Relações de Trabalho, Mudança e Subjetividade Operária na História do Setor Siderúrgico de Cubatão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações de Trabalho, Mudança e Subjetividade Operária na História do Setor Siderúrgico de Cubatão"

Transcrição

1 João Carlos Gomes Relações de Trabalho, Mudança e Subjetividade Operária na História do Setor Siderúrgico de Cubatão Docente. Doutor em História - Universidade Católica de Santos Pesquisador RESUMO Este estudo, parte de minha tese de Doutorado, analisa a partir das ressignificação de valores constituídos pela tradição e pelos costumes, os impactos da reestruturação produtiva na vida dos trabalhadores de duas siderúrgicas brasileiras, a Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais (USIMINAS) e a Companhia Siderúrgica Paulista (COSIPA), empresas que nascem e permanecem sob a administração direta do Estado, por cerca de 35 anos, e quando privatizadas, vivenciam experiências comuns contraditórias, dado que, a primeira, ao se tornar proprietária da segunda, inicia a implementação de mudanças requeridas pela reestruturação, em ambiente de grande turbulência. O tema, no interior da reestruturação produtiva, põe em destaque a heterogeneidade das experiências de proletarização de dois coletivos de trabalhadores que não se apresenta a partir de processo de trabalhos distintos mas sim de formas de disciplinamento e organização do trabalho historicamente constituídas. Palavras chave : reestruturação produtiva, subjetividade, trabalho, siderurgia.

2 Este estudo, analisa a partir das ressignificação de valores constituídos pela tradição e pelos costumes, os impactos da reestruturação produtiva na vida dos trabalhadores de duas siderúrgicas brasileiras, a Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais (USIMINAS) e a Companhia Siderúrgica Paulista (COSIPA), empresas que nascem e permanecem sob a administração direta do Estado, por cerca de 35 anos, e quando privatizadas, vivenciam experiências comuns contraditórias, dado que, a primeira, ao se tornar proprietária da segunda, inicia a implementação de mudanças requeridas pela reestruturação, em ambiente de grande turbulência Trata-se de colocar frente a frente à diversidade de experiências vividas no interior de relações sociais historicamente constituídas, que apontam para distintas formas de se viver situações concretas de dominação. Privilegia-se o cultural como central ao entendimento da dominação, iluminando as diferenças inter e intraclasses sociais que não são mais pensadas a partir de um paradigma unitário. Coloca-se em evidência neste trabalho, as diferenças de ações e reações produzidas por sujeitos históricos que têm emoções,experiências, tradições e valores próprios que os colocam numa relação consigo mesmo, se projetando no tempo. Desta forma, é que se pensa as ações desses dois coletivos de trabalhadores, na medida em que eles desenvolveram práticas próprias e diferentes de reivindicação, agiram politicamente por caminhos diferentes redescobrindo as suas representações simbólicas vividas em sociedade e que se repõe no interior de uma unificação pretendida pelo processo de fusão. A questão específica a ser enfrentada é a da utilização desta perspectiva na reinterpretação histórica das condições de vida e das práticas sociais e políticas desse coletivo de trabalhadores, que se fundem num novo processo de sua proletarização: a reestruturação produtiva. O tema, inserido na problemática das novas determinações estruturais do mundo do trabalho e do capital, no capitalismo global, e suas conseqüências para a vida dos trabalhadores, tem se constituído numa das ocupações mais estimulantes da produção acadêmica mundial e nacional. A transformação siderúrgica, para ser entendida é preciso ser vista como fazendo parte de um processo, que se desenvolve em função da necessidade mundial de diversificação de novos produtos, num contexto de diminuição do consumo, proveniente do decréscimo relativo da participação de bens de fabricação dependente do

3 aço e da mudança do perfil de demanda nos países de renda percapita elevada. Entre 1945 e 1979, a taxa média de crescimento da produção de aço bruto, no mundo, foi de 5%, contudo, a partir de , a produção siderúrgica estabiliza-se de forma permanente gerando um elevado grau de capacidade produtiva ociosa, obrigando a inovações de processos e racionalização das atividades produtivas. Oliveira,(2000). Usinas foram fechadas nos países desenvolvidos, EUA principalmente, e mecanismos de proteção à indústria nacional proliferaram. Na Europa, em 1986, empresas estatais controlavam mais de 50% da produção de aço em dez países: Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Itália, Noruega, Portugal, Reino Unido e Suécia. Em 1997, restava como estatal somente a belga Cockrill-Sambre, que foi adquirida pelo grupo francês Usinor em (BNDES, 1999). Flexibilizar ao máximo a produção, através de novas tecnologias que induziram a racionalização do trabalho pelos novos modelos de gestão, é uma das principais estratégias adotadas pelas siderúrgicas, em nível mundial, para enfrentar a crise, o que redundou num ajustamento gerencial, culminando com uma redução de trabalhadores, pois dos empregos que existiam nos 21 países maiores produtores de aço do mundo em 1974, restaram somente em (Oliveira, 2000, p.24). O Brasil, ao manter-se incorporado no sistema de produção e de financiamento das nações capitalistas hegemônicas acompanha o processo. O ajuste ocorre num ambiente de estagnação econômica e ampliação das desigualdades sociais, onde precarização e empobrecimento se ampliam. Dos trabalhadores empregados no setor brasileiro em 1974 restaram 56827, em 2004.(IBS, 2003, p.23). É nesse contexto que ocorre a aquisição da COSIPA pela USIMINAS. A cultura mineira e japonesa 2, desenvolvida na experiência USIMINAS, tinha como método de dominação o corporativismo e o senso de responsabilidades associados a princípios de lealdade à empresa e foram fortemente internalizados pela experiência da fábrica com vila operária. 1 A produção mundial de aço estabilizou em 732,9 toneladas/ano entre 1978 e 1998 e nesses vinte anos de desaceleração do crescimento, os preços foram deprimidos e os lucros reduzidos proporcionando o acirramento da competitividade entre países e empresas. 2 A USIMINAS,em 1957, junta-se ao capital japonês. É a primeira joint venture da indústria japonesa no mundo ocidental, após a II Guerra Mundial, representada pelo grupo Nippon- USIMINAS Kabushiki Kaisha que, em troca de 40% de participação no capital da USIMINAS, fornece a maior parte dos equipamentos vindos do Japão, além de supervisão na construção da usina.

4 A USIMINAS surge em 1959, estrategicamente no Aglomerado Urbano do Vale do Aço (AUVA), o principal pólo siderúrgico do Estado de Minas Gerais, no município de Ipatinga onde a divisão técnica do trabalho se reflete diretamente na divisão social e na conformação espacial da cidade. Os bairros funcionando separados bairros para profissionais graduados, engenheiros e direção, bairro para chefias, bairro para operadores, bairro para operários não especializados fisicamente distanciados e dotados de padrões diferenciados de moradia, e isso tudo deixa bem claro o lugar de cada qual. (Braga, 2000, p.6). Marcada pela condição de fábrica com vila operária, onde as formas de dominação vão além dos limites fabris, perpassando os lares tanto na tutela do Estado, como na burocracia empresarial, com sua lógica própria de dominação no nível individual, tudo isso tem peso significativo no desenvolvimento das práticas sociais em movimento. Marco Antonio Patrício Carvalho, técnico em eletrônica, 43 anos de idade, 25 anos de USIMINAS, e a serviço na COSIPA em 2005, assim relata: Fui criado numa típica Vila Operária. Havia a rua dos engenheiros (chefes) e as demais ruas dos operários (subalternos).entretanto considero que tive uma infância muito feliz. As relações humanas eram muito intensas, no sentido de que todos se ajudavam,se conheciam, freqüentavam a igreja e o clube. A dinâmica da vida era mais lenta, porém mais consistente. Íamos aprendendo as coisas e absorvendo informações à mediada em que eram necessárias. Era como se a vida desse tempo para que aprendêssemos as lições. O tempo passava mais devagar, ou então, nós não estávamos preocupados com ele. Eu escrevia cartas... Hoje a dinâmica da vida é muito rápida e são tantas informações ao mesmo tempo em que duvido que alguém consiga absorvê-las. Para a gestão atual, a tecnologia é um lugar comum (DVD, , Vídeo game). E acaba se tornando um fim não um meio. Mas acompanhar a velocidade das transformações do mundo é uma questão de sobrevivência no mercado de trabalho. Hoje somos obrigados a decorar normas ISO para atingir as metas estabelecidas pela empresa, sejam elas factíveis ou não. Dizem que é coisa de siderurgia moderna. Observa-se que as relações pessoais e sociais são apropriadas pela lógica da dominação que põe, lado a lado, de forma positiva e ambígua, vantagens e restrições. (Heloani, 2003). Vantagens que a vila operária proporciona aos olhos do trabalhador no sentido de que todos se ajudavam, se conheciam, frenquetavam a igreja e o clube Restrições, expressas na forma de dominação da tecnologia onde: Hoje somos obrigados a decorar normas ISO para atingir as metas estabelecidas pela empresa, sejam elas factíveis ou não.

5 A transformação se apresenta como algo externo ao sujeito, o que lhe permite a crítica, porém ao mesmo tempo a aceitação; dizem que é coisa de siderurgia moderna. A cultura da vila operária pode ser identificada através do poder de mando das gerencias, postos mais altos da organização, sobre seus subordinados. A entrevista realizada com Valdemir Ribeiro Pinto, aposentado da USIMINAS, onde trabalhou de , transferindo-se para a COSIPA como Gerente de automação industrial, desde 1996, esclarece : Havia muito planejamento e metas a cumprir e isso era do conhecimento de todos. O processo de supervisionar e ser supervisionado era intenso e todos se sentiam confortáveis nessa situação.quem trabalhava na USIMINAS era visto como bem sucedido".o uniforme era um símbolo de orgulho. Observa-se que o exercício da autoridade, reflete a personalidade moldada de acordo com a vontade da empresa, o que favorece a formação de identidades autocontroladas. A COSIPA, diferentemente, não tinha vila operária, seus trabalhadores residiam em Cubatão, e Santos, cidades, cuja tradição do movimento operário combativo era muito forte. Na origem estava o sindicato dos metalúrgicos de Santos e suas fortes ligações com o Partido Comunista Brasileiro. Arnaldo Gonçalves 68, presidente do sindicato no período de , esclarece como havia entrado para o partido comunista :...(..), eu comecei a ler alguma coisa do partido, eu era garoto, o meu pai não era do partido, ele era do PTB, mas ele tinha muitos amigos do partido, em 1948 houve uma perseguição muito grande ao pessoal do partido, e ele guardou bastante material do partido em casa, ele escondia em casa para não ser perseguido, aí eu comecei a ler alguma coisa do partido, revistas, jornais eu não me lembro quando entrei para o partido, mas eu era muito novo. (Arnaldo Gonçalves, entrevista em 24/3/2005) Falando dos modos de resistência adotados pelo sindicato, acrescenta: Foi em 68, final de 68 começo de 69, nós criamos o personagem Zé Protesto, foi uma forma de nós darmos um recado para o pessoal porque tinha uma censura muito grande aos jornais do sindicato, então nós criamos aquele personagem na base da brincadeira e nós transmitíamos aos trabalhadores aquilo que nós queríamos dizer porque o editorial, as matérias de fundo do sindicato, dificilmente passariam, nós tínhamos censura grande, o jornal era obrigado a ser apresentado

6 aqui no quartel general do exército e tinha um coronel lá que lia o jornal, censurava, e o Zé Protesto eu acho, que ele não dava muita atenção, achava que era uma brincadeira e passava as coisas do Zé Protesto. (Arnaldo Gonçalves, entrevista em 24/3/2005) O Zé Protesto era um personagem que recebia, transmitia criticava e comentava denúncias, que eram enviadas pelos trabalhadores, em panfletos, no período da revolução de 1964, quando da invasão das tropas do exercito na usina. Se a ação política do sindicato orientava a resistência, dando sentido à identidade desse coletivo, a ação política do Estado objetivada na gestão da empresa, significava um tipo específico de dominação que era vista como negativa, comparativamente à gestão da USIMINAS, pós privatização. Quando me tornei Cosipano em 1988 encontrei uma empresa regada à política. Deputados estaduais mudavam de partido e os chefes de departamento (às vezes até diretores) e tudo abaixo deles também mudava. Esforços de bons relacionamentos cultivados sob uma gestão, de repente, evaporavam-se pois antecipadamente sabia-se que fulano ia rodar e não pegava bem conversar com alguém que era de gerência dele...(...) Quando entrei éramos 13600, as vésperas da privatização éramos Hoje somos O que mudou? Hoje temos um rumo, uma diretriz comum não vulnerável às marés políticas. (Eletricista, 16 anos de empresa, 43 anos, entrevista em 2004) Contraposta a essa cultura, encontramos no depoimento de Valdemir Ribeiro Pinto, trabalhador aposentado da USIMINAS e gerente de automação industrial da COSIPA, desde 1996, subsídios marcantes sobre a cultura da USIMINAS: Essa cultura é muito forte na USIMINAS!! Havia pouca influência política na gestão da empresa, ou seja, os Diretores e Presidentes não eram trocados quando mudava o governo.isso dava estabilidade na vida da empresa. Aqui na COSIPA isso foi diferente por isso eu julgo que o sindicato aqui se tornou muito forte, na USIMINAS não havia greves. (Entrevista em 6 de março de 2003) A introdução da inovação tecnológica no processo produtivo da Cosipa, comandada pelas gerências vindas da Usiminas, implicou em novas demandas para a organização do trabalho, conforme depoimento:: Hoje podemos observar a tensão entre os operadores quando um equipamento será modernizado, podemos observar também o número de empregados com relação a equipamentos automatizados. Com esse aumento de processos automatizados, as solicitações de melhorias e manutenção aumentaram, sendo atendidas por prioridade ou emergência.

7 (entrevista de técnica da área de automação industrial com 3 anos de empresa, dezembro de 2004) A precarização da vida advinda das novas determinações do trabalho é evidente e se constata no depoimento. As ressignificações se desenvolvem num ambiente onde as diferenças culturais se manifestam no interior do processo produtivo, conforme o depoimento: A vinda do pessoal da USIMINAS, parece-me que todos estudaram na mesma escola, o que diferencia é que os novos administradores são mais objetivos; não existe mais o lado político...noto ainda que em momentos de crise na área onde há atrasos na produção, ainda são corriqueiros as terríveis reuniões de passagem de turno, esquema de plantão e outras medidas não tão eficientes..., talvez até pelo próprio processo envolvido, onde o comprometimento de todos deva ser total, assim a cobrança ao funcionário deva ser intensiva, creio que pensem assim. (Trabalhador da laminação 45anos de idade e 27 anos de empresa, entrevista em dezembro de 2004) As diferenças culturais orientam também as resistências: Bom! Eu gosto muito do que faço no alto forno. Sou engenheiro elétrico, porém faço de tudo, mecânica. civil, processo operacional, organizo festas, grêmios, cipeiro, tenho muitos amigos, muita gente gosta de mim devido eu ser do jeito que sou. De 1993 a 2004 muitas mudanças ocorreram, muitos chefes passaram e nós temos que nos moldar ao momento, que nem camaleão. (Engenheiro elétrico, 29 anos de empresa e 45 anos de idade, dezembro de 2004) Não adianta lutar contra a realidade em que estamos inseridos. Adaptar-se e manter-se atualizado tanto técnica quanto socialmente é o segredo para sobreviver. Com isso o primeiro a ser afetado é o trabalhador que para não perder seu emprego, onde para o seu lugar existem pelo menos 3 pessoas desempregadas querendo o seu lugar, se submete a fazer o trabalho daqueles que foram mandados embora ou forçados a se aposentar. Em termos de mudança de relação social na família em função das transformações do trabalho, meu objetivo tem sido sempre desvincular totalmente esses mundos. Ou seja, em casa, eu sou quem sou e no trabalho sou o que preciso ser para manter-me competitivo nesse mundo de valorização do lucro acima de tudo. Na concretude da vida, é essa a forma que utilizo para atingir a almejada felicidade.(engenheiro automação, entrevista em dezembro de 2004) No que se refere às relações de poder os depoimentos mostram que as formas de autoridade e dominação põem às claras a questão cultural. A cultura mineira e japonesa, desenvolvida na experiência USIMINAS, tinha como método de dominação o corporativismo e o senso de responsabilidades associados a princípios de lealdade à

8 empresa e foram fortemente internalizados pela experiência da fábrica com vila operária. No processo de incorporação da COSIPA pela USIMINAS essas relações se tornaram complexas pela diferença de experiências vividas, e mostram que os processos de ressignificação das novas condições materiais de vida estão alterando os antigos costumes e sendo reelaborados no plano das necessidades e interesses, orientando de forma defensiva as suas ações. Os relatos dos trabalhadores das duas empresas, no âmbito da experiência, mostram que a adesão e resistência se desenvolvem a partir das identidades forjadas no período em que elas eram estatais, e que, fundidas no processo de reestruturação, elucidam as distintas formas de significação dos trabalhadores em relação ao modelo autocrático da empresa taylorista em processo de reestruturação produtiva. Embora a percepção dos ritmos acelerados e as demandas por participação no processo de trabalho sejam igualmente sentidas como estressantes, o padrão de dominação implementado a partir da fábrica com vila operária, ao eliminar formas de oposição à maneira de compreender a gestão empresarial e de implementar a inovação, possibilitou resultados satisfatórios pois ela vem sendo internalizada pelos trabalhadores da USIMINAS sob a forma de coisa da siderurgia moderna e percebida pelos trabalhadores da COSIPA como gestão de maior objetividade e de condutas homogêneas, constatadas nos depoimentos; parece que todos estudaram na mesma escola e são mais objetivos. Além disso, contrapostas à politização da gestão da COSIPA pelo Estado, a gestão USIMINAS é percebida como condição de estabilidade:...hoje temos um rumo, uma diretriz comum não vulnerável às marés políticas. Essas experiências, vividas como sentimentos e lidadas na cultura como relações familiares e pessoais, põem em evidência a precarização como categoria que, além de ser intrinsecamente histórico-concreta, é multidimensional, uma vez que precariedade não é só apenas do trabalho, mas dos modos de vida e da reprodução social.os valores não são pensados, nem chamados; são vividos, e surgem dentro do mesmo vínculo com a vida material e as relações materiais em que surgem as idéias. As expectativas são aprendidas no hábito de viver e, em primeiro lugar, na família, no trabalho e na comunidade imediata. (Thompson,1981, p ) O que se constata é a força histórica das diferentes culturas que, em contextos concretos, promoveram o reconhecimento, a submissão a obediência e também a

9 resistência que se apresentaram através de critérios de inteligibilidade dados pelas condições e pelo trajeto da própria vida desses trabalhadores. A presença do cotidiano, das condições de vida e trabalho que reintroduz o simbólico como representação e significado, puseram em evidência como ato vivo, a heterogeneidade nas experiências de proletarização desse especifico coletivo de trabalhadores que não é vinda de processos de trabalho distintos, mas sim de formas de disciplinamento e organização distintas, que se juntaram às noções específicas de hierarquia da própria noção de trabalho. Heterogeneidade, vinda do caráter regional e particular da criação de cada empreendimento industrial, cuja dominação dependia da forma como proletarizavam seus trabalhadores incluindo a exploração da força de trabalho familiar, que se proletariza em conjunto, no modelo com fábrica de vila operária. Essa experiência de luta, não se organiza dentro de associações, ligas ou sindicatos que no passado estruturavam as reivindicações, mas apenas na unidade fabril onde formam uma prática política que tenta ser a expressão do existir cotidiano e propõem,simultaneamente, a dimensão do próprio significado das experiências comuns, isto é, propõem a interpretação da sua própria dominação. Bibliografia BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Alguns Aspectos no Processo de Privatização de Empresas Siderúrgicas: versão preliminar. Rio de Janeiro BRAGA, Tânia Moreira. Política Ambiental, Conflito e Produção Social do Espaço Sob o Signo da Mono Indústria: Um Estudo de Caso sobre Ipatinga (MG). Diamantina: IX Congresso sobre Economia Mineira HELOANI, Roberto. Gestão e Organização no Capitalismo Globalizado. São Paulo: Atlas IBS, Instituto Brasileiro de Siderurgia. Princípios e Políticas. Rio de Janeiro, 2001/2003 OLIVEIRA, Vanessa C.Parreiras de. Reconfiguração da Indústria Siderúrgica no Estado de Minas Gerais nos anos 90 e a Evolução do nível de Emprego e das Relações de Trabalho no Setor. São Paulo: Relatório Setorial DIEESE/CESIT n THOMPSON,E.P. Tradición, Revuelta Y Consciência de Classe. Barcelona: Crítica,1979.

10 .A Miséria da Teoria ou um planetário de erros. Rio de Janeiro Zahar A Formação da Classe Operária Inglesa.v.II. Comunidade. Lazer e Relações Pessoais. Rio de Janeiro: Paz e Terra Costumes em Comum - estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras Entrevistas Valdemir Ribeiro Pinto, brasileiro, 55anos, Gerente de automação, entrevista em 6 de março de Arnaldo Gonçalves, brasileiro, 68 anos, sindicalista, aposentado, entrevista em março de Trabalhadores, técnicos e engenheiros: (2) da laminação, (3) da aciaria, (5) do alto forno, (5) da coqueria, brasileiros, idades entre 25 e 45 anos, entrevistas entre 2003 e 2004.

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Tradução e mercado de trabalho

Tradução e mercado de trabalho Tradução e mercado de trabalho Entrevista com Maria Franca Zucarello, presidente do Sindicato Nacional de Tradutores Angélica Karim Garcia Simão 1 Para o número sobre tradução da revista abehache, julgamos

Leia mais

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação Jairo Martins da Silva FOTOs: divulgação E N T R E V I S T A Disseminando qualidade e cultura Superintendente-geral da Fundação Nacional da Qualidade, Jairo Martins da Silva fala sobre o desafio da qualidade

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família Líder em soluções de TI para governo MOTIVAÇÃO A ação constou do Plano de Ação da 5ª Edição do

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital 8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital Empreender em negócios de marketing digital seguramente foi uma das melhores decisões que tomei em minha vida. Além de eu hoje poder ter minha

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente Joaquim Pedro Valente de Almeida Com quality media press para LA VANGUARDIA www.dva.pt (en construcción) Ver http://www.afia-afia.pt/assoc13.htm

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Título do Case: O papel do Movimento Empresa Júnior na formação de empreendedores que transformam a vida das pessoas Categoria: EJ Empreendedora

Título do Case: O papel do Movimento Empresa Júnior na formação de empreendedores que transformam a vida das pessoas Categoria: EJ Empreendedora Título do Case: O papel do Movimento Empresa Júnior na formação de empreendedores que transformam a vida das pessoas Categoria: EJ Empreendedora Resumo: O Movimento Empresa Júnior (MEJ) brasileiro há mais

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

sm. Ação própria de quem desenvolve um negócio, inovador ou não, que, sentido que o Boa Chance apreende do uso corrente).

sm. Ação própria de quem desenvolve um negócio, inovador ou não, que, sentido que o Boa Chance apreende do uso corrente). 1 Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Disciplina: i Inovação e Empreendedorismo Jornal O Globo Caderno Boa Chance Domingo, 23 de março

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão Se m e s t re A r ua de José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão Se m e s t re A r ua de José Ricardo Moreira 2- Literatura, Leitura e Reflexão 2- ano o Se m e s t re A r ua de s o n s o d o t José Ricardo Moreira PEI_LLR_2ano_2S_H1.indb 1 12/06/2012 18:18:06 Capítulo 1 A sua rua tem calçada? A minha tem! A sua

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

VOCÊ EM CONEXÃO COM O MERCADO DE TRABALHO. Claudia Veras Jordana Feltrin

VOCÊ EM CONEXÃO COM O MERCADO DE TRABALHO. Claudia Veras Jordana Feltrin VOCÊ EM CONEXÃO COM O MERCADO DE TRABALHO Claudia Veras Jordana Feltrin Nossa busca é construir uma empresa onde trabalho e qualidade de vida andem juntos. HISTÓRICO Fundada em setembro de 1993 Matriz:

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 54 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores

Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores Artigo 15 Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores As empresas já cortaram custos, fizeram downsizing e todo tipo de reengenharia para melhorar seus resultados. Agora, está na hora começar

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx...

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx... Casos de Sucesso A Cyrela está completamente focada no pós-venda e a utilização do Microsoft Dynamics 2011 só reflete mais um passo importante na busca pela qualidade do atendimento ao cliente Roberto

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Enquete DÉCIMO TERCEIRO

Enquete DÉCIMO TERCEIRO Enquete DÉCIMO TERCEIRO Uma prática comum entre as empresas do Brasil está no pagamento do décimo terceiro salário. Algumas cumprem, exatamente, o que está previsto na legislação. Outras, mais inovadoras,

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

Senhor Presidente. Senhor Presidente,

Senhor Presidente. Senhor Presidente, Intervenção proferida pelo Deputado Clélio Meneses aquando da discussão do Plano e Orçamento para 2012. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais