FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR"

Transcrição

1 FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 15 de outubro de 2013

2 2 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO, SEM PESO

3 3 - VIAS DE TRANSPORTE NA EXPORTAÇÃO, VALOR E PESO, EM 2012 VIAS DE VALOR PESO TRANSPORTE US$ BILHÕES PART. % TONS PART. % MARÍTIMA 202,614 83, ,11 AÉREA 10,783 4, ,19 TERRESTRE 16,519 6, ,01 - RODOVIÁRIA 16,158 6, ,94 - FERROVIÁRIA 0,361 0, ,07 FLUVIAL 1,395 0, ,33 MEIOS PRÓPRIOS 8,832 3, ,32 LINHA TRANSMISSÃO 2,436 1, ,04 TUBO CONDUTO 0,385 0,15 1 0,00 POSTAL 0,001 0, TOTAL 242, , ,00 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB

4 4 EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Em milhões de tons PRODUTOS BÁSICOS SEMIMANUF MANUFATUR OPER. ESPEC TOTAL Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB

5 5 - QUANTUM EXPORTADO POR COMMODITIES tons Produtos * Café cru Soja em grão Farelo soja Óleo de soja Açúcar bruto Açúcar refinado Carne frango Carne bovina Carne suína Celulose Petróleo Alumínio Minério de ferro** Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Projetado **Milhões tons

6 6 - PREÇOS MÉDIOS DE EXPORTAÇÃO POR COMMODITIES US$ / ton Produtos * Café cru Soja em grão Farelo soja Óleo de soja Açúcar bruto Açúcar refinado Carne frango Carne bovina Carne suína Celulose Petróleo Alumínio Minério de ferro Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Em setembro

7 ANO 7 - BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO SALDO CORR.COM. US$ BI VAR. % US$ BI VAR. % US$ BI US$ BI ,119 14,80 55,851 13,28-0, , ,286 5,75 55,601-0,45 2, , ,438 3,69 47,242-15,03 13, , ,203 21,12 48,325 2,29 24, , ,677 32,07 62,835 30,03 33, , ,529 22,60 73,600 17,13 44, , ,807 16,26 91,351 24,12 46, , ,649 16,58 120,617 32,04 40, , ,942 23,21 172,985 43,42 24, , ,994-22,71 127,722-26,17 25, , ,915 31,98 181,649 42,22 20, , ,041 26,81 226,251 24,55 29, , ,579-5,26 223,149-1,37 19, , * 238,000-1,9 238,000 6,6 0, ,000 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Previsão

8 8 ÍNDICES DE PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS, EM % PAÍSES China 0,88 1,80 3,86 5,02 6,43 8,00 8,88 10,35 10,43 11,18 EUA 11,06 11,40 12,11 10,67 8,84 8,47 7,99 8,39 8,13 8,44 Alemanha 9,49 12,21 8,55 9,49 9,87 9,15 8,97 8,33 8,09 7,68 Japão 6,39 8,32 7,42 6,42 6,14 5,34 4,85 5,05 4,52 4,36 Holanda 3,64 3,83 3,61 3,76 3,87 3,83 3,96 3,75 3,62 3,58 França 5,70 6,29 5,08 5,11 4,90 4,09 3,82 3,41 3,05 3,10 Coréia Sul 0,88 1,89 2,66 2,50 2,76 2,68 2,62 3,06 3,05 2,99 Itália 3,84 4,93 3,72 3,91 3,84 3,44 3,37 2,94 2,87 2,73 Rússia 3,74 2,38 1,64 1,65 1,99 2,50 2,93 2,63 2,50 2,89 Reino Un. 5,41 5,37 4,42 4,31 3,76 3,71 2,85 2,66 2,60 2,55 Canadá 3,34 3,71 4,29 3,88 3,44 3,20 2,83 2,55 2,48 2,48 México 0,88 1,19 2,57 2,48 2,04 2,06 1,81 1,96 1,92 2,02 Índia 0,44 0,52 0,65 0,76 0,83 1,01 1,21 1,44 1,63 1,60 Brasil 0,99 0,90 0,85 0,92 1,04 1,14 1,23 1,33 1,41 1,33 Africa Sul 1,23 0,67 0,46 0,46 0,50 0,48 0,50 0,54 0,53 0,47 Argentina 0,39 0,35 0,40 0,40 0,38 0,39 0,43 0,45 0,44 0,44 Fonte: OMC Elaboração: AEB

9 NÚM. ORDEM 9 - RANKING MUNDIAL DE EXPORTAÇÃO, EM 2012 PAÍSES EXPORTADORES VALOR US$ Bi PART. % NUM. ORDEM PAÍSES EXPORTADORES VALOR US$ BI PART. % 1 CHINA ,18 16 MÉXICO 371 2,02 2 ESTADOS UNIDOS ,44 17 TAIWAN 301 1,64 3 ALEMANHA ,68 18 EMIR. ÁRABES 300 1,64 4 JAPÃO 799 4,36 19 ÍNDIA 293 1,60 5 HOLANDA 656 3,58 20 ESPANHA 292 1,59 6 FRANÇA 569 3,10 21 AUSTRÁLIA 257 1,40 7 CORÉIA DO SUL 548 2,99 22 BRASIL 243 1,33 8 RÚSSIA 529 2,89 23 TAILÂNDIA 230 1,26 9 ITÁLIA 500 2,73 24 MALÁSIA 227 1,24 10 HONG KONG 493 2,69 25 SUIÇA 226 1,23 11 REINO UNIDO 468 2,55 26 INDONÉSIA 188 1,03 12 CANADÁ 455 2,48 27 POLÔNIA 183 1,00 13 BÉLGICA 446 2,43 28 SUÉCIA 172 0,94 14 SINGAPURA 408 2,23 29 ÁUSTRIA 166 0,91 15 ARÁBIA SAUDITA 386 2,11 30 NORUEGA 160 0,87 Fonte: OMC TOTAL MUNDIAL US$ BILHÕES % Elaboração: AEB

10 10 BALANÇA COMERCIAL DE PRODUTOS BÁSICOS ANOS EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO SALDO ,473 9,025 5, ,561 7,290 5, ,342 6,793 8, ,951 6,834 10, ,178 8,130 13, ,517 11,712 16, ,721 12,813 21, ,285 17,163 23, ,595 21,782 29, ,027 31,631 41, ,957 18,729 43, ,004 23,891 66, ,457 32,082 90, ,456 29,281 84, * 74,974 22,637 52,337 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Até Agosto US$ bilhões

11 11 BALANÇA COMERCIAL DE PRODUTOS SEMIMANUFATADOS Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Até Agosto US$ bilhões ANOS EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO SALDO ,478 1,791 6, ,498 2,100 6, ,243 1,896 6, ,964 1,683 7, ,943 1,926 9, ,431 2,818 10, ,960 3,165 12, ,522 4,305 15, ,799 5,662 16, ,073 8,860 18, ,499 5,100 15, ,207 7,103 21, ,026 9,381 26, ,042 9,023 24, * 19,796 5,468 14,328

12 12 BALANÇA COMERCIAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Até Agosto US$ bilhões ANOS EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO SALDO ,189 50,541-21, ,558 46,394-13, ,957 46,901-13, ,068 38,654-5, ,763 38,204 1, ,137 48,272 4, ,360 56,756 8, ,022 69,875 5, ,942 93,184-9, , ,477-39, , ,830-36, , ,747-71, , ,782-92, , ,843-94, * 58, ,316-74,079

13 13 - PARTICIPAÇÃO DO COMÉRCIO MUNDIAL, POR BLOCOS, EM 2012 EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO BLOCOS DE PAÍSES MUNDIAL MUNDIAL SALDO US$ Trilhões Part. % US$ Trilhões Part. % US$ Trilhões NAFTA 2,373 13,3 3,192 17,6-0,819 ASIA 5,640 31,6 5,795 31,9-0,155 UNIÃO EUROPÉIA 6,373 35,7 6,519 35,9-0,146 AMÉRICA SUL/ CARIBE 0,749 4,2 0,753 4,2-0,004 AFRICA 0,626 3,5 0,604 3,3 0,022 ORIENTE MÉDIO 1,287 7,2 0,721 4,0 0,566 EUROPA ORIENTAL 0,804 4,5 0,568 3,1 0,236 TOTAL 17, ,0 18, ,0-0,300 EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO BLOCOS DE PAÍSES BRASILEIRA BRASILEIRA SALDO US$ Bilhões Part. % US$ Bilhões Part. % US$ Bilhões NAFTA 33,9 14,0 41,8 18,7-7,9 ASIA 75,7 31,2 68,9 30,9 6,8 UNIÃO EUROPÉIA 48,9 20,2 47,8 21,4 1,1 AMÉRICA SUL/ CARIBE 50,8 20,9 38,7 17,4 12,1 AFRICA 12,4 5,1 14,4 6,5-2,0 ORIENTE MÉDIO 11,6 4,8 7,4 3,3 4,2 EUROPA ORIENTAL 4,4 1,8 4,1 1,8 0,3 PROVISÃO NAVIOS 4,9 2, ,9 TOTAL 242,6 100,0 223,1 100,0 19,5

14 14 DESTINOS DAS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS, US$ BILHÕES Mercosul Aladi ( Ex Mercosul) ANOS TOTAL GERAL GERAL ARG GERAL México Chile ,559 7,752 5,722 4,747 1,505 1,128 9,544 1,583 6,162 0, ,957 6,740 4,492 5,337 1,689 1,106 11,001 1,552 5,293 1, ,068 3,617 2,004 5,986 2,126 1,179 11,610 2,295 5,590 1, ,763 5,632 4,063 6,528 2,501 1,443 12,909 2,906 6,788 1, ,137 9,439 6,748 9,472 3,487 1,942 14,723 3,252 9,989 2, ,360 12,797 9,139 12,046 3,592 2,867 16,050 4,402 10,865 3, ,022 15,946 10,779 14,667 3,907 2,647 16,655 3,967 12,949 4, ,942 20,033 13,409 15,804 3,718 2,731 15,829 4,150 16,373 5, ,682 23,570 16,159 16,765 3,594 3,122 16,109 5,330 17,698 6, ,349 17,282 12,117 11,258 2,385 2,021 9,328 5,354 13,728 5, ,562 22,583 16,836 14,365 3,252 2,919 9,973 5,744 15,429 4, ,290 27,566 20,411 15,744 3,312 2,854 11,685 7,702 17,183 5, ,707 23,848 16,385 16,882 3,315 2,943 13,440 8,090 17,522 4, * 58,237 16,201 11,839 11,561 2,028 1,830 8,571 4,059 10,059 3,000 % 13/12-1,3 3,6 9,6 2,9-13,2-5,2-1,4-17,0-14,1 2,7 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Até agosto EUA ÁSIA U.E. África

15 15 DESTINO DAS EXPORTÃÇÕES DE MANUFATURADOS, EM % Anos Mercosul Aladi (Ex Merc) Asia U. E. EUA Tot. Arg Tot. Mex Chi Tot Chi Tot Hol ,8 17,6 14,6 4,6 3,5 29,3 4,9 0,6 18,9 2,5 2,8 1,1 0,3 1,1 3, ,4 13,6 16,2 5,1 3,4 33,4 4,7 1,4 16,1 2,2 4,0 1,8 0,3 1,0 2, ,9 6,1 18,1 6,4 3,6 35,1 6,9 1,6 16,9 2,6 4,9 2,4 0,4 0,9 3, ,2 10,2 16,4 6,3 3,6 32,5 7,3 2,9 17,1 2,8 4,8 2,1 0,6 0,7 4, ,8 12,7 17,8 6,6 3,6 27,7 6,1 1,8 18,8 4,4 4,9 2,2 0,6 0,5 3, ,6 14,0 18,4 5,5 4,4 24,6 6,7 1,7 16,6 1,8 5,8 2,5 0,8 0,6 4, ,2 14,4 19,6 5,2 3,5 22,2 5,3 1,2 17,3 2,4 6,3 3,2 0,7 0,8 3, ,9 16,0 18,8 4,4 3,3 18,8 4,9 1,0 19,5 3,5 7,0 2,7 0,8 0,9 2, ,4 16,4 18,1 3,9 3,4 17,4 5,8 1,2 19,1 4,1 7,1 2,4 1,0 1,0 2, ,7 18,0 16,7 3,5 3,0 13,8 7,9 2,1 20,4 5,2 7,4 3,0 0,5 1,1 3, ,4 21,2 18,1 4,1 3,7 12,5 7,2 1,7 19,4 4,9 5,5 3,2 0,5 1,4 3, ,9 22,1 17,1 3,6 3,1 12,7 8,3 2,2 18,6 5,1 5,5 2,7 0,7 1,3 3, ,3 18,1 18,6 3,6 3,2 14,8 8,9 2,6 19,3 7,5 5,2 2,6 0,8 1,3 2, ,8 20,3 19,8 3,5 3,1 14,7 7,0 1,7 17,3 6,6 5,1 2,3 1,0 2,7 2,3 Fonte: MDIC/SECEX Afr. Elaboração: AEB *Até agosto Ori Md Eur Or Aelc Out.

16 16 - TAXAS DE CÂMBIO ANOS TAXAS DE CÂMBIO R$ / US$ 31 MAR 30 JUN 30 SET 31 DEZ ,1366 1,1561 1,1848 1, ,7212 1,7687 1,9215 1, ,7465 1,7992 1,8429 1, ,1608 2,3041 2,6705 2, ,3228 2,8436 3,8941 3, ,3523 2,8712 2,9226 2, ,9078 3,1067 2,8578 2, ,6654 2,3496 2,2214 2, ,1716 2,1635 2,1734 2, ,0496 1,9254 1,8381 1, ,7483 1,5911 1,9135 2, ,3144 1,9508 1,7773 1, ,7802 1,8007 1,6934 1, ,6279 1,5603 1,8536 1, ,8215 2,0207 2,0300 2, ,0132 2,2150 2,2294 Fonte: BACEN Elaboração: AEB

17 17 CUSTOS E VARIAÇÃO CAMBIAL VARIAÇÃO PERÍODO DEZ A SET IPCA: 155,5 % INPC: 162,0 % IGP-DI: 250,2 % IGP-M: 251,5 % SALÁRIO MÍNIMO: 421,5% VARIAÇÃO CAMBIAL : 84,6%

18 18 - COMPOSIÇÃO PERCENTUAL DAS EXPORTAÇÕES ANOS BÁSICOS SEMIMANUFAT MANUFATUR. OPERAÇ. ESP ,22 11,22 40,15 1, ,16 11,67 44,84 1, ,30 10,76 54,85 1, ,84 15,96 55,99 1, ,61 20,57 55,49 1, ,79 15,42 59,07 2, ,33 14,14 56,54 2, ,06 14,83 54,71 2, ,94 14,95 54,32 1, ,51 13,89 54,96 1, ,30 13,47 55,14 2, ,23 14,17 54,44 2, ,12 13,57 52,25 2, ,89 13,68 46,82 2, ,50 13,40 44,02 2, ,58 13,97 39,40 2, ,83 14,07 36,05 2, ,77 13,62 37,39 2, * 48,11 12,65 36,92 2,32 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB *Até Setembro

19 19 - QUANTIDADE DE EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS ANOS EMPRESAS EXPORTADORAS EMPRESAS IMPORTADORAS QUANTIDADE VARIAÇÃO QUANTIDADE VARIAÇÃO Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB

20 20 TAXA DE CÂMBIO NA EXPORTAÇÃO COMMODITY: Fator de Rentabilidade MANUFATURADO: Fator de Competitividade

21 21 MERCADOS DE EXPORTAÇÃO COMMODITY: Mercado instável (Preço e quantidade são definidos pelo importador) MANUFATURADO: Mercado Estável (Preço e quantidade são definidos pelo exportador)

22 22 QUEM É COMPETITIVA? - TAXA DE CÂMBIO OU - EMPRESAS EXPORTADORAS

23 23 ENTRAVES E GARGALOS À EXPORTAÇÃO (MANUFATURADO) SISTEMA TRIBUTÁRIO COMPLEXO E ARCAICO: onera custo produção, desestimula industrialização, imobiliza capital e gera exportação de tributos INFRAESTRUTURA VIRTUAL: insuficiente, deficiente e onerosa, gerando alto custo de logística e redução / perda de competitividade CARGA TRIBUTÁRIA ILIMITADA: composta de tributos, contribuições, taxas, etc, provoca elevação custo direto mercado interno e indireto exportação LEGISLAÇÃO TRABALHISTA ULTRAPASSADA: eleva custo de pessoal e desestimula geração novos postos de trabalho CUSTO FINANCEIRO: elevadas taxas reais praticadas oneram custo de produção, inclusive de exportação BUROCRACIA ASFIXIANTE: 17 diferentes órgãos públicos com atuação no comércio exterior geram custos ociosos que afetam exportação POLÍTICA COMÉRCIO EXTERIOR: Isolada ministérios, não Integrada governo VISÕES DIFERENTES: Governo pensa a curto prazo (Reintegra 2013, desoneração folha 2014 e ABGF), empresas / mercados médio/longo prazo

24 24 DESAFIOS E PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR FAZER DEVER DE CASA Realizar reformas estruturais: tributária, trabalhista e previdenciária Tornar permanentes Reintegra e desoneração folha pagamento exportação Investir forte e urgentemente infraestrutura para reduzir custo de logística Criar política governamental integrada de comércio exterior Selecionar mercados para agressiva promoção comercial, sem ideologia Promover feiras exterior difundir país industrial e exportador manufaturado Negociar acordos comerciais para evitar risco de isolamento comercial Atacar as causas dos problemas e não seus efeitos, meros paleativos Eliminação entraves listados abre novas e amplas perspectivas industriais Sem entraves e gargalos, taxa de câmbio será apenas fator de conversão Enquanto isso, taxa de câmbio continua sendo fator de competitividade Sem fazer dever de casa, solução é rezar, de preferência em mandarim

25 25 - BRICs, MERCADOS DO FUTURO, DADOS 2012 PAISES PIB US$ Bilhões População em Milhões População Rural % Renda Per Capita US$ Área em km² Densidade Demográf. Por km² Exportação US$ Bilhões Importação US$ Bilhões BRASIL , RÚSSIA , ÍNDIA , CHINA , Fontes: OMC, BANCO MUNDIAL e WIKIPÉDIA Elaboração: AEB

26 26 ELIMINAÇÃO DO CUSTO BRASIL BUROCRACIA CUSTOS DE LOGÍSTICA REFORMA TRIBUTÁRIA INSERÇÃO INTERNAC. CUSTO BRASIL = CUSTOS OCIOSOS INFRA- ESTRUTURA REFORMA PREVIDÊNCIA CARGA TRIBUTÁRIA CUSTOS FINANCEIROS

27 27 OBJETIVO FINAL MAIS REDUÇÃO DE CUSTOS E MENOS TAXA DE CÂMBIO

28 AEB ASSOCIAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Presidente Avenida General Justo, 335-4º andar Centro Rio de Janeiro Cep: Fone: (21) Fax: (21)

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS PALESTRA CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Belo Horizonte, 30 de agosto de 2016 2 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO

Leia mais

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS NO SETOR PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 02 de abril de 2013

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Resultados de Janeiro-Agosto/2015 US$ milhões FOB Exportação: -16,7% Importação: -21,3% Corrente: -19,0% Saldo: +US$ 7,092 bilhões Variação % em Valor, Preço e Quantum Janeiro

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

FIERGS - CIERGS. 19ª Reunião do Conselho de Relações Internacionais e Comércio Exterior (CONCEX) da FIERGS PALESTRA

FIERGS - CIERGS. 19ª Reunião do Conselho de Relações Internacionais e Comércio Exterior (CONCEX) da FIERGS PALESTRA FIERGS - CIERGS 19ª Reunião do Conselho de Relações Internacionais e Comércio Exterior (CONCEX) da FIERGS PALESTRA OS DESAFIOS DA ATUALIDADE DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto

Leia mais

A AEB E A PROMOÇÃO COMERCIAL

A AEB E A PROMOÇÃO COMERCIAL MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DIÁLOGOS SOBRE POLÍTICA EXTERNA PROMOÇÃO COMERCIAL A AEB E A PROMOÇÃO COMERCIAL ANTONIO SERGIO MARTINS MELLO Brasília, 14 de março de 2014 1 HISTÓRICO - AEB MISSÕES E

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

LIGA ÁRABE Comércio Exterior

LIGA ÁRABE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIGA ÁRABE Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

RADIOGRAFIA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

RADIOGRAFIA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO RADIOGRAFIA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO Rio de Janeiro, 15 de janeiro de 2012 Av. General Justo, 335 4º andar Cep 20021-130 Rio de Janeiro Brasil Tel.: (21) 2544-0048 -

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia?

Brasil: Potência ou Colônia? Brasil: Potência ou Colônia? Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil Relação Econômica Bilateral e Ⅰ.Comércio Exterior e Os principais parceiros de intercâmbio comercial brasileiro são os, a e a. A presença do não é significativa comparando a esses países. As exportações

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Marco Polo de Mello Lopes Presidente Executivo ABM Maio 2011 1 PIB x Consumo de Aço x Desenvolvimento Econômico 2 Conversa entre Lula e

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso de Graduação em Administração (Presencial) Turmas 1 e 2 MACROECONOMIA Prof. Adm. Dr. José Carlos de Jesus Lopes Material

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales *

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales * Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais Institute for International Trade Negotiations INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal Unificação das associações em uma nova entidade José Perboyre Diretor Financeiro e Administrativo Coordenador do Grupo Permanente de Logística A UBABEF Entidades

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 Carlos Fadigas A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 10 % do PIB INDUSTRIAL 6 ª MAIOR Indústria Química DO MUNDO A INDÚSTRIA QUÍMICA DEVE FATURAR US$ 157 BILHÕES

Leia mais

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Intercâmbio Comercial do Agronegócio principais mercados de destino Edição 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações

Leia mais

As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário

As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário JOSÉ VICENTE FERRAZ JULIANA MORETTI ANGELO 20 de Junho 2008 Investment Grade Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (milhões

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 14 José Ricardo Roriz Coelho PARTE II Novembro

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões),

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), Dezembro / 2014 Resultados de Dezembro de 2014 - Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), redução de 19,9%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

Competitividade e Desafios da Indústria do Aço

Competitividade e Desafios da Indústria do Aço Competitividade e Desafios da Indústria do Aço Harley Scardoelli 25 de maio de 2014 As economias devem se recuperar de forma gradual ao longo dos próximos anos 6,0 5,0 4,0 3,0 3,2 5,1 3,0 4,7 3,6 4,9 3,9

Leia mais

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Departamento Jurídico - DEJUR Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Painel - Reforma Tributária à luz do desenvolvimento regional Helcio Honda O que a Sociedade espera de uma Reforma

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais