Profº André Montillo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profº André Montillo"

Transcrição

1 Profº André Montillo

2 Definição: É a causa mais comum de dor musculoesquelética generalizada. É a enfermidade reumática mais frequente Os primeiros relatos datam de 1850, onde os pacientes apresentavam em seus músculos pontos endurecidos e dolorosos à pressão, em 1904 foi denominada de fibrosite que permaneceu até 1970, quando na fibromialgia se observou a presença dos pontos sensíveis ( tender points ) Em 1990 o Colégio Americano de Reumatologia estabeleceu os Critérios de Classificação da fibromialgia: a presença de 11 de 18 pontos específicos do tender points, que apresentavam um sensibilidade de 88,4% e uma especificidade de 81,1%

3 Definição: É de etiologia desconhecida e multifatorial Não Há Processo Inflamatório É considerada um Síndrome de Amplificação da Dor o Redução do limiar doloroso: alodinia o Resposta aumentada aos estímulos dolorosos: hiperalgesia o Aumento da duração da dor após o estímulo: dor persistente

4 Epidemiologia: O estudo da prevalência iniciou em 1980: o Clínica de família: 2,1% o Clínica geral: 5,7% o Hospitalizado: 5% a 8% o Clínica reumatológica: 14% a 20% Mais frequente nas mulheres: 9:1 Entre os 30 e 50 anos de idade Precedida de um trauma, infecções ou abalos emocionais Mas pode acorrer em crianças, adolescentes e idosos Socialmente Relacionada: o Famílias de maior poder aquisitivo o Melhor nível educacional o Não está primariamente relacionada com baixo renda Não é um Doença Ocupacional

5 Etiopatogenia: Até o momento, não existe uma explicação satisfatória para a etiologia da fibromialgia Alguns fatores são conhecidos (multifatorial): o Predisposição Genética o Alterações no processamento da dor o As alterações do sono o Alterações estruturas musculares o Alterações Neuroendócrinas

6 Etiopatogenia: Alguns fatores são conhecidos (multifatorial): o Predisposição Genética: parentes de primeiro grau têm 8,5 vezes mais chance de desenvolver a fibromialgia. Os genes transportadores da serotonina e os genes da catecolamina metiltransferase são os mais relacionados com e gênese da fibromialgia

7 Etiopatogenia: Alguns fatores são conhecidos (multifatorial): o Alterações no processamento da dor: os estímulos nocivos de pouca intensidade são interpretados como dor, bem como apresentam hipersensibilidade ao frio, ruídos, odores, etc. Estão relacionadas com alterações nas concentrações da Substância P, Serotonina e Noradrenalina

8 Etiopatogenia: Alguns fatores são conhecidos (multifatorial): o As alterações do sono: estão relacionadas com a deficiência de neurotransmissor, provavelmente a Serotonina

9 Etiopatogenia: Alguns fatores são conhecidos (multifatorial): o Alterações na estrutura muscular: São evidenciadas alterações do metabolismo muscular com aspecto de desuso. Na microscopia eletrônica foram evidenciadas a presença de fibras reticulares em volta das fibras musculares. Durante a contração muscular, estas fibras reticulares determinam constrição das fibras musculares vizinhas com o comprometimento da microcirculação, determinando hipóxia e dor.

10 Etiopatogenia: Alguns fatores são conhecidos (multifatorial): o Alterações Neuroendócrinas: são evidenciadas alterações nos níveis do hormônio do crescimento, IGF-1 (insulina semelhante ao fator do crescimento I) e cortisol

11 Quadro Clínico: É uma doença corretamente definida como: Síndrome de Dolorimento à palpação generalizada: dói tudo o Pontos sensíveis: tender points o Fadiga o Rigidez articular o Distúrbio do Sono manifestações universais nos fibromiálgicos

12 Quadro Clínico: O início dos sintomas é insidioso A dor é relatada como: queimação, peso, exaustão ou contusão A dor geralmente é ampla e difusa A dor se inicia: na nuca, no pescoço ou nos ombros Dificuldade de relatar a localização da dor Dificuldade de relatar a origem da dor: dos músculos, das articulações, dos ossos ou dos nervos

13 Quadro Clínico: As localizações mais comuns da dor: o Esqueleto axial: cervical, dorsal ou lombar o Cintura escapular o Cintura pélvica o Parede anterior do tórax tender points

14 Quadro Clínico: Poliartralgia Relato de edema articula: exame físico normal Rigidez matinal: curto período menos de 15 minutos

15 Quadro Clínico: Fadiga: pela manhã e no final do dia, o paciente relata que necessita de férias. Atividade física e intelectual agravam a fadiga. Astenia Mal estar geral Redução do libido Fraqueza muscular Parestesias bizarras: as vezes não relacionada com o membro doloroso, na face ou na língua Cefaleia: as vezes sente a cabeça oca Zumbidos e Tonteiras

16 Quadro Clínico: Distúrbios do sono: quase 100% dos casos. Dificuldade de conciliar o sono, insônia terminal, sono leve (insônia intermediária), outros dormem a noite toda mas acordam cansados Depressão Ansiedade Irritabilidade Estes sintomas são observados na primeira consulta, mas nesse momento, geralmente são negados pelos pacientes

17 Quadro Clínico: Aparelho digestivo: o Alterações do hábito intestinal: constipação e diarreia o Náuseas o Vômito o Epigastralgia o Flatulência

18 Quadro Clínico: Grandes Prejuízos: o Sociais o Econômicos o Emocionais Fibromialgia

19 Quadro Clínico: Fibromialgia

20 Quadro Clínico: Fibromialgia

21 Quadro Clínico: Fibromialgia

22 Quadro Clínico: Fibromialgia

23 Quadro Clínico: Fibromialgia

24 Quadro Clínico: Fibromialgia

25 Quadro Clínico: Fibromialgia

26 Quadro Clínico: Fibromialgia

27 Quadro Clínico: Fibromialgia

28 Exame Físico: Normal Na palpação surgem outros pontos de dor não referidos Paciente apresenta com bom aspecto geral Sem doença sistêmica Sem alterações musculares e osteoarticulares Sem qualquer sinal do doença reumática Presença dos pontos sensíveis Alguns pacientes podem ter vários sintomas e não apresentar os pontos sensíveis, onde a dor se caracterizará por dor muscular difusa a palpação Pode estar associada à outras doenças reumáticas, osteoarticulares ou sistêmicas, o que: Não deve inviabilizar o diagnóstico de fibromialgia.

29 Exame Físico: Pode estar associada à outras doenças reumáticas, osteoarticulares ou sistêmicas, o que: Não deve inviabilizar o diagnóstico de Fibromialgia. Fibromialgia Secundária: quando associada à Artrite Reumatoide, Lúpus, Espondilite Anquilosante, etc. Neste caso é fundamental o tratamento adequado da Fibromialgia

30 Diagnóstico: Essencialmente Clínico o Dor Generalizada o Presença de 11 dos 18 tender points Os Exames Complementares são todos Normais. Exames com alterações pode mascarar o diagnóstico da fibromialgia

31 Tratamento: Multidisciplinar: médico, fisioterapeuta e psicólogo É fundamental a Educação da paciente: discutir de uma forma completa e verdadeira o diagnóstico e o prognóstico. Não altera a sobrevida e não é deformante mas o tratamento é fundamental para melhorar a qualidade de vida Analgésico: Simples, Corticoides, Opiódes Anti-inflamatórios Antidepressivos: tricíclico (amitriptilina, clomipramina, imipramina): sub doses Inibidores da recaptação da Serotonina (Fluoxetina): dose plena Ciclobenzaprina: miorrelaxante Atividade Física Aeróbica, baixo impacto e sem carga Apoio Psicológico

32 Classificação da Dor: 1. Nociceptiva: resulta de distúrbios orgânicos que determinam algum tipo de distúrbio na função neuronal: Responde aos analgésicos e opióides 2. Neuropática: resulta da lesão de vias nociceptivas (traumas ou cirurgias): Responde aos não-opiódes e benzodiazepínicos 3. Psicogênica: Prevalência dos fatores emocionais desde o início. Relacionada à personalidade, suscetibilidade maior à dor, depressão, transtorno de ansiedade. Responde melhor com os antidepressivos tricíclicos

33 Tratamento: Fibromialgia

34 Tratamento: Fibromialgia

35 Tratamento: Fibromialgia

36 Diagnóstico Diferencial: Síndrome Miofascial: é uma dor muscular profunda, localizada em qualquer músculo do corpo, e denominada de ponto de gatilho (trigger point), que piora a palpação local, frequentemente associada à rigidez local e distúrbio do sono. Síndrome da Fadiga Crônica: Dor crônica de outras origens Doenças reumáticas em fase inicial Hipotireoidismo Neurose de compensação : dor crônica que é relacionada com as árduas atividades do trabalho

37

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE Deverá ser preenchida pelo médico assistente O paciente não pode ter sido incluído na primeira fase do Epifibro Data: / / Nome: DN: / / RG: UF: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino

Leia mais

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP DOR E CEFALEIA Profa. Dra. Fabíola Dach Divisão de Neurologia FMRP-USP Dor Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA

ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA HISTÓRICO 1904 Gowers Fibrosite 1981 Yunus Fibromialgia ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA FIBRO fibras de tecido conjuntivo MIA músculo ALGIA dor ou condição dolorosa EPIDEMIOLOGIA CONCEITO 5% da população

Leia mais

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros Semiologia do aparelho osteoarticular Professor Ivan da Costa Barros IMPORTÂNCIA CLÍNICA 10% das consultas médicas Mais de 100 doenças Complicações não articulares Geralmente auto limitado 1 em 5 americanos

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face.

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face. ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Dores na mandíbula e na face. O que é ATM? ATM significa articulação temporomandibular, que é a articulação entre a mandíbula e o crânio. Portanto, temos duas ATM, cada

Leia mais

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho.

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho. O termo reumatismo, embora consagrado, não é um termo adequado para denominar um grande número de diferentes doenças que tem em comum o comprometimento do sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, cartilagem,

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Introdução Depressão é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns Classificação Depressão

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA SOLICITANTE Ilma Dra Valéria S. Sousa NÚMERO DO PROCESSO 0112.13.005931-7 DATA 07/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação de Obrigação de Fazer

Leia mais

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP Tratamento

Leia mais

Abordagem da Criança com Cefaléia. Leticia Nabuco de O. Madeira Maio / 2013

Abordagem da Criança com Cefaléia. Leticia Nabuco de O. Madeira Maio / 2013 Abordagem da Criança com Cefaléia Leticia Nabuco de O. Madeira Maio / 2013 Introdução Epidemiologia: Queixa comum em crianças e adolescentes Elevação da frequência com o aumento da idade Até 12 anos prevalência

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON Enfermagem em Clínica Médica Doença de Addison Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com DOENÇA DE ADDISON A insuficiência adrenal (IA) primária, também denominada doença de Addison, geralmente

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP O nosso amiguinho do dia a dia: Estresse Você é estressada? 1. Sim, muito estressada, sou ansiosa e reajo

Leia mais

Defeitos osteoarticulares

Defeitos osteoarticulares Osteoartrite Descrição Osteoartrite ou doença articular degenerativa ( artrose ) caracteriza-se pela perda progressiva da cartilagem articular e alterações reacionais no osso subcondral e margens articulares,

Leia mais

Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles

Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles Doenças Reumáticas dos Tecidos Moles DEFINIÇÃO Grupo de afecções reumáticas em que o distúrbio musculoesquelético se restringe aos tecidos moles ou periarticulares,

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina É uma região anatômica que estabelece a contigüidade entre ossos ou cartilagens, permitindo que o movimento seja direcionado neste sentido. Cápsula sinovial

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos,

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos, Diretrizes Gerais de Abordagem das Somatizações, Síndromes ansiosas e depressivas Alexandre de Araújo Pereira Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Somatizações Transtornos Depressivos

Leia mais

SEMIOLOGIA DA DOR. Curso de semiologia em Clínica Médica I. Medicina humana 2 ano

SEMIOLOGIA DA DOR. Curso de semiologia em Clínica Médica I. Medicina humana 2 ano SEMIOLOGIA DA DOR Curso de semiologia em Clínica Médica I Medicina humana 2 ano Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu 2008 DOR-DEFINIÇÃO Sintoma

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA Em 1904, Gowers descreveu um conjunto de sinais e sintomas onde predominavam

Leia mais

Síndrome Fibromiálgica - Fibromialgia 06/08/2014

Síndrome Fibromiálgica - Fibromialgia 06/08/2014 IV Curso de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da Dor Síndrome Fibromiálgica - Fibromialgia 06/08/2014 Hazem Adel Ashmawi 2014 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS

DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS EpiReumaPt Estudo Epidemiológico das Doenças Reumáticas em Portugal DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS DADOS GERAIS 1ª fase questionário CESOP (auto-reporte) Sócio-demográficos Data de nascimento / Idade

Leia mais

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Mente Sã Corpo São! Unidade de Cuidados na Comunidade Centro de Saúde de Alfândega da Fé Elaborado por: Rosa Correia

Leia mais

Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS. Compreender a Enxaqueca. e outras Cefaleias. Anne MacGregor.

Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS. Compreender a Enxaqueca. e outras Cefaleias. Anne MacGregor. Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS Compreender a Enxaqueca e outras Cefaleias Anne MacGregor Oo Guia de Saúde Introdução às cefaleias comuns Apercentagem da população

Leia mais

' Professora da IINIVALE Fisioterapeuta Professor da L:L\IED. ' Enfermeiro ARTIGO

' Professora da IINIVALE Fisioterapeuta Professor da L:L\IED. ' Enfermeiro ARTIGO ARTIGO AVALIAÇÃO DE PACIENTES PORTADORES DE FIBROMIALGIA PRE E PÓS-INTERVENÇÃO DO ESTLIDO MULTIDISCIPLINAR COM ÊNFASE FISIOTERAPÊUTICA Horjana Aparecida Navarro Fernandes Vieira' Emília Pio da Silva2 Welligthon

Leia mais

LER A DOENÇA DO SÉCULO

LER A DOENÇA DO SÉCULO LER A DOENÇA DO SÉCULO Introdução Muitas vezes sofremos lesões que procedem de comportamentos cotidianos que não nos damos conta de ser danosos a nossa saúde até começarmos a sentir a dores que são ocasionadas

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Seminário Grandes Síndromes

Seminário Grandes Síndromes Seminário Grandes Síndromes TEMA: DISPEPSIA Residente: Paloma Porto Preceptor: Dr. Fortunato Cardoso DEFINIÇÃO De acordo com os critérios de Roma III, dispepsia é definida por 1 ou mais dos seguintes sintomas:

Leia mais

Exame Físico Ortopédico

Exame Físico Ortopédico TAKE HOME MESSAGES! Exame Físico Ortopédico ANAMNESE REALIZAR UMA HISTÓRIA CLÍNICA DETALHADA, LEMBRANDO QUE DETALHES DA IDENTIFICAÇÃO COMO SEXO, IDADE E PROFISSÃO SÃO FUNDAMENTAIS, POIS MUITAS DOENÇAS

Leia mais

SERVIÇO DE DOR E CUIDADOS PALIATIVOS PROVA DE SELEÇÃO 2016 RESIDÊNCIA MÉDICA EM DOR

SERVIÇO DE DOR E CUIDADOS PALIATIVOS PROVA DE SELEÇÃO 2016 RESIDÊNCIA MÉDICA EM DOR 1) De acordo com a International Association for the Study of Pain (IASP), dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. A dor pode ser classificada

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SÍNDROME FIBROMIÁLGICA

DIAGNÓSTICO DA SÍNDROME FIBROMIÁLGICA DIAGNÓSTICO DA SÍNDROME FIBROMIÁLGICA PROF DR MARCOS LEAL BRIOSCHI Membro da Comissão de Termografia Pericial da ABML Pres Associação Brasileira de Termologia Pres da Sociedade Paranaense para Estudo da

Leia mais

NEUROPATIA DIABÉTICA

NEUROPATIA DIABÉTICA NEUROPATIA DIABÉTICA FATORES DE RISCO Hiperglicemia crônica Idade Duração da doença Obesidade HAS Tabagismo Etilismo Dislipidemia DCV Albuminúria Retinopatia Diabética CAUSAS Ocorrem vários processos cujo

Leia mais

Drogas do Sistema Nervoso Central

Drogas do Sistema Nervoso Central Drogas do Sistema Nervoso Central Depressão Conceito: Transtorno do humor(abaixamento persistente de humor) que influencia profundamente o comportamento e o pensamento, uma síndrome com sintomas e sinais

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite Idiopática Juvenil Versão de 2016 2. DIFERENTES TIPOS DE AIJ 2.1 Existem tipos diferentes da doença? Existem várias formas de AIJ. Distinguem-se principalmente

Leia mais

SandraPais XVII FÓRUM DE APOIO AO DOENTE REUMÁTICO 10 E 11 OUTUBRO DE 2014

SandraPais XVII FÓRUM DE APOIO AO DOENTE REUMÁTICO 10 E 11 OUTUBRO DE 2014 SandraPais XVII FÓRUM DE APOIO AO DOENTE REUMÁTICO 10 E 11 OUTUBRO DE 2014 Uma degeneração focal das cartilagens articulares, com espessamento ósseo subcondral e proliferações osteocondrais marginais Dá

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial

Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial

Leia mais

ALUNAS: MARIA VITÓRIA SILVA GOMES JULIANA FERREIRA WHIRILENE CASSIANO GINOELY SHIRLEY G. GÁRCIA

ALUNAS: MARIA VITÓRIA SILVA GOMES JULIANA FERREIRA WHIRILENE CASSIANO GINOELY SHIRLEY G. GÁRCIA ALUNAS: MARIA VITÓRIA SILVA GOMES JULIANA FERREIRA WHIRILENE CASSIANO GINOELY SHIRLEY G. GÁRCIA O sistema musculoesquelético é composto pelos ossos, músculos e articulações. Tecido ósseo Os ossos compõem

Leia mais

Doença de Huntington. Aspectos Clínicos, Diagnósticos e Terapêuticos. quinta-feira, 29 de maio de 14

Doença de Huntington. Aspectos Clínicos, Diagnósticos e Terapêuticos. quinta-feira, 29 de maio de 14 Doença de Huntington Aspectos Clínicos, Diagnósticos e Terapêuticos Doença de Huntington Doença neuro-degenerativa de causa genética Herança autossômica dominante Mutação genética no cromossomo 4 - região

Leia mais

Psicopatologia do Uso Abusivo de Álcool e Outras Drogas

Psicopatologia do Uso Abusivo de Álcool e Outras Drogas Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Estudos e Assistência ao Uso Indevido de Drogas Psicopatologia do Uso Abusivo de Álcool e Outras Drogas Marcelo Santos Cruz, MD, PhD Qual a melhor forma

Leia mais

Estudo sobre a forma de avaliação dos pacientes atendidos com indicação clínica de Fibromialgia no serviço de fisioterapia do ISECENSA

Estudo sobre a forma de avaliação dos pacientes atendidos com indicação clínica de Fibromialgia no serviço de fisioterapia do ISECENSA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA INSTITUTO SUPERIOR DE CINECIAS SOCIAIS APLICADAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Artigo de Conclusão de Estágio I Estudo sobre a forma de avaliação dos pacientes

Leia mais

Sessão Televoter Reumatologia

Sessão Televoter Reumatologia 2015 2 de maio Sábado Sessão Televoter Reumatologia Avaliação e investigação do doente com dor osteo-articular Manuela Costa Jaime Branco ARTRITE ARTRALGIA 1. Ritmo mecânico ou inflamatório 2. Agudo (dias)

Leia mais

Conteúdo. O que é a fibromialgia?

Conteúdo. O que é a fibromialgia? O que é a fibromialgia? 2 Conteúdo O que é a fibromialgia?... 3 Qual a prevalência da Fibromialgia na população?... 3 Qual a história da Fibromialgia?... 3 Qual a origem fisiopatológica da fibromialgia?...

Leia mais

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116 Sumário Detalhado PARTE I Gerenciamento de riscos 21 Capítulo 1 Técnicas de condicionamento 22 A relação entre os fisioterapeutas esportivos e os preparadores físicos 23 Princípios do condicionamento 23

Leia mais

LINHA DE CUIDADO MÚSCULO ESQUELÉTICA

LINHA DE CUIDADO MÚSCULO ESQUELÉTICA LINHA DE CUIDADO MÚSCULO ESQUELÉTICA Nome da atividade: Estágio Supervisionado em Fisioterapia em Reumatologia Tipo de atividade: Disciplina de graduação Responsáveis: Profa Jane D arc Brito Lessa Profa

Leia mais

Síndrome Dolorosa Pós-laminectomia. MD Joana Rovani Médica Fisiatra

Síndrome Dolorosa Pós-laminectomia. MD Joana Rovani Médica Fisiatra Síndrome Dolorosa Pós-laminectomia MD Joana Rovani Médica Fisiatra IASP Failed Back Surgery Syndrome (FBSS) Dor espinal lombar de origem desconhecida que persiste na mesma localização da dor original apesar

Leia mais

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É ESTRESSE? Estresse não é um diagnóstico, doença, ou síndrome. Estresse é um conjunto de sintomas emocionais ou físicos, não

Leia mais

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ESCLEROSE MÚLTIPLA Prof. Fernando Ramos Gonçalves Unidade anatômica e funcional do SNC ESCLEROSE MÚLTIPLA Sinonímia: Esclerose em placas Esclerose insular Esclerose disseminada Conceito É uma doença crônica,

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca: desempenho do coração inadequado para atender as necessidades metabólicas periféricas, no esforço ou no repouso, o coração torna-se incapaz

Leia mais

Farmacoterapia na Depressão

Farmacoterapia na Depressão Farmacoterapia na Depressão TRANSTORNOS MENTAIS Entendem-se como transtornos mentais e comportamentais condições clinicamente significativas caracterizadas por alterações do modo de pensar e do humor (emoções)

Leia mais

DEFICIÊNCIA DO QI DO SHEN (RIM)

DEFICIÊNCIA DO QI DO SHEN (RIM) LOMBO-CIATALGIA Causas na Medicina Ocidental: Processo inflamatório local radicular, traumatismos, processos degenerativos, compressão, tumores, tensão ligamentar, osteoartrites (osteófitos), herniação

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Semiologia Geral ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Generalidades sobre diagnóstico e avaliação AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA EM II - Avaliação da coluna (postura) -

Leia mais

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam ANEXO I Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam A Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) completou recentemente a avaliação da segurança do anti-inflamatório não esteróide (AINE)

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Anatomia II Código: Fisio-105 Pré-requisito: Anatomia I Período Letivo: 2016.1

Leia mais

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Ansiedade Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Manifestações somá4cas freqüentemente associadas:(palpitação torácica,sudorese,tremores Ansiedade Manifestações leves ou

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO.

Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO. Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO. Publicado em Diário da República, 1ª série Nº153 8 de agosto de 2012: Portaria n.º 237/2012 A formação específica no internato médico

Leia mais

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Site:

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca   Site: Vertigens, desmaios e crises convulsivas Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Site: www.profsabrina.comunidades.net Vertigens: Vertigem refere-se a diminuição da força, visão

Leia mais

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores,

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, deformidades progressivas e incapacidade funcional. SINTOMAS

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Tradução para: Feita por: E mail: NdC 1 As pessoas com sintomas de AR devem ter acesso atempado a um médico / profissional de saúde competente

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 SOLICITANTE Juíza de Direito: Dr(a). Juizado Especial 0512 Pirapora NÚMERO DO PROCESSO nº0512.13 003595-3 DATA 17/05/2013 1- O medicamento solicitados Venlafaxina (Venlift),é

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Espondilite anquilosante. Espondiloartropatia soronegativa. Resposta Imunológica. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: Espondilite anquilosante. Espondiloartropatia soronegativa. Resposta Imunológica. Introdução 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X HOMENS: apresenta um X e um Y XY sexo heterogamético o seus gametas serão metade com cromossomo X e metade com cromossomo Y MULHER: apresenta dois X XX sexo homogamético

Leia mais

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura Resposta Técnica 01/2014 Solicitante: Dr. Renato Dresch Juiz de direito Nº Processo: 9010665.22.2014.813.0024 Ré: Unimed de Belo Horizonte Data: 20/08/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Leia mais

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria......

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... 27/06/16 Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... na ausência de causa infecciosa ou outra doença que

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DOR DE CABEÇA, TONTURAS, ENJOO... http://www.atm.hostmidia.com.br/enxaqueca_cefaleia_dor_cabeca.htm O que causa sintomas como, dor de cabeça e a tontura forte e constante, enjoo, a luz incomoda e a vista

Leia mais

MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO. Tato- muito preciso Dor- pouco preciso

MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO. Tato- muito preciso Dor- pouco preciso MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO Tato- muito preciso Dor- pouco preciso MAPAS SOMATOTÓPICOS EM OUTROS ANIMAIS COELHO GATO MACACO Porém os mapas são dinâmicos!

Leia mais

INTRODUÇÃO. Transtornos do humor ou transtornos afetivos:

INTRODUÇÃO. Transtornos do humor ou transtornos afetivos: ANTIDEPRESSIVOS Profª. MSc. INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO Transtornos do humor ou transtornos afetivos: Unipolar ocorrência de episódios depressivos; Bipolar ocorrência de episódios depressivos e de mania. INTRODUÇÃO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 180 /2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: ciclobenzaprina. Nomes Comerciais 1 : Mirtax, Miosan, Muscuprina, Miofibrax, Cizax, Benziflex, Musculare. Medicamento de Referência: Miosan

Leia mais

Problemas músculo- esqueléticos relacionados com o trabalho

Problemas músculo- esqueléticos relacionados com o trabalho Problemas músculo- esqueléticos relacionados com o trabalho Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção / UFRGS Distúrbios osteomusculares relacionados com o trabalho

Leia mais

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico?

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? Sylvia Cavalcanti Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? PRINCÍPIOS DA ESPÉCIE HUMANA ROGER X BUSCA DO PRAZER FUGA DA DOR Disfunções sexuais Disfunção do desejo Estímulo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV A Comissão Examinadora da Prova para cargo de Fisioterapeuta efetuou a análise do Conhecimentos Específicos - QUESTÃO 22 O requerente está se referindo ao item correto como sendo a letra E. A respiração

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Região FC especifica Ligação com os leucócitos

Região FC especifica Ligação com os leucócitos Anticorpos Porção FAB se liga ao antígeno (variável) Cadeia Leve Região FC especifica Ligação com os leucócitos Cadeia Pesada Anticorpos apresentam 3 modos de ação: 1- Opsonização: marcação do antigeno.

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

Transtorno de estresse pós-traumático! e Transtornos de Adaptação. Prof. Eduardo Henrique Teixeira PUC - Campinas!

Transtorno de estresse pós-traumático! e Transtornos de Adaptação. Prof. Eduardo Henrique Teixeira PUC - Campinas! Transtorno de estresse pós-traumático e Transtornos de Adaptação Prof. Eduardo Henrique Teixeira PUC - Campinas Transtorno de estresse pós-traumático TEPT É uma condição que se desenvolve quando a pessoa

Leia mais

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando Antidepressivos A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando alterações de ânimo, no pensamento e no

Leia mais

Centro de Dor e Neurocirurgia do Hospital Nove de Julho

Centro de Dor e Neurocirurgia do Hospital Nove de Julho Cliente Centro de Dor e Neurocirurgia do Hospital Nove de Julho Veículo Terra Coluna/Programa Chat Data 21/8/2008 Chat com Cláudio Corrêa (21/8/2008) 11:12:46 Dr. Cláudio Corrêa Cláudio Fernandes Corrêa

Leia mais

FIBROMIALGIA E EXERCÍCIO

FIBROMIALGIA E EXERCÍCIO FIBROMIALGIA E EXERCÍCIO Roberta do Amaral Bredariol Educadora Física Maringá-Pr. E-mail: Célia Regina de Godoy Gomes Docente de Anatomia Humana do Departamento de Ciências Morfofisiológicas da Universidade

Leia mais

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DOENÇAS MUSCULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo DOENÇAS MUSCULARES

Leia mais

REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica)

REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica) REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica) Jin H, Patil PM, Sharma A. Topical review: the enigma of fibromyalgia. Journal of Oral & Facial Pain and Headache. 2014;

Leia mais

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013 Fibromialgia DOR - USP Roberto Vlainich 2013 1 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe tender points 1970 Moldofsky Distúrbio sono 1980 Yunus Fibromialgia 1988 Vaeroy Substância P 1990

Leia mais

Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc.

Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. A pele é constituída por inúmeras estruturas que dotam os indivíduos com a sensação do tacto, da pressão, do calor, do frio e da dor. Estes receptores encontram-se

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.1563-7 DATA

Leia mais

FRAQUEZA MUSCULAR. Diagnóstico

FRAQUEZA MUSCULAR. Diagnóstico FRAQUEZA MUSCULAR Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A fraqueza muscular é um problema comum, mas, freqüentemente, tem significados diferentes

Leia mais

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA QUE CURIOSO??? JÁ ESTOU FICANDO VELHA! ELA É TODA NOSSA! COMISSÃO DE DOR, FIBROMIALGIA E OUTRAS SÍNDROMES DOLOROSAS DE PARTES MOLES DA S.B.R.

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona SOLICITANTE Drª Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial -Pirapora NÚMERO DO PROCESSO

Leia mais

Síndrome de Cushing. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo CHLN-Hospital Santa Maria, EPE

Síndrome de Cushing. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo CHLN-Hospital Santa Maria, EPE Síndrome de Cushing Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo CHLN-Hospital Santa Maria, EPE Síndrome de Cushing Exposição prolongada e inadequada a quantidades excessivas de glucocorticóides

Leia mais

Flávia Martins Gervásio¹; Caroline Soares Gonçalves²

Flávia Martins Gervásio¹; Caroline Soares Gonçalves² ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE FIBROMIÁLGICO ANALYSIS OF THE INFLUENCE OF PHYSIOTERAPY IN QUALITY OF LIFE OF FIBROMYALGIA PATIENTS Flávia Martins

Leia mais

Distúrbios Neurodegenerativos

Distúrbios Neurodegenerativos Distúrbios Neurodegenerativos Mecanismos de Morte Neuronal Excitotoxicidade Apoptose Estresse oxidativo Excitotoxicidade Os aminoácidos excitatórios (EAA), por ex glutamato podem causar morte neuronal.

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais