Remuneração Variável em um Instituto de pesquisas: o caso do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Remuneração Variável em um Instituto de pesquisas: o caso do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo"

Transcrição

1 Remuneração Variável em um Instituto de pesquisas: o caso do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo João Pizysieznig Filho Solange Aparecida Machado Marly Monteiro de Carvalho Pesquisadores do IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, SP - Av. Prof. Almeida Prado, 532 CEP São Paulo - SP - Fone r Abstract The variable pay could become a powerful tool to leverage the productivity and competitivity of private companies and also in the public sector. The article analyses the difficulties on the implementation of a variable pay system in a research institute - Technological Research Institute of São Paulo State. The main difficulties are related with cultural, accountable and bureaucratic issues. key words: variable pay, research institute 1. INTRODUÇÃO Com a revolução industrial, o trabalho humano passou a ser considerado como mais um insumo produtivo. De fato esta abordagem é compartilhada desde os economistas clássicos como David Ricardo e Karl Marx, até os mais contemporâneos. Os insumos básicos de produção seriam terra, capital e, também, o trabalho. Uma das mais relevantes contribuições para a discussão do papel do trabalho no desenvolvimento econômico foi dada por Theodore Schultz em seus trabalhos sobre o capital humano. Ele aponta para os aspectos qualitativos da força de trabalho de um país, indicando a educação como um dos investimentos mais relevantes para o desenvolvimento econômico. A administração, enquanto ciência, tem a sua origem intimamente ligada à preocupação com a produtividade do trabalho. O pioneiro da escola de administração científica, Taylor, centrou muito de suas contribuições em trabalhos ligados à mensuração e recompensa da produtividade. Embora a ciência da administração tenha se destacado pelo reconhecimento do trabalho como fundamental para o desempenho da empresa, não devendo, portanto, ser tratado como simples fator de produção a ser adquirido no mercado, por preço e qualidade pré determinado, o caráter de alienação do trabalhador permaneceu bastante acentuado no relacionamento deste com a empresa. A especialização em recursos humanos levou à criação de modelos de gestão e desenvolvimento do trabalho que ainda consideravam o trabalhador como peça manipulável e passiva. Esta postura tinha, como contraponto, a ação desconfiada e hostil do sindicato em relação à empresa.

2 Estas circunstâncias passaram a ser questionadas pela mudança no ambiente competitivo mundial, após a década de 60, com a ascensão do Japão no comércio internacional. A observação do sucesso japonês levou à identificação do comprometimento do trabalhador com a empresa como um dos principais fatores a explicar a competitividade japonesa. Ao mesmo tempo, este comprometimento, significava maior participação do trabalhador nas decisões da empresa, ao menos no nível operacional. A competição no comércio internacional acirrou-se sobremaneira a partir da década de 80, na esteira do processo denominado de globalização, caracterizado pela redução de barreiras alfandegárias, aumento vertiginoso na velocidade de transferência de fundos financeiros entre países, mudanças tecnológicas nos campos da microeletrônica, informática e telecomunicações que criaram, não só novos produtos, mas permitiram novas formas organizacionais, viabilizando mudanças radicais nos processos produtivos, promovendo a dissolução das fronteiras entre empresas, através do downsizing, terceirização, parcerias e fusões, que passaram a exigir, ao mesmo tempo, descentralização decisória aliada à coordenação de ações e informação disseminada amplamente na empresa. Neste novo cenário competitivo, turbulento e altamente imprevisível, o planejamento estratégico, baseado na programação antecipada de ações, segundo cenários plausíveis de futuro, passa a perder terreno para uma postura organizacional onde a flexibilidade e a responsividade são os conceitos fundamentais. O foco das empresas não é mais seus produtos e processos, cada vez mais efêmeros, mas as suas competências básicas e sua capacidade de reação e aprendizado, isto é, de criar novas competências. Esta nova realidade define, então, um papel decisivo dos recursos humanos na competitividade das empresas. A produtividade do trabalhador não pode mais ser obtida por mecanismos behaivioristas do tipo estímulo resposta, mas por uma convergência genuína e não contraditória entre os objetivos individuais e os objetivos da empresa. Isto implica na participação do trabalhador tanto nas decisões quanto nos resultados da empresa, sejam estes positivos ou negativos. O salário, enquanto instituição, é um conceito ligado ao velho paradigma do trabalhador como fator de produção. Embora alguns arranjos organizacionais proponham a sua eliminação total, como na terceirização de atividades pela criação de empresas de propriedade de ex-funcionários, o desafio atual das empresas é desenvolver sistemas de participação em resultados, consistentes com o novo panorama competitivo. 2. REMUNERAÇÃO VARIÁVEL: PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Quando bem concebidos, os sistemas de remuneração podem se tornar uma importante ferramenta de gestão das empresas. Segundo SHUSTER & ZINGHEIM (1995), do lado da empresa, uma das principais virtudes dos novos processos de remuneração e compensação é comunicar com eficiência aos trabalhadores, quais são as missões e objetivos da empresa, estimulando comportamentos consistentes e sinérgicos em direção a estas metas. Os paradigmas mais recentes da administração apontam as competências básicas das empresas como o fator chave de sua competitividade e sobrevivência sob o novo panorama competitivo. PRAHALAD e HAMEL, em seu seminal artigo The Core Competence of the Corporation (1990), propõem que os gestores das empresas devem despender esforços em construir uma arquitetura empresarial que estabeleça objetivos para a construção de competências, implicando, em contrapartida, na explicitação clara e uma comunicação efetiva destes objetivos à toda a empresa. A construção de competências pressupõe, entre outras coisas, como sugerem estes autores, a ampliação das habilidades dos recursos humanos através de treinamento e planos de carreira não lineares, que possibilitem rodízios de funcionários entres tarefas,

3 departamentos, negócios e produtos da empresa. A correta sinalização para o trabalhador e, ao mesmo tempo, a recompensa por seus esforços neste processo de ampliação de habilidades, aparentemente dispersivo e contraproducente para a sua consolidação profissional, pode ser obtida através de um sistema de premiação ou remuneração por habilidades. A remuneração variável é de há muito aplicada nas empresas, mas ainda com um enfoque mecanicista e elitista. A remuneração variável tradicional é, em geral, aplicada apenas para os executivos ou para o pessoal de vendas, sob o pressuposto que somente estes têm influência decisiva sobre os resultados da empresa. Ou ainda, a remuneração variável é aplicada apenas na manufatura para obter-se produtividades máximas dentro dos limites imposto pelos processos produtivos. A nova remuneração como apontada por alguns autores (SHUSTER & ZINGHEIM, 1995, op. cit; LAWLER, 1990) propugna pela participação de todos os estratos funcionais no resultado da empresa. A produtividade é variável relevante a ser mensurada, mas o trabalhador é estimulado a também propor mudanças no processo produtivo. Em defesa da remuneração variável, como principal estratégia de remuneração da empresa, apontam também as consequências funestas que a remuneração via salário fixo pode ter para a empresa e empregados quando sobrevêm dificuldades de mercado, como queda nas vendas ou no faturamento. Quando a remuneração fixa é definida em patamares elevados, consoante a períodos de bons resultados financeiros da empresa, as crises de mercado provocam, de imediato, a compressão da rentabilidade da empresa, podendo levar a cortes de pessoal, com conseqüente desestímulo e perda de confiança dos funcionários na empresa. Quando a remuneração variável é parte significativa da remuneração total dos empregados, as crises de mercado não acarretam, necessariamente, o desemprego, mas apenas impõem a queda na remuneração variável, possibilitando a reação do trabalhador na busca de superar o problema através da recuperação da rentabilidade da empresa. Neste sentido, a remuneração variável permite a empresa pagar baseada, principalmente, na sua capacidade de pagar, trazendo vantagens para empresa e empregados simultaneamente. Se fosse usada por um número significativo de empresas, a remuneração variável também teria um papel de amortecedor inflacionário durante os períodos recessivos. 2.1 As modalidades SHUSTER and ZINGHEIM (1995, op.cit.) definem dez modalidades de remuneração variável, a saber: Prêmios especiais de reconhecimento Remuneração variável individual Remuneração variável em grupo Prêmios fixos ( lump sum ) Participação nos lucros Participação em ganhos Participação em metas ( winsharing ) Remuneração variável de longo prazo Bônus discricionários Opções de compra de ações Este conjunto de alternativas permite o desenho de sistemas de remuneração variável ajustados às peculiaridades e objetivos de cada empresa. Dentro destas modalidades algumas características podem ser manipuladas, como 1) os parâmetros e critérios de

4 avaliação 2) a unidade de avaliação e premiação, 3) as fontes de financiamento do sistema, 4) a periodicidade de avaliação e premiação, entre outros. 2.2 Parâmetros e critérios de avaliação A definição de parâmetros de avaliação de desempenho é tarefa preliminar no desenho de sistemas de remuneração variável. O fundamental é que estes sejam consistentes com as diretrizes estratégicas, missões e objetivos da empresa. Os sindicatos, por questão de segurança, tendem a preferir parâmetros de avaliação baseados em padrões passados. As empresa, contudo, principalmente em mercados sujeitos a mudanças repentinas na tecnologia e condições de concorrência, devem buscar definir parâmetros baseados nos objetivos futuros da empresa. Os critérios de avaliação devem envolver variáveis que podem ser direta ou indiretamente influenciadas pelo desempenho dos funcionários em geral. Entre os critérios podem estar os resultado de lucros, os resultados financeiros, a melhoria de qualidade, a satisfação e valor adicionado aos clientes, ganhos de produtividade etc. O sistema de remuneração variável pode, ainda, definir patamares a serem atingidos, vinculados à proporção dos fundos a serem aplicados no sistema. SHUSTER and ZINGHEIM (1995, op.cit.) indicam três metodologias de distribuição da remuneração: distribuição após o atingimento de um nível pré-determinado de performance da empresa; distribuição após o atingimento de uma meta específica e distribuição estratégica, quando a proporção do fundo a ser aplicado cresce à medida que mais e mais patamares de performance são alcançados, segundo parâmetros estratégicos pré-definidos. 2.3 Unidades de avaliação A remuneração variável pode ter como unidade de avaliação e premiação o indivíduo, o grupo ou ambos. A remuneração variável individual tem como objetivo premiar a performance do indivíduo, independentemente do grupo a que o funcionário está associado. A remuneração por grupo premia o desempenho do grupo, podendo o desempenho individual, em termos da contribuição para o desempenho do grupo, ser levada em consideração, secundariamente. A escolha depende das características e objetivos da empresa. Os autores apontam para o risco de competição entre empregados quando a remuneração obedece apenas ao desempenho individual, uma vez que, em geral, um clima de cooperação e troca de informações é necessário para o bom desempenho das empresas, embora a natureza de alguns empreendimentos possa, em maior ou menor grau, reforçar produtivamente a competição entre os trabalhadores. A recomendação mais sensata é a combinação das duas modalidades em graus diversos, podendo se ter a cooperação com o grupo como um dos critérios de avaliação individual. 2.4 Fontes de Financiamento O financiamento da remuneração variável deve, de preferência, embasar-se nos próprios resultados obtidos após a implantação do sistema. Este princípio norteador pressupõe a parceria entre empresa e empregado, onde ambos ganham. Eventualmente, em função de circunstâncias próprias da empresa, algumas outras fontes podem ser acionadas como 1) a redução ou não reajuste da remuneração em períodos de dissídio, passando a parte subtraída a ser paga em função do desempenho e 2) uma despesa adicional com remuneração, quando a empresa aplica salários pouco competitivos no mercado. Estas três fontes de financiamento podem, ainda, ser combinadas em diferentes proporções.

5 2.5 Freqüência e períodos de avaliação e remuneração Além do custo direto do processo de avaliação de desempenho, indiretamente o processo de avaliação pode interromper rotinas ou prejudicar o tempo disponível para tarefas relevantes para a empresa. Assim, a freqüência e a extensão com que são realizadas as avaliações para fins de remuneração variável devem ser criteriosamente pesadas em termos de seus custos e seu trade off em relação às atividades da empresa. Em geral, empresas que têm processos ou mercados marcados por sazonalidade ou um longo ciclo de produção, devem ter períodos de avaliação mais longos. Quando o processo produtivo da empresa é mais contínuo e, principalmente, quando a remuneração fixa for pouco competitiva em relação ao mercado, recomendam-se períodos mais curtos entre avaliações. A freqüência mais curta de avaliação é a mensal. Embora podendo ser mais motivadora, as medidas de desempenho são, em geral, mais consistentes para períodos mais longos. Uma periodicidade recomendada em termos da maior relevância das medidas de desempenho é a trimestral. A freqüência anual é a mais confortável para a empresa, em função dos procedimentos contábeis de fechamento do ano fiscal, mas, a depender da empresa, pode ser um período muito longo para a premiação. A avaliação e premiação podem ainda estar ligados a avaliações de mais longo prazo, quando ligadas a projetos de maior tempo de maturação, em termos dos impacto sobre os resultados da empresa. O pagamento da remuneração variável pode ser sincronizada com o fim do processo de avaliação, ser feita em uma freqüência mensal e ajustada no fim do ano, em função da performance do funcionário ou grupo ou, ainda, ser parcialmente feita junto à avaliação, deixando-se parte da remuneração para ser recebida em períodos mais longos, como um ano ou mais. Esta última modalidade teria como finalidades manter o funcionário na empresa ou estimular a manutenção da performance no longo prazo. 3. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E REMUNERAÇÃO VARIÁVEL LAWLER (1990) discute as vantagens e desvantagens da vinculação de sistemas de remuneração variável com sistemas de avaliação de desempenho. A avaliação de desempenho, isoladamente, já apresenta um conjunto de dificuldades para a sua implementação e execução. Além do seu custo operacional e do envolvimento de questões subjetivas, a empresa deve ter pré-requisitos culturais para adotar processos de avaliação de desempenho formais, tais como a comunicação aberta e efetiva entre gerentes e funcionários. Além do vínculo com sistemas de remuneração, a avaliação de desempenho pode ou deve, ainda, estar ligada ao planejamento estratégico, a programas de qualidade, a planos de carreira, entre outros. O autor aponta, como principal vantagem da vinculação entre remuneração variável e avaliação de desempenho, o fato desta última ser tomada mais a sério por avaliados e avaliadores, permitindo a troca de informações mais relevantes. Como desvantagens, são apontadas a pouca atenção à carreira do funcionário, a possibilidade do avaliado esconder informações para não comprometer sua remuneração e a definição de objetivos menos ambiciosos entre avaliadores e avaliados. Em instituições em que a cultura dos funcionários tem um forte caráter idealista/vocacional, como nas universidades, institutos de pesquisa, serviços sociais etc, o vínculo entre avaliação e remuneração pode ser muito mal recebido, pois pode ser entendido com uma espécie de suborno ou prostituição. Devido a estas dificuldades o autor, não mandatoriamente, sugere que programas de remuneração variável levem em consideração apenas o desempenho de grupos dentro da

6 empresa e que a avaliação de desempenho individual seja desvinculada da remuneração variável. 4. A REMUNERAÇÃO VARIÁVEL NO IPT 4.1 Caracterização do ambiente da instituição O Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S/A - IPT - é uma instituição de pesquisas quase centenária, com contribuições relevantes à indústria e ao setor público, na prestação de serviços laboratoriais e de assessoria técnica, no desenvolvimento de estudos e projetos de pesquisa e desenvolvimento de produtos e processos. A instituição conta, hoje, com perto de 1500 funcionários, dentre estes, 553 pesquisadores, desenvolvendo trabalhos nas mais diferentes área em suas 11 divisões técnicas e centros. O Instituto é subvencionado pelo Governo Estadual, atualmente, em 50% de suas despesas, o restante é coberto com receitas advindas da venda de serviços junto a empresas públicas, privadas e agências de fomento, nacionais e internacionais. No início dos anos 80, após um período de rápido crescimento, ditado por grandes obras de infra-estrutura, desencadeadas pelos governos estadual e federal, o IPT alcançou, em 1983, a cifra de 3451 funcionários diretamente contratados (excluídos os vinculados a projetos),orçamento de R$125 milhões (a preços de agosto de 1994) e uma relação receita sobre despesa de 50%. O Instituto mergulhou, em dez anos, numa profunda e vertiginosa crise financeira, com o orçamento reduzindo-se a R$ 50 milhões e a relação receita despesa caindo para 17% em Uma das características, ao mesmo tempo, causa e conseqüência deste processo de enfraquecimento do Instituto, foi a redução dos salários e a evasão de técnicos qualificados, com perdas significativas nas competências do Instituto, em algumas áreas. No início de 1995, juntamente com a mudança no executivo estadual, toma posse uma nova Diretoria Executiva no Instituto. Devido ao precaríssimo estado das finanças estaduais, o Governo do Estado determina cortes profundos nas despesas de custeio, implicando na definição, após intensa discussão de alternativas, de um corte de 30% nos custos do IPT, o que impôs, além de outras providências, um processo de demissões, que, no período de um ano, chegou a atingir mais de 800 funcionários. Frente aos cortes orçamentários estaduais, a principal alternativa passou a ser a busca do crescimento das receitas externas, como forma de manter os serviços do IPT. Embora, no período de um ano, o Instituto tenha conseguido elevar sua relação receita sobre despesa para 50%, enfrenta-se uma série de dificuldades culturais e institucionais para uma inserção mais empresarial do IPT na venda de seus serviços. A lei de 8666 de 1993, por exemplo, obriga o Instituto a realizar licitações formais para quase a totalidade de suas compras. O IPT, mesmo sob a figura jurídica de sociedade anônima, tem uma autonomia bastante limitada, tendo os seus recursos financeiros diariamente controlados pela Secretaria da Fazenda do Estado. Desta forma, o esforço no crescimento da atividade do Instituto, esbarra em amarras burocráticas e institucionais, que prejudicam, em muito, o seu dinamismo junto ao mercado. Do lado interno, também, defronta-se com um grande desestímulo, em função dos baixos salários e dos impedimentos burocrático-administrativos para a execução das atividades do Instituto.

7 4.2 Discussão interna das propostas de remuneração variável Na busca do rompimento destes empecilhos a uma atuação eficiente do IPT, entre outras medidas, a atual Diretoria Executiva propôs-se a estudar mecanismos de estímulo ao funcionário, como a remuneração variável. Criou-se uma comissão de pesquisadores para desenvolver uma proposta inicial, que teve como mérito desencadear um processo de discussão da questão junto aos funcionários e pesquisadores do Instituto. Os principais problemas criticados na proposta da comissão são o seu caráter excludente, uma vez que a premiação deveria atingir apenas os pesquisadores envolvidos com projetos vendidos ao meio externo, deixando parcela residual para a premiação do restante dos funcionários; o seu vínculo exclusivo ao resultado financeiro do projeto, não se considerando aspectos do mérito técnico; a metodologia, pouco clara e de difícil interpretação em termos das missões e objetivos do IPT e, finalmente, a fonte de recursos para a remuneração variável que viria de recursos hoje necessários ao IPT. Na discussão do tema, outras propostas alternativas foram apresentadas, as quais, buscavam superar estas limitações, propondo uma remuneração variável acessível a todos os funcionários, restrito a um processo de avaliação de desempenho e financiada por receitas líquidas, isto é, após o cumprimento das obrigações financeiras do Instituto. Apesar do esforço na construção de alternativas, a representação dos funcionários, através do Conselho Interdepartamental de Representantes - CIR, manifestou-se contra a implantação da remuneração variável no Instituto. Isto atesta as dificuldades culturais/ideológicas que a remuneração variável pode ter numa instituição de pesquisas. A postura da representação dos funcionários é também acompanhada por um hiato na compreensão do papel da remuneração variável no IPT. Originalmente, a remuneração variável é parte da estratégia de tornar o Instituto mais dinâmico e eficiente na sua atuação junto aos seus clientes. Parte dos funcionários, alimentados inclusive por declarações de membros da Diretoria do Instituto, passaram a ver a remuneração variável como um paliativo às dificuldades salariais do IPT. 4.3 Uma tentativa de interpretação A má recepção que a idéia teve não se deve, contudo, somente à questões de entendimento e interpretação. Pode-se apontar, no caso do IPT, duas hipóteses baseadas na bibliografia até aqui revista. Em primeiro lugar, a proposta de remuneração variável surge no IPT num momento de aguda crise financeira e salarial, aliada a um processo de massivas demissões. A expectativa dos funcionários era, então, a de compartilhar perdas e não ganhos. De outro lado, deve-se levar em consideração os aspectos culturais do Instituto. O caráter de idealismo/vocação de grande parte dos funcionários e pesquisadores é bastante acentuado. A questão apontada por LAWLER (1990, 98 p.), em relação ao ressentimento de funcionários com posturas idealistas, parece ser uma das hipóteses explicativas da resistência dos funcionários. Tivemos, enquanto pesquisador do Instituto, a oportunidade de debater a questão com um grande número de funcionários e chegamos a identificar declarações tais como: sou um profissional competente e responsável, portanto, me ofendo quando dizem que se me pagarem melhor trabalharei mais; quem escolheu trabalhar num instituto de pesquisas deve conformar-se em ganhar menos do que quem trabalha em uma empresa privada; vim trabalhar no IPT para não me submeter à lógica do capital. Apesar destes percalços, a Diretoria Executiva do IPT continua procurando encaminhar a discussão sobre remuneração variável no Instituto. A sua mais recente ação foi encomendar

8 um parecer jurídico sobre a questão. Em síntese, este parecer aponta para mais uma dificuldade a ser enfrentada: a implementação de uma política de remuneração variável em uma empresa estatal deve receber o consentimento da Secretaria da Fazenda, mesmo que o Instituto gere recursos suficientes para fazer frente ao processo. Neste sentido, as perspectivas não são muito otimistas a respeito de uma eventual aprovação. Uma alternativa que pode ser acionada, e que já está em discussão no IPT, é a constituição de uma fundação de direito privado para apoiar o IPT, que poderá alavancar mais recursos para o Instituto, viabilizando a execução de uma série de ações, inclusive a gestão de um programa de remuneração variável. 5. BIBLIOGRAFIA CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. 3a ed. McGraw-Hill do Brasil: São Paulo, LAWLER, E. E. Strategic pay: aligning organizational strategies and pay systems. 1 st ed. Jossey-Bass Limited: San Francisco, CA-USA, PRAHALAD, C. K. & HAMEL G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, vol 68 - n o 3; May-June, SCHUSTER, J. R & ZINGHEIM, P. K. The new pay: linking employee and organizational performance. Lexington Books:New York, USA, SUSMAN, G. I. Autonomy at work. Praeger Publishers: New York, USA, 1976.

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6 Arquivo Título: A Influência da Cultura Organizacional nos Processos de Fusão e Aquisição Empresarial Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Palavras-chave: agências de RP e comunicação; mercado das agências; perfil das agências.

Palavras-chave: agências de RP e comunicação; mercado das agências; perfil das agências. A expansão do mercado das agências de comunicação no Brasil 1 Tiago Mainieri (tiagomainieri@hotmail.com) Professor adjunto da Universidade Federal de Goiás UFG Resumo O artigo apresenta resultados parciais

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA?

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? João Luiz Kovaleski (2) Rui Francisco Martins Marçal (3) Luiz Alexandre Barbosa Pinto (1) Resumo A área de manutenção de

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor Aula 3 Consolidação do profissional como consultor Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Capítulo 2 OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de consultoria empresarial: conceitos,

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

LIDERANÇA E INVESTIMENTO EM PESSOAS HEITOR M. QUINTELLA DSC(1) JOSÉ CARLOS DE FREITAS (2)

LIDERANÇA E INVESTIMENTO EM PESSOAS HEITOR M. QUINTELLA DSC(1) JOSÉ CARLOS DE FREITAS (2) LIDERANÇA E INVESTIMENTO EM PESSOAS HEITOR M. QUINTELLA DSC(1) JOSÉ CARLOS DE FREITAS (2) No Brasil, com a abertura econômica, a partir de 1990, a importância da competitividade, este cenário ficou mais

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Objetivos Apresentar os fundamentos da avaliação de treinamento Apresentar os tipos de indicadores para mensurar a eficácia do treinamento

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO GRUPO: ADMINISTRAÇÃO II DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO: CPF: ASSINATURA: INSTRUÇÕES:

Leia mais

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004.

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004. RESOLUÇÃO CONSEAcc CPS 3 /2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE CAMPINAS, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus CONSEAcc, do câmpus de Campinas,

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL Ricardo de Miranda Deiró Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail: ricardo.deiro@light.com.br João Antonio da Silva Cardoso Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail:

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 9. O líder empreendedor e a equipe

Capítulo 9. O líder empreendedor e a equipe O líder empreendedor e a equipe Este material é parte integrante do livro Criação de Novos Negócios e pode ser distribuído livremente desde que citada a fonte: www.elsevier.com.br/josedornelas ou www.josedornelas.com.br.

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h CAPITAL DE GIRO liquidez e capital circulante líquido rentabilidade do ativo estratégias de gerência fontes de financiamento estudo de caso orçamento de caixa

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 17: PRINCIPAIS INDICADORES DE DESEMPENHO RELATIVO À RH Um indicador de desempenho, de acordo com Meireles (2001) é uma medida que quantifica a forma como a empresa faz alguma

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 1-CEPE/UNICENTRO, DE 27 DE JANEIRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Negócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO.

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento De Luís Cláudio S. Pinho As organizações buscam continuamente gerar valor para maximizar a riqueza no longo prazo e, conseqüentemente,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS 1 Manual de Cargos, Salários e Carreira Página 2 de 15 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Premissas... 4 2. Estrutura do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Leia mais

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010

Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 Curso Desenvolvimento de Dashboards com o Excel 2007 e 2010 O mercado globalizado e altamente competitivo implica em que, as empresas que almejam serem líderes no mercado onde atuam, devem ter agilidade

Leia mais

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada A. Dados Cadastrais A.1. Informações para contato Endereço Completo: Bairro: Cidade: UF: CEP: Telefone: e-mail: Página na Internet: A.2. Caracterização

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVOS

PROGRAMA DE INCENTIVOS PROGRAMA DE INCENTIVOS - Recompensas e Punições - Novos Métodos em Remuneração - Remuneração Variável - Plano de Bonificação Anual - Distribuição de Ações da Empresa aos Funcionários - Opção de Compra

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais