UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROJETO DE IMPLANTAÇÃO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO DE DOCENTES PARA EDUCAÇÃO BÁSICA Habilitação em Docência nas Séries Finais do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Profissional em Nível Médio Santiago, RS, Fevereiro de 2011.

2 2 SUMÁRIO I - IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Denominação Modalidade Habilitação Regime de Matrícula Regime do Curso Número de Vagas Anuais Situação Legal Currículo Pleno Integralização Turno Carga Horária (disciplinas) Atividades Complementares Prática de Ensino Carga Horária Total Horário de Funcionamento Forma de Ingresso Local Coordenação Base Legal... 5 II - JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE SOCIAL DO CURSO PARA O CAMPUS Base Demográfica Base Legal Base Referencial Objetivos Base Filosófica Base Conceitual Perfil do Profissional Base Organizacional III - ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Estrutura Curricular Planos de Ensino IV - CORPO DOCENTE Núcleo Docente Estruturante V INFRA-ESTRUTURA Biblioteca: recursos materiais, físicos e humanos Quadro Demonstrativo da Ocupação da Área Física Infraestrutura Física e Logística VI PLANEJAMENTO ECONÔMICO FINANCEIRO... 39

3 3 Instituição: Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI. Mantenedora: FURI Fundação Regional Integrada Reitoria Reitor: Luiz Mario Spinelli Pró-reitora de Ensino: Rosane Vontobel Rodrigues Pró-reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação: Giovani Palma Bastos Pró-reitor de Administração: Clóvis Quadros Hempel Campus de Erechim Diretor Geral: Paulo José Sponchiado Diretora Acadêmica: Elisabete Maria Zanin Diretor Administrativo: Paulo Roberto Giollo Campus de Frederico Westphalen Diretor Geral: César Luis Pinheiro Diretora Acadêmica: Silvia Regina Canan Diretor Administrativo: Nestor Henrique De Cesaro Campus de Santo Ângelo Diretor Geral: Maurílio Miguel Tiecker Diretora Acadêmica: Neusa Maria John Scheid Diretor Administrativo: Gilberto Pacheco Campus de Santiago Diretor Geral: Francisco Assis Gorski Diretora Acadêmica: Michele Noal Beltrão Diretor Administrativo: Jorge Padilha dos Santos Extensão de São Luiz Gonzaga Diretora Geral: Sonia Regina Bressan Vieira Extensão de Cerro Largo Diretor Geral: Edson Bolzan Departamento de Ciências Humanas Edite Maria Sudbrack

4 4 I - IDENTIFICAÇÂO DO CURSO 1.1 Denominação Programa Especial de Formação Pedagógica para Portadores de Diploma de Educação Superior 1.2 Modalidade Graduação/licenciatura 1.3 Habilitação Docência nas Séries Finais do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Profissional em Nível Médio 1.4 Regime de Matrícula Especial 1.5 Regime do Curso Por créditos 1.6 Número de Vagas Anuais 50 vagas por turma 1.7 Situação Legal Processo de Implantação na URI/STGO 1.8 Currículo Pleno Integralização 18 meses - mínimo: 1 ano máximo: 2 anos 1.10 Turno Noturno/Diurno 1.11 Carga Horária (disciplinas) 330 h 1.12 Atividades Complementares

5 5 40h 1.13 Prática de Ensino 300 horas 1.14 Carga horária total do curso 670 horas 1.15 Horário de Funcionamento Horário Especial 1.16 Forma de Ingresso Processo Seletivo 1.17 Local Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Campus de Santiago Rua Antonio Bonotto Sobrinho, S/N Bairro São Vicente Santiago-RS 1.18 Coordenação Rosangela Montagner 1.19 Base Legal Inciso II do art. 63 da Lei 9.394/96 Res. CNE nº 2/97 Res. CEB nº 2/98, n 3/98 e n 4/99 Decreto n 2.208/97 Resoluções 210 e 243/CUN/2000

6 6 II - JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE SOCIAL DO CURSO PARA O CAMPUS Na explicitação da organização didático-pedagógica, situou-se a proposta sob os seguintes eixos: base demográfica; base legal; base referencial; base filosófica; base conceitual; base organizacional. 2.1 Base Demográfica A URI Campus de Santiago constitui-se em uma unidade da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões RS que é uma instituição multicampi, comunitária, reconhecida pela Portaria nº 708, de 19 de maio de 1992, com sede e administração superior na cidade de Erechim, estado do Rio grande do Sul, sendo mantida pela Fundação Regional Integrada, entidade de caráter técnicoeducativo-cultural, com sede e foro na cidade de Santo Ângelo, Rio Grande do Sul, CGC , e goza de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, obedecendo ao princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. A URI, que preliminarmente efetuou a fusão patrimonial pelo Parecer CFE 471/90 e viu aprovado seu reconhecimento através da Portaria nº 708/92, de 19/05/92, tem em Santiago um dos seus seis (06) municípios em que atua. O município sede da Unidade da URI - Santiago está assentado na Região Centro-oeste do Estado do Rio Grande do Sul e, pelo critério das micro-regiões do IBGE, 1990, o município de Santiago integra a mesorregião Centro-Oeste da qual faz parte como Microrregião 17, a região do Vale do Jaguari. Santiago é um dos municípios que integra o Conselho Regional de Desenvolvimento do Vale do Jaguari (COREDE), sendo, inclusive, o município sede desse Conselho. A área de abrangência de atuação da URI Campus de Santiago apresenta os seguintes indicadores 1 : MUNICÍPIO POPULAÇÃO CENSO 2010 Área da Unidade Territorial KM2 PIB 2008 PIB Per capita a preços correntes Matrícula Ensino Fundamental 2009 Matrícula Ensino Médio 2009 Alegrete , Bossoroca , Cacequi , Capão do , Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), disponível no endereço: Dados compilados por MONTAGNER, Rosangela

7 7 Cipó Itacurubi , Itaqui , Jaguari , Jari , Jóia , Júlio de , Castilhos Maçambará , Manoel , Viana Mata , Nova , Esperança do Sul Quevedos , Santa Maria , Santiago , Santo , Antônio das Missões São Borja , São , Francisco de Assis São Pedro , do Sul São Vicente , do Sul Toropi , Tupanciretã , Unistalda , Uruguaiana , TOTAL Base Legal O Programa Especial que se projeta objetiva oferecer aos portadores de diploma de nível superior, formação pedagógica para a docência no ensino fundamental e médio e na educação profissional de nível médio, à luz da LDB - Art. 63, II e das Resoluções CEB n 2/98, n 3/98 e n 4/99, que instituem, respectivamente, as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental, para o Ensino Médio e para a Educação Profissional de nível Técnico, a par do Decreto n 2.208/97, que regulamenta o 2 do Art. 36 e os Arts. 39 a 42 da Lei n 9.394/96. de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes da educação nacional. Pauta-se, igualmente, pelas Resoluções 210 e 243/CUN/2000. Destina-se, outrossim, a suprir a falta de professores habilitados em

8 8 determinadas disciplinas do ensino médio. O curso em questão norteia-se pela Res. 2/97, do Conselho Nacional de Educação, na perspectiva de assegurar um tratamento amplo e a incentivar a integração dos conhecimentos necessários à formação de professores, balizado pelos eixos contextual, estrutural e integrador. Neste sentido, há que se considerar a compreensão do processo ensinoaprendizagem em relação à prática da escola, articulando-a ao conjunto das relações intra e extra-escolares. De igual forma, o núcleo estrutural sinaliza para a abordagem dos conteúdos curriculares, sua organização, avaliação e interdisciplinaridade. Sob este vértice, considera-se, como ponto de partida, o fato de que todos os conhecimentos necessitam dialogar entre si, haja vista que as disciplinas são apenas recortes das diferentes áreas do conhecimento e não esgotam, isoladamente, a compreensão da totalidade dos fatos físicos e sociais, mas complementam-se através das interações que desenvolvem. Propõe, outro tanto, o enfoque dos problemas concretos enfrentados pelos alunos na prática de ensino, no planejamento e organização do trabalho escolar, considerando diferentes marcos conceituais e projetos multidisciplinares. O curso que se projeta prevê relação estreita entre teoria e prática, na integração de elementos para o desenvolvimento de conhecimentos e habilidades necessárias à docência. Esta proposta está em consonância com as diretrizes para o Ensino Fundamental (Res. CEB n 02/98), observando seus pressupostos. De igual forma, atenta para o Decreto 2208/97 e sua doutrina com relação à educação profissional, no sentido de promover a transição entre a escola e o mundo do trabalho, especializando e aperfeiçoando conhecimentos de jovens e adultos, além de contemplar estratégias de educação continuada. A iniciativa de oferecer formação pedagógica aos portadores de Diploma de Educação Superior está ancorada também na Res. CEB n 03/98, que institui os princípios, fundamentos e procedimentos relativos à organização curricular do Ensino Médio. Neste sentido, estão presentes interesses de ordem social, cidadania, bem como a democracia, ao tempo em que contemplam os vínculos familiares, a solidariedade e a tolerância. Na organização curricular do Programa de Formação Pedagógica para portadores de Diploma de Educação Superior, tem-se presente a observância da interdisciplinaridade enquanto possibilidade de diálogo entre as áreas do conhecimento, visto que nenhum componente curricular, isoladamente, dá conta de esgotar a complexidade da realidade física e social. O curso é balizado, ainda, pela idéia da contextualização, na qual o conhecimento é transposto da situação em que foi criado, inventado ou produzido,

9 9 para (...) a prática ou a experiência do aluno (Art. 9, Inciso I - Res. CEB n 03/98). Concretiza-se, pois, a relação teoria-prática. É finalidade também do curso supracitado, a preparação do docente para o ensino profissionalizante. Nesta ótica, tem-se, como parâmetro de organização das atividades teórico-práticas, a Res. CEB n 04/99, que institui as Diretrizes para a Educação Profissional de Nível Médio, estabelecendo em seu art. 1º, Parágrafo único: A educação profissional, integrada as diferentes formas de educação, ao trabalho, à ciência e à tecnologia, objetiva garantir ao cidadão o direito permanente do desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva e social. 2.3 Base Referencial Inserida no contexto geográfico cultural do Alto Uruguai e das Missões, a URI - Universidade Regional Integrada, desde a sua criação, tem por meta promover o desenvolvimento regional, investindo constantemente em projetos de pesquisa, de extensão e de criação de novos espaços de atuação. Dessa forma, ao longo dos seus anos de atuação na região, numa relação dialética com a realidade, age e interage com o meio, transformando-o e sendo por ele impulsionada. Sob este vértice, propõe-se a consolidação deste Programa, no entendimento de que o momento histórico em que se planeja o Programa Especial de Formação Pedagógica, configura-se no cenário mundial e da América Latina fortemente marcado por contradições nos diferentes segmentos da atividade humana, no qual a hegemonia de conglomerados econômicos concentram e manipulam o conhecimento, a tecnologia, a ciência, enfim. 0 incremento tecnológico diminui a oferta de empregos, cresce o desemprego estrutural, atingindo a cifra de 1 bilhão de desempregados no mundo todo (FRIGOTTO, 1998). Neste cenário, a chamada flexibilidade do trabalho faz aumentar o número de cidadãos com trabalhos precários ou subempregos. Em face à crise que se instala, redefinem-se as ocupações profissionais e os campos de atuação, o que leva à busca de novas habilidades e espaços de atuação por parte das diversas ocupações profissionais, em especial na área do Magistério. Sob esta ótica, o curso que ora se propugna pretende imprimir também a reflexão trabalho x educação, para além do mero treinamento, fornecendo elementos de formação técnica, política, cientifica e cultural. A criação e implantação do curso mencionado apoia-se no Art. 63, inciso III, alínea e, da nova LDB, na Resolução n 2/97 que dispõe sobre os Programas Especiais de Formação Pedagógica de Docentes para as disciplinas do currículo do Ensino Fundamental - séries finais, do Ensino Médio e da Educação Profissional em Nível Médio. A oferta desta modalidade de ensino vale-se da experiência exitosa proporcionada por ocasião do desenvolvimento do Curso Superior de Formação de Professor de Disciplina Especializada no Ensino Médio (Esquema I), reconhecido de acordo com a legislação vigente na época, através de Portaria n 16 1/97, aprovado em 26/2/97.

10 10 Esta iniciativa se apóia, sobretudo, nas duas décadas de práticas voltadas à formação de professores, seja através de cursos de Licenciatura, seja através de Programas de Formação Continuada, implementados na Região Norte do RS e Oeste de SC. De igual forma, balizam a oferta deste Programa Especial de Formação Pedagógica, os seguintes pressupostos: - que as profundas e rápidas transformações do processo produtivo ensejam respostas ágeis das agências formadoras, no sentido de que a formação e a atuação profissionais passam a se constituir num único processo; - que o novo perfil profissional está a exigir formação global, que instrumentalize para a reflexão sobre o mundo, o trabalho em equipe, entre outros atributos necessários à empregabilidade; - que o novo paradigma produtivo exige ênfase na formação continuada para fazer frente aos desafios do mundo contemporâneo, no qual a educação permanente é fator decisivo para produtividade e empregabilidade; - a sondagem-diagnóstico realizada na região de abrangência da URI aponta e sinaliza para a necessidade de oferta do referido curso, haja vista a demanda existente bem como a existência de Cursos Técnicos com disciplinas que permitem a realização das Práticas de Ensino em classes das séries finais do ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Profissionalizante para os Estágios Supervisionados previstos. - Ademais, a existência na Região de abrangência de atuação da URI- Santiago de Institutos Federais em São Vicente do Sul, Alegrete, Júlio de Castilhos e São Borja, com cursos técnicos em Informática, Vendas, Agropecuária, Zootecnia, Agricultura, Sementes, Alimentos, Secretariado, Biocombustíveis, Agroindústria, Comércio, etc; de Escolas Técnicas, com as mais variadas culturas como agricultura, horticultura, fruticultura, suinocultura, ovicutura, avicultura, piscicultura, apicultura; das Escolas CNEC, com Cursos de Técnico em Contabilidade, Tecnólogo em Administração, Eletrotécnica e Telecomunicações; a Escola da URI/Santiago, com os cursos Técnicos em Farmácia, Enfermagem, Moda e Estilo, Informática; do SEG, com os Cursos Técnicos em Segurança do Trabalho, Radiologia, Enfermagem, Secretariado, etc... Todos esses cursos e a necessidade de profissionais habilitados ligados às áreas técnicas para as atividades docentes, sinalizam para a existência destes candidatos potenciais ao referido programa; - o perfil comunitário da URI, que atenta às problemáticas regionais, busca constituir alternativas de melhoria da qualidade de vida de sua gente; À luz deste quadro referencial, apresentam-se os objetivos do Curso. 2.4 Objetivos O Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes, Ênfase nas Séries Finais do Ensino Fundamental, Ensino Médio e na Educação Profissional em

11 11 Nível Médio, destina-se a suprir a falta de professores habilitados em determinadas disciplinas e localidades, em caráter especial, objetivando: - compreender o processo ensino-aprendizagem referido à prática escolar, tanto no âmbito das relações escolares quanto das relações com o contexto imediato e geral onde a escola se insere; - oportunizar situações que ensejem o Planejamento e Avaliação do processo ensino-aprendizagem, na perspectiva da articulação entre a formação técnicocientífica com a pedagógico-humanístico-crítica, a fim de responder ao atual contexto da educação brasileira; - proporcionar estreita e concomitante relação entre teoria e prática enquanto suportes para o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias à docência. 2.5 Base Filosófica Crescimento sempre foi um item constante na história das populações que habitam a Região do Alto Uruguai e Missões. Assim como os primeiros habitantes dessa região e do país - os Índios, a população imigrante que povoou tal espaço teve que plasmá-lo, desbravá-lo e extrair do seu contexto um mundo melhor. Nesse sentido, a qualidade de vida sempre esteve em pauta. Cada passo dado vinha e vem, ainda hoje, ao encontro desse ideal. Esta tarefa, sabe-se, é árdua, pois não se tem qualidade de vida quando uma parte do todo não usufrui ou não tem direito a ela. Nesse sentido, a população do Alto Uruguai e Missões buscou o caminho mais correto para atingir seu objetivo: a educação. Unindo-se, três fundações deram origem a uma instituição de Ensino Superior, a URI, uma universidade caracterizada por ser comunitária, pois tem sua origem marcada na resposta aos desejos, necessidades e expectativas da população local, que, ainda, indica os caminhos a serem seguidos pela comunidade acadêmica; democrática, pois não defende ou pertence a pessoas ou grupos que participam de sua gestão; associativa e cooperativa, pois ao realizar operações em parceria tem sempre em mente atender às necessidades locais e ao bem comum. A Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões é, portanto, uma Instituição de Ensino Superior, mantida pela Fundação Regional Integrada, constituída sob a forma multicampi. Cada Campus é uma sede acadêmica com direção própria, constituindo uma administração descentralizada, atuando em quatro Campi e duas Extensões: Campus de Erechim Campus de Santo Ângelo Campus de Frederico Westphalen Campus de Santiago Extensão de Cerro Largo Extensão de São Luiz Gonzaga

12 12 A URI, através de suas diferentes unidades, tem como missão formar pessoal ético e competente, inserido na comunidade regional, capaz de construir o conhecimento, promover a cultura, o intercâmbio, a fim de desenvolver a consciência coletiva na busca contínua da valorização e solidariedade humanas (Plano de Desenvolvimento Institucional, 2003/2007). Enquanto princípios de gestão, a URI pauta-se pela ética, co-responsabilidade, formação e desenvolvimento humano competente. Assim colocada a questão, o Programa de Formação Pedagógica para Portadores de Diploma de Educação Superior reforça a concepção de escola voltada para a construção de uma cidadania consciente e ativa, que ofereça aos alunos as bases culturais que o posicionem frente ao mundo do trabalho e ao mundo sociopolítico. O professor, enquanto profissional do ensino, tem a tarefa de mediar a aprendizagem dos alunos, atentando para a diversidade pessoal, social e cultural. 2.6 Base conceitual O marco conceitual desta proposta vincula-se a um conjunto de competências em consonância com a legislação vigente e as Diretrizes para a Formação de Professores (MEC, fev. 2001), deixando antever referências aos valores da sociedade democrática; à compreensão do papel social da escola, ao domínio de conteúdos e de conhecimento pedagógico; ao conhecimento de processos de investigação que possibilitem o aperfeiçoamento da prática pedagógica; ao gerenciamento de seu desenvolvimento profissional, em seus diferentes âmbitos; à organização das instituições em seu processo de planejamento e gestão; aos processos de inter-relação pessoal. Entende-se que as competências e habilidades não devem apenas ater-se às necessidades do mercado, mas fornecer subsídios à intervenção social na construção da cidadania. Nesta perspectiva, definem-se competências que passam pelo domínio de conhecimentos científicos para o desenvolvimento do trabalho pedagógico com base na relação teoria-prática; pela capacidade de pensar, coordenar, propor, orientar o trabalho pedagógico; pelo político-social, destacando o fato de que a prática está vinculada a um contexto mais amplo da sociedade e da escola; pela competência e habilidade de inter-relacionamento entre seres sociais numa dinâmica afetiva (Kuenzer, 1998). Circunstanciadas nesta ótica, a construção do profissional da educação situase além do ensinar-aprender, mas vincula-se a um macrocontexto socioeducacional, na perspectiva da formação do cidadão em sua globalidade. Enquanto postura metodológica, postula-se uma proposta que considere o ensino como mediação para a aprendizagem ativa do aluno, na construção e reconstrução do conhecimento que encare a escola como lugar do diálogo interdisciplinar e multidisciplinar, visualizando a sala de aula como processo comunicacional. Integram as questões metodológicas as novas tecnologias da

13 13 comunicação e da informação, o respeito à diversidade cultural, à vivência da dimensão ética, da solidariedade, justiça e democracia. O Fazer Pedagógico, que se preceitua, tem, também, como balizador, a atualização cientìfica, tecnológica e cultural. No que concerne à Avaliação, a proposição é de uma avaliação emancipatória, enquanto processo que acontece de forma contínua e progressiva. O compromisso do fazer avaliativo é a aprendizagem, facultando os alunos/professores a avançarem, aprofundarem ou refazerem sua trajetória de sujeitos aprendentes/ensinantes, ensinantes/aprendentes. 2.7 Perfil do Profissional Os itens anteriores deixam antever que o profissional que se pretende formar, além do empenho para ajudar seu aluno a APRENDER A APRENDER, esteja apto e seja comprometido com o processo ensino-aprendizagem, com vistas a reconhecer e trabalhar competências e habilidades inerentes ao Ensino Fundamental - séries finais, ao Ensino Médio e à Educação Profissional, embasado em objetivos como segue: a) No Ensino Fundamental: desenvolvimento da capacidade de aprendizagem; domínio da leitura, da escrita e do cálculo; compreensão: do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia e das artes, dos valores fundamentais da sociedade; fortalecimento dos vínculos da família, da solidariedade humana e da tolerância recíproca. b) No Ensino Médio: consolidação e aprofundamento de conhecimentos; preparação básica para o trabalho, para a cidadania e para continuar aprendendo, para adaptar-se a novas condições de ocupação de aperfeiçoamentos posteriores; formação ética; desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos, dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática no ensino de cada disciplina. c) Na Educação Profissional: evidenciar seu vínculo ao processo produtivo; trabalhar as competências, segundo a ÁREA PROFISSIONAL (ou Áreas) da Escola (Res. 04/99); enfatizar a importância de uma boa educação de caráter geral para um TÉCNICO. Enfim, um educador capaz de construir uma vinculação dialética com o meio que condiciona o fluir de uma carreira e de, com seu aluno, intercambiar o saber e o saber-fazer, como ponto principal para constituir o saber ser. 2.8 Base Organizacional O Programa Especial de Formação Pedagógica para Portadores de Diploma de Educação Superior, com ênfase nas Séries Finais do Ensino Fundamental, no Ensino Médio e na Educação Profissional em Nível Médio, orienta-se pelo Inciso II, do Art. 63, da Lei 9394/96 e pela Resolução CNE 02/97.

14 14 São oferecidas 50 (cinqüenta) vagas para o Campus de Santiago com a carga horária total de 670 horas, conferindo Certificado de Licenciatura Plena. O currículo está organizado sob três núcleos: o núcleo contextual, estrutural e o integrador. A organização estabelece o Plano de Estagio Supervisionado e Prática de Ensino, a qual perpassa todas as atividades do Curso, totalizando 300 horas. A organização curricular encontra-se melhor explicitada nos itens a seguir.

15 15 III - ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Prática de Ensino: 300 horas Prazo de Integralização Curricular: mínimo: 1 ano / máximo: 2 anos Horário de Funcionamento: Noturno/Diurno Estrutura Curricular: O currículo está articulado nos seguintes núcleos: 1) Núcleo Contextual: 150 h; 2) Núcleo Estrutural: 180 h; 3) Núcleo Integrador: 300 h; 4) Atividades complementares: 40h. Total: 670 horas. Carga horária para Estágio: Ter cursado, no Bacharelado, 180 h na disciplina Objeto de Prática de Ensino. Regime de matrícula: Especial 3.1 ESTRUTURA CURRICULAR Núcleo Contextual: Visa à compreensão do processo ensino-aprendizagem referido à prática da escola, considerando os intervenientes psicológicos, sociais, econômicos, culturais e filosóficos e sua relação com o contexto da aprendizagem e da escola. Código Disciplina Créditos CH Prática de Ensino Psicologia da Educação Sociologia da Educação Filosofia da Educação Política Educacional e Organização da Educação Brasileira I LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) Sub-Total Núcleo Estrutural: Aborda conteúdos curriculares, sua organização seqüencial, avaliação e integração com outras disciplinas e metodologia da disciplina em pauta. A Disciplinas da Base Comum: Código Disciplina Créditos CH Prática de Ensino Didática I Instrumentalização para o Ensino Específico Sub-Total B Disciplinas da Educação Profissional:

16 16 Código Disciplina Créditos CH Prática de Ensino Metodologia do Ensino Médio Sub-Total Núcleo Integrador: Centrado na Prática de Ensino, assegura o estudo e a aplicação das ações de docência, a partir de diferentes perspectivas teóricas, por meio de projetos multidisciplinares e interação entre disciplinas. Código Disciplina Créditos CH - Presencial / Extra Classe Prática de Ensino I 08* 30 / Prática de Ensino II 12** 45 / 135 Sub-Total Total h * Na Prática de Ensino I, o aluno deverá cumprir 8 créditos, sendo que estes compreendem 30 h presenciais na instituição formadora e 90 h em atividades extraclasse. ** Na Prática de Ensino II, o aluno deverá cumprir 12 créditos, sendo que estes compreendem 45 h presenciais na instituição formadora e 135 h em atividades extraclasse (Estágio Supervisionado). A prática de Ensino I e II consiste na aplicação de conhecimentos construídos no decorrer do curso, operacionalizados em momentos de observação, planejamento, docência, registro e avaliação das ações. Terá a duração de 300 (trezentas) horas e será realizada em classes, escolas e/ou instituições de Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Profissional, prevendo a seguinte organização, quanto à distribuição da carga horária: NÚCLEO CONTEXTUAL NÚCLEO ESTRUTURAL NÚCLEO INTEGRADOR CURRÍCULO PLENO Código Disciplina CH CR Psicologia e Educação Sociologia da Educação Filosofia da Educação Política Educacional e Organização da Educação Brasileira I LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) Didática I Instrumentação para o Ensino Específico Metodologia do Ensino Médio Prática de Ensino I Prática de Ensino II PLANOS DE ENSINO

17 17 Disciplina: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 30h CRÉDITOS: 02 EMENTA: Aprofundamento e análise das bases psicológicas do processo educativo, concentrando-se no estudo da identidade biopsicossocial do adolescente e do adulto à luz da psicologia evolutiva. OBJETIVO: Identificar e discutir a problemática da Psicologia da Adolescência e da vida Adulta, em seus aspectos de Ajustamento e Desenvolvimento, em sua dimensão biopsicossocial, com relação à crise de identidade do jovem e maturidade psicossocial do Adulto. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CARACTERIZAÇÃO E IDENTIDADE BIOPSICOSSOCIAL DO ADOLESCENTE E DO ADULTO 2 EPISTEMOLOGIA DO CONHECIMENTO 2.1 Processo evolutivo do conhecimento 3 TEORIAS DA APRENDIZAGEM 3.1 Apriorismo, Cognitivismo, Sócio-Interacionismo e Empirirsmo SEMINÁRIOS INTEGRADORES METODOLOGIA - Aula expositivo dialogada; - Seminários; - Trabalho individual e trabalho em grupo. AVALIAÇÃO - Leitura e fichamento de um livro; - Participação em aula e nos seminários; - Uma prova individual; - Auto-avaliação. BIBLIOGRAFIA BÁSICA REGO, Tereza Cristina. Vygotsky, Uma perspectiva histórico e Cultural da Educação. Petrópolis: Vozes, PIAGET, Jean. A epistemologia genética. In: Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotski Aprendizado e desenvolvimento. Um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR GOTTMAN, John. Inteligência emocional e a arte de educar nossos filhos. Rio de Janeiro: Objetiva, ROSA, Merval. Psicologia evolutiva: problemática do desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, VYGOTSKY, Lev Semenovich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: leone, PISANNI, Braghiolli, Elaine Maria e outros. Psicologia Geral. Petrópolis: Vozes, LA TAYLLE, Yves, Piaget, Vygotski, Wallon. Teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, GOULART, Iris Barbosa. Psicologia da Educação. Fundamentos Teóricos Aplicações à Prática Pedagógica. Petrópolis: Vozes, DISCIPLINA: SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 30h / CRÉDITOS: 02

18 18 EMENTA: A Educação como prática social determinada no tempo e no espaço. Fundamentos teórico-críticos da relação entre sociedade e educação, à luz dos paradigmas do consenso e do conflito. OBJETIVOS Objetivo Geral - Considerando a educação como prática social determinada no tempo e no espaço, a disciplina visa ao estudo crítico da relação entre sociedade e educação, à luz dos paradigmas metodológicos do consenso e do conflito e seus respectivos enfoques teóricos, explicitando suas implicações para a educação brasileira. Objetivos Específicos - Proporcionar ao grupo de acadêmicos condições para: - a compreensão da educação como prática social superestrutural; - a análise da escola na sociedade capitalista como instituição social controladora do processo educativo, reprodutora das condições sociais de gentes e lugar de inculcação desta ideologia; - o estudo dos paradigmas metodológicos do consenso e do conflito em Sociologia da Educação e seus respectivos enfoques teóricos, analisando as implicações na educação brasileira; - a leitura crítica da sociedade, da educação e da escola e o delineamento de um projeto político pedagógico à educação e à escola brasileira. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 A sociedade e a educação: leitura da realidade e delineamento do projeto político pedagógico à educação brasileira 2 Sociedade e Sociologia da Educação no Brasil 2.1 Sociedade e educação no Brasil 2.2 A Sociologia da Educação no Brasil 3 A sociedade e o processo educativo 3.1 Elementos introdutórios: a educação como objeto de análise da sociologia 3.2 A educação institucionalizada numa visão sociológica 4 Paradigma metodológico do consenso em Sociologia da Educação 4.1 A educação segundo o Positivismo e o Funcionalismo 4.2 Análise das Tendências Pedagógicas Conservadoras em Sociologia da Educação no Brasil 5 Paradigma metodológico do conflito em Sociologia da Educação no Brasil 5.1 A concepção Marxista e neomarxista de educação 5.2 Análise das Tendências Pedagógicas Progressistas em Sociologia da Educação no Brasil 6 A escola na sociedade capitalista e a problemática educacional brasileira. METODOLOGIA - Exposição dialogada das temáticas; - Leitura de textos e obras com roteiro de análise; - Fichamento e análise de textos e obras AVALIAÇÃO Individual e coletivas dos alunos e da professora, contínua e cumulativa, à luz dos objetivos e temáticas da disciplina, pela análise do domínio das mesmas e execução das tarefas programadas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA DURKHEIM, Émile. Educação e Sociologia. 11. ed. São Paulo: Melhoramentos, GADOTTI, Moacir; FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Pedagogia: diálogo e conflito. 4. ed. São Paulo: Cortez, SILVA, Tomaz Tadeu da (org). Teoria educacional crítica em tempos pós-

19 19 modernos. Porto Alegre: Artes Médicas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, GENTILI, Pablo (org). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 2. ed. Petrópolis: Vozes, GOMES, Candido Alberto. A educação em perspectiva sociológica. 2. ed. São Paulo: EPU, MARX, Karl. Sociologia: Karl Marx. 3. ed. São Paulo: s/e, DISCIPLINA: FILOSOFIA DA EDUCAÇÃ0 CARGA HORÁRIA: 30 h CRÉDITOS: 02 EMENTA: Estudo da problemática educacional à luz da reflexão filosófica, enquanto base para discutir a escola, as relações pedagógicas e a cultura. OBJETIVO: Refletir sobre os intervenientes da problemática educativa, a partir da base filosófica. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 O que é educação 1.1 O processo educativo do ser humano 1.2 Relações entre educação e ensino 1.3 Diferença entre educação e ensino 1.4 A formação da consciência 2 Educação e política 2.1 Educação e poder 2.2 A visão de sociedade 2.3 Educação e transformação social 3 Correntes Filosóficas da Educação 3.1 Tendência Conservadora 3.2 Tendência Progressista 3.3 Construção de uma síntese 4 Educação e cidadania 4.1 A escola e a realidade social 4.2 Articulações de diferentes saberes 4.3 O engajamento do educador na formação da cidadania. METODOLOGIA - Leitura; - Seminários; - Pesquisa; - Exposição dialogada; - Análise de textos; - Produção textual. AVALIAÇÃO Critérios: - Responsabilidade; - Assiduidade presença em aula e permanência; - Participação; - Aprofundamento no estudo; - Relacionamento. Instrumentos:

20 20 - Trabalhos individuais: leitura de livros e artigos, análise e exposição, relatórios de práticas, provas. - Trabalhos de grupo: partindo do tema escolhido, ler, aprofundar o assunto, expor para a turma, entregar a análise do trabalho. BIBLIOGRAFIA BÁSICA DEMO, Pedro. Desafios modernos da educação. Petrópolis: Vozes, 1993 e FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997, 1999, 2001, 2002 e LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR DEMO, Pedro. Pobreza Política. São Paulo: Cortez, 1991, 1994 e FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Extensão ou comunicação? São Paulo: Paz e Terra, GADOTTI, Moacir. Pedagogia da práxis. São Paulo: Cortez, DISCIPLINA: POLÍTICA EDUCACIONAL E ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA I CARGA HORÁRIA: 30 h / CRÉDITOS: 02 EMENTA: Estudo do sistema educacional brasileiro, das políticas públicas e privadas e da educação como direito universal. OBJETIVO: Promover e analisar a compreensão de questões referentes à política e à organização do atual sistema educacional brasileiro, enfocando aspectos relacionados a sua lógica, viabilidade e pertinência, diante da atual realidade, estimulando o posicionamento crítico. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO - Estado, Sociedade e Educação no Brasil - Transnacionalização das Políticas Educacionais - Educação como direito Público Universal - LDB e a Educação Básica - aspectos administrativos, didáticos e financeiros - Política Educacional em relação a: financiamento, currículo, formação docente, níveis e modalidade de ensino. METODOLOGIA: Esta disciplina será desenvolvido através de aulas dialogadas, nas quais serão explorados os textos referentes aos diversos aspectos estudados. Além disso, também deverá haver seminários e outras apresentações referentes aos temas estudados. AVALIAÇÃO: Seguindo as normas de avaliação da universidade, serão realizadas, pelo menos, duas atividades para se analisar o grau de compreensão dos alunos acerca dos assuntos trabalhados. Nesse sentido, apresentam-se como possibilidades de avaliação, a realização de artigos, ensaios, apresentações e provas, entre outros. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CARNEIRO, Moaci Alves. LDB fácil: leitura crítica compreensiva, artigo a artigo. Petrópolis/RJ: Vozes, 1998, 2003 e OLIVEIRA, Dalila Andrade. Política e Trabalho na Escola. Belo Horizonte: Autêntica, 1999

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS BÁSICO Câmpus Júlio de Castilhos

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08 PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Matemática MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: Teorias Educacionais e Curriculares CÓDIGO: NPED 03 FASE DO CURSO: 2ª SEMESTRE LETIVO: 2º 2013 CARGA HORARIA SEMESTRAL/

Leia mais

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA Resumo EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO LIMA, Michelle Fernandes UFPR 1 mfernandeslima@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 7º semestre

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 7º semestre EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( )integrado( )subsequente( )concomitante ( ) bacharelado (x)licenciatura( )tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Vendas Integrado PROEJA Turma 1 DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Vendas Integrado PROEJA Turma 1 DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais NOTA TÉCNICA Nº 020/2014 Brasília, 21 de novembro de 2014 Indicador

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO IF BAIANO,

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO IF BAIANO, REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO IF BAIANO, Campus SENHOR DO BONFIM LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO LICENCIATURA EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS (Aprovado em reunião

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha

Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro Universidade de Santiago de Compostela/Espanha TRAJETÓRIA DA PRODUÇÃO E APLICAÇÃO DO MATERIAL IMPRESSO E AUDIOVISUAL DE DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA À DISTÂNCIA DA UDESC Maristela Aparecida Fagherazzi UDESC Ana Maria Ribeiro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: 2015.2

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: 2015.2 PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB EDITAL CURSOS TÉCNICOS Instituto Bondespachense Presidente Antônio Carlos - IBPAC FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB BOM DESPACHO 2013 SUMÁRIO 1 EDITAL... 03 2. HISTÓRICO... 04 3. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS PORTO NACIONAL Av. Tocantins, Loteamento Mãe Dedé, Porto

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 APRESENTAÇÃO A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Vivência da docência em instituições de Educação Infantil. Articulação do conhecimento teórico à prática pedagógica. Vivência das rotinas de cuidado e educação na Educação Infantil. Planejamento

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 62-CEPE/UNICENTRO, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Escolar, modalidade regular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução nº47/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, com

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE ROLIM DE MOURA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE ROLIM DE MOURA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE ROLIM DE MOURA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA PROGRAMA GERAL DO CURSO 1 I IDENTIFICAÇÃO DO COMPONENTE CURRICULAR

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB Reconhecido pela Resolução CEPE n.º 230, de 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Letras com Habilitação em Português e Inglês Disciplina: Estágio Supervisionado I Professor: Joranaide

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFERÊNCIA EM FORMAÇÃO E

Leia mais