Unidade IV. Unidade IV

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade IV. Unidade IV"

Transcrição

1 Unidade IV Unidade IV CUSTOS DOS ESTOQUES Um gestor deve ter visão generalista, enxergando as operações da empresa no mundo, percebendo que nunca terá somente uma regra. Assim, a flexibilidade para lidar com custos será muito importante. A formação de estoques é essencial para atender à demanda. Uma vez que não temos como prever com precisão a necessidade de materiais, a formação de estoque é a peça-chave. O problema é quantificar, saber o quanto comprar. Erros são comuns nesse processo, sejam para mais ou para menos. Por isso, nenhuma das opções seria segura. O objetivo seria o equilíbrio. Mas é necessário observar que a necessidade de manter estoque acarreta uma série de custos às empresas. Há algumas formas diferentes de apurar os custos de manter estoques, tomemos cuidado para não confundirmos com as formas de apuração de custos PEPS (Primeiro que entra, primeiro que sai) e UEPS (último que entra, primeiro que sai), pois esses conceitos levam em consideração os custos de aquisição (mas os estoques precisam ser comprados, e esse departamento gera um custo). A compra gera um recebimento, que envolve custo. Os itens recebidos geram necessidade de espaço para estocagem e temos mais custos nessa operação. Como uma empresa vive em regime de competitividade, a ideia é ter estoques que garantam o atendimento das operações com os menores custos possíveis. Vamos adotar uma definição de Martins (2005), que classifica os custos de manter estoques em três grandes categorias: custos diretamente proporcionais; custos inversamente proporcionais; custos fixos, ou independentes. Os custos totais serão obtidos somando os três custos, e o objetivo é perceber suas variações pela mudança das quantidades em estoque. 7.1 Custos diretamente proporcionais São os custos que aumentam com o aumento do volume estocado. Ocorrem quando os custos crescem com o aumento da quantidade média estocada. Por exemplo, quanto maior o estoque, maior o

2 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS custo de capital investido. Quanto maior a quantidade de itens armazenados, maior a área necessária e maior o custo de aluguel. Exemplo ilustrativo 2 Armazenagem: quanto mais estoque mais área necessária mais custo de aluguel. Manuseio: quanto mais estoque mais pessoas e equipamentos necessários para manusear os estoques mais custo de mão de obra e de equipamentos. Perdas: quanto mais estoque maiores as chances de perdas mais custos decorrentes das perdas. Obsolescência: quanto mais estoque maiores as chances de materiais tornarem-se obsoletos mais custos decorrentes de materiais que não serão mais utilizados. Furtos e roubos: quanto mais estoques maiores chances de materiais serem furtados e/ou roubados mais custos decorrentes. Esses custos são conhecidos também como custos de carregamento (do inglês carrying cost). E, ainda, pelo motivo de serem custos necessários para se manterem ou carregarem os estoques. Com uma visão mais ampla, pode-se dizer que os custos de carregamento levam em consideração: custo de oportunidade; estocagem e manuseio do material; taxas e seguros; perdas e furtos; obsolescência; custo do capital investido. Vamos conhecer cada um deles: Custo de oportunidade e custo do capital investido É o custo da aplicação ou uso do dinheiro, se não investisse o dinheiro no estoque quanto ganharia se aplicasse em outro investimento qualquer. Uma forma simples de entender é imaginar que tenha um 2 Adaptado de Martins (2005). 101

3 Unidade IV 102 valor aplicado na poupança e decida sacar o dinheiro e comprar um carro. Enquanto o dinheiro estava aplicado na poupança, o rendimento era mensal. Quando comprou o carro, esse rendimento deixou de existir. Assim posso dizer que o valor desse rendimento é o custo de ter gastado tal valor na compra do carro. Nas nossas aplicações, isto será representada pela taxa de juros (i). Custo de estocagem É o custo dos espaços utilizados para estocar os itens, considera a estrutura física, prateleiras etc. é um custo que aumenta de acordo com o volume de estoque, envolve ainda mão de obra entre outros. Custo de manuseio de material É o custo com todas as etapas que envolva movimentação de materiais, entre elas podemos citar: recebimento, a separação de pedidos, expedição e a própria organização dos itens no estoque. É um item que também aumenta de acordo com o volume de estoque. Taxas e seguros Custo da burocracia legal nas aquisições. Pode ser ainda custo de espaço locado por m², pagam-se taxas de acordo com o produto, volumes e frequência de solicitações quando os armazéns são terceirizados. No que se refere a seguros, é uma proteção necessária para todo tipo de negócio, e quanto maior o estoque, maior será o gasto com seguros. Custo de perdas A falta de planejamento no recebimento e na estocagem, onde não houver pessoas qualificadas, espaços predefinidos, conhecimento prévio do que vai receber, gera um trabalho inadequado e, por consequência, avarias nos produtos ou embalagens, gerando assim perdas. Há perdas ainda na estocagem, onde não se respeite o conceito PEPS (Primeiro que entra em estoque, primeira a sair). Isso faz com que os itens não vençam no estoque. Custo de furtos A falta de organização no recebimento, na armazenagem e na expedição amplia ou facilita a ocorrência de roubo. Também é uma perda, mas se diferencia desse no sentido de que o roubo se caracteriza pela não presença do item que deveria estar no estoque. Quanto maior o estoque, mais difícil é o controle para minimizar furtos. Custo de obsolescência Com as mudanças no consumo que ocorre hoje, um produto ou item qualquer perde seu valor muito rapidamente, por vários motivos: surgimento de novidades, defasagem tecnológica, substituição do produto, entre outros. Não importa o motivo, mas o fato é que o excesso de produto faz com que ele fique muito tempo no estoque e perca valor.

4 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Para encontrar o custo de carregamento, utilizaremos a fórmula Cc = (Ca + i X p) Onde: Ca = Custo armazenagem É o somatório de todos os custos, como a própria armazenagem, manuseio e perdas. Entenda como custo operacional dos estoques operacional e estrutural. i = Taxa de juros Utilizada para calcular o custo do capital utilizado. i X p = indica o custo de cada real utilizado. Então, observe os seguintes pontos: p = preço de compra, caso seja adquirido de terceiros ou custo de fabricação. Cc = custo de carregamento entenda como custo de manter a operação de estoque. Observação O tratamento de unidade de tempo pode ser: $/unidade. ano, $/unidade.mês. Quando se afirma que os custos de carregamento são $ 0,45/unidade. mês, estamos dizendo que uma unidade estocada durante um mês custa $ 0,45, e é o mesmo que dizer que custou $ 2,70/unidade. Semestre ou $ 5,40/unidade. ano. Considerando o que vimos, analisemos a seguinte situação: um item tem custo de armazenagem anual total de $ 0,60 por unidade e preço de compra unitário de $ 2,00. Considerando uma taxa de juros de 12% ao ano, como calcularíamos o custo de carregamento do estoque desse item? Primeiro passo: fazer uma legenda Ca = $ 0,60/unidade.ano I = 12% a.a = 0,12 a.a P = $ 2,00/unidade 103

5 Unidade IV Segundo passo: buscar a fórmula Cc = Ca + (i X P) Vamos substituir: Cc = 0,60 + (0,12 X 2) Lembrete: primeiro se faz a multiplicação e depois a soma. Cc = 0,60 + (0,24) Cc = 0,84/unidade.ano Isso significa que cada unidade de um item parado em estoque custa por ano $ 0,84. Então, o custo total de carregamento será multiplicado pelo estoque médio desse item. E, quanto maior for o estoque, maior será o estoque médio e maiores serão os custos para manter os estoques. Observações importantes Uma grande dificuldade é atribuir os valores, como o de armazenagem, pois devemos considerar alguns pontos: Caso seja alugado o espaço, podemos atribuir por meio de rateio por unidade estocada se for um serviço terceirizado de estocagem, é pago por espaço utilizado, o que facilita o cálculo. Em relação ao manuseio, devemos considerar a depreciação dos recursos utilizados, como empilhadeira, pontes rolantes, paleteira, carrinhos manuais etc. Vamos observar que o preço do item é somente uma parte do seu custo, pois o dinheiro utilizado tem seu custo. No exemplo dado, utilizar os $ 2,00 custa 0,24. E ainda existem os custos de espaço e movimentação. Este custo do capital leva em conta o custo de oportunidade, pois seria uma possibilidade de ganho caso se investisse em outra atividade. Para Francischini e Gurgel (2002), uma opção de levantar os custos de armazenagem seria: Quadro 22 Fatores Descrição Cálculos Juros Juros médios recebidos em aplicações financeiras ou rentabilidade mínima exigida pela empresa. J = Juros no tempo T Valor médio do estoque no tempo 104

6 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Aluguel Seguros Perdas e danos Aluguel pago pela área de armazenagem. Prêmios de seguros pagos pela empresa. O custo de seguro varia com o valor do estoque segurado. Valor de materiais danificados, obsoletos e desaparecidos do estoque em determinado intervalo de tempo T. CAL = SEG = PD = Impostos Predial, alfandegário e outros. IMP = Movimentação Mão de obra Despesas Custos com transporte, manuseio, embalagem, manutenção de equipamentos etc. Salários, encargos e benefícios adicionais pagos ao pessoal operacional da área de estocagem. Despesas com luz, telefone, material de escritório, serviços de terceiros, EPIs, veículos e outras despesas administrativas. Custo de aluguel do estoque no tempo T Valor médio do estoque no tempo T Seguros pagos no tempo T Valor médio do estoque no tempo T Valores das perdas no tempo T Valor médio do estoque no tempo T Impostos pagos no tempo T Valor médio do estoque no tempo T MOV = Custos de movimentação no tempo T Valor médio do estoque no tempo T MDO = DES = Custos de mão de obra no tempo T Valor médio do estoque no tempo T Despesas gerais no tempo T Valor médio do estoque no tempo T Total Custo unitário de armazenagem CAmu = J + CAI + SEG + PD + IMP + MOV + MDO + DES. Fonte: Francischini e Gurgel (2002) Observação Para calcular o CDPE a fórmula é: (Ca + i x p). Q/2 Q/2 é o que chamamos de estoque médio. Q é o lote de compra. Pensemos na seguinte hipótese: a empresa JCC tem uma demanda de unidades. ano, para atender a esta demanda, existem três opções: 1. Comprar lotes de unidades; unidades; unidades. Sabe-se que o preço da unidade é de R$ 10,00 e que, totalizando todos os custos operacionais, chegou-se a um custo de armazenagem de R$ 1,20 unidade/ano e que a taxa de juros no mercado está estipulada em 10% ao ano. Assim, o que ocorre com o CDPE (Custo Diretamente Proporcional ao Estoque)? 105

7 Unidade IV Legenda Ca = 1,20 I = 10% ao ano, que, para colocar na fórmula, temos que transformar tirando a % dividindo por 100 = 0,10 p = preço de compra Com lotes de unidades Cc = (1,2 + 0,10. 10) /2 Cc = (1,2 + 1) Cc = 2, = Cc = R$ 2.200,00 Com lotes de unidades Cc = (1,2 + 0,10. 10) /2 Cc = (1,2 + 1) Cc = 2, = Cc = R$ 5.500,00 Com lotes de unidades Cc = (1,2 + 0,10. 10) /2 Cc = (1,2 + 1) Cc = 2, = Cc = R$ ,00 Comparando Tabela 11 Lotes Lotes Lotes , ,

8 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Em todas as alternativas, a demanda atendida é a mesma unidades/ano, o ideal seria atender a essa demanda com o menor custo, só que se escolher essa opção vai ter que fazer mais pedidos, e esses custos vão aumentar. Isso é o que veremos a seguir. Observação Como gestor, observe que toda ação terá uma reação, se esses custos citados aqui aumentam, teremos outros custos diminuindo. Deverá, assim, ponderar e buscar um equilíbrio. 7.2 Custos inversamente proporcionais aos estoques médios Para facilitar a utilização da nomenclatura, vamos usar a sigla CIPE para nos referirmos a esse custo. Como visto na Unidade II, o departamento de compras tem uma atuação preponderante na formação do estoque. Como regra, podemos enxergar que quando: Entrada > Saída = estoque aumenta. Entrada < Saída = estoque diminui. Entrada = Saída = se mantém. A entrada é o ato da compra, e se comprar em lotes maiores, para mais dias, a consequência será ter estoques maiores, mas fará menos pedidos. Observação O CIPE é um custo que, quando o estoque aumenta, ele diminui; quando o estoque diminui, ele aumenta. É um custo formado basicamente pelo custo do departamento de compras, envolve todos os custos para que se faça um pedido. Para enxergarmos esses custos, vamos visualizar um departamento de compras de uma empresa: 107

9 Unidade IV Compras Cadastro de fornecedores Processamento Compras locais Diligenciamento (Follow up) Figura 31 Organograma ilustrativo Esse departamento tem suas operações diárias como receber pedidos, fazer cotação, negociar, cadastrar fornecedor, controlar entregas, qualificar fornecedor, entre outras. Cada setor terá seus funcionários, com materiais de escritório e suas funções comuns. Assim, essas operações têm seus custos. Quanto mais pedidos forem feitos, maiores serão os custos do setor, pois farão mais ligações, fax, mais tempo gasto em contato, visitas a fornecedores. Inclui-se também como parte deste custo os custos de transporte, pois quanto mais pedidos, mais entregas. Custo CDPE CIPE Figura 32 Estoque Estoques maiores, em algumas operações, em vez de gerar aumento de custos, geram redução dos custos para manter estoques. Um custo que diminui proporcionalmente ao aumento dos estoques é o custo de obtenção, ou custo de fazer um pedido isso no caso de itens comprados de terceiros, e os custos de preparação do pedido no caso de fabricação interna. Isto porque estoques maiores resultam em compras maiores (e se repetem menos vezes em um período). Dada uma demanda em um período, o planejamento dos pedidos feitos aos fornecedores pode ocorrer de uma única vez, duas, três ou mais vezes. Quanto maior o número de vezes que se repetir, menor será o lote comprado e, por consequência, o estoque médio. Isso vai gerar um custo maior de compras. Além disso, será necessário manter mais contato com os fornecedores, aumentando os custos de estoque. 108

10 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Observação Esclarecendo conceitos Custo de obtenção: é o custo de fazer o pedido, ou de se obter o produto, é um custo que é formado pelas operações do setor de compras. Custo de preparação: é um custo presente em uma indústria. Pode ser considerado um custo de se preparar as ordens de produção e é realizado pelo PCP planejamento e controle da produção. Veja a ilustração a seguir Quadro 23 Entendendo o quadro Número de vezes em que a compra é efetuada por ano Tamanho do lote Estoque médio 1 Q = D Em= Q/2 = D/2 2 Q = D/2 Em = Q/2 = D/4 3 Q = D/3 Em = Q/2 = D/6 4 Q= D/4 Em = Q/2 = D/8 Entenda: D = Demanda; Q = lote de compra; Em = Estoque médio Fonte: Martins (2005). Quando se faz um único pedido, o lote a ser comprado deve ser o suficiente para atender à demanda D. Por isso, Q = Q. Neste caso, o estoque médio seria Q/2. Quando se fazem dois pedidos no período, o lote a ser comprado seria D/2. Ou seja, se a demanda fosse de unidades, o lote a ser comprado seria 1.000/2 = 500 unidades, assim deveria fazer dois pedidos para atender a essa demanda. Neste caso, o estoque médio seria Q/2 > 500/2=250 unidades. Observação Você deve estar se perguntando: mas não tínhamos definido que estoque médio seria EI + EF / 2? 109

11 Unidade IV O conceito é o mesmo: fazendo um pedido de 500 unidades, ficaria: EI = 500 Quando o estoque estivesse zerando, faria novo pedido, então o estoque final seria zero EM = Figura 33 Assim (EI + EF)/2 ( )/2 = 250 unidades Quando fizer quatro pedidos por ano, o Q (lote) será D/4. A partir do exemplo anterior, 1.000/4 = 250 unidades. O estoque médio, nesse caso, seria Q/2 > 250/2 = 125 unidades EM = 125 unid. Figura 34 Perceba que, quanto mais vezes comprar, menores serão os estoques médios e maiores serão os custos decorrentes desse processo por isso, inversamente proporcional aos estoques médios. 110 Lembrete A boa gestão de compras como meio para gerenciar os materiais é cada vez mais necessária, pois o valor total gasto nas compras de insumos para a

12 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Case produção, seja do produto ou do serviço final, varia de 50% a 80% do total das receitas brutas. Na indústria, esta cifra chega a 57% do faturamento. Duas consultorias americanas criaram uma joint venture para criar soluções na área de compras utilizando a internet. A joint venture terá foco no mercado de e-procurement, um sistema de compras por meio da internet que pesquisa fornecedores com melhores preços. O objetivo da nova empresa é atender às necessidades de compras pela rede mundial de computadores, que deve movimentar muitos bilhões de dólares nos próximos anos. Observando este breve case, você acha que isso vai se firmar como necessidade nas empresas? Essa prática reduz custos? Sim. Essa já é a realidade, e vem aumentado a cada dia. Agilidade é o que as empresas buscam nessa operação. O pregão on-line é outra atividade que vem sendo praticada nesse sentido. As compras são melhores, buscam-se mais fornecedores e comparam-se melhor e mais rápido os preços. Em relação à redução de custo, é nítida a facilidade, faz-se mais com menos, compra-se mais, cotam-se mais fornecedores com menos esforço, menos mão de obra, menos espaço etc., e a soma de tudo isso gera redução de custo. Pensemos na seguinte hipótese: uma empresa somou todos os gastos do departamento de compras do ano anterior, computando os custos de mão de obra e encargos, materiais de escritório, aluguel das salas, correios, fax e dividiu pelo número de pedidos efetuados no período, chegando a um valor de R$ 15,00 por emissão de pedido de compras. Determine os custos incorridos na obtenção de um item de estoque cujo consumo anual é de unidades, para as seguintes políticas: a) Comprar uma única vez por ano. b) Comprar duas vezes por ano. c) Comprar dez vezes por ano. Deste modo: a) Se um único pedido será feito, então é necessário que se peça o valor da demanda, o lote será de unidades. O custo para este pedido será de R$ 15,00. b) Se forem feitos dois pedidos, faz-se necessário que se atenda à demanda de unidades e que se comprem lotes de unidades. Como cada pedido custa R$ 15,00, esta operação custará R$ 30,

13 Unidade IV c) Fazendo dez pedidos, sendo cada um de R$ 15,00 cada, a operação custará R$ 150,00 e o lote de compra será de 1200 unidades. Lembrando que o estoque médio é Q/2. O que resulta dessas operações é: Quadro 24 Custo de obtenção (R$) Estoque médio 15, / 2 = unidades 30, /2 = unidades 150, /2n = 600 unidades Compare os custos quando o volume em estoque é maior, perceba que os custos são menores e vice-versa. 7.3 Custos fixos ou independentes Esses custos não se modificam com as oscilações dos estoques médios, não importa se aumentaram ou diminuíram. Um item usual seria o custo de aluguel de um galpão. O objetivo de trabalhar custos é encontrar os custos totais, e estes são encontrados somando todos os custos: custos diretamente proporcionais + custos inversamente proporcionais + custos independentes. Para facilitar a encontrar os valores vamos adotar a seguinte fórmula: CT = (Ca + i x P) x (Q/2) + (Cp) x (D/Q) + Ci + D x P Parece uma fórmula complicada, mas vamos interpretá-la: Enxergue a fórmula dividida em três partes: A primeira diretamente proporcional A segunda inversamente proporcional A terceira Fixos CT custo total 112

14 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Ca custo de armazenagem i = taxa de juros P = preço do item Q = lote de compra Q/2 = estoque médio Cp = custo do pedido D = demanda Ci = custos independentes Lembrete Você deve ter em mente o conceito relativo a todos esses itens. Olhe e tente definir com suas palavras. Verá que vai ajudar a fazer os cálculos. Para exemplificar os conceitos aqui apresentados, determinemos o custo total anual de manutenção dos estoques de uma empresa que comercializa um produto cuja demanda anual é de unidades. O produto é comprado por R$ 2,00 a unidade. Em uma taxa de juros correntes de 24% ao ano, os custos anuais de armazenagem são de R$ 0,80 por unidade, e os custos fixos anuais para esse item de estoque são estimados em R$ 150,00. Os custos de obtenção são de R$ 25,00 por pedido. Calcule o custo total de estocagem para lotes de compra de 1.000, e unidades. Solução Primeiro passo: identificar quem é quem. C A = R$ 0,80/unidade I = 24% a.a = 0,24 a.a P = R$ 2,00/unidade C P = R$ 25,00/pedido D = unidades/ano C I = R$ 150,00 ano 113

15 Unidade IV Observando sempre que o tamanho do lote Q muda o custo total. Vamos iniciar com lotes de unidades. a) Q= unidades Fórmula completa CT= (C A + i x P) x (Q/2) + (C P ) x (D/Q) + (C I ) + D x P CDPE CIPE CF Substituindo os dados CT= (0,80+0,24 x 2) x / 2 + (25) x (40.000/1.000) x 2 = Uma fórmula que gere uma equação grande como esta assusta, mas vamos entender por partes, assim você verá que é bem simples. Para melhor entendimento, vamos iniciar pela primeira parte, que é o CDPE: (C A + i X P) X (Q/2) (0,80 + 0,48) x / 2 1,28 x 500 = 640,00 Vamos agora calcular a segunda parte, o CIPE: (C P ) X (D/Q) (25) X (40.000/1.000) 25 x 40 = 1.000,00 Veja que 25 é o custo de cada pedido. Se forem necessárias unidades e serão feitos pedidos de unidades, será necessário fazer pedidos 40 vezes no ano. Vamos agora calcular a terceira e última parte, aquela que chamamos de custo fixo. É nesta parte do cálculo que inserimos o valor pago aos fornecedores. A fórmula é: 114 (C I ) + D X P

16 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Onde C I é o que chamamos de custo invariável ou custo fixo. Tais custos ocorreriam independentemente do volume. D é a demanda, é o volume que irá vender ou consumir em determinado período. Perceba que todo o planejamento vai depender dessa demanda. P é o preço de compra do item. Caso seja um processo produtivo, vamos chamá-lo de custo do produto. Resolvendo: (C I ) + D X P x = ,00 Agora, vamos recordar o cálculo para encontrar o custo total, que pode ser obtido da seguinte maneira: CDPE + CIPE + EF Então: CT= = CT= R$ ,00/ano Como interpretar esse resultado? Para atender à demanda de unidades com lotes de unidades, será necessário gerar um custo de estoque de R$ ,00 por ano. A cada nove dias, será necessário fazer um novo pedido (360/40= 9). Agora, vamos calcular lotes de unidades. (C A + i X P) X (Q/2) (0,80 + 0,48) x / 2 1,28 x 600 = 768,00 115

17 Unidade IV Observação O lote aumentou de para unidades. Assim, o estoque médio foi de 500 para 600 unidades. Veja que o CDPE subiu de R$ 640,00 para R$ 768,00. Vamos agora calcular a segunda parte, o CIPE: (C P ) X (D/Q) (25) X (40.000/1.200) 25 x 33,33 = 833,25 Veja que 25 é o custo de cada pedido. Se forem necessárias unidades e pedidos de unidades, haverá uma necessidade de fazer pedidos 33,33 vezes no ano. Como vimos aqui, o estoque médio subiu, assim teve que fazer menos pedidos e o custo com pedidos caiu de R$ para R$ 833,25. Você deve estar perguntando o porquê da redução, certo? Imagine que a soma dos salários, telefones, transporte e visita a fornecedores atinja o valor de R$ ,00 ao mês. Todos os custos fixos do setor de compras estão inseridos nessa cifra, que puxou o volume de pedidos feitos no mês e chegou ao valor de 1.000,00 pedidos feitos. Assim, se dividirmos o valor gasto pela quantidade de pedidos, teríamos que cada pedido custou R$ 10,00. Agora, se forem feitos 500 pedidos, os gastos serão os mesmos. Então, ao dividir os por 500, cada pedido custaria R$ 20,00. Se forem feitos pedidos, o custo de cada pedido será R$ 6,66. Ao se ajustar para fazer menos pedidos, seria possível enxugar o setor, gastar menos e, assim, trazer ganhos para a empresa. Vamos agora calcular a terceira e última parte, aquela que chamamos de custo fixo. É nesta parte do cálculo que inserimos o valor pago aos fornecedores. A fórmula é: (C I ) + D X P Resolvendo: (C I ) + D X P x 2 116

18 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS = ,00 Calculando o custo total CDPE + CIPE + EF CT= 768, , = CT= R$ ,33/ano Como interpretar esse resultado? Para atender à demanda de unidades com lotes de unidades, haverá um custo total de estoque de R$ ,33. Perceba que, ao aumentar o estoque, neste caso, o custo total caiu. Você já deve estar se perguntando: E se o lote for aumentado para unidades? Isso vai diminuir ainda mais os custos?. Vejamos: Q = unidades Como fizemos nos exemplos anteriores, vamos resolver a questão parte a parte: CDPE (CA + i X P) X (Q/2) (0,80 + 0,48) x 1400 / 2 1,28 x 700 = 896,00 Veja que, anteriormente, houve um aumento no valor, de R$ 640,00 para R$ 768,00. Agora, houve um novo aumento para R$ 896,00. Este aumento se deve ao maior volume em estoque. Vamos agora calcular a segunda parte, o CIPE: (C P ) X (D/Q) (25) X (40.000/1400) 117

19 Unidade IV 25 x 28,57 = 714,25 Veja que 25 é o custo de cada pedido. Se forem necessárias unidades e pedidos de unidades, deverão ser feitos 28,57 pedidos no ano. Veja que este custo diminuiu ainda mais: era de R$ 1.000, caiu para R$ 896,00 e agora caiu ainda mais para R$ 714,25. Será que o custo total será menor? Vamos agora calcular a terceira e última parte, aquela que chamamos de custo fixo. É nesta parte do cálculo que inserimos o valor pago aos fornecedores. A fórmula é: (C I ) + D X P Resolvendo: (C I ) + D X P x = ,00 Agora, vamos recordar o meio para encontrar o custo total, que pode ser calculado da seguinte maneira: CDPE + CIPE + EF Então: CT= , = CT= R$ ,25/ano Interpretação: Para atender à demanda com lotes de unidades, os custos de estoques seriam de R$ ,

20 RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Comparando os lotes de compras Lotes de: unidades custo total ,00/ano unidades custo total ,33/ano unidades custo total ,28/ano Perceba que o lote ideal para atender a uma demanda de unidades ano seria a compra de lotes de unidades, o que resultaria em um custo menor. Lembrete Na gestão de recursos materiais e patrimoniais, controlar os custos é essencial. Além disso, tomar decisões com base em cálculos de custos dá mais embasamento para tomar decisões mais seguras. Considerações importantes Estoque deve ser visto levando-se em conta dois aspectos: por um lado, deve ser visto como uma forma de desperdício. Por isso, as empresas buscam reduzi-lo ou eliminá-lo a um mínimo possível. Essa visão foi o que inspirou a ideia de JIT (just in-time), de estocar o mínimo possível, evitando desperdício em várias tarefas, como recebimento, conferência, armazenagem, controle, expedição, produção e venda. Como meio de buscar um estoque reduzido, há diversas metodologias que podem ajudar nesta tarefa é o que chamamos de busca do estoque ideal. O housekeeping e o modelo dos 5 Ss são bons exemplos de auxílio na busca desse objetivo, pois pregam a filosofia da organização e limpeza. Outras medidas possíveis são: redução dos prazos de entrega dos fornecedores; aumento da eficiência de todos os setores; eliminação de atividades que não agreguem valor ao serviço; estabelecimento de estoque de segurança realista; trabalho com classificação ABC. Outro ponto de vista sobre estoque alto significa atender aos clientes prontamente. Isso seria o sonho dos vendedores: estoques elevados e variados. Como principais motivos para estoques elevados, podem ser citados a aquisição de matéria-prima e material em processo que não sejam consumidos prontamente. Compra-se para aproveitar promoção ou produz-se para aproveitar mão de obra e evitar ociosidade. Podemos citar ainda a solicitação de compras ou produção em maiores quantidades, prevendo aquecimento nas vendas gerado por ações promocionais da empresa. 119

21 Unidade IV 120 Há também a atuação da engenharia, que, quando faz muitas modificações em produtos, acaba gerando muitos refugos. A área de qualidade pode contribuir para o aumento de estoque ao criar métodos de controle que gerem muitas interrupções no processo produtivo, exigindo níveis de exigência não comuns no mercado, gerando assim grande estoque de material inadequado. Estes são alguns pontos que geram ampliação dos estoques. A ideia é que você busque um equilíbrio. 8 MÉTODOS DE CONTROLE DE ESTOQUES Inventário físico Pode ser definido como a contagem física de todos os itens de estoque. A ideia é que aquilo que foi comprado e não foi retirado do estoque deve estar lá a conferência é justamente para verificar tal fato. Caso perceba diferença entre o que há e o que deveria haver, podem-se usar meios de ajustes legais conforme as recomendações contábeis. O processo de inventário físico pode ser efetuado de duas maneiras: periódico; rotativo. 8.1 Método do inventário periódico É o método que, em determinado período normalmente no fim de um exercício fiscal, ou duas vezes ao ano, faz a contagem física de todos os itens de estoque. Este método verifica, em um período fixo, a situação do estoque e, caso necessário, é providenciada sua complementação. É mais usado com controles de estoques de empresas comerciais. Em algumas situações, periodicamente, o controlador percorre as prateleiras, verificando os níveis e anotando as quantidades necessárias à complementação do estoque. Recomenda-se este tipo de controle para este tipo de empresa por dois motivos: a) A falta de um determinado item não impedirá o funcionamento normal da empresa. b) Seria difícil a adoção de um sistema que exigisse o registro para cada saída de material, que é muito frequente. 8.2 Método do inventário rotativo Nesse modelo, permanentemente, os itens de estoque estão em contagem. Este método faz com que, dentro de um período fiscal, o trabalho de conferência seja organizado de forma que todos os

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

Custeio Variável e Margem de Contribuição

Custeio Variável e Margem de Contribuição Tema Custeio Variável e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Custos Industriais Custeio Variável e Margem de Contribuição Luizete

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

RESULTADO COM MERCADORIAS!!!

RESULTADO COM MERCADORIAS!!! RESULTADO COM MERCADORIAS!!! Aula 26/10/2009 RCM Já aprendemos como é contabilizada a venda de uma mercadoria! Os valores das vendas e dos custos foram informados, mas no dia a dia, na maioria das vezes

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos O quadro do modelo de negócios O Business Model Canvas (Quadro do Modelo de Negócios)

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 05: ADMINISTRAÇÃO DO DISPONÍVEL VERSÃO TEXTUAL Numa situação ideal, em que uma empresa tem um controle total

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Abril/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 08 Suprimentos e administração de materiais Gestão de

Leia mais

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola

Leia mais

Processo de Controle das Reposições da loja

Processo de Controle das Reposições da loja Processo de Controle das Reposições da loja Getway 2015 Processo de Reposição de Mercadorias Manual Processo de Reposição de Mercadorias. O processo de reposição de mercadorias para o Profit foi definido

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Controles Financeiros - Básico-

Controles Financeiros - Básico- Controles Financeiros - Básico- Introdução Este material irá tratar de controles financeiros que sua empresa deve manter a fim de organizar todo o fluxo de informações que servirão de base para os relatórios.

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM Olá Caro Aluno, Você já reparou que, no dia a dia quantificamos, comparamos e analisamos quase tudo o que está a nossa volta? Vamos ampliar nossos conhecimentos sobre algumas dessas situações. O objetivo

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B 2 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Guilherme Demo Limeira SP 2005 3 GUILHERME DEMO GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Projeto científico

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Unidade II ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Jean Cavaleiro Introdução Essa unidade tem como objetivo conhecer a padronização das demonstrações contábeis. Conhecer os Índices Padrões para análise;

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4 AULA 4 Princípios e Convenções Além dos princípios éticos no exercício de sua profissão, o contador, deverá observar e aplicar os princípios e convenções contábeis, porque são eles que norteiam e direcionam

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas:

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas: 10 pontos mais importantes sobre finanças para Pequenas Empresas: Por Joseph Anthony Freqüentemente, contadores e consultores especializados em pequenas empresas dizem que estas não prestam atenção suficiente

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Cooperativa de Consumidores. Manual de Consumo Do Associado Cartão de Débito Global

Cooperativa de Consumidores. Manual de Consumo Do Associado Cartão de Débito Global Cooperativa de Consumidores Manual de Consumo Do Associado Cartão de Débito Global APRESENTAÇÃO A Cooperativa de Consumidores Global Brasil, fundada em NOVEMBRO de 1999, CNPJ 03.550.003/0001-97, JUCESC

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 CONTROLE DE CONTAS 04 ENTENDER E CONTROLAR AS DESPESAS FIXAS E VARIÁVEIS 05 DEFINIR PRIORIDADES 07 IDENTIFICAR

Leia mais

Outros Tópicos Importantes na Elaboração do Fluxo de Caixa

Outros Tópicos Importantes na Elaboração do Fluxo de Caixa Outros Tópicos Importantes na Elaboração do! O Tratamento da Remuneração do Trabalho dos Dirigentes! Outras Contas Econômicas que não geram efeito sobre o caixa! A Projeção dos investimentos em ativo imobilizado

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software

Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software Copyright 2002 por FATTO CONSULTORIA E SISTEMA LTDA. Esta publicação não poderá ser reproduzida ou transmitida por qualquer modo ou meio, no todo ou

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais