O Processo de Planejamento Estratégico em um Banco Público

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Processo de Planejamento Estratégico em um Banco Público"

Transcrição

1 O Processo de Planejamento Estratégico em um Banco Público Thays Tomazi Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO Tendo em vista a competitividade inserida no contexto bancário, verifica-se a necessidade dessas organizações em tomarem decisões rápidas e de forma acertada. Sendo assim, o Planejamento Estratégico atua como uma ferramenta de tomada de decisão, auxiliando a organização a definir um rumo a ser seguido, aumentando suas chances de sucesso. O objetivo deste trabalho é descrever e interpretar o Planejamento Estratégico em um Banco Público. Constatou-se que o documento apresenta características de Planejamento Tático, na medida em que os resultados devem ser alcançados por determinadas áreas da empresa e pela ausência do diagnóstico estratégico, análise interna e externa. Além disso, a organização vinha enfrentando um desequilíbrio, devido aos rumores de que estaria sendo adquirida por outra instituição financeira. O momento incerto, a instabilidade organizacional e a possibilidade de demissões, associado ao conhecimento limitado de Planejamento Estratégico estão presentes no estudo que analisa os diferentes planos concebidos para enfrentar a instabilidade ambiental que a instituição está envolvida. Palavras-chave: Planejamento Estratégico, banco, competitividade. ABSTRACT Taking into account the competitiveness within the banking sector, these organizations need to take quick and accurate decisions. Strategic planning acts as a decision making tool, helping the organization define a path to be followed and increasing its chances of success. This work s goal is to describe and interpret the strategic plan from a public bank. It was found that the document has the characteristics of a tactical plan, by the absence of a strategic diagnosis, internal and external analysis and by the presence of goals for specific areas. The organization was also going through a transition phase, due to the rumors of its acquisition by another financial institution. Organizational instability and the possibility of layoffs, together with a limited knowledge of Strategic Planning are present in the study that analyzes the different plans conceived to face the instability that the institution is going through. Key words: Strategic planning, bank, competitiveness.

2 1. INTRODUÇÃO Devido à globalização e à nova realidade econômica, as organizações, independentemente do ramo em que atuam, precisam se adaptar para permanecerem no mercado. Elas devem ser flexíveis e se ajustarem às mudanças do ambiente para a sua sobrevivência (BRONDANI; SANTOS, 2003), desenvolver continuamente estratégias para as novas realidades do mercado e utilizar o seu desenho organizacional como vantagem competitiva (OVERHOLT, 2000). No decorrer dos últimos anos, o setor bancário tornou-se cenário de turbulentas reestruturações provenientes de aquisições, fusões e privatizações, sendo oportunas para as grandes instituições bancárias, na medida em que facilitam os ganhos em escala, ampliam a participação no mercado e aumentam a competitividade. Nesse contexto, a necessidade de tomar decisões rápidas, de obter vantagem competitiva e de manter uma posição estratégica em relação ao mercado, faz com que as empresas busquem no Planejamento Estratégico uma ferramenta de apoio à tomada de decisão. Na opinião de Centurion (1999), o sucesso das organizações não é embasado em intuição, superstição, sorte, azar ou passe de mágica, mas sim num somatório de conhecimento e ações planejadas. Alday (2000) afirma que o crescimento do Planejamento Estratégico está associado às mudanças rápidas e constantes dos ambientes econômico, social, tecnológico e político que envolvem as empresas. O autor salienta que as organizações só poderão crescer e progredir se conseguirem se ajustar a essa conjuntura, sendo que o Planejamento Estratégico é uma técnica eficaz para que tais ajustes sejam colocados em prática com inteligência. De acordo com Ansoff (1990), muitas organizações empregam técnicas do Planejamento Tradicional a Longo Prazo, ao invés do verdadeiro Planejamento Estratégico. Na opinião de Bower (1966) apud Alday (2000), os planos a longo prazo não permitem a antecipação da realidade ambiental futura, pois se baseiam na extrapolação das situações passadas e em projeções de lucro, representados por uma limitada quantidade de pensamento estratégico. Segundo Prevedello (2006), o planejamento tradicional está alicerçado em transpor o passado para planejar o futuro. Porém, as previsões passadas não se repetem com as mesmas características, uma vez que o ambiente muda de forma rápida e inesperada. Diante da situação exposta, o objetivo deste trabalho é apresentar e discutir o documento de Planejamento Estratégico de um Banco Público, referente ao ano de PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Perez; Souza; Dalmau (2006) declaram que planejar é o processo pelo qual as organizações desenvolvem e definem metas e objetivos a serem alcançados. Para isso, utilizase de procedimentos pré-determinados, fazendo com que a empresa como um todo trabalhe de forma coordenada, a fim de garantir a sua sobrevivência no mercado. Complementando essa afirmação, planejar diz respeito às implicações futuras de decisões presentes, pois se trata uma técnica que envolve decisões inter-relacionadas e interdependentes, em busca de alcançar os objetivos previamente estabelecidos (BRONDANI; SANTOS, 2003). Scott (2001) define planejamento como um processo que auxilia as organizações a determinarem suas prioridades e estabelecerem uma estrutura sistemática para as suas

3 atividades, contribuindo para o desenvolvimento de um rumo a ser seguido, de forma a criar uma visão global do negócio e determinar a correta alocação de recursos. O Planejamento Estratégico surge por volta de 1960, com o objetivo de assegurar a sobrevivência das empresas às condições do meio ambiente. Este tipo de planejamento tem como objetivo diminuir o risco de tomar uma má decisão, integrar decisões normalmente isoladas, criar e manter potenciais de competitividade e também, dar uma visão criativa ao planejamento (PEREIRA; MELO; CUNHA, 2008). Segundo Motta (1992), O Planejamento Estratégico volta-se para o alcance de resultados, através de um processo contínuo e sistemático de antecipação de mudanças futuras, tirando vantagem das oportunidades que surgem, examinando os pontos fortes e fracos da organização, estabelecendo e corrigindo os cursos de ação a longo prazo. No Planejamento a Longo Prazo, o futuro é previsto a partir da extrapolação do crescimento do passado. A alta administração supõe que o desempenho futuro da empresa possa ser maior e a partir daí, negocia metas que são detalhadas em programas de ação e de lucro. Já no Planejamento Estratégico, não se espera necessariamente que o futuro represente um progresso em relação ao passado. Primeiramente, faz-se uma análise das perspectivas da organização, identificando tendências, ameaças, oportunidades e descontinuidades. Na segunda etapa, tem-se a análise da competitividade, a fim de identificar a melhoria de desempenho que a empresa poderia alcançar com o aperfeiçoamento de suas estratégias. A etapa seguinte diz respeito ao estabelecimento de metas de desempenho a curto prazo e as estratégias a longo prazo (ANSOFF, 1993). O Planejamento Estratégico é uma ferramenta de gestão empresarial e se refere à seleção dos objetivos da empresa e à determinação de políticas de crescimento e concorrência mais adequadas (KOTLER, 1978). Consiste em desenvolver missão e visão estratégica, estabelecer objetivos de curto e longo prazo e formular decisões sobre as estratégias. Ele indica o rumo da organização, bem como as mudanças competitivas e as abordagens que devem ser utilizadas para atingir os resultados programados (THOMPSON; STRICKLAND, 2003). Na visão de Valadares (2002), o Planejamento Estratégico baseia-se em conceitos e atitudes que a empresa acredita, sendo caracterizado como uma forma inteligente de escolher uma seqüência de ações futuras, em busca de seus objetivos maiores. Além disso, o Planejamento deve responder às seguintes questões: onde a empresa está? Onde almeja chegar? Como irá até lá? Quando irá? Como mensurar e avaliar esse processo? De acordo com Maximiano (2000), os Planejamentos podem ser Estratégicos, Táticos e Operacionais. Ackoff (1966) apud Santos (2009) esclarece que o Planejamento Estratégico engloba a organização como um todo; o Tático está relacionado com as diversas áreas da organização, como por exemplo, um Planejamento Financeiro e um Planejamento de Marketing. Por sua vez, o Planejamento Operacional orienta a alocação de recursos para cada parte dos Planejamentos Táticos. Drucker (1998) diz que o Planejamento Estratégico não é uma caixa de soluções mágicas, nem uma previsão de resultados. Segundo Ansoff e colaboradores (1981), apud Estrada; Almeida (2007), Planejamento Estratégico é a análise racional e sistemática das oportunidades e ameaças do meio, dos pontos fortes e fracos da empresa e da escolha das estratégias, visando atender da melhor forma possível os objetivos da empresa. Assim, o

4 Planejamento Estratégico determina a direção que a organização irá seguir, racionalizando a tomada de decisão. 3. PROCESSO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O Planejamento Estratégico é de suma importância para a funcionalidade e continuidade da organização, pois além de desenvolver processos, técnicas e atitudes administrativas, permite um maior controle e acompanhamento dos resultados, auxiliando na tomada de decisão para o alcance das metas da empresa (SECCO et al., 2009). Dessa forma, existem vários modelos de Planejamento Estratégico que podem ser implantados nas organizações, sendo a escolha condicionada ao tipo de empresa e suas características. De forma geral, o desenvolvimento do Planejamento Estratégico deve estabelecer a missão e a visão da organização, declarar os valores que a empresa acredita ter, analisar o ambiente interno e externo (pontos fracos e fortes da organização e as oportunidades e ameaças do ambiente), elaborar as estratégias e os planos, implementar o processo e controlá-lo. O que distingue o sucesso de cada modelo é a capacidade de transpor para a prática os conceitos envolvidos no processo de Planejamento Estratégico, provocando mudanças reais. De acordo com Silveira, Vivacqua (1999) apud Estrada, Almeida (2007), o principal produto do Planejamento Estratégico é a mudança organizacional. Assim, a organização passa de um estágio de resistência para uma fase de abertura às mudanças que estão por vir. O Planejamento Estratégico é uma das, ou até mesmo, a principal ferramenta capaz de alinhar sistematicamente a empresa na busca de novos mercados, ou mesmo, na melhoria dos produtos e serviços existentes, proporcionando uma expansão econômica mais rápida. Pensar estrategicamente é pensar nos ambientes internos e externos, levantar e entender os pontos fortes e fracos, as oportunidades e ameaças da empresa. Significa ver a instituição como um sistema que se move em várias direções e alinhá-la dentro do perfil de negócio (MARCIEL; BORSOI; DONDONI, 2009). Os valores de uma organização são os seus preceitos permanentes. São princípios de orientação perenes, que não mudam. Devem resistir ao tempo e têm importância para o pessoal interno da organização (ESTRADA; ALEMIDA, 2007). A missão da organização representa a sua razão de ser, é o seu propósito, seu negócio. A visão tende a ser orientada para o futuro, já que deve representar a direção tomada pela organização e onde ela pretende chegar (CHURCHILL, PETER, 2005). Os fatores críticos de sucesso correspondem aos pontos fundamentais estabelecidos pelo mercado, os quais devem ser satisfeitos para que a organização tenha sucesso em seu setor de atuação. No diagnóstico interno à organização, temos os pontos fortes e fracos. Pontos fortes podem ser controlados e originam condições favoráveis para a empresa, ou seja, trata-se daquilo que a empresa sabe fazer bem. Já os pontos fracos, dizem respeito às variáveis incontroláveis que ocasionam desvantagem da empresa em relação ao seu ambiente e aos seus concorrentes (OLIVEIRA, 2001). No meio externo, têm-se as oportunidades e ameaças. Oportunidades podem ser entendidas como condições não controláveis pela organização, correspondendo às dimensões do meio que a empresa pode aproveitar para aumentar sua competitividade e facilitar o

5 cumprimento da visão de futuro. Ameaças são variáveis não controláveis que podem criar condições desfavoráveis, colocando a empresa em risco (HARTMANN, 2000). A determinação das estratégias deve levar em conta o ambiente externo, refletir as ameaças e oportunidades, incluir vantagem competitiva, ser coerente com a visão e com os objetivos da empresa e ser passível de execução (AAKER, 2001). Após a definição de missão, visão, fatores críticos de sucesso, pontos fortes e fracos, ameaças e oportunidades, estratégias, parte-se para a implantação do Planejamento Estratégico, etapa considerada fundamental para o sucesso prático das estratégias. Bossidy (2005) salienta que a causa do fracasso de muitas empresas nem sempre é a ausência de idéias, visão ou estratégias, mas sim, a incapacidade de executá-las. A etapa de controle visa rever o que foi implementado, conhecer os pontos positivos e corrigir as falhas, tendo em vista que a atividade de Planejamento deve ser contínua e aperfeiçoada ao longo do tempo. As empresas com bom desempenho identificam em seu plano aquilo que não está indo bem. E, diferentemente das que deixam que as deficiências se perpetuem e contaminem toda a organização, escolhem uma equipe para estudar o problema, levam em conta suas recomendações e sugerem as medidas corretivas necessárias (BOSSIDY, 2005). Na Figura 1, observam-se as fases do processo de Planejamento Estratégico: Figura 1. Processo de Planejamento Estratégico Fonte: Adaptado de Pereira (2008) 4. METODOLOGIA Utilizou-se o critério de metodologia proposto por Vergara (2007), sendo a abordagem qualitativa selecionada para a realização deste trabalho. Trata-se de uma pesquisa descritiva, onde pesquisador é o instrumento primário para a coleta e a análise de dados (SALVIATO, 1999) que são analisados de forma indutiva, sem o uso de métodos estatísticos. Quanto aos meios, a pesquisa caracterizou-se como bibliográfica e documental. Segundo Cervo e Bervian (1983), a pesquisa bibliográfica explica um problema a partir de documentos e constitui parte da pesquisa descritiva ou experimental. O objetivo foi obter a compreensão dos principais aspectos envolvidos no Planejamento Estratégico, servindo de apoio teórico para o desenvolvimento do trabalho. Foi utilizada também a análise documental, já que foram levantadas informações internas, referente ao Planejamento Estratégico da organização em estudo.

6 Quanto aos fins, a pesquisa tem característica descritiva, pois o objetivo foi descrever e expor o processo de Planejamento Estratégico. Como técnica de coleta de dados utilizou-se a pesquisa bibliográfica (fontes secundárias) e documental (fontes internas). Dentre as limitações encontradas, houve a dificuldade de obtenção dos documentos dos Planejamentos Estratégicos desenvolvidos ao longo dos anos pela empresa. Devido ao processo de aquisição do Banco por outra instituição financeira, houve demissão e realocação de funcionários, sendo que os colaboradores envolvidos no processo de Planejamento Estratégico deixaram suas funções para assumirem novos cargos em outras áreas ou até mesmo, deixaram a empresa. Outro ponto deveu-se ao fato dos documentos não serem de acesso livre a todo o público interno. Tendo em vista as dificuldades apresentadas, optou-se por utilizar somente o Plano 2008, disponível na intranet do Banco. 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO De acordo com as informações obtidas com a pesquisa documental, o Planejamento Estratégico do Banco é desenvolvido anualmente, utilizando metodologias e ferramentas próprias. Quem define as diretrizes para o ano a ser planejado é o Conselho de Administração. A Diretoria Executiva tendo em mãos as diretrizes, debate e define o foco da gestão e através das projeções da Área de Finanças, é estabelecido o resultado financeiro que se pretende alcançar. No segundo semestre do ano anterior ao planejado, o Diretor e o Superintendente de Planejamento, juntamente com o Superintendente Geral da Rede de Agências e com o Superintendente Adjunto de Atendimento a Rede de Agências, realizam Seminários Regionais com os gerentes das agências. O objetivo é apresentar as projeções, buscando definir as ações para os projetos definidos. Após os Seminários Regionais, a Superintendência de Planejamento coordena um Seminário mais amplo, a fim de consolidar os projetos, ações, prazos e metas. Posteriormente, o documento é remetido para a aprovação da Diretoria Executiva e é publicado na Intranet do Banco e em forma de livretos para toda a Rede. O acompanhamento e o gerenciamento do Plano são coordenados pelo Superintendente de Planejamento em reuniões regulares com os Coordenadores dos projetos. O Relatório Gerencial é apresentado mensalmente para a Diretoria Executiva e o balanço geral é realizado em reuniões de prestação de contas. Ainda, a Diretoria Executiva faz o acompanhamento semanal das operações e ações, cobrando os prazos e dando suporte aos Coordenadores de cada projeto. Juntamente com essas iniciativas, o controle e registro do andamento de cada projeto são realizados através de software específico. A seguir, tem-se a descrição do Plano 2008, o qual está estruturado na apresentação do documento e na exposição do Plano Institucional, onde se pode encontrar o detalhamento de cada projeto, conforme algumas das ações consideradas fundamentais para o cumprimento das metas estabelecidas. A última parte do documento não é contemplada neste trabalho, pois engloba a descrição de metas em termos de valores financeiros definidas para cada Superintendência Regional e suas respectivas cidades.

7 6. PLANOS E PROJETOS Planejamento, segundo o Plano 2008, pode ser assumido como um processo gerencial que estabelece um direcionamento a ser seguido pela empresa, com o objetivo de otimizar a relação entre empresa e ambiente. Entende-se, de acordo com o documento, que o Planejamento Estratégico está associado às medidas de ação para enfrentar as ameaças e as oportunidades do ambiente externo. Além disso, é tratado como uma forma de orientar as decisões da empresa, diminuir os riscos de se tomar uma decisão errada, aumentando a competitividade. Na concepção de Oliveira (2001) é possível perceber uma visão mais ampla, pois segundo o autor, Planejamento Estratégico envolve a análise sistemática dos pontos fortes e fracos, das oportunidades e ameaças, com o objetivo de estabelecer estratégias e ações que aumentem a competitividade da organização. Consiste no desenvolvimento de processos e técnicas que permitem avaliar a implicação futuras das decisões presentes. O setor bancário destaca-se pela rentabilidade, competitividade e pelo fato de ser regulamentado por vários órgãos e pelo mercado. Os bancos públicos, por sua vez, ainda são influenciados pelo Governo Federal, na aprovação dos diretores, na delimitação dos produtos e serviços a serem oferecidos aos clientes e na fiscalização dos procedimentos contábeis e financeiros da instituição. Dessa forma, no desenvolvimento, implantação e execução do Plano 2008, são observadas as recomendações do Conselho de Administração do Banco e as normas estabelecidas pelo Banco Central, relacionadas à: Agregação de valor à marca do Banco; Clareza na formulação e divulgação de normas internas; Plena estruturação e implantação de um sistema de controles internos, condicionante da expansão de operações; Políticas de Gestão de Pessoas e Marketing, Operações de Crédito, Controle de Custos e aprimoramento da Tecnologia. Em seu exercício de 2007, o Banco apresentou lucro líquido de R$ 69,9 milhões, sendo que o desafio almejado do para o ano de 2008 é um lucro de R$ 110 milhões. A fim de alcançar o resultado esperado, foram definidos quatro projetos a serem desenvolvidos nas áreas de Gestão de Pessoas e Marketing, Recuperação de Crédito, Controle de Custos e Desenvolvimento da Tecnologia GESTÃO DE PESSOAS E MARKETING Gestão de Pessoas: esse projeto prevê a qualificação dos profissionais, através de um programa de educação continuada, envolvendo certificações e treinamentos de qualificação específica para tarefas operacionais e gerenciais. Aproveitar as oportunidades de capacitação profissional oferecidas pela instituição adquirente. A fim de atingir as metas do ano de 2008, direcionar esforços para aumentar a venda de produtos e serviços significativos, através de campanhas internas, técnicas de

8 abordagem de vendas, informações rápidas na intranet e treinamentos sobre produtos e serviços. Melhorar a comunicação interna para reduzir erros operacionais, utilizando-se de palestras sobre comunicação organizacional e treinamentos. Marketing: o Projeto de Marketing envolve campanhas de comunicação e orientações ao público interno e externo. Aumentar a percepção de valor do cliente, aplicando pesquisas e divulgando campanha institucional. Aferir o grau de satisfação do atendimento (cliente-oculto, pesquisas), a fim de melhorar os procedimentos. Personalizar o atendimento, por meio do programa de Pontos de Relacionamento. Divulgar canais alternativos para ampliar o número de transações via internet, autoatendimento e central de tele-atendimento. Comunicar internamente e externamente fatos associados à aquisição do Banco. Internamente, criar um hotsite na intranet com informações sobre o processo, como proceder, o que falar aos clientes, dentre outros aspectos. Externamente, aplicar pesquisa com clientes para aferir a receptividade e as expectativas em relação à aquisição e também, criar hotsite, com abordagens sobre o processo e as principais dúvidas dos clientes. Disseminar as boas práticas de educação financeira. Melhorar a utilização dos espaços das agências para oferta de produtos e serviços, através da aquisição de expositores padronizados e da definição de políticas para utilizar espaços de exposição de materiais publicitários NEGÓCIOS E RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO Negócios e Recuperação de Crédito: o objetivo é incrementar as operações de crédito e captação de serviços e revisar as políticas de fundos, poupança e depósitos a prazo. Aumentar a base de clientes e convênios, buscando incrementar as receitas de serviços e depósitos à vista. Incentivar através de comunicação interna, o incremento na captação de depósitos a prazo. Reavaliar as operações de capital de giro parceladas (prazos e taxas) e o teto estabelecido para a concessão e renovação de cheques especiais. Rever a política de liberação de valores e garantias para o crédito consignado. Flexibilizar os normativos do crédito imobiliário, com referência as propostas de liquidação de dívidas. Criar novos fundos e efetuar revisão dos atuais, visando alterações nas taxas de administração que permitam maior rentabilidade para a instituição.

9 6.3 CONTROLE DE CUSTOS Controle de Custos: busca-se disseminar e fortalecer a cultura de controle de custos e reduzir as despesas administrativas operacionais e não operacionais. Promover reuniões com os Superintendentes, visando difundir a utilização das ferramentas de controle de custos. Implantar rotina mensal de avaliação do custo e elaborar relatório de avaliação para apreciação da Diretoria Executiva. Discutir medidas que possibilitem a redução dos custos envolvidos. Identificar e avaliar processos na rede de agências com potencial para otimização e conseqüente redução dos custos envolvidos. Implantar um sistema de controle de custos que colete, classifique e organize os dados dos custos de produtos e serviços, visando controle, eliminação de desperdícios, auxílio na tomada de decisão e otimização de resultados. 6.4 DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Desenvolvimento Tecnológico: o objetivo é promover o desenvolvimento tecnológico. Substituir computadores e terminais obsoletos. Ampliar e modernizar o ambiente de auto-atendimento. Implantar novos canais de atendimento (correspondente bancário e móbile banking). Melhorar as políticas de segurança. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Inicialmente, pode-se perceber que a Diretoria do Banco, juntamente com a Superintendência de Planejamento define o que fazer e como será o processo: o plano de ação é definido previamente e os gerentes das agências são consultados para definir as questões e as ações estratégicas. Outra questão, é que o Plano 2008, que consiste no Planejamento Estratégico da organização, apresenta características de Planejamento Tático, mais do que Estratégico. O documento formaliza a metodologia de desenvolvimento e implantação de resultados específicos a serem alcançados por algumas áreas da empresa, principalmente no que diz respeito aos resultados financeiros. Segundo Pereira (2008), o Planejamento Tático relacionase com os objetivos de médio e curto prazo, tem como objetivo a otimização de determinadas áreas de resultado e não a organização como um todo. Na visão de Prahalad; Hamel (2005), o processo de planejamento em geral, diz mais respeito à soma de números do que ao desenvolvimento da empresa. Observou-se também, que o Plano 2008 trata somente das questões e ações estratégicas, ou seja, o que é preciso fazer e como fazer. Na concepção Scharmach et al,, (2009), as organizações devem desenvolver formalmente sua estratégia a partir daquilo que definem como objetivo e é primordial declarar formalmente sua missão, visão e valores. No Plano, não há o diagnóstico estratégico, envolvendo declaração de valores, missão, visão, e

10 fatores críticos de sucesso, bem como a análise de pontos fracos e fortes, oportunidade e ameaças. Trata-se de um conjunto de planos (Gestão de Pessoas e Marketing, Recuperação de Crédito, Controle de Custos e Desenvolvimento Tecnológico) e não de um Planejamento Estratégico propriamente dito. De acordo com Pereira (2008), é fundamental que o responsável pela decisão de desenvolver ou não o Planejamento Estratégico, tenha conhecimento do momento que a empresa está vivendo. Ou seja, deve-se ter em mente os problemas que a organização enfrenta, se há planos de demissão de pessoal, se existe o conhecimento do que realmente é um Planejamento Estratégico. Se existirem dúvidas a respeito dessas questões, a organização não deve começar o processo de Planejamento Estratégico em hipótese alguma. Na elaboração do Plano 2008, pode-se perceber a confusão entre Planejamento Estratégico e Tático. Ainda, têm-se o fato da Diretoria da organização estar ciente da mudança iminente na empresa durante a elaboração do Plano, tendo em vista o processo de aquisição do Banco por outra instituição financeira. Adotada as estratégias e estabelecidos os planos, um dos desafios para a administração é garantir que os preceitos do Planejamento Estratégico sejam transferidos para a prática, garantindo uma resposta organizacional engajada. Ansoff (1990) afirma que o Planejamento Estratégico por si só não produz ações, nem mudanças visíveis na empresa. Para que isto ocorra, a organização precisa de aptidões adequadas e de administradores treinados e motivados. Na falta desses pontos, segundo o autor, a empresa parecerá resistir à implantação do Planejamento. Quanto à questão comportamental, Estrada e Almeida (2007) apontam ainda que as pessoas responsáveis pela implementação do Planejamento Estratégico devem ter cuidado especial com os Recursos Humanos da organização, pois a implementação requer pessoas que estejam comprometidas com o processo que está sendo executado. No projeto de Gestão de Pessoas, buscou-se a qualificação profissional, mas foi desconsiderado o desligamento futuro de muitos profissionais, em função do Programa de demissão incentivada e do próprio processo de aquisição da empresa que comprometeu a cultura organizacional, fazendo com que muitos profissionais deixassem a empresa. Para a área de Marketing, o objetivo central era a comunicação interna, que ficou desestruturada frente à quantidade limitada de informações e às turbulências relacionadas ao processo de aquisição. O Projeto de Desenvolvimento Tecnológico, por sua vez, ficou comprometido, pois as limitações operacionais não seriam facilmente resolvidas no curto prazo. Finalizando, podem-se considerar os fatores que contribuem para o sucesso de um Planejamento Estratégico, de acordo com a concepção de Pereira (2002): Na verdade, o que faz com que um processo de Planejamento Estratégico funcione é a Cultura da organização (crenças e atitudes que a levam a fazer o que lhe convém com o documento estratégico); uma estrutura organizacional coerente com as características da organização e do modelo do Planejamento escolhido; as habilidades, os talentos e o nível de conhecimento das pessoas que estão à frente do processo; uma liderança forte e capaz o suficiente para estimular e influenciar no momento necessário; e procedimentos e mecanismos eficientes e eficazes sempre com vista nos resultados futuros. 8 REFERÊNCIAS AAKER, D. A. Strategic Market Management. New York: John Willey & Sons, 2001.

11 ALDAY, H. E. C. O Planejamento Estratégico dentro do Conceito de Administração Estratégica. Revista FAE, Curitiba, v.3, n.2, p. 9-16, ANSOFF, H. I.; McDONNELL, E.J. Implantando a Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, ANSOFF, H.I.; DECLERCK, R. P.; HAYES, R. L. Do Planejamento Estratégico à Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, BOSSIDY, L. A Receita da Execução. Revista HSM Management, n.51, p , BRONDANI, G; SANTOS, L. A. M. dos. O Planejamento Estratégico nas Organizações Produtivas. In: XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção Anais... Ouro Preto, Minas Gerais, MG CENTURIÓN, W. C. Capacitação de Seres Humanos: o desafio das empresas brasileiras. Disponível em: <http://www.rh.com.br>. Acesso em: 28/08/2009. CERVO A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. São Paulo: McGraw-Hill, CHURCHILL, G. A.; PETER, J. P. Marketing: Criando Valor para os Clientes. Ed. São Paulo: Saraiva, DRUCKER, P. F. Introdução à Administração. 3. ed. São Paulo: Pioneira, ESTRADA, R. J. S.; ALMEIDA, M. I. R. de. A Eficiência e a Eficácia da Gestão Estratégica: do Planejamento Estratégico à Mudança Organizacional. Revista de Ciências da Administração, v. 9, n. 19, p , HARTMANN, L. F. Planejamento Estratégico. São Leopoldo: Grafocem, KOTLER, P. Administração de Marketing (Análise, Planejamento e Controle). São Paulo: Atlas, MACIEL, F. R. P.; BORSOI, J. R. G.; DONDONI, P. C. Planejamento estratégico nas empresas moveleiras da cidade de Pato Branco Paraná. In: Congresso Internacional de Administração. Gestão Estratégica em Tempos de Mudança Anais... Ponta Grossa, Paraná, PR MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à Administração. São Paulo: Atlas, MOTTA, P. R. Dimensões gerenciais do planejamento à gestão estratégica. Caderno de administração. Belo Horizonte, v.1, n.1, p.1-7, OLIVEIRA, D. P. R. Planejamento Estratégico: Conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, OVERHOLT, M. H. Flexibilidade e Vantagem Competitiva. Revista HSM Management, n. 18, p , PEREZ, D.; SOUZA A. de.; DALMAU, M. O treinamento e desenvolvimento como componente do planejamento estratégico: um estudo de caso no BESC. In: XIII Simpósio de Engenharia de Produção Anais... Bauru, São Paulo, SP PEREIRA, M. F. Planejamento (Teorias e Modelos). Universidade Federal de Santa Catarina / Sistema UAB, 2008.

12 . A construção do processo de Planejamento Estratégico a partir da percepção da coalizão dominante Tese (Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina. UFSC, Florianópolis. ; MELO, P. A.; CUNHA, M. S. A História e a Experiência da UFSC com o Planejamento Estratégico. In: Maria José Carvalho de Souza Domingues; Amélia Silveira. (Org.). Gestão do Ensino Superior: Temas Contemporâneos. 1 ed. Blumenau: Edifurb, v. 1, p , PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. Competindo pelo Futuro. Estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Elsevier, PREVEDELLO, M. R. Planejamento Estratégico em empresa prestadora de serviço: um estudo de caso em uma empresa de refeições coletivas Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Maria. UFSM, Santa Maria. SALVIATO, S. Uma metodologia de solução de problemas com enfoque na aprendizagem organizacional: um estudo de caso aplicado no BESC Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina. UFSC, Florianópolis. SANTOS, J. L. S. Processo de aprendizagem organizacional durante a implementação do Planejamento Estratégico na Universidade Federal de Alagoas Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento). Universidade Federal de Santa Catarina. UFSC, Florianópolis. SCHARMACH, A. L. da R.; APPIO, J.; CARVALHO, L. C. de.; SILVA, A. L. K. L. da.; SAMPAIO, C. A. C. Planejamento Estratégico com uma Perspectiva Ecossocioeconômica: Estudo Exploratório em uma Cooperativa do Sul do Brasil. In: XII SEMEAD: Empreendedorismo e Inovação Anais... São Paulo, São Paulo, SP SCOTT, G. Strategic Planning for High-Tech Product Development. Technology Analysis & Strategic Management, Oxfordshire, v. 13, n. 3, p , SECCO, C.; BARBUR, A.; BETIM, L. M.; LIMAS, C. E. A. Empreendedorismo e planejamento estratégico: análise organizacional em uma empresa do ramo hoteleiro. In: Congresso Internacional de Administração. Gestão Estratégica em Tempos de Mudança Anais... Ponta Grossa, Paraná, PR THOMPSON, A. A.; STRICKLAND, A. J. Planejamento Estratégico: elaboração, implantação e execução. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, VALADARES, M. C. B. Planejamento Estratégico empresarial: foco em clientes e pessoas. Rio de Janeiro: Qualitymark, VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2007.

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão Aula 05 Database Marketing Agenda O que é Database Marketing? Estratégias e Sistemas Os dois usos do Database Marketing Case Referências 2

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais