Média tensão Uso Geral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Média tensão Uso Geral"

Transcrição

1 Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno igual a 2,5 km/w (NBR 14039). Para terrenos úmios e estáveis, isto é, que mantêm um conteúo mínimo e umiae mesmo quano submetios a graientes térmicos elevaos, geraos pelo aquecimento os cabos, poe ser utilizao o fator e correção para resistiviae térmica o terreno igual a 1km/W. Para terrenos secos poe ser aplicao o fator e correção para 1,5km/W. FATORE DE CORREÇÃO DA CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE. Nas tabelas e capaciae e conução e corrente, assumimos eterminaas conições e instalação e e temperatura ambiente que abrangem a grane maioria e maneiras e instalar cabos e méia tensão. Contuo, se as conições reais forem iferentes aquelas aotaas, torna-se necessário corrigir o valor a capaciae e conução e corrente através e fatores, que evem ser aplicaos aos valores tabelaos. Basicamente, ois fatores e correção são suficientes nas instalações normais: Fator e correção para temperatura ambiente (f t ) iferente a consieraa. Fator e correção evio ao agrupamento e (f a ) cabos. A seguir, apresentamos tabelas e fatores e correção para iversos valores e temperatura ambiente, e para várias conições e agrupamento e cabos. Nota: No caso e circuitos com mais e um cabo por fase, recomena-se aotar uma isposição geométrica tal, que minimize o esequilíbrio e impeância os cabos e uma mesma fase. 1

2 FATORE DE CORREÇÃO DA CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA cabos linha fatores f t para temperatura ambiente iferente a consieraa Eprotenax Compact, subterrânea 1,00 0,96 0,93 0,89 0,85 0,80 0,76 Eprotenax e Voltalene não subterrânea 1,08 1,04 1,00 0,96 0,91 0,87 0,82 subterrânea 1,00 0,97 0,94 0,91 0,87 0,84 0,80 Eprotenax Compact 105 não subterrânea 1,06 1,03 1,00 0,97 0,93 0,89 0,86 FATORE DE AGRUPAMENTO EM FUNÇÃO DO AGRUPAMENTO maneiras e instalar fatores e correção multiplicar os fatores pelos valores e cap. e conução e corrente aos nas colunas* banejas páginas 2 e 3/29 I - II - III ao ar livre canaletas calculaas conforme métoo ao nas páginas 5, 6, 7 e 8/29 I - II - III no solo banco e utos página 4/29 X - XI - XII iretamente enterraos página 4/29 XIII - XIV - XV (*) Tabelas as páginas 9, 10, 11 e 12/29. FATORE DE AGRUPAMENTO INTALAÇÕE AO AR LIVRE CABO UNIPOLARE EM PLANO Agrupamento e cabos em sistemas trifásicos, instalaos em ambientes abertos e ventilaos. Estes valores são válios, ese que os cabos mantenham as isposições e instalação propostas. instalação em banejas (*) número e ternas número e banejas fatores e correção (f a ) 1 1 0,97 0,96 2 0,97 0,94 0,93 3 0,96 0,93 0,92 6 0,94 0,91 0,90 multiplicar pelos valores a coluna instalação vertical 0,94 0,91 0,89 I casos one não há necessiae e correção No caso e instalações em plano, aumentano-se a istância entre os cabos reuz-se o aquecimento mútuo. Entretanto, simultaneamente, aumentam-se as peras nas blinagens metálicas. Por isso torna-se impossível ar inicação sobre as isposições para as quais não há necessiae e fator e correção. (*) Nas instalações em banejas, consiera-se o número e sistemas ou cabos por baneja. NBR 14039/ Tabela 34. 2

3 FATORE EM FUNÇÃO DO AGRUPAMENTO INTALAÇÕE AO AR LIVRE CABO UNIPOLARE EM TRIFÓLIO Agrupamento e cabos em sistemas trifásicos, instalaos em ambientes abertos e ventilaos. Estes valores são válios, ese que os cabos mantenham as isposições e instalação propostas. instalação em banejas (*) 2 2 número e ternas número e banejas fatores e correção (f a ) 1 1 0,98 0, ,95 0, ,94 0, ,93 0,90 multiplicar pelos valores a coluna instalação vertical ,93 0,90 II casos one não há necessiae e correção número qualquer e ternas 2 (*) Nas instalações em banejas, consiera-se o número e sistemas ou cabos por baneja. NBR 14039/ Tabela 35. CABO TRIPOLARE Agrupamento e cabos em sistemas trifásicos, instalaos em ambientes abertos e ventilaos. Estes valores são válios, ese que os cabos mantenham as isposições e instalação propostas. instalação em banejas (*) número e ternas número e banejas fatores e correção (f a ) 1 1 0,98 0,96 0,93 0, ,95 0,93 0,90 0, ,94 0,92 0,89 0, ,93 0,90 0,87 0,86 multiplicar pelos valores a coluna instalação vertical 1 0,93 0,90 0,87 0,87 III casos one não há necessiae e correção 2 2 número qualquer e cabos (*) Nas instalações em banejas, consiera-se o número e sistemas ou cabos por baneja. NBR 14039/ Tabela 36. 3

4 FATORE EM FUNÇÃO DO AGRUPAMENTO INTALAÇÕE NO OLO EM BANCO DE DUTO multiplicar pelos valores a coluna X 76 cm 76 cm 68 cm 76 cm 68 cm 68 cm até seção 95 mm 2 inclusive 1,00 0,90 0,82 acima e 95 mm 2 1,00 0,87 0,77 multiplicar pelos valores a coluna XI 76 cm 76 cm 76 cm até seção 95 mm 2 inclusive 0,91 0,85 0,79 acima e 95 mm 2 0,88 0,81 0,73 multiplicar pelos valores a coluna XII 76 cm 76 cm 76 cm até seção 95 mm 2 inclusive 0,91 0,85 0,79 acima e 95 mm 2 0,88 0,81 0,73 (*) Nas instalações em banejas, consiera-se o número e sistemas ou cabos por baneja. NBR 14039/ Tabela 37. DIRETAMENTE ENTERRADO multiplicar pelos valores a coluna XIII (A ou B) 90 cm 90 cm 90 cm até seção 95 mm 2 inclusive 1,00 0,87 0,80 acima e 95 mm 2 1,00 0,85 0,78 multiplicar pelos valores a coluna XIV (A ou B) 90 cm 90 cm 90 cm até seção 95 mm 2 inclusive 0,86 0,79 0,71 acima e 95 mm 2 0,83 0,76 0,67 multiplicar pelos valores a coluna XV (A ou B) 90 cm 90 cm 90 cm até seção 95 mm 2 inclusive 0,86 0,79 0,71 acima e 95 mm 2 0,83 0,76 0,67 (*) Nas instalações em banejas, consiera-se o número e sistemas ou cabos por baneja. NBR 14039/ Tabela 38. 4

5 FATOR DE CORREÇÃO PARA CABO EM CANALETA MÉTODO DE CÁLCULO DO FATOR DE CORREÇÃO PARA CABO INTALADO EM CANALETA Nas tabelas e capaciae e conução e corrente (colunas IV, V e VI), foram fixaas para efeito e cálculo eterminaas conições e instalação como: imensões a canaleta e agrupamentos os cabos. A alteração e uma ou uas essas conições e instalação poerá implicar num acréscimo e temperatura na canaleta, iferente o consierao em tabela. O acréscimo e temperatura evio as peras nos cabos por efeito joule e capacitivo, nos possibilita eterminar o fator e correção f c, que everá corrigir a capaciae e conução e corrente para as novas conições. Nas circunstâncias acima mencionaas evemos, quano necessário, corrigir a capaciae e conução e corrente aplicano os seguintes fatores e correção: fator e correção (f c ) fator e correção por agrupamento (f a ) fator e correção por temperatura ambiente (f t ) Esses fatores e correção everão, neste caso, ser aplicaos aos valores as colunas I, II e III constantes nas tabelas e capaciae e conução e corrente. FATOR DE CORREÇÃO PARA CABO EM CANALETA PERDA DE POTÊNCIA NO CABO E CÁLCULO DO FATOR DE CORREÇÃO (fc ) A pera total (W tot ), em um cabo e potência correspone à soma as peras por efeito joule (W j ) geraas no conutor e na blinagem e as peras no ielétrico (W ). Assim temos as expressões: W tot = W j + W (em W/km) W j = R ca. I n 2 W = (U o 2. tgδ) X c O fator f c é calculao a partir o acréscimo e tempertaura no interior a canaleta. Assim temos: T = (W tot ) 3 p (em C) f c = T c - T a - T T c - T a 5

6 FATOR DE CORREÇÃO PARA CABO EM CANALETA IMBOLOGIA W tot - pera total e potência no cabo (W/km) W j - peras por efeito joule geraas no conutor e na blinagem (W/km) W - peras no ielétrico (W/km) R ca *- parte real a impeância e linha cujos valores são tabelaos no capítulo Paramêtros Elétricos (W/km) I n - corrente nominal a ser transportaa pelo cabo (A) U o - tensão fase-terra o sistema (V) tgδ - fator e peras no ielétrico (ver valores abaixo) X c - reatância capacitiva cujos valores são tabelaos no capítulo Paramêtros Elétricos (W. km) T- acréscimo e temperatura na canaleta, evio às peras no cabo ( C) p- perímetro enterrao na canaleta (m) f c - fator e correção a capaciae e conução e corrente evio ao acréscimo e temperatura na canaleta T c - máxima temperatura amissível no conutor em regime normal e operação ( C) T a - máxima temperatura ambiente a canaleta, antes a energização os cabos ( C) * Nota: Lembramos que os valores já incluem o efeito e circulação e corrente na blinagem metálica e, seno assim, quano multiplicaos por I n 2 fornecem as peras geraas no conutor e na blinagem. Valores e tgδ para cabos isolaos em EPR e XLPE: EPR - 0,040 XLPE - 0,008 FATOR DE CORREÇÃO PARA CABO EM CANALETA EXEMPLO DE DIMENIONAMENTO uponhamos uma instalação e cabos em canaleta, a uma temperatura ambiente máxima e 35 C e que compreena 6 circuitos trifásicos ispostos conforme croquis abaixo: 2 2 E 2 0,7 m A B F C D 2 1,0 m 6

7 FATOR DE CORREÇÃO PARA CABO EM CANALETA DECRIÇÃO DO CIRCUITO circuito tensão o sistema corrente (I n ) a transportar (A) cabo a ser utilizao (kv) A 13,8 180 Eprotenax 8,7/ 15kV - Unipolar B 13,8 400 Eprotenax 8,7/ 15kV - Unipolar C 13,8 200 Eprotenax 8,7/ 15kV - Unipolar D 34,5 160 Eprotenax 20/ 35kV - Unipolar E 13,8 2 x 120 Voltalene 8,7/ 15kV - Unipolar F 13,8 80 Voltalene 8,7/ 15kV - Unipolar EQÜÊNCIA DE CÁLCULO 1. Aote, inicialmente, uma seção consultano as tabelas e capaciae e conução e corrente (colunas I, II ou III) e caa cabo. Por praticiae, aote uma seção superior em 2 ou 3 à correponente à corrente nominal (I n ). circuito I n (A) seção aotaa corrente máxima amissível (A) parâmetros elétricos R ca X c tgδ A * 0,251 9,632 0,040 B * 0,103 6,780 0,040 C * 0,347 10,757 0,040 D * 0,348 17,244 0,040 E ** 0,495 13,678 0,008 F ** 0,670 14,866 0,008 (*) Tabela e capaciae e conução e corrente - Coluna I (**) Tabela e capaciae e conução e corrente - Coluna II 2. Consulte a tabela e Parâmetros Elétricos que etermina para caa cabo os valores e R ca e X c. 3. Calcule as peras por efeito joule. W jtot = ΣR ca. I n 2 W jtot = 3x0,251x x0,103x x0,347x x0,348x x 3x0,495x x0,670x80 2 W jtot = W/km 7

8 4. Calcule as peras por feito capacitivo. W tot = Σ (U o2. tgδ) X c seno U o1 = e U o2 = 3 3 W tot = ( ) ( ) ,04 0,04 0,04 0,008 0,008 ( )2.3 0, W tot = W/km W tot = = W/km 5. Determine o acréscimo e temperatura no interior a canaleta evio às peras nos cabos. W tot T = seno p = 2. 0,7 + 1,0 = 2,4m 3 p T= ,4 T = 28,3 C 6. Calcule o fator e correção (f c ). f c = T c - T a - T T c - T a f c = , f c = 0,697 Eprotenax e Voltalene 7. Determine o fator e correção em função a temperatura ambiente (f t ). 8. Determine o fator e correção em função o agrupamento (f a ). Os circuitos A, B, C e D estão instalaos em banejas (cabos unipolares em plano) e possuem 2 ternas por baneja (f a = 0,94). Os circuitos E e F, em trifólio, estão instalaos na vertical e são consieraas 3 ternas (f a = 0,90). 9. Multiplique a corrente máxima amissível pelos fatores e correção. 10. Compare os valores a corrente corrigia (última coluna) com os valores a corrente nominal (seguna coluna). Os circuitos B e C apresentam ótimos resultaos, enquanto os circuitos A, D, E e F poerão ser refeitos tentano-se seções menores. QUADRO REUMO circuito I n (A) seção aotaa corrente máxima amissível (A) f c f t f a corrente corrigia (A) A ,697 0,96 0, B ,697 0,96 0, C ,697 0,96 0, D ,697 0,96 0, E ,697 0,96 0, F ,697 0,96 0,

9 CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE CORRENTE MÁXIMA ADMIÍVEI POR CONDUTOR AO AR LIVRE seção nominal temperatura no conutor: 105 C temperatura ambiente: 30 C e m banejas em canaletas em eletroutos ( *) I II III IV V VI VII VIII IX 3 cabos 3 cabos 1 3 cabos 3 cabos 1 3 cabos 3 cabos 1 unipolares unipolares cabo unipolares unipolares cabo unipolares unipolares cabo em plano em trifólio tripolar em plano em trifólio tripolar em plano em trifólio tripolar 50 cm 50 cm 50 cm 50 cm 50 cm 50 cm EPROTENAX COMPACT 105 DE 3,6/6 kv A 8,7/15 kv EPROTENAX COMPACT 105 DE 12/20 kv A 20/35 kv (*) Eletroutos não-metálicos. NBR 14039/ Tabela 30. 9

10 CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE CORRENTE MÁXIMA ADMIÍVEI POR CONDUTOR NO OLO seção nominal temperatura no conutor: 105 C resistiviae térmica o terreno: coluna a: 2,5 K.m/W temperatura ambiente: 20 C coluna b: 1,0 K.m/W fator e carga: 100% banco e utos: 1,2 K.m/W em banco e utos (s) iretamente enterrao X XI XII XIII XIV XV 1 cabo 3 cabos 1 1 cabo 3 cabos unipolares 3 cabos unipolares unipolar unipolares cabo tripolar em plano em trifólio por uto em trifólio tripolar em plano no uto no uto coluna a coluna b coluna a coluna b coluna a coluna b 76 cm 13 cm 76 cm 13 cm EPROTENAX COMPACT 105 DE 3,6/6 kv A 8,7/15 kv EPROTENAX COMPACT 105 DE 12/20 kv A 20/35 kv 76 cm 13 cm 90 cm cm 90 cm NBR 14039/ Tabela

11 CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE CORRENTE MÁXIMA ADMIÍVEI POR CONDUTOR AO AR LIVRE seção nominal temperatura no conutor: 90 C temperatura ambiente: 30 C em banejas em canaletas em eletroutos (*) I II III IV V VI VII VIII IX 3 cabos 3 cabos 1 3 cabos 3 cabos 1 3 cabos 3 cabos 1 unipolares unipolares cabo unipolares unipolares cabo unipolares unipolares cabo em plano em trifólio tripolar em plano em trifólio tripolar em plano em trifólio tripolar 50 cm 50 cm 50 cm 50 cm 50 cm 50 cm EPROTENAX COMPACT, EPROTENAX E VOLTALENE DE 3,6/6 kv A 8,7/15 kv EPROTENAX COMPACT, EPROTENAX E VOLTALENE DE 12/20 kv A 20/35 kv (*) Eletroutos não-metálicos. NBR 14039/ Tabela

12 CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE CORRENTE MÁXIMA ADMIÍVEI POR CONDUTOR NO OLO seção nominal temperatura no conutor: 90 C resistiviae térmica o terreno: coluna A: 2,5 K. m/w temperatura ambiente: 20 C coluna B: 1,0 K. m/w fator e carga: 100% banco e utos: 1,2 K. m/w em banco e utos (s) iretamente enterrao X XI XII XIII XIV XV 1 cabo 3 cabos 1 1 cabo 3 cabos unipolares 3 cabos unipolares unipolar unipolares cabo tripolar em plano em trifólio por uto em trifólio tripolar em plano no uto no uto coluna a coluna b coluna a coluna b coluna a coluna b 76 cm 13 cm 76 cm EPROTENAX COMPACT, EPROTENAX E VOLTALENE DE 3,6/6 kv A 8,7/15 kv EPROTENAX COMPACT, EPROTENAX E VOLTALENE DE 12/20 kv A 20/35 kv NBR 14039/ Tabela cm 76 cm 13 cm 90 cm 90 cm 90 cm 12

13 CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO NA BLINDAGEM Este capítulo tem por finaliae possibilitar a eterminação a operabiliae e um cabo sob conições e curto-circuito, limitaa pelo fluxo e correntes e falha através a blinagem metálica o cabo. Essa eterminação e operabiliae consiste no cálculo o tempo máximo que uma blinagem metálica poe ser submetia a uma eterminaa corrente e curto-circuito à terra, sem anos para a isolação e cobertura e proteção. CONIDERAÇÕE TÉCNICA Uma fórmula foi esenvolvia para o cálculo a corrente e curto-circuito em blinagem e cobre, aplicaa sob a forma e fios ou fitas. É baseaa na energia térmica armazenaa na blinagem metálica e no limite máximo e temperatura amitia pela isolação ou pela cobertura, com a hipótese e que o intervalo e tempo para o fluxo e corrente seja tão pequeno que o calor esenvolvio urante o curto-circuito fica contio na blinagem. A temperatura máxima e curto-circuito para cabos com cobertura e polietileno ou PVC é e 200ºC. A seção efetiva a blinagem encontra-se inicaa na tabela e Daos Construtivos. FÓRMULA IMPLIFICADA A fórmula apresentaa poe ser simplificaa, uma vez fixaas as temperaturas em regime contínuo (T 1 ) e em curto-circuito (T 2 ). A tabela abaixo apresenta fórmulas simplificaas. Cumpre assinalar que, no caso e cabos tripolares com blinagem a fios e cobre, a corrente e retorno em um curto-circuito unipolar circulará pelas blinagens os três conutores, portanto os valores aos poem, neste caso, ser multiplicaos por três. IMBOLOGIA = seção efetiva e blinagem t = tempo e uração o curto-circuito (s) T 1 = temperatura e operação a blinagem (ºC) T 2 = temperatura e curto-circuito a blinagem (ºC) β = 234,5 = temperatura euzia para resistência ôhmica a blinagem nula (ºC abaixo e zero) K = parâmetro função as características o material a blinagem Fórmula básica: ( I )2.t = log T 2 + β Referências: ICEA P e IEC 949 T 1 + β tipo e cabo T 1 ( C) T 2 ( C) fórmula simplificaa Eprotenax Compact Eprotenax Voltalene Eprotenax Compact I t = 122, I t =

14 PARÂMETRO ELÉTRICO Na análise e circuitos elétricos faz-se necessário o conhecimento e alguns parâmetros elétricos os cabos que apresentamos a seguir. Esses parâmetros por fase são: Rcc -resistência ôhmica máxima em cc Rca - resistência em ca X L - reatância inutiva X c -reatância capacitiva Os valores e Rcc foram extraíos a NBR NM 280 classe e encoroamento 2 e se referem à temperatura e 20ºC. Os parâmetros Rca, X L e X c são válios para cabos aplicaos em sistemas trifásicos, simétricos e equilibraos, na freqüência e 60Hz. O parâmetro Rca foi calculao para a temperatura máxima permitia pela isolação o cabo em regime contínuo. Os valores e Rca e X L, que epenem a maneira e instalar os cabos, são os componentes a impeância série a linha. A parte real a impeância é representaa por Rca e a parte imaginária por X L. Foi também consierao no cálculo e Rca e X L o efeito a circulação e correntes pelas blinagens, pois a maior parte as instalações e cabos e potência e méia tensão têm a blinagem aterraa em ois ou mais pontos. O parâmetro X c, reatância capacitiva, é consierao entre fase-terra (conutor-blinagem). 14

15 PARÂMETRO ELÉTRICO seção nominal Rcc máxima em CC à 20 C Xc unipolar D tripolar s = 2D s = 13 cm s= trifólio banco e utos R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km ) (Ω.km) EPROTENAX COMPACT 105-3,6/6 kv 10 1, ,447 0,247 2,459 0,357 2,464 0,389 2,443 0,178 2,461 0,381 2,442 0, , ,540 0,235 1,551 0,341 1,556 0,373 1,536 0,165 1,553 0,364 1,534 0, , ,976 0,223 0,986 0,324 0,991 0,356 0,971 0,154 0,988 0,348 0,970 0, , ,705 0,215 0,715 0,311 0,719 0,343 0,701 0,145 0,716 0,334 0,700 0, , ,522 0,206 0,531 0,298 0,534 0,330 0,518 0,137 0,533 0,321 0,517 0, , ,363 0,200 0,372 0,285 0,376 0,317 0,359 0,130 0,373 0,309 0,358 0, , ,263 0,194 0,271 0,274 0,275 0,306 0,260 0,125 0,273 0,297 0,259 0, , ,210 0,190 0,217 0,265 0,221 0,297 0,207 0,120 0,219 0,288 0,206 0, , ,172 0,186 0,178 0,257 0,182 0,289 0,168 0,117 0,179 0,280 0,168 0, , ,139 0,183 0,144 0,249 0,148 0,281 0,135 0,114 0,146 0,273 0,135 0, , ,107 0,181 0,112 0,239 0,116 0,271 0,105 0,111 0,114 0,263 0,104 0, , ,087 0,178 0,092 0,231 0,095 0,263 0,085 0,109 0,093 0,254 0,085 0, , ,070 0,174 0,074 0,220 0,077 0,252 0,069 0,105 0,075 0,243 0,069 0, , ,057 0,172 0,060 0,212 0,063 0,244 0,056 0,102 0,061 0,235 EPROTENAX COMPACT 105-6/10 kv 16 1, ,540 0,235 1,551 0,341 1,556 0,373 1,536 0,165 1,553 0,364 1,534 0, , ,976 0,223 0,986 0,324 0,991 0,356 0,971 0,154 0,988 0,348 0,970 0, , ,705 0,215 0,715 0,311 0,719 0,343 0,701 0,145 0,716 0,334 0,700 0, , ,522 0,206 0,531 0,298 0,534 0,330 0,518 0,137 0,533 0,321 0,517 0, , ,363 0,200 0,372 0,285 0,376 0,317 0,359 0,130 0,373 0,309 0,358 0, , ,263 0,194 0,271 0,274 0,275 0,306 0,260 0,125 0,273 0,297 0,259 0, , ,210 0,190 0,217 0,265 0,221 0,297 0,207 0,120 0,219 0,288 0,206 0, , ,172 0,186 0,178 0,257 0,182 0,289 0,168 0,117 0,179 0,280 0,168 0, , ,139 0,183 0,144 0,249 0,148 0,281 0,135 0,114 0,146 0,273 0,135 0, , ,107 0,181 0,112 0,239 0,116 0,271 0,105 0,111 0,114 0,263 0,104 0, , ,087 0,178 0,092 0,231 0,095 0,263 0,085 0,109 0,093 0,254 0,085 0, , ,070 0,174 0,074 0,220 0,077 0,252 0,069 0,105 0,075 0,243 0,069 0, , ,057 0,172 0,060 0,212 0,063 0,244 0,056 0,102 0,061 0,235 15

16 PARÂMETRO ELÉTRICO seção nominal Rcc máxima em CC à 20 C Xc unipolar D tripolar s = 2D s = 13 cm s= trifólio banco e utos R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km ) (Ω.km ) EPROTENAX COMPACT 105-8,7/15 kv 16 1, ,540 0,244 1,550 0,341 1,554 0,373 1,536 0,174 1,552 0,364 1,534 0, , ,976 0,228 0,986 0,324 0,990 0,356 0,971 0,158 0,987 0,348 0,970 0, , ,705 0,219 0,714 0,311 0,718 0,343 0,701 0,149 0,716 0,334 0,700 0, , ,522 0,210 0,531 0,298 0,535 0,330 0,518 0,141 0,532 0,321 0,517 0, , ,363 0,204 0,371 0,285 0,375 0,318 0,359 0,134 0,373 0,309 0,358 0, , ,263 0,197 0,271 0,274 0,275 0,306 0,260 0,128 0,272 0,297 0,259 0, , ,210 0,193 0,217 0,265 0,221 0,297 0,206 0,124 0,218 0,288 0,206 0, , ,172 0,189 0,178 0,257 0,182 0,289 0,168 0,120 0,179 0,280 0,168 0, , ,139 0,186 0,144 0,249 0,148 0,281 0,135 0,117 0,145 0,273 0,135 0, , ,107 0,185 0,112 0,239 0,115 0,271 0,104 0,115 0,113 0,263 0,104 0, , ,087 0,182 0,091 0,231 0,095 0,263 0,085 0,112 0,092 0,254 0,085 0, , ,070 0,178 0,074 0,220 0,077 0,252 0,068 0,108 0,075 0, , ,057 0,175 0,060 0,212 0,062 0,244 0,056 0,105 0,061 0,235 EPROTENAX COMPACT /20 kv 16 1, ,540 0,257 1,548 0,341 1,552 0,373 1,535 0,187 1,549 0,364 1,534 0, , ,975 0,241 0,984 0,324 0,998 0,357 0,971 0,172 0,985 0,348 0,970 0, , ,705 0,226 0,713 0,311 0,717 0,343 0,701 0,157 0,715 0,334 0,700 0, , ,522 0,218 0,530 0,298 0,534 0,330 0,518 0,149 0,531 0,321 0,517 0, , ,363 0,210 0,370 0,286 0,374 0,318 0,359 0,141 0,372 0,309 0,358 0, , ,263 0,204 0,270 0,274 0,274 0,306 0,259 0,135 0,271 0,297 0,259 0, , ,210 0,199 0,216 0,265 0,220 0,297 0,206 0,130 0,217 0,288 0,206 0, , ,172 0,195 0,177 0,257 0,181 0,289 0,168 0,126 0,178 0,280 0,167 0, , ,139 0,191 0,144 0,249 0,147 0,281 0,135 0,122 0,145 0,273 0,135 0, , ,107 0,190 0,111 0,239 0,115 0,271 0,104 0,120 0,112 0,263 0,104 0, , ,087 0,186 0,091 0,231 0,094 0,263 0,085 0,117 0,092 0, , ,070 0,182 0,073 0,220 0,076 0,252 0,068 0,112 0,074 0, , ,057 0,179 0,059 0,212 0,062 0,244 0,055 0,109 0,060 0,235 16

17 PARÂMETRO ELÉTRICO seção nominal Rcc máxima em CC à 20 C Xc unipolar D tripolar s = 2D s = 13 cm s= trifólio banco e utos R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km ) (Ω.km ) EPROTENAX COMPACT /25 kv 35 0, ,705 0,242 0,711 0,311 0,715 0,343 0,700 0,172 0,712 0,335 0,700 0, , ,522 0,228 0,528 0,298 0,532 0,330 0,518 0,159 0,530 0,321 0,517 0, , ,363 0,220 0,369 0,286 0,373 0,318 0,359 0,151 0,371 0,309 0,358 0, , ,263 0,213 0,269 0,274 0,272 0,306 0,259 0,144 0,270 0,297 0,259 0, , ,210 0,208 0,215 0,265 0,219 0,297 0,206 0,138 0,216 0,288 0,205 0, , ,171 0,203 0,176 0,257 0,180 0,289 0,168 0,134 0,177 0, , ,138 0,199 0,143 0,249 0,146 0,281 0,135 0,130 0,144 0, , ,107 0,192 0,111 0,239 0,115 0,271 0,104 0,123 0,112 0, , ,087 0,189 0,091 0,231 0,094 0,263 0,084 0,119 0,092 0, , ,070 0,184 0,073 0,220 0,076 0,252 0,068 0,114 0,074 0, , ,057 0,181 0,059 0,212 0,062 0,244 0,055 0,111 0,060 0,235 EPROTENAX COMPACT /35 kv 50 0, ,522 0,243 0,527 0,298 0,530 0,330 0,518 0,174 0,528 0, , ,363 0,231 0,368 0,286 0,372 0,318 0,359 0,162 0,369 0, , ,263 0,223 0,268 0,274 0,271 0,306 0,259 0,154 0,269 0, , ,210 0,218 0,214 0,265 0,217 0,297 0,206 0,148 0,215 0, , ,171 0,213 0,175 0,257 0,178 0,289 0,168 0,143 0,176 0, , ,138 0,204 0,142 0,249 0,146 0,281 0,135 0,134 0,143 0, , ,107 0,199 0,110 0,239 0,114 0,271 0,104 0,129 0,111 0, , ,087 0,195 0,090 0,231 0,093 0,263 0,084 0,125 0,091 0, , ,070 0,190 0,072 0,220 0,075 0,252 0,068 0,120 0,073 0, , ,057 0,186 0,059 0,212 0,062 0,244 0,055 0,117 0,059 0,235 17

18 PARÂMETRO ELÉTRICO seção nominal Rcc máxima em CC à 20 C Xc unipolar D tripolar s = 2D s = 13 cm s= trifólio banco e utos R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km ) (Ω.km ) EPROTENAX COMPACT - 3,6/6 kv 10 1, ,339 0,245 2,351 0,357 2,356 0,389 2,335 0,176 2,353 0,381 2,334 0, , ,472 0,234 1,484 0,341 1,488 0,373 1,468 0,164 1,485 0,364 1,467 0, , ,933 0,222 0,943 0,324 0,948 0,356 0,928 0,153 0,945 0,348 0,927 0, , ,674 0,214 0,684 0,311 0,688 0,343 0,670 0,144 0,686 0,334 0,669 0, , ,499 0,206 0,508 0,298 0,513 0,330 0,495 0,137 0,510 0,321 0,494 0, , ,348 0,200 0,356 0,285 0,360 0,317 0,344 0,130 0,358 0,309 0,343 0, , ,252 0,194 0,260 0,274 0,264 0,306 0,248 0,125 0,261 0,297 0,248 0, , ,201 0,190 0,208 0,265 0,212 0,297 0,198 0,120 0,210 0,288 0,197 0, , ,164 0,186 0,171 0,257 0,175 0,289 0,161 0,117 0,172 0,280 0,160 0, , ,133 0,183 0,139 0,249 0,143 0,281 0,130 0,114 0,140 0,273 0,129 0, , ,103 0,181 0,108 0,239 0,112 0,271 0,100 0,111 0,109 0,263 0,100 0, , ,084 0,178 0,088 0,231 0,092 0,263 0,082 0,109 0,089 0,254 0,082 0, , ,068 0,174 0,071 0,220 0,075 0,252 0,066 0,105 0,072 0,243 0,066 0, , ,055 0,172 0,058 0,212 0,061 0,244 0,054 0,102 0,059 0,235 EPROTENAX COMPACT - 6/10 kv 16 1, ,472 0,234 1,484 0,341 1,488 0,373 1,468 0,164 1,485 0,364 1,467 0, , ,933 0,222 0,943 0,324 0,948 0,356 0,928 0,153 0,945 0,348 0,927 0, , ,674 0,214 0,684 0,311 0,688 0,343 0,670 0,144 0,686 0,334 0,669 0, , ,499 0,206 0,508 0,298 0,513 0,330 0,495 0,137 0,510 0,321 0,494 0, , ,348 0,200 0,356 0,285 0,360 0,317 0,344 0,130 0,358 0,309 0,343 0, , ,252 0,194 0,260 0,274 0,264 0,306 0,248 0,125 0,261 0,297 0,248 0, , ,201 0,190 0,208 0,265 0,212 0,297 0,198 0,120 0,210 0,288 0,197 0, , ,164 0,186 0,171 0,257 0,175 0,289 0,161 0,117 0,172 0,280 0,160 0, , ,133 0,183 0,139 0,249 0,143 0,281 0,130 0,114 0,140 0,273 0,129 0, , ,103 0,181 0,108 0,239 0,112 0,271 0,100 0,111 0,109 0,263 0,100 0, , ,084 0,178 0,088 0,231 0,092 0,263 0,082 0,109 0,089 0,254 0,082 0, , ,068 0,174 0,071 0,220 0,075 0,252 0,066 0,105 0,072 0,243 0,066 0, , ,055 0,172 0,058 0,212 0,061 0,244 0,054 0,102 0,059 0,235 18

19 PARÂMETRO ELÉTRICO seção nominal Rcc máxima em CC à 20 C Xc unipolar D tripolar s = 2D s = 13 cm s= trifólio banco e utos R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km ) (Ω.km ) EPROTENAX COMPACT - 8,7/15 kv 16 1, ,472 0,243 1,482 0,341 1,487 0,373 1,468 0,173 1,484 0,364 1,467 0, , ,933 0,227 0,943 0,324 0,947 0,356 0,928 0,157 0,944 0,348 0,927 0, , ,674 0,219 0,683 0,311 0,688 0,343 0,670 0,149 0,685 0,334 0,669 0, , ,499 0,210 0,508 0,298 0,512 0,330 0,495 0,141 0,509 0,321 0,494 0, , ,348 0,204 0,355 0,285 0,360 0,318 0,344 0,134 0,357 0,309 0,343 0, , ,252 0,197 0,259 0,274 0,263 0,306 0,248 0,128 0,261 0,297 0,247 0, , ,201 0,193 0,208 0,265 0,212 0,297 0,197 0,124 0,209 0,288 0,197 0, , ,164 0,189 0,170 0,257 0,174 0,289 0,161 0,120 0,172 0,280 0,160 0, , ,133 0,186 0,138 0,249 0,142 0,281 0,130 0,117 0,140 0,273 0,129 0, , ,103 0,185 0,107 0,239 0,111 0,271 0,100 0,115 0,109 0,263 0,100 0, , ,084 0,182 0,088 0,231 0,091 0,263 0,081 0,112 0,089 0,254 0,081 0, , ,068 0,178 0,071 0,220 0,074 0,252 0,066 0,108 0,072 0, , ,055 0,175 0,058 0,212 0,061 0,244 0,054 0,105 0,059 0,235 EPROTENAX COMPACT - 12/20 kv 16 1, ,472 0,257 1,480 0,341 1,484 0,373 1,467 0,187 1,482 0,364 1,467 0, , ,933 0,241 0,941 0,324 0,945 0,357 0,928 0,172 0,942 0,348 0,927 0, , ,674 0,226 0,682 0,311 0,686 0,343 0,670 0,157 0,684 0,334 0,669 0, , ,499 0,218 0,507 0,298 0,511 0,330 0,495 0,149 0,508 0,321 0,494 0, , ,347 0,210 0,355 0,286 0,359 0,318 0,343 0,141 0,356 0,309 0,343 0, , ,252 0,204 0,258 0,274 0,262 0,306 0,248 0,135 0,260 0,297 0,247 0, , ,201 0,199 0,207 0,265 0,211 0,297 0,197 0,130 0,208 0,288 0,197 0, , ,164 0,195 0,170 0,257 0,173 0,289 0,161 0,126 0,171 0,280 0,160 0, , ,133 0,191 0,138 0,249 0,141 0,281 0,129 0,122 0,139 0,273 0,129 0, , ,103 0,190 0,107 0,239 0,110 0,271 0,100 0,120 0,108 0,263 0,099 0, , ,084 0,186 0,087 0,231 0,091 0,263 0,081 0,117 0,088 0, , ,068 0,182 0,070 0,220 0,074 0,252 0,066 0,112 0,071 0, , ,055 0,179 0,057 0,212 0,060 0,244 0,054 0,109 0,058 0,235 19

20 PARÂMETRO ELÉTRICO seção nominal Rcc máxima em CC à 20 C Xc unipolar D tripolar s = 2D s = 13 cm s= trifólio banco e utos R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L R ca X L (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km) (Ω/km ) (Ω.km ) EPROTENAX COMPACT - 15/25 kv 35 0, ,674 0,242 0,680 0,311 0,684 0,343 0,670 0,172 0,682 0,335 0,669 0, , ,499 0,228 0,506 0,298 0,509 0,330 0,495 0,159 0,507 0,321 0,494 0, , ,347 0,220 0,353 0,286 0,357 0,318 0,343 0,151 0,355 0,309 0,343 0, , ,252 0,213 0,257 0,274 0,261 0,306 0,248 0,144 0,259 0,297 0,247 0, , ,201 0,208 0,206 0,265 0,210 0,297 0,197 0,138 0,207 0,288 0,196 0, , ,164 0,203 0,169 0,257 0,172 0,289 0,161 0,134 0,170 0, , ,133 0,199 0,137 0,249 0,140 0,281 0,129 0,130 0,138 0, , ,103 0,192 0,107 0,239 0,110 0,271 0,100 0,123 0,108 0, , ,084 0,189 0,087 0,231 0,090 0,263 0,081 0,119 0,088 0, , ,068 0,184 0,070 0,220 0,073 0,252 0,065 0,114 0,071 0, , ,055 0,181 0,057 0,212 0,060 0,244 0,053 0,111 0,058 0,235 EPROTENAX COMPACT - 20/35 kv 50 0, ,499 0,243 0,504 0,298 0,507 0,330 0,495 0,174 0,505 0, , ,347 0,231 0,352 0,286 0,356 0,318 0,343 0,162 0,353 0, , ,252 0,223 0,256 0,274 0,260 0,306 0,248 0,154 0,257 0, , ,201 0,218 0,205 0,265 0,208 0,297 0,197 0,148 0,206 0, , ,164 0,213 0,168 0,257 0,171 0,289 0,160 0,143 0,169 0, , ,133 0,204 0,136 0,249 0,140 0,281 0,129 0,134 0,138 0, , ,103 0,199 0,106 0,239 0,109 0,271 0,100 0,129 0,107 0, , ,084 0,195 0,086 0,231 0,090 0,263 0,081 0,125 0,088 0, , ,068 0,190 0,070 0,220 0,073 0,252 0,065 0,120 0,071 0, , ,055 0,186 0,057 0,212 0,059 0,244 0,053 0,117 0,057 0,235 20

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410 CAPACIAE E CONUÇÃO E CORRENTE PARA CABO E BAIXA TENÃO O dimensionamento de uma instalação elétrica alimentada sob tensão nominal igual ou inferior a 00V, em corrente alternada é a 0V em corrente contínua,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

Cabos Navais. Introdução

Cabos Navais. Introdução Cabos Navais Introdução A Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A. apresenta a sua linha de cabos para aplicação em plataformas de petróleo off-shore e navios, tipo LS0H (Low Smoke Zero Halogen),

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas As instalações e dimensionamentos de fios e cabos elétricos de baixa tensão devem obedecer as recomendações indicadas na NBR 5410/2004. Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE MADEIRA PROFESSOR: ROBERTO MOTTA BEZ ACADÊMICOS: ESTRUTURAS DE MADEIRA Palhoça, 014. DEFINIÇÕES E PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Manual Técnico Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos,

Leia mais

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S Página de 30 PROJETO: Í N D I C E D E R E V I S Õ E S R E V. D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S 0 EMISSÃO INICIAL 0 2 3 4 5 6 7 8 DATA 4.05.205 25.08.205 EXECUÇÃO WV WV VERIFICAÇÃO

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INTALAÇÕE AT E MT. UBETAÇÕE DE DITRIBUIÇÃO Barramentos e ligaores AT e MT Características e ensaios Elaboração: GTRPT Homologação: conforme espacho o CA e 007-0-3 Eição: ª Emissão: EDP Distribuição Energia,.A.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento técnico baixa tensão Seção mínima Capacidade

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS ÍNDICE A Empresa... 03 Contato Comercial... 03 Seleção e Instalação de Condutores Elétricos (NBR 5410)... 04 Tabela de Produtos... 09 Métodos de Instalação... 10 Capacidade de Condução

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70 APRESENTAÇÃO A FNCE, empresa nacional com tradição a mais de 0 anos no mercado de condutores elétricos esta comprometida com a qualidade de seus produtos, treinamentos dos seus colaboradores e preservação

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS

DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT.......................188 Capacidade de condução: o que diz a norma..........................................189 Cálculos

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V.

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. GRANATA 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GENERALIDADES PROJETO CABOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

Capacidade de corrente de cabos. Fábio Brunheroto Forner

Capacidade de corrente de cabos. Fábio Brunheroto Forner Capacidade de corrente de cabos Fábio Brunheroto Forner 1 A Redenel Engenharia e Representações Ltda. foi idealizada para elaboração de serviços de engenharia em redes de distribuição subterrânea, tendo

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA e ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas que atingem

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

4 DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE CONDUTORES ELÉTRICOS CONFORME A NORMA ABNT NBR IEC 60287-3-2...11

4 DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE CONDUTORES ELÉTRICOS CONFORME A NORMA ABNT NBR IEC 60287-3-2...11 DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO E AMBIENTAL DE CONDUTORES ELÉTRICOS 3 Índice 1 INTRODUÇÃO..............................................................................4 2 DIMENSIONAMENTO TÉCNICO DE CONDUTORES

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares Universiae Estaual e aringá Centro e Tecnologia Departamento e Engenharia Civil Capítulo 3 Pilares Notas e Aulas Curso: Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto II 1.º Semestre e 008 Bibliografia:

Leia mais

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO 9 ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO NON-LINEAR ANALYSIS OF DEFLECTION IN REINFORCED CONCRETE BEAMS Paulo Roberto Lopes Lima * Cíntia Maria Ariani Fontes ** José Mário Feitosa Lima

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES SUMÁRIO 1. SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES 3 2. ESQUEMAS FUNDAMENTAIS DE LIGAÇÕES 6 3. PROJETO 12 3.1. Análise inicial 12 3.2. Caracterização do fornecimento de energia 13 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 14 4.1. Definições

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$ ANEXO 2 Planilha Orçamentária Estimativa de Quantitativos e Preços Máximos Global e Unitários LOTE ÚNICO ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Qtde. Unitário R$ Total R$ 01 02 03 04 05 CHAVE NIVEL TIPO BOIA,ATUACAO: ALARME

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

CABOS ELÉTRICOS PARA APLICAÇÃO EM OFFSHORE 1/2013

CABOS ELÉTRICOS PARA APLICAÇÃO EM OFFSHORE 1/2013 1/2013 CABOS ELÉTRICOS PARA APLICAÇÃO EM OFFSHORE ÍNDICE: Cabos Elétricos de Energia e Controle - 0,6/1kV (1,8/3kV) LKM-SHF2 & LKM-SHF2 FLEX...4 LKMM-SHF2...8 LKSM-SHF2 & LKSM-SHF2 FLEX...10 LKMSM-SHF2...14

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

Instalações de média tensão ABNT NBR 14039

Instalações de média tensão ABNT NBR 14039 52 Instalações de média tensão ABNT NBR 14039 Capítulo IV Seleção e instalação de componentes Parte 1 Por Marcus Possi* O foco deste artigo é o Capítulo 6 da norma ABNT NBR 14039 Instalações elétricas

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

Instala es El tricas. Curso Completo

Instala es El tricas. Curso Completo Instala es El tricas Curso Completo SUMÁRIO 1 A Produção de Energia Elétrica...7 1.1 Usina Hidroelétrica...7 1.2 Usina Termoelétrica...7 1.3 Usina Nuclear...7 1.4 Usina Alternativa...7 2 A Transmissão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C

Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C 1 Dados Construtivos: 1.1 Desenho: 1 2 3 4 1 Condutor: Fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole. Encordoamento classe 05. 2 Separador: Fita não higroscópica

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores 1 Norma técnica...03 1.1 ABNT...03 1.2 Avaliação da conformidade...03 2 Legislação...03

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010 Capítulo 5 Linhas elétricas 2008 by Pearson Education slide 1 5.1 Aspectos gerais Condutor elétrico Fio Barra Linha pré-fabricada Barramento Condutor encordoado: classes 1 a 6 Cabo Corda Perna Coroa Cabo

Leia mais

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS INDICE Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS 1 Cabos de Energia Harmonizados 2 Cabos de Energia - Baixa Tensão (0,6/1kV) 3 Cabos de Energia de Média e Alta Tensão 4 Cabos de Segurança 5 Cabos

Leia mais

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica.

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica. ÍSIA II Aula 1 Eletrostática clauios@pitagoras.com.br IÊNIA DA OMPUTAÇÃO ASSUNTOS ABORDADOS arga Elétrica e Estrutura Atômica uantização a arga Elétrica Princípios a Eletrostática onutores e Isolantes

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

Uma história de evolução e constante expansão

Uma história de evolução e constante expansão 2 Uma história de evolução e constante expansão A história da SIL é resultado de um trabalho empreendedor, pautado pela ética, confiabilidade e seriedade. A companhia foi, por duas décadas, uma das principais

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS 2-22 INDICE INTRODUÇÃO... 3 1. OBJETIVO... 4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

Alguns erros frequentes em cálculos de circuitos BT

Alguns erros frequentes em cálculos de circuitos BT Alguns erros frequentes em cálculos de circuitos B Lisardo Recio Maíllo www.prysmian.es Cabos termoplásticos (PVC) e cabos termoestáveis (XLPE ou EPR) Cabos termoplásticos (PVC) e cabos termoestáveis (XLPE

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais