TÉCNICAS CIRÚRGICAS PARA OBTENÇÃO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS CIRÚRGICAS PARA OBTENÇÃO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO"

Transcrição

1 TÉCNICAS CIRÚRGICAS PARA OBTENÇÃO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba SURGICAL TECHNIQUES FOR AUTOGENOUS BONE GRAFT Marcos Rikio Kuabara Aluno de pós-graduação, mestrado em Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo-Facial da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Cirurgião-dentista, diretor responsável pelo Branemark Osseointegration Center de São Paulo Professor titular do Departamento de Cirurgia e Clínica Integrada da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Laércio Wonhrath Vasconcelos Paulo Sérgio Perri de Carvalho 44 RESUMO Este artigo faz uma revisão da literatura sobre as áreas doadoras para enxerto ósseo autógeno e técnicas cirúrgicas de obtenção de enxertos. Esta revisão conclui que as melhores áreas doadoras são o mento, região retro-molar, tuber da maxila, crista ilíaca e calota craniana, e apresenta os diferentes graus de reabsorção de cada uma dessas áreas. UNITERMOS: enxerto ósseo enxerto autógeno técnica cirúrgica. SUMMARY This article reviews the literature on different donnor areas for autogenous bone graft and surgical techniques to obtain them. Various donnor areas are analysed as well as the different resorption grades of each site. This review concludes that the better donnor areas are the chin, retro molar region, maxillary tuberosity, iliac crest and calvarial bone. UNITERMS: bone graft autogenous bone graft surgical technique.

2 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP INTRODUÇÃO A necessidade de correção de pequenos ou de grandes defeitos ósseos para colocação de implantes e posterior reabilitação tornouse rotineira na prática da Implantodontia. As técnicas de enxerto ósseo e de reconstrução parcial ou total da maxila e da mandíbula e das áreas doadoras são avaliadas, basicamente, de acordo com o grau de perda óssea, do planejamento cirúrgico-protético e das condições gerais do paciente. Há muitas discussões e controvérsias a respeito da utilização de materiais para enxerto e reconstrução óssea, podendo ser usados tanto o osso autógeno quanto materiais alógenos e aloplásticos. No entanto, os melhores resultados têm sido relatados com o osso autógeno. HISTÓRICO DO ENXERTO ÓSSEO A literatura sobre enxerto ósseo começa em 1682, com Van Meeken transplantando osso de crânio de cão para um defeito cranial no homem, com sucesso. 7;22;24 O cirurgião foi forçado a retirar o transplante para evitar a excomunhão pela Igreja. Com o passar do tempo, o enxerto ósseo começou a ser mais usado em função do sucesso clínico do procedimento, muito embora houvesse discussão e opiniões contrárias quanto ao aspecto biológico e reparacional dos enxertos. Ollier 19 relatou a transferência de osso e periósteo e, pela osteogênese que observou no enxerto, concluiu que ambos estavam vivos. No entanto, Barth 5 foi o primeiro a discordar dessa conclusão. Seus estudos revelaram que o enxerto ósseo estava completamente morto vários dias após sua transferência, e que somente através de um gradual processo de invasão por células oriundas do osso receptor havia repovoamento com células vivas. Esse processo, hoje, é convencionalmente denominado de osteocondução. Já Axhausen 3 realizou uma série de experimentos demonstrando que enxertos cobertos com periósteo exibiam osteogênese de células sobreviventes do periósteo. Phemister 20 demonstrou conclusivamente que algumas células osteogênicas da superfície do enxerto sobreviviam por difusão de nutrientes advindos do leito receptor. 11;12 Phemister 20 concordou com Barth 5 que a grande maioria das células no centro do enxerto estavam mortas, mas notou que as células sobreviventes na superfície desempenhavam importante papel na reabsorção e repovoamento de células ósseas. Gallie & Robertson 10 concordaram que a sobrevivência de células na superfície do osso enxertado era importante. Eles também notaram que a sobrevivência e a osteogênese eram muito melhores com o uso de osso esponjoso do que com a utilização de osso cortical. Mowlen 16;17 popularizou o uso de osso esponjoso e demonstrou sua superioridade ao osso cortical em relação à integração. Fazili 9 relata que, passados três anos da realização do enxerto, e não havendo estímulo ósseo, cerca de 92% do osso enxertado é reabsorvido. Urist et al. 26 descreveram que as células ósseas que sobreviveram na superfície do enxerto desempenham um papel importante na proliferação de novas células formadoras de osso. Oklund 18 demonstrou que é da sobrevivência de células na superfície do enxerto que resulta a superioridade de enxertos autógenos recém obtidos sobre enxertos autógenos congelados ou implantes ósseos. Albrektsson 2 cita que as áreas doadoras de osso para a região oral podem ser o mento e a região retromolar, para quantidades menores de osso. Para quantidades maiores de osso, recomenda a crista ilíaca, a calota craniana, a costela e a tíbia. Harakas 13 descreveu a presença de uma proteína (BMP) presente em todos os enxertos, seja com vitalidade ou desvitalizada, e que estimula a formação do novo osso. Diante da crescente utilização de implantes osseointegrados para reabilitação oral, as dificuldades foram surgindo junto com a necessidade de corrigir os defeitos ósseos grandes, médios ou pequenos. Assim, os enxertos ósseos passaram a ser uma opção para possibilitar e/ou até mesmo melhorar os resultados finais da prótese sobre implantes. Adell 1 e Breine & Branemark 6 foram os primeiros a estudar a utilização de enxertos ósseos autógenos com implantes de titânio (endósseo) em maxilas extremamente atróficas. No entanto, são importantes o diagnóstico inicial e o planejamento préoperatório para a colocação de implantes, sendo necessário analisar o espaço e a relação intermaxilar. 45

3 46 ÁREAS DOADORAS A escolha das possíveis áreas doadoras para reconstrução óssea depende, principalmente, do volume ósseo necessário e do tipo de defeito ósseo. Para pequenas e médias perdas ósseas, as áreas intra-orais são o mento, a área retro-molar e o túber. Para reconstruções maiores, as áreas doadoras externas possíveis são o osso ilíaco, a calota craniana, a tíbia e a costela. Mento O mento é uma das melhores áreas bucais porque oferece boa quantidade e qualidade óssea cortical e medular. O enxerto tem a forma de semi-arco, e pode ser usado como enxerto do tipo onlay (sobre o rebordo), inlay (dentro de uma cavidade), sandwich (dentro e fora do rebordo remanescente, geralmente em seio maxilar) ou triturado (para preencher espaços entre blocos ou de pequenos defeitos e/ou dentro do seio maxilar). A avaliação inicial serve para detectar a forma e a extensão do defeito ósseo. Além do exame clínico, emprega-se radiografias periapical e panorâmica para determinar o comprimento dos incisivos, caninos e prémolares, e a disponibilidade óssea da área doadora. A técnica consiste em anestesia regional bilateral do nervo alveolar inferior, podendo haver complementação anestésica por meio de anestesia terminal infiltrativa no fundo do vestíbulo e lingual do incisivos. A incisão pode ser feita na crista e na papila interdental até o periósteo. Em seguida, desloca-se o retalho até a base da mandíbula. Nesses casos, porém, há necessidade de extensão maior do retalho para obter adequado acesso a área. O cuidado é maior na reposição do retalho e sutura, pois pode haver retração gengival e exposição radicular dos incisivos. Outra opção é iniciar a incisão na mucosa, no vestíbulo próximo da linha mucogengival, do primeiro pré-molar até o primeiro pré-molar do lado oposto. A incisão é em planos, iniciando-se na mucosa e direcionando-se à parede óssea até atingir o periósteo. Esse tipo de incisão requer grande cuidado pois, durante o acesso, seciona-se a musculatura mentoniana, havendo maior possibilidade de sangramento e parestesia labial. Uma vez exposto o tecido ósseo, utiliza-se broca trefina adaptada ao contraângulo, que possibilita a remoção do enxerto em forma de tubos, obtendo-se cilindros de osso cortical e medular. Clinicamente, porém, nota-se que, em algumas situações, só se consegue obter a parte cortical e pouca medular. Outra opção e indicação de escolha é a remoção de blocos cortical e medular utilizando-se brocas de baixa rotação da série 700 com fissura (fig. 1). Em ambas as situações, irriga-se abundantemente com soro fisiológico. Com a broca ou o lápis cirúrgico, demarca-se a forma do bloco, delimitada superiormente pelas raízes dos dentes (é indicado manter-se em torno de cinco mm abaixo dos ápices), inferiormente pela base da mandíbula e lateralmente pelas raízes dos caninos e prémolares e/ou forame metoniano. A osteotomia é, então, completada até aproximadamente quatro a cinco mm de profundidade, dependendo da espessura mandibular e da área do defeito (fig. 2). Coloca-se o cinzel ou alavancas (extratores retos) na fenda criada pela osteotomia e separa-se o bloco, obtendo-se dessa maneira o enxerto cortical e medular (fig. 3). Irriga-se a área doadora com soro fisiológico para remoção de possíveis fragmentos ósseos que possam servir de sequestros ósseos e causar alguns transtornos pós-operatórios, e, finalmente, faz-se irrigação com Rifocina 75 mg. Em alguns casos, pode-se retirar mais osso medular com osteótomo e/ ou curetas. A sutura é feita em planos, sendo primeiro o periósteo e, em seguida, a musculatura e a mucosa, utilizando-se fios reabsorvíveis sintéticos. Durante todo o procedimento, o paciente fica com a boca fechada (em oclusão). É recomendado o uso de afastadores de tecido tipo Minnesota. O acesso e a técnica são simples, mas requerem treinamento e cuidados pré, trans e pós-operatórios. A área de reparação óssea sempre deverá ser menor do que a quantidade de osso retirado. O enxerto é remodelado de acordo com o defeito ósseo, podendo ser em forma de bloco e/ou triturado, em região anterior (perda unitária) ou parcial, ou em um seio maxilar. Às vezes, podem ser utilizadas bandagens externas para conter o edema, evitar o sangramento e a deiscência das bordas da ferida em decorrência da movimentação labial. As complicações relatadas nessa área são hemorragia, hematomas e edemas, UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba

4 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP parestesia labial e/ou dental temporária ou definitiva, apicetomia e desvitalização da polpa. Dependendo da extensão da remoção, há alteração no perfil facial. Retro-molar Nesta área encontramos uma grande quantidade de osso cortical e pouca medular. Assim, recomenda-se enxerto do tipo veneer (sobreposto ao remanescente ósseo), onlay e/ou inlay. A espessura e o tamanho dependem da anatomia local, e o acesso pode ser limitado, em função de a região ficar na parte posterior da boca. Às vezes, dependendo do tamanho da perda óssea, consegue-se retirar o enxerto em forma de L, possibilitando um aumento da altura e da largura do rebordo para pequenas perdas ósseas (um a três dentes). A anestesia usada é regional do nervo alveolar inferior, realizando-se complementação por meio de anestesia terminal infiltrativa na porção anterior do ramo ascendente. A incisão começa na base do ramo e segue pela linha oblíqua externa até a região do primeiro molar inferior. Também pode ser iniciada no ramo, continuando com incisão interpapilar até a região do segundo pré-molar inferior. O retalho é total até o periósteo, expondo-se toda a área retro-molar e a linha oblíqua externa. Com broca da série 700 em baixa rotação ou com mini-serras (do motor do tipo striker), sempre com irrigação abundante com soro fisiológico, delimita-se a área a ser retirada (fig. 4), completa-se a osteotomia, e o bloco ósseo é removido com cinzel e/ou alavancas (fig. 5). É difícil delimitar toda a área com osteotomia, pois a área inferior é de difícil acesso. Por motivo de segurança, aconselha-se, durante este ato, apoiar a borda inferior da mandíbula e/ou o paciente ficar em quase oclusão, para evitar lesões na Articulação Têmporo Mandibular (ATM) e até mesmo fratura no ângulo da mandíbula. O enxerto pode ser triturado e/ou usado em forma de bloco. Quando o enxerto for em bloco, ele deve ser remodelado, fixado e adaptado da melhor forma possível ao defeito ósseo. O osso da área retro-molar é do tipo cortical e, do ponto de vista de acesso e de pós-operatório, a cirurgia assemelha-se à remoção dos terceiros molares inferiores inclusos. Os riscos cirúrgicos e possíveis complicações nessa área são a possibilidade de atingir e secionar o feixe vásculo-nervoso do alveolar inferior, o que pode provocar parestesia temporária ou permanente, hemorragia e hematoma. O nervo lingual pode ser traumatizado ou mesmo secionado pelo afastamento dos tecidos. O uso indevido da força durante a remoção do enxerto ou erro da técnica operatória pode provocar fratura mandibular. Túber O túber é uma área basicamente de osso medular. Dependendo da anatomia, oferece pequenas e médias quantidades de osso, podendo ser retirado bilateralmente. É usado em enxertos de concavidades devido a perda dental, em pequenas fenestrações durante o preparo para colocação de implantes e em enxertos em cavidade de seio maxilar. Enfim, é um osso de preenchimento e a ser utilizado na forma particulada. A anestesia usada é a terminal infiltrativa posterior (nervo alveolar superior posterior) e complementar no rebordo e no nervo palatino posterior. É realizada incisão com retalho total na crista do rebordo e na vestibular. Após o deslocamento do retalho, a área fica em evidência. A remoção é feita com pinça goiva ou osteótomo, muito raramente requer osteotomias com brocas de baixa rotação (fig. 6), e o aspecto do enxerto é de osso medular. No final, são feitas a regularização óssea e a sutura. Os riscos cirúrgicos e possíveis complicações relacionam-se à remoção demasiada de osso, provocando exposição da cavidade do seio maxilar e possível fístula buco-sinusal, comprometimento dos dentes remanescentes, mobilidade, necrose e até mesmo necessidade de exodontia. Calota craniana É uma área caracterizada por osso cortical e pouca medular. Tem a mesma origem embrionária que a mandíbula, membranosa. É indicada para reconstrução de amplas áreas, e os ossos de escolha são o parietal e o occiptal. A anestesia é geral, em ambiente hospitalar, e requer a presença de um cirurgião geral ou de um plástico, ortopedista, neurologista ou cirurgião de cabeça e pescoço, para a remoção do enxerto. A tricotomia não é indispensável. É realizada uma boa anti-sepsia com povidine tópico e degermante. A incisão é total até o periósteo ou pericrânio, descola-se o retalho e expõe-se o tecido ósseo. A osteotomia é feita sob abundante irrigação com soro fisiológico, utilizan- 47

5 FIGURA 1. INÍCIO DA DEMARCAÇÃO DO MENTO COM BROCA TRONCO CÔNICA. FIGURA 2. DELIMITAÇÃO DA ÁREA DO MENTO. FIGURA 3. BLOCO DE OSSO REMOVIDO DO MENTO. FIGURA 4. DELIMITAÇÃO DA ÁREA DOADORA (REGIÃO RETRO-MOLAR). 48 do-se brocas da série 700 em baixa rotação, brocas do tipo serra e cinzéis. Um detalhe importante: o limite da osteotomia, no sentido da profundidade, é determinado quando o tecido ósseo começa a sangrar, o que indica que a broca atingiu a parte medular. O enxerto pode ser desenhado e esculpido em forma de U (fig. 7) ou em tiras de blocos (fig. 8), e, em seguida, remodelado, fixado e adaptado de acordo com o defeito ósseo. Consegue-se um pouco de osso medular aderido à parte externa cortical (fig. 9), e podese remover grandes quantidades de osso. A sutura deverá ser retirada após sete a 15 dias. Os riscos e possíveis complicações são bem reduzidos e há poucos relatos de complicações na literatura. Mas vale salientar que pode ocorrer pequena hemorragia, controlável, com a secessão do ramo parietal da artéria temporal superficial. Pior seria a penetração na própria cavidade craniana durante a remoção do enxerto, o que levaria a danos irreparáveis. Havendo cuidado cirúrgico e preparo técnico, a calota craniana torna-se uma área de acesso fácil e com grande quantidade de osso cortical disponível. O tempo cirúrgico é um pouco maior, pois geralmente a remoção do enxerto não é feita junto com o preparo da área receptora. Em alguns casos, a cirurgia plástica para rejuvenescimento e diminuição das rugas e sinais de expressão no terço superior da face é realizada após a reconstrução óssea, aproveitando a mesma anestesia, a mesma área cirúrgica e a internação hospitalar. A maior ressalva para a indicação dessa técnica está relacionada à sua aceitação pelo paciente, e não à sua dificuldade cirúrgica. Osso ilíaco Há mais de 40 anos o osso ilíaco tornou-se a área doadora favorita para os enxertos e reconstruções ósseas na medicina, em função da quantidade de osso cortical e de osso medular. Também apresenta a vantagem de exigir um tempo cirúrgico menor, já que permite a preparação do leito receptor simultânea à retirada do enxerto por outro profissional. A intervenção cirúrgica deve ser realizada em ambiente hospitalar, com anestesia geral, e a presença de uma equipe multidisciplinar, formada pelo cirurgião plástico, ortopedista ou cirurgião geral. Inicialmente, o paciente é acomodado da melhor forma possível para expor a proeminência da crista óssea. A área de retirada UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba

6 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP escolhida é a parte anterior superior da crista ilíaca. A incisão é feita em planos até o acesso à crista óssea. A remoção do enxerto é realizada por meio de serras tipo Striker ou brocas cilíndricas em baixa rotação e cinzéis, com irrigação abundante de soro fisiológico. O enxerto pode ser delimitado na área doadora com moldeiras pré-fabricadas em forma de U (fig. 10), que correspondem à forma da maxila ou da mandíbula atrófica, ou em blocos bicorticais (raros), ou cortical e medular (fig. 11), ou somente medular. O enxerto é remodelado e esculpido para melhor adaptação e fixação sobre a área receptora. O ilíaco oferece uma grande quantidade de osso, com predominância de medular, e, às vezes, tem textura comparável à do osso do túber (fig. 12). É feita uma toalete da área, coloca-se um dreno geralmente removido no dia seguinte e suturase plano a plano. As complicações pós-operatórias devemse à imprudência e ao despreparo do cirurgião, à extensão da remoção e, algumas vezes, à própria estrutura anatômica do paciente. Geralmente, as complicações estão relacionadas à quantidade de osso retirado, podendo ocorrer hemorragia interna com extensas áreas de hematoma e edema, dor, penetração na área abdominal e lesões nas vísceras, e ruptura do nervo lateral femural cutâneo, o que provoca parestesia parcial ou definitiva da porção lateral da coxa e dificuldade no caminhar. Na intervenção posterior da crista ilíaca (paciente em decúbito ventral), pode-se secionar a artéria glútea superior, provocando uma séria e extensa hemorragia, e, mais drasticamente, fratura do osso ilíaco. Em geral, o paciente fica internado de um a dois dias, iniciando os movimentos de flexão dos membros inferiores e caminhando já no dia seguinte ao da intervenção. FIGURA 5. BLOCO ÓSSEO REMOVIDO DA ÁREA RETRO-MOLAR. FIGURA 6. REMOÇÃO DE TECIDO ÓSSEO DO TÚBER COM PINÇA GOIVA. FIGURA 7. DEMARCAÇÃO DA CALOTA CRANIANA PARA ENXERTO EM FORMA DE U. DISCUSSÃO Vários trabalhos compararam seus resultados a respeito das áreas doadoras intrabucais para os enxertos ósseos autógenos. No entanto, não há diferenças clínicas significativas entre eles. Raghorbar et al. 23 comparou os enxertos obtidos do mento, da região retro-molar e do túber para a correção de pequenos defeitos ósseos e posterior colocação de implantes osseointegrados. O resultado foi satisfatório em FIGURA 8. DEMARCAÇÃO DA CALOTA CRANIANA PARA ENXERTO EM BLOCO. 49

7 FIGURA 9. BLOCO ÓSSEO REMOVIDO DA CALOTA CRANIANA. FIGURA 10.ENXERTO EM FORMA DE U SENDO REMOVIDO DA CRISTA DO ILÍACO. FIGURA 11.ENXERTO EM BLOCO REMOVIDO DA CRISTA DO ILÍACO. FIGURA 12.BLOCO ÓSSEO REMOVIDO DA CRISTA DO ILÍACO. todos os casos, não havendo grandes diferenças entre eles. Já Misch 15 relata algumas vantagens em se obter enxerto do ramo da mandíbula em relação ao mento, principalmente devido às queixas e complicações pós-operatórias. No entanto, aponta as desvantagens do difícil acesso e da possibilidade de lesar o feixe vásculo-nervoso do alveolar inferior. A facilidade de obtenção do enxerto e de acesso à região do túber é maior do que nas outras áreas intrabucais. O tecido ósseo é caracteristicamente medular (osso esponjoso), de pouco volume e quantidade óssea, sendo mais indicado para enxerto de preenchimento de pequenos defeitos ósseos. Com relação às áreas doadoras externas calota craniana e osso ilíaco, elas são vantajosas do ponto de vista da obtenção de grande volume de tecido ósseo, sendo indicadas para a correção de grandes defeitos ósseos. Harbon et al. 14 observaram a baixa morbidade na remoção de enxerto do osso ilíaco e afirmaram que ele é uma das melhores áreas doadoras para reconstrução crâniofacial. Ressaltaram, porém, sua desvantagem em relação ao nível de reabsorção óssea. Shehadi 25 e Bakamjian & Leonard 4 relataram a utilização de osso da calota craniana em cranioplastias. Zins, 27 Phillips 21 e Dado 8 afirmaram que há vantagens no uso de enxertos de origem membranosa (calota e mandíbula) em relação à de origem endocondral (ilíaco, tíbia e costela) quando se considera a reabsorção óssea. Esta diferença provavelmente deve-se à característica mais cortical do osso de origem membranosa. Dessa maneira, para casos de reabsorções ósseas severas ou mesmo de defeitos ósseos de causas diversas, existem recursos cirúrgicos que possibilitam a melhora das condições locais para colocação de implantes osseointegrados em posição mais favorável para reabilitação protética. UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba 50 CONCLUSÃO De acordo com a literatura, é possível concluir que as melhores áreas doadoras intrabucais são o mento, a região retromolar e a tuberosidade da maxila, e que as possíveis áreas doadoras externas são a crista ilíaca e a calota craniana. O osso do

8 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP tipo membranoso (mandíbula e calota craniana) apresenta menor reabsorção óssea que o do tipo endocondral (ilíaco, tíbia e costela). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ADELL, R. Regeneration of the periodontium: An experimental study in dogs. Scand. J. Plast. Reconstr. Surg., 8 (suppl 11), pp , ALBREKTSSON, T. In vivo studies of bone grafts. The possibility of vascular anastomoses in healing bone. Acta Orthop. Scand., 51: 9, AXHAUHEN, G. Histologische Untersuchungen über Knochentransplantation am Menschen. Disch. Z. Chir., 91: 388, BAKAMJIAN, V. & LEONARD, A. Bone dust cranioplasty. Plast. Reconstr. Surg., 60: 784, BARTH, A. Über histologische Befunde nach knochenimplantation. Arch. Klin. Chir., 46: 409, BREINE, U. & BRÅNEMARK, P.I. Reconstruction of alveolar jaw bone. An experimental and clinical study of immediate and preformed autologous bone grafts in combination with osseointegrated implants. Scand. J. Plast. Reconstr. Surg., 14: 23-48, CHASE, S. & HERNDON, C. The fate of autogenous and homogenous bone grafts: a hitorical review. J. Bone Joint Surg., 37A: 809, DADO, D.V. & IZQUIERDO, R. Absortion of onlay bone grafts in immature rabbits: membranous versus endochondral bone and bone struts versus paste. Ann. Plast. Surg., 23 (1): 39-48, Jul FAZILI M.; VON OVERVEST-EERDMANS, G.R.; VERNOOY, A.M.; VISSER, W.J. & VON WAAS, M.A. Follow-up investigation of reconstruction of the alveolar process in the atrophic mandible. Int. J. Oral Surg., 7 (4): , Aug GALLIE, W.E. & ROBERTSON, D.E.: Transplantation of bone. J. A. M. A., 70: 1.134, HAM, A.W. & GORDON, S. The origin of bone that forms in association with cancellous chips transplanted into muscle. Br. J. Plast. Surg., 5: 154, HANCOCK, D. The fate of replaced bone flaps. J. Neurosurg., 20: 983, HARAKAS, N. Demineralized bone matrix induced osteogenesis. Clin. Orthop., 188: 239, HARBON, S.; CHARTOUNI, M. & RICBOURG, B. Morbidity of iliac bone grafts. A study a propos of 100 consecutive cases. Ann. Chir. Plast. Esthet, 36 (1): 45-50, MISCH, C.M. Rigde augmentation using mandibular ramus bone grafts for the placement of dental implants: presentation of a technique. Pract. Periodontics Aesthet. Dent., 8 (2): , Mar MOWLEM, R. Cancellous chip bone grafts: report on 75 cases. Lancet, 2: 746, MOWLEM, R. Bone grafting. Br. J. Plast. Surg., 16: 293, OKLUND, S.A.; PROLO, D.J.; GUTIERREZ, R.V. & KING, S.E. Quantitative comparisons of healing in cranial fresh autografts, frozen autografts, and processed autografts and allografts in canine skull defects. Clin. Orthop., 205: 269, OLLIER, L. Traité Experimental et Clinique de la Regeneration des Os et de la Production Artificielle du Tissu Osseux. Paris: P. Masson et Fils, PHEMISTER, D. The fate of transplanted bone and regenerative power of its various constituents. Surg. Gynecol. Obstet., 19: 303, PHILLIPS, J.H. & RAHN, B.A. Fixation effects on membranous and endochondral onlay bone-graft resorption. Plast. Reconstr. Surg., 82: , Nov PROLO, D.J. & RODRIGO, J.J. Contemporary bone graft physiology and surgery. Clin. Orthop., 200: 322, RAGHOEBAR, G.M.; BATENBURG, R.H.; VISSINK, A. & REINTSEMA, H. Augmentation of localized defects of the anterior maxillary ridge with autogenous bone before insertion of implants. J. Oral Maxillofac. Surg., 54 (10): , Oct ROGERS, L. The history of craniotomy. Ann. Med. Hist., 2: 495, SHEHADI, S. Skull reconstruction with bone dust. Br. J. Plast. Surg., 23: 227, URIST, M.R.; DELANGE, R.J. & FINERMAN, G.A.M. Bone cell differentiation and growth factors. Science, v. 220, pp , ZINS, J.E. & WHITAKER, L.A. Membranous versus endochondral bone: implications for craniofacial reconstruction. Plast. Reconstr. Surg., 72 (6): , Dec Recebimento: 09/jun./00 Aprovação: 3/out./00 51

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Retrospective study of 59 patients treated with intraoral autogenous bone graft and dental implants

Leia mais

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

Análise da área doadora de enxerto mandibular por meio de tomografia computadorizada do feixe cônico para avaliação da remodelação óssea 1

Análise da área doadora de enxerto mandibular por meio de tomografia computadorizada do feixe cônico para avaliação da remodelação óssea 1 ORIGINAL ORIGINAL Análise da área doadora de enxerto mandibular por meio de tomografia computadorizada do feixe cônico para avaliação da remodelação óssea 1 Analysis of donor sites for mandibular bone

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos lveolar reconstruction with autogenous bone graft and titanium micromesh: analysis of 16 cases Rafael Ortega-Lopes*

Leia mais

Caso Clínico. Resumo. Palavras-chave. Abstract. Key words

Caso Clínico. Resumo. Palavras-chave. Abstract. Key words Sítios Doadores e Enxertos Ósseos Intrabucais: Relato de Caso e Revisão da Literarura Intra-oral Place Givers and Bone Grafts: Case Report and Literature Review 1 1 2 Orion Luiz HAAS-JUNIOR. ; Luisa Schertel

Leia mais

Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas

Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas Artigo Inédito Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas Rogério Gonçalves Velasco*, Pedro Velasco Dias**, Leandro Gonçalves Velasco***, Cecilia da Rocha Brito**** Palavras-chave

Leia mais

Reconstrução de Maxila Atrófica com Osso Autógeno de Crista Ilíaca Anterior: Relato de Caso

Reconstrução de Maxila Atrófica com Osso Autógeno de Crista Ilíaca Anterior: Relato de Caso Reconstrução de Maxila Atrófica com Osso Autógeno de Crista Ilíaca Anterior: Relato de Caso Atrophic Maxilla Reconstruction with Autogenous Bone Graft from the Anterior Iliac Crest: Case Report Andrea

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7121 - Cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial I Departamento

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Ruy Sergio Penteado

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Ruy Sergio Penteado Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Ruy Sergio Penteado Enxerto de Bloco Ósseo em Áreas Estéticas Relato de caso clínico CURITIBA 2010 Ruy Sergio Penteado Enxerto de Bloco Ósseo

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas Bruno Salles Sotto Maior 1 Henrique Furlani Sotto Maior 2 Rodrigo Guerra de Oliveira 3

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS OBTENÇÃO DE ENXERTOS ÓSSEOS DA MANDÍBULA. Wellington Andrade Freitas

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS OBTENÇÃO DE ENXERTOS ÓSSEOS DA MANDÍBULA. Wellington Andrade Freitas 0 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS OBTENÇÃO DE ENXERTOS ÓSSEOS DA MANDÍBULA Wellington Andrade Freitas Três Corações - MG 2012 1 Wellington Andrade Freitas OBTENÇÃO DE ENXERTOS ÓSSEOS DA

Leia mais

CIODONTO. Rubens Eduardo de Melo Gigli

CIODONTO. Rubens Eduardo de Melo Gigli CIODONTO Pós Graduação Lato sensu em Implantodontia Rubens Eduardo de Melo Gigli METODOLOGIA DA REMOÇÃO DE ENXERTOS EM BLOCO DO RAMO MANDIBULAR Rio de Janeiro 2008 CIODONTO Pós Graduação Lato Sensu em

Leia mais

EndoWorld OMFS 8-1-PT/02-2010. Conjunto HANNOVER para o aumento da crista alveolar

EndoWorld OMFS 8-1-PT/02-2010. Conjunto HANNOVER para o aumento da crista alveolar EndoWorld OMFS 8-1-PT/02-2010 Conjunto HANNOVER para o aumento da crista alveolar Novos métodos e técnicas do aumento biologicamente adequado da crista alveolar Transplante ósseo exacto, minimamente invasivo,

Leia mais

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000 Nome Curso: IMPLANTE. Implantando idéias, um curso diferente. Curso de extensão Universitária Natureza: Teórico prático Data do inicio do curso: 27 de agosto de 2010 Local: Clinica Universitário Módulo

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO ABEPO / FACSETE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO REVISÃO DE LITERATURA VITÓRIA DA CONQUISTA 2014 ABEPO / FACSETE ANA PAULA NOGUEIRA BORGES ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO REVISÃO DE LITERATURA

Leia mais

ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO

ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO Cláudio Rodrigues Rezende Costa Alysson Ribeiro Melo RESUMO Os enxertos autógenos são cada vez mais utilizados

Leia mais

Complicações Associadas aos Enxertos Ósseos Aposicionais com Osso Autógeno. Complications Related to Inlay Autogenous Bone Grafts

Complicações Associadas aos Enxertos Ósseos Aposicionais com Osso Autógeno. Complications Related to Inlay Autogenous Bone Grafts Complicações Associadas aos Enxertos Ósseos Aposicionais com Osso Autógeno Complications Related to Inlay Autogenous Bone Grafts Fernanda Florian Cirurgiã-dentista e bolsista FUNDAP do Serviço de Cirurgia

Leia mais

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING AUTORES: MOTTA, Sergio. Coordenador dos Cursos de Aperfeiçoamento de

Leia mais

ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS DE ÁREAS DOADORAS INTRA-BUCAIS E PROCEDIMENTOS CLÍNICOS INTEGRADOS POSSIBILITANDO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL

ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS DE ÁREAS DOADORAS INTRA-BUCAIS E PROCEDIMENTOS CLÍNICOS INTEGRADOS POSSIBILITANDO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL CASO CLÍNICO / CLINICAL CASE ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS DE ÁREAS DOADORAS INTRA-BUCAIS E PROCEDIMENTOS CLÍNICOS INTEGRADOS POSSIBILITANDO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL Intraoral autogenous bone graft

Leia mais

Procedimento (Analitico)

Procedimento (Analitico) Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Procedimento (Analitico) 0414020014 - ALVEOLOTOMIA / ALVEOLECTOMIA

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ENXERTO ÓSSEO AUTOGENO EM BLOCO E PARTICULADO NO LEVANTAMENTO DO SEIO MAXILAR WALDER JOSÉ GONÇALVES DE MELO ANÁPOLIS, 2009 INSTITUTO

Leia mais

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO * - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ** - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ***

Leia mais

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO Data: 19 a 23 de agosto de 2013. PROFESSORES Prof. Dr. Júlio César Joly Especialista em Periodontia CFO Mestre e Doutor em Clínica

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Reconstrução de defeito de continuidade em mandíbula com posterior reconstrução alveolar

Reconstrução de defeito de continuidade em mandíbula com posterior reconstrução alveolar CASO CLÍNICO CLINICAL CASE Reconstrução de defeito de continuidade em mandíbula com posterior reconstrução alveolar Reconstruction of defect continuity in jaw with posterior alveolar reconstruction Marco

Leia mais

Cobertura do Plano Star

Cobertura do Plano Star Cobertura do Plano Star Diagnóstico Consulta inicial Exame histopatológico Condicionamento em odontologia. Urgência Curativo em caso de hemorragia bucal consiste na aplicação de hemostático e sutura no

Leia mais

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante Carga ou Função Imediata sobre Implantes Perda do elemento dental Coágulo O início Degradação ação da cortical alveolar periodontal Regeneração óssea Tratamento Prótese fixa convencional => sem estímulo

Leia mais

CIODONTO. Pós Graduação Lato sensu em Implantodontia. Camila Fernandez Sestelo Burgo ENXERTOS AUTÓGENOS DO MENTO: UMA REVISÃO DE LITERATURA

CIODONTO. Pós Graduação Lato sensu em Implantodontia. Camila Fernandez Sestelo Burgo ENXERTOS AUTÓGENOS DO MENTO: UMA REVISÃO DE LITERATURA CIODONTO Pós Graduação Lato sensu em Implantodontia Camila Fernandez Sestelo Burgo ENXERTOS AUTÓGENOS DO MENTO: UMA REVISÃO DE LITERATURA Rio de Janeiro 2008 CIODONTO Pós Graduação Lato sensu em Implantodontia

Leia mais

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE DE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA LUIS BERNARDO DOMIT

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE DE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA LUIS BERNARDO DOMIT 0 UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE DE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA LUIS BERNARDO DOMIT ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS NA IMPLANTODONTIA: UMA ANÁLISE DOS FATORES CRÍTICOS

Leia mais

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante.

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante. ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO DE TÓRUS MANDIBULAR. DESCRIÇÃO DE CASO DE RECONSTRUÇÃO DE MAXILA E INSTALAÇÃO IMEDIATA DE UM IMPLANTE COLOCADO EM FUNÇÃO IMEDIATA AUTOGRAFT OF MANDIBULAR TORUS. DESCRIPTION FOR RECONSTRUCTION

Leia mais

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina 36 Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina Horizontal augmentation of anterior maxillary alveolar ridge using bovine bone graft Célia Maria Braga 1 Juliana de

Leia mais

Enxertos ósseos autógenos intrabucais em implantodontia: estudo retrospectivo

Enxertos ósseos autógenos intrabucais em implantodontia: estudo retrospectivo Recebido em 06/05/2014 Aprovado em 18/06/2014 V14N4 Enxertos ósseos autógenos intrabucais em implantodontia: estudo retrospectivo Intraoral autogenous bone grafts in implantology: a retrospective study

Leia mais

Enxerto de calota craniana para reconstrução de processo alveolar de maxila atrófica. Técnica de obtenção e dificuldades transoperatórias

Enxerto de calota craniana para reconstrução de processo alveolar de maxila atrófica. Técnica de obtenção e dificuldades transoperatórias Trabalho Original Enxerto de calota craniana para reconstrução de processo alveolar de maxila atrófica. Técnica de obtenção e dificuldades transoperatórias Maxillary reconstruction using calvarial bone

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD REVISÃO CRÍTICA DA LITERATURA SOBRE LONGEVIADE DE ENXERTOS ÓSSEOS NA MAXILA E NA MANDÍBULA

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na TUSS Odontologia Código Procedimento US Código Estruturado Especialidade US DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO 01.01 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 65 81000065 Consulta odontológica inicial 65 01.05 CONSULTA ODONTOLÓGICA

Leia mais

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS Anestesia em anestésico o mais próximo possível do ápice do dente a ser anestesiado. Objetivo : Propiciar o conhecimento das técnicas anestésicas, principalmente as utilizadas

Leia mais

O USO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO INTRA E EXTRA-ORAL EM IMPLANTODONTIA

O USO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO INTRA E EXTRA-ORAL EM IMPLANTODONTIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS O USO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO INTRA E EXTRA-ORAL EM IMPLANTODONTIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS O USO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO INTRA

Leia mais

210 RX Periapical R$ 7,00 220 RX Bite-Wing (Interproximal) R$ 7,00 310 RX Oclusal R$ 14,00 300-490 - 3 URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS ODONTOLÓGICAS

210 RX Periapical R$ 7,00 220 RX Bite-Wing (Interproximal) R$ 7,00 310 RX Oclusal R$ 14,00 300-490 - 3 URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS ODONTOLÓGICAS 1 - DIAGNÓSTICO 100-490 110 Consulta Inicial (Exame Clínico e Orçamento) (VALID. 6 meses) R$ 45,00 120 Urgência odontológica R$ 45,00 130 Exame histopatológico*** (somente clínicas especializadas) ***

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Implantodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO

Leia mais

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Buco Maxilo Facial Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Sistema de Buco Maxilo Facial Os princípios biomecânicos da osteossíntese com placas aplicável a mandíbula culminou

Leia mais

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG e da PUC-Minas

Leia mais

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada 85400017 Ajuste Oclusal por acréscimo AJUSTE OCLUSAL 85400025 Ajuste Oclusal por desgaste seletivo AJUSTE OCLUSAL 82000034 Alveoloplastia ALVEOLOPLASTIA Amputação radicular com obturação retrógrada AMPUTAÇÃO

Leia mais

ENXERTO DE CALOTA CRANIANA REVISTA DA LITERATURA E APRESENTAÇÃO DE CASO CLÍNICO-CIRÚRGICO *

ENXERTO DE CALOTA CRANIANA REVISTA DA LITERATURA E APRESENTAÇÃO DE CASO CLÍNICO-CIRÚRGICO * 790 ENXERTO DE CALOTA CRANIANA REVISTA DA LITERATURA E APRESENTAÇÃO DE CASO CLÍNICO-CIRÚRGICO * CALVARIAL BONE GRAFTS LITERATURE REVIEW AND SURGICAL CLINICAL CASE PRESENTATION Cláudio Maldonado PASTORI

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

Cobertura RN 338 Lei 9656/98:

Cobertura RN 338 Lei 9656/98: Cobertura RN 338 Lei 9656/98: CÓDIGO PROCEDIMENTO Flex 30% GRUPO 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS R$ 7,62 CONSULTAS 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA R$ 10,58

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22

PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22 PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22 ESPECIALIDADE : 001 - PRONTO SOCORRO CODIGO DESCRICAO

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

Considerações atuais sobre a remoção de enxerto do mento

Considerações atuais sobre a remoção de enxerto do mento Recebido em 15/10/2013 Aprovado em 12/08/2013 V14N1 Considerações atuais sobre a remoção de enxerto do mento Current considerations on the chin bone harvesting Claudio Ferreira Nóia I Claudinei Ferreira

Leia mais

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45 SMILt Tabela de Preços/Descontos Designação Público em geral Comunidade IPLeiria Consulta de Medicina Dentária Consulta de Medicina Dentária 50 45 Consulta de Urgência 50 45 Dentisteria e Estética Restauração

Leia mais

Reconstrução de maxila atrófica com enxerto proveniente de calota craniana para posterior reabilitação com implantes dentários relato de caso

Reconstrução de maxila atrófica com enxerto proveniente de calota craniana para posterior reabilitação com implantes dentários relato de caso Full Dent. Sci. 2015; 6(23):177-182. 177 Reconstrução de maxila atrófica com enxerto proveniente de calota craniana para posterior reabilitação com implantes dentários relato de caso Jaw reconstruction

Leia mais

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Programa O curso de pós-graduação em periodontologia da MD Formação em parceria com a Clínica Gingiva de Madrid destina-se a todos os Médicos Dentistas

Leia mais

Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico

Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico Artigo Caso Clínico Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico Guided bone regeneration with immediate loading in esthetic site: a clinical case report Recebido

Leia mais

Implantes dentários, parede alveolar, áreas estéticas

Implantes dentários, parede alveolar, áreas estéticas Condutas de planejamento em área estética na região anterior da maxila associada à carga imediata para implantes unitários imediatamente após extração: revisão de literatura. Lívia Morelo Amaral Resumo

Leia mais

TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master

TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master (ANEXO A - ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS EXIGIDOS PELA ANS)- Tabela Cliente CH = Coeficiente de Honorário Odontológico Valor do CH = R$ USO = Unidade

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

PRESERVAÇÃO ALVEOLAR COMO ALTERNATIVA AO TRATAMENTO DO ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO

PRESERVAÇÃO ALVEOLAR COMO ALTERNATIVA AO TRATAMENTO DO ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS CHRISTOPHER CHRIZANTO BRAGANHOLLO PRESERVAÇÃO ALVEOLAR COMO ALTERNATIVA AO TRATAMENTO DO ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO CURITIBA 2013 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Leia mais

Osteogenic distraction for the placement of tooth implants: a case report

Osteogenic distraction for the placement of tooth implants: a case report Distração osteogênica mandibular para instalação de implantes: relato de caso Osteogenic distraction for the placement of tooth implants: a case report Recebido em 04/07/2006 Aprovado em 12/09/2007 Valfrido

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial 81000421 Radiografia periapical CIRURGIA Planilha1 DIAGNÓSTICO 81000065 Consulta odontológica inicial 81000111 Diagnóstico anatomopatológico em citologia esfoliativa na região buco-maxilo-facial 81000138

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.001-0 Procedimento x CBO ATIVIDADE EDUCATIVA / ORIENTACAO

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE Alessandro Leonardo de Barros Vieira RECONSTRUÇÃO DE MANDÍBULAS SEVERAMENTE REABSORVIDAS Salvador 2012 Alessandro Leonardo de Barros Vieira RECONSTRUÇÃO DE MANDÍBULAS

Leia mais

Levantamento do assoalho do seio maxilar assistido Endoscopicamente

Levantamento do assoalho do seio maxilar assistido Endoscopicamente OMFS 10 1.0 02/2015-PT Levantamento do assoalho do seio maxilar assistido Endoscopicamente (EIS Endoscopically Assisted Internal Sinus Lift) Conjunto recomendado pelo Dr. Peter SCHLEIER Levantamento do

Leia mais

PORTARIA Nº 1.032, DE 5 DE MAIO DE 2010

PORTARIA Nº 1.032, DE 5 DE MAIO DE 2010 PORTARIA Nº 1.032, DE 5 DE MAIO DE 2010 Inclui procedimento odontológico na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses e Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde - SUS, para atendimento

Leia mais

overdentures and prostheses for edentulous maxilla rehabilitation

overdentures and prostheses for edentulous maxilla rehabilitation Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2007 jan-abr; 19(1):61-7 OVERDENTURES E PRÓTESES FIXAS PARA REABILITAÇÃO COM IMPLANTES EM MAXILA EDÊNTULA overdentures and prostheses for edentulous

Leia mais

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TÁRCIO LOPES GOULART AVALIAÇÃO ESTATÍSTICA DO SUCESSO DOS IMPLANTES DENTÁRIOS

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TÁRCIO LOPES GOULART AVALIAÇÃO ESTATÍSTICA DO SUCESSO DOS IMPLANTES DENTÁRIOS ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TÁRCIO LOPES GOULART AVALIAÇÃO ESTATÍSTICA DO SUCESSO DOS IMPLANTES DENTÁRIOS INSTALADOS EM ENXERTOS AUTÓGENOS Rio de Janeiro 2009 ACADEMIA DE ODONTOLOGIA

Leia mais

COBERTURA UNIMED ODONTO

COBERTURA UNIMED ODONTO COBERTURA UNIMED ODONTO ODONTOPEDIATRIA Consulta Odontológica SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia para pacientes com necessidades especiais SIM SIM SIM

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

ANEXO VIII TABELA DO IMAS COM OS VALORES DOS PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS

ANEXO VIII TABELA DO IMAS COM OS VALORES DOS PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS PREFEITURA DE GOIÂNIA Instituto Municipal de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia ANEXO VIII TABELA DO IMAS COM OS VALORES DOS PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS Gabinete da Presidência

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO EM MAXILAS SEVERAMENTE REABSORVIDAS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

ENXERTO ÓSSEO EM MAXILAS SEVERAMENTE REABSORVIDAS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS ENXERTO ÓSSEO EM MAXILAS SEVERAMENTE REABSORVIDAS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA INGRID BARROS DA SILVA BELÉM 2011 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS

Leia mais

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Dra. Patricia Fretes Coord. do curso de atualização em Implantodontia IOA PY Profa. adjunta do curso de especialização em Implantodontia IOA PY Especialista em Implantes

Leia mais

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA?

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? 1 O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? A descoberta da Osseointegração pelo professor Brånemark, na década de 50, revolucionou a reabilitação dos pacientes com ausências dentárias, com a utilização dos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Dentição Convênios Odontológicos Tabela de Procedimentos Odontológicos Dentalprev - descrição e códigos TUSS

Dentição Convênios Odontológicos Tabela de Procedimentos Odontológicos Dentalprev - descrição e códigos TUSS Dentição Convênios Odontológicos Tabela de Procedimentos Odontológicos Dentalprev - descrição e códigos TUSS Nome Código Observações Cir.Traum.Buco-Max-Fac Aprofundamento/aumento de vestíbulo 82000190

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

DEFEITOS ÓSSEOS EM ARTROPLASTIA TOTAL DE JOELHO PRIMÁRIA ENXERTIA AUTÓLOGA x CUNHAS METÁLICAS

DEFEITOS ÓSSEOS EM ARTROPLASTIA TOTAL DE JOELHO PRIMÁRIA ENXERTIA AUTÓLOGA x CUNHAS METÁLICAS DEFEITOS ÓSSEOS EM ARTROPLASTIA TOTAL DE JOELHO PRIMÁRIA ENXERTIA AUTÓLOGA x CUNHAS METÁLICAS Por Paulo Alencar # e Rogério Fuchs * # Cirurgião Ortopedista, médico do Hospital de Clínicas da UFPR, em Curitiba,

Leia mais

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS ROL DE ONTOLÓGICOS PROCEDIMENTO SUBGRUPO GRUPO CAPÍTULO AMB HCO HSO PAC D.UT ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL (COM DIRETRIZ DE AJUSTE OCLUSAL ALVEOLOPLASTIA AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA APICETOMIA

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

Mentoplastia no tratamento das deformidades do queixo

Mentoplastia no tratamento das deformidades do queixo ARTIGO ESPECIAL Mentoplastia no tratamento das deformidades do queixo Genioplasty: treatment of chin deformities Oscimar Benedito Sofia 1, Pedro de Albuquerque Siqueira Telles 2, José Eduardo Lutaif Dolci

Leia mais

Papila entre dentes: o que é possível antes da intervenção restauradora

Papila entre dentes: o que é possível antes da intervenção restauradora DICAS DE PERIODONTIA Por que é importante? O que é necessário? Papila entre dentes: o que é possível antes da intervenção restauradora SIQUEIRA JR, Sérgio Especialista em Periodontia e Implantodontia Mestre

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL UNIODONTO PORTO ALEGRE Modalidade pré-pagamento sem coparticipação, ou seja, o contratante pagará apenas o valor da mensalidade e terá a sua disposição todos os beneficios previstos pela ANS. Atendimento

Leia mais

Tabela Simplificare Denti II

Tabela Simplificare Denti II Tabela Simplificare Denti II Em consequência de condições especifícas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas circunstâncias, ser inferior ao valor máximo

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO Amanda Roberta Barbosa Juliasse Da Silva ¹ Márcio Baltazar Conz ² Diferentes biomateriais têm

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS ODONTOLÓGICOS / TUSS - GOLDEN CROSS - REDE MASTER e PREFERENCIAL VALOR DE USO REDE MASTER e PREFERENCIAL : R$ 0,18

TABELA DE HONORÁRIOS ODONTOLÓGICOS / TUSS - GOLDEN CROSS - REDE MASTER e PREFERENCIAL VALOR DE USO REDE MASTER e PREFERENCIAL : R$ 0,18 DIAGNÓSTICO 17 800065 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 0 17 800049 CONSULTA ODONTOLÓGICA DE URGÊNCIA 0 00 80120059 CONSULTA DE ESPECIALISTA EM ENDODONTIA 0 00 80120180 CONSULTA DE ESPECIALISTA EM ESTOMATOLOGIA

Leia mais