PROJETO: INSTRUMENTO PARA PLANEJAMENTO E GESTÃO DE BIBLIOTECAS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO: INSTRUMENTO PARA PLANEJAMENTO E GESTÃO DE BIBLIOTECAS RESUMO"

Transcrição

1 PROJETO: INSTRUMENTO PARA PLANEJAMENTO E GESTÃO DE BIBLIOTECAS Lourdes de Souza Moraes RESUMO A biblioteca, como todas as organizações, passa por profundas mudanças neste novo cenário desenhado pela sociedade da informação e mais, enfrenta novos desafios impostos pelo advento das tecnologias de informação, somados aos tradicionais processos e funções da biblioteca tomada no seu conceito mais clássico. Assim, a biblioteca como uma organização moderna exige novos métodos, instrumentos e ferramentas de planejamento e gestão. Esta nova forma, pode ser a administração por projetos que consiste em identificar problemas que podem ser solucionados como se fossem projetos, ou seja, descaracterizando-os como atividades de rotinas e utilizando de forma bastante otimizada a infra-estrutura existente pessoal, física e de informática. O grande desafio no emprego desta ferramenta está na habilidade do gestor da biblioteca em identificar com bastante precisão os problemas existentes que poderiam ser transformados em projetos para a sua solução, tomando o conceito básico de projeto - é um conjunto de atividades ou ações que devem ser executadas de maneira coordenada e lógica com início, meio e fim, de modo a permitir atingir determinados objetivos, e que para tanto são definidos alguns parâmetros de tempo, custos, recursos e qualidade de produtos e serviços. Outro ponto essencial para o uso desta ferramenta em bibliotecas é adequar a estrutura organizacional, que na maioria das bibliotecas, é funcional, isto é, as bibliotecas são estruturadas por funções (aquisição, processamento técnico, referência em outras) para o modelo matricial que é uma combinação, com imensas vantagens, da organização funcional com organização por projetos. Este trabalho tem, portanto, como objetivo iniciar e incentivar os gestores de bibliotecas na identificação, conhecimento e uso de novas e modernas ferramentas de planejamento e gestão que podem ser aplicadas em bibliotecas. PALAVRAS-CHAVE: Projetos. Administração por Projetos. Planejamento e Gestão de Bibliotecas. 1 INTRODUÇÃO

2 Quem planeja por uma qualidade de vida melhor deve utilizar o planejamento como uma atividade dinâmica e permanente em sua organização. FURUSHO, O mundo passa, em todos os campos de atividades, por grandes transformações e em alta velocidade. Os efeitos dessas mudanças e transformações refletem diretamente sobre as organizações sociais todas elas, independente do tipo e de seus objetivos. As relações de trabalho dentro das organizações se transformam também, e o desafio maior está na administração, no gerenciamento e na utilização de modernas ferramentas de planejamento e gestão para buscar o desenvolvimento e a sobrevivência neste cenário de grandes competições. Administrar é uma arte, já dizia há muito tempo, a sabedoria popular, entretanto é uma arte que pode ser aprendida. Assim, administrar (e mais modernamente também gerenciar) é uma disciplina aplicada que disponibiliza constantemente novos processos, metodologia e ferramentas para o planejamento e gestão de organizações. Por coincidência, quando da elaboração desta introdução (que é sempre a última parte do trabalho redigida) foi apresentada, na lista de discussão de Aldo Barreto uma boa discussão sobre exatamente as organizações, ou mais especificamente, sobre a gestão do conhecimento, ou ainda como nomeou o seu autor o espaço do conhecimento. Ana Malin 1, trazendo uma boa contribuição, faz uma reflexão sobre o espaço da gestão. Diz ela que a administração, como disciplina e prática, nasce preocupada com métodos e com a racionalidade do trabalho, depois se volta para os princípios gerais e, no pós guerra, passa a dar ênfase aos meios na busca de eficiência e resultados. É no bojo desse último movimento, identificado como Neoclássico, que a idéia de gerenciar, como um tipo específico de trabalho, aparece. E diz mais sobre as organizações- concomitantemente, a sociedade passou a se estruturar em torno de organizações:

3 grupos de especialistas trabalhando em conjunto para um objetivo comum. Para melhor entendimento, enquanto a sociedade, a comunidade e a família são existem para o seu próprio fim as organizações fazem, têm resultados concretos em cima de uma missão clara, concentrada e comum. Assim, torna-se como função genérica e obrigatória a gestão nas organizações. O planejamento estratégico e a administração por projetos são alguns processos que se apresentam para enfrentar os novos desafios na administração, no gerenciamento e na gestão. A Biblioteca, como uma organização social, está inserida nesse cenário, que desafia a implantação de modernas e criativas formas de atender novas demandas e necessidades de informação da sua comunidade usuária, ou seja, de seus clientes. E mais, tudo isso processado em uma velocidade fantástica para acompanhar a revolução causada pela tecnologia de informação que a cada dia traz novidades na produção, armazenamento, tratamento, disponibilização e uso da informação. Esse processo, portanto, exige dos profissionais gestores de Bibliotecas, além de uma base sólida e atualizada na área de gerenciamento, uma postura bastante ágil e criativa na forma de administrar a sua organização. Em 1995, quando estava em alta a discussão e reflexão sobre os novos paradigmas da área de biblioteconomia (ainda eram relativamente recentes as discussões sobre ciência da informação), Valentim (1995) elaborou um quadro bastante interessante sobre essas mudanças que deveriam ocorrer nas bibliotecas, ou seja, o que deveria mudar do antigo para o novo modelo na busca do novo paradigma. Entre 18 itens levantados, dos quais o mais importante é enfoque no acervo mudando para o enfoque informação, outros três são bastantes interessantes e relativos à administração motivação individual para motivação de equipe; estrutura hierárquica para estrutura horizontal e trabalho desenvolvido em serviço para trabalho desenvolvido em projetos. 1 Comentários de Ana Malin na lista de discussão de Aldo Barreto do dia 12 de julho de 2004

4 Assim, essa mudança de paradigma tão discutida e perseguida pelas Bibliotecas passa obrigatoriamente pela forma de sua organização e gerenciamento como uma organização que tem como parâmetro a instituição e a comunidade a que serve e também, a sociedade de informação e do conhecimento que se apresenta. A Biblioteca para se manter viva e em constante desenvolvimento necessita ser gerida como uma organização, necessita portanto, da utilização por seus gestores de novas ferramentas de planejamento e gestão que segundo Valeriano (2001, p.15) são dois processos que podem responder aos desafios que se apresentam o gerenciamento estratégico e a administração por projetos. Nesta direção, o presente trabalho propõe introduzir o método de projetos na administração e gerenciamento de Biblioteca, tomando-a não somente como uma organização que coleta, processa, armazena, dissemina e disponibiliza a informação e o conhecimento, mas, sobretudo, como uma organização que usa a informação para construir significados, criar conhecimentos e tomar decisões. Como proposta mais ampla pretende-se introduzir no ambiente de bibliotecas a cultura de planejamento e gestão, e em especial, o método de projeto que segundo Lück (2003, p.13) é, certamente, de grande utilidade para todos os que pretendem orientar seu trabalho para a promoção de resultados efetivos, mediante ações organizadas, concentradas e sistematizadas, de modo que possam também aprender com essa prática. Trata-se de uma ferramenta básica do gestor, que não apenas fundamenta, direciona e organiza a ação de sua responsabilidade, como também possibilita o seu monitoramento e avaliação, condições fundamentais da eficácia e melhoria contínua. 2 PROJETOS: CONCEITOS BÁSICOS 1.1 O QUE É PROJETO?

5 Há várias definições sobre projeto, mas todos autores passam sempre a mesma idéia ou conceito é uma atividade planejada com um determinado objetivo e que tem começo, meio e fim. Não é portanto, uma atividade de rotina ou operação corrente. Algumas definições de projeto: é um empreendimento com começo, meio e fim definidos, dirigidos por pessoas, para cumprir metas estabelecidas dentro de parâmetros de custo, tempo e qualidade. DINSMORE (1992, p.19). é um empreendimento temporário realizado para criar um produto ou serviço singular. Compreende ações não rotineiras, não repetitivas que visam à criação de bens ou serviços singulares sendo que cada projeto consiste em um pacote de trabalho distinto dos demais trabalhos. VALERIANO (2001, p.12-13). é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido, sendo conduzido por pessoas dentro de parâmetros predefinidos de tempo, custo, recursos envolvidos e qualidade. VARGAS (2003, p.5). Outros autores ainda colocam que projeto é a menor parte de uma atividade social ou econômica que pode ser planejada, analisada e administrada separadamente. É um problema programado para ser resolvido. E ainda mais, é um trabalho ou um conjunto de atividades que tem começo, meio e fim, e é executado uma única vez e não deve ser confundido com as atividades de rotina que são repetitivas e contínuas. Portanto, um projeto deve ser elaborado para resolver problemas muito bem definidos, bem identificados e específicos. 1.2 CARACTERÍSTICAS DO PROJETO

6 De acordo com as definições colocadas, há duas principais características dos projetos a temporalidade e a individualidade. Assim, realmente um trabalho que não tenha bem definido seu tempo de início e término, como também muito bem definido o seu objetivo não pode ser considerado um projeto. Vargas (2003) coloca que a partir dessas duas características pode-se descrever outras características como: empreendimento não repetitivo; seqüência clara e lógica de eventos; início, meio e fim; objetivo claro e definido; conduzido por pessoas; projetos utilizam recursos e parâmetros pré-definidos. 1.3 ELABORAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Elaborar um projeto significa planejar. Planejar ações para atingir resultados definidos, ou seja, resolver problemas bem identicados. Levantar os recursos necessários para a sua implantação é também uma atividade de extrema importância para o sucesso do projeto. Um projeto é sempre formalizado por meio de um documento, o que pode, por muitas vezes levar a uma idéia muito simples de um projeto - reduzi-lo ao documento. Mas, o trabalho de elaboração de um projeto deve ser entendido como um processo ou uma necessidade que canaliza todos os esforços e recursos para a solução de um problema ou de uma necessidade (devidamente identificado e avaliado como importante naquela organização) e que portanto pode ser traduzido como uma sinergia para a realização de um conjunto de atividades planejadas e organizadas para atingir uma determinada meta. As fases de um projeto podem ser resumidamente colocadas como: a identificação da necessidade e do problema (não há como elaborar um projeto sem realmente definir o seu objetivo); o planejamento (é o momento de selecionar as melhores estratégias de ação para atingir os objetivos propostos); a execução ( é o momento de realizar aquilo que foi planejado); a avaliação e controle (é uma atividade sempre presente, desde o planejamento até a finalização) e a finalização (o término do projeto é vital para que ele seja realmente um projeto. Geralmente se finaliza um projeto após a avaliação e a execução de relatórios finais de atividades

7 onde são discutidos os resultados e as dificuldades apresentadas na sua execução, além da demonstração de desempenhos financeiros, entre outras formas de prestação de contas). A elaboração de um projeto é um processo de maturação de idéias, como coloca Lück (2003). Assim, um projeto só pode ser elaborado após serem efetuados estudos preliminares, levantamento de dados e informações para ter domínio da área e segurança do que está-se propondo e a forma de atingir ao proposto. O importante nesta fase é ter bem clara a idéia central do projeto (de onde está e aonde quer chegar) e também qual é a infra-estrutura necessária para a sua execução com sucesso. Na elaboração do documento final o projeto só se materializa no documento deve haver a preocupação de apresentar todos os elementos do projeto, colocados de forma clara e simples, com base nos dados e informações coletadas e, deve apresentar uma boa revisão da literatura na área. Alguns autores apresentam a seguinte estrutura de um projeto: - identificação do projeto (título, unidade proponente, unidade executora, programa, equipe, coordenação, início e término, duração, custos, financiamentos); objetivos; justificativa; estratégia de ação ou memorial descritivo (metas, ações e atividades); orçamento, cronograma físicofinanceiro (quando há financiamento e liberação programada de recursos); cronograma de atividades e fontes de informação (referências bibliográficas). Após a aprovação inicia-se efetivamente o processo de gestão, aqui entendida como parte específica do gerenciamento geral do projeto, como por exemplo a gestão de processos técnicos, gestão de recursos (financeiros e de pessoal), gestão de informática e telecomunicação entre muitas outras, tudo sob a coordenação do gerente do projeto. 1.4 PROJETOS E PROGRAMAS: QUAL A DIFERENÇA?

8 Um projeto é, como já foi colocado, um conjunto de atividades que tem uma certa temporalidade e uma certa individualidade, ou seja, aquele determinado projeto só existe uma vez foi elaborado, executado, avaliado e finalizado. Porém um projeto pode fazer parte de um programa, que por sua vez faz parte de um plano maior da organização. Assim pode-se dizer que um programa é um conjunto de projetos e atividades de rotina (alguns autores chamam de operações correntes) que tem como finalidade agrupar ações por áreas afins e objetivos estabelecidos para determinadas áreas da organização. Programa é então um conjunto de ações que busca definir e implantar uma determinada política com relação a uma área de atuação da organização. Os programas devem ter um gerente assim como os projetos. 3 ADMINISTRAÇÃO POR PROJETOS EM BIBLIOTECAS É obvio que a proposta que se faz aqui de utilizar o projeto como uma ferramenta de planejamento e gestão em Bibliotecas não deve ser comparada às tarefas de administração por projetos aplicadas às grandes e complexas organizações, como por exemplo uma indústria automotiva, que tem como grande objetivo o desenvolvimento de produtos competitivos no mercado. Assim quando tomamos a literatura na área de projetos, a primeira reação é adversa ao uso ou aplicação da ferramenta na área de administração de bibliotecas (e outras unidades de informação) tomada no seu modelo mais clássico e presencial. Essa reação vem justamente da impressão que se tem - de muita complexidade nos processos de planejamento estratégico e nos processos de gerenciamento de projetos, sendo que muitos deles necessitam de ferramentas informatizadas para a sua elaboração e gerenciamento. Trabalhos como os citados aqui (Vargas, Valeriano, Vasconcellos e Lück) têm propostas de trabalho com grandes organizações e quando colocam as vantagens do uso dessas ferramentas, evidenciam que elas devem ser usadas quando há complexidade do problema a ser resolvido.

9 Entretanto, em uma análise mais cuidadosa, o método de administração por projetos pode ser aplicado a organizações sem muita complexidade como as Bibliotecas; é apenas uma questão de criar uma cultura de planejamento nas atividades que são chamadas de rotineiras, ou seja, ter um olhar criativo para as atividades que parecem não ter fim e que portanto não serão nunca administradas por meio de projetos. Assim, se a Biblioteca não tem como meta desenvolver e colocar no mercado um produto competitivo, de baixo custo e de alta qualidade, ela tem como grande meta colocar à disposição de sua comunidade usuária produtos, serviços e acervos de qualidade. Assim o que poderia ser uma atividade de rotina como o processamento técnico de um acervo recém adquirido pode se transformar em um projeto (sem grande complexidade) mas que tem muito bem definidos os seus objetivos, a sua estratégia de ação e os recursos necessários para a sua execução, e o que é mais importante pode ter um começo, um meio e ser finalizado. 3.1 O QUE É ADMINISTRAÇÃO POR PROJETOS? No ambiente de bibliotecas, quando se fala em projetos logo se associa à tarefa de busca ou captação de recursos para a implantação de serviços e produtos, atualização e manutenção de acervo ou mesmo para investimentos em infraestrutura física (espaços físicos e mobiliários) e informática. Não há nada de errado, pois realmente para buscar financiamentos, tanto internos como externos à instituição é preciso elaborar e apresentar um projeto, que certamente será formatado de acordo com os termos de referência exigidos pela instituição financiadora. Porém, projetos não devem ser utilizados somente na busca de recursos, mas devem ser utilizados como ferramentas para o planejamento e gestão de Bibliotecas, ou ainda, os projetos podem ser utilizados para as duas finalidades é apenas uma questão de formalização do documento a ser apresentado, mas a concepção e conteúdo seguem a mesma metodologia de elaboração, apresentação e gerenciamento de projetos.

10 Segundo Valeriano (2001, p.92) a administração por projetos consiste em identificar problemas da organização como passíveis de serem resolvidos como se fossem projetos, podendo empregar, assim, todas as ferramentas e processo desenvolvidos e de eficiência comprovada em projetos de extrema complexidade. A implantação da administração por projetos não é processo simples e necessita que a organização esteja preparada para algumas mudanças, dentre elas a sua estrutura organizacional. As Bibliotecas que não têm experiência nenhuma em projetos e possui uma estrutura organizacional tradicional, muito formal e verticalizada terão bastante dificuldades em implantar esse método. Nesses casos deve haver um esforço maior por parte do dirigente, além de um tempo maior para adotar a metodologia de projetos e capacitar a equipe. Alguns requisitos para a implantação da administração por projetos em Bibliotecas: estrutura matricial - o ideal é que a Biblioteca tenha uma organização matricial. Estrutura matricial é a sobreposição da estrutura de projetos à estrutura departamental. Apresenta as vantagens das duas estruturas: mantém a chefia da unidade, promove a formação de equipe multidisciplinar, conta com o trabalho de especialista e integra os vários departamentos da organização em torno de um mesmo objetivo. Traz uma única desvantagem a perda da unicidade de chefia, pois o profissional tem que se reportar à duas chefias ao mesmo tempo, a chefia do departamento e o coordenador ou gerente do projeto. Essa situação necessita de uma atenção especial por parte do administrador da organização, pois não é fácil romper alguns dogmas consolidados na estrutura hierarquizada e departamental. A figura abaixo mostra uma estrutura matricial:

11 Figura 1 Estrutura matricial Direção da Biblioteca Conselhos / Comissões Assessorias Secretaria Depto. Desenvolvimento de Coleções Depto. Processamento Técnico Depto. de Referência Depto. de Ação Cultural Programa X Projeto A Projeto B Projeto C não resistir à prática de planejamento - há uma resistência muito grande por parte dos administradores de Biblioteca (como na maioria das organizações sem grande complexidade) em planejar as suas atividades. Mas para implantar a administração por projetos é preciso utilizar e acreditar no planejamento como uma atividade essencial para uma boa e eficiente administração. E muitos planejam apenas quando da elaboração de um projeto ou um plano de ação, tomam este planejamento como documento que

12 formaliza o seu trabalho junto às instâncias superiores ou aos órgãos de planejamento da instituição. O planejamento deve ser o roteiro das atividades a serem realizadas e das metas estabelecidas, é sem dúvida uma carta de orientação para o caminho a ser percorrido. equipes multidisciplinares - esta sobreposição das duas estruturas orienta para a formação de equipes multidisciplinares compostas por profissionais dos mais variados departamentos e em alguns casos profissionais especialmente contratados para o desenvolvimento do projeto. Essa equipe é formada à medida da identificação do problema ou da necessidade de elaboração e implantação de novos projetos, porém os membros não perdem seu vínculo com o seu departamento de origem. Há necessidade de coordenadores ou gerentes dos projetos, que no caso das Bibliotecas dificilmente serão contratados para essa função, assim poderá ser dada a oportunidade para os profissionais do quadro de exercer a função de gerente de projetos. Para tanto há necessidade de investimentos na capacitação do pessoal técnico nas áreas de projetos, planejamento e gestão. programas de atividades da Biblioteca - como uma organização a Biblioteca deve ter um plano de ação onde estarão identificados os programas que reunirão um conjunto de projetos de uma determinada área. As Bibliotecas poderão, à medida da suas necessidades e especificidades, apresentar programas voltados às: - atividades de extensão (projetos artísticos, culturais e educacionais extensivos à comunidade externa; realização de eventos técnico-científico e culturais) - atividades de manutenção e conservação de acervo (projetos de campanha de conscientização e educação de usuários na conservação do acervo; projetos para recuperação de acervos especiais)

13 - atividades de processamento técnico/tratamento da informação (projetos força tarefa para reclassificação de acervos; projetos para disponibilização de acervos especiais; projetos para avaliação de acervos; projetos de implantação de ferramenta de controle de acervo e catálogos) - atividades de assistência e orientação aos usuários (projetos de estudo de usuários; projetos voltados à melhoria da qualidade de atendimento ao usuário presencial; projetos para implantação de novos serviços e produtos virtuais) - atividades de capacitação de sua equipe de profissionais. 3.2 ALGUMAS QUESTÕES PARA REFLEXÃO - Você e a sua equipe têm resistência ao planejamento? Não acredita que é bom planejar? Você pensa assim: não perco tempo com planejamento, já faço de uma vez. Você sabia que pessoas que planejam (sem exageros) a sua vida são mais felizes? - Quais os problemas que você tem na sua biblioteca que poderiam ser transformados em projetos e consequentemente solucionados? - Por que a sua biblioteca não tem uma estrutura matricial? É fácil, não precisa nem alterar o estatuto e regimento; é só sobrepor na sua estrutura departamental uma estrutura de projetos. - Você planeja as atividades da sua Biblioteca ou vai desenvolvendo as atividades dentro de padrões já estabelecidos pela rotina? Com freqüência percebe que poderia ter tido mais sucesso com determinadas atividades se tivesse estabelecido outros padrões? - Você e a sua equipe estão capacitados para trabalhar com projetos? - Quando você vai solicitar recursos junto à direção da sua instituição apresenta essa solicitação em forma de projetos? 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

14 É certo que não é fácil administrar uma Biblioteca em meio de situações tão adversas como vivemos em nosso país. Se for colocado ainda que, a maioria das Bibliotecas brasileiras está vinculada a alguma instituição pública, onde não há uma previsão de investimentos e tão pouco de infra-estrutura básica, fica bastante difícil defender uma postura de incentivo do uso de novas e modernas ferramentas de planejamento e gestão. Entretanto, o uso de métodos que levam os administradores a planejar as suas atividades envolvendo todo o pessoal ativo no busca das metas estabelecidas proporciona formas bastantes eficientes e gratificantes no trabalho de rotina, o qual, com bastante criatividade pode ser tornar um projeto, que tem começo, meio e fim, e mais, tem um responsável pela sua execução. Valeriano (2001, p.20) diz que as organizações, com o tempo, superam as dificuldades de trabalhar com projetos e assim os obstáculos vão sendo vencidos e não existindo mais a estranheza no fato de alguém trabalhar simultaneamente no seu departamento e em um projeto e, com freqüência em vários projetos ao mesmo tempo. Da mesma forma que a diferença entre o remédio e o veneno é a dosagem, o uso exagerado da prática de gestão por projetos pode ser uma desastre para a administração, pois atividades de rotinas continuam existindo nas Bibliotecas e tem que ser geridas como tais. Assim, a habilidade de identificar a necessidade de um projeto é fundamental para o sucesso na aplicação dessa ferramenta. A finalização de um projeto traz para o administrador da Biblioteca, o coordenador do projeto e para toda equipe envolvida uma sensação bastante agradável de dever cumprido com eficiência o que estimula a identificação de novas necessidades e problemas e consequentemente novos projetos que vão dando uma cara nova na administração de uma das mais antigas organizações sociais a Biblioteca.

15 REFERÊNCIAS DEMO, P. Pesquisa e construção do conhecimento. Brasileiro, Rio de Janeiro: Tempo DINSMORE, P. C. Gerência de programas e projetos. São Paulo: Pini, FURUSHO, V.Y. Planejamento em informática. Bate Byte, p.14, ago GERSDORFF, R.C.J. Von Identificação e elaboração de projetos. Rio de Janeiro: Zahar, LÜCK, H. Metodologia de projetos: uma ferramenta de planejamento e gestão. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, MALAGODI, M.E., CESNIK, F.S. Projetos culturais: elaboração, administração, aspectos legais, busca de patrocínio. 3. ed. São Paulo: Escrituras, MIRANDA, J.L.C., GUSMÃO, H.R Projetos e monografias. Niteroi: Intertexto, VALENTIM, M. L.P. Assumindo um novo paradigma na biblioteconomia. Informação e Informação, v.0, n.0, p.02-07, jul./dez VALERIANO, D.L. Gerência em projetos: pesquisa, desenvolvimento e engenharia. São Paulo: Makron Books, VALERIANO, D.L. Gerenciamento estratégico e administração por projetos. São Paulo: Makron Books, VARGAS, R.V. Análise de valor agregado (EVA) em projetos. Brasport, Rio de Janeiro: VARGAS, R.V. Gerenciamento de projetos: estabelecendo diferenciais competitivos. 5. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2003.

16 VARGAS, R.V. Manual prático de plano de projeto. Rio de Janeiro: Brasport, VASCONCELLOS, E., HEMSLEY, J.R. Estrutura das organizações: estruturas tradicionais, estruturas para inovação, estrutura matricial. 3.ed. São Paulo: Pioneira, TOFFLER, A. A terceira onda. 19. ed. Rio de Janeiro: Record, Universidade Federal de São Carlos - Biblioteca Comunitária. Rodovia Washington Luís, Km235 CEP: São Carlos, SP Brasil

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Os objetivos desta aula serão basicamente conceituar projetos e administração de projetos.

Os objetivos desta aula serão basicamente conceituar projetos e administração de projetos. Aula 01 Introdução Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula serão basicamente conceituar projetos e administração de projetos. Ao final desta aula, você deverá estar apto a compreender como a definição

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª série Empreendedorismo Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Baseado no livro Trabalhando com Projetos Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Atividades baseadas em Projetos Conceito

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos...

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos... Dicas para se inscrever no Prêmio Vivaleitura e outros projetos... 2011 Vaga Lume R. Aspicuelta, 678 Vila Madalena São Paulo SP 05433-011 (11) 3032-6032 www.vagalume.org.br falecom@vagalume.org.br 1) Apresentação

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais