UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO NA ABERTURA DE CONTA CORRENTE Por: Margareth Miranda de Magalhães Orientador Prof.ª Ana Cristina Guimarães Rio de Janeiro 2004

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO NA ABERTURA DE CONTA CORRENTE Apresentação de monografia ao Conjunto Universitário Cândido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Auditoria e Controladoria. Por: Margareth Miranda de Magalhães.

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a todas as pessoas que estão sempre junto a mim, principalmente a minha mãe Lucilia, que sempre me apóia.

4 4 RESUMO Em função do grande volume de crédito concedido, as instituições financeiras se vêem obrigadas, cada vez mais, a adotar ferramentas mais eficientes para a análise e controle do risco de crédito. De fato, a análise de crédito numa instituição financeira é tarefa complexa e envolve a habilidade de fazer uma decisão de crédito. A complexidade envolve o raciocínio dos especialistas humanos, que trabalham com constantes informações incompletas ou imprecisas, que podem mais tarde se tornar em um crescente número de inadimplentes. Dessa forma, a presente monografia analisa a política de crédito das instituições financeiras, em especial os bancos, quando da abertura de conta corrente, demonstrando que o aumento do número de decore (Documento Comprobatório de Renda), como declaração de imposto de renda, por exemplo, pode contribuir para a diminuição da inadimplência e do risco bancário. Agindo desta forma, as instituições financeiras que concedem crédito podem evitar de serem surpreendidas por problemas de liquidez causados por projeções de fluxos de caixa que não se realizarão.

5 5 METODOLOGIA A pesquisa foi realizada a partir de uma pesquisa bibliográfica, realizada em livros, artigos de jornais e periódicos. Foi utilizado como fonte de consulta o referencial teórico dos principais autores de administração financeira disponíveis na literatura nacional, tais como Alexandre Assaf Neto, Mauro Tadeu Berni, Lawrence Gitman, Armando de Santi Filho, entre outros.

6 6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I CONCEITOS NORTEADORES CAPÍTULO II POLÍTICA DE CRÉDITO CAPÍTULO III PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO NA ABERTURA DE CONTA CORRENTE CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ÍNDICE FOLHA DE AVALIAÇÃO ANEXOS... 54

7 7 INTRODUÇÃO A intermediação financeira na economia de um país é fator importantíssimo como forma de se viabilizar o crescimento e desenvolvimento econômico. Atualmente, a intermediação financeira é bastante diversificada e se ajusta às características e necessidades de cada sociedade, bem como de cada um dos seus agentes econômicos (famílias, empresas e governos, por exemplo). Como intermediação financeira entende-se a maneira de se conciliar os interesses conflitantes entre os agentes poupadores e os agentes tomadores de recursos, disponibilizando de forma eficiente, no mercado, os recursos possíveis. Este papel de intermediação necessita, cada vez mais, de sofisticação dos instrumentos financeiros, bem como da rede de intermediários financeiros. Estes intermediários procuram fazer a conciliação entre os agentes poupadores e tomadores de recursos, alocando de forma especializada os recursos de que dispõem. Instituições como bancos, caixas econômicas, fundos de pensão e outras são exemplos destes intermediários. Os Bancos podem ser considerados como os principais intermediários financeiros atualmente. Outra importante característica dos Bancos é sua capacidade multiplicadora da moeda ou dos recursos captados. Os recursos captados pelas instituições financeiras, junto aos agentes poupadores, não necessariamente necessitam ficar "parados" em disponibilidades, pois, as instituições sabem quando estes terão que ser devolvidos. Com isso, podem disponibilizar parte dos recursos a diversos agentes que necessitam deles, adequando o prazo de recebimento com o da sua devolução. Mesmo no caso dos recursos disponíveis ao Banco serem recursos à vista (depósitos em contas-correntes), este pode emprestar parte a terceiros, conforme sua experiência de retiradas dos clientes e porque estes recursos retornarão ao mercado, possibilitando ao Banco sua re-obtenção, se necessitar.

8 8 De forma geral, o crédito é concedido a muitas espécies de tomadores, por períodos variáveis, sob diferentes tipos, em muitas bases, e para uma infinidade de propósitos. Em cada caso, o crédito é baseado na confiabilidade do tomador, não na do banco. Um banco usa seu próprio crédito para atrair fundos ou como um substituto para o crédito de um cliente - por exemplo, uma carta de crédito. O tomador e o crédito bancário se unem, tornando-se o crédito do banco, quando as baixas atingem o ponto no qual um ágio deve ser pago pelo banco para atrair fundos. Isto desperta perguntas sobre a confiabilidade do banco e a sua capacidade administrativa. Portanto, a necessidade das operações de empréstimo ou crédito serem subsidiadas com bons modelos de decisão e acompanhamento é fundamental, pois influenciam diretamente o lucro da instituição financeira. Evitar menores lucros devido a perdas parciais ou totais nas operações (situações de inadimplência) deve ser o foco da Gestão de Crédito. Dessa forma, a presente monografia tem por objetivo analisar a política de crédito das instituições financeiras, em especial os bancos, quando da abertura de conta corrente, procurando demonstrar que o aumento do número de score, como declaração de imposto de renda, por exemplo, pode contribuir para a diminuição da inadimplência e do risco bancário.

9 9 CAPÍTULO I CONCEITOS NORTEADORES 1.1 Crédito Bancário Emprestar dinheiro é uma das profissões mais antigas do mundo. O Código de Hamurabi, surgido em 1800 a.c., apresentava diversas seções relativas à regulamentação do crédito na Babilônia (Caouette, Altman & Narayanam, 1999). A palavra "crédito", dependendo da situação, pode ter vários significados. Para a atividade bancária, crédito é definido como a entrega de um valor presente mediante uma promessa de pagamento (Silva, 1997, p. 63). Como se pode constatar, a concessão de crédito significa confiar que outrem irá honrar seus compromissos, nas datas pactuadas anteriormente. 1.2 Risco e Retorno Segundo Gitman, (1997, p. 202) risco pode ser definido como possibilidade de perda, ou como variabilidade de retornos esperados relativos a um ativo; incerteza seria outro termo formalmente usado com o mesmo sentido de risco. Silva (1997, p. 75), define risco como sendo a probabilidade baseada em dados históricos de se estimar diferentes resultados, cabendo ao tomador de decisões julgar a aceitabilidade da estimativa. Para aquele autor, incerteza seria a tomada de decisão baseada em uma sensibilidade pessoal. Verifica-se, portanto, que risco e incerteza não podem ser considerados sinônimos, pois o risco é mensurado com base em dados históricos ou

10 10 experiências passadas, enquanto que a incerteza refere-se ao feeling do tomador de decisões, não podendo ser provada matematicamente. Conforme Gitman, (1997, p. 203) retorno é considerado o total dos lucros ganhos ou prejuízos resultantes de um investimento durante um determinado período de tempo.. A relação risco-retorno está implícita em qualquer operação de crédito e a administração do risco de crédito é a essência da teoria bancária, que visa proteger o capital do banco e os recursos dos acionistas. 1.3 Risco de Crédito Risco de crédito, segundo Gitman, (1997, p. 204) pode ser conceituado como o risco de perda em que se incorre quando há inadimplência de uma contraparte numa operação de crédito. Na maioria das análises, o risco de crédito do tomador está relacionado a fatores internos e externos, que podem prejudicar o pagamento do empréstimo contratado junto ao banco. A avaliação do risco de crédito é reflexo da multiplicidade, qualidade e origem das informações disponíveis para o analista. A análise e a administração do risco estão baseadas no processamento das informações sobre o proponente do crédito. Atualmente, as novas técnicas para mensuração do risco de crédito, aliadas ao avanço dos recursos tecnológicos, são de suma importância para auxiliar o analista de crédito na tomada de decisões. O mercado financeiro já dispõe de diversas ferramentas, baseadas, na grande maioria, em análises estatísticas para avaliação do risco de crédito, tais como: Credit Scoring, Behaviour Scoring, Rating, Redes Neurais, Sistemas Especialistas, Precificação de Crédito e outras.

11 11 Caouette, Altman & Narayanam (1999, p. 118) citam que os modelos de avaliação de risco de crédito facilitam a compreensão de um fenômeno e, eventualmente, sua exploração: "Por meio dos modelos de crédito procuramos determinar, direta ou indiretamente, as respostas para as seguintes perguntas: Dadas nossa experiência anterior e nossas premissas quanto ao futuro, qual o valor de um dado empréstimo ou título de renda fixa? Ou: qual o risco (quantificável) de que os fluxos de caixa prometidos não venham a ocorrer?" O objetivo maior dos modelos de mensuração do risco de crédito está em criar estimativas precisas das probabilidades de os créditos serem pagos, permitindo, por meio do controle das variáveis utilizadas, a definição de um critério que vise a maximização das receitas ou a minimização das perdas, fornecendo uma base estatística satisfatória para comprovação das decisões. Uma das técnicas estatísticas de análise de dados mais utilizadas no desenvolvimento de modelos de avaliação de risco de crédito é a Análise Discriminante. Segundo Caouette, Altman & Narayanam, (1999, p.182), os modelos estatísticos atribuem pesos predeterminados para algumas variáveis do cliente, gerando um escore de crédito, ou seja, trabalham com uma medida que possa separar, em dois grupos distintos, os clientes considerados bons e os maus. 1.4 Avaliação de Crédito Segundo Ross, Westerfield & Jaff (1995, p. 581), na concessão do crédito as empresas procuram distinguir entre os clientes que provavelmente pagarão e os que não irão honrar seus compromissos.

12 12 Não se pode falar em análise de crédito sem citar os "C s" do crédito: Caráter, Capacidade, Capital, Condições e Collateral, que são fundamentais para qualquer processo de avaliação e concessão de crédito. Algumas bibliografias citam novos "C s" do crédito (por exemplo: Conglomerado, Controle e Concorrência), que são apenas derivações das dimensões elencadas no parágrafo anterior. Gitman (1997, p. 697) refere-se às dimensões "caráter" e "capacidade" como sendo as de maior importância para subsidiar o analista na concessão de crédito a um solicitante Caráter Segundo Blatt (1999, p. 42), caráter refere-se ao risco moral, ou melhor, à intenção do cliente de pagar ou não os compromissos assumidos, sendo o primeiro fator de seleção do cliente. De acordo com Silva (1997), a pontualidade do cliente no pagamento de suas obrigações é fator relevante na apuração do caráter do cliente, podendo ser identificada por meio dos registros internos do banco ou mediante o uso das chamadas informações comerciais e bancárias. É uma tarefa difícil avaliar o caráter do cliente, podendo existir casos em que o atraso do pagamento não significa, de modo algum, que o indivíduo ou empresa não tenha intenção de saldar suas dívidas. Nota-se, portanto, que é importante levantar informações no mercado, antes de se tomar uma decisão a respeito do conceito do cliente.

13 Capacidade Diversos autores são unânimes em afirmar que "capacidade" refere-se a habilidade dos indivíduos em gerir seu negócio, a fim de gerar lucro e pagar suas obrigações. Gitman (1997, p. 696) define "capacidade" como sendo o potencial do cliente para saldar os créditos recebidos, ou seja, a capacidade de pagamento do indivíduo ou empresa. Não se deve relacionar o fator "capacidade" somente à capacidade de pagamento. A referida dimensão é muito mais abrangente, pois faz menção à competência, competitividade e aspectos técnicos do negócio a ser financiado Capital "Capital" é outro "C" do crédito citado nas bibliografias e diz respeito à saúde financeira do cliente, no que tange ao patrimônio líquido disponível para saldar suas obrigações. Blatt (1999, p. 42) refere-se ao "capital" como sendo "a fonte de receita e renda do cliente, ou seja, quais as origens de seus recursos, sua freqüência e consistência". Berni (1999) recomenda que os empréstimos não sejam superiores a 1/3 dos recursos próprios do cliente (Capital + Reservas + Lucros). Como podemos constatar, o Capital é uma informação valiosa para determinação da capacidade de pagamento do cliente, tornando-se um fator importante para subsidiar o analista na decisão do crédito.

14 Condições Os autores pesquisados para a elaboração essa pesquisa definem "condições" como sendo fatores econômicos e setoriais que podem aumentar ou diminuir o risco do cliente. Normalmente são compostos pela política adotada pelo governo, conjuntura internacional, concorrência, fatores regionais e eventos naturais. Gitman (1997) diz que políticas econômicas e empresariais, bem como as peculiaridades envolvidas no negócio, podem afetar qualquer uma das partes envolvidas na transação Collateral Silva (1997, p. 96) refere-se à dimensão Collateral como sendo a capacidade do indivíduo ou empresa de oferecer ativos complementares para garantir segurança ao crédito solicitado. As garantias precisam ser muito bem selecionadas e representarem valores maiores que os montantes emprestados, pois, em caso de insolvência, o ativo será utilizado para pagar a operação de crédito. Segundo Ruth (1991), na avaliação das garantias reais devem ser observadas a liquidez, a depreciabilidade, a capacidade de comercialização, a localização, os custos com manutenção, as despesas com a venda e o valor venal do bem vinculado ao negócio.

15 15 CAPÍTULO II POLÍTICA DE CRÉDITO 2.1 Definição Segundo Assaf Neto & Silva (1997), na política de crédito são definidos os parâmetros básicos para a realização das vendas a prazo. Nela são encontrados os elementos necessários para a concessão, monitoramento e cobrança dessas vendas, devendo ser encarada como um fator de alavancagem das receitas e uma demanda por investimentos em ativos financeiros (créditos futuros). Deve-se ter sempre em mente que a concessão resultante da venda a prazo representa a troca de um ativo real (um bem) por um direito a realizar-se no futuro (crédito). Assim, a política de crédito deveria ser analisada da mesma forma que qualquer outro ativo financeiro que tem risco e retorno associado. Na prática, deveria basear-se, como qualquer decisão de investimento, no conceito do Valor Presente Líquido (VPL), e se a sua adoção trouxer VPL superior, aplica-se a estratégia (Gitman, 1997) Na avaliação da política de crédito deve-se calcular a contribuição marginal sobre o lucro total da empresa, gerada pelas principais variáveis financeiras envolvidas na venda a prazo. Segundo Gitman (1997), no caso de a soma resultante apresentar valor positivo, altera-se a política de crédito são: - Volume de vendas Alterações nos padrões de concessão do crédito devem gerar lado, um arrocho, deverá mudanças no volume de vendas. Se os padrões forem afrouxados, deve ocorrer um crescimento das vendas; se houver, por outro acontecer uma redução. Em geral, um aumento nas vendas afeta o lucro positivamente, enquanto sua diminuição produz um efeito negativo; - Investimento de capital Quando uma empresa decide afrouxar sua política de crédito, deve ocorrer um incremento nas contas patrimoniais de duplicatas a receber

16 16 e no estoque, por conta do aumento do número de clientes a prazo e das vendas, respectivamente. Estas duas contas obrigam a empresa a alocar mais recursos, que poderiam estar sendo investidos em outros ativos; logo, suas contribuições marginais sobre o lucro serão negativas; - Despesas com devedores duvidosos Representam a redução do lucro em razão da possibilidade de não pagamento por clientes que realizaram compras a prazo. A contribuição marginal dos devedores duvidosos é negativa quando há um afrouxamento dos padrões de crédito. Este efeito ocorre em função do aumento das vendas, mesmo que não ocorra alteração na probabilidade de inadimplência. Além disto, ainda que a estratégia de recuperação dos créditos em atraso seja eficiente, haverá efeitos negativos sobre o lucro devido ao aumento das despesas com cobrança (departamento de crédito e cobrança, tempo da administração, etc.). Com relação ao último item, Gitman (1997) entende que não se deve considerar, para efeitos gerenciais, as regras tributárias que determinam o percentual máximo de perda de devedores duvidosos na redução de impostos. Para a análise dos efeitos da nova política de crédito deve-se focar o potencial real de perdas com clientes inadimplentes. O método de cálculo mais adequado para estimar esse potencial tem relação com a experiência da empresa e com o histórico de atraso nas obrigações dos clientes. 2.2 Parâmetros da política de crédito Em uma política de crédito deve ser sempre explicitado o chamado padrão de concessão. Este padrão representa os requisitos mínimos a serem atendidos pelos clientes para a venda a prazo. Padrões mais relaxados geram aumento de vendas e devedores duvidosos; padrões mais rígidos reduzem os problemas de cobrança, mas baixam as vendas e, possivelmente, o lucro operacional.

17 17 Outro fator que precisa ser explicitado na política de crédito é o processo de cobrança. Este representa os procedimentos utilizados pela empresa para cobrar seus devedores, podendo ser desde uma simples carta até recursos judiciais nos casos mais graves. Políticas de cobrança mais rígidas podem inibir um comprador potencial, reduzindo assim o volume de venda a prazo. Para uma definição completa da política de crédito, Leite (1995) relata que dois elementos necessitam ser explicitados: a) Desconto financeiro Corresponde à redução do valor do produto quando o é realizado a vista ou pagamento quase a vista. Quando uma empresa decide-se pelo desconto financeiro é esperado que ocorram os seguintes efeitos: - Aumento do volume de vendas, proporcionado pela baixa do valor do produto ou serviço, e queda da margem de lucro em função da redução dos preços a vista; - Diminuição de custos financeiros referentes à redução dos investimentos em duplicatas a receber e das perdas com débitos incobráveis de clientes a prazo que optaram pelo desconto, e aumento de custos financeiros, referente à elevação de investimentos em duplicatas a receber de novos clientes, atraídos pelo maior volume de vendas. Normalmente, as políticas de descontos ocorrem quando a empresa decide aplicar, em certos ativos, recursos que estavam empregados no financiamento aos clientes, ou quando há problemas de sazonalidade que obrigam a redução dos estoques. Em qualquer dos casos, deve ser utilizada a metodologia do Valor Presente Líquido na análise da concessão do desconto. Considerando-se uma empresa que antes de decidir sobre uma política de desconto possuía vendas a prazo de $ e probabilidade de inadimplência de 3%, depois da adoção do desconto de 10% terá suas vendas elevadas a $ , com 60% delas pagas a vista. Se a taxa de desconto dos fluxos é de 10% no período, o resultado dessa política será $ (Leite, 1995).

18 18 b) Prazo de financiamento refere-se ao período durante o qual a empresa suporta financiar seu cliente. Sua determinação depende de vários fatores, entre eles, a taxa de juros da economia, a probabilidade de pagamento por parte do cliente e a periodicidade de suas compras. Tanto o aumento do prazo de financiamento como o aumento da taxa de desconto para pagamento á vista fazem com que o volume de vendas cresça; contudo, no caso do prazo, há também a alta dos custos de investimento em duplicatas a receber e a maior probabilidade de inadimplência dos clientes. 2.3 Processo de concessão do crédito A concessão de crédito, nos últimos anos, tem sido um dos principais componentes do crescimento do padrão de vida dos consumidores e do lucro das empresas (Leite, 1995). Isto acontece porque o crédito representa um fator de alavancagem da capacidade de gastos de indivíduos e empresas, o que, em última instância, gera efeito multiplicador na produção e na renda da economia. O resultado de uma operação de crédito refere-se ao compromisso assumido pelo comprador em quitar sua dívida com o vendedor a veracidade desse compromisso tem levado muitos bancos a elaborarem métodos mais sofisticados de estimação das chances de não pagamento dos créditos (Assaf Neto, 1997). O objetivo conceitual de todos os modelos é obter um conjunto de informações sobre o comprador que possa demonstrar sua real capacidade de honrar os compromissos assumidos. De posse desses modelos, as empresas estarão mais aptas a decidir se concedem ou não o crédito a um cliente.

19 Cinco C s do crédito Conforme demonstrado no capítulo anterior, um modo tradicional de organizar as informações sobre a capacidade de pagamento do cliente é caracterizado pela suas 5 dimensões, conhecidas como os 5C s do crédito: a) Caráter Representa o histórico de pagamento dos compromissos financeiros e contratuais; b) Capacidade Representa o potencial financeiro para honrar os compromissos. Normalmente, são analisados os dados relativos à renda, no caso das pessoas físicas, e os índices de liquidez e endividamento, no caso das pessoas jurídicas; c) Capital Representa a solidez patrimonial. Normalmente, é analisado o patrimônio pessoal, no caso de pessoa física, e os índices de endividamento, no caso das pessoas jurídicas; d) Colaterais Representam garantias adicionais oferecidas pelo adquirente para atendimento das demandas da empresa que concederá o crédito. Devem ser aplicados nos colaterais os mesmos procedimentos de avaliação de crédito empregados no caso do solicitante; e) Condição Representa as condições econômicas vigentes e as características individuais. Gitman (1997) relata que além de considerar os 5 C s tradicionais do crédito, algumas empresas costumam tratar também da dimensão conglomerado na análise da concessão do financiamento. Esta dimensão representa o potencial financeiro obtido pelo solicitante em função do poder econômico do seu grupo. Blatt (1998) entende que apesar de a análise dos 5 C s do crédito ser bem tradicional, ela apresenta três desvantagens, do ponto de vista da empresa:

20 20 a) Não apresenta consistência temporal nas decisões de concessão Isto ocorre porque a decisão depende da opinião subjetiva de diferentes analistas, que podem atribuir diferentes pesos para cada dimensão. Quando isto acontece, os resultados tenderão a ser diferentes. b) Necessita que o analista possua experiência anterior para que possa obter bons resultados Como esse é um processo que utiliza critérios subjetivos de informação, é necessário que o analista já tenha vivido casos semelhantes para que possa ter parâmetro de comparação. c) Não está ligada diretamente ao objetivo final da empresa Este método não considera as perdas geradas pela recusa de financiamento a bons clientes, o que reduz a margem de lucro das operações a prazo. Assim, o objetivo de maximizar a riqueza do proprietário não é atendido Árvore de decisão Para resolver o problema gerado pela última deficiência do processo de avaliação dos 5 C s do crédito, as empresas começaram a considerar os custos relativos à recusa e à pesquisa de informações sobre os clientes na análise do crédito. A partir da inclusão desses dois tipos de custos e associando a probabilidade de insolvência a cada uma das 3 decisões possíveis da empresa sobre a concessão (aprovar, rejeitar ou pesquisar mais), é possível obter a melhor relação de custo/benefício para a tomada de decisão. Segundo Assaf Neto & Silva (1997), as principais fontes de informação para a análise dos clientes são: a) Para clientes antigos A fonte mais barata, nesse caso, é o banco de dados da empresa. Se o cliente paga suas obrigações em dia, é possível que não haja surpresa quanto ao novo compromisso assumido. Adicionalmente, é possível

21 21 realizar pesquisas nos órgãos de controle de crédito e nas fontes bancárias e comerciais para atualização dos cadastros. b) Para clientes novos: A fonte básica de informação reside nas demonstrações financeiras de renda e patrimônio que o cliente apresenta à empresa. Também neste caso deve-se consultar as fontes bancárias e comerciais, e ainda as empresas de rating; Segundo Assaf Neto (1997), pode-se exemplificar esta análise pela construção da árvore de decisão, conforme a figura a seguir, relativa a uma empresa com as seguintes características: - Se o crédito é aprovado sem nenhuma investigação, existe 75% de chance de o cliente efetuar o pagamento; - A empresa pode procurar seus arquivos para verificar se o consumidor é um cliente antigo. Esta pesquisa custa $ 10, e, em geral, 10% são novos clientes. Além disso 98% dos clientes antigos pagam em dia; - Com os novos clientes, a empresa pode aprovar o crédito ou investigar mais. Caso opte por conceder crédito, existe 80% de chance de o cliente efetuar o pagamento. - Uma investigação melhor custa $ 80 e classifica os clientes em Bom (90% de recebimento) ou Regular (60% de recebimento). Em geral, 70% dos novos clientes são bons; - O preço e o custo de fabricação são respectivamente, $ e $ 700

22 22 Fonte: ASSAF NETO, Alexandre; SILVA, César A. Tibúrcio. Administração do Capital de Giro. 2. ed. São Paulo: Atlas, Antes de analisar a árvore de decisão é necessário, primeiro identificar suas convenções. Na figura acima, o quadrado representa decisões a serem tomadas, e o círculo, suas conseqüências. Além disso, as letras A e I representam a decisão sobre a concessão do crédito ou uma maior investigação. O valor esperado de uma decisão (VE) é obtido subtraindo-se da receita esperada da venda os valores relativos aos custos de fabricação do produto e as despesas com as pesquisas sobre o cliente. Para obter a receita esperada, multiplica-se o preço de venda pela sua probabilidade de recebimento. Assaf Neto & Silva (1997) explicam que no caso de aprovação do crédito sem investigação (círculo 2), o valor esperado de $ 50 é obtido subtraindo-se os custos de produção ($700) da receita esperada (1.000 x 75% + 0 x 25%+ $ 750). No caso de aprovação do crédito a um cliente antigo, após pesquisa preliminar (círculo 4), o valor esperado de $ 270 é obtido subtraindo-se os custos de produção ($700) e as despesas com pesquisas ($10) da receita esperada (1.000 x 98% + 0 x 2% = 980).

23 23 Ainda segundo os referidos autores, na análise da árvore de decisão deve-se perguntar sempre se é mais lucrativo aprovar o crédito ou pesquisar mais. Na primeira decisão (quadrado 1) a resposta é clara, dado que o valor esperado da aprovação direta é $50, enquanto o da investigação é $252. A melhor situação na árvore ocorre quando o consumidor é um cliente antigo, pois nesse caso o valor esperado é $270. A pior situação é quando a empresa pesquisa e classifica o cliente como regular, gerando um valor esperado de -$ Credit Score Um outro método utilizado na análise da concessão de crédito é o Credit Score. Nele, a decisão de concessão é tomada por meio de procedimentos impessoais e padronizados, visto que, em geral, os solicitantes apresentam muitos fatores semelhantes entre si. As principais informações no credit score são a residência, o trabalho e o estado civil (Sousa & Chaia, 2000). À agregação desses fatores as empresas aplicam técnicas estatísticas que procuram antecipar os possíveis problemas financeiros dos solicitantes por meio da classificação dos fatores por pontos (scores). A partir da agregação obtém-se a pontuação total do cliente, que representa o seu risco potencial de não inadimplência. Essa análise pode ser observada na figura abaixo. Recusar Solicitantes de crédito Sistema de classificação por score estatístico Análise do benefício da recusa do crédito Aceitar Fonte: SOUSA, Almir Ferreira; CHAIA, Alexandre Jorge. Política de crédito: uma análise qualitativa dos processos em empresas. Cadernos de Pesquisa em Administração de Empresas, São Paulo, v. 07, n.03, jul/set, 2000, p. 21.

24 24 Segundo Sousa & Chaia (2000), apesar de o credit score representar um processo científico, ele não inibe a possibilidade de se recusar um bom pagador ou de se aceitar um mau pagador. Isto ocorre porque nenhum sistema de gestão de crédito consegue o total de informações relevantes na classificação do devedor, e, mesmo que conseguisse, o seu custo tornaria a análise economicamente inviável. O Quadro 1, a seguir, apresenta o percentual de cada informação relevante a respeito de bons e maus pagadores. Quadro 1: Perfil dos credores Características Bons Pagadores Maus Pagadores É casado(a)? 90,5% 86,2% Tem casa própria? 80,4% 42,3% Tem carro próprio? 80,7% 68% Tem mais de 35 anos? 97% 89,5% Mora há mais de 03 anos no endereço atual? 91,8% 70,3% Tem referência bancária? 93,6% 71% Tem telefone? 75,4% 70,3% Tem menos de 3 filhos? 65,8% 49,3% Fonte: SOUSA, Almir Ferreira; CHAIA, Alexandre Jorge. Política de crédito: uma análise qualitativa dos processos em empresas. Cadernos de Pesquisa em Administração de Empresas, São Paulo, v. 07, n.03, jul/set, 2000, p. 21. É possível observar que, individualmente, nenhum dos parâmetros serve para definir um bom ou mal pagador porque, mesmo nos casos extremos relativos à casa própria ou ao número de crianças, a possibilidade de se ter um cliente mal pagador é alta. Além disso, o peso dos parâmetros na classificação apresenta alterações em função de mudanças na sociedade, do passar do tempo e da área de apuração.

25 25 Apesar de as informações individualmente não agregarem muito, em conjunto são eficientes ferramentas de apoio à decisão. O conceito de tratamento múltiplo de informações representa a base do Credit score, onde cada característica tem um valor associado e o indivíduo é analisado segundo o total de pontos. O Quadro 2 apresenta a relação de características e pontos. Quadro 2: Característica dos credores e os scores de crédito Características Pontos para resposta sim É casado(a)? 10 Tem casa própria? 15 Tem carro próprio? 7 Tem mais de 35 anos? 9 Mora há mais de 03 anos no endereço atual? Tem referência bancária? 18 Tem telefone? 8 Tem menos de 3 filhos? 19 Fonte: SOUSA, Almir Ferreira; CHAIA, Alexandre Jorge. Política de crédito: uma análise qualitativa dos processos em empresas. Cadernos de Pesquisa em Administração de Empresas, São Paulo, v. 07, n.03, jul/set, 2000, p A partir da agregação dos scores, elabora-se uma análise das ganhe e perdas no lucro em conseqüência da rejeição de todos os clientes abaixo de uma faixa de pontos. No instante em que a empresa passar a ter mais prejuízo do que ganho em virtude da não aceitação de clientes potenciais obtém-se o score de corte para a definição de sua política de crédito (Sousa & Chaia, 2000). O Quadro 3 apresenta um exemplo de análise das perdas e ganhos da empresa em função da rejeição de clientes potenciais. Deve-se considerar que para cada bom pagador perdido a empresa abre mão de $100 do seu lucro, e a cada mau pagador recusado ganha $50 no seu lucro.

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE QUALITATIVA DOS PROCESSOS EM EMPRESAS

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE QUALITATIVA DOS PROCESSOS EM EMPRESAS POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE QUALITATIVA DOS PROCESSOS EM EMPRESAS ENSAIO Prof. Dr. Almir Ferreira de Sousa Professor Doutor do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Amilca Ferreira Santos (UFPB) adm.amilka@gmail.com

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale CRÉDITO Crédito diz respeito à troca de bens presentes por bens futuros. Função crédito não é exclusividade

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

OS RISCOS EMPRESARIAIS E OS SEUS REFLEXOS NA VIDA DAS ORGANIZAÇÕES:

OS RISCOS EMPRESARIAIS E OS SEUS REFLEXOS NA VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: OS RISCOS EMPRESARIAIS E OS SEUS REFLEXOS NA VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: Prof. Msc. Luiz Carlos da Silva Lança 30/10/2014 Resumo: O presente artigo discorre sobre a importância das organizações gerirem com

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Lousanne Cavalcanti Barros (Faculdade Novos Horizontes) lousanne@unihorizontes.br Silvana Pereira Silva (NOSSACOOP) sil.fla@bol.com.br

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

COMO MONTAR UM PLANO DE COBRANÇA! Os procedimentos de cobrança mais usuais! Quando utilizar cada instrumento de cobrança

COMO MONTAR UM PLANO DE COBRANÇA! Os procedimentos de cobrança mais usuais! Quando utilizar cada instrumento de cobrança UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 33 COMO MONTAR UM PLANO DE COBRANÇA! Os procedimentos de cobrança mais usuais! Quando utilizar cada instrumento de cobrança Adriano Blatt (adriano@blatt.com.br) Engenheiro formado

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0454 54 IDENTIFICAÇÃO: Título : CONCESSÃO DE CRÉDITO A CLIENTES Atributo : PONTUALIDADE NO RECEBIMENTO Processo : ANÁLISE DE CRÉDITO O QUE É: Trata-se de documento cujo objetivo

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO 1 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO Ângela de Souza Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Suzelene de Melo Rossi Santos (Discente do 4º

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER Entenda o que é e como funciona o Cadastro Positivo, antes de optar por aderir ou não. Quanto mais informado, melhor e mais consciente poderá ser a sua opção. Algumas

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO

A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO A inadimplência prejudica a liquidez das empresas que conta com os valores a receber para saldar seus compromissos assumidos. Torna-se necessário estimar

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING

FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING FERRAMENTAS PARA A DECISÃO DE CREDITO EM UMA FACTORING Jean Raphael de Oliveira ANITELI 1 Thiago Memare FUJITA 2 Wilson de Luces Fortes MACHADO³ RESUMO: Não existem muitos estudos relacionados ao processo

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA.

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA. POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA. Bianca Cristine de Souza Garcia FAFIPA Onivaldo Izidoro Pereira FAFIPA ISSN 2178-5007 RESUMO A preocupação com a concessão

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

REGULAMENTO CARTÃO FIDELIDADE - POSTO CHAPARRAL

REGULAMENTO CARTÃO FIDELIDADE - POSTO CHAPARRAL REGULAMENTO CARTÃO FIDELIDADE - POSTO CHAPARRAL COMO PARTICIPAR Para participar basta preencher uma ficha de inscrição, disponível no POSTO CHAPARRAL ou fazendo seu cadastro via internet pelo site www.postochaparral.com.br.

Leia mais

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO 2013 GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO Definição Cartão de crédito é modalidade de pagamento à vista, objeto de um contrato de adesão entre o consumidor e uma administradora de cartões,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO GLEICE LUANA CARDOSO DE FARIAS Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da UFPA Luana733@hotmail.com Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES O QUE É CRÉDITO? A palavra crédito vem do latim CREDERE, que significa "acreditar" ou "confiar"; ou seja, quando você concede crédito para o seu cliente é porque confia que ele vai quitar o compromisso

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS 55 CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS IMPEDIMENTO LEGAL É uma situação de apontamento que, por força das normas do Bacen, impedem que pessoas físicas ou jurídicas figurem

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING

O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR! O que é o gerenciamento do crédito através do behavior scoring?! Como construir o behavior scoring?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como implantar

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF 1. Partes 1.1. Cliente - é o cliente do Personnalité e solicitante da abertura de crédito em conta corrente de

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

GESTÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA

GESTÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA GESTÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 REFLEXÕES POR QUE AS EMPRESAS RESOLVEM FINANCIAR SEUS CLIENTES? COMO SE PREVINIR PARA VENDER A CRÉDITO? POR QUE OS CLIENTES

Leia mais

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada Equipe

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

SUGESTÕES DE MELHORIAS NA POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA DA EMPRESA TEDESCO & EMER LTDA

SUGESTÕES DE MELHORIAS NA POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA DA EMPRESA TEDESCO & EMER LTDA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SUGESTÕES DE MELHORIAS NA POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA DA EMPRESA TEDESCO & EMER LTDA Joseane Schneiders Lajeado, novembro de 2014 Joseane Schneiders

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais