Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda."

Transcrição

1 Rolamentos FAG Rolamentos e esferas Rolamentos e rolos Caixas Acessórios Rolamentos Rolamentos FAG Lta. Catálogo WL /3 P

2

3 esignações, iniciaas com números esignações, iniciaas com letras Página 10 Rolamento autocompensaor e esferas Rolamento autocompensaor e esferas com anel interno largo Rolamento autocompensaor e esferas Rolamento fixo e esferas, e uma carreira Rolamento e fixação rápia (tipo S) Rolamento e rolos esféricos Rolamento autocompensaor e rolos Rolamento autocompensaor e esferas Rolamento autocompensaor e rolos Rolamento autocompensaor e esferas Rolamento autocompensaor e rolos Rolamento axial e esferas, e escora upla Rolamento autocompensaor e rolos Rolamento autocompensaor e rolos Rolamento axial autocompensaor e rolos Rolamento e rolos cônicos Rolamento e rolos cônicos Rolamento e contato angular e esferas, e uas carreiras Rolamento e rolos cônicos Rolamento e contato angular e esferas, e uas carreiras Rolamento e rolos cônicos Rolamento e fixação rápia (tipo S) Rolamento axial e esferas e escora simples Rolamento axial e esferas e escora upla Rolamento axial e esferas e escora simples, com placa e assentamento esférica Rolamento axial e esferas e escora upla, com placa e assentamento esférica Rolamento e fixação rápia (tipo S) Rolamento fixo e esferas, e uma carreira Rolamento fixo e esferas, e uma carreira Rolamento fixo e esferas, e uma carreira Rolamento fixo e esferas, e uma carreira Rolamento fixo e esferas, e uma carreira Rolamento fixo e esferas, e uma carreira Rolamento axial e contato angular e esferas, e escora simples Rolamento fixo e esferas com anel externo esférico (tipo S) Rolamento axial e rolos cilínricos Página AH2 AH22 AH23 ucha e esmontagem AH240 AH241 AH3 AH30 AH31 AH32 AH33 AH38 AH39 Arcanol Graxa para rolamentos Rolamentos para fusos N Caixa, inteiriça H Veação para caixa SNV K Tampa para caixa S K.F112 Tampa para mancal flangeao KV KVT Tampa para caixa SNV F112 F5 Mancal flangeao F162 Mancal monobloco (tipo S) F2 Mancal flangeao F362 F562 F762 Mancal monobloco (tipo S) F2 Mancal flangeao F2 Mancal flangeao FE Anel e bloqueio para caixa F FJST Tira e feltro FL162 Mancal monobloco (tipo S) FL2 Mancal flangeao FL362 FL562 FL762 Mancal monobloco (tipo S) FRM Anel e bloqueio FSV Veação e feltro para caixa SNV H2 H23 H240 H241 ucha e fixação H3 H30 H31 H32 H33 H38 H39 HCS70 HCS719 Rolamento para fusos híbrios e cerâmica, veao HJ2 HJ22 HJ23 HJ3 Anel e encosto HM HM30 HM31 Porca e extração HSS70 HSS719 Rolamento para fusos e alta velociae, veao K Rolamento e rolos cônicos com meias em polegaas KH KHM Rolamento e rolos cônicos com meias em polegaas KIKU Esferas, fornecias a peso KL KLM Rolamento e rolos cônicos com meias em polegaas KM Rolamento e rolos cônicos com meias em polegaas KM KML Porca e eixo, e extração KU Esfera LOE2 LOE3 Caixa, bipartia LOE5 LOE6 Caixa, bipartia FAG 2 3 FAG

4 esignações, iniciaas com letras Página M ML Arruela e segurança MS30 MS31 Grampo e segurança N2 N3 Rolamento e rolos cilínricos, e uma carreira NCF29 NCF30 Rolamento e rolos cilínricos, e uma carreira, sem gaiola NJ2 NJ22 NJ23 Rolamento e rolos cilínricos, e uma carreira NJ23 (VH) Rolamento e rolos cilínricos, e uma carreira, sem gaiola NJ3 Rolamento e rolos cilínricos, e uma carreira NN30 Rolamento e rolos cilínricos, e uas carreiras NNC49 Rolamento e rolos cilínricos, e uas carreiras, sem gaiola NNF50 Rolamento e rolos cilínricos, e uas carreiras, sem gaiola, veao NU10 NU19 NU2 Rolamento e rolos cilínricos, e uma carreira NU22 NU23 NU3 NUP2 NUP22 Rolamento e rolos cilínricos, e uma carreira NUP23 NUP3 P162 Mancal monobloco (tipo S) P2 Mancal flangeao P362 P562 P762 Mancal monobloco (tipo S) QJ2 QJ3 Rolamento e quatro pistas RSV isco e regulagem para caixa SNV S30 Caixa, bipartia S60 S62 S63 Rolamento fixo e esferas, e uma carreira e aço inoxiável S2 Caixa S31 Caixa, bipartia SNV Caixa, bipartia T Rolamento e rolos cônicos TSV Anel e labirinto U2 U3 Contraplaca VR3 Caixa, inteiriça VRE3 Mancal VRW3 Eixo para mancal VRE ZRO Rolo cilínrico Rolamentos FAG Rolamentos e esferas Rolamentos e rolos Caixas Acessórios Catálogo WL /3 P Eição 1999 ROLAMENTOS FAG LTA. Av. as Nações Unias, Santo Amaro São Paulo SP Fone (011) Telefax: (011) Telex fagbr FAG 4 5 FAG

5 Acerca este catálogo Acerca este catálogo Programa e rolamentos FAG O presente catálogo contêm um extrato o programa e rolamentos a FAG, para a Aplicação Inustrial Original (OEM), a istribuição e a emana e reposição. Com os proutos geralmente e série este catálogo, poem ser cobertos quase que toos os casos e aplicação. Para que os rolamentos, caixas e acessórios necessários em seu mercao estejam rapiamente isponíveis, aaptamos permanentemente o nosso programa e estoque. As suas vantagens são: preços e acoro com às necessiaes o mercao curto prazo e entrega fornecimento a longo prazo planejamento a longo prazo manutenção simplificaa o estoque O atual programa FAG e proução se encontra em nossa lista e preços em vigor. irija as suas consultas ao seu parceiro FAG (quanto aos enereços vie as páginas 709 e seguintes). Programa FAG e rolamentos normalizaos O ponto central o catálogo é formao pelos rolamentos em imensões IN/ISO. Isto possibilita ao construtor resolver a maior parte e seus problemas e mancais, e forma rápia e econômica. Além isto, a FAG oferece outros tipos construtivos e rolamentos, com um iâmetro externo entre 3 milímetros e 4,25 metros. O programa FAG poetores Para eterminaos setores, a FAG elaborou programas especiais (vie também as páginas 693 e seguintes). Estes programas contêm, além os rolamentos normalizaos, uma infiniae e execuções especiais, com ôs quais poem seolucionaos problemas e assentamentos e forma funcional e econômica. Em caso e necessiae entre, o quanto antes, em contato com o nosso Serviço e Assistência Técnica. Aproveite o amplo conhecimento e nossos especialistas na tecnologia e aplicação. Constante avanço tecnológico Cálculo e via aperfeiçoao Novos ínices e números e rotação Catálogo em C-ROM No Programa Global e rolamentos FAG ocorre um constante avanço tecnológico. Este catálogo emonstra as melhorias e qualiae alcançaas nos últimos anos. Isto se manifesta e forma mais clara no novo sistema e cálculos, oriuno os conhecimentos aquirios pelas pesquisas a FAG relacionaas com o imensionamento os rolamentos e com o cálculo a via nominal os mesmos. Já no início os anos 80 a FAG publicou os mais novos conhecimentos acerca a via efetivamente atingível e rolamentos. O sistema FAG para o cálculo ampliao e via, aí erivao, se baseia em prescrições e Normas Internacionais, abrangentes pesquisas a FAG e em experiências práticas. Este cálculo consiera a probabiliae e falha, o material, a lubrificação, a magnitue a carga, o tipo construtivo o rolamento e a limpeza. e-monstra que, com uma película e filme lubrificante completamente separaa, uma limpeza máxima e uma carga realmente próxima à realiae, é possível obter a urabiliae permanente. Com o sistema e cálculos aperfeiçoao pela FAG nos anos 90, também é possível imensionar com segurança mancais com lubrificantes contaminaos. A aptião os rolamentos para altas velociaes, geralmente é eterminaa pela temperatura em serviço permitia. Nas tabelas os rolamentos são mencionaos os números e rotação e referência, eterminaos por critérios exatamente efinios e uniformes (conições e referência), baseaos na IN 732 parte I (esboço). Se as conições e serviço, carga, viscosiae o óleo e temperatura permitia se esviarem as conições e referência, poe ser eterminao o número e rotações termicamente permitio seguno um sistema erivao a IN 732 parte II (esboço). O limite e rotações consiera, ao contrário, os limites mecânicos, por exemplo a velociae e eslizamento em veações e contato ou a rigiez as peças o rolamento. Após consulta à FAG, poe ser permitio ultrapassá-la. O catálogo e rolamentos eletrônico a FAG na versão 1.1 se baseia neste catálogo impresso. O programa em C-ROM oferece ao usuário muito mais eficiência e vantagens. Ele é guiao em iálogo seguro e rapiamente ao melhor resultao, economizano muito trabalho e tempo na busca, seleção e cálculo os rolamentos. Toas as informações poem ser acessaas por ajua online, como texto, fotos, esenhos, iagramas, tabelas ou como animação em quaros com movimento. Se encontrará à isposição sob consulta também um C-ROM, com o qual será possível a seleção e rolamentos para um mancal, um eixo ou um conjunto e eixos. ivisão o catálogo No primeiro capítulo Estruturação os mancais e rolamentos, o construtor encontra, em seqüência prática, as inicações necessárias para uma elaboração segura e econômica e seus assentamentos. Aqui estão reunias as informações válias para toos os tipos construtivos e rolamentos, p.ex. imensionamento, aos os rolamentos, peças contíguas, lubrificação e manutenção, montagem e esmontagem. Explicações específicas sobre os tipos construtivos se encontram no seguno capítulo o catálogo Programa FAG e rolamentos normalizaos. imensões, meias para a montagem, capaciae e carga, ínices e números e rotação e emais informações técnicas são escritas nas tabelas e rolamentos o seguno capítulo. Observe também o amplo Programa e Serviços a FAG para um aumento a segurança em serviço (páginas 685 e seguintes). Em mais um capítulo, apresentamos os Programas a FAG por Setores que se referem a conições especiais em caa uma as máquinas. Os programas poetores contêm tanto rolamentos normalizaos como também tipos construtivos e execuções especiais e rolamentos. O seu parceiro FAG (vie os enereços nas páginas 709 e seguintes) o orientará com prazer na escolha e rolamentos e caixas aequaas. Ele também tem à sua isposição publicações específicas, mencionaas em iversos pontos o texto. Estas publicações o informarão, em parte, sobre temas a tecnologia e rolamentos como montagem e esmontagem, lubrificação e manutenção, cálculo e via, etc., mas também sobre temas específicos, que fogem ao âmbito este catálogo. Toos os aos foram elaboraos e verificaos cuiaosamente. Toavia não poemos assumir nenhuma responsabiliae por eventuais erros ou omissões. Reservamo-nos o ireito e introuzir moificações ecorrentes o avanço tecnológico. by FAG Qualquer cópia ou reproução mesmo seno parcial, só poerá ser feita com o nosso consentimento. Impresso na Alemanha por Weppert GmbH & Co. KG, Schweinfurt. FAG 6 7 FAG

6 Ínice O epartamento OEM e Comercialização a FAG Kugelfischer Georg Schäfer AG supre clientes e aplicação original em máquinas e instalações, como também clientes o ramo e istribuição e reposição e rolamentos, acessórios corresponentes e serviços. Um grane conhecimento em rolamentos, uma competente Assessoria e Aplicação e um amplo Serviço aos Clientes para uma maioegurança no trabalho, fazem a FAG um parceiro inispensável e seus clientes. O esenvolvimento e o pós-esenvolvimento e nossos proutos é orientao pelas exigências a futura prática em serviço. O perfil e exigências é formulao em conjunto com os nossos técnicos e pesquisa e e aplicação juntamente com os fabricantes e usuários e máquinas. Esta é a base para soluções técnicas e econômicas. A proução é feita na Alemanha, na Itália, em Portugal, na Ínia, na Coréia, como também nos EUA. A comercialização é feita por filiais e istribuiores em quase toos os países o muno. Página Estruturação os mancais e rolamentos Influências Seleção o tipo construtivo Carga raial Carga axial Compensação linear entro o próprio rolamento Compensação linear por assento correiço Rolamentos separáveis Precisão Compensação e erros e alinhamento Números e rotação Giro silencioso Furo cônico Rolamentos veaos Rigiez Atrito Tabela: tipos construtivos e suas características. 20 Seleção e isposição os rolamentos Mancal fixo-livre Mancal ajustao Mancal flutuante imensionamento Rolamentos solicitaos estaticamente Rolamentos solicitaos inamicamente Carga mínima o rolamento Cálculo ampliao a uração a via aos os rolamentos imensões principais imensões e canto Tolerâncias Folga os rolamentos Material os rolamentos Execução as gaiolas Aptião para altas temperaturas Aptião para altas rotações Atrito Configuração as peças contíguas Ajustes, assentamentos Rugosiae os assentamentos Pistas em assentamentos iretos Fixação axial os rolamentos Veação Página Lubrificação e manutenção Estrutura o filme lubrificante Seleção o métoo e lubrificação Escolha a graxa aequaa Suprimento os rolamentos com graxa Escolha o óleo aequao Suprimento os rolamentos com óleo Armazenamento os rolamentos Limpeza e rolamentos sujos Montagem e esmontagem Montagem e esmontagem Tabela: ferramentas e métoos Preparação para a montagem e esmontagem 138 Montagem os rolamentos em assentamentos cilínricos Montagem e rolamentos com furo cônico. 140 esmontagem e rolamentos e assentamentos cilínricos esmontagem e rolamentos com furo cônico Programa e Rolamentos FAG normalizaos Rolamentos fixos e esferas Rolamentos e contato angular e esferas Rolamentos para fusos Rolamentos e quatro pistas Rolamentos autocompensaores e esferas Rolamentos e rolos cilínricos Rolamentos e rolos cônicos Rolamentos e rolos esféricos Rolamentos autocompensaores e rolos Rolamentos axiais e esferas Rolamentos axiais e contato angular e esferas Rolamentos axiais e rolos cilínricos Rolamentos axiais autocompensaores e rolos Rolamentos para mancais monobloco uchas e fixação, buchas e esmontagem, acessórios Esferas, rolos cilínricos Caixas para rolamentos Graxa para rolamentos Arcanol Embalagens Programa FAG e Serviços Programa FAG poetores Parceiros FAG FAG 8 9 FAG

7 Estruturação os mancais e rolamentos Influências Estruturação os mancais e rolamentos Influências os Programas e PC como meio auxiliar Estruturação os mancais e rolamentos As metas importantes na estruturação os mancais e rolamentos são uma longa urabiliae, uma alta confiabiliae e economia. Para atingilas, o projetista eve lançar em uma lista escritiva toas as conições e exigências que influam no mancal. Ao fazer o projeto não evem seelecionaos só o tipo construtivo certo, a execução e a isposição os rolamentos mas também as partes contíguas como o eixo, a caixa, as peças e fixação, a veação e, especialmente, a lubrificação evem ser coorenaas com as influências inicaas na lista escritiva. Os passos para a estruturação e um mancal são aos, geralmente, na mesma seqüência. Inicialmente procura-se obter uma visão global, a mais correta possível, e toas as influências. Seno estas conhecias, parte-se para o tipo construtivo, isposição e tamanho os rolamentos, verificano-se aina as alternativas. No esenho o projeto é então fixao o mancal inteiro, ou seja, além os rolamentos (imensões principais, tolerâncias, folgas, gaiolas, esignações) também as peças contíguas (ajustes, fixação, veação) e a lubrificação. Também a montagem e esmontagem evem ser coorenaas. Para a escolha o mancal mais econômico são então comparaas as alternativas, em que meia foram consieraas as influências previstas e quais os riscos totais envolvios. Influências evem ser conhecios os seguintes aos: A máquina/aparelho e os locais e aplicação os rolamentos (meiante um esboço) As conições e trabalho (cargas, rotação, espaço isponível, temperatura, conições ambientais, isposição os eixos, rigiez as peças contíguas) Exigências (via, precisão, ruío, atrito e temperatura em serviço, lubrificação e manutenção, montagem e esmontagem) aos comerciais (prazos, quantiaes) Antes e iniciar a construção o mancal, aina everá ser feita uma análise em relação a caa influência, seguno o esquema: Carga e número e rotações Há elevaa carga axial ou raial? A ireção se moifica? Qual o número e rotações? Há muança no sentio a rotação? Qual o tempo e trabalho? Ocorrem choques? Como eve ser consieraa a conjugação a carga e a rotação no imensionamento? Espaço isponível O espaço é preeterminao? Alguma imensão poe ser moificaa sem influir no funcionamento a máquina? Temperatura Qual é a temperatura ambiente? Poe-se contar com um aquecimento ou uma refrigeração externa? Quais as eformações lineares causaas por ilatações térmicas (rolamento livre)? Conições ambientais Existe uma grane umiae o ar? eve o mancal ser protegio contra uma contaminação elevaa? Atuam meios agressivos? São transmitias vibrações aos rolamentos? isposição os eixos Os eixos são na vertical, horizontal ou inclinaos? Rigiez as peças contíguas eve ser consieraa uma eformação a caixa? eve ser consieraa uma inclinação os mancais por flexões os eixos? Via Qual a via requeria? O mancal poe ser comparao a um já comprovao (via nominal L h, capaciae e carga inâmica f L )? everá ser usao o cálculo e via ampliao em função e conições e serviço específicas? Qual o tempo e funcionamento a máquina? Precisão Existem exigências elevaas quanto à precisão e giro como, p.ex. em mancais e máquinasferramenta? Ruío É exigio um giro silencioso como, p.ex. em motores elétricos e aparelhos omésticos? Atrito e temperatura em serviço É toleraa somente uma pequena pera na potência o mancal? A elevação a temperatura é limitaa para não colocar em risco a precisão? Lubrificação e manutenção São previstas conições para a lubrificação os rolamentos, seja por banho ou por circulação e óleo? Há necessiae ou não e evitar a saía o lubrificante o mancal, para garantir a qualiae o processo e fabricação, p.ex. na fabricação e proutos alimentícios? Existe previsão e central e lubrificação, caso necessária? Existem exigências e ausência e manutenção? Montagem e esmontagem São necessários ispositivos especiais para a montagem? Que tipo e assentamento tem o anel interno: sobre eixo cilínrico ou cônico? Os rolamentos serão fixaos iretamente sobre o eixo ou serão utilizaas buchas e fixação e esmontagem? A esmontagem é freqüente, como p.ex. em mancais e laminaores? aos comerciais Qual é a necessiae? Quano everão os rolamentos estar isponíveis? Poem ser usaos rolamentos e execução parão, para pronta entrega (vie a lista e preços)? Para casos especiais, são necessárias variantes ou execuções especiais? O preço e os prazos e entrega lhe serão inicaos pelo istribuior FAG. As influências mencionaas acima everão ser consieraas no projeto os mancais, incluino: a seleção e tipo o rolamento a escolha a isposição a eterminação o tamanho (via útil, segurança estática) a fixação os aos os rolamentos a estruturação as peças contíguas a lubrificação e a manutenção a montagem e a esmontagem Na maioria os casos, o trabalho ao projetar um mancal é facilitao, pois poem ser utilizaos os conhecimentos aquirios em mancais equivalentes. As inicações este catálogo se referem a estas aplicações. Mancais recém esenvolvios ou conições extremas exigem, muitas vezes, a elaboração e cálculos complexos e meias construtivas, que não poem entrar no âmbito este catálogo. Casos como estes evem ser iscutios com o epartamento e Serviços Técnicos a FAG. Para muitos casos e aplicação, também se encontram isponíveis publicações específicas, sobre as quais há inicações em várias partes o catálogo. Programas e PC como meio auxiliar O Catálogo Eletrônico e Rolamentos a FAG na versão 1.1 se baseia sobre o presente catálogo impresso. O programa em C-ROM oferece ao usuário aina mais eficiência e vantagens. Ele é conuzio em iálogo, e forma segura e rápia, economizano-se com isto muito tempo e trabalho ao procurar, selecionar e calcular os rolamentos. Cóigo para peios: C41520/3-E A peios, também estará isponível um C-ROM que possibilita a escolha e rolamentos e o seu cálculo para um mancal, um eixo e um conjunto e eixos. Este e outros programas para PC para o cálculo e rolamentos são escritos no capítulo Programa e Serviços FAG, às páginas 689 e seguintes. FAG FAG

8 Tipo construtivo o rolamento Rolamentos e esferas Tipo construtivo o rolamento Rolamentos e rolos Seleção o tipo construtivo O programa e fornecimento a FAG compreene uma grane varieae e tipos construtivos, entre os quais o projetista poe escolher aquele que se mostre mais aequao ao campo e aplicação. Conforme o tipo os corpos rolantes, os rolamentos se classificam em rolamentos e esferas e e rolos (Vie tabela). Rolamentos e esferas Rolamentos e rolos Rolamento fixo e esferas Rolamento e contato angular e esferas Rolamento e contato angular e esferas e uma carreira e uma carreira e uas carreiras Rolamento e rolos cilínricos Rolamento e rolos cilínricos Rolamento e rolos cilínricos e uma carreira e uas carreiras e uas carreiras, sem gaiola Rolamento e quatro pistas Rolamento autocompensaor e esferas Rolamento e rolos cônicos Rolamento e rolos esféricos Rolamento autocompensaor e rolos E Rolamento axial e esferas Rolamento axial e esferas Rolamento axial e contato angular e escora simples e escora upla esferas e escora upla Rolamento axial e rolos cilínricos Rolamento axial autocompensaores e rolos FAG FAG

9 Tipo construtivo o rolamento Carga raial Tipo construtivo os rolamentos Carga axial No quaro às páginas 20 a 23 estão resumias as características mais importantes os iversos tipos construtivos e rolamentos. Estas características, no entanto, são somente orientativas, pois na ecisão por um eterminao tipo construtivo evem ser consieraos iversos critérios. Muitas exigências são cobertas pelos rolamentos fixos e esferas, pois amitem cargas raiais méias e também cargas axiais, são aptos para altos números e rotações e giram silenciosamente. Os rolamentos fixos e esferas também existem com placas e veação ou e blinagem. Poeu custo vantajoso, os rolamentos fixos e esferas são os mais amplamente ifunios. aos mais específicos sobre as proprieaes os tipos construtivos e sobre as execuções possíveis se encontram nos textos preliminares e caa capítulo a parte e tabelas. Carga raial Os rolamentos estinaos a amitir cargas preominantemente raiais são conhecios por rolamentos raiais. Têm um ângulo e contato α Os rolamentos e rolos são aequaos para amitiolicitações raiais mais elevaas que os rolamentos e esferas e mesmo tamanho. Os rolamentos e rolos cilínricos as séries N e NU só amitem cargas raiais. Os rolamentos raiais os emais tipos construtivos amitem tanto cargas raiais como axiais. Carga axial Os rolamentos em que prevalece a carga axial (rolamentos axiais) têm um ângulo e contato nominal α 0 > 45. Os rolamentos axiais e esferas e aqueles axiais e contato angular e esferas poem, epeneno e sua execução, amitir forças axiais tanto em uma como em ambas as ireções. Quano houver cargas axiais especialmente altas, são preferios os rolamentos axiais e rolos cilínricos ou axiais autocompensaores e rolos. Os rolamentos axiais autocompensaores e rolos e axiais e contato angular e esferas e escora simples amitem cargas axiais e raiais combinaas. Os emais tipos e rolamentos se prestam somente para cargas axiais. Rolamentos raiais com um ângulo e contato nominal α 0 45 para carga preponerantemente raial: a = fixo e esferas, b = e contato angular e esferas, c = e rolos cilínricos NU, = e rolos cônicos, e= autocompensaor e rolos Rolamentos axiais com um ângulo e contato nominal α 0 > 45 para carga preponerantemente axial a = axial fixo e esferas, b = axial e contato angular e esferas, c = axial e rolos cilínricos, = axial autocompensaor e rolos α0 =90 α0 =90 α 0 =0 α 0 = < 45 α 0 =0 α 0 = < 45 α 0 = < 45 α 0 >45 α 0 >45 a b c e a b c FAG FAG

10 Tipo construtivo os rolamentos Compensação linear Tipo construtivo os rolamentos Rolamentos separáveis Precisão Compensação linear entro o próprio rolamento Para o apoio e um eixo, geralmente é usao um rolamento fixo e um livre. O rolamento livre compensa tolerâncias lineares axiais e ilatações térmicas. Os rolamentos livres ieais são os rolamentos e rolos cilínricos os tipos NU e N. Nestes rolamentos a compensação linear ocorre entro o próprio rolamento. Os anéis recebem ajustes interferentes. Compensação linear por assento correiço Também os rolamentos não separáveis, como os fixos e esferas e os autocompensaores e rolos, são aplicaos como rolamentos livres. Um os ois recebe um ajuste livre, sem peça ajacente e apoio axial, para que ele possa se eslocaobre o seu assentamento. Rolamentos separáveis Como rolamentos separáveis são enominaos aqueles, cujos anéis poem ser montaos separaamente. Isto vem a ser vantajoso para um ajuste fixo e ambos os anéis. Os rolamentos separáveis são os e quatro pistas, e contato angular e esferas e uas carreiras com anel interno bipartio, e rolos cilínricos, e rolos cônicos, axiais fixos e esferas, axiais e rolos cilínricos e os axiais autocompensaores e rolos. Não separáveis são, em contrapartia, p.ex. os rolamentos fixos e esferas, e contato angular e esferas e uma carreira, e rolos esféricos e os autocompensaores e rolos. Precisão Na maioria as aplicações é suficiente uma precisão normal e meias e precisão e giro os rolamentos (classe e tolerância PN). Para exigências mais elevaas como, p.ex. fusos e máquinasferramenta, são necessários rolamentos com uma precisão maior. Para atener a estes casos, são paronizaas as classes e tolerância P6, P6X, P5, P4 e P2. Existe aina, em tipos construtivos específicos, as classes e tolerância P4S, SP e UP, conforme normas internas a FAG. (vie a publicação n AC Rolamentos e alta precisão. Na parte preliminar as tabelas, se encontram iscriminaas quais as classes e tolerância isponíveis. Um ajuste livre no furo a caixa permite um eslocamento (s) o rolamento fixo e esferas (a) ou o autocompensaor e rolos (b) s s Rolamentos separáveis e rolos cilínricos (a), e rolos cônicos (b) e axiais e esferas (c) a b a b c O rolamento e rolos cilínricos permite um eslocamento axial (s) entro o próprio rolamento Um ajuste livre o rolamento fixo e esferas (a) ou o autocompensaor e rolos (b) sobre o eixo permite um eslocamento axial (s) Rolamentos não separáveis fixos e esferas (a), autocompensaores e esferas (b) e autocompensaores e rolos (c) s s s a b a b c FAG FAG

11 Tipo construtivo os rolamentos Compensação e erros e alinhamento Número e rotação Giro silencioso Tipo construtivo os rolamentos Furo cônico Rolamentos veaos Rigiez Atrito Compensação e erros e alinhamento Ao usinar os assentamentos e um eixo ou e uma caixa, poem ocorrer erros e alinhamento especialmente se os assentos não forem usinaos em uma só fixação. Também surgem esalinhamentos se forem usaas caixas iniviuais, sejam elas normais ou com flange. e forma semelhante se manifestam inclinações os anéis entre si, ocasionaas por eflexões o eixo evio ao excesso e solicitação em serviço. Os rolamentos com aaptabiliae angular, sejam eles autocompensaores e esferas, e rolos esféricos e autocompensaores e rolos axiais ou raiais, compensam esvios angulares e oscilações. Os rolamentos possuem uma pista esférico côncava no anel externo, nô qual o anel interno poe oscilar junto com a coroa e corpos rolantes. A aaptabiliae angular estes rolamentos epene o seu tipo construtivo, e seu tamanho, assim como a carga inciente. Os rolamentos e fixação rápia e os axiais e esferas com contraplacas possuem uma superfície e apoio esférica, o que possibilita a ajustagem na superfície côncava contrária, quano a montagem. Os valores para os ângulos e ajuste amissíveis se encontram nos textos antes as tabelas os tipos construtivos corresponentes. FAG 18 Números e rotação Os números e rotação mencionaos nas tabelas fornecem uma inicação quanto à aptião os rolamentos para a alta rotação. A rotação máxima é atingia por tipos e rolamentos com atrito particularmente reuzio, que sob carga raial permanente são os fixos e esferas e sob carga combinaa os e contato angular e esferas. Geralmente a aptião para a rotação é auxiliaa por uma precisão e meias e e giro mais elevaa os rolamentos e partes ajacentes, lubrificação a frio, construções e materiais especiais as gaiolas. Para os rolamentos axiais são permitios números e rotação mais baixos que para os raiais. Para maiores etalhes vie o capítulo Aptião para alto número e rotações (página 87). Giro silencioso Em motores elétricos pequenos, máquinas para escritório e nos eletroomésticos etc., geralmente é exigio um giro silencioso. Para esta finaliae são, antes e tuo, inicaos os rolamentos fixos e esferas. Estes rolamentos giram tão silenciosamente que não há a necessiae e uma execução especial. Neste caso é vantajoso um ajuste axial os rolamentos. Rolamentos com aaptabiliae angular: e rolos esféricos (a), autocompensaores e rolos (b), axiais autocompensaores e rolos (c), e fixação rápia (), e rolamentos axiais e esferas com contraplaca (e) têm uma superfície e apoio esférica a b c e Furo cônico Os rolamentos com furo cônico poem ser montaos iretamente sobre um assentamento e eixo cônico, como p.ex. os rolamentos e rolos cilínricos e uma ou e uas carreiras em execução e precisão. Ao montar estes rolamentos poe ser ajustaa uma folga raial efinia. Em exigências mais reuzias quanto à precisão e giro, sobretuo os rolamentos autocompensaores e esferas, e rolos esféricos e autocompensaores e rolos com furo cônico são montaos sobre um assentamento e eixo cilínrico, com buchas e fixação e e esmontagem. A montagem e esmontagem estes rolamentos é extremamente facilitaa. Rolamentos veaos A FAG fornece uma série e rolamentos com veações e um ou e ambos os laos. Estes rolamentos com veações e contato (vie também a página 125) ou com blinagens sem contato (vie também a página 124), possibilitam construções simples. Os rolamentos veaos, que recebem e fábrica um enchimento e graxa, se encontram iscriminaos no capítulo Suprimento os rolamentos com graxa, página 130. Os exemplos mais conhecios são os rolamentos fixos e esferas as execuções.2rsr (veações e ambos os laos) e.2zr (blinagem e ambos os laos). Rolamentos com furo cônico: a = e rolos cilínricos e uas carreira, b = autocompensaores e esferas com bucha e fixação, c = autocompensaor e rolos com bucha e esmontagem a b c Rolamento fixo e esferas veao e ambos os laos com anéis e veação (a) e anéis e blinagem (b) a b Rigiez Sob rigiez é entenia a força a ser aplicaa para se obter uma eterminaa eflexão, em razão a elasticiae o rolamento. Procura-se atingir uma elevaa rigiez os rolamentos nos mancais e fusos-mestre e máquinas-ferramenta e em mancais e pinhão. A rigiez os rolamentos e rolos é superior à os rolamentos e esferas, pelas conições e contato entre os corpos rolantes e as pistas. Para ser obtia uma maior rigiez, os rolamentos para fusos são, p.ex., pré-carregaos com molas (vie também a publicação FAG AC ). Atrito Para a temperatura em serviço e um mancal, além a amissão e issipação o calor, o atrito o rolamento é especialmente importante. Particularmente baixos em atrito são, p.ex. os rolamentos fixos e esferas, os e contato angular e esferas e uma carreira e os rolamentos e rolos cilínricos com gaiola sob carga raial. Em compensação, poe-se contar com um atrito mais elevao nos rolamentos com veações e contato, nos e rolos cilínricos sem gaiola e nos axiais e rolos. Para o cálculo o momento e atrito, vie também a página FAG

12 Tipo construtivo os rolamentos Tabela: tipos construtivos e suas características Aptião muito boa boa normal/possível Topo construtivo com restrições impróprio Características Capaciae e carga raial Capaciae e carga axial em ambas as ireções Compensação linear entro o rolamento Compensação linear por ajuste livre Rolamentos separaveis Compensação e erros e alinhamento Precisão elevaa Aptião para alto número e rotação Giro silencioso Furo cônico Veação em um ou ambos os laos elevaa rigiez reuzio atrito Rolamento fixo Rolamento livre fixo e esferas e contato angular e esferas a c a a a e contato angular e esferas e uas carreiras para fusos a c a a a e quatro pistas e autocompensaor e esferas e rolos cilínricos NU, N f NJ b b NUP, NJ + HJ b b NN NCF, NJ23VH NNC, NNF rolamentos iniviuais e rolamentos a) montagem aos pares b) sob reuzia carga axial na isposição em na isposiçáo em Tanem em uma ireção. Tanem em uma ireção c) aptião reuzia na montagem aos pares ) também com buchas e fixação e esmontagem e) exclusivamente solicitação axial f) muito bom nas séries estreitas FAG FAG

13 Tipo construtivo os rolamentos Tabela: tipos construtivos e suas características Aptião muito boa boa normal/possível Tipo construtivo com restrições impróprio Características Capaciae e carga raial Capaciae e carga axial em ambas as ireções Compensação linear entro o rolamento Compensação linear por ajuste livre Rolamentos separaveis Compensação e erros e alinhamento Precisão elevaa Aptião para alto número e rotação Giro silencioso Furo cônico Veação em um ou ambos os laos elevaa rigiez reuzio atrito Rolamento fixo Rolamento livre e rolos cônicos a c a a a e rolos esféricos autocompensaor e rolos axial fixo e esferas g g axial e contato angular e esferas c a a axial e rolos cilínricos axial autocompensaor e rolos e fixação rápia g rolamentos iniviuais e rolamentos a) montagem aos pares c) Aptião reuzia na montagem aos pares na isposição em Tanem em uma ireção ) também com buchas e fixação e e esmontagem g) Os rolamentos e fixação rápia e os axiais e esferas com contraplaca compensam erros e alinhamento FAG FAG

14 isposição os rolamentos Mancal fixo-livre isposição os rolamentos Mancal fixo-livre Seleção a isposição os rolamentos Para o apoio e guia e um eixo giratório são necessários, no mínimo, ois rolamentos, ispostos a uma eterminaa istância. Conforme a aplicação, há a possibiliae e seleção e um mancal fixo-livre, um mancal ajustao ou um mancal flutuante. Mancal fixo-livre Em um eixo, apoiao em ois rolamentos raiais, as istâncias os assentamentos no eixo e na caixa nem sempre combinam, evio às tolerâncias e usinagem. As istâncias se moificam também pelo aquecimento em serviço. Estas iferenças são compensaas pelo rolamento livre. Os rolamentos livres ieais são os e rolos cilínricos os tipos construtivos N e NU, pois permitem que a coroa e rolos se esloque sobre a pista o anel sem reboro. Toos os outros tipos e rolamentos, como p.ex., os fixos e esferas e os autocompensaores e rolos, agem como rolamentos livres ese que um os anéis possua um ajuste eslizante. O anel carregao e forma fixa (vie a tabela na página 104) normalmente recebe um ajuste eslizante o qual é, na maioria as vezes, o anel externo. O rolamento fixo, ao contrário, guia o eixo em sentio axial e transmite cargas axiais externas. Para evitar tensões axiais em eixos com mais e ois rolamentos, usa-se ajustaó um eles como livre. O tipo construtivo selecionao para ser o rolamento fixo epene a magnitue as forças axiais e e quão precisa eva ser a guia o eixo. Um rolamento e contato angular e esferas e uas carreiras propicia, p. ex., uma guia axial mais precisa o que com um rolamento fixo e esferas ou um autocompensaor e rolos. Também um par e rolamentos e contato angular e esferas ou e rolos cônicos ajustao e forma simétrica oferece uma guia axial muito estreitaa. Praticamente vantajosos são os rolamentos e contato angular e esferas na execução universal. Os rolamentos poem ser conjugaos tanto nas isposições em O, X ou Tanem, sem arruelas e ajuste. Estes rolamentos são ajustaos e forma que,na montagem e qualquer estas isposições, apresentam uma reuzia folga axial (execução UA), sem folga (execução UO) ou uma leve précarga (UL). FAG 24 Os rolamentos para fusos a execução universal UL têm, na montagem nas isposições X ou O, uma leve pré-carga (execuções com uma pré-carga maior, sob consulta). Também os rolamentos e rolos cônicos ajustaos como rolamentos fixos (execução N11) facilitam a montagem. São ajustaos com uma folga axial corresponente, e moo que não necessitam e ajustes posteriores. Em caixas e engrenagens, às vezes é montao um rolamento e quatro pistas ao lao e um rolamento e rolos cilínricos, e moo a formar um mancal rígio. O rolamento e quatro pistas, cujo anel externo não tem apoio raial, só poe transmitir forças axiais. As forças raiais são amitias pelo e rolos cilínricos. Sob a ação e forças raiais reuzias, também poe ser usao como rolamento fixo, um rolamento e rolos cilínricos o tipo NUP. Exemplos para uma isposição rolamento fixo livre a. Rolamento fixo: Rolamento livre: b. Rolamento fixo: Rolamento livre: c. Rolamento fixo: Rolamento livre: fixo e fixo e autocompensa- autocompensaor fixo e e rolos esferas esferas or e rolos e rolos esferas cilínricos NU ) Rolamento fixo: Rolamento livre: e) Rolamento fixo: Rolamento livre: f) Rolamento fixo: Rolamento livre: autocompensa- e rolos cilínricos e contato e rolos cilínricos e quatro pistas e rolos cilínricos or e rolos NU angular e NU e rolamento e NU esferas rolos cilínricos g) Rolamento fixo: Rolamento livre: h) Rolamento fixo: Rolamento livre: ois rolamentos e rolos cilínricos e rolos e rolos e rolos NU cilínricos NUP cilínricos NU cônicos 25 FAG

15 isposição os rolamentos Mancal fixo-livre isposição os rolamentos Mancal ajustao Par e rolamentos e contato angular e esferas na execução universal como rolamentos fixos a = isposição em O, b = isposição em X a b Rolamentos para fusos na execução universal como rolamentos fixos a = isposição em O, b = isposição em X, c = isposição em Tanem-O Mancal ajustao Um mancal ajustao é formao, via e regra, por ois rolamentos e contato angular e esferas ou e rolos cônicos. urante a montagem, um os anéis é eslocao e moo que o mancal apresente a folga esejaa ou tenha a pré-carga necessária. Esta possibiliae e ajuste torna o mancal apropriao principalmente nos casos em que seja necessária uma guia estreitaa, como nos mancais e pinhões com engrenagens helicoiais ou nos mancais e fusos em máquinas-ferramenta. Na isposição em O, o vértice o ângulo formao pelas linhas e pressão S aponta para fora, enquanto que na isposição em X este vértice se encontra voltao para entro. A base e apoio H, ou seja, a istância entre os vértices os ângulos e contato é maior em uma isposição em O o que na isposição em X, motivo pelo qual a isposição em O apresenta um jogo e basculamento menor. a b c Mancal ajustao na isposição em O (a) Mancal ajustao na isposição em X (b) Par e rolamentos e rolos cônicos como rolamentos fixos a = isposição em O, b = isposição em X S S S S H H a b a b FAG FAG

16 isposição os rolamentos Mancal ajustao isposição os rolamentos Mancal ajustao Mancal flutuante Ao efetuar o ajuste a folga axial, eve ser consieraa a ilatação térmica. Na isposição em X (a), uma quea e temperatura provoca sempre uma iminuição a folga (partino o pressuposto e que a matéria-prima, tanto o rolamento como o eixo e a caixa, seja a mesma e as temperaturas os anéis internos e o eixo, respectivamente os anéis externos e a caixa, sejam iênticas. Em contrapartia, istingue-se três casos na isposição em O. Se os vértices os ângulos os rolos R, ou seja, os pontos e intersecção a extensão a pista o anel externo com o eixo o rolamento coinciirem (b), a folga ajustaa o rolamento se manterá. Se, entretanto, em uma istância curta entre os rolamentos, os cones os rolos se cortarem (c) ou, quano a istância os rolamentos for maior, não se encontrarem (), a folga axial poe se tornar maior ou menor, em conseqüência a ilatação térmica. Mancal ajustao com rolamentos e rolos cônicos na isposição em X (a) e os seus vértices o cone os rolos Mancal ajustao com rolamentos e rolos cônicos na isposição em O one os vértices os cones os rolos coinciem (b) one os vértices os cones os rolos se cortam (c) one os vértices os cones os rolos não se encontram () R S S R Os mancais ajustaos também são obtios meiante pré-carga com molas. Este tipo e ajuste elástico compensa as ilatações térmicas e é utilizao quano os mancais paraos correm o risco e vibrações. Rolamentos fixos e esferas ajustaos e pré-carregaos por mola e isco Mancal flutuante O mancal flutuante é uma solução econômica, quano não for exigia uma guia axial estreitaa o eixo. A estrutura o mancal é semelhante ao ajustao só que neste, o eixo poe se eslocar pela folga axial S em relação à caixa. O valor para S é eterminao e tal forma em relação à precisão e guia exigia, que mesmo em conições térmicas aversas o mancal não fique tensionao axialmente. Os tipos construtivos e rolamentos apropriaos para mancais flutuantes são os fixos e esferas e os autocompensaores e esferas ou e rolos. Nos ois rolamentos, um os anéis geralmente o externo tem que ser ajustao e forma eslizante. Nos mancais flutuantes formaos com rolamentos e rolos cilínricos a série NJ, a compensação linear ocorre entro o próprio rolamento. Tanto o anel externo como o interno poem ser ajustaos firmemente. Os rolamentos e rolos cônicos e os e contato angular e esferas não são apropriaos para mancais flutuantes, porque precisam ser ajustaos para que girem e forma correta. a S R S S R R S Exemplos para um mancal flutuante a = ois rolamentos fixos e esferas, b = ois rolamentos autocompensaores e rolos, c = ois rolamentos e rolos cilínricos NJ, s = folga axial s s b c s S R R S a b c FAG FAG

17 imensionamento Rolamentos solicitaos estaticamente Rolamentos solicitaos inamicamente imensionamento Rolamentos solicitaos estaticamente Rolamentos solicitaos inamicamente imensionamento O projeto completo a máquina ou o aparelho já etermina, em muitos os casos, o iâmetro o furo os rolamentos. Para uma eterminação final as emais imensões principais e o tipo construtivo eve, entretanto, ser constatao através e um cálculo e imensionamento se as exigências quanto à via útil, à segurança estática e à economia estão satisfeitas. Neste cálculo, a solicitação o rolamento é comparaa à sua capaciae e carga. Na tecnologia os rolamentos há uma iferenciação entre uma solicitação inâmica e uma estática. Na solicitação estática o rolamento não apresenta ou há só um pequeno movimento relativo (n < 10 rpm). Nestes casos, eve ser verificaa a segurança contra eformações plásticas muito elevaas as pistas e os corpos rolantes. A maioria os rolamentos é solicitaa inamicamente. Nestes, os anéis giram um em relação ao outro. Com o cálculo o imensionamento, é controlaa a segurança contra uma faiga prematura o material as pistas e os corpos rolantes. A via nominal L 10 conforme IN ISO 281 raramente inica a uração realmente atingível. Construções econômicas exigem, no entanto, que a capaciae e renimento os rolamentos seja aproveitaa ao máximo. Quanto mais for este o caso, mais importante é um correto imensionamento os rolamentos. Comprovao e forma positiva tem sio o sistema e cálculo o imensionamento esenvolvio pela FAG, no qual são consieraas as influências e serviço e ambientais. O sistema se baseia na IN ISO 281 e nos conhecimentos a FAG trazios ao conhecimento público em 1981, resultantes a pesquisa acerca a urabiliae os rolamentos. Este sistema foi tão melhorao que possibilita uma estruturação segura e mancais, mesmo com lubrificação contaminaa. As capaciaes inâmica e estática mencionaas neste catálogo se aplicam a rolamentos e aço cromo temperaos em estao parão para temperaturas e serviços usuais e até 100 C. A ureza mínima as pistas e os corpos rolantes correspone a 58 HRC. Sob temperaturas mais elevaas, a ureza o material se reuz e com isto, a capaciae e carga o rolamento. Nestes casos, é recomenável contatar o Serviço e Aplicação a FAG. Rolamentos solicitaos estaticamente Quano se trata e solicitação estática, calcula-se o fator e esforços estáticos f s para comprovar que o rolamento selecionao possui uma capaciae e carga estática suficiente. C 0 fs = P0 One = fator e esforços estáticos f s C 0 = capaciae e carga estática [kn] P 0 = carga estática equivalente kn] O fator e esforços estáticos fs é um valor e segurança contra eformações elásticas elevaas, nos pontos e contato os corpos rolantes. Para rolamentos que evam ter um giro particularmente suave e silencioso, everá ser alcançao um fator elevao e esforços estáticos. Se as exigências que se referirem à suaviae e giro forem menores, bastarão fatores fs menores. e um moo geral, evem ser atingios os seguintes valores: f s = 1,5... 2,5 para exigências elevaas f s = 1,0... 1,5 para exigências normais f s = 0,7... 1,0 para exigências reuzias. Os valores corresponentes aos rolamentos axiais autocompensaores e rolos e aos e alta precisão estão aos na parte as tabelas. A capaciae e carga estática C 0 [kn] se encontra inicaa nas respectivas tabelas os rolamentos. Uma carga esta magnitue (nos rolamentos raiais uma carga raial e nos axiais uma carga axial e central), provoca uma pressão e superfície p 0 calculaa, no centro o ponto e contato mais carregao entre os corpos rolantes e a pista e: 4600 N/mm 2 em toos os rolamentos autocompensaores e esferas 4200 N/mm 2 em toos os outros rolamentos e esferas 4000 N/mm 2 em toos os rolamentos e rolos. A carga ocasionaa por C 0 prouz, no ponto one incie a maior carga, uma eformação plástica total os corpos rolantes e a pista a orem e 1 / o iâmetro o corpo rolante. A carga equivalente P 0 [kn] é um valor calculao, ou seja, uma carga raial nos rolamentos raiais e uma carga axial e central nos rolamentos axiais. P 0 ocasiona a mesma solicitação no ponto central e contato one incie a maior carga entre os corpos rolantes e a pista como a solicitação realmente atuante. P 0 = X 0 F r + Y 0 F a [kn] One P 0 carga estática equivalente [kn] F r carga raial [kn] F a carga axial [kn] X 0 fator raial Y 0 fator axial Os valores para X 0 e Y 0 bem como inicações para o cálculo a carga estática equivalente estão mencionaos nas tabelas para os iversos tipos e rolamentos ou em seu preâmbulo. Rolamentos solicitaos inamicamente O cálculo normalizao (IN ISO 281) para os rolamentos inamicamente solicitaos tem por base a faiga o material (formação e pittings), como causa a falha. A fórmula para o cálculo e via nominal é: L 10 = L = C P p [ [10 6 Umrehungen 6 rotações] ] one L 10 = L via nominal [10 6 rotações] C capaciae inâmica [kn] P carga inâmica equivalente [kn] p expoente e uração a via L 10 é a via nominal em milhões e rotações, atingia ou superaa por, no mínimo, 90% e um lote significativo e rolamentos iguais. A capaciae inâmica C [kn] conforme IN/ISO consta nas tabelas para caa rolamento. Uma carga esta magnitue resulta em uma via nominal L 10 e 10 6 rotações. A carga inâmica equivalente P [kn] é um fator calculao, ou seja, uma carga raial constante em tamanho e ireção, em rolamentos raiais ou uma carga axial em rolamentos axiais. O resultao e P é a mesma uração e via quanto à carga combinaa realmente atuante. P = X F r + Y F a [kn] Seno: P carga estática equivalente [kn] F r carga raial [kn] F a carga axial [kn] X fator raial [kn] Y fator axial [kn] Os valores para X e Y e também as inicações para calcular a carga inâmica equivalente estão inicaos nas tabelas os iversos tipos e rolamentos ou no texto preliminar e caa capítulo. O expoente e uração e via nominal p é iferenciao para rolamentos e esferas ou e rolos. p = 3 para rolamentos e esferas p = 10 für para Rollenlager rolamentos e rolos 3 Se a rotação o rolamento for constante, a via nominal poe ser expressa em horas: L h10 = L h = L 106 n 60 h seno: L h10 = L h uração e via nominal [h] L via nominal [10 6 rotações] n rotação (freqüência e giro) [rpm] Simplificano-se a fórmula, teremos: L h = L n 60 L h 500 = C P ou er p L h 500 p = n p [ ] n C P FAG FAG

18 imensionamento Rolamentos solicitaos inamicamente imensionamento Rolamentos solicitaos inamicamente Neste contexto significam: p f L = ínice ynamische inâmico Kennzahl 500 Isto é f L = 1 para uma via nominal e 500 horas p f n = n fator rehzahlfaktor e rotação Ou seja, f n = 1 em uma rotação e 33 1 / 3 rpm. Veja na página 34 os valores f n para rolamentos e esferas e na página 35, os corresponentes aos e rolos. A equação a via nominal fica, portanto, com a forma simplificaa: C f L = P f n Seno f L fator inâmico C capaciae e carga inâmica [kn] P carga inâmica equivalente fator e rotação f n L h Fator inâmico f L O fator f L a ser alcançao resulta e experiências com aplicações e rolamentos iguais ou semelhantes, que tenham emonstrao comprovaa eficiência na prática. Nas tabelas às páginas 36 a 39, foram compilaos os valores f L a serem atingios para inúmeras aplicações. Estes valores levam em consieração não somente um períoo suficientemente longo e funcionamento até a faiga, mas também outras exigências como o peso reuzio em construções leves, aaptação às peças contíguas, picos e carga extrema e outras (veja também outras publicações para aplicações especiais). Os valores f L são corrigios e acoro com a evolução tecnológica. Ao se estabelecer comparações com aplicações comprovaas na prática, eve-se naturalmente eterminar a magnitue o esforço seguno o mesmo métoo e cálculo. Nas tabelas estão inicaos, além os valores f L a serem alcançaos, também os aos comumente utilizaos no cálculo. Nos casos em que se utiliza fatores aicionais, o valor f z se encontra inicao. Ao invés e se utilizar P, calcula-se com f z P. o valor f L obtio, etermina-se a via nominal L h. Para transformar f L em L h usa-se, para rolamentos e esferas, a tabela à pág. 34, para rolamentos e rolos e agulhas a tabela à pág. 35. Com os valores f L e L h obtém-se os parâmetros para o imensionamento, somente para aqueles casos one a comparaçáo entre os rolamentos testaos em campo é possível. Para uma mais precisa eterminação a via útil, também os efeilos a lubrificação, temperatura e limpeza evem ser levaos em consieração (ver pág. 41). Carga e rotação variáveis Se, no ecorrer o tempo houver alteraçóes na carga ena rotação e um rolamento solicitao inamicamente, este fato eve ser consierao no cálculo a carga equivalente. Neste caso, aproxima-se a curva o gráfico obtio meiante uma série e cargas isolaas e rotaçóes com uma uração eterminaa q %. Neste caso, obtém-se a earga inâmica equivalente P, aplicano-se a seguinte fórmula: P = 3 P 3 1 n 1 q 1 n m P 3 2 n 2 q 2 n m kn e a rotação méia (rpm), a seguinte fórmula: n m = n 1 q n 2 q [ min ] 100 Carga P [ kn ] Rotação n [ min -1 ] P P 1 n m n 1 n 2 P 2 P 3 n 3 n 4 P 4 q 1 q 2 q 3 q 4 100% [ ] Franção e tempo q Para simplificar, consta o expoente 3 nas fórmulas para rolamentos e esferas e e rolos. Se a carga foujeita a alterações mas a rotação permanecer constante, teremos: P = 3 q 1 P P 3 2 q kn Se, a uma rotação constante, a carga crescer e forma linear e um valor P min para um valor máximo P max, obtém-se: P = P min + 2P max 3 Carga P [ kn ] P max P P min [ kn] [ ] Tempo O cálculo ampliao e via (vie à página 40) não eve ser calculao com o valor méio a carga inâmica equivalente. O melhor é eterminar o valor L hna para caa uração sob conições constantes e, baseao nestas, obter-se a via atingível usano a fórmula a página 49. Carga mínima os rolamentos Evitação e super imensionamento Sob uma carga muito baixa por exemplo em alta rotação em giro e teste poe surgir eslizamento que, com uma lubrificação eficiente poe provocar anificações. Como uma carga mínima para rolamentos raiais recomenamos: para rolamentos e esferas com gaiola: P/C = 0,01, para rolamentos e rolos com gaiola: P/C = 0,02, para rolamentos sem gaiola: P/C = 0,04 (P é a carga inâmica equivalente e C a capaciae e carga inâmica). A carga mínima os rolamentos axiais está aa no preâmbulo a parte e tabelas. Quanto a úvias acerca a carga mínima os rolamentos, irija-se ao nosso Serviço Técnico. Um super imensionamento os rolamentos poe levar a uma uração a via menor. Nestes rolamentos existe o perigo e eslizamento e uma solicitação elevaa o lubrificante. O eslizamento poe anificar as superfícies funcionais, por um engraxamento ou pela formação e micro pittings. Para um mancal ser econômico e seguro, eve ser aproveitaa toa a sua capaciae e carga. Para isto é necessário que ao projetá-lo, se consiere outras granezas e influência, além a capaciae e carga, como é o caso o cálculo e via. Observações Os métoos e cálculo e símbolos acima expostos corresponem às inicações IN ISO 76 e 281. A título e simplificação são utilizaos nas fórmulas e tabelas para os rolamentos raiais e axiais, os símbolos C e C 0 para a capaciae e carga inâmica e estática assim como P e P 0 para a carga inâmica e estática equivalente. A Norma iferencia: C r fator e carga raial inâmica C a fator e carga axial inâmica C 0r fator e carga raial estática C 0a fator e carga axial estática P r carga raial inâmica equivalente P a carga axial inâmica equivalente P 0r carga raial estática equivalente P 0a carga axial estática equivalente No intuito e simplificar, eixou-se e inicar os ínices r e a junto a C e P, haja visto não existir, na prática, margem para úvias quanto à pertinência os fatores e carga e cargas equivalentes para rolamentos raiais ou axiais. A IN ISO 281 restringe-se à inicação a uração a via nominal L 10 e à via ampliaa Lna em 10 6 rotações. A partir estes aos é possível ser euzia a uração e via nominal em horas L h e L hna (vie também às páginas 31 e 40). Na prática, é costume se tomar por base L h, L hna e em especial o fator inâmico (f L ). evio a isto foram incluíos neste catálogo, como complementos valiosos, valores orientativos para f L e fórmulas para L h e L hna. FAG FAG

19 imensionamento Via nominal L h e fator e rotação f n para rolamentos e esferas imensionamento Via nominal L h e fator e rotação f n para rolamentos e rolos Valores f L para rolamentos e esferas 3 L f L = h 500 L h f L L h f L L h f L L h f L L h f L h h h h h 100 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,85 Valores f L para rolamentos e rolos 3 L f L = h 500 L h f L L h f L L h f L L h f L L h f L h h h h h 100 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Valores f n para rolamentos e esferas 33 f n = 3 n n f n n f n n f n n f n n f n rpm rpm rpm rpm rpm 10 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 80 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0874 Valores f n para rolamentos e rolos 3 33 f n = 3 n n f n n f n n f n n f n n f n rpm rpm rpm rpm rpm 10 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 75 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 95 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , FAG FAG

20 imensionamento Valores orientativos para f L e aos para o cálculo imensionamento Valores orientativos para f L e aos para o cálculo Aplicação Valor f L aos para o cálculo a ser alcançao Aplicação Valor f L aos para o cálculo a ser alcançao Veículos automotores Acionamento Motocicletas 0,9... 1,6 Regime e torque máximo com rotação o motor, consie- Carros e passageiros: acionamento ,3 rano-se o momento e torção a ser transmitio. O valor Rolamentos protegios contra sujeira: méio e f L é obtio os valores iniviuais f L1,f L2 e f L3,... câmbio 0, relativos às iferentes velociaes a caixa e câmbio por Carros e passageiros: rolamentos e roas 1,4... 2,2 frações e tempo q 1, q 2, q 3... (%) Caminhões leves 1, Caminhões méios 1,8... 2,2 Caminhões pesaos ,6 Ônibus 1,8... 2,8 f L = 100 q 1 f + q 2 3 L1 f + q 3 3 L2 f L3 Rolamentos e roa, por exemplo para veículos coletivos Carga e eixo estática K stat em velociae méia. Valor f L méio (vie acima), resultante as três seguintes conições e roagem: em linha reta, boa pista, com K stat ; em linha reta, com pista irregular, com K stat f z em curva, com K stat f z m. Tipo e veiculo fator f z aicional Carros e passageiros, ônibus, motocicletas 1,3 Furgão, caminhão, cavalos mecânicos 1,5 Caminhão fora e estraa, trator agrícola 1,5... 1,7 O fator m consiera a aerência ao solo Tipo e roas m Roas irigíveis 0,6 Roas não irigíveis 0,35 Motores e combustão interna 1, Esforços máximos (pressão os gases, força e inércia) no ponto morto superior com carga máxima Fator f z : Sistema Motor ciclo Otto Motor iesel ois tempos 0,35 0,5 Quatro tempos 0,3 0,4 Veículos ferroviários Mancais e rolamentos para Carga estática sobre o eixo com fator e correção f z vagões e extração 2,5... 3,5 (epene a velociae máxima, tipo e veículo e super estrutura a via permanente). ones 3, Vagões e passageiros ,5 Tipo e veículo f z Vagões e carga ,5 Vagões e minério ,5 Vagões e minério, Carros tração 3, e extração, e sierurgia 1,2... 1,4 Locomotivas / rolamento externo 3, Vagões e carga, e passageiros Locomotivas / rolamento interno 4, carros e tração, bones 1,2... 1,5 Locomotivas 1,3... 1,8 Caixa e engrenagens e veículos ,5 Grupos e carga com os corresponentes números méios ferroviários e rotação, valor f L méio (vie também acionamento e veículos automotores). 3 Construção naval Rolamento e empuxo o hélice o navio Empuxo nominal a hélice, n e rotações nominal Rolamento o eixo a hélice o navio Peso proporcional o eixo, n e rotações nominal, f z = 2 Granes reutores marítimos 2,5... 3,7 Potência nominal, n e rotações nominal Pequenos reutores marítimos Potência nominal, n e rotações nominal Reversores para barcos 1,5... 2,5 Potência nominal, n e rotações nominal Rolamentos o leme o navio Solicitaos estaticamente por: esforço o leme, peso o leme, esforço e acionamento Máquinas agrícolas Tratores agrícolas 1, Vie veículos automotores Máquinas automotrizes 1, Vie veículos automotores Máquinas e uso sazonal ,5 Potência máxima, n e rotações nominal Maquinaria e terraplanagem Tratores e esteira, carregaeiras ,5 Vie veículos automotores Escavaeiras/mecanismo propulsor ,5 Valor méio e acionamento hiroestático Escavaeiras/mecanismo giratório 1, Número méio e rotações Rolos compressores vibratórios, compactaores 1,5... 2,5 Força centrífuga f z (fator aicional f z = 1,1... 1,3) Excitaores ,5 Motores elétricos Motores para aparelhos eletroomésticos 1, Peso o rotor f z ; n e rotações nominal Motores e série 3,5... 4,5 Fator aicional f z = 1, para motores estacionários Motores e grane porte f z = 1,5... 2,5 para motores e tração Motores e tração ,5 Com acionamento por pinhão: esforços generalizaos Laminaores, equipamentos sierúrgicos Laminaores Pressão méia e laminação, velociae e laminação (Valor f L conforme o tipo e laminaor e o programa e laminação) Acionamento e laminaores Potência nominal, n e rotações nominal Mesas e rolos 2,5... 3,5 Peso o material a laminar, choques, velociae e laminação Máquinas e funição por centrifugação 3,5... 4,5 Peso, esbalanceamento, n e rotações nominal Converteor Solicitação estática por peso máximo Máquinas-ferramenta Fusos e tornos, e fresaoras ,5 Potência e corte, potência e acionamento, pré-carga Fusos e furaeiras Peso a peça, n e rotações em serviço Fusos e retificaoras 2,5... 3,5 Fusos e porta-peças e retificaoras 3, Caixas e engrenagem e máquinas-ferramenta Potência nominal, n e rotações nominal Prensas/Volante 3, Peso o volante, n e rotações nominal Prensas/eixo excêntrico ,5 Potência e prensagem, fração e tempo, n e rotações nominal Ferramentas elétricas e e ar comprimio Potência e corte e acionamento, n e rotações nominal FAG FAG

Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda.

Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda. Rolamentos FAG Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios Rolamentos Rolamentos FAG Ltda. Catálogo WL 41 520/3 P Designações, iniciadas com números Página 10 Rolamento autocompensador

Leia mais

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660 Mancais bipartios Definição e aptiões 644 Séries 645 Variantes 645 Elementos e cálculo: cargas e torques 646 Elementos e montagem: seleção as juntas 647 Características 648 Mancal para rolamentos com bucha

Leia mais

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SB www.fcm.in.br Caixas SB, SI e STM Copyright FCM 2001 O conteúo este catálogo é e proprieae a empresa FCM - Fábrica e Mancais Curitiba Lta., seno proibia a reproução parcial

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Ferramentas rotativas, tipo ABS. para centros de usinagem, linhas de produção e máquinas especiais 10/01

Ferramentas rotativas, tipo ABS. para centros de usinagem, linhas de produção e máquinas especiais 10/01 Ferramentas rotativas, tipo para centros e usinagem, linhas e proução e máquinas especiais KUB Trigon Unisix Kometric HSK UniTurn M03 Spee HSC /0 KOMET O sistema e ferramentas moulares completo Assentos

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry A primeira gama e rolamentos para uso extremo isponível como parão. SNR - Inustry I N U S T R Y TN21Ra:TN21Fc 2/04/08 16:04 Page 2 Uma gama aaptaa para as aplicações mais exigentes. Uma gama técnica testaa

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Prof. Assoc. Renato Goulart Jasinevicius SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

ÍNDICE 1. ROTEIRO PARA SELEÇÃO DE ROLAMENTOS...2

ÍNDICE 1. ROTEIRO PARA SELEÇÃO DE ROLAMENTOS...2 ÍNDICE 1. ROTEIRO PARA SELEÇÃO DE ROLAMENTOS...2 1.1. NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO ROLAMENTO.... 2 1.1.1. Séries Dimensionais:... 2 1.1.2. Símbolos das Séries de Rolamentos... 2 1.1.3. Símbolos de Furo...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

Rolamentos de rolos cônicos

Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos 314 Definições e aptidões 314 Séries 315 Variantes 315 Tolerâncias e jogos 316 Elementos de cálculo 318 Elementos de montagem 320 Prefixos e sufixos

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INTALAÇÕE AT E MT. UBETAÇÕE DE DITRIBUIÇÃO Barramentos e ligaores AT e MT Características e ensaios Elaboração: GTRPT Homologação: conforme espacho o CA e 007-0-3 Eição: ª Emissão: EDP Distribuição Energia,.A.

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Esferas de 4 pontos de contato. Combinados. Regular Bom Bom Bom precário Regular Bom Muito bom. Dois sentidos. Dois sentidos

Esferas de 4 pontos de contato. Combinados. Regular Bom Bom Bom precário Regular Bom Muito bom. Dois sentidos. Dois sentidos Seleção do tipo de rolamento Para escolher o tipo de rolamento mais apropriado a uma determinada aplicação é preciso observar suas características próprias, mas, na maioria dos casos, são tantos os fatores

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1)

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1) 9.0 Dimensionamento e eixos e vigas. 9.1 Critérios e Resistência. No imensionamento os elementos e máquinas e estruturas, como os eixos e as vigas, vários são os critérios que poem ser utilizaos para o

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

Tecnologia de Projetos II 2o Ciclo de Mecânica Flexão - Torção - M t deformação Tração - deformação transitória Reta de ação da força Compressão -

Tecnologia de Projetos II 2o Ciclo de Mecânica Flexão - Torção - M t deformação Tração - deformação transitória Reta de ação da força Compressão - Tecnologia e Projetos II RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Na Estática os corpos são consieraos ineformáveis tal hipótese é necessária afim e se conseguir um resultao completamente inepenente as proprieaes a matéria

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURAS DE MADEIRA Notas e Aula Prof. Francisco A. Romero Gesualo maio 003 PREFÁCIO Estas Notas e Aula têm como objetivo apresentar subsíios

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURAS DE MADEIRA Notas e Aula Prof. Francisco A. Romero Gesualo maio 003 PREFÁCIO Estas Notas e Aula têm como objetivo apresentar subsíios

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Introdução. elementos de apoio

Introdução. elementos de apoio Introdução aos elementos de apoio A UU L AL A Esta aula - Introdução aos elementos de apoio - inicia a segunda parte deste primeiro livro que compõe o módulo Elementos de máquinas. De modo geral, os elementos

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares Universiae Estaual e aringá Centro e Tecnologia Departamento e Engenharia Civil Capítulo 3 Pilares Notas e Aulas Curso: Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto II 1.º Semestre e 008 Bibliografia:

Leia mais

- As caixas somente com a especificação do tamanho, é fornecida em Ferro Fundido Cinzento. EX: DPSA 17

- As caixas somente com a especificação do tamanho, é fornecida em Ferro Fundido Cinzento. EX: DPSA 17 Mancais Inustriais Lta érie D Mancal e grane capaciae e resistência mecânica. Desenvolvio para substituir a série e mancais. série inclinaa a graus proporciona arranjos e montagem muito mais eficiente

Leia mais

Mancais para rolamentos de fixação rápida. A competência é nossa A vantagem é sua

Mancais para rolamentos de fixação rápida. A competência é nossa A vantagem é sua Mancais para rolamentos de fixação rápida A competência é nossa A vantagem é sua A p l i c a ç õ e s Qualidade para todos casos: Rolamentos de fixação rápida na indústria Os rolamentos de fixação rápida

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

ACOPLAMENTO FLEXÍVEL (TIPO PNEU N )

ACOPLAMENTO FLEXÍVEL (TIPO PNEU N ) COPLMENTO FLEXÍVEL (TIPO PNEU N ) Speflex-N 04/10 y Tipo SPN COMPONENTES Item 01: Item 02: Item 03: Item 04: Elemento Cubo Parão rruela e Pressão DDOS TÉCNICOS Nominal Tkn (Nm) 340 40 10 00 Máximo Tk (Nm)

Leia mais

Exemplos de seleção de fuso de esferas

Exemplos de seleção de fuso de esferas Diagrama de seleção Equipamentos de transferência de alta velocidade (uso horizontal) Condições de seleção Massa da mesa m 1 = 60 kg Massa de trabalho m 2 = 20 kg Comprimento do curso l S = 1000 mm Velocidade

Leia mais

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos para Todas as Necessidades da Sua Usina A Solução Perfeita para Qualquer Aplicação Com suas duas fortes marcas, INA e FAG, a qualidade

Leia mais

Prefácio. As capacidades de carga básica estática em função da ISO 76-1987 estão com novos valores.

Prefácio. As capacidades de carga básica estática em função da ISO 76-1987 estão com novos valores. R o l a m e n t o s Prefácio As recentes necessidades em relação aos mecanismos dos mais diversos tipos de máquinas que utilizam os rolamentos, cada vez mais aumentam e diversifi cam-se. Conseqüentemente,

Leia mais

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39 Sistemas e Fixação Página Fixaores e lips utoaesivos Fixaores utoaesivos 36 lips utoaesivo R 36 Fixaores utoaesivo SF 38 Fixaores para Flat able PF 39 F25 39 TY8H1S 39 Fixaores NX/NXR e lips para fixação

Leia mais

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO 9 ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO NON-LINEAR ANALYSIS OF DEFLECTION IN REINFORCED CONCRETE BEAMS Paulo Roberto Lopes Lima * Cíntia Maria Ariani Fontes ** José Mário Feitosa Lima

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE MADEIRA PROFESSOR: ROBERTO MOTTA BEZ ACADÊMICOS: ESTRUTURAS DE MADEIRA Palhoça, 014. DEFINIÇÕES E PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

www.imbil.com.br 1 1

www.imbil.com.br 1 1 www.imbil.com.br 1 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e curvas características de cada

Leia mais

Mancais de rolamento I

Mancais de rolamento I A UU L AL A Mancais de rolamento I Um mecânico de manutenção, ao iniciar a desmontagem de um conjunto mecânico, constatou a existência de uma série de rolamentos. Examinando os rolamentos, verificou que

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384 Batente de esferas 378 Definições e aptidões 378 Séries 378 Tolerâncias 379 Elementos de cálculo 379 Elementos de montagem 379 Características 380 Batente de esferas de efeito simples 380 Batentes autocompensadores

Leia mais

Bipartida Axialmente

Bipartida Axialmente Linha BP BI-PARTIDA ROTOR DE DUPLA SUCÇÃO Bipartida Axialmente Soluções em Bombeamento INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS a Artigo Original http://x.oi.org/0.4322/276-523.0958 DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS Antônio Ael os Santos Cristóvão Nery Giacomin

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

Catálogo de Vidraria de Laboratório

Catálogo de Vidraria de Laboratório Catálogo e Viraria e Laboratório Bem-vino O DURN GROUP O DURN GROUP é um os principais fabricantes muniais e viro borossilicato, um viro especial inventao por Otto Scott em 887 e registrao em 938 com o

Leia mais

Rolamentos Autocompensadores de Rolos

Rolamentos Autocompensadores de Rolos Rolamentos Autocompensadores de Rolos HPS, redefinindo padrões. Diagnóstico Rápido de Falhas de Rolamentos Obtenga un desempeño máximo. red Maior vida útil Tecn de D Exclusivo através d analítica Tecnologia

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica.

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica. ÍSIA II Aula 1 Eletrostática clauios@pitagoras.com.br IÊNIA DA OMPUTAÇÃO ASSUNTOS ABORDADOS arga Elétrica e Estrutura Atômica uantização a arga Elétrica Princípios a Eletrostática onutores e Isolantes

Leia mais

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga ísica ascículo 03 Eliana S. e Souza Braga Ínice Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico... Exercícios... Gabarito...4 Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico Trabalho e uma

Leia mais

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida A Competência é Nossa - A Vantagem é Sua Aplicações Qualidade para Todos os Casos: Rolamentos de Fixação Rápida na Indústria Os rolamentos de fixação rápida estão

Leia mais

INTRODUÇÃO NOTAS. www.imbil.com.br 3

INTRODUÇÃO NOTAS. www.imbil.com.br 3 www.imbil.com.br 1 www.imbil.com.br 2 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha INI-K e INI-O de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e

Leia mais

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade Rees especiais para abastecimento e água Sistema e tubagens PP-R Garantir a fiabiliae Rees especiais para abastecimento e água Proteger a fonte A água é fonte e via e conforto. Criar um sistema e tubagens

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

ele004-comandos Elétricos

ele004-comandos Elétricos ele004-comanos Elétricos Feeração as Inústrias o Estao o Espírito Santo Fines Lucas Izoton Vieira Presiente Senai Departamento Regional o Espírito Santo Manoel e Souza Pimenta Diretor-gestor Robson Santos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA ESENVOLVIMENTO E COMPUTAOR E VAZÃO COMPENSAA E GÁS NATURAL EMPREGANO ARQUITETURA ABERTA *CLAUIO GARCIA *OSMEL REYES VAILLANT *ESCOLA POLITÉCNICA A UNIVERSIAE E SÃO PAULO EPARTAMENTO E ENGENHARIA E TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Mancais e Rolamentos BRM

Mancais e Rolamentos BRM 7 - Seleção de Rolamentos O tamanho do rolamento a ser utilizado em uma determinada aplicação é selecionado a princípio com base em sua capacidade de carga em relação às cargas a serem aplicadas e as necessidades

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Cassete 4 Vias R-22 60Hz (Cond. Vertical) YKE (K) A18-48FS-AD (E) (F) T

MANUAL DO USUÁRIO. Cassete 4 Vias R-22 60Hz (Cond. Vertical) YKE (K) A18-48FS-AD (E) (F) T MANUAL DO USUÁRIO Cassete 4 Vias R-22 60Hz (Con. Vertical) YKE (K) A18-48FS-AD (E) (F) T Leia este manual antes a instalação e operação Certifique-se e guará-lo bem para futuras referências CONTEÚDO INFORMAÇÕES

Leia mais