AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização"

Transcrição

1 FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007, 152p. AMBIENTES DE TRATAMENTO O enquadre terapêutico se dá a partir da composição entre equipe profissional, ambiente de tratamento e tipo de tratamento. Os locais de tratamentos disponíveis são muito variados e levam em conta o número de horas diárias de tratamento e a restrição à circulação no meio externo. Hospitalização Ocorre em local diferenciado da ala psiquiátrica, dentro de um hospital geral ou clínica, podendo dar suporte aos pacientes que apresentam comorbidade com outras patologias psiquiátricas, riscos de suicídio, problemas clínicos agudos, convulsões ou delírio. Pode ser indicado para pacientes que necessitam de ambientes com supervisão constante para atingirem a abstinência, com pouco apoio social, que sofrem pressão para não suspenderem o uso da droga, que não possuem seguro saúde ou meios de transporte para chegar ao local de tratamento, ou ainda, que demonstre forte preferência pela hospitalização. Oferece o acompanhamento por terapeutas e profissionais da saúde por um período de 21 a 28 dias. Devido aos custos elevados muitas vezes precisa ser substituído por tratamentos ambulatoriais. É também visto como um espaço para motivação do paciente com problemas relacionados ao uso de drogas. O departamento que trata desse tipo de problema costuma ser chamado de enfermaria de desintoxicação, a internação e permanência nesses locais são voluntárias e acompanham o período de abstinência. Hospital-dia Oferece o mesmo programa de tratamento que a hospitalização, mas é menos restritivo já que os pacientes vivem em suas residências. As abordagens utilizadas podem ser intensiva, que incluem freqüência diária e integral; intermediária, com algumas vezes na semana e integral ou parcial ou quase ambulatorial, com visitas semanais e durante meio período. Aplica-se aos dependentes que tem a capacidade de se manter abstinentes por períodos curtos de tempo. Pode ser indicado para pacientes com história de desistência do tratamento ambulatorial ou de recaída imediata após a hospitalização, com ambivalência quanto ao tratamento ou programas de mudanças. O hospital-dia oferece programas de 8 horas/dia, 5 dias da semana e pode durar semanas ou meses. Nesse caso, é preciso que o paciente tenha um bom apoio social/familiar.

2 Ambulatório O tratamento ambulatorial é mais indicado para aqueles indivíduos que descrevem tentativas prévias bem-sucedidas de abstinência, por conta própria ou histórias de sucesso com este método, que tenham dificuldades de recursos para tratamentos intensivos ou dificuldade para serem dispensados do trabalho por períodos mais longos. Funciona com uma equipe multidisciplinar composta por médicos, psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros, terapeutas ocupacionais e educadores, todos capacitados para diagnóstico e tratamento do dependente químico. O bom apoio social e a preferência pessoal por esse tipo de tratamento devem ser levados em conta. O tratamento ambulatorial intensivo é um programa de 20 horas por semana, durante o dia ou à noite e tende a durar 4 a 8 semanas. Aplica-se a indivíduos que conseguem ficar abstinentes por períodos mais longos de tempo e não necessitam ser removidos do seu ambiente residencial, do estudo ou do trabalho, mas necessitam de estruturação e apoio. O tratamento ambulatorial menos intensivo pode ser utilizado para pacientes com dependências menos severas, tanto em programas como em consultórios particulares. Presta-se para pacientes com complicações mínimas relacionadas à dependência, que possuem suporte emocional e social, e são capazes de se manter abstinentes em ambientes pouco restritivos. São necessárias 4 h/semana por 2 a 4 meses, podendo ser reduzidas a 1h/semana para se manter períodos mais longos de acompanhamento. Também podem ser utilizados para acompanhamento de pacientes após os programas mais intensivos. Casas de recuperação ou Comunidades terapêuticas Envolvem um local para habitação em uma comunidade com outros dependentes em um ambiente monitorado. Esta vivência de habitação na comunidade, envolvendo-se com outros indivíduos permite que o dependente aprenda a viver enquanto abstêmio. Está indicado para pacientes com história de recaída após a hospitalização ou carência de apoio social. Se combinado com hospital-dia ou programas ambulatoriais noturnos, podem substituir ambientes de hospitalização. De fato, neste caso, há bastante interdependência entre os pacientes da comunidade, inclusive em programas dos 12 passos. As comunidades terapêuticas oferecem um balanço entre reclusão objetiva e suporte afetivo, com o intuito de diminuir as resistências defensivas e iniciar o processo de aprendizagem. A equipe é composta de ex-dependentes e ao menos um profissional para auxiliar nas terapias de grupo, que estimulam aceitação mútua, confronto de defesas, compartilhamento de inventário de vida, fraquezas e forças individuais, documentação de processos de doenças destrutivas, e oferecem auxílio para correção e elogios. Se espera uma experiência corretiva emocional com reconhecimento, pelo dependente, de falta de controle sobre a droga, aceitação de ajuda continuada e resolução de reconstrução de uma identidade mais saudável.

3 Os planos terapêuticos devem ser individualizados para cada paciente, considerando-se as dificuldades e forças do paciente para manter a abstinência em longo prazo. São alterados os detalhes de vida do dependente, com estímulo dos bons hábitos de higiene, maneiras, linguagem, atitude e conduta; no nosso meio, muitos programas valorizam a religiosidade. O ambiente evita contato com outros indivíduos, com imersão total do paciente no tratamento, preenchendo o dia com atividades bem estruturadas do ponto de vista cronológico, não sendo permitidas interferências do mundo externo sobre as atividades, sendo que, em alguns programas, não são permitidos televisão, jornais ou revistas. Consultórios Médicos e outros profissionais da área da saúde, treinados em psicoterapia de apoio ou breve, podem atender em consultórios os pacientes com dependências leves a moderadas e sem complicações associadas importantes. De uma forma geral, estes pacientes devem também freqüentar reuniões de recuperação que seguem os 12 passos. CAPS AD Atenção às Pessoas com Transtornos Decorrentes do Uso de Substâncias Psicoativas na Rede Pública Organização da atenção em saúde mental Toda a atenção baseia-se nos princípios do SUS (Sistema Único de Saúde). Acesso universal, público e gratuito às ações e serviços de saúde; integralidade das ações, cuidando do indivíduo como um todo e não como um amontoado de partes; eqüidade, como o dever de atender igualmente o direito de cada um, respeitando suas diferenças; descentralização dos recursos de saúde garantindo cuidado de boa qualidade o mais próximo dos usuários que dele necessitam; controle social exercido pelos conselhos municipais, estaduais e nacional de saúde com representação dos usuários, trabalhadores, prestadores, organizações da sociedade civil e instituições formadoras. Para alcançar esses princípios propõem-se a organização de uma rede de atenção às pessoas que sofrem com transtornos mentais e suas famílias, amigos e interessados. Para constituir essa rede, todos os recursos afetivos (relações pessoais, familiares, amigos etc.), sanitários (serviços de saúde), sociais (moradia, trabalho, escola, esporte etc.), econômicos (dinheiro, previdência etc.), culturais, religiosos e de lazer estão convocados para potencializar as equipes de saúde nos esforços de cuidado e reabilitação psicossocial. As redes possuem vários centros, muito complexas e resistentes. O fundamental é que não se perca a dimensão de que o eixo organizador dessas redes são as pessoas, sua existência e seu sofrimento. Criados no intuito de assumir um papel estratégico na articulação e no tecimento dessas redes, surgem os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Estes têm papel tanto de cumprir funções na assistência direta e na regulação da rede de serviços de saúde, trabalhando em conjunto com as equipes de Saúde da Família e Agentes

4 Comunitários de Saúde, quanto na promoção da vida comunitária e da autonomia dos usuários, articulando os recursos existentes em outras redes: sócio-sanitárias, jurídicas, cooperativas de trabalho, escolas, empresas, etc. A criação dos CAPS fez parte de um intenso movimento social, inicialmente de trabalhadores da saúde mental, que buscavam a melhoria da assistência no Brasil e denunciavam a situação precária dos hospitais psiquiátricos, que ainda eram o único recurso destinado aos usuários portadores de transtornos mentais. Nesse contexto os serviços de saúde mental surgem em vários municípios do país e vão se consolidar como dispositivos eficazes na diminuição de internações e na mudança do modelo assistencial. Considerando os serviços de saúde, a rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos assistenciais que possibilitem a atenção psicossocial aos pacientes com transtornos mentais, segundo critérios populacionais e demandas dos municípios. Esta rede pode contar com ações de saúde mental na atenção básica, CAPS, serviços residenciais terapêuticos (SRT), leitos em hospitais gerais, ambulatórios, bem como os CAPS AD e os Serviços Hospitalares de Referência para Álcool e outras Drogas (SHRad). Ela deve funcionar de forma articulada, tendo os CAPS como serviços estratégicos na organização de sua porta de entrada e de sua regulação. Organização da atenção às pessoas com transtornos decorrentes do uso de SPA Os CAPS AD são serviços para municípios com população acima de habitantes, especializados em saúde mental que atendem pessoas com problemas decorrentes do uso ou abuso de álcool e outras drogas em diferentes níveis de cuidado: intensivo (diariamente), semi-intensivo (de 2 a 3 vezes por semana) e não-intensivo (até 3 vezes por mês). São serviços ambulatoriais territorializados, tendo como princípio a reinserção social. Realizam ações de assistência (medicação, terapias, oficinas terapêuticas, atenção familiar), de prevenção e capacitação de profissionais para lidar com os dependentes. Tendo ainda a função de organizar a rede mais ampla de atenção às pessoas com problemas decorrentes do uso ou abuso de álcool e outras drogas. A política de atenção a álcool e outras drogas prevê que nessa rede insiram-se leitos para internação em hospitais gerais (para desintoxicação e outros tratamentos), os chamados Serviços Hospitalares de Referência para Álcool e outras Drogas (SHRad) para municípios acima de habitantes. Os principais objetivos dos SHRad serão o atendimento de casos de urgência/emergência relacionados a álcool e outras drogas (Síndrome de Abstinência Alcoólica, overdose, etc) e a redução de internações de alcoolistas e dependentes de outras drogas em hospitais psiquiátricos. Estes serviços devem trabalhar com a lógica da redução de danos como eixo central ao atendimento aos usuários/dependentes de álcool e outras drogas. Ou seja, o tratamento deve estar pautado na realidade de cada caso, o que não quer dizer abstinência para todos os casos.

5 Os CAPS AD possuem essa linha teórica norteadora da redução de danos e executam um trabalho independente do Ministério da Saúde (MS), não sendo imposto nenhum método de funcionamento, e sim, de descentralização, de respeito à realidade local. Existe a perspectiva de estabelecer protocolos de avaliação, pensando-se em criar uma política metodológica norteadora mais específica para todos. Já existem no país diversos CAPS AD, com horário de funcionamento das 8 às 18h, de segunda a sexta-feira, podendo ter um terceiro período, funcionando até às 21h. Até o final de 2006, existiam no país 138 CAPS AD já credenciados como tal no MS, e diversos outros ainda em fase de estruturação. As informações sobre os CAPS AD, CAPS e CAPS i (infância e adolescência) como localidade, endereço, telefone, etc. podem ser obtidas no VIVAVOZ ( ). O número de serviços aumentou em 2 vezes e meia entre 2003 e 2006 e, embora a maioria deles ainda se concentre nas regiões Sul e Sudeste, é evidente o impacto, no acesso ao tratamento, da expansão de serviços em estados onde a assistência extra-hospitalar em saúde mental era praticamente inexistente, especialmente nas regiões Nordeste e Centro-Oeste. A busca por um modelo ideal de atenção a saúde é um processo em constante evolução, que como qualquer processo sofre as influências dos diversos aspectos presentes na rede em que está inserido. O modelo apresentado é o que no presente momento retrata toda a evolução e influências condensadas, sendo visto como um modelo de ponta em todo o mundo. Saiba mais: VIVA VOZ:

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, através do Núcleo de Atenção à Saúde Mental//Coordenadoria de Políticas e Atenção à Saúde

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar

Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar CONCEITO CENTRO COMUNITÁRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL AOS PORTADORES DE ÁLCOOL E DROGAS, DE ACORDO COM A PROTARIA 336/GM EM 19/02/2002 DO MINISTÉRIO

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór Mapeamento da rede de atenção aos Linha usuários de drogas: Um método Políticas Públicas sobre Drogas exploratório Pedro Henrique Antunes da Costa Telmo Mota Ronzani Fernando Basile Colugnati Centro de

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação Módulo 4 Atenção em rede como condição para o tratamento integral Unidade 2 Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação 109 Identificação de recursos comunitários existentes e

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES 13º AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e Assistência Hospitalar FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES Setembro/2014

Leia mais

ATO DELIBERATIVO N. 33

ATO DELIBERATIVO N. 33 ATO DELIBERATIVO N. 33 De 13 de agosto de 2001. Dispõe sobre normas para internação psiquiátrica e atendimento psiquiátrico em hospital-dia. O Conselho deliberativo do PRÓ-SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental. Coordenadora: Lourdes A. Machado

Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental. Coordenadora: Lourdes A. Machado Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental Coordenadora: Lourdes A. Machado GPT Grupo de Produção Temática em Saúde Mental LEGISLAÇÃO SAÚDE MENTAL Lourdes A. Machado Junho 2009 CONCEITOS LEIS:

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 Circular 051/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV Protocolo geral Dispõe sobre as condições para a promoção,

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

TEMA: Internação Compulsória de Dependentes Químicos

TEMA: Internação Compulsória de Dependentes Químicos NOTA TÉCNICA 86/2014 Dra Vanessa Verdolim Hudsom Andrade Desembargadora da 1ªCâmara Cível TJMG Data: 08/05/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X N processo 1.0338.14.003238-8/001 TEMA: Internação

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012 Fixa e estabelece os Parâmetros Assistenciais Terapêuticos Fisioterapêuticos Ocupacionais nas diversas modalidades

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA Elsa Giugliani elsa.giugliani@saude.gov.br POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA 3º FÓRUM DEBATE BRASIL POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA: QUEBRANDO A CADEIA DA VIOLÊNCIA 28-29 Novembro 2007 Área

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Redefine o Centro de Atenção Psicossocial

Leia mais

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Estruturar e organizar a rede de serviços de prevenção, tratamento e acolhimento do município de São Paulo destinadas aos cuidados

Leia mais

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL.

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS DE SAÚDE MENTAL

PROVA DE CONHECIMENTOS DE SAÚDE MENTAL C ONCURSO PÚBLICO EDITAL 02/2014 CADERNO 9 PROVAS: C A D E R N O D E P R O V A S RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL TERAPIA OCUPACIONAL CONHECIMENTOS DE SAÚDE MENTAL CONHECIMENTOS DE SAÚDE PÚBLICA

Leia mais

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico?

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Seja bem vindo! Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132.

RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132. RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132. Altera a Resolução-COFFITO n 418/2011, que fixa e estabelece os Parâmetros Assistenciais Terapêuticos

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS QUESTÃO 1 Assinale a opção que contém os instrumentos de planejamento da Regionalização, defendido no pacto pela saúde 2006: a. O PDR (Plano Diretor de Regionalização), o Plano

Leia mais

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e CRACK DIMENSÃO 2 A política do MS é tímida e equivocada. Os CAPS AD são poucos e ineficientes. Os serviços comunitários, geralmente religiosos, são muitos, são precários, carecem de base científica e beneficiam

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014 MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAD Nº /2014 Regulamenta, no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (SISNAD), as entidades que realizam o acolhimento de pessoas com problemas decorrentes do

Leia mais

Serviços, Programas e Projetos em execução no Município. Diretos e Indiretos

Serviços, Programas e Projetos em execução no Município. Diretos e Indiretos Serviços, Programas e Projetos em execução no Município Diretos e Indiretos Prevenção, Tratamento Reinserção Social Órgãos e Instituições com Atuação Direta Secretaria de Saúde Entidades Ambulatoriais

Leia mais

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica.

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica. QUESTÃO 01 O suicídio representa hoje um importante problema de saúde pública no Brasil e seus índices vêm crescendo a cada ano. A respeito do suicídio pode-se afirmar que: A. Programas dirigidos para

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO NUPE/FAME AÇÕES DE EXTENSÃO

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO NUPE/FAME AÇÕES DE EXTENSÃO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO NUPE/FAME AÇÕES DE EXTENSÃO Programa - Conjunto articulado de projetos e outras ações de extensão - cursos, eventos, prestação de serviços -, de caráter educativo, social,

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL RELATÓRIO DE NOVE ANOS DE ATIVIDADES 2002-2011 CUIABÁ, MARÇO DE 2012. Introdução/Desenvolvimento: O CAPSi (Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil/CAPS Infantil)/CIAPS

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores,

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores, Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) S ASSISTENCIAIS TERAPÊUTICOS OCUPACIONAIS NAS DIVERSAS MODALIDADES PRESTADAS PELO TERAPEUTA OCUPACIONAL Diário Oficial da

Leia mais

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 22 Dispõe sobre a criação de mecanismos para a organização e implantação de Redes Estaduais de Assistência à Saúde do Idoso.

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

A Psicologia e a Saúde Coletiva nas Políticas de Saúde Mental ¹

A Psicologia e a Saúde Coletiva nas Políticas de Saúde Mental ¹ A Psicologia e a Saúde Coletiva nas Políticas de Saúde Mental ¹ LARA, M. P. 2 ; TRAESEL, E. S. 3 1 Relato de Estágio Específico- UNIFRA 2 Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA),

Leia mais

Implementação da Lei 10.216 e a Política Nacional de Saúde Mental: cenário atual e perspectivas 2009. Workshop MPF 09 de outubro de 2008

Implementação da Lei 10.216 e a Política Nacional de Saúde Mental: cenário atual e perspectivas 2009. Workshop MPF 09 de outubro de 2008 Implementação da Lei 10.216 e a Política Nacional de Saúde Mental: cenário atual e perspectivas 2009 Workshop MPF 09 de outubro de 2008 Reforma Psiquiátrica e Política de Saúde Mental do SUS 1º momento:

Leia mais

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL Patrícia de Bitencourt Toscani 1 Durante a década de 70, o processo da Reforma Psiquiátrica possibilitou construir uma nova política de saúde

Leia mais

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim PENHA Distritos Administrativos Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim População: 474.565 hab. ERMELINO MATARAZZO Distritos Administrativos Ermelino Matarazzo Ponte Rasa População: 207.736 hab. PENHA

Leia mais

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Por que precisamos de uma PNH? Para enfrentar as graves lacunas quanto ao acesso aos serviços e e à atenção integral à saúde. Para modificar

Leia mais

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO MEMÓRIA DO VIII ENCONTRO CATARINENSE DE SAÚDE MENTAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO MEMÓRIA DO VIII ENCONTRO CATARINENSE DE SAÚDE MENTAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO MEMÓRIA DO VIII ENCONTRO CATARINENSE DE SAÚDE MENTAL PERÍODO: 03 a 05 de novembro de 2009 LOCAL: Centro de Cultura e Eventos-Universidade

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD Renato Diniz Silveira 1 Allisson Vasconselos Oliveira 2 Cláudio Alves Taioba Júnior

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009.

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. Aprova a redefinição das normas de organização e normas de atendimento da Rede de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência Mental e Autismo do

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura Helvécio Miranda Magalhães Júnior Secretário Municipal de Saúde - Belo Horizonte Presidente do CONASEMS Lei 10.216/2001: um pouco da história Apresentada

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR SUMÁRIO 1. identificação da atividade 02 2. Caracterização da atividade 02 3. Resumo das ações 04 4. Justificativa 04 5. Objetivos 05 6. Metodologia 05

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo Reflexões a partir do Municipio . PENSAR A REFORMA PSIQUIÁTRICA É PENSAR A CIDADE: QUE CIDADE QUEREMOS? OS DIREITOS HUMANOS. A REFORMA

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A Temporalidade no Serviço de Residência Terapêutica Maria Aparecida Souza Rosa Vanessa Idargo Mutchnik Associação Saúde da Família. Pça. Mal.Cordeiro de Farias, 65. Higienópolis SP Brasil Centro de Atenção

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná e a competência da APS. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná e a competência da APS. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná e a competência da APS Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO

O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO Valéria Leite Soares de Araújo 1 RESUMO Este trabalho será apresentado em forma de comunicação oral e tem por objetivo

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010. Médico psiquiatra

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010. Médico psiquiatra SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010 Salomão Rodrigues Filho Salomão Rodrigues Filho Médico psiquiatra DIMENSÃO do PROBLEMA A política do MS para a assistência

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

Os programas de extensão na educação permanente. Carmen L. A. de Santana

Os programas de extensão na educação permanente. Carmen L. A. de Santana Os programas de extensão na educação permanente Carmen L. A. de Santana 2014 Extensão Universitária Área temática :Saúde Periferia dos Sonhos Direitos Humanos Saber Cuidar Curso Arteterapia Comunitária

Leia mais

Introdução. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Endereço eletrônico: danielyviveiros@hotmail.com

Introdução. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Endereço eletrônico: danielyviveiros@hotmail.com TÍTULO:REINSERÇÃO SOCIAL DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS ATRAVÉS DA CAPACITAÇÃO PARA O TRABALHO E GERAÇÃO DE RENDA NO MUNICIPIO DE CARMO, RJ AUTORES: Maria Paula Cerqueira Gomes 1 ; Daniely Silva de Viveiros

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE CONSULTA PUBLICA DO PRODUTO DO GRUPO DE TRABALHO DE REVISÃO DA TERMINOLOGIA DE TIPOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Revisão

Leia mais

Tema: Crack- Prevenção, resgate e cuidado em Saúde Mental. Considerações Iniciais:

Tema: Crack- Prevenção, resgate e cuidado em Saúde Mental. Considerações Iniciais: De: Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro Para: Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Assunto: Contribuição propositiva para ser apresentada na Mesa 3/ Conselhos e Sociedade Civil

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais