AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES"

Transcrição

1 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES OUTUBRO DE 2015

2 PRODUTOS

3 74% Automóveis 10% exportação 90% mercado interno 18% importação COMPLEXO AUTOMOTIVO 21% Comerciais Leves (1) 13% exportação 77% mercado interno 28% importação MIL UNIDADES PRODUZIDAS 20% exportação 4% Caminhões 80% mercado interno 2% importação 13% exportação 1% Ônibus 77% mercado interno 0,5% importação FONTE: ANFAVEA 2014 (1) Vans, Jeeps e Pick-ups

4 76% Argentina 10% exportação 9% México 3,3% Chile AUTOMÓVEIS mil unidades produzidas 2,3% Uruguai 55% Argentina 90% mercado interno 18% importação 13% México 7% Alemanha 6% Coréia FONTE: ANFAVEA

5 76% Argentina 13% exportação 9% México COMERCIAIS LEVES 658 mil unidades produzidas 13,3% Chile 50% Argentina 77% mercado interno 28% importação 12% Coréia 9% Japão FONTE: ANFAVEA

6 MEIOS DE FINANCIAMENTOS DE AUTOMÓVEIS % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% CDC À Vista Consórcio Leasing 3% 3% 8% 5% 13% 10% 14% 12% 15% 23% 22% 18% 13% 23% 9% 30% 19% 7% 5% 38% 21% 5% 18% 32% 32% 24% 4% 24% 38% 34% 33% 32% 4% 39% 34% 40% 36% 36% 39% 49% 51% 53% 44% 47% 45% 45% 32% 33% 23% 27% 22% 15% 11% 6% 5% 2% 2% 2% 8% 8% 8% 7% 37% 38% 39% 37% 38% 46% 50% 51% 53% 52% FONTE: ANEF

7 VENDAS INTERNAS DE AUTOMÓVEIS POR TIPO DE COMBUSTÍVEL Gasolina 3,8% Flex Fuel 96,2% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

8 VENDAS INTERNAS DE COMERCIAIS LEVES POR TIPO DE COMBUSTÍVEL Flex Fuel 62,7% Gasolina 10,2% Diesel 27,1% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

9 PARTICIPAÇÃO DOS AUTOMÓVEIS 1.0 NAS VENDAS INTERNAS DE NACIONAIS E IMPORTADOS 2013 Até 1000 cc 40% Acima de 1000 cc 60% FONTE: ANFAVEA

10 COMPLEXO AUTOMOTIVO PARTICIPA COM 3,7% DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

11 PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Calçados e Couro 1,6% Materiais Elétricos e Eletrônicos 1,8% Papel e Celulose 3,0% Máquinas e Instrumentos 3,7% Fumo e Cigarros 1,4% Café 2,2% Suco de Laranja 0,9% Madeira e Manufaturas 0,8% Outros 11,3% Minérios Metalúrgicos 13,7% MATERIAL DE TRANSPORTE 2,1% Automóveis 0,6% Veículos de Carga 0,4% Motores para automóveis 0,5% Chassis 0,1% Ônibus Petróleo e Derivados 12,8% Produtos Siderúrgicos e Metalúrgicos 5,5% Açúcar e Etanol 5,7% FONTE: SECEX Produtos Químicos 6,0% Complexo Carnes 6,7% Petróleo e Derivados 9,2% Complexo Soja 12,8%

12 PARTICIPAÇÃO DOS TRIBUTOS SOBRE VEÍCULOS NO PREÇO FINAL AO CONSUMIDOR 2013 Participação dos Tributos sobre veículos no preço ao consumidor Obs: alíquotas de caninhões retornará ao seu nível a partir de janeiro de % 35% 36% 30% 25% 27% 30% 29% 33% 25% 20% 15% 19% 17% 10% 12% 5% 0% Automóveis até 1.0 Automóveis gasolina + de 1.0 até 2.0 Automóvies a álcool/flex fuel +1.0 até 2.0 Automóveis gasolina + de 2.0 Automóvies a álcool/flex fuel + de 2.0 Comerciais Leves Caminhões Ônibus Tratores FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

13 PARTICIPAÇÃO DOS TRIBUTOS SOBRE VEÍCULOS NO PREÇO FINAL AO CONSUMIDOR PAÍSES SELECIONADOS 2013 Participação dos Tributos sobre automóveis no preço ao consumidor países selecionados ,0% 30,4% 24,0% 16,0% 17,3% 16,7% 16,4% 16,0% 17,3% 8,0% 9,1% 5,7% 0,0% Brasil Itália Reino Unido França Alemanha Espanha Japão EUA FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

14 em m il t e 2001 ago/ (1) 2003 (2) 2004 (3) 2004 (4) 2009 (5) out/09 nov/09 dez/ (6) 2010 (7) (8) em m il t 2013 (9) 2014 (10) TARIFA DE IPI NA PRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS EM % ,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0, até 1.0 Gasolina acima de 1.0 álcool ou flex + de , ,5 1,5 (1) de 06/08/03 a 31/10/03 (2) de 01/11/03 a 30/11/03 (3) de 01/12/03 a 29/02/04 (4) a partir de 01/03/04 (5) a partir de 01/01/09 a 30/12/09 (6) até mar/2010 (7) Após mar/2010 (8) de mai a dez/2012 (9) de jan/13 a dez/13 (10) de jan/14 a jun/ ,5 7,5 7, , ,0 FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

15 SAZONALIDADE

16 AS MONTADORAS COSTUMAM CONCEDER FÉRIAS COLETIVAS ENTRE OS MESES DE DEZ E JAN

17 SAZONALIDADE DAS VENDAS DE AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES Sazonalidade mensal Autos e Leves 10,3% 9,8% 9,8% 9,3% 8,8% 8,3% 8,4% 8,5% 8,9% 9,0% 8,6% 8,8% 8,5% 7,8% 7,8% 8,1% 7,3% 6,8% 6,3% 6,9% 6,7% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: ANFAVEA

18 SAZONALIDADE DAS VENDAS E DA PRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS Sazonalidade da Produção e das Vendas de Automóveis e Comerciais LevesFonte: Anfavea Elaboração: Bradesco E COMERCIAIS LEVES ,9% Produção 9,8% Vendas 9,4% 9,3% 8,9% 8,4% 8,8% 8,4% 8,3% 8,8% 8,1% 8,6% 8,5% 8,9% 8,8% 9,0% 8,6% 8,5% 8,9% 8,8% 8,5% 8,5% 7,9% 7,8% 7,4% 6,9% 7,1% 6,9% 7,2% 6,7% 7,3% 6,4% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: ANFAVEA

19 CUSTOS DE PRODUÇÃO

20 CUSTOS DE PRODUÇÃO 67% são gastos com matérias-primas aço, tinta, plástico, borracha, autopeças; 6% mão-de-obra. Segundo estudo do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas USP), sob encomenda do IBS (Instituto Brasileiro de Siderurgia), a participação do aço no preço de venda de um veículo varia de 6% a 10%.

21 FORNECEDORES

22 PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS 2013 Automóveis Outros 3,9% China 4,7% Coreia do Sul 6,1% Argentina 55,3% Alemanha 6,8% México 23,3% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

23 PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE COMERCIAIS LEVES 2013 Comerciais Leves Reino Unido 4,6% China 3,3% Uruguai 2,6% Outros 5,1% Alemanha 5,7% México 8,4% Argentina 49,5% Japão 8,6% Coreia do Sul 12,3% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

24 OS PRINCIPAIS SETORES FORNECEDORES PARA AS MONTADORAS SÃO: Siderurgia, Metalurgia, Plásticos, Tintas, Componentes Eletrônicos, Autopeças, Pneus; Os departamentos de compras das montadoras são considerados estratégicos, pois, das negociações com as indústrias fornecedoras de autopeças dependem os melhores preços com as maiores tecnologias; os motores de automóveis e comerciais leves são fabricados pelas próprias montadoras por serem considerados estratégicos; As montadoras de caminhões e ônibus fabricam os próprios motores diesel mas também compram de empresas como Cummins e MWM;

25 Os principais modelos de automóveis importados são os sedans e as pick-ups que não têm fabricação no país; Do total importado 98% são realizadas pelas próprias montadoras instaladas no país em operações inter company; 2% das importações são realizadas pelas empresas que não têm montadora no país e não são associadas da Anfavea, mas da Abeiva. Os principais modelos importados são: BMW, Ferrari, Kia, Maserati, Porsche; As importações têm tarifa de 35% para os países fora do Mercosul, para os quais a tarifa é zero. Para o Chile e o México a tarifa também é zero em razão de acordos comerciais de livre comércio.

26 REGIONALIZAÇÃO

27 FÁBRICAS DO COMPLEXO AUTOMOTIVO POR UF 2013 (1) UF 2013 Cidades Origem do Capital Agrale Caxias do Sul Brasil GM Gravataí EUA RS Mahindra Dois Irmãos (tratores de roda) Índia International Caxias do Sul EUA John Deere Horizontina, Montenegro EUA AGCO Canoas, Santa Rosa, Ibirubá, Jundiaí, Mogi das Cruzes EUA Nissan São José dos Pinhais Japão Renault São José dos Pinhais França Volkswagen São José dos Pinhais Alemanha PR Fiat Automóveis Campo Largo Itália Volvo Curitiba Suécia DAF Ponta Grossa Holanda CNH (Case, New Holland) Curitiba EUA Caterpillar Campo Largo EUA Mercedez-Bens Juiz de Fora Alemanha MG RJ Fiat Automóveis Betim Itália Iveco (Grupo Fiat) Sete Lagoas Itália CNH (Case CE, New Holland) Contagem EUA Peugeot Citroën Porto Real França Volkswagen/MAN Resende Alemanha Mitsubishi Catalão (Comerciais Leves) Japão GO Hyundai Anápolis (Comerciais Leves) Coréia do Sul John Deere Catalão EUA BA Ford Camaçari EUA CE Ford (Troller) Horizonte EUA AM Mahindra Manaus (Comerciais Leves) Índia FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

28 FÁBRICAS DO COMPLEXO AUTOMOTIVO POR UF 2013 (2) Origem do UF 2013 Cidades Capital AGCO Jundiaí, Mogi das Cruzes EUA SP Mercedez-Bens São Bernardo do Campo e Campinas Alemanha Ford São Bernardo do Campo, Taubaté e Tatuí EUA GM São Caetano do Sul, São José dos Campos, Mogi das Cruzes, Indaiatuba e Sorocaba Honda Sumaré Japão Hyundai Piracicaba Coréia do Sul Scania São Bernardo do Campo Suécia Toyota São Bernardo do Campo, Indaiatuba, Sorocaba Japão Volkswagen São Bernardo do Campo, Taubaté, São Carlos Alemanha Caterpillar Piracicaba EUA CNH (Case IH) Piracicaba EUA CNH (Case) Sorocaba EUA Karmann-Guia São Bernardo do Campo Coréia do Sul AGCO/ Valtra Mogi das Cruzes EUA John Deere Indaiatuba EUA Komatsu Arujá, Suzano Japão EUA FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

29 PRODUÇÃO DO COMPLEXO AUTOMOTIVO POR UF 1990,2002 e 2013 MG 24,5% PR 0,5% 1990 RS 0,2% PR 8,3% RS 6,4% RJ 4,1% 2002 GO 3,2% BA 0,6% SP 74,8% 2013 GO 2,1% MG 22,2% SP 55,2% BA 6,1% RJ 5,5% RS 8,5% PR 13,7% SP 42,8% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA MG 21,3%

30 VENDAS DE AUTOMÓVEIS POR UF 2013 SP MG RJ PR RS SC BA DF GO PE CE ES MT PA MS MA PB RN AM PI AL SE RO TO AP AC RR 4,0% 3,6% 3,2% 3,0% 2,3% 2,0% 1,7% 1,5% 1,4% 1,3% 1,2% 1,1% 0,9% 0,9% 0,9% 0,7% 0,7% 0,5% 0,3% 0,2% 0,1% 5,5% 7,7% 7,7% 6,9% 12,3% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA 28,4%

31 VENDAS DE COMERCIAIS LEVES POR UF 2013 SP MG PR RS RJ SC BA GO PE DF MT ES CE PA MS MA PB AM RN PI RO AL TO SE AP AC RR 7,0% 6,1% 5,3% 4,5% 4,1% 2,9% 2,7% 2,5% 2,2% 2,2% 1,9% 1,7% 1,5% 1,1% 1,1% 1,0% 1,0% 0,9% 0,8% 0,7% 0,6% 0,4% 0,3% 0,2% 8,8% 11,1% 0,0% 8,0% 16,0% 24,0% 32,0% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA 27,3%

32 RANKING

33 PLAYERS MUNDIAIS

34 Fonte: Anfavea Elaboração: Bradesco PROPORÇÃO DE HABITANTES POR VEÍCULO EM PAÍSES SELECIONADOS 2007 PROPORÇÃO DE HABITANTE POR AUTOMÓVEIS EM PAÍSES SELECIONADOS 2011 China Brasil Argentina México Coreia do Sul República Suécia Bélgica Alemanha Áustria Reino Unido França Japão Espanha Canadá Itália Austrália EUA 2,6 2,0 1,9 1,7 1,8 1,7 1,7 1,7 1,7 1,6 1,6 1,4 1,4 1,2 3,8 3,7 3,6 No Brasil a proporção é de 1 automóvel para cada 3,8 habitantes 18, FONTE: ANFAVEA

35 1 China 2 EUA 3 Japão 4 Alemanha 5 Brasil 6 Reino Unido 7 Russia 8 França 9 Itália 10 Coréia do Sul 11 México 12 Espanha 13 Canadá 14 África do Sul 15 Argentina 16 Bélgica 17 Holanda 18 Polônia 19 Suécia 20 Austria VENDAS DE VEÍCULOS DE PASSAGEIROS E COMERCIAIS LEVES Em mil unidades ACUMULADO Ranking dos Maiores 12 países MESES vendedores ATÉ de veículos JAN/2015 de passageiros e Comerciais Leves - acumulado em 12 Em mil unidades meses FONTE: BLOOMBERG, ECOWIN, ACEA, AMIA, FENABRAVE, ADEFA 35 2

36 RANKING MUNDIAL DE PAÍSES EXPORTADORES DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Ranking de exportação de autoveículos novos Em mil veículos Japão Alemanha Coreia do Sul México Espanha EUA República Tcheca Reino Unido China Turquia Bélgica Brasil Argentina Itália Portugal Áustria Em mil unidades FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

37 MAIORES PAÍSES PRODUTORES MUNDIAIS DE AUTOMÓVEIS 2013 Autos China União Européia Japão EUA Coréia do Sul Índia Brasil Rússia México Tailândia Canadá Indonésia Turquia Irã Malásia Argentina 4,8% 4,2% 2,9% 2,7% 1,6% 1,5% 1,4% 1,0% 1,0% 0,8% 0,8% 6,6% 6,3% 12,5% 22,3% 27,6% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% FONTE: OICA

38 MAIORES PAÍSES PRODUTORES MUNDIAIS DE COMERCIAIS LEVES 2013 Leves EUA 36,4% China 11,1% União Européia Canadá Tailândia México 8,1% 7,9% 7,6% 6,4% Japão Brasil Índia Coréia do Sul Argentina Rússia 4,8% 4,3% 2,9% 2,0% 1,5% 0,9% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% 35,0% 40,0% FONTE: OICA (*) Último dado disponível

39 PLAYERS NACIONAIS

40 O Brasil é especializado na produção de carros compactos de baixo custo; O setor no Brasil tem forte apoio logístico e o sistema de produção é totalmente integrado com a indústria de autopeças e de pneus; O país tem excelente engenharia de produção no desenvolvimento de modelos, prova disso foi o desenvolvimento do motor flex fuel, que é um projeto totalmente nacional.

41 RANKING DE VENDAS DE AUTOMÓVEIS Fiat - Itália 21,9% Volkswagen - Alemanha GM - EUA 19,7% 19,6% Ford - EUA 8,6% Hyundai - Coréia Renault - França 6,3% 6,2% Honda - Japão Toyota - Japão Peugeot Citroën - França 4,7% 4,2% 4,2% Nissan - Japão Outras 2,3% 1,8% Mercedes-Benz - Alemanha Mitsubishi - Japão 0,3% 0,2% 0,0% 3,0% 6,0% 9,0% 12,0% 15,0% 18,0% 21,0% 24,0% FONTE: ANFAVEA

42 RANKING DE VENDAS DE COMERCIAIS LEVES Fiat Volkswagen GM Ford Renault Outros Toyota Mitsubishi Motors Hyundai Nissan Mercedes-Benz Honda Peugeot Citroën Iveco Mahindra 1,9% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,1% 4,7% 8,1% 7,5% 7,3% 6,4% 11,9% 13,4% 15,9% 19,4% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% FONTE: ANFAVEA

43 CONSUMIDORES

44 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES Uruguai 2,3% Chile 3,3% África do Sul 1,6% Colômbia 1,8% Paraguai 1,3% Peru 1,2% Outros 3,7% México 8,7% Argentina 76,0% FONTE: FUNCEX

45 FROTA NACIONAL DE AUTOMÓVEIS Em mil veículos ,5 MILHÕES DE CARROS A MAIS EM 10 ANOS 6,7% A.A FONTE: SINDIPEÇAS

46 FROTA NACIONAL DE COMERCIAIS LEVES Em mil veículos ,8 MILHÕES DE CARROS A MAIS EM 10 ANOS 4,8% A.A FONTE: SINDIPEÇAS

47 FROTA NACIONAL DE VEÍCULOS LEVES Frota Nacional de Veículos Leves Fonte: Sindipeças Elaboração: Bradesco Em mil veículos ,2 MILHÕES DE CARROS A MAIS EM 10 ANOS 6,4% A.A FONTE: SINDIPEÇAS

48 IDADE MÉDIA DA FROTA NACIONAL DE AUTOMÓVEIS ,0 8,9 8,9 8,9 8,9 8,8 8,8 8,7 8,7 8,7 8,7 8,7 8,6 8,6 8,6 8,5 8,5 48 FONTE: SINDIPEÇAS

49 IDADE MÉDIA DA FROTA NACIONAL DE COMERCIAIS LEVES ,0 8,5 8,5 8,0 8,0 8,1 7,7 7,7 7,5 7,1 7,0 6,5 6,0 49 FONTE: SINDIPEÇAS

50 NÚMERO DE HABITANTE POR CARRO Em número de habitante por carros 10,0 9,0 8,9 8,7 8,5 8,2 8,0 7,8 7,3 7,0 6,8 6,4 6,0 6,0 5,6 5,3 5,2 5,0 4,0 50 FONTE: SINDIPEÇAS

51 FATORES DE RISCO

52 Setor exportador, dependente do comportamento do câmbio; O lançamento de um modelo é estratégico para um montadora, pois se o modelo não for bem aceito no mercado, a montadora arca com os custos do desenvolvimento e do lançamento; Risco China todas as montadoras multinacionais já estão instaladas na China e o país poderá se tornar um exportador; Matérias-primas são commodities com formação externa de preços como o aço e ligadas à cadeia petroquímica como borracha e plástico; Setor dependente de financiamento de longo prazo, emprego, renda e confiança do consumidor.

53 FATORES QUE IMPULSIONAM AS VENDAS: Novos entrantes no mercado: população jovem; Novidades: Flex fuel, opcionais e itens de segurança; Condições de Crédito; Renda e emprego formal.

54 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

55 FATURAMENTO DO COMPLEXO AUTOMOTIVO A 2013 EM US$ MILHÕES FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

56 PARTICIPAÇÃO DO FATURAMENTO DO COMPLEXO AUTOMOTIVO NO PIB DO BRASIL 1996 A % 5% 4% 4,4% 4,3% 4,3% 4,4% 4,1% 3,9% 3,9%3,8% 4% 3% 3% 3,1% 3,3% 3,3% 3,1% 3,2% 3,1% 3,3% 2,8% 3,3%3,3% 2% 2% 1% 1% 0% FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA

57 em m il t EM US$ MILHÕES INVESTIMENTOS DO COMPLEXO AUTOMOTIVO A 2015 EM US$ MILHÕES FONTE E PROJEÇÃO: ANFAVEA INVESTIMENTOS DO COMPLEXO AUTOMOTIVO A FONTE: ANUÁRIO ANFAVEA * Projeção

58 EMPREGO NO COMPLEXO AUTOMOTIVO A 2015 EM NÚMERO DE EMPREGADOS Emprego FONTE: ANFAVEA

59 * 2016* em mil unidades VENDAS INTERNAS DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Vendas Internas do Complexo Automotivo (Automóveis, Comerciais Leves, Caminhões e Ônibus) Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco (*) Projeção EM MIL UNIDADES FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO * Projeção

60 VARIAÇÃO % DAS VENDAS DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco Variação % das Vendas de Automóveis ,0% 30,0% 27,8% 20,0% 10,0% 10,5% 8,6% 12,4% 14,5% 11,4% 11,9% 3,4% 4,6% 0,0% -0,9% -10,0% -7,1% -7,9% -20,0% -30,0% -25,9% * 2016* FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO * Projeção

61 PRODUÇÃO NACIONAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Em mil unidades FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO : BRADESCO

62 VARIAÇÃO % DA PRODUÇÃO DO COMPLEXO AUTOMOTIVO ,0% 40,0% 36,0% 32,0% 28,0% 24,0% 20,0% 16,0% 12,0% 8,0% 4,0% 0,0% -4,0% -8,0% -12,0% -16,0% -20,0% 37,5% 9,2% 3,2% 8,2% 8,0% 0,8% 10,0% 1,0% -0,4% 9,1% -15,3% FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO : BRADESCO

63 em % em m il t Exportações Total EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Em mil unidades FONTE: ANFAVEA

64 VARIAÇÃO % DAS EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO AUTOMOTIVO ,0% 44,0% 36,0% 28,0% 36,6% 27,2% 18,0% 10,1% 0,0% 0,0% -18,0% -12,4% -10,4% -19,5% -36,0% -35,3% -40,9% -54,0% FONTE: ANFAVEA

65 em m il t COEFICIENTE DE EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO AUTOMOTIVO em % em % 40% 37,6% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 27,2% 13,5% 22,7% 20,2% 18,8% 21,5% 17,4% 30,0% 25,0% 20,1% 31,8% 23,9% 16,1% 20,1% 25,2% 23,3% 17,8% 16,3% 16,1% 26,6% 30,7% 26,4% 22,5% 18,6% 12,0% 16,2% 13,1% 15,3% 10,6% FONTE: ANFAVEA

66 Projeção MB Associados EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Em US$ milhões FONTE: ANFAVEA

67 AUTOMÓVEIS

68 em m il t em m il t Vendas Internas de Automóveis e Comerciais Leves Nacionais e Importados pela s Montadoras VENDAS DE AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES IMPORTADOS E NACIONAIS Importados Nacionais EM UNIDADES FONTE: ANFAVEA

69 em m ilhões US$ em % VENDAS DE AUTOMÓVEIS NACIONAIS E IMPORTADOS DE 1000 CC Em unidades 15,6% Automóveis até mil cilindradas Participação nas vendas ,1% ,6% 50,8% 80,0% 70,0% ,0% ,0% 40,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% FONTE: ANFAVEA

70 em unidades em m il t INDICADORES DE AUTOMÓVEIS A 2014 em m il t Em unidades Produção Vendas (nac e imp) Exportação FONTE: ANFAVEA

71 PRODUÇÃO NACIONAL DE AUTOMÓVEIS Produção Nacional de Automóveis Fonte: Anfavea Elaboração Bradesco em mil unidades Em mil unidades FONTE: ANFAVEA

72 Bradesco em mil unidades VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO NACIONAL DE AUTOMÓVEIS ,0% 22,3% 22,7% 20,0% 18,6% 15,0% 10,9% 10,0% 5,0% 0,0% 7,1% -0,4% 0,2% 2,4% 6,2% 3,2% 3,9% 3,4% 5,2% -5,0% -3,1% -10,0% -15,0% -20,0% -16,2% -15,0% -25,0% FONTE: ANFAVEA

73 * VENDAS INTERNAS Vendas DE Internas AUTOMÓVEIS de Automóveis Nacionais NACIONAIS e Importados E IMPORTADOS em mil unidades Fonte: Anfavea Elaboração e (*) Projeção: Bradesco EM MIL UNIDADES FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO * Projeção

74 * VARIAÇÃO % DAS VENDAS DE AUTOMÓVEIS ,0% 27,7% 21,0% 14,0% 7,0% 8,2% 9,5% 13,4% 12,3% 12,9% 8,0% 7,4% 1,6% 0,0% -7,0% -14,0% -2,4% -8,1% -21,0% -28,0% -25,0% FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO * Projeção

75 Ano em m il t EXPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS em % EM UNIDADES FONTE : ANFAVEA

76 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS ,0% 40,0% 37,4% 27,2% 31,0% 29,5% 22,0% 4,0% 1,8% 8,2% -14,0% -15,3% -9,5% -32,0% -32,3% -24,4% -50,0% -44,0% FONTE : ANFAVEA

77 em m il t COEFICIENTE DE EXPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS em % 40% 40,9% 35% 30% 26,8% 25% 22,4% 21,2% 20% 17,9% 17,0% 15% 12,4% 10% 28,9% 22,6% 18,2% 29,8% 22,7% 23,3% 22,0% 18,2% 16,1% 16,0% 14,6% 13,8% 29,0% 25,3% 24,0% 22,6% 20,6% 17,5% 16,2% 14,6% 11,5% 11,8% 9,6% 5% FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO; BRADESCO

78 em m il t COEFICIENTE DE EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO AUTOMOTIVO X CÂMBIO REAL em % Coeficiente de Exportação Câmbio real 40% 37,6% 4,00 35% 3,43 3,34 3,50 30% 30,0% 31,8% 30,7% 3,00 27,2% 25% 22,7% 2,25 21,5% 20,2% 20% 17,4% 15% 13,5% 10% 25,0% 20,5% 1,73 23,8% 23,9% 16,1% 20,1% 25,2% 17,8% 16,1% 26,6% 23,3% 16,3% 26,4% 22,5% 18,6% 1,78 12,0% 16,2% 15,3% 13,1% 2,50 2,00 1,85 1,50 10,6% 1,00 5% 0,50 0% 0,00 FONTE: ANFAVEA E BACEN ELABORAÇÃO; BRADESCO

79 em mil unidades IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco (*) Projeção EM MIL UNIDADES FONTE : ANFAVEA

80 VARIAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco em mil unidades (*) Projeção 140,0% 120,0% 121,9% 100,0% 90,5% 80,0% 60,0% 40,0% 37,0% 24,6% 36,1% 37,1% 20,0% 0,0% -20,0% -7,3% -12,6% -18,6% -40,0% -32,2% FONTE: ANFAVEA

81 COEFICIENTE DAS IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS (*) Projeção Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco em mil unidades 30,0% 25,9% 25,0% 20,0% 20,0% 21,7% 19,3% 18,1% 15,0% 13,5% 16,0% 11,1% 10,0% 6,4% 5,0% 3,0% 3,9% 0,0% FONTE: ANFAVEA

82 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VENDAS DE AUTOMÓVEIS IMPORTADOS VAR. % DO ACUMULADO DE 12 MESES Fonte: Anfavea 180,0% 150,0% 120,0% 133,1% 128,9% 90,0% 85,9% 60,0% 46,3% 39,5% 37,9% 30,0% 0,0% 16,9% 16,9% 9,4% -9,1% -30,0% -23,1% -26,3% -60,0% FONTE: ANFAVEA

83 jan/04 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 PARTICIPAÇÃO DAS VENDAS DE AUTOMÓVEIS IMPORTADOS NAS VENDAS TOTAIS ACUMULADO DE 12 MESES ,0% 26,0% 25,0% 20,0% 18,9% 19,2% 15,0% 14,9% 16,3% 10,0% 11,5% 5,0% 4,0% 0,0% 3,0% 3,7% 5,3% FONTE: ANFAVEA

84 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VENDAS DE AUTOMÓVEIS POR CILINDRADA ACUMULADO DE 12 MESES Autos Novos e Usados 50,0% 40,0% de ,3% 30,0% 20,0% 23,1% 22,2% 15,4% 10,0% 8,2% 0,0% -10,0% 1,4% -4,1% -20,0% -14,6% -14,4% -14,7% -15,8% FONTE: ANFAVEA

85 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VENDAS DE AUTOMÓVEIS PARTICIPAÇÃO POR CILINDRADA ACUMULADO DE 12 MESES Autos Novos e Usados 70,0% 65,0% de ,9% 60,0% 63,5% 55,0% 53,2% 53,7% 50,0% 50,2% 45,0% 46,9% 45,7% 40,0% 35,0% 36,5% 35,0% 30,0% FONTE: ANFAVEA

86 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 Indicadores Mensais - Automóveis - Acumulado de 12 meses INDICADORES MENSAIS ACUMULADO DE 12 MESES - AUTOMÓVEIS EM UNIDADES Vendas Internas Produção Exportações FONTE: ANFAVEA

87 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 Indicadores Mensais - Automóveis - Acumulado de 12 meses VAR. % DOS INDICADORES MENSAIS NO ACUMULADO DE 12 MESES - AUTOMÓVEIS Fonte: Anfavea 31,0% 23,0% 22,9% 31,0% 17,4% 36,2% 16,5% 31,7% 45,0% 35,0% 25,0% 15,0% 7,0% 9,1% 10,8% 15,0% 5,0% -1,0% -9,0% -17,0% -25,0% Vendas Internas Produção Exportações -0,1% -13,6% -32,5% -6,3% -2,6% -20,9% -9,2% -5,0% -10,4% -15,0% -25,0% -14,8% -15,4% -35,0% -45,0% FONTE: ANFAVEA

88 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VENDAS Vendas de DE Veículos AUTOMÓVEIS Leves novos e usados NOVOS - Fonte: Fenabrave E USADOS - Elaboração: Bradesco ACUMULADO em mil DE 12 MESES unidades EM MIL UNIDADES Automóveis Usados Automóveis Novos FONTE: FENABRAVE

89 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VAR. % DO ACUMULADO DE 12 MESES DAS VENDAS DE AUTOMÓVEIS NOVOS E USADOS Autos Novos e Usados ,0% Automóveis Usados Automóveis Novos 21,0% 17,8% 16,7% 21,0% 15,0% 12,9% 14,1% 13,0% 9,0% 3,0% 7,5% 7,9% 8,4% 8,7% 7,1% 2,9% 3,9% 5,4% 1,7% 5,1% 3,6% 8,4% -3,0% -3,0% -2,2% 0,8% -3,5% -9,0% -8,6% -11,1% -15,0% FONTE: FENABRAVE

90 mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 PROPORÇÃO ENTRE VENDAS DE AUTOMÓVEIS USADOS E NOVOS Automóveis 6,0 5,5 5,0 4,8 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 4,5 3,7 3,8 3,4 4,1 3,1 3,2 2,6 2,7 3,5 2,6 3,0 3,2 2,6 3,2 2,6 2,8 3,1 3,1 2,9 2,7 2,6 3,7 3,5 3,0 2,9 2,8 2,9 4,0 3,8 4,4 4,5 4,2 2,0 2,2 2,0 2,1 2,1 FONTE: FENABRAVE

91 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VENDAS DE AUTOMÓVEIS POR REGIÃO VARIAÇÃO DO ACUMULADO EM 12 MESES ,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 4,2% 0,3% 3,2% 2,2% 23,1% 22,1% 18,4% 14,8% 1,6% -4,1% 19,6% 16,2% 11,6% 10,0% NORTE NORDESTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE -10,0% -20,0% -4,2% -6,4% -7,6% -11,1% -7,5% -10,4% -13,4% -17,0% -20,0% -30,0% FONTE: FENABRAVE

92 COMERCIAIS LEVES

93 PRODUÇÃO NACIONAL DE COMERCIAIS LEVES EM MIL UNIDADES FONTE: ANFAVEA

94 VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO NACIONAL DE COMERCIAIS LEVES ,0% 48,2% 42,0% 32,0% 29,7% 22,0% 18,4% 12,0% 11,9% 8,5% 13,5% 12,6% 2,0% 3,1% 0,8% -0,3% -8,0% -18,0% FONTE: ANFAVEA

95 * Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco EM UNIDADES Vendas Internas de Comerciais Leves Nacionais e Importados VENDAS INTERNAS DE COMERCIAIS LEVES NACIONAIS E IMPORTADOS em unidades FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO * Projeção

96 * Variação % das Vendas de Comerciais Leves VARIAÇÃO % DAS VENDAS DE COMERCIAIS LEVES ,0% 28,0% 25,2% 28,2% 29,1% 29,4% 21,0% 14,0% 9,6% 10,7% 10,6% 10,9% 7,0% 3,9% 0,0% -7,0% -1,0% -0,1% -14,0% -21,0% -28,0% -25,0% FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO * Projeção

97 em m il t Exportações Comerciais Leves em % EXPORTAÇÕES DE COMERCIAIS LEVES A 2014 EM UNIDADES FONTE: ANFAVEA

98 VARIAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE COMERCIAIS LEVES A ,0% 63,0% 66,7% 49,0% 45,0% 27,0% 26,6% 26,7% 15,9% 9,0% -9,0% -4,5% -8,7% -14,5% -6,2% -27,0% -45,0% -35,4% -34,6% FONTE: ANFAVEA

99 Exp/Prod COEFICIENTE DE EXPORTAÇÕES DE COMERCIAIS LEVES % 40% 35% 30% 25% 20% 15% 40% 39% 36% 37% 36% 35% 36% 34% 32% 31% 30% 30% 30% 29%29% 28% 27%27% 24% 25% 22% 18% 30% 29% 31% 31% 23% 20%20% 17% 18% 16% 18% 15% 13% 10% FONTE: ANFAVEA

100 IMPORTAÇÕES DE COMERCIAIS LEVES Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco em mil unidades (*) Projeção EM MIL UNIDADES FONTE : ANFAVEA

101 VARIAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES DE COMERCIAIS LEVES Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco em mil unidades (*) Projeção 70,0% 60,0% 59,4% 58,4% 50,0% 49,8% 40,0% 30,0% 20,0% 34,3% 22,2% 32,2% 21,6% 10,0% 10,8% 0,0% -10,0% -10,2% -5,2% -0,6% -20,0% FONTE: ANFAVEA

102 COEFICIENTE DAS IMPORTAÇÕES DE COMERCIAIS em LEVES mil unidades Fonte: Anfavea Elaboração e Projeção: Bradesco (*) Projeção 40,0% 35,0% 30,0% 29,3% 32,0% 33,1% 35,3% 31,5% 28,7% 28,1% 25,0% 24,2% 20,0% 16,5% 20,1% 15,0% 12,6% 10,0% 5,0% 0,0% FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO; BRADESCO

103 jan/04 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VENDAS DE COMERCIAIS LEVES IMPORTADOS VAR. % DO ACUMULADO DE 12 MESES ,0% 60,0% 46,1% 42,5% 48,6% 40,0% 20,0% 0,0% 9,3% 14,6% -3,4% 22,4% 9,8% 2,3% 15,2% 6,9% -20,0% -18,7% -30,9% -40,0% FONTE: ANFAVEA

104 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 PARTICIPAÇÃO DAS VENDAS DE COMERCIAIS LEVES IMPORTADOS NAS VENDAS TOTAIS ACUMULADO DE 12 MESES 2005 Fonte: Anfavea ,0% 21,3% 20,0% 20,4% 20,2% 21,0% 17,8% 18,1% 15,0% 15,7% 15,2% 16,3% 16,3% 11,7% 10,0% FONTE: ANFAVEA

105 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 INDICADORES Indicadores Mensais - Automóveis MENSAIS - Acumulado ACUMULADO de 12 meses DE 12 MESES - COMERCIAIS LEVES EM UNIDADES Vendas Internas Produção Exportações FONTE: ANFAVEA

106 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 Indicadores Mensais - Comerciais Leves - Acumulado de 12 meses VAR. % DOS INDICADORES MENSAIS NO ACUMULADO Fonte: Anfavea DE 12 MESES COMERCIAIS LEVES ,0% 40,0% 31,4% 58,8% 36,4% Vendas Internas Produção Exportações 80,0% 60,0% 30,0% 40,0% 20,0% 10,0% 0,0% -10,0% 0,0% -9,0% 19,7% -8,6% 10,1% 14,4% -0,1% -10,1% 20,0% -0,1% 0,0% -20,0% -20,0% -38,9% -34,4% -40,0% -19,2% -22,5% -30,0% -60,0% FONTE: ANFAVEA

107 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VENDAS DE COMERCIAIS LEVES NOVOS E USADOS ACUMULADO DE 12 MESES EM MIL UNIDADES Leves Novos e Usados Comerciais Leves Usados Comerciais Leves Novos FONTE: FENABRAVE

108 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 VAR. % DO ACUMULADO DE Leves 12 Novos MESES e Usados DAS VENDAS DE COMERCIAIS LEVES NOVOS E USADOS ,0% 42,0% Comerciais Leves Usados Comerciais Leves Novos 34,0% 29,4% 26,0% 18,0% 10,0% 2,0% 20,7% 16,1% 13,9% 2,6% 4,2% 25,9% 17,9% 21,0% 8,9% 14,7% 4,5% 8,2% 13,3% 2,7% 11,4% -6,0% -5,0% -7,3% -14,0% -14,5% -22,0% -30,0% -38,0% -32,8% FONTE: FENABRAVE

109 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 PROPORÇÃO ENTRE VENDAS DE COMERCIAIS LEVES USADOS E Leves NOVOS ,0 4,5 4,6 4,5 4,0 3,5 3,0 3,4 3,3 3,7 3,4 3,1 3,1 3,9 4,0 2,5 2,0 2,5 2,3 2,1 2,0 2,11,9 1,9 1,91,8 1,8 1,7 2,1 2,0 1,9 1,9 1,9 1,8 1,8 1,8 1,8 1,71,9 1,9 2,0 2,0 1,8 1,9 1,6 1,7 1,7 1,7 1,7 2,1 2,12,01,9 2,0 2,1 2,1 2,0 1,9 1,9 2,6 2,5 2,4 2,3 2,3 2,1 2,1 2,1 1,5 FONTE: FENABRAVE

110 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 VENDAS DE COMERCIAIS LEVES POR REGIÃO VARIAÇÃO DO ACUMULADO EM 12 MESES ,0% 60,0% 50,0% 40,0% NORTE NORDESTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% -10,0% -20,0% -30,0% -5,0% -19,5% -20,1% -25,4% -26,6% -40,0% FONTE: FENABRAVE

111 Depec-Bradesco O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS MAIO DE 2016 PRODUTOS CADEIA DE ELETROELETRÔNICOS Matérias-primas Básicas Aço Motores Componentes Outros insumos

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 Borracha Natural Consumo Interno 300 mil toneladas/ano 64% Importação 262 mil toneladas/ano 36% Produção

Leia mais

Empresas associadas à ANFAVEA ANFAVEA member companies

Empresas associadas à ANFAVEA ANFAVEA member companies AGCO do Brasil Comércio e Indústria Ltda. Agrale S.A. Caterpillar Brasil Ltda. CNH Latin America Ltda. Fiat Automóveis S.A. Ford Motor Company Brasil Ltda. General Motors do Brasil Ltda. Honda Automóveis

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES JUNHO DE 2012 1 2 PRODUTOS 74,5% Automóveis 16% exportação 84% mercado interno 21,9% importação COMPLEXO AUTOMOTIVO 18%

Leia mais

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive

Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive E a capacidade produtiva instalada? O Brasil enfrenta novamente o desafio

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico

2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico 2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico A indústria automobilística nacional nasceu com a instalação da Ford Brasil em 1919. Ela iniciou a montagem dos famosos modelos T por meio de

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2. Comissão de Logística ANFAVEA 2.1. Lei dos Portos 2.2. Investe SP AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2.

Leia mais

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011 Engº Fernando Iervolino Fontes de Informação: ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores http://www.anfavea.com.br/

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Referencias Paint and Assembly Systems

Referencias Paint and Assembly Systems Referencias Paint and Assembly Systems Linha Primer Completa - São Bernardo do Campo SP 2010 PEUGEOT Expansão de Capacidade - Reforma de Secadores- Porto Real RJ 2010 PEUGEOT Expansão de Capacidade Reforma

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Automotive Logistics 2014 Making the Connections Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Novembro/ 2014 Mapa da Indústria Catalão / Anápolis - GO Manaus - AM Horizonte - CE (Ford) Goiana

Leia mais

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo XXI CONGRESSO FENABRAVE São Paulo, 25 de novembro de 2011 Luciano Coutinho Presidente Conjuntura econômica recente 2 Persiste a deterioração do

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 1 2 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE INFORMÁTICA - 2007 Hardware Software Serviços 38,2% 11,8% 50,0% Computadores Gerenciamento

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL

RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL 1. Em 2010 o Brasil importou 634,8 mil veículos. 2. Hyundai e Kia, juntas, significam 23% desse total. 3. As 4 maiores montadoras instaladas no país

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE CALÇADOS Pecuária Couros Importação de insumos Importação de calçados prontos Petroquímica

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

! " #$!! %&!

!  #$!! %&! '(! " #$!! %&! ) *+!!, -./( ) Fornecedores Siderurgia Metalurgia Plásticos Tintas Componentes eletrônicos Autopeças Pneus Produtos da cadeia automotiva Automóveis Comerciais leves Caminhões Ônibus Máquinas

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ 2.014 Acumulado janeiro a novembro/2014 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 PRODUTOS HIGIENE PESSOAL 61% Sabonetes Higiene Oral Desodorantes Talcos Higiene Capilar Produtos para Barbear Fraldas

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15 fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15-748 -635-482 -548-559 -508-395 -457-386 -404-359 -113 I Resultados Mensal: -67,5% Acum. Ano:

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14 dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14-1.067-914 -822-869 -707-761 -829-928 -678-749 -708-528 I Resultados Mensal: -30,3% Acum.

Leia mais

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa ABRIL 2.013 A Carreira Muller ESTUDO REEMBOLSO QUILOMETRAGEM ABRIL 2013 As melhores soluções para sua empresa A Carreira Muller é uma empresa de consultoria empresarial que desenvolve e implanta soluções

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

Evolução Histórica MP 2.200-2 - 24/08/01. Emenda Constitucional nº 42-19/12/03. I ENAT Salvador - 17/07/04. II ENAT São Paulo - 27/08/05

Evolução Histórica MP 2.200-2 - 24/08/01. Emenda Constitucional nº 42-19/12/03. I ENAT Salvador - 17/07/04. II ENAT São Paulo - 27/08/05 SEPRORJ Rio de Janeiro, 17 de fevereiro de 2009 Evolução Histórica MP 2.200-2 - 24/08/01 Emenda Constitucional nº 42-19/12/03 I ENAT Salvador - 17/07/04 II ENAT São Paulo - 27/08/05 III ENAT Fortaleza

Leia mais

O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT

O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT 1 O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL QUESTÕES EM DEBATE NO SENSO COMUM O AUTOMÓVEL É MUITO MAIS CARO NO BRASIL? É CARO POR CAUSA DOS CUSTOS NO

Leia mais

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Com um médico para 410 habitantes, taxa cresceu 33% em dez anos, revela levantamento do Cremesp realizado em março de 2010 Aconcentração de médicos

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS

CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS Iervolino, Fernando 1 RESUMO Nos últimos dez anos a indústria automobilística no Brasil passou por um período de forte

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/15 jan/16 mar/16 abr/16 jun/16 jul/16 set/16 out/16 dez/15 jan/16 mar/16 abr/16 jun/16 jul/16 set/16 out/16-490 -359-380 -436-477 -563-525 -556-412 -327-226 -113 I Resultado Out 16/Out 15: 37,7% Acum.

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15 abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15-822 -869-928 -761-829 -678-749 -708-748 -537-482 -349 I Resultados Mensal: -31,9% Acum. Ano:

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Rodrigo Garcia Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência,Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo www.desenvolvimento.sp.gov.br Brasil Contexto

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil Stephan Keese, Sócio São Paulo, 22 de agosto de 2011 1 O Brasil Brasil oferece oferece forte forte perspectiva perspectiva de de crescimento

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Página 1 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto

Leia mais

Brasil é o maior fabricante

Brasil é o maior fabricante Produtos No Brasil a fabricação artesanal do primeiro ônibus é atribuída aos imigrantes italianos e irmãos Luiz e Fortunato Grassi. Em 1904 eles fabricavam carruagens em São Paulo e em 1911 encarroçaram

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

FILTROS. Filtros / Filters. Catálogo Catalogo Catalog. Vehicles: Passenger Cars & Light Trucks, Heavy Trucks, Buses & Off Highway

FILTROS. Filtros / Filters. Catálogo Catalogo Catalog. Vehicles: Passenger Cars & Light Trucks, Heavy Trucks, Buses & Off Highway FILTROS Filtros / Filters Catálogo Catalogo Catalog Vehículos: Paseo y Camionetas, Camiones, Autobuses y Vehículos Fuera de Carretera Veículos: Passeio e Pickups, Caminhões, Ônibus e Máquinas Agrícolas

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS ABRIL DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS ABRIL DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUPERMERCADOS ABRIL DE 2016 1 PRODUTOS 2 SUPERMERCADOS SÃO ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS CLASSIFICADOS COMO AUTO- SERVIÇO: CONSUMIDORES COMPRAM OS PRODUTOS

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16 jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16-559 -457-490 -395-386 -404-359 -380-436 -327-226 -113 I Resultados Mensal: -14,22% Acum.

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA ABINFER Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA O Plano de Metas foi um importante programa de industrialização e modernização levado a cabo na presidência de Juscelino Kubitschek 1956-1961.

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT DIEESE - DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS SUBSEÇÃO CNM/CUT GRUPO FIAT Mundo A FIAT iniciou suas atividades em

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais