PROJETO: INSTRUMENTO PARA PLANEJAMENTO E GESTÃO DE BIBLIOTECAS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO: INSTRUMENTO PARA PLANEJAMENTO E GESTÃO DE BIBLIOTECAS RESUMO"

Transcrição

1 PROJETO: INSTRUMENTO PARA PLANEJAMENTO E GESTÃO DE BIBLIOTECAS Lourdes de Souza Moraes RESUMO A biblioteca, como todas as organizações, passa por profundas mudanças neste novo cenário desenhado pela sociedade da informação e mais, enfrenta novos desafios impostos pelo advento das tecnologias de informação, somados aos tradicionais processos e funções da biblioteca tomada no seu conceito mais clássico. Assim, a biblioteca como uma organização moderna exige novos métodos, instrumentos e ferramentas de planejamento e gestão. Esta nova forma, pode ser a administração por projetos que consiste em identificar problemas que podem ser solucionados como se fossem projetos, ou seja, descaracterizando-os como atividades de rotinas e utilizando de forma bastante otimizada a infra-estrutura existente pessoal, física e de informática. O grande desafio no emprego desta ferramenta está na habilidade do gestor da biblioteca em identificar com bastante precisão os problemas existentes que poderiam ser transformados em projetos para a sua solução, tomando o conceito básico de projeto - é um conjunto de atividades ou ações que devem ser executadas de maneira coordenada e lógica com início, meio e fim, de modo a permitir atingir determinados objetivos, e que para tanto são definidos alguns parâmetros de tempo, custos, recursos e qualidade de produtos e serviços. Outro ponto essencial para o uso desta ferramenta em bibliotecas é adequar a estrutura organizacional, que na maioria das bibliotecas, é funcional, isto é, as bibliotecas são estruturadas por funções (aquisição, processamento técnico, referência em outras) para o modelo matricial que é uma combinação, com imensas vantagens, da organização funcional com organização por projetos. Este trabalho tem, portanto, como objetivo iniciar e incentivar os gestores de bibliotecas na identificação, conhecimento e uso de novas e modernas ferramentas de planejamento e gestão que podem ser aplicadas em bibliotecas. PALAVRAS-CHAVE: Projetos. Administração por Projetos. Planejamento e Gestão de Bibliotecas. 1 INTRODUÇÃO

2 Quem planeja por uma qualidade de vida melhor deve utilizar o planejamento como uma atividade dinâmica e permanente em sua organização. FURUSHO, O mundo passa, em todos os campos de atividades, por grandes transformações e em alta velocidade. Os efeitos dessas mudanças e transformações refletem diretamente sobre as organizações sociais todas elas, independente do tipo e de seus objetivos. As relações de trabalho dentro das organizações se transformam também, e o desafio maior está na administração, no gerenciamento e na utilização de modernas ferramentas de planejamento e gestão para buscar o desenvolvimento e a sobrevivência neste cenário de grandes competições. Administrar é uma arte, já dizia há muito tempo, a sabedoria popular, entretanto é uma arte que pode ser aprendida. Assim, administrar (e mais modernamente também gerenciar) é uma disciplina aplicada que disponibiliza constantemente novos processos, metodologia e ferramentas para o planejamento e gestão de organizações. Por coincidência, quando da elaboração desta introdução (que é sempre a última parte do trabalho redigida) foi apresentada, na lista de discussão de Aldo Barreto uma boa discussão sobre exatamente as organizações, ou mais especificamente, sobre a gestão do conhecimento, ou ainda como nomeou o seu autor o espaço do conhecimento. Ana Malin 1, trazendo uma boa contribuição, faz uma reflexão sobre o espaço da gestão. Diz ela que a administração, como disciplina e prática, nasce preocupada com métodos e com a racionalidade do trabalho, depois se volta para os princípios gerais e, no pós guerra, passa a dar ênfase aos meios na busca de eficiência e resultados. É no bojo desse último movimento, identificado como Neoclássico, que a idéia de gerenciar, como um tipo específico de trabalho, aparece. E diz mais sobre as organizações- concomitantemente, a sociedade passou a se estruturar em torno de organizações:

3 grupos de especialistas trabalhando em conjunto para um objetivo comum. Para melhor entendimento, enquanto a sociedade, a comunidade e a família são existem para o seu próprio fim as organizações fazem, têm resultados concretos em cima de uma missão clara, concentrada e comum. Assim, torna-se como função genérica e obrigatória a gestão nas organizações. O planejamento estratégico e a administração por projetos são alguns processos que se apresentam para enfrentar os novos desafios na administração, no gerenciamento e na gestão. A Biblioteca, como uma organização social, está inserida nesse cenário, que desafia a implantação de modernas e criativas formas de atender novas demandas e necessidades de informação da sua comunidade usuária, ou seja, de seus clientes. E mais, tudo isso processado em uma velocidade fantástica para acompanhar a revolução causada pela tecnologia de informação que a cada dia traz novidades na produção, armazenamento, tratamento, disponibilização e uso da informação. Esse processo, portanto, exige dos profissionais gestores de Bibliotecas, além de uma base sólida e atualizada na área de gerenciamento, uma postura bastante ágil e criativa na forma de administrar a sua organização. Em 1995, quando estava em alta a discussão e reflexão sobre os novos paradigmas da área de biblioteconomia (ainda eram relativamente recentes as discussões sobre ciência da informação), Valentim (1995) elaborou um quadro bastante interessante sobre essas mudanças que deveriam ocorrer nas bibliotecas, ou seja, o que deveria mudar do antigo para o novo modelo na busca do novo paradigma. Entre 18 itens levantados, dos quais o mais importante é enfoque no acervo mudando para o enfoque informação, outros três são bastantes interessantes e relativos à administração motivação individual para motivação de equipe; estrutura hierárquica para estrutura horizontal e trabalho desenvolvido em serviço para trabalho desenvolvido em projetos. 1 Comentários de Ana Malin na lista de discussão de Aldo Barreto do dia 12 de julho de 2004

4 Assim, essa mudança de paradigma tão discutida e perseguida pelas Bibliotecas passa obrigatoriamente pela forma de sua organização e gerenciamento como uma organização que tem como parâmetro a instituição e a comunidade a que serve e também, a sociedade de informação e do conhecimento que se apresenta. A Biblioteca para se manter viva e em constante desenvolvimento necessita ser gerida como uma organização, necessita portanto, da utilização por seus gestores de novas ferramentas de planejamento e gestão que segundo Valeriano (2001, p.15) são dois processos que podem responder aos desafios que se apresentam o gerenciamento estratégico e a administração por projetos. Nesta direção, o presente trabalho propõe introduzir o método de projetos na administração e gerenciamento de Biblioteca, tomando-a não somente como uma organização que coleta, processa, armazena, dissemina e disponibiliza a informação e o conhecimento, mas, sobretudo, como uma organização que usa a informação para construir significados, criar conhecimentos e tomar decisões. Como proposta mais ampla pretende-se introduzir no ambiente de bibliotecas a cultura de planejamento e gestão, e em especial, o método de projeto que segundo Lück (2003, p.13) é, certamente, de grande utilidade para todos os que pretendem orientar seu trabalho para a promoção de resultados efetivos, mediante ações organizadas, concentradas e sistematizadas, de modo que possam também aprender com essa prática. Trata-se de uma ferramenta básica do gestor, que não apenas fundamenta, direciona e organiza a ação de sua responsabilidade, como também possibilita o seu monitoramento e avaliação, condições fundamentais da eficácia e melhoria contínua. 2 PROJETOS: CONCEITOS BÁSICOS 1.1 O QUE É PROJETO?

5 Há várias definições sobre projeto, mas todos autores passam sempre a mesma idéia ou conceito é uma atividade planejada com um determinado objetivo e que tem começo, meio e fim. Não é portanto, uma atividade de rotina ou operação corrente. Algumas definições de projeto: é um empreendimento com começo, meio e fim definidos, dirigidos por pessoas, para cumprir metas estabelecidas dentro de parâmetros de custo, tempo e qualidade. DINSMORE (1992, p.19). é um empreendimento temporário realizado para criar um produto ou serviço singular. Compreende ações não rotineiras, não repetitivas que visam à criação de bens ou serviços singulares sendo que cada projeto consiste em um pacote de trabalho distinto dos demais trabalhos. VALERIANO (2001, p.12-13). é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido, sendo conduzido por pessoas dentro de parâmetros predefinidos de tempo, custo, recursos envolvidos e qualidade. VARGAS (2003, p.5). Outros autores ainda colocam que projeto é a menor parte de uma atividade social ou econômica que pode ser planejada, analisada e administrada separadamente. É um problema programado para ser resolvido. E ainda mais, é um trabalho ou um conjunto de atividades que tem começo, meio e fim, e é executado uma única vez e não deve ser confundido com as atividades de rotina que são repetitivas e contínuas. Portanto, um projeto deve ser elaborado para resolver problemas muito bem definidos, bem identificados e específicos. 1.2 CARACTERÍSTICAS DO PROJETO

6 De acordo com as definições colocadas, há duas principais características dos projetos a temporalidade e a individualidade. Assim, realmente um trabalho que não tenha bem definido seu tempo de início e término, como também muito bem definido o seu objetivo não pode ser considerado um projeto. Vargas (2003) coloca que a partir dessas duas características pode-se descrever outras características como: empreendimento não repetitivo; seqüência clara e lógica de eventos; início, meio e fim; objetivo claro e definido; conduzido por pessoas; projetos utilizam recursos e parâmetros pré-definidos. 1.3 ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Elaborar um projeto significa planejar. Planejar ações para atingir resultados definidos, ou seja, resolver problemas bem identicados. Levantar os recursos necessários para a sua implantação é também uma atividade de extrema importância para o sucesso do projeto. Um projeto é sempre formalizado por meio de um documento, o que pode, por muitas vezes levar a uma idéia muito simples de um projeto - reduzi-lo ao documento. Mas, o trabalho de elaboração de um projeto deve ser entendido como um processo ou uma necessidade que canaliza todos os esforços e recursos para a solução de um problema ou de uma necessidade (devidamente identificado e avaliado como importante naquela organização) e que portanto pode ser traduzido como uma sinergia para a realização de um conjunto de atividades planejadas e organizadas para atingir uma determinada meta. As fases de um projeto podem ser resumidamente colocadas como: a identificação da necessidade e do problema (não há como elaborar um projeto sem realmente definir o seu objetivo); o planejamento (é o momento de selecionar as melhores estratégias de ação para atingir os objetivos propostos); a execução ( é o momento de realizar aquilo que foi planejado); a avaliação e controle (é uma atividade sempre presente, desde o planejamento até a finalização) e a finalização (o término do projeto é vital para que ele seja realmente um projeto. Geralmente se finaliza um projeto após a avaliação e a execução de relatórios finais de atividades

7 onde são discutidos os resultados e as dificuldades apresentadas na sua execução, além da demonstração de desempenhos financeiros, entre outras formas de prestação de contas). A elaboração de um projeto é um processo de maturação de idéias, como coloca Lück (2003). Assim, um projeto só pode ser elaborado após serem efetuados estudos preliminares, levantamento de dados e informações para ter domínio da área e segurança do que está-se propondo e a forma de atingir ao proposto. O importante nesta fase é ter bem clara a idéia central do projeto (de onde está e aonde quer chegar) e também qual é a infra-estrutura necessária para a sua execução com sucesso. Na elaboração do documento final o projeto só se materializa no documento deve haver a preocupação de apresentar todos os elementos do projeto, colocados de forma clara e simples, com base nos dados e informações coletadas e, deve apresentar uma boa revisão da literatura na área. Alguns autores apresentam a seguinte estrutura de um projeto: - identificação do projeto (título, unidade proponente, unidade executora, programa, equipe, coordenação, início e término, duração, custos, financiamentos); objetivos; justificativa; estratégia de ação ou memorial descritivo (metas, ações e atividades); orçamento, cronograma físicofinanceiro (quando há financiamento e liberação programada de recursos); cronograma de atividades e fontes de informação (referências bibliográficas). Após a aprovação inicia-se efetivamente o processo de gestão, aqui entendida como parte específica do gerenciamento geral do projeto, como por exemplo a gestão de processos técnicos, gestão de recursos (financeiros e de pessoal), gestão de informática e telecomunicação entre muitas outras, tudo sob a coordenação do gerente do projeto. 1.4 PROJETOS E PROGRAMAS: QUAL A DIFERENÇA?

8 Um projeto é, como já foi colocado, um conjunto de atividades que tem uma certa temporalidade e uma certa individualidade, ou seja, aquele determinado projeto só existe uma vez foi elaborado, executado, avaliado e finalizado. Porém um projeto pode fazer parte de um programa, que por sua vez faz parte de um plano maior da organização. Assim pode-se dizer que um programa é um conjunto de projetos e atividades de rotina (alguns autores chamam de operações correntes) que tem como finalidade agrupar ações por áreas afins e objetivos estabelecidos para determinadas áreas da organização. Programa é então um conjunto de ações que busca definir e implantar uma determinada política com relação a uma área de atuação da organização. Os programas devem ter um gerente assim como os projetos. 3 ADMINISTRAÇÃO POR PROJETOS EM BIBLIOTECAS É obvio que a proposta que se faz aqui de utilizar o projeto como uma ferramenta de planejamento e gestão em Bibliotecas não deve ser comparada às tarefas de administração por projetos aplicadas às grandes e complexas organizações, como por exemplo uma indústria automotiva, que tem como grande objetivo o desenvolvimento de produtos competitivos no mercado. Assim quando tomamos a literatura na área de projetos, a primeira reação é adversa ao uso ou aplicação da ferramenta na área de administração de bibliotecas (e outras unidades de informação) tomada no seu modelo mais clássico e presencial. Essa reação vem justamente da impressão que se tem - de muita complexidade nos processos de planejamento estratégico e nos processos de gerenciamento de projetos, sendo que muitos deles necessitam de ferramentas informatizadas para a sua elaboração e gerenciamento. Trabalhos como os citados aqui (Vargas, Valeriano, Vasconcellos e Lück) têm propostas de trabalho com grandes organizações e quando colocam as vantagens do uso dessas ferramentas, evidenciam que elas devem ser usadas quando há complexidade do problema a ser resolvido.

9 Entretanto, em uma análise mais cuidadosa, o método de administração por projetos pode ser aplicado a organizações sem muita complexidade como as Bibliotecas; é apenas uma questão de criar uma cultura de planejamento nas atividades que são chamadas de rotineiras, ou seja, ter um olhar criativo para as atividades que parecem não ter fim e que portanto não serão nunca administradas por meio de projetos. Assim, se a Biblioteca não tem como meta desenvolver e colocar no mercado um produto competitivo, de baixo custo e de alta qualidade, ela tem como grande meta colocar à disposição de sua comunidade usuária produtos, serviços e acervos de qualidade. Assim o que poderia ser uma atividade de rotina como o processamento técnico de um acervo recém adquirido pode se transformar em um projeto (sem grande complexidade) mas que tem muito bem definidos os seus objetivos, a sua estratégia de ação e os recursos necessários para a sua execução, e o que é mais importante pode ter um começo, um meio e ser finalizado. 3.1 O QUE É ADMINISTRAÇÃO POR PROJETOS? No ambiente de bibliotecas, quando se fala em projetos logo se associa à tarefa de busca ou captação de recursos para a implantação de serviços e produtos, atualização e manutenção de acervo ou mesmo para investimentos em infraestrutura física (espaços físicos e mobiliários) e informática. Não há nada de errado, pois realmente para buscar financiamentos, tanto internos como externos à instituição é preciso elaborar e apresentar um projeto, que certamente será formatado de acordo com os termos de referência exigidos pela instituição financiadora. Porém, projetos não devem ser utilizados somente na busca de recursos, mas devem ser utilizados como ferramentas para o planejamento e gestão de Bibliotecas, ou ainda, os projetos podem ser utilizados para as duas finalidades é apenas uma questão de formalização do documento a ser apresentado, mas a concepção e conteúdo seguem a mesma metodologia de elaboração, apresentação e gerenciamento de projetos.

10 Segundo Valeriano (2001, p.92) a administração por projetos consiste em identificar problemas da organização como passíveis de serem resolvidos como se fossem projetos, podendo empregar, assim, todas as ferramentas e processo desenvolvidos e de eficiência comprovada em projetos de extrema complexidade. A implantação da administração por projetos não é processo simples e necessita que a organização esteja preparada para algumas mudanças, dentre elas a sua estrutura organizacional. As Bibliotecas que não têm experiência nenhuma em projetos e possui uma estrutura organizacional tradicional, muito formal e verticalizada terão bastante dificuldades em implantar esse método. Nesses casos deve haver um esforço maior por parte do dirigente, além de um tempo maior para adotar a metodologia de projetos e capacitar a equipe. Alguns requisitos para a implantação da administração por projetos em Bibliotecas: estrutura matricial - o ideal é que a Biblioteca tenha uma organização matricial. Estrutura matricial é a sobreposição da estrutura de projetos à estrutura departamental. Apresenta as vantagens das duas estruturas: mantém a chefia da unidade, promove a formação de equipe multidisciplinar, conta com o trabalho de especialista e integra os vários departamentos da organização em torno de um mesmo objetivo. Traz uma única desvantagem a perda da unicidade de chefia, pois o profissional tem que se reportar à duas chefias ao mesmo tempo, a chefia do departamento e o coordenador ou gerente do projeto. Essa situação necessita de uma atenção especial por parte do administrador da organização, pois não é fácil romper alguns dogmas consolidados na estrutura hierarquizada e departamental. A figura abaixo mostra uma estrutura matricial:

11 Figura 1 Estrutura matricial Direção da Biblioteca Conselhos / Comissões Assessorias Secretaria Depto. Desenvolvimento de Coleções Depto. Processamento Técnico Depto. de Referência Depto. de Ação Cultural Programa X Projeto A Projeto B Projeto C não resistir à prática de planejamento - há uma resistência muito grande por parte dos administradores de Biblioteca (como na maioria das organizações sem grande complexidade) em planejar as suas atividades. Mas para implantar a administração por projetos é preciso utilizar e acreditar no planejamento como uma atividade essencial para uma boa e eficiente administração. E muitos planejam apenas quando da elaboração de um projeto ou um plano de ação, tomam este planejamento como documento que

12 formaliza o seu trabalho junto às instâncias superiores ou aos órgãos de planejamento da instituição. O planejamento deve ser o roteiro das atividades a serem realizadas e das metas estabelecidas, é sem dúvida uma carta de orientação para o caminho a ser percorrido. equipes multidisciplinares - esta sobreposição das duas estruturas orienta para a formação de equipes multidisciplinares compostas por profissionais dos mais variados departamentos e em alguns casos profissionais especialmente contratados para o desenvolvimento do projeto. Essa equipe é formada à medida da identificação do problema ou da necessidade de elaboração e implantação de novos projetos, porém os membros não perdem seu vínculo com o seu departamento de origem. Há necessidade de coordenadores ou gerentes dos projetos, que no caso das Bibliotecas dificilmente serão contratados para essa função, assim poderá ser dada a oportunidade para os profissionais do quadro de exercer a função de gerente de projetos. Para tanto há necessidade de investimentos na capacitação do pessoal técnico nas áreas de projetos, planejamento e gestão. programas de atividades da Biblioteca - como uma organização a Biblioteca deve ter um plano de ação onde estarão identificados os programas que reunirão um conjunto de projetos de uma determinada área. As Bibliotecas poderão, à medida da suas necessidades e especificidades, apresentar programas voltados às: - atividades de extensão (projetos artísticos, culturais e educacionais extensivos à comunidade externa; realização de eventos técnico-científico e culturais) - atividades de manutenção e conservação de acervo (projetos de campanha de conscientização e educação de usuários na conservação do acervo; projetos para recuperação de acervos especiais)

13 - atividades de processamento técnico/tratamento da informação (projetos força tarefa para reclassificação de acervos; projetos para disponibilização de acervos especiais; projetos para avaliação de acervos; projetos de implantação de ferramenta de controle de acervo e catálogos) - atividades de assistência e orientação aos usuários (projetos de estudo de usuários; projetos voltados à melhoria da qualidade de atendimento ao usuário presencial; projetos para implantação de novos serviços e produtos virtuais) - atividades de capacitação de sua equipe de profissionais. 3.2 ALGUMAS QUESTÕES PARA REFLEXÃO - Você e a sua equipe têm resistência ao planejamento? Não acredita que é bom planejar? Você pensa assim: não perco tempo com planejamento, já faço de uma vez. Você sabia que pessoas que planejam (sem exageros) a sua vida são mais felizes? - Quais os problemas que você tem na sua biblioteca que poderiam ser transformados em projetos e consequentemente solucionados? - Por que a sua biblioteca não tem uma estrutura matricial? É fácil, não precisa nem alterar o estatuto e regimento; é só sobrepor na sua estrutura departamental uma estrutura de projetos. - Você planeja as atividades da sua Biblioteca ou vai desenvolvendo as atividades dentro de padrões já estabelecidos pela rotina? Com freqüência percebe que poderia ter tido mais sucesso com determinadas atividades se tivesse estabelecido outros padrões? - Você e a sua equipe estão capacitados para trabalhar com projetos? - Quando você vai solicitar recursos junto à direção da sua instituição apresenta essa solicitação em forma de projetos? 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

14 É certo que não é fácil administrar uma Biblioteca em meio de situações tão adversas como vivemos em nosso país. Se for colocado ainda que, a maioria das Bibliotecas brasileiras está vinculada a alguma instituição pública, onde não há uma previsão de investimentos e tão pouco de infra-estrutura básica, fica bastante difícil defender uma postura de incentivo do uso de novas e modernas ferramentas de planejamento e gestão. Entretanto, o uso de métodos que levam os administradores a planejar as suas atividades envolvendo todo o pessoal ativo no busca das metas estabelecidas proporciona formas bastantes eficientes e gratificantes no trabalho de rotina, o qual, com bastante criatividade pode ser tornar um projeto, que tem começo, meio e fim, e mais, tem um responsável pela sua execução. Valeriano (2001, p.20) diz que as organizações, com o tempo, superam as dificuldades de trabalhar com projetos e assim os obstáculos vão sendo vencidos e não existindo mais a estranheza no fato de alguém trabalhar simultaneamente no seu departamento e em um projeto e, com freqüência em vários projetos ao mesmo tempo. Da mesma forma que a diferença entre o remédio e o veneno é a dosagem, o uso exagerado da prática de gestão por projetos pode ser uma desastre para a administração, pois atividades de rotinas continuam existindo nas Bibliotecas e tem que ser geridas como tais. Assim, a habilidade de identificar a necessidade de um projeto é fundamental para o sucesso na aplicação dessa ferramenta. A finalização de um projeto traz para o administrador da Biblioteca, o coordenador do projeto e para toda equipe envolvida uma sensação bastante agradável de dever cumprido com eficiência o que estimula a identificação de novas necessidades e problemas e consequentemente novos projetos que vão dando uma cara nova na administração de uma das mais antigas organizações sociais a Biblioteca.

15 REFERÊNCIAS DEMO, P. Pesquisa e construção do conhecimento. Brasileiro, Rio de Janeiro: Tempo DINSMORE, P. C. Gerência de programas e projetos. São Paulo: Pini, FURUSHO, V.Y. Planejamento em informática. Bate Byte, p.14, ago GERSDORFF, R.C.J. Von Identificação e elaboração de projetos. Rio de Janeiro: Zahar, LÜCK, H. Metodologia de projetos: uma ferramenta de planejamento e gestão. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, MALAGODI, M.E., CESNIK, F.S. Projetos culturais: elaboração, administração, aspectos legais, busca de patrocínio. 3. ed. São Paulo: Escrituras, MIRANDA, J.L.C., GUSMÃO, H.R Projetos e monografias. Niteroi: Intertexto, VALENTIM, M. L.P. Assumindo um novo paradigma na biblioteconomia. Informação e Informação, v.0, n.0, p.02-07, jul./dez VALERIANO, D.L. Gerência em projetos: pesquisa, desenvolvimento e engenharia. São Paulo: Makron Books, VALERIANO, D.L. Gerenciamento estratégico e administração por projetos. São Paulo: Makron Books, VARGAS, R.V. Análise de valor agregado (EVA) em projetos. Brasport, Rio de Janeiro: VARGAS, R.V. Gerenciamento de projetos: estabelecendo diferenciais competitivos. 5. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2003.

16 VARGAS, R.V. Manual prático de plano de projeto. Rio de Janeiro: Brasport, VASCONCELLOS, E., HEMSLEY, J.R. Estrutura das organizações: estruturas tradicionais, estruturas para inovação, estrutura matricial. 3.ed. São Paulo: Pioneira, TOFFLER, A. A terceira onda. 19. ed. Rio de Janeiro: Record, Universidade Federal de São Carlos - Biblioteca Comunitária. Rodovia Washington Luís, Km235 CEP: São Carlos, SP Brasil

ELABORAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO. LOURDES DE SOUZA MORAES lourdes@power.ufscar.br sibisc@saocarlos.sp.gov.

ELABORAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO. LOURDES DE SOUZA MORAES lourdes@power.ufscar.br sibisc@saocarlos.sp.gov. ELABORAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO LOURDES DE SOUZA MORAES lourdes@power.ufscar.br sibisc@saocarlos.sp.gov.br ELABORAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos: Conceitos.

Gerenciamento de Projetos: Conceitos. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aula 10: 1 1 O que é Projeto 2 Caracterização de um projeto 3 Processos e áreas do gerenciamento de projeto 4 Análise de viabilidade do projeto 5 O papel do gerente de

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Breve Currículo do Palestrante Filme Ilustrativo O Veleiro Objetivos do Tema : Projeto e Gestão Teoria x Prática de Gestão

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

Planejamento por Projetos

Planejamento por Projetos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento por Projetos Profa. Marta Valentim Marília 2014 Planejamento por Projetos

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

Gestão de Projeto de Tecnologia da Informação

Gestão de Projeto de Tecnologia da Informação Gestão de Projeto de Tecnologia da Informação Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Administração por Políticas Planejamento Estratégico

Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Administração por Políticas Planejamento Estratégico Sistema de Gestão pela Qualidade Total Administração por Políticas Planejamento Estratégico Márcia Elisa Garcia de Grandi megrandi@usp.br Rosa Maria Fischi rmfzani@usp.br Políticas As Políticas são as

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS II. Prof. Manuel Jarufe

GERENCIAMENTO DE PROJETOS II. Prof. Manuel Jarufe GERENCIAMENTO DE PROJETOS II Prof. Manuel Jarufe Fatores envolvidos no gerenciamento de um projeto Ciclo do gerenciamento de projetos Fase de Iniciação / Definição Fase de Planejamento Fase de Execução

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ES- TRATÉGICA Escritório Setorial de Gestão Estratégica da Diretoria Administrativa

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo. Eficiência Operacional. Buscar a efetividade nos trâmites judiciais e administrativos. Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Leia mais

MBA MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MBA MASTER IN PROJECT MANAGEMENT Prof. Me. Luiz A. 321 Brigatti Jr. MBA MASTER IN PROJECT MANAGEMENT 2 /15 Prof. LUIZ A. BRIGATTI Jr. ESTRUTURA DE PROJETOS 3 /15 Prof. LUIZ A. BRIGATTI Jr. 1 Aula 1 Gestão de Projetos -GPR Conceitos Gerais

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES Fabiane Vieira ROMANO M. Eng. Produção, Eng. Civil, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Introdução ao Planejamento

Introdução ao Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Introdução ao Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Conceitos de Planejamento

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

AULA 07 Tipos de avaliação

AULA 07 Tipos de avaliação 1 AULA 07 Tipos de avaliação Ernesto F. L. Amaral 31 de março de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos Sociais. São Paulo,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciências Contábeis 7ª série Controladoria e Sistemas de Informações Contábeis A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico em Unidades de Informação. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira UFRGS/FABICO/DCI Gramado, 2012 XVII SNBU

Planejamento Estratégico em Unidades de Informação. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira UFRGS/FABICO/DCI Gramado, 2012 XVII SNBU Planejamento Estratégico em Unidades de Informação Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira UFRGS/FABICO/DCI Gramado, 2012 XVII SNBU No atual ambiente social em que as bibliotecas ou serviços de informação

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Professor José Luís Bizelli Alessandra D Aquila Cacilda de Siqueira Barros Luiz Antonio de Campos Paulo Desidério Rogério Silveira Campos Programa

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2013

Plano Anual de Educação Institucional 2013 Plano Anual de Educação Institucional 2013 Sumário Apresentação Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2013 Programa Direito Programa Atuação Ministerial Programa

Leia mais

O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO

O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO Reinaldo Pereira de Aguiar Auxiliar de Biblioteca UFAL Campus Sertão, U. A. de Santana do Ipanema/AL Graduando em Direito e Letras brasileironaodesiste@yahoo.com.br

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*)

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Jaime Robredo 1. Introdução A tradução para o português da expressão inglesa process management não permite evidenciar

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA Gerenciamento de Projetos de TI Alércio Bressano, MBA Os projetos possuem em seu código genético o fracasso! Eles nasceram para dar errado! Nós é que temos a responsabilidade de conduzí-los ao sucesso!

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP Manoel Francisco Carreira 1 Gislaine Camila Lapasini Leal

Leia mais

Implementação da área de Processos e do BPM orientado ao resultado

Implementação da área de Processos e do BPM orientado ao resultado Implementação da área de Processos e do BPM orientado ao resultado A Tecnisa Breve histórico Em 22 de setembro de 1977, Meyer Joseph Nigri, criou a Tecnisa Engenharia com o sonho de se transformar em uma

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Baseado no livro Trabalhando com Projetos Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Atividades baseadas em Projetos Conceito

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais