Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive"

Transcrição

1 Brasil: Qual o tamanho do desafio da capacidade instalada automotiva nas OEM s? Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive

2 E a capacidade produtiva instalada? O Brasil enfrenta novamente o desafio do final dos anos 90? Estaremos tendo novamente um aumento na ociosidade da capacidade produtiva instalada? Para responder estas duas questões, vamos fazer uma breve retrospectiva e comparar o que aconteceu há dez anos e ver qual a situação atual.

3 Retrospectiva a 1990 Uma década de estagnação Uma década sem muitas novidades no Brasil no setor automotivo Segundo o Presidente Collor, nossos veículos eram carroças O mercado começava a se abrir no fim da década para os importados A produção permaneceu praticamente a mesma em 1 Milhão/ano Mercado dominado por 4 grandes OEM s (FIAT, Ford, GM e VW) Setor monetário vive alta inflação e pacotes monetários Capacidade Instalada e Produção 1980 a Volume (000) Produção Capacidade Fontes: ANFAVEA e SINDIPEÇAS

4 Retrospectiva 1990 a 1992 A abertura do mercado Brasileiro Aos poucos o mercado começa a se abrir Criação da Câmara Setorial Automotiva Redução da Carga Tributária (IPI e ICMS) Inicia-se estudos para a formação do Mercosul Abertura do mercado a novos investimentos (aumento da capacidade produtiva) Capacidade Instalada e Produção 1980 a Volume (000) Produção Capacidade Fontes: ANFAVEA e SINDIPEÇAS

5 Retrospectiva 1993 a 1997 A economia se estabiliza e cresce O Plano Real é lançado Há a estabilização monetária Os juros (Over/SELIC) caem e impulsionam as vendas A economia se desenvolve e o PIB é positivo entre 2,1% e 5,3% nesses quatro anos Juros (%) (%) 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0, Juros Mensais (%) Juros Mensais Produto Interno Bruto (PIB) Mês/ Fonte: BCB PIB Anual (%)

6 Retrospectiva 1993 a 1997 A expansão rápida do mercado 1993 a 1997 o mercado se expande rapidamente Programa do carro popular (carros cm³) A produção veicular duplica de 1 Milhão/ano para 2 Milhões/ano Aumento da produtividade industrial (Automação e Novos Processos) Regime Automotivo atrai novos investimentos e também novas OEM s Perspectivas de logo chegar a 3 Milhões/ano atrai os New-comers Capacidade Instalada e Produção 1980 a Volume (000) Produção Capacidade Fonte: ANFAVEA

7 Retrospectiva 1995 a 1999 Investimentos maciços US$17.6 Bilhões (OEM: US$10.7Bi e Autopeças: US$6.9Bi) são investidos nesses cinco anos Investimentos em novas plantas são realizados: - VW Caminhões e Ônibus Resende,RJ Honda Sumaré, SP Mitsubushi Catalão, GO US$ Milhões Investimentos Automotivos no Brasil 1980 a Toyota, Indaiatuba, SP International Caxias do Sul, RS DaimlerChrysler Juiz de Fora, MG 1999 Land-Rover São Bernardo do Campo, SP Renault São José dos Pinhais, PR Montadoras Autopeças Fontes: ANFAVEA e SINDIPEÇAS 1999 VW Audi - São José dos Pinhais, PR

8 Retrospectiva 1995 a 1999 A capacidade produtiva aumenta 1995 a 1999 o mercado se expande rapidamente A capacidade produtiva aumenta rapidamente com os investimentos realizados Capacidade Instalada até Volume (000) Fonte: ANFAVEA Produção Capacidade

9 Retrospectiva 1998 a 1999 A Economia se retrai com as crises globais 1998 a 1999 o Brasil é afetado pelas crises globais Juros Mensais (%) As crises Asiática e Russa forçam o governo a aumentar os juros para estancar a fuga de capitais Os juros sobem e as vendas automotivas despencam O risco país sobe de 400/500 para 1500/1700 pontos A economia se retrai e o PIB cai a praticamente zero em 1998 e 1999 Juros (%) (%) 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0, Juros Mensais Produto Interno Bruto (PIB) Mês/ Fonte: BCB PIB Anual (%)

10 Retrospectiva 1998 a 2003 O mercado contrai Novos investimentos são suspensos Os investimentos que já estavam em curso são concluídos, aumentado a capacidade ociosa, como: Iveco-Fiat, Sete Lagoas (MG) US$ Milhões Investimentos Automotivos no Brasil 1980 a General Motors, Gravataí (RS) Ford, Camaçari (BA) Peugeot Citroën, Porto Real (RJ) Montadoras Autopeças 2002 Nissan, São José dos Pinhais (PR) Fontes: ANFAVEA e SINDIPEÇAS

11 Retrospectiva 1998 a 2003 A capacidade ociosa aumenta A crise de 1998 e 1999 afeta a demanda, e a produção de 2 Milhões de veículos em 1997, cai para 1,3 Milhões em 1999 Porém, como os investimentos estavam em curso, a capacidade produtiva aumenta E a ociosidade da indústria atinge níveis recordes Capacidade Instalada e Produção 1980 a Volume (000) Produção Capacidade Fonte: ANFAVEA

12 Retrospectiva 2004 a 2008 Um novo ciclo de forte crescimento A partir de 2004, um novo ciclo de crescimento acontece, favorecido pela expansão mundial. O PIB cresce acima de 3% ao ano no período Os investimentos são retomados, principalmente no aumento de capacidade e lançamento de novos produtos US$ Milhões Investimentos Automotivos no Brasil 1980 a Montadoras Produto Interno Bruto (PIB) Autopeças PIB Anual (%) Linear (PIB Anual (%)) Fontes: BCB, ANFAVEA e SINDIPEÇAS

13 Retrospectiva 2004 a 2008 Um novo ciclo de forte crescimento A produção atinge 3 Milhões de veículos em 2008 A capacidade instalada chega a 3,85 Milhões/ano Capacidade Instalada e Produção 1980 a Volume (000) Produção Capacidade Fonte: ANFAVEA

14 Retrospectiva 2004 a Um ano de produção recorde A produção veicular atinge um pico mensal de em Julho de 2008 e a utilização da capacidade produtiva excede os 90% (CNI) Utilização da Capacidade Instalada Indústria Automotiva (%) 95,0 90,0 Utilização (%) 85,0 80,0 75,0 70,0 jan 03 abr jul out jan 04 abr jul out jan 05 abr jul out jan 06 abr jul out jan 07 abr jul out jan 08 abr jul out jan 09 Mês/ Fonte: CNI

15 Perfil da capacidade produtiva instalada no Brasil em 2008 As 4 grandes da década de 1980 ainda são responsáveis por 77% da capacidade produtiva em 2008 Mas, houve uma descentralização dos pólos industriais para outros estados como RS, PR, BA, RJ, GO e CE Capacidade Produtiva Instalada (2008) por OEM (%) TOYOTA MERCEDES-BENZ 2% 4% HONDA 4% RENAULT 4% HYUNDAI (CAOA) 1% MMC SCANIA 1% 1% VOLVO 1% FIAT / IVECO 23% PSA 5% FORD 12% GM 19% VW 23%

16 O crescimento em 2008 chega ao pico e alavanca novos investimentos até 2012 Com a produção excedendo a 3 Milhões/ano e a capacidade utilizada excedendo 90% (CNI) antes da crise, novos investimentos no montante de R$19,5 Bilhões, foram anunciados até 2012, incluindo novas fábricas (veículos e motores), aumento da capacidade produtiva e lançamento de novos produtos: INVESTIMENTOS (R$ Milhões) FIAT / IVECO FORD GENERAL MOTORS HONDA 200 MAN - VW CAMINHÕES MERCEDES-BENZ 900 PSA PEUGEOT-CITROËN 600 RENAULT / NISSAN TOYOTA 700 VOLKSWAGEN VOLVO KIA / MMC / HYUNDAI / OUTROS TOTAL

17 A crise global chega ao Brasil no 3ºTrimestre de 2008 A partir do 3º trimestre de 2008, os estoques começam a subir tanto nas revendas e nas montadoras chegando a veículos em Novembro Uma forte freada é imposta no ritmo acelerado de 2008 Estoque de Veículos Novos - Jan 2006 a Fev jan/06 fev/06 mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 Quantidade dez/08 jan/09 fev/09 0 Source: ANFAVEA Fábrica Varejo Total Mês/

18 A crise global chega ao Brasil no 4ºTrimestre de 2008 As OEM s tomaram as seguintes ações para se adequar a forte queda da demanda e aumento dos estoques no fim de 2008: Agrale: Férias de 3 semanas em Dezembro/Janeiro. Mercedes-Benz: Férias de 3 semanas em Dezembro/Janeiro (4 semanas em MG) Fiat: Férias de 2 semanas em Outubro, 4 em Dezembro/Janeiro Iveco: Férias de 4 semanas em Dezembro/Janeiro e 4 em Fevereiro Ford: Férias de 4 a 5 semanas em Novembro/Dezembro/Janeiro GM: Férias de 4 semanas em Novembro (Gravataí)e 4 em Dezembro Honda: Férias de 10 dias em Outubro e 2 semanas em Dezembro/Janeiro Hyundai: Férias de 3 semanas em Dezembro/Janeiro Mitsubishi: Férias de 3 semanas em Dezembro/Janeiro PSA: Férias de 5 semanas em Dezembro/Janeiro e 3 semanas em Fevereiro Renault/Nissan: Férias de 4 semanas em Dezembro/Janeiro Scania: Férias de 5 semnas em Dezembro/Janeiro Toyota: Férias de 2 semanas em Dezembro/Janeiro Volvo: Férias de 2 semanas em Dezembro/Janeiro VW: Férias de 3 a 5 semanas em Novembro/Dezembro/Janeiro

19 Qual a semelhança das crises de 1998/1999 com a atual de 2008/2009? Juros (SELIC): Em 1998 dobraram de valor. Em 2008 subiu ligeiramente e em 2009 deverá continuar a diminuir. PIB: De 3,4% em 1997, caiu para zero em Em 2008 foi 5,1% e em 2009 deve cair para -1,6%. US$ Balança Comercial (US$ Milhões) Balança Comercial Balança Comercial: Em 1998 foi negativa em R$6,5Bilhões. Em 2008 foi positiva em R$24 Bilhões. Risco Brasil: em 1998 chegou a pontos. Em 2008/2009 continua abaixo de 500 pontos IED (Investimento Estrangeiro Direto) IED (Investimento Estrangeiro Direto) atinge recorde em 2008, mas deve cair 50% em Fonte: BCB IED (Investimento Estrangeiro Direto)

20 E a capacidade ociosa, como ficará de 2009 a 2015? Os investimentos que não foram adiados ou cancelados aumentarão ligeiramente a capacidade produtiva para acima de 4 Milhões/ano. A capacidade produtiva ociosa que chegou a 47% em 1999, como ficará entre 2009 e 2015? Vamos verificar levando em conta três possíveis cenários de previsão de produção: Cenário I Baseline Cenário II Otimista Cenário III - Pessimista

21 Cenário I Baseline No cenário Baseline a ociosidade da capacidade produtiva em 2009 é semelhante a de 2003/ ,0% Capacidade Utilizada (%) - LV sem CKD Quantidade LV Baseline Forecast de Produção vs Capacidade Instalada (Brasil) Produção ANFAVEA total Capacidade Produção ANFAVEA sem CKD 85,0% Utilização (%) 75,0% 65,0% 55,0% 45,0% 35,0% Baseline

22 Cenário II - Otimista Utilização (%) No cenário Otimista a ociosidade da indústria em 2009, chega ao mesmo nível de 2004/ ,0% 85,0% 75,0% 65,0% 55,0% 45,0% 35,0% Otimista Capacidade Utilizada (%) - LV sem CKD Quantidade Baseline Forecast de Produção vs Capacidade Instalada (Brasil) LV Otimista Capacidade Produção ANFAVEA sem CKD Otimista - 10% de probabilidade LV Baseline Produção ANFAVEA total 2015

23 Cenário III - Pessimista Utilização (%) No cenário Pessimista a ociosidade da indústria em 2009, chega ao mesmo nível de 2003 (em 1999 a utilização da capacidade chegou a 47%) 95,0% 85,0% 75,0% 65,0% 55,0% 45,0% 35,0% Capacidade Utilizada (%) - LV sem CKD Otimista Pessimista Baseline Quantidade Forecast de Produção vs Capacidade Instalada (Brasil) LV Otimista LV Pessimista Produção ANFAVEA total Pessimista - 35% de probabilidade LV Baseline Capacidade Produção ANFAVEA sem CKD

24 E a Argentina? Quando falamos da capacidade produtiva no Brasil, não podemos esquecer da Argentina, que permaneceu por muitos anos com mais de 50% de ociosidade A capacidade ociosa (Cenário Baseline) deve ficar em 40% em 2009, 2010 e 2011 Produção LV vs Capacidade Instalada - Argentina Capacidade Instalada Produção LV

25 E a produção combinada Argentina + Brasil? No gráfico abaixo vemos, numa comparação trimestral, como o volume de produção Argentina + Brasil, de automóveis e comerciais leves, será afetada no cenário Baseline Milhares Variação trimestral da Produção em comparação com o trimestre anterior Brasil e Argentina Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q4 2010

26 E a América do Sul? Para a América do Sul como um todo, vemos o seguinte cenário para a produção de automóveis e comerciais leves Millions 4 Cenário Otimista (15%) 3.5 Baseline (63%) Cenário Pessimista (22%) Média Ponderada de Risco

27 O novo cenário automotivo Brasileiro A lucratividade é ameaçada No cenário Baseline o ambiente de lucratividade entre 2006 a 2008, novamente é deteriorado por conta dos investimentos e capacidade produtiva sub-utilizados Capacidade Utilizada (%) - LV sem CKD 95,0% 85,0% LUCRO Utilização (%) 75,0% 65,0% 55,0% 45,0% 35,0% PREJUÍZO Baseline BREAK-EVEN / PREJUÍZO

28 O novo cenário automotivo Brasileiro Exportações em queda As exportações estiveram num nível elevado de 2004 a 2008 Em 2008 representaram 23% da produção total Com a crise global, estão sofrendo fortes quedas, impactando diferentemente as OEM s EXPORTAÇÕES POR OEM (MONTADOS + CKD) 2008 SCANIA 51% IVECO MERCEDES-BENZ 48% RENAULT VOLKSWAGEN 36% GENERAL MOTORS VOLVO 34% HONDA TOYOTA 29% MAN - VW CAMINHÕES FORD 26% FIAT AGRALE 24% PSA TOTAL GERAL 20% 18% 18% 16% 15% 11% 9% 23% Exportação Mensal de Veículos Quantidade jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 Mês/ Exportações

29 O novo cenário automotivo Brasileiro Pontos mais relevantes Investimentos: As novas plantas (ex: Toyota em Sorocaba, SP) e expansões de atuais (Ex: Fiat em Betim) irão contribuir para a subutilização da capacidade industrial instalada Lucratividade: A utilização da capacidade produtiva ficará em 60% (cenário Baseline para LV sem CKD), afetando a rentabilidade Exportação: Os mercados globais em recessão se fecham para as exportações do Brasil. Em 2008 um total de veículos (inclui CKD) foram exportados, sendo que os cinco maiores mercados compradores foram: Argentina: 51% do total exportado México: 13% África do Sul: 9,3% Chile: 3% Venezuela: 2%

30 O novo cenário automotivo Brasileiro Sumário As OEM s devem focar mais ainda no mercado doméstico devido a queda na demanda dos outros mercados A lucratividade e a utilização da capacidade instalada será afetada: Cenário Baseline - ambiente de break-even e até prejuízos em alguns casos Cenário Otimista - ambiente de lucro observado pela maioria das OEM s nos recentes anos Cenário Pessimista - ambiente de prejuízo observado em 1999

31 Muito Obrigado! Julian G. Semple, Consultor Sênior CARCON Automotive

RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL

RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL RESUMO EXECUTIVO IMPORTAÇÕES DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL 1. Em 2010 o Brasil importou 634,8 mil veículos. 2. Hyundai e Kia, juntas, significam 23% desse total. 3. As 4 maiores montadoras instaladas no país

Leia mais

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo XXI CONGRESSO FENABRAVE São Paulo, 25 de novembro de 2011 Luciano Coutinho Presidente Conjuntura econômica recente 2 Persiste a deterioração do

Leia mais

2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico

2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico 2 A Indústria Automobilística Nacional 2.1. Breve histórico A indústria automobilística nacional nasceu com a instalação da Ford Brasil em 1919. Ela iniciou a montagem dos famosos modelos T por meio de

Leia mais

Empresas associadas à ANFAVEA ANFAVEA member companies

Empresas associadas à ANFAVEA ANFAVEA member companies AGCO do Brasil Comércio e Indústria Ltda. Agrale S.A. Caterpillar Brasil Ltda. CNH Latin America Ltda. Fiat Automóveis S.A. Ford Motor Company Brasil Ltda. General Motors do Brasil Ltda. Honda Automóveis

Leia mais

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES

AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS 74% Automóveis 10% exportação 90% mercado interno 18% importação COMPLEXO AUTOMOTIVO 21% Comerciais

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

indústria automobilística

indústria automobilística Investimentos Os ventos da internacionalização da economia e a necessidade de modernizar estruturas e reduzir custos levaram à reordenação da indústria. 30 indústria automobilística no Brasil elegeu o

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT

O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL UM OLHAR DOS METALÚRGICOS DA CUT 1 O PREÇO DOS VEÍCULOS NO BRASIL QUESTÕES EM DEBATE NO SENSO COMUM O AUTOMÓVEL É MUITO MAIS CARO NO BRASIL? É CARO POR CAUSA DOS CUSTOS NO

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil

A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil A nova onda de inovação Novas projetos e tecnologias para o Brasil Stephan Keese, Sócio São Paulo, 22 de agosto de 2011 1 O Brasil Brasil oferece oferece forte forte perspectiva perspectiva de de crescimento

Leia mais

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2. Comissão de Logística ANFAVEA 2.1. Lei dos Portos 2.2. Investe SP AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2.

Leia mais

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Notícias do Comércio Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Referencias Paint and Assembly Systems

Referencias Paint and Assembly Systems Referencias Paint and Assembly Systems Linha Primer Completa - São Bernardo do Campo SP 2010 PEUGEOT Expansão de Capacidade - Reforma de Secadores- Porto Real RJ 2010 PEUGEOT Expansão de Capacidade Reforma

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos.

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos. Curiosidade automotiva Preços de automóveis x salário mínimo A JATO Dynamics do Brasil, líder em fornecimento de informações automotivas, desenvolveu uma análise que apurou o valor do salário mínimo e

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

econômica e institucional em 15 de maio de 1956, a Anfavea, Associação Nacional dos Fabricantes

econômica e institucional em 15 de maio de 1956, a Anfavea, Associação Nacional dos Fabricantes Anfavea Ata de constituição da Anfavea, São Paulo, 15 de maio de 1956. O investimento vai para onde se pode produzir a menores custos e com promissoras perspectivas de retorno para os capitais, tecnologia

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015.

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015. PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015. Cotação (30/06/15) PLAS3 - R$ 0,27 Valor de mercado em 30/06/15 (MARKET CAP BOVESPA) R$ 67 milhões Quantidade Ações Ordinárias: 249 MM Relação com Investidores

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Automotive Logistics 2014 Making the Connections Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Novembro/ 2014 Mapa da Indústria Catalão / Anápolis - GO Manaus - AM Horizonte - CE (Ford) Goiana

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior Última Cotação em 30/09/2014 FBMC4 - R$ 20,60 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2014): R$ 20.269,7 mil US$ 9.234,5 mil São Bernardo do Campo, 12 de

Leia mais

NOVO CICLO DE EXPANSÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO BRASIL

NOVO CICLO DE EXPANSÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO BRASIL NOVO CICLO DE EXPANSÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO BRASIL Fernando Raphael Ferro de Lima* O Brasil encerrou 2010 como o sexto maior produtor de veículos do mundo, com cerca de 3,64 milhões de automóveis

Leia mais

Reunião Pública APIMEC SP. Iochpe-Maxion S.A.

Reunião Pública APIMEC SP. Iochpe-Maxion S.A. Reunião Pública APIMEC SP Iochpe-Maxion S.A. Novembro de 2015 Visão Geral da Companhia Segmento Automotivo Segmento Ferroviário (JV) 100% 100% 50% Produção de rodas para veículos leves, comerciais e máquinas

Leia mais

INFORMATIVO DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL/PARANÁ

INFORMATIVO DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL/PARANÁ ODI Automotive News INFORMATIVO DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL/PARANÁ Projetos alternativos: Barcelona - aluguel de bicicletas São Paulo - Mutirao da carona Carona Solidária Caronas Unicamp

Leia mais

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Henrique de Campos Meirelles Outubro de 20 1 Brasil entrou na crise forte, com fundamentos macroeconômicos sólidos 2 US$ bilhões Reservas

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Desempenho recente da indústria automobilística. Angela Maria Medeiros M. Santos, Adilson José de Souza, Claudia Soares Costa

Desempenho recente da indústria automobilística. Angela Maria Medeiros M. Santos, Adilson José de Souza, Claudia Soares Costa Desempenho recente da indústria automobilística Angela Maria Medeiros M. Santos, Adilson José de Souza, Claudia Soares Costa nos anos a indústria automobilística passou,no Brasil. por uma série de mudanças

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Investimento derrete e leva o PIB junto.

Investimento derrete e leva o PIB junto. Ibovespa 8-6-29:,54% Pontos: 53.63,39 Ibovespa 8-6-9 INTRADAY 545 54 535 53 525 52 515 Indicador Valor Var.% Data Dólar Comercial 1,936-1,63 1h45 Dólar Paralelo 2,3, 8/6 Dólar Turismo 2,9 +,97 8/6 Dólar/Euro

Leia mais

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros Estudo de Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT Maio de 2009 O Poder Executivo, através da Medida

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Resultados 3T16 e 9M16. Iochpe-Maxion S.A.

Resultados 3T16 e 9M16. Iochpe-Maxion S.A. Resultados 3T16 e 9M16 Iochpe-Maxion S.A. 11 de novembro de 2016 Destaques 3T16 Receita operacional líquida consolidada de R$ 1.595,5 milhões, redução de 10,9% em relação ao 3T15 EBITDA de R$ 191,1 milhões,

Leia mais

Brasil é o maior fabricante

Brasil é o maior fabricante Produtos No Brasil a fabricação artesanal do primeiro ônibus é atribuída aos imigrantes italianos e irmãos Luiz e Fortunato Grassi. Em 1904 eles fabricavam carruagens em São Paulo e em 1911 encarroçaram

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014 Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul 18 de Agosto de 2014 Agenda Indicadores Econômicos Relevantes Maiores problemas que afetam a produção no Brasil Exportações para a Argentina Declínio

Leia mais

SETOR AUTOMOTIVO E OPORTUNIDADES PARA O NORDESTE

SETOR AUTOMOTIVO E OPORTUNIDADES PARA O NORDESTE Ano V N 0 02 Janeiro de 2011 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Célula de Estudos Macroeconômicos, Industriais e de Serviços - CEIS SETOR AUTOMOTIVO E OPORTUNIDADES

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA

ASSESSORIA DE IMPRENSA ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br JULHO DE 2015 VENDAS DE COTAS DE IMÓVEIS CRESCEM 40% E SISTEMA ULTRAPASSA UM MILHÃO DE ADESÕES NO PRIMEIRO

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Data: Setembro/99 N o 26 DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS Com o recente ciclo de investimentos

Leia mais

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total Santa Helena Consultoria de Investimentos TC Consultoria de Investimentos Consultor Responsável: Diego Siqueira Santos Certificado pela CVM, Ato declaratório 11.187, de 23 de Julho de 2010 jan/12 Aplicações

Leia mais

Cinqüentenário. Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos

Cinqüentenário. Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos Cinqüentenário 8 Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos A base está formada. Levou cinqüenta anos para ser construída. Mas resultou sólida, competente e de reconhecida qualidade. O momento, agora,

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio de Janeiro em 1910, quando surgiram Muitos dos agentes importadores

harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio de Janeiro em 1910, quando surgiram Muitos dos agentes importadores Concessionários O setor se expandiu a partir dos anos 50, em resposta ao início da produção automobilística no Brasil. 80 harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Informativo do ODI/Paraná - Setor Automotivo REDE DE COMPETÊNCIAS DESTAQUES

Informativo do ODI/Paraná - Setor Automotivo REDE DE COMPETÊNCIAS DESTAQUES Informativo do ODI/Paraná - Setor Automotivo REDE DE COMPETÊNCIAS Selo de A E para carros Veículos começam a receber etiqueta com nível de consumo Mais notícias: Só cinco montadoras aderem a programa Mille

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Iveco para montagem de pesados e blindados

Iveco para montagem de pesados e blindados Iveco para montagem de pesados e blindados Por Eduardo Laguna A Iveco se juntou ao grupo de montadoras que estão dando férias coletivas neste mês devido à forte queda das vendas de veículos. A partir de

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF Goiânia GO Janeiro 2010 SUMÁRIO Tabela 1 - Síntese dos Resultados 3 Tabela 2 - Variações percentuais sobre o mês anterior 3 Análise dos Resultados 4 Tabela 3 - Intenção

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Relatório AUTOPEÇAS. Acompanhamento. Setorial VOLUME III. Setembro de 2009

Relatório AUTOPEÇAS. Acompanhamento. Setorial VOLUME III. Setembro de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial AUTOPEÇAS VOLUME III Setembro de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL AUTOPEÇAS Volume III Equipe: Fernando Sarti Pesquisadores e bolsistas do NEIT/IE/UNICAMP

Leia mais

&203/(;2$872027,92 REESTRUTURAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NA AMÉRICA DO SUL. Angela M. Medeiros M. Santos*

&203/(;2$872027,92 REESTRUTURAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NA AMÉRICA DO SUL. Angela M. Medeiros M. Santos* REESTRUTURAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NA AMÉRICA DO SUL Angela M. Medeiros M. Santos* * Gerente Setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços do BNDES. &203/(;2$872027,92 Resumo Nos

Leia mais

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Papelcartão Papelcartão, ou simplesmente cartão, é o papel fabricado em múltiplas camadas, com gramaturas superiores a 150 g/m

Leia mais

Automotivo. setores de negócios

Automotivo. setores de negócios setores de negócios Automotivo Mais de 40% das fábricas do complexo automotivo do Brasil encontram-se em São Paulo, berço da indústria automobilística nacional. As principais empresas instaladas no Estado

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica

Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica 7 Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica V M S (*) As dimensões da atual crise econômica são evidentemente grandes. No entanto, como em todos os demais aspectos da

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015 Objetivo e Política do Fundo O fundo CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII tem como objetivo proporcionar retorno aos seus cotistas por meio de uma carteira diversificada de

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015 Dezembro/2015 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul, em dezembro, apresentou indicador com leve recessão no mês (-0,3%). Foi a Indústria que puxou o índice para baixo,

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

Resultados 1T17. Iochpe-Maxion S.A.

Resultados 1T17. Iochpe-Maxion S.A. Resultados Iochpe-Maxion S.A. 12 de maio de 2017 Destaques Receita operacional líquida consolidada de R$ 1.699,0 milhões no, uma queda de 4,7% em relação ao. Desconsiderando os efeitos da variação cambial

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 Minha Casa Minha Vida 3 será lançado dia 10 de Setembro. Nas duas primeiras edições do Minha Casa Minha Vida foram entregues 2,3 milhões de moradias para famílias de baixa

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Alternativas para o Brasil. Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004

Alternativas para o Brasil. Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004 Alternativas para o Brasil Claudio L. S. Haddad Endeavor - Outubro de 2004 Tema do Momento: Crescimento Apesar da recente recuperação da economia, crescimento sustentável continua sendo a preocupação central

Leia mais

ANO 1 - Nº 13-19 DE MARÇO DE 2003. COMENTÁRIO

ANO 1 - Nº 13-19 DE MARÇO DE 2003. COMENTÁRIO ANO 1 - Nº 13-19 DE DE 2003. COMENTÁRIO Ao verificamos os dados destes primeiros dez dias úteis de março (01 a 18), comparado com o mesmo período do mês passado (01 a 14), notamos um decréscimo nas vendas

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT

GRUPO FIAT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT DIEESE - DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS SUBSEÇÃO CNM/CUT GRUPO FIAT Mundo A FIAT iniciou suas atividades em

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Nível de atividade no governo Dilma: determinantes do baixo crescimento econômico Grupo de Economia / Fundap Introdução Este Boletim volta ao tema do nível de atividade, para explorar os aspectos estruturais

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Associações de Marca filiadas à Fenabrave

Associações de Marca filiadas à Fenabrave Associações de Marca filiadas à Fenabrave AUTOS E COMERCIAIS LEVES ABBM Assoc. Bras. dos Concessionários BMW ABCN Assoc. Bras. dos Concessionários Nissan ABRAC Assoc. Bras. dos Concessionários Chevrolet

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais