DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015"

Transcrição

1 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

2 PRODUTOS

3 INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA DE MÓVEIS Outros 9,1% Exportações 3,6% 3 FONTE: IBGE, IEMI, SECEX

4 CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS Matérias-primas Básicas Madeira Metal Outros insumos Tintas Vernizes Químicos Tecidos Linhas de Produtos Dormitórios Cozinhas Sala de Jantar Estofados Colchões Escritório Escolar Hotéis Hospitais Infantis Jardim Bens de Capital Máquinas Equipamentos Componentes FONTE: IEMI ELABORAÇÃO BRADESCO Mercado Governo Varejo Empresas Exportações

5 (1) Móveis para escolas, consultórios médicos, hospitais, restaurantes, hotéis e similares PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS DE ACORDO COM O USO Colchões 6,9% Outros (1) 9,1% Móveis para escritório 16,3% Móveis Residenciais 67,7% FONTE: ABIMÓVEL (1) Móveis para escolas, consultórios médicos, hospitais, restaurantes, hotéis e similares

6 PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS DE PARTICIPAÇÃO DA PRODUÇÃO DE MÓVEIS POR MATERIAL UTILIZADO (FONTE: ABIMÓVEL) ACORDO COM O TIPO DE MATERIAL 2013 Colchões 2,3% Metal 8,8% Outros materiais 4,4% Madeira 84,5% FONTE: ABIMÓVEL

7 PROCESSO PRODUTIVO

8 O PROCESSO PRODUTIVO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS É BASTANTE VERTICALIZADO, SENDO TODO O PROCESSO REALIZADO EM UMA MESMA FÁBRICA.

9 MÓVEIS RETILÍNEOS SERIADOS São móveis retos, sem detalhes sofisticados; O processo de produção é simples, envolvendo poucas etapas, o que permite fluxo contínuo de produção sem formação de estoques; Utiliza madeira industrializada como aglomerado e MDF; A comercialização é realizada para as redes de lojas de móveis e grandes magazines.

10 MÓVEIS RETILÍNEOS SOB ENCOMENDA São feitos pelas marcenarias de acordo com as medidas fornecidas pelos clientes e por isso são destinados exclusivamente ao mercado doméstico; São comercializados diretamente entre as marcenarias e o cliente final.

11 MÓVEIS TORNEADOS Possuem maior detalhamento e qualidade e o processo produtivo é mais complexo, envolvendo diversas etapas; As empresas do setor trabalham com elevados estoques de matérias-primas e de intermediários; São vendidos para redes de lojas de móveis e grandes magazines; Os móveis torneados têm parcela significativa destinada à exportação e à classe de renda mais elevada; Utiliza madeira maciça, podendo ser madeira de floresta nativa ou de reflorestamento.

12 MÓVEIS DE METAL São de aço tubular, conjugado com outras matérias-primas, como madeira, vidro e plástico; Representam uma pequena parcela da produção nacional de móveis, aproximadamente 9%; Também são exportados, mas a produção é praticamente voltada ao mercado interno.

13 MÓVEIS PARA ESCRITÓRIO Têm processo de produção mais complexo, pois envolvem a marcenaria, metalurgia, tapeçaria e o estudo de ergonomia; Normalmente há redes de lojas próprias para a comercialização.

14 SAZONALIDADE

15 A MAIOR SAZONALIDADE DE VENDAS DE MÓVEIS OCORRE NO 4º TRIMESTRE DO ANO DEVIDO AO RECEBIMENTO DO 13º. POR ISSO A PRODUÇÃO É MAIOR NOS MESES DE OUTUBRO E NOVEMBRO.

16 SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS ,0% 9,5% 9,5% 9,7% 9,0% 8,6% 8,6% 8,6% 8,5% 8,2% 8,3% 8,1% 8,0% 7,5% 7,6% 7,3% 7,9% 7,7% 7,0% 6,5% 6,0% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: IBGE

17 CUSTOS DE PRODUÇÃO

18 MATÉRIA-PRIMA Madeira: representa cerca de 76% nos móveis residenciais e 67% nos de escritório; Plásticos; Tecidos, couro e espuma; Ferro/aço; Tinta e outros produtos químicos como cola; Vidro.

19 MADEIRA MADEIRA MACIÇA: no Brasil as florestas nativas estão localizadas notadamente na Floresta Amazônica, enquanto as principais florestas plantadas estão localizadas nos Estados do Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. As áreas de reflorestamento são compostas basicamente de Pinus e Eucalipto; MADEIRA PROCESSADA: os painéis de aglomerado e MDF (Medium Density Fiberboard) são provenientes de florestas plantadas, basicamente de Pinus e Eucalipto. Do total de placas consumidas no Brasil para a fabricação de móveis, 75% são aglomerado e 25% são MDF.

20 O SETOR É INTENSIVO EM MÃO-DE-OBRA QUALIFICADA CONTUDO, NO BRASIL HÁ GRANDE DEFICIÊNCIA DE MÃO-DE-OBRA QUALIFICADA, MAS ALGUNS PROJETOS PARA MELHORAR A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL JÁ FORAM IMPLEMENTADOS: CRIAÇÃO DO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE MADEIRA E MOBILIÁRIO CEMAD

21 FORNECEDORES

22 PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE MÓVEIS 2013 Suíça 2,2% Taiwan 1,6% Espanha 1,5% Áustria 1,1% Finlândia 1,0% Suécia 8,0% Italia 31,7% Outros 11,2% China 13,9% Alemanha 27,7% FONTE: IEMI

23 PARTICIPAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES NA PRODUÇÃO NO INTERNA CONSUMO INTERNO DE MÓVEIS 2013 Importações 3,3% Produção doméstica 96,7% FONTE: IEMI, SECEX

24 IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS POR PRODUTO (FONTE: SECEX) PRODUTOS IMPORTADOS DE MÓVEIS 1996 E 2013 Colchões 11.6% 1996 Móveis 39.4% Assentos 49.0% IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS POR PRODUTO (FONTE: SECEX) Colchões 11,6% Móveis 16,4% 2013 Assentos 73,1% FONTE: SECEX

25 PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE MÓVEIS 2014 Outros 20,4% Japão 3,0% China 30,7% Uruguai 3,1% França 3,2% Polônia 3,5% Itália 4,2% Tailândia 4,9% Polônia 3,5% Coreia do Sul 8,2% Estados Unidos 13,7% FONTE: SECEX

26 US$ MIL IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS PROVENIENTES DA CHINA FONTE: SECEX IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS PROVENIENTES DA CHINA US$ MIL China Participação 32,7% ,4% 35,8% 40,0% 35,0% ,1% ,7% 30,0% 25,0% ,4% ,0% ,4% 3,0% 2,7% 2,7% 4,3% FONTES: SECEX 7,6% 10,6% ,3% ,0% 10,0% 5,0% 0,0%

27 REGIONALIZAÇÃO

28 INDÚSTRIA DE MÓVEIS 18,7 mil empresas 328,6 mil empregados 1,9% - participação na indústria 3,3% - participação no emprego industrial

29 AS REGIÕES SUL E SUDESTE CONCENTRAM 80% DO NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS, 83% DOS EMPREGADOS E 73% DO FATURAMENTO NA INDÚSTRIA DE MÓVEIS.

30 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS E DE EMPREGADOS DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS POR REGIÃO 2013 ESTABELECIMENTOS Nordeste 12,0% Norte 2,5% Centro-Oeste 7,0% Sul 39,6% EMPREGADOS Fabricação de Móveis Centro-oeste Nordeste 4,7% 10,4% Norte 1,7% Sudeste 39,0% Sudeste 43,1% Sul 40,0% FONTE: RAIS

31 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO SP RS MG PR SC GO Rj BA PE CE ES MT DF RN PB MS PA RO MA SE AL PI TO AM AC AP RR FONTE: RAIS

32 NÚMERO DE EMPREGADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO SP PR MG RS SC RJ GO CE BA PE ES MT PB PA SE MA DF PI RN RO MS AM AL AC TO RR AP FONTE: RAIS

33 PARTICIPAÇÃO NO PARTICIPAÇÃO DO NÚMERO DE EMPRESAS DE EMPRESAS NO SEGMENTO DE MÓVEIS DE METAL POR TIPO DE MÓVEL FONTE: RAIS/IEMI 2013 Sul 29,8% Centro-Oeste 7,3% Norte 1,4% Nordeste 18,8% Móveis de metal PARTICIPAÇÃO DO NÚMERO DE EMPRESAS NO SEGMENTO DE MÓVEIS ESTOFADOS FONTE: RAIS/IEMI Colchões Norte 4,7% Sudeste 42,7% PARTICIPAÇÃO DO NÚMERO DE EMPRESAS NO SEGMENTO DE MÓVEIS DE MADEI FONTE: RAIS/IEMI Centro-Oeste 7,2% Norte 2,6% Centro-Oeste 11,3% Nordeste 11,3% Sul 26,4% Nordeste 21,5% Sul 40,6% Sudeste 38,4% Sudeste 36,1% Móveis de madeira FONTE: IEMI

34 A REGIÃO SUL CONCENTRA O MAIOR NÚMERO DE EMPRESAS EXPORTADORAS.

35 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE MÓVEIS 2013 Rio Grande do Sul 29,0% Santa Catarina 25,6% São Paulo 17,7% Paraná 16,7% Minas Gerais 7,9% Bahia 1,1% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% FONTE: IEMI

36 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE MÓVEIS 2013 São Paulo 58,5% Paraná 12,2% Rio Grande do Sul Santa Catarina Goiás Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro Pernambuco Amazonas 6,4% 4,2% 4,0% 4,0% 2,7% 2,4% 1,5% 1,3% 0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% 60,0% 70,0% FONTE: IEMI

37 RANKING

38 PLAYERS MUNDIAIS

39 PRODUÇÃO E CONSUMO MUNDIAL DE MÓVEIS Blocos Econômicos / Países Produção US$ milhões Part % Consumo US$ Milhões Part % Consumo Per capita - US$ Europa ,3% ,7% 190 União Européia (28) ,8% ,1% 181 Noruega e Suíça ,6% ,6% 524 Leste Europeu e Rússia ,0% ,9% 60 Ásia e Pacífico ,4% ,8% 57 China ,7% ,0% 97 Japão ,0% ,1% 141 Outros ,7% ,7% 23 Oriente Médio e África ,8% ,1% 69 América do Norte ,9% ,6% 191 EUA ,0% ,3% 241 Canadá ,2% ,8% 350 México ,6% ,4% 15 América do Sul ,5% ,0% 54 Brasil ,7% ,8% 85 Outros ,8% ,2% 25 Total ,0% ,0% 83 FONTE: IEMI

40 EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES MUNDIAIS DE MÓVEIS Blocos Econômicos / Países Exportações US$ Milhões Part % Part % da Exp. na Produção Importações US$ Milhões Part % Part % no Consumo Europa ,1% 58,6% ,7% 56,7% União Européia (28) ,4% 59,2% ,9% 55,3% Noruega e Suíça ,7% 38,2% ,9% 76,2% Leste Europeu ,1% 12,1% ,7% 29,4% Ásia e Pacífico ,0% 28,2% ,2% 9,3% China ,0% 28,7% ,7% 1,8% Japão ,7% 7,4% ,1% 30,3% Outros ,3% 32,1% ,4% 23,6% Oriente Médio e África ,5% 46,3% ,0% 75,7% América do Norte ,6% 22,2% ,8% 50,6% EUA ,8% 16,1% ,5% 50,6% Canadá ,5% 38,0% ,5% 49,9% México ,2% 68,0% ,8% 55,5% América do Sul ,7% 5,2% ,2% 13,4% Brasil 680 0,5% 4,1% 740 0,5% 4,4% Outros 362 0,2% 10,4% ,6% 41,4% Total ,0% 33,3% ,6% 32,2% FONTE: IEMI

41 PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS DA UNIÃO ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DA UE EUROPÉIA 2013 China 56,8% Outros 12,4% Vietnã Turquia EUA Indonésia Bósnia e Hezergovinia Suíça Taiwan Malásia Noruega Brasil 5,6% 5,1% 3,9% 3,4% 3,1% 3,1% 2,0% 1,8% 1,8% 0,9% 0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% 60,0% FONTE: IEMI

42 ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DOS EUA PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS DOS EUA 2013 China 46,7% México 17,6% Canadá Vietnã 8,5% 7,8% Malásia Taiwan Itália Indonésia Reino Unido Alemanha Brasil 2,2% 2,0% 2,2% 2,0% 1,2% 1,2% 0,3% 0,0% 18,0% 36,0% 54,0% FONTE: IEMI

43 CONSUMIDORES

44 PARTICIPAÇÃO DA PRODUÇÃO DE MÓVEIS POR USO DO MÓVEL (FONTE: ABIMÓVEL) PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DENTRO DO FATURAMENTO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS 2013 Exportações 3,6% Mercado interno 96,4% FONTE: IEMI, SECEX

45 PRODUTOS EXPORTADOS DE MÓVEIS E 2013 Assentos 14,1% Colchões 2,0% 1996 EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS POR PRODUTO - (FONTE: SECEX) Móveis 83,9% Colchões 3,2% Assentos 24,8% 2013 Móveis 72,0% FONTE: SECEX

46 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS BRASILEIROS 2013 Outros 23,4% Argentina 16,9% França 3,2% Paraguai 4,5% Estados Unidos 14,1% Bolívia 4,6% Chile 5,0% Angola 5,3% Peru 5,8% Uruguai 6,2% Reino Unido 11,0% FONTE: SECEX

47 FATORES DE RISCO

48 O setor é pulverizado e concorrencial, sendo que a maioria das empresas atuantes no setor é de pequeno porte e de gestão familiar, aspecto este que dificulta a adoção de técnicas modernas de administração e controle. Além disso, há muitas empresas informais, como as marcenarias; Setor dependente do emprego, nível de renda da população, taxas de juros e condições creditícias. O setor depende também do nível de atividade econômica e da expansão da construção civil (demanda de móveis de escritório e residenciais); Itens importantes para o setor são: ergonomia, padronização de acordo com a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e o design para atender às exigências do mercado externo e dos consumidores domésticos de alto padrão; A demanda de reposição também influencia a produção de móveis. No Brasil, a troca de móveis é baixa quando comparamos com outros locais (nos Estados Unidos a troca de móveis muitas vezes é feita todo ano).

49 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

50 MADEIRA

51 ago/04 out/04 dez/04 fev/05 abr/05 jun/05 ago/05 out/05 dez/05 fev/06 abr/06 jun/06 ago/06 out/06 dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/ Fabricação de produtos de madeira, cortiça e material trançado, exceto móveis VARIAÇÃO ACUMULADA 12 MESES DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE MADEIRA ,0% 15,0% 10,0% 9,9% 14,1% 10,9% 5,0% 2,2% 0,0% -5,0% -2,2% -3,7% -10,0% -15,0% -11,8% -20,0% -20,1% -25,0% FONTE: IBGE

52 em milhões US$ VAR. % DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE MADEIRA Madeira 20,0% 15,0% 14,1% 10,0% 10,1% 10,2% 5,0% 3,8% 2,9% 0,0% -5,0% -4,3% -1,9% -5,1% -2,2% -3,4% -10,0% -15,0% -10,4% -20,0% -18,8% -25,0% FONTE: IBGE 52

53 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 EVOLUÇÃO DO SALDO DE EMPREGO LÍQUIDO NA PRODUÇÃO DE MADEIRA - ACUMULADO 12 MESES FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE MADEIRA FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE MADEIRA Nº de vagas FONTE: MTE - CAGED

54 Em mil toneladas Exportação EXPORTAÇÕES DE MADEIRA, CARVÃO VEGETAL E OBRAS DE MADEIRA Em mil toneladas FONTE: SECEX

55 VARIAÇÃO % DAS EXPORTAÇÕES EM QUANTUM DE MADEIRA, CARVÃO VEGETAL E OBRAS DE MADEIRA ,0% 12,0% 16,9% 16,5% 20,7% 11,5% 13,8% 4,0% 3,7% 1,4% -4,0% -0,5% -3,2% -2,0% -6,6% -12,0% -10,4% -20,0% -28,0% -22,5% -36,0% -30,6% FONTE: SECEX

56 Em mil toneladas Importação IMPORTAÇÕES DE MADEIRA, CARVÃO VEGETAL E OBRAS DE MADEIRA Em mil toneladas FONTE: SECEX

57 Em mil toneladas Importação VARIAÇÃO % DAS IMPORTAÇÕES EM QUANTUM DE MADEIRA, CARVÃO VEGETAL E OBRAS DE MADEIRA ,0% 32,6% 29,3% 32,5% 18,0% 18,7% 15,1% 9,2% 0,0% 4,1% 0,1% -6,0% -3,2% -18,0% -36,0% -24,3% -25,2% -29,5% -50,6% -54,0% FONTE: SECEX

58 MÓVEIS

59 Fonte e Projeção (*): Abimóvel Elaboração: Bradesco FATURAMENTO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS FATURAMENTO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS R$ Milhões R$ milhões FONTE: ABIMÓVEL

60 FATURAMENTO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS VARIAÇÃO DO FATURAMENTO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS ,0% 20,0% 17,8% 20,2% 15,0% 10,0% 11,1% 8,9% 8,1% 8,0% 9,7% 5,0% 2,0% 1,6% 3,2% 0,0% FONTE: ABIMÓVEL

61 Fonte: Abimóvel Elaboração e (*)Projeção: Bradesco CONSUMO APARENTE DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS US$ milhões CONSUMO APARENTE DE MÓVEIS R$ milhões FONTE: ABIMÓVEL

62 Fonte e Projeção (*): Abimóvel Elaboração: Bradesco CONSUMO APARENTE DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS VARIAÇÃO DO CONSUMO APARENTE DE MÓVEIS R$ Milhões 50,0% 40,0% 38,2% 30,0% 25,3% 29,0% 24,3% 20,0% 17,1% 10,0% 10,5% 9,2% 7,5% 2,8% 0,0% -10,0% -6,9% FONTE: ABIMÓVEL

63 US$ Milhões EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM VALOR US$ milhões FONTE: SECEX

64 US$ Milhões EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM VALOR ,0% 40,0% 42,4% 30,0% 20,0% 18,2% 24,5% 10,0% 5,2% 2,8% 9,6% 0,0% -10,0% -7,4% -4,4% -1,9% -4,0% -3,1% -2,0% -2,4% -20,0% -30,0% -28,6% -40,0% FONTE: SECEX

65 US$ por unidade PREÇO MÉDIO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS US$ por unidade ,6 43,4 46,7 49,5 55,9 52,1 58,3 46,5 39,2 38,2 40, ,8 28,3 31,9 26, FONTE: SECEX

66 Mil unidades * Acumulado em 12 meses até julho/09 EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM QUANTUM Em unidades FONTE: SECEX

67 Mil unidades EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM QUANTUM ,0% 50,0% 48,1% 40,0% 30,0% 20,0% 20,5% 15,0% 10,0% 0,0% -10,0% -20,0% 0,7% 5,1% -1,0% -6,6% -11,0% -3,1% -13,2% -2,1% -10,4% 2,4% -30,0% -23,3% FONTE: SECEX

68 PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS NO FATURAMENTO DA INDÚSTRIA % 16,5% 15,1% 14,2% 12,4% 12% 10,1% 10,9% 10,9% 9,2% 7,9% 6% 5,2% 4,2% 3,7% 3,9% 3,6% 0% FONTE: ABIMÓVEL E SECEX

69 Fonte e Projeção (*): Abimóvel Elaboração: Bradesco US$ Milhões IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM VALOR US$ MILHÕES IMPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS FONTE: SECEX

70 VARIAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM VALOR ,0% 50,0% 46,6% 52,0% 40,0% 38,2% 30,0% 31,3% 29,6% 20,0% 18,9% 21,4% 21,2% 13,2% 10,0% 0,0% -0,6% -10,0% -20,0% -18,1% -13,6% -14,0% -17,0% FONTE: SECEX

71 PREÇO MÉDIO DAS IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS US$ por unidade 74 68,8 62, ,0 51,3 43,8 51,3 48,5 54,6 51,5 44,5 40,5 46,5 51,3 54,1 36, FONTE: SECEX 71

72 IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM QUANTUM Em unidades FONTE: SECEX 72

73 VARIAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS EM QUANTUM ,0% 113,4% 105,0% 85,0% 65,0% 45,0% 25,0% 5,0% 0,7% 12,2% 25,6% 15,2% 46,5% 9,7% 33,3% 5,6% 2,7% -15,0% -30,5% -27,5% -8,5% -5,9% -35,0% FONTE: SECEX 73

74 Fonte: Abimóvel PARTICIPAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES DE MÓVEIS NO FATURAMENTO DA INDÚSTRIA ,5% 3,0% 3,1% 3,3% 2,5% 2,5% 2,4% 2,4% 2,5% 2,4% 2,1% 2,0% 1,9% 1,9% 1,7% 1,6% 1,7% 1,5% 1,4% 1,0% FONTE: ABIMÓVEL E SECEX

75 EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS SÃO PAULO EM VALOR Fonte: Secex Elaboração: Bradesco US$ milhões EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS São Paulo US$ Milhões FONTE: SECEX

76 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS SÃO PAULO EM VALOR Fonte: Secex Elaboração: Bradesco VARIAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS São Paulo US$ Milhões 80% 72,0% 60% 58,3% 40% 27,5% 22,3% 30,3% 20% 10,6% 11,7% 3,4% 0% -20% -4,8% -3,2% -18,9% -8,4% -40% -34,7% -29,4% -60% FONTE: SECEX

77 EXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS DA INDÚSTRIA SÃO PAULO DE MÓVEIS EM QUANTUM Mil unidades Fonte: Secex Elaboração: Bradesco Em unidades São Paulo FONTE: SECEX

78 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS SÃO PAULO EM QUANTUM Fonte: Secex Elaboração: Bradesco VARIAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS São Paulo Mil unidades 40% 30% 33,2% 31,1% 30,9% 20% 10% 9,7% 8,1% 4,7% 3,6% 0% -10% -20% -30% -21,6% -11,3% -4,3% -28,1% -2,5% -12,5% -40% -50% -44,6% FONTE: SECEX

79 EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS SANTA CATARINA EM VALOR Fonte: Secex Elaboração: Bradesco US$ milhões EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS Santa Catarina US$ Milhões FONTE: SECEX

80 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS SANTA CATARINA EM VALOR 2001 VARIAÇÃO 2014 DA EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS US$ Milhões onte: Secex Elaboração: Bradesco Santa Catarina 40% 30% 25,9% 29,1% 20% 16,5% 10% 10,3% 0% -10% 0,9% 1,5% -0,8% -11,1% 2,2% -5,1% -1,4% -20% -17,3% -30% -22,3% -23,8% FONTE: SECEX

81 EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS SANTA CATARINA EM QUANTUM 2000 Fonte: Secex Elaboração: Bradesco EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM QUANTUM Mil unidades Em unidades Santa Catarina FONTE: SECEX

82 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES VARIAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS DA INDÚSTRIA SANTA DE CATARINA MÓVEIS EM Mil unidades QUANTUM Fonte: Secex Elaboração: Bradesco Santa Catarina 110% 100,7% 90% 70% 50% 30% 10% 10,5% 17,0% 30,0% 9,1% -10% -5,1% -10,2% -6,2% -8,9% -1,1% -4,2% -30% -23,9% -15,7% -23,9% -50% FONTE: SECEX

83 EXPORTAÇÕES DE EXPORTAÇÕES MÓVEIS RIO DA INDÚSTRIA GRANDE DE DO MÓVEIS SUL EM VALOR 2000 US$ Milhões 2014 Rio Grande do Sul Fonte: Secex Elaboração: Bradesco US$ milhões FONTE: SECEX

84 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS RIO GRANDE DO SUL VARIAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS US$ Milhões EM VALOR Fonte: Secex Elaboração: Bradesco Rio Grande do Sul 60% 50% 53,1% 40% 30% 25,5% 20% 10% 0% -10% -5,6% -3,4% -2,2% -1,4% 6,5% -0,4% 4,7% -3,6% 1,5% 3,9% 2,9% -20% -30% -40% -30,3% FONTE: SECEX

85 EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS RIO GRANDE DO SUL EM QUANTUM EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM QUANTUM Mil unidades Fonte: Secex Elaboração: Bradesco Rio Grande do Sul Em unidades FONTE: SECEX

86 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES VARIAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS DA INDÚSTRIA RIO GRANDE MÓVEIS Mil unidades DO SUL EM QUANTUM Rio Grande do Sul Fonte: Secex Elaboração: Bradesco 120% 100% 97,9% 80% 60% 40% 43,2% 20% 0% -20% 3,9% -17,5% 23,1% -10,1% -8,0% 8,8% -18,0% -18,4% -3,7% -19,9% 3,7% -40% -40,2% -60% FONTE: SECEX

87 Fonte: Secex Elaboração: Bradesco EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS US$ Milhões EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS PARANÁ Paraná EM VALOR US$ milhões FONTE: SECEX

88 VARIAÇÃO Fonte: Secex Elaboração: DAS Bradesco EXPORTAÇÕES VARIAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS DA INDÚSTRIA PARANÁ DE MÓVEIS EM US$ VALOR Milhões Paraná 60% 50% 52,1% 40% 30% 38,2% 33,6% 20% 14,7% 14,2% 10% 3,1% 5,1% 7,7% 0% -10% -7,7% -0,2% -5,3% -0,4% -20% -30% -40% -31,3% -19,5% FONTE: SECEX

89 Fonte: Secex Elaboração: Bradesco EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM QUANTUM EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS PARANÁ Paraná EM QUANTUM Em unidades Mil unidades FONTE: SECEX

90 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE MÓVEIS PARANÁ EM QUANTUM 2004 VARIAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS Fonte: Secex Elaboração: Bradesco Paraná Mil unidades 80% 71,4% 60% 40% 20% 0% 11,3% 6,2% 1,7% -20% -40% -9,9% -9,6% -11,5% -22,0% -10,8% -26,9% -60% -52,2% FONTE: SECEX

91 PARTICIPAÇÃO PARTICIPAÇÃO DA EXPORTAÇÕES DA EXPORTAÇÕES DA DA INDÚSTRIA INDÚSTRIA DE MÓVEIS DE MÓVEIS POR UF US$ Milhões (EM VALOR) Fonte: Secex Elaboração: Bradesco 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 45% 44% 29% 27% 38% 37% 29% 36% 33% 29% 16,3% 44% 36% 21,4% 20% 28% 27% 17,7% São Paulo Santa Catarina Rio Grande do Sul Parana 29% 26% 37% 31% 20% 32% 30% 15% 10% 10% 11% 12,3% 13% 17% 17% 14% 13,8% 5% 7,4% 0% FONTE: SECEX

92 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGOS FORMAIS NA INDÚSTRIA DE MÓVEIS ACUMULADO EM 12 MESES FABRICAÇÃO DE MÓVEIS FABRICAÇÃO DE MÓVEIS Nº de vagas FONTE: MTE - CAGED

93 ago/04 out/04 dez/04 fev/05 abr/05 jun/05 ago/05 out/05 dez/05 fev/06 abr/06 jun/06 ago/06 out/06 dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/ Fabricação de móveis PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE MÓVEIS VAR. % DA MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES ,0% 15,0% 14,4% 13,4% 10,0% 6,6% 5,0% 4,6% 0,0% -0,6% 0,9% -0,7% 1,6% 1,4% -5,0% -10,0% -9,8% -9,0% -8,0% -15,0% FONTE: IBGE

94 em milhões US$ Móveis VAR. % DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE MÓVEIS ,0% 12,2% 10,0% 8,1% 5,0% 2,1% 2,5% 4,6% 1,6% 5,7% 1,7% 0,0% -5,0% -2,6% -5,0% -10,0% -9,5% -7,4% -15,0% FONTE: IBGE 94

95 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 fev/14 mai/14 ago/14 nov/14 fev/15 mai/15 ago/15 VARIAÇÃO % DA MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES DA PRODUÇÃO DE MOBILIÁRIO POR UF Fonte: IBGE Média de 2002 = 100 Produção Industrial por UF - Mobiliário ,0% Brasil Paraná Rio Grande do Sul 20,0% 12,8% 10,9% 10,0% 5,7% 4,6% 10,3% 6,6% 4,6% 4,9% 9,5% 6,4% 4,1% 3,7% 3,2% 0,0% 0,2% -0,9% 0,9% 1,7% -10,0% -9,8% -8,0% -11,5% -20,0% FONTE: IBGE

96 Depec-Bradesco O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS MAIO DE 2016 PRODUTOS CADEIA DE ELETROELETRÔNICOS Matérias-primas Básicas Aço Motores Componentes Outros insumos

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE CALÇADOS Pecuária Couros Importação de insumos Importação de calçados prontos Petroquímica

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017

INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 PRODUTOS HIGIENE PESSOAL 61% Sabonetes Higiene Oral Desodorantes Talcos Higiene Capilar Produtos para Barbear Fraldas

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 Borracha Natural Consumo Interno 300 mil toneladas/ano 64% Importação 262 mil toneladas/ano 36% Produção

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 1 2 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE INFORMÁTICA - 2007 Hardware Software Serviços 38,2% 11,8% 50,0% Computadores Gerenciamento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS ABRIL DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS ABRIL DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS ABRIL DE 2016 1 PRODUTOS 2 SUPERMERCADOS SÃO ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS CLASSIFICADOS COMO AUTO- SERVIÇO: CONSUMIDORES COMPRAM OS PRODUTOS

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Página 1 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto

Leia mais

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS 74% Automóveis 10% exportação 90% mercado interno 18% importação COMPLEXO AUTOMOTIVO 21% Comerciais

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%)

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%) 1,96 1,96 1,76 1,73 1,54 1,47 1,37 0,92 0,85 0,74 0,50 0,46 0,31 Nº 17 / 14 Embora o cenário macroeconômico aponte perda de dinamismo para setores importantes da economia brasileira, os resultados do emprego

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016 PRODUTOS MERCADO NACIONAL DE INFORMÁTICA - 2012 35% Aladi ex-argentina 1,7% exportação 34% Argentina Informática Faturamento

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015 Perspectiva Regulatória Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2 milhões de assinantes R$ 204 bi RECEITA

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Desvio de Finalidade Papel Imune

Desvio de Finalidade Papel Imune Desvio de Finalidade Papel Imune Compliance com as Leis de Defesa da Concorrência ALERTA: Evitar quaisquer discussões ou conversações sobre temas sensíveis à livre competição entre as empresas associadas,

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Telecomunicações 17 de novembro de 2015 Avanço dos serviços de telecomunicações deverá ser mais lento nos próximos anos Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Os serviços

Leia mais

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Com um médico para 410 habitantes, taxa cresceu 33% em dez anos, revela levantamento do Cremesp realizado em março de 2010 Aconcentração de médicos

Leia mais

Diagnóstico da realidade médica no país

Diagnóstico da realidade médica no país Diagnóstico da realidade médica no país Médicos por mil habitantes Peru 0,9 Chile 1,0 Paraguai 1,1* Bolívia 1,2* Colômbia 1,4* Equador 1,7 Brasil 1,8 Venezuela 1,9* México 2,0 Canadá 2,0 Estados Unidos

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais