PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES"

Transcrição

1 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O SOMATÓRIO DAS DISPONIBILIDADES DE NUMERÁRIO, OS RECURSOS A RECEBER, AS ANTECIPAÇÕES DE DESPESA, BEM COMO OUTROS BENS E DIREITOS PENDENTES OU EM CIRCULAÇÃO REALIZÁVEIS ATÉ O TÉRMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE DISPONÍVEL REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES EM CAIXA E EM BANCOS, BEM COMO EQUIVALENTES, QUE REPRESENTAM RECURSOS COM LIVRE MOVIMENTAÇÃO PARA APLICAÇÃO NAS OPERAÇÕES DA UNIDADE E PARA OS QUAIS NÃO HAJA RESTRIÇÕES PARA USO IMEDIATO CRÉDITOS EM CIRCULAÇÃO BENS E VALORES EM CIRCULAÇÃO REGISTRA OS DIREITOS REALIZÁVEIS ATE O TÉRMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE, ASSIM COMO OS DERIVADOS DE VENDAS, ADIANTAMENTOS, EMPRÉSTIMOS, VALORES EM TRÃNSITO E OUTROS. REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS ESTOQUES, TÍTULOS E VALORES, MATERIAIS EM TRÂNSITO E DEMAIS EM CIRCULAÇÃO VALORES PENDENTES REGISTRA OS CUSTOS E DESPESAS PAGOS A CURTO PRAZO ANTECIPADAMENTE E OS VALORES DIFERIDOS ATIVO REALIZÁVEL A DEPÓSITOS REALIZÁVEIS A CRÉDITOS REALIZÁVEIS A REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES REALIZÁVEIS NORMALMENTE APOS O TERMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE, SUB AGRUPADOS EM DEPÓSITOS REALIZÁVEIS A E CRÉDITOS REALIZÁVEIS A. REGISTRA O VALOR DE DEPÓSITOS REALIZÁVEIS APOS O TERMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE, REPRESENTADOS POR RECURSOS VINCULADOS. REGISTRA OS CRÉDITOS DO MUNICÍPIO EM RELAÇÃO A SEUS DEVEDORES, E OS DEMAIS DIREITOS A RECEBER REFERENTES A EMPRÉSTIMOS, FINANCIAMENTOS, TÍTULOS E VALORES, COM PRAZO DE REALIZAÇÃO POSTERIOR À DATA DO BALANÇO DO EXERCÍCIO TCESP Página 1 24/11/2004

2 ATIVO PERMANENTE REGISTRA O MONTANTE DOS INVESTIMENTOS DE CARÁTER PERMANENTE, DAS IMOBILIZAÇÕES E DESPESAS DIFERIDAS QUE CONTRIBUIRÃO PARA A FORMAÇÃO DO RESULTADO DE MAIS DE UM EXERCÍCIO FINANCEIRO INVESTIMENTOS REGISTRA AS PARTICIPAÇÕES PERMANENTES EM OUTRAS SOCIEDADES E OS DIREITOS DE QUALQUER NATUREZA, NÃO CLASSIFICÁVEIS NO ATIVO CIRCULANTE OU NORMALIZÁVEL A QUE NÃO SE DESTINEM A MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE DO ÓRGÃO OU ENTIDADE IMOBILIZADO REGISTRA O MONTANTE DOS DIREITOS QUE TENHAM POR OBJETO BENS DESTINADOS A MANUTENÇÃO DAS ATIVIDADES DA ENTIDADE OU ÓRGÃO OU EXERCIDOS COM ESSA FINALIDADE DIFERIDO REGISTRA AS APLICAÇÕES DE RECURSOS EM DESPESAS QUE CONTRIBUIRÃO PARA AFIRMAÇÃO DO RESULTADO DE MAIS DE UM EXERCÍCIO, INCLUSIVE OS JUROS PAGOS AOS ACIONISTAS DURANTE O PERÍODO QUE ANTECEDER O INÍCIO DAS OPERAÇÕES ATIVO COMPENSADO REGISTRA AS CONTAS COM FUNÇÃO PRECÍPUA DE CONTROLE, EM RELAÇÃO AOS BENS, DIREITOS, OBRIGAÇÕES E SITUAÇÕES NÃO COMPENSADAS NO PATRIMÔNIO, MAS QUE DIRETA OU INDIRETAMENTE POSSAM AFETÁ-LO, INCLUSIVE AS CONTAS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EXECUÇÃO RECEITA FIXAÇÃO DESPESA EXECUÇÃO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA REGISTRA OS VALORES ORIUNDOS DA RECEITA INICIAL E ADICIONAL A REALIZAR E SUA REALIZAÇÃO, SEGUNDO A NATUREZA DA RECEITA OU FONTE DE RECURSO. REGISTRA A DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA, A SUA MOVIMENTAÇÃO, AO LONGO DO EXERCÍCIO, EM FUNÇÃO DE CRÉDITOS ADICIONAIS ABERTOS, DE CANCELAMENTOS EFETUADOS E DE TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS, BEM COMO O TOTAL DOS EMPENHOS DA DESPESA RETIFICADOS NO MESMO PERÍODO. REGISTRA A MOVIMENTAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA, COMPREENDENDO AS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS, OS RESTOS A PAGAR E AS TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS. TCESP Página 2 24/11/2004

3 EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR REGISTRA O VALOR DA TRANSFERÊNCIA, PAGAMENTO, INSCRIÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS DESPESAS EMPENHADAS E COMPENSAÇÕES ATIVAS DIVERSAS NÃO PAGAS ATE O ÚLTIMO DIA DO EXERCÍCIO REGISTRA O VALOR DOS DEMAIS ATOS PRATICADOS PELA ADMINISTRAÇÃO QUE, PELA SUA NATUREZA, NÃO SÃO POSTOS EM EVIDÊNCIA NEM CONTROLADOS QUER POR CONTAS PATRIMONIAIS, QUER POR CONTAS DE RESULTADO PASSIVO COMPREENDE OS VALORES DO PASSIVO CIRCULANTE, EXIGÍVEL A, RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS, PATRIMÔNIO LÍQUIDO E PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE COMPREENDE AS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS ATE O TÉRMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE AGRUPADAS EM DEPÓSITOS, OBRIGAÇÕES EM CIRCULAÇÃO, EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EM CIRCULAÇÃO E VALORES PENDENTES A CURTO PRAZO DEPÓSITOS COMPREENDE OS DÉBITOS EXIGÍVEIS EM ATE 12 MESES, RELATIVOS A RECEBIMENTOS A TITULO DE DEPÓSITOS, CONSIGNAÇÕES EM FOLHA, CAUÇÕES E OUTROS OBRIGAÇÕES EM CIRCULAÇÃO VALORES PENDENTES A CURTO PRAZO PASSIVO EXIGÍVEL A DEPÓSITOS EXIGÍVEIS A LONGO PRAZO COMPREENDE OS COMPROMISSOS ASSUMIDOS, EXIGÍVEIS ATÉ O TÉRMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE, REPRESENTADOS POR OBRIGAÇÕES A PAGAR, CREDORES - ENTIDADES AGENTES, EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS, ADIANTAMENTOS RECEBIDOS, VALORES, ETC... COMPREENDE O PASSIVO TRANSITÓRIO OU NOMINAL, OU AINDA A REGULARIZAR, REPRESENTADO POR RECEITAS PENDENTES, VALORES DIFERIDOS E OUTROS VALORES PENDENTES. COMPREENDE OS COMPROMISSOS EXIGÍVEIS NORMALMENTE APÓS O TÉRMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE, SUBAGRUPADOS EM DEPÓSITOS EXIGÍVEIS A E OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS A LONGO REGISTRA O MONTANTE DE DEPÓSITOS EXIGÍVEIS APÓS O TÉRMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE, REPRESENTADOS POR DEPÓSITOS DE TERCEIROS E RECURSOS TCESP Página 3 24/11/2004

4 OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS A LONGO PRAZO REGISTRA AS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS APÓS O TÉRMINO DO EXERCÍCIO SEGUINTE, CLASSIFICADOS NOS ELEMENTOS OBRIGAÇÕES DE CRÉDITO INTERNA, OPERAÇÕES DE CRÉDITO EXTERNA, OBRIGAÇÕES LEGAIS E RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS RECEITAS DE EXERCICIOS CUSTOS OU DESPESAS CORRESPONDENTES PATRIMÔNIO LIQUIDO PATRIMÔNIO/CAPITA L TRIBUTÁRIAS, OBRIGAÇÕES A PAGAR E OUTRAS COMPREENDE O TOTAL DAS RECEITAS PERTENCENTES A EXERCÍCIOS FUTUROS DEDUZIDAS DOS CUSTOS E DAS DESPESAS A ELAS CORRESPONDENTES. REGISTRA O VALOR DE RECEITAS QUE DEVERÃO SER RECONHECIDAS EM OUTROS EXERCÍCIOS (FUTUROS). REGISTRA O VALOR DOS CUSTOS OU DESPESAS CORRESPONDENTES ÀS RECEITAS DE EXERCÍCIOS FUTUROS. IDENTIFICA A SITUAÇÃO PATRIMONIAL LÍQUIDA, REPRESENTADA PELOS SUBGRUPOS PATRIMÔNIO/CAPITAL, RESERVAS, RESULTADO ACUMULADO E AJUSTES DO PATRIMÔNIO/CAPITAL. REGISTRA O RESULTADO PATRIMONIAL DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA, BEM COMO O CAPITAL DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA RESERVAS COMPREENDEM PARCELAS DO PATRIMÔNIO LIQUIDO QUE NÃO CONSTITUEM AUMENTO DE CAPITAL OU QUE NÃO TRANSITARAM PELO RESULTADO COMO RECEITA OU QUE ORIGINARAM-SE DE ACRÉSCIMOS DE VALOR DE ELEMENTOS DO ATIVO OU DE LUCROS NÃO LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS RESULTADO DE EXTINCAO, CISAO OU FUSAO PASSIVO COMPENSADO PREVISÃO RECEITA REGISTRA O SALDO REMANESCENTE DOS LUCROS (OU PREJUÍZOS) LÍQUIDOS DESAPROPRIAÇÕES PARA RESERVAS DE LUCROS E DOS DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS. REGISTRA O VALOR DO RESULTADO APURADO POR EXTINCAO, CISAO OU FUSAO DEUNIDADE GESTORA EXECUTORA DURANTE O EXERCICIO. REGISTRA O VALOR DAS CONTAS COM FUNÇÃO PRECÍPUA DE CONTROLE, RELACIONADAS A SITUAÇÕES NÃO COMPREENDIDAS NO PATRIMÔNIO, MAS QUE POSSAM VIR A AFETÁ-LO, INCLUSIVE AS CONTAS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. REGISTRA A RECEITA PREVISTA NO ORÇAMENTO GERAL, BEM COMO PREVISÃO ADICIONAL. TCESP Página 4 24/11/2004

5 EXECUÇÃO DESPESA EXECUÇÃO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR REGISTRA A MOVIMENTAÇÃO DESPESA, COMPREENDENDO OS CRÉDITOS DISPONÍVEIS E INDISPONÍVEIS, OS EMPENHOS E A DESPESA REALIZADA. REGISTRA A MOVIMENTAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA, COMPREENDENDO AS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS, OS RESTOS A PAGAR E AS TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS. REGISTRA O VALOR DA INSCRIÇÃO E PAGAMENTO DAS DESPESAS EMPENHADAS E NÃO PAGAS ATE O ÚLTIMO DIA DO ANO FINANCEIRO COMPENSAÇÕES REGISTRA A CONTRAPARTIDA DA COMPENSAÇÃO ATIVA. PASSIVAS DIVERSAS DESPESA REPRESENTA O SOMATÓRIO DAS DESPESAS CORRENTES E DESPESAS DE CAPITAL REALIZADAS RECEITA REGISTRA O VALOR TOTAL DA ARRECADAÇÃO DAS DIVERSAS RECEITAS CORRENTES E DE CAPITAL RESULTADO DIMINUTIVO DO EXERCÍCIO RESULTADO ORÇAMENTÁRIO INTERFERÊNCIAS PASSIVAS MUTAÇÕES PASSIVAS REGISTRA O VALOR DAS CONTAS REPRESENTATIVAS DAS VARIAÇÕES NEGATIVAS DA SITUAÇÃO LÍQUIDA DO PATRIMÔNIO E DA APURAÇÃO DO RESULTADO RESPECTIVO, TANTO ORÇAMENTÁRIO QUANTO EXTRA- ORÇAMENTÁRIO. REGISTRA O TOTAL DA DIMINUIÇÃO DA SITUAÇÃO LÍQUIDA DO PATRIMÔNIO, INCLUSIVE AS CONTAS REPRESENTATIVAS DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA, INTERFERÊNCIAS E MUTAÇÕES PASSIVAS RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. REGISTRA O VALOR DAS TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS CONCEDIDAS E CORRESPONDÊNCIA DE CRÉDITOS EM VIRTUDE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. REGISTRA AS VARIAÇÕES OCORRIDAS NO EXERCÍCIO QUE REFLETEM O EQUILÍBRIO DO RESULTADO DE GESTÃO DA UNIDADE, EM VIRTUDE DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA, BASICAMENTE DAS BAIXAS DE CRÉDITOS, INCORPORAÇÕES DE OBRIGAÇÕES E OS AJUSTES CORRESPONDENTES. TCESP Página 5 24/11/2004

6 RESULTADO EXTRA- ORÇAMENTÁRIO REGISTRA O TOTAL DA DIMINUIÇÃO DA SITUAÇÃO LÍQUIDA DO PATRIMÔNIO, INCLUSIVE AS CONTAS REPRESENTATIVAS DA DESPESA EXTRA-ORÇAMENTÁRIA, INTERFERÊNCIAS E MUTAÇÕES PASSIVAS INDEPENDENTES DESPESAS EXTRA- ORÇAMENTÁRIAS INTERFERÊNCIAS PASSIVAS DECRÉSCIMOS PATRIMONIAIS RESULTADO AUMENTATIVO DO EXERCÍCIO RESULTADO ORÇAMENTÁRIO RECEITA ORÇAMENTÁRIA INTERFERÊNCIAS ATIVAS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. REGISTRA O VALOR TOTAL DAS DESPESAS NÃO VINCULADAS A EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO REALIZADAS DURANTE O EXERCÍCIO. REGISTRA O VALOR DAS TRANSFERÊNCIAS DE BENS E VALORES, TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS E MOVIMENTO DE FUNDOS A CRÉDITO INDEPENDENTE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. REGISTRA AS VARIAÇÕES OCORRIDAS NO EXERCÍCIO EM FUNÇÃO DAS BAIXAS DE CRÉDITOS, INCORPORAÇÕES DE OBRIGAÇÕES COM OS AJUSTES CORRESPONDENTES, INCLUINDO AS CORREÇÕES DA DÍVIDA. REGISTRA O VALOR DAS CONTAS REPRESENTATIVAS DAS VARIAÇÕES POSITIVAS DA SITUAÇÃO LÍQUIDA DO PATRIMÔNIO E DA APURAÇÃO DO RESULTADO RESPECTIVO, TANTO ORÇAMENTÁRIO QUANTO EXTRA- ORCAMENTÁRIO. REGISTRA O TOTAL DO AUMENTO DA SITUAÇÃO LIQUIDA DO PATRIMÔNIO, INCLUSIVE AS CONTAS REPRESENTATIVAS DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA, INTERFERÊNCIAS, MUTAÇÕES ATIVAS RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. REGISTRA O VALOR DA TRANSFERÊNCIA DOS SALDOS DAS CONTAS DE RECEITAS, POR OCASIÃO DO ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO. REGISTRA O VALOR DAS TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS RECEBIDAS E CORRESPONDÊNCIAS DE DÉBITOS EM VIRTUDE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MUTAÇÕES ATIVAS REGISTRA AS VARIAÇÕES QUE REFLETEM O EQUILÍBRIO DO RESULTADO DE GESTÃO DA UUNIDADE, EM VIRTUDE DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA, BASICAMENTE DAS OPERAÇÕES DE RESGATE DE CRÉDITOS RECEBIDOS E DAS AQUISIÇÕES DE BENS E VALORES. TCESP Página 6 24/11/2004

7 RESULTADO EXTRA- ORCAMENTARIO REGISTRA O TOTAL DO AUMENTO DA SITUAÇÃO LÍQUIDA DO PATRIMÔNIO, INCLUSIVE AS CONTAS REPRESENTATIVAS DA RECEITA EXTRA-ORÇAMENTÁRIA, INTERFERÊNCIAS E MUTAÇÕES ATIVAS INDEPENDENTES RECEITA EXTRA- ORCAMENTARIA INTERFERÊNCIAS ATIVAS ACRÉSCIMOS PATRIMONIAIS RESULTADO APURADO RESULTADO DO EXERCÍCIO PROVISÃO PARA O IMPOSTO DE RENDA PROVISÃO PARA A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. REGISTRA O VALOR TOTAL DAS RECEITAS QUE INDEPENDEM DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ARRECADADAS DURANTE O EXERCÍCIO. REGISTRA O VALOR DAS TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS E MOVIMENTO DE FUNDOS A DÉBITO INDEPENDENTE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA. REGISTRA AS VARIAÇÕES OCORRIDAS NO EXERCÍCIO QUE PROVOCAM VARIAÇÕES POSITIVAS NO PATRIMÔNIO, RESULTANTES DE FATOS INDEPENDENTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA, EM FUNÇÃO DE INCORPORAÇÕES DE BENS E CRÉDITOS, BAIXAS DE OBRIGAÇÕES E DOS AJUSTES CORRESPONDENTES. REGISTRA OS VALORES DAS TRANSFERÊNCIAS DAS CONTAS DE RESULTADO DEVEDORES E CREDORES POR OCASIÃO DO ENCERRAMENTO DO PERÍODO. REGISTRA OS VALORES DAS TRANSFERÊNCIAS DAS CONTAS DE RESULTADO DEVEDORES E CREDORES POR OCASIÃO DO ENCERRAMENTO DO PERÍODO. REGISTRA OS VALORES DA PROVISÃO PARA O IMPOSTO DE RENDA NO ENCERRAMENTO DO PERÍODO. REGISTRA OS VALORES DA PROVISÃO PARA A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL NO ENCERRAMENTO DO PERÍODO. REGISTRA OS VALORES DAS PROVISÕES CONSTITUÍDAS A TÍTULO DE PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES. TCESP Página 7 24/11/2004

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Serviço Autônomo de Água e Esgoto 1.0.0.0.0.00.00 Ativo 47.847.241,97 2.918.524,45 2.359.963,02 48.442.859,64 1.1.0.0.0.00.00 Ativo Circulante 4.019.462,20 917.703,39 820.794,61 4.116.370,98 1.1.1.0.0.00.00 Disponível 3.018.543,61 497.836,30

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CÒDIGO SISTEMA DE CONTA ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CONTA 1.0.0.0.0.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00 DISPONÍVEL

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 A escrituração contábil e a emissão de relatórios,

Leia mais

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Exercício Atual 1.566.424,19

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 1.0 EVENTOS DE ABERTURA 1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA D 111XXXXXXXX CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA F 2 ou 8 D 7211XXXXXXX CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE CARTA CIRCULAR Nº 1.648 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.234, de 19/11/1991. Comunicamos às instituições vinculadas à Área do Mercado de Capitais que, tendo em vista o disposto na alínea

Leia mais

DLPA Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados

DLPA Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados DLPA Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados A Lei 6.404/76 Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza CONTROLE EXEC PLANEJAM E ORÇAM Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 6.0.0.0.0.00.00.00 CONTROLES DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORCAMENTO 6.1.0.0.0.00.00.00 EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas.

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas. UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2016 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: 1. PROVAS: Este caderno contém a prova

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis

EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Realização do Ativo 3. Pagamento do Passivo 4. Preparação da Liquidação 5. Inventário de Liquidação 6. Fatos Contábeis

Leia mais

Glossário de Termos Contábeis e Financeiros

Glossário de Termos Contábeis e Financeiros 07/08/2015 00:57 1/13 Glossário de Termos Contábeis e Financeiros Glossário de Termos Contábeis e Financeiros 1. Amortização Consiste no prazo de pagamento de operações de empréstimos e financiamentos

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração SECULUS CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A Endereço: Rua Paraíba, n.º 330 11º Andar Belo Horizonte - MG CNPJ: 04.787.807/0001-77 Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 274.420,11D 306.106,05 284.589,88 295.936,28D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 108.718,82D

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade Paulo Henrique Feijó 2009 Principais Pontos Orientações

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 188.517,84D 249.103,95 163.587,81 274.033,98D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 22.816,55D

Leia mais

PROJEÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL ANA CAROLINA PATRICIA BARBOSA SAMARA PAULINO

PROJEÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL ANA CAROLINA PATRICIA BARBOSA SAMARA PAULINO PROJEÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL ANA CAROLINA PATRICIA BARBOSA SAMARA PAULINO PROJEÇÃO DO BALANÇO BENEFÍCIOS Propicia verificar se o sistema orçamentário foi elaborado com consistência. PATRIMONIAL Propicia

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES AUDITORES INDEPENDENTES S/C SÃO PAULO - RUA MADRE CABRINI, 99 VILA MARIANA SP CEP: 04020-000 FONE (0xx11) 5574-5252 - FAX: 5574-5578 E-mail: binah@sti.com.br C.N.P.J.M.F. 47.174.537/0001-31 CRC 2SP 009.597/O-8

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Programa do Módulo Módulo VIII Plano de Contas Aplicado

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 CONTEÚDO

Leia mais

Projeto Fiesp / Serasa

Projeto Fiesp / Serasa Projeto Fiesp / Serasa Glossário dos índices econômico-financeiros Desenvolvimento técnico de Crédito Olavo Borges João Carlos Ferreira Machado Julho / 2005 1. Estrutura de capitais Esse grupo de índices

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Executiva da Educação 1 Motivação do Plano de Contas Único Nacional Executiva

Leia mais

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011 Folha: 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 1.906.387,90D 1.675.420,32 1.499.489,71 2.082.318,51D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 2.510.142,26D 661.967,14 609.867,96 2.562.241,44D 2.1.1 DISPONÍVEL 2.505.864,48D 659.552,76 609.805,77

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF 73.178.600/0001-18 NIRE 35.300.137.728 PROPOSTA DE DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (ART. 9º DA ICVM 481/2009) ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA PARTE 2 / EXERCICIO RESOLVIDO http://www.grupoempresarial.adm.br 24/7/2007 16:18 Página 1 de 6 Conteúdo 1. Balancete de Verificação pág. 3 2. Demonstrativo de Resultados pág. 4 3.

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9

I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9 ÍNDICE I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9 VI MERCADO DE AÇÕES 10 VII INFORME INSTITUCIONAL 11 DF/DFR Av.

Leia mais

Oficina 66 ABOP. Slide 1

Oficina 66 ABOP. Slide 1 O Siafi como Instrumento da Contabilidade Oficina 66 Slide 1 Ementa Oficina Nº 66 / Área: Fundamentos da Execução Orçamentária e Financeira O SIAFI COMO INSTRUMENTO DA CONTABILIDADE Carga Horária: 4 horas

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Resultado Primário e Resultado Nominal Programa

Leia mais

Processo 2637/UERJ/2006

Processo 2637/UERJ/2006 5 - BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é composto pelos grupos de contas integrantes dos Ativos e Passivos Financeiro, Permanente e Compensado, e apresenta de forma sintética a composição do patrimônio

Leia mais

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO 31 março2013 CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Limites do Endividamento 8 Endividamento

Leia mais

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a..

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a.. Contabilidade Aplicada ao Setor Público Minicurso TCE/PA Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Paulo Henrique Feijó paulo.feijo@financaspublicas.pro.br Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1-

Leia mais

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 76 5.3.14. Balancetes de Receitas Orçamentárias: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS NOME DO ARQUIVO: BR201001.BAL TIPO DE DOCUMENTO: 301 1. Tipo do Documento 2. Código do Município 3. Exercício do Orçamento

Leia mais

Parte I A Resolver todas as questões propostas na folha.

Parte I A Resolver todas as questões propostas na folha. Parte I A Resolver todas as questões propostas na folha. 1. Defina origens e aplicação de recursos. 2. O que o Capital representa para as empresas? 3. Quem são as Contas de Resultado? 4. Dê a definição

Leia mais

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Camila & Carlos Augusto

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Camila & Carlos Augusto Fundamentos da Gestão do Capital de Giro Camila & Carlos Augusto Janeiro/2013 O QUE É CAPITAL DE GIRO AUMENTO DAS VENDAS AUMENTO DO FATURAMENTO ENDIVIDAMENTO E SEM DINHEIRO! CAPITAL DE GIRO CURTO PRAZO

Leia mais

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47 Página: 1 de 8 1-RECEITAS DE IMPOSTOS RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) PREVISÃO PREVISÃO 4.563.250,00 4.563.250,00 1.072.219,54 5.951.109,36 130,41 1.1-Receita Resultante

Leia mais

Balanço Patrimonial. Composição do Balanço

Balanço Patrimonial. Composição do Balanço Balanço Patrimonial O balanço de uma empresa é considerado por muitos autores uma "fotografia" daquela empresa, demonstrando suas posições patrimonial e financeira em um certo momento. O balanço pode retratar

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de método de custo e de valor justo 1 BALANÇO

Leia mais

DISP. DO PERÍODO ANTERIOR 290.698 303.483 DISP. PARA PERÍODO SEGUINTE 445.845 290.698

DISP. DO PERÍODO ANTERIOR 290.698 303.483 DISP. PARA PERÍODO SEGUINTE 445.845 290.698 6.2.2. Balanço Financeiro O Anexo 13 da Lei nº 4.320/64, define a estrutura do Balanço Financeiro, onde a Receita Orçamentária é desdobrada segundo as Categorias Econômicas e a Despesa Orçamentária segundo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 Sumário Prefácio à décima primeira edição, 15 Prefácio à décima edição, 17 Prefácio à nona edição, 19 Prefácio à primeira edição, 21 Sugestões ao professor, 23 PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 1 CONTABILIDADE,

Leia mais

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal)

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) (UM ENFOQUE ORIENTADO PARA A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA)! Apresentação do balanço! Apresentação do resultado! A

Leia mais

Rotina de Contabilização

Rotina de Contabilização Trata a presente rotina dos procedimentos quanto ao registro de Financiamento Concedido a Mutuários do Sistema Financeiro de Habitação - SFH. Esta Rotina visa padronizar os procedimentos de registro no

Leia mais

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A.

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2007 HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Senhores usuários o objetivo deste manual é tornar acessível para o público em geral as informações disponibilizadas no Portal

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2015. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores -

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores - Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis de registro no Sistema SIAFEM/RJ, dos recursos extraorçamentários, provenientes de Depósitos de Diversas Origens e Credores - Entidades e Agentes em

Leia mais

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a)

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a) Tabela 19B - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Município de Tabira - Pernambuco RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E! Definições e mudanças propostas no Projeto de Lei 3.741 que altera a Lei 6.404/76.! O que é AMORTIZAÇÃO? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Contabilidade-Geral de Contabilidade e Custos da União CCONT Demonstrações Contábeis Encontro sobre Normas de Encerramento do Exercício de 2015 e Abertura do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS. Cód. AA08 ECONOMISTA JÚNIOR

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS. Cód. AA08 ECONOMISTA JÚNIOR 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS Cód. AA08 ECONOMISTA JÚNIOR CONHECIMENTOS BÁSICOS 1. Do rol de contas abaixo discriminadas, assinalar a alternativa daquelas

Leia mais

Estágios da Despesa Pública

Estágios da Despesa Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Estágios da Despesa Pública lac.consultoria@gmail.com CONCEITO: A despesa pública consiste na realização de gastos, isto é, na aplicação de recursos financeiros de forma

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Page 1 of 6 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e para as companhias

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas

Governo do Estado do Amazonas LEI Nº 3.202, de 20 de dezembro de 2007 ESTIMA a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2.008. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS D E C R E T A: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF Data-Base - 31/12/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS. 1.1 - IDENTIFICAÇÃO 269-9

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de abril de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao primeiro

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP Estrutura da Lei 4.320/1964 TítuloI DaLeidoOrçamento(Artigo2ºao21) TítuloII DaPropostaOrçamentária(Artigo22ao31) TítuloIII DaElaboraçãodaLeidoOrçamento(Artigo32ao33) TítuloIV

Leia mais

BALANÇO EM 2014.12.31 BRUTO E PROVISÕES LÍQUIDO LÍQUIDO VALOR VALOR

BALANÇO EM 2014.12.31 BRUTO E PROVISÕES LÍQUIDO LÍQUIDO VALOR VALOR BALANÇO EM 2014.12.31 2014 2013 2014 2013 DESCRIÇÃO ACTIVO AMORTIZAÇÕES ACTIVO ACTIVO DESCRIÇÃO BRUTO E PROVISÕES LÍQUIDO LÍQUIDO VALOR VALOR IMOBILIZAÇÕES FUNDOS CORPÓREAS - Jóias 19 031,21 18 891,21

Leia mais

Gilmar Ferreira Maio de 2010

Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos de déficits e divida pública ECONOMIA DO SETOR PUBLICO Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos acima da linha (calculado pelo Tesouro): a) Déficit Nominal: Gastos totais Receitas total b) Déficit

Leia mais

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS - PROAF DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DIRFIN CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

Leia mais

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS 1 de 5 31/01/2015 15:34 REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Até 31.12.2007, a Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8º, admitia a possibilidade de

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP /2015

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 DISPONIBILIDADES 1.01.01.01 CAIXA GERAL 1.01.01.01.01 Caixa Matriz 1.01.01.01.02 Caixa Filiais 1.01.01.02 DEPÓSITOS BANCÁRIOS - NO PAÍS 1.01.01.02.01 Bancos Conta

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Contabilidade Conceito Para Ribeiro (2005), a contabilidade é uma ciência social que tem por objeto o patrimônio das entidades econômico-administrativas.

Leia mais

UNIDADE 3. Módulo 3 57

UNIDADE 3. Módulo 3 57 UNIDADE 3 Módulo 3 57 v Outras operações são Assim como qualquer ente, os órgãos públicos são capazes de adquirir direitos e de assumir obrigações e ainda compram, vendem, produzem, constroem etc. Eles

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 2T09 488.249.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 2T09 488.249.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 488.249.000,00 Resultados do 2º Trimestre de 2009 São Paulo, 14 de agosto de 2009 A Bradespar [BOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. PORTARIA N o 52 TSE

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. PORTARIA N o 52 TSE PORTARIA N o 52 TSE O PRESIDENTE DO, com base nos artigos 54, inciso III e parágrafo único, e 55, 2º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, e conforme o Procedimento Administrativo nº 7.432/2013,

Leia mais

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 30 de

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS DOS CLUBES DE FUTEBOL DA 1ª DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO - RESULTADOS DE 2004 E 2003

ANÁLISE DE BALANÇOS DOS CLUBES DE FUTEBOL DA 1ª DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO - RESULTADOS DE 2004 E 2003 ANÁLISE DE BALANÇOS DOS CLUBES DE FUTEBOL DA 1ª DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO - RESULTADOS DE 2004 E 2003 VISÃO GERAL Dos 17 balanços publicados pelos clubes da primeira divisão do campeonato brasileiro,

Leia mais

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11 Página 1 de 11 Criado pela Lei nº 047 de 10 de Setembro de 2013. ED. Nº 482/2015 ANO I I I PARAÍSO DAS ÁGUAS MS, QUARTA-FEIRA, 02 DE DEZEMBRO DE 2015 PODER EXECUTIVO MUNICIPAL Prefeito Municipal Ivan da

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras CONTABILIDADE AVANÇADA Tratamento contábil para aplicações financeiras INTRODUÇÃO Empresas motivadas em aumentar as receitas procedem com aplicações financeiras no mercado de capitais no intuito de que

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) 1 de 8 31/01/2015 14:50 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e

Leia mais