Manual do Curso de Evidência na Emergência. Dor Torácica aguda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do Curso de Evidência na Emergência. Dor Torácica aguda"

Transcrição

1 Dor Torácica aguda 1. Definição / Conceito Dor torácica aguda corresponde a dor localizada à região anterior do tórax, de início súbito ou recente, tipicamente menos de 24 horas, que para além de causar desconforto ao doente motiva o recurso aos serviços de saúde. Apesar da designação dor torácica estar habitualmente associada a dor localizada á região anterior do tórax, entre o apêndice xifoide e a incisura supraesternal e as linhas axilares médias esquerda e direita, ocasionalmente doentes com patologia intratorácica associada a risco de vida podem apresentar dor localizada para além deste limites. Este facto deve ser tido em conta quando o doente localiza a dor em regiões próximas como por exemplo epigástrica, cervical, mandibular ou nos membros superiores. Por outro lado a percepção da dor é muito variável pelo que nem sempre o doente se queixa de dor torácica, podendo referir apenas uma pressão ou um desconforto. A idade, sexo, comorbilidades (por exemplo diabetes mellitus), medicação, drogas (por exemplo álcool), aspetos psicológicos e culturais, entre outros, podem também condicionar a percepção da dor e o modo como ela é descrita. A estimulação das fibras nervosas aferentes somáticas ou viscerais dá origem a manifestações dolorosas distintas. A pele e a pleura parietal são inervadas por fibras nervosas somáticas que entram na espinal medula em níveis bem definidos e organizadas por dermátomos. Neste caso a dor, somática, é facilmente descrita e localizada de forma precisa. Os diferentes órgãos, como por exemplo coração, vasos sanguíneos, esófago e pleura visceral, são inervados por fibras nervosas viscerais que entram na espinal medula em vários níveis e são mapeadas pelo córtex parietal como correspondendo a uma zona mais alargada e que se sobrepõe a vários dermátomos. Nesta situação a dor, visceral, é mais difícil de descrever e a sua localização é menos precisa e é frequentemente referida a uma zona distinta do corpo (por exemplo dor referida ao ombro ou braço pode estar associada a EAM). 2. Motivo precipitante / Causa A dor torácica é um dos motivos mais frequentes de recurso aos serviços de saúde sendo responsável por cerca de 5 a 10% das avaliações no Serviço de Urgência. As principais causas de dor torácica aguda podem ser agrupadas em cardiovasculares, pulmonares, digestivas, músculo-esqueléticas ou outras. Particularmente importantes são as situações clínicas agudas, potencialmente fatais, que necessitam de orientação terapêutica emergente. Principais causas de dor torácica aguda Cardiovasculares Pulmonares Digestivas Síndrome Coronário Agudo (SCA) Pneumotórax Rotura esofágica Tromboembolismo Pulmonar (TEP) Pneumonia DRGE Disseção Aórtica Pleurite / Derrame Pleural Espasmo Esofágico Pericardite / Tamponamento Cardíaco Músculo-Esqueléticas Síndrome Mallory-Weiss Estenose Aórtica Outras Gastrite / Úlcera Péptica Prolapso Valvular Mitral Herpes Zoster Doenças biliares Cardiomiopatia Hipertrófica Distúrbios emocionais ou psiquiátricos Pancreatite A abordagem do doente com dor torácica aguda, nomeadamente o diagnóstico diferencial, passa por colher os dados da história clínica identificando fatores de risco, executar exame físico orientado e solicitar exames complementares de diagnóstico (ECD). História clínica: Caracterizar a dor precipitantes / alívio, qualidade, região, iradiação, severidade e tempo (inicio / duração / frequência). Sintomas associados náuseas, vómitos, diaforese, dispneia, palpitações, tosse, hemoptise, alteração da deglutição, sintomas constitucionais, lesões cutâneas. Antecedentes factores de risco cardiovascular (FRCV), doença arterial periférica (DAP), doença cerebrovascular (DCV), doença coronária (DC), episódios prévios, factores de risco associados a TVP/TEP, doença gastrointestinal, história de trauma, medicação / hábitos, história familiar. Exame Objectivo: A Via Aérea: assegurar permeabilidade da via aérea. B Ventilação: posição da traqueia, expansibilidade torácica, palpação torácica, SpO2, FR, AP. C Circulação: PA em ambos os membros, FC, TVJ a 45º, pulsos periféricos, TPC e perfusão periférica, AC. D Disfunção neurológica: avaliar o nível de consciência (AVDN), pupilas e sinais focais. A Acordado V Verbaliza D Reage à Dor N Não reage a estímulos E Exposição: rash, lesões de herpes zóster. Síndromes coronárias agudas procedimento pg.1-5 actualizado em Mar 2013 por Cristina Rosário, Rute Ferreira e Miguel Cortez

2 Exames auxiliares de diagnóstico: ECG, radiografia de tórax, gasimetria arterial, hemograma, bioquímica incluindo marcadores de necrose do miocárdio e ponderar ecocardiografia, ecografia abdominal ou torácica, (Angio)TC do tórax e/ou abdómen. 3. Estratificação de risco A avaliação inicial de um doente com dor torácica aguda deve ser rápida, sistematizada e ter em consideração que existe um conjunto de diagnósticos possíveis que condicionam risco de vida, incluindo síndrome coronário agudo, disseção aórtica, tromboembolismo pulmonar, tamponamento cardíaco, pneumonia, pneumotórax e rotura esofágica, que tem que ser reconhecidos. Por isso quando se identifica um doente com dor torácica aguda, independentemente da realização prévia de triagem e da existência de protocolos de atuação neste contexto (Via Verde Coronária Intra-hospitalar), deve-se de imediato monitorizar (eletrocardiograma, oximetria de pulso e PA), obter acesso venoso periférico, administrar oxigénio se necessário e efetuar avaliação ABCDE. Se existir compromisso de funções vitais a prioridade é implementar as medidas necessárias à estabilização do doente. Na ausência de instabilidade hemodinâmica ou respiratória deve-se o mais rapidamente possível, no máximo até 10 minutos após a admissão, realizar história clínica focalizada, exame objetivo dirigido e ECG. Neste momento deve ser possível incluir o nosso doente num de vários percursos clínicos distintos cada um associado a risco, orientação diagnóstica e terapêutica distintos: doentes com supradesnivelamento do segmento ST devem ser imediatamente avaliados para terapêutica de reperfusão, preferencialmente por ICP se disponível em tempo útil (ver capitulo Síndromes Coronárias Agudas); doentes que não apresentam supradesnivelamento do segmento ST, mas mesmo assim com risco elevado de evento coronário agudo com base na história clínica (DC conhecida com sintomas típicos), exame objectivo (por exemplo IC ou sopro cardíaco sugestivo de IM presumivelmente de novo ) ou alterações electrocardiográficas (por exemplo infradesnivelamento de ST e/ou inversão da onda T) devem ser admitidos em cuidados intermédios e abordados como provável SCAsSST (ver capitulo Síndromes Coronárias Agudas); doentes que não apresentam supradesnivelamento do segmento ST, mas mesmo assim com risco intermédio - com base na história clínica (mais de 65 anos ou sexo masculino ou DM ou mais de 2 FRCV ou doença aterosclerótica conhecida ou sintomas típicos > 30 minutos sem DC conhecida ou sintomas atípicos > 30 minutos com DC conhecida) e exame objetivo, na presença de ECG não diagnóstico ou risco baixo de evento coronário agudo - com base em dados da história clínica e exame objetivo, na presença de ECG normal ou não diagnóstico, mas cujos sintomas merecem investigação adicional pela possibilidade de estarem relacionados com causa cardíaca, incluindo isquémica, que devem ter um período de monitorização clínica, eletrocardiográfica e doseamento seriado de MNM associado se necessário (disponível) a exames complementares de diagnóstico adicionais (radiografia de tórax, ecocardiograma ou TC por exemplo) preferencialmente antes da alta (eventualmente em situações de baixo risco após a alta); doentes que apresentam um diagnóstico alternativo como causa aparente para a sua sintomatologia e que após realização dos ECD necessários são orientados de acordo com o diagnóstico correspondente. 4. Tratamento O tratamento da dor torácica aguda inclui estabilizar o doente na presença de compromisso de funções vitais; promover o alivio da dor e do desconforto do doente; tratar de acordo com etiologia Síndrome Coronário Agudo (ver capítulo Síndromes Coronárias Agudas) Clínica: dor típica (torácica retroesternal, em aperto, peso ou ardência com irradiação para o pescoço, mandíbula, membros superiores ou para as costas) mas frequentemente atípica (sobretudo em idosos, mulheres e diabéticos); sintomas associados (dispneia, indisposição, diaforese, náuseas, vómitos). Factores de risco: idade, tabagismo, DM, HTA, dislipidemia, DC conhecida, DCV, DAP, drogas (cocaína), história familiar. Exame físico: pode ser normal, nomeadamente na ausência de complicações. ECD: ECG pode ser normal; MNM podem ser negativos (angina instável); radiografia de tórax frequentemente normal na ausência de complicações; ecocardiograma. Tratamento: tratamento inicial inclui morfina, oxigénio se necessário, nitratos e aas; na presença de EAMcSST avaliar de imediato para terapêutica de reperfusão, preferencialmente por ICP se disponível em tempo útil, e administrar inibidor P2Y12 (ticagrelor ou clopidogrel); na presença de SCAsSST avaliar risco cardiovascular e hemorrágico e definir orientação terapêutica mais adequada (invasiva ou não invasiva). Síndromes coronárias agudas procedimento pg.2-5 actualizado em Mar 2013 por Cristina Rosário, Rute Ferreira e Miguel Cortez

3 Dissecção Aórtica (ver capítulo Crise Hipertensiva) Clínica: dor muito severa (lancinante) súbita, mais forte no início com irradiação para a região dorsal; pode ocorrer associada a síncope, SCA, AVC ou isquemia arterial periférica. Factores de risco: HTA, aterosclerose, gravidez, aneurisma da aorta prévio, válvula aórtica bicúspide, coartação da aorta, cirurgia ou cateterismo cardíaco, trauma, doenças do colagéneo (Marfan, Ehlers-Danlos) e doenças inflamatórias com vasculite (sífilis, artrite reumatoide entre outras). Exame físico: depende dos territórios envolvidos - PA elevada, pulsos assimétricos ou variação de pressão arterial > 20 mmhg entre os membros superiores, AC (insuficiência aórtica), sinais de tamponamento cardíaco, défices neurológicos. ECD: ECG (frequentemente normal mas pode apresentar alterações sugestivas de isquemia do miocárdio), radiografia de tórax (alargamento do mediastino em cerca de 80% dos casos mas pode ser normal), angio TC torácico (diagnóstico), ecocardiograma trans-esofágico (limitado às dissecções da aorta ascendente; útil na avaliação de complicações como por exemplo insuficiência aórtica e derrame pericárdico ou tamponamento). Tratamento: tratamento inicial inclui analgesia (morfina), controlo de FC (60 a 80 bpm) e da PA (PA sistólica entre 100 e 120 mmhg); solicitar parecer de Cirurgia Cardio-Torácica ou Cirurgia Vascular - regra geral a disseção tipo A necessita tratamento cirúrgico emergente, a disseção tipo B não complicada pode ser tratada sem intervenção cirúrgica e a disseção tipo B complicada necessita de tratamento cirúrgico (preferencialmente utilizando TEVAR se anatomia favorável) Tromboembolismo Pulmonar (ver capítulo Embolia Pulmonar) Clínica: dor de início súbito, localização variada, geralmente de características pleuríticas; pode-se associar a dispneia, tosse, hemoptise, sintomas de TVP. Factores de risco: extrínsecos (trauma, cirurgia, fractura membros inferiores, cateter venoso central, quimioterapia, contraceptivos orais, imobilidade ) e intrínsecos (insuficiência cardíaca ou respiratória, neoplasia, THS, ACO, TEV prévio, trombofilias, idade, obesidade, insuficiência venosa crónica ). Exame físico: cianose, taquicardia, taquipneia, febre, sinais de TVP. ECD: ECG (S1Q3T3), gasimetria (hipoxemia e hipocapnia, aumento gradiente alvéolo-arterial), radiografia de tórax (oligoémia, sinais de Hampton e Palla); D- Dímeros (elevado valor preditivo negativo em doentes com probabilidade baixa ou intermédia), MNM e BNP (para estratificação de risco), ecocardiograma (estratificação de risco; exclusão de outros diagnósticos; auxilia no diagnóstico na presença de compromisso hemodinâmico), angio-tc torácico (diagnóstico), cintigrafia pulmonar de ventilação perfusão (diagnóstico se angio-tc contraindicado). Tratamento: tratamento inicial inclui administrar oxigénio, aliviar o desconforto do doente e promover estabilização hemodinâmica; tratamento específico depende da avaliação de risco (alto, intermédio ou baixo): hipocoagulação (HBPM ou HnF) - nos doentes de alto risco associada a fibrinólise. Pericardite (ver capítulo Tamponamento Cardíaco) Clínica: dor torácica retroesternal de início súbito, agrava com a inspiração e o decúbito, melhora com a posição de sentado e a flexão anterior do tronco ; frequentemente associada a dispneia; pode associar-se a febre ou síndrome gripal prévio. Factores de risco: neoplasia, uremia, infeção, disseção aórtica, EAM ou procedimento invasivo cardíaco recente, doença do colagénio, fármacos, trauma. Exame físico: pode ser audível atrito pericárdico; procurar sinais sugestivos de Tamponamento Cardíaco (hipotensão, pulso paradoxal, distensão venosa jugular, hipofonese dos sons cardíacos e eventualmente choque). ECD: ECG, MNM (se aumentados: miopericardite), radiografia de tórax (ICT aumentado) ecocardiograma transtorácico (permite confirmar o diagnóstico de tamponamento cardíaco). Tratamento: depende da etiologia; na presença de Tamponamento Cardíaco ponderar pericardiocentese. Pneumonia (ver capítulo Pneumonia Adquirida na Comunidade e Sépsis Grave) Clínica: tosse, expectoração, dispneia, dor torácica pleurítica, febre. Factores de risco: doença estrutural pulmonar (bronquiectasias, neoplasia pulmonar,...), imunodepressão (infeção VIH,...), tabagismo, alcoolismo, contexto epidemiológico. Exame físico: temperatura corporal, estado de consciência, FR e AP, PA e FC, perfusão periférica. ECD: lactato, colheita de produtos biológicos para exame microbiológico, gasimetria, leucograma, PCR, bioquímica (ionograma, índices de função renal e hepática) e radiografia de tórax. Tratamento: onde e como tratar o doente depende da avaliação clinica (incluindo ABCDE) e estratificação individual da gravidade (CURB65 e/ou PSI); iniciar tratamento antimicrobiano empírico o mais precocemente possível após admissão e escolher o fármaco em função da existência de modificadores da etiologia, gravidade, local de tratamento e co-morbilidades; abordagem adequada a contexto de sépsis, sépis grave ou choque séptico. Síndromes coronárias agudas procedimento pg.3-5 actualizado em Mar 2013 por Cristina Rosário, Rute Ferreira e Miguel Cortez

4 Pneumotórax (ver capítulo Pneumotórax) incluindo pneumotórax espontâneo, primário ou secundário, traumático ou iatrogénico Clínica: dor torácica súbita (sobretudo no pneumotórax primário) de características pleuríticas; dispneia (sobretudo no pneumotórax secundário) de intensidade variável. Factores de risco: primário jovens de biótipo longilíneo, tabagismo; secundário: doença das vias aéreas (asma, DPOC, fibrose quística), doenças infecciosas (pneumonia, tuberculose), neoplasias, doenças pulmonares intersticiais e doenças do tecido conjuntivo. Exame físico: expansão torácica diminuída, timpanismo à percussão, desvio contralateral da traqueia e diminuição dos sons respiratórios. ECD: diagnóstico com base na radiografia de tórax; ponderar TC se dúvidas de diagnóstico ou suspeita de doença pleuropulmonar subjacente. Tratamento: na presença de Pneumotórax Hipertensivo (sugerido pela presença de dispneia intensa, cianose, sudorese ou taquicardia com desvio contralateral da traqueia, TVJ, baixo débito cardíaco ou pulso paradoxal) aspiração imediata com agulha 16G montada em seringa inserida na perpendicular á parede torácica anterior ao nível do 2ºEI na LMC; nas outras situações orientação terapêutica (vigilância versus aspiração) depende da gravidade (ABCDE), tipo (primário ou secundário) / tamanho (< ou > 2 cm) do pneumotórax e antecedentes de pneumotórax prévio. Mediastinite (ver Sépsis Grave) Clínica: dor torácica retroesternal e epigástrica, súbita e intensa, frequentemente com irradiação dorsal e para o ombro esquerdo; disfagia, vómito com ou sem hematemese, melenas; dispneia. Factores de risco: frequentemente associada a rotura esofágica (síndrome Boerhaave, tóxicos, fármacos, úlcera de Barret, úlcera infecciosa, neoplasia, corpo estranho, manipulação do esófago nomeadamente EDA com realização de técnica terapêutica) e em mais de 90% das situações iatrogénica. Exame físico: temperatura corporal, estado de consciência, FR e AP, PA e FC, perfusão periférica; enfisema subcutâneo, crepitações na área esternal, rigidez do abdómen superior e dor ou tensão à palpação cervical. ECD: radiografia de tórax (pneumomediastino); esofagograma; TC ou RM. Tratamento: iniciar tratamento o mais precocemente possível (SNG em aspiração, dieta zero, nutrição parentérica total, fluidoterapia iv, antibioterapia de largo espectro e analgesia eficaz preferencialmente com opioides); abordagem adequada a contexto de sépsis, sépsis grave ou choque séptico; decidir tratamento conservador ou cirúrgico (consultadoria de Cirurgia Geral) consoante etiologia, local de perfuração, tempo de evolução e extensão do processo infeccioso 5. Objetivos a monitorizar / Critérios de avaliação da resposta ao tratamento Monitorizar estabilidade clinica, nomeadamente se existiu compromisso de funções vitais. Monitorizar alívio da dor e desconforto do doente. Avaliar resposta ao tratamento de acordo com a etiologia. 6. Bibliografia Eric D, Aures C and Nicolas D. Chest pain and chest pain units. ESC Textbook of Intensive and Acute Cardiac Care Abreviaturas / glossário: AP Auscultação Pulmonar; AC Auscultação cardíaca; ACO Anticonceção Oral; AVC Acidente Vascular Cerebral; BNP B type Natriuretic Peptide; DAP Doença Arterial Periférica; DC Doença Coronária; DCV Doença Cerebrovascular; DM Diabetes Mellitus; DPOC Doença Pulmonar Obstrtutiva Crónica; DRGE Doença de Refluxo Gastro-esofágico; ECD Exames Complementares de Diagnóstico; EAM Enfarte Agudo do Miocárdio; EAMcSST EAM com supradesnivelamento de ST; EDA Encoscopia digestiva Alta; EI Espaço Interccostal; ETE Ecocardiograma Trans-esofágico; FC Frequência Cardíaca; FR Frequência Respiratória; FRCV Fatores de Risco Cardiovascular; HBPM Heparina de Baixo Peso Molecular; HNF Heparina não Fracionada; IC Insuficiência Cardíaca; ICP Intervenção Coronária Percutânea; ICT Índice Cardio Torácico; LMC Linha Médio-clavicular; MNM Marcadores de Necrose do Miocárdio; PA Pressão Arterial; RM Ressonância Magnética; SCA Síndrome Coronário Agudo; SCAsSST Síndrone Coronário Agudo sem spradesnivelamento de ST; SNG Sonda Naso-gástrica; TC Tomografia Computorizada; TEP Tromboembolismo Pulmonar; TEV Tromboembolismo Venoso; TEVAR Tratamento Endovascular da Aorta Torácica; TPC Tempo de Preenchimento Capilar; TSH Terapêutica de Substituição Hormonal; TVJ Turgescência Venosa Jugular; TVP Trombose Venosa Profunda; Síndromes coronárias agudas procedimento pg.4-5 actualizado em Mar 2013 por Cristina Rosário, Rute Ferreira e Miguel Cortez

5 Síndromes coronárias agudas procedimento pg.5-5 actualizado em Mar 2013 por Cristina Rosário, Rute Ferreira e Miguel Cortez

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

DOR TORÁCICA aguda Miguel Cortez

DOR TORÁCICA aguda Miguel Cortez 03 Abril 2013 DOR TORÁCICA aguda Miguel Cortez chest pain accounts for approximately six million annual visits to emergency departments (ED) in the United States (US), making chest pain the second most

Leia mais

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior Abordagem da Dor Torácica Aguda Jeová Cordeiro de Morais Júnior Introdução Traumática x não-traumática Cerca de 8 milhões de atendimento nas emergências nos EUA Cerca de 10-12% são liberados com SCA Avaliar

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Propedêutica Cardiovascular. Marcio Gianotto

Propedêutica Cardiovascular. Marcio Gianotto Propedêutica Cardiovascular Marcio Gianotto Diagnóstico??? Anamnese Exames Complementares Diagnóstico??? Exame Físico Hipóteses Dx Principais sintomas associados a doenças cardiovasculares Dor torácica

Leia mais

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12 Versão: 1 Página: 1 de 12 INTRODUÇÃO A dor torácica é um dos problemas mais comuns na clínica médica, e uma das causas mais prevalentes de internação. Ocorrem 3 a 6 milhões de atendimentos por ano por

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Antritrombóticos na doença cardíaca

Antritrombóticos na doença cardíaca Antritrombóticos na doença cardíaca Terapêutica antitrombótica na doença cardíaca caso clínico Hermenegildo A.S., 67 anos Antec.Pessoais: Terapêutica farmac.: - HTA - Hiperuricemia - alopurinol Terapêutica

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012)

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Frans Rutten, Carel Bakx, Madeleine Bruins Slot, Bernadette van Casteren, Con Derks, Ravee Rambharose, Jako Burgers, Tjerk Wiersma, Paul

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL ANGINA ESTÁVEL ABDOL HAKIM ASSEF

CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL ANGINA ESTÁVEL ABDOL HAKIM ASSEF CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL ANGINA ESTÁVEL ABDOL HAKIM ASSEF Maringá - Paraná ANGINA ESTÁVEL DEFINIÇÃO Síndrome clínica caracterizada por dor ou desconforto em tórax, epigástrio,

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR RESUMO Anamnese ID HPMA IDA Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiais Exame Físico Geral Exame Físico Especial Cabeça / Face / Pescoço Aparelho

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Dor Torácica. Bárbara Ximenes Braz

Dor Torácica. Bárbara Ximenes Braz Dor Torácica Bárbara Ximenes Braz Objetivo principal: Confirmar ou afastar a hipótese de Doença Coronariana (IAM é a 2ª maior causa de óbito no País). Etiopatogenia Causas Cardiovasculares Causas Pulmonares

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP)

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) Hoje o DX é feito em menos de 30%. Antigamente só fazia DX quando havia triângulo de Infarto Pulmonar: bilirrubina aumentada,

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J.

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J. 1 3 Março INFLAMAÇÃO Conhecer os diferentes mecanismos fisiopatológicos que intervêm na resposta inflamatória Identificar os principais mediadores celulares e moleculares da inflamação Identificar os efeitos

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DISSECÇÃO AÓRTICA DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO CLÍNICO INDICAÇÃO

Leia mais

Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos. Pré-operatório, anestesiologia, avaliação. Médicos do Sistema de Saúde

Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos. Pré-operatório, anestesiologia, avaliação. Médicos do Sistema de Saúde NÚMERO: 029/2013 DATA: 31/12/2013 ATUALIZAÇÃO 24/04/2015 ASSUNTO: Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos PALAVRAS-CHAVE: Pré-operatório, anestesiologia, avaliação PARA: Médicos do Sistema

Leia mais

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR VISÃO DO MÉDICO. Letícia Weiss letiweiss@gmail. com

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR VISÃO DO MÉDICO. Letícia Weiss letiweiss@gmail. com SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR VISÃO DO MÉDICO Letícia Weiss letiweiss@gmail. com SEMIOLOGIA Vem do grego σημειολογία: Semeîon = sinal + lógos = tratado, estudo Semiologia: História clínica Exame físico Semiologia:

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011 UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011 Cardiologia SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio 2 Índice Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio... 3 Quantas mortes são causadas por AVC?... 3 Como dimininuir o risco de AVC?... 3 Quais as pessoas com

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Pericardite Aguda e Crônica

Pericardite Aguda e Crônica Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Pericardite Aguda e Crônica Jamil Cherem Schneider Pericárdio Normal a) Pericárdio Visceral: camada serosa inserida na superfície do coração. b)

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

16/05/2011. Objetivos da Aula. Apresentação Clínica. Classificação. Síndrome Coronariana Aguda O que é? Inclui: Angina Instável IAMEST IAMSEST

16/05/2011. Objetivos da Aula. Apresentação Clínica. Classificação. Síndrome Coronariana Aguda O que é? Inclui: Angina Instável IAMEST IAMSEST Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial Davi Melo Objetivos da Aula Síndrome Coronariana Aguda O que é? Definir SCA Distinguir os diferentes tipos de SCA s Saber

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013)

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Beusmans GHMI, Van Noortwijk-Bonga HGC, Risseeuw NJ, Tjon-A-Tsien MRS, Verstappen WHJM, Burgers JS, Wiersma Tj, Verburg AFE traduzido do original

Leia mais

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães Caso Clínico Luana Silva Bessa Guimarães Identificação Id: sexo masculino, 31 anos, natural e procedente de Fortaleza, pardo, católico, auxiliar de produção. Cansaço e inchaço nas pernas" Queixa Principal

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Angina. Prof. Claudia Witzel

Angina. Prof. Claudia Witzel Angina Angina Angina de peito ou angor pectoris é uma dor no peito devida ao baixo abastecimento de oxigênio ao músculo cardíaco; São devidas a aterosclerose nas artérias cardíacas (coronárias). O termo

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real Arritmia Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche IDENTIFICAÇÃO F.M.C.N.B Sexo feminino 43 anos Caucasiana 9ºano Casada Fajarda Empregada

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Organizador. Autores

Organizador. Autores ROSTO Apresentação O Guia de Emergências Clínicas foi estruturado a fim de orientar o profissional que lida a todo instante com situações diversas e que exigem diferentes abordagens na emergência clínica,

Leia mais

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o ANEXOS INDÍCE DE ANEXOS ANEXOS Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o código diagnóstico do ICD-9...pág.3 Anexo 2: Questionário aplicado aos doentes com MCH..pág.3 Anexo

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO. Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO. Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Angina Instável-IAM sem supra de ST

Angina Instável-IAM sem supra de ST Angina Instável-IAM sem supra de ST Dor precordial típica com quadro clínico compatível com SCA Faça ECG 1 com 12 derivações em até 10 min da admissão na Sala de Emergência Colha enzimas cardíacas e serie

Leia mais

Boletim Informativo 6-2006

Boletim Informativo 6-2006 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS NNOVVI IIDDAADDEESS NNO SS IITTEE I Estamos constantemente disponibilizando em nosso site novidades em serviços, dowloads e notícias, visite-o e

Leia mais

PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS (continuação) LISBOA, 2008

PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS (continuação) LISBOA, 2008 PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS (continuação) LISBOA, 2008 DOENÇAS RESPIRATÓRIAS RESTRITIVAS As que se caracterizam por uma diminuição da expansão dos pulmões com diminuição da capacidade pulmonar com perda da

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Guia do prescritor rivaroxabano

Guia do prescritor rivaroxabano Guia do prescritor rivaroxabano Informação importante de segurança Bayer Portugal, S.A. Rua Quinta do Pinheiro, nº 5 2794-003 Carnaxide NIF: 500 043256 Versão 4, agosto 2014 Este medicamento está sujeito

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA Álvaro Laranjeira Santos Serviço de Cirurgia Cardiotorácica CHLC- Hospital Santa Marta Sistematização Grupo 1 Aorta descendente c TEVAR isolado Grupo 2 Arco aórtico

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio 1 Duração do internato 60 meses. 2 Definição e âmbito: 2.1 A Medicina Interna ocupa-se da prevenção, diagnóstico

Leia mais

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST Nome do paciente: Atendimento: Idade: Sexo: ( ) M ( ) F Peso: Altura: Chegada ao hospital: / / Hora: ALERGIAS: Início da dor anginosa Data: Hora: Marcar o que se aplica: ESCORE TIMI PARA IAM COM SST HISTÓRIA

Leia mais

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC MÓDULO AVANÇADO: 2º Semestre de 2013 LOCAL: ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MINAS GERAIS ESTRUTURA DAS AULAS: - Participantes: Um palestrante + Um debatedor +

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais