Dados do Setor. Março

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados do Setor. Março - 2014"

Transcrição

1 Dados do Setor Março

2 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo 6 Evolução da Produtividade das Florestas Plantadas 7 Base Florestal: Brasil, Referência Mundial 8 Comparação da Rotação e Rendimento Fibra Curta 9 Comparação da Rotação e Rendimento Fibra Longa 10 Área Florestal Necessária para Produção de Celulose 11 Contribuição Ambiental 12 Matriz Energética da Indústria de Celulose e Papel 13 Contribuição Social do Setor 14 Produção Brasileira de Celulose e Papel 15 Taxas de Recuperação de Papéis Recicláveis 16 Papéis Recicláveis 17 Consumo Aparente Per Capita de Papel 18 Evolução da Balança Comercial do Setor 19 Produtos Selecionados do Agronegócio 20 Desempenho do Setor 21 Vendas Domésticas de Papel 22 Balança Comercial do Setor 23 Destino das Exportações Brasileiras em Destino das Exportações Brasileiras de Celulose 25 Importações Chinesas Celulose Fibra Curta Branqueada 26 Destino das Exportações Brasileiras de Papel 27 Empresas Associadas 28 2

3 Dados do Setor 220 empresas com atividade em 540 municípios, localizados em 18 Estados 2,2 milhões de hectares de florestas plantadas para fins industriais 2,9 milhões de hectares de florestas preservadas 2,7 milhões de hectares de área florestal total certificada Exportações: US$ 6,7 bilhões Saldo Comercial: US$ 4,7 bilhões Impostos pagos: R$ 3,5 bilhões Emprego: 128 mil empregos diretos (indústria 79 mil, florestas 51 mil) e 640 mil empregos indiretos Arquivo Celso Foelkel 3 3

4 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel CELULOSE PAPEL País mil toneladas País mil toneladas 1. EUA China China EUA Canadá Japão Brasil * Alemanha Suécia Suécia Finlândia Coréia do Sul Japão Canadá Rússia Finlândia Indonésia Brasil Chile Indonésia Índia Índia Alemanha Itália Demais Demais TOTAL MUNDO TOTAL MUNDO Fonte: RISI * Fonte Bracelpa 4

5 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras Brasil: 2,2 milhões de hectares Mil hectares

6 Área de Florestas Plantadas no Mundo mil hectares Países Área Total do País Área de Florestas Plantadas (¹) Japão ,3 Finlândia ,4 Alemanha ,1 Suécia ,8 China ,2 Índia ,4 Chile ,2 Estados Unidos ,8 Indonésia ,0 Brasil (²) ,8 Celulose e Papel (³) ,3 (¹) Fonte: FAO/STCP/SAE (²) Fonte: ABRAF (³) Fonte: Bracelpa 2010 % 6

7 Evolução da Produtividade das Florestas Plantadas do Setor RAZÕES PARA OS ALTOS NÍVEIS DE PRODUTIVIDADE Clima e solo Pesquisa e desenvolvimento Setor privado organizado Mão de obra altamente qualificada AVANÇOS TECNOLÓGICOS Genética Biotecnologia Matéria-prima de alta qualidade Planejamento sócio-ambiental Manejo Florestal Rotação de áreas plantadas MADEIRA PARA CELULOSE Produtividade Média (m3/ha/ano) Espécie Cresc. Eucalipto % Pinus % 7

8 Base Florestal Brasil, Referência Mundial Produtividade das Florestas de Rápido Crescimento (m 3 /ha/ano) Fonte: Pöyry * Fonte: Bracelpa 8

9 Comparação da Rotação e Rendimento Espécies de Celulose Fibra Curta Espécies Países Rotação (anos) Rendimento m 3 /ha/ano Eucalipto Brasil 7 44 Eucalipto África do Sul Eucalipto Chile Eucalipto Portugal Eucalipto Espanha Bétula Suécia Bétula Finlândia Fonte: Pöyry 9

10 Comparação da Rotação e Rendimento Espécies de Celulose Fibra Longa Espécies Países Rotação (anos) Rendimento m 3 /ha/ano Pinus spp Brasil Pinus radiata Chile Pinus radiata Nova Zelândia Pinus elliottii / taeda Estados Unidos Pinus de Oregon Canadá (costa) 45 7 Picea abies Suécia Picea abies Finlândia Picea glauca Canadá (interior) 55 3 Picea mariana Canadá (leste) 90 2 Fonte: Pöyry 10

11 Área Florestal (ha) necessária para a Produção de 1,0 milhão t/ano de Celulose Fonte: Pöyry 11

12 BSC / Gleison Rodrigues BSC / Gleison Rodrigues Contribuição Ambiental Florestas plantadas não competem com agricultura tradicional Restauração de terras degradadas Conservação do solo Proteção da biodiversidade Proteção dos recursos hídricos Sequestro de CO

13 Matriz Energética da Indústria de Celulose e Papel % 80% 60% % 20% 0% Licor Preto * Biomassa Gás Natural Óleo Combustível Outros Fonte: Balanço Energético Nacional * Subproduto (Biomassa) 13

14 Arq./Cenibra Contribuição Social do Setor A indústria de celulose e papel promove e incentiva o desenvolvimento econômico e social em regiões distantes dos grandes centros urbanos, investindo em projetos e iniciativas em áreas como: Educação Saúde Programas de educação ambiental Geração de emprego e renda Parcerias Florestais Arq./Fibria Suzano/Ricardo Teles 14 14

15 milhões t Produção Brasileira de Celulose e Papel Cresc. Médio Anual Celulose 7,1% Papel 5,4% Celulose Papel

16 Taxa de Recuperação de Papéis Recicláveis 10,500 toneladas 9,000 7, % 6,000 4, % 45.7% 3,000 1, % 34.6% 38.3% Consumo Aparente de Papel Consumo Aparas Taxa de Recuperação % 16

17 Papéis Recicláveis Países Selecionados Coréia do Sul Taxa de Recuperação * 91,6% Alemanha 84,8% Japão 79,3% Reino Unido 78,7% Espanha 73,8% Estados Unidos 63,6% Itália 62,8% Indonésia 53,4% Finlândia 48,9% México 48,8% Argentina 45,8% Brasil ** 45,5% China 40,0% Rússia 36,4% Índia 25,9% *Volume de aparas recuperadas no país dividido pelo consumo aparente de papel Fonte: RISI ** Fonte Bracelpa

18 Consumo Aparente Per Capita de Papel 2010 Fonte: RISI *Fonte: Bracelpa 18

19 US$ Milhões Evolução da Balança Comercial do Setor Exportação Importação Saldo Fonte: SECEX 19

20 Produtos Selecionados do Agronegócio Exportações x Área Plantada em 2011 PRODUTOS EXPORTAÇÕES US$ milhões ÁREA PLANTADA mil ha US$ / ha Complexo Soja Sucroalcooleiro Café Celulose e Papel Milho Algodão Fonte: CONAB/FNP/MAPA/SECEX 20

21 Desempenho do Setor t CELULOSE % Jan-Fev (2) %.Produção , ,5.Importação (1) , ,7.Exportação (1) , ,9.Consumo Aparente , ,9 PAPEL % Jan-Fev (2) %.Produção , ,7.Importação (1) , ,3.Exportação (1) , ,7.Consumo Aparente , ,1 (1) Fonte: SECEX (2) Dados Preliminares 21

22 + 2,7 % Vendas Domésticas de Papel t , Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 Jan-Fev 2013 Jan-Fev 2014* * Dados Preliminares 22

23 Balança Comercial do Setor US$ Milhões FOB % Jan-Fev % EXPORTAÇÃO , ,3.Celulose , ,3.Papel , ,8 IMPORTAÇÃO , ,4.Celulose , ,3.Papel , ,0 SALDO , ,9.Celulose , ,0.Papel , ,4 Fonte: SECEX 23

24 Destino das Exportações Brasileiras em 2013 Celulose Papel China 31% América Latina 1% Ásia/ Oceania 7% África 5% China 4% Ásia/ Oceania 8% África 0% América do Norte 13% América Latina 56% América do Norte 20% Europa 40% Europa 15% US$ 5,2 bilhões US$ 2,0 bilhões Fonte: SECEX 24

25 Destino das Exportações Brasileiras de Celulose Fev/2013 Fev/2014 China 31% América Latina 1% China 32% América Latina 1% Ásia/ Oceania 8% África 0% Ásia/ Oceania 8% África 0% América do Norte 18% Europa 42% América do Norte 16% Europa 43% US$ 774 milhões US$ 885 milhões Fonte: SECEX 25

26 Importações Chinesas Celulose Fibra Curta Branqueada Por Região de Origem t US$ milhões 1,400 1,200 1, Var. 14/13 73 % -23 % 26 % Var. 14/13 69 % -21 % 26 % 0 Jan-Fev/2013 Jan-Fev/ Jan-Fev/2013 Jan-Fev/2014 Fonte: Sven Data Europa Ásia Demais América Brasil Demais 26

27 Destino das Exportações Brasileiras de Papel Fev/2013 Fev/2014 África 5% Ásia/ Oceania 9% China 5% Ásia/ Oceania 6% África 5% China 6% América do Norte 12% América Latina 54% América do Norte 14% América Latina 53% Europa 15% Europa 16% US$ 318 milhões US$ 330 milhões Fonte: SECEX 27

28 Empresas Associadas Produtoras Colaboradoras Adami Arauco do Brasil ArjoWiggins Security Bahia Specialty Cellulose Bignardi Bonet CMPC Celulose Riograndense Celulose Irani Cenibra Copapa Eldorado Brasil Facepa Fibria Ibema Iguaçu International Paper Kimberly-Clark Klabin Lwarcel Manikraft MD Papéis Melhoramentos Florestal Melhoramentos CMPC Mili Multiverde Norske Skog Pisa OJI Papéis Papirus Primo Tedesco MWV Rigesa Sanovo Santa Maria Santher Stora Enso Suzano SWM Trombini Embalagens Veracel Viscofan Vitopel Albany International Brazil ArborGen Carbocloro Eka Chemicals Futuragene Poyry Technologia 28

29 Rua Olimpíadas, 66-9º andar São Paulo - SP CEP Fone: Fax:

plantadas e investidores financeiros.

plantadas e investidores financeiros. A Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) é a associação responsável pela representação institucional da cadeia produtiva de árvores plantadas, do campo à indústria, junto a seus principais públicos de interesses.

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 1 Produção mundial de papel por região - 2001- Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Ibá Inédita união de quatro associações de empresas de produtos de base florestal plantada, com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Papelcartão Papelcartão, ou simplesmente cartão, é o papel fabricado em múltiplas camadas, com gramaturas superiores a 150 g/m

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 214 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 214 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ACR 2. BASE FLORESTAL PLANTADA 3. MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS

Leia mais

Apresentação Institucional 2T09

Apresentação Institucional 2T09 Apresentação Institucional 2T09 Agosto 2009 Declaração em relação às considerações seguintes As declarações contidas nessa apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras

Leia mais

Aracruz Celulose principais dados

Aracruz Celulose principais dados ARACRUZ CELULOSE Aracruz Celulose principais dados Fundada em 1972, e iniciou a produção em 1978 400.000 t/ano Hoje produz 3.000.000 t/ano. Responde por 33% do mercado mundial de celulose de eucalipto.

Leia mais

Índice. Página. Empresa

Índice. Página. Empresa 1 Abbaspel Ind. e Com. de Papéis Ltda. 1 2 Acceer Ind. e Com. de Papéis Ltda. 1 3 Adami S.A. Madeiras 1 4 Agibert Madeira e Derivados S.A. 1 5 Agropel Ind. de Papel e Madeira Ltda. 1 6 Águas Negras S.A.

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) February 2014 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Dez

Leia mais

Apresentação Institucional. Junho 2011

Apresentação Institucional. Junho 2011 1 Apresentação Institucional Junho 2011 Disclaimer As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da

Leia mais

DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL -

DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL - DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL - O MEIO AMBIENTE PARA A ECONOMIA - FIESP- São Paulo - SP 02 de junho de 2008 Rubens Garlipp SENSIBILIDADE ÀS S QUESTÕES FLORESTAIS EM DIFERENTES

Leia mais

Elizabeth de Carvalhaes 6 de agosto de 2015 Encontro com FIEB, ABAF e SINDPACEL PANORAMA DA INDÚSTRIA DE ÁRVORES NO BRASIL

Elizabeth de Carvalhaes 6 de agosto de 2015 Encontro com FIEB, ABAF e SINDPACEL PANORAMA DA INDÚSTRIA DE ÁRVORES NO BRASIL Elizabeth de Carvalhaes 6 de agosto de 2015 Encontro com FIEB, ABAF e SINDPACEL PANORAMA DA INDÚSTRIA DE ÁRVORES NO BRASIL Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

Veracel joint-venture (Bahia, Brasil) Plantações de eucalipto no Rio Grande do Sul e no Uruguai Fábrica de papel em Arapoti, Paraná

Veracel joint-venture (Bahia, Brasil) Plantações de eucalipto no Rio Grande do Sul e no Uruguai Fábrica de papel em Arapoti, Paraná Potencial de Celulose para a América Latina Otavio Pontes, Stora Enso Outubro 2007 Stora Enso na América Latina Divisão Latino Americana Sede em São Paulo, Brasil Escritórios de venda Argentina, Brasil,

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br ESTRUTURA ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ATUAÇÃO GLOBAL REINO UNIDO CANADÁ ESTADOS UNIDOS HONDURAS PANAMÁ COLÔMBIA EQUADOR PERÚ BOLÍVIA CHILE EL SALVADOR CONGO ARGENTINA URUGUAI PARAGUAI BRASIL GUIANA

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons 2013* 2014 Var. % (1) E/D E/B C/A A.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons 2013* 2014 Var. % (1) E/D E/B C/A A. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) March 2014 Celulose / Pulp Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons 2013*

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

PAPÉIS PARA FINS SANITÁRIOS. Angela Regina Pires Macedo Elizabete Tojal Leite*

PAPÉIS PARA FINS SANITÁRIOS. Angela Regina Pires Macedo Elizabete Tojal Leite* PAPÉIS PARA FINS SANITÁRIOS Angela Regina Pires Macedo Elizabete Tojal Leite* *Respectivamente, gerente e contadora da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. As autoras agradecem a colaboração

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Maximo Pacheco Presidente International Paper do Brasil 34º ANAVE São Paulo, 29 de Setembro de 2009 A indústria de papel de I&E do Brasil

Leia mais

MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL II WORKSHOP FLORESTAL

MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL II WORKSHOP FLORESTAL MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL E NEGÓCIO FLORESTAL Rubens Garlipp* II WORKSHOP FLORESTAL Paranavaí - PR 20 de outubro de 2005 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade Brasileira de Silvicultura SOCIEDADE

Leia mais

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 1 BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Celulose de Mercado Ao longo de 1999 e parte do ano 2000 os preços da celulose foram crescentes, num cenário de demanda aquecida

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Apr (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Apr (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) May 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Abr

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Aug (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Aug (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) September 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Ago

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) December 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Nov

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) December 2012 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Nov

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional

O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional Título da apresentação Janeiro de 2008 1. Global Balanço Oferta/Demanda Alumínio; Balanço Oferta/Demanda Alumina; Competitividade 2. Oferta/

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

3$3(/(&(/8/26( A REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE. René Luiz Grion Mattos Antonio Carlos de Vasconcelos Valença*

3$3(/(&(/8/26( A REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE. René Luiz Grion Mattos Antonio Carlos de Vasconcelos Valença* A REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE René Luiz Grion Mattos Antonio Carlos de Vasconcelos Valença* Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

* respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes.

* respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes. andré Carvalho Foster Vidal andré Barros da Hora* * respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes. Papel e Celulose 335 RESUMO

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Apresentação Institucional. Maio 2012

Apresentação Institucional. Maio 2012 Apresentação Institucional Maio 2012 1 Disclaimer As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas Curso de Engenharia Florestal

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas Curso de Engenharia Florestal Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas Curso de Engenharia Florestal ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE CELULOSE DO BRASIL E DO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO PERÍODO DE 1970 A 2005 IVAN LEAL

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

ANTONIO SERGIO ALFANO

ANTONIO SERGIO ALFANO DEZEMBRO DE 2013 ANTONIO SERGIO ALFANO DE 2008 A 2013 REDUÇÃO DE CUSTOS E MUDANÇA DAS PRÁTICAS COMERCIAIS INVESTIMENTOS DE ALTO RETORNO AMPLIAÇÃO DA CONVERSÃO MONTE ALEGRE, PR OTACÍLIO COSTA, SC CORREIA

Leia mais

CRÉDITO DE CAPA: 1. ARCELORMITTAL BIOFLORESTAS/EDUARDO ROCHA 2. ARQUIVO PLANTAR 3. ARCELORMITTAL BIOFLORESTAS/KIKA ANTUNES 4. KLABIN/ZIG KOCH 5.

CRÉDITO DE CAPA: 1. ARCELORMITTAL BIOFLORESTAS/EDUARDO ROCHA 2. ARQUIVO PLANTAR 3. ARCELORMITTAL BIOFLORESTAS/KIKA ANTUNES 4. KLABIN/ZIG KOCH 5. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 CRÉDITO DE CAPA: 1. ARCELORMITTAL BIOFLORESTAS/EDUARDO ROCHA 2. ARQUIVO PLANTAR 3. ARCELORMITTAL BIOFLORESTAS/KIKA ANTUNES 4. KLABIN/ZIG KOCH 5. ARQUIVO DURATEX 6. ARQUIVO DURATEX

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos

Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Apoio ao estudo que mapeie as oportunidades de negócio florestal nos segmentos: papel e celulose, painéis de madeira, madeira serrada PROJETO

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008 APIMEC SP 19 Agosto de 2008 Disclaimer Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

A atuação do BNDES nos setores de florestas plantadas, painéis de madeira, celulose e papéis: o período 2001-2010

A atuação do BNDES nos setores de florestas plantadas, painéis de madeira, celulose e papéis: o período 2001-2010 Papel e Celulose BNDES Setorial 34, p. 133-172 A atuação do BNDES nos setores de florestas plantadas, painéis de madeira, celulose e papéis: o período 2001-2010 André Carvalho Foster Vidal André da Hora

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

SOCIAL AMBIENTAL MFS ECONÔMICA

SOCIAL AMBIENTAL MFS ECONÔMICA II FORUM INTERNACIONAL DE MEIO AMBIENTE BRASIL JAPÃO Desenvolvimento Sustentável e Indústria Florestal do Brasil Rio de Janeiro - RJ Setembro 2007 Sociedade Brasileira de Silvicultura Carlos Alberto da

Leia mais

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t.

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t. DISCLAIMER As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da Klabin SA são apenas projeções e, como

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL 15/03/2012 Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente STCP 1/29 A STCP Conquistas recentes Clientes de 38 países das Américas, África, Europa, Ásia e Oceania 17 escritórios

Leia mais

Fevereiro 2014. Apresentação Corporativa

Fevereiro 2014. Apresentação Corporativa Fevereiro 2014 Apresentação Corporativa 1 2 Avisos Legais As informações contidas nesta apresentação podem incluir afirmações que constituem estimativas, conforme o significado disposto na Seção 27A do

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

O Brasil como Destino de Investimentos Externos

O Brasil como Destino de Investimentos Externos O Brasil como Destino de Investimentos Externos Marco Aurélio Fontes Maio de 2003 Agenda O Brasil que Poucos Conhecem Ambiente de IED A Investe Brasil Brasil Um País de Proporções Continentais Data (2001)

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE Data: 12/08/96 No.8 CARTÕES Cartões são papéis fabricados em múltiplas camadas e com gramaturas acima de 150 g/m 2. A combinação

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

As árvores transgênicas

As árvores transgênicas documento informativo - wrm Arvores Transgênicas Movimento Mundial pelas Florestas As árvores transgênicas Até agora o debate sobre os organismos geneticamente modificados- também chamados de transgênicos-

Leia mais

Relatório. 2015 infográfico. NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes

Relatório. 2015 infográfico. NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes Relatório Fibria 2015 infográfico edição clientes NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes FLORESTA E INOVAÇÃO PARA NOSSOS CLIENTES

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 AGRICULTURA ORGÂNICA Engenheiro Agrônomo Carlos Alberto Salvador

Leia mais

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel Cesar Leporini Filho 1. Sobre a Evonik Uso Eficiente de 2. Visão Geral do Setor de Celulose e Papel Recursos na Indústria 3. Avanços na base florestal

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS

INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO A SERVIÇO DO SETOR FLORESTAL MODELO DE INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA desde 1968 Empresas Associadas Acesita Energética

Leia mais