"Não Há Bem que Dure Sempre, Nem Mal que Nunca se Acabe": O Caso da Dudalina S/A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Não Há Bem que Dure Sempre, Nem Mal que Nunca se Acabe": O Caso da Dudalina S/A"

Transcrição

1 "Não Há Bem que Dure Sempre, Nem Mal que Nunca se Acabe": O Caso da Dudalina S/A Autoria: Erica Dayane Chaves Cavalcante, Maria dos Remédios Antunes Magalhães, Germana Tavares de Melo, Luana Ferreira Salles, Rosiele Fernandes Pinto Resumo Este caso para ensino descreve a história empreendedora de uma empresa familiar, atuante no setor de vestuário brasileiro, a Dudalina. O caso destaca as principais dificuldades no gerenciamento de uma grande empresa, apresentando elementos que caracteriza uma história de ascensão, sucessão, declínio, turnaround e decisões de posicionamento estratégico ao longo da sua existência. A história suscita questões que abrigam teorias subjacentes em estratégia organizacional. A coleta dos dados primários foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, permitindo, assim, uma profundidade nos eventos e acontecimentos. Os dados secundários, por sua vez, foram provenientes de análise documental: relatórios de gestão, documentos e registros contábeis e gerenciais, bem como, outros documentos de posse da empresa que pudessem ajudar a compor sua história. O dilema central reside na decisão da adoção da estratégia de varejo como forma da empresa se posicionar estrategicamente no mercado. 1

2 Um Resgate da História da Empresa Dudalina S/A A saga empreendedora da empresa Dudalina S/A se inicia em 1957 na pequena cidade de Luis Alves/SC e se confunde com a história da genitora da família, Dona Adelina (Adelina Clara Hess de Souza), que, junto aos seus 16 filhos e seu marido, Duda (Rodolfo Francisco de Souza Filho) família Hess de Souza, desenvolveu e consolidou uma importante marca de vestuário no país, tornando-se um dos principais empreendimentos da moda masculina da América Latina. Antes desse começo, Sr. Duda, possuía um pequeno comércio de secos e molhados, único meio de sustento da família até aquele momento. Um de seus filhos, Vilson Luis de Souza (atual presidente do conselho de administração da Dudalina S/A) relembra desse momento com carinho: o armazém do meu pai era como a extensão da nossa casa, quando precisávamos de um quilo de arroz descíamos e apanhávamos o produto. Éramos em muitos lá em casa, cada um pegava o que bem entendia, não havia um controle entre as contas da casa e as da empresa. Em 1957, já com 6 filhos, Sr. Duda, em viagem à cidade de São Paulo para aquisição de produtos para abastecer seu armazém, empolgou-se com a conversa de um comerciante turco que atuava na Rua 25 de março, com os bons preços dos seus produtos e comprou uma quantidade exagerada de tecidos. No retorno à sua casa, ele se deu conta de que havia adquirido um produto não rentável para os negócios, uma vez que a base para seu comércio eram produtos alimentícios. Assim, o que poderia se tornar um problema, representou um grande motivador para o início de uma nova atividade. Os olhos de Dona Adelina brilham ao se lembrar do estalo que teve ao ver os tecidos comprados pelo marido: quando vi os tecidos, então eu pensei o seguinte: bom, todas as noites nós estávamos vendendo camisas, cuecas aqui no armazém. E porque eu não vou pensar em fazer alguma coisa deste tecido para vendermos também?. Diante do episódio, Dona Adelina convocou duas amigas que possuíam máquinas de costura e alguma habilidade para a confecção e iniciou o processo de fabricação de camisas. Após este início, as peças confeccionadas necessitavam ser vendidas e um único ponto de venda não daria conta de fazer com que a produção fosse vendida, ponderou Dona Adelina na ocasião, assumindo a seguinte postura: eu mesma pegava uma Kombi e saía para vender os produtos nas lojas das cidades vizinhas: Brusque, Joinville, Dr. Pedrinho e Guaramirim. Assim, como eu saía para vender, eu vendia por um ou dois meses. Eu mesma vendia, eu mesma entregava, eu mesma recebia. Todo o negócio estava em minhas mãos. Ela conta orgulhosa do seu papel para que a ideia de produzir e vender camisas ganhasse vigor e se tornasse um negócio sério: todo o negócio estava em minhas mãos, todo o corte das camisas era feito por mim. Eu trabalhava de madrugada, até altas horas da noite. Mas quando meu filho Anselmo entrou, ele começou a me ajudar, mas a organização sempre estava comigo. Neste momento, embora Dona Adelina fosse a principal figura para o controle e produção das camisas e ajudasse nas vendas e no gerenciamento do negócio que era tratado como uma extensão da casa, a presença da família na gestão dos negócios era total e fundamental. Os filhos foram se interessando pelo ofício e, inspirados na união dos nomes Duda e Adelina dos patriarcas da família Hess de Souza, nasce a marca Dudalina S/A. Afinal, o que é Empresa Dudalina S/A? A Dudalina S/A é uma empresa que atua no setor de vestuário e tem como objetivo do negócio a exploração da indústria do vestuário em fibras naturais, mistas ou artificiais, podendo ainda exportar ou importar. A empresa produz as marcas próprias e cada uma representa um 2

3 público alvo que se pretende alcançar. Assim, a DUDALINA está focada no público masculino executivo; a INDIVIDUAL, focada no público masculino nos estilos: life style, classic e premium; e a BASE & CO, focada no público jovem. Além disso, a empresa produz para as principais marcas brasileiras, exportando para países do MERCOSUL e Europa. As camisas de tecido plano são o principal produto e representam 70% da produção e das vendas da empresa. A Dudalina fabrica malhas, calças e bermudas, comercializando, ainda, boxers, jaquetas, perfumes, acessórios, trajes, sapatos e tricôs. A empresa mantém um escritório de vendas (matriz) na cidade de São Paulo/SP e 04 unidades industriais. A unidade mais antiga, fundada em 1957, está localizada na cidade de Luís Alves/SC e conta com uma planta de m2. A unidade industrial de Blumenau/SC possui m2 de área construída e foi inaugurada em Em Terra Boa/PR, a empresa mantém uma unidade de m2. A unidade de Presidente Getúlio possui 1.428m2. Ao todo são m2 de produção com colaboradores diretos e 250 indiretos. Com a visão de futuro em ser a melhor empresa de moda masculina do Brasil, a empresa registrou em seu planejamento estratégico a missão de despertar no consumidor o desejo por nossas marcas. Para isso os valores adotados pela empresa são: Cliente, como prioridade e alvo de conquista contínua; Ética, transparência e verdade; Inovação, antecipação, criação de novos desejos de forma sustentável; Paixão, sentimento de motivação para fazer o melhor com prazer; Pessoas, construção de relações sólidas e verdadeiras. A empresa tem como presidente do conselho de administração, Vilson Luis de Souza, que discursou enfáticamente: A meta da empresa é tornar-se uma grande gestora de marcas, não se esquecendo de nossos parceiros no Private Label, da responsabilidade social e do foco na sustentabilidade do negócio. Modelo de Gestão da Dudalina Pelo seu caráter familiar e sua forma jurídica de Sociedade Anônima, a Dudalina S/A homologou um modelo de gestão caracterizado pela existência de um conselho de administração; um conselho de família; e um acordo de acionistas. O Conselho de Administração era um órgão de deliberação colegiada, sendo que a representação da empresa era privativa dos diretores. O Conselho de Administração era composto por 7 (sete) membros efetivos e 3 (três) suplentes, sendo 6 (seis) eleitos em assembleia geral dos acionistas e um indicado pelo acionista controlador. Os acionistas minoritários que representavam mais de 20% (vinte por cento) do capital social com direito a voto podiam indicar um dos conselheiros efetivos. Na composição do conselho, 3 (três) conselheiros eram independentes, ou seja, escolhidos entre pessoas com amplo conhecimento em gestão, finanças, mercado e estratégia e que não tinham nenhuma relação com a empresa. Esta especificidade garantia que os conselheiros mantivessem sua independência no exercício da função. Na época, o presidente do conselho era Vilson Luis de Souza. O conselho de família, intitulado Conselho de Família Hess de Souza, não tinha personalidade jurídica e era formado exclusivamente pelos 16 filhos do casal Rodolfo Francisco e Adelina Clara Hess de Souza. O referido conselho era presidido por Adelina Sheila Hess de Souza Cunha, auxiliada por três membros efetivos, que se reuniam a cada bimestre para deliberação da pauta. A reunião do conselho, por sua vez, era realizada, anualmente, com a presença mínima de 12 membros. Suas atribuições eram várias e iam desde a discussão de instrumentos de proteção e diversificação do patrimônio da família, passando pela autorização 3

4 para aquisição e venda de participações acionárias entre seus membros; discussão sobre desenvolvimento e formação dos acionistas; assuntos relacionados à sucessão e arbitragem de conflitos entre os membros. Sobre a função do conselho de família, Vilson explicou: nas reuniões do conselho gastamos 60% do nosso tempo em questões relacionadas ao relacionamento dos sócios, tratamos de cuidar dos aspectos relacionados ao afeto entre os irmãos. Outros 30% do tempo gastamos discutindo a cultura da nossa organização, formas de preservar a herança cultural deixada pelos nossos pais. Somente 10% do tempo dedicamos ao negócio em si. Para tratar deste assunto o fórum é outro. O Acordo de Acionistas foi um instrumento adotado para regular as relações entre os sócios das empresas, Dudalina S/A; ADRO Administração e Representações Comerciais Ltda e Dudalina Participações Ltda, ambas pertencentes e controladas pela família Hess de Souza, estabelecendo princípios e normas de relacionamento e gestão nas empresas. O documento estabelecia que a empresa Dudalina S/A deveria ser administrada de forma profissional e tecnicamente como empresa de capital aberto; também ficava expresso que a empresa não deveria ser conduzida como sociedade familiar. Este documento definia ainda os critérios que deveriam ser observados para o preenchimento de cargos de direção e gerência. O Acordo de Acionistas deliberava sobre a forma de administração da Dudalina S/A; sobre a formação do Conselho de Administração e sobre a formação da diretoria. Assinavam o referido Acordo de Acionistas os 16 irmãos e Dona Adelina. Os Diferentes Cenários Vivenciados pela Empresa Para que a marca Dudalina S/A fosse criada e estabelecida nos moldes atuais, muitos cenários foram palco de êxitos e dificuldades, cujas causas, em certa medida, eram devido à má execução ou falta de execução de planos estratégicos. Era mais um dia na história da empresa e, na figura de membro da família Hess de Souza e presidente do conselho de administração, Vilson Luis de Souza iniciava uma reflexão sobre os cenários com vistas a compreender estes momentos a fim de fundamentar sua postura em decisões futuras, uma vez que ele desempenhava importante papel no tripé gerencial da empresa. Suas reflexões remetiam ao começo da empresa Dudalina em maio de Lembrou-se que com o sucesso das vendas na década de 60 a empresa adquiriu duas lojas em Balneário Camboriú/SC, com a finalidade de oferecer uma ocupação aos membros da família e escoar a produção. Em 1969, Sr. Duda e Dona Adelina, mudaram-se para a cidade de Blumenau e, em 1974, o comando da empresa passou para a segunda geração da família, na ocasião, sob o comando dos irmãos Anselmo José, que exercia a função de presidente do conselho de administração, e Heitor Rodolfo, na função de diretor de produção. Anselmo José era o primogênito do casal e acompanhara os negócios da família desde a infância. Ele assumiu a gestão dos negócios em 1974, tendo sua trajetória marcada pelo foco no mercado e na preocupação constante em formalizar a estrutura da empresa. Vilson Luis, lembrouse de um discurso de sua mãe a esse respeito: com a entrada do Anselmo na confecção, houve uma evolução da empresa bastante acentuada, uma evolução muito grande. A entrada dele no negócio foi muito importante. Ele saía para vender no norte do Paraná e várias cidades. A evolução principal da empresa iniciou-se quando o Anselmo começou a trabalhar na Dudalina, porque eu sozinha não dava conta, pois eu estava grávida todo ano, tinha que cuidar das crianças. 4

5 Anselmo José tinha a necessidade de formalizar a estrutura, e isso seria o motivo da centralização excessiva que marcou a sua gestão, relembrou Vilson Luis, memorando o que o irmão tinha admitido em uma conversa passada: a minha estrutura era um pouco centralizadora. Eu tinha domínio de todas as áreas. Atuava, ou fiscalizava dentro de todas as áreas. Fazia através de acompanhamentos e trabalho. Eu tinha poder absoluto. Era eu que dava as regras totais. Foi com esta postura que surgiram os primeiros sinais de gestão profissional na empresa, pela contratação de um executivo externo da família, por Anselmo: aí a empresa trouxe profissionais de fora que tinham experiência, contratação de profissionais, chefe de expedição, gerente comercial, eles já tinham experiências de outras empresas, sempre, ou quase sempre, da área têxtil, porque o têxtil tinha predomínio absoluto. Os anos 80, conhecidos como a década perdida da economia nacional, foram marcados pela consolidação da marca e a superação de dificuldades. A empresa sofreu com as cheias do Rio Itajaí-Açu em 1983, período durante o qual a produção foi, momentaneamente, interrompida e foram necessárias ações para recuperar a fábrica. Num esforço contínuo de manter os bons índices, os negócios foram ampliados com a abertura do escritório de vendas na capital paulista, comandado pela sua irmã Sônia Regina, a sexta filha do casal. Em 1984, uma nova fábrica foi inaugurada na cidade de Blumenau/SC. No período subsequente entre os anos de 1984 e 1989, a empresa cresceu 250%. Preocupados com a explosão dos negócios, o conselho de administração aprova a aplicação de 4% do faturamento anual em projetos de capacitação, treinamento e reformulação gerencial. Este foi o primeiro indício de uma nova estratégia gerencial, profissionalizar definitivamente a gestão do negócio. Em 1989, Anselmo José passou a presidência executiva da empresa para o irmão, Armando Hess de Souza, e assumiu o recém-criado Conselho de Administração. Anselmo deixou uma empresa capitalizada e com crescimento médio de 250% nos últimos 5 anos de sua gestão, porém, os problemas de gestão se acumulavam e coube à próxima gestão resolvê-los. A transferência da gestão da empresa foi intermediada pela própria fundadora, como lembrou Vilson Luis. Minha mãe argumentava: uma vez que o presidente buscava interesses pessoais não consoantes com os interesses e a direção do negócio da empresa, será necessária a intervenção da fundadora para direcionar um processo de transição da gestão para o outro filho. E foi o que aconteceu, na ocasião, conservando a característica cultural de gestão familiar. Na década de 90, sob o comando de Armando Cesar (Presidente executivo), o ajustamento da economia e a sequência de planos econômicos desastrosos trouxeram instabilidade à Dudalina. Vilson Luis relembra o que colaborou para o agravamento da crise na Dudalina foi o fato de, entre 1990 e 1991, o governo brasileiro ter promovido a abertura das importações. Seu irmão Armando, na época, tinha mencionado: com a abertura das importações, o setor têxtil de Blumenau vivenciou uma crise, que foi quase a sua destruição. Na Dudalina não tínhamos uma estrutura de custos para competir com os importados, foi um caos. Deste momento em diante a crise instalou-se na empresa que acumulou, a partir de então, prejuízos financeiros, o que, na percepção de Vilson Luis, tinha ocorrido, dentre outros motivos no tocante à gestão, pela falta de estratégia frente ao novo modelo econômico brasileiro. A abertura de mercado, promovida pelo então governo Fernando Collor de Melo, em 1991, fez com que a empresa se antecipasse às mudanças. Para tanto, os investimentos em modernização do parque industrial tornaram-se constantes. Precursora no uso de novas tecnologias, a empresa se tornou a primeira camisaria do Brasil a ter sistema integrado de modelagem, encaixe e corte eletrônicos. Em 1994, acontecem as primeiras importações de tecidos da Itália e de Portugal. A 5

6 marca Base entrou no mercado nesse mesmo ano como um laboratório de franquias. Em 1996, a empresa enfrentou sérias dificuldades e seu lucro foi negativo. Vilson Luis lembrava que o irmão Armando tinha se revoltado com a situação da empresa, assim como ele mesmo colocou numa reunião: nós produzimos dentro do mesmo parque fabril: camisa, calça, bermuda, blusa infantil, era uma salada russa e perdemos mercado, porque nós dispersamos o foco e tudo o que nós fazemos é um produto de qualidade mediana. Foi uma briga quase que solitária do presidente com os conselheiros para dar mais foco à empresa e isso se arrastou por mais de 5 anos evocou Vilson Luis. No ano seguinte, 1997, a empresa contratou uma consultoria, a Fundação Dom Cabral, com o objetivo de repensar o negócio e a forma de gestão, ocorrendo a instalação de um Conselho de Administração que não blindou a empresa de uma crise de gestão, disfarçada, no período anterior, pelo vertiginoso crescimento das receitas e do patrimônio da empresa. A nova diretoria direcionou seus esforços na procura de uma resposta às dificuldades encontradas na gestão, então a empresa iniciou um processo de expansão e modernização do parque fabril. Favorecidos pela abertura de mercado da economia brasileira, a empresa começou a importar tecidos da Europa. A contratação da uma consultoria e a adoção de um modelo de gestão, focado na excelência, salvaram a empresa de problemas mais sérios. A modernização chegou à gestão, que direcionou a instalação de modernas ferramentas de gestão, contratou designers reconhecidos internacionalmente e adquiriu tecnologia italiana para a confecção de camisas. Vilson Luis se recorda do discurso do irmão Armando: foi uma exigência minha que a empresa seguisse o modelo de gestão que estávamos implantando. Percebi que esta era uma forma de colocar minhas ideias na organização, pois tinha o aval e experiência da Fundação Dom Cabral. Dessa forma, consegui vencer algumas resistências, principalmente, do Conselho de Administração. A consolidação do novo modelo de gestão, apoiada pela consultoria, fez a empresa evoluir de um lucro operacional líquido negativo (ROL) de R$ ,00, em 1996, para uma ROL de mais de R$ ,00 no ano de O novo modelo de gestão contribuiu para que a empresa pudesse se reposicionar no mercado e adotar estratégias mais agressivas e contundentes. A principal mudança pode ser atribuída ao fato da empresa ter optado por trabalhar com 03 marcas de produtos e, dessa forma, segmentar o mercado, definindo estratégias para cada público alvo identificado. A opção da Dudalina foi trabalhar com o mercado das classes A e B nas marcas: Base Co; Individual e Dudalina (segmentada nas marcas Cult; Business e Sport Chic). Esse posicionamento proporcionou uma vantagem competitiva para a empresa, assim como pensou Vilson Luis: hoje temos uma presença de mercado bem definida, a empresa tem uma visão clara do que acontece no universo da moda no mundo todo, do ponto de vista de produto, moda, tendências. Temos acompanhado de perto os chamados sinais fracos e sinais fortes de tendência, por isso a Dudalina tem estado na vanguarda". Os anos 2000 foram palco de dificuldades. Apesar dos conflitos e disputas internos, o presidente resiste à pressão e permanece no cargo até o ano de Trabalhando com adversidades múltiplas, mas focado no objetivo de organizar a empresa, Armando implantou uma gestão mais compartilhada e tentou se firmar como líder. Em 2001, o lucro da empresa foi 56% menor que no ano anterior e, em 2002, a empresa amargou prejuízos. A troca de diretoria no ano de 2002 não foi ocasionada pelos resultados negativos da empresa, conforme assumiu o CEO da época. A saída de Armando César Hess de Souza foi motivada por incompatibilidades com o conselho de administração, pois havia uma 6

7 orientação do conselho para que a diretoria da empresa elaborasse projetos voltados para a entrada na indústria de moda, desenvolvendo estratégia de criação de canais de distribuição direta, uma tendência das indústrias desse setor. Porém, havia um receio por parte da diretoria por entender que, dessa forma, a empresa estaria concorrendo diretamente com seus clientes dos magazines e redes de lojas. Além disso, a empresa tinha um histórico de insucesso, quando franqueou a marca Base Co. Assim, o conselho e a presidência da empresa não entravam em comum acordo quanto à questão de adotar a estratégia de varejo: "eu trocaria um ano de lucro da empresa por um bom projeto de varejo, colocou Vislon. Para ele, o modelo de gestão familiar, associado à cultura portuguesa da família camuflava os conflitos internos e, caso a estratégia de varejo fosse adotada, ele não via outra alternativa a não ser a substituição do presidente. Vilson Luis lamentou que este momento foi marcado por conflitos entre os irmãos. De um lado Anselmo justificava sua saída: muitos profissionais contratados bateram de frente com a gestão familiar, as pessoas iam adquirindo vontade própria e eu era muito ditador. De outro, Armando, que se tornava o ocupante do cargo do irmão, colocava outra realidade: O Anselmo iniciou um novo negócio que não era compatível com a Dudalina, então o conselho decidiu que ele deveria se afastar, para cuidar do próprio negócio, e me colocaram de presidente... eu não estava totalmente preparado... levei uns 2 anos para entender a dinâmica política da empresa, durante esse tempo fui muito castigado. A consolidação do novo modelo de gestão da Dudalina alcançou o ápice no ano de Nesse período, houve outra troca da direção da empresa, que passou a ser presidida por Sônia Regina Hess de Souza. Esse fato, porém, não alterou as práticas organizacionais, tão pouco a forma e o modelo de condução dos negócios foram alterados. Sônia Regina assumiu a presidência, apoiada pelos irmãos Renê Murilo (diretor de operações) e Rui Leopoldo (diretor de exportações). Essa década foi marcada pela responsabilidade social. A empresa implantou um programa de participação nos lucros, tornou-se signatária do Pacto Global (programa da ONU em favor de direitos humanos, meio ambiente e contra a corrupção), e foi instituído o código de ética na empresa. Estrategicamente no mesmo período a Dudalina investiu fortemente em marketing. Já em 2004 a empresa retomou sua curva de crescimento e o lucro reapareceu no ano seguinte. Nos anos que seguiram até 2009, novos conflitos internos e contingências se fizeram presentes, porém não tiveram o mesmo impacto dos que incidiram no declínio da empresa no período 1991 a Entretanto, pensando em um cenário contemporâneo, Vilson Luis tinha consciência de que não estavam isentos de vivenciarem novas tempestades. Ele permanecia vigilante quanto aos eventos que, assim como os anteriores, pudessem vir a emergir e abalar a empresa. O dirigente avaliou as ações estratégicas tomadas e, num momento solitário de reflexão, questionou-se sobre quais medidas a Dudalina S/A poderia tomar para lidar com as contingências. Dentre algumas, ele refletiu sobre a possibilidade da empresa intensificar sua estratégia de varejo, já que ele tinha observado que há um movimento antigo e contínuo, ligado às condições econômicas características da indústria e ao cenário competitivo no qual a empresa estava inserida, das indústrias entrarem no varejo e terem tido bastante sucesso. NOTAS DE ENSINO Resumo 7

8 Este caso para ensino descreve a história empreendedora de uma empresa familiar, atuante no setor de vestuário brasileiro, a Dudalina. Na narrativa do caso, apresenta-se toda a trajetória da empresa, enfatizando, os momentos de dificuldades vivenciados pela empresa ao longo de seu desenvolvimento, bem como as subsequentes estratégias adotadas para a recuperação organizacional. A história suscita questões que abrigam teorias subjacentes em estratégia organizacional. O dilema central reside na decisão da adoção da estratégia de varejo como forma da empresa se posicionar estrategicamente no mercado. Recomenda-se a utilização deste caso em cursos de graduação e pós-graduação. OBJETIVOS EDUCACIONAIS O caso destaca as principais dificuldades no gerenciamento de uma grande empresa do setor de vestuário, apresentando elementos que a caracteriza como empresa familiar e uma história de ascensão, sucessão, declínio, turnaround e decisões de posicionamento estratégico ao longo da sua existência. Foram abordados temas que se encontram no quadrante da Administração Estratégica tendo como desafio descrever as etapas do ciclo de vida CVO da empresa Dudalina S/A com ênfase na etapa de declínio organizacional, turnaround e as decisões definidas pela empresa a respeito de seu posicionamento estratégico no mercado até o ano de Os objetivos desse caso para ensino são desenvolver nos participantes: 1) conhecimentos sobre as peculiaridades da gestão de uma grande empresa familiar, em que são elucidados o cotidiano dessa empresa, a partir de um relato vivo da vivência dos seus personagens principais; 2) reconhecimento da possibilidade de aplicação dos conceitos de Administração Estratégica, possibilitando a discussão no âmbito da gestão de empresas de grande porte, mais especificamente as temáticas de CVO, declínio, turnaround e posicionamento estratégico, sendo temas abordados na disciplina de Administração Estratégica que compõem a grade curricular de cursos de graduação e pós-graduação; 3) além dos temas relacionados com a disciplina de Administração Estratégica, este caso tem potencialidade em sensibilizar e avaliar as consequências de uma postura empreendedora na gestão familiar, o processo de sucessão empresarial, concepção de novos negócios, posicionamento de mercado e gerência de marcas, conteúdos das disciplinas de Empreendedorismo; Gestão e Governança; e Marketing que podem ser ofertadas tanto na graduação como em pós-graduação; 4) proporcionar uma análise crítica da literatura; 5) desenvolver a capacidade de estabelecer claramente o link entre teoria e as atividades desenvolvidas pela organização em foco, fazendo com que os alunos sejam capazes de discernir e tomar melhores decisões. Considerando a dificuldade em realizar visitas técnicas que propiciem aos alunos uma vivência mais próxima da realidade, esse caso vem atender a essa demanda específica já que ilustra uma situação vivenciada no cotidiano de uma empresa. Tendo em vista a escassez na literatura de casos para ensino de grandes empresas, esse caso ilustra claramente a realidade de empresas que passam a ter maior dificuldade de sobrevivência conforme o ciclo de vida avança. Tal constatação pode ser explicada pela necessidade de capitalização do negócio, na medida em que vai acontecendo a consolidação de sua atividade. 8

9 Esse caso possibilita, ainda, conhecer as características próprias de grandes empresas familiares, diferenciando-se de outros tipos de gestão e que muitas vezes essas informações são negligenciadas nas discussões e literatura que trata desse setor. FONTES DE DADOS Este caso relata uma situação real, em uma empresa do setor de vestuário. As situações apresentadas são fieis à realidade pesquisada. Os sujeitos da pesquisa foram membros da família que exerceram ou exercem no período da pesquisa cargos de diretoria, além dos membros da família que têm participação acionária na empresa. Foram realizadas cinco entrevistas distribuídas nas seguintes funções: Sócio e Presidente do Conselho de Administração, Controladoria, Sócia e CEO da empresa, Sócio e ex- CEO empresa. Para levantar as possíveis causas do declínio bem como os fatores responsáveis pelo turnaround da empresa no período entre 1989 e 2004, foram ouvidas as pessoas que faziam parte da diretoria da empresa no período entre 1990 a 2004, pois, para Robbins e Pearce II (1992) o ciclo completo entre o declínio do desempenho e a recuperação é de aproximadamente quatro anos. Cabe observar que a Dudalina S/A enfrentou seu maior desafio no ano de 1991, em função da abertura abrupta das importações, sendo que nos anos 1996 e 2002 seu lucro também foi negativo. Nesse sentido, o período acima (1989 a 2004) se justifica como aquele que antecedeu o ápice das dificuldades da empresa. A coleta dos dados primários foi realizada por meio de entrevistas semi-estruturadas, permitindo, assim, uma profundidade nos eventos e acontecimentos, objeto deste caso para ensino. Os dados secundários, por sua vez, foram provenientes de análise documental: relatórios de gestão, documentos e registros contábeis e gerenciais, bem como, outros documentos de posse da empresa que pudessem ajudar a compor sua história. Para o levantamento destas informações, foi enviado, antecipadamente, aos devidos departamentos, um check list indicando a natureza da informação que se pretendia coletar, na tentativa de otimizar a coleta de dados. As entrevistas tiveram como propósito conhecer a empresa e identificar a situação problema que fosse considerada útil para a elaboração do caso. TÓPICOS PEDAGÓGICOS Sugestões e Orientações para o Uso do Caso Torna-se interessante discutir, antes do estudo do caso em si, um panorama da indústria de vestuário para que os alunos se situem sobre a realidade desse setor e as potencialidades desse mercado na região na qual se encontra a empresa em estudo. Pode-se começar a discussão do caso, abordando os assuntos de ciclo de vida das organizações, declínio, turnaround e posicionamento estratégico no contexto organizacional, considerando o ambiente em que a empresa se insere. Como sugestão para análise do caso pelo professor, para orientar a discussão em sala de aula, são recomendados os seguintes procedimentos: 1. Tempo para análise do caso, antes da aula: aproximadamente 1h; 2. Análise e discussão dos alunos em pequenos grupos (3 a 4 alunos): 20 minutos em sala; 3. Discussão em sessão plenária orquestrada pelo professor: 30 minutos em sala; 4. Fechamento da discussão do caso pelo docente: 15 a 20 minutos em sala. 9

10 Questões para Discussão 1. Quais sãos as fases do ciclo de vida da Dudalina? Explique cada uma delas de acordo com a literatura sobre o tema. 2. Qual o conceito de declínio e turnaround organizacional apresentados neste caso? Explique. 3. Oberva-se que vários fatores levaram a Dudalina ao declínio organizacional. Quais são esses fatores? 4. Quais medidas poderiam ter sido adotadas pela gestão da empresa para solucionar problemas de declínio apresentados no caso? 5. Descreva o processo de recuperação pelo qual passou a Dudalina, de acordo com a literatura sobre o tema. 6. Qual ferramenta estratégica poderia ajudar a Dudalina a decidir sobre a possibilidade de intensificar suas ações no varejo? Explique. 7. Quais as implicações para o modelo de negócio da Dudalina caso ela opte por intensificar as ações para o varejo? Revisão da Literatura Relacionada à Resolução das Questões Para embasar as questões na discussão deste caso para ensino e para a reflexão sobre os conflitos inerentes a essa empresa, deve ser considerada a literatura sobre ciclo de vida das organizações, declínio organizacional, turnaround e posicionamento estratégico. Ressalta-se que a utilização das três teorias de Administração Estratégica, neste caso para ensino, são apenas bases teóricas norteadoras para explicar os eventos que ocorreram ao longo dos anos na gestão. Já a teoria de posicionamento estratégico de Porter deve dar subsidio ao aluno para responder a questão central. No entanto, o professor pode fazer uso de outras teorias para dar suporte à resolução do caso, conforme explicitado anteriormente no tópico sobre os objetivos educacionais. Ciclo de Vida das Organizações Parte significante da literatura trata o Ciclo de Vida das Organizações (CVO) de maneira analógica aos seres vivos (MACEDO, 2003). Neste sentindo o CVO estuda a forma como as organizações se desenvolvem e administram suas atividades ao longo do tempo e a maneira como surgem padrões durante a trajetória de desenvolvimento. O modelo seminal para os estudos de CVO é proposto por Larry Greiner (1972). O autor explica o CVO com base em estudos realizados sobre o comportamento humano frente às modificações do ambiente. Utiliza elementos como idade; tamanho de crescimento da indústria; foco gerencial; estrutura organizacional; formalização; estilo da alta administração e sistemas de controle e recompensas aos níveis gerenciais, para enquadrar as empresas em cinco fases de desenvolvimento organizacional: 1) início, 2) sobrevivência, 3) sucesso/decolagem, 4) expansão e 5) maturidade; 10

11 Há um consenso entre os autores de que as crises enfrentadas pelas organizações podem ocorrer em qualquer fase do desenvolvimento da organização e se mal gerenciadas podem levar ao declínio e a morte das mesmas (GREINER, 1972; ADIZES, 1990; CHURCHILL, LEWIS, 1983; MILLER, FRIESEN, 1984). Outro ponto em comum entre as opiniões dos autores ocorre ao evidenciar que o aumento da complexidade na organização acontece na etapa de crescimento, exigindo, desta forma, um esforço maior da organização em vencê-los. Por outro lado, na etapa do envelhecimento a empresa perde, de forma visível, a capacidade de enfrentamento das crises e, se estratégias de turnaround não forem adotadas, o desaparecimento da organização é decretado Assim, de acordo com a literatura todas as empresas passam por fases de desenvolvimento: nascimento, crescimento, estabilização, declínio e morte. Cada fase apresenta características específicas, porém que são semelhantes entre as empresas. No entanto, diferente dos seres vivos as organizações podem apresentar a fase de renascimento (MILLER & FRIESEN, 1984). Declínio de Turnaround das Organizações Os estudos destinados a pesquisar declínio no desempenho das organizações têm focado tanto na compreensão do declínio por si, quanto do turnaround (recuperação empresarial) e da falência (HOFFMAN, 1989). Segundo Levy (1986), declínio organizacional é definido como a falta de consciência das ameaças do ambiente (interno ou externo) associado ao desconhecimento das fraquezas da organização. Para ele, essas duas deficiências fazem com que a empresa tome decisões que não são eficientes na solução dos problemas. Nesse sentido, Weitzel e Jonsson (1989) sugerem que as organizações desenvolvam um conjunto de indicadores capazes que ajudar o grupo gerencial a controlar as prováveis distorções na performance da empresa. De acordo com esses autores, os problemas enfrentados por empresas que se encontram na fase declínio são relacionados, principalmente, à erosão de sua base de recursos, requerendo dos gestores rapidez e eficiência na tomada de decisão. Adicionalmente, eles apontam três fatores causadores de declínio organizacional: descontinuidade da indústria, passagem de estágio do produto no seu ciclo de vida e a dinâmica organizacional interna. Outras causas de declínio também são apresentadas por Mintzberg (1984) e Greenhalgh (1982) ao afirmarem que o declínio ocorre quando a organização atinge o limite da oferta de seus serviços à sociedade, ou seja, a habilidade gerencial em se adaptar ao ambiente encontra-se deteriorada e a tentativa de aumentar a participação no mercado é falha. Adicionalmente, Schendel et al. (1976) apontam a estrutura de custos elevada, a produção ineficiente e a redução do volume dos negócios, associados ao aumento da concorrência e a problemas com a gestão como sendo as características que indicam as causas do declínio. A respeito do tema, os referidos autores enfatizam que o maior sinal de declínio na organização é a receita operacional líquida reduzida por quatro anos consecutivos. Bibeault (1999), por sua vez, afirma que as causas do declínio podem ser classificadas como internas e externas. No primeiro caso, a visão estreita, a falta de disciplina do gestor, assim como a centralização excessiva das decisões e os problemas oriundos da sucessão são apontados como possíveis causas do declínio. Os fatores externos podem ser causados pela subida das taxas 11

12 de juros e inflação, pela entrada de novos concorrentes, fatores ligados à regulamentação e legislação do setor e, finalmente, a evolução rápida da tecnologia de produção que pode tornar ultrapassada a tecnologia da empresa que, descapitalizada, não acompanha a concorrência. Ainda podem ser citados como responsáveis pelo declínio de organizações os seguinte fatores sugeridos por Thain e Goldthorpe (1989): - Distanciamento do propósito organizacional definido na missão; - Utilização de estratégias inapropriadas para atender aos objetivos estratégicos; - Cadeia de valor deficiente, causando dificuldades para implementar a estratégia; - Incapacidade de organizar pessoas, estruturas e sistemas para o controle; - Recursos utilizados de forma dispendiosa; - Estratégias operacionais desalinhadas com o meio ambiente; - Dificuldades na obtenção dos resultados propostos. Nesse sentido, Scott (1976) sugere que seja introduzida energia humana e financeira numa organização em declínio, pois tal atitude é semelhante a um modelo orgânico que, quando doente, necessita de cuidados e assistência especiais. Katz e Kahn (1966) e Buckley (1967) explicam que o declínio numa organização se torna maior na medida em que as ações estratégicas adotadas pela empresa são insuficientes para repor a energia que a organização requer, do mesmo modo que o não entendimento da real complexidade do ambiente pode levar o grupo gestor a uma leitura errada da situação. Neste caso, segundo os autores, pode haver uma intensificação no declínio e a falência se torna inevitável. Entretanto, quando se consegue evitar a falência, diz-se que a empresa passa por um processo de recuperação denominado de turnaround. Dentre os precursores no estudo dessa temática, encontram-se Schendel et al. (1976) os quais apontam duas alternativas para solucionar o problema de declínio nas organizações: curas estratégicas e curas operacionais. A primeira é útil, quando a causa do declínio é a má gestão da organização; a segunda, é necessária para responder as deficiências financeiras, resultado da fraca eficiência operacional. Outra alternativa de recuperação das empresas é dada por Slatter e Lovett (1999). Eles afirmam que a mudança do principal executivo consiste em uma estratégia positiva que fornece um elevado grau de recuperação das empresas. Esse novo executivo deve concentrar esforços no aumento do fluxo de caixa, na melhoraria dos controles financeiros e na implantação de uma cultura de gestão orientada para resultados. Hofer (1980), por sua vez, afirma que caso a empresa apresenta saúde operacional adequada, ela alcança movimentos positivos de recuperação. Nessa situação, a redução dos custos e ativos é a melhor resposta. Entretanto, é importante ressaltar que o momento de recuperação deve ser adequado à situação financeiras da empresa e o foco da formulação de estratégias deve ser nas causas do declínio (BIBEAULT, 1999; HOFER, 1980). É importante salientar que a estratégia de redução de custos não é suficiente para o turnaround organizacional (SLATTER; LOVETT, 1999), devendo, os movimentos estratégicos da empresa, serem acompanhados doaumento da cota relativa de participação no mercado e uma eficiência nos níveis operacionais da organização (HAMMBRICK; SCHECTER, 1983). Corroborando com o pensamento de Hofer (1980) sobre turnaround após períodos de declínio, tem-se os estudos de Robbins e Pearce II (1992). Para eles, duas etapas são identificadas no processo de recuperação do desempenho organizacional: desenvolvimento de atividades de redução de custos e ativos (retrenchment) e o turnaround depois que a empresa estabilizou os resultados econômicos, conforme mostra a Figura 1. 12

13 Quadrante 1 Quadrante 2 Quadrante 3 Fatores Internos de declínio Intensidade do declínio Baixa Redução de custos Estabilidade Manutenção da eficiência Operacional Melhoria do desempenho da organização Fatores Externos de declínio Alta Redução de ativos Expansão empreendedora Estratégico Fase de Declínio Processo de estabilidade e recuperação Processo de Turnaround crescimento Figura 1 - O processo de recuperação de Robbins e Pearce II Fonte: Adaptado de Robbins e Pearce II (1992, p.291) De acordo com a Figura 1, o quadrante 1 representa a fase em que a organização começa a sentir os primeiros efeitos do declínio. Durante esse período, a combinação dos fatores internos e externos implica na necessidade de recuperação da empresa. Para tanto, é indispensável um diagnóstico preciso, pois, baseado nele, o grupo gestor tomará as providências cabíveis requeridas pela situação. No quadrante 2, pode-se observar a fase de retrenchment que corresponde a uma das ações de recuperação adotadas e que pode acontecer por meio da redução de custos (quando a intensidade do declínio é baixa), ou por meio da venda de ativos fixos, motivada, neste caso, por crises mais agravadas. Por outro lado, Arogyaswamy e Yasai-Ardekani (1997) afirmam que os fatores determinantes para o turnaround bem sucedido dos negócios são os investimentos em tecnologia e a busca contínua pela melhoria da eficiência na operação. Neste caso, a diminuição dos custos como atividade de retrenchment pode comprometer o desempenho e a qualidade dos produtos organizacionais, levando a empresa a um círculo vicioso que a implicaria em falência. Na Figura 1, também é possível observar uma justaposição entre o final do quadrante 2 (processo de estabilidade e recuperação) e o começo do quadrante 3 (processo de crescimento ou regresso ao crescimento). O tempo de duração entre uma fase e outra vai depender da capacidade da organização em responder aos problemas identificados (ROBBINS; PEARCE II, 1992). Essa capacidade está diretamente relacionada com aspectos como: recursos disponíveis, programas e políticas, estrutura organizacional, recursos humanos e recompensa. Fleck (2004) aponta duas condições essenciais para o sucesso de longo prazo nas organizações. A primeira, está relacionada com a capacidade da empresa de exercer prolongado poder no mercado, ocupando posição privilegiada do setor (FLECK, 2004, p. 84). A segunda, 13

14 está relacionada à empresa projetar processos organizacionais que lhe permitam capturar, explorar e reconfigurar recursos valiosos e moldar consideravelmente seu ambiente de negócios (FLECK, 2004, p. 84). Neste contexto, a autora procura explicar que o desempenho superior de uma organização é regido pela flexibilidade e agilidade que ela demonstra em reconfigurar seus processos, utilizando os recursos excedentes com objetivo de acompanhar e criar as mudanças no mercado. Assim, pode-se afirmar que o declínio e a recuperação do desempenho empresarial são um processo holístico que envolve aspectos econômicos, financeiros, estratégicos e humanos, desencadeados por uma sequência de acontecimentos e espalhados numa linha de tempo variável, tendo como inputs fatores relacionados ao ambiente interno e externo à organização. Posicionamento Estratégico O Modelo das Cinco Forças desenvolvido por Michael Porter (1979) é uma ferramenta de análise estratégica que destina-se ao estudo da competição entre as empresas para, a partir daí, daí definir qual estratégia será adotada, garantindo um posicionamento estratégico no mercado e aumentando suas chances de auferir maiores lucros. Segundo Porter (1989), em qualquer indústria existem cinco forças competitivas que determinam as regras da concorrência: entrada de novos concorrentes, a ameaça de substitutos, o poder de negociação dos compradores, o poder de negociação dos fornecedores e a rivalidade entre os concorrentes existentes. As forças mais competitivas determinam o lucro potencial máximo de uma setor industrial e, portanto, são mais importantes na formulação estratégica. Tais forças são melhor visualizadas na figura 2: Entrantes Potenciais Ameaça de novos entrantes Poder de Negociação dos Fornecedores Fornecedores Concorrência na Indústria Rivalidade entre empresas existentes Poder de Negociação dos Compradores Compradores Ameaça de serviços ou produtos substitutos Substitutos Figura 2: Cinco Forças Competitivas Fonte: Porter,

15 De acordo com Porter (1989), o vigor de cada uma das cinco forças competitivas é uma função da estrutura industrial e seus elementos importantes são: Barreiras de entrada: economias de escala, diferenças de produtos patenteados, identidade de marca, custos de mudança, exigências de capital, acesso à destruição, vantagens de custo absoluto (curva de aprendizagem, acesso a insumos necessários, projeto de produtos de baixo custo), política governamental e retaliação esperada. Determinantes da rivalidade: crescimento da indústria, custos fixos, excesso de capacidade crônica, diferença de produtos, identidade de marca, custos de mudança, concentração e equilíbrio, complexidade informacional, diversidade de concorrentes, interesses empresariais e barreiras de saída. Determinantes do poder do comprador: alavancagem de negociação e sensibilidade ao preço. Determinantes da ameaça de substituição: desempenho do preço relativo dos substitutos, custos de mudança e propensão do comprador a substituir. Determinantes do poder do fornecedor: diferenciação de insumos, custos de mudança dos fornecedores e das empresas na indústria, presença de insumos substitutos, concentração de fornecedores, importância do volume para o fornecedor, custo relativo a compras totais na indústria, impacto dos insumos sobre custo ou diferenciação e ameaça de integração para frente em relação à ameaça de integração para trás pelas empresas na indústria. Indústrias atraentes têm ameaças baixas de entrada, ameaças baixas de rivalidade, ameaças baixas de substitutos, ameaças baixas de fornecedores poderosos, e ameaças baixas de compradores poderoso. É importante mencionar que apesar estrutura industrial ser relativamente estável, ela pode se modificar com o passar do tempo à medida que uma indústria se desenvolve, podendo influenciar de maneira positiva ou negativa a rentabilidade da indústria. Assim sendo, o objetivo da empresa é encontrar uma posição no setor onde possa melhor se defender dessas forças ou influenciá-las. REFERÊNCIAS ADIZES, I. Os ciclos de vida das organizações: como e por que as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. São Paulo: Pioneira, AROGYASWAMY, K. e YASAI-ARDEKANI, M. Organizational turnaround: understanding the role of cutbacks, efficiency improvement, and investment in technology. IEEE Transactions on Engineering Management, n. 44, p. 3-11, BIBEAULT, D. Corporate turnaround: how managers turn losers into winners. Washington: Beards Books. New York: McGraw-Hill, Originalmente publicado em CHURCHILL, N. C.; LEWIS, V. L. The five stages of small business growth. Harvard Business Review, n. 61, p , FRÖHLICH, L. Ciclo de vida das empresas e as práticas organizacionais: o caso Dudalina. Dissertação de Mestrado. Universidade do Vale do Itajaí: Biguaçú, GREINER, L. E. Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, v.50, n.4, p.37-46,

16 HAMBRICK, D. e SCHECTER, S. Turnaround strategies for mature industrial product business units. Academy of Management Journal, n 26, p , HOFER, C. Turnaround strategies. Journal of business strategy. Summer, n. 1, p , HOFFMAN, R. Strategies for corporate turnarounds: what do we know about them? Journal of General Management, n 46, p , 1989 LEVY, A. Second-order planned change: definition and conceptualization. Organization Dynamics, v. 15, n. 1, p. 5-20, 1986 MACEDO, J. F. Alavanca para o sucesso. Florianópolis: Ed. Terceiro Milênio, MILLER, D.; FRIESEN, P. A longitudinal study of corporate life cycle. Management Science, v.30, n.10, MINTZBERG, H. Power and organization life cycles. Academy of Management Review, v. 9, p , PORTER, M. E. How competitive forces shape strategy, Harvard business Review, March/April PORTER, M. E. Vantagem Competitiva. 22. ed. Rio Janeiro: Campus, ROBBINS, D. e PEARCE II, J. Turnaround: retrenchment and recovery. Strategic Management Journal, n. 13, p , SCHENDEL, D. PATTON, G. e RIGGES J. Corporate turnaround strategies: a study of profit decline and recovery. Journal of general management, n. 3, spring, p. 3-11, 1976 SLATTER, S. e LOVETT, D. Corporate turnaround: managing companies in distress. London: Penguin Books, WEITZEL, William. JONSSON, Ellen. Decline in Organizations: A literature Integration literature Integration and Extension. Administrative Science Quarterly, 34. p , march

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS Júlio César Massuda Brasil Faculdade de Ciências Aplicadas de Minas UNIMINAS jmassuda@uniminas.br Vidigal Fernandes Martins Brasil Universidade Federal

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni Aula 6 Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter Profa. Daniela Cartoni Planejamento estratégico É um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Organização. Como organizar e dirigir uma empresa para crescer? O que fazer para organizar e crescer?

Organização. Como organizar e dirigir uma empresa para crescer? O que fazer para organizar e crescer? Organização Como organizar e dirigir uma empresa para crescer? O que fazer para organizar e crescer? Quando um empreendedor começa um negócio, o que ele mais deseja é: crescer, contratar pessoas, ter instalações

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE COMPETIVIDADE PARA UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR DE CONFECÇÕES.

ESTRATÉGIAS DE COMPETIVIDADE PARA UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR DE CONFECÇÕES. ESTRATÉGIAS DE COMPETIVIDADE PARA UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR DE CONFECÇÕES. Virgínia do S. Motta Aguiar Departamento de Administração Universidade Federal da Paraíba Campus II End. Res. Rua João Julião

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior por Maurício Garcia*, agosto de 2005 A influência do modelo público A maioria das instituições privadas de ensino superior copiou,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. das Américas, 4.200 - Bl. 08-B, Sala 104 Centro Empresarial Barra Shopping Barra da Tijuca, RJ (21) 2480-1911 Av. Paulista, 807 -

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA LUCIMARA APARECIDA DA SILVA BORGES Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM lucimara.borges@live.com MILENE

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Carlos Augusto Angrisano (USP) carlos.angrisano@poli.usp.br Fernando José Barbin Laurindo (USP) fjblau@usp.br Resumo

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Instituições universitárias, todas elas, são empresas, com missões distintas e oriundas da concessão de um serviço

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Adm. Valter Faria São Paulo, 27 de novembro de 2014 Jornal de Hoje Que habilidades serão exigidas

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Agenda: Organização X Empresa Empresas de Serviços Classificação Tipos de Clientes Ciclo de Vida Por que gerenciar estrategicamente uma empresa

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais