DOR TORÁCICA aguda Miguel Cortez

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOR TORÁCICA aguda Miguel Cortez"

Transcrição

1 03 Abril 2013 DOR TORÁCICA aguda Miguel Cortez

2 chest pain accounts for approximately six million annual visits to emergency departments (ED) in the United States (US), making chest pain the second most common complaint... McCaig, L, Burt, C. NaEonal Hospital Ambulatory Medical Care Survey: 2003 Emergency Department Summary. In: Advance Data from Vital and Health StaEsEcs. Centers for disease control and preveneon, Atlanta, GA 2005.

3 nos doentes avaliados no Atendimento Urgente do Hospital da Arrábida em 2012, a dor torácica foi a queixa principal ideneficada na triagem de prioridades em 990 doentes, que corresponde a 3,7 %

4 ! Localizada à região torácica anterior! Início súbito ou recente! Causa desconforto

5

6 em Manual do Curso de Evidência na Emergência 2013

7 ! Efetuar de imediato avaliação! Efetuar diagnóscco diferencial! Reconhecer e excluir situações clínicas com risco de vida! Iniciar tratamento de acordo com a eeologia

8 Homem de 74 anos de idade recorre ao Serviço de Urgência por dor torácica de inicio súbito cerca de 4 horas antes da admissão. Como se deve iniciar a abordagem do doente? 1. Administrar AAS 2. Realizar ECG 3. Realizar radiografia de tórax 4. Nenhum dos anteriores

9 Existe compromisso de funções vitais? sim não

10 ! Monitorizar! Eletrocardiográfica! Pressão arterial! Oximetria de pulso! Obter acesso iv! Administrar oxigénio se necessário! Avaliar! Airway via aérea! Breathing venelação! CirculaEon circulação! Disability disfunção neurológica! ExposiEon exposição

11 ! Histórica clínica! Caracterizar a dor! Sintomas associados! Antecedentes! Exame objecvo! ECG! Outros ECD

12 Homem de 74 anos de idade avaliado no AU por dor torácica de inicio súbito Falava normalmente. FR de 16 cpm e SpO2 de 99% em ar ambiente. Valores tensionais de 158/93 mmhg e FC de 56 bpm. Temperatura corporal de 36,6 ºC Monitorizado. Acesso iv (colheita de sangue para análises). Sem oxigenoterapia Qual o conjunto de procedimentos mais adequado a realizar de imediato? 1. Hx clinica + exame objeevo + biomarcadores cardíacos 2. Hx clinica + ECG + radiografia de tórax 3.Hx clinica + exame objecvo + ECG 4. Hx clinica + gasimetria + radiografia de tórax

13

14 Exantema DOR TORÁCICA aguda Gravidez Asma Exantema Discriminador Falta de ar Dor abdominal Via Verde Coronária Asma Dor de garganta Convulsões Falta Dor testicular de Dor torácica Via Verde Coronária Perda de consciência / desmaio Via Verde Coronária Via Verde Coronária Dor nas costas Convulsões Diabetes Problema dentário Hemorragia vaginal Perda de consciência / desmaio Hemorragia Via Verde digestiva Coronária Diabetes Vómitos Diarreia Púrpura 3 História Alterações de do episódio nível da alérgico consciência grave 67 Hemorragia Edema vaginal facial minor 4 1 Hemorragia vaginal> Estridor 24 semanas 8 de gravidez 7 História Hipertensão de asma significativa grave 2 1 Hemorragia vaginal grave 8 A asma não História melhora de com trauma o tratamento 3 2 História Alterações de perda consciência de convulsão 9 9 Peak História flow inapropriada baixo> 33% <50% 4 3 Trabalho SatO de parto 2 <90% em 8 curso 10 Sibilos Dor até irradiada ao silêncio para auscultatório o ombro 5 4 Prolapso Peak do cordão flow <33% umbilical 7 11 SatO 2 <95% 5 História Apresentação de crises de com asma partes muito fetais graves Exantema exsudativo Taquicardia> ou vesicular 120 / min generalizado 6 1 Edema da língua 5 História inapropriada 2 Alterações Dispneia do aguda pulso 6 4 Púrpura 3 Marcadores de gravidade História de episódio Exaustão alérgico 5 grave 7 Vómitos Edema persistentes facial 4 1 SaOEstridor Peak flow baixo 1 2 baixíssima 8 6 Hemorragia História digestiva baixa com fezes negras 2 SaO de asma Hemorragia digestiva baixa com fezes sangue vermelho vivo 6 Hemorragia digestiva baixa 2 baixo significativa 2 1 Peak flow baixíssimo 7 A asma não melhora com fezes o tratamento vermelho 2 escuro 3 Alterações Início súbito Hematemeses da consciência pós lesão História significativa de asma Peak Dor no flow ombro baixo> em 33% pontada <50% 43 Alterações SatO do nível 2 <90% da consciência 8 9 Sibilos até Gravidez ao silêncio possível auscultatório 5 4 Não consegue Peak flow terminar <33% as 7 frases 10 SatO Alteração do nível da consciência 3 Início 2 súbito <95% 5 1 História de crises Précordialgia de asma muito 11 graves 10 Babar saliva 4 História Taquicardia> de viagem 120 ao estrangeiro / min 6 2 História de TCE 5 Exantema Alterações desconhecido Estridor pulso 5 ou Púrpura 4 6 Cefaleia 1 Vómitos persistentes 1 Meningismo Exaustão 5 7 Sinais neurológicos de novo 2 Trauma do escroto 2 Idade História SaOinferior de intoxicação a 25 anos 85 Défice Peak focal Celulite flow ou progressivo do escroto baixo baixíssima 6 3 Aletrações Peak Gangrena do flow nível do baixíssimo da escroto consciência 67 9 SaO Dor em 2 baixo cólica 2 4 Início Hipoglicemia súbito pós lesão 10 8 História significativa de asma 3 Alterações Alterações Exantema do nível de do da novo pulso consciência 53 9 História Vómitos inconsistente persistentes 1 Não consegue Dispneia Púrpura terminar súbita 6 as 4 frases 10 História Dor pleurítica de alergia 2 2 Angor Précordialgia Pulso precordial anormal História de perda da consciência 3 Traumatismo Défice focal directo ou progressivo das costas 4 1 Sintomas História Falta neurológicos de ar TCE Incapacidade de caminhar 2 Exantema desconhecido Dor Pré-cordialgia abdominal ou 94 Púrpura 6 Cefaleia 1 Vómitos Edema persistentes da face 1 1 Glicemia Meningismo Perda <3mmol/L súbita de (50mg/dL) 7 Sinais neurológicos de novo 2 dente 3 3 Glicemia> Hemorragia 11mmoL/L minor (200mg/dL) 2 2 Hiperglicemia> História 17mmol/L Hemorragia de intoxicação (300mg/dL) major 4 8 Défice focal ou progressivo 3 com cetose 4 Aletrações do nível da consciência 9 Gravidez possível 1 Hemorragia Hipoglicemia + 24 semanas 10 de gravidez 4 História inapropriada 2 Hemorragia vaginal maciça 5 Linhas de orientação Trauma vaginal para a 3 Exantema de novo 5 História inconsistente instalação 1 do SU AMP no HdA pg. 1 Púrpura 6 Vómitos História persistentes de alergia 2 1 Pulso anormal 7 História de de perda vómito da consciência de sangue 23 Hemorragia digestiva baixa com fezes sangue vermelho vivo 5 Falta de ar 8 Hemorragia Défice digestiva focal ou baixa progressivo com fezes 4 negras 3 Hematemese aguda 6 Pré-cordialgia 9 Hemorragia digestiva baixa com fezes vermelho escuro 4 Vómitos persistentes 1 Glicemia <3mmol/L (50mg/dL) 3 Vómitos persistentes Alterações da consciência 4 Glicemia> 11mmoL/L (200mg/dL) 2 Hiperglicemia> 17mmol/L (300mg/dL) com cetose 4 Sinais de desidratação 2 Hemorragia digestiva baixa com sangue vivo ou digerido 5 História de vómitos de sangue 3 Hematemese aguda 6 Vómitos persistentes 1 Linhas História de orientação de vómitos para com a instalação sangue 2 do SU AMP no HdA Hemorragia pg. 1 digestiva baixa com sangue vivo ou digerido 6 Sinais de desidratação 3 Hematemese aguda 7 Hemorragia digestiva baixa com fezes negras 4 Hemorragia digestiva baixa com fezes vermelho escuro 5 Alterações do nível da consciência 6 Hemorragia vaginal minor 1 Hemorragia vaginal> 24 semanas de gravidez 7 Hipertensão grave 2 Hemorragia vaginal grave 8

15 DiagnósEco diferencial cardiovascular Doença coronária: SCA

16 SÍNDROME CORNÁRIO AGUDO

17 SÍNDROME CORONÁRIO AGUDO

18 Homem de 68 anos de idade recorre ao Serviço de Urgência por dor torácica de inicio súbito cerca de 7 horas antes da admissão.

19 Homem de 68 anos de idade recorre ao Serviço de Urgência por dor torácica de inicio súbito cerca de 7 horas antes da admissão. Caracterização da dor: surgiu em repouso, sem fatores de agravamento ou alivio, opressiva, precordial com irradiação para o membro superior esquerdo, intensa e prolongada Sintomas associados: dispneia, sudação, náuseas e vómito Antecedentes: HTA, dislipidemia, tabagismo Exame objeevo: alterações auscultatórias sugesevas de estase pulmonar no terço inferior de ambos os campos pulmonares Marcadores de necrose do miocárdio: TnI 0.7 ng/ml

20

21 Mulher de 48 anos de idade recorre ao Serviço de Urgência por dor torácica de inicio súbito cerca de 1 hora antes da admissão. Caracterização da dor: surgiu em repouso, sem fatores de agravamento ou alivio, em pontada, retroesternal, sem irradiação, intensidade moderada e duração de cerca de 5 minutos. Sem sintomas associados Antecedentes: HTA Exame objeevo sem alterações relevantes

22 Em relação a esta doente é verdade que 1. O ECG normal exclui evento coronário agudo 2. Marcadores de necrose do miocárdio na admissão negaevos excluem evento coronário agudo 3. Ecocardiograma normal exclui evento coronário agudo 4.Nenhuma das anteriores é verdadeira

23 DiagnósEco diferencial cardiovascular Pericardite

24 PERICARDITE Clínica dor torácica retroesternal de início súbito, agrava com a inspiração e o decúbito, melhora com a posição de sentado e a flexão anterior do tronco ; frequentemente associada a dispneia; pode associar- se a febre ou síndrome gripal prévio. Fatores de risco neoplasia, uremia, infeção, disseção aóreca, EAM ou procedimento invasivo cardíaco recente, doença do colagénio, fármacos, trauma. Exame objecvo pode ser audível atrito pericárdico; procurar sinais sugescvos de Tamponamento Cardíaco (hipotensão, pulso paradoxal, distensão venosa jugular, hipofonese dos sons cardíacos e eventualmente choque).

25 PERICARDITE

26 PERICARDITE

27 PERICARDITE

28 DiagnósEco diferencial cardiovascular Disseção aóreca

29 DISSEÇÃO AÓRTICA Clínica dor muito severa (lancinante) súbita, mais forte no início com irradiação para a região dorsal pode ocorrer associada a síncope, SCA, AVC ou isquemia arterial periférica Fatores de risco HTA, aterosclerose, gravidez, aneurisma da aorta prévio, válvula aóreca bicúspide, coartação da aorta, cirurgia ou cateterismo cardíaco, trauma, doenças do colagéneo e doenças inflamatórias com vasculite Exame objecvo PA elevada, pulsos assimétricos ou variação de pressão arterial > 20 mmhg entre os membros superiores, AC (insuficiência aóreca), sinais de tamponamento cardíaco, défices neurológicos depende dos territórios envolvidos.

30 DISSEÇÃO AÓRTICA

31 Homem de 50 anos de idade recorre ao Serviço de Urgência por dor torácica e dispneia de inicio súbito com mais de 12 horas de evolução.

32 Homem de 50 anos de idade recorre ao Serviço de Urgência por dor torácica e dispneia de inicio súbito com mais de 12 horas de evolução. Caracterização da dor: surgiu em repouso, de carecterisecas pleuríecas, opressiva, torácica direita sem irradiação, pouco intensa mas persistente Sintomas associados: dispneia Antecedentes: ciatalgia recente com limitação significaeva da mobilidade submeedo a cirurgia por hérnia discal lombar < 4 semanas Exame objeevo: FR 18 cpm, SpO2 92%, PA 138/92 mmhg, FC 128 bpm. Edema da perna esquerda.

33 Em relação a esta doente é importante 1. Avaliar a probabilidade clínica de embolia pulmonar 2. Determinar Dímeros D se probabilidade clínica baixa 3. Realizar angio TC torácico se probabilidade clínica elevada 4.Todas as anteriores são verdadeiras

34 TROMBOEMBOLISMO PULMONAR The image cannot be displayed. Your computer may not have enough memory to open the image, or the image may have been corrupted. Restart your computer, and then open the file again. If the red x still appears, you may have to delete the image and then insert it again.

35 DiagnósEco diferencial cardiovascular Tromboembolismo pulmonar

36 TROMBOEMBOLISMO PULMONAR

37 TROMBOEMBOLISMO PULMONAR

38 DiagnósEco diferencial não cardiovascular Pneumonia

39 PNEUMONIA Clínica tosse, expectoração, dispneia, dor torácica pleuríeca, febre Fatores de risco doença estrutural pulmonar (bronquiectasias, neoplasia pulmonar,...), imunodepressão (infeção VIH,...), tabagismo, alcoolismo contexto epidemiológico Exame objecvo temperatura corporal, estado de consciência, FR e AP, PA e FC, perfusão periférica.

40 PNEUMONIA Sépsis Sépsis grave Choque sépcco

41 Homem de 18 anos de idade, fumador, avaliado no AU por dor torácica de inicio súbito acompanhada de dispneia ligeira Falava normalmente. FR de 18 cpm e SpO2 de 98% em ar ambiente. Valores tensionais de 124/78 mmhg e FC de 108 bpm. Temperatura corporal de 36,8 ºC Monitorizado. Acesso iv. Sem oxigenoterapia. ECG normal Qual o procedimento adequado? 1. Solicitar realização de radiografia de tórax 2. Solicitar realização de ecocardiograma 3. Solicitar realização de angio TC torácico 4.Nenhuma das anteriores

42

43 DiagnósEco diferencial não cardiovascular Pneumotórax

44 PNEUMOTÓRAX Clínica dor torácica súbita (sobretudo no primário) de caracterísecas pleuríecas dispneia (sobretudo no secundário) de intensidade variável Fatores de risco primário: jovens, bióepo longilíneo, tabagismo secundário: doença das vias aéreas (asma, DPOC, fibrose quíseca), doenças infecciosas (pneumonia, tuberculose), neoplasias, doenças pulmonares interseciais e doenças do tecido conjunevo. Exame objecvo expansão torácica diminuída, Cmpanismo à percussão, desvio contralateral da traqueia e diminuição dos sons respiratórios.

45 PNEUMOTÓRAX

46 PNEUMOTÓRAX Pneumotórax hipertensivo

47

48 Se este doente vomitar e recorrer ao AU do Hospital da Arrábida com dor torácica o que lhe parece mais provável? 1. Pensa melhor e vai para a praça da alimentação 2. Pede um café e umas bolachas Maria 3. Adormece na sala de espera 4. Pode ter uma rotura esofágica

49 DiagnósEco diferencial não cardiovascular Rotura esofágica

50 ROTURA ESOFÁGICA Clínica dor torácica e epigástrica, súbita e intensa, irradiação dorsal e para ombro esquerdo disfagia, vómito com ou sem hematemese, melenas dispneia Fatores de risco síndrome Boerhaave, tóxicos, fármacos, úlcera de Barret, úlcera infecciosa, neoplasia, corpo estranho manipulação do esófago EDA nomeadamente com procedimento terapêueco Exame objecvo enfisema subcutâneo, crepitações na área esternal, rigidez do abdómen superior e dor ou tensão à palpação cervical

51 ROTURA ESOFÁGICA Sépsis Sépsis grave Choque sépcco

52 DiagnósEco diferencial cardiovascular não cardiovascular Outros

53 ! Monitorizar! Eletrocardiográfica! Pressão arterial! Oximetria de pulso! Obter acesso iv! Administrar oxigénio se necessário! Avaliar! Airway via aérea! Breathing venelação! CirculaEon circulação! Disability disfunção neurológica! ExposiEon exposição

54 Existe compromisso de funções vitais? sim não

55 ! Histórica clínica! Caracterizar a dor! Sintomas associados! Antecedentes! Exame objecvo! ECG! Outros ECD

56 DiagnósEco diferencial cardiovascular não cardiovascular Doença coronária: SCA Pericardite Disseção aóreca Tromboembolismo pulmonar Pneumonia Pneumotórax Rotura esofágica Outros

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno O longo caminho da Triagem de Manchester 1996: 1.ª edição inglesa 2003: 1.ª edição portuguesa 2006: 2.ª edição inglesa 2010: 2.ª edição portuguesa

Leia mais

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior Abordagem da Dor Torácica Aguda Jeová Cordeiro de Morais Júnior Introdução Traumática x não-traumática Cerca de 8 milhões de atendimento nas emergências nos EUA Cerca de 10-12% são liberados com SCA Avaliar

Leia mais

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13 A emergência do Hospital Cristo Redentor é referência para atendimento ao trauma e neurocirurgia, atendendo sob os preceitos de acolhimento com classificação de risco. A classificação de risco deve se

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR RESUMO Anamnese ID HPMA IDA Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiais Exame Físico Geral Exame Físico Especial Cabeça / Face / Pescoço Aparelho

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells

30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells 30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells António Pedro Machado Scores de Wells Doença tromboembólica venosa Cálculo da probabilidade clínica pré-teste de

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Dor torácica 3. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica 4. Nódulo pulmonar 5. Pneumonia Adquirida na Comunidade 6. Tosse

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Nódulo pulmonar de novo?

Nódulo pulmonar de novo? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -D.B., 79 anos, sexo masculino, caucasiano. -Natural

Leia mais

Manual do Curso de Evidência na Emergência. Dor Torácica aguda

Manual do Curso de Evidência na Emergência. Dor Torácica aguda Dor Torácica aguda 1. Definição / Conceito Dor torácica aguda corresponde a dor localizada à região anterior do tórax, de início súbito ou recente, tipicamente menos de 24 horas, que para além de causar

Leia mais

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS A PROGRAMA BÁSICO TEÓRICO PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS Abdome agudo Abordagem neurológca da fraqueza AIDS (SIDA) Anemias Antibióticos Arritmias cardíacas Asma Auto-imunidade e doenças imunológicas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SOCIEDADE QUIXADAENSE DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA À MATERNIDADE E À INFÂNCIA HOSPITAL MATERNIDADE JESUS MARIA JOSÉ Av. Francisco Almeida Pinheiro 2268 Fone (0**88) 3412-0681 Caixa Postal 82 CEP 63.900-000

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP)

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) Hoje o DX é feito em menos de 30%. Antigamente só fazia DX quando havia triângulo de Infarto Pulmonar: bilirrubina aumentada,

Leia mais

Dissecção Aguda da Aorta

Dissecção Aguda da Aorta Dissecção Aguda da Aorta SD de Dissecção Aguda da Aorta PAM não invasiva, monitorização cardíaca, débito urinário, acesso IV com Gelco 14(02). Se choque / ICC ou hipotensão instalar Swan-Ganz para PCP,

Leia mais

Windows Server 2012. Licenciamento e Preço Todas as Edições

Windows Server 2012. Licenciamento e Preço Todas as Edições The image cannot be displayed. Your computer may not have enough memory to open the image, or the image may have been corrupted. Restart your computer, and then open the file again. If the red x still

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

AÇÕES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL. da Assessoria de Gestão Ambiental da CEDAE

AÇÕES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL. da Assessoria de Gestão Ambiental da CEDAE AÇÕES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL da Assessoria de Gestão Ambiental da CEDAE Educação Ambiental entende-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS?

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? Rita Carneiro, Cláudio Alves Unidade Funcional Urgência/UCIEP. Chefe de Serviço: Helena Almeida Departamento de Pediatria. Directora: Helena Carreiro TRIAGEM PEDIÁTRICA

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC Unidade de Terapia Intensiva Adulto Versão eletrônica atualizada em Março 2009 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS: Tabagismo importante Tosse crônica, dispnéia e ou broncoespasmo Gasometria

Leia mais

BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA

BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA Esta brochura fornece informação de segurança importante para o doente com AIJp e para os seus pais/responsáveis

Leia mais

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Cancro do Pulmão O DESAFIO CONSTANTE Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Telma Sequeira Interna de Formação Complementar de Pneumologia Amadora,

Leia mais

www.forumenfermagem.org

www.forumenfermagem.org Todos os conteúdos apresentados são propriedade dos referidos autores Retirado de: Comunidade On-line de Enfermagem www.forumenfermagem.org Hipertensão Arterial Considera-se se HTA quando a tensão arterial

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

Avaliação Cardiorrespiratória. Avaliação do paciente pneumopata Ambulatório / Home Care. Sinais e Sintomas. Anamnese. Dispinéia. Dispineia 26/02/16

Avaliação Cardiorrespiratória. Avaliação do paciente pneumopata Ambulatório / Home Care. Sinais e Sintomas. Anamnese. Dispinéia. Dispineia 26/02/16 Avaliação do paciente pneumopata Ambulatório / Home Care Avaliação Cardiorrespiratória Anamnese Sinais e Sintomas Ausculta Pulmonar Exame Físico Avaliação Muscular Respiratória Avaliação de Peak Flow Ventilometria

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Questionário. 1. Sentiu na semana anterior ao AVC algum/alguns dos seguintes sintomas?

Questionário. 1. Sentiu na semana anterior ao AVC algum/alguns dos seguintes sintomas? Questionário Este questionário consta de um conjunto de perguntas que servirão de base à elaboração de um estudo prospectivo sobre a incidência de infecção sistémica que precede um AVC, tipos de infecção

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS ANXO I - NPI Nota: Dia 20 de Abril de 2012, após realização de todas as sessões de formação, foram introduzidas pequenas alterações neste protocolo que estão realçadas a sombreado. DFINIÇÕS D MCGR PARA

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA ARMANDO MANSILHA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO IMPORTÂNCIA DA DOENÇA < 5 casos / 100.000 / ano < 15 anos 500 casos / 100.000 / ano 80 anos Maior incidência nas

Leia mais

Desenvolvimento Profissional e Pessoal!

Desenvolvimento Profissional e Pessoal! Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ Departamento de Zootecnia Desenvolvimento Profissional e Pessoal! Paulo Fernando Machado pmachado@usp.br Objetivo da vida

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Magnevist 469 mg/ml solução injetável Gadopentato de dimeglumina (ácido gadopentético, sal de dimeglumina) Leia atentamente este folheto antes de utilizar

Leia mais

ASMA. Dr. Ivan Paredes

ASMA. Dr. Ivan Paredes 1 ASMA Dr. Ivan Paredes Objetivos 1.Saber o que é asma. 2.Identificar os principais sintomas e sinais 3.Saber como diagnosticar 4.Diferenciar outras doenças com manifestações semelhantes geralmente se

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

Capítulo 4 Oxigenoterapia

Capítulo 4 Oxigenoterapia Capítulo 4 Oxigenoterapia 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as indicações para oxigenoterapia; Listar os débitos de oxigénio protocolados;

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão Substância activa: Ioversol Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Questão 80 Um escolar de 7 anos chega ao ambulatório, pois precisa

Leia mais

Conceitos de Entrada e Saída

Conceitos de Entrada e Saída Conceitos de Entrada e Saída O processo de fornecer informações ou obtê-las dos computadores é chamado entrada/saída (E/S). Grandes mainframes utilizam uma organização de E/S consistindo de uma ou mais

Leia mais

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente Actilyse alteplase APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente USO INTRAVENOSO USO ADULTO COMPOSIÇÃO ACTILYSE 10 mg/10 ml: cada frasco-ampola

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009 Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim Ceará, 2009 Influenza Vírus - RNA Vírus A, B e C Família Orthomyxoviridae Fonte: Los Alamos National Laboratory Fonte: CDC Vírus Influenza Antígenos

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Hospital de Dia de Diabetes Gabriela Figo - Serviço de Ortopedia 1. Em todo o mundo os Sistemas de Saúde falham na resposta ás necessidades do pé diabético

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

2. O que precisa de saber antes de tomar Dol-u-ron Forte

2. O que precisa de saber antes de tomar Dol-u-ron Forte Folheto informativo: Informação para o doente Dol-u-ron Forte 500 mg + 30 mg cápsulas Paracetamol + Fosfato hemi-hidratado de codeína Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento,

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico Secretaria Municipal de Saúde Atualização - Dengue Situação epidemiológica e manejo clínico Agente Etiológico Arbovírus do gênero Flavivírus: Den-1, Den-2, Den-3 e Den- 4. Modo de Transmissão: Aspectos

Leia mais

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210)

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210) Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM * Kenneth. Chest 2002;2:877 905. PIOPED (n=7) ICOPER (n=2.20) RIETE (n=3.39) Dispneia 73% 82% 83% Taquicardia 70% ND ND

Leia mais

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013 Investimentos O desafio da Universalização 11 de dezembro de 2013 Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo Demográfico

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Capítulo 9 Emergências Médicas

Capítulo 9 Emergências Médicas Capítulo 9 Emergências Médicas 1 1.Dor Torácica 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de Descrever as principais causas de dor torácica; Descrever a nomenclatura

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Gabapentina Gabamox 600 mg comprimidos revestidos por película Gabapentina Gabamox 800 mg comprimidos revestidos por película

Gabapentina Gabamox 600 mg comprimidos revestidos por película Gabapentina Gabamox 800 mg comprimidos revestidos por película Folheto informativo: Informação para o utilizador Gabapentina Gabamox 600 mg comprimidos revestidos por película Gabapentina Gabamox 800 mg comprimidos revestidos por película Leia com atenção todo este

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR ELETROCARDIOGRAMA Professor : Elton Chaves Do ponto de vista funcional, o coração pode ser descrito como duas bombas funcionando separadamente cada uma trabalhando de forma particular e gerando pressões

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 No Índice da Lista Tabular da CID-9-MC, as Doenças do Aparelho Respiratório encontram-se referenciadas

Leia mais