I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9"

Transcrição

1 ÍNDICE I BALANÇO SINTÉTICO 1 II PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 III COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 IV HISTÓRICO DAS CONTAS 6 V HISTÓRICO DE INDICADORES 9 VI MERCADO DE AÇÕES 10 VII INFORME INSTITUCIONAL 11 DF/DFR Av. Presidente Vargas, 409-9º andar CEP Rio de Janeiro - RJ Tel.: (21) / Fax.: (21)

2 ATIVO BALANÇO SINTÉTICO 1 R$ milhares Pela Legislação Societária Controladora Consolidado Set/99 Set/98 Reclassificado Set/99 Set/98 Reclassificado CIRCULANTE Disponibilidade Consumidores e revendedores Financiamentos e Emp. a Receber Juros, comissões e taxas Valores a Receber - PND Investimentos temporários Recursos da União - usinas nucleares Créditos tributários Almoxarifado Devedores diversos Conta de consumo de combustíveis - CCC Despesas pagas antecipadamente Outros REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Financiamentos e Emp. a Receber Concessões a licitar Créditos tributários Outros Adiantamentos p/ Part. Societárias PERMANENTE Investimentos Participação em empresas de energia elétrica Pela equivalência patrimonial Custo corrigido Outros Imobilizado Diferido TOTAL

3 BALANÇO SINTÉTICO 2. PASSIVO R$ milhares Pela Legislação Societária Controladora Consolidado Set/99 Set/98 Reclassificado Set/99 Set/98 Reclassificado CIRCULANTE Financiamentos e empréstimos a pagar Crédito de controladas Conta de consumo de combustível Encargos de financ. e empréstimos Empréstimo compulsório Remuneração aos acionistas Tributos e contribuições sociais Provisões para contingências Remuneração e ressarcimento Outros EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Financiamentos e Empréstimos a Pagar Crédito de controladas Reserva Global de Reversão Empréstimo compulsório Tributos e contribuições sociais Provisões para contingências Outros Obrigações especiais PARTICIPAÇÃO MINORITÁRIA EM CONTROLADA PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Realizado Atualizado Reservas de capital Reservas de lucros Lucros Acumulados Adiantamentos para Aumento de Capital TOTAL

4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO SINTÉTICO 3 R$ milhares Pela Legislação Societária Controladora Consolidado Set/99 Set/98 Reclassificado Set/99 Set/98 Reclassificado RECEITAS OPERACIONAIS Venda de energia elétrica Impostos e contribuições sobre a receita - - (98.157) ( ) Subvenções - consumo de combustível Acréscimo moratório sobre energia vendida De Financiamentos e Empréstimos Juros, comissões e taxas Variações monetárias líquidas De Investimentos - equiv. patrimonial ( ) Outros DESPESAS OPERACIONAIS De Financiamentos e Empréstimos Encargos Financeiros - acionistas Pessoal, material e serviços Depreciação e amortização PASEP e COFINS Energia comprada para revenda Compensação e ressarcimento Combustível para produção de energia elétrica Encargos de parcelamento de tributos Encargos de títulos negociados Provisões para contingências Outros RESULTADO OPERACIONAL RESULTADO NÃO OPERACIONAL ( ) ( ) RESULT. ANTES PROVISÃO IR E CS Contribuição Social ( ) ( ) ( ) ( ) Imposto de Renda ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES Participação minoritária (15.788) ITEM EXTRAORDINÁRIO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Lucro por Ação 0, ,00297 Valor Patrimonial da Ação 0,11415 Cotação Ação PNB BOVESPA ( ) 0,03260 Cotação Ação ON BOVESPA ( ) 0,03200

5 INVESTIMENTOS E ADIANTAMENTOS R$ milhares Pela Legislação Societária PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA 4 PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARTICIPAÇÃO ELETROBRÁS (%) LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL INVESTIMENTO CORRIGIDO C/EQUITY ADIANTAMENTO P/PART. SOCIETÁRIA A) INVESTIMENTOS AVALIADOS PELA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL CONTROLADAS FURNAS , CHESF ,45 ( ) ( ) ELETROSUL , ELETRONORTE ,84 ( ) ( ) LIGHTPAR ,61 (8.907) (7.269) ELETRONUCLEAR ,54 (9.660) ( ) COLIGADA RELEVANTE ITAIPU , (Dividendos) SUBTOTAL ( ) B) INVESTIMENTOS AO CUSTO CORRIGIDO COLIGADAS TOTAL ( )

6 EM QUANTIDADE DE AÇÕES Posição COMPOSIÇÃO DO CAPITAL 5 ORDINÁRIAS % PREF A PREF B TOTAL % UNIÃO , ,45 BNDESPAR , ,82 FND , ,24 MINORITÁRIOS , ,49 TOTAL , ,00 PARTICIPAÇÃO NO CAPITAL TOTAL MINORITÁRIOS UNIÃO FND BNDESPAR

7 HISTÓRICO DAS CONTAS 6 US$ milhões PRINCIPAIS ITENS Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99 ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades 781,03 222,62 148,09 351,97 119,03 Financiamentos e empréstimos a receber 2.556, , , , ,72 Outros 2.064, , , , , , , , , ,42 REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Financiamentos e empréstimos a receber , , , , ,23 Outros 1.877,61 58,83 898,17 878,00 359, , , , , ,92 Adiantamentos para participação societária 1.251, ,93 993, , , , , , , ,99 PERMANENTE Investimentos , , , , ,16 Imobilizado 29,01 20,63 13,37 11,86 10,91 Diferido 2,97 3,83 2,61 2,97 2, , , , , ,59 T O T A L , , , , , Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99

8 HISTÓRICO DAS CONTAS 7 US$ milhões PRINCIPAIS ITENS Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99 PASSIVO CIRCULANTE Financiamentos e Empréstimos a pagar 733,30 409,16 194,74 118,39 108,44 Impostos e Contribuições 755,23 823, , , ,86 Outros 2.002, , , ,27 615, , , , , ,88 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Financiamentos e empréstimos a pagar 3.105,03 958,83 959, , ,93 Impostos e contribuições 1.151,33 676,46 501,32 541,40 541,47 Outros 9.108, , , , , , , , , ,18 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital realizado atualizado , , , , ,67 Reservas , , , , ,97 Lucros acumulados 6.519, , , , , , , , , ,51 Adiantamentos p/aumento de capital 56,36 396,01 300,86 314,15 303, , , , , ,93 T O T A L , , , , , Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Patrimônio Líquido Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99

9 HISTÓRICO DAS CONTAS 8 US$ milhões PRINCIPAIS ITENS Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99 RECEITAS OPERACIONAIS De Financiamentos e empréstimos 2.434, , , , ,02 De Investimentos (1) 157,20 137,50 (618,97) (371,93) (395,96) Outros 80,71 98,94 8,09 35,42 78, , , , , ,00 DESPESAS OPERACIONAIS De Financiamentos e empréstimos 347,72 408,85 64,10 126,32 194,76 Outras 494,56 772,18 217,78 489,17 751,02 842, ,03 281,88 615,49 945,77 Resultado operacional 1.829, , , , ,23 RESULTADO NÃO OPERACIONAL 208,99 29,53 0,16 43,80 (258,62) Resultado antes provisão p/ I.R. e Contrib. Social 2.038, , , , ,61 Contribuição Social (170,83) (209,34) (186,97) (207,14) (250,42) Provisão p/ I.R. (corrente) (522,96) (630,23) (631,74) (653,39) (722,44) RESULTADO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES 1.345, ,58 915, , ,74 Participação dos empregados nos lucros (2,73) Resultado do período 1.345, ,85 915, , ,74 Lucro/Prejuízo por ação 0,0025 0, ,0017 0,0023 0,0026 Valor Patrimonial da ação 0,09 0,09 0,06 0,06 0,06 OBS.: (1) Equivalência Patrimonial 157,20 137,50 (618,97) (371,93) (395,96)

10 HISTÓRICO DOS INDICADORES 9 INDICADORES ECONÔMICOS- FINANCEIROS Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99 Disponibilidade / Passivo Circulante 22,37% 7,74% 5,53% 13,10% 6,48% Ativo Circulante / Passivo Circulante 154,72% 162,16% 126,78% 117,94% 158,99% ESTRUTURA DE CAPITAL Passivo Circulante / Patrimônio Líquido 6,98% 5,84% 7,68% 7,82% 5,76% Exigível Total / Patrimônio Líquido 33,68% 14,00% 19,43% 21,13% 20,02% Financiamento (CP + LP) / Patrimônio Líquido 7,67% 2,78% 3,31% 4,22% 4,82% Financiamento CP / Financiamento (CP + LP) 19,10% 29,91% 16,87% 8,17% 7,04% Permanente / Patrimônio Líquido 69,04% 72,57% 68,22% 69,33% 66,86% Exigível Total / Ativo 25,18% 12,20% 16,15% 17,31% 16,55% RENTABILIDADE Lucro após I.R. / Resultado Operacional 73,51% 72,92% 52,80% 59,84% 52,73% Lucro antes I.R. / Resultado Operacional 111,42% 110,14% 100,01% 102,15% 90,07% Lucro após I.R. / Patrimônio Líquido 2,69% 3,35% 2,62% 3,54% 4,30% INDICADORES DE MERCADO Cotação Ordinária (US$) 0,0210 0,0175 0,0194 0,0189 0,0166 Cotação Pref. B (US$) 0,0221 0,0192 0,0209 0,0202 0,0170 Cotação Ordinária / VPA 22,56% 19,02% 29,96% 29,54% 28,03% Cotação Pref. B / VPA 23,74% 20,87% 32,17% 31,58% 28,56% Ativo Circulante / Passivo Circulante % Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99 % Financiamento (CP + LP) / Patrimônio Líquido Set/98 Dez/98 Mar/99 Jun/99 Set/99

11 MERCADO DE AÇÕES 10 Evolução das Ações na Bovespa Ações Preferenciais Classe B Média Diária Cotação do Mês Média das Médias Valor Patrimonial por Ação Lucro por Ação Cotação no Final do Mês Índice Índice Rentabilidade no Negociada R$ (*) US$ R$ (*) US$ R$ (*) US$ R$ (*) US$ P/L P / VPA Mês Set/ ,0228 0,0193 0,1104 0,093 0, ,0025 0,0262 0,0221 8,83 23,75% (25,68%) Dez ,0259 0,0214 0,1107 0,092 0, ,0031 0,0232 0,0192 6,25 20,96% (11,67%) Mar/ ,0317 0,0184 0,1117 0,065 0, ,0017 0,0359 0, ,25 18,71% 54,74% Jun ,0374 0, ,1130 0,064 0, ,0023 0,0357 0,0202 8,90 31,58% (0,56%) Set/ ,0335 0, ,1141 0,059 0, ,0025 0,0326 0,0169 6,64 28,56% (8,68%) TOTAL Ações Ordinárias Média Diária Cotação do Mês Média das Médias Valor Patrimonial por Ação Lucro por Ação Cotação no Final do Mês Índice Índice Rentabilidade no Negociada R$ (*) US$ R$ (*) US$ R$ (*) US$ R$ (*) US$ P/L P / VPA Mês Set/ ,0215 0,0181 0,1104 0,093 0, ,0025 0,0245 0,0206 8,23 22,15% (27,28%) Dez ,0234 0,0194 0,1107 0,092 0, ,0031 0,0211 0,0175 5,69 19,06% (13,78%) Mar/ ,0298 0,0173 0,1117 0,065 0, ,0017 0,0335 0, ,44 29,99% 58,77% Jun ,0353 0,0199 0,1130 0,064 0, ,0023 0,0334 0,0189 8,33 29,54% (0,30%) Set/ ,0329 0,0171 0,1141 0,059 0, ,0025 0,0320 0,0166 6,52 28,03% (4,19%) TOTAL Volume das Ações da Eletrobrás na Bovespa (Média Diária) SET/97 DEZ MAR/98 JUN SET DEZ MAR/99 JUN SET Eletrobrás BN Eletrobrás ON

12 INFORME INSTITUCIONAL 11 O Novo Papel da Eletrobrás A Eletrobrás possui hoje seis empresas controladas, além de Itaipu na qual a Empresa detém 50 do seu capital. Dessas seis empresas, três são empresas integradas de geração e transmissão de energia, quais sejam: Eletronorte, Chesf e Furnas, uma empresa de transmissão de energia, Eletrosul, uma empresa geradora de energia nuclear, Eletronuclear e uma empresa de participações, Lightpar. Patrimônio Líquido das Subsidiárias - R$ MM e Capacidade Instalada - MW ELETRONORTE (Geração) R$ / 5.537!. CHESF (Geração) R$ / Itaipu (Geração) R$ 192 / Eletrosul (Transmissão) R$ FURNAS (Geração) R$ / ELETRONUCLEAR (Geração) R$ / 650 Lightpar (Participação) R$ 38 As três empresas integradas serão cindidas em empresas de geração e transmissão. As empresas de geração serão as primeiras a serem privatizadas, ficando a Eletrobrás com as empresas de transmissão, para possível privatização futura.

13 INFORME INSTITUCIONAL 12 PRIVATIZAÇÃO DAS SUBSIDIÁRIAS ESQUEMA GERAL Uma nova empresa é formada com o split de ativos de geração da subsidiária Eletrobrás promove um spin-off e a nova empresa terá a mesma estrutura acionária que a Eletrobrás A nova empresa será então privatizada ELETROBRÁS ELETROBRÁS Privatização " SUBSIDIÁRIA Geração SUBSIDIÁRIA Transmissão SUBSIDIÁRIA Geração SUBSIDIÁRIA Transmissão As participações em Itaipu e na Eletronuclear não são passíveis de privatização, em função de proibições existentes, respectivamente, no acordo com o Paraguai e na Constituição Brasileira. Diante deste cenário, do passado que brilhantemente marcou a presença da Eletrobrás no setor elétrico brasileiro, restarão à Eletrobrás, as empresas de transmissão e a geração de Itaipu e Eletronuclear, além dos ativos financeiros que em Setembro de 1999 representavam R$ 28 bilhões a receber contra apenas R$ 2,5 bilhões a pagar. Sob esta ótica, a Eletrobrás vem se transformando, acompanhando a evolução natural do mercado elétrico brasileiro, que se prepara para entrar em uma fase de competição, adaptando o seu papel para investir no setor, tanto em geração como em transmissão, como parceiro minoritário dos novos projetos. Além de acionista minoritário dos novos projetos, a Eletrobrás também passa a exercer a função de comercializadora de energia elétrica. Na primeira fase desta nova função a Eletrobrás estará comercializando a energia produzida por Itaipu e Eletronuclear. A primeira com uma capacidade nominal instalada de MW, dos quais o Brasil consome, aproximadamente, 95% e a Eletronuclear com, aproximadamente, MW, considerando as usinas de Angra 1 e Angra 2, sendo que esta última iniciará suas atividades comerciais no final do primeiro trimestre do próximo ano.

14 INFORME INSTITUCIONAL 13 Ainda como comercializadora de energia elétrica, a Eletrobrás poderá participar do PPA (Power Purchase Agreement) dos novos projetos de energia, térmicos ou hídricos, que serão construídos no pais. A primeira idéia neste novo segmento do mercado, ainda embrionário no Brasil, é de que a Eletrobrás participe do PPA completando a sua formação. Evidentemente que este mercado tende a evoluir, a medida que os novos projetos venham a se concretizar e a capacidade instalada do pais aumente de forma tal que viabilize as negociações no mercado spot e futuro de energia e, neste caso, o modelo acima apresentado evoluirá acompanhando o dinamismo deste mercado.

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de abril de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao primeiro

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO VALE FERTILIZANTES COMUNICADO AO MERCADO VALE FERTILIZANTES S.A. Uberaba, 24 de março de 2011. A Vale Fertilizantes S.A. ( Companhia ) disponibiliza a seus acionistas, investidores e ao mercado, a complementação

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 2T09 488.249.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 2T09 488.249.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 488.249.000,00 Resultados do 2º Trimestre de 2009 São Paulo, 14 de agosto de 2009 A Bradespar [BOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 Resultados do 1º Trimestre de 2006 Rio de Janeiro, 18 de maio de 2006 Globex Utilidades S.A. (BOVESPA: GLOB4, GLOB3; OTC: GBXPY),

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 2 ÍNDICE I PERFIL DA EMPRESA...3 II CONTEXTO...4 III SERVIÇOS...4 IV -

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

ATIVO 1998 1 9 9 7 1998 1 9 9 7

ATIVO 1998 1 9 9 7 1998 1 9 9 7 CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ( em milhares de Reais ) C O N T R O L A D O R A C O N S O L I D A D O ATIVO 1998 1 9 9 7 1998 1 9 9 7 CIRCULANTE

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 A escrituração contábil e a emissão de relatórios,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Informe aos Investidores

Informe aos Investidores Informe aos Investidores Dezembro/2004 Índice Página Análise do Resultado.. 02 Eletrobrás... 13 Resultados das Subsidiárias.. 23 Itaipu... 25 Furnas.. 30 Chesf.. 37 Eletronorte.. 44 Boa Vista Energia..

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O EBITIDA PARA COLOCÁ-LO NO SEU DEVIDO LUGAR

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O EBITIDA PARA COLOCÁ-LO NO SEU DEVIDO LUGAR TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O EBITIDA PARA COLOCÁ-LO NO SEU DEVIDO LUGAR! O que é o EBITIDA! Quais os limites para sua utilização! Sua aderência com o fluxo de caixa! Como calcular o EBITIDA corretamente

Leia mais

Balanço Patrimonial. Composição do Balanço

Balanço Patrimonial. Composição do Balanço Balanço Patrimonial O balanço de uma empresa é considerado por muitos autores uma "fotografia" daquela empresa, demonstrando suas posições patrimonial e financeira em um certo momento. O balanço pode retratar

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF Data-Base - 31/12/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS. 1.1 - IDENTIFICAÇÃO 269-9

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 1T16

Teleconferência de Resultados do 1T16 Teleconferência de Resultados do 1T16 04/ 05 / 2016 1 Destaques & Portfólio Destaques do 1T16 Properties registra no trimestre receita líquida de R$127,0 milhões e EBITDA ajustado de R$102,1 milhões A

Leia mais

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL ( CMPC OU WACC)! Qual a taxa adequada para descontar o fluxo de caixa?! Valor do balanço ou valor de mercado? Qual utilizar?! Exemplo de como

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 4T15 e 2015

Teleconferência de Resultados do 4T15 e 2015 Teleconferência de Resultados do 4T15 e 2015 17 / 02 / 2016 1 Destaques & Portfólio Destaques do 4T15 e 2015 BR Properties registra EBITDA Ajustado de R$ 614 milhões com margem de 86% em 2015 No mês de

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de método de custo e de valor justo 1 BALANÇO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2012 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Finanças Corporativas com ênfase em valuation. Introdução

Finanças Corporativas com ênfase em valuation. Introdução Finanças Corporativas com ênfase em valuation. Introdução Prof. Alexandre Wander Análise das Demonstrações Financeiras A análise financeira, ou de balanço, como é mais conhecida, é um dos principais instrumentos

Leia mais

Comentários do Desempenho

Comentários do Desempenho 1 Comentários do Desempenho 2005 3º TRIMESTRE COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3 O TRIMESTRE DE 2005 No terceiro trimestre de 2005, a Iochpe-Maxion apresentou um lucro líquido de R$ 22,0 milhões (lucro por

Leia mais

PROJEÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL ANA CAROLINA PATRICIA BARBOSA SAMARA PAULINO

PROJEÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL ANA CAROLINA PATRICIA BARBOSA SAMARA PAULINO PROJEÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL ANA CAROLINA PATRICIA BARBOSA SAMARA PAULINO PROJEÇÃO DO BALANÇO BENEFÍCIOS Propicia verificar se o sistema orçamentário foi elaborado com consistência. PATRIMONIAL Propicia

Leia mais

Informe aos Investidores 1T15 Anexo

Informe aos Investidores 1T15 Anexo Informe aos Investidores 1T15 Anexo Versão 3.0 27/05/2015 1 Sumário Página IV. Informações das Empresas 03 V. Dados de Mercado das Empresas 23 VI. Dados de Geração 23 VII. Dados de Transmissão 27 VIII.

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - CIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - CIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil 1 Perfil A Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. ( Companhia ) é uma companhia de capital aberto com ações listadas na BMF&Bovespa, autorizada a operar como concessionária de Serviço

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Análise Econômico-Financeira Apresentamos a seguir o desempenho econômico-financeiro do exercício de 2015, sob a ótica gerencial, comparando-o com o exercício de 2014. Na visão gerencial, as contas são

Leia mais

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS - PARTE I! Imposto de Renda! Lucro Presumido! Lucro Arbitrado! Lucro Real por apuração mensal! COFINS Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV QUESTÃO 01 PROVA ESPECÍFICA São fins da Contabilidade I - Assegurar o controle do patrimônio. II - Fornecer informações sobre a composição e as variações patrimoniais. III - Fornecer informações sobre

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração SECULUS CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A Endereço: Rua Paraíba, n.º 330 11º Andar Belo Horizonte - MG CNPJ: 04.787.807/0001-77 Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação

Leia mais

O QUE É REAVALIAÇÃO? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Benefícios da reavaliação de ativos. O que pode ser reavaliado?

O QUE É REAVALIAÇÃO? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Benefícios da reavaliação de ativos. O que pode ser reavaliado? O QUE É REAVALIAÇÃO? Benefícios da reavaliação de ativos. O que pode ser reavaliado? Contabilização Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS DOS CLUBES DE FUTEBOL DA 1ª DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO - RESULTADOS DE 2004 E 2003

ANÁLISE DE BALANÇOS DOS CLUBES DE FUTEBOL DA 1ª DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO - RESULTADOS DE 2004 E 2003 ANÁLISE DE BALANÇOS DOS CLUBES DE FUTEBOL DA 1ª DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO - RESULTADOS DE 2004 E 2003 VISÃO GERAL Dos 17 balanços publicados pelos clubes da primeira divisão do campeonato brasileiro,

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 DISPONIBILIDADES 1.01.01.01 CAIXA GERAL 1.01.01.01.01 Caixa Matriz 1.01.01.01.02 Caixa Filiais 1.01.01.02 DEPÓSITOS BANCÁRIOS - NO PAÍS 1.01.01.02.01 Bancos Conta

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONTABILIDADE: CONSOLIDAÇÃO

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONTABILIDADE: CONSOLIDAÇÃO TÓPICOS ESPECIAIS DE CONTABILIDADE: Quem deve fazer a consolidação? Que demonstrações financeiras devem ser consolidadas? Quais as implicações do ponto de vista fiscal e societário? Autores: Fábio Vianna(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF 73.178.600/0001-18 NIRE 35.300.137.728 PROPOSTA DE DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (ART. 9º DA ICVM 481/2009) ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis

EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis EXTINÇÃO DE SOCIEDADE MERCANTIL NÃO ANÔNIMA Aspectos Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Realização do Ativo 3. Pagamento do Passivo 4. Preparação da Liquidação 5. Inventário de Liquidação 6. Fatos Contábeis

Leia mais

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A.

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2007 HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão de

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES AUDITORES INDEPENDENTES S/C SÃO PAULO - RUA MADRE CABRINI, 99 VILA MARIANA SP CEP: 04020-000 FONE (0xx11) 5574-5252 - FAX: 5574-5578 E-mail: binah@sti.com.br C.N.P.J.M.F. 47.174.537/0001-31 CRC 2SP 009.597/O-8

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

3º Trimestre 2012 DIVULGAÇÃO DE RESULTADO

3º Trimestre 2012 DIVULGAÇÃO DE RESULTADO São Caetano do Sul, SP, Brasil, 31 de outubro de 2012. A Via Varejo S.A. [BM&FBOVESPA: VVAR3] divulga os resultados do 3º trimestre de 2012 (3T12). As informações operacionais e financeiras da Companhia

Leia mais

Earnings Release 1T16

Earnings Release 1T16 Crescimento da receita líquida em 12,6% no 1T16, totalizando R$ 98 milhões, contra R$ 87 milhões no 1T15 Lançamento de 2 novos produtos no trimestre Teleconferência Português com tradução simultânea para

Leia mais

Glossário de Termos Contábeis e Financeiros

Glossário de Termos Contábeis e Financeiros 07/08/2015 00:57 1/13 Glossário de Termos Contábeis e Financeiros Glossário de Termos Contábeis e Financeiros 1. Amortização Consiste no prazo de pagamento de operações de empréstimos e financiamentos

Leia mais

Divulgação de Resultados do 4T12 e 2012

Divulgação de Resultados do 4T12 e 2012 Divulgação de Resultados do 4T12 e 2012 As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário e, a partir de 2011, têm como base os números preliminares preparados

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2011 - KLABIN S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2011 - KLABIN S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ÍNDICES DE LIQUIDEZ. Índice de Liquidez Corrente (LC)

ÍNDICES DE LIQUIDEZ. Índice de Liquidez Corrente (LC) Índices econômico-financeiros sob a ótica de finanças 1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ A liquidez de uma empresa é medida em termos de sua capacidade de saldar suas dívidas de curto prazo. A liquidez diz respeito

Leia mais

TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A.

TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. Contatos TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. Ruggero Caterini Diretor de Finanças e de Relações com Investidores Joana Dark Fonseca Serafim Relações com Investidores

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 10/07/2009 MRV ENGENHARIA E PARTICIPACOES S.A A Companhia MANUTENÇÃO Código em Bolsa MRVE3 Setor Construção/Incorporação Cotação em 03/07/09 R$ 27,65 Preço Alvo R$ 35,60 Potencial de Valorização 28,74%

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T13

Divulgação de Resultados 3T13 Divulgação de Resultados 3T13 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

A Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade

A Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade A Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade Benefícios e Desafios da Implantação no Brasil na ótica dos Profissionais de Investimentos Luiz Guilherme Dias, MSc. lg.dias@sabe.com.br Rio de

Leia mais

Informe aos Investidores 4T15 Anexo

Informe aos Investidores 4T15 Anexo Informe aos Investidores 4T15 Anexo Versão 1.0 30/03/2015 1 Sumário Página IV.Informações das Empresas 03 V.Dados de Mercado das Empresas 65 VI. Dados de Geração 66 VII. Dados de Transmissão 73 VIII. Dados

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco e de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco e de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco e de Risco de Liquidez Junho de 2016 [Type text] Índice Av Pedroso de Morais 1619 cj 110 05419-001 São Paulo SP 55 11 3038 1287 setinvestimentos.com.br I. Objetivo... 2

Leia mais

Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis

Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis Profa. Márcia Ferreira Neves Tavares, Doutoranda em Ciências Contábeis. Profa. de Ciências Contábeis da UFPE e sócia da Ferreira & Associados Auditores Independentes.

Leia mais

Contexto Operacional. Op eração. Receita Líquida. 12,9 bilhões. composição da receita consolidada (%)

Contexto Operacional. Op eração. Receita Líquida. 12,9 bilhões. composição da receita consolidada (%) 103 Contexto Operacional A seguir seguem os comentários sobre o desempenho da JbS Foods S.A. referentes ao exercício de 2014. com intuito de proporcionar a visibilidade anual dos resultados, tais comentários

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E! Definições e mudanças propostas no Projeto de Lei 3.741 que altera a Lei 6.404/76.! O que é AMORTIZAÇÃO? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - GRAZZIOTIN SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - GRAZZIOTIN SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Informe aos Investidores 1T16 Anexo

Informe aos Investidores 1T16 Anexo Informe aos Investidores 1T16 Anexo Versão 1.0 11/05/2016 1 Sumário Página IV.Informações das Empresas Eletrobras 03 V.Dados de Mercado das Empresas Eletrobras 51 VI. Dados de Geração 52 VII. Dados de

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) ATIVO CONSOLIDADO 2008 2007 2008 2007 Numerário disponível 1.265 2.072 5.915 6.418 Aplicações no mercado aberto

Leia mais

Informe aos Investidores 2T16 Anexo

Informe aos Investidores 2T16 Anexo Informe aos Investidores 2T16 Anexo Versão 1.0 15/08/2016 1 Sumário Página IV.Informações das Empresas Eletrobras 03 V.Dados de Mercado das Empresas Eletrobras 71 VI. Dados de Geração 72 VII. Dados de

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades Dezembro 2014 DMAG DMAG DFP DFP DPCO DPCO ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da

Leia mais

Demonstrações Contábeis Intermediárias. 30 de setembro de 2013 BR GAAP

Demonstrações Contábeis Intermediárias. 30 de setembro de 2013 BR GAAP Demonstrações Contábeis Intermediárias BR GAAP Arquivado na CVM, SEC e HKEx em 6 de novembro Vale S.A. Índice das Demonstrações Contábeis Intermediárias Página Relatório de Revisão dos Auditores Independentes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - BRF S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2013 - BRF S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ATIVO FISCAL DIFERIDO

ATIVO FISCAL DIFERIDO ATIVO FISCAL DIFERIDO O Ativo Fiscal Diferido foi criado pela deliberação CVM nº273, de 20/08/1998 e revisionado pela instrução CVM nº 371 de 27/06/2002, cujo objetivo principal foi conceder às empresas

Leia mais

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal)

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) (UM ENFOQUE ORIENTADO PARA A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA)! Apresentação do balanço! Apresentação do resultado! A

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 1998 E DE 1997 (Em Milhares de Reais) ATIVO

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 1998 E DE 1997 (Em Milhares de Reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 1998 E DE 1997 ATIVO (RECLASSIFICADO) CIRCULANTE Numerário disponível 6.492 10.749 Aplicações no mercado aberto 2.157 42 Consumidores e revendedores 53.139 57.316

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Demonstrações Contábeis de 31 de dezembro de 2010 BR GAAP/IFRS. Arquivadas na CVM, SEC e SFC em 24/02/2011. Gerência Geral de Controladoria GECOL

Demonstrações Contábeis de 31 de dezembro de 2010 BR GAAP/IFRS. Arquivadas na CVM, SEC e SFC em 24/02/2011. Gerência Geral de Controladoria GECOL Demonstrações Contábeis de de 2010 BR GAAP/IFRS Arquivadas na CVM, SEC e SFC em 24/02/2011 Gerência Geral de Controladoria GECOL Vale S.A. ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Página Relatório dos Auditores

Leia mais

Projeto Fiesp / Serasa

Projeto Fiesp / Serasa Projeto Fiesp / Serasa Glossário dos índices econômico-financeiros Desenvolvimento técnico de Crédito Olavo Borges João Carlos Ferreira Machado Julho / 2005 1. Estrutura de capitais Esse grupo de índices

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01385-4 CEMEPE INVESTIMENTOS SA 93.828.986/0001-73 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01385-4 CEMEPE INVESTIMENTOS SA 93.828.986/0001-73 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Julgador Administrativo Tributário, cargo integrante da Secretaria da Fazenda de Pernambuco.

A seguir, a correção da prova de Julgador Administrativo Tributário, cargo integrante da Secretaria da Fazenda de Pernambuco. Olá, pessoal. Como estão? A seguir, a correção da prova de Julgador Administrativo Tributário, cargo integrante da Secretaria da Fazenda de Pernambuco. A prova, de modo geral, exigiu conhecimentos básicos

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32 Tributos sobre o Lucro Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos tratados,

Leia mais

sumário e dos Exercícios Findos em 31 de Dezembro Quadro 3 BNDES: Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

sumário e dos Exercícios Findos em 31 de Dezembro Quadro 3 BNDES: Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido Demonstrações Contábeis 2002 demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 sumário Parecer dos Auditores Independentes 05 Quadro 1 BNDES: Balanço Patrimonial em 31 de Dezembro 06 Quadro 2

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T15. Viver Anuncia os Resultados do Quarto Trimestre e do Ano de 2015. Destaques

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T15. Viver Anuncia os Resultados do Quarto Trimestre e do Ano de 2015. Destaques DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T15 Teleconferência de Resultados Quinta-feira, 01 de abril de 2016 Português - com tradução simultânea para o inglês 10h00 (horário de Brasília) 09h00 (horário de Nova York)

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA PRIVADA

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA PRIVADA MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA PRIVADA JAN A JUNHO -2013 1 O Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência Privada encerrou o período em foco apresentando um Lucro Líquido não consolidado tecnicamente

Leia mais

Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015

Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2014 Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ BRASILAGRO CIA BRAS PROPRIEDADES AGRICOL 9 - TELEFONE 3035-5352 14 - FAX 3035-5366 3035-5366

2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ BRASILAGRO CIA BRAS PROPRIEDADES AGRICOL 9 - TELEFONE 3035-5352 14 - FAX 3035-5366 3035-5366 Data-Base - 3/6/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS. 1.1 - IDENTIFICAÇÃO 1 - CÓDIGO

Leia mais

Informe aos Investidores 3T16 Anexo

Informe aos Investidores 3T16 Anexo Informe aos Investidores 3T16 Anexo Versão 1.0 09/11/2016 1 Sumário Página IV.Informações das Empresas Eletrobras 03 V.Dados de Mercado das Empresas Eletrobras 64 VI. Dados de Geração 65 VII. Dados de

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E DE 2001

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E DE 2001 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E DE 2001 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

APOSTILA DE ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTO

APOSTILA DE ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTO Questões conceituais APOSTILA DE ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTO 1. O que é um orçamento? O que é controle orçamentário? 2. Discuta alguns dos principais benefícios obtidos com a criação de orçamentos. 3. O que

Leia mais

Econômico - Financeira

Econômico - Financeira 7 Fundamentos de Análise Econômico - Financeira Já vimos como é feito o registro contábil do patrimônio da nossa empresa, elaboramos uma equação a equação fundamental do patrimônio líquido financeiro (PFL)

Leia mais

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS 1 de 5 31/01/2015 15:34 REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Até 31.12.2007, a Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8º, admitia a possibilidade de

Leia mais

Comentários do Desempenho

Comentários do Desempenho 1 Comentários do Desempenho 2005 2005 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2005 A Iochpe-Maxion apresentou um lucro líquido de R$72,1 milhões (lucro por ação de R$1,355), um aumento de 41,9% em relação aos R$50,8

Leia mais