, as importações mundiais foram baixas em decorrência da falta de registro do volume por parte dos principais importadores: União Europeia, Rússia, Arábia Saudita, Canadá, Hong Kong, Emirados Árabes Unidos, Coreia do Sul e Ucrânia. A partir de 2006/2007, foram efetuados registros das importações desses países. EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação 1º África do Sul ,0 2º Egito ,5 3º Estados Unidos ,8 4º Turquia 300 7,6 5º União Europeia*** 300 7,6 6º Marrocos 141 3,6 7º China 120 3,1 8º Austrália 90 2,3 9º Hong Kong 65 1,7 Demais es (8) 107 2,7 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º União Europeia*** ,6 2º Rússia ,4 3º Arábia Saudita 315 9,1 4º Canadá 200 5,8 5º Hong Kong 195 5,6 6º Emirados Árabes Unidos 190 5,5 7º Coreia do Sul 180 5,2 8º Japão 127 3,7 9º Ucrânia 125 3,6 Demais es (14) ,5 Importação Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 27 países 53

54 Oferta LARANJA OFERTA E DEMANDA Demanda / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção e importação no ano corrente. A demanda é igual à soma do consumo de frutas frescas, consumo para processamento e exportação anuais. Consumo CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES * 1º China ,5 2º Brasil ,9 3º União Europeia** ,6 4º México ,6 5º Estados Unidos ,2 6º Egito ,8 7º Turquia ,6 8º Vietnã 785 2,8 9º Marrocos 593 2,1 Demais es (19) ,9 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico in natura. * Estimativa ** Composta por 27 países Nota: Como o estoque final de laranja tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. 54

55 FRUTICULTURA MAÇÃ 55

56 MAÇÃ* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / /2013** * Refere-se a maçãs frescas. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º China ,0 2º União Europeia*** ,6 3º Estados Unidos ,2 4º Turquia ,3 5º Índia ,6 6º Chile ,9 7º Rússia ,8 8º Brasil ,8 9º Ucrânia ,5 Demais es (19) ,3 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 27 países 56

57 MAÇÃ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação 1º União Europeia** ,4 2º China ,7 3º Estados Unidos ,3 4º Chile ,0 5º África do Sul 400 7,0 6º Argentina 310 5,4 7º Nova Zelândia 305 5,3 8º Sérvia 120 2,1 9º Turquia 87 1,5 Demais es (14) 295 5,2 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º Rússia ,1 2º União Europeia** ,7 3º México 225 4,4 4º Índia 210 4,1 5º Canadá 200 3,9 6º Estados Unidos 175 3,4 7º Emirados Árabes Unidos 170 3,3 8º Bangladesh 165 3,2 9º Indonésia 160 3,1 Demais es (34) ,7 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 57

58 MAÇÃ OFERTA E DEMANDA Oferta Demanda / / / / / / / / / / / /2012 Nota: A oferta é igual à soma da produção e importação no ano corrente. A demanda é igual à soma do consumo de frutas frescas, consumo para processamento, exportação e perdas anuais. Consumo CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES 1º China ,5 2º União Europeia** ,9 3º Turquia ,9 4º Estados Unidos ,0 5º Índia ,5 6º Rússia ,7 7º Ucrânia ,0 8º Brasil 984 1,8 9º Japão 846 1,5 Demais es (36) ,2 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico in natura. Nota: Como o estoque final de maçã tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. * Estimativa ** Composta por 27 países 58

59 FRUTICULTURA UVA 59

60 UVA* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / /2013** * Refere-se a uvas frescas. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º China ,1 2º Turquia ,9 3º União Europeia*** ,5 4º Brasil ,6 5º Chile ,9 6º Índia ,8 7º Estados Unidos 893 5,2 8º Ucrânia 320 1,9 9º África do Sul 275 1,6 Demais es (8) 778 4,5 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 27 países 60

61 UVA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação* / / / / / / / / / / / / /2013** * Na safra 2000/2001, as importações mundiais foram baixas em decorrência da falta de registro do volume por parte dos principais importadores: União Europeia, Rússia, Canadá, Hong Kong, Coreia do Sul, Indonésia e Ucrânia. A partir de 2006/2007, foram efetuados registros das importações desses países. EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º Chile ,7 2º Estados Unidos ,0 3º África do Sul ,5 4º Turquia 250 9,9 5º México 167 6,6 6º União Europeia*** 135 5,3 7º Índia 115 4,6 8º China 115 4,6 9º Hong Kong 105 4,2 Demais es (7) 144 5,7 Exportação Total ,0 1º União Europeia*** ,2 2º Estados Unidos ,6 3º Rússia ,6 4º Canadá 190 7,9 5º China 180 7,5 6º Hong Kong 145 6,0 7º México 78 3,2 8º Coreia do Sul 65 2,7 9º Indonésia 55 2,3 Demais es (9) 147 6,1 Importação Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 27 países 61

62 UVA OFERTA E DEMANDA Oferta Demanda / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção e importação no ano corrente. A demanda é igual à soma do consumo de frutas frescas, exportação e perdas anuais. Consumo CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES 1º China ,7 2º União Europeia** ,2 3º Turquia ,5 4º Brasil ,6 5º Estados Unidos ,4 6º Índia 888 5,2 7º Rússia 446 2,6 8º Ucrânia 370 2,2 9º Chile 325 1,9 Demais es (10) 962 5,7 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico in natura. * Estimativa ** Composta por 27 países Nota: Como o estoque final de uva tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. 62

63 63 CADEIAS PRODUTIVAS BASE PECUÁRIA

64 BOVINOCULTURA LEITE FLUIDO 64

65 LEITE FLUIDO PRODUÇÃO E VACAS EM LACTAÇÃO Produção Vacas em Lactação (mil cabeças) * VACAS EM LACTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Vacas em lactação (mil cabeças) 1º Índia ,0 2º União Europeia** ,5 3º Brasil ,9 4º Estados Unidos ,6 5º Rússia ,3 6º China ,1 7º México ,6 8º Nova Zelândia ,7 9º Ucrânia ,9 Demais es (7) ,4 Vacas em Lactação (Total) ,0 PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Produção 1º União Europeia** ,2 2º Índia ,4 3º Estados Unidos ,3 4º China ,4 5º Brasil ,8 6º Rússia ,8 7º Nova Zelândia ,7 8º Argentina ,2 9º Ucrânia ,0 Demais es (7) ,2 Produção Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 65

66 LEITE FLUIDO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação * EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Exportação 1º União Europeia** ,8 2º Nova Zelândia ,8 3º Austrália 95 14,9 4º China 30 4,7 5º Argentina 15 2,3 6º México 11 1,7 7º Ucrânia 10 1,6 8º Rússia 5 0,8 9º Canadá 3 0,5 Demais es - - Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Importação 1º Rússia ,2 2º China ,4 3º Filipinas 50 9,2 4º México 43 7,9 5º Brasil 16 2,9 6º Taiwan 15 2,8 7º Ucrânia 7 1,3 8º Austrália 6 1,1 9º União Europeia** 5 0,9 Demais es (1) 1 0,2 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 66

67 LEITE FLUIDO OFERTA E DEMANDA Oferta Demanda * Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. Consumo CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES (2013) 1º União Europeia** ,1 2º Índia ,4 3º Estados Unidos ,3 4º China ,5 5º Rússia ,9 6º Brasil ,8 7º Nova Zelândia ,6 8º Argentina ,2 9º Ucrânia ,0 Demais es (7) ,2 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico Nota: Como o estoque final de leite fluido tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. * Estimativa ** Composta por 27 países 67

68 BOVINOCULTURA LEITE EM PÓ 68

69 LEITE EM PÓ* PRODUÇÃO Produção ** * Refere-se ao leite em pó integral. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) 1º Nova Zelândia ,8 2º China ,4 3º União Europeia*** ,4 4º Brasil ,0 5º Argentina 329 7,2 6º México 168 3,7 7º Austrália 145 3,2 8º Indonésia 74 1,6 9º Chile 69 1,5 Demais es (3) 101 2,2 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 27 países 69

70 LEITE EM PÓ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação * EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Exportação 1º Nova Zelândia ,7 2º União Europeia** ,1 3º Argentina ,4 4º Austrália 114 5,4 5º Filipinas 23 1,1 6º Chile 14 0,7 7º China 11 0,5 8º Estados Unidos 10 0,5 9º México 7 0,3 Demais es (3) 7 0,3 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Importação 1º China ,0 2º Argélia ,1 3º Indonésia 58 6,9 4º Brasil 57 6,8 5º Filipinas 34 4,1 6º Taiwan 31 3,7 7º Rússia 18 2,2 8º México 15 1,8 9º Austrália 10 1,2 Demais es (5) 19 2,3 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 70

71 Oferta Demanda LEITE EM PÓ OFERTA E DEMANDA * Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES (2013) Consumo 1º China ,4 2º Brasil ,0 3º União Europeia** 282 8,4 4º Argélia 185 5,5 5º México 176 5,3 6º Indonésia 128 3,8 7º Argentina 92 2,7 8º Rússia 81 2,4 9º Chile 63 1,9 Demais es (6) 118 3,5 Consumo Total ,0 ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES (2013) Estoque Final 1º Nova Zelândia ,6 2º China 50 16,4 3º Argentina 40 13,1 4º Austrália 35 11,5 5º Argélia 23 7,5 6º Chile 17 5,6 7º Indonésia 10 3,3 8º Estados Unidos 3 1,0 9º Demais es - - Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 71

72 LEITE EM PÓ RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 8,8 8,5 7,5 7,5 8,4 6,7 5,4 13,6 11,3 9,1 10,1 10,7 9, * CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 32,0 30,9 27,4 27,4 30,5 24,4 19,6 49,7 41,1 33,1 36,8 38,9 33, * * Estimativa 72

73 BOVINOCULTURA CARNE BOVINA 73

74 CARNE BOVINA PRODUÇÃO E REBANHO BOVINO Rebanho Bovino (mil cabeças) Produção (mil t eq. carcaça) * REBANHO BOVINO RANKING DOS PAÍSES (2013) Rebanho Bovino (mil cabeças) 1º Índia ,8 2º Brasil ,3 3º China ,1 4º Estados Unidos ,6 5º União Europeia** ,7 6º Argentina ,0 7º Austrália ,0 8º Colômbia ,7 9º Rússia ,0 Demais es (10) ,7 Rebanho Bovino (Total) ,0 PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Produção (mil t eq. carcaça) 1º Estados Unidos ,6 2º Brasil ,3 3º União Europeia** ,4 4º China ,7 5º Índia ,2 6º Argentina ,8 7º Austrália ,8 8º México ,1 9º Paquistão ,4 Demais es (51) ,6 Produção Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 74

75 CARNE BOVINA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação (mil t eq. carcaça) Importação (mil t eq. carcaça) * EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Exportação (mil t eq. carcaça) 1º India ,1 2º Brasil ,2 3º Austrália ,7 4º Estados Unidos ,4 5º Nova Zelândia 529 5,9 6º Canadá 415 4,6 7º Uruguai 375 4,2 8º União Europeia** 300 3,3 9º Paraguai 250 2,8 Demais es (22) ,7 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Importação (mil t eq. carcaça) 1º Estados Unidos ,0 2º Rússia ,5 3º Japão ,7 4º Coreia do Sul 405 5,8 5º México 350 5,0 6º União Europeia** 350 5,0 7º Canadá 290 4,2 8º Venezuela 235 3,4 9º Egito 225 3,2 Demais es (48) ,2 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 75

76 Oferta (mil t eq. carcaça) Demanda (mil t eq. carcaça) CARNE BOVINA OFERTA E DEMANDA * Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES (2013) Consumo (mil t eq. carcaça) 1º Estados Unidos ,4 ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES (2013) Estoque Final (mil t eq. carcaça) 1º Estados Unidos ,0 2º Brasil ,4 3º União Europeia** ,9 4º China ,0 5º Argentina ,7 6º Rússia ,3 7º Índia ,6 8º México ,5 9º Paquistão ,5 Demais es (52) ,7 Consumo Total ,0 2º Japão ,3 3º Austrália ,2 4º Coreia do Sul 81 12,6 5º Canadá 30 4,7 6º Ucrânia 15 2,3 7º º º Demais es - - Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 76

77 CARNE BOVINA RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 1,9 1,7 1,3 1,0 0,8 0,9 1,0 1,1 1,2 1,1 1,2 1,2 1, * CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 7,1 6,4 4,6 3,6 3,0 3,4 3,8 4,1 4,4 4,1 4,3 4,4 4, * * Estimativa 77

78 SUINOCULTURA CARNE SUÍNA 78

79 CARNE SUÍNA PRODUÇÃO E REBANHO SUÍNO Rebanho Suíno (mil cabeças) Produção (mil t eq. carcaça) * REBANHO SUÍNO RANKING DOS PAÍSES (2013) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Rebanho Suíno (mil cabeças) Produção (mil t eq. carcaça) 1º China ,8 2º União Europeia** ,4 3º Estados Unidos ,2 4º Brasil ,8 5º Rússia ,5 6º Canadá ,0 7º Japão ,3 8º México ,3 9º Coreia do Sul ,2 Demais es (3) ,6 Rebanho Suíno (Total) ,0 1º China ,7 2º União Europeia** ,6 3º Estados Unidos ,0 4º Brasil ,2 5º Rússia ,0 6º Vietnã ,9 7º Canadá ,7 8º Filipinas ,2 9º Japão ,2 Demais es (46) ,5 Produção Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 79

80 CARNE SUÍNA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação (mil t eq. carcaça) Importação (mil t eq. carcaça) * EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Exportação (mil t eq. carcaça) Importação (mil t eq. carcaça) 1º Estados Unidos ,3 2º União Europeia** ,4 3º Canadá ,3 4º Brasil 645 8,8 5º China 200 2,7 6º Chile 175 2,4 7º México 110 1,5 8º Bielorússia 90 1,2 9º Austrália 35 0,5 Demais es (11) 65 0,9 Exportação Total ,0 1º Japão ,4 2º Rússia ,6 3º China ,9 4º México ,1 5º Coreia do Sul 505 7,4 6º Hong Kong 445 6,5 7º Estados Unidos 363 5,3 8º Canadá 225 3,3 9º Austrália 210 3,1 Demais es (45) ,3 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 80

81 Oferta (mil t eq. carcaça) CARNE SUÍNA OFERTA E DEMANDA Demanda (mil t eq. carcaça) * Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES (2013) Consumo (mil t eq. carcaça) ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES (2013) Estoque Final (mil t eq. carcaça) 1º China ,5 2º União Europeia** ,4 3º Estados Unidos ,0 4º Rússia ,9 5º Brasil ,6 6º Japão ,4 7º Vietnã ,9 8º México ,7 9º Coreia do Sul ,5 Demais es (47) ,0 Consumo Total ,0 1º Estados Unidos ,1 2º Japão ,0 3º China ,8 4º Coreia do Sul 75 8,9 5º Canadá 38 4,5 6º Ucrânia 22 2,6 7º º º Demais es - - Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 81

82 CARNE SUÍNA RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 1,0 0,9 0,9 0,8 0,9 0,8 0,9 0,8 0,8 0,8 0,8 0,9 0, * CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 3,5 3,4 3,1 2,9 3,3 2,9 3,3 2,9 2,9 2,8 2,9 3,1 2, * * Estimativa 82

83 AVICULTURA CARNE DE FRANGO 83

84 CARNE DE FRANGO PRODUÇÃO Produção * Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) 1º Estados Unidos ,6 2º China ,9 3º Brasil ,6 4º União Europeia** ,5 5º Índia ,1 6º México ,5 7º Rússia ,4 8º Argentina ,4 9º Turquia ,0 Demais es (43) ,0 Produção Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 84

85 CARNE DE FRANGO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação * EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Exportação 1º Brasil ,6 2º Estados Unidos ,4 3º União Europeia** ,1 4º Tailândia 580 5,8 5º China 400 4,0 6º Argentina 285 2,8 7º Turquia 260 2,6 8º Canadá 150 1,5 9º Bielorússia 110 1,1 Demais es (18) 413 4,1 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2013) Importação 1º Japão 840 9,7 2º Arábia Saudita 750 8,7 3º União Europeia** 750 8,7 4º México 640 7,4 5º Iraque 610 7,0 6º Rússia 520 6,0 7º África do Sul 380 4,4 8º Hong Kong 380 4,4 9º Angola 340 3,9 Demais es (40) ,8 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 27 países 85

86 Oferta CARNE DE FRANGO OFERTA E DEMANDA Demanda * Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES (2013) ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES (2013) Consumo Estoque Final 1º China ,0 2º Estados Unidos ,1 3º Brasil ,5 4º União Europeia** ,2 5º México ,4 6º Índia ,1 7º Rússia ,0 8º Japão ,6 9º Argentina ,1 Demais es (43) ,1 Consumo Total ,0 1º Estados Unidos ,2 2º Japão ,3 3º Canadá 50 10,0 4º Tailândia 44 8,8 5º Coreia do Sul 14 2,8 6º º º º Demais es - - Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 27 países 86

87 CARNE DE FRANGO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 0,9 0,9 0,8 1,0 1,0 0,9 0,7 0,8 0,6 0,7 0,7 0,7 0, * CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 3,2 3,2 3,0 3,6 3,7 3,3 2,7 3,0 2,3 2,5 2,4 2,7 2, * * Estimativa 87

88 88 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA E ECONOMIA AGRÍCOLA Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/nº - Bairro Serra Verde, Prédio Gerais 10º andar, Belo Horizonte - MG CEP: Telefone: (31)

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil Relação Econômica Bilateral e Ⅰ.Comércio Exterior e Os principais parceiros de intercâmbio comercial brasileiro são os, a e a. A presença do não é significativa comparando a esses países. As exportações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010 Exportação Brasileira de Laranjas por País de Destino 2010 ESPANHA 5.293.450 12.795.098 PAISES BAIXOS (HOLANDA) 4.669.412 10.464.800 REINO UNIDO 2.015.486 5.479.520 PORTUGAL 1.723.603 3.763.800 ARABIA

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Intercâmbio Comercial do Agronegócio principais mercados de destino Edição 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações

Leia mais

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA INTERNACIONAL DO ARROZ PANORAMA DO MERCADO MUNDIAL DE ARROZ PRINCIPAIS PRODUTORES (em milhões de toneladas) Região 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Var % (14*/13)

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA Setembro 2014 Belo Horizonte MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção e Produtividade

Leia mais

LIGA ÁRABE Comércio Exterior

LIGA ÁRABE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIGA ÁRABE Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014

Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014 Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014 Brasil PARTICIPAÇÃO NO SUPRIMENTO MUNDIAL DE CARNES 2013 Bovino Frango Suíno Produção 2º 3º 4º Consumo 2º 3º 5º Exportação 2º 1º 4º Fonte:

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Agosto/2015 Belo Horizonte - MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção

Leia mais

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos:

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos: Nestlé S.A. 1. Principais Características Matriz: Nestlé S.A. Localização: Vevey, Suíça Ano de fundação: 1866 Internet: www.nestle.com Faturamento (2000): US$ 47.092 mi Empregados (1999): 230.929 1.a.

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DE POLÍTICAS PENITENCIÁRIAS SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS ESTÁTÍSTICA SUSEPE - SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales *

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales * Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais Institute for International Trade Negotiations INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Missão Promover o desenvolvimento sustentável e a competitividade do agronegócio em benefício da

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA 1. Canadá 2. Comunidade da Austrália 3. Estado da Líbia 4. Estados Unidos da América 5. Federação Russa 6. Japão 7. Reino da Arábia Saudita 8. Reino

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

RELATÓRIO PÓS EVENTO

RELATÓRIO PÓS EVENTO RELATÓRIO PÓS EVENTO RELATÓRIO PÓS-EVENTO SUMÁRIO EXECUTIVO LAAD Defence & Security 2013 Expansão da feira Números da 9ª edição da feira Cerimônia Oficial de Abertura Apoio institucional Ministério da

Leia mais

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr.

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Amazônia legal 350 Milhões ha 41% Área útil 350 Milhões hectares

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO MUDANDO DE MUNDO GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO José Manuel Félix Ribeiro 10 de Janeiro de 2012 Programa das Conferências 1O

Leia mais

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC-60 Torre Luminosa Compacta Desenvolvida para ser a melhor opção em custo/benefício, a Torre Luminosa Compacta - TLC-60 combina tecnologia e performance na medida ideal

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) MRE-DPR JANEIRO/2012

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado No âmbito de apólices individuais África do Sul 1 Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Barein Benim Brasil 1 Cabo Verde Camarões Chile China 2 Garantia bancária (decisão casuística). Caso a caso. Garantia

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Viçosa - MG, Maio, 2008 VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional Monique S. Morata TÓPICOS DO DIA O mercado

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Motorola Incorporation

Motorola Incorporation Motorola Incorporation 1. Principais Características Matriz: Motorola Incorporation Localização: Illinois, Estados Unidos Ano de fundação: 1928 Internet: www.motorola.com Faturamento (2000): US$ 37.580

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão CHAVES DE FIM DE CURSO Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão Índice Importância das Normas Técnicas página 3 Produtos Especiais página 4 Chaves de Emergência Linha 500 página 5 Chaves de

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

Agronegócio, competividade e Plano Nacional de Exportações foram destaques no ENAEX 2015

Agronegócio, competividade e Plano Nacional de Exportações foram destaques no ENAEX 2015 Edição 16 - Setembro de 2015 Agronegócio, competividade e Plano Nacional de Exportações foram destaques no ENAEX 2015 Em agosto deste ano a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015 Uzo Sempre 8 Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,085 SMS Todas as redes nacionais 0,085 MMS Todas as redes nacionais 0,590 Todas as redes nacionais - Video 0,790 Dados Internet

Leia mais

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS/Internet Voz Todas as redes nacionais 0,186 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,140 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO:

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: REFLEXÕES, OPORTUNIDADES E DESAFIOS Marcelo Fernandes Guimarães Coordenador Geral de Estudos e Informações Agropecuárias Secretaria de Política Agrícola Principais Perspectivas

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais