PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO"

Transcrição

1 PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, , Brasil PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento e Distância o Pino. 1. INTRODUÇÃO A principal função os pinos e ancoragem é a fixação, promoveno a ligação e estruturas até então istintas e permitino a introução e cargas concentraas. É muito utilizao em estruturas pré-molaas, em especial na ligação entre elementos metálicos e blocos e funação, Figura 1, mas eles poem ser empregaos em várias situações, são também chamaos e chumbaores. Atualmente há uas categorias istintas e sistemas e ancoragem: os pré-instalaos e os pós-instalaos. No sistema pré-instalao, o pino é posicionao no local e atuação antes a concretagem enquanto no sistema pós-instalao a fixação é concreto já enurecio através e perfuração e aplicação e compostos ligantes. Neste trabalho em questão foi estuao o sistema e ancoragem préinstalao. Figura 1. Pino e ancoragem (ligação aço concreto).

2 2 2. OBJETIVOS O objetivo este trabalho será estuar a variação a istância a armaura e flexão ao eixo o pino e ancoragem e a variação o iâmetro o pino. A justificativa esta pesquisa é a necessiae e um amplo conhecimento no comportamento e estruturas que utilizam pinos e ancoragem em suas ligações, a fim e se obter aos suficientes para imensionar com maior grau e segurança e economia os pinos e concretos usaos para a fixação e estruturas e equipamentos pesaos. 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Esta revisão bibliográfica baseia-se em publicações o CEB (1994 e 1997), ACI (1978 e 2005), artigos técnicos internacionais e nacionais e issertações como a e Meira (2005), Soares (2007), realizaos na EEC-UFG, principalmente nos tópicos relacionaos aos tipos e sistemas e ancoragem, moos e ruptura, mecanismos e transferência e carga e métoos e cálculo, e as pesquisas nacionais e Jermann (1993), Oliveira (2003), Martins Junior (2006), Fontenelle (2009) e Marinho (2009) Mecanismos e Transferência e Carga Existem três formas e transmissão os esforços externos o pino para o concreto, Figura 2, que poem ocorrer e forma inepenente ou por uma combinação as mesmas. A ancoragem mecânica se esenvolve pela transmissão mecânica e esforços e um elemento situao na extremiae imersa o chumbaor. Poe ser utilizaa uma cabeça e ancoragem ou uma barra obraa em U ou em L, para o concreto. Isso poe gerar elevaas tensões e esmagamento nessa região e confinamento. Esse tipo e transferência e carga ocorre principalmente em chumbaores e cabeça pré-instalaos e chumbaores e segurança pósinstalaos. A ancoragem por atrito acontece pelo atrito entre a superfície o elemento expansor e a superfície o concreto. Teno como resultao a ação e forças

3 3 normais à interface entre a face lateral o chumbaor e o concreto, evio à expansão o chumbaor por meio e torque ou percussão, que são as uas formas mais usuais os chumbaores e expansão. A ancoragem por aerência ocorre entre as superfícies imersas o chumbaor e o concreto; um exemplo é o caso e ancoragens pré-instalaas, constituías e barras retas, ou na instalação e chumbaores pós-instalaos e aesão química, em que ocorre a aerência entre a superfície o concreto e as resinas ou aglomerantes utilizaos para preencher o furo. Figura 2. Mecanismos e transferência e carga: (a) ancoragem mecânica, (b), ancoragem por atrito, (c) ancoragem por aerência. Aaptao e Fastenings to Concrete an Masonry Structures (CEB, 1994.) 3.2. Sistema e Ancoragem Pré-Instalao Nesse sistema e ancoragem, os chumbaores são posicionaos antes a concretagem e forma efinitiva. Devio ao seu posicionamento anterior à concretagem o trabalho e locação eve ser minucioso e a fixação na ferragem ou nas fôrmas, eve ser feita com gabaritos, a fim e evitar qualquer movimento urante a concretagem. Existem iversos moelos isponíveis no mercao epeneno a sua aplicação, Figura 3. Figura 3. Tipos e pinos e ancoragem pré-instalaos (CEB Bulletin nº 233, 1997).

4 Pinos e Aço Nervurao com Ancoragem e Cabeça Nos pinos e aço nervurao com ancoragem e cabeça, Figura 4, atuam ois mecanismos e ancoragem. No primeiro, a ancoragem é resistia pela tensão e aerência, que ao atingir o seu pico encerra-se e passa para a seguna fase na qual a aerência começa a se eteriorar ao longo a barra e a tensão passa a ser transferia para a cabeça, resultano com o escoamento a barra ou a ruptura o concreto acima a cabeça. A capaciae e ruptura e uma barra com cabeça é eterminaa pela carga e pico proveniente a ancoragem mecânica aicionaa a alguma contribuição referente à aerência. Figura 4. Mecanismo e transferência e carga (Thompson et al., 2003) Moos e Ruptura Para Sistemas Pré-Instalaos A ruptura o aço, Figura 5, é trataa como uma ruptura úctil, pois próximo a carga e ruptura ela se eforma consieravelmente. Este comportamento está relacionao com sua rigiez, resistência e capaciae e eformação. O que etermina a resistência à tração o pino e ancoragem é sua seção transversal e resistência à tração o aço. Figura 5. Ruptura o aço MEIRA, 2005.

5 5 Na ruptura o cone e concreto ocorre o arrancamento e uma superfície irregular aproximaamente cônica, que se inicia na cabeça o chumbaor e se estene até o topo o concreto, Figura 6. O arrancamento esse cone ocorre quano as tensões e tração ultrapassam a resistência à tração o concreto. Esse tipo e ruptura é e interesse para fins e imensionamento, ocorreno em ancoragens com alturas imersas pequenas e em concretos com baixas resistências. Figura 6. Ruptura o cone e concreto - MEIRA, A ruptura por fenilhamento, Figura 7, ocorre evio à elevação a tensão e tração proveniente o pino, levano à fissuração e separação o elemento e concreto em partes. Esse tipo e ruptura eve ser evitao, pois há poucos estuos sobre esse tipo e ruptura, o que torna ifícil e eterminar teoricamente a resistência a ancoragem. Figura 7. Ruptura por fenilhamento - MEIRA, Influência a Armaura e Flexão No estuo e Boe e Roik (1987), são feitas consierações sobre iversos fatores que poem influenciar a capaciae e carga e uma ancoragem,

6 6 um eles é o uso e armaura aicional e flexão. Essa armaura tem como função fornecer uma maior uctiliae à conexão, prevenir o esenvolvimento e fissuras e o esmagamento o concreto em eterminaa região. Poe ser utilizaa one há espaçamentos insuficientes para a transmissão a carga o aço para o concreto. O seu uso melhora o comportamento quanto à uctiliae, apesar e não aumentar significantemente a capaciae final e arrancamento e apresentar uma forma o cone e ruptura semelhante à ruptura sem armaura. Ocorrem restrições quanto ao seu uso em ancoragens pós-instalaas, pois a instalação o pino é feita após o enurecimento o concreto, tornano assim mais ifícil e posicioná-lo Métoo e Cálculo Existem iversas normas e métoos e cálculo para o imensionamento e pinos e ancoragem, poeno existir semelhança entre esses métoos para alguma situação em particular. Para a realização este trabalho aotou-se o métoo e 34º, pois sua eficácia poe ser comprovaa em trabalhos anteriores como, por exemplo, no e SOARES, O métoo e cálculo esenvolvio por Eligehausen et al. (1988) supõe que a superfície o cone e ruptura apresenta um ângulo e 34º, e acoro com os conceitos a mecânica a fratura e estuos experimentais. Nesse métoo, também é consierao o espaçamento entre chumbaores, excentriciae, ausência e fissuras e presença e armauras pouco espaçaas. Esse métoo serviu e base para o esenvolvimento e outros métoos e cálculo, Figura 8, existino algumas iferenças quanto ao conceito original para caa métoo aaptao. A carga e ruptura a ancoragem é: N u = N u,0. ψ c. ψ s. ψ ec (1) One: N u,0 valor a carga e ruptura e um pino, que não sofre a influência e bora, submetio a um esforço e tração. ψ c coeficiente que consiera a influência a bora. ψ s coeficiente que consiera a influência e um grupo e ancoragens. ψ ec coeficiente que consiera a influência a excentriciae e carga.

7 7 Figura 8. Métoo Ψ - Exemplo o cone e ruptura (CEB Bull. 233). 4. METODOLOGIA No presente trabalho foi estuao o comportamento e pinos e ancoragem sujeitos a esforços e tração em blocos e concreto com imensões 2200 mm x 600 mm x 400 mm. Na parte superior e caa bloco, foram ispostos 3 pinos e ancoragem. As variáveis estuaas projeto, Tabela 1, foram a variação a istância e o posicionamento a armaura e flexão em relação ao pino e ancoragem. Tabela 1. Programa Experimental VARIÁVEIS ESTUDADAS P F1 ( = 0 mm) P F2 ( = 50 mm) P F3 ( = 75 mm) P F4 ( = 0 mm) P F5 ( = 50 mm) P F6 ( = 75mm)

8 Pinos Os pinos foram fabricaos com barras e aço nervurao CA-50, como haste, e chapas metálicas e aço SAC-1045 como cabeças a ancoragem, Figura 9. A chapa metálica foi perfuraa para que a haste puesse atravessá-la. As imensões os pinos foram fixaas a seguinte forma: cabeça e ancoragem 50 mm x 50 mm, comprimento a haste 250 mm e iâmetro e 20 mm, a profuniae o pino imerso no concreto (altura efetiva) permaneceu constante e igual a 100 mm. O aço utilizao na confecção a haste foi ensaiao à tração no laboratório e FURNAS. Figura 9. Pino após solagem 4.2. Fôrmas As fôrmas foram fabricaas com as seguintes imensões 2200 mm (comprimento) x 600 mm (largura) x 400 mm (altura) e montaas com perfis U, Figura 10. Figura 10. Fôrma pronta para concretagem.

9 9 Foi aplicao esmolante nas formas e então posicionaa a armaura e flexão com o auxílio e espaçaores. Para assegurar que os pinos ficassem eviamente posicionaos e não ocorresse nenhum eslocamento urante a concretagem, foram fixaas barras metálicas no sentio transversal e longituinal as fôrmas, apoiaas em pequenos cubos e maeira, para manter livre a superfície e concreto, e os pinos fixaos a estas por meio e arame recozio. Antes a concretagem foram feitas verificações o prumo e alinhamento Concreto O concreto utilizao na confecção as peças foi fornecio pela empresa REALMIX Concreto e Argamassa que efiniu o traço para que o concreto atingisse a resistência a compressão e 30 MPa aos 28 ias. A concretagem foi realizaa no ia 22 e outubro e 2010 no laboratório e estruturas a UFG e também foram molaos corpos e prova cilínricos 150 mm x 300 mm para a obtenção e aos suficientes para se traçar à curva iae x resistência à compressão, obter valores o móulo e elasticiae e resistência à tração o concreto para a iae e 28 ias. A cura as peças foi feita utilizano água e manteno a superfície os blocos molhaa por sete ias, com posterior cobertura com lona a fim e se evitar pera e umiae Ensaio A montagem o ensaio foi esenvolvia para que toos os ensaios fossem realizaos a mesma forma, seguino o moelo utilizao por MEIRA, 2005 e SOARES, 2007, Figura 11. Os elementos constituintes o ensaio são: Atuaor hiráulico: é utilizao para gerar a força e tração, ele é alimentao por uma bomba manual. Tirantes: servem para transmitir a força geraa pelo atuaor hiráulico ao pino a ser ensaiao. Seu iâmetro é 25 mm, comprimento 1500 mm e apenas 300 mm em caa extremiae é rosqueável, são feitos e aço SAC Célula e carga: é utilizaa para meir a força aplicaa pelo atuaor hiráulico.

10 10 Leitora e carga igital: é responsável pela inicação o valor meio pela célula e carga. Pórtico e reação: é utilizao para receber os esforços provenientes o atuaor hiráulico e transmitir para o bloco. Esse pórtico é constituío e uma viga metálica, formaa por um perfil H e 145 x 155 x 8 mm com 1000 mm e comprimento. Os ois pilares são constituíos e um perfil circular com 90mm e iâmetro e 3 mm e espessura, com altura e 340 mm solao a chapas metálicas e 145 x 125 mm com espessura e 16 mm nas extremiaes. Os pilares esse pórtico foram fixaos à base a viga por meio e sargentos fixano os quatro cantos a chapa metálica a parte superior o pilar. Chapas metálicas: são utilizaas para assegurar que os esforços transmitios o pórtico para o bloco sejam uniformemente istribuíos. Essas chapas têm imensões 50 x 100 x 25 mm e são fixaas na parte inferior a chapa metálica a base o pilar por meio e gesso pera tipo III. Perfis em U: são utilizaos ois perfis, um superior e outro inferior, para transmitir a força e tração geraa pelo atuaor hiráulico para o pino a ser ensaiao. Foram fabricaos através a solagem e três chapas metálicas formano um perfil U. Chapas em L: são utilizaas uas chapas em forma e L para transmitir a força e tração o perfil U, escrito acima, para a porca solaa ao pino. Porcas e arruelas: são utilizaas para transmitir a força e tração proveniente as chapas em L para o pino. Foram solaas porcas sextavaas e 1 na parte superior o pino através e sola e topo utilizano eletroo OK46. Figura 11. Desenho a montagem o ensaio, MEIRA 2005.

11 11 5. RESULTADOS 5.1. Caracterização os Materiais Concreto Foi utilizao concreto usinao para a confecção os blocos. Os valores a resistência à compressão, resistência à tração e o móulo e elasticiae o concreto, Tabela 2, foram obtios por meio e ensaios e corpos-e-prova cilínricos, com iâmetro e 150 mm e altura e 300 mm, conforme a NBR 5739/94, NBR 7222/94 e NBR 8522/84. Como os ensaios foram realizaos em ias iferentes, foi necessário traçar a curva iae x resistência à compressão, Figura 12, para se estimar o valor a resistência à compressão o concreto no ia o ensaio e caa peça. Tabela 2. Resultaos os Ensaios. ENSAIO IDADE VALORES OBTIDOS 7 28,4 Resistência à compressão (MPa) 14 29, , ,3 Resistência à tração (MPa) 28 3,4 Móulo e elasticiae (GPa) 28 23,3

12 12 Figura 12. Curva Resistência a compressão o concreto Aço gráfico a Figura 13. Ensaiamos as barras e 20,00 mm seguno a NBR 6152/92, obteno o Figura 13. Curva Tensão X Deformação o aço 5.2. Carga e Ruptura conforme Tabela 3. Os resultaos obtios após os ensaios e ruptura estão relacionaos

13 13 Tabela 3. Resultaos as cargas e ruptura. F e F e (kn) (kn) P F1 ( = 0 mm) 84,65 P F4 ( = 0 mm) 84,88 P F2 ( = 50 mm) 83,20 P F5 ( = 50 mm) 85,78 P F3 ( = 75 mm) 83,31 P F6 ( = 75mm) 84,91 6. DISCUSSÃO Seguno os cálculos para ocorrer a ruptura no concreto é necessário uma carga F c = 86,40 kn o que na prática foi comprovaa pois os valores a carga F e foram bem próximos a este valor e 86,4 kn variano apenas 1,02 % para mais ou 3,70 % para menos, Tabela 4. Toas as rupturas ocorreram por fenilhamento, Figura 14, o que inica que o pino e ancoragem issipa sua tensão na armaura e flexão, promoveno uma abertura no iâmetro o cone e ruptura levano ao fenilhamento a peça. Tabela 4. Resultaos as cargas e ruptura (RC Ruptura no concreto). VARIÁVEIS PINO (mm) F c (kn) F e (kn) F e / F c (%) RUPTURA P F1 0 84,65-2,02 RC P F ,20-3,70 RC P F ,31-3,57 RC P F7 0 84,88-1,76 RC P F ,4 87,28 + 1,02 RC P F ,91-1,72 RC

14 14 Figura 14. Ruptura por fenilhamento. 7. Conclusões Constatou-se que a variação no posicionamento a armaura não aumenta significantemente a capaciae e ancoragem. A presença a armaura e flexão aumenta a uctiliae a peça, as fissuras se propagam ao longo a armaura. Quanto ao aparato experimental, os pinos com iâmetro e 20 mm é ieal para o estuo em questão, permitino que em 100 % os casos a ruptura ocorra no concreto, a fixação a armaura e os pinos bem como a utilização e formas e perfis metálicos permite evitam a introução e variáveis inesejáveis na pesquisa, estano aprovaas para futuros estuos.

15 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACI COMMITTEE 318. Builing Coe Requirements for Structural Concrete an Commentary ACI : Appenix D Anchoring to Concrete, Michigan, 2005, 433p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5739/94 Ensaio e compressão e corpos e prova cilínricos e concreto, Rio e Janeiro BODE, H.; ROIK K. Hea Stus Embee in Concrete an Loae in Tension, Anchorage to Concrete, SP-103, American Concrete Institute, Detroit, Michigan, p.61-88, CEB Bulletin D Information nº 233. Design of Fastenings in Concrete Design Guie Parts 1 to 3, Thomas Telfor Services Lta., January, MARTINS JUNIOR, J. N. Resistência à Tração e um sistema e ancoragem, embutio em concreto sujeito a carga e impacto f. Dissertação (Mestrao em Engenharia Civil) Pontifícia Universiae Católica o Rio e Janeiro, Departamento e Engenharia Civil. JERMANN, R.P. Chumbaores para Concreto f. Dissertação (Mestrao em Engenharia Civil) Universiae Feeral Fluminense, Niterói, MEIRA, M. T. R. Resistência à tração e pinos e ancoragem Influência e bora, comprimento e aerência, posição e orientação o pino f. Dissertação (Mestrao em Engenharia Civil) Escola e Engenharia Civil, Universiae Feeral e Goiás, Goiânia, SOARES, M. M. P. Influência a proximiae e bora, a altura efetiva, o comprimento aerente e o iâmetro a haste na resistência e pinos e ancoragem f. Dissertação (Mestrao em Engenharia Civil) Escola e Engenharia Civil, Universiae Feeral e Goiás, Goiânia. MARINHO, A. M.; FONTENELLE E.G.; Influência a armaura e flexão na resistência à tração e pinos e ancoragem. Trabalho a isciplina e Análise Teórico e Experimental as Estruturas CMEC UFG 2009.

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Anderson Araújo Watanabe, Prof. Ronaldo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil andersonwatanabe-@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Altura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

flexão pura armadura dupla

flexão pura armadura dupla conteúo 28 flexão pura armaura upla 28.1 Domínio 4 A análise o iagrama e tensão o aço a figura 28.1, fs fy εy 10%o εs om.4 om.3 om.2 Figura 28.1 Diagrama e tensão o aço resulta que no omínio 4 a eformação

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

2 Revisão bibliográfica

2 Revisão bibliográfica 2 Revisão bibliográfica Os sistemas de ancoragem para concreto podem ser classificados em duas grandes categorias: sistemas de pré-concretagem, que são posicionados na fôrma antes da concretagem, e os

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Análise da base de pilares pré-moldados na ligação com cálice de fundação

Análise da base de pilares pré-moldados na ligação com cálice de fundação Eimair Bottega Ebeling Análise a base e pilares pré-molaos na ligação com cálice e funação Dissertação apresentaa à Escola e Engenharia e São Carlos a Universiae e São Paulo, como parte os requisitos necessários

Leia mais

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO 9 ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO NON-LINEAR ANALYSIS OF DEFLECTION IN REINFORCED CONCRETE BEAMS Paulo Roberto Lopes Lima * Cíntia Maria Ariani Fontes ** José Mário Feitosa Lima

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE MADEIRA PROFESSOR: ROBERTO MOTTA BEZ ACADÊMICOS: ESTRUTURAS DE MADEIRA Palhoça, 014. DEFINIÇÕES E PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

Comportamento cíclico de nós viga-pilar com armadura lisa

Comportamento cíclico de nós viga-pilar com armadura lisa TEMA Reabilitação e reforço e estruturas Comportamento cíclico e nós viga-pilar com armaura lisa Catarina Fernanes 1,a, José Melo 1,b, Humberto Varum 1,,c e Aníbal Costa 1, 1 Departamento e Engenharia

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Tensão de Cisalhamento

Tensão de Cisalhamento - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensão de Cisalhamento

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica 2.1. Considerações Iniciais Os sistemas de ancoragem atualmente utilizados podem ser divididos em duas categorias: sistema de pré-concretagem, o qual é posicionado na forma ou no

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares Universiae Estaual e aringá Centro e Tecnologia Departamento e Engenharia Civil Capítulo 3 Pilares Notas e Aulas Curso: Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto II 1.º Semestre e 008 Bibliografia:

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE PINOS DE ANCORAGEM INFLUÊNCIA DE BORDA, COMPRIMENTO DE ADERÊNCIA, POSIÇÃO E ORIENTAÇÃO DO PINO Engº. Civil

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39 Sistemas e Fixação Página Fixaores e lips utoaesivos Fixaores utoaesivos 36 lips utoaesivo R 36 Fixaores utoaesivo SF 38 Fixaores para Flat able PF 39 F25 39 TY8H1S 39 Fixaores NX/NXR e lips para fixação

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO RESUMO Orientando (Dijalma Motta Leopoldo), Orientador (Alexandre Vargas); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) djalmamotta@hotmail.com,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK 1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO O Curso e Grauação a Escola Politécnica tem como objetivo formar o aluno e prepará-lo para o exercício profissional. Como parte a avaliação o aprenizao o aluno,

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1)

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1) 9.0 Dimensionamento e eixos e vigas. 9.1 Critérios e Resistência. No imensionamento os elementos e máquinas e estruturas, como os eixos e as vigas, vários são os critérios que poem ser utilizaos para o

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este trabalho tem como objetivo estudar a resistência do sistema de ancoragem composto de pinos com cabeça embutidos no concreto, quando submetidos a

Leia mais

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante 1/20 Método Biela Tirante Pile Cap subjected to Vertical Forces and Moments. Autor: Michael Pötzl IABSE WORKSHOP New Delhi 1993 - The Design of Structural Concrete Editor: Jörg Schlaich Uniersity of Stuttgart

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Prof. Assoc. Renato Goulart Jasinevicius SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos

Leia mais

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008. - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO CURSO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO AMBIENTAL DIMENSIONAMENTO DE CHUMBADORES PÓS-FIXADOS Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Leia mais

CAPÍTULO 05: Dimensionamento: Estados Limites Últimos

CAPÍTULO 05: Dimensionamento: Estados Limites Últimos Capítulo 5 - Dimensionamento: Estaos Limites Últimos 81 CAPÍTULO 05: Dimensionamento: Estaos Limites Últimos Seguno a NBR 7190/97, cujas prescrições estão embasaas no Métoo os Estaos Limites, para que

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

DNIT. Furos no concreto para ancoragem de armaduras Especificação de serviço NORMA DNIT 082/2006 ES. 6 Manejo ambiental... 4. Resumo. 7 Inspeção...

DNIT. Furos no concreto para ancoragem de armaduras Especificação de serviço NORMA DNIT 082/2006 ES. 6 Manejo ambiental... 4. Resumo. 7 Inspeção... DNIT NORMA DNIT 082/2006 ES Furos no concreto para ancoragem de armaduras Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES Autor: Diretoria de

Leia mais

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SB www.fcm.in.br Caixas SB, SI e STM Copyright FCM 2001 O conteúo este catálogo é e proprieae a empresa FCM - Fábrica e Mancais Curitiba Lta., seno proibia a reproução parcial

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 Carlos Henrique dos Santos 2 Rogério Eustáquio Cirilo 3 Ronilson Flávio Souza 4 RESUMO: Um dos fatores mais importantes durante

Leia mais

Capacidade portante: cargas majoradas e resistência dos materiais minoradas.

Capacidade portante: cargas majoradas e resistência dos materiais minoradas. II - BASES DO DIMENSIONAMENTO 1- ELEMENTOS ESTRUTURAIS Estruturas são sistemas portantes constituíos por elementos estruturais que têm por inaliae suportar as cargas aplicaas e transmiti-las aos apoios

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

FORRO DE GESSO. Integrantes: Diogo Godinho Barroso nº Luisa Jorge Garcia nº 104326 Marcella Silva Albino nº 083891. Santos / SP

FORRO DE GESSO. Integrantes: Diogo Godinho Barroso nº Luisa Jorge Garcia nº 104326 Marcella Silva Albino nº 083891. Santos / SP FORRO DE GESSO Integrantes: Diogo Godinho Barroso nº Luisa Jorge Garcia nº 104326 Marcella Silva Albino nº 083891 Santos / SP Forro de Gesso Sistema Gypsum Drywall Base na Norma ABNT NBR 15758 partes 1,

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas.

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Folheto Técnico 01 / 2015 Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Flexboard Flexboard é a mais delgada chapa Knauf Drywall, desenvolvida especialmente para permitir

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por para aplicação pré-esforçadas pré-fabricadas Versão da ancoragem HUS-P 6 Parafuso para betão em aço carbono HUS-I 6 Parafuso para betão em aço carbono com rosca interna M8

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

27.1 Simplificação do diagrama de tensões de compressão no concreto - seção retangular

27.1 Simplificação do diagrama de tensões de compressão no concreto - seção retangular conteúo 7 fleão pura 7.1 Simplificação o iagrama e tensões e compressão no concreto - seção retangular Figura 7.1 Distribuição as eformações e tensões simplificaas na seção (NBR6118/003 Item 17..) A istribuição

Leia mais

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Fernando Fonseca, Ph.D., S.E. Brigham Young University - Utah - USA (essa é uma pegadinha) 5 Qual é o problema se a viga é alta? Distribuição das deformações na secção

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais