200 4 Anuário Estatístico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "200 4 Anuário Estatístico"

Transcrição

1 2004 Anuário Estatístico

2

3 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO SANOVICZ Presidente José Francisco de Salles Lopes Diretor de Estudos e Pesquisas Neiva Duarte Gerente de Estudos e Pesquisas Mudestino Carvalho Barroso Coordenador de Economia do Turismo Apoio Técnico Joaquim Pinheiro de Almeida Neto Leila Maria Quinhões de Carvalho Holsbach Sueli de Castro Fonseca Colaboração Especial Gilce Zelinda Battistuz - Estatística - Secretaria de Estado do Turismo do Paraná EMBRATUR Diretoria de Estudos e Pesquisas Setor Comercial Norte Quadra 2 Bloco G sala Brasília DF Tel.: /7757 Fax. : Internet :

4 MINISTÉRIO DO TURISMO INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO - EMBRATUR Anuário Estatístico EMBRATUR volume Anuário Estatístico EMBRATUR, Brasília, v. 31, p /2003

5 Anuário Estatístico da Embratur Brasília: Ministério do Turismo/ Instituto Brasileiro de Turismo/ Diretoria de Estudos e Pesquisas, v p. dados de Estatística 2. Turismo I. Ministério do Turismo II. Embratur CDU: : 311 (81)

6 Apresentação Desde 1973, a Embratur - Instituto Brasileiro do Turismo divulga informações, compiladas em diversos setores da atividade turística no Brasil, em seu Anuário Estatístico. A edição de número 31 (ano de 2004) traz dados de 2003 referentes ao fl uxo de entrada de turistas estrangeiros, abrangendo país de residência permanente por portão de entrada, via de acesso e mês; informações sobre as características desses visitantes, bem como dados sobre a movimentação de desembarques nacionais e internacionais de passageiros em aeroportos. A publicação traz ainda dados sobre o cadastro de equipamentos e prestadores de serviços turísticos e a evolução dos resultados econômicos do turismo no Brasil e no mundo. Ressalte-se que a elaboração e divulgação desta publicação integra os esforços para criação de uma base de dados gerenciais sobre a atividade turística e se ajusta às diretrizes do Plano Nacional de Turismo (PNT), quanto à necessidade de produção e disseminação de informações sobre a atividade turística, expressa no Macro Programa 7 do PNT Informação Turística. Finalmente, a Embratur expressa seu agradecimento pela valiosa contribuição a todos que participaram e colaboraram para a elaboração deste Anuário. Anuário Estatístico Embratur

7 Sumário I TURISMO RECEPTIVO 1 SÍNTESE BRASIL 1.1 Entrada de Turistas no Brasil / Entrada de Turistas no Brasil, segundo Vias de Acesso 1.3 Entrada de Turistas no Brasil, segundo Pontos de Chegada 1.4 Entrada de Turistas no Brasil, segundo Pontos de Chegada, Via Aérea 1.5 Entrada de Turistas no Brasil, segundo Pontos de Chegada, Via Fluvial 1.6 Entrada de Turistas no Brasil, segundo Pontos de Chegada, Via Marítima 1.7 Entrada de Turistas no Brasil, segundo Pontos de Chegada, Via Terrestre 1.8 Entrada de Turistas no Brasil, segundo Pontos de Chegada e Regiões de Residência Permanente 1.9 Entrada de Turistas no Brasil, segundo Regiões de Residência Permanente / Entrada Mensal de Turistas no Brasil, segundo Vias de Acesso 1.11 Entrada de Turistas no Brasil, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso 1.12 Entrada de Turistas no Brasil, segundo o País de Residência Permanente 1.13 Entrada de Turistas no Brasil, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea 1.14 Entrada de Turistas no Brasil, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima 1.15 Entrada de Turistas no Brasil, segundo o País de Residência Permanente, Via Terrestre 1.16 Entrada de Turistas no Brasil, segundo o País de Residência Permanente, Via Fluvial 2 ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 2.1 AMAZONAS Entrada de Turistas pelo Amazonas, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pelo Amazonas, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pelo Amazonas, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas pelo Amazonas, segundo o País de Residência Permanente, Via Terrestre Entrada de Turistas pelo Amazonas, segundo o País de Residência Permanente, Via Fluvial 2.2 BAHIA Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima 2.3 CEARÁ Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas pela Bahia, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima 2.4 MATO GROSSO DO SUL Entrada de Turistas pelo Mato Grosso do Sul, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pelo Mato Grosso do Sul, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pelo Mato Grosso do Sul, segundo o País de Residência Permanente, Via Terrestre Entrada de Turistas pelo Mato Grosso do Sul, segundo o País de Residência Permanente, Via Fluvial 2.5 PARÁ Entrada de Turistas pelo Pará, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pelo Pará, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pelo Pará, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas pelo Pará, segundo o País de Residência Permanente, Via Fluvial 2.6 PARANÁ Entrada de Turistas pelo Paraná, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pelo Paraná, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pelo Paraná, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas pelo Paraná, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima Entrada de Turistas pelo Paraná, segundo o País de Residência Permanente, Via Terrestre Entrada de Turistas pelo Paraná, segundo o País de Residência Permanente, Via Fluvial 2.7 PERNAMBUCO Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima 2.8 RIO GRANDE DO NORTE Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas por Pernambuco, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima 2.9 RIO GRANDE DO SUL Entrada de Turistas pelo R.G. do Sul, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pelo R.G. do Sul, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pelo R.G. do Sul, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas pelo R.G. do Sul, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima Entrada de Turistas pelo R.G. do Sul, segundo o País de Residência Permanente, Via Terrestre Entrada de Turistas pelo R.G. do Sul, segundo o País de Residência Permanente, Via Fluvial 2.10 RIO DE JANEIRO Entrada de Turistas pelo R. de Janeiro, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas pelo R. de Janeiro, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas pelo R. de Janeiro, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas pelo R. de Janeiro, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima 2.11 SANTA CATARINA Entrada de Turistas por Santa Catarina, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas por Santa Catarina, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas por Santa Catarina, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas por Santa Catarina, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima Entrada de Turistas por Santa Catarina, segundo o País de Residência Permanente, Via Terrestre

8 2.12 SÃO PAULO Entrada de Turistas por São Paulo, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas por São Paulo, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas por São Paulo, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas por São Paulo, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima 2.13 OUTROS PONTOS Entrada de Turistas por Outros Pontos, segundo o País de Residência Permanente e Vias de Acesso Entrada de Turistas por Outros Pontos, segundo o País de Residência Permanente Entrada de Turistas por Outros Pontos, segundo o País de Residência Permanente, Via Aérea Entrada de Turistas por Outros Pontos, segundo o País de Residência Permanente, Via Marítima Entrada de Turistas por Outros Pontos, segundo o País de Residência Permanente, Via Terrestre Entrada de Turistas por Outros Pontos, segundo o País de Residência Permanente, Via Fluvial 3 PESQUISA SOBRE TURISMO INTERNACIONAL 3.1 Pesquisa sobre o Turismo Receptivo Internacional Pesquisa sobre o Turismo Receptivo Internacional Gasto, Permanência e Motivo da Viagem dos Turistas em Visita ao Brasil / Gasto, Permanência e Motivo da Viagem dos Emissores de Turistas para o Brasil Gasto, Permanência e Motivo da Viagem dos Emissores de Turistas para o Brasil TRANSPORTE AÉREO INTERNACIONAL 4.1 Movimentação de Passageiros em Vôos Regulares Internacionais por Empresas Transportadoras: Origem Brasil 1998/ Movimentação de Passageiros em Vôos Regulares Internacionais por Empresas Transportadoras: Destino Brasil 1998/ Movimentação de Passageiros em Vôos Regulares Internacionais por Países: Origem e Destino Brasil 4.4 Movimentação de Passageiros Internacionais nos Principais Aeroportos Movimentação de Passageiros Internacionais nos Principais Aeroportos 2003 II TURISMO INTERNO 5 MOVIMENTAÇÃO DE PASSAGEIROS NOS AEROPORTOS DO BRASIL 5.1 Movimentação de Passageiros nos Principais Aeroportos por Origem e Destino Movimentação de Passageiros nos Principais Aeroportos por Origem e Destino Movimentação de Passageiros nos Aeroportos por U.F Movimentação de Passageiros nos Aeroportos por U.F Movimentação de Passageiros por Aeroportos e U.F Movimentação de Passageiros por Aeroportos e U.F Movimentação Anual de Passageiros nos Aeroportos 1988/ EQUIPAMENTOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TURÍSTICOS CADAS- TRADOS NA EMBRATUR/MTUR 6.1 Agências de Turismo, Meios de Hospedagem, Transportadoras Turísticas e Organizadoras de Eventos, cadastrados na EMBRATUR / MTUR 2002/ Instituições de Ensino, Guias de Turismo e Cursos de Guias de Turismo Cadastrados na EMBRATUR/MTUR Instituições de Ensino, Guias de Turismo e Cursos de Guias de Turismo Cadastrados na EMBRATUR/MTUR RESULTADOS ECONÔMICOS 7.1 Balanço de Pagamentos Conta Turismo do Brasil 1981/ Receita Cambial Gerada pelo Turismo Internacional no Brasil 1981/ Investimento em Turismo no Brasil Aplicações em Turismo por Agente Financeiro 2002/ Investimentos em Infra-estrutura Aplicações de Fundos Constitucionais por Agente Financeiro 2000 / Indicadores Gerais da Economia Brasileira III TURISMO MUNDIAL 8 INDICADORES GERAIS 8.1 Evolução do Turismo Mundial 1965/ Chegada de Turistas Internacionais por Região 1998/ Principais Países Receptores de Turistas Internacionais 2000/ Receita Cambial do Turismo Internacional por Região 1998/ Receita Cambial Internacional de Exportação e Turismo 1981/ Receita Cambial Turística do Mundo e das Américas 1981/ Receita Cambial Turística dos Principais Países Receptores de Turistas 2000/2003 GRÁFICOS TURISMO RECEPTIVO Entrada de Turistas no Brasil por Vias de Acesso 2003 Entrada Mensal de Turistas no Brasil 2003 Principais Mercados Emissores de Turistas para o Brasil 2003 Principais Portões de Entrada de Turistas Estrangeiros no Brasil 2003 Entrada Mensal de Turistas pelo Portão Paraná 2003 Entrada Mensal de Turistas pelo Portão Rio Grande do Sul 2003 Entrada Mensal de Turistas pelo Portão Rio de Janeiro 2003 Entrada Mensal de Turistas pelo Portão São Paulo 2003 Principais Cidades Visitadas pelos Turistas Estrangeiros 2003 Gasto Médio Per Capita/Dia dos Turistas em Visita ao Brasil 1993/2003 Desembarques de Passageiros em Vôos Internacionais 1994/2003 TURISMO INTERNO Desembarques de Passageiros em Vôos Nacionais 1994/2003 TURISMO MUNDIAL Evolução do Turismo Mundial 1994/2003 CONVENÇÕES... O dado é desconhecido, porém existe - O dado não existe r p e Revisado Provisório Estimado

9 Turismo Receptivo Síntese Brasil

10 TURISMO RECEPTIVO 1 - Síntese Brasil ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL /2003 ANOS TURISTAS ANOS TURISTAS ANOS TURISTAS ANOS TURISTAS ANOS TURISTAS ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO VIAS DE ACESSO P O N T O S D E VIA AÉREA VIA MARÍTIMA VIA TERRESTRE VIA FLUVIAL TOTAL C H E G A D A AMAZONAS BAHIA CEARÁ MATO GROSSO DO SUL PARÁ PARANÁ PERNAMBUCO RIO GRANDE DO NORTE RIO GRANDE DO SUL RIO DE JANEIRO SÃO PAULO SANTA CATARINA OUTROS PONTOS T O T A L Dados de 2002 foram revisados ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA MESES AMAZONAS BAHIA CEARÁ M.GROSSO DO SUL PARÁ PARANÁ PERNAMBUCO JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL Dados de 2002 foram revisados ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA (Conclusão) MESES R.GRANDE DO NORTE R.GRANDE DO SUL R. DE JANEIRO SANTA CATARINA SÃO PAULO OUTROS PONTOS TOTAL JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL Dados de 2002 foram revisados (Continua) 9

11 Anuário Estatístico EMBRATUR SÍNTESE BRASIL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA, VIA AÉREA MESES AMAZONAS BAHIA CEARÁ PARÁ PARANÁ PERNAMBUCO JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL (Continua) ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA, VIA AÉREA MESES R.GRANDE DO NORTE R.GRANDE DO SUL R. DE JANEIRO SANTA CATARINA SÃO PAULO OUTROS PONTOS TOTAL JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA, VIA FLUVIAL (Conclusão) MESES AMAZONAS MATO GROSSO DO SUL PARÁ PARANÁ R.GRANDE DO SUL OUTROS PONTOS TOTAL JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL Dados de 2002 foram revisados 10

12 TURISMO RECEPTIVO 1 - SÍNTESE BRASIL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADAS, VIA MARÍTIMA MESES BAHIA CEARÁ PARANÁ PERNAMBUCO R.GRANDE DO NORTE JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL (Continua) ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADAS, VIA MARÍTIMA MESES R. GRANDE DO SUL SANTA CATARINA R.DE JANEIRO SÃO PAULO OUTROS PONTOS TOTAL JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL (Conclusão) ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA, VIA TERRESTRE MESES AMAZONAS M.GROSSO DO SUL PARANÁ R.GRANDE DO SUL SANTA CATARINA OUTROS PONTOS TOTAL JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL Dados de 2002 foram revisados 11

13 Anuário Estatístico EMBRATUR

14 TURISMO RECEPTIVO 1 - SÍNTESE BRASIL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA E REGIÕES DE RESIDÊNCIA PERMANENTE REGIÕES AMAZONAS BAHIA CEARÁ M. GROSSO DO SUL PARÁ PARANÁ PERNAMBUCO ÁFRICA AMÉRICA CENTRAL AMÉRICA DO NORTE AMÉRICA DO SUL ÁSIA EUROPA OCEANIA ORIENTE MÉDIO NÃO ESPECIFICADO TOTAL Dados de 2002 foram revisados (Continua) ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO PONTOS DE CHEGADA E REGIÕES DE RESIDÊNCIA PERMANENTE REGIÕES R.GRANDE DO NORTE R.GRANDE DO SUL RIO DE JANEIRO SANTA CATARINA SÃO PAULO OUTROS PONTOS TOTAL ÁFRICA AMÉRICA CENTRAL AMÉRICA DO NORTE AMÉRICA DO SUL ÁSIA EUROPA OCEANIA ORIENTE MÉDIO NÃO ESPECIFICADO TOTAL Dados de 2002 foram revisados ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO REGIÕES DE RESIDÊNCIA PERMANENTE REGIÕES ÁFRICA AMÉRICA CENTRAL AMÉRICA DO NORTE AMÉRICA DO SUL ÁSIA EUROPA OCEANIA ORIENTE MÉDIO NÃO ESPECIFICADO TOTAL Dados de 2002 foram revisados ENTRADA MENSAL DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO VIAS DE ACESSO MESES AÉREO MARÍTIMO TERRESTRE FLUVIAL TOTAL JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL Dados de 2002 foram revisados (Conclusão) 13

15

16 TURISMO RECEPTIVO 1 - SÍNTESE BRASIL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO O PAÍS DE RESIDÊNCIA PERMANENTE E VIAS DE ACESSO PAÍS DE RESIDÊNCIA VIA AÉREA VIA MARÍTIMA VIA TERRESTRE VIA FLUVIAL TOTAL PERMANENTE ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA NIGÉRIA OUTROS AMÉRICA CENTRAL COSTA RICA PANAMÁ PORTO RICO OUTROS AMÉRICA DO NORTE CANADÁ ESTADOS UNIDOS MÉXICO AMÉRICA DO SUL ARGENTINA BOLÍVIA CHILE COLÔMBIA EQUADOR GUIANA FRANCESA GUIANA, REPÚBLICA PARAGUAI PERU SURINAME URUGUAI VENEZUELA ÁSIA CHINA CORÉIA JAPÃO OUTROS EUROPA ALEMANHA ÁUSTRIA BÉLGICA DINAMARCA ESPANHA FRANÇA GRÉCIA HOLANDA INGLATERRA ITÁLIA NORUEGA PORTUGAL SUÉCIA SUÍÇA OUTROS OCEANIA AUSTRÁLIA NOVA ZELÂNDIA ORIENTE MÉDIO ARÁBIA SAUDITA IRAQUE ISRAEL OUTROS PAÍSES NÃO ESPECIFICADOS TOTAL Dados de 2002 foram revisados 15

17

18 TURISMO RECEPTIVO 1 - SÍNTESE BRASIL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO O PAÍS DE RESIDÊNCIA PERMANENTE PAÍS DE RESIDÊNCIA JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO PERMANENTE ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA NIGÉRIA OUTROS AMÉRICA CENTRAL COSTA RICA PANAMÁ PORTO RICO OUTROS AMÉRICA DO NORTE CANADÁ ESTADOS UNIDOS MÉXICO AMÉRICA DO SUL ARGENTINA BOLÍVIA CHILE COLÔMBIA EQUADOR GUIANA FRANCESA GUIANA, REPÚBLICA PARAGUAI PERU SURINAME URUGUAI VENEZUELA ÁSIA CHINA CORÉIA JAPÃO OUTROS EUROPA ALEMANHA ÁUSTRIA BÉLGICA DINAMARCA ESPANHA FRANÇA GRÉCIA HOLANDA INGLATERRA ITÁLIA NORUEGA PORTUGAL SUÉCIA SUÍÇA OUTROS OCEANIA AUSTRÁLIA NOVA ZELÂNDIA ORIENTE MÉDIO ARÁBIA SAUDITA IRAQUE ISRAEL OUTROS PAÍSES NÃO ESPECIFICADOS TOTAL Dados de 2002 foram revisados (Continua) 17

19 Anuário Estatístico EMBRATUR SÍNTESE BRASIL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO O PAÍS DE RESIDÊNCIA PERMANENTE (Conclusão) PAÍS DE RESIDÊNCIA AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL PERMANENTE ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA NIGÉRIA OUTROS AMÉRICA CENTRAL COSTA RICA PANAMÁ PORTO RICO OUTROS AMÉRICA DO NORTE CANADÁ ESTADOS UNIDOS MÉXICO AMÉRICA DO SUL ARGENTINA BOLÍVIA CHILE COLÔMBIA EQUADOR GUIANA FRANCESA GUIANA, REPÚBLICA PARAGUAI PERU SURINAME URUGUAI VENEZUELA ÁSIA CHINA CORÉIA JAPÃO OUTROS EUROPA ALEMANHA ÁUSTRIA BÉLGICA DINAMARCA ESPANHA FRANÇA GRÉCIA HOLANDA INGLATERRA ITÁLIA NORUEGA PORTUGAL SUÉCIA SUÍÇA OUTROS OCEANIA AUSTRÁLIA NOVA ZELÂNDIA ORIENTE MÉDIO ARÁBIA SAUDITA IRAQUE ISRAEL OUTROS PAÍSES NÃO ESPECIFICADOS TOTAL Dados de 2002 foram revisados 18

20 TURISMO RECEPTIVO 1 - SÍNTESE BRASIL ENTRADA DE TURISTAS NO BRASIL, SEGUNDO O PAÍS DE RESIDÊNCIA PERMANENTE, VIA AÉREA PAÍS DE RESIDÊNCIA JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO PERMANENTE ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA NIGÉRIA OUTROS AMÉRICA CENTRAL COSTA RICA PANAMÁ PORTO RICO OUTROS AMÉRICA DO NORTE CANADÁ ESTADOS UNIDOS MÉXICO AMÉRICA DO SUL ARGENTINA BOLÍVIA CHILE COLÔMBIA EQUADOR GUIANA FRANCESA GUIANA, REPÚBLICA PARAGUAI PERU SURINAME URUGUAI VENEZUELA ÁSIA CHINA CORÉIA JAPÃO OUTROS EUROPA ALEMANHA ÁUSTRIA BÉLGICA DINAMARCA ESPANHA FRANÇA GRÉCIA HOLANDA INGLATERRA ITÁLIA NORUEGA PORTUGAL SUÉCIA SUÍÇA OUTROS OCEANIA AUSTRÁLIA NOVA ZELÂNDIA ORIENTE MÉDIO ARÁBIA SAUDITA IRAQUE ISRAEL OUTROS PAÍSES NÃO ESPECIFICADOS TOTAL Continua 19

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso Anuário Estatístico de Turismo 2015 ano base 2014* *Publicado em 08/07/2015, pelo Ministério do Turismo. A publicação apresenta uma compilação de informações anuais relativas ao comportamento de diversos

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 1 FUNDAÇÃO DE TURISMO DE MATO GROSSO DO SUL FUNDTUR/MS INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul para acompanhar o andamento da atividade e sua contribuição

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS PARANAGUÁ / ILHA DO MEL

CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS PARANAGUÁ / ILHA DO MEL CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS PARANAGUÁ / ILHA DO MEL Observatório do Turismo de Paranaguá Destino Indutor do Paraná ATENDIMENTOS POR CENTRAIS DE INFORMAÇÕES JANEIRO A DEZEMBRO 2014 RODOVIÁRIA - PRAÇA

Leia mais

ESTUDOS DA COMPETITIVIDADE DO TURISMO BRASILEIRO

ESTUDOS DA COMPETITIVIDADE DO TURISMO BRASILEIRO ESTUDOS DA COMPETITIVIDADE DO TURISMO BRASILEIRO DETERMINANTES DO FLUXO DE TURISTAS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DO TURISMO

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA 1. Canadá 2. Comunidade da Austrália 3. Estado da Líbia 4. Estados Unidos da América 5. Federação Russa 6. Japão 7. Reino da Arábia Saudita 8. Reino

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 1. PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE PESSOAS 2. CLASSIFICAÇÃO DOS PAÍSES SEGUNDO AS ROTAS DE TRÁFICO 3. PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE ROTAS

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DE POLÍTICAS PENITENCIÁRIAS SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS ESTÁTÍSTICA SUSEPE - SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil 18_Animal Business-Brasil O Brasil e as biotecnologias reprodutivas

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

ANEXO I - Planilha para formação de preços ITEM 01 Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC na modalidade Local (PABX ANEEL) Com Im

ANEXO I - Planilha para formação de preços ITEM 01 Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC na modalidade Local (PABX ANEEL) Com Im ANEXO I Planilha para formação de preços ITEM 01 Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC na modalidade Local (PABX ANEEL) Com Im ITEM FIXO (A) Descrição Cobrado uma única vez QTD Preço Unitário Instalação

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro O estudo Destaques Os 10 principais emissores 10 Chegadas internacionais Viagens domésticas Cidades sedes Viagens dos brasileiros ao exterior

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

CONSULADOS (011) 285.0433 - FAX (11) 284.4862 ( 011) 3814.6644 - FAX (11) 3815.7538 (011) 284.1355-288.5857 FAX (11) 285.0748

CONSULADOS (011) 285.0433 - FAX (11) 284.4862 ( 011) 3814.6644 - FAX (11) 3815.7538 (011) 284.1355-288.5857 FAX (11) 285.0748 CONSULADOS NOME ENDEREÇO FONE E-MAIL ÁFRICA DO SUL Avenida Paulista, 1754-12º andar - Cerqueira César - São Paulo - SP - CEP: 01310-200 (011) 285.0433 - FAX (11) 284.4862 ALEMANHA Avenida Brigadeiro Faria

Leia mais

EXEMPLO: ligar a cobrar da ALEMANHA ao BRASIL - disque 08000800055 e informe. EM SEU VOUCHER. Citamos a seguir alguns paises: ARGENTINA

EXEMPLO: ligar a cobrar da ALEMANHA ao BRASIL - disque 08000800055 e informe. EM SEU VOUCHER. Citamos a seguir alguns paises: ARGENTINA CENTRAL OPERATIVA EM CASO DE EMERGÊNCIA CHAMAR A CENTRAL OPERATIVA COM LIGAÇÃO TELEFÔNICA A COBRAR CONFORME NÚMERO IMPRESSO EM SEU VOUCHER Ao telefonar para a Central Operativa, solicite ao operador que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL AGÊNCIA BRASILEIRA DE INTELIGÊNCIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL AGÊNCIA BRASILEIRA DE INTELIGÊNCIA AGÊNCIA BRASILEIRA DE INTELIGÊNCIA SEGURANÇA GERAL E SEGURANÇA PÚBLICA: AÇÕES PREVENTIVAS E REPRESSIVAS Brasília, 17 de agosto de 2011 SUMÁRIO 1. SISTEMA BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA 2. AGÊNCIA BRASILEIRA

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 ACORDOS INTERNACIONAIS Globalização Principais objetivos ou finalidades dos Acordos Internacionais

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS PELA FSB COMUNICAÇÃO

RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS REALIZADOS PELA FSB COMUNICAÇÃO COMUNICADO DE QUESTIONAMENTOS nº 002/2010-CEL Prezados(as) Senhores(as), O presente tem por objetivo divulgar respostas às solicitações de esclarecimentos/questionamentos, referentes à Concorrência nº

Leia mais

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Sérgio Barbi - ABF

Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo. Sérgio Barbi - ABF Seminário GVcev Franquias: Modelo de Negócio para o Varejo Sérgio Barbi - ABF Histórico do Franchising no Brasil 1960 Yázigi abre a primeira franquia no Brasil; Na década seguinte, o McDonald s abre o

Leia mais

01 - Indicadores da Educação Comparada

01 - Indicadores da Educação Comparada 0 - Indicadores da Educação Comparada Maio de 8 INDICADORES DA EDUCAÇÃO COMPARADA GODEARDO BAQUERO MIGUEL INTRODUÇÃO A leitura do "Statistical Yearbook" de 84 da UNESCO incentivou-nos a escrever este estudo

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010 Exportação Brasileira de Laranjas por País de Destino 2010 ESPANHA 5.293.450 12.795.098 PAISES BAIXOS (HOLANDA) 4.669.412 10.464.800 REINO UNIDO 2.015.486 5.479.520 PORTUGAL 1.723.603 3.763.800 ARABIA

Leia mais

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 Perfil elaborado en octubre de 2008 TRATAMIENTO ARANCELARIO E IMPOSITIVO 1) IMPUESTOS Y TASAS: 1.1) ARANCELES DE IMPORTACIÓN

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

RELATÓRIO PÓS EVENTO

RELATÓRIO PÓS EVENTO RELATÓRIO PÓS EVENTO RELATÓRIO PÓS-EVENTO SUMÁRIO EXECUTIVO LAAD Defence & Security 2013 Expansão da feira Números da 9ª edição da feira Cerimônia Oficial de Abertura Apoio institucional Ministério da

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva Objetivo: analisar os imigrantes da área de no Brasil Justificativa Referencial

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan.

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan. 1 O EVENTO 3 4 PAÍSES PRESENTES Alemanha Coreia do Sul Inglaterra República Tcheca Angola Equador Israel Suiça Argentina Espanha Itália Taiwan Áustria EUA Japão Turquia Brasil Finlândia México Uruguai

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Implantação do Programa Visa Waiver 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Chegadas internacionais Brasil XAmérica Latina Turistas internacionais (milhões)

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 I. Ópio - Consumo De acordo com pesquisas domiciliares [CEBRID 2005], o maior mercado de opiáceos na América do Sul é o Brasil, com cerca de 600 mil usuários,

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO 1 2 _ 22.000 COLABORADORES _ 70.000 KM DE DUTOS (18 DOS QUAIS CRUZAM A CORDILHEIRA DOS ANDES) _ 450 PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55 Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo...... 55 Distribuição relativa (%) de imigrantes bolivianos no Estado de São Paulo em 20 I O..._... 62 Distribuição relativa

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

COM A INTERVIP VOCÊ VAI MAIS LONGE. INTERCÂMBIOS E CURSOS NO EXTERIOR. www.intervip.tur.br

COM A INTERVIP VOCÊ VAI MAIS LONGE. INTERCÂMBIOS E CURSOS NO EXTERIOR. www.intervip.tur.br COM A INTERVIP VOCÊ VAI MAIS LONGE. INTERCÂMBIOS E CURSOS NO EXTERIOR www.intervip.tur.br A INTERVIP Do sonho de uma ex-intercambista, nasceu em 1995 a Intervip, uma agência de intercâmbio focada na qualidade

Leia mais

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão CHAVES DE FIM DE CURSO Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão Índice Importância das Normas Técnicas página 3 Produtos Especiais página 4 Chaves de Emergência Linha 500 página 5 Chaves de

Leia mais

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010 Lisboa. Portugal International Trade Fair for Portuguese Food and Beverage Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas 22/23/24 Fevereiro 2010 EDITION EDIÇÃO #1 Descubra um mundo de sensações O maior

Leia mais

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC-60 Torre Luminosa Compacta Desenvolvida para ser a melhor opção em custo/benefício, a Torre Luminosa Compacta - TLC-60 combina tecnologia e performance na medida ideal

Leia mais

Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual. Comparação do Turista Lazer x Negócios

Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual. Comparação do Turista Lazer x Negócios Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual Comparação do Turista Lazer x Negócios Gilce Zelinda Battistuz Curitiba, 28/06/2015 Turismo Internacional -

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO CPS-4000

INSTALAÇÃO DO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO CPS-4000 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO CPS-4000 CONTEÚDO 1 INSTALAÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO...3 2 PROGRAMAÇÃO INICIAL...7 2.1 INSTALAÇÃO TARGET E USO DO TEMPLATE...7 3 UTILIZANDO O ARQUIVO TEMPLATE...9

Leia mais

Conhecendo os países, os continentes e os oceanos

Conhecendo os países, os continentes e os oceanos Conhecendo os países, os continentes e os oceanos nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 5 As atividades propostas pretendem estimular as crianças a perceber as ideias de continente,

Leia mais

Turismo no Recife: Caso de sucesso

Turismo no Recife: Caso de sucesso Secretaria de Turismo Turismo no Recife: Caso de sucesso O Recife no Brasil: Reconhecimento nacional na Parceria Público-Privada PCR e RCVB; Prêmio de Melhor Política Pública do Turismo entre os 65 Destinos

Leia mais

DEFESA E SEGURANÇA EM TODAS AS FRENTES: Marinha, Exército, Aeronáutica, Segurança Pública e Segurança Corporativa

DEFESA E SEGURANÇA EM TODAS AS FRENTES: Marinha, Exército, Aeronáutica, Segurança Pública e Segurança Corporativa DEFESA E SEGURANÇA EM TODAS AS FRENTES: Marinha, Exército, Aeronáutica, Segurança Pública e Segurança Corporativa RECONHECIMENTO GLOBAL: Mais de 42 países expositores em 2013 AUDIÊNCIA QUALIFICADA: 34.600

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais