DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto"

Transcrição

1 DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto

2 DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP

3

4

5 Tratamento Farmacológico Escolha da medicação leva em conta fatores como: Eficácia Efeitos na qualidade de vida Potencial ocorrência de efeitos adversos Depressão Distúrbios do sono Interações medicamentosas Comorbidades Riscos de uso inadequado e de abuso Custo

6 Tratamento Farmacológico Limitações envolvendo os estudos de DN PNP DM, NPH Impossibilidade de comparações diretas Curta duração Heterogeneidade nos pacientes com DN

7

8 Tratamento Farmacológico Medicações de primeira linha Antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina e de noradrenalina. Anticonvulsivantes - Ligantes da subunidade alfa- 2-delta dos canais de Ca voltagem dependentes. Lidocaína tópica.

9 Antidepressivos tricíclicos Eficazes para vários tipos de DN Tratamento de depressão e distúrbios do sono Conveniência: 1x / dia Baixo custo Efeitos colaterais anticolinérgicos: Boca seca, Hipotensão ortostática, Constipação, Retenção urinária

10 Antidepressivos ISRSN Venlafaxina Eficácia comprovada para PNP dolorosas Depressão maior Transtorno de ansiedade generalizada 150 a 225 mg por dia Pode elevar a pressão arterial e causar anormalidades no ECG

11 Antidepressivos ISRSN Duloxetina Eficácia comprovada para PNP DM Depressão maior Transtorno de ansiedade generalizada 30 a 120 mg por dia Principal efeito colateral: Náusea

12 Anticonvulsivantes Gabapentina e Pregabalina Eficazes para vários tipos de DN Efeitos colaterais: tontura e sedação Redução de dose em pacientes com insuficiência renal Gabapetina 3600 mg/dia Pregabalina 600 mg/dia

13 Lidocaína tópica Patch de lidocaína a 5% Neuralgia pós herpética Alodínea em dor neuropática Dor neuropática localizada

14 Tratamento farmacológico Medicações de Segunda linha Tramadol Opiódes Fortes São considerados de Primeira linha em alguns casos

15 Tramadol Opióde fraco Agonista de receptores µ Inibidor da recaptação de serotonina e noradrenalina Efeito mais rápido na DN Risco de abuso Diminui o limiar convulsivo Síndrome serotoninérgica

16 Opiódes fortes Morfina, Oxicodona, Metadona e Fentanil tr. Preocupações referentes a segurança a longo prazo: Risco de hipogonadismo, mudanças imunológicas e abuso Efeitos colaterais: Náusea, constipação e sedação

17 Tratamento medicamentoso Medicações de terceira linha Antidepressivos Bupropiona, citalopram e paroxetina Anticonvulsivantes Carbamazepina, oxcarbazepina, lamotrigina, topiramato e ácido valproico Capsaicina tópica de baixa dosagem

18 Tratamento medicamentoso Dor neuropática Central Antidepressivos tricíclicos Dor central pós AVC Gabapentina e pregabalina Dor central pós AVC e dor pós lesão medular Cannabinóides Dor central na Esclerose Múltipla

19 RECOMENDAÇÕES 1º Passo: Estabelecer diagnóstico de dor neuropática Tratar a causa da dor neuropática Identificar comorbidades cardíaca, renal, hepática

20 RECOMENDAÇÕES 2º Passo: Usar uma medicação de 1º linha Antidepressivos tricíclicos ou duais Gabapentina ou Pregabalina Lidocaína tópica Avaliar possibilidade de tratamentos não farmacológicos

21 RECOMENDAÇÕES 3º Passo: Avaliar a dor e a qualidade de vida do paciente Se houver melhora significativa Manter o tratamento Se houver melhora parcial Acrescentar uma outra medicação de 1º linha Se não houver melhora Trocar de medicação por outra de 1º linha

22 RECOMENDAÇÕES 4º Passo: Medicações de 1º linha sozinhas ou combinadas falharem Considerar a utilização de medicamentos de 2º ou 3º linha

23

24

25 Guideline Europeu para tratamento de Dor Neuropática Polineuropatia Periférica dolorosa - 1ª Linha: Gabapentina e Pregabalina (nível A) Venlafaxina e Duloxetina (nível A) Antidepressivos Tricíclicos (nível A) - 2ª Linha: Tramadol (nível A) - 3ª Linha: Opiódes fortes (nível A)

26 Guideline Europeu para tratamento de Dor Neuropática Polineuropatia Periférica associada ao HIV - Lamotrigina (nível B) - Cannabis fumada (nível A) - Patch de capsaicina a 8% (nível A)

27 Guideline Europeu para tratamento de Dor Neuropática Neuralgia Pós Herpética - 1ª Linha: Lidocaína tópica (nível A) Gabapentina e Pregabalina (nível A) Antidepressivos Tricíclicos (nível A) - 2ª Linha: Opiódes fortes (nível A) Patch de capsaicina a 8% (nível A)

28 Guideline Europeu para tratamento de Dor Neuropática Neuralgia Trigeminal - 1ª Linha: Carbamazepina (nível A) Oxcarbazepina (nível B) - 2ª Linha: Lamotrigina (nível C)

29 Guideline Europeu para tratamento de Dor Neuropática Dor Neuropática Central - 1ª Linha: Pregabalina (nível A) Gabapentina (nível A em DN) Amitriptilina (nível B, nível A em DN) - 2ª Linha: Tramadol (nível B) Opióides fortes (nível B)

30 Guideline Europeu para tratamento de Dor Neuropática Dor Neuropática Central - Lamotrigina - Dor central pós AVC (nível B) - Lesão medular incompleta associada a alodínea mecânica (nível B) - Cannabinoides - Dor central da Esclerose Múltipla (nível A)

31

32

33 Antidepressivos tricíclicos (20) Amitriptilina (12), Desipramina (2), Maprotilina (1) e Nortriptilina (3), Clomipramina (1), Imipramina (1) 15 - Positivos PNP DM, PNP, NPH, DC pós AVC, Dor pós lesão de nervo periférico. NNT 3.6

34 Antidepressivos tricíclicos (20) Amitriptilina (12), Desipramina (2), Maprotilina (1) e Nortriptilina (3), Clomipramina (1), Imipramina (1) 05 Negativos DC pós lesão medular, PNP, PNP HIV, Radiculopatia, Dor na EM, Dor pós amputação

35 Antidepressivos ISRSN (14) 9 Duloxetina 30 a 120mg 6 Positivos PNP DM, PNP pós QT 3 Negativos PNP DM, DC pós AVC ou DC pós lesão medular

36 Antidepressivos ISRSN (14) 4 Venlafaxina 150 a 225 mg 2 Positivos PNP DM, PNP 2 Negativos Lesão de nervo periférico pós cirúrgica e DN

37 Antidepressivos ISRSN (14) 1 Desvenlafaxina 50 a 400mg Negativo PNP DM NNT 6,4 - ISRSR

38 Pregabalina (25) 150 a 600 mg 18 Positivos PNP DM, NPH, DC pós lesão medular 7 Negativos PNP HIV,Dor central pós AVC, PNP DM NNT 6,3

39 Gabapentina (14) 900 a 3600 mg 9 Positivos PNP DM, NPH, Dor do Membro Fantasma, DC pós lesão medular 5 Negativos DC pós lesão medular, PNP DM e lesão de nervo periférico NNT 6,3

40 Lamotrigina (10) 200 a 400 mg 4 Positivos Dor central pós AVC, PNP HIV NNT 17,8

41 Tramadol (7) Positivos PNP DM, PNP, NPH, Dor central pós lesão medular e Dor Neuropática relac. Câncer NNT 4,7

42 13 ensaios com Opióides Fortes Oxicodona (10 a 120 mg) Morfina (90 a 240 mg) 10 Positivos PNP DM, NPH NNT 4,3

43 9 ensaios com Canabinóides Sativex spray 2 Positivos Dor na EM, DN com alodínea 7 Negativos Dor na EM, PNP DM, DN

44 1 Estudo com Lidocaína tópica Patch de lidocaína a 5% DN pós cirurgica - pós incisional Estudos com menor duração para NPH foram positivos, com boa segurança e tolerabilidade

45 Capsaicina 8% (7) Patch de capsaicina a 8% 5 Positivos NPH, PNP HIV NNT 10,6

46 Toxina Botulínica tipo A (5) 50 a 200 unidades Subcutânea 5 Positivos PNP DM, NPH, DN com alodínea NNT 1,9 *um estudo não publicado com resultado negativo

47

48

49

50 OBRIGADA!

CONTROLE DA DOR. Rosmary Arias. Geriatria HSPE. Agosto 2011

CONTROLE DA DOR. Rosmary Arias. Geriatria HSPE. Agosto 2011 CONTROLE DA DOR Rosmary Arias Geriatria HSPE Agosto 2011 CONCEITO DE DOR Experiência sensorial e emocional desagradável, associada a dano real ou potencial, ou descrita em termos de tal dano. IASP) ( Associação

Leia mais

NEUROPATIA DIABÉTICA

NEUROPATIA DIABÉTICA NEUROPATIA DIABÉTICA FATORES DE RISCO Hiperglicemia crônica Idade Duração da doença Obesidade HAS Tabagismo Etilismo Dislipidemia DCV Albuminúria Retinopatia Diabética CAUSAS Ocorrem vários processos cujo

Leia mais

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Introdução Depressão é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns Classificação Depressão

Leia mais

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE Deverá ser preenchida pelo médico assistente O paciente não pode ter sido incluído na primeira fase do Epifibro Data: / / Nome: DN: / / RG: UF: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino

Leia mais

O Tratamento da Dor Neuropática

O Tratamento da Dor Neuropática Projeto ABNeuro TV Academia Brasileira de Neurologia São Paulo, Brasil Estúdio Editora Omnifarma, 08 de maio de 2014 Aula 3 O Tratamento da Dor Neuropática Pedro Schestatsky MD, PhD Neurologista, Neurofisiologista

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA SOLICITANTE Ilma Dra Valéria S. Sousa NÚMERO DO PROCESSO 0112.13.005931-7 DATA 07/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação de Obrigação de Fazer

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013

RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 RESPOSTA RÁPIDA 105 /2013 SOLICITANTE Juíza de Direito: Dr(a). Juizado Especial 0512 Pirapora NÚMERO DO PROCESSO nº0512.13 003595-3 DATA 17/05/2013 1- O medicamento solicitados Venlafaxina (Venlift),é

Leia mais

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos,

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos, Diretrizes Gerais de Abordagem das Somatizações, Síndromes ansiosas e depressivas Alexandre de Araújo Pereira Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Somatizações Transtornos Depressivos

Leia mais

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando Antidepressivos A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando alterações de ânimo, no pensamento e no

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais.

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Alternativas terapêuticas farmacológicas. Dr. João Luiz da Fonseca Martins Médico Psiquiatra Uniica . Principais

Leia mais

Farmacologia dos sedativos-hipnóticos

Farmacologia dos sedativos-hipnóticos Faculdade Mauricio de Nassau Disciplina: Farmacologia I Farmacologia dos sedativos-hipnóticos Profª. Me. Rosalina Coelho Jácome Campina Grande Insônia Ansiedade e tratamento Dificuldade em iniciar e/ou

Leia mais

Relação dos medicamentos que possuem maior demanda judicial

Relação dos medicamentos que possuem maior demanda judicial Relação dos medicamentos que possuem maior demanda judicial Pregabalina medicamento utilizado no tratamento da dor, não padronizado na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME 2014). No entanto,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 375/2013 Informações sobre Desvenlafaxina e Lamotrigina

RESPOSTA RÁPIDA 375/2013 Informações sobre Desvenlafaxina e Lamotrigina RESPOSTA RÁPIDA 375/2013 Informações sobre Desvenlafaxina e Lamotrigina SOLICITANTE Sra LÚCIA HELENA FERREIRA ESCRIVÃ JUDICIAL Juizado Especial da Comarca de Pará de Minas - MG NÚMERO DO PROCESSO Nº 0471-13-017860-4.

Leia mais

ANTIDEPRESSIVOS ANTICONVULSIVANTES NO TRATAMENTO DA DOR

ANTIDEPRESSIVOS ANTICONVULSIVANTES NO TRATAMENTO DA DOR ANTIDEPRESSIVOS ANTICONVULSIVANTES NO TRATAMENTO DA DOR Dr. Sidney Sredni CURSO DE FISIOLOGIA E TERAPÊUTICA DA DOR - 2015 ANTICONVULSIVANTES As observações iniciais do uso de fenitoina para tratamento

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a causa mais comum de dor musculoesquelética generalizada. É a enfermidade reumática mais frequente Os primeiros relatos datam de 1850, onde os pacientes

Leia mais

Fármacos anticonvulsivantes. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia

Fármacos anticonvulsivantes. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Epilepsia: O segundo mais freqüente distúrbio neurológico depois do AVE Terapia padrão é capaz

Leia mais

USO DE MEDICAMENTOS NO ABANDONO DO TABAGISMO

USO DE MEDICAMENTOS NO ABANDONO DO TABAGISMO USO DE MEDICAMENTOS NO ABANDONO DO TABAGISMO Silvia Cardoso Bittencourt Médica /Professora Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL) TABAGISMO O tabagismo é um dos fatores que mais contribui para

Leia mais

Desordens Pisiquiátricas

Desordens Pisiquiátricas Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de Saúde Desordens Pisiquiátricas Manoelito Coelho dos Santos Junior Feira de Santana Conceitos Básicos Sedativo: efeito calmante Ansiolíticos: reduz

Leia mais

Fármacos AntiDepressivos

Fármacos AntiDepressivos Fármacos AntiDepressivos Prof. Dr. Marcos Moreira Prof. Adjunto de Farmacologia, ICB/UFJF Prof. Adjunto de Neurologia, FCMS/JF/SUPREMA Roteiro de Apresentação Definição de depressão; Histórico dos antidepressivos;

Leia mais

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35 Índice Parte 1 - Bases para a terapêutica com fármacos antiepilépticos Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica... 19 Classificação das Crises Epilépticas (1981)... 20 Classificação

Leia mais

Terapêutica Farmacológica nas Perturbações do Espectro Autista

Terapêutica Farmacológica nas Perturbações do Espectro Autista Terapêutica Farmacológica nas Perturbações do Espectro Autista Paula Correia,, Armando Fernandes, Miguel Palha Centro de Desenvolvimento Infantil- Hospital Santa Maria Patologia Pervasiva do Desenvolvimento

Leia mais

Síndrome Dolorosa Regional Complexa: Tratamento Farmacológico

Síndrome Dolorosa Regional Complexa: Tratamento Farmacológico CAPÍTULO 131 Síndrome Dolorosa Regional Complexa: Tratamento Farmacológico Amaury Sanches de Oliveira * Não há, até o momento, um algoritmo de tratamento para Síndrome Dolorosa Complexa Regional (SDCR)

Leia mais

Drogas do Sistema Nervoso Central

Drogas do Sistema Nervoso Central Drogas do Sistema Nervoso Central Depressão Conceito: Transtorno do humor(abaixamento persistente de humor) que influencia profundamente o comportamento e o pensamento, uma síndrome com sintomas e sinais

Leia mais

Medicina PADRÃO DE RESPOSTA

Medicina PADRÃO DE RESPOSTA Medicina PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

18/03/2015 Os medicamentos utilizados para tratamento de depressão ajudam os fumantes que estão tentando parar de fumar? Cochrane

18/03/2015 Os medicamentos utilizados para tratamento de depressão ajudam os fumantes que estão tentando parar de fumar? Cochrane Cochrane Evidências confiáveis. Decisões bem informadas. Melhor saúde. Os medicamentos utilizados para tratamento de depressão ajudam os fumantes que estão tentando parar de fumar? Introdução e objetivos

Leia mais

ANSIEDADE E DEPRESSÃO

ANSIEDADE E DEPRESSÃO ANSIEDADE E DEPRESSÃO PSICOPATOLOGIA E ASPECTOS DIAGNÓSTICOS Definição de Dor (IASP, 1979) Dor segundo a definição de Meskley, aceita pela IASP é: Experiência sensorial e emocional desprazerosa associada

Leia mais

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI Princípios do Tratamento da Dor Oncológica Odiléa Rangel Gonçalves Serviço de Anestesiologia Área de Controle da Dor Princípios do Tratamento da Dor Oncológica

Leia mais

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente Data: / / Nome: 1) Avaliação de melhora pelo paciente (NÃO USAR NA PRIMEIRA): Muito pior Pior Igual Melhor Muito melhor 2) Índice de dor generalizada:

Leia mais

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa Anticonvulsivantes Epilepsia! Transtorno neurológico crônico que atinge 0,5 1% da população.! Caracterizada por crises súbitas e espontâneas associadas à descarga anormal, excessiva e transitória de células

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina)

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) 22/06/2014 RESPOSTA RÁPIDA 330/2014 Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) SOLICITANTE :Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito de Itapecerica - MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Farmacologia dos transtornos de ansiedade. Profa. Dra. Thais Porto Ribeiro Pós-doutorado na Université de Strasbourg - FRANÇA

Farmacologia dos transtornos de ansiedade. Profa. Dra. Thais Porto Ribeiro Pós-doutorado na Université de Strasbourg - FRANÇA Farmacologia dos transtornos de ansiedade Profa. Dra. Thais Porto Ribeiro Pós-doutorado na Université de Strasbourg - FRANÇA Grego: ANSHEIN que significa OPRIMIR/ SUFOCAR O que é ansiedade? Angústia: Desejo,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 185/2014 Informações sobre Depressão Donarem retard, Venlaxin, Frontal e Léptico

RESPOSTA RÁPIDA 185/2014 Informações sobre Depressão Donarem retard, Venlaxin, Frontal e Léptico RESPOSTA RÁPIDA 185/2014 Informações sobre Depressão Donarem retard, Venlaxin, Frontal e Léptico SOLICITANTE Dr. Rafael Murad Brumana Juiz de Direito de Lajinha NÚMERO DO PROCESSO Autos nº Nº 0377.14.000747-9

Leia mais

Tratamento da Hiperprolactinemia

Tratamento da Hiperprolactinemia 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Tratamento da Hiperprolactinemia Quando, Como e até Quando? Érica Correia Garcia Érica Correia Garcia Eixo Hipotálamo Hipófise PRL Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO. Transtornos do humor ou transtornos afetivos:

INTRODUÇÃO. Transtornos do humor ou transtornos afetivos: ANTIDEPRESSIVOS Profª. MSc. INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO Transtornos do humor ou transtornos afetivos: Unipolar ocorrência de episódios depressivos; Bipolar ocorrência de episódios depressivos e de mania. INTRODUÇÃO

Leia mais

Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012. Solicitante: Medicamento Material Procedimento Cobertura. Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade

Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012. Solicitante: Medicamento Material Procedimento Cobertura. Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012 Solicitante: Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Desembargadora 1ª Câmara Cível do TJMG Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Uso do ácido alfa lipóico

Leia mais

IV Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da dor

IV Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da dor IV Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da dor 64% pacientes com câncer avançado (Breitbart et al, 1996) Subtratamento em 40 % (Cohen et al, 2003) Intrumentos usados para investigar

Leia mais

Ansiedade Edvard Munch 1894

Ansiedade Edvard Munch 1894 Ansiedade Edvard Munch 1894 Ansiolíticos Fármacos utilizados no tratamento da ansiedade, reduzir sintomas ou intensidade das crises Hipnóticos São fármacos que causam sonolência e facilitam o início e

Leia mais

FREUD, S. (1915). Luto e melancolia. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1969.

FREUD, S. (1915). Luto e melancolia. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1969. FREUD, S. (1915). Luto e melancolia. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1969. v. 14. DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e Semiologia

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.1563-7 DATA

Leia mais

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP DOR E CEFALEIA Profa. Dra. Fabíola Dach Divisão de Neurologia FMRP-USP Dor Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo

Leia mais

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Curso de atualização 2013 Ilka Lopes Santoro Disciplina de Pneumologia Unifesp - EPM Objetivos Definições e Princípios Ações Controle da dor

Leia mais

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria......

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... 27/06/16 Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... na ausência de causa infecciosa ou outra doença que

Leia mais

Doxepina e Piroxicam. No tratamento da Cistite Intersticial

Doxepina e Piroxicam. No tratamento da Cistite Intersticial Doxepina e Piroxicam No tratamento da Cistite Intersticial Doxepina e Piroxicam No tratamento da Cistite Intersticial A cistite intersticial (CI), também conhecida como síndrome da bexiga dolorosa consiste

Leia mais

FARMACOLOGIA CURSO DE FARMÁCIA. SISTEMA NERVOSO CENTRAL Prof. Cezar

FARMACOLOGIA CURSO DE FARMÁCIA. SISTEMA NERVOSO CENTRAL Prof. Cezar FARMACOLOGIA CURSO DE FARMÁCIA SISTEMA NERVOSO CENTRAL Prof. Cezar DROGAS PSICOTRÓPICAS Conceito: drogas com tropismo para o SNC e que afetam o humor e o comportamento. Classificação-sugerida pela OMS

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Ansiedade Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Manifestações somá4cas freqüentemente associadas:(palpitação torácica,sudorese,tremores Ansiedade Manifestações leves ou

Leia mais

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Distúrbios do Na+ MARIANA PEREIRA RIBEIRO 6 SEMESTRE 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Principais problemas clínicos na emergência; Cuidado com pacientes críticos: Grande queimado; Trauma; Sepse; ICC e IRA; Iatrogenia.

Leia mais

Dor na Criança Não Oncológica

Dor na Criança Não Oncológica Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor Equipe de Controle de Dor Divisão de Anestesia HCFMUSP - 2016 Dor na Criança Não Oncológica Sandra Caires Serrano, MD, MSc Pediatra,

Leia mais

SERVIÇO DE DOR E CUIDADOS PALIATIVOS PROVA DE SELEÇÃO 2016 RESIDÊNCIA MÉDICA EM DOR

SERVIÇO DE DOR E CUIDADOS PALIATIVOS PROVA DE SELEÇÃO 2016 RESIDÊNCIA MÉDICA EM DOR 1) De acordo com a International Association for the Study of Pain (IASP), dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. A dor pode ser classificada

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 203/2014 Informações sobre Venlafaxina e Olanzapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 203/2014 Informações sobre Venlafaxina e Olanzapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 203/2014 Informações sobre Venlafaxina e Olanzapina no tratamento da depressão SOLICITANTE Dr Rafael Murad Brumana Juiz de Direito Comarca de Lajinha/MG NÚMERO DO PROCESSO Nº º 0377.14.000269-4

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 150/2014 Informações sobre Depressão: Sertralina

RESPOSTA RÁPIDA 150/2014 Informações sobre Depressão: Sertralina RESPOSTA RÁPIDA 150/2014 Informações sobre Depressão: Sertralina SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Autos nº 112.14.001897-2

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona SOLICITANTE Drª Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial -Pirapora NÚMERO DO PROCESSO

Leia mais

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor - 2015 Dr. Sidney Sredni

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor - 2015 Dr. Sidney Sredni Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor - 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP Dr. Sidney Sredni DEFINIÇÃO

Leia mais

Farmacoterapia na Depressão

Farmacoterapia na Depressão Farmacoterapia na Depressão TRANSTORNOS MENTAIS Entendem-se como transtornos mentais e comportamentais condições clinicamente significativas caracterizadas por alterações do modo de pensar e do humor (emoções)

Leia mais

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica DRA KAREN SANTOS FERREIRA Neurologista do Ambulatório de Cefaléias e Dor Neuropática do Hospital das Clínicas da FMRP USP Especialista

Leia mais

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 Data: 05/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz Daniel da Silva Ulhoa Número do processo: 0687130020043-5 MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO RESSÃO, FIBROMIALGIA,

Leia mais

(...) Consumidores Para o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), as operadoras não apresentam justificativas técnicas para inclusões ou

(...) Consumidores Para o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), as operadoras não apresentam justificativas técnicas para inclusões ou 28 29 30 CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA-PR - EDITAL 058/2016 DATA DA PROVA: 08/05/2016 PERÍODO DA PROVA: MANHÃ CARGO: MÉDICO PSIQUIATRA 23 24 25 26 27 LEIA AS INSTRUÇÕES ABAIXO ANTES

Leia mais

Transtornos podem ser considerados como Psíquicos Psiquiátricos

Transtornos podem ser considerados como Psíquicos Psiquiátricos Transtornos podem ser considerados como Psíquicos Psiquiátricos Alguns autores colocam como alterações de comportamento não acompanhadas de alterações de consciência Conceito de neurose Conceito de psicose

Leia mais

Internato de Anestesiologia

Internato de Anestesiologia Internato de Anestesiologia Serviço de Anestesiologia do C.H.S. João, EPE Estágio opcional em Dor Crónica (Portaria nº 49/2011 de 26 de janeiro de 2011) O tratamento da dor crónica deve ser encarado como

Leia mais

SUMAX succinato de sumatriptana

SUMAX succinato de sumatriptana SUMAX succinato de sumatriptana APRESENTAÇÕES Sumax 50 mg - Comprimidos revestidos com 50 mg de sumatriptana em embalagens com 2 comprimidos revestidos. Sumax 100 mg - Comprimidos revestidos com 100 mg

Leia mais

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia Data: 14/05/2014 NOTA TÉCNICA 88/2014 Medicamento x Material Procedimento x Cobertura x Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Processo: 006658-71.2014.8.13.0525 Requerente: IRAILDES

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

1 -Polimialgia reumática (dor crônica)

1 -Polimialgia reumática (dor crônica) RESPOSTA RÁPIDA 131/2014 Medicamentos para diabetes e depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Renata Perdigão Juiza de Campo Belo 0112.14.001472-4 DATA 13/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação Cominatória

Leia mais

SUMAX (succinato de sumatriptana) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimido Revestido 50 e 100 mg

SUMAX (succinato de sumatriptana) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimido Revestido 50 e 100 mg SUMAX (succinato de sumatriptana) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimido Revestido 50 e 100 mg SUMAX succinato de sumatriptana APRESENTAÇÕES Sumax 50 mg - Comprimidos revestidos com 50 mg de sumatriptana

Leia mais

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO SINTOMAS Emocionais --> tristeza, fossa, baixo astral ansiedade irritabilidade anedonia Psicológicos --> culpa, sensação

Leia mais

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ASSISTÊNCIA MULDISCIPLINAR AO PACIENTE POLITRAUMATIZADO Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina

Leia mais

Nevralgia do trigêmeo NEVRALGIA DO TRIGÊMIO

Nevralgia do trigêmeo NEVRALGIA DO TRIGÊMIO Nevralgia do trigêmeo NEVRALGIA DO TRIGÊMIO A Classificação Internacional das Cefaleias: é o resultado de um esforço grandioso para elaborar um sistema taxonômico das diferentes condições que ocorrem com

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

citalopram Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

citalopram Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 citalopram Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 20 mg. Embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido

Leia mais

TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE

TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE São assim

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

Efortil. cloridrato de etilefrina 10 mg/ml. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder à sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Efortil. cloridrato de etilefrina 10 mg/ml. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder à sua leitura antes de utilizar o medicamento. Efortil cloridrato de etilefrina 10 mg/ml Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder à sua leitura antes de utilizar o medicamento. Forma farmacêutica e apresentação Solução injetável: embalagem

Leia mais

Quet XR hemifumarato de quetiapina. Eurofarma Laboratórios S.A. comprimido revestido de liberação prolongada 50 mg

Quet XR hemifumarato de quetiapina. Eurofarma Laboratórios S.A. comprimido revestido de liberação prolongada 50 mg Quet XR hemifumarato de quetiapina Eurofarma Laboratórios S.A. comprimido revestido de liberação prolongada 50 mg Quet XR hemifumarato de quetiapina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Antidepressivos, Anticonvulsivantes e

Antidepressivos, Anticonvulsivantes e IV PROGRAMA DE FISILOPATOLOGIA E TRATAMENTO DA DOR Antidepressivos, Anticonvulsivantes e Antidepressivos, Anticonvulsivantes e Neurolépticos Neurolépticos IV Curso de Fisiologia e Terapêutica da Dor Dr.

Leia mais

RESULTADO DA REVISÃO DA LITERATURA

RESULTADO DA REVISÃO DA LITERATURA Nota Técnica 23/2013 Data: 08/03/2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível - TJMG Número do processo: 1.0188.12.008285-7/001 Medicamento Material Procedimento Cobertura x TEMA:

Leia mais

CLORIDRATO DE CICLOBENZAPRINA. BIOSINTÉTICA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido 5 mg e 10 mg

CLORIDRATO DE CICLOBENZAPRINA. BIOSINTÉTICA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido 5 mg e 10 mg CLORIDRATO DE CICLOBENZAPRINA BIOSINTÉTICA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido 5 mg e 10 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

Anexo C. (alteração a medicamentos autorizados nacionalmente)

Anexo C. (alteração a medicamentos autorizados nacionalmente) Anexo C (alteração a medicamentos autorizados nacionalmente) ANEXO I CONCLUSÕES CIENTÍFICAS E FUNDAMENTOS RECOMENDANDO A ALTERAÇÃO AOS TERMOS DA(S) AUTORIZAÇÃO(ÇÕES) DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Conclusões

Leia mais

SEROQUEL XRO hemifumarato de quetiapina

SEROQUEL XRO hemifumarato de quetiapina SEROQUEL XRO hemifumarato de quetiapina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SEROQUEL XRO hemifumarato de quetiapina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de liberação prolongada de 50 mg em embalagens com 10

Leia mais

citalopram Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg

citalopram Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg citalopram Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg citalopram Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 20 mg FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos - Embalagem contendo 30 comprimidos

Leia mais

TOFRANIL PAMOATO pamoato de imipramina. APRESENTAÇÕES Cápsulas. Embalagens com 30 cápsulas de 75 ou 150 mg. VIA ORAL USO ADULTO

TOFRANIL PAMOATO pamoato de imipramina. APRESENTAÇÕES Cápsulas. Embalagens com 30 cápsulas de 75 ou 150 mg. VIA ORAL USO ADULTO TOFRANIL PAMOATO pamoato de imipramina APRESENTAÇÕES Cápsulas. Embalagens com 30 cápsulas de 75 ou 150 mg. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Tofranil Pamoato 75 mg: cada cápsula contém 112,5 mg de pamoato

Leia mais

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina MIOSAN cloridrato de ciclobenzaprina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 5 mg. Caixas com 4, 10 e 30 comprimidos. Comprimidos revestidos de 10 mg. Caixas com 10 e 30 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

Terapêutica Farmacológica da Dor Neuropática

Terapêutica Farmacológica da Dor Neuropática 2011/2012 Márcia Filipa Pereira Leite Terapêutica Farmacológica da Dor Neuropática março, 2012 Márcia Filipa Pereira Leite Terapêutica Farmacológica da Dor Neuropática Mestrado Integrado em Medicina Área:

Leia mais

Obesidade Mórbida Protocolos

Obesidade Mórbida Protocolos Obesidade Mórbida Protocolos Para análise da solicitação de cirurgia de Obesidade Mórbida, é imprescindível o envio à CABESP da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1- Protocolo 01 - solicitação

Leia mais

cloridrato de ciclobenzaprina

cloridrato de ciclobenzaprina cloridrato de ciclobenzaprina Bula para paciente Comprimido revestido 5 mg e 10 mg cloridrato de ciclobenzaprina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido Revestido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES:

Leia mais

cloridrato de ciclobenzaprina

cloridrato de ciclobenzaprina cloridrato de ciclobenzaprina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica. Comprimidos Revestidos 5 mg e 10 mg cloridrato de ciclobenzaprina Medicamento Genérico, Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

Atip XR (hemifumarato de quetiapina)

Atip XR (hemifumarato de quetiapina) Atip XR (hemifumarato de quetiapina) Supera Farma Laboratórios S.A Comprimidos revestidos de liberação prolongada 50 mg ATIP XR Hemifumarato de quetiapina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 186/2014 Informações sobre: Sertralina,Alprazolan,Galvus e Stanglit

RESPOSTA RÁPIDA 186/2014 Informações sobre: Sertralina,Alprazolan,Galvus e Stanglit RESPOSTA RÁPIDA 186/2014 Informações sobre: Sertralina,Alprazolan,Galvus e Stanglit SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr Rafael Murad Brumana Juíz de Direito Lajinha Autos nº 0377.14.000745-3 DATA 13/04/2014

Leia mais

GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O MÉDICO

GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O MÉDICO Comprimidos sublinguais de fentanilo GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O MÉDICO Versão 1 aprovada em Janeiro de 2016 Informação para profissionais de saúde habilitados a prescrever. Antes de prescrever Vellofent,

Leia mais

Prolift mesilato de reboxetina

Prolift mesilato de reboxetina Prolift mesilato de reboxetina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Prolift Nome genérico: mesilato de reboxetina APRESENTAÇÕES: Prolift comprimidos de 4mg em embalagens contendo 20 comprimidos.

Leia mais

Dores não oncológicas na criança

Dores não oncológicas na criança Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor - 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP Dores não oncológicas

Leia mais

Lista de medicamentos genéricos registrados sujeitos a controle especial - ordem alfabética

Lista de medicamentos genéricos registrados sujeitos a controle especial - ordem alfabética Lista de medicamentos genéricos registrados sujeitos a controle especial - ordem alfabética Atualizada até o Diário Oficial da União de 05/02/2009 Genérico Detentor Referência Concentração Forma farmacêutica

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina SOLICITANTE Drª Kellen Cristini de Sales e Souza Juíza de Direito da Comarca de Paraopeba NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0474.14.001582-4

Leia mais

SUPERA MÓDULO 5: ENCAMINHAMENTO DE PESSOAS DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

SUPERA MÓDULO 5: ENCAMINHAMENTO DE PESSOAS DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS SUPERA MÓDULO 5: ENCAMINHAMENTO DE PESSOAS DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS CAPÍTULO 1: Tratamentos farmacológicos utilizados no tratamento de pessoas dependentes de substâncias Flávio Pechansky

Leia mais

EUTÍMICO EUTÍMICO 03/02/2014

EUTÍMICO EUTÍMICO 03/02/2014 Prof. José Reinaldo do Amaral EUTÍMICO Eficaz no controle da maniae da hipomania Eficaz no controle da depressão Sempioraro póloopostoda doença Eficaz naprofilaxiada maniae da depressão Estabiliza o humor

Leia mais

Cefaléias e Algias da Face

Cefaléias e Algias da Face Dr. Roberto Caron - Neurofepar 1 Cefaléias e Algias da Face As questões mais importantes a serem respondidas durante a abordagem de qualquer paciente com cefaléia são: 1. A cefaléia é primária ou secundária?

Leia mais