Relações de Trabalho, Mudança e Subjetividade Operária na História do Setor Siderúrgico de Cubatão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações de Trabalho, Mudança e Subjetividade Operária na História do Setor Siderúrgico de Cubatão"

Transcrição

1 João Carlos Gomes Relações de Trabalho, Mudança e Subjetividade Operária na História do Setor Siderúrgico de Cubatão Docente. Doutor em História - Universidade Católica de Santos Pesquisador RESUMO Este estudo, parte de minha tese de Doutorado, analisa a partir das ressignificação de valores constituídos pela tradição e pelos costumes, os impactos da reestruturação produtiva na vida dos trabalhadores de duas siderúrgicas brasileiras, a Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais (USIMINAS) e a Companhia Siderúrgica Paulista (COSIPA), empresas que nascem e permanecem sob a administração direta do Estado, por cerca de 35 anos, e quando privatizadas, vivenciam experiências comuns contraditórias, dado que, a primeira, ao se tornar proprietária da segunda, inicia a implementação de mudanças requeridas pela reestruturação, em ambiente de grande turbulência. O tema, no interior da reestruturação produtiva, põe em destaque a heterogeneidade das experiências de proletarização de dois coletivos de trabalhadores que não se apresenta a partir de processo de trabalhos distintos mas sim de formas de disciplinamento e organização do trabalho historicamente constituídas. Palavras chave : reestruturação produtiva, subjetividade, trabalho, siderurgia.

2 Este estudo, analisa a partir das ressignificação de valores constituídos pela tradição e pelos costumes, os impactos da reestruturação produtiva na vida dos trabalhadores de duas siderúrgicas brasileiras, a Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais (USIMINAS) e a Companhia Siderúrgica Paulista (COSIPA), empresas que nascem e permanecem sob a administração direta do Estado, por cerca de 35 anos, e quando privatizadas, vivenciam experiências comuns contraditórias, dado que, a primeira, ao se tornar proprietária da segunda, inicia a implementação de mudanças requeridas pela reestruturação, em ambiente de grande turbulência Trata-se de colocar frente a frente à diversidade de experiências vividas no interior de relações sociais historicamente constituídas, que apontam para distintas formas de se viver situações concretas de dominação. Privilegia-se o cultural como central ao entendimento da dominação, iluminando as diferenças inter e intraclasses sociais que não são mais pensadas a partir de um paradigma unitário. Coloca-se em evidência neste trabalho, as diferenças de ações e reações produzidas por sujeitos históricos que têm emoções,experiências, tradições e valores próprios que os colocam numa relação consigo mesmo, se projetando no tempo. Desta forma, é que se pensa as ações desses dois coletivos de trabalhadores, na medida em que eles desenvolveram práticas próprias e diferentes de reivindicação, agiram politicamente por caminhos diferentes redescobrindo as suas representações simbólicas vividas em sociedade e que se repõe no interior de uma unificação pretendida pelo processo de fusão. A questão específica a ser enfrentada é a da utilização desta perspectiva na reinterpretação histórica das condições de vida e das práticas sociais e políticas desse coletivo de trabalhadores, que se fundem num novo processo de sua proletarização: a reestruturação produtiva. O tema, inserido na problemática das novas determinações estruturais do mundo do trabalho e do capital, no capitalismo global, e suas conseqüências para a vida dos trabalhadores, tem se constituído numa das ocupações mais estimulantes da produção acadêmica mundial e nacional. A transformação siderúrgica, para ser entendida é preciso ser vista como fazendo parte de um processo, que se desenvolve em função da necessidade mundial de diversificação de novos produtos, num contexto de diminuição do consumo, proveniente do decréscimo relativo da participação de bens de fabricação dependente do

3 aço e da mudança do perfil de demanda nos países de renda percapita elevada. Entre 1945 e 1979, a taxa média de crescimento da produção de aço bruto, no mundo, foi de 5%, contudo, a partir de , a produção siderúrgica estabiliza-se de forma permanente gerando um elevado grau de capacidade produtiva ociosa, obrigando a inovações de processos e racionalização das atividades produtivas. Oliveira,(2000). Usinas foram fechadas nos países desenvolvidos, EUA principalmente, e mecanismos de proteção à indústria nacional proliferaram. Na Europa, em 1986, empresas estatais controlavam mais de 50% da produção de aço em dez países: Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Itália, Noruega, Portugal, Reino Unido e Suécia. Em 1997, restava como estatal somente a belga Cockrill-Sambre, que foi adquirida pelo grupo francês Usinor em (BNDES, 1999). Flexibilizar ao máximo a produção, através de novas tecnologias que induziram a racionalização do trabalho pelos novos modelos de gestão, é uma das principais estratégias adotadas pelas siderúrgicas, em nível mundial, para enfrentar a crise, o que redundou num ajustamento gerencial, culminando com uma redução de trabalhadores, pois dos empregos que existiam nos 21 países maiores produtores de aço do mundo em 1974, restaram somente em (Oliveira, 2000, p.24). O Brasil, ao manter-se incorporado no sistema de produção e de financiamento das nações capitalistas hegemônicas acompanha o processo. O ajuste ocorre num ambiente de estagnação econômica e ampliação das desigualdades sociais, onde precarização e empobrecimento se ampliam. Dos trabalhadores empregados no setor brasileiro em 1974 restaram 56827, em 2004.(IBS, 2003, p.23). É nesse contexto que ocorre a aquisição da COSIPA pela USIMINAS. A cultura mineira e japonesa 2, desenvolvida na experiência USIMINAS, tinha como método de dominação o corporativismo e o senso de responsabilidades associados a princípios de lealdade à empresa e foram fortemente internalizados pela experiência da fábrica com vila operária. 1 A produção mundial de aço estabilizou em 732,9 toneladas/ano entre 1978 e 1998 e nesses vinte anos de desaceleração do crescimento, os preços foram deprimidos e os lucros reduzidos proporcionando o acirramento da competitividade entre países e empresas. 2 A USIMINAS,em 1957, junta-se ao capital japonês. É a primeira joint venture da indústria japonesa no mundo ocidental, após a II Guerra Mundial, representada pelo grupo Nippon- USIMINAS Kabushiki Kaisha que, em troca de 40% de participação no capital da USIMINAS, fornece a maior parte dos equipamentos vindos do Japão, além de supervisão na construção da usina.

4 A USIMINAS surge em 1959, estrategicamente no Aglomerado Urbano do Vale do Aço (AUVA), o principal pólo siderúrgico do Estado de Minas Gerais, no município de Ipatinga onde a divisão técnica do trabalho se reflete diretamente na divisão social e na conformação espacial da cidade. Os bairros funcionando separados bairros para profissionais graduados, engenheiros e direção, bairro para chefias, bairro para operadores, bairro para operários não especializados fisicamente distanciados e dotados de padrões diferenciados de moradia, e isso tudo deixa bem claro o lugar de cada qual. (Braga, 2000, p.6). Marcada pela condição de fábrica com vila operária, onde as formas de dominação vão além dos limites fabris, perpassando os lares tanto na tutela do Estado, como na burocracia empresarial, com sua lógica própria de dominação no nível individual, tudo isso tem peso significativo no desenvolvimento das práticas sociais em movimento. Marco Antonio Patrício Carvalho, técnico em eletrônica, 43 anos de idade, 25 anos de USIMINAS, e a serviço na COSIPA em 2005, assim relata: Fui criado numa típica Vila Operária. Havia a rua dos engenheiros (chefes) e as demais ruas dos operários (subalternos).entretanto considero que tive uma infância muito feliz. As relações humanas eram muito intensas, no sentido de que todos se ajudavam,se conheciam, freqüentavam a igreja e o clube. A dinâmica da vida era mais lenta, porém mais consistente. Íamos aprendendo as coisas e absorvendo informações à mediada em que eram necessárias. Era como se a vida desse tempo para que aprendêssemos as lições. O tempo passava mais devagar, ou então, nós não estávamos preocupados com ele. Eu escrevia cartas... Hoje a dinâmica da vida é muito rápida e são tantas informações ao mesmo tempo em que duvido que alguém consiga absorvê-las. Para a gestão atual, a tecnologia é um lugar comum (DVD, , Vídeo game). E acaba se tornando um fim não um meio. Mas acompanhar a velocidade das transformações do mundo é uma questão de sobrevivência no mercado de trabalho. Hoje somos obrigados a decorar normas ISO para atingir as metas estabelecidas pela empresa, sejam elas factíveis ou não. Dizem que é coisa de siderurgia moderna. Observa-se que as relações pessoais e sociais são apropriadas pela lógica da dominação que põe, lado a lado, de forma positiva e ambígua, vantagens e restrições. (Heloani, 2003). Vantagens que a vila operária proporciona aos olhos do trabalhador no sentido de que todos se ajudavam, se conheciam, frenquetavam a igreja e o clube Restrições, expressas na forma de dominação da tecnologia onde: Hoje somos obrigados a decorar normas ISO para atingir as metas estabelecidas pela empresa, sejam elas factíveis ou não.

5 A transformação se apresenta como algo externo ao sujeito, o que lhe permite a crítica, porém ao mesmo tempo a aceitação; dizem que é coisa de siderurgia moderna. A cultura da vila operária pode ser identificada através do poder de mando das gerencias, postos mais altos da organização, sobre seus subordinados. A entrevista realizada com Valdemir Ribeiro Pinto, aposentado da USIMINAS, onde trabalhou de , transferindo-se para a COSIPA como Gerente de automação industrial, desde 1996, esclarece : Havia muito planejamento e metas a cumprir e isso era do conhecimento de todos. O processo de supervisionar e ser supervisionado era intenso e todos se sentiam confortáveis nessa situação.quem trabalhava na USIMINAS era visto como bem sucedido".o uniforme era um símbolo de orgulho. Observa-se que o exercício da autoridade, reflete a personalidade moldada de acordo com a vontade da empresa, o que favorece a formação de identidades autocontroladas. A COSIPA, diferentemente, não tinha vila operária, seus trabalhadores residiam em Cubatão, e Santos, cidades, cuja tradição do movimento operário combativo era muito forte. Na origem estava o sindicato dos metalúrgicos de Santos e suas fortes ligações com o Partido Comunista Brasileiro. Arnaldo Gonçalves 68, presidente do sindicato no período de , esclarece como havia entrado para o partido comunista :...(..), eu comecei a ler alguma coisa do partido, eu era garoto, o meu pai não era do partido, ele era do PTB, mas ele tinha muitos amigos do partido, em 1948 houve uma perseguição muito grande ao pessoal do partido, e ele guardou bastante material do partido em casa, ele escondia em casa para não ser perseguido, aí eu comecei a ler alguma coisa do partido, revistas, jornais eu não me lembro quando entrei para o partido, mas eu era muito novo. (Arnaldo Gonçalves, entrevista em 24/3/2005) Falando dos modos de resistência adotados pelo sindicato, acrescenta: Foi em 68, final de 68 começo de 69, nós criamos o personagem Zé Protesto, foi uma forma de nós darmos um recado para o pessoal porque tinha uma censura muito grande aos jornais do sindicato, então nós criamos aquele personagem na base da brincadeira e nós transmitíamos aos trabalhadores aquilo que nós queríamos dizer porque o editorial, as matérias de fundo do sindicato, dificilmente passariam, nós tínhamos censura grande, o jornal era obrigado a ser apresentado

6 aqui no quartel general do exército e tinha um coronel lá que lia o jornal, censurava, e o Zé Protesto eu acho, que ele não dava muita atenção, achava que era uma brincadeira e passava as coisas do Zé Protesto. (Arnaldo Gonçalves, entrevista em 24/3/2005) O Zé Protesto era um personagem que recebia, transmitia criticava e comentava denúncias, que eram enviadas pelos trabalhadores, em panfletos, no período da revolução de 1964, quando da invasão das tropas do exercito na usina. Se a ação política do sindicato orientava a resistência, dando sentido à identidade desse coletivo, a ação política do Estado objetivada na gestão da empresa, significava um tipo específico de dominação que era vista como negativa, comparativamente à gestão da USIMINAS, pós privatização. Quando me tornei Cosipano em 1988 encontrei uma empresa regada à política. Deputados estaduais mudavam de partido e os chefes de departamento (às vezes até diretores) e tudo abaixo deles também mudava. Esforços de bons relacionamentos cultivados sob uma gestão, de repente, evaporavam-se pois antecipadamente sabia-se que fulano ia rodar e não pegava bem conversar com alguém que era de gerência dele...(...) Quando entrei éramos 13600, as vésperas da privatização éramos Hoje somos O que mudou? Hoje temos um rumo, uma diretriz comum não vulnerável às marés políticas. (Eletricista, 16 anos de empresa, 43 anos, entrevista em 2004) Contraposta a essa cultura, encontramos no depoimento de Valdemir Ribeiro Pinto, trabalhador aposentado da USIMINAS e gerente de automação industrial da COSIPA, desde 1996, subsídios marcantes sobre a cultura da USIMINAS: Essa cultura é muito forte na USIMINAS!! Havia pouca influência política na gestão da empresa, ou seja, os Diretores e Presidentes não eram trocados quando mudava o governo.isso dava estabilidade na vida da empresa. Aqui na COSIPA isso foi diferente por isso eu julgo que o sindicato aqui se tornou muito forte, na USIMINAS não havia greves. (Entrevista em 6 de março de 2003) A introdução da inovação tecnológica no processo produtivo da Cosipa, comandada pelas gerências vindas da Usiminas, implicou em novas demandas para a organização do trabalho, conforme depoimento:: Hoje podemos observar a tensão entre os operadores quando um equipamento será modernizado, podemos observar também o número de empregados com relação a equipamentos automatizados. Com esse aumento de processos automatizados, as solicitações de melhorias e manutenção aumentaram, sendo atendidas por prioridade ou emergência.

7 (entrevista de técnica da área de automação industrial com 3 anos de empresa, dezembro de 2004) A precarização da vida advinda das novas determinações do trabalho é evidente e se constata no depoimento. As ressignificações se desenvolvem num ambiente onde as diferenças culturais se manifestam no interior do processo produtivo, conforme o depoimento: A vinda do pessoal da USIMINAS, parece-me que todos estudaram na mesma escola, o que diferencia é que os novos administradores são mais objetivos; não existe mais o lado político...noto ainda que em momentos de crise na área onde há atrasos na produção, ainda são corriqueiros as terríveis reuniões de passagem de turno, esquema de plantão e outras medidas não tão eficientes..., talvez até pelo próprio processo envolvido, onde o comprometimento de todos deva ser total, assim a cobrança ao funcionário deva ser intensiva, creio que pensem assim. (Trabalhador da laminação 45anos de idade e 27 anos de empresa, entrevista em dezembro de 2004) As diferenças culturais orientam também as resistências: Bom! Eu gosto muito do que faço no alto forno. Sou engenheiro elétrico, porém faço de tudo, mecânica. civil, processo operacional, organizo festas, grêmios, cipeiro, tenho muitos amigos, muita gente gosta de mim devido eu ser do jeito que sou. De 1993 a 2004 muitas mudanças ocorreram, muitos chefes passaram e nós temos que nos moldar ao momento, que nem camaleão. (Engenheiro elétrico, 29 anos de empresa e 45 anos de idade, dezembro de 2004) Não adianta lutar contra a realidade em que estamos inseridos. Adaptar-se e manter-se atualizado tanto técnica quanto socialmente é o segredo para sobreviver. Com isso o primeiro a ser afetado é o trabalhador que para não perder seu emprego, onde para o seu lugar existem pelo menos 3 pessoas desempregadas querendo o seu lugar, se submete a fazer o trabalho daqueles que foram mandados embora ou forçados a se aposentar. Em termos de mudança de relação social na família em função das transformações do trabalho, meu objetivo tem sido sempre desvincular totalmente esses mundos. Ou seja, em casa, eu sou quem sou e no trabalho sou o que preciso ser para manter-me competitivo nesse mundo de valorização do lucro acima de tudo. Na concretude da vida, é essa a forma que utilizo para atingir a almejada felicidade.(engenheiro automação, entrevista em dezembro de 2004) No que se refere às relações de poder os depoimentos mostram que as formas de autoridade e dominação põem às claras a questão cultural. A cultura mineira e japonesa, desenvolvida na experiência USIMINAS, tinha como método de dominação o corporativismo e o senso de responsabilidades associados a princípios de lealdade à

8 empresa e foram fortemente internalizados pela experiência da fábrica com vila operária. No processo de incorporação da COSIPA pela USIMINAS essas relações se tornaram complexas pela diferença de experiências vividas, e mostram que os processos de ressignificação das novas condições materiais de vida estão alterando os antigos costumes e sendo reelaborados no plano das necessidades e interesses, orientando de forma defensiva as suas ações. Os relatos dos trabalhadores das duas empresas, no âmbito da experiência, mostram que a adesão e resistência se desenvolvem a partir das identidades forjadas no período em que elas eram estatais, e que, fundidas no processo de reestruturação, elucidam as distintas formas de significação dos trabalhadores em relação ao modelo autocrático da empresa taylorista em processo de reestruturação produtiva. Embora a percepção dos ritmos acelerados e as demandas por participação no processo de trabalho sejam igualmente sentidas como estressantes, o padrão de dominação implementado a partir da fábrica com vila operária, ao eliminar formas de oposição à maneira de compreender a gestão empresarial e de implementar a inovação, possibilitou resultados satisfatórios pois ela vem sendo internalizada pelos trabalhadores da USIMINAS sob a forma de coisa da siderurgia moderna e percebida pelos trabalhadores da COSIPA como gestão de maior objetividade e de condutas homogêneas, constatadas nos depoimentos; parece que todos estudaram na mesma escola e são mais objetivos. Além disso, contrapostas à politização da gestão da COSIPA pelo Estado, a gestão USIMINAS é percebida como condição de estabilidade:...hoje temos um rumo, uma diretriz comum não vulnerável às marés políticas. Essas experiências, vividas como sentimentos e lidadas na cultura como relações familiares e pessoais, põem em evidência a precarização como categoria que, além de ser intrinsecamente histórico-concreta, é multidimensional, uma vez que precariedade não é só apenas do trabalho, mas dos modos de vida e da reprodução social.os valores não são pensados, nem chamados; são vividos, e surgem dentro do mesmo vínculo com a vida material e as relações materiais em que surgem as idéias. As expectativas são aprendidas no hábito de viver e, em primeiro lugar, na família, no trabalho e na comunidade imediata. (Thompson,1981, p ) O que se constata é a força histórica das diferentes culturas que, em contextos concretos, promoveram o reconhecimento, a submissão a obediência e também a

9 resistência que se apresentaram através de critérios de inteligibilidade dados pelas condições e pelo trajeto da própria vida desses trabalhadores. A presença do cotidiano, das condições de vida e trabalho que reintroduz o simbólico como representação e significado, puseram em evidência como ato vivo, a heterogeneidade nas experiências de proletarização desse especifico coletivo de trabalhadores que não é vinda de processos de trabalho distintos, mas sim de formas de disciplinamento e organização distintas, que se juntaram às noções específicas de hierarquia da própria noção de trabalho. Heterogeneidade, vinda do caráter regional e particular da criação de cada empreendimento industrial, cuja dominação dependia da forma como proletarizavam seus trabalhadores incluindo a exploração da força de trabalho familiar, que se proletariza em conjunto, no modelo com fábrica de vila operária. Essa experiência de luta, não se organiza dentro de associações, ligas ou sindicatos que no passado estruturavam as reivindicações, mas apenas na unidade fabril onde formam uma prática política que tenta ser a expressão do existir cotidiano e propõem,simultaneamente, a dimensão do próprio significado das experiências comuns, isto é, propõem a interpretação da sua própria dominação. Bibliografia BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Alguns Aspectos no Processo de Privatização de Empresas Siderúrgicas: versão preliminar. Rio de Janeiro BRAGA, Tânia Moreira. Política Ambiental, Conflito e Produção Social do Espaço Sob o Signo da Mono Indústria: Um Estudo de Caso sobre Ipatinga (MG). Diamantina: IX Congresso sobre Economia Mineira HELOANI, Roberto. Gestão e Organização no Capitalismo Globalizado. São Paulo: Atlas IBS, Instituto Brasileiro de Siderurgia. Princípios e Políticas. Rio de Janeiro, 2001/2003 OLIVEIRA, Vanessa C.Parreiras de. Reconfiguração da Indústria Siderúrgica no Estado de Minas Gerais nos anos 90 e a Evolução do nível de Emprego e das Relações de Trabalho no Setor. São Paulo: Relatório Setorial DIEESE/CESIT n THOMPSON,E.P. Tradición, Revuelta Y Consciência de Classe. Barcelona: Crítica,1979.

10 .A Miséria da Teoria ou um planetário de erros. Rio de Janeiro Zahar A Formação da Classe Operária Inglesa.v.II. Comunidade. Lazer e Relações Pessoais. Rio de Janeiro: Paz e Terra Costumes em Comum - estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras Entrevistas Valdemir Ribeiro Pinto, brasileiro, 55anos, Gerente de automação, entrevista em 6 de março de Arnaldo Gonçalves, brasileiro, 68 anos, sindicalista, aposentado, entrevista em março de Trabalhadores, técnicos e engenheiros: (2) da laminação, (3) da aciaria, (5) do alto forno, (5) da coqueria, brasileiros, idades entre 25 e 45 anos, entrevistas entre 2003 e 2004.

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

POR QUE LIVRO 1 CRUZAMOS OS BRAÇOS. Coleção

POR QUE LIVRO 1 CRUZAMOS OS BRAÇOS. Coleção Coleção POR QUE CRUZAMOS OS BRAÇOS LIVRO 1 GREVES NO BRASIL (de 1968 aos dias atuais) DEPOIMENTOS DE LIDERANÇAS ÊNIO SEABRA JOSÉ IBRAHIN JOÃO PAULO PIRES VASCONCELOS JOSÉ FRANCISCO DA SILVA LUIZ INÁCIO

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Elias Nunes Júnior, 20 do 10 de 1958. Nasci em Bom Jesus de Itabapoana, interior do estado. FORMAÇÃO Eu sou formado em Ciências Contábeis, tenho Pós em

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA.

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. INTRODUÇÃO Recentemente o Governo Federal, por seu Ministro do Trabalho e Emprego, Ricardo Berzoini, um mineiro de Juiz de Fora

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

Avaliação da Dimensão Política do PROJETO INTEGRAR. I- Considerações Iniciais

Avaliação da Dimensão Política do PROJETO INTEGRAR. I- Considerações Iniciais Avaliação da Dimensão Política do PROJETO INTEGRAR I- Considerações Iniciais No mês de janeiro de 1998, foram realizados vários encontros com os núcleos do Projeto tendo em vista a avaliação de suas atividades

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2 Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1 Boa tarde a todos e a todas! Marina Silva 2 Quero dizer que é motivo de muita satisfação participar de eventos como esse porque estamos aqui para

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

itabira diagnóstico e propostas

itabira diagnóstico e propostas itabira diagnóstico e propostas A CVRD foi constituída, em 1942, a partir de ativos minerários existentes, sobretudo as minas de Itabira. Cauê foi a maior mina de minério de ferro do Brasil As operações

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Humberto Luis de Rodrigues Pereira. São José dos Campos SP. Julho de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Humberto Luis de Rodrigues Pereira. São José dos Campos SP. Julho de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Humberto Luis de Rodrigues Pereira São José dos Campos SP Julho de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Me chamo Humberto Luis de Rodrigues Pereira, tenho cinquenta

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Objetivo geral do projeto O objetivo do projeto Circo-Escola na Bahia é oferecer às crianças e jovens de Serra Grande um espaço privilegiado para que possam desenvolver atividades

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG.

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. ELIANA GARCIA VILAS BOAS* LEANDRA DOMINGUES SILVÉRIO** Ao participar dos debates propostos pela Linha de Pesquisa:

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A SOCIOLOGI 1 Nas democracias modernas, a cidadania se concretiza pelo acesso aos direitos constitucionais. Na sociedade brasileira, o texto da Constituição Federal de 1988 estende os direitos ao conjunto

Leia mais

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário Equívoco 1: O Trabalho Temporário não proporciona segurança no trabalho Em muitos

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

O guia completo da Engenharia: Saiba como escolher o seu curso e se destacar no mercado de trabalho

O guia completo da Engenharia: Saiba como escolher o seu curso e se destacar no mercado de trabalho O guia completo da Engenharia: Saiba como escolher o seu curso e se destacar no mercado de trabalho INTRODUÇÃO Hoje, na FSG, podemos dizer que aproximadamente 85% dos alunos já estão empregados ou realizando

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local.

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local. Relatoria da Oficina de Praia Grande 12 de junho de 2012 A Oficina Desafios para o Desenvolvimento Sustentável de Praia Grande, realizada no dia 12 de julho de 2012, na Associação Comercial de Praia Grande,

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 54 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

estudos Estudos sobre o ator

estudos Estudos sobre o ator estudos Estudos sobre o ator Publicamos agora a primeira parte de uma palestra realizada por Nissim Castiel em 1 de outubro de 2009 sobre os conteúdos trabalhados no PA1. Com isso, propomos aprofundar

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação

Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação Carmine Taralli Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo necessariamente as

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

Pequenas empresas devem ser incluídas no relatório do PPE

Pequenas empresas devem ser incluídas no relatório do PPE Boletim 829/2015 Ano VII 10/09/2015 Pequenas empresas devem ser incluídas no relatório do PPE Expansão do programa. Relator da medida provisória que criou alternativa ao desemprego no País promete acolher

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Chaves

Prof. Dr. Francisco Chaves GESTÃO DE PROJETOS - 1 Escola de Engenharia de Lorena (Depto. Engenharia Química) Prof. Dr. Francisco Chaves chaves@dequi.eel.usp.br Características do Mundo Empresarial Velocidade das mudanças: Impacto

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Educar é ensinar a pensar

Educar é ensinar a pensar Educar é ensinar a pensar Sara Pain A psicopedagoga argentina condena a transmissão mecânica dos conteúdos e conta como trabalha para formar gente capaz de pesquisar e construir seu próprio conhecimento,

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia Prof.: ROBERT OLIVEIRA união européia: a formação do bloco europeu O bloco europeu teve seu início com a formação do BENELUX em 1944, com o intuito de reconstruir a

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores

Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores Artigo 15 Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores As empresas já cortaram custos, fizeram downsizing e todo tipo de reengenharia para melhorar seus resultados. Agora, está na hora começar

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Enquete DÉCIMO TERCEIRO

Enquete DÉCIMO TERCEIRO Enquete DÉCIMO TERCEIRO Uma prática comum entre as empresas do Brasil está no pagamento do décimo terceiro salário. Algumas cumprem, exatamente, o que está previsto na legislação. Outras, mais inovadoras,

Leia mais

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113.

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113. O RURAL E O URBANO 1 - AS DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO 1 Desde o final do século passado, a modernização, a industrialização e informatização, assim como a crescente urbanização, levaram vários pesquisadores

Leia mais

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Marcio Fernando, MAFFEZZOLLI, marcio9191@hotmail.com 1 André Luis Almeida, BASTOS, prof.abastos@gmail.com 2 Centro Universitário

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para Sidnei Possuelo Eu em primeiro lugar queria agradecer a universidade por propiciar esse espaço hoje muito importante, muito importante, porque vivemos realmente uma crise, e esse espaço aqui é um espaço

Leia mais

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010).

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). PITANGA, Carolina Vasconcelos. Resenha do livro Comportamentos em lugares públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). RBSE Revista Brasileira

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AS DIFICULDADES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DOS ALUNOS DE PEDAGOGIA NOS PRIMEIROS

Leia mais

PROJETO DANÇA NA ESCOLA E A RESSIGNIFICAÇÃO DO SABER EM DANÇA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

PROJETO DANÇA NA ESCOLA E A RESSIGNIFICAÇÃO DO SABER EM DANÇA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR PROJETO DANÇA NA ESCOLA E A RESSIGNIFICAÇÃO DO SABER EM DANÇA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Resumo: A educação física escolar na formação do sujeito trata de conteúdos da cultura corporal tais como: jogos,

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

Nossa memória é nossa coerência, nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela, somos nada." Luis Buñuel, cineasta

Nossa memória é nossa coerência, nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela, somos nada. Luis Buñuel, cineasta 1 A HISTÓRIA NA EMPRESA: IDENTIDADES E OPORTUNIDADES Karen Worcman, graduada em História e mestre em Lingüística pela Universidade Federal Fluminense. Fundadora e diretora do Instituto Museu da Pessoa.

Leia mais