VENDA A PRAZO ATRAVÉS DE UMA OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VENDA A PRAZO ATRAVÉS DE UMA OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO RESUMO"

Transcrição

1 VENDA A PRAZO ATRAVÉS DE UMA OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO RAFAEL TEIXEIRA DE SOUSA VANESSA DEFENDI DE OLIVEIRA BARAVELLI RICARDO YOSHIO HORITA RESUMO As novas formas de pagamento no cartão de crédito vêm substituindo as formas tradicionais, gerando assim um crescimento na venda parcelada, com prazos dilatados. O surgimento do cartão de crédito no mercado possibilitou uma venda mais sólida e segura, dando abertura de vendas a crédito para clientes que antes não teriam condição de comprar; a inadimplência e as cobranças para o empresário deixaram de existir neste tipo de transação, porém com custos e prazos mais elevados. Surge assim uma maior necessidade de conhecimento e uso do cálculo financeiro para definir estratégias comerciais de compra e venda, para assim contextualizar rentabilidade com competitividade. Palavras chave: venda à prazo, vendas no cartão, custos financeiros INTRODUÇÃO O mercado consumidor vem sofrendo transformações crescentes em sua conduta de exigência, assim o comércio busca adaptar-se às novas realidades, tecnologias e instrumentos financeiros para sempre buscar a excelência no atendimento às necessidades buscadas pelos clientes. As formas de pagamento vêm evoluindo de forma a atender as exigências ditadas pelo mercado cada dia mais competitivo. Em virtudes dessas exigências, faz-se necessário a visualização da realidade e valores contábeis da empresa, para saber utilizar, de forma estratégica, a identificação do valor do dinheiro no tempo, para desenvolver a capacidade de confrontar os dados com a realidade. De acordo com Assaf Neto (2005), aumenta cada vez mais a demanda pelo uso do cálculo financeiro para definir estratégias comerciais de compra e venda, analisando a crescente atratividade dos planos financeiros. Para as várias decisões econômicas a serem tomadas por uma empresa é indispensável conhecer a taxa efetiva de juros embutida nas operações a prazo, levando em conta o desconto concedido nas operações à vista. 1/13

2 Desta forma, podem-se definir condições de pagamento, flexibilidade dos prazos, descontos concedidos, utilizando tais ferramentas para elaborar um plano de ação frisando alcançar novos clientes e a manutenção dos atuais, gerando rentabilidade para a empresa. O pagamento através do cartão de crédito é seguro, entretanto traz custos que devem ser analisados na hora de compor o preço, custos e os prazos diferenciados. Esta pesquisa busca fazer uma análise se o parcelamento da venda através do cartão de crédito é uma estratégia eficiente para alavancar as vendas sem comprometer significativamente a margem de lucro da empresa. Para atingir o objetivo, utilizou-se a pesquisa bibliográfica para fundamentação e estudo de caso. 1 Administração Financeira e a venda a prazo no cartão de crédito. Conforme afirma Tófoli (2008), a administração financeira está intimamente ligada a contabilidade, e muitas vezes consideram que suas funções sejam a mesma dentro de uma empresa, entretanto, as diferenças entre a contabilidade e a administração financeira são: a ênfase no fluxo de caixa e a tomada de decisão. De acordo com Ross, Westerfield, Jordan (2000), para análises financeiras faz-se necessário o uso intenso de informações contábeis. Em decorrência disto, conhecer finanças ajuda aos contadores reconhecerem os tipos de informações que são mais valiosas. Na análise que será realizada sobre venda a prazo através do cartão de crédito faz-se necessário um conhecimento sobre o funcionamento do fluxo de caixa, da atuação da contabilidade e da visão da administração no que diz respeito ao fluxo de dinheiro em uma empresa, o momento em que se é detentor do capital, o momento que há falta do mesmo, a captação no mercado financeiro. 2 Planejamento financeiro a curto prazo As finanças de curto prazo dão maior importância a decisões que afetam os ativos e passivos circulantes, por conseguirem capital de giro líquido. Capital de giro líquido é a diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante. Ativos circulantes compõem todos os ativos que serão convertidos em caixa no prazo de um ano, os itens mais importantes são: caixa e bancos, aplicações financeiras, contas a receber de curto prazo e estoques. Os passivos circulantes são as obrigações que exigirão o pagamento no prazo de um ano, os mais importantes são: bancos, fornecedores, contas a pagar, despesas a pagar incluindo salários, impostos, encargos, notas promissórias, entre outros. Conforme Tófoli (2008), a administração do capital de giro envolve um processo contínuo de tomada de decisões voltadas principalmente para a preservação da liquidez da empresa, mas que também afetam a sua rentabilidade. O desejável seria que o ativo circulante sempre estivesse maior que o passivo circulante, pois o passivo representa as obrigações a pagar e o ativo circulante, significa espécie (caixa e bancos) e valores que se transformarão em espécie (duplicatas a receber e estoques). 2/13

3 Entretanto, muitas vezes mesmo o Ativo Circulante sendo maior que o Passivo Circulante a empresa encontra dificuldade em pagar suas obrigações, em virtude do vencimento das dívidas serem mais rápidas que as entradas de dinheiro. Isto representa que os recebimentos da empresa ocorrem de forma mais lenta que o vencimento das contas a pagar. Na ocorrência destes fatos, na maioria dos casos as empresas recorrem a empréstimos, descontos de duplicatas, entre outros, no sentido de socorrer seu caixa e acertar os compromissos, recorrendo assim, ao capital de giro, normalmente externo. De forma ampla, pode-se afirmar que o capital de giro é representado por recursos demandados por uma empresa para financiar suas necessidades operacionais identificadas desde a aquisição de matérias-primas ou mercadorias, até o recebimento pela venda do produto acabado. O presente trabalho busca elucidar de que forma deve ser analisado o custo do capital de curto prazo, pois as venda a prazo pelo cartão é uma decisão que cabe ao empresário conceder ou não mediante a sua capacidade financeira, conseguindo visualizar até que ponto esta concessão afeta a sua empresa, pois as vendas no cartão incluem taxa de juros que nem sempre são totalmente inclusas no preço de vendas, além do prazo de recebimento nem sempre ser condizente com o que é praticado pelo cheque pré-datado, nota promissória, ou ainda duplicata a receber. 2.1 Ciclo operacional e ciclo de caixa De acordo com Ross, Westerfield, Jordan (2000), nas atividades financeiras da empresa, a maior preocupação é conseguir conciliá-la à atividade operacional. Estas atividades geram uma série de entradas e saídas que não são sincronizadas. Por exemplo, uma compra de mercadoria não é feita no mesmo tempo da venda e o seu pagamento não ocorre conjuntamente ao recebimento da mesma. Com isso tem-se uma falta de sincronismo e algumas incertezas, como comprar e não vender, vender e não receber, receber com prazo superior ao pagamento da mercadoria aos fornecedores, no qual envolve uma complexa análise. O exemplo abaixo mostra claramente como isto ocorre. Compra-se uma mercadoria hoje, prazo de pagamento em 30 dias no valor de R$ 1.000,00. Após 60 dias da data da compra esta mercadoria é vendida com prazo de 45 dias no valor de R$ 1.400,00. Assim pode-se visualizar: Dia Atividade Efeito sobre o caixa 0 Compra de mercadoria R$ - 30 Pagamento da compra -R$ 1.000,00 60 Venda da mercadoria a prazo R$ Recebimento da venda R$ 1.400,00 Fonte: Ross; Westerfield; Jordan, 2000, p. 414 Quadro 1 Exemplo de ciclo operacional e Ciclo de caixa. No quadro anterior pode-se visualizar o Ciclo operacional e o Ciclo de caixa. O ciclo operacional compreende o período desde a compra da mercadoria até o recebimento do caixa, 105 dias. Dentro deste ciclo, o período de estoque, que é o tempo entre a aquisição e a venda do produto, neste exemplo equivale a 60 dias, e o 3/13

4 período de contas a receber é o tempo entre a venda e o recebimento, no exemplo citado 45 dias. No entanto o ciclo de caixa compreende o período entre o pagamento ao fornecedor e o recebimento do cliente, que são os 75 dias, somente após este período que a conta caixa volta a ficar positiva. Neste ponto observa-se o que ocorre com o caixa a cada política de vendas na prática. Uma política de vendas mais rígida sempre preservará mais o caixa, em contrapartida poderá sacrificar a flexibilidade da empresa, entretanto, uma política de vendas mais flexível poderá proporcionar uma possível falta de liquidez e necessidade de financiamentos, podendo acarretar riscos de insolvência para a empresa. 2.2 Fluxo de caixa O Fluxo de caixa é um instrumento indispensável para a tomada de decisão de todo tipo de empresa, conforme afirma Iudícibus; Marions (2000), assim ele possibilita o levantamento e conhecimento prévio das entradas e saídas de caixa de forma estimada. Considerado uma ferramenta gerencial para auxiliar e evitar problemas de liquidez, é utilizado para demonstrar como serão pagos os compromissos, como será gerado o caixa, quais políticas financeiras serão adotadas pela empresa, objetivando o planejamento e administração das fontes e necessidades de caixa. O objetivo fundamental do fluxo de caixa é levantar todas as necessidades da organização, para que possa cumprir com todas as obrigações nos prazos certos, alcançando resultados positivos considerando os desembolsos necessários para seu funcionamento, conforme afirmação de Zdanowicz (1998). As empresas precisam gerar e conhecer suas informações para que possam ser utilizadas de forma confiável na tomada de decisão, pois na prática poderá se deparar com duas realidades: a) Tornar inviável um aumento no faturamento a custo das vendas com prazo dilatado, sacrificando o caixa; b) Manter o cliente em decorrência de melhores condições no prazo de pagamento, evitando que o mesmo possa migrar para a concorrência por melhores condições de atendimento e oportunidades e assim não mais retornando. Desta forma utiliza-se a ferramenta fluxo de caixa para o acompanhamento das alterações financeiras que irão ocorrer com a implantação da venda a prazo no cartão de crédito de forma a prever em qual momento a venda a prazo pode ser prejudicial à liquidez da empresa, possibilitando assim uma ferramenta a mostrar ao empresário seus benéficos e possíveis malefícios relativos ao retorno do seu capital. 2.3 Venda a prazo Conforme afirma Tófoli (2008), a venda a prazo, ou venda a crédito, é uma operação onde a empresa vendedora entrega produtos ou serviços a um cliente, e este se compromete a pagar em prazos pré-estabelecidos. Este tipo de negociação acontece com o objetivo de a empresa alavancar suas vendas, conquistar novos clientes e assim, aumentar seus lucros. A concessão de crédito tem como principal meta gerar recursos para empresa de forma a ampliar seu nível de operação, obter maiores ganhos tendo uma melhora na absorção dos custos fixos, maximizando a rentabilidade. A venda a 4/13

5 prazo propicia um aumento no número de clientes aumentando assim, o giro de estoque. Para a empresa a venda a prazo não traz apenas vantagens, apresenta também desvantagens como: perdas por falta de pagamento, atrasos no pagamento, despesa para análise de crédito com o acompanhamento da cobrança e com a cobrança em si, além do aumento do prazo do recebimento do capital que dever ser calculado de forma coesa. As negociações feitas com cartão de crédito é uma modalidade de venda a prazo que limita a inadimplência, sendo mais assegurado o recebimento de suas vendas, e em alguns pontos não trazem custos como cobrança, consultas de crédito entre outros gastos. Todavia, as operações com cartões de crédito são necessários outros custos como: taxa sobre venda realizada, o aluguel do equipamento, além do fato que o valor de venda de um produto no cartão deve ser o mesmo preço do produto pago à vista em espécie, quando na realidade o valor de um produto à vista em espécie não tem custo adicional e nem prazo para o seu recebimento. Além das taxas cobradas pelas operadoras de cartão de crédito, existe também o aluguel mensal do terminal que varia de operadora para operadora, sendo hoje na Cielo R$ 87,00 e na Redecard variável de acordo com o faturamento de R$ 59,00 para faturamento abaixo de R$ 4.000,00, R$ 29,00 acima de R$ 4.000,00 e abaixo de R$ 6.000,00, e isenção do aluguel para venda acima de R$ 6.000,00. O aluguel dos terminais sempre foram independentes das vendas, no entanto, após a abertura das operadoras poderem atuar com outras bandeiras a concorrência está melhorando as negociações em relação a este encargo. 2.4 Venda no cartão de crédito O cartão de crédito é uma identificação que possibilita o pagamento à vista de produto e serviços, obedecidos a certos requisitos preestabelecidos (validade, abrangência, limite valores etc.). As partes envolvidas numa operação com cartão de crédito são: o consumidor, a administradora do cartão e o fornecedor de produtos e serviços que integra a rede credenciada. Dos diversos serviços oferecidos pela administradora do cartão de crédito, serão destacadas, neste trabalho, apenas as operações de compras a débito, crédito à vista e crédito a prazo. a) Débito à vista: O pagamento da compra do cliente é feito automaticamente sendo debitada de sua conta corrente e creditada na conta do estabelecimento, no prazo de 24horas. Atualmente a Redecard está operando no débito a taxa de 2% assim como a Cielo. b) Crédito à vista: É uma venda sem parcelamento onde o estabelecimento recebe o pagamento referente às suas transações de venda à vista no prazo acordado. A taxa aplicada no crédito à vista no segmento pesquisado pela operadora Redecard é de 3,3% e na operadora Cielo 3,1%, sobre o valor da venda realizada. c) Venda parcelada pelo estabelecimento: É o pagamento parcelado sem juros, com valores mensais fixos, oferecidos ao portador do cartão pelo estabelecimento comercial. O estabelecimento recebe a transação parcelada no prazo acordado. Um exemplo, se a loja faturar em 4 pagamentos, o prazo é de 30, 60, 90 e 120 dias, descontada à taxa negociada. O valor mínimo 5/13

6 firmado pela operado Cielo é de R$ 5,00 por parcela, entretanto o lojista pode estabelecer qualquer valor como mínimo acima desse valor. As taxas aplicadas no estabelecimento em questão são: Operadora Cielo (crédito em até 3 parcelas 3,6% do valor da compra; crédito de 4 a 6 parcelas 4,1%), operadora Redecard (crédito de 2 a 6 parcelas 3,8%; 7 a 10 parcelas 4,5%; 11 a 12 parcelas 4,75%). d) Venda parcelada pela administradora: Parcelamento com juros, com valores mensais fixos, assim recebe a transação como uma venda a vista, no prazo acordado descontada taxas ou tarifas negociadas. A quantidade mínima e máxima de parcelas assim como o valor de cada uma depende de regras estabelecidas pelo banco. Todos os estabelecimentos estão habilitados a realizar vendas com parcelamento da Administradora, exceto Restaurantes, Bares e Casas Noturnas, Lanchonetes, Comidas Congeladas, Padarias e Postos de Gasolina. 2.5 Antecipação do capital Os estabelecimentos podem antecipar o recebimento da venda efetuada a prazo. Este tipo de procedimento apresenta um custo de antecipação de capital, pois são cobradas taxas de juros de acordo com cada procedimento. A última proposta oferecida pela empresa Redecard foi de 2,5% ao mês entretanto este valor poderia ser negociado. Já na Cielo, não é conhecido o percentual, e nos Bancos as taxas podem chegar a 1% ao mês dependendo da negociação. Este tipo de negociação pode ser uma saída para um fluxo de caixa negativo e deve ser levado em consideração, pois as taxas são normalmente mais atrativas do que uma captação externa A nova realidade dos cartões A partir do dia 1 de julho de 2010 os lojistas foram liberados da necessidade de possuir em seus estabelecimentos uma máquina para cada operadora de cartão, pelo menos as duas maiores bandeiras no Brasil a Visa (atual Cielo) e a Mastercard. Isso representou a abertura do mercado de cartões, permitindo que as máquinas da Cielo pudessem aceitar outras bandeiras em suas máquinas assim como a Mastercard. 2.6 Fatores que afetam o crédito De acordo com a afirmação de Longenecker, Moore, Petty (1997), vários fatores sustentam a decisão a respeito da extensão de crédito. As empresas sempre esperam aumentar o faturamento através da venda a crédito, entretanto têm que considerar suas próprias circunstâncias específicas e o ambiente. a) Tipo de negócio; b) Política de crédito do concorrente; c) Nível de renda dos clientes; d) Disponibilidades de capital de giro adequado. 2.7 Aplicação dos cálculos financeiros 6/13

7 De acordo com Assaf Neto (2009), aumenta cada vez mais a demanda pelo uso do cálculo financeiro para definir estratégias comerciais de compra e venda, analisando a crescente atratividade dos planos financeiros. Para as várias decisões econômicas a serem tomadas por uma empresa é indispensável conhecer a taxa efetiva de juros embutidas nas operações a prazo em relação às operações à vista. Conforme afirma Bernardi (2004), os juros compõe-se basicamente de duas partes: uma remuneração pela cessão temporária do capital e mais um prêmio pelo risco da liquidez. As taxas de juros devem remunerar de forma a cobrir: a) Risco envolvido na operação em relação ao futuro; b) Perda do poder de compra em virtude de inflação, esta que corrói a capacidade de compra de um volume com o mesmo montante; c) O capital emprestado ou aplicado deve recompensar pelo período de tempo, pois diversas oportunidades poderão ser perdidas, o chamado custo de oportunidade, de acordo com a afirmação de Assaf Neto (2009). 2.8 Taxas de juros Afirma Assaf Neto (2009), que a taxa de juros é o coeficiente que representa a remuneração do capital em um dado período. Estas taxas se referem à unidade de tempo e podem ser representadas em taxa percentual ou taxa unitária. As taxas de juros aplicadas nas vendas a prazo dependem de diversos fatores como demanda, política monetária, prazo de pagamento, inadimplência, pois quanto maior a inadimplência, maiores serão as taxas de juros. O cartão de crédito se apresenta sobre a ótica da taxa de juros, primeiramente sobre a inadimplência, neste caso a taxa seria nula, pois o risco de falta de pagamento é zero, entretanto, na venda, cada estabelecimento tem a taxa de juros pré-fixada pela operadora. A variável quanto ao valor da taxa de juros se resumirá apenas pelo prazo de pagamento que o cliente optar. 2.9 Estratégias comerciais A aplicação da matemática financeira nas operações comerciais visa determinar o percentual de desconto à vista equivalente ao prazo oferecido, e para um nível de inflação determinar plano de venda a prazo eficiente. O objetivo de avaliar as estratégias da compra e venda é comparar as várias alternativas da venda, porém com o mesmo poder de compra na mesma data, ou seja, saber se a condição à vista com desconto é compatível com o valor cobrado a prazo e vice versa Valor presente Conforme Gitman (2004), valor presente é o valor atual de uma quantia futura. O processo de determinar o valor presente é geralmente chamado de desconto de fluxo de caixa e objetiva dar resposta à seguinte pergunta: quanto o comprador estaria disposto a pagar hoje, por um investimento de valor futuro (FV), a uma taxa (i), por um período de tempo (n). 7/13

8 Por exemplo: Uma pessoa teria a oportunidade de receber R$ 300,00 em um ano a taxa de 6%aa, este valor, hoje representaria. Valor presente (PV) = FV (1+i) n Valor presente (PV) = R$ 300,00 = R$ 283,02, (1+0,06) 1 Sendo, PV valor presente; FV valor futuro; n período de tempo; i taxa Isto representa que se ele estiver disposto a investir R$ 283,02 hoje daqui um ano representará do R$ 300,00, ou inversamente, se fosse proposto receber um capital de R$ 300,00 em um ano ou R$ 250,00 hoje, a taxa de 6%aa, compensaria receber em um ano este capital, pois descontada a taxa relativa hoje representaria R$ 283, Simulação de cálculos Será exemplificado através de uma situação fictícia onde será descrito uma situação inicial de venda, suas formas de pagamento, cálculos de valores à vista e a prazo na tentativa de conseguir chegar a uma estratégia de venda a prazo implementado pelo uso do cartão de crédito. Primeiramente a empresa deve determinar o preço de venda à vista de seus produtos, em função da margem de lucro desejado levando-se em conta o mercado. A partir deste ponto faz-se o cálculo para este valor. Exemplificando, o valor mensal da venda fictícia realizado pela empresa através do cartão de crédito é de aproximadamente R$ ,00. Será utilizada como exemplo uma peça de valor agregado alto, para que seja possível acompanhar de forma clara as alterações nestes valores. Na empresa é praticado atualmente o preço a prazo parcelado em 4 parcelas iguais, tanto no cheque pré-datado, quanto no cartão de crédito. No pagamento à vista em espécie ou cartão (débito ou crédito direto) o desconto à vista praticado é de 10%. Assim tem-se: Produto X preço R$ 2.000,00 equivalente a 4 parcelas iguais, sendo a primeira no ato da compra, de R$ 500,00 sem entrada, ou venda à vista desconto 10%, R$ 2.000,00 10% = R$ 1.800,00. O valor á vista deverá ser visualizado como o valor mínimo que a Empresa está disposta a receber pela mercadoria. No entanto é necessária uma análise minuciosa. No caso desta venda ocorrer na condição à vista, deve-se analisar o pagamento, pois se o mesmo for em espécie esta será o menor valor que a Empresa está disposta a receber, entretanto, se for no cartão este não será o menor valor que a Empresa está disposta a receber, pois será necessário descontar os custos incorrido nesta transação, como a taxa cobrada para o cartão de débito, no caso 2%, e no cartão de crédito, pela operadora Cielo 3,1%, e pela operadora Redecard 3,3%, além de descontar, o percentual representativo do aluguel das máquinas, custos estes ausentes na venda em espécie. 8/13

9 O cálculo da representatividade do aluguel das máquinas neste estudo será usado de forma genérica, pois será calculado através da soma do aluguel das duas máquinas e dividido pelo valor das vendas realizadas no cartão, sendo então: Venda no cartão realizado no mês: R$ ,00 Para a empresa analisada, o aluguel máquina operadora Cielo R$ 87,00, e o Aluguel máquina operadora Redecard R$ 59,00. Este aluguel é variável de acordo com o faturamento da máquina: até R$ 4.000,00 de faturamento, o aluguel é de R$ 59,00; acima de R$ 4.000,00 até R$ 6.000,00 o valor do aluguel é de R$ 29,00; acima R$ 6.000,00 tem a isenção de aluguel. Considera-se para efeito do cálculo do percentual o valor cobrado na operadora Redecard será isento, pois a empresa fatura um valor acima de R$ 6.000,00 por mês, entrando na faixa de isenção, assim: Percentual do aluguel = R$ 87,00 * 100 = 0,435% R$ ,00 Desta forma o pagamento pode ser à vista das seguintes formas: a) Em espécie, neste caso a empresa recebe o valor de R$ 1.800,00, sem nenhum valor descontado; b) Cartão de débito, o valor que a empresa vai receber é de R$ 1.800,00 descontado, taxa 2% e aluguel 0,435%. Valor da venda R$ 1.800,00 Taxa+aluguel (2,435%) R$ 43,83 Valor a receber R$ 1.756,17 c) Cartão de crédito Cielo, a empresa vai receber R$ 1.800,00 descontado, a taxa de 3,1%, o aluguel de 0,435% no prazo de 30 dias. Valor da venda R$ 1.800,00 Taxa+aluguel (3,535%) R$ 63,63 Valor a receber R$ 1.736,37 Considerando custo de oportunidade os juros da caderneta de poupança 0,6%am, corresponderá a um valor presente de R$ 1.726,01. a) Cartão de crédito Redecard, a empresa vai receber R$ 1.800,00 descontado, a taxa de 3,3%, o aluguel de 0,435% (em virtude de ter sido um cálculo de média entre as operadoras, incluso no valor de todas as operações) no prazo de 30 dias. Valor da venda R$ 1.800,00 Taxa+aluguel (3,535%) R$ 67,23 Valor a receber R$ 1.732,77 Considerando custo de oportunidade os juros da caderneta de poupança 0,6%am, corresponderá a um valor presente de R$ 1.722,44. Assim, pode-se afirmar que o valor mínimo que a empresa irá receber não é mais R$ 1.800,00 à vista, e sim R$ 1.732,77 disponível em 30 dias equivalendo a um valor atual de R$ 1.722,44. Desta forma, é necessário ao administrador o conhecimento dos custos, prazos e das formas como estão sendo as forma de pagamento. Entretanto vale ressaltar a alavancagem de venda através do cartão de crédito, pois nem todas as pessoas têm o poder de compra em espécie. Por isso é necessário uma análise conjunta entre custo x benefício das negociações, o conhecimento prévio de quais custos estão incorridos nos cálculos e até que ponto a Empresa pode ceder um uma negociação. 9/13

10 É preciso que se esclareça que para o Código de Defesa do Consumidor, o valor do produto à vista em espécie deverá ser o mesmo valor do preço a débito e a crédito no cartão, pela alegação de que o consumidor já paga a anuidade para a utilização do cartão, entre outras. Isto merece uma ressalva, pois já tramita no governo projetos para alteração desta lei, visto que é oneroso este tipo de venda, conforme afirma Melo (2010). O pagamento pode ser feito, ainda, a prazo, com pagamento no cheque ou no cartão, dividido em até 4 pagamentos, conforme segue: a) Cheque pré-datado, neste caso o valor de R$ 2.000,00 é dividido em 4 cheques R$ 500,00 sendo, 1 entrada dias; assim o prazo médio de recebimento de 45 dias. Este valor a prazo equivale a dizer que a taxa de juros aplicada no período é de 7,51%am, sem considerar nenhum custo como inadimplência e cobrança, pois neste caso, a forma de recebimento não é segura. b) Cartão de crédito pela operadora Cielo, parcelado pelo estabelecimento, a empresa vai receber R$ 2.000,00 dividido em 4 parcelas de R$ 500,00, descontadas as taxas, a taxa de 4,1%, o aluguel de 0,435% no prazo de 30/60/90/120 dias, sendo o prazo médio de 75dias. Valor da parcela R$ 500,00 Taxa+aluguel (4,535%) R$ 22,68 Valor a receber por parcela R$ 477,32 O valor a receber considerando custo de oportunidade os juros da caderneta de poupança 0,6%am, corresponderá a um valor presente de R$ 1.880,98. c) Cartão de crédito Redecard parcelado pelo estabelecimento, a empresa vai receber R$ 2.000,00 dividido em 4 parcelas de R$ 500,00, descontadas as taxas, a taxa de 3,8%, o aluguel de 0,435% no prazo de 30/60/90/120dias, sendo o prazo médio de 75dias. Valor da parcela R$ 500,00 Taxa+aluguel (4,535%) R$ 21,17 Valor a receber por parcela R$ 478,83 Desta forma pode-se afirmar que ao invés de receber R$2.000,00 pela venda parcelada o valor presente a receber será de R$ 1.886,93, considerando custo de oportunidade os juros da caderneta de poupança, 0,6% am. A maior preocupação atualmente está relacionada à dilatação cada dia maior do mercado nos prazos de pagamento, e a manutenção do fluxo de caixa. O cálculo para a formação do preço é simples embora demande uma análise prévia mais complexa, pois é necessário que a Empresa estabeleça o preço mínimo que está disposto a vender o produto e a partir deste valor estabeleça a taxa de juros necessária para o prazo concedido. O fluxo de caixa deve ser analisado de forma mais profunda, pois implica no conhecimento dos prazos de fornecedores, prazo aos clientes e da folga de caixa. No caso do uso do cartão de crédito, a possibilidade das vendas em parcelamentos longos proporciona uma maior fidelização dos clientes, e uma segurança de vender sem inadimplência. Porém a administração financeira não pode deixar de frisar que para a Empresa, a necessidade é gerar resultados positivos. 4. Proposta final da pesquisa 10/13

11 A partir das análises feitas acima pode-se verificar que o cálculo do preço a prazo deve partir do menor valor que a empresa está disposta a receber por determinado produto, estabelecer a taxa de juro do custo de oportunidade em que a empresa trabalha, podendo ser os juros da caderneta de poupança, dos diversos investimentos, de fornecedores, conforme a estratégia da empresa. A seguir será feita um cálculo para venda a prazo em 10 parcelas no cartão de crédito partindo do menor preço que a empresa está disposta a receber. Dividir em 10 parcelas iguais o capital de 1722,44, assim: PV = R$ 1.722,40 n = 10 i = 0,6%am Desta forma a parcela atualizada pela taxa de oportunidade será de R$ 177,97, porém somados a taxa de juros do cartão mais o percentual relativo ao aluguel da máquina, será de: Operadora Redecard taxa de 4,5% mais 0,435% do aluguel, Valor da parcela R$ 177,97 Em virtude da taxa do cartão e o aluguel da máquina serem cobrados do cliente o cálculo deve ser feito da seguinte forma: Taxa 4,5% + aluguel 0,435% = 4,935% 100% - 0,435% = 95,065%, ou 0,95065, Assim, Valor a parcela = R$177,97 = R$187,21 0, ,95065 Desta forma o valor da parcela em 10 pagamentos será de R$ 187,21. Será realizado o cálculo somente com a taxa de Redecard em virtude de não ter a taxa da operadora Cielo para 10 pagamentos. Este tipo de parcelamento dever ser utilizado em virtude de proporcionar uma alavancagem nas vendas, aplicando em produtos com maior valor, podendo atender o prazo de pagamento com conhecimento de que seus custos estão sendo cobertos sem gerar problemas de rentabilidade para a empresa, podendo fazer jus à concorrência. Este trabalho desenvolveu um modelo para calcular o preço de venda parcelada em um prazo estendido para que não afete o resultado final comparado com o preço à vista. Conclusão O objetivo deste trabalho foi analisar como as vendas com cartão de crédito impactam no resultado das venda e de que forma poderiam ser prejudiciais e/ou benéficas para a empresa, e de que maneira deveriam ser analisadas. A abertura de mercado que a venda parcelada no cartão de crédito está proporcionando a quem antes não tinha acesso ao crédito, faz com que os administradores enxerguem de forma global como explorar esta nova fatia de mercado que garante o pagamento da dívida, reduzindo a inadimplência. O presente trabalho buscou elucidar através de um exemplo, os impactos dos encargos financeiros no cálculo de vendas efetuadas no cartão de crédito a 11/13

12 partir de dados coletados, cobrindo os custos incorridos na transação, levando-se em consideração o custo de oportunidade. Neste trabalho foi desenvolvido um modelo para calcular o preço de venda parcelada em um prazo estendido para que não afete o resultado final comparado com o preço à vista. Em suma, este trabalho proporciona um crescimento de conhecimento sobre os aspectos financeiros e de visão de longo prazo no que está acontecendo e que vai acontecer no futuro próximo. REFERÊNCIAS ASSAF NETO, A. Matemática financeira e suas aplicações. 11.ed. São Paulo: Atlas, ASSAF NETO, A. Finanças corporativas e valor. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2005 BERNARDI, L.A. Manual de formação de preços: política, estratégias e fundamentos. 3ed. São Paulo: Atlas, GITMAN, L.J. Princípios de administração financeira. 10.ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, IUDÍCIBUS, S.; MARION, J. C. Curso de contabilidade para não contadores. 3.ed. São Paulo: Atlas, LONGENECKER, J. G.; MOORE, C.W.; PETTY, J.W. Administração de pequenas empresas. Tradução Maria Lucia G. L. Rosa e Sidney Stancatti. São Paulo: Makron Books, MELO, R.D. Diferenciação de preços na venda à vista e na pratica por meio de cartão. [s.i.:s.n.], [s.d.]. Disponível em: <http://www.dolabella.com.br>. Acesso em: 24 out ROSS, S.A.; WESTERFIELD, R.W.; JORDAN, B.D. Princípios de administração financeira. Tradução Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi. São Paulo: Atlas, TÓFOLI, I. Administração financeira empresarial: Uma tratativa prática. Campinas: Arte Brasil Editora, ZDANOWICZ, J. E. Fluxo de caixa. 7. Ed. Porto Alegre: Sagra, /13

13 13/13

VENDA A PRAZO ATRAVÉS DE UMA OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO RESUMO

VENDA A PRAZO ATRAVÉS DE UMA OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO RESUMO VENDA A PRAZO ATRAVÉS DE UMA OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO Rafael Teixeira de Sousa - raftexs@hotmail.com Vanessa Defendi de Oliveira Baravelli - vanesdefendi@hotmail.com Ricardo Yoshio Horita - ricardohorita@uol.com.br

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA Cristiane Escarpelini dos Santos - cristianne88@hotmail.com Ricardo dos Santos Gabriel de Jesus - rickccb@gmail.com Profº. M. Sc. Francisco Cezar Vendrame - fcvendrame@unisalesiano.edu.br

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós Graduação Lato Sensu em MBA em Gestão Empresarial

UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós Graduação Lato Sensu em MBA em Gestão Empresarial 10 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós Graduação Lato Sensu em MBA em Gestão Empresarial Vanessa Defendi de Oliveira Baravelli VENDA A PRAZO ATRAVÉS DE UMA OPERADORA

Leia mais

AUTOR(ES): JAQUELINE OLIVEIRA BATISTA BELMIRO FERREIRA, JOICE KELLY ORTEGA CONRADO, TALITA DE FATIMA SILVA CAVALCANTE

AUTOR(ES): JAQUELINE OLIVEIRA BATISTA BELMIRO FERREIRA, JOICE KELLY ORTEGA CONRADO, TALITA DE FATIMA SILVA CAVALCANTE TÍTULO: GESTAO DE CAPITAL DE GIRO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM AUTOR(ES): JAQUELINE OLIVEIRA

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO TIPOS DE CARTÃO CARTÃO DE CRÉDITO Instrumento de pagamento que possibilita ao portador adquirir bens e serviços nos estabelecimentos credenciados mediante um determinado limite de crédito. O cliente poderá

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO 1. ATIVO E SUA MENSURAÇÃO De acordo com Iudícibus e Marion (1999), as empresas fazem uso de seus ativos para manutenção de suas operações, visando a geração de receitas capazes de superar o valor dos ativos

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

FINANÇAS APLICADAS. Prof. Almir Xavier. Campinas, 13 de setembro de 2011

FINANÇAS APLICADAS. Prof. Almir Xavier. Campinas, 13 de setembro de 2011 FINANÇAS APLICADAS Prof. Almir Xavier Campinas, 13 de setembro de 2011 Experiência - Almir Xavier 2008 a Atual (CSN - Companhia Siderúrgica Nacional) - Gerência de Riscos Corporativos: responsável pela

Leia mais

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO 1 CONTEÚDO RESUMIDO Elaboração e Apresentação Professor: Edison Küster MST. KÜSTER, Edison; Fabiane Christina Küster; Projetos Empresariais - Elaboração e Análise de Viabilidade - Editora Juruá, Curitiba

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI SOCORRO 2011 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

APRESENTAÇÃO APIMEC. Março de 2015. Copyright Cielo Todos os direitos reservados

APRESENTAÇÃO APIMEC. Março de 2015. Copyright Cielo Todos os direitos reservados APRESENTAÇÃO APIMEC Março de 2015 Copyright Cielo Todos os direitos reservados A COMPANHIA FAZ DECLARAÇÕES SOBRE EVENTOS FUTUROS QUE ESTÃO SUJEITAS A RISCOS E INCERTEZAS Tais declarações têm como base

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ GRASIELA ANA MENDES

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ GRASIELA ANA MENDES 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ GRASIELA ANA MENDES ELABORAÇÃO DE PROPOSTA DE UM FLUXO DE CAIXA PARA A EMPRESA BLUE CAT S COMÉRCIO E CONFECÇÕES E ARTIGOS PARA PRESENTES LTDA ME Biguaçu 2008 1 GRASIELA

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A Matemática Financeira como elemento de contextualização crítica no Ensino Fundamental - Prof. Ilydio Sá 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil S.A. e FENACAT 2 Prezadas Associadas, As informações aqui tratadas orientam sobre como obter os benefícios e utilizar os produtos e serviços descritos nesta

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

EDITORIAL. Roque Pellizaro Presidente da CNDL. Roberto Alfeu Presidente do SPC Brasil

EDITORIAL. Roque Pellizaro Presidente da CNDL. Roberto Alfeu Presidente do SPC Brasil EDITORIAL Depois de muita pressão do movimento lojista, o governo parece disposto a fixar regras para a indústria de cartões de crédito. O movimento lojista de forma alguma se opõe à indústria de cartões

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS 1 2 Identificar os principais produtos e serviços oferecidos pelos bancos no Brasil; 3 I INTRODUÇÃO 4 II - DESENVOLVIMENTO 1. PRODUTOS BANCÁRIOS 2. TIPOS DE CONTAS 3. OPERAÇÕES ATIVAS a. Cheque Especial

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O F I N A N Ç A S A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO Autores: EDUARDO BRAGA e-braga@uol.com.br

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil e AmBev Setembro/20 Senhores Franqueados, O convênio firmado com o Banco do Brasil visa propiciar às Franquias Brahma AmBev, acesso à linhas de crédito (capital

Leia mais

Modelo Teórico de Análise do Capital de Giro e de Demonstração dos Fluxos Operacionais de Caixa

Modelo Teórico de Análise do Capital de Giro e de Demonstração dos Fluxos Operacionais de Caixa Modelo Teórico de Análise do Capital de Giro e de Demonstração dos Fluxos Operacionais de Caixa Maurício Melo Dolabella (Universidade Federal de Minas Gerais) mmd@face.ufmg.br Resumo O objetivo deste trabalho

Leia mais

FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO

FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO 1 FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO Neilton Gomes da Silva 1 Resumo O artigo propõe-se apresentar as Funções do Administrador Financeiro, enquadrado dentro das Empresas de Pequeno Porte (EPP), como ferramenta

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra. CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I Administração Financeira: uma visão geral. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.br) Introdução Todas as

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira 1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira É o ramo da matemática que tem como objeto de estudo o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Avalia-se a maneira como este dinheiro

Leia mais

Universitário e Coordenador dos cursos de Pós Graduação e Graduação das Faculdades Drummond.

Universitário e Coordenador dos cursos de Pós Graduação e Graduação das Faculdades Drummond. O SISTEMA AUTO-FACTORING JOSÉ CARLOS CAROTA 1, SEBASTIÃO DO CARMO E. VIEIRA 2 Sumário: 1. Introdução; 2. Receitas Financeiras; 3. Factoring e Auto-Factoring; 4. Apuração de Tributos; 5. Hipótese de Aplicação

Leia mais

Planilha Eletrônica de Fluxo de Caixa

Planilha Eletrônica de Fluxo de Caixa Planilha Eletrônica de Fluxo de Caixa Jacsson Massing (ULBRA-SM) jacsson@vigitech.com.br Jader Tomazetti da Cunha (ULBRA-SM) grapiamarmadeiras@terra.com.br Carlos Otávio Zamberlan (ULBRA-SM) otaviozamberlan@terra.com.br

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Conhecendo os Processos de Cobrança

Conhecendo os Processos de Cobrança Conhecendo os Processos de Cobrança 03 Processos de Cobrança Entenda a Fatura Ferramentas de Suporte Consulta de Extratos 05 09 11 16 Consumo Consciente 02 Processos de Cobrança conheça os processos de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÕES Unidade I Fichamentos e Exercícios Avaliativos 2,0 Prova Escrita Individual 8,0 Unidade II Projeto Conceitual de

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais