Mercado Global de Bebidas 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercado Global de Bebidas 2010"

Transcrição

1 Mercado Global de Bebidas 2010

2 Pontos Chave dessa apresentação: Suco de laranja é ainda o principal sabor na categoria de sucos no mundo Suco de laranja 100% com desafio de voltar a crescer Outras bebidas competindo pela preferência do consumidor Suco de laranja enfrentando uma diminuição em volume nos mercados tradicionais 40 países representam 78% do mercado mundial de Sucos e 99% do consumo de Suco de Laranja Entendimento do consumidor é essencial para estimular o mercado de suco de laranja Acompanhamento das informações de mercado e da cadeia é também essencial Oportunidades para crescimento em países em desenvolvimento como o Brasil M&PM TP Brazil 2010

3 Mercado Mundial de Bebidas Industrializadas Suco de Laranja contribui com 1.6% do total de consumo (Refrescos com 0.8% e Sucos e Néctares com 0.9%) Vinho Bio litros (2009) Café Quente 1.8% Chá Quente 35% 30% Cerveja Sucos & Nectares Refrescos 2.6% 11.2% 2.7% 12.5% 8.2% 20.9% 4.0% 7.1% Leite Aromatizado 0.9% Bebidas à Base de Leite Outros Bebidas Carbonatadas 12.8% 15.3% Outros: Xaropes, Chá e Bebidas a Base de Café, Energéticos & Isotônico, Suco Concentrado e em Pó Água Leite Branco Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados M&PM TP Brazil 2010

4 Mercado Mundial de Bebidas Industrializadas Evolução de Volume Crescimento nos últimos 6 anos foi de 3.6% CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados M&PM TP Brazil 2010

5 Mercado Mundial de Bebidas Industrializadas Evolução de Volume por Subcategoria Refresco, Água e Bebidas a base de Leite liderando o Crescimento % 6.7% 9.0% 20.4% 11.2% 12.8% 14.0% 2.2% 2.8% 14.8% % 6.8% 8.8% 20.5% 11.1% 13.2% 13.8% 2.2% 2.8% 14.5% % 6.8% 8.6% 20.6% 11.1% 13.7% 13.5% 2.3% 2.8% 14.1% % 6.9% 8.4% 20.6% 11.3% 14.2% 13.3% 2.4% 2.8% 13.7% Bio litros (2009) % 3.9% 7.1% 7.0% 8.2% 8.1% 20.6% 20.6% 11.5% 11.4% 14.6% 13.1% 15.0% 12.9% 2.5% 2.7% 2.6% 2.7% 13.3% 13.0% % 7.1% 8.2% 20.9% 11.2% 15.3% 12.5% 2.7% 2.6% 12.8% Bebidas à Base de Leite Outros Café Quente Chá Quente Vinho Cerveja Água Bebidas Carbonatadas Refrescos Suco e Nectar Leite Aromatizado Leite Branco CAGR 03x09 6.5% 4.6 % 2.0% 4.0% 2.1% 3.6% 6.6% 1.7% 7.3% 2.1% 4.2% 1.2% Outros: Xaropes, Chá e Bebidas a Base de Café, Energéticos & Isotônico, Suco Concentrado e em Pó Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados M&PM TP Brazil 2010

6 Sabores dos Sucos e Néctares no Mundo Laranja e Maçã as frutas mais desejadas Sucos e Néctares Global 2009 importância dos sabores 1.0 Outros Cranberry Manga Abacaxi Pessego Uva Mix de Frutas 0.4 Maçã 16% 0.2 Laranja 35% 0.0 Sabores Fonte: Euromonitor IMIS. Share por mio Litros Confidential Inclui: Suco e Néctares Category Management / April 2010

7 Lançamentos de Sucos e Néctares no mundo em 2009 Outras frutas além da Laranja ganhando espaço Número de variantes por sabores Romã Laranja 22% 6% 7% Uva Morango 7% 7% Fruta Maçã - 19% 8% 7% Pêssego % 8% Manga - Abacaxi - 7 Confidential Fonte: Mintel GNPD Category Management / April 2010

8 Análise do Mercado Global de Sucos 2010

9 Mercado Global de Sucos Industrializados e Outras Evolução de Volume Isotônicos & Energéticos, Bebidas a base de Chá e Refrescos liderando o crescimento Volumes in MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % CAGR 03x Suco 100% Nectar Refrescos Suco em Pó Suco Concentrado Energéticos Café PPB -0.8% 7.1% 7.3% 3.5 % 0.6% 8.8% 2.1% Chá PPB 7.7% Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

10 Mercado Global de Sucos Industrializados e Outras Evolução de Volume Laranja perde volume, outros sabores e bebidas crescendo rapidamente Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % CAGR 03x Suco 100% Outros Sabores Suco 100% Laranja Nectar Outros Sabores Nectar Laranja Refresco Outros Sabores Refresco Sabor Laranja Suco em Pó Suco Concentrado Energéticos Café PPB 0.1% -1.7% 8.0% 3.7% 7.7% 6.4% 3.5 % 0.6% 8.8% 2.1% Chá PPB 7.7% Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

11 Mercado Global de Sucos Industrializados Evolução de Volume Prontos para beber são os que mais crescem Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % 94,228 16,361 14,313 27,641 11,288 CAGR 03 x % 97,455 16,783 14,355 29,377 12, ,604 17,491 14,207 31,691 13, ,290 17,871 14,489 34,294 14, ,255 18,710 14,600 37,234 16,091 CAGR 06 x % 114,617 19,276 14,612 39,849 16, ,672 20,137 14,814 42,153 17,074 Pó Concentrado Refresco (até 24% Suco) Nectars (25-99% Suco) CAGR 03x % 0.6 % 7.3 % 7.1 % 24,625 24,588 24,791 24,836 24,620 24,016 23,495 Suco (100% Suco) -0.8% Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

12 Categoria de Sucos 40 mercados com as maiores contribuições de volume

13 Metodologia Análise dos principais 40 mercados e disposable income per capita Mercados Globais 13 AUSTRALIA $18,009 CHILE $5,767 ARGENTINA $4,460 ÁUSTRIA $27,209 ITÁLIA $24,581 BRASIL $5,227 BÉLGICA $28,341 RÚSSIA $5,242 CHINA $2,025 CANADÁ $24,083 ÁFRICA DO SUL $3,285 COLÔMBIA $3,415 DINAMARCA $26,285 UCRÂNIA $1,722 FINLÂNIDA $25,021 FRANÇA $28,789 ÍNDIA $823 ALEMANHA $27,299 INDONÉSIA $1,429 GRÉCIA $20,868 ISRAEL $14,917 IRLANDA $26,859 MÉXICO $5,632 JAPÃO $25,374 MARROCOS $2,107 HOLANDA $23,661 FILIPINAS $1,274 NOVA ZELÂNDIA $14,035 POLÔNIA $7,041 NORUEGA $33,233 ROMÊNIA $4,266 COREIA DO SUL $11,247 ARÁBIA SAUDITA $5,850 ESPANHA $20,431 TAIWAN $8,992 SUÉCIA $22,013 TURQUIA $6,293 SUÍÇA $42,629 REINO UNIDO $22,016 EUA $32,915

14 Metodologia Sucos Pronto Para Beber Mundo 82 Bio de litros 78% Sucos Pronto Para beber 40 Países Selecionados 64 Bio de litros 14 99% do Suco de Laranja

15 Sucos Pronto Para Beber - Volume 40 Países Selecionados, Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % 53,871 55,260 57,075 58,717 59,744 60,571 63, Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

16 Subcategorias de Sucos Prontos para Beber Evolução de Volume Néctares com o maior crescimento 40 Países Selecionados, Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % CAGR (%) 53,871 55,260 57,075 58,717 59,744 60,571 63, ,985 24,622 25,985 26,608 27,388 28,496 32,013 Refrescos 3.5% 6.4% 4.9% 8,302 8,796 9,319 10,335 10,859 11,316 11,125 Nectares 7.6% 2.5% 5.0% 21,585 21,842 21,771 21,774 21,497 20,759 20,388 Suco 100% 0.3% -2.2% -0.9% Cresc vs ano anterior 2.6% 3.3% 2.9% 1.7% 1.4% 4.9% 16 Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

17 Regiões do Mundo Sucos Prontos para Beber Evolução de Volume Ásia, Oriente Médio e América Latina liderando o crescimento 40 Países Selecionados, Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % CAGR (%) 53,871 5,743 10,786 55,261 5,626 11,296 57,075 6,095 12,079 58,717 6,246 12,828 59,744 6,182 13,973 60,570 6,961 14,539 63,526 7,465 16,987 Oriente Médio Africa Oceania America Latina % 4.6% 4.3% 13.4% -6.2% 3.2% 2.1% 0.9% 1.5% 2.8% 6.1% 4.5% 18,230 18,544 19,102 20,286 20,737 20,958 20,313 Asia 5.9% 9.8% 7.9% Europa 3.6% 0.0% 1.8% 17, , , , , , , America do Norte -0.1% -1.3% -0.7% 17 Crescimento vs ano anterior 2.6% 3.3% 2.9% 1.7% 1.4% 4.9% Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

18 CAGR 03x09 Principais Mercados de Sucos EUA é o maior, mas China, Ucrânia e Indonésia apresentaram maior crescimento, Brasil em 11º, mas com grande crescimento Sucos 20 Principais Mercados, 2009 Volumes em MM LITROS -0.8% 15.5% 1.6% -2.5% 5.0% -0.1% 5.6% 1.6% 2.1% 4.2% 8.5% 2.8% 0.1% -1.1% 5.4% 1.1% 13.2% -3.3% 16.0% 18.2% 15,232 8,801 4,497 4,455 3,416 2,806 2,735 2,318 2,209 1,625 1,520 1,360 1, EUA China Mexico Alemanha India Japão Russia França Grã Betanha Polonia Brasil Espanha Canada Itália Arabia Saudita Holanda Turquia Coreia do Sul Ucrania Indonesia 18 Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Mercaods estimados. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

19 Atributos que os consumidores reconhecem nos sucos prontos SAÚDE & SABOR NUTRIÇÃO REFRESCÂNCIA EUA (1º em importancia) Japão (43%) Turquia (50%) Canadá (84%) Brasil (48%) Espanha (66%) 19 Egito (59%) Grécia (21%) Alemanha: (85%) Source: U&A Studies % of Consumers mentioning each statement

20 Forças que geram tendências Globais Forças que afetam o consumidor Reação dos consumidores a essas forças GfK NOP Roper Reports Worldwide countries on 5 continents, respondents age 15+, kids not included Respondents represent sampling projectable to over 1.2 bio global consumer 500 to 1,500 in-home, face-to-face, 1-hour interviews per country, with a further 1,500 online interviews in developed markets only (AU, JP, KO, TW, CA, US, FR, D, IT, SP, SE, UK) Internal C.Cantoni / April 2010

21 Tendências Globais 2010 Sucos Prontos acompanha essas tendências Economia 1 Foco no custo benefício 2 Vida mais fácil Busca pelo prazer a vida e a praticidade/conveniência Paradoxo da Saúde 3 Foco entre a preocupação e a ação 4 Simplesmente Verde Foco no retorno ao simples, vida mais sustentável Consumidores Ansiosos 5 Foco em segurança alimentar 6 Consumidores no controle Consumidores com o poder de decisão e cada vez mais ativos Lar dode Lar 7 Valoriação das tradições, ficar mais em casa GfK NOP Roper Reports Worldwide countries on 5 continents, respondents age 15+, kids not included Respondents represent sampling projectable to over 1.2 bio global consumer 500 to 1,500 in-home, face-to-face, 1-hour interviews per country, with a further 1,500 online interviews in developed markets only (AU, JP, KO, TW, CA, US, FR, D, IT, SP, SE, UK) Internal C.Cantoni / April 2010

22 What do we mean by Soft Drinks? Suco de Laranja Category definition Pronto para Beber 100% Juice 40 Nectars mercados (>25% juice) com maior contribuição Fruit / Flavoured Still Drinks Tea based drinks Coffee based drinks Sports & Energy Drinks These sub-categories are also grouped as JNSD Water Carbonated Soft Drinks 22

23 23

24 Suco 100% Evolução de Volume Categoria em queda e laranja idem 40 Países Selecionados, Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % CAGR 03x09 21,585 4, ,471 4,294 21,842 4, ,502 4,140 21,771 4, ,575 4,053 21,774 4, ,655 4,029 21,497 4, ,759 3,907 20,759 4, ,746 3,813 20,388 4, ,590 3,724 Outros Uva Tomate Mix de Frutas 0.8% -2.1 % 2.6% 1.3 % Maçã -2.3 % 10,197 10,257 10,045 9,829 9,511 9,170 9,247 Laranja -1.6% Fonte: Tetra PakCompass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

25 Néctares Evolução de Volume Categoria cresce e sabores diferentes da Laranja têm o maior crescimento 40 Países Selecionados, Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % CAGR 03x09 10,335 10,859 11,316 11,125 Outros 4.8% 8,302 3, , ,796 3, ,084 1,097 9,319 4, ,115 1,194 4, ,210 1,397 4, ,332 1,446 4,912 1,017 1,384 1,495 4,629 1,027 1,468 1,514 Manga Pessego Maça Mix de Frutas Laranja 6.2% 8.7 % 5.7% 7.2 % 1.6% 1,757 1,683 1,716 1,826 1,835 1,955 1, Fonte: Tetra Pak Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

26 Refrescos Evolução de Volume Laranja cresce menos do que outros sabores e mix de frutas 40 Países Selecionados, Volumes em MM LITROS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % CAGR 03x09 32,013 23,985 8,664 1,284 2,206 2,524 1,985 24,622 8,772 1,481 2,066 2,601 2,223 25,985 9,195 1,553 2,050 2,821 2,413 26,608 9,257 1,656 2,080 2,939 2,658 27,388 9,372 1,686 2,203 2,982 2,910 28,496 9,766 1,816 2,371 3,126 3,158 11,509 1,887 2,328 3,305 3,700 Outros Uva Maça Manga Mix de Frutas 4.8% 6.6% 0.9% 4.6% 10.9 % 7,321 7,480 7,954 8,018 8,235 8,259 9,284 Laranja 4.0% Fonte: Tetra Pak Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

27 Consumo Total de Suco de Laranja Evolução de Volume por Subcategoria 40 Países Selecionados, CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % Volumes em MM LITERS 19,275 19,420 19,715 19,673 19,581 19,385 20,462 CAGR (%) ,321 7,480 7,954 8,018 8,235 8,259 9,284 Refresco 4.0% 1,757 1,683 1,716 1,826 1,835 1,955 1,931 Nectar Suco 100% 1.6% -1.6% 10,197 10,257 10,045 9,829 9,511 9,170 9,247 Growth vs previous year % 1.5% -0.2% -0.5% -1.0% -5.6% 27 Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

28 Principais Mercados Sucos, Néctares e Refrescos de Laranja EUA China Grã Betanha Alemanha França Japão Brasil Mexico Canada Russia 10 Países Selecionados, % % % % 15.2% % 12.3% % % 3.0% 5.4% % 2.2% 81.9% 87.2% 61.9% 95.0% % 57.6% 62.2% 69.9% 11.3% % 32.7% 0 5.2% 5.1% 8.6% 18.1% 4.2% Refresco Nectar Suco 100% 28

29 Principais mercados de Suco de Laranja China com alto consumo de suco, mas pouco do concentrado FCOJ 5, Principais Mercados, 2009 Volumes em MM LITROS 851 3,356 FCOJ 66 Brix Equivalent ,205 1,189 1, CAGR 03x09 EUA China Grã Betanha Alemanha França Japão Brasil Mexico Canada Russia Espanha Polonia Arabia Saudita Coreia do Sul Australia Africa do Sul India Indonesia Belgica Itália -3.1% 8.6% 0.0% -4.2% 0.3% -2.0% 1.9% 4.3% 1.2% 8.7% 1.7% 0.7% 5.6% -0.5% 0.7% 0.8% 13.8% 23.2% 0.1% -2.4% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas 29 Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

30 Consumo de FCOJ Equivalente a 66 Brix nos 40 Principais Mercados Total Consumo MM Tons 2,406 2,403 2,379 2,349 2,299 2,246 2,267 1 EUA 1,002 1, ALEMANHA FRANÇA GRÃ BETANHA CANADÁ JAPÃO RUSSIA CHINA ESPANHA BRASIL MEXICO AUSTRALIA COREIA DO SUL POLONIA HOLANDA ITÁLIA AFRICA DO SUL ARABIA SAUDITA SUÉCIA BÉLGICA OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas

31 Consumo de FCOJ Equivalente a 66 Brix nos 40 Principais Mercados Total Consumo MM Tons 2,406 2,403 2,379 2,349 2,299 2,246 2, INDIA NORUEGA AUSTRIA SUÍÇA ARGENTINA IRLANDA UCRANIA GRÉCIA DINAMARCA CHILE FINLANDIA NOVA ZELANDA ROMENIA INDONESIA TAIWAN TURQUIA ISRAEL FILIPINAS COLOMBIA MARROCOS OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas

32 América do Norte América do Norte EUA Canadá 32

33 Consumo de Suco de Laranja América do Norte Evolução por Subcategoria CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % 7,043 7,447 7,226 6, Volumes em MM LITROS Países Selecionados 1, , , , ,225 1,628 5,567 1,211 6,232 1,786 Refresco CAGR (%) % Nectar 8.1% 5,078 5,290 5,115 4,813 4,579 4,340 4,429 Suco 100% -3.1% Growth vs previous year OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. Carbonatadas *Apenas volumes negociados % -1.8% -4.8% -3.8% -1.9% -1.2% CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS 1,097 1,126 1,095 1, % -3% -7% -7% -11% 12%

34 Suco de Laranja nos Estados Unidos Americanos bebem principalmente Suco 100%, mas com queda no consumo Volumes em MM LITROS 6,522 1,926 6,922 2,129 CAGR 03 x % 6,633 2,071 CAGR 03 x % 6,151 1,876 5,679 1,612 CAGR 06 x % 5,012 1,193 5,673 1,774 Refresco CAGR (%) % Suco 100% -2.7% 4,595 4,793 4,561 4,275 4,068 3,819 3,899 Growth vs previous year % -4% -7% -8% -12% 13% CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS 1,002 1, % -4.3% -6.2% -4.5% -6.4% 3.1% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

35 Estados Unidos Litros de Suco de Laranja FCOJ Equivalente a 66 Brix População: Estimativa Nacional em 1º de Janeiro MM litros 6,522 6,922 6,633 6,151 5,679 5,012 5,673 MM Tons 1,002 1, ' , , , , , , ,600 PIB per capita US$ $38,393 $40,519 $42,761 $44,908 $46,725 $47,495 $46,504 Taxa de Desemprego Total da Renda Disponível Total de renda per capita anual disponível % 6.0% 5.5% 5.1% 4.6% 4.6% 5.8% 9.3% US$ Billion $8,052,900 $8,561,900 $8,944,300 $9,435,621 $9,932,805 $10,211,625 $10,091,869 US$ $27,748 $29,232 $30,262 $31,625 $32,968 $33,584 $32,915 Inflação % 2.3% 2.7% 3.4% 3.2% 2.9% 3.8% 0.3% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas Fonte: indexmundi / European Central Bank 35 Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industriass estimadas. Apenas

36 Europa Europa Alemanha RU França Itália Turquia Rússia Dinamarca Polônia Holanda Finlândia Espanha Romênia Suécia Bélgica Noruega Áustria Suíça Irlanda Ucrânia Grécia 36

37 Consumo de Suco de Laranja - Europa Evolução por Subcategoria Volumes em MM LITROS - Países Selecionados`` CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % 6,261 6,049 6,022 6,164 6,137 6,162 6,146 1,544 1,006 1, , ,531 1,009 1,556 1,050 1,607 1,068 1,623 1,084 Refresco Nectar CAGR (%) % 1.2% Suco 100% -1.3% 3,711 3,601 3,560 3,624 3,531 3,487 3, Crescimento vs ano anterior -3.4% -0.4% 2.3% -0.4% 0.4% -0.3% CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % -1% 3% -1% 0% -2% 37 OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. Carbonatadas *Apenas volumes negociados

38 Suco de Laranja na Alemanha Alemães bebem principalmente Suco 100%, mas com queda no consumo Volumes em MM LITROS 1,542 CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % , , , , , , Refresco Nectar CAGR (%) % -4.0% Suco 100% -4.8% Crescimento vs ano anterior -9.3% -6.8% 1.8% -4.3% -2.1% -4.2% 38 CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % -9% 1% -5% -2% -3% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

39 Alemanha Litros de Suco de Laranja FCOJ Equivalente a 66 Brix População: Estimativa Nacional em 1º de Janeiro MM litros 1,542 1,399 1,303 1,326 1,268 1,241 1,189 MMTons '000 82,537 82,532 82,501 82,438 82,315 82,218 82,002 PIB per capita US$ 29,595 33,272 33,777 26,649 40,374 44,425 40,825 Taxa de Desemprego % 9.8% 9.2% 9.2% 8.1% 8.3% 7.3% 7.6% Total da Renda Disponível Total de renda per capita anual disponível US$ Billion $1,657,727 $1,851,009 $1,884,679 $1,940,979 $2,146,858 $2,354,737 $2,238,533 US$ $20,085 $22,428 $22,844 $23,545 $26,081 $28,640 $27,299 Inflação % 1.0% 1.7% 1.6% 1.6% 2.3% 2.6% 0.3% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas Fonte: indexmundi / European Central Bank 39 Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industriass estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

40 Ásia Japão China Índia Ásia Coreia do Sul Indonésia Filipinas Taiwan 40

41 Consumo de Suco de laranja - Ásia Evolução por subcategorias Volumes em MM LITROS - Países Selecionados 3,677 2,449 CAGR 03 x % 3,618 2,455 4,025 2,871 CAGR 03 x % 4,258 3,049 4,594 3,447 CAGR 06 x % 4,849 3,701 5,154 4,045 Refresco Nectar CAGR (%) % -3.3% Suco 100% 8.7% Crescimento vs ano anterior %% 11.2% 5.8% 7.9% 5.6% 7.3% 2009 CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % 1% 3% 1% -2% 3% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas *Apenas volumes negociados

42 BRIC + México Brasil Rússia Índia China BRIC México 42

43 Suco de Laranja no Brasil Grandes oportunidades para o consumo interno de Suco de Laranja Volumes in MM LITERS CAGR 03 x % 759 CAGR 03 x % CAGR 06 x % Refresco CAGR (%) % Nectar % Suco 100% -17.2% Crescimento vs ano anterior 1.0% 6.8% 4.4% -7.1% 2.0% 4.9% 43 CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % 10% 3% -10% 4% 6% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas *Apenas volumes negociados

44 Brasil Litros de Suco de Laranja FCOJ Equivalente a 66 Brix População: Estimativa Nacional em 1º de Janeiro MMlitros MMTons ' , , , , , , ,734 PIB per capita US$ $3,043 $3,610 $4,740 $5,790 $7,189 $8,536 $8,117 Taxa de Desemprego % 9.7% 8.9% 9.4% 8.4% 8.2% 7.9% 8.1% Total da Renda Disponível Total de renda per capita anual disponível US$ Billion $356,311 $413,571 $543,443 $674,452 $839,460 $1,013,654 $1,012,634 US$ $1,963 $2,249 $2,921 $3,584 $4,415 $5,280 $5,227 Inflação % 14.8% 6.6% 6.9% 4.2% 3.6% 5.7% 4.9% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas Fonte: indexmundi / European Central Bank 44 Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Indústrias estimadas. Apenas países reportados. *Apenas volumes negociados

45 Suco de Laranja na Rússia Russos bebem principalmente néctar, mercado crescendo rapidamente Volumes in MM LITERS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % Refresco Nectar CAGR (%) % 10.5% 167 Suco 100% 5.9% Crescimento vs ano anterior 15.9% 4.2% 16.4% 9.5% 0.3% 7.0% 45 CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % 7% 18% 7% -1% -6% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas *Apenas volumes negociados

46 Suco de laranja na Índia Indianos bebem principalmente refrescos, mercado crescendo rapidamente Volumes in MM LITERS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % Refresco CAGR (%) % Suco 100% -3.0% Crescimento vs ano anterior -9.4% -6.1% 9.4% 40.1% 58.8% 4.7% 46 CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % -7% -3% 7% 10% 3% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas *Apenas volumes negociados

47 Suco de Laranja na China Chineses atraídos por refrescos, consumo total crescendo Volumes in MM LITERS` CAGR 03 x % 2,370 CAGR 03 x % 2,597 2,886 CAGR 06 x % 3,088 3,356 Refresco CAGR (%) % 2,041 1,701 1,976 1,720 2,100 2,259 2,590 2,700 3,010 Nectar Suco 100% -6.3% 13.3% Crescimento vs ano anterior -3% 20% 10% 11% 7% 9% 47 CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % 14% 16% 8% 15% 8% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas *Apenas volumes negociados

48 Suco de Laranja no México Mexicanos divididos entre refresco e 100% suco, consumo crescendo Volumes in MM LITERS CAGR 03 x % CAGR 03 x % CAGR 06 x % Refresco Suco 100% CAGR (%) % 2.2% Crescimento vs ano anterior -8.2% 7.9% -3.2% 10.0% 15.0% 6.2% CONSUMO DE FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX MM TONS % 6% -5% 9% 11% 3% OBS: Volumes em FCOJ 66 Brix Equivalent incluem sabor multifrutas Fonte: Compass 2009 Produtos, Embalagens e Industrias estimadas. Apenas países reportados. com suco de laranja. Não inclui xarope usado em Bebidas Carbonatadas *Apenas volumes negociados 48

49 What do we mean by Soft Drinks? BRIC + MÉXICO Category definition Análise do Impacto de 100% Juice Nectars (>25% juice) Fruit / Flavoured Still Drinks Tea based drinks Volume Coffee based drinks Sports & Energy Drinks These sub-categories are also grouped as JNSD Water Carbonated Soft Drinks 49

50 SIMULAÇÃO DE ANÁLISE: BRICs + MÉXICO Mesmo Consumo de 2009 Segmentação e Fator de Diluição iguais ao da Alemanha Volumes in MM LITROS 09 Países Selecionados PAÍS PIB PER CAPITA RENDA DISPONÍVEL PER CAPITA CONTEÚDO DE SUCO FATOR DE DILUIÇÃO SEGMENTOS NECTAR REFRESCO Litros 000 CONSUMO DE SUCO DE LARANJA EM 2009 TONS FCOJ EQUIVALENTE A 66 BRIX BRASIL $8,117 $5,227 75% 20% ,475 RÚSSIA $8,667 $5,242 50% 13% ,169 ÍNDIA $1,089 $823 10% ,246 CHINA $3,697 $2,025 25% 5% 3,356 68,248 MÉXICO $8,117 $5,632 9% ,412 BRIC + MÉXICO $5,991 $ 3, ,519 5, ,552 10% 10% 80% ALEMANHA $40,824 $27,299 72% 11% 62% 15% 23% BRICs + MÉXICO CONSUMO SIMULADO 3, ,301 5, ,658 DEMANDA ADICIONAL DE SUCO DE LARANJA BASEADA NA SIMULAÇÃO 571,105 Demanda Adicional de 142 milhões de caixas de laranja 50

51 51

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Observações metodológicas Página 2 Enfoque da pesquisa Mensurar o sentimento e a confiança do consumidor no futuro da economia Padrões

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 1. Setor de Sucos Exportações em US$ 1.000 Produtos 2010 Part% 2013 2014 Part% 2014 2014/ 13 Var % anual 14/10 Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 43.005.652 41.136.370

Leia mais

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010 Exportação Brasileira de Laranjas por País de Destino 2010 ESPANHA 5.293.450 12.795.098 PAISES BAIXOS (HOLANDA) 4.669.412 10.464.800 REINO UNIDO 2.015.486 5.479.520 PORTUGAL 1.723.603 3.763.800 ARABIA

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália.

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália. ICC 115-8 18 agosto 215 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 215 Milão, Itália O café na Federação Russa Antecedentes Cumprindo o disposto no Artigo 34

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008 O Mercado de Frutas na Alemanha Débora Creutzberg São Paulo, 9 de dezembro de 2008 Informações Gerais sobre Alemanha Condições econômicas e políticas (Dados ano 2008) Área População Capital 357.104 km²

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Expectativas para 2015

Expectativas para 2015 Crise Economia Pessimismo Política Otimismo Segurança Saúde Prosperidade Expectativas para 2015 OBJETIVO Medir a expectativa da população mundial para o ano seguinte, por meio de índices de esperança e

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

AJEGROUP O QUE É? Está entre os dez maiores fabricantes de bebida e é a quarta maior de refrigerantes no mundo.

AJEGROUP O QUE É? Está entre os dez maiores fabricantes de bebida e é a quarta maior de refrigerantes no mundo. AJEGROUP AJEGROUP O QUE É? Está entre os dez maiores fabricantes de bebida e é a quarta maior de refrigerantes no mundo. Início da operação de vendas dos produtos feitos em casa Operação expande para outros

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

Indicadores de avaliação Mercado de suco de uva; Foco: suco de uva natural/integral; Posicionamento; Evolução: produção, comercialização (mercado interno e exportações); Diferença básica entre suco, néctar

Leia mais

Exercícios sobre BRICS

Exercícios sobre BRICS Exercícios sobre BRICS 1. (ENEM) O G-20 é o grupo que reúne os países do G-7, os mais industrializados do mundo (EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Canadá), a União Europeia e os principais

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

POPULAÇÃO EM 1º DE JANEIRO HABITANTES ' a 15 MUNDO

POPULAÇÃO EM 1º DE JANEIRO HABITANTES ' a 15 MUNDO POPULAÇÃO EM 1º DE JANEIRO HABITANTES '000 MUNDO 6.311.539 6.389.080 6.466.963 6.545.186 6.623.403 6.701.840 6.780.040 6.830.769 6.928.198 7.007.091 7.095.218 7.238.184 7.214.419 14% 4.375.625 4.416.761

Leia mais

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 Perfil elaborado en octubre de 2008 TRATAMIENTO ARANCELARIO E IMPOSITIVO 1) IMPUESTOS Y TASAS: 1.1) ARANCELES DE IMPORTACIÓN

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos:

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos: Nestlé S.A. 1. Principais Características Matriz: Nestlé S.A. Localização: Vevey, Suíça Ano de fundação: 1866 Internet: www.nestle.com Faturamento (2000): US$ 47.092 mi Empregados (1999): 230.929 1.a.

Leia mais

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL.

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. Três em cada cinco copos de suco de laranja bebidos no mundo são produzidos no Brasil. Nos países com inverno rigoroso, os consumidores não

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC-60 Torre Luminosa Compacta Desenvolvida para ser a melhor opção em custo/benefício, a Torre Luminosa Compacta - TLC-60 combina tecnologia e performance na medida ideal

Leia mais

17º Estudo Anual Marcas Próprias 2011. 17º Estudo Anual de Marcas Próprias

17º Estudo Anual Marcas Próprias 2011. 17º Estudo Anual de Marcas Próprias 17º Estudo Anual Marcas Próprias 2011 Agenda Qual o desempenho da marca própria no mundo? Marca Própria, produto de qualidade e preço? Qual o desempenho da marca própria no Brasil? Quem é o shopper de

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial

Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial Limeira, 24 de Junho de 2010 Christian Lohbauer www.citrusbr.com O SEGMENTO NÉCTARES, QUE CONTÉM EM MÉDIA

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil Relação Econômica Bilateral e Ⅰ.Comércio Exterior e Os principais parceiros de intercâmbio comercial brasileiro são os, a e a. A presença do não é significativa comparando a esses países. As exportações

Leia mais

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 PORTUGAL A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 Um ciclo de crescimento longo e a acelerar 12 000 000 10 000 000 Receitas

Leia mais

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão CHAVES DE FIM DE CURSO Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão Índice Importância das Normas Técnicas página 3 Produtos Especiais página 4 Chaves de Emergência Linha 500 página 5 Chaves de

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001?

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? Oportunidades e desafios na expansão da oferta e no uso da energia - recursos, tecnologia e gestão Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? São Paulo, 27 de novembro

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

RELATÓRIO OUTUBRO E NOVEMBRO/2013 LANÇAMENTOS MUNDIAIS E NACIONAIS DE AMENDOINS IC 005-2013 MINTEL

RELATÓRIO OUTUBRO E NOVEMBRO/2013 LANÇAMENTOS MUNDIAIS E NACIONAIS DE AMENDOINS IC 005-2013 MINTEL RELATÓRIO OUTUBRO E NOVEMBRO/203 LANÇAMENTOS MUNDIAIS E NACIONAIS DE AMENDOINS IC 005-203 MINTEL SUMÁRIO: Slide 8 - Lançamentos MUNDIAIS de embalagens de amendoins COMPARAÇÃO 202/203 Slide 9 - Países que

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009 Pedro H. G. Ferreira de Souza Renda domiciliar per capita (R$ setembro/2009) 700 600 500 400 521 1995 2003: 1% a.a. 2003 2009: +4.8% a.a 637 300 200 100 0 1995

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais

Setor de Incorporadoras no Brasil. Junho, 2012

Setor de Incorporadoras no Brasil. Junho, 2012 Setor de Incorporadoras no Brasil Junho, 2012 Agenda Mercado Imobiliário Brasileiro - 2011 Desempenho das Incorporadoras Listadas Fundamentos do Setor 2 Mercado Imobiliário Brasileiro - 2011 VGV Lançado

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo

Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo Ricardo Chaves Lima 1 Resumo: O empresário inovador é um componente fundamental do processo de desenvolvimento econômico de acordo com a visão schumpeteriana.

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo MATRIZ ENERGÉTICA E DADOS ESTATÍSTICOS Santo André, 21 de março de

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DE POLÍTICAS PENITENCIÁRIAS SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS ESTÁTÍSTICA SUSEPE - SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

1. O Brasil vive um momento de transformação no padrão do consumo. 3. Produtos de Limpeza e Higiene & Beleza têm enorme potencial

1. O Brasil vive um momento de transformação no padrão do consumo. 3. Produtos de Limpeza e Higiene & Beleza têm enorme potencial PRINCIPAIS MESSAGENS 1. O Brasil vive um momento de transformação no padrão do consumo 2. Temos indicadores demográficos e socio econômicos para ser otimistas nesta década 3. Produtos de Limpeza e Higiene

Leia mais

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Barômetro Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Resultados 2006 Preparado para Preparado para Meta Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhão conexões www.idc.com Agenda

Leia mais

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as 2º Congresso Brasil-Alemanha de Energias Renováveis e Eficiência Energética - Effizienz ISO 50001: cenário mundial e brasileiro George Alves Soares São Paulo, 02 de dezembro de 2014 Principais Funções

Leia mais

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO País Tipo Destino ALASCA e Móvel ALEMANHA ANDORRA AUSTRÁLIA ÁUSTRIA BÉLGICA CANADA e Móvel CHILE CHINA e Móvel COREIA DO SUL CROÁCIA DINAMARCA ESLOVÉNIA ESPANHA EUA e Móvel FEDERAÇÃO RUSSA FINLÂNDIA FRANÇA

Leia mais

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Os governos prestam cada vez mais atenção às comparações internacionais, uma vez que procuram políticas públicas efetivas, capazes de melhorar os indicadores

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA 1. Canadá 2. Comunidade da Austrália 3. Estado da Líbia 4. Estados Unidos da América 5. Federação Russa 6. Japão 7. Reino da Arábia Saudita 8. Reino

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais