ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES NOTAS DE UMA PARCERIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES NOTAS DE UMA PARCERIA"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO NACIONAL CONTRA A FIBROMIALGIA E SÍNDROME DEFADIGACRÓNICA (MYOS) APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES V

2

3

4 4 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES b) Âmbito da Associação A Myos Associação Nacional Contra a Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica é uma associação não médica sem fins lucrativos, para a defesa do doente e para o desenvolvimento do conhecimento dos doentes, dos técnicos de saúde e do público em geral. Esta associação tem sede em Lisboa e delegações no Porto, Coimbra, Setúbal, Évora, Viseu e Funchal. A Myos tem como âmbito o território nacional e os seus objectivos incluem a divulgação, a promoção de assistência e da Investigação médicas sobre a Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica e a sua terapêutica, a defesa dos direitos dos doentes, o apoio a doentes e suas famílias. c) Áreas de actuação e actividades principais Para a realização dos seus objectivos a Myos propõe-se: Divulgar e informar sobre as patologias; Defender os direitos dos doentes junto das estruturas sociais e das entidades públicas e privadas; Desenvolver acções de solidariedade para com os doentes; Promover também acções lúdicas para o bem-estar dos doentes e seus familiares no contexto da doença; Para permitir os objectivos expostos propõe-se também a angariação de fundos para promover a assistência e a investigação sobre a Fibromialgia e a Síndrome de fadiga Crónica. 3. PARTICIPAÇÃO DA MYOS EM ORGANISMOS NACIONAIS Associada da Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas. Participação na EULAR 2003;

5 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES 5 Participação no Fórum de Doenças Reumáticas Lisboa, em Outubro de 2003; Organização do 1º Congresso de Fibromialgia da Myos Porto, em Outubro de 2003; Participação no 1º Congresso da Plataforma Saúde em Diálogo Lisboa, em Outubro de 2003; Participação na Assinatura do Protocolo do Observatório Nacional de Doenças Reumáticas; 4. AS DOENÇAS: O QUE SÃO A FIBROMIALGIA E A SÍNDROME DE FADIGA CRÓNICA São doenças crónicas ainda que os seus sintomas variem em intensidade e possam mesmo desaparecer ou diminuir temporariamente para reaparecerem mais tarde. Essas variações podem estar relacionadas com mudanças de tempo, ambiente frio, alterações hormonais, stress, depressão, ansiedade ou um esforço maior que o habitual. A gravidade dos sintomas torna estas situações clínicas não só debilitantes como também frequentemente, incapacitantes, embora o doente aparenta muitas vezes estar bem. Por falta de divulgação, muitos médicos não reconhecem ainda estas situações clínicas o que implica que muitos doentes ou não estejam sequer diagnosticados ou estejam mal diagnosticados e sofram, em silêncio, não só os sintomas como também a incompreensão e a discriminação decorrentes da doença. Quais os sintomas? Os sintomas são variáveis de pessoa para pessoa e, na mesma pessoa, variam ao longo do tempo, o que dificulta o tratamento e a própria adaptação do doente a um novo estilo de vida que lhe permita lidar com a doença. Os doentes de Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica apresentam queixas de natureza imunoneuroendócrina, cognitiva, emocional e músculo-esquelética. Entre os principais sintomas assinalam-se a fadiga crónica, dores musculares e articulares, alterações de sono e sono não reparador, alterações psicológicas, às vezes depressão e/ou

6 6 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES ansiedade, alergias, dores de cabeça e/ou enxaquecas, repetidas inflamações de garganta, perturbações gastrointestinais, tonturas, formigueiro nas mãos e perturbações cognitivas como lapsos de memória e dificuldades de concentração. Como se faz o diagnóstico? Até à data não há análises ou testes que comprovem a existência destas doenças. Individualmente os sintomas são comuns a outras situações clínicas mas a conjugação deles, por um período de tempo prolongado, numa pessoa que, anteriormente, não padecia deles e com uma tal gravidade que provoca alteração radical na rotina da pessoa, permite que se faça o diagnóstico por exclusão. Quais as causas? As causas são desconhecidas mas parecem relacionadas com a desregulação de determinadas substâncias do sistema nervoso central. O stress psicológico, a patologia imuológica e endocrinológica parecem contribuir para o desenvolvimento ou manutenção destas situações clínicas. Critérios de diagnóstico da Síndrome de Fadiga Crónica: Critérios Major Fadiga Crónica Fadiga não provocada por actividade A fadiga não melhora com o repouso A fadiga provoca redução nas actividades profissionais, educacionais, sociais e pessoais Critérios Minor Mialgias Odinofagia Sono não reparador Poliartralgias, sem edema ou vermelhidão Cefaleias de tipo, padrão ou gravidade diferentes Gânglios linfáticos cervicais ou axilares dolorosos

7 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES 7 Mal-estar que persiste por mais de 24 horas após exercício Diminuição da memória recente ou na concentração Critérios de diagnóstico da Fibromialgia Dores generalizadas Fadiga Insónia Rigidez matinal Cólon irritável Infecções do tracto urinário Sono não reparador Intolerância ao frio Dores de cabeça Problemas emocionais Perturbações da atenção, concentração e memória Mais resumidamente os critérios de diagnóstico são: Duração superior a três meses de: Dor difusa pelo corpo; Dor à palpação de 11 dos 18 pontos dolorosos; E, pelo menos, mais dois dos quatro sintomas seguintes: Fadiga; Alterações do sono; Perturbações emocionais; Dores de cabeça; Classificação pela OMS A Síndrome de Fadiga Crónica foi classificada pela OMS em 1990 com o código G93.3, na categoria das doenças do sistema nervoso. A Fibromialgia foi classificada pela OMS em 1990 com o código M79.0 e reconhecida, em 1992, como uma doença reumática.

8 8 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES Quem pode adoecer? Estas doenças atingem homens, mulheres e crianças de todas as etnias e grupos sócio-económicos. Estima-se que sofrem de FM/SFC entre 2 a 8% da população adulta, dependendo dos países. Da população atingida, entre 80 a 90% serão mulheres entre os 30 e os 50 anos. 5. FUTURO O Futuro na área de intervenção da Myos passa pelo reforço das acções de apoio aos doentes, a saber: Inauguração de sede própria; Continuidade de assinatura de acordos com entidades públicas e privadas que possam apoiar com cuidados médicos e assistência social os doentes; Continuação a nível social e nos media da divulgação de todas as informações respeitantes à Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica, fazendo chegar folhetos a médicos, entidades patronais e doentes, assim como a todas as entidades oficiais relevantes: Realização de conferências, reuniões e ciclos de estudo sobre as patologias; Continuidade dos grupos de auto-ajuda existentes e criação de novos em Portugal continental e ilhas; Colaboração com os serviços oficiais existentes ou a criar; Criação de um boletim informativo sobre as patologias; Construção de um site; Colaboração com associações congéneres;

9 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES 9

10 10 APIFARMA / ASSOCIAÇÕES DE DOENTES

3. Sensação subjetiva de inflamação articular e rigidez matinal;

3. Sensação subjetiva de inflamação articular e rigidez matinal; FIBROMIALGIA E A OZONOTERAPIA O QUE É A FIBROMIALGIA? É uma doença de causa desconhecida cujo sintoma principal é dor músculo esquelética crónica generalizada acompanhada de sintomas que alteram as atividades

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Mente Sã Corpo São! Unidade de Cuidados na Comunidade Centro de Saúde de Alfândega da Fé Elaborado por: Rosa Correia

Leia mais

Promover a qualidade de vida dos doentes e familiares com Fibromialgia e Doenças Crónicas, através do desenvolvimento de projectos que implementem a

Promover a qualidade de vida dos doentes e familiares com Fibromialgia e Doenças Crónicas, através do desenvolvimento de projectos que implementem a Promover a qualidade de vida dos doentes e familiares com Fibromialgia e Doenças Crónicas, através do desenvolvimento de projectos que implementem a criação de práticas, para a formação e desenvolvimento

Leia mais

Para: Geral AR Âmbito: Outro Nome: Joana Filipa Santos Mensagem: Petição em defesa de todos os doentes portadores de Fibromialgia

Para: Geral AR Âmbito: Outro Nome: Joana Filipa Santos Mensagem: Petição em defesa de todos os doentes portadores de Fibromialgia De: noreply@ar.parlamento.pt [mailto:noreply@ar.parlamento.pt] Enviada: segunda-feira, 21 de Março de 2016 21:11 Para: www Team Assunto: Correio do Cidadão - Petição pública

Leia mais

Benefícios gerais da actividade física

Benefícios gerais da actividade física Organização e Desenvolvimento Desportivo 2010/2011 Carmen Pereira Benefícios gerais da actividade física Introdução Benefícios gerais da actividade física Um dos principais aspectos que aumentou consideravelmente

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a causa mais comum de dor musculoesquelética generalizada. É a enfermidade reumática mais frequente Os primeiros relatos datam de 1850, onde os pacientes

Leia mais

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família O Impacto Psicossocial do Cancro na Família Maria de Jesus Moura Psicóloga Clínica Unidade de Psicologia IPO Lisboa ATÉ MEADOS DO SEC.XIX Cancro=Morte PROGRESSOS DA MEDICINA CURA ALTERAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face.

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face. ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Dores na mandíbula e na face. O que é ATM? ATM significa articulação temporomandibular, que é a articulação entre a mandíbula e o crânio. Portanto, temos duas ATM, cada

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado

SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado PELA MANHÃ VOCÊ SE SENTE ASSIM? E NO TRABALHO, VOCÊ SE SENTE ASSIM? SUA VIDA ESTA ASSIM? OU TUDO ESTA ASSIM? ESTRESSE Ocorre diante de uma situação (real ou imaginária)

Leia mais

Doenças do Sistema Nervoso

Doenças do Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Doenças do Sistema Nervoso Alzheimer degenerativa, isto é, que produz atrofia, progressiva, com início mais frequente após os 65 anos, que produz a perda das habilidades de pensar, raciocinar,

Leia mais

STRESSOCUPACIONAL E PRÁTICAS MINDFULNESS

STRESSOCUPACIONAL E PRÁTICAS MINDFULNESS de Higiene e Segurança no Trabalho STRESSOCUPACIONAL E PRÁTICAS MINDFULNESS Sara Ponte Mestrado em Medicina Tradicional Chinesa ICBAS UP Medicina Geral e Familiar - Médica Interna de Formação Especifica

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A "SÍNDROME DE FADIGA CRÔNICA"

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A SÍNDROME DE FADIGA CRÔNICA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A "SÍNDROME DE FADIGA CRÔNICA" Se você vem, nos últimos meses, sendo

Leia mais

DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO

DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO ESTA FARMÁCIA CUIDA DE SI DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO ESTA FARMÁCIA CUIDA DE SI O QUE É A DEPRESSÃO? A depressão é uma perturbação do humor que interfere na capacidade para funcionar

Leia mais

Dor de Cabeça ou cefaleia

Dor de Cabeça ou cefaleia MEDICAMENTOS NÃO SUJEITOS A RECEITA MÉDICA PARA UMA SAÚDE RESPONSÁVEL Dor de Cabeça ou cefaleia tratardemim@apifarma.pt www.apifarma.pt/tratardemim www.facebook.com/ programatratardemim VENCEDOR Tipos

Leia mais

SINAIS DE PERTURBAÇÕES FUNCIONAIS

SINAIS DE PERTURBAÇÕES FUNCIONAIS SINAIS DE PERTURBAÇÕES FUNCIONAIS FORMAÇÃO, Comunicação profissional 2016 - Porto, Lisboa e Almancil CLINICAL NUTRICION DEVELOPMENT AND APPLICATIONS (CNDA) FUNÇÃO VITALIDADE GERAL Astenia. Sexualidade

Leia mais

Referenciação à Consulta de Reumatologia

Referenciação à Consulta de Reumatologia Referenciação à Consulta de Reumatologia O Serviço de Reumatologia do HSM é responsável pela assistência em ambulatório de doentes com patologia da sua especialidade. Contudo dada a enorme prevalência

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS

DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS EpiReumaPt Estudo Epidemiológico das Doenças Reumáticas em Portugal DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS DADOS GERAIS 1ª fase questionário CESOP (auto-reporte) Sócio-demográficos Data de nascimento / Idade

Leia mais

Qualidade de Vida 02/03/2012

Qualidade de Vida 02/03/2012 Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Descreve a qualidade das condições de vida levando em consideração fatores como saúde, educação, expectativa de vida, bem estar físico, psicológico, emocional e mental.

Leia mais

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DE RECURSOS HUMANOS 1. DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO AO UN GLOBAL COMPACT A APESPE RH- Associação Portuguesa

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa

O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa Prevenção das lesões músculo-esqueléticas (LME) O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa Os objectivos comunitários no âmbito da Estratégia de Lisboa prevêem a criação de empregos

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA

ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA HISTÓRICO 1904 Gowers Fibrosite 1981 Yunus Fibromialgia ASPECTOS GERAIS DA FIBROMIALGIA FIBRO fibras de tecido conjuntivo MIA músculo ALGIA dor ou condição dolorosa EPIDEMIOLOGIA CONCEITO 5% da população

Leia mais

Prof. Coordenador - Escola Sup. de Enfermagem do Porto. Presidente da Sociedade Port. de Enf. de Saúde Mental

Prof. Coordenador - Escola Sup. de Enfermagem do Porto. Presidente da Sociedade Port. de Enf. de Saúde Mental Estado da Arte em de Saúde Mental Prática Clínica em de Saúde Mental e Psiquiátrica Carlos Sequeira, PhD. Prof. Coordenador - Escola Sup. de do Porto Presidente da Sociedade Port. de Enf. de Saúde Mental

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar?

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA Idade vs Riscos Psicossociais. Como actuar? Competitividade -Produtividade Competitividade Produtividade

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

ANEXO I QUESTIONÁRIO SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE E ALGUNS FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR NO ESTADO DE SAÚDE. Data da 1ª coleta de informações: / /2016.

ANEXO I QUESTIONÁRIO SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE E ALGUNS FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR NO ESTADO DE SAÚDE. Data da 1ª coleta de informações: / /2016. ANEXO I QUESTIONÁRIO SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE E ALGUNS FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR NO ESTADO DE SAÚDE O presente Questionário tem como objetivos informar o estado de saúde do aluno para que o profissional

Leia mais

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É ESTRESSE? Estresse não é um diagnóstico, doença, ou síndrome. Estresse é um conjunto de sintomas emocionais ou físicos, não

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

Plataforma Saúde em Diálogo. Novembro/2016

Plataforma Saúde em Diálogo. Novembro/2016 Plataforma Saúde em Diálogo Novembro/2016 Plataforma Saúde em Diálogo A Plataforma Saúde em Diálogo é uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social), constituída por 44 entidades Associações

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

M4769 Adenda PF2009 Out-Dez.qxd:Adenda 8/7/09 11:02 AM Page 1 SETEMBRO/DEZEMBRO

M4769 Adenda PF2009 Out-Dez.qxd:Adenda 8/7/09 11:02 AM Page 1 SETEMBRO/DEZEMBRO SETEMBRO/DEZEMBRO Setembro a Dezembro EPGSG - Adenda ao Plano de Formação 2009 Norte FARMACOTERAPIA Dermatologia E Depois do Verão: Cuidados a ter 25 de Setembro Porto 7h a) 175 140 Doenças da Pele: Alopécia

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * ETAPA de MITIGAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde da área do hospital ou pelo Delegado de Saúde de residência do doente em colaboração

Leia mais

Onde vê a inserção (referencia aos documentos) forneça as seguintes informações para cada documento:

Onde vê a inserção (referencia aos documentos) forneça as seguintes informações para cada documento: Questionário traduzido Por uma questão de simplicidade, usamos o termo promoção da saúde para abranger a promoção da saúde, a educação para a saúde e os aspectos relacionados com as práticas públicas de

Leia mais

Tratamento Com freqüência, é possível se prevenir ou controlar as cefaléias tensionais evitando, compreendendo e ajustando o estresse que as ocasiona.

Tratamento Com freqüência, é possível se prevenir ou controlar as cefaléias tensionais evitando, compreendendo e ajustando o estresse que as ocasiona. CEFALÉIAS As cefaléias (dores de cabeça) encontram-se entre os problemas médicos mais comuns. Alguns indivíduos apresentam cefaléias freqüentes, enquanto outros raramente as apresentam. As cefaléias podem

Leia mais

A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade

A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade VIVER SEM DOR Dossier de Imprensa da Fundação Grünenthal A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade OBRIGADO A Fundação Grünenthal dedica-se há mais de dez

Leia mais

VIVER COM. Narcolepsia. Sintomas Diagnóstico Tratamento ISTEL

VIVER COM. Narcolepsia. Sintomas Diagnóstico Tratamento ISTEL VIVER COM Narcolepsia Sintomas Diagnóstico Tratamento O que é a Narcolepsia? É uma perturbação intrínseca do sono, crónica, de origem neurológica e em que existem alterações na ciclicidade e estabilidade

Leia mais

Excipientes: Carvedilol Ranbaxy 6,25 mg, 12,5mg, 25mg Comprimidos: Celulose microcristalina, Silica coloidal anidra e Estearato de Magnésio.

Excipientes: Carvedilol Ranbaxy 6,25 mg, 12,5mg, 25mg Comprimidos: Celulose microcristalina, Silica coloidal anidra e Estearato de Magnésio. FOLHETO INFORMATIVO Carvedilol Ranbaxy 6,25 mg Comprimidos Carvedilol Ranbaxy 12,5 mg Comprimidos Carvedilol Ranbaxy 25 mg Comprimidos Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Tradução para: Feita por: E mail: NdC 1 As pessoas com sintomas de AR devem ter acesso atempado a um médico / profissional de saúde competente

Leia mais

Neurose FóbicaF. Neurose Fóbica Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Neurose FóbicaF. Neurose Fóbica Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Neurose Fóbica 1 Conceito Temor excessivo e persistente relacionado com um objecto ou situação, que objectivamente não sejam fonte significativa de perigo. É desproporcionado É inexplicável Está fora do

Leia mais

Todos os dados serão anónimos e confidenciais, pelo que não deverá identificar-se em parte alguma do questionário.

Todos os dados serão anónimos e confidenciais, pelo que não deverá identificar-se em parte alguma do questionário. Sara Oliveira Valente, aluna a frequentar o 4º ano da licenciatura Enfermagem na Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa, para a elaboração da monografia intitulada: Prevenção da

Leia mais

Conteúdo. O que é a fibromialgia?

Conteúdo. O que é a fibromialgia? O que é a fibromialgia? 2 Conteúdo O que é a fibromialgia?... 3 Qual a prevalência da Fibromialgia na população?... 3 Qual a história da Fibromialgia?... 3 Qual a origem fisiopatológica da fibromialgia?...

Leia mais

Lesão por esforço Repetitivo

Lesão por esforço Repetitivo Lesão por esforço Repetitivo Lesão por esforço repetitivo Inrodução A lesão por esforço repetitivo ( LER),são lesões nos sistemas músculo esquelético e nervoso por tarefas repetitivas, esforços vigorosos,

Leia mais

Estresse. O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no

Estresse. O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no Estresse O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no contexto profissional quanto na vida pessoal. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 90% da população mundial sofre

Leia mais

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa 1 ª sessão Sessão com o treinador Treinador Motivação para o programa Discussão sobre a importância das competências psicológicas Descrição do programa Importância do reforço Importância da colaboração

Leia mais

Maria Susana Dias da Silva Melro Lima

Maria Susana Dias da Silva Melro Lima Maria Susana Dias da Silva Melro Lima Conhecimento dos alunos do 3º ano de Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa sobre o AVC Universidade Fernando Pessoa Escola Superior de Saúde Porto, 2009 Maria

Leia mais

Índice. Parte I Definição de Psicoterapia 11. Parte II Investigação e Psicoterapia 37

Índice. Parte I Definição de Psicoterapia 11. Parte II Investigação e Psicoterapia 37 Índice Parte I Definição de Psicoterapia 11 1. Psicoterapia: Mito ou disciplina científica? 12 2. Definição de Psicoterapia 14 3. A Psicoterapia Funciona? 19 3.1. O modelo médico de psicoterapia 19 3.1.1.

Leia mais

Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS. Compreender a Enxaqueca. e outras Cefaleias. Anne MacGregor.

Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS. Compreender a Enxaqueca. e outras Cefaleias. Anne MacGregor. Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS Compreender a Enxaqueca e outras Cefaleias Anne MacGregor Oo Guia de Saúde Introdução às cefaleias comuns Apercentagem da população

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

Automedicação e estimulantes em contexto académico

Automedicação e estimulantes em contexto académico Universidade de Aveiro Departamento de Educação Automedicação e estimulantes em contexto académico A na Ana Morais (ana.morais@ua.pt) Mudanças importantes e significativas a vários níveis: pessoal, social

Leia mais

Proporcionam alívio que conduz à ansiedade até hipnose, anestesia, coma e morte.

Proporcionam alívio que conduz à ansiedade até hipnose, anestesia, coma e morte. Medicamentos capazes de diminuir a actividade do cérebro, principalmente quando ele está num estado de excitação acima do normal, causando deste modo sonolência ou até inconsciência. Analgésico - Sedativo

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 5 - OMS Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde designado pelo Delegado de Saúde Regional da área do Hospital de Referência

Leia mais

(11)

(11) Olá, me chamo ALINE LISBOA FARIAS - C.R.P: 06/120305 sou psicóloga graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Sócia proprietária do LYSIS CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA. Atuo realizando atendimentos

Leia mais

OS MEDIA E A SAÚDE MENTAL ENTREVISTAS COM JORNALISTAS. Julho 2016

OS MEDIA E A SAÚDE MENTAL ENTREVISTAS COM JORNALISTAS. Julho 2016 OS MEDIA E A SAÚDE MENTAL ENTREVISTAS COM JORNALISTAS Julho 2016 AMOSTRA AMOSTRA Entre os dia 20 e 29 de junho, foram entrevistados 10 jornalistas que escrevem sobre saúde, nos seguintes meios: / CONTEXTO

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais

Síndromes Psíquicas. Prof: Enfermeiro Diogo Jacintho

Síndromes Psíquicas. Prof: Enfermeiro Diogo Jacintho Síndromes Psíquicas Prof: Enfermeiro Diogo Jacintho Síndromes Psíquicas Transtornos de Ansiedade Síndrome Depressiva Ansiedade: normal x patológica ADAPTATIVA - permite o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP DOR E CEFALEIA Profa. Dra. Fabíola Dach Divisão de Neurologia FMRP-USP Dor Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo

Leia mais

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ 1. Homem 54 anos, em uso regular de diclofenaco sódico por dor lombar. Há 24h com náuseas, vômitos e soluços. Normocorado, hálito urêmico, pressão arterial (PA) = 140x72mmHg, frequência cardíaca (FC)=

Leia mais

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE Deverá ser preenchida pelo médico assistente O paciente não pode ter sido incluído na primeira fase do Epifibro Data: / / Nome: DN: / / RG: UF: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino

Leia mais

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores,

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, deformidades progressivas e incapacidade funcional. SINTOMAS

Leia mais

A consequência da modernidade

A consequência da modernidade A consequência da modernidade A sociedade pós-moderna tem como uma das suas principais características a pressa generalizada, esteja ela presente nas respostas eletrônicas, na expectativa das respostas

Leia mais

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOENTES DE PARKINSON ELEIÇÕES / 2012-2014 PROGRAMA ELEITORAL LISTA B Todos juntos somos fortes Não há nada a temer Ao meu lado há um amigo Que é preciso proteger Chico Buarque

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax Rua do Platão nº. 147 Zambujal 2785 698 São Domingos de Rana Tel. 214 549 200 Fax. 214 549 208 E-mail: anea@anea.org.pt PONTO DE VISTA DE UMA ASSOCIAÇÃO DE DOENTES A ESPONDILITE ANQUILOSANTE, O QUE É?

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. 1. O que é a Rivastigmina Generis e para que é utilizada

FOLHETO INFORMATIVO. 1. O que é a Rivastigmina Generis e para que é utilizada FOLHETO INFORMATIVO Rivastigmina Generis 1,5 mg Cápsulas Rivastigmina Generis 3 mg Cápsulas Rivastigmina Generis 4,5 mg Cápsulas Rivastigmina Generis 6 mg Cápsulas Leia atentamente este folheto antes de

Leia mais

Modelos explicativos do stresse e a relação com a ocorrência de LMELT. Carlos Fujão Associação Portuguesa de Ergonomia (APERGO)

Modelos explicativos do stresse e a relação com a ocorrência de LMELT. Carlos Fujão Associação Portuguesa de Ergonomia (APERGO) Modelos explicativos do stresse e a relação com a ocorrência de LMELT Estado da arte A compreensão do papel dos factores psicossociais relacionados com o trabalho no desenvolvimento de LMELT ainda é superficial,

Leia mais

Análise do Artigo para leitura

Análise do Artigo para leitura Conflitos e gerações Análise do artigo solicitado para leitura; Conflitos geracionais no ambiente de trabalho; Stress e conflitos organizacionais; Stress, conflitos e doenças do trabalho. Prof. Dr. Alexandre

Leia mais

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS OBJECTIVOS: Objectivos gerais: Aquisição de conhecimentos científicos e técnicos pertinentes e actualizados para adequar as práticas dos Serviços de Medicina à prestação

Leia mais

O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O CIDADÃO E O DOENTE PERANTE AS DOENÇAS RESPIRATORIAS PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Maria Conceição Gomes, Pneumologista Coordenadora do CDP da Alameda Consultora da DGS Secretaria-Geral ANTDR,

Leia mais

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOTA TÉCNICA 02/2016 Belo Horizonte, 26 de Janeiro de 2016 GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Diretor-Presidente Welfane Cordeiro Júnior Diretora Maria do Carmo Paixão Rausch Equipe técnica: Cíntia

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

STRESS NO TRABALHO Anabela M. Sousa Pereira

STRESS NO TRABALHO Anabela M. Sousa Pereira STRESS NO TRABALHO Anabela M. Sousa Pereira anabelapereira@ua.pt Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho (PFN/EU-OSHA) Healthy Workplaces Managing Stress 2015/2016 Trabalho Saudável em qualquer

Leia mais

Folheto Informativo. Terbinafina Terfil 250 mg Comprimidos

Folheto Informativo. Terbinafina Terfil 250 mg Comprimidos Folheto Informativo "Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. 1 Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. 2 Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. 3

Leia mais

Casa Grande Quinta da Granja Benfica, Lisboa

Casa Grande Quinta da Granja Benfica, Lisboa Casa Grande Quinta da Granja Benfica, Lisboa Porquê a Casa Grande? A Síndrome de Asperger (SA) é uma perturbação do desenvolvimento (espectro do autismo), que se manifesta por alterações na interacção

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

SandraPais XVII FÓRUM DE APOIO AO DOENTE REUMÁTICO 10 E 11 OUTUBRO DE 2014

SandraPais XVII FÓRUM DE APOIO AO DOENTE REUMÁTICO 10 E 11 OUTUBRO DE 2014 SandraPais XVII FÓRUM DE APOIO AO DOENTE REUMÁTICO 10 E 11 OUTUBRO DE 2014 Uma degeneração focal das cartilagens articulares, com espessamento ósseo subcondral e proliferações osteocondrais marginais Dá

Leia mais

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Distúrbios e doenças ligadas à obesidade Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Índice Introdução O que é a Obesidade? Doenças e distúrbios físicos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Dissertação

Leia mais

Stresse no Trabalho: Risco e Oportunidade

Stresse no Trabalho: Risco e Oportunidade 9.º Congresso Internacional de Segurança e Saúde no Trabalho Porto, 28 de Janeiro de 2010 Stresse no Trabalho: Risco e Oportunidade Marco Ramos (marco.ramos@ua.pt) 1 Uma pessoa em stresse é um acidente

Leia mais

DEFICIÊNCIA DE ALFA1 ANTITRIPSINA

DEFICIÊNCIA DE ALFA1 ANTITRIPSINA DEFICIÊNCIA DE ALFA1 ANTITRIPSINA 1. A situação 2. O que é a Alfa1 3. Como se herda 4. O diagnóstico 5. O tratamento 6. Doentes Alfa 7. A associação A situação A Deficiência de alfa1 antitripsina (Alfa1)

Leia mais

Media Kit. Advance Clinics 2016

Media Kit. Advance Clinics 2016 Media Kit Advance Clinics 2016 Índice Apresentação 2 Especializações 3 Programas 4 Onde Estamos 12 Contactos Media 14 Apresentação A paixão pelo ser humano e a medicina foram impulsionadores da criação

Leia mais

Sumário. FUNDAMENTOS DA PRÁTICA DE ENFERMAGEM 32 Capítulo 1 Introdução à Enfermagem 34. Capítulo 6 Valores, Ética e Defesa de Direitos 114

Sumário. FUNDAMENTOS DA PRÁTICA DE ENFERMAGEM 32 Capítulo 1 Introdução à Enfermagem 34. Capítulo 6 Valores, Ética e Defesa de Direitos 114 Sumário UNIDADE I FUNDAMENTOS DA PRÁTICA DE ENFERMAGEM 32 Capítulo 1 Introdução à Enfermagem 34 Perspectivas históricas da enfermagem 35 Definições da enfermagem 37 Objetivos da enfermagem 38 Enfermagem

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Sou Enfermeira, presentemente a realizar o Mestrado em Ciências da dor na

QUESTIONÁRIO. Sou Enfermeira, presentemente a realizar o Mestrado em Ciências da dor na QUESTIONÁRIO Exmo. (a) Sr. Enfermeiro (a): Sou Enfermeira, presentemente a realizar o Mestrado em Ciências da dor na Faculdade de Medicina de Lisboa da Universidade de Lisboa. Com este questionário pretendo

Leia mais

Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO.

Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO. Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO. Publicado em Diário da República, 1ª série Nº153 8 de agosto de 2012: Portaria n.º 237/2012 A formação específica no internato médico

Leia mais

Observe a imagem, faça a leitura do texto escrito e responda.

Observe a imagem, faça a leitura do texto escrito e responda. UNIDADE: Que gripe chata / Brasil SITUAÇÃO DE USO Interação entre médico e paciente. MARCADORES Saúde; Rotinas; Pessoas. EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM - Ampliar o vocabulário referente a doenças. - Compreender

Leia mais

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico?

Sylvia Cavalcanti. Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? Sylvia Cavalcanti Dispareunia e vaginismo:qual a diferença e como fazer este diagnóstico? PRINCÍPIOS DA ESPÉCIE HUMANA ROGER X BUSCA DO PRAZER FUGA DA DOR Disfunções sexuais Disfunção do desejo Estímulo

Leia mais

O QUE É O INDATIR? DIRETORIA

O QUE É O INDATIR? DIRETORIA HIPOTIROIDISMO O QUE É O INDATIR? O Indatir - Instituto da Tiróide é uma instituição sem fins lucrativos, fundada em dezembro de 2001 em São Paulo, reunindo especialistas do Brasil em problemas ligados

Leia mais

Trabalhando a ansiedade do paciente

Trabalhando a ansiedade do paciente Trabalhando a ansiedade do paciente Juliana Ono Tonaki Psicóloga Hospitalar Título SOFRIMENTO... principal Sofrimento humano como condição à todos; Cada um sente à sua forma e intensidade; Manifestação

Leia mais

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC 2-21 Resumo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Lisboa, 28 de novembro de 214 O REGISTO NACIONAL DE ANOMALIAS CONGÉNITAS MATERIAIS E MÉTODOS

Leia mais

MESOTERAPIA HOMEOPÁTICA - BÁSICO + AVANÇADO

MESOTERAPIA HOMEOPÁTICA - BÁSICO + AVANÇADO MESOTERAPIA HOMEOPÁTICA - BÁSICO + AVANÇADO Homeopatia estimulada pela OMS. Osteo-articular. Edemas. Cicatrizes. Obesidade. Celulite. Ap. Digestivo, Respiratório e Urinário. Mesopunctura. Ana Tavares Master

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. 1. O que é a Rivastigmina Wynn e para que é utilizada

FOLHETO INFORMATIVO. 1. O que é a Rivastigmina Wynn e para que é utilizada FOLHETO INFORMATIVO Rivastigmina Wynn 1,5 mg Comprimidos orodispersíveis Rivastigmina Wynn 3 mg Comprimidos orodispersíveis Rivastigmina Wynn 4,5 mg Comprimidos orodispersíveis Rivastigmina Wynn 6 mg Comprimidos

Leia mais

Programas Nacionais. Doenças Crónicas

Programas Nacionais. Doenças Crónicas Programas Nacionais Relacionados com a Prevenção e Controlo de Doenças Crónicas 3 de Novembro de 2006 Director de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde Programas: Porquê? Magnitude epidemiológica

Leia mais

Comentário: ADESÃO À TERAPÊUTICA EM PORTUGAL ATITUDES E COMPORTAMENTOS DA POPULAÇÃO PORTUGUESA PERANTE AS PRESCRIÇÕES MÉDICAS

Comentário: ADESÃO À TERAPÊUTICA EM PORTUGAL ATITUDES E COMPORTAMENTOS DA POPULAÇÃO PORTUGUESA PERANTE AS PRESCRIÇÕES MÉDICAS Comentário: ADESÃO À TERAPÊUTICA EM PORTUGAL ATITUDES E COMPORTAMENTOS DA POPULAÇÃO PORTUGUESA PERANTE AS PRESCRIÇÕES MÉDICAS INTRODUÇÃO Relevância da adesão à terapêutica para a actividade da indústria

Leia mais

INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde

INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde Guião de Apoio para Cuidadores Informais de Idosos com Demência Guião de Apoio para Cuidadores Informais de Idosos com Demência 2 O QUE É A DEMÊNCIA? A Demência é uma

Leia mais

Qualidade de vida de pacientes idosos com artrite reumatóide: revisão de literatura

Qualidade de vida de pacientes idosos com artrite reumatóide: revisão de literatura Qualidade de vida de pacientes idosos com artrite reumatóide: revisão de literatura André Ricardo Bezerra Bonzi (1); Renata Soares Ferreira (2) Edécio Bona Neto (3); Daniel Sarmento Bezerra (4); Tânia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais