Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Contas Aplicado ao Setor Público"

Transcrição

1 Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Executiva da Educação 1

2 Motivação do Plano de Contas Único Nacional Executiva da Educação 2

3 Motivação do Plano de Contas Único Nacional Consolidação das Contas Públicas LRF Art. 51: O Poder Executivo da União promoverá, até o dia trinta de junho, a consolidação, nacional e por esfera de governo, das contas dos entes da Federação relativas ao exercício anterior, e a sua divulgação, inclusive por meio eletrônico de acesso público Transparência LRF Art. 48, III adoção de sistema integrado de administração financeira e controle, que atenda a padrão mínimo de qualidade estabelecido pelo Poder Executivo da União e ao disposto no art. 48- A. (Incluído pela Lei Complementar nº 131, de 2009). Executiva da Educação 3

4 Motivação do Plano de Contas Único Nacional Instrumento do Contador Padronização PCASP Busca de Linguagem Padronizada Melhora da Comunicação Executiva da Educação 4

5 Características de um Plano de Contas Adoção de estrutura padronizada nas três esferas de governo (União, Estados e Municípios); Permitir a visão: patrimonial, orçamentária ede controle; Contemple os aspectos inerentes às empresas estatais dependentes; A estrutura de classificação da informação patrimonial necessariamente deve ser igual à classificação orçamentária; não Flexibilidade para que os entes detalhem em níveis inferiores; Implantação escalonada sendo obrigatório a partir de 2012 para União, Estados e Distrito Federal e 2013 para Municípios; Geração de informações capazes de contemplar as necessidades dos usuários da informação contábil. Executiva da Educação 5

6 Conceito e objetivo de um Plano de Contas Conceito de um Plano de Contas É a estrutura básica da escrituração contábil, formada por um conjunto de contas previamente estabelecido, que permite obter as informações necessárias à elaboração de relatórios gerenciais e demonstrações contábeis conforme as características gerais da entidade, possibilitando apadronização de procedimentos contábeis. Objetivo de um Plano de Contas O plano de contas de uma entidade tem como objetivo atender, de maneira uniforme e sistematizada, o registro contábil dos atos e fatos praticados pela entidade. Desta forma, proporciona maior flexibilidade no gerenciamento e consolidação dos dados e alcança as necessidades de informações dos usuários. Sua entrada de informações deve ser flexível de modo a atender os normativos, gerar informações necessárias à elaboração de relatórios e demonstrativos e facilitar a tomada de decisões e a prestação de contas. Executiva da Educação 6

7 Conceito e Características de contas contábeis Conta contábil : expressão qualitativa e quantitativa de fatos de mesma natureza, evidenciando a composição, variação e estado do patrimônio, bem como de bens, direitos, obrigações e situações nele não compreendidas, mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo. Características: Base para a escrituração contábil; Permite identificar, classificar e efetuar a escrituração contábil por meio das partidas dobradas, de modo uniforme e sistematizado; Permite individualizar os devedores e credores, com a especificação necessária ao controle contábil do direito ou obrigação. Executiva da Educação 7

8 ASPECTOS GERAIS DO PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Executiva da Educação 8

9 Diretrizes do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP) Padronização dos registros contábeis das entidades do setor público de todas as esferas de governo, envolvendo a administração direta e indireta, inclusive fundos, autarquias, agências reguladoras e empresas estatais dependentes - de todas as esferas de governo; Harmonização dos procedimentos contábeis com os princípios e normas de contabilidade, sempre observando a legislação vigente; Adoção de estrutura codificada e hierarquizada em classes de contas, contemplando as contas patrimoniais, de atos potenciais, de resultado e de planejamento e execução orçamentária além daquelas com funções precípuas de controle; Flexibilidade para que os entes detalhem, conforme suas necessidades, os níveis inferiores das contas a partir do nível seguinte ao padronizado; Controle do patrimônio e dos atos de gestão que possam afetá-lo, assim como do orçamento público, demonstrando a situação econômico-financeira da entidade; Executiva da Educação 9

10 Diretrizes do PCASP Distinçãoi de institutosi com conceitos e regimes próprios em classes ou grupos, como no caso de patrimônio e orçamento, mantendo-se seus relacionamentos dentro de agrupamentos de mesma natureza de informação; Preservação dos aspectos orçamentários ái em seus conceitos, regime de escrituração e demonstrativos, com destaque em classes ou grupos de modo a possibilitar visões sob os enfoques patrimonial, orçamentário ou fiscal; Inexistência i de necessária ái vinculação entre as classificações orçamentária ái epatrimonial; i Possibilidade de extração de informações de modo a atender seus usuários. Executiva da Educação 10

11 Objetivo Geral e Objetivos Específicos Objetivo Geral do PCASP é estabelecer normas de procedimentos para o registro das operações do setor público e permitir a consolidação das contas públicas nacionais. Objetivos Específicos atender às necessidades de informação das organizações do setor público; observar formato compatível com as legislações vigentes (Lei nº 4.320/1964, Lei 6.404/76, Lei Complementar nº 101/2000, etc.), os Princípios Fundamentais de Contabilidade eas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público - NBCASP; adaptar-se, tanto quanto possível, às exigências dos agentes externos, principalmente às Normas Internacionais de Contabilidade do Setor Público (NICSP). Executiva da Educação 11

12 Responsabilidades ASTN, com o apoio do Grupo Técnico de Procedimentos Contábeis, é responsável pela administração do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público até a implantação do Conselho de Gestão Fiscal, instituído pela LRF, a quem compete: Criar, extinguir, especificar, desdobrar, detalhar e codificar contas; Expedir instruções sobre a utilização do Plano de Contas, compreendendo os procedimentos contábeis pertinentes; e Promover as alterações e ajustes necessários à atualização do Plano de Contas, observada sua estrutura básica, incluindo os Lançamentos Típicos do Setor Público. Executiva da Educação 12

13 Campo de Aplicação O campo de aplicação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público abrange todas as entidades governamentais, exceto as estatais independentes, cuja utilização é facultativa; O PCASP deve ser utilizado por todos os Poderes de cada ente da federação, seus fundos, órgãos, autarquias, inclusive especiais, e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, bem como pelas empresas estatais dependentes; As entidades abrangidas pelo campo deaplicação devem observar as normas e as técnicas próprias da Contabilidade Aplicada ao Setor Público; Entende-se por empresa estatal dependente, conforme disposto no art. 2º, inciso III da LRF, a empresa controlada que recebe do ente controlador recursos financeiros para pagamento de despesas com pessoal, de custeio em geral ou de capital, excluídos, no último caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária. Executiva da Educação 13

14 SISTEMA CONTÁBIL Executiva da Educação 14

15 Subsistemas: Contabilidade Empresarial A contabilidade, que tem como objetivo prover informações para o seus diversos usuários, constitui se um sistema de informações que pode ser estruturada em subsistemas de acordo com a necessidade da informação, como por exemplo: Subsistema de contabilidade societária e fiscal; Subsistema de controle patrimonial ; Subsistema de valorização de inventários ou custo contábil ; Subsistema de gestão de impostos ; Subsistema de custos; Fonte: Sistemas de Informações Contábeis: Fundamentos e Análise (CLOVIS LUIS PADOVEZE) Contabilidade Empresarial Executiva da Educação 15

16 Subsistemas: CASP NBC T 16.2 PATRIMÔNIO E SISTEMAS CONTÁBEIS: O sistema contábil representa a estrutura de informações sobre identificação, mensuração, avaliação, registro, controle e evidenciação dos atos e dos fatos da gestão do patrimônio público, com o objetivo de orientar e suprir o processo de decisão, a prestação de contas e a instrumentalização do controle social. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público é organizada na forma de sistema de informações, cujos subsistemas, bi conquanto possam oferecer produtos diferentes em razão da respectiva especificidade, convergem para o produto final, que é a informação sobre o patrimônio público. Executiva da Educação 16

17 Subsistemas: CASP a) Subsistema Orçamentário registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; b) Subsistema Financeiro registra, processa e evidencia os fatos relacionados aos ingressos e aos desembolsos financeiros; c) Subsistema Patrimonial registra, processa e evidencia os fatos não financeiros relacionados com as variações do patrimônio público; d) Subsistema de Custos registra, processa e evidencia os custos da gestão dos recursos e do patrimônio públicos; e) Subsistema de Compensação registra, processa e evidencia os atos de gestão cujos efeitos possam produzir modificações no patrimônio da entidade do setor público, bem como aqueles com funções específicas de controle. Executiva da Educação 17

18 Subsistemas: CASP Contabilidade Aplicada ao Setor Público a) Subsistema Orçamentário registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; ái b) Subsistema Financeiro i registra, processa e evidencia i os fatos relacionados aos ingressos e aos desembolsos financeiros; c) Subsistema Patrimonial registra, processa e evidencia os fatos não financeiros relacionados com as variações do patrimônio público; d) Subsistema de Custos registra, processa e evidencia os custos da gestão dos recursos e do patrimônio ti i públicos; e) Subsistema de Compensação registra, processa e evidencia os atos de gestão cujos efeitos possam produzir modificações no patrimônio da entidade do setor público, bem como aqueles com funções específicas de controle. Executiva da Educação 18

19 REGISTRO CONTÁBIL Executiva da Educação 19

20 Componentes de um Plano de Contas ATIVO PASSIVO PL Receitas Patrimoniais Despesas Patrimoniais Controles Diversos Atos Potenciais Controles Orçamentários Custos Executiva da Educação 20

21 Atual Plano de Contas da União ATIVO PASSIVO PL COMPENSADO COMPENSADO Despesas Orçamentárias Receitas Orçamentárias Resultado Diminutivo do Exercício Resultado Aumentativo do Exercício Executiva da Educação 21

22 Novo Plano de Contas ATIVO PASSIVO PL Variações Patrimoniais Diminutivas Variações Patrimoniais Aumentativas Controles da Aprovação do Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento Controles Devedores Controles Credores Executiva da Educação 22

23 Comparação Modelos Atual e Novo Modelo Atual x Modelo Novo Lançamentos dentro do mesmo subsistema Lançamentos dentro de classes de mesma natureza de informação Executiva da Educação 23

24 Natureza da Informação Patrimonial Orçamentária Controle Patrimônio Público e suas Variações qualitativas e quantitativas Planejamento e execução orçamentária Funções típicas de controle, atos potenciais, Administração Financeira e informações adicionais Custos Apurar e demonstrar os custos dos serviços públicos prestados Compensação Atos potenciais, identificar os compromissos futuros e os riscos assumidos Adm. Financeira Programação financeira e outros controles de administração do caixa Executiva da Educação 24

25 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Executiva da Educação 25

26 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Informações de Natureza Patrimonial D C 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas Patrimônio Líquido 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar Informações de Natureza Orçamentária D C 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos Informações de Natureza Típica de Controle 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos D C Executiva da Educação 26

27 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Diminutivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Custos Executiva da Educação 27

28 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Diminutivas Devedor 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas Credor 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Custos Executiva da Educação 28

29 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Executiva da Educação 29

30 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido Contabilidade Patrimonial /Regime de Competência 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar Contabilidade Orçamentária / Regime ( misto ) 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Executiva da Educação 30

31 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Custos Executiva da Educação 31

32 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Aprovação Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar Fixação Inscrição 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos Registro de contratos t Execução 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Custos Executiva da Educação 32

33 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários iá i Outras Variações Patrimoniais Passivas Patrimônio Líquido 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Executiva da Educação 33

34 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante Contas Patrimoniais 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido Composição Patrimonial 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários iá i... Contas de Resultado 3.9 Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas Resultado Patrimonial 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar Contas Orçamentárias Orçamentária 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos Contas de Controle 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Atos Potenciais Controle Custos Executiva da Educação 34

35 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Executiva da Educação 35

36 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 1º LANÇAMENTO - HORIZONTAL 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos 1º LANÇAMENTO - HORIZONTAL Executiva da Educação 36

37 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Executiva da Educação 37

38 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias Contribuições Outras Variações Patrimoniais Ativas 5 Controles da Aprovação do 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar DEMAIS LANÇAMENTOS - VERTICAL 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira DEMAIS 8.3 Execução LANÇAMENTOS da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos DEMAIS LANÇAMENTOS - VERTICAL Executiva da Educação 38

39 Definição Ativo e Passivo Financeiros pela Lei 4.320/64 Art O Balanço Patrimonial demonstrará: Ativo Financeiro Ativo Permanente Passivo Financeiro Passivo Permanente Saldo Patrimonial 1º OAtivo Financeiro compreenderá os créditos evalores realizáveis independentemente de autorização orçamentária eos valores numerários. 2º O Ativo Permanente compreenderá os bens, créditos e valores, cuja mobilização ou alienação dependa de autorização legislativa. 3º O Passivo Financeiro compreenderá as dívidas fundadas e outras cujo pagamento independa de autorização orçamentária. 4º O Passivo Permanente compreenderá as dívidas fundadas e outras que dependam de autorização legislativa para amortização ou resgate. Executiva da Educação 39

40 Definição Ativo e Passivo Financeiros pelo CFC (NBC T Instrumentos Financeiros: Apresentação) Ativo financeiro é qualquer ativo que seja: (a) caixa; (b) título patrimonial de outra entidade; (c) direito contratual; (d) contrato que será ou poderá vir a ser liquidado em títulos patrimoniais da própria entidade. Passivo financeiro é qualquer passivo que seja: (a) obrigação contratual: (i) de entregar caixa ou outro ativo financeiro para outra entidade; ou (ii) de trocar ativos ou passivos financeiros com outra entidade sob condições potencialmente desfavoráveis para a entidade; ou (b) contrato que será ou poderá ser liquidado com títulos patrimoniais da própria entidade. Executiva da Educação 40

41 Comparação Lei x Ciência Contábil Para a Contabilidade Para a Lei 4.320/64 Visão Patrimonial Visão Orçamentária Executiva da Educação 41

42 Comparação Lei x Ciência Contábil Conclusão: AF para a Lei PF para a Li Lei Controlados por atributo e não por subsistemas Atributo Indicador de parcelas do cálculo do Superávit Financeiro Executiva da Educação 42

43 Controle em liquidação Lei 4.320/1964 e Decreto /1986 Art. 62 O pagamento da despesa só poderá ser efetuado quando ordenado após sua regular liquidação. BÁSICOS aorigem eo objeto do que se deve pagar; a importância exata a pagar; Art. 63 (4.320/64 com adaptações do Decreto /86). A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor ou entidades beneficiárias tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito ou habilitação do benefício. a quem se deve pagar importância, para extinguir obrigação. FORNECIMENTOS E SERVIÇOS a a o contrato, ajuste acordo respectivo; a nota de empenho ou os comprovantes da entrega de material ou da prestação efetiva do serviço. Executiva da Educação 43

44 Executiva Controle em liquidação da Educação 44 D Obrigações em Circulação (F) C111Di Disponível l(f) D 3.3 Variação Patrimonial Diminutiva - Uso de Bens e serviços C Obrigações em circulação (F) Contabilidade d patrimonial i Classes 1, 2, 3 e 4 Reconhecimento do passivo na liquidação Execução da despesa Reconhecimento do passivo Pagamento Crédito Dotação Orçamentário Orçamentária Disponível Inicial D622Cédit Crédito Empenhado Liquidado id d a Pagar Crédito Empenhado Orçamentário a Liquidar Disponível C Crédito Empenhado Pago Contabilidade orçamentária Classe 5 e 6 D Crédito Empenhado a liquidar C Crédito Empenhado Liquidado a Pagar Dotação Empenho Liquidação Pagamento

45 Executiva Controle em liquidação da Educação 45 D Obrigações em Circulação (F) C Disponível (F) D 3.3 Variação Patrimonial Diminutiva - Uso de Bens e serviços C Obrigações em circulação (F) Contabilidade d patrimonial i Classes 1, 2, 3 e 4 Reconhecimento do passivo antes da liquidação Execução da despesa Reconhecimento do passivo Pagamento Crédito Dotação Orçamentário Empenhado Orçamentária a Liquidar Disponível Inicial D D Crédito Crédito Empenhado Liquidado em Liquidação a Pagar Crédito Empenhado Orçamentário em a Liquidar Disponível liquidação C Crédito Empenhado Pago Liquidado a Pagar Contabilidade orçamentária Classe 5 e 6 Dotação Empenho Liquidação Pagamento Em Liquidação

46 Executiva Controle em liquidação da Educação 46 D Variação Patrimonial Diminutiva - Uso de Bens e serviços C Obrigações em circulação (P) Execução da despesa Contabilidade d patrimonial i Classes 1, 2, 3 e 4 D Obrigações em Circulação (F) D Obrigações em circulação (P) C Disponível (F) C Obrigações em circulação (F) Reconhecimento do passivo Sem suporte orçamentário Reconhecimento do passivo (permanente) Reconhecimento do passivo (financeiro) Pagamento D Dotação Adicional C Crédito Orçamentário Disponível D Crédito Orçamentário Disponível C Crédito Empenhado a Liquidar Contabilidade orçamentária Classe 5 e 6 D Crédito Empenhado a Liquidar C Crédito Empenhado em liquidação D Crédito Empenhado em Liquidação C Crédito Empenhado Liquidado a Pagar D Crédito Empenhado Liquidado a Pagar C622Cédit Crédito Empenhado Pago Dotação Empenho Em Liquidação Liquidação Pagamento

47 COMPOSIÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO Executiva da Educação 47

48 Composição do Patrimônio Público Componentes Ativo são recursos controlados pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que resultem para a entidade benefícios econômicos futuros ou potencial de serviços Circulante Não-Circulante Passivo são obrigações presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cujos pagamentos se esperam que resultem para a entidade saídas de recursos capazes de gerar benefícios econômicos ou potencial de serviços Circulante Não-Circulante Patrimônio Líquido, Saldo Patrimonial ou Situação Líquida Patrimonial é o valor residual dos ativos da entidade depois de deduzidos todos seus passivos A < P A > P Passivo a descoberto Executiva da Educação 48

49 Composição do Patrimônio Público Variações Patrimoniais Qualitativas Não altera o Patrimônio Líquido Quantitativas Aumentativas Diminutivas PL PL Executiva da Educação 49

50 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Executiva da Educação 50

51 Componentes do Plano de Contas PCASP Informações Gerenciais Executiva da Educação 51

52 Componentes do Plano de Contas PCASP Relação de Contas Atributos Contábeis Lançamentos Padronizados Executiva da Educação 52

53 Classificação das Contas CLASSIFICAÇÃO DAS CONTAS Quanto aos elementos que registram Patrimonial Resultado Compensação Devedora Natureza do saldo Credora Híbrida ou mista Variação da natureza do saldo Estável Instável Unilateral Movimentação que sofrem Bilateral Frequência das movimentações do período Escrituração Necessidade de desdobramento Estática Dinâmica Escriturável Não-escriturável Sintética Analítica Executiva da Educação 53

54 Executiva Classificação das Contas da Educação 1- QUANTO AOS ELEMENTOS QUE REGISTRAM CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICA EXEMPLO PATRIMONIAL Posição estática do patrimônio. Caixa, Bancos, Veículos, Terrenos. RESULTADO Posição dinâmica do patrimônio. Receita e Despesa. COMPENSAÇÃO Possibilidade d de alteração patrimonial i Contratos, Convênios, Fianças. no futuro. Exemplo de Conta Patrimonial Exemplo de Exemplo de Conta de Resultado Conta de Compensação CONTRATO MÓVEIS E UTENSÍLIOS VEÍCULOS RECEITA DE VENDAS CONTA DE LUZ No presente instrumento as Partes declaram suas vontades de acertar a futura construção do por

55 Executiva Classificação das Contas da Educação Exemplo de Conta Devedora Exemplo de Conta de Credora CONTA DE LUZ RECEITA DE VENDAS 2- QUANTO À NATUREZA DOS SALDOS CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICA EXEMPLO DEVEDORA Aumentam o saldo com lançamentos a Caixa, Bancos, Veículos, Terrenos, débito Despesa CREDORA Aumentam o saldo com lançamentos a crédito Contas a pagar, Receita,.

56 Executiva Classificação das Contas da Educação Exemplo de Conta Estável Exemplo de Conta Instável CONTA DE LUZ Depósitos em Instituições Financeiras 3- QUANTO À VARIAÇÃO NA NATUREZA DO SALDO CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICA EXEMPLO ESTÁVEIS O saldo só pode ter uma natureza, Ci Caixa, Bancos, Veículos, Ví Terrenos, devedora ou credora. Despesa, Contas a pagar, Receita. INSTÁVEIS O saldo pode ter natureza devedora ou credora. Depósitos de clientes em instituições financeiras

57 Executiva Classificação das Contas da Educação UNILATERAIS BILATERAIS 4- QUANTO À MOVIMENTAÇÃO QUE SOFREM CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICA EXEMPLO Regra geral, só recebem registros a débito ou a crédito. É comum receberem registros a débito e a crédito. Veículos, Terrenos, Despesa, Receita. Caixa, Bancos, Duplicatas a Receber. Exemplo de Conta Unilateral Exemplo de Conta Bilateral RECEITA DE VENDAS CHEQUE ESPECIAL E CARTÃO DE CRÉDITO

58 Executiva Classificação das Contas da Educação Exemplo de Conta Estática VEÍCULOS Exemplo de Conta Dinâmica BANCOS 5- QUANTO À FREQÜÊNCIA COM QUE SOFREM MOVIMENTAÇÕES NO PERÍODO CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICA EXEMPLO ESTÁTICAS Poucos fatos contábeis alteram o seu Veículos, Terrenos, Capital Social. saldo. DINÂMICAS Muitos fatos contábeis alteram o seu saldo. Caixa, Bancos, Duplicatas a Receber, Aplicação Financeira.

59 Executiva Classificação das Contas da Educação 6- QUANTO À ESCRITURAÇÃO CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICA EXEMPLO ESCRITURÁVEIS NÃO-ESCRITURÁVEIS Recebem lançamentos. É o menor nível da informação contábil Não recebem lançamentos. São para agregar valores. Caixa, Banco Conta Movimento.. Ativo Circulante. Exemplo de Conta Escriturável Exemplo de Conta Não-escriturável CAIXA ATIVO CIRCULANTE

60 Executiva Classificação das Contas da Educação Exemplo de Conta Analítica Desdobramentos 7- QUANTO À NECESSIDADE DE DESDOBRAMENTO CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICA EXEMPLO SINTÉTICAS Menor nível da informação. Veículos. ANALÍTICAS Possuem desdobramentos, não Banco Conta Movimento. necessariamente em contas contábeis.

61 Níveis do PCASP 1 nível classe 2 nível grupo 3 nível subgrupo 1 ATIVO Classe 2 PASSIVO e PATRIMÔNIO LÍQUIDO 11Ativo 1.1 Circulante Grupo 21Passivo 2.1 Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa Créditos de Curto Prazo Subgrupo Demais Créditos e Valores de Curto Prazo Investimentos Temporários Estoques VPD Pagas Antecipadamente Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias a Pagar Empréstimos e Financiamentos de Curto Prazo Debêntures e Outros Títulos de Dívida de Curto Prazo Obrigações Fiscais de Curto Prazo Executiva da Educação 61

62 Relação de Contas 1 ATIVO 2 PASSIVO e PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1.1 Ativo Circulante Caixa e Equivalente de Caixa Créditos Realizáveis de Curto Prazo Demais Créditos e Valores de Curto Prazo Investimentos Temporários Estoques 119V Variações Pti Patrimoniais ii Diminutivas i Pagas Antecipadamente t 1.2 Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo 122Investimento Imobilizado Intangível 2.1 Passivo Circulante Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias a Pagar de Curto Prazo Empréstimos e Financiamentos de Curto Prazo Fornecedores e Contas a Pagar de Curto Prazo Obrigações Fiscais de Curto Prazo Demais Obrigações de Curto Prazo 218P Provisões de Curto Prazo 2.2 Passivo Não Circulante Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias a Pagar de Longo Prazo 222Empréstimos e Financiamentos de Longo Prazo Fornecedores de Longo Prazo Obrigações Fiscais de Longo Prazo Demais Obrigações de Longo Prazo Provisões de Longo Prazo Resultado diferido 2.5 Patrimônio Líquido / Saldo Patrimonial Patrimônio/Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Resultados Acumulados Ações/Cotas em Tesouraria Executiva da Educação 62

63 Relação de Contas 3 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS 4 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS 3.1 Pessoal e Encargos 4.1 Tributos e Contribuições 3.2 Benefícios Previdenciários 3.3 Benefícios Assistenciais 4.3 Venda de Mercadorias, Produtos e Serviços 4.4 Financeiras 3.4 Financeiras 4.5 Transferências 3.5 Transferências 3.6 Tributos e Contribuições 4.7 Exploração de Bens e Serviços 3.7 Uso de Bens, Serviços e Consumo de Capital Fixo 3.8 Desvalorização e Perda de Ativos 4.8 Valorização e Ganho de Ativos 3.9 Outras Variações Patrimoniais Diminutivas 4.9 Outras Variações Patrimoniais Aumentativas Executiva da Educação 63

64 Relação de Contas 5. CONTROLES DA APROVAÇÃO DO 6. CONTROLES DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO 5.1 Planejamento Aprovado 6.1 Execução do Planejamento PPA Aprovado Execução do PPA Projeto da Lei Orçamentária Anual Execução do Projeto da Aprovação do PLOA 5.2 Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento Previsão da Receita Execução da Receita Fixação da Despesa Execução da Despesa 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 6.3 Execução de Restos a Pagar Inscrição RP Não Processado Execução de RP não processado Inscrição de RP Processado Execução de RP processado Executiva da Educação 64

65 Relação de Contas 7 CONTROLES DEVEDORES 8 CONTROLES CREDORES 7.1 Atos Potenciais Atos potenciais i do ativo Atos potenciais do passivo 8.1 Execução dos Atos Potenciais Execução dos Atos potenciais i do ativo Execução dos Atos potenciais do passivo 7.2 Administração Financeira Programação Financeira Disponibilidades por Destinação 8.2 Execução da Administração Financeira Execução da Programação Financeira Execução das Disponibilidades por Destinação 7.3 DívidaAtiva 7.4 Riscos Fiscais 7.8 Custos 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos 7.9 Outros Controles 8.9 Outros Controles Executiva da Educação 65

66 Componentes do Plano de Contas PCASP Relação de Contas Atributos Contábeis Lançamentos Padronizados Executiva da Educação 66

67 Classificação dos atributos Conceitual Legal Operacional Título Superávit Financeiro Uso Siafem Função DCL Lançamento Órgão Funcionamento Resultado Primário Natureza do Saldo Código Encerramento Executiva da Educação 67

68 Componentes do Plano de Contas PCASP Relação de Contas Atributos Contábeis Lançamentos Padronizados Executiva da Educação 68

69 Lançamentos Contábeis Típicos da Administração Pública - PCASP Executiva da Educação 69

70 Previsão da Receita Orçamentária D Previsão Inicial da Receita C Receita Orçamentária a Realizar 1 Ativo 2 - Passivo 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento 5.2 LOA Previsão e Fixação Previsão da Receita Previsão Inicial da Receita Orçamentária D 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento Realização da Receita Receita Orçamentária a Realizar C 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Executiva da Educação 70

71 Fixação da Despesa Orçamentária D Dotação Orçamentária Inicial C Crédito Orçamentário Disponível 1 Ativo 2 - Passivo 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento 5.2 LOA Previsão e Fixação Fixação da Despesa Despesa Orçamentária Fixada D 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento Execução da Despesa Crédito Orçamentário Disponível C 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Executiva da Educação 71

72 Reconhecimento de Crédito Tributário - Lançamento D Tributo a Receber (P) C 4.1.x Variação Patrimonial Aumentativa Tributárias Impostos 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante Créditos de Curto Prazo Tributo a Receber (P)... D 2 - Passivo 3 Variação Patrimonial Diminutiva 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 4 Variação Patrimonial Aumentativa Tributária e Contribuições Impostos C Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Executiva da Educação 72

73 Arrecadação de Tributos (posterior ao fato gerador) D Caixa e Equivalente de Caixa(F) C Tributo a Receber (P) D Receita Orçamentária a Realizar C Receita Orçamentária Realizada D Disponibilidade de Recursos C Disponibilidade por Destinação de Recursos Executiva da Educação 73

74 Arrecadação de Tributos (posterior ao fato gerador) 1 Ativo 2 - Passivo 1.1 Ativo Circulante Caixa e Equivalente de Caixa Bancos Créditos de Curto Prazo Tributo a Receber (P) D C 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.2 Execução do Orçamento Realização da Receita Receita a Realizar Receita Realizada D C 7 Controles Devedores Disponibilidade de Recursos D 8 Controles Credores Disponibilidade por Destinação de Recursos C Executiva da Educação 74

75 Arrecadação de Tributos (concomitante com o fato gerador) D Caixa e Equivalente de Caixa(F) C 4.1.x Variação Patrimonial Aumentativa Tributárias e Contribuições ICMS D Receita Orçamentária a Realizar C Receita Orçamentária Realizada D Disponibilidade de Recursos C Disponibilidade por Destinação de Recursos Executiva da Educação 75

76 Arrecadação de Tributos (concomitante com o fato gerador) 1 Ativo 2 - Passivo D 1.1 Ativo Circulante Caixa e Equivalente de Caixa 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa Tributária e Contribuições Impostos C Controles da Aprovação do 6. Controles da Execução do PlanejamentoeOrçamento PlanejamentoeOrçamento 6.2 Execução do Orçamento Realização da Receita Receita a Realizar D Receita Realizada C 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Disponibilidade de Recursos D Disponibilidade por Destinação de Recursos C Executiva da Educação 76

77 Realização de Operação de Crédito D Caixa e Equivalente de Caixa(F) C212Empréstimos e Financiamentos (P) D Receita Orçamentária a Realizar C Receita Orçamentária Realizada D Disponibilidade de Recursos C Disponibilidade por Destinação de Recursos Executiva da Educação 77

78 Realização de Operação de Crédito 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante Caixa e Equivalente de Caixa Bancos D 2 Passivo Passivo Circulante Empréstimos e Financiamentos de Curto... Prazo(P) Operações de Crédito... C 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do 6. Controles da Execução do PlanejamentoeOrçamento PlanejamentoeOrçamento 6.2 Execução do Orçamento D Realização da Receita Receita a Realizar Receita Realizada C 7 Controles Devedores Disponibilidade de Recursos D 8 Controles Credores Disponibilidade por Destinação de Recursos C Executiva da Educação 78

79 Contratação de Serviços Registro do Contrato D Contrato de Serviços C Obrigações Contratadas a Executar 1 Ativo 2 - Passivo 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 7 Controles Devedores Atos Potenciais do Passivo Obrigações Contratuais Contratos de Serviços D 8 Controles Credores Execução dos atos potenciais do passivo Obrigações Contratuais Contratos de Serviços a Executar C Executiva da Educação 79

80 Contratação de Serviços Empenho D Crédito Orçamentário Disponível C Crédito Empenhado a Liquidar D Disponibilidade por Destinação de Recursos C Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida Executiva da Educação 80

81 Contratação de Serviços Empenho 1 Ativo 2 - Passivo 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 7 Controles Devedores Atos Potenciais do Passivo 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.2 Execução do Orçamento Execução da Despesa Crédito Orçamentário Disponível D Crédito Empenhado a Liquidar 8 Controles Credores Execução dos atos potenciais do passivo Execução das Disponibilidades por Destinação Disponibilidade por Destinação de Recursos D Disponibilidade por DR Comprometida C C Executiva da Educação 81

82 Contratação de Serviços Liquidação = Nota Fiscal D Variação Patrimonial Diminutiva Serviços C Fornecedores de Curto Prazo(F) D Crédito Empenhado a Liquidar C Crédito Empenhado Liquidado a Pagar D Obrigações Contratadas a Executar C Obrigações Contratadas Executadas Executiva da Educação 82

83 Contratação de Serviços Liquidação = Nota Fiscal 1 Ativo 2 Passivo 2.1 Passivo Circulante Fornecedores de Curto Prazo(F) C 3 Variação Patrimonial Diminutiva 3.7 Uso de Bens, Serviços e Consumo de Capital Fixo Serviços D 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 5.2 LOA Previsão e Fixação Fixação da Despesa 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.2 Execução do Orçamento E ã d D Crédito Empenhado a Liquidar D Crédito Empenhado Liquidado Fi ã d D Execução da Despesa C 7 Controles Devedores Disponibilidades por Destinação 8 Controles Credores Execução dos atos potenciais do passivo Obrigações Contratuais Contratos de Serviços a Executar Contratos de Serviços Executados D C Executiva da Educação 83

84 Contratação de Serviços Pagamento D Fornecedores de Curto Prazo(F) C Caixa e Equivalente de Caixa(F) D Crédito Empenhado Liquidado a Pagar C Crédito Empenhado Pago D Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida C Disponibilidade por Destinação de Recursos Utilizada Executiva da Educação 84

85 Contratação de Serviços Pagamento 1 Ativo Caixa e Equivalente de Caixa Bancos C 2 Passivo Fornecedores de Curto Prazo(F) D 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 5.2 LOA Previsão e Fixação Fixação da Despesa 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.2 Execução do Orçamento Execução da Despesa Crédito Empenhado Liquidado D Crédito Liquidado Pago Fixação da Despesa Execução da Despesa C 7 Controles Devedores Disponibilidade por Destinação 8 Controles Credores Execução da Disponibilidade por Destinação Disponib. DR Comprometida Disponib. por DR Utilizada D C Executiva da Educação 85

86 Aquisição de Veículos Empenho D Crédito Orçamentário Disponível C Crédito Empenhado a Liquidar D Disponibilidade por Destinação de Recursos C Disponibilidade por Destinação de Recursos Comprometida Executiva da Educação 86

87 Aquisição de Veículos Empenho 1 Ativo 2 - Passivo 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentiva 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 5.2 LOA Previsão e Fixação Fixação da Despesa 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.2 Execução do Orçamento Execução da Despesa Crédito Orçamentário Disponível D Crédito Empenhado a Liquidar C 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Disponibilidades por Destinação Execução das Disponibilidades por Destinação Disponibilidade por DR Disponib. por DR Comprometida D C Executiva da Educação 87

88 Aquisição de Veículos Liquidação = Nota Fiscal D Imobilizado - Veículos(P) C Contas a pagar de Curto Prazo (F) D Crédito Empenhado a Liquidar C622CréditoEmpenhadoLiquidadoaPagar Crédito a Executiva da Educação 88

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Programa do Módulo Módulo VIII Plano de Contas Aplicado

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONTABILIDADE NO SETOR PÚBLICO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONTABILIDADE NO SETOR PÚBLICO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONTABILIDADE NO SETOR PÚBLICO Programa de Pós-Graduação em Administração Pública Universidade Federal de Lavras LAVRAS - MG Abril/2014 WAGNER VILAS BOAS DE SOUZA Bacharel em Ciências

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade Paulo Henrique Feijó 2009 Principais Pontos Orientações

Leia mais

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a..

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a.. Contabilidade Aplicada ao Setor Público Minicurso TCE/PA Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Paulo Henrique Feijó paulo.feijo@financaspublicas.pro.br Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1-

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 020600 - PLANO DE CONTAS 1 - REFERÊNCIAS 11 - RESPONSABILIDADE - Coordenador-Geral de Contabilidade e Custos

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP Estrutura da Lei 4.320/1964 TítuloI DaLeidoOrçamento(Artigo2ºao21) TítuloII DaPropostaOrçamentária(Artigo22ao31) TítuloIII DaElaboraçãodaLeidoOrçamento(Artigo32ao33) TítuloIV

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 Altera, inclui e exclui itens das NBCs T 16.1, 16.2, 16.4, 16.5, 16.6, 16.10 e 16.11 que tratam das Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas aplicadas ao Setor Público. O

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP /2015

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

A NORMA DE CUSTOS DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. João Eudes Bezerra Filho MembroAssessor das NBC TSP juntoaocfc

A NORMA DE CUSTOS DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. João Eudes Bezerra Filho MembroAssessor das NBC TSP juntoaocfc A NORMA DE CUSTOS DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE João Eudes Bezerra Filho MembroAssessor das NBC TSP juntoaocfc PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA IMPLANTAÇÃO DA NOVA CASP NO BRASIL 1º. PASSO: EDIÇÃO

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS - PROAF DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DIRFIN CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

Leia mais

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1)

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) 40- O relatório de gestão fiscal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LC nº 101/2000) conterá,

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP Contabilidade Aplicada ao Setor Público Pessoal, vou comentar as questões da prova. 81. De acordo com o Decreto n. 93.872, de 1986, a cooperação financeira da União a entidade pública ou privada far-se-á

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

Estágios da Despesa Pública

Estágios da Despesa Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Estágios da Despesa Pública lac.consultoria@gmail.com CONCEITO: A despesa pública consiste na realização de gastos, isto é, na aplicação de recursos financeiros de forma

Leia mais

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 1.0 EVENTOS DE ABERTURA 1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA D 111XXXXXXXX CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA F 2 ou 8 D 7211XXXXXXX CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS

Leia mais

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Grupo Técnico de Padronização de Relatórios GTREL BRASÍLIA Abril, 2014 Acórdão TCU nº 1.776/2012 Acórdão TCU nº

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

DECRETO Nº 044, DE 26 DE JUNHO DE 2012.

DECRETO Nº 044, DE 26 DE JUNHO DE 2012. DECRETO Nº 044, DE 26 DE JUNHO DE 2012. Determina ao Poder Executivo Municipal de Alto Garças a adoção obrigatória do Plano de Contas, das Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público e dos Procedimentos

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 188.517,84D 249.103,95 163.587,81 274.033,98D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 22.816,55D

Leia mais

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas 1 O Ministério da Previdência Social - MPS tem competência para editar normas contábeis para os Regimes Próprios de Previdência Social,

Leia mais

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 Sumário Prefácio à décima primeira edição, 15 Prefácio à décima edição, 17 Prefácio à nona edição, 19 Prefácio à primeira edição, 21 Sugestões ao professor, 23 PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 1 CONTABILIDADE,

Leia mais

INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC. Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX

INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC. Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX 2013/2014 PROJETO UNIDADES PILOTO OBJETO: Testar o envio de informações encaminhadas

Leia mais

Objetivo da apresentação

Objetivo da apresentação Objetivo da apresentação Apresentar o processo geral da execução da despesa. Apresentar as funcionalidades dos documentos hábeis: 1. Registro do Passivo por Competência (RPC) 2. Registro de Documento Hábil

Leia mais

Secretaria De Estado Da Fazenda

Secretaria De Estado Da Fazenda Secretaria De Estado Da Fazenda COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO - CAFE - Coordenação da Administração Financeira do Estado ORÇAMENTO PÚBLICO Definições de Orçamento Um ato contendo a

Leia mais

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas.

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas. UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2016 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: 1. PROVAS: Este caderno contém a prova

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O CAUC possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada um desses itens. Siglas deste documento: CADIN Cadastro Informativo

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE IV Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária. Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo.

O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária. Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo. O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo.com LIVRO GBRSP O livro oferece uma abordagem didática para auxiliar na

Leia mais

AULA 17: Prova Comentada

AULA 17: Prova Comentada AULA 17: Prova Comentada Contabilidade Pública p/ INMETRO 26 Em relação à contabilidade pública, analise as afirmativas. I. A contabilidade aplicada ao setor público é um ramo da ciência contábil que tem

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Resultado Primário e Resultado Nominal Programa

Leia mais

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Brasília, Dezembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Baseado nas Normas Internacionais de Contabilidade IFRS,

Leia mais

Simulado de questões Cespe Múltipla Escolha

Simulado de questões Cespe Múltipla Escolha Simulado de questões Cespe Múltipla Escolha Prova 1 (Cespe/Auditor/TCE-PR/2016) 1. Com relação aos balanços públicos, que representam a situação econômico-financeira dos entes públicos e entre os quais

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública. O contexto atual do processo de convergência da contabilidade aplicada ao setor público

Subsecretaria de Contabilidade Pública. O contexto atual do processo de convergência da contabilidade aplicada ao setor público Subsecretaria de Contabilidade Pública O contexto atual do processo de convergência da contabilidade aplicada ao setor público Nova Contabilidade Pública = Registro Integral do Patrimônio Público (Contabilidade

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 274.420,11D 306.106,05 284.589,88 295.936,28D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 108.718,82D

Leia mais

PROJETO DE LEI 229/2009 LEI DA QUALIDADE FISCAL COMISSÃO DE ESTUDOS DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

PROJETO DE LEI 229/2009 LEI DA QUALIDADE FISCAL COMISSÃO DE ESTUDOS DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PROJETO DE LEI 229/2009 LEI DA QUALIDADE FISCAL COMISSÃO DE ESTUDOS DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 1 Prof. MSc JOÃO MARCOS LEÃO DA ROCHA CONTADOR PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM AUDITORIA EXTERNA

Leia mais

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental É a definição de objetivos e o estabelecimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Senhores usuários o objetivo deste manual é tornar acessível para o público em geral as informações disponibilizadas no Portal

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Contabilidade Conceito Para Ribeiro (2005), a contabilidade é uma ciência social que tem por objeto o patrimônio das entidades econômico-administrativas.

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Contabilidade-Geral de Contabilidade e Custos da União CCONT Demonstrações Contábeis Encontro sobre Normas de Encerramento do Exercício de 2015 e Abertura do

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.132/08 Aprova a NBC T 16.5 Registro Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das normas

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O Governo do Tocantins, nos termos do inciso VII, do artigo 40 da Constituição Estadual, por intermédio do Excelentíssimo

Leia mais

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 1 ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 LEI Nº 10.347 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. PROJETO DE LEI 400/15 Estima

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2012 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 CONTEÚDO

Leia mais

CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL. Atualização em Contabilidade Gerencial Aplicada ao Setor Público

CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL. Atualização em Contabilidade Gerencial Aplicada ao Setor Público GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Atualização em Contabilidade Gerencial Aplicada ao Setor Público ALUNO (A): ---------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS PARA AS ENTIDADES PÚBLICAS

A IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS PARA AS ENTIDADES PÚBLICAS A IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS PARA AS ENTIDADES PÚBLICAS O Plano de Contas utilizado pelas entidades públicas é denominado PCASP. Ele traz todas as contas para que a Contabilidade do órgão público possa

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas

Governo do Estado do Amazonas LEI Nº 3.202, de 20 de dezembro de 2007 ESTIMA a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2.008. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS D E C R E T A: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

[CONTAS.CNT] Contabilidade Pública MÓDULO I. Renato Santos Chaves. Teresina, 13 de junho de 2011. 16 de fevereiro de 2012

[CONTAS.CNT] Contabilidade Pública MÓDULO I. Renato Santos Chaves. Teresina, 13 de junho de 2011. 16 de fevereiro de 2012 Contabilidade Pública Renato Santos Chaves MÓDULO I [CONTAS.CNT] Na aula 1 deste módulo, além da introdução ao curso, serão abordados aspectos históricos que culminaram na implementação da denominada Nova

Leia mais

TCE-SC Auditor de Controle Externo: Contabilidade

TCE-SC Auditor de Controle Externo: Contabilidade TCE-SC Auditor de Controle Externo: Contabilidade Pessoal, vou comentar as questões da prova referentes à contabilidade pública. A respeito do campo de aplicação e dos objetivos da contabilidade pública,

Leia mais

MINUTA DA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT SP.

MINUTA DA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT SP. MINUTA DA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT SP. 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO NA DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Exercício Atual 1.566.424,19

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO 22/02/2016 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIAS BÁSICAS Dispêndio

Leia mais

ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO I - Reconhecimento, mensuração e evidenciação dos créditos, tributários

Leia mais

PORTAL DO ENSINO PROFISSIONAL

PORTAL DO ENSINO PROFISSIONAL Página 1 de 59 PORTAL DO ENSINO PROFISSIONAL Cursos de Desenvolvimento Profissional CURSO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLCO www.portaldoensinoprofissional.com Página 2 de 59 Curso: Contabilidade

Leia mais

A Nova Contabilidade. Novas Normas. A Velha Contabilidade

A Nova Contabilidade. Novas Normas. A Velha Contabilidade A Nova Contabilidade Novas Normas A Velha Contabilidade Patrimonial Orçamentário Financeiro Controle 4 Orçamentário Execução: - Quali/Quant Interação e conflitos Custos Patrimonial Financeiro Controle

Leia mais

Oficina 66 ABOP. Slide 1

Oficina 66 ABOP. Slide 1 O Siafi como Instrumento da Contabilidade Oficina 66 Slide 1 Ementa Oficina Nº 66 / Área: Fundamentos da Execução Orçamentária e Financeira O SIAFI COMO INSTRUMENTO DA CONTABILIDADE Carga Horária: 4 horas

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza CONTROLE EXEC PLANEJAM E ORÇAM Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 6.0.0.0.0.00.00.00 CONTROLES DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORCAMENTO 6.1.0.0.0.00.00.00 EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

Experiência da União na Implantação dos PCP, PCASP e DCASP

Experiência da União na Implantação dos PCP, PCASP e DCASP Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Contabilidade-Geral de Contabilidade e Custos da União CCONT Experiência da União na Implantação dos PCP, PCASP e DCASP GRUPO TÉCNICO DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

Leia mais

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11 Página 1 de 11 Criado pela Lei nº 047 de 10 de Setembro de 2013. ED. Nº 482/2015 ANO I I I PARAÍSO DAS ÁGUAS MS, QUARTA-FEIRA, 02 DE DEZEMBRO DE 2015 PODER EXECUTIVO MUNICIPAL Prefeito Municipal Ivan da

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA PARTE 2 / EXERCICIO RESOLVIDO http://www.grupoempresarial.adm.br 24/7/2007 16:18 Página 1 de 6 Conteúdo 1. Balancete de Verificação pág. 3 2. Demonstrativo de Resultados pág. 4 3.

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE

INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE 1.1. Contabilidade para não Contadores INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE Objetiva ensinar a Contabilidade para aqueles que não são contadores, mas necessitam interpretar (entender) a Contabilidade, os relatórios

Leia mais

Tribunal de Contas do Mato Grosso

Tribunal de Contas do Mato Grosso Tribunal de Contas do Mato Grosso Plano de Contas e Demonstrações Contábeis Aplicados ao Setor Público: Procedimentos para migração da escrituração contábil Antonio Firmino Neto MSc. Professor/Contador

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis

EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Realização do Ativo 3. Pagamento do Passivo 4. Preparação da Liquidação 5. Inventário de Liquidação 6. Fatos Contábeis

Leia mais

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF GT ontábil utubro/2012 oordenação Geral de Normas de ontabilidade Aplicadas à Federação STN/NF Última Atualização: outubro/2012 2 NVÊNIS NVÊNIS ISAS 23 -Receita de Transação sem ontraprestação (Tributos

Leia mais

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI LEI Nº, DE DE 2003 Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração SECULUS CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A Endereço: Rua Paraíba, n.º 330 11º Andar Belo Horizonte - MG CNPJ: 04.787.807/0001-77 Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação

Leia mais

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO RELATÓRIO Através das Mensagens nº 255/15 encaminhada pelo Ex- Governador do Estado do Espírito Santo Paulo César Hartung Gomes. Encaminhada a esta Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 400/15, que

Leia mais

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016.

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016. Questões de concursos públicos 2016 Processo de Elaboração e Execução Orçamentária e Financeira Prezado(a) estudante, concursando(a)! Desejo-lhe inspiração para a conquista de seus sonhos e o pleno alcance

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL: AS BASES E BENEFÍCIOS DA APURAÇÃO DE CUSTOS

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL: AS BASES E BENEFÍCIOS DA APURAÇÃO DE CUSTOS A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL: AS BASES E BENEFÍCIOS DA APURAÇÃO DE CUSTOS Conselho Federal de Grupo de Estudo da Área Pública do CFC Coordenadora:

Leia mais