Remuneração Variável em um Instituto de pesquisas: o caso do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Remuneração Variável em um Instituto de pesquisas: o caso do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo"

Transcrição

1 Remuneração Variável em um Instituto de pesquisas: o caso do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo João Pizysieznig Filho Solange Aparecida Machado Marly Monteiro de Carvalho Pesquisadores do IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, SP - Av. Prof. Almeida Prado, 532 CEP São Paulo - SP - Fone r Abstract The variable pay could become a powerful tool to leverage the productivity and competitivity of private companies and also in the public sector. The article analyses the difficulties on the implementation of a variable pay system in a research institute - Technological Research Institute of São Paulo State. The main difficulties are related with cultural, accountable and bureaucratic issues. key words: variable pay, research institute 1. INTRODUÇÃO Com a revolução industrial, o trabalho humano passou a ser considerado como mais um insumo produtivo. De fato esta abordagem é compartilhada desde os economistas clássicos como David Ricardo e Karl Marx, até os mais contemporâneos. Os insumos básicos de produção seriam terra, capital e, também, o trabalho. Uma das mais relevantes contribuições para a discussão do papel do trabalho no desenvolvimento econômico foi dada por Theodore Schultz em seus trabalhos sobre o capital humano. Ele aponta para os aspectos qualitativos da força de trabalho de um país, indicando a educação como um dos investimentos mais relevantes para o desenvolvimento econômico. A administração, enquanto ciência, tem a sua origem intimamente ligada à preocupação com a produtividade do trabalho. O pioneiro da escola de administração científica, Taylor, centrou muito de suas contribuições em trabalhos ligados à mensuração e recompensa da produtividade. Embora a ciência da administração tenha se destacado pelo reconhecimento do trabalho como fundamental para o desempenho da empresa, não devendo, portanto, ser tratado como simples fator de produção a ser adquirido no mercado, por preço e qualidade pré determinado, o caráter de alienação do trabalhador permaneceu bastante acentuado no relacionamento deste com a empresa. A especialização em recursos humanos levou à criação de modelos de gestão e desenvolvimento do trabalho que ainda consideravam o trabalhador como peça manipulável e passiva. Esta postura tinha, como contraponto, a ação desconfiada e hostil do sindicato em relação à empresa.

2 Estas circunstâncias passaram a ser questionadas pela mudança no ambiente competitivo mundial, após a década de 60, com a ascensão do Japão no comércio internacional. A observação do sucesso japonês levou à identificação do comprometimento do trabalhador com a empresa como um dos principais fatores a explicar a competitividade japonesa. Ao mesmo tempo, este comprometimento, significava maior participação do trabalhador nas decisões da empresa, ao menos no nível operacional. A competição no comércio internacional acirrou-se sobremaneira a partir da década de 80, na esteira do processo denominado de globalização, caracterizado pela redução de barreiras alfandegárias, aumento vertiginoso na velocidade de transferência de fundos financeiros entre países, mudanças tecnológicas nos campos da microeletrônica, informática e telecomunicações que criaram, não só novos produtos, mas permitiram novas formas organizacionais, viabilizando mudanças radicais nos processos produtivos, promovendo a dissolução das fronteiras entre empresas, através do downsizing, terceirização, parcerias e fusões, que passaram a exigir, ao mesmo tempo, descentralização decisória aliada à coordenação de ações e informação disseminada amplamente na empresa. Neste novo cenário competitivo, turbulento e altamente imprevisível, o planejamento estratégico, baseado na programação antecipada de ações, segundo cenários plausíveis de futuro, passa a perder terreno para uma postura organizacional onde a flexibilidade e a responsividade são os conceitos fundamentais. O foco das empresas não é mais seus produtos e processos, cada vez mais efêmeros, mas as suas competências básicas e sua capacidade de reação e aprendizado, isto é, de criar novas competências. Esta nova realidade define, então, um papel decisivo dos recursos humanos na competitividade das empresas. A produtividade do trabalhador não pode mais ser obtida por mecanismos behaivioristas do tipo estímulo resposta, mas por uma convergência genuína e não contraditória entre os objetivos individuais e os objetivos da empresa. Isto implica na participação do trabalhador tanto nas decisões quanto nos resultados da empresa, sejam estes positivos ou negativos. O salário, enquanto instituição, é um conceito ligado ao velho paradigma do trabalhador como fator de produção. Embora alguns arranjos organizacionais proponham a sua eliminação total, como na terceirização de atividades pela criação de empresas de propriedade de ex-funcionários, o desafio atual das empresas é desenvolver sistemas de participação em resultados, consistentes com o novo panorama competitivo. 2. REMUNERAÇÃO VARIÁVEL: PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Quando bem concebidos, os sistemas de remuneração podem se tornar uma importante ferramenta de gestão das empresas. Segundo SHUSTER & ZINGHEIM (1995), do lado da empresa, uma das principais virtudes dos novos processos de remuneração e compensação é comunicar com eficiência aos trabalhadores, quais são as missões e objetivos da empresa, estimulando comportamentos consistentes e sinérgicos em direção a estas metas. Os paradigmas mais recentes da administração apontam as competências básicas das empresas como o fator chave de sua competitividade e sobrevivência sob o novo panorama competitivo. PRAHALAD e HAMEL, em seu seminal artigo The Core Competence of the Corporation (1990), propõem que os gestores das empresas devem despender esforços em construir uma arquitetura empresarial que estabeleça objetivos para a construção de competências, implicando, em contrapartida, na explicitação clara e uma comunicação efetiva destes objetivos à toda a empresa. A construção de competências pressupõe, entre outras coisas, como sugerem estes autores, a ampliação das habilidades dos recursos humanos através de treinamento e planos de carreira não lineares, que possibilitem rodízios de funcionários entres tarefas,

3 departamentos, negócios e produtos da empresa. A correta sinalização para o trabalhador e, ao mesmo tempo, a recompensa por seus esforços neste processo de ampliação de habilidades, aparentemente dispersivo e contraproducente para a sua consolidação profissional, pode ser obtida através de um sistema de premiação ou remuneração por habilidades. A remuneração variável é de há muito aplicada nas empresas, mas ainda com um enfoque mecanicista e elitista. A remuneração variável tradicional é, em geral, aplicada apenas para os executivos ou para o pessoal de vendas, sob o pressuposto que somente estes têm influência decisiva sobre os resultados da empresa. Ou ainda, a remuneração variável é aplicada apenas na manufatura para obter-se produtividades máximas dentro dos limites imposto pelos processos produtivos. A nova remuneração como apontada por alguns autores (SHUSTER & ZINGHEIM, 1995, op. cit; LAWLER, 1990) propugna pela participação de todos os estratos funcionais no resultado da empresa. A produtividade é variável relevante a ser mensurada, mas o trabalhador é estimulado a também propor mudanças no processo produtivo. Em defesa da remuneração variável, como principal estratégia de remuneração da empresa, apontam também as consequências funestas que a remuneração via salário fixo pode ter para a empresa e empregados quando sobrevêm dificuldades de mercado, como queda nas vendas ou no faturamento. Quando a remuneração fixa é definida em patamares elevados, consoante a períodos de bons resultados financeiros da empresa, as crises de mercado provocam, de imediato, a compressão da rentabilidade da empresa, podendo levar a cortes de pessoal, com conseqüente desestímulo e perda de confiança dos funcionários na empresa. Quando a remuneração variável é parte significativa da remuneração total dos empregados, as crises de mercado não acarretam, necessariamente, o desemprego, mas apenas impõem a queda na remuneração variável, possibilitando a reação do trabalhador na busca de superar o problema através da recuperação da rentabilidade da empresa. Neste sentido, a remuneração variável permite a empresa pagar baseada, principalmente, na sua capacidade de pagar, trazendo vantagens para empresa e empregados simultaneamente. Se fosse usada por um número significativo de empresas, a remuneração variável também teria um papel de amortecedor inflacionário durante os períodos recessivos. 2.1 As modalidades SHUSTER and ZINGHEIM (1995, op.cit.) definem dez modalidades de remuneração variável, a saber: Prêmios especiais de reconhecimento Remuneração variável individual Remuneração variável em grupo Prêmios fixos ( lump sum ) Participação nos lucros Participação em ganhos Participação em metas ( winsharing ) Remuneração variável de longo prazo Bônus discricionários Opções de compra de ações Este conjunto de alternativas permite o desenho de sistemas de remuneração variável ajustados às peculiaridades e objetivos de cada empresa. Dentro destas modalidades algumas características podem ser manipuladas, como 1) os parâmetros e critérios de

4 avaliação 2) a unidade de avaliação e premiação, 3) as fontes de financiamento do sistema, 4) a periodicidade de avaliação e premiação, entre outros. 2.2 Parâmetros e critérios de avaliação A definição de parâmetros de avaliação de desempenho é tarefa preliminar no desenho de sistemas de remuneração variável. O fundamental é que estes sejam consistentes com as diretrizes estratégicas, missões e objetivos da empresa. Os sindicatos, por questão de segurança, tendem a preferir parâmetros de avaliação baseados em padrões passados. As empresa, contudo, principalmente em mercados sujeitos a mudanças repentinas na tecnologia e condições de concorrência, devem buscar definir parâmetros baseados nos objetivos futuros da empresa. Os critérios de avaliação devem envolver variáveis que podem ser direta ou indiretamente influenciadas pelo desempenho dos funcionários em geral. Entre os critérios podem estar os resultado de lucros, os resultados financeiros, a melhoria de qualidade, a satisfação e valor adicionado aos clientes, ganhos de produtividade etc. O sistema de remuneração variável pode, ainda, definir patamares a serem atingidos, vinculados à proporção dos fundos a serem aplicados no sistema. SHUSTER and ZINGHEIM (1995, op.cit.) indicam três metodologias de distribuição da remuneração: distribuição após o atingimento de um nível pré-determinado de performance da empresa; distribuição após o atingimento de uma meta específica e distribuição estratégica, quando a proporção do fundo a ser aplicado cresce à medida que mais e mais patamares de performance são alcançados, segundo parâmetros estratégicos pré-definidos. 2.3 Unidades de avaliação A remuneração variável pode ter como unidade de avaliação e premiação o indivíduo, o grupo ou ambos. A remuneração variável individual tem como objetivo premiar a performance do indivíduo, independentemente do grupo a que o funcionário está associado. A remuneração por grupo premia o desempenho do grupo, podendo o desempenho individual, em termos da contribuição para o desempenho do grupo, ser levada em consideração, secundariamente. A escolha depende das características e objetivos da empresa. Os autores apontam para o risco de competição entre empregados quando a remuneração obedece apenas ao desempenho individual, uma vez que, em geral, um clima de cooperação e troca de informações é necessário para o bom desempenho das empresas, embora a natureza de alguns empreendimentos possa, em maior ou menor grau, reforçar produtivamente a competição entre os trabalhadores. A recomendação mais sensata é a combinação das duas modalidades em graus diversos, podendo se ter a cooperação com o grupo como um dos critérios de avaliação individual. 2.4 Fontes de Financiamento O financiamento da remuneração variável deve, de preferência, embasar-se nos próprios resultados obtidos após a implantação do sistema. Este princípio norteador pressupõe a parceria entre empresa e empregado, onde ambos ganham. Eventualmente, em função de circunstâncias próprias da empresa, algumas outras fontes podem ser acionadas como 1) a redução ou não reajuste da remuneração em períodos de dissídio, passando a parte subtraída a ser paga em função do desempenho e 2) uma despesa adicional com remuneração, quando a empresa aplica salários pouco competitivos no mercado. Estas três fontes de financiamento podem, ainda, ser combinadas em diferentes proporções.

5 2.5 Freqüência e períodos de avaliação e remuneração Além do custo direto do processo de avaliação de desempenho, indiretamente o processo de avaliação pode interromper rotinas ou prejudicar o tempo disponível para tarefas relevantes para a empresa. Assim, a freqüência e a extensão com que são realizadas as avaliações para fins de remuneração variável devem ser criteriosamente pesadas em termos de seus custos e seu trade off em relação às atividades da empresa. Em geral, empresas que têm processos ou mercados marcados por sazonalidade ou um longo ciclo de produção, devem ter períodos de avaliação mais longos. Quando o processo produtivo da empresa é mais contínuo e, principalmente, quando a remuneração fixa for pouco competitiva em relação ao mercado, recomendam-se períodos mais curtos entre avaliações. A freqüência mais curta de avaliação é a mensal. Embora podendo ser mais motivadora, as medidas de desempenho são, em geral, mais consistentes para períodos mais longos. Uma periodicidade recomendada em termos da maior relevância das medidas de desempenho é a trimestral. A freqüência anual é a mais confortável para a empresa, em função dos procedimentos contábeis de fechamento do ano fiscal, mas, a depender da empresa, pode ser um período muito longo para a premiação. A avaliação e premiação podem ainda estar ligados a avaliações de mais longo prazo, quando ligadas a projetos de maior tempo de maturação, em termos dos impacto sobre os resultados da empresa. O pagamento da remuneração variável pode ser sincronizada com o fim do processo de avaliação, ser feita em uma freqüência mensal e ajustada no fim do ano, em função da performance do funcionário ou grupo ou, ainda, ser parcialmente feita junto à avaliação, deixando-se parte da remuneração para ser recebida em períodos mais longos, como um ano ou mais. Esta última modalidade teria como finalidades manter o funcionário na empresa ou estimular a manutenção da performance no longo prazo. 3. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E REMUNERAÇÃO VARIÁVEL LAWLER (1990) discute as vantagens e desvantagens da vinculação de sistemas de remuneração variável com sistemas de avaliação de desempenho. A avaliação de desempenho, isoladamente, já apresenta um conjunto de dificuldades para a sua implementação e execução. Além do seu custo operacional e do envolvimento de questões subjetivas, a empresa deve ter pré-requisitos culturais para adotar processos de avaliação de desempenho formais, tais como a comunicação aberta e efetiva entre gerentes e funcionários. Além do vínculo com sistemas de remuneração, a avaliação de desempenho pode ou deve, ainda, estar ligada ao planejamento estratégico, a programas de qualidade, a planos de carreira, entre outros. O autor aponta, como principal vantagem da vinculação entre remuneração variável e avaliação de desempenho, o fato desta última ser tomada mais a sério por avaliados e avaliadores, permitindo a troca de informações mais relevantes. Como desvantagens, são apontadas a pouca atenção à carreira do funcionário, a possibilidade do avaliado esconder informações para não comprometer sua remuneração e a definição de objetivos menos ambiciosos entre avaliadores e avaliados. Em instituições em que a cultura dos funcionários tem um forte caráter idealista/vocacional, como nas universidades, institutos de pesquisa, serviços sociais etc, o vínculo entre avaliação e remuneração pode ser muito mal recebido, pois pode ser entendido com uma espécie de suborno ou prostituição. Devido a estas dificuldades o autor, não mandatoriamente, sugere que programas de remuneração variável levem em consideração apenas o desempenho de grupos dentro da

6 empresa e que a avaliação de desempenho individual seja desvinculada da remuneração variável. 4. A REMUNERAÇÃO VARIÁVEL NO IPT 4.1 Caracterização do ambiente da instituição O Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S/A - IPT - é uma instituição de pesquisas quase centenária, com contribuições relevantes à indústria e ao setor público, na prestação de serviços laboratoriais e de assessoria técnica, no desenvolvimento de estudos e projetos de pesquisa e desenvolvimento de produtos e processos. A instituição conta, hoje, com perto de 1500 funcionários, dentre estes, 553 pesquisadores, desenvolvendo trabalhos nas mais diferentes área em suas 11 divisões técnicas e centros. O Instituto é subvencionado pelo Governo Estadual, atualmente, em 50% de suas despesas, o restante é coberto com receitas advindas da venda de serviços junto a empresas públicas, privadas e agências de fomento, nacionais e internacionais. No início dos anos 80, após um período de rápido crescimento, ditado por grandes obras de infra-estrutura, desencadeadas pelos governos estadual e federal, o IPT alcançou, em 1983, a cifra de 3451 funcionários diretamente contratados (excluídos os vinculados a projetos),orçamento de R$125 milhões (a preços de agosto de 1994) e uma relação receita sobre despesa de 50%. O Instituto mergulhou, em dez anos, numa profunda e vertiginosa crise financeira, com o orçamento reduzindo-se a R$ 50 milhões e a relação receita despesa caindo para 17% em Uma das características, ao mesmo tempo, causa e conseqüência deste processo de enfraquecimento do Instituto, foi a redução dos salários e a evasão de técnicos qualificados, com perdas significativas nas competências do Instituto, em algumas áreas. No início de 1995, juntamente com a mudança no executivo estadual, toma posse uma nova Diretoria Executiva no Instituto. Devido ao precaríssimo estado das finanças estaduais, o Governo do Estado determina cortes profundos nas despesas de custeio, implicando na definição, após intensa discussão de alternativas, de um corte de 30% nos custos do IPT, o que impôs, além de outras providências, um processo de demissões, que, no período de um ano, chegou a atingir mais de 800 funcionários. Frente aos cortes orçamentários estaduais, a principal alternativa passou a ser a busca do crescimento das receitas externas, como forma de manter os serviços do IPT. Embora, no período de um ano, o Instituto tenha conseguido elevar sua relação receita sobre despesa para 50%, enfrenta-se uma série de dificuldades culturais e institucionais para uma inserção mais empresarial do IPT na venda de seus serviços. A lei de 8666 de 1993, por exemplo, obriga o Instituto a realizar licitações formais para quase a totalidade de suas compras. O IPT, mesmo sob a figura jurídica de sociedade anônima, tem uma autonomia bastante limitada, tendo os seus recursos financeiros diariamente controlados pela Secretaria da Fazenda do Estado. Desta forma, o esforço no crescimento da atividade do Instituto, esbarra em amarras burocráticas e institucionais, que prejudicam, em muito, o seu dinamismo junto ao mercado. Do lado interno, também, defronta-se com um grande desestímulo, em função dos baixos salários e dos impedimentos burocrático-administrativos para a execução das atividades do Instituto.

7 4.2 Discussão interna das propostas de remuneração variável Na busca do rompimento destes empecilhos a uma atuação eficiente do IPT, entre outras medidas, a atual Diretoria Executiva propôs-se a estudar mecanismos de estímulo ao funcionário, como a remuneração variável. Criou-se uma comissão de pesquisadores para desenvolver uma proposta inicial, que teve como mérito desencadear um processo de discussão da questão junto aos funcionários e pesquisadores do Instituto. Os principais problemas criticados na proposta da comissão são o seu caráter excludente, uma vez que a premiação deveria atingir apenas os pesquisadores envolvidos com projetos vendidos ao meio externo, deixando parcela residual para a premiação do restante dos funcionários; o seu vínculo exclusivo ao resultado financeiro do projeto, não se considerando aspectos do mérito técnico; a metodologia, pouco clara e de difícil interpretação em termos das missões e objetivos do IPT e, finalmente, a fonte de recursos para a remuneração variável que viria de recursos hoje necessários ao IPT. Na discussão do tema, outras propostas alternativas foram apresentadas, as quais, buscavam superar estas limitações, propondo uma remuneração variável acessível a todos os funcionários, restrito a um processo de avaliação de desempenho e financiada por receitas líquidas, isto é, após o cumprimento das obrigações financeiras do Instituto. Apesar do esforço na construção de alternativas, a representação dos funcionários, através do Conselho Interdepartamental de Representantes - CIR, manifestou-se contra a implantação da remuneração variável no Instituto. Isto atesta as dificuldades culturais/ideológicas que a remuneração variável pode ter numa instituição de pesquisas. A postura da representação dos funcionários é também acompanhada por um hiato na compreensão do papel da remuneração variável no IPT. Originalmente, a remuneração variável é parte da estratégia de tornar o Instituto mais dinâmico e eficiente na sua atuação junto aos seus clientes. Parte dos funcionários, alimentados inclusive por declarações de membros da Diretoria do Instituto, passaram a ver a remuneração variável como um paliativo às dificuldades salariais do IPT. 4.3 Uma tentativa de interpretação A má recepção que a idéia teve não se deve, contudo, somente à questões de entendimento e interpretação. Pode-se apontar, no caso do IPT, duas hipóteses baseadas na bibliografia até aqui revista. Em primeiro lugar, a proposta de remuneração variável surge no IPT num momento de aguda crise financeira e salarial, aliada a um processo de massivas demissões. A expectativa dos funcionários era, então, a de compartilhar perdas e não ganhos. De outro lado, deve-se levar em consideração os aspectos culturais do Instituto. O caráter de idealismo/vocação de grande parte dos funcionários e pesquisadores é bastante acentuado. A questão apontada por LAWLER (1990, 98 p.), em relação ao ressentimento de funcionários com posturas idealistas, parece ser uma das hipóteses explicativas da resistência dos funcionários. Tivemos, enquanto pesquisador do Instituto, a oportunidade de debater a questão com um grande número de funcionários e chegamos a identificar declarações tais como: sou um profissional competente e responsável, portanto, me ofendo quando dizem que se me pagarem melhor trabalharei mais; quem escolheu trabalhar num instituto de pesquisas deve conformar-se em ganhar menos do que quem trabalha em uma empresa privada; vim trabalhar no IPT para não me submeter à lógica do capital. Apesar destes percalços, a Diretoria Executiva do IPT continua procurando encaminhar a discussão sobre remuneração variável no Instituto. A sua mais recente ação foi encomendar

8 um parecer jurídico sobre a questão. Em síntese, este parecer aponta para mais uma dificuldade a ser enfrentada: a implementação de uma política de remuneração variável em uma empresa estatal deve receber o consentimento da Secretaria da Fazenda, mesmo que o Instituto gere recursos suficientes para fazer frente ao processo. Neste sentido, as perspectivas não são muito otimistas a respeito de uma eventual aprovação. Uma alternativa que pode ser acionada, e que já está em discussão no IPT, é a constituição de uma fundação de direito privado para apoiar o IPT, que poderá alavancar mais recursos para o Instituto, viabilizando a execução de uma série de ações, inclusive a gestão de um programa de remuneração variável. 5. BIBLIOGRAFIA CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. 3a ed. McGraw-Hill do Brasil: São Paulo, LAWLER, E. E. Strategic pay: aligning organizational strategies and pay systems. 1 st ed. Jossey-Bass Limited: San Francisco, CA-USA, PRAHALAD, C. K. & HAMEL G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, vol 68 - n o 3; May-June, SCHUSTER, J. R & ZINGHEIM, P. K. The new pay: linking employee and organizational performance. Lexington Books:New York, USA, SUSMAN, G. I. Autonomy at work. Praeger Publishers: New York, USA, 1976.

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

O conceito de assistência à saúde...

O conceito de assistência à saúde... Prof. Humberto Medrado hmedrado@ventureconsultoria.com.br O conceito de assistência à saúde... Estabelecer prioridades Planejar, avaliar e implementar continuamente ações de assistência integral à saúde

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento De Luís Cláudio S. Pinho As organizações buscam continuamente gerar valor para maximizar a riqueza no longo prazo e, conseqüentemente,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais