CONSIDERAÇÕES SOBRE A INSTITUIÇÃO PÚBLICA E A CLÍNICA PARTICULAR EM CASOS DE ABUSO DE SUBSTÂNCIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES SOBRE A INSTITUIÇÃO PÚBLICA E A CLÍNICA PARTICULAR EM CASOS DE ABUSO DE SUBSTÂNCIAS"

Transcrição

1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CONSIDERAÇÕES SOBRE A INSTITUIÇÃO PÚBLICA E A CLÍNICA PARTICULAR EM CASOS DE ABUSO DE SUBSTÂNCIAS Natália Regina Pinheiro de Freitas Silva Rafaela Ventura Silvério Biz Talita Machado Vieira A questão do uso e abuso de substâncias psicoativas pode ser considerada, na atualidade, um problema de saúde pública. Frente a isso e juntamente com outros fatores, especialmente de ordem econômica, nota-se a necessidade de instituições públicas especializadas para lidar com estas situações, uma vez que a clínica psicológica particular aparenta ter limitações no atendimento destes casos 1. No Brasil, o índice do consumo deste tipo de substância é relativamente alto, especialmente entre adolescentes, tanto para as drogas de uso lícito quanto para aquelas de uso ilícito (NOTO, 2004). Entre as drogas de uso lícito o tabaco e o álcool se destacam de forma alarmante. Dados de 2004 da Organização Mundial de Saúde (OMS), 1 O principal problema aqui levantado diz respeito à questão econômica como fator que impede o acesso generalizado a este tipo de serviço, exigindo iniciativas dos órgãos públicos para lidar com esta realidade.

2 aproximadamente 2 bilhões de pessoas consomem bebidas alcoólicas. Seu uso indevido é um dos principais fatores que contribui para a diminuição da saúde mundial, sendo responsável por 3,2% de todas as mortes e por 4% de todos os anos perdidos de vida útil. O II Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil, promovido pela Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD), em 2005, aponta que 12,3% das pessoas, com idades entre 12 e 65 anos, apresentam problemas devido ao uso de alcoólicas. Os dados também indicam o consumo de álcool em faixas etárias cada vez mais precoces. São de extrema relevância, também, dados do Ministério da Saúde apontando que no Brasil, de 1995 a 1997, o alcoolismo ocupava o quarto lugar no grupo das doenças incapacitantes. Em 1996, a cirrose hepática de etiologia alcoólica foi a sétima maior causa de óbito na população acima de 15 anos. Os gastos públicos do Sistema Único de Saúde - SUS, com tratamento de dependentes de álcool e outras drogas em unidades extra-hospitalares, como os Centros de Atenção Psicossocial - Álcool e Drogas (CAPSad), atingiram, entre 2002 e junho de 2006, a cifra de R$ ,95. Além disso, outros R$ ,59 foram gastos em procedimentos hospitalares de internações relacionadas ao uso de álcool e outras drogas no mesmo período. Percebe-se, portanto, uma preocupação do governo com relação a estes dados, principalmente por meio das tentativas de implementação de intervenções no nível primário, secundário e terciário. Segundo Castro e Bornholdt (2004), a intervenção primária diz respeito à implementação de programas de ação preventivos ao desenvolvimento de problemas de saúde; a intervenção secundária, por sua vez, diz repeito à atuação do profissional quando já existe uma demanda, visando à prevenção de efeitos adversos e do desenvolvimento da situação; já a intervenção terciária atua para a diminuição dos danos e do sofrimento quando o problema já está instalado.

3 Diversas leis encaixam-se claramente nos dois primeiros níveis de intervenção citados, mas, a superlotação dos serviços públicos (e outras instituições) destinados ao tratamento do abuso de substâncias, dá indícios da ineficiência das políticas propostas nestes dois níveis (primário e secundário). Apesar desta superlotação e de outras dificuldades encontradas para se promover o sucesso na intervenção em casos de dependência química, a abordagem da Redução de Danos (RD) tem-se mostrado eficiente e vem ganhando espaço nos programas de políticas públicas. Segundo Fontes et al. (2004) a RD consiste em um conjunto de medidas de saúde pública voltadas a minimizar as consequências adversas do uso de drogas, quer sejam lícitas ou ilícitas (FONTES et al., 2004, p. 559). Por conta disso, tal política pode ser considerada como uma intervenção no nível terciário, uma vez que suas ações destinam-se a interromper ou diminuir consequências ocasionadas pelo uso contínuo de substâncias psicoativas. Tal política nasceu na Europa, em resposta à crescente propagação da síndrome de imunodeficiência (AIDS). Um dos locais em que se adota esta política são os "CAPS ad", que consistem em serviços de atenção psicossocial, com um caráter comunitário e local, e que focam o atendimento a indivíduos que possuem algum transtorno resultante do uso ou da dependência de substâncias químicas. O atendimento no "CAPS ad" pode ocorrer em três modalidades: a intensiva, em que o paciente tem acompanhamento diário; a semi-intensiva, na qual o paciente recebe um tratamento freqüente, mas não diário, e a não-intesiva, que se caracteriza por um atendimento de baixa freqüência. Além disso, as atividades que são desenvolvidas podem se configurar em atendimentos individuais ou de grupo, oficinas terapêuticas, acompanhamento domiciliar, etc. É importante destacar que o serviço oferecido pelo CAPS ad tende a ser mais efetivo quando realizado em conjunto com outras instituições da rede de saúde pública, que se utilizam de outras práticas e abordam outras dimensões da vida do indivíduo.

4 Existem alguns princípios básicos que compõem a RD e auxiliam no planejamento de ações para o tratamento em instituições públicas. Marltt (1999), citado por Fontes et al. (2004), descreve cinco princípios fundamentais da RD: - RD como alternativa de saúde pública para modelo moral, criminal e de doença; - Reconhecimento da abstinência total como resultado ideal, mas aceitando também alternativas que reduzam danos; - É uma abordagem em defesa do dependente; - Se baseia em programas de baixa exigência como alternativa às abordagens de alta exigência ; - Baseia-se em princípios do pragmatismo empático. Estes cinco elementos da política de redução de danos buscam, de forma geral, romper com uma cultura de julgamento do comportamento aditivo a partir de princípios morais (certo e errado), legais (licito e ilícito) e patológicos (saudável e doente), visando estabelecer um cenário de preocupação real com o indivíduo usuário de drogas e as pessoas de seu convívio que também são afetadas por isso. Além disso, a RD esforça-se também para promover a melhoria da qualidade de vida dos usuários, mesmo que a abstinência total não seja conseguida. A abstinência total, ainda que seja considerada como o resultado ideal, diminui significativamente a taxa de adesão dos usuários aos programas de reabilitação, assim a RD, ao estabelecer outras metas, cujo custo de resposta é menor, consegue atingir um maior número de pessoas. Neste sentido, é uma política que visa criar condições para que este indivíduo seja visto para além de seu vício. Apesar do esclarecimento sobre a política adotada pelos órgãos públicos no que tange a questão da adicção, fica claro que tal parâmetro serve como norteador de ações, necessitando que se discorra mais detalhadamente sobre métodos pontuais de intervenção. Cabe ressaltar que tais métodos ou modelos de tratamento podem servir como recurso tanto

5 aos atendimentos psicológicos realizados em instituições públicas quanto em clínicas particulares. O tratamento de um vício não se constitui somente pela retirada da substância ou permanente abstinência desta. Atualmente, sabe-se que é importante que se siga todo um processo com uma duração maior, uma vez que tratamentos que trabalham com os opostos "tudo ou nada" exigem um custo elevado de resposta por parte do usuário. É necessário que o indivíduo reconheça o seu problema e, com as mudanças de seu estilo de vida, se adapte tornando-se apto a enfrentar as dificuldades consequentes da abstinência, como crises, recaídas, arcando com eles através das novas habilidades e recursos que o tratamento lhe trará para consolidar uma nova vida sem as drogas. Essa nova visão acerca do tratamento da dependência química rompe com um modelo farmacológico que reduz a adicção a simples ativação do sistema cerebral de recompensa e incorpora a importância dos fatores ambientais, tanto antecedentes quanto consequentes, ao comportamento de uso da droga. Na adicção a álcool e drogas, muitos são os fatores motivacionais envolvidos. Existem razões biopsicossociais complexas, que dificultam, por exemplo, a compreensão sobre as características nela envolvidas. Como consequência desta complexidade, o tratamento deve ser realizado, principalmente, de forma a respeitar as particularidades do caso, uma vez que tratamentos generalizados nem sempre atingirão todas as peculiaridades que estão envolvidas na drogadicção de cada indivíduo. Na tentativa de estruturar uma intervenção que compreenda o que há de individual no uso e abuso de substâncias é que a abordagem cognitivo-comportamental criou intervenções como a que trabalha com as habilidades de enfrentamento para o comportamento de beber (HECBs) e a Assessoria motivacional sistemática. No primeiro tipo de estratégia, o comportamento tido como problema (no caso, o de beber) é que está centralizado e há uma preocupação em considerar as condições a ele relacionadas (antecedentes e consequentes do

6 beber). Já a segunda estratégia, centra-se naquilo que motiva o problema que a pessoa tem com a bebida. (COX; CALAMARI; LANGLEY, 2003). O programa das HECBs é realizado no contexto do relacionamento de colaboração que se constrói entre terapeuta e cliente, e se divide em fases. São elas: fase de avaliação ampla (na qual são preenchidos instrumentos que irão guiar a constituição do tratamento e que oferecerão informações objetivas acerca do comportamento desadaptativo do comportamento de beber e onde começa a elaboração de auto registro), a fase de preparação para a mudança (onde se dá o fortalecimento das habilidades relacionadas à tomada de decisão), o treinamento de habilidades de enfrentamento (na qual se dá o aprendizado de habilidades) e a última, constituída pela generalização estruturada, na qual essas habilidades são transferidas para a vida do sujeito. (COX; CALAMARI; LANGLEY, 2003). Considera-se que o comportamento de beber em excesso é um meio desadaptativo que o indivíduo encontrou para lidar com as situações pelas quais passa. Entende-se que alguns indivíduos nunca tiveram a oportunidade de aprender as habilidades que são consideradas adaptativas, enquanto outros podem ter aprendido, mas não conseguem colocá-las em prática. Essas habilidades estariam relacionadas à capacidade de atender adequadamente aos estímulos e tarefas sem desviar a atenção para outros comportamentos que não iriam proporcionar o real enfrentamento destas. São ensinadas habilidades que ajudam o indivíduo a obter reforços alternativos não químicos para que seja aumentada a sua competência social global e para que saiba controlar os estados de humor negativos causados pela abstinência de substâncias. Já a Assessoria Motivacional Sistemática (AMS), também criada pelas abordagens cognitivo-comportamentais, trabalha com o afeto sendo ele positivo (como a alegria e a felicidade) ou o negativo (como a tristeza). O tratamento se baseará, portanto, em mudar o afeto, produzindo resultados na pessoa que a façam querer coisas boas e se livrar de coisas

7 que as façam se sentir mal. Se trabalha, portanto, com conceitos como o incentivo e o objetivo. O incentivo é um acontecimento que provocará uma mudança eficaz, e o objetivo é um incentivo particular pelo qual o individuo se comprometeu a perseguir (como sair para jantar a noite, conseguir concretizar feitos de longo prazo e etc). Beber também pode ser um objetivo, mas é um problema quando atrapalha a busca de outros objetivos. (COX; CALAMARI; LANGLEY, 2003). No modelo de AMS também são consideras as particularidades de cada indivíduo que tornam o tratamento tão complexo quanto as circunstâncias que levaram o indivíduo a beber. Porém, apesar das características particulares, de uma forma geral, o que se busca fazer neste tratamento é identificar os padrões motivacionais dos bebedores-problema (ou consumidores de outras substâncias) que são considerados desadaptativos, por tirarem dos indivíduos a possibilidade de lutar pelo que anseiam e que os fazem buscar na bebida a satisfação emocional que lhes falta. Após essa identificação, o que se faz é mudar o que é desadaptativo através da assessoria que buscará o aumento da satisfação pela vida, tirando o foco da satisfação alocado no comportamento de beber. (COX; CALAMARI; LANGLEY, 2003). Com relação à Análise do Comportamento, em qualquer intervenção deve ser feita uma minuciosa análise em que a tríplice contingência seja considerada, uma vez que o comportamento de beber é mantido tanto pelo biológico como pelo que foi aprendido pelo indivíduo, bem como por aquilo que se vive na cultura em que ele está inserido. No que tange ao conteúdo filogenético podem ser considerarados aqueles grupos com maior suscetibilidade e sensibilidade à bebida quando comparados a outros grupos sem essa disposição. A história do indivíduo contribuiria para que fossem aprendidos comportamentos relacionados à bebida além de todos os rituais sustentados por muitas culturas, muitos deles nos quais bebidas são amplamente consumidas. Sendo considerados todos estes fatores, é importante que, primeiramente, seja realizada uma análise funcional sobre a forma como o indivíduo aprendeu

8 a buscar reforçadores no ato de beber, percebendo as relações existentes entre este comportamento e sentimentos como alegria, tristeza, raiva, frustração e etc, que muitas vezes funcionam como estímulos discriminativos para o uso de álcool e drogas. (OLIANI, 2012) A partir daí pode-se fazer uma análise das consequências do comportamento de beber, uma vez que muitas vezes o próprio adicto não se interessa verdadeiramente pelo tratamento e pela possibilidade de se abster da bebida. É necessário fazer toda uma análise para que a situação do usar e a do não usar sejam contrastadas, tendo suas consequências avaliadas de tal maneira que o indivíduo possa escolher sobre como proceder diante da possibilidade de tratamento. Desta forma a pessoa se decide se sua vida seria melhor se não usasse substâncias químicas ou se prefere continuar usando ainda que saiba de todas as consequências que este comportamento trará. O terapeuta trabalhará então com estratégias como a prevenção de recaídas para que o indivíduo desenvolva, em ambiente terapêutico, habilidades características de um repertório de enfrentamento de situações que até então não tinha para lidar com situações comuns de sua vida diária, que muitas vezes os levava a beber. Serão trabalhadas, portanto, situações sociais que ofereceriam alguma ameaça para o parar de beber, como as muitas vezes em que substancias químicas voltarão a ser oferecidas. A Terapia de Prevenção de Recaídas que, apesar de ter origem nas teorias cognitivocomportamentais, é muito utilizada pela Análise do Comportamento. Nesta terapia o Terapeuta, após fazer a Análise Funcional Detalhada com seu Cliente ensina algumas habilidades de reconhecimento e redução de fissura através da identificação de situações de risco. A partir de então, a terapia se direcionará ao treino de habilidades de auto controle e desenvolvimento de comportamentos alternativos ao comportamento de beber ou de usar drogas. Portanto, após identificar as situações de riscos, o Cliente será capaz de explorar as consequências negativas e positivas do uso da substância química, fazer automonitoramento

9 para evitar a recaída e desenvolver estratégias para lidar com a fissura, além de se preparar para emergências eventuais.(knapp, 2002) Nota-se então que o tratamento da adicção, do ponto de vista comportamental, se foca sobre o comportamento mal-adaptado, procurando o desenvolvimento de habilidades mais adequadas para enfrentar as situações estressantes ou de risco que aumentam a probabilidade de respostas de busca e consumo de álcool e drogas. Neste sentido, pode-se afirmar uma confluência entre os princípios da política de Redução de Danos e intervenções baseadas em abordagens cognitivo-comportamentais e comportamentais. Referências: CASTRO, Elisa Kern de; BORNHOLDT, Ellen. Psicologia da saúde x psicologia hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 24, n. 3, set Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext>. Acesso em: 20 maio COX, W. Miles; CALAMARI, John E.; LANGLEY, Mervin. Habilidades de enfrentamento para o comportamento de beber e assessoria motivacional sistemática: tratamentos cognitivocomportamentais para pessoas que têm problemas com álcool. In: Caballo, V. E. Manual para o tratamento cognitivo-comportamental dos transtornos psicológicos. São Paulo: Santos FONTES, Andrezza et al.. Redução de danos uma abordagem legítima para lidar com o consumo de substâncias psicoativas. In: FIGLIE, Niliana Buzi; BORDIN, Selma; GÓMEZ, José Luis Graña; MUÑOZ-RIVAS, Marina J. Tratamento cognitivo comportamental do vício em heroína e cocaína. In: Caballo, V. E. Manual para o tratamento cognitivo-comportamental dos transtornos psicológicos. São Paulo: Santos KNAPP, Werner Paulo, Intervenções psicossociais em transtornos por uso de psicoestimulantes: uma revisão sistemática, 2002, 148f. (Dissertação de Mestrado em Medicina) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul. LARANJEIRA, Ronaldo (orgs.). Aconselhamento em dependência química. São Paulo: Roca, NOTO, Ana Regina. Os índices de consumo de psicotrópicos entre adolescentes no Brasil. In:PINSKY, Ilana; BESSA, Marco Antônio (orgs.). Adolescência e drogas. São Paulo: Contexto, 2004.

10 Vídeo: Entrevista sobre terapia comportamental em casos de abuso de substâncias. Produção de Natália Regina Pinheiro de Freitas Silva, Rafaela Ventura Silvério Biz e Talita Machado Vieira. Participação de Simone M. Oliani. Londrina: Faculdade Pitágoras, 2012.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS O ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Av. Marechal Campos, 1468 Maruípe Vitória-ES CEP. 29040-090 Fone: (27) 3335.7492

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE

TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE Amanda Gargantini Ferreira 1 ; Roberta Yuri Komatsu 1

Leia mais

Psicoterapia Cognitivo Comportamental

Psicoterapia Cognitivo Comportamental Psicoterapia Cognitivo Comportamental Selma Rejane Setani Diretora Técnica de Serviço de Saúde, especialista em dependência química, especializada em T.C.C. para dependência de álcool e Outras Drogas srsetani-cratod@saude.sp.gov.br

Leia mais

Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica

Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica Grupo de Apoio a dependentes químicos e a família Jamaica Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: "Atuação

Leia mais

REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: CLÍNICA AMPLIADA E AUTONOMIA

REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: CLÍNICA AMPLIADA E AUTONOMIA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: CLÍNICA AMPLIADA E AUTONOMIA Uma Estratégia de Tratamento e Reinserção Social em Dependentes de Crack REABILITAÇÃO LÍGIA DUAILIBI Terapeuta Ocupacional e Coordenadora do Grupo

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RECAÍDA E TREINAMENTO DE HABILIDADES SOCIAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RECAÍDA E TREINAMENTO DE HABILIDADES SOCIAIS PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RECAÍDA E TREINAMENTO DE HABILIDADES SOCIAIS TRATAMENTO HELENA SAKIYAMA Psicóloga do Alamedas - Tratamento e Reabilitação da Dependência Química Crack - O Tratamento com Qualidade

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química - 2007- Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007,

Leia mais

APRESENTAÇÃO erapêutica

APRESENTAÇÃO erapêutica erapêutica Justiça APRESENTAÇÃO No Brasil, a proposta de cumprimento da legislação penal de forma harmônica, com medidas sociais e de tratamento às pessoas que praticam crimes, nos quais o elemento droga

Leia mais

A publicidade de bebidas alcoólicas no passado (exemplos)

A publicidade de bebidas alcoólicas no passado (exemplos) UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Publicidade de Bebidas Alcoólicas (Lei n.º

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

O TRATAMENTO DO ALCOOLISMO: UM ESTUDO DE CASO

O TRATAMENTO DO ALCOOLISMO: UM ESTUDO DE CASO O TRATAMENTO DO ALCOOLISMO: UM ESTUDO DE CASO 2015 Josiane Resende Candido Psicóloga graduanda pelo Centro Universitário de Patos de Minas MG (Brasil) E-mail de contato: joresende_789@hotmail.com RESUMO

Leia mais

PLANOS DE TRATAMENTO METAS, OBJETIVOS E MÉTODOS. Conselheiro Tomé

PLANOS DE TRATAMENTO METAS, OBJETIVOS E MÉTODOS. Conselheiro Tomé PLANOS DE TRATAMENTO METAS, OBJETIVOS E MÉTODOS Conselheiro Tomé 1 Os planos de tratamento variam na sua apresentação de um serviço para outro, mas não na sua aplicação. Isto quer dizer o seguinte: As

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Maria do Socorro. Fundamentação teórica Tabagismo e asma PROVAB MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Maria do Socorro. Fundamentação teórica Tabagismo e asma PROVAB MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL Caso complexo Maria do Socorro Especialização em Fundamentação teórica MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL PROVAB Tabagismo/Asma Sandra Aparecida Ribeiro Motivação Não existe um momento ideal para deixar de fumar.

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Abordagens Psicossociais: Entrevista Motivacional e Intervenção Breve

Abordagens Psicossociais: Entrevista Motivacional e Intervenção Breve Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito Santo

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

DEPENDÊNCIA QUÍMICA: USUÁRIOS E FAMILIARES FRENTE AO TRATAMENTO ADDICTION: USERS AND FAMILY FACE OF TREATMENT

DEPENDÊNCIA QUÍMICA: USUÁRIOS E FAMILIARES FRENTE AO TRATAMENTO ADDICTION: USERS AND FAMILY FACE OF TREATMENT DEPENDÊNCIA QUÍMICA: USUÁRIOS E FAMILIARES FRENTE AO TRATAMENTO ADDICTION: USERS AND FAMILY FACE OF TREATMENT Maria Verônica Schmitz Wingen 1 RESUMO O presente artigo busca revisar estudos acerca do tratamento

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Abordagem do Dependente Químico: papel do consultor Alessandra Mendes Calixto Enfermeira Papel do consultor em dependência química Como surge o papel do consultor 1912: Courtney Baylor foi treinado por

Leia mais

Projeto. Centro Regional de Referência para Formação Permanente em Crack e outras Drogas Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Botucatu, SP

Projeto. Centro Regional de Referência para Formação Permanente em Crack e outras Drogas Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Botucatu, SP Projeto Centro Regional de Referência para Formação Permanente em Crack e outras Drogas Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Botucatu, SP INTRODUÇÃO A Faculdade de Medicina de Botucatu, UNESP, e seu

Leia mais

Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC

Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC 1 - Introdução A organização dos serviços que tratam de pessoas com

Leia mais

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS JUSTIFICATIVA O uso de álcool e outras drogas é, atualmente, uma fonte te de preocupação mundial em todos os seguimentos da

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Agosto de 2013

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Agosto de 2013 ARTIGO STEN TSN Carolina Rodrigues Psicóloga Clínica Chefe do Serviço de Psicologia e Aconselhamento da UTITA A Adição é uma doença e tem tratamento A adição não é uma fraqueza de caracter, nem um vício,

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA Ministério da Saúde - MS Instituto Nacional de Câncer - INCA Coordenação de Prevenção e Vigilância - Conprev Divisão de Programas de Controle do Tabagismo e outros Fatores

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites?

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Cláudia Fabiana de Jesus Psicóloga e Mestre em Psicologia da Saúde Estimular a reflexão sobre os limites das abordagens Repensar sobre os

Leia mais

TABAGISMO: COMO TRATAR

TABAGISMO: COMO TRATAR TABAGISMO: COMO TRATAR Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra ProMulher IPq-HC-FMUSP CREMESP 114681 Epidemiologia Brasil

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

Abordagem Contextual do Usuário de Maconha

Abordagem Contextual do Usuário de Maconha Abordagem Contextual do Usuário de Maconha Carla Bicca Psiquiatra Especialista em DQ FIPAD/UNIFESP Terapeuta Cognitiva / Instituto Beck Mestre em Ciências Médicas UFRGS Diretora da Villa Janus Resolução

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Jornada Regional da ABEAD. Prevenção e Tratamento do Alcoolismo

Jornada Regional da ABEAD. Prevenção e Tratamento do Alcoolismo Jornada Regional da ABEAD Prevenção e Tratamento do Alcoolismo Recife, PE Setembro/2010 1 Prevenção e Tratamento do Alcoolismo DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL AO ALCOOLISTA E OUTROS DEPENDENTES

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4.

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4. Caracterização da Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10 1. Objectivo Caracterizar o serviço e procedimentos da do Hospital do Fundão. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack.

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. MÓDULO 2 Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. Você aprenderá alguns conceitos relacionados à temática, como os padrões

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização-

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Prof. Dr. William Dunningham FMB UFBA PRM Psiquiatria HJM/SESAB-SUS Dados sobre a Saúde Mental

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS)

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS) 7.5. Disciplina Clínica Médica 4: Atenção Primária (Atual Medicina Geral de Adultos II (CLM006)) CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: CLM006 NOME ATUAL: Medicina Geral de Adultos II NOVO NOME: Clínica Médica 4:

Leia mais

TRATANDO CRACK EM UNIDADE FECHADA

TRATANDO CRACK EM UNIDADE FECHADA CRACK e outras drogas: Perspectivas na abordagem psicossocial TRATANDO CRACK EM UNIDADE FECHADA Hoje, a dependência de crack é a causa mais prevalente de internação (voluntária ou não) por uso de substâncias

Leia mais

ABORDAGEM DO USUÁRIO NO TRATAMENTO DE SPAs. Gustavo Lopes Jaques Consultor em Dependência Química Assistente Social

ABORDAGEM DO USUÁRIO NO TRATAMENTO DE SPAs. Gustavo Lopes Jaques Consultor em Dependência Química Assistente Social ABORDAGEM DO USUÁRIO NO TRATAMENTO DE SPAs Gustavo Lopes Jaques Consultor em Dependência Química Assistente Social 1 ABORDAGEM (construído vínculos) Centro de Tratamento as Adições Gustavo Lopes Jaques

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental. aplicada no tratamento da. Dependência Química

Terapia Cognitivo-Comportamental. aplicada no tratamento da. Dependência Química Terapia Cognitivo-Comportamental aplicada no tratamento da Dependência Química Dependência Química Doença classificada no CID 10 F19.0 A 19.9 alterações anatômicas e fisiológicas no cérebro fenômeno complexo

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

Inserção e atuação do aluno no campo de atuação do psicólogo a partir de realização de um estudo de caso visando à produção do conhecimento.

Inserção e atuação do aluno no campo de atuação do psicólogo a partir de realização de um estudo de caso visando à produção do conhecimento. ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS ESTÁGIOS ESTÁGIO SUPERVISIONADO I (3 período) Contextualização dos campos tradicionais e emergentes de atuação da psicologia.o aluno fará pesquisa bibliográfica e/ou de campo para

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go.

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. Marlene Fátima Stach Alves* Roberto Alves Pereira ** RESUMO: O presente artigo faz uma breve

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Seja Bem Vindo! Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito?

Seja Bem Vindo! Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito? Seja Bem Vindo! Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito? Comunidade Terapêutica: Como Começar com o Pé Direito? Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA

COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA Msc Rosa Graciela de Campos Lopes A dependência de drogas pode ser considerada como uma doença que, como qualquer outra, pode ser tratada e controlada,

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Baralho da. Motivação. Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado. Renata Brasil Araujo

Baralho da. Motivação. Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado. Renata Brasil Araujo Baralho da Motivação Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado Renata Brasil Araujo Baralho da Motivação Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado Renata Brasil Araujo 2015 Sinopsys

Leia mais

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas 1- NOME DO PROJETO PROJETO FALA GAROTO 2- IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EXECUTORA Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas Razão social e CNPJ: 31.754.914/0001-71 Endereço:

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

A Motivação no Tratamento da Dependência Química

A Motivação no Tratamento da Dependência Química Seja bem vindo! A Motivação no Tratamento da Dependência Química Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRO 06/99198 Especialista em Dependência Química UNIAD/UNIFESP Mestranda UNIFESP Perguntas Por

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Sistema único de Assistência Social

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais